SlideShare uma empresa Scribd logo
Messias Miranda Junior
messias.miranda@yahoo.com.br
Unidade Itapetininga - SP
IMUNOLOGIA DO TRANSPLANTE
Enxerto autólogo = enxerto para si mesmo
Enxerto singênico = indivíduos geneticamente idênticos
Enxerto alogênico = indivíduos mesma espécie
Enxerto xenogênico = espécies diferentes
Aloantígenos = de aloenxertos
Xenoantígenos = de xenoenxertos
Linfócitos alorreativos ou xenorreativos = reagem com aloantígenos ou
xenoantígenos
Conceitos
• Imunologia de Transplantes: compatibilidade imunogenética entre
doadores e receptores ao transplante de órgãos e tecidos.
• Compreensão da cura de muitas doenças pela implantação de células,
tecidos ou órgãos saudáveis de um indivíduo para outro.
• O complexo de histocompatibilidade (MCH) denominado no homem de
Sistema HLA (Human Leukocyte Antigen) está envolvido nos
mecanismos de reconhecimento celular, visando proteger o organismo
de agressões externas e das regulação da resposta imunológica.
• A rejeição é o reflexo da resposta imunológica aumentada (inicialmente
local) envolvendo, na maioria das vezes, os antígenos HLA do órgão
transplantado .
Imunologia do Transplante
Resposta imune do receptor ao tecido doado
Queimaduras Doadores não-familiares Rejeição
Resposta Imune Adaptativa
Bases Imunológicas da Rejeição
Rejeição Primária e Secundária
Outro B
Transplantes alogênicos clínicos
• Doador vivo relacionado (parente).
• Doador vivo não-relacionado (não-parente).
• Doador cadáver.
• Transplantes ortotópicos – mesma localização anatômica.
• Transplantes heterotópicos – localização anatômica diferente.
Transplante renal ortotópico
Seleção de doadores
• Avaliação clínica do doador.
• Ausência de doenças crônicas.
• Tipagem ABO.
• Tipagem HLA.
• Cross-match (“prova cruzada”).
Cross-match
Soro do receptor = Ac X Células do doador = Ag
Reação positiva indica presença de Ac anti-doador
Imunologia do transplante alogênico
Desencadeamento Resp Imune
Celular
Humoral
ALORRECONHECIMENTO
Reconhecimento de aloantígenos
Reconhecimento de céls
transplantadas como próprias ou não
Determinada por genes polimórficos
Moléculas MHC
Responsáveis pela rejeição forte
(rápida)
Apresentação MHC
alogênico
Apresentação direta Apresentação indireta
Reconhecimento de aloantígenos
Apresentação direta de aloantígenos
Reação cruzada: TCR reconhece MHC alogênico com
peptídeo.
MHC alogênico-peptídeo: “imita” MHC próprio-peptídeo.
•Peptídeos: muitos idênticos ao do receptor.
TCR próprio
MHC apresentando peptídeo-
estranho
MHC alogênico
Reconhecimento de aloantígenos
Apresentação direta de aloantígenos
Reconhecimento de aloantígenos (direto)
Reconhecimento de aloantígenos
Apresentação indireta de aloantígenos
Moléculas MHC alogênicas
processadas
Apresentadas por APCs de receptor
Penetram nos enxertos
Céls T reconhecem MHC alogênico
Ativa alorreconhecimento por céls T CD4+ e CD8+
Reconhecimento de aloantígenos
Apresentação indireta de aloantígenos
Complexo Maior de Histocompatibilidade (MHC)
• Região gênica hipervariada, localizada no braço direito
cromossoma 6 humano .
• Classes I, II e III.
• Codifica proteínas HLA que na maioria das vezes estão
envolvidos na rejeição de transplantes.
Moléculas de MHC de classe I
cadeias α
α1 e α2 >
polimorfismo
α1 e α2 – fenda
de acomodação
de peptídeos
Α3 – mais
conservado – sítio
de interação de
CD8+
Moléculas de MHC de classe II
Cadeias α1 eβ1–
fenda de
acomodação
de peptídeos
β2 – sítio de
interação
de CD4
Rejeição
Ativação de células T alorreativas e rejeição a
aloenxertos
• Apresent aç ão por APCs do doador (present es no enxerto)
• Apresent ação por APCs próprias (apresent ação indireta)
• Cél ul as T alorr eati vas : mi gr am par a t eci do Transpl ant ado
- rejeição
Mecanismos efetores de rejeição a aloenxertos
Rejeição Hiperaguda
Rejeição Aguda
Rejeição Crônica
Rejeição Hiperaguda
• O c l u s ã o d a v a s c u l a t ur a d o e n x e r t o.
• M i n u t os o u h o r a s a p ó s a n a s t o m os e v a s o s e n x e r t o r e c e p t or.
• M e d i a da p o r A c s j á e x i s t e nt e s n a c i r c ul a ç ã o d o h o s p e d e i r o.
Rejeição Hiperaguda
Rejeição Aguda
L e s ã o v a s c u l a r e p a r e n q ui m a t os a .
M e d i a d a p o r c é l u l a s T e A c .
I n í c i o: a p ó s 1 a s e m a n a d e t r a n s pl a n t e .
Rejeição Crônica
Fi brose e anorm al i dade vascul ares.
P erda de funç ão do enxerto.
Ocorre em perí odo prol ongado.
E nxertos renai s ou cardí acos.
Imunossupressão para prevenir ou tratar rejeição
de aloenxertos
Sobrevivência após transplantes
Métodos para induzir tolerância ou supressão
específicos contra o doador
• Deleção de células T alorreati vas.
• Supress ão ativa de céls T alorreati vas.
Transplante de Medula Óssea
• Transplant e de c élulas-tronco hematopoéti cas
pluripotentes.
• Tratar defeitos adquiridos do sistema hematopoéti co
ou imune.
• Forneci m ent o de fonte renovável de proteínas (ex:
hemoglobi na).
• Tratar doenças malignas medula óssea (ex: leucemi a).
Quais os principais cuidados durante o
tratamento?
• Restrição de visitas, procurando não entrar em contato com
pessoas doentes ou crianças que freqüentam creches e
escolas, ou que foram vacinadas recent em ent e;
• Lavagem das mãos pelo paciente e acompanhant es,
principalm ent e ao manipular alimentos, após usar o sanitári o
e na entrada e saída do quarto durante o período de
internação;
• Evitar o contato com animai s e plantas;
• Realizar rigorosa e frequente higiene oral, atentando para
lesões e utilizando escovas com cerdas macias;
• Alimentação cuidadosa, evitando alimento crú, mal cozidos
e com procedênci a duvidosa.
Transplante Xenogênico
• D E M A M Í F E RO S PA R A H U M A N O S .
• P R O B L E M A : A C S N AT U R A I S R E J E I Ç ÃO H I P E R A G UD A .
Transfusão sangüínea
• R E S P O S TA I M U N E C O N T R A M O L É C UL A S D A S U P E R F Í CI E D A
H E M Á CI A .
• S I S T E MA A B O .
• R E A Ç Õ E S T R A N S F U S I O N AI S : L I S E D A S E S T R U T U R A S P O R
H E M Ó LI S E .
• A N T Í G E NO R H D E H E M Á C I A S ;
•Eritroblastose fetal.
Transfusão sangüínea
(concentrado de hemácias, sem levar em consideração o Rh)
Plasma
Transfusão sangüínea
(concentrado de hemácias)
Transfusão sangüínea
(concentrado de hemácias)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
Safia Naser
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
LABIMUNO UFBA
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecçõesICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
Ricardo Portela
 
Auto imunidade
Auto imunidadeAuto imunidade
Auto imunidade
LABIMUNO UFBA
 
Patologia geral - metodos de estudo em patologia - capitulo 2
Patologia geral - metodos de estudo em patologia - capitulo 2Patologia geral - metodos de estudo em patologia - capitulo 2
Patologia geral - metodos de estudo em patologia - capitulo 2
Cleanto Santos Vieira
 
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em ImunologiaICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
Ricardo Portela
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
LABIMUNO UFBA
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
Ricardo Portela
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Jaqueline Almeida
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
Messias Miranda
 
Linfócitos B
Linfócitos BLinfócitos B
Linfócitos B
LABIMUNO UFBA
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
Raimundo Tostes
 
Patologia 02 lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Patologia 02   lesão e morte celular - med resumos - arlindo nettoPatologia 02   lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Patologia 02 lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Jucie Vasconcelos
 
ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade
Ricardo Portela
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
JosianeBergund
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
Thiago barreiros
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passiva
Messias Miranda
 
Distúrbios hematológicos
Distúrbios hematológicosDistúrbios hematológicos
Distúrbios hematológicos
Julai1991
 
A resposta imune
A resposta imuneA resposta imune
A resposta imune
Annie Oliveira
 

Mais procurados (20)

Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecçõesICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
 
Auto imunidade
Auto imunidadeAuto imunidade
Auto imunidade
 
Patologia geral - metodos de estudo em patologia - capitulo 2
Patologia geral - metodos de estudo em patologia - capitulo 2Patologia geral - metodos de estudo em patologia - capitulo 2
Patologia geral - metodos de estudo em patologia - capitulo 2
 
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em ImunologiaICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Linfócitos B
Linfócitos BLinfócitos B
Linfócitos B
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
 
Patologia 02 lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Patologia 02   lesão e morte celular - med resumos - arlindo nettoPatologia 02   lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Patologia 02 lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
 
ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passiva
 
Distúrbios hematológicos
Distúrbios hematológicosDistúrbios hematológicos
Distúrbios hematológicos
 
A resposta imune
A resposta imuneA resposta imune
A resposta imune
 

Semelhante a Imunologia do transplante

Transplantes
TransplantesTransplantes
Transplantes
Fábio Ianomami
 
Aloantígenos
 Aloantígenos Aloantígenos
Aloantígenos
RafaelaBarrosRodrigu
 
Tolerância imunológica
Tolerância imunológicaTolerância imunológica
Tolerância imunológica
Larissa Ramalho
 
Imunologia dos Transplantes
Imunologia dos TransplantesImunologia dos Transplantes
Imunologia dos Transplantes
Jéssica Tamara
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Eridan de Sousa
 
DOENÇA DE CHAGAS.pptx
DOENÇA DE CHAGAS.pptxDOENÇA DE CHAGAS.pptx
DOENÇA DE CHAGAS.pptx
ShelmaFeitosa1
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
Sheyla Amorim
 
Principais protozooses.pptx
Principais protozooses.pptxPrincipais protozooses.pptx
Principais protozooses.pptx
KarlaBittencourt2
 
.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário
Cidalia Aguiar
 
Apresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguineaApresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguinea
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
evandroxandi
 
Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
Abian Maquera
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossoma
Gildo Crispim
 
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixesAula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Adimar Cardoso Junior
 
Codominancia
CodominanciaCodominancia
Codominancia
Grupo UNIASSELVI
 
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
FranciscoFlorencio6
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
Gildo Crispim
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
Raquel Freiry
 
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
Paola554738
 
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptxIdentificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
ArmstrongMelo
 

Semelhante a Imunologia do transplante (20)

Transplantes
TransplantesTransplantes
Transplantes
 
Aloantígenos
 Aloantígenos Aloantígenos
Aloantígenos
 
Tolerância imunológica
Tolerância imunológicaTolerância imunológica
Tolerância imunológica
 
Imunologia dos Transplantes
Imunologia dos TransplantesImunologia dos Transplantes
Imunologia dos Transplantes
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
DOENÇA DE CHAGAS.pptx
DOENÇA DE CHAGAS.pptxDOENÇA DE CHAGAS.pptx
DOENÇA DE CHAGAS.pptx
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
 
Principais protozooses.pptx
Principais protozooses.pptxPrincipais protozooses.pptx
Principais protozooses.pptx
 
.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário
 
Apresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguineaApresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguinea
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossoma
 
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixesAula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
 
Codominancia
CodominanciaCodominancia
Codominancia
 
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
 
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
 
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptxIdentificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
 

Mais de Messias Miranda

Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos tReceptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Messias Miranda
 
Processamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenosProcessamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenos
Messias Miranda
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
Messias Miranda
 
Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativa
Messias Miranda
 
Imunidade celular
Imunidade celularImunidade celular
Imunidade celular
Messias Miranda
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Messias Miranda
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
Messias Miranda
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
Messias Miranda
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
Messias Miranda
 
Lipídeos fsp
Lipídeos fspLipídeos fsp
Lipídeos fsp
Messias Miranda
 
Introdução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fspIntrodução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fsp
Messias Miranda
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítrico
Messias Miranda
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Messias Miranda
 
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via GlicolíticaMetabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Messias Miranda
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Messias Miranda
 
Vitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimasVitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimas
Messias Miranda
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Messias Miranda
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
Messias Miranda
 
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e ParasitáriasDiagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Messias Miranda
 

Mais de Messias Miranda (20)

Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos tReceptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
 
Processamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenosProcessamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenos
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativa
 
Imunidade celular
Imunidade celularImunidade celular
Imunidade celular
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
 
Lipídeos fsp
Lipídeos fspLipídeos fsp
Lipídeos fsp
 
Introdução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fspIntrodução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fsp
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítrico
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
 
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via GlicolíticaMetabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Vitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimasVitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimas
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
 
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e ParasitáriasDiagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
 

Último

História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 

Último (8)

História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 

Imunologia do transplante

  • 1. Messias Miranda Junior messias.miranda@yahoo.com.br Unidade Itapetininga - SP IMUNOLOGIA DO TRANSPLANTE
  • 2.
  • 3. Enxerto autólogo = enxerto para si mesmo Enxerto singênico = indivíduos geneticamente idênticos Enxerto alogênico = indivíduos mesma espécie Enxerto xenogênico = espécies diferentes Aloantígenos = de aloenxertos Xenoantígenos = de xenoenxertos Linfócitos alorreativos ou xenorreativos = reagem com aloantígenos ou xenoantígenos Conceitos
  • 4. • Imunologia de Transplantes: compatibilidade imunogenética entre doadores e receptores ao transplante de órgãos e tecidos. • Compreensão da cura de muitas doenças pela implantação de células, tecidos ou órgãos saudáveis de um indivíduo para outro. • O complexo de histocompatibilidade (MCH) denominado no homem de Sistema HLA (Human Leukocyte Antigen) está envolvido nos mecanismos de reconhecimento celular, visando proteger o organismo de agressões externas e das regulação da resposta imunológica. • A rejeição é o reflexo da resposta imunológica aumentada (inicialmente local) envolvendo, na maioria das vezes, os antígenos HLA do órgão transplantado . Imunologia do Transplante
  • 5. Resposta imune do receptor ao tecido doado Queimaduras Doadores não-familiares Rejeição Resposta Imune Adaptativa
  • 7. Rejeição Primária e Secundária Outro B
  • 8. Transplantes alogênicos clínicos • Doador vivo relacionado (parente). • Doador vivo não-relacionado (não-parente). • Doador cadáver. • Transplantes ortotópicos – mesma localização anatômica. • Transplantes heterotópicos – localização anatômica diferente. Transplante renal ortotópico
  • 9. Seleção de doadores • Avaliação clínica do doador. • Ausência de doenças crônicas. • Tipagem ABO. • Tipagem HLA. • Cross-match (“prova cruzada”).
  • 10. Cross-match Soro do receptor = Ac X Células do doador = Ag Reação positiva indica presença de Ac anti-doador Imunologia do transplante alogênico Desencadeamento Resp Imune Celular Humoral ALORRECONHECIMENTO
  • 11. Reconhecimento de aloantígenos Reconhecimento de céls transplantadas como próprias ou não Determinada por genes polimórficos
  • 12. Moléculas MHC Responsáveis pela rejeição forte (rápida) Apresentação MHC alogênico Apresentação direta Apresentação indireta
  • 13. Reconhecimento de aloantígenos Apresentação direta de aloantígenos Reação cruzada: TCR reconhece MHC alogênico com peptídeo. MHC alogênico-peptídeo: “imita” MHC próprio-peptídeo. •Peptídeos: muitos idênticos ao do receptor. TCR próprio MHC apresentando peptídeo- estranho MHC alogênico
  • 16. Reconhecimento de aloantígenos Apresentação indireta de aloantígenos Moléculas MHC alogênicas processadas Apresentadas por APCs de receptor Penetram nos enxertos Céls T reconhecem MHC alogênico Ativa alorreconhecimento por céls T CD4+ e CD8+
  • 18. Complexo Maior de Histocompatibilidade (MHC) • Região gênica hipervariada, localizada no braço direito cromossoma 6 humano . • Classes I, II e III. • Codifica proteínas HLA que na maioria das vezes estão envolvidos na rejeição de transplantes.
  • 19. Moléculas de MHC de classe I cadeias α α1 e α2 > polimorfismo α1 e α2 – fenda de acomodação de peptídeos Α3 – mais conservado – sítio de interação de CD8+
  • 20. Moléculas de MHC de classe II Cadeias α1 eβ1– fenda de acomodação de peptídeos β2 – sítio de interação de CD4
  • 22. Ativação de células T alorreativas e rejeição a aloenxertos • Apresent aç ão por APCs do doador (present es no enxerto) • Apresent ação por APCs próprias (apresent ação indireta) • Cél ul as T alorr eati vas : mi gr am par a t eci do Transpl ant ado - rejeição
  • 23. Mecanismos efetores de rejeição a aloenxertos Rejeição Hiperaguda Rejeição Aguda Rejeição Crônica
  • 24.
  • 25. Rejeição Hiperaguda • O c l u s ã o d a v a s c u l a t ur a d o e n x e r t o. • M i n u t os o u h o r a s a p ó s a n a s t o m os e v a s o s e n x e r t o r e c e p t or. • M e d i a da p o r A c s j á e x i s t e nt e s n a c i r c ul a ç ã o d o h o s p e d e i r o.
  • 27. Rejeição Aguda L e s ã o v a s c u l a r e p a r e n q ui m a t os a . M e d i a d a p o r c é l u l a s T e A c . I n í c i o: a p ó s 1 a s e m a n a d e t r a n s pl a n t e .
  • 28. Rejeição Crônica Fi brose e anorm al i dade vascul ares. P erda de funç ão do enxerto. Ocorre em perí odo prol ongado. E nxertos renai s ou cardí acos.
  • 29. Imunossupressão para prevenir ou tratar rejeição de aloenxertos
  • 31. Métodos para induzir tolerância ou supressão específicos contra o doador • Deleção de células T alorreati vas. • Supress ão ativa de céls T alorreati vas.
  • 32. Transplante de Medula Óssea • Transplant e de c élulas-tronco hematopoéti cas pluripotentes. • Tratar defeitos adquiridos do sistema hematopoéti co ou imune. • Forneci m ent o de fonte renovável de proteínas (ex: hemoglobi na). • Tratar doenças malignas medula óssea (ex: leucemi a).
  • 33.
  • 34. Quais os principais cuidados durante o tratamento? • Restrição de visitas, procurando não entrar em contato com pessoas doentes ou crianças que freqüentam creches e escolas, ou que foram vacinadas recent em ent e; • Lavagem das mãos pelo paciente e acompanhant es, principalm ent e ao manipular alimentos, após usar o sanitári o e na entrada e saída do quarto durante o período de internação; • Evitar o contato com animai s e plantas; • Realizar rigorosa e frequente higiene oral, atentando para lesões e utilizando escovas com cerdas macias; • Alimentação cuidadosa, evitando alimento crú, mal cozidos e com procedênci a duvidosa.
  • 35. Transplante Xenogênico • D E M A M Í F E RO S PA R A H U M A N O S . • P R O B L E M A : A C S N AT U R A I S R E J E I Ç ÃO H I P E R A G UD A . Transfusão sangüínea • R E S P O S TA I M U N E C O N T R A M O L É C UL A S D A S U P E R F Í CI E D A H E M Á CI A . • S I S T E MA A B O . • R E A Ç Õ E S T R A N S F U S I O N AI S : L I S E D A S E S T R U T U R A S P O R H E M Ó LI S E . • A N T Í G E NO R H D E H E M Á C I A S ; •Eritroblastose fetal.
  • 36.
  • 37. Transfusão sangüínea (concentrado de hemácias, sem levar em consideração o Rh) Plasma