SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
DEPARTAMENTO DE BIOINTERAÇÃO
ICSA 17 - IMUNOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM IMUNOLOGIA
E HISTÓRICO DA IMUNOLOGIA
IMUNOLOGIA
Ciência que estuda os mecanismos de defesa do
organismo, bem como as moléculas, células,
tecidos e órgãos envolvidos
DEFESA CONTRA QUEM?

Vírus

Protozoários

Bactérias

Helmintos

Fungos

Ectoparasitas
SOMENTE CONTRA AGENTES
INFECCIOSOS?

Tumores

Transplantes

Reações “Alérgicas”
Queimaduras

Cicatrização

Traumatismos

Não há a necessidade do envolvimento
de agentes infecciosos para que o
Sistema Imunológico entre em ação!!!
Em uma definição mais ampla, a
Imunologia pode ser considerada como a
ciência que estuda os mecanismos que
mantém a homeostase celular e tecidual
Imunidade: conjunto de processos fisiológicos
que permite ao organismo reconhecer corpos
estranhos e responder contra os mesmos

“Imunidade” vem do latim immunitas:
proteção de processo legal oferecida aos
senadores romanos durante os seus mandatos

Assasinato de Júlio César – Irina Gornostaeva
Sistema Imune: conjunto de moléculas, células,
tecidos e órgãos que trabalham juntos para defender
o organismo contra a ação de agentes “estranhos”
ou situações anormais em células e tecidos

Resposta imune: resposta coordenada e
coletiva das células e moléculas do sistema
imune em resposta a determinado estímulo
Histórico da Imunologia

China Antiga - crianças inoculadas com pó feito das lesões de pele de pacientes
em recuperação de varíola para se tornarem resistentes à doença
Histórico da Imunologia

Nicolas Poussin – A praga em Ashdod – Museu do Louvre - Paris

Grécia Antiga – observações registradas após epidemias
Histórico da Imunologia
“Aqueles que sentiam mais pena pelos doentes e pelos que
morriam eram aqueles que haviam tido a praga eles próprios e não
haviam morrido dela. ....eles se sentiam seguros, uma vez que
ninguém adquiriu a mesma doença duas vezes, ou, se adquiriu, o
segundo ataque nunca foi fatal. Estas pessoas se sentiam
afortunadas .................... e imaginavam que elas poderiam nunca
morrer de nenhuma outra doença no futuro.”
Tucídides, A guerra do Peloponeso, 430 a.C.
Histórico da Imunologia

Lady Mary Wortley Montagu

1721

Lady Montagu – descrição de vacinação contra a Varíola na Turquia
Histórico da Imunologia

Edward Jenner (1749-1823)

Jenner observou que as vacas desenvolviam lesões parecidas com a da varíola, e que as
mulheres que faziam ordenha desenvolviam varíola branda. Então inoculou uma
criança com líquido das feridas das mulheres, o que protegeu contra a doença
PRIMEIRA DESCRIÇÃO DE MANIPULAÇÃO DO SISTEMA IMUNOLÓGICO
Vacina – originário da palavra “vaccinus”, vaca em latim
Histórico da Imunologia

Robert Koch (1843 – 1910)

Robert Koch – prova que as doenças são causadas por “germes”, em detrimento da
teoria dos “miasmas” – estudos com Antraz (Carbúnculo) e com Cólera
Histórico da Imunologia

Louis Pasteur (1822 – 1895)
Louis Pasteur – um dos grandes cientistas da história, inventou o processo de pasteurização,
derrubou a teoria da Abiogênese e , através do processo de atenuação, foi o responsável
pelo desenvolvimento de várias vacinas, com destaque para a vacina da Raiva.
Histórico da Imunologia
Importante conceito é definido então pelos trabalhos de Jenner e de Pasteur
Manipulações do Sistema Imune com o objetivo de mimetizar o contato do Sistema
Imunológico com determinado agente infeccioso, num panorama não patogênico, com o
objetivo de induzir reação que proteja contra os agentes infecciosos em um posterior
contato no qual possa ser desenvolvida determinada patogenia
IMUNIZAÇÃO ATIVA – Tipo de manipulação do Sistema Imunológico no qual o mesmo é
induzido ao estado de ativação, objetivando indução de Resposta Imunológica que proteja
contra a infecção/doença por determinado agente por um máximo tempo possível.
Histórico da Imunologia

Elie Ilya Metchnikoff (1845 - 1916)
Metchnikoff observou o processo de fagocitose, e é considerado como o criador do conceito
de Imunologia, especialmente pela descrição dos leucócitos como importantes células no
mecanismo de imunidade.
PAPEL DAS CÉLULAS NA IMUNIDADE – PAI DA IMUNIDADE CELULAR
Histórico da Imunologia

Behring (1854-1917) & Kitasato (1853-1931)
Ao transferirem o soro de cobaios inoculados com agentes causadores de difteria e tétano
para outros animais, Behring e Kitasato observaram que esse soro tinha componentes que
protegiam os animais contra esses agentes infecciosos
PAIS DA SOROTERAPIA – IMPORTÂNCIA DA IMUNIDADE HUMORAL
Histórico da Imunologia
Outro importante conceito é então definido pelos trabalhos de Behring e Kitasato:
IMUNIZAÇÃO PASSIVA – Sistema através do qual animais ou humanos são inoculados com
mediadores da Resposta Imunológica desenvolvidos em outro modelo animal, oferecendo
uma proteção imediata ou emergencial contra determinada infecção ou contato com toxinas.
Exemplos de Imunização Passiva
Histórico da Imunologia

Paul Ehrlich (1854-1915)
Paul Ehrlich conduziu investigações sobre a ação dos anticorpos (receptores) e sua
importância na imunidade
Teoria da Cadeia Lateral
Histórico da Imunologia
Teoria da Cadeia Lateral – Ehrlich - 1898

O microrganismo se ligava a receptores pré-formados em células, levando então
essa célula a produzir mais receptores (anticorpos)
Histórico da Imunologia

Karl Landsteiner (1868-1943)
Descrição e classificação dos tipos sanguíneos e descoberta do Fator RH
Um dos proponentes do termo “anticorpo”
Histórico da Imunologia
ANTICORPO – glicoproteínas produzidas por células do Sistema Imunológico (Linfócitos B)
que são encontradas diluídas em diversos líquidos do organismo (humores), tais como o
plasma (parte líquida não-celular do sangue), lágrimas, saliva, líquido céfalo-raquidiano,
humor vítreo, secreções de mucosas em geral...
Histórico da Imunologia

Linus Pauling (1901 – 1994)
Teoria instrutiva
Histórico da Imunologia
Teoria Instrutiva – Linus Pauling

Não existe especificidade prévia – As moléculas podem “moldar” os anticorpos no
momento do contato – Mas por que soro de pessoas nunca infectadas com
determinado agente não reconhecem moléculas desse agente ???
Histórico da Imunologia

Sir Frank MacFarlane Burnet (1868-1943)
TEORIA DA SELEÇÃO CLONAL
Histórico da Imunologia
TEORIA DA SELEÇÃO CLONAL

- Linfócitos T e B de diferentes especificidades (clones) existem antes do contato com agente
- Presença de receptores específicos
- Cada linfócito apresenta receptor contra uma molécula em específico
- Após ligação com essa molécula, o linfócito entra num processo de ativação
- Linfócitos auto-reativos são eliminados
Histórico da Imunologia

Descreveram a estrutura química dos anticorpos e como esses se ligavam quimicamente a
suas moléculas-alvo
Histórico da Imunologia
Molécula alvo ao qual o anticorpo se liga – denominação de ANTÍGENO
ANTÍGENO – TODA E QUALQUER MOLÉCULA RECONHECIDA COMO ESTRANHA PELO
SISTEMA IMUNOLÓGICO
Em outras palavras....
ANTÍGENO É TODA E QUALQUER MOLÉCULA PARA O QUAL EXISTEM RECEPTORES
ESPECÍFICOS NO SISTEMA IMUNOLÓGICO O QUAL OS RECONHECEM
Reconhecem significa que...
O SISTEMA IMUNOLÓGICO É CAPAZ DE IDENTIFICAR UMA DETERMINADA MOLÉCULA COMO
PRÓPRIA (SELF) OU NÃO PRÓPRIA (NON-SELF)
PRÓPRIA – A molécula faz parte do conjunto normal de moléculas que compões as células e
tecidos do organismo
NÃO PRÓPRIA – A molécula não faz parte das células ou dos tecidos de determinado
organismo
Histórico da Imunologia

Rolf Zinkernagel (1944- )
Descreveu como o Sistema Imunológico reconhece as células infectadas com vírus
Descoberta do mecanismo de reconhecimento por Linfócitos T
Histórico da Imunologia
A PARTIR DAÍ TEMOS DUAS MOLÉCULAS IMPORTANTES NO RECONHECIMENTO ESPECÍFICO
DE ANTÍGENOS NO ORGANISMO
ANTICORPOS – Presentes na membrana de Linfócitos B, e secretados quando este linfócito B
reconhece determinado antígeno e é posteriormente ativado. Podem reconhecer diversas
moléculas, com origem protéica, açúcares, ácidos nucléicos, lipídeos.
TCRs – Receptores de Células T – Presentes nas membranas de Linfócitos T. NÃO são
secretados. Reconhecem majoritariamente antígenos de origem protéica, preferencialmente
pequenos peptídeos.
Histórico da Imunologia

Susumu Tonegawa (1939 - )
Descreveu o mecanismo genético através do qual pode ser gerada uma grande
Diversidade de anticorpos
Histórico da Imunologia
Tonegawa – Diversidade Genética dos Anticorpos
Somos capazes de produzir anticorpos que reconhecem bilhões
de antígenos diferentes, sendo que cada anticorpo reconhece somente um antígeno.
O mecanismo de recombinação gênica garante essa diversidade
Histórico da Imunologia

Cesar Milstein & George Köhler
Desenvolveram tecnologia capaz de produzir uma grande quantidade de anticorpos, sendo
que todos os anticorpos presentes em uma determinada solução terão a mesma
especificidade (reconhecerão a mesma molécula)
ANTICORPOS MONOCLONAIS
Histórico da Imunologia
Milstein & Köhler – ANTICORPOS MONOCLONAIS
Histórico da Imunologia

E POR QUE SABER TODA ESSA HISTÓRIA?
PORQUE DESSA HISTÓRIA TODA PODEREMOS TIRAR ALGUNS
CONCEITOS IMPORTANTES UTILIZADOS ROTINEIRAMENTE EM
IMUNOLOGIA, TAIS COMO...
RESPOSTA IMUNE INATA
Linha de defesa inicial contra os microorganismos
Mecanismos celulares e bioquímicos já pré-existentes antes do contato com um
determinado agente
Padrão de resposta igual mesmo em infecções sucessivas
Os receptores das células do Sistema Imune Inato são codificados por genes que
não sofreram recombinação
Os receptores reconhecem estruturas moleculares que são comuns a diversas
moléculas de diversos microorganismos
Uma mesma célula possui vários receptores para vários padrões moleculares
associados a microorganismos (PAMPs)
RESPOSTA IMUNE INATA
Compõem o Sistema Imune Inato:
•Barreiras físicas e químicas – epitélios, substâncias antibacterianas encontradas
em epitélios (criptidinas, lactoferrina, um-defensina)
•Células com poder fagocítico, tais como neutrófilos, macrófagos, células
dendríticas e células Natural Killer (NK)
•Proteínas do Sistema do Complemento (C1, C2, C3, C4, C5...C9)
•Proteínas da fase aguda (haptoglobina, proteína C reativa, fibrinogênio)
•Enzimas: lisozima (suor saliva, lágrima); pepsina (intestino)
RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA (ADAPTATIVA)
Resposta Imune que desenvolve seus mecanismos celulares e bioquímicos APÓS a
exposição a determinado agente
Suas células possuem receptores que são codificados após um processo de
RECOMBINAÇÃO GÊNICA
Esses receptores são capazes de identificar especificamente determinada molécula, e
nenhuma outra mais (ESPECIFICIDADE)
Cada célula possui um determinado receptor que identifica determinada molécula, e
nenhum outro específico para outra molécula (ESTRUTURA CLONAL)
É capaz de reagir de forma mais rápida e mais eficaz num segundo, terceiro, quarto...
Contato com o agente infeccioso (MEMÓRIA)
RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA (ADAPTATIVA)
São componentes da Resposta Imune Adquirida:
Linfócitos T – células produzidas de forma imatura na medula óssea, e que completa
seu amadurecimento no timo. Possuem em sua membrana um receptor específico
chamado TCR (Receptor de Células T)

Linfócito B – células produzidas de forma imatura na medula óssea, e que completa
seu amadurecimento na própria medula. Possuem em sua membrana um receptor
específico chamado Imunoglobulina de membrana (anticorpo), a qual secretam
quando são ativadas
Essas células, após completarem seu processo de maturação, migram para os órgãos
aonde irão realizar suas funções de defesa (linfonodos, baços, Sistema Imune de
Mucosas, pele...)
INTEGRAÇÃO INATA x ADQUIRIDA

A divisão Imunidade Inata / Adquirida é uma divisão mais didática, pois nos
Hospedeiros o que acontece é que as duas agem de forma integrada para
Auxiliar nos mecanismos de combate e defesa contra agentes invasores
RESPOSTA IMUNE INATA x ADQUIRIDA
RESPOSTA IMUNE INATA x ADQUIRIDA
CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA
RESPOSTA IMUNE INATA ADQUIRIDA
TIPOS DE RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA
Resposta Imune Adquirida Humoral – Aquela que é mediada principalmente por
anticorpos (diluídos nos líquidos – “humores” – corporais
Reconhecimento do Antígeno pelos Anticorpos

Resposta Imune Adquirida Celular – Aquela que é mediada diretamente pela ação de
células do Sistema Imune, tais como os Linfócitos T
Reconhecimento do Antígeno pelos TCRs
TIPOS DE RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA
FASES DA RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA
Funções Efetoras das Células do Sistema
Imunológico
Resposta Imune Primária x Secundária
BIBLIOGRAFIA
Recomendo:
O primeiro capítulo do livro Imunologia Celular e Molecular (ABBAS , LICHTMAN) –
PROPRIEDADES GERAIS DAS RESPOSTAS IMUNOLÓGICAS

Primeiro Capítulo do Tizard (Imunologia Veterinária)
A Defesa do Organismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Antigenos e Anticorpos
Antigenos e AnticorposAntigenos e Anticorpos
Antigenos e Anticorpos
LABIMUNO UFBA
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Gildo Crispim
 
Orgãos Linfóides Primários e Secundários
Orgãos Linfóides Primários e SecundáriosOrgãos Linfóides Primários e Secundários
Orgãos Linfóides Primários e Secundários
LABIMUNO UFBA
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
Aninha Alves
 
Antigenos e Anticorpos
Antigenos e AnticorposAntigenos e Anticorpos
Antigenos e Anticorpos
LABIMUNO UFBA
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
LABIMUNO UFBA
 
Imunologia I
Imunologia IImunologia I
Imunologia I
LABIMUNO UFBA
 
Anticorpos Função
Anticorpos FunçãoAnticorpos Função
Anticorpos Função
LABIMUNO UFBA
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
Renato Varges - UFF
 
A resposta imune
A resposta imuneA resposta imune
A resposta imune
Annie Oliveira
 
Patologia geral
Patologia geralPatologia geral
Patologia geral
Gildo Crispim
 
Introducao Imunobiotecnologia
Introducao ImunobiotecnologiaIntroducao Imunobiotecnologia
Introducao Imunobiotecnologia
LABIMUNO UFBA
 
Microbiologia e Parasitologia.pptx
Microbiologia e Parasitologia.pptxMicrobiologia e Parasitologia.pptx
Microbiologia e Parasitologia.pptx
LarcioFerreiraSilva
 
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Guilherme Wendel
 
Patologia geral - introdução - capitulo 1
Patologia geral - introdução - capitulo 1Patologia geral - introdução - capitulo 1
Patologia geral - introdução - capitulo 1
Cleanto Santos Vieira
 
ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade
Ricardo Portela
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
Ana Claudia Rodrigues
 
Citocinas da imunidade inata e adquirida
Citocinas da imunidade inata e adquiridaCitocinas da imunidade inata e adquirida
Citocinas da imunidade inata e adquirida
LABIMUNO UFBA
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
LABIMUNO UFBA
 

Mais procurados (20)

Antigenos e Anticorpos
Antigenos e AnticorposAntigenos e Anticorpos
Antigenos e Anticorpos
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
 
Orgãos Linfóides Primários e Secundários
Orgãos Linfóides Primários e SecundáriosOrgãos Linfóides Primários e Secundários
Orgãos Linfóides Primários e Secundários
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
 
Antigenos e Anticorpos
Antigenos e AnticorposAntigenos e Anticorpos
Antigenos e Anticorpos
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
 
Imunologia I
Imunologia IImunologia I
Imunologia I
 
Anticorpos Função
Anticorpos FunçãoAnticorpos Função
Anticorpos Função
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
A resposta imune
A resposta imuneA resposta imune
A resposta imune
 
Patologia geral
Patologia geralPatologia geral
Patologia geral
 
Introducao Imunobiotecnologia
Introducao ImunobiotecnologiaIntroducao Imunobiotecnologia
Introducao Imunobiotecnologia
 
Microbiologia e Parasitologia.pptx
Microbiologia e Parasitologia.pptxMicrobiologia e Parasitologia.pptx
Microbiologia e Parasitologia.pptx
 
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
 
Patologia geral - introdução - capitulo 1
Patologia geral - introdução - capitulo 1Patologia geral - introdução - capitulo 1
Patologia geral - introdução - capitulo 1
 
ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
 
Citocinas da imunidade inata e adquirida
Citocinas da imunidade inata e adquiridaCitocinas da imunidade inata e adquirida
Citocinas da imunidade inata e adquirida
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
 

Destaque

ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hivICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
Ricardo Portela
 
Butamol y Exudrolbude
Butamol y ExudrolbudeButamol y Exudrolbude
Butamol y Exudrolbude
Veronica Calatayud Cadario
 
13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika
Damblya Vilas Boas
 
Apresentação imunologia
Apresentação imunologiaApresentação imunologia
Apresentação imunologia
Gildo Crispim
 
Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativa
Messias Miranda
 
Tolerância oral
Tolerância oralTolerância oral
Tolerância oral
Ana Carolina Mercadante
 
Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunos
Gildo Crispim
 
ICSA17 - Imunoterapia
ICSA17 - ImunoterapiaICSA17 - Imunoterapia
ICSA17 - Imunoterapia
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Histórico do bioterismo
ICSC48 - Histórico do bioterismoICSC48 - Histórico do bioterismo
ICSC48 - Histórico do bioterismo
Ricardo Portela
 
ICSA32 - Antigen discovery
ICSA32 - Antigen discoveryICSA32 - Antigen discovery
ICSA32 - Antigen discovery
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Bula Dosagem Proteínas
 ICSA17 - Bula Dosagem Proteínas ICSA17 - Bula Dosagem Proteínas
ICSA17 - Bula Dosagem Proteínas
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cãesICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
Ricardo Portela
 
ICSA06 - Biotecnologia e saúde humana
ICSA06 - Biotecnologia e saúde humanaICSA06 - Biotecnologia e saúde humana
ICSA06 - Biotecnologia e saúde humana
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inataICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inata
Ricardo Portela
 
ICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologiaICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologia
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Mecanismos efetores da RI Celular
ICSA17 - Mecanismos efetores da RI CelularICSA17 - Mecanismos efetores da RI Celular
ICSA17 - Mecanismos efetores da RI Celular
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genéticoICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhosICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Eletroforese em gel de acrilamida
ICSA17 - Eletroforese em gel de acrilamidaICSA17 - Eletroforese em gel de acrilamida
ICSA17 - Eletroforese em gel de acrilamida
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Tolerância
ICSA17 - TolerânciaICSA17 - Tolerância
ICSA17 - Tolerância
Ricardo Portela
 

Destaque (20)

ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hivICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
 
Butamol y Exudrolbude
Butamol y ExudrolbudeButamol y Exudrolbude
Butamol y Exudrolbude
 
13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika
 
Apresentação imunologia
Apresentação imunologiaApresentação imunologia
Apresentação imunologia
 
Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativa
 
Tolerância oral
Tolerância oralTolerância oral
Tolerância oral
 
Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunos
 
ICSA17 - Imunoterapia
ICSA17 - ImunoterapiaICSA17 - Imunoterapia
ICSA17 - Imunoterapia
 
ICSC48 - Histórico do bioterismo
ICSC48 - Histórico do bioterismoICSC48 - Histórico do bioterismo
ICSC48 - Histórico do bioterismo
 
ICSA32 - Antigen discovery
ICSA32 - Antigen discoveryICSA32 - Antigen discovery
ICSA32 - Antigen discovery
 
ICSA17 - Bula Dosagem Proteínas
 ICSA17 - Bula Dosagem Proteínas ICSA17 - Bula Dosagem Proteínas
ICSA17 - Bula Dosagem Proteínas
 
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cãesICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
 
ICSA06 - Biotecnologia e saúde humana
ICSA06 - Biotecnologia e saúde humanaICSA06 - Biotecnologia e saúde humana
ICSA06 - Biotecnologia e saúde humana
 
ICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inataICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inata
 
ICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologiaICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologia
 
ICSA17 - Mecanismos efetores da RI Celular
ICSA17 - Mecanismos efetores da RI CelularICSA17 - Mecanismos efetores da RI Celular
ICSA17 - Mecanismos efetores da RI Celular
 
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genéticoICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético
 
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhosICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
 
ICSA17 - Eletroforese em gel de acrilamida
ICSA17 - Eletroforese em gel de acrilamidaICSA17 - Eletroforese em gel de acrilamida
ICSA17 - Eletroforese em gel de acrilamida
 
ICSA17 - Tolerância
ICSA17 - TolerânciaICSA17 - Tolerância
ICSA17 - Tolerância
 

Semelhante a ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia

BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptxBIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
ssuser771325
 
Imunologia i completa - arlindo
Imunologia i   completa - arlindoImunologia i   completa - arlindo
Imunologia i completa - arlindo
00net
 
Medresumos 2016 mad ii
Medresumos 2016   mad iiMedresumos 2016   mad ii
Medresumos 2016 mad ii
Jucie Vasconcelos
 
Aula 1 Historia de Imunologia.ppt anatomia humana
Aula 1 Historia de Imunologia.ppt anatomia humanaAula 1 Historia de Imunologia.ppt anatomia humana
Aula 1 Historia de Imunologia.ppt anatomia humana
armando jonas
 
Aula 2 - Histórico e Classificação.pdf
Aula 2 - Histórico e Classificação.pdfAula 2 - Histórico e Classificação.pdf
Aula 2 - Histórico e Classificação.pdf
irenildamarquessanto
 
Pasteur
PasteurPasteur
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Salie Rodrigues
 
IMUNOLOGIA.pptx
IMUNOLOGIA.pptxIMUNOLOGIA.pptx
IMUNOLOGIA.pptx
VanessaFroes3
 
Apostila Básica de Microbiologia
Apostila Básica de MicrobiologiaApostila Básica de Microbiologia
Apostila Básica de Microbiologia
Mariana Valentim
 
Pioneiros(2)
 Pioneiros(2) Pioneiros(2)
introdução a imunologia - conceitos básicos
introdução a imunologia - conceitos básicosintrodução a imunologia - conceitos básicos
introdução a imunologia - conceitos básicos
biancafreitas97
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
Deise Martins
 
Sistema imunológico e suas implicações para a manutenção da saúde
Sistema imunológico e suas implicações para a manutenção da saúdeSistema imunológico e suas implicações para a manutenção da saúde
Sistema imunológico e suas implicações para a manutenção da saúde
ParaSempreNB
 
AULA 01 - INTRODUÇÃO A MICRORGANISMOS.pdf
AULA 01 - INTRODUÇÃO A MICRORGANISMOS.pdfAULA 01 - INTRODUÇÃO A MICRORGANISMOS.pdf
AULA 01 - INTRODUÇÃO A MICRORGANISMOS.pdf
ArmstrongMelo
 
Proteínas de defesa anticorpos
Proteínas de defesa anticorposProteínas de defesa anticorpos
Proteínas de defesa anticorpos
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Receptores feuduc
Receptores feuducReceptores feuduc
Receptores feuduc
Adila Trubat
 
Microbiologia modulo1
Microbiologia modulo1Microbiologia modulo1
Microbiologia modulo1
Terceiro Calhau
 
16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T
guest08fb138a
 
Medresumo microbiologia - completa
Medresumo   microbiologia - completaMedresumo   microbiologia - completa
Medresumo microbiologia - completa
Alexandre Vicente
 
Imunologia trab de grupo
Imunologia  trab de grupoImunologia  trab de grupo
Imunologia trab de grupo
Mylla Marques
 

Semelhante a ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia (20)

BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptxBIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
 
Imunologia i completa - arlindo
Imunologia i   completa - arlindoImunologia i   completa - arlindo
Imunologia i completa - arlindo
 
Medresumos 2016 mad ii
Medresumos 2016   mad iiMedresumos 2016   mad ii
Medresumos 2016 mad ii
 
Aula 1 Historia de Imunologia.ppt anatomia humana
Aula 1 Historia de Imunologia.ppt anatomia humanaAula 1 Historia de Imunologia.ppt anatomia humana
Aula 1 Historia de Imunologia.ppt anatomia humana
 
Aula 2 - Histórico e Classificação.pdf
Aula 2 - Histórico e Classificação.pdfAula 2 - Histórico e Classificação.pdf
Aula 2 - Histórico e Classificação.pdf
 
Pasteur
PasteurPasteur
Pasteur
 
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
 
IMUNOLOGIA.pptx
IMUNOLOGIA.pptxIMUNOLOGIA.pptx
IMUNOLOGIA.pptx
 
Apostila Básica de Microbiologia
Apostila Básica de MicrobiologiaApostila Básica de Microbiologia
Apostila Básica de Microbiologia
 
Pioneiros(2)
 Pioneiros(2) Pioneiros(2)
Pioneiros(2)
 
introdução a imunologia - conceitos básicos
introdução a imunologia - conceitos básicosintrodução a imunologia - conceitos básicos
introdução a imunologia - conceitos básicos
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
 
Sistema imunológico e suas implicações para a manutenção da saúde
Sistema imunológico e suas implicações para a manutenção da saúdeSistema imunológico e suas implicações para a manutenção da saúde
Sistema imunológico e suas implicações para a manutenção da saúde
 
AULA 01 - INTRODUÇÃO A MICRORGANISMOS.pdf
AULA 01 - INTRODUÇÃO A MICRORGANISMOS.pdfAULA 01 - INTRODUÇÃO A MICRORGANISMOS.pdf
AULA 01 - INTRODUÇÃO A MICRORGANISMOS.pdf
 
Proteínas de defesa anticorpos
Proteínas de defesa anticorposProteínas de defesa anticorpos
Proteínas de defesa anticorpos
 
Receptores feuduc
Receptores feuducReceptores feuduc
Receptores feuduc
 
Microbiologia modulo1
Microbiologia modulo1Microbiologia modulo1
Microbiologia modulo1
 
16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T
 
Medresumo microbiologia - completa
Medresumo   microbiologia - completaMedresumo   microbiologia - completa
Medresumo microbiologia - completa
 
Imunologia trab de grupo
Imunologia  trab de grupoImunologia  trab de grupo
Imunologia trab de grupo
 

Mais de Ricardo Portela

ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacaoICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
Ricardo Portela
 
3 ways to make the research writing process easier
3 ways to make the research writing process easier3 ways to make the research writing process easier
3 ways to make the research writing process easier
Ricardo Portela
 
Twenty one suggestions
Twenty one suggestionsTwenty one suggestions
Twenty one suggestions
Ricardo Portela
 
ICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen DiscoveryICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen Discovery
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonaisICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoprecipitaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoaglutinaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunofluorescenciaICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxoICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISAICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitosICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunocromatografiaICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforeseICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratos
ICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratosICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratos
ICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratos
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Classificação dos biotérios
ICSC48 - Classificação dos biotériosICSC48 - Classificação dos biotérios
ICSC48 - Classificação dos biotérios
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitário
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitárioICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitário
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitário
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animalICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de VacinasICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
Ricardo Portela
 

Mais de Ricardo Portela (20)

ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacaoICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
 
3 ways to make the research writing process easier
3 ways to make the research writing process easier3 ways to make the research writing process easier
3 ways to make the research writing process easier
 
Twenty one suggestions
Twenty one suggestionsTwenty one suggestions
Twenty one suggestions
 
ICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen DiscoveryICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen Discovery
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonaisICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoprecipitaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoaglutinaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunofluorescenciaICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxoICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISAICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitosICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunocromatografiaICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
 
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforeseICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
 
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
 
ICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratos
ICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratosICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratos
ICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratos
 
ICSC48 - Classificação dos biotérios
ICSC48 - Classificação dos biotériosICSC48 - Classificação dos biotérios
ICSC48 - Classificação dos biotérios
 
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitário
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitárioICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitário
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitário
 
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animalICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
 
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de VacinasICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
 

ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE BIOINTERAÇÃO ICSA 17 - IMUNOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM IMUNOLOGIA E HISTÓRICO DA IMUNOLOGIA
  • 2. IMUNOLOGIA Ciência que estuda os mecanismos de defesa do organismo, bem como as moléculas, células, tecidos e órgãos envolvidos
  • 5. Queimaduras Cicatrização Traumatismos Não há a necessidade do envolvimento de agentes infecciosos para que o Sistema Imunológico entre em ação!!!
  • 6. Em uma definição mais ampla, a Imunologia pode ser considerada como a ciência que estuda os mecanismos que mantém a homeostase celular e tecidual
  • 7. Imunidade: conjunto de processos fisiológicos que permite ao organismo reconhecer corpos estranhos e responder contra os mesmos “Imunidade” vem do latim immunitas: proteção de processo legal oferecida aos senadores romanos durante os seus mandatos Assasinato de Júlio César – Irina Gornostaeva
  • 8. Sistema Imune: conjunto de moléculas, células, tecidos e órgãos que trabalham juntos para defender o organismo contra a ação de agentes “estranhos” ou situações anormais em células e tecidos Resposta imune: resposta coordenada e coletiva das células e moléculas do sistema imune em resposta a determinado estímulo
  • 9. Histórico da Imunologia China Antiga - crianças inoculadas com pó feito das lesões de pele de pacientes em recuperação de varíola para se tornarem resistentes à doença
  • 10. Histórico da Imunologia Nicolas Poussin – A praga em Ashdod – Museu do Louvre - Paris Grécia Antiga – observações registradas após epidemias
  • 11. Histórico da Imunologia “Aqueles que sentiam mais pena pelos doentes e pelos que morriam eram aqueles que haviam tido a praga eles próprios e não haviam morrido dela. ....eles se sentiam seguros, uma vez que ninguém adquiriu a mesma doença duas vezes, ou, se adquiriu, o segundo ataque nunca foi fatal. Estas pessoas se sentiam afortunadas .................... e imaginavam que elas poderiam nunca morrer de nenhuma outra doença no futuro.” Tucídides, A guerra do Peloponeso, 430 a.C.
  • 12. Histórico da Imunologia Lady Mary Wortley Montagu 1721 Lady Montagu – descrição de vacinação contra a Varíola na Turquia
  • 13. Histórico da Imunologia Edward Jenner (1749-1823) Jenner observou que as vacas desenvolviam lesões parecidas com a da varíola, e que as mulheres que faziam ordenha desenvolviam varíola branda. Então inoculou uma criança com líquido das feridas das mulheres, o que protegeu contra a doença PRIMEIRA DESCRIÇÃO DE MANIPULAÇÃO DO SISTEMA IMUNOLÓGICO Vacina – originário da palavra “vaccinus”, vaca em latim
  • 14. Histórico da Imunologia Robert Koch (1843 – 1910) Robert Koch – prova que as doenças são causadas por “germes”, em detrimento da teoria dos “miasmas” – estudos com Antraz (Carbúnculo) e com Cólera
  • 15. Histórico da Imunologia Louis Pasteur (1822 – 1895) Louis Pasteur – um dos grandes cientistas da história, inventou o processo de pasteurização, derrubou a teoria da Abiogênese e , através do processo de atenuação, foi o responsável pelo desenvolvimento de várias vacinas, com destaque para a vacina da Raiva.
  • 16. Histórico da Imunologia Importante conceito é definido então pelos trabalhos de Jenner e de Pasteur Manipulações do Sistema Imune com o objetivo de mimetizar o contato do Sistema Imunológico com determinado agente infeccioso, num panorama não patogênico, com o objetivo de induzir reação que proteja contra os agentes infecciosos em um posterior contato no qual possa ser desenvolvida determinada patogenia IMUNIZAÇÃO ATIVA – Tipo de manipulação do Sistema Imunológico no qual o mesmo é induzido ao estado de ativação, objetivando indução de Resposta Imunológica que proteja contra a infecção/doença por determinado agente por um máximo tempo possível.
  • 17. Histórico da Imunologia Elie Ilya Metchnikoff (1845 - 1916) Metchnikoff observou o processo de fagocitose, e é considerado como o criador do conceito de Imunologia, especialmente pela descrição dos leucócitos como importantes células no mecanismo de imunidade. PAPEL DAS CÉLULAS NA IMUNIDADE – PAI DA IMUNIDADE CELULAR
  • 18. Histórico da Imunologia Behring (1854-1917) & Kitasato (1853-1931) Ao transferirem o soro de cobaios inoculados com agentes causadores de difteria e tétano para outros animais, Behring e Kitasato observaram que esse soro tinha componentes que protegiam os animais contra esses agentes infecciosos PAIS DA SOROTERAPIA – IMPORTÂNCIA DA IMUNIDADE HUMORAL
  • 19. Histórico da Imunologia Outro importante conceito é então definido pelos trabalhos de Behring e Kitasato: IMUNIZAÇÃO PASSIVA – Sistema através do qual animais ou humanos são inoculados com mediadores da Resposta Imunológica desenvolvidos em outro modelo animal, oferecendo uma proteção imediata ou emergencial contra determinada infecção ou contato com toxinas.
  • 21. Histórico da Imunologia Paul Ehrlich (1854-1915) Paul Ehrlich conduziu investigações sobre a ação dos anticorpos (receptores) e sua importância na imunidade Teoria da Cadeia Lateral
  • 22. Histórico da Imunologia Teoria da Cadeia Lateral – Ehrlich - 1898 O microrganismo se ligava a receptores pré-formados em células, levando então essa célula a produzir mais receptores (anticorpos)
  • 23. Histórico da Imunologia Karl Landsteiner (1868-1943) Descrição e classificação dos tipos sanguíneos e descoberta do Fator RH Um dos proponentes do termo “anticorpo”
  • 24. Histórico da Imunologia ANTICORPO – glicoproteínas produzidas por células do Sistema Imunológico (Linfócitos B) que são encontradas diluídas em diversos líquidos do organismo (humores), tais como o plasma (parte líquida não-celular do sangue), lágrimas, saliva, líquido céfalo-raquidiano, humor vítreo, secreções de mucosas em geral...
  • 25. Histórico da Imunologia Linus Pauling (1901 – 1994) Teoria instrutiva
  • 26. Histórico da Imunologia Teoria Instrutiva – Linus Pauling Não existe especificidade prévia – As moléculas podem “moldar” os anticorpos no momento do contato – Mas por que soro de pessoas nunca infectadas com determinado agente não reconhecem moléculas desse agente ???
  • 27. Histórico da Imunologia Sir Frank MacFarlane Burnet (1868-1943) TEORIA DA SELEÇÃO CLONAL
  • 28. Histórico da Imunologia TEORIA DA SELEÇÃO CLONAL - Linfócitos T e B de diferentes especificidades (clones) existem antes do contato com agente - Presença de receptores específicos - Cada linfócito apresenta receptor contra uma molécula em específico - Após ligação com essa molécula, o linfócito entra num processo de ativação - Linfócitos auto-reativos são eliminados
  • 29. Histórico da Imunologia Descreveram a estrutura química dos anticorpos e como esses se ligavam quimicamente a suas moléculas-alvo
  • 30. Histórico da Imunologia Molécula alvo ao qual o anticorpo se liga – denominação de ANTÍGENO ANTÍGENO – TODA E QUALQUER MOLÉCULA RECONHECIDA COMO ESTRANHA PELO SISTEMA IMUNOLÓGICO Em outras palavras.... ANTÍGENO É TODA E QUALQUER MOLÉCULA PARA O QUAL EXISTEM RECEPTORES ESPECÍFICOS NO SISTEMA IMUNOLÓGICO O QUAL OS RECONHECEM Reconhecem significa que... O SISTEMA IMUNOLÓGICO É CAPAZ DE IDENTIFICAR UMA DETERMINADA MOLÉCULA COMO PRÓPRIA (SELF) OU NÃO PRÓPRIA (NON-SELF) PRÓPRIA – A molécula faz parte do conjunto normal de moléculas que compões as células e tecidos do organismo NÃO PRÓPRIA – A molécula não faz parte das células ou dos tecidos de determinado organismo
  • 31. Histórico da Imunologia Rolf Zinkernagel (1944- ) Descreveu como o Sistema Imunológico reconhece as células infectadas com vírus Descoberta do mecanismo de reconhecimento por Linfócitos T
  • 32. Histórico da Imunologia A PARTIR DAÍ TEMOS DUAS MOLÉCULAS IMPORTANTES NO RECONHECIMENTO ESPECÍFICO DE ANTÍGENOS NO ORGANISMO ANTICORPOS – Presentes na membrana de Linfócitos B, e secretados quando este linfócito B reconhece determinado antígeno e é posteriormente ativado. Podem reconhecer diversas moléculas, com origem protéica, açúcares, ácidos nucléicos, lipídeos. TCRs – Receptores de Células T – Presentes nas membranas de Linfócitos T. NÃO são secretados. Reconhecem majoritariamente antígenos de origem protéica, preferencialmente pequenos peptídeos.
  • 33. Histórico da Imunologia Susumu Tonegawa (1939 - ) Descreveu o mecanismo genético através do qual pode ser gerada uma grande Diversidade de anticorpos
  • 34. Histórico da Imunologia Tonegawa – Diversidade Genética dos Anticorpos Somos capazes de produzir anticorpos que reconhecem bilhões de antígenos diferentes, sendo que cada anticorpo reconhece somente um antígeno. O mecanismo de recombinação gênica garante essa diversidade
  • 35. Histórico da Imunologia Cesar Milstein & George Köhler Desenvolveram tecnologia capaz de produzir uma grande quantidade de anticorpos, sendo que todos os anticorpos presentes em uma determinada solução terão a mesma especificidade (reconhecerão a mesma molécula) ANTICORPOS MONOCLONAIS
  • 36. Histórico da Imunologia Milstein & Köhler – ANTICORPOS MONOCLONAIS
  • 37. Histórico da Imunologia E POR QUE SABER TODA ESSA HISTÓRIA? PORQUE DESSA HISTÓRIA TODA PODEREMOS TIRAR ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES UTILIZADOS ROTINEIRAMENTE EM IMUNOLOGIA, TAIS COMO...
  • 38. RESPOSTA IMUNE INATA Linha de defesa inicial contra os microorganismos Mecanismos celulares e bioquímicos já pré-existentes antes do contato com um determinado agente Padrão de resposta igual mesmo em infecções sucessivas Os receptores das células do Sistema Imune Inato são codificados por genes que não sofreram recombinação Os receptores reconhecem estruturas moleculares que são comuns a diversas moléculas de diversos microorganismos Uma mesma célula possui vários receptores para vários padrões moleculares associados a microorganismos (PAMPs)
  • 39. RESPOSTA IMUNE INATA Compõem o Sistema Imune Inato: •Barreiras físicas e químicas – epitélios, substâncias antibacterianas encontradas em epitélios (criptidinas, lactoferrina, um-defensina) •Células com poder fagocítico, tais como neutrófilos, macrófagos, células dendríticas e células Natural Killer (NK) •Proteínas do Sistema do Complemento (C1, C2, C3, C4, C5...C9) •Proteínas da fase aguda (haptoglobina, proteína C reativa, fibrinogênio) •Enzimas: lisozima (suor saliva, lágrima); pepsina (intestino)
  • 40. RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA (ADAPTATIVA) Resposta Imune que desenvolve seus mecanismos celulares e bioquímicos APÓS a exposição a determinado agente Suas células possuem receptores que são codificados após um processo de RECOMBINAÇÃO GÊNICA Esses receptores são capazes de identificar especificamente determinada molécula, e nenhuma outra mais (ESPECIFICIDADE) Cada célula possui um determinado receptor que identifica determinada molécula, e nenhum outro específico para outra molécula (ESTRUTURA CLONAL) É capaz de reagir de forma mais rápida e mais eficaz num segundo, terceiro, quarto... Contato com o agente infeccioso (MEMÓRIA)
  • 41. RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA (ADAPTATIVA) São componentes da Resposta Imune Adquirida: Linfócitos T – células produzidas de forma imatura na medula óssea, e que completa seu amadurecimento no timo. Possuem em sua membrana um receptor específico chamado TCR (Receptor de Células T) Linfócito B – células produzidas de forma imatura na medula óssea, e que completa seu amadurecimento na própria medula. Possuem em sua membrana um receptor específico chamado Imunoglobulina de membrana (anticorpo), a qual secretam quando são ativadas Essas células, após completarem seu processo de maturação, migram para os órgãos aonde irão realizar suas funções de defesa (linfonodos, baços, Sistema Imune de Mucosas, pele...)
  • 42. INTEGRAÇÃO INATA x ADQUIRIDA A divisão Imunidade Inata / Adquirida é uma divisão mais didática, pois nos Hospedeiros o que acontece é que as duas agem de forma integrada para Auxiliar nos mecanismos de combate e defesa contra agentes invasores
  • 43. RESPOSTA IMUNE INATA x ADQUIRIDA
  • 44. RESPOSTA IMUNE INATA x ADQUIRIDA
  • 46. TIPOS DE RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA Resposta Imune Adquirida Humoral – Aquela que é mediada principalmente por anticorpos (diluídos nos líquidos – “humores” – corporais Reconhecimento do Antígeno pelos Anticorpos Resposta Imune Adquirida Celular – Aquela que é mediada diretamente pela ação de células do Sistema Imune, tais como os Linfócitos T Reconhecimento do Antígeno pelos TCRs
  • 47. TIPOS DE RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA
  • 48. FASES DA RESPOSTA IMUNE ADQUIRIDA
  • 49. Funções Efetoras das Células do Sistema Imunológico
  • 50. Resposta Imune Primária x Secundária
  • 51. BIBLIOGRAFIA Recomendo: O primeiro capítulo do livro Imunologia Celular e Molecular (ABBAS , LICHTMAN) – PROPRIEDADES GERAIS DAS RESPOSTAS IMUNOLÓGICAS Primeiro Capítulo do Tizard (Imunologia Veterinária) A Defesa do Organismo