SlideShare uma empresa Scribd logo
Messias Miranda Junior
Metabolismo dos Lipídeos
Messias.miranda@yahoo.com.br
Unidade Itapetininga - SP
Características dos lipídeos como reserva energética
Desempenham um papel relevante como fonte de alimentos devido ao seu alto valor
energético de 9 Kcal/g.
Biomoléculas de reserva.
Absorção: Diariamente ingerimos cerca de 25g-105g de triglicerídeos. Outros lipídeos
tb sao ingeridos como fosfolipídios, o colesterol e as vitaminas lipossolúveis.
Armazenamento: de ácidos graxos na forma de TG é o mais. Quando hormônios
sinalizam a necessidade de energia metabólica, promove-se a liberação destes TG com
o objetivo de convertê-los em ácidos graxos livres, os quais serão oxidados para
produzir energia.
Digestão, absorção, transporte e armazenamento
1. As gorduras são emulsificadas no intestino delgado pelos sais biliares formando
micelas mistas de triacilgliceróis.
2. Lipases intestinais hidrolisam os triacilgliceróis .
3. Os ácidos graxos são absorvidos na mucosa intestinal e reconvertidos em
triacilgliceróis.
4. Os Triacilgliceróis juntamente com o colesterol e as apoliproteinas formam o
quilomícron.
5. Os quilomícrons migram para o sistema linfático, depois para a corrente sanguínea e
seguem para os tecidos.
6. Ativada pela apoC-II, a lipoproteína lipase libera ácido graxo e glicerol.
7. Os ácidos graxos entram nos adipócitos.
8. Os ácidos graxos são oxidados como combustíveis, reesterificados para a
armazenagem ou utilizados para a síntese de membranas celulares.
Digestão, absorção, transporte e armazenamento
Quilomícrons
Composição:
•Apoliproteínas
•Triacilgliceróis
•Colesterol
•Fosfolipídeos
Liberação dos Ácidos Graxos dos Triacilgliceróis do Tecido Adiposo
Jejum adrenalisa e glucagon ativa adenil-ciclase hidrolise do
baixa glicemia triacilglicerol
em Ác. Graxos
e glicerol
Tecidos para
produzir
energia
Fígado para
produzir
triacilgliceróis,
fosfolipídeos ou
glicose
(gliconeogênese)
β-oxidação dos Ácidos Graxos
• Estágio 1- um ácido graxo de cadeia
longa é oxidado para produzir
resíduos de acetil –CoA.
• Estágio 2- os grupos acetil são
oxidados a CO2, NADH+H+, FADH2 e
GTP através do ciclo do ácido cítrico.
• Estágio 3- os elétrons provenientes
das reações acima passam pela
cadeia respiratória produzindo ATP.
Metabolismo Lipídico
Metabolismo do Glicerol
Ser Utilizada na Glicólise ou Gliconeogênese
Glicólise ou Gliconeogênese
Ativação dos Ácidos Graxos
Produção de Acil-CoA no citoplasma
Transporte do Grupo Acil para as Mitocôndrias
Ação da Acil-carnitina translocase
Ácidos graxos com 14 ou mais carbonos
β-oxidação dos Ácidos Graxos
Ciclo de Lynen
β-oxidação do Ácido Palmítico (16 carbonos)
Número de Ciclos de Lynen e de Acetil-CoA em Ácido graxo com
16 carbonos
Número de Ciclos de Lynen
n – 1 = 16 – 1 = 7 ciclos de Lynen
2 2
Portanto, se em cada Ciclo são produzidos um NADH+H+ e um FADH2, ao total,
serão produzidas 7 moléculas de NADH+H+ e um FADH2, produzindo um total
de 28 ATPs.
Nómero de Moléculas de Acetol CoA
n = 16 = 8 acetil CoA
2 2
Se cada acetil CoA que entra no Ciclo do Ácido Cítrico produzem 3 NADH+H+,
um FADH2 e 1 GTP, que produzem 10 ATPs,
8 acetil CoA x 10 ATPs = 80 ATPs
Total = 80 + 28 = 108 ATPs menos 2 ATPs da etapa de ativação = 106 ATP
β-oxidação dos Ácidos Graxos Mono-Insaturados
β-oxidação dos Ácidos Graxos Poli-Insaturados
β-oxidação dos Ácidos Graxos de Cadeia Ímpar
Ciclo do Ácido
Cítrico
Corpos Cetônicos
Ocorre no fígado e é liberado na corrente sanguínea para outros
tecidos e órgãos
Exalada e
excretada na
urina
Outros tecidos:
produz energia
β-Hidroxibutirato como combustível
Nos tecidos produz acetil-CoA
Biossíntese de Ácidos Graxos
Ocorre no citoplasma
Acetil-CoA é gerado na mitocôndria pela:
•descarboxilação de piruvato;
•oxidação de ácidos graxos;
•degradação de corpos cetônicos;
•degradação de aminoácidos.
Quando a demanda por ATP é baixa, a energia contida na acetil CoA
mitocondrial pode ser estocada como gordura pela síntese de ácidos graxos.
Em humanos, esta biossíntese ocorre principalmente no fígado, glândulas
mamárias, adipócitos e rins.
A síntese de ácidos graxos ocorre no citossol.
A membrana mitocondrial é impermeável para a saída da acetil-CoA.
Por isso, o acetil-CoA é transportado para o citossol na forma de citrato.
Transporte da Acetil-CoA para o Citoplasma
Síntese de
ácido graxo
Primeiro Passo: Formação de Malonil-CoA
Segundo Passo: Malonil transferido para a proteína
carreadora de acila
Síntese do Ácidos Graxos
Entra mais um grupo malonil e um
grupo acetila para aumentar a cadeia
Síntese do Ácidos Graxos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bioquímica metabolismo de proteínas
Bioquímica  metabolismo de proteínasBioquímica  metabolismo de proteínas
Bioquímica metabolismo de proteínas
Marcos Gomes
 
Metabolismo enérgético
Metabolismo enérgético Metabolismo enérgético
Metabolismo enérgético
Viviane Vasconcelos
 
Glicólise bioquimica
Glicólise   bioquimicaGlicólise   bioquimica
Glicólise bioquimica
Brendel Luis
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Herbert Santana
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Aula 1 introdução a bioquímica metabólica
Aula 1   introdução a bioquímica metabólica Aula 1   introdução a bioquímica metabólica
Aula 1 introdução a bioquímica metabólica
Silvana Arage
 
Lipídios - Bioquímica
Lipídios - Bioquímica Lipídios - Bioquímica
Lipídios - Bioquímica
Tales Junior
 
Lipídios - Geral
Lipídios - Geral Lipídios - Geral
Lipídios - Geral
Rodolfo Pimentel Oliveira
 
Lipídios
LipídiosLipídios
Lipídios
emanuel
 
Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
Caio Maximino
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Messias Miranda
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Aline Tonin
 
Proteinas
ProteinasProteinas
Proteinas
Lucas Roberto
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
Messias Miranda
 
Lipídeos fsp
Lipídeos fspLipídeos fsp
Lipídeos fsp
Messias Miranda
 
Bioenergética
BioenergéticaBioenergética
Bioenergética
Adriana Quevedo
 
Metabolismo celular (completo)
Metabolismo celular (completo)Metabolismo celular (completo)
Metabolismo celular (completo)
Adrianne Mendonça
 
Aula RESPIRAÇÃO CELULAR
Aula RESPIRAÇÃO CELULARAula RESPIRAÇÃO CELULAR
Aula RESPIRAÇÃO CELULAR
MARCIAMP
 
Bioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínasBioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínas
Viviane Vasconcelos
 
Metabolismo de Carboidratos
Metabolismo de CarboidratosMetabolismo de Carboidratos
Metabolismo de Carboidratos
Adriana Quevedo
 

Mais procurados (20)

Bioquímica metabolismo de proteínas
Bioquímica  metabolismo de proteínasBioquímica  metabolismo de proteínas
Bioquímica metabolismo de proteínas
 
Metabolismo enérgético
Metabolismo enérgético Metabolismo enérgético
Metabolismo enérgético
 
Glicólise bioquimica
Glicólise   bioquimicaGlicólise   bioquimica
Glicólise bioquimica
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Aula 1 introdução a bioquímica metabólica
Aula 1   introdução a bioquímica metabólica Aula 1   introdução a bioquímica metabólica
Aula 1 introdução a bioquímica metabólica
 
Lipídios - Bioquímica
Lipídios - Bioquímica Lipídios - Bioquímica
Lipídios - Bioquímica
 
Lipídios - Geral
Lipídios - Geral Lipídios - Geral
Lipídios - Geral
 
Lipídios
LipídiosLipídios
Lipídios
 
Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Proteinas
ProteinasProteinas
Proteinas
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
 
Lipídeos fsp
Lipídeos fspLipídeos fsp
Lipídeos fsp
 
Bioenergética
BioenergéticaBioenergética
Bioenergética
 
Metabolismo celular (completo)
Metabolismo celular (completo)Metabolismo celular (completo)
Metabolismo celular (completo)
 
Aula RESPIRAÇÃO CELULAR
Aula RESPIRAÇÃO CELULARAula RESPIRAÇÃO CELULAR
Aula RESPIRAÇÃO CELULAR
 
Bioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínasBioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínas
 
Metabolismo de Carboidratos
Metabolismo de CarboidratosMetabolismo de Carboidratos
Metabolismo de Carboidratos
 

Semelhante a Metabolismo de lipídeos fsp

Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...
Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...
Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...
BrunaRafaela835991
 
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológicoNh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Eric Liberato
 
Resumo bioquimica-2
Resumo bioquimica-2Resumo bioquimica-2
Resumo bioquimica-2
Tamara Garcia
 
Lipidos
LipidosLipidos
Lipidos
Luis Ribeiro
 
Metabolismo de lipídeos para enfermagem
Metabolismo de lipídeos para enfermagemMetabolismo de lipídeos para enfermagem
Metabolismo de lipídeos para enfermagem
Adriana Quevedo
 
T3 regulação e integração metabólica
T3   regulação e integração metabólicaT3   regulação e integração metabólica
T3 regulação e integração metabólica
Carina Marinho
 
Beta oxidação 2017.pdf
Beta oxidação 2017.pdfBeta oxidação 2017.pdf
Beta oxidação 2017.pdf
JliaDominguesFerreir
 
Metabolismo de lipídeos
Metabolismo de lipídeosMetabolismo de lipídeos
Metabolismo de lipídeos
Joao Alexandre Berigo
 
Tecido adiposo
Tecido adiposoTecido adiposo
Tecido adiposo
Talita Dezidério
 
catabolismo dos lipídeos
  catabolismo dos lipídeos  catabolismo dos lipídeos
catabolismo dos lipídeos
KarolCavalcante5
 
Metabolismo de Lipídeos. pdf.pdf
Metabolismo de Lipídeos. pdf.pdfMetabolismo de Lipídeos. pdf.pdf
Metabolismo de Lipídeos. pdf.pdf
LorezzoGomez
 
Revisao metabolismo prova_2
Revisao metabolismo prova_2Revisao metabolismo prova_2
Revisao metabolismo prova_2
Sergio Câmara
 
AULA 8 - GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.ppt
AULA 8 -  GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.pptAULA 8 -  GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.ppt
AULA 8 - GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.ppt
SuilanMoreiraFerreir
 
AULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.ppt
AULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.pptAULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.ppt
AULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.ppt
MariledaRodrigues
 
Bioquímica ii 11 lipolise (arlindo netto)
Bioquímica ii 11   lipolise (arlindo netto)Bioquímica ii 11   lipolise (arlindo netto)
Bioquímica ii 11 lipolise (arlindo netto)
Jucie Vasconcelos
 
Acidos graxos
Acidos graxosAcidos graxos
Acidos graxos
PAULA IZABEL
 
Metabolismo De Lipídios Veterinária
Metabolismo De Lipídios    VeterináriaMetabolismo De Lipídios    Veterinária
Metabolismo De Lipídios Veterinária
Adriana Quevedo
 
bioenergética no metabolismo das plantas
bioenergética no metabolismo das plantasbioenergética no metabolismo das plantas
bioenergética no metabolismo das plantas
JeanMarcelo21
 
APOSTILA_Integracao_met_2011_2_001.pptx
APOSTILA_Integracao_met_2011_2_001.pptxAPOSTILA_Integracao_met_2011_2_001.pptx
APOSTILA_Integracao_met_2011_2_001.pptx
sergio_chumbinho
 
Resumos 2
Resumos 2Resumos 2
Resumos 2
Rui Gomes
 

Semelhante a Metabolismo de lipídeos fsp (20)

Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...
Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...
Aula sobre metabolismo de lipídeos: Lipólise, lipogênese, cetogênese e síntes...
 
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológicoNh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
 
Resumo bioquimica-2
Resumo bioquimica-2Resumo bioquimica-2
Resumo bioquimica-2
 
Lipidos
LipidosLipidos
Lipidos
 
Metabolismo de lipídeos para enfermagem
Metabolismo de lipídeos para enfermagemMetabolismo de lipídeos para enfermagem
Metabolismo de lipídeos para enfermagem
 
T3 regulação e integração metabólica
T3   regulação e integração metabólicaT3   regulação e integração metabólica
T3 regulação e integração metabólica
 
Beta oxidação 2017.pdf
Beta oxidação 2017.pdfBeta oxidação 2017.pdf
Beta oxidação 2017.pdf
 
Metabolismo de lipídeos
Metabolismo de lipídeosMetabolismo de lipídeos
Metabolismo de lipídeos
 
Tecido adiposo
Tecido adiposoTecido adiposo
Tecido adiposo
 
catabolismo dos lipídeos
  catabolismo dos lipídeos  catabolismo dos lipídeos
catabolismo dos lipídeos
 
Metabolismo de Lipídeos. pdf.pdf
Metabolismo de Lipídeos. pdf.pdfMetabolismo de Lipídeos. pdf.pdf
Metabolismo de Lipídeos. pdf.pdf
 
Revisao metabolismo prova_2
Revisao metabolismo prova_2Revisao metabolismo prova_2
Revisao metabolismo prova_2
 
AULA 8 - GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.ppt
AULA 8 -  GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.pptAULA 8 -  GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.ppt
AULA 8 - GLICÓLISE OU VIA GLICOLÍTICA.ppt
 
AULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.ppt
AULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.pptAULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.ppt
AULA 8-9 - RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO.ppt
 
Bioquímica ii 11 lipolise (arlindo netto)
Bioquímica ii 11   lipolise (arlindo netto)Bioquímica ii 11   lipolise (arlindo netto)
Bioquímica ii 11 lipolise (arlindo netto)
 
Acidos graxos
Acidos graxosAcidos graxos
Acidos graxos
 
Metabolismo De Lipídios Veterinária
Metabolismo De Lipídios    VeterináriaMetabolismo De Lipídios    Veterinária
Metabolismo De Lipídios Veterinária
 
bioenergética no metabolismo das plantas
bioenergética no metabolismo das plantasbioenergética no metabolismo das plantas
bioenergética no metabolismo das plantas
 
APOSTILA_Integracao_met_2011_2_001.pptx
APOSTILA_Integracao_met_2011_2_001.pptxAPOSTILA_Integracao_met_2011_2_001.pptx
APOSTILA_Integracao_met_2011_2_001.pptx
 
Resumos 2
Resumos 2Resumos 2
Resumos 2
 

Mais de Messias Miranda

Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos tReceptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Messias Miranda
 
Processamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenosProcessamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenos
Messias Miranda
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
Messias Miranda
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
Messias Miranda
 
Imunologia do transplante
Imunologia do transplanteImunologia do transplante
Imunologia do transplante
Messias Miranda
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passiva
Messias Miranda
 
Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativa
Messias Miranda
 
Imunidade celular
Imunidade celularImunidade celular
Imunidade celular
Messias Miranda
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Messias Miranda
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
Messias Miranda
 
Introdução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fspIntrodução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fsp
Messias Miranda
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítrico
Messias Miranda
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Messias Miranda
 
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via GlicolíticaMetabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Messias Miranda
 
Vitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimasVitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimas
Messias Miranda
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Messias Miranda
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
Messias Miranda
 
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e ParasitáriasDiagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Messias Miranda
 
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Messias Miranda
 

Mais de Messias Miranda (20)

Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos tReceptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
 
Processamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenosProcessamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenos
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Imunologia do transplante
Imunologia do transplanteImunologia do transplante
Imunologia do transplante
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passiva
 
Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativa
 
Imunidade celular
Imunidade celularImunidade celular
Imunidade celular
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
 
Introdução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fspIntrodução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fsp
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítrico
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
 
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via GlicolíticaMetabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
 
Vitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimasVitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimas
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
 
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e ParasitáriasDiagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
 
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
 

Último

Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (8)

Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 

Metabolismo de lipídeos fsp

  • 1. Messias Miranda Junior Metabolismo dos Lipídeos Messias.miranda@yahoo.com.br Unidade Itapetininga - SP
  • 2. Características dos lipídeos como reserva energética Desempenham um papel relevante como fonte de alimentos devido ao seu alto valor energético de 9 Kcal/g. Biomoléculas de reserva. Absorção: Diariamente ingerimos cerca de 25g-105g de triglicerídeos. Outros lipídeos tb sao ingeridos como fosfolipídios, o colesterol e as vitaminas lipossolúveis. Armazenamento: de ácidos graxos na forma de TG é o mais. Quando hormônios sinalizam a necessidade de energia metabólica, promove-se a liberação destes TG com o objetivo de convertê-los em ácidos graxos livres, os quais serão oxidados para produzir energia.
  • 3. Digestão, absorção, transporte e armazenamento 1. As gorduras são emulsificadas no intestino delgado pelos sais biliares formando micelas mistas de triacilgliceróis. 2. Lipases intestinais hidrolisam os triacilgliceróis . 3. Os ácidos graxos são absorvidos na mucosa intestinal e reconvertidos em triacilgliceróis. 4. Os Triacilgliceróis juntamente com o colesterol e as apoliproteinas formam o quilomícron. 5. Os quilomícrons migram para o sistema linfático, depois para a corrente sanguínea e seguem para os tecidos. 6. Ativada pela apoC-II, a lipoproteína lipase libera ácido graxo e glicerol. 7. Os ácidos graxos entram nos adipócitos. 8. Os ácidos graxos são oxidados como combustíveis, reesterificados para a armazenagem ou utilizados para a síntese de membranas celulares.
  • 6. Liberação dos Ácidos Graxos dos Triacilgliceróis do Tecido Adiposo Jejum adrenalisa e glucagon ativa adenil-ciclase hidrolise do baixa glicemia triacilglicerol em Ác. Graxos e glicerol Tecidos para produzir energia Fígado para produzir triacilgliceróis, fosfolipídeos ou glicose (gliconeogênese)
  • 7. β-oxidação dos Ácidos Graxos • Estágio 1- um ácido graxo de cadeia longa é oxidado para produzir resíduos de acetil –CoA. • Estágio 2- os grupos acetil são oxidados a CO2, NADH+H+, FADH2 e GTP através do ciclo do ácido cítrico. • Estágio 3- os elétrons provenientes das reações acima passam pela cadeia respiratória produzindo ATP.
  • 9. Metabolismo do Glicerol Ser Utilizada na Glicólise ou Gliconeogênese Glicólise ou Gliconeogênese
  • 10. Ativação dos Ácidos Graxos Produção de Acil-CoA no citoplasma
  • 11. Transporte do Grupo Acil para as Mitocôndrias Ação da Acil-carnitina translocase Ácidos graxos com 14 ou mais carbonos
  • 12. β-oxidação dos Ácidos Graxos Ciclo de Lynen
  • 13. β-oxidação do Ácido Palmítico (16 carbonos)
  • 14. Número de Ciclos de Lynen e de Acetil-CoA em Ácido graxo com 16 carbonos Número de Ciclos de Lynen n – 1 = 16 – 1 = 7 ciclos de Lynen 2 2 Portanto, se em cada Ciclo são produzidos um NADH+H+ e um FADH2, ao total, serão produzidas 7 moléculas de NADH+H+ e um FADH2, produzindo um total de 28 ATPs. Nómero de Moléculas de Acetol CoA n = 16 = 8 acetil CoA 2 2 Se cada acetil CoA que entra no Ciclo do Ácido Cítrico produzem 3 NADH+H+, um FADH2 e 1 GTP, que produzem 10 ATPs, 8 acetil CoA x 10 ATPs = 80 ATPs Total = 80 + 28 = 108 ATPs menos 2 ATPs da etapa de ativação = 106 ATP
  • 15.
  • 16. β-oxidação dos Ácidos Graxos Mono-Insaturados
  • 17. β-oxidação dos Ácidos Graxos Poli-Insaturados
  • 18. β-oxidação dos Ácidos Graxos de Cadeia Ímpar Ciclo do Ácido Cítrico
  • 19. Corpos Cetônicos Ocorre no fígado e é liberado na corrente sanguínea para outros tecidos e órgãos Exalada e excretada na urina Outros tecidos: produz energia
  • 20. β-Hidroxibutirato como combustível Nos tecidos produz acetil-CoA
  • 21. Biossíntese de Ácidos Graxos Ocorre no citoplasma Acetil-CoA é gerado na mitocôndria pela: •descarboxilação de piruvato; •oxidação de ácidos graxos; •degradação de corpos cetônicos; •degradação de aminoácidos. Quando a demanda por ATP é baixa, a energia contida na acetil CoA mitocondrial pode ser estocada como gordura pela síntese de ácidos graxos. Em humanos, esta biossíntese ocorre principalmente no fígado, glândulas mamárias, adipócitos e rins. A síntese de ácidos graxos ocorre no citossol. A membrana mitocondrial é impermeável para a saída da acetil-CoA. Por isso, o acetil-CoA é transportado para o citossol na forma de citrato.
  • 22. Transporte da Acetil-CoA para o Citoplasma Síntese de ácido graxo
  • 23. Primeiro Passo: Formação de Malonil-CoA
  • 24. Segundo Passo: Malonil transferido para a proteína carreadora de acila
  • 25. Síntese do Ácidos Graxos Entra mais um grupo malonil e um grupo acetila para aumentar a cadeia