SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Messias Miranda Junior
messias.miranda@yahoo.com.br
Unidade Itapetininga - SP
Imunidade Ativa e
Imunidade Passiva
A imunidade contra um microrganismo pode ser
induzida pela resposta do hospedeiro a ele ou
pela transferência de anticorpos ou de linfócitos
específicos para um microrganismo
Imunidade Ativa Imunidade Passiva
Imunidade Ativa
Imunidade induzida pela exposição a um antígeno estranho
- Indivíduo imunizado - papel ativo na resposta ao Ag
Linfócitos que não tiveram
exposição a um Ag específico
Virgens ou Inativos
ou naives
Indivíduos que responderam
a um Ag microbiano
Imunes
Imunidade Ativa
• Provocar imunidade protetora e memória imunológica.
• Se bem sucedida , exposição subseqüente provoca
reposta imune aumentada capaz de eliminar o patógeno
ou prevenir a doença.
• Infecção natural ou adquirida artificialmente por meio
de vacinas.
Tipos de imunização Ativa
Natural
• Exposição a infecções.
Artificial
• Organismos atenuados.
• Organismos mortos.
• Fragmentos celulares.
• Toxinas.
• DNA.
Organismos Vivos Atenuados
Vantagens
• Dose única.
• Proteção duradoura.
• Resposta
Humoral/Celular.
Desvantagens
• Risco de reversão da
patogenicidade.
• Pouca definição da
composição.
Organismos Vivos Atenuados
Efeitos Adversos
• Pacientes com Imunodeficiências.
• Reversão para o tipo selvagem.
Vacina com Organismos Mortos
Vantagens
• Não existe risco de
reversão da
patogenicidade.
• Sem risco de
transmissão.
Desvantagens
• Múltiplos reforços.
• Composição pouco
conhecida.
• O patógeno deve ser
cultivado in vitro.
• Principalmente
resposta Humoral.
Imunidade Passiva
Indivíduo se torna imune a Ag sem nunca ter sido
exposto ou ter apresentado resposta a ele
Transferência de Plasma ou Linfócitos de um indivíduo
imunizado
Imunidade passiva: eficiente para conferir resistência
rapidamente, sem esperar resposta imunológica ativa
Anticorpos maternos para feto
Imunização passiva mediante
administração de Anticorpos de
animais imunizados
Transferência Adotiva
Definição de células e moléculas mediadoras da
imunidade específica
Imunidade Humoral:
Imunidade transferida para indivíduos não imunizados
por meio de porções de sangue com anticorpos e livres
de células - plasma ou soro; obtidas de indivíduos
imunizados
Imunidade Adquirida
 imunização ativa:
o antígeno que causa a doença é
introduzido no corpo de um ser
sadio, havendo produção de
anticorpos específicos
 Exemplo: vacina anti-sarampo,
caxumba e rubéola; vacina anti-
hepatite, etc …
 imunização passiva:
resposta rápida - anticorpos já
prontos para combater a um
antígeno.
 Exemplo: soro anti-veneno de
cascavel; soro anti-veneno de
jararaca, etc …
VACINA SORO
Imunidade Passiva
• Proteção transitória
• Ac pré formados são transferidos para um receptor.
• Naturalmente : Ac maternos contra difteria , tétano ,
Streptococos sp , rubéola , sarampo e poliovírus
protegem o feto em desenvolvimento e, após o
nascimento , Ac no colostro.
• Injeção de Ac pré formados
Deficiência na síntese do Ac ( defeito nas células B).
Não há tempo para imunização ativa (ex. Tétano ).
Usos da imunização Passiva
Imunização passiva
Vantagens
• Proteção imediata.
Desvantagens
• Curto período de
proteção.
• Doença do soro.
Imunidade Ativa X Passiva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosGildo Crispim
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosGildo Crispim
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo ILABIMUNO UFBA
 
Imunidade adaptativa
Imunidade adaptativaImunidade adaptativa
Imunidade adaptativaSilas Gouveia
 
ICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - HipersensibilidadesICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - HipersensibilidadesRicardo Portela
 
Reposta Imune Contra as Infecções
Reposta Imune Contra as InfecçõesReposta Imune Contra as Infecções
Reposta Imune Contra as InfecçõesLABIMUNO UFBA
 
Sistema imunologico
Sistema imunologicoSistema imunologico
Sistema imunologicoIsrael Lima
 
Imunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e AdaptativaImunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e AdaptativaLABIMUNO UFBA
 
Hipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IVHipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IVLABIMUNO UFBA
 

Mais procurados (20)

Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunos
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
 
Imunidade adaptativa
Imunidade adaptativaImunidade adaptativa
Imunidade adaptativa
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
 
ICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - HipersensibilidadesICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - Hipersensibilidades
 
Imunologia
ImunologiaImunologia
Imunologia
 
Reposta Imune Contra as Infecções
Reposta Imune Contra as InfecçõesReposta Imune Contra as Infecções
Reposta Imune Contra as Infecções
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
 
Sistema imunologico
Sistema imunologicoSistema imunologico
Sistema imunologico
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
 
Imunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e AdaptativaImunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e Adaptativa
 
Linfócitos B
Linfócitos BLinfócitos B
Linfócitos B
 
Sistema Complemento
Sistema ComplementoSistema Complemento
Sistema Complemento
 
Autoimunidade
AutoimunidadeAutoimunidade
Autoimunidade
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
 
ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade
 
Hipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IVHipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IV
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 

Semelhante a Imunidade ativa e passiva

Vacinas e programa alargado de vacinação slideshare
Vacinas e programa alargado de vacinação slideshareVacinas e programa alargado de vacinação slideshare
Vacinas e programa alargado de vacinação slideshareFalguni Homesh
 
Imunização em saúde do trabalhador
Imunização em saúde do trabalhadorImunização em saúde do trabalhador
Imunização em saúde do trabalhadorIsmael Costa
 
Imunidade ativa, passiva e desequilíbrios
Imunidade ativa, passiva e desequilíbriosImunidade ativa, passiva e desequilíbrios
Imunidade ativa, passiva e desequilíbriosanabela
 
Vírus e vacinas - professora silvana
Vírus e vacinas - professora silvanaVírus e vacinas - professora silvana
Vírus e vacinas - professora silvanaSilvana Sanches
 
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de VacinasICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de VacinasRicardo Portela
 
S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01Pelo Siro
 
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio Defesas EspecificasLeonor Vaz Pereira
 

Semelhante a Imunidade ativa e passiva (20)

Vacinas e programa alargado de vacinação slideshare
Vacinas e programa alargado de vacinação slideshareVacinas e programa alargado de vacinação slideshare
Vacinas e programa alargado de vacinação slideshare
 
Imunização em saúde do trabalhador
Imunização em saúde do trabalhadorImunização em saúde do trabalhador
Imunização em saúde do trabalhador
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Imunidade ativa, passiva e desequilíbrios
Imunidade ativa, passiva e desequilíbriosImunidade ativa, passiva e desequilíbrios
Imunidade ativa, passiva e desequilíbrios
 
Proteínas de defesa anticorpos
Proteínas de defesa anticorposProteínas de defesa anticorpos
Proteínas de defesa anticorpos
 
Vacinas 2012
Vacinas 2012Vacinas 2012
Vacinas 2012
 
Imunização
Imunização Imunização
Imunização
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Vírus e vacinas - professora silvana
Vírus e vacinas - professora silvanaVírus e vacinas - professora silvana
Vírus e vacinas - professora silvana
 
Revisão
Revisão Revisão
Revisão
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de VacinasICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
 
S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Sistema imunologico
Sistema imunologicoSistema imunologico
Sistema imunologico
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
 

Mais de Messias Miranda

Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos tReceptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos tMessias Miranda
 
Processamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenosProcessamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenosMessias Miranda
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaMessias Miranda
 
Imunologia do transplante
Imunologia do transplanteImunologia do transplante
Imunologia do transplanteMessias Miranda
 
Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaMessias Miranda
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralMessias Miranda
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMessias Miranda
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMessias Miranda
 
Introdução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fspIntrodução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fspMessias Miranda
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoMessias Miranda
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspMessias Miranda
 
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via GlicolíticaMetabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via GlicolíticaMessias Miranda
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasMessias Miranda
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímicaMessias Miranda
 

Mais de Messias Miranda (20)

Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos tReceptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
 
Processamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenosProcessamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenos
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Imunologia do transplante
Imunologia do transplanteImunologia do transplante
Imunologia do transplante
 
Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativa
 
Imunidade celular
Imunidade celularImunidade celular
Imunidade celular
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
 
Lipídeos fsp
Lipídeos fspLipídeos fsp
Lipídeos fsp
 
Introdução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fspIntrodução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fsp
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítrico
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
 
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via GlicolíticaMetabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Vitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimasVitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimas
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
 

Último

Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 

Último (11)

Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 

Imunidade ativa e passiva

  • 1. Messias Miranda Junior messias.miranda@yahoo.com.br Unidade Itapetininga - SP Imunidade Ativa e Imunidade Passiva
  • 2. A imunidade contra um microrganismo pode ser induzida pela resposta do hospedeiro a ele ou pela transferência de anticorpos ou de linfócitos específicos para um microrganismo Imunidade Ativa Imunidade Passiva
  • 3. Imunidade Ativa Imunidade induzida pela exposição a um antígeno estranho - Indivíduo imunizado - papel ativo na resposta ao Ag Linfócitos que não tiveram exposição a um Ag específico Virgens ou Inativos ou naives Indivíduos que responderam a um Ag microbiano Imunes
  • 4. Imunidade Ativa • Provocar imunidade protetora e memória imunológica. • Se bem sucedida , exposição subseqüente provoca reposta imune aumentada capaz de eliminar o patógeno ou prevenir a doença. • Infecção natural ou adquirida artificialmente por meio de vacinas.
  • 5. Tipos de imunização Ativa Natural • Exposição a infecções. Artificial • Organismos atenuados. • Organismos mortos. • Fragmentos celulares. • Toxinas. • DNA.
  • 6. Organismos Vivos Atenuados Vantagens • Dose única. • Proteção duradoura. • Resposta Humoral/Celular. Desvantagens • Risco de reversão da patogenicidade. • Pouca definição da composição.
  • 7. Organismos Vivos Atenuados Efeitos Adversos • Pacientes com Imunodeficiências. • Reversão para o tipo selvagem.
  • 8. Vacina com Organismos Mortos Vantagens • Não existe risco de reversão da patogenicidade. • Sem risco de transmissão. Desvantagens • Múltiplos reforços. • Composição pouco conhecida. • O patógeno deve ser cultivado in vitro. • Principalmente resposta Humoral.
  • 9. Imunidade Passiva Indivíduo se torna imune a Ag sem nunca ter sido exposto ou ter apresentado resposta a ele Transferência de Plasma ou Linfócitos de um indivíduo imunizado
  • 10. Imunidade passiva: eficiente para conferir resistência rapidamente, sem esperar resposta imunológica ativa Anticorpos maternos para feto Imunização passiva mediante administração de Anticorpos de animais imunizados
  • 11. Transferência Adotiva Definição de células e moléculas mediadoras da imunidade específica Imunidade Humoral: Imunidade transferida para indivíduos não imunizados por meio de porções de sangue com anticorpos e livres de células - plasma ou soro; obtidas de indivíduos imunizados
  • 12. Imunidade Adquirida  imunização ativa: o antígeno que causa a doença é introduzido no corpo de um ser sadio, havendo produção de anticorpos específicos  Exemplo: vacina anti-sarampo, caxumba e rubéola; vacina anti- hepatite, etc …  imunização passiva: resposta rápida - anticorpos já prontos para combater a um antígeno.  Exemplo: soro anti-veneno de cascavel; soro anti-veneno de jararaca, etc … VACINA SORO
  • 13. Imunidade Passiva • Proteção transitória • Ac pré formados são transferidos para um receptor. • Naturalmente : Ac maternos contra difteria , tétano , Streptococos sp , rubéola , sarampo e poliovírus protegem o feto em desenvolvimento e, após o nascimento , Ac no colostro. • Injeção de Ac pré formados Deficiência na síntese do Ac ( defeito nas células B). Não há tempo para imunização ativa (ex. Tétano ).
  • 15. Imunização passiva Vantagens • Proteção imediata. Desvantagens • Curto período de proteção. • Doença do soro.
  • 16. Imunidade Ativa X Passiva