SlideShare uma empresa Scribd logo
GRUPO I 
ANÁLISE DE URINA 
CARLA,GUSTAVO HENRIQUE, IZABELA, 
MÔNICA, NARADAYANE, RAQUEL, YASMIM
ANÁLISE DA URINA 
O exame de urina é um método de avaliação 
da função renal do organismo humano. Com o 
auxílio deste exame pode-se diagnosticar 
patologias em geral, monitorar o progresso 
destas doenças no organismo, acompanhar a 
eficácia do tratamento e ainda constatar a 
cura.
ANÁLISE DA URINA 
Trata-se de uma pesquisa de elementos 
anormais no sedimento da urina, como 
eritrócitos, leucócitos, cilindros, bactérias, 
células epiteliais, cristais, entre outros.
AMOSTRA 
De preferência, deve-se colher a primeira urina da 
manhã, em recipiente estéril, em geral fornecido pelo 
laboratório que procederá a análise. 
Se a amostra não for testada imediatamente, deve ser 
refrigerada, neste caso deixa-la à temperatura ambiente 
alguns minutos antes da realização do teste. 
Homogeneizar a amostra e não centrifugá-la. Os 
recipientes utilizados (vidro ou plástico) na coleta deverão 
estar limpos e secos, isentos de detergentes que podem 
interferir no teste e falsear o resultado. Todas as 
amostras biológicas devem ser consideradas como 
potencialmente infectantes.
OBJETIVO 
Detecção de Glicose e Sangue/Hemoglobina 
na urina.
PROCEDIMENTO TÉCNICO 
As tiras-teste e amostras devem estar 
equilibradas com a temperatura ambiente 
antes do início do teste. 
1.Remova a tira-teste do tubo e feche-o 
imediatamente. Não tocar nas áreas de 
reação. 
2.Inspecione a tira-teste. Descoloração e 
escurecimento nas áreas reagentes podem 
indicar deterioração. Neste caso, não utilize 
a tira.
PROCEDIMENTO TÉCNICO 
3.Mergulhe a tira-teste completamente 
(certifique-se de que todas as áreas de testes 
estejam umedecidas) por cerca de 01 segundo 
na amostra de urina não centrifugada, 
homogeneizada e recente. Urina em excesso 
pode ocasionar resultados errados. Remova o 
excesso de urina passando seu lado oposto na 
borda do recipiente. 
Urina em excesso pode também ser removida 
secando levemente a lateral da tira em papel 
absorvente.
PROCEDIMENTO TÉCNICO 
4.Compare os resultados com o gráfico de 
cores no rótulo do tubo em um ambiente 
iluminado. O tempo de leitura (30 a 60 
segundos e 90 e 120 segundos para leucócitos) 
é fator determinante para o resultado do teste. 
No momento da leitura, mantenha a tira na 
posição horizontal para evitar interação 
químicas devido a um possível excesso de 
urina. Mudanças na coloração ao longo das 
extremidades das áreas do teste ou depois de 
decorridos mais de 2 minutos não apresentam 
significado diagnóstico.
PROCEDIMENTO TÉCNICO 
REAGENTES UTILIZADOS: 
 GLICOSE: Glicose oxidase 451U, peroxidase 
186U, iodeto de potássio 10mg. 
 SANGUE: Hidroperoxido cumemo 7mg, O-Toluidina 
3mg.
PROCEDIMENTO TÉCNICO 
IDENTIFICAÇÃO DA COLORAÇAO DAS TIRAS 
TESTES: 
 GLICOSE: Baseado em uma reação de enzima 
sequencial. Primeiro, a glicose oxidase catalisa a 
formação de Acido Glucônico e peroxido de hidrogênio 
da oxidação da glicose. Uma segunda enzima, 
Peroxidase, catalisa a reação de Peroxido de hidrogênio 
com Iodeto de potássio cromógeno. Cores variam de 
azul até marron esverdeado, e de marron até marron 
escuro. 
 SANGUE/HEMOGLOBINA: A reação é baseada na 
atividade da pseudo peroxidase da hemoglobina que 
catalisa a reação o-Toluidina e Peroxidase orgânica 
tamponada e Hidroperoxidase. A coloração varia de 
amarelo esverdeado até verde escuro.
INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS 
Os resultados são obtidos por comparação 
direta da tira de teste com o gráfico de cores 
impresso no rótulo do tubo. Cálculos e 
equipamentos laboratoriais não são 
necessários.
INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS 
Glicose 
Valores Esperados: O rim normal excreta uma pequena 
concentração de glicose na urina. Concentrações de 
100 mg/dL podem ser consideradas como anormais se 
encontradas consistentemente. 
Limites de detecção: O teste tem uma sensibilidade 
entre 50 a 100 mg/dL e é especifico para a glicose. 
Resultados falso-negativo podem ser obtidos com a 
presença de levodopa, acido ascórbico, glutationa, e 
dipirona. Com altos níveis de glicosuria, a intensidade 
de coloração da área reagente pode variar. Tome como 
referencia a coloração mais intensa.
Limitação do teste: Uma densidade alta 
(>1.020) pH alto e presença de Acido 
ascórbico (acima de 50 mg/dL), pode causar 
falso-negativo em amostras que possuam uma 
concentração baixa de glicose. Corpos 
cetônicos reduzem a sensibilidade do teste. A 
reatividade do teste pode ser influencia pela 
densidade e temperatura.
INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS 
Sangue/Hemoglobina 
Valores Esperados: Normalmente a hemoglobina não é 
detectada na urina(0,010mg/dL). Quando a hemoglobina é 
detectável na urina pode indicar doença renal ou desordem 
no trato urinário. O sangue é frequentemente encontrado na 
urina de mulheres em período menstrual. 
Limites de Detecção: O teste é levemente mais sensível à 
hemoglobina livre e mioglobina do que aos eritrócitos 
íntegros. A sensibilidade pode ser reduzida em urinas com 
alta densidade, e naquelas que contenham Ácido ascórbico. 
A aparição de pontos verdes na área teste reagente indica a 
presença de eritrócitos íntegros na urina.
Limitação do Teste: A densidade elevada ou 
proteína elevada podem reduzir a reatividade 
do teste de sangue. Concentrações de ácido 
ascórbico (> 40mg/dL) podem gerar resultados 
falso-negativos, quando o número de 
hemácias na urina são baixos. Urinas de 
mulheres menstruadas podem apresentar 
resultados positivos.
CURIOSIDADES 
O uso de medicamentos pelo paciente deve 
ser investigado, uma vez que isto pode 
representar importante interferência do exame 
de urina, além de fatores relacionados com a 
coleta e armazenamento da amostra. Algumas 
condições como jejum, ingestão hídrica, dieta, 
esforço físico e gravidez são capazes de 
alterar a concentração dos componentes 
urinário.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Urinálise 2013
Urinálise 2013Urinálise 2013
Urinálise 2013
Euripedes Barbosa
 
Atlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotinaAtlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotina
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Sumário de Urina
Sumário de UrinaSumário de Urina
Sumário de Urina
Federal University of Bahia
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
rdgomlk
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
Lilian Keila Alves
 
Atlas da urinálise
Atlas da urináliseAtlas da urinálise
Atlas da urinálise
junoeli
 
64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab
Marcia Rodrigues
 
Apostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpqApostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpq
Anderson Galvao
 
Introdução a análises clínicas
Introdução a análises clínicasIntrodução a análises clínicas
Introdução a análises clínicas
Stephany Strombeck
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Claysson Xavier
 
Interpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriaisInterpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriais
Levi Lopes
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e AmostrasAula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Jaqueline Almeida
 
Clinicas de analise
Clinicas de analiseClinicas de analise
Clinicas de analise
Tuany Caldas
 
Perfil Hepático.pptx
Perfil Hepático.pptxPerfil Hepático.pptx
Perfil Hepático.pptx
Pedro Luis Moraes
 
Exames de Laboratório
Exames de LaboratórioExames de Laboratório
Exames de Laboratório
Sheyla Amorim
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
ReginaReiniger
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
Fernanda Assunção
 
Sedimentoscopia
SedimentoscopiaSedimentoscopia
Sedimentoscopia
Fernanda Assunção
 
Hemoterapia 1
Hemoterapia 1Hemoterapia 1
Hemoterapia 1
janinemagalhaes
 
Coagulograma
CoagulogramaCoagulograma

Mais procurados (20)

Urinálise 2013
Urinálise 2013Urinálise 2013
Urinálise 2013
 
Atlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotinaAtlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotina
 
Sumário de Urina
Sumário de UrinaSumário de Urina
Sumário de Urina
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
 
Atlas da urinálise
Atlas da urináliseAtlas da urinálise
Atlas da urinálise
 
64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab
 
Apostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpqApostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpq
 
Introdução a análises clínicas
Introdução a análises clínicasIntrodução a análises clínicas
Introdução a análises clínicas
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
 
Interpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriaisInterpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriais
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e AmostrasAula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
 
Clinicas de analise
Clinicas de analiseClinicas de analise
Clinicas de analise
 
Perfil Hepático.pptx
Perfil Hepático.pptxPerfil Hepático.pptx
Perfil Hepático.pptx
 
Exames de Laboratório
Exames de LaboratórioExames de Laboratório
Exames de Laboratório
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
 
Sedimentoscopia
SedimentoscopiaSedimentoscopia
Sedimentoscopia
 
Hemoterapia 1
Hemoterapia 1Hemoterapia 1
Hemoterapia 1
 
Coagulograma
CoagulogramaCoagulograma
Coagulograma
 

Destaque

Urinálise
UrináliseUrinálise
Urinálise
Juliana Lima
 
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
ReginaReiniger
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
Joziane Brunelli
 
Estudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinicaEstudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinica
P Lima
 
111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise
Maria Jaqueline Mesquita
 
Hematologia 2010
Hematologia 2010Hematologia 2010
Hematologia 2010
rdgomlk
 
Atlas Sedimento Urinario
Atlas Sedimento UrinarioAtlas Sedimento Urinario
Atlas Sedimento Urinario
graff95
 
Manual de hematologia
Manual de hematologiaManual de hematologia
Manual de hematologia
Priscila Oliveira
 
Estudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinicaEstudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinica
P Lima
 
Câmara de neubauer
Câmara de neubauerCâmara de neubauer
Câmara de neubauer
Evaneide Ferreira
 
Análises especiais de urina
Análises especiais de urinaAnálises especiais de urina
Análises especiais de urina
rafaelmenezes
 
3246166 practicas-de-hematologia
3246166 practicas-de-hematologia3246166 practicas-de-hematologia
3246166 practicas-de-hematologia
omar
 
Questionário de Patologia Veterinária - SN
Questionário de Patologia Veterinária - SNQuestionário de Patologia Veterinária - SN
Questionário de Patologia Veterinária - SN
ProfessoraMarcela
 
58087087 apostila-de-uroanalise2008
58087087 apostila-de-uroanalise200858087087 apostila-de-uroanalise2008
58087087 apostila-de-uroanalise2008
Valdecir Marques
 
Roteiro urinálise
Roteiro urináliseRoteiro urinálise
Roteiro urinálise
Carolvet88
 
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
rasg75
 
Atlas de urinalise
Atlas de urinaliseAtlas de urinalise
Atlas de urinalise
Euripedes Barbosa
 
Teste HIV
Teste HIVTeste HIV
Bioquimica sedimento urinario
Bioquimica sedimento urinarioBioquimica sedimento urinario
Bioquimica sedimento urinario
Ronald Santiago
 

Destaque (19)

Urinálise
UrináliseUrinálise
Urinálise
 
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Estudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinicaEstudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinica
 
111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise
 
Hematologia 2010
Hematologia 2010Hematologia 2010
Hematologia 2010
 
Atlas Sedimento Urinario
Atlas Sedimento UrinarioAtlas Sedimento Urinario
Atlas Sedimento Urinario
 
Manual de hematologia
Manual de hematologiaManual de hematologia
Manual de hematologia
 
Estudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinicaEstudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinica
 
Câmara de neubauer
Câmara de neubauerCâmara de neubauer
Câmara de neubauer
 
Análises especiais de urina
Análises especiais de urinaAnálises especiais de urina
Análises especiais de urina
 
3246166 practicas-de-hematologia
3246166 practicas-de-hematologia3246166 practicas-de-hematologia
3246166 practicas-de-hematologia
 
Questionário de Patologia Veterinária - SN
Questionário de Patologia Veterinária - SNQuestionário de Patologia Veterinária - SN
Questionário de Patologia Veterinária - SN
 
58087087 apostila-de-uroanalise2008
58087087 apostila-de-uroanalise200858087087 apostila-de-uroanalise2008
58087087 apostila-de-uroanalise2008
 
Roteiro urinálise
Roteiro urináliseRoteiro urinálise
Roteiro urinálise
 
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
 
Atlas de urinalise
Atlas de urinaliseAtlas de urinalise
Atlas de urinalise
 
Teste HIV
Teste HIVTeste HIV
Teste HIV
 
Bioquimica sedimento urinario
Bioquimica sedimento urinarioBioquimica sedimento urinario
Bioquimica sedimento urinario
 

Semelhante a Análises da urina

80502431 urinalise
80502431 urinalise80502431 urinalise
80502431 urinalise
Maria Jaqueline Mesquita
 
Seminário Proteinograma
Seminário ProteinogramaSeminário Proteinograma
Seminário Proteinograma
Glenia Berlanda
 
Apostila+espermograma
Apostila+espermogramaApostila+espermograma
Apostila+espermograma
puikow
 
Apostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urináliseApostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urinálise
Brendda Carvalho
 
Apostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urináliseApostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urinálise
Brendda Carvalho
 
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptxdokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
gabrielabouchuid
 
Urinálise
UrináliseUrinálise
Urinálise
Hugo Fialho
 
7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf
7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf
7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf
VictorSamuel64
 
Aula 1 - B
Aula 1 - BAula 1 - B
Espermoteste
EspermotesteEspermoteste
Espermoteste
puikow
 
Apostila de imunologia
Apostila de imunologiaApostila de imunologia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitosICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
Ricardo Portela
 
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e ParasitáriasDiagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Messias Miranda
 
aula bia.ppt
aula bia.pptaula bia.ppt
aula bia.ppt
EnfermeiroEdgarJunio
 
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urinaInterpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Aélida Canuto
 
URINA II.pptx
URINA II.pptxURINA II.pptx
URINA II.pptx
MendesMalude
 
Esstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Esstudo de caso obstruçao intestinal- EnfermagemEsstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Esstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Evelyn Monte
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
Maria Jaqueline Mesquita
 
relatorio 2.docx
relatorio 2.docxrelatorio 2.docx
relatorio 2.docx
isadora76
 
Laboratorio clinico veterinario
Laboratorio clinico veterinarioLaboratorio clinico veterinario
Laboratorio clinico veterinario
barbara_barbi
 

Semelhante a Análises da urina (20)

80502431 urinalise
80502431 urinalise80502431 urinalise
80502431 urinalise
 
Seminário Proteinograma
Seminário ProteinogramaSeminário Proteinograma
Seminário Proteinograma
 
Apostila+espermograma
Apostila+espermogramaApostila+espermograma
Apostila+espermograma
 
Apostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urináliseApostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urinálise
 
Apostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urináliseApostila de estudo urinálise
Apostila de estudo urinálise
 
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptxdokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
dokumen.tips_urinalise-humana-slide.pptx
 
Urinálise
UrináliseUrinálise
Urinálise
 
7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf
7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf
7. Padronização do Exame Químico da Urina Rotina LC 1065.pdf
 
Aula 1 - B
Aula 1 - BAula 1 - B
Aula 1 - B
 
Espermoteste
EspermotesteEspermoteste
Espermoteste
 
Apostila de imunologia
Apostila de imunologiaApostila de imunologia
Apostila de imunologia
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitosICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
 
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e ParasitáriasDiagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
 
aula bia.ppt
aula bia.pptaula bia.ppt
aula bia.ppt
 
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urinaInterpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
 
URINA II.pptx
URINA II.pptxURINA II.pptx
URINA II.pptx
 
Esstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Esstudo de caso obstruçao intestinal- EnfermagemEsstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
Esstudo de caso obstruçao intestinal- Enfermagem
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
 
relatorio 2.docx
relatorio 2.docxrelatorio 2.docx
relatorio 2.docx
 
Laboratorio clinico veterinario
Laboratorio clinico veterinarioLaboratorio clinico veterinario
Laboratorio clinico veterinario
 

Análises da urina

  • 1. GRUPO I ANÁLISE DE URINA CARLA,GUSTAVO HENRIQUE, IZABELA, MÔNICA, NARADAYANE, RAQUEL, YASMIM
  • 2. ANÁLISE DA URINA O exame de urina é um método de avaliação da função renal do organismo humano. Com o auxílio deste exame pode-se diagnosticar patologias em geral, monitorar o progresso destas doenças no organismo, acompanhar a eficácia do tratamento e ainda constatar a cura.
  • 3. ANÁLISE DA URINA Trata-se de uma pesquisa de elementos anormais no sedimento da urina, como eritrócitos, leucócitos, cilindros, bactérias, células epiteliais, cristais, entre outros.
  • 4. AMOSTRA De preferência, deve-se colher a primeira urina da manhã, em recipiente estéril, em geral fornecido pelo laboratório que procederá a análise. Se a amostra não for testada imediatamente, deve ser refrigerada, neste caso deixa-la à temperatura ambiente alguns minutos antes da realização do teste. Homogeneizar a amostra e não centrifugá-la. Os recipientes utilizados (vidro ou plástico) na coleta deverão estar limpos e secos, isentos de detergentes que podem interferir no teste e falsear o resultado. Todas as amostras biológicas devem ser consideradas como potencialmente infectantes.
  • 5. OBJETIVO Detecção de Glicose e Sangue/Hemoglobina na urina.
  • 6. PROCEDIMENTO TÉCNICO As tiras-teste e amostras devem estar equilibradas com a temperatura ambiente antes do início do teste. 1.Remova a tira-teste do tubo e feche-o imediatamente. Não tocar nas áreas de reação. 2.Inspecione a tira-teste. Descoloração e escurecimento nas áreas reagentes podem indicar deterioração. Neste caso, não utilize a tira.
  • 7. PROCEDIMENTO TÉCNICO 3.Mergulhe a tira-teste completamente (certifique-se de que todas as áreas de testes estejam umedecidas) por cerca de 01 segundo na amostra de urina não centrifugada, homogeneizada e recente. Urina em excesso pode ocasionar resultados errados. Remova o excesso de urina passando seu lado oposto na borda do recipiente. Urina em excesso pode também ser removida secando levemente a lateral da tira em papel absorvente.
  • 8. PROCEDIMENTO TÉCNICO 4.Compare os resultados com o gráfico de cores no rótulo do tubo em um ambiente iluminado. O tempo de leitura (30 a 60 segundos e 90 e 120 segundos para leucócitos) é fator determinante para o resultado do teste. No momento da leitura, mantenha a tira na posição horizontal para evitar interação químicas devido a um possível excesso de urina. Mudanças na coloração ao longo das extremidades das áreas do teste ou depois de decorridos mais de 2 minutos não apresentam significado diagnóstico.
  • 9. PROCEDIMENTO TÉCNICO REAGENTES UTILIZADOS:  GLICOSE: Glicose oxidase 451U, peroxidase 186U, iodeto de potássio 10mg.  SANGUE: Hidroperoxido cumemo 7mg, O-Toluidina 3mg.
  • 10. PROCEDIMENTO TÉCNICO IDENTIFICAÇÃO DA COLORAÇAO DAS TIRAS TESTES:  GLICOSE: Baseado em uma reação de enzima sequencial. Primeiro, a glicose oxidase catalisa a formação de Acido Glucônico e peroxido de hidrogênio da oxidação da glicose. Uma segunda enzima, Peroxidase, catalisa a reação de Peroxido de hidrogênio com Iodeto de potássio cromógeno. Cores variam de azul até marron esverdeado, e de marron até marron escuro.  SANGUE/HEMOGLOBINA: A reação é baseada na atividade da pseudo peroxidase da hemoglobina que catalisa a reação o-Toluidina e Peroxidase orgânica tamponada e Hidroperoxidase. A coloração varia de amarelo esverdeado até verde escuro.
  • 11. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Os resultados são obtidos por comparação direta da tira de teste com o gráfico de cores impresso no rótulo do tubo. Cálculos e equipamentos laboratoriais não são necessários.
  • 12. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Glicose Valores Esperados: O rim normal excreta uma pequena concentração de glicose na urina. Concentrações de 100 mg/dL podem ser consideradas como anormais se encontradas consistentemente. Limites de detecção: O teste tem uma sensibilidade entre 50 a 100 mg/dL e é especifico para a glicose. Resultados falso-negativo podem ser obtidos com a presença de levodopa, acido ascórbico, glutationa, e dipirona. Com altos níveis de glicosuria, a intensidade de coloração da área reagente pode variar. Tome como referencia a coloração mais intensa.
  • 13. Limitação do teste: Uma densidade alta (>1.020) pH alto e presença de Acido ascórbico (acima de 50 mg/dL), pode causar falso-negativo em amostras que possuam uma concentração baixa de glicose. Corpos cetônicos reduzem a sensibilidade do teste. A reatividade do teste pode ser influencia pela densidade e temperatura.
  • 14. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Sangue/Hemoglobina Valores Esperados: Normalmente a hemoglobina não é detectada na urina(0,010mg/dL). Quando a hemoglobina é detectável na urina pode indicar doença renal ou desordem no trato urinário. O sangue é frequentemente encontrado na urina de mulheres em período menstrual. Limites de Detecção: O teste é levemente mais sensível à hemoglobina livre e mioglobina do que aos eritrócitos íntegros. A sensibilidade pode ser reduzida em urinas com alta densidade, e naquelas que contenham Ácido ascórbico. A aparição de pontos verdes na área teste reagente indica a presença de eritrócitos íntegros na urina.
  • 15. Limitação do Teste: A densidade elevada ou proteína elevada podem reduzir a reatividade do teste de sangue. Concentrações de ácido ascórbico (> 40mg/dL) podem gerar resultados falso-negativos, quando o número de hemácias na urina são baixos. Urinas de mulheres menstruadas podem apresentar resultados positivos.
  • 16. CURIOSIDADES O uso de medicamentos pelo paciente deve ser investigado, uma vez que isto pode representar importante interferência do exame de urina, além de fatores relacionados com a coleta e armazenamento da amostra. Algumas condições como jejum, ingestão hídrica, dieta, esforço físico e gravidez são capazes de alterar a concentração dos componentes urinário.