SlideShare uma empresa Scribd logo
AFFA Engenharia & Arquitetura Ltda
Palestrante: Anne Dantas
Apresentação 
COMO LIDAR COM AS CRÍTICAS NO AMBIENTE DE TRABALHO 
Todos nós já sofremos críticas. Mas será que sabemos lidar com elas? Algumas críticas 
são boas e deixam-nos muito satisfeitos, outras são desagradáveis e fazem com que 
fiquemos furiosos. Mas antes de chegar ao estado de fúria, há que perceber o carácter 
da opinião que lançaram sobre nós, pois nem sempre possuem sentido depreciativo. 
Muito pelo contrário. 
Em primeira análise, uma crítica sobre o nosso trabalho é sempre desconfortável. Não 
que seja negativa, mas simplesmente porque o nosso desempenho enquanto 
profissional está a ser observado e/ou posto em causa por colegas ou patrões. 
Na maioria dos casos, uma crítica nunca é bem aceita, mas o importante, primeiro que 
tudo, é perceber se de fato estamos a ser alvo de uma crítica ou de uma afirmação 
meramente opinativa. Se concluirmos que, de facto, fomos alvo de uma crítica, a 
melhor atitude a tomar é tentar perceber se esta possui razão ou não de existir.
Acreditamos e damos o melhor para que o nosso trabalho não seja objeto de 
discussão, mas todos os profissionais, nas áreas mais diversas, são avaliados pelo 
trabalho desempenhado. 
Normalmente é difícil conseguirmos abstrairmo-nos da produção do trabalho 
elaborado diariamente por nós e avaliá-lo objetivamente, mas este é o primeiro 
passo para podermos aceitar e lidar bem com as críticas que nos são dirigidas.
Críticas Positivas 
Muitas vezes as críticas surgem apenas como forma de reconhecimento do nosso 
trabalho. 
Significa que os colegas ou superiores estão de olho em nós e na maneira como 
funcionamos, e valorizam-no. No entanto, o facto de o estarem sempre a elogiar poderá 
ter os seus senãos, como o excesso de confiança e uma maior despreocupação nas 
responsabilidades inerentes à função desempenhada. 
Embora sejam sempre bem vindas, as críticas positivas podem aumentar em demasia o 
ego e prejudicar a actividade profissional. Portanto, fique atento e não deixe que a 
vaidade tome conta de si.
Críticas Negativas 
Ao elaborarem uma opinião depreciativa sobre o desempenho das suas funções, a 
reação mais imediata é a de criticar de volta. 
Está errado! A atitude mais coerente é, depois de assimilar a crítica na sua totalidade, 
perceber qual a natureza da mesma e se esta tem fundamento. 
Muitas vezes são as críticas por partes de terceiros que nos fazem perceber e corrigir os 
nossos erros e aperfeiçoar o que se realiza posteriormente. Assim acedemos a uma 
posição mais favorável pois conquistamos a oportunidade de melhorar a nossa 
performance e aprender com os nossos erros. 
As críticas negativas também podem ser encaradas como um elogio e são a melhor 
forma de perceber as falhas que cometemos para depois as corrigirmos. 
Não se deixe abater pelas opiniões ou censuras que os outros fazem de si. Aproveite ao 
máximo cada relato, cada afirmação, cada declaração favorável ou depreciativa para 
desenvolver e triunfar nas suas tarefas diárias. 
Já dizia Óscar Wilde "Falem de nós, nem que seja mal!"
Dicas interessantes: 
Tenha empatia: é essencial se colocar no lugar da outra pessoa. Pense bem! Você 
gostaria de ser ofendido e ficar aborrecido com calúnias de outras pessoas? Tenha 
sempre uma atitude positiva e evite comentários desnecessários. 
Bom senso: aprenda a observar como está seu colega de trabalho, se ele está 
estressado ou aborrecido com algum problema, fale pouco e respeite seus 
sentimentos e procure evitar discussões neste momento de tensão. 
Aprenda a quebrar o gelo: muitos problemas pessoais, como doenças, problemas 
financeiros, e insatisfação profissional; são frustrações que deixam muitas pessoas 
de “mal com a vida”, portanto, procure se esforçar para ter uma boa autoestima e 
ser otimista. Quando for criticado por algum colega, ‘’quebre o gelo’’ e mostre que 
você não se importa com as críticas. O famoso ditado popular já diz: o silêncio vale 
mais que mil palavras, não é mesmo? 
“Existe aquele que fala irrefletidamente como que com as estocadas duma 
espada.” Provérbio 12: 18 
As palavras podem machucar e ofender e se você perder a calma é quase certo que 
dirá palavras que farão você se arrepender depois.
Independente de quem você é ou do posto que ocupa, críticas e julgamentos a seu respeito 
ou sobre sua conduta farão parte da sua rotina! É preciso, aprender a avaliar suas reações e 
adotar um comportamento civilizado para lidar com isso. 
1. Não seja reativo 
Argumentos defensivos ou retrucar de imediato sem refletir sobre o que lhe foi dito não 
ajudará em nada. Pelo contrário. 
Reações impulsivas nos mantêm reféns de relações hostis. Refletir sobre alguns comentários 
a nosso respeito, por mais duros que possam parecer, nos ajuda a exercitar o 
autoconhecimento e melhorar nossas relações interpessoais. 
2. Faça considerações 
Cultive o hábito de refletir sobre os comentários alheios e elabore um argumento coerente 
antes de responder de forma impulsiva. Lembre-se de que, no calor dos ânimos e sob 
pressão, as pessoas são levadas a agir sob impulso, e nem sempre têm noção do que estão 
dizendo ou das razões que as levaram a fazer uma crítica. Seja condescendente com elas.
3. Invista no autoconhecimento 
É muito difícil aceitar um comentário ruim, mas, temos a oportunidade de reavaliar nossas 
atitudes e perceber quando - e de que forma - afetamos as pessoas com estilos e 
percepções diferentes. De cada crítica ou julgamento retire um aprendizado, 
independente de ter ou não fundamento. 
4. Aproveite as oportunidades para dar seu salto de qualidade 
Quando os comentários ou críticas não procederem, elabore um discurso racional e dê 
retorno de forma assertiva e gentil à pessoa envolvida. Certamente, essa atitude 
aumentará sua credibilidade e o tornará mais preparado para agir em situações similares. 
Se você refletiu e chegou à conclusão de que as críticas são pertinentes, aproveite a 
oportunidade para rever posições e efetuar mudanças necessárias. 
5. Quando contra argumentar não for possível, registre o aprendizado 
Algumas vezes não temos a oportunidade de argumentar a respeito do que nos é dito ou 
feito. Mas tenha sempre em mente que todas as situações do nosso dia a dia nos 
oferecem oportunidades de aprendizado. 
Caso você não tenha chance de agir em defesa própria diante de uma crítica, registre a 
mensagem do episódio e assimile conhecimento.
Já dizia Óscar Wilde 
"Falem de nós, nem que seja mal!" 
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

8 apresentação - acidentes de trabalho
8   apresentação - acidentes de trabalho8   apresentação - acidentes de trabalho
8 apresentação - acidentes de trabalho
Nilton Goulart
 
Campanha adornos
Campanha adornosCampanha adornos
Campanha adornos
Ane Costa
 
Treinamento betoneira
Treinamento betoneiraTreinamento betoneira
Treinamento betoneira
rafaele123
 
00 seguranca-com-ferramentas-manuais
00   seguranca-com-ferramentas-manuais00   seguranca-com-ferramentas-manuais
00 seguranca-com-ferramentas-manuais
Alexander C. Logelso Alex
 
Checklist escadas2
Checklist escadas2Checklist escadas2
Checklist escadas2
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Nr 01 Ordem de Serviço
Nr 01 Ordem de ServiçoNr 01 Ordem de Serviço
Nr 01 Ordem de Serviço
Ana Paula Santos de Jesus Souza
 
Treinamento para operador de motosserra.
Treinamento para operador de motosserra.Treinamento para operador de motosserra.
Treinamento para operador de motosserra.
JOCÁSSIA SOARES
 
Atos inseguros
Atos insegurosAtos inseguros
Atos inseguros
JORGE BADAUE BADAUE
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
Claudio Cesar Pontes ن
 
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-alturaProcedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Régis Pinheiro Martins Bezerra
 
Política de saúde e segurança do trabalho
Política de saúde e segurança do trabalhoPolítica de saúde e segurança do trabalho
Política de saúde e segurança do trabalho
Gislayne Lemos Fraga
 
DDS nr-18
DDS nr-18DDS nr-18
03. AULA RETROESCAVADEIRA 416F2.pptx
03. AULA RETROESCAVADEIRA 416F2.pptx03. AULA RETROESCAVADEIRA 416F2.pptx
03. AULA RETROESCAVADEIRA 416F2.pptx
FabioCostaFerreira3
 
Prevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de TrabalhoPrevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de Trabalho
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Seguranca em talhas[1]
Seguranca em talhas[1]Seguranca em talhas[1]
Seguranca em talhas[1]
Paulo H Bueno
 
Modelo relatório de inspeção de segurança do trabalho
Modelo   relatório de inspeção de segurança do trabalhoModelo   relatório de inspeção de segurança do trabalho
Modelo relatório de inspeção de segurança do trabalho
anairdaatosc
 
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptxNR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
DaniloMartinsdossant2
 
Tecnica de incidentes criticos(tic)
Tecnica de incidentes criticos(tic)Tecnica de incidentes criticos(tic)
Tecnica de incidentes criticos(tic)
Josiane Cerchi
 
Programa de proteção respiratória
Programa de proteção respiratóriaPrograma de proteção respiratória
Programa de proteção respiratória
Robson Peixoto
 

Mais procurados (20)

8 apresentação - acidentes de trabalho
8   apresentação - acidentes de trabalho8   apresentação - acidentes de trabalho
8 apresentação - acidentes de trabalho
 
Campanha adornos
Campanha adornosCampanha adornos
Campanha adornos
 
Treinamento betoneira
Treinamento betoneiraTreinamento betoneira
Treinamento betoneira
 
00 seguranca-com-ferramentas-manuais
00   seguranca-com-ferramentas-manuais00   seguranca-com-ferramentas-manuais
00 seguranca-com-ferramentas-manuais
 
Checklist escadas2
Checklist escadas2Checklist escadas2
Checklist escadas2
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
 
Nr 01 Ordem de Serviço
Nr 01 Ordem de ServiçoNr 01 Ordem de Serviço
Nr 01 Ordem de Serviço
 
Treinamento para operador de motosserra.
Treinamento para operador de motosserra.Treinamento para operador de motosserra.
Treinamento para operador de motosserra.
 
Atos inseguros
Atos insegurosAtos inseguros
Atos inseguros
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
 
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-alturaProcedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
 
Política de saúde e segurança do trabalho
Política de saúde e segurança do trabalhoPolítica de saúde e segurança do trabalho
Política de saúde e segurança do trabalho
 
DDS nr-18
DDS nr-18DDS nr-18
DDS nr-18
 
03. AULA RETROESCAVADEIRA 416F2.pptx
03. AULA RETROESCAVADEIRA 416F2.pptx03. AULA RETROESCAVADEIRA 416F2.pptx
03. AULA RETROESCAVADEIRA 416F2.pptx
 
Prevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de TrabalhoPrevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de Trabalho
 
Seguranca em talhas[1]
Seguranca em talhas[1]Seguranca em talhas[1]
Seguranca em talhas[1]
 
Modelo relatório de inspeção de segurança do trabalho
Modelo   relatório de inspeção de segurança do trabalhoModelo   relatório de inspeção de segurança do trabalho
Modelo relatório de inspeção de segurança do trabalho
 
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptxNR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
 
Tecnica de incidentes criticos(tic)
Tecnica de incidentes criticos(tic)Tecnica de incidentes criticos(tic)
Tecnica de incidentes criticos(tic)
 
Programa de proteção respiratória
Programa de proteção respiratóriaPrograma de proteção respiratória
Programa de proteção respiratória
 

Destaque

Soc trabalho parte ii - aula 1 - versão blog
Soc trabalho   parte ii - aula 1 - versão blogSoc trabalho   parte ii - aula 1 - versão blog
Soc trabalho parte ii - aula 1 - versão blog
Carmem Rocha
 
Os seguidores das idéias de taylor aula 06-03-012
Os seguidores das idéias de taylor  aula 06-03-012Os seguidores das idéias de taylor  aula 06-03-012
Os seguidores das idéias de taylor aula 06-03-012
Helena Reis
 
Administração Científica de Taylor
Administração Científica de TaylorAdministração Científica de Taylor
Administração Científica de Taylor
Emma Baltazar
 
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
To 02   Administracao Cientifica De TaylorTo 02   Administracao Cientifica De Taylor
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
edgarklein
 
Sobre o banheiro dos funcionários: higiene e limpeza
Sobre o banheiro dos funcionários: higiene e limpeza Sobre o banheiro dos funcionários: higiene e limpeza
Sobre o banheiro dos funcionários: higiene e limpeza
sindiconet
 
Formas de Organização do Trabalho
Formas de Organização do TrabalhoFormas de Organização do Trabalho
Formas de Organização do Trabalho
Luisa Lamas
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Prof. Leonardo Rocha
 

Destaque (7)

Soc trabalho parte ii - aula 1 - versão blog
Soc trabalho   parte ii - aula 1 - versão blogSoc trabalho   parte ii - aula 1 - versão blog
Soc trabalho parte ii - aula 1 - versão blog
 
Os seguidores das idéias de taylor aula 06-03-012
Os seguidores das idéias de taylor  aula 06-03-012Os seguidores das idéias de taylor  aula 06-03-012
Os seguidores das idéias de taylor aula 06-03-012
 
Administração Científica de Taylor
Administração Científica de TaylorAdministração Científica de Taylor
Administração Científica de Taylor
 
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
To 02   Administracao Cientifica De TaylorTo 02   Administracao Cientifica De Taylor
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
 
Sobre o banheiro dos funcionários: higiene e limpeza
Sobre o banheiro dos funcionários: higiene e limpeza Sobre o banheiro dos funcionários: higiene e limpeza
Sobre o banheiro dos funcionários: higiene e limpeza
 
Formas de Organização do Trabalho
Formas de Organização do TrabalhoFormas de Organização do Trabalho
Formas de Organização do Trabalho
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
 

Semelhante a DDS- Como conviver com as criticas no trabalho

Gerir situações agressivas
Gerir situações agressivasGerir situações agressivas
Gerir situações agressivas
Mário Laranjeira
 
Como mudar a autoestima no trabalho?
Como mudar a autoestima no trabalho?Como mudar a autoestima no trabalho?
Como mudar a autoestima no trabalho?
Maria Cristina Santos Araujo
 
5w1h livro 5 licoes 41 a 50
5w1h livro 5   licoes 41 a 505w1h livro 5   licoes 41 a 50
5w1h livro 5 licoes 41 a 50
SOMOSMAISQUE1
 
Movida talks feedback
Movida talks feedbackMovida talks feedback
Movida talks feedback
Priscila Oliveira
 
A importância do feedback
A importância do feedbackA importância do feedback
A importância do feedback
Alexsandro Rebello Bonatto
 
Críticas e o que lhes fazer
Críticas e o que lhes fazerCríticas e o que lhes fazer
Críticas e o que lhes fazer
Oficina Psicologia
 
Assertividade resumido
Assertividade resumidoAssertividade resumido
Assertividade resumido
Rosana Corrêa
 
Inteligência Emocional na Liderança
Inteligência Emocional na LiderançaInteligência Emocional na Liderança
Inteligência Emocional na Liderança
Ismael
 
Conflict Resolution Workshop Presentation - CCC.pdf
Conflict Resolution Workshop Presentation - CCC.pdfConflict Resolution Workshop Presentation - CCC.pdf
Conflict Resolution Workshop Presentation - CCC.pdf
wesleysenaigo
 
Inteligencia_Emocional_na_Lideranca
Inteligencia_Emocional_na_LiderancaInteligencia_Emocional_na_Lideranca
Inteligencia_Emocional_na_Lideranca
CarlaMCAlmeida
 
Caderneta pessoal
Caderneta pessoalCaderneta pessoal
Caderneta pessoal
E.A.E
 
Autoconhecimento- Encontro formativo BNCC lagedo.pptx
Autoconhecimento- Encontro formativo BNCC  lagedo.pptxAutoconhecimento- Encontro formativo BNCC  lagedo.pptx
Autoconhecimento- Encontro formativo BNCC lagedo.pptx
AuriceliaRosa
 
TEMÁTICA - Apresentação pessoal e postura profissional.pptx
TEMÁTICA - Apresentação pessoal e postura profissional.pptxTEMÁTICA - Apresentação pessoal e postura profissional.pptx
TEMÁTICA - Apresentação pessoal e postura profissional.pptx
AdrieliTeixeira1
 
Aula 02 feedback assertivo
Aula 02   feedback assertivoAula 02   feedback assertivo
Aula 02 feedback assertivo
Niloar Bissani
 
Auto aceitação_ O Caminho para o Amor Próprio.pdf
Auto aceitação_ O Caminho para o Amor Próprio.pdfAuto aceitação_ O Caminho para o Amor Próprio.pdf
Auto aceitação_ O Caminho para o Amor Próprio.pdf
Gabriel Felix
 
Aula 6 - Comportamento social
Aula 6 - Comportamento socialAula 6 - Comportamento social
Aula 6 - Comportamento social
Professor Cristiano Barreto
 
Reestruturação do pensamento
Reestruturação do pensamentoReestruturação do pensamento
Reestruturação do pensamento
Márcia Quirino
 
11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf
11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf
11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf
SIMONEANDRADE78
 
11 passos de autoconfianca
11 passos de autoconfianca11 passos de autoconfianca
11 passos de autoconfianca
fetchsawt
 
AdministraçãO De Conflitos
AdministraçãO De ConflitosAdministraçãO De Conflitos
AdministraçãO De Conflitos
Dalker Roberto Walter
 

Semelhante a DDS- Como conviver com as criticas no trabalho (20)

Gerir situações agressivas
Gerir situações agressivasGerir situações agressivas
Gerir situações agressivas
 
Como mudar a autoestima no trabalho?
Como mudar a autoestima no trabalho?Como mudar a autoestima no trabalho?
Como mudar a autoestima no trabalho?
 
5w1h livro 5 licoes 41 a 50
5w1h livro 5   licoes 41 a 505w1h livro 5   licoes 41 a 50
5w1h livro 5 licoes 41 a 50
 
Movida talks feedback
Movida talks feedbackMovida talks feedback
Movida talks feedback
 
A importância do feedback
A importância do feedbackA importância do feedback
A importância do feedback
 
Críticas e o que lhes fazer
Críticas e o que lhes fazerCríticas e o que lhes fazer
Críticas e o que lhes fazer
 
Assertividade resumido
Assertividade resumidoAssertividade resumido
Assertividade resumido
 
Inteligência Emocional na Liderança
Inteligência Emocional na LiderançaInteligência Emocional na Liderança
Inteligência Emocional na Liderança
 
Conflict Resolution Workshop Presentation - CCC.pdf
Conflict Resolution Workshop Presentation - CCC.pdfConflict Resolution Workshop Presentation - CCC.pdf
Conflict Resolution Workshop Presentation - CCC.pdf
 
Inteligencia_Emocional_na_Lideranca
Inteligencia_Emocional_na_LiderancaInteligencia_Emocional_na_Lideranca
Inteligencia_Emocional_na_Lideranca
 
Caderneta pessoal
Caderneta pessoalCaderneta pessoal
Caderneta pessoal
 
Autoconhecimento- Encontro formativo BNCC lagedo.pptx
Autoconhecimento- Encontro formativo BNCC  lagedo.pptxAutoconhecimento- Encontro formativo BNCC  lagedo.pptx
Autoconhecimento- Encontro formativo BNCC lagedo.pptx
 
TEMÁTICA - Apresentação pessoal e postura profissional.pptx
TEMÁTICA - Apresentação pessoal e postura profissional.pptxTEMÁTICA - Apresentação pessoal e postura profissional.pptx
TEMÁTICA - Apresentação pessoal e postura profissional.pptx
 
Aula 02 feedback assertivo
Aula 02   feedback assertivoAula 02   feedback assertivo
Aula 02 feedback assertivo
 
Auto aceitação_ O Caminho para o Amor Próprio.pdf
Auto aceitação_ O Caminho para o Amor Próprio.pdfAuto aceitação_ O Caminho para o Amor Próprio.pdf
Auto aceitação_ O Caminho para o Amor Próprio.pdf
 
Aula 6 - Comportamento social
Aula 6 - Comportamento socialAula 6 - Comportamento social
Aula 6 - Comportamento social
 
Reestruturação do pensamento
Reestruturação do pensamentoReestruturação do pensamento
Reestruturação do pensamento
 
11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf
11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf
11passosdeautoconfianca-150120033054-conversion-gate01.pdf
 
11 passos de autoconfianca
11 passos de autoconfianca11 passos de autoconfianca
11 passos de autoconfianca
 
AdministraçãO De Conflitos
AdministraçãO De ConflitosAdministraçãO De Conflitos
AdministraçãO De Conflitos
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
MariaJooSilva58
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
SolangeWaltre
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 

DDS- Como conviver com as criticas no trabalho

  • 1. AFFA Engenharia & Arquitetura Ltda
  • 3. Apresentação COMO LIDAR COM AS CRÍTICAS NO AMBIENTE DE TRABALHO Todos nós já sofremos críticas. Mas será que sabemos lidar com elas? Algumas críticas são boas e deixam-nos muito satisfeitos, outras são desagradáveis e fazem com que fiquemos furiosos. Mas antes de chegar ao estado de fúria, há que perceber o carácter da opinião que lançaram sobre nós, pois nem sempre possuem sentido depreciativo. Muito pelo contrário. Em primeira análise, uma crítica sobre o nosso trabalho é sempre desconfortável. Não que seja negativa, mas simplesmente porque o nosso desempenho enquanto profissional está a ser observado e/ou posto em causa por colegas ou patrões. Na maioria dos casos, uma crítica nunca é bem aceita, mas o importante, primeiro que tudo, é perceber se de fato estamos a ser alvo de uma crítica ou de uma afirmação meramente opinativa. Se concluirmos que, de facto, fomos alvo de uma crítica, a melhor atitude a tomar é tentar perceber se esta possui razão ou não de existir.
  • 4. Acreditamos e damos o melhor para que o nosso trabalho não seja objeto de discussão, mas todos os profissionais, nas áreas mais diversas, são avaliados pelo trabalho desempenhado. Normalmente é difícil conseguirmos abstrairmo-nos da produção do trabalho elaborado diariamente por nós e avaliá-lo objetivamente, mas este é o primeiro passo para podermos aceitar e lidar bem com as críticas que nos são dirigidas.
  • 5. Críticas Positivas Muitas vezes as críticas surgem apenas como forma de reconhecimento do nosso trabalho. Significa que os colegas ou superiores estão de olho em nós e na maneira como funcionamos, e valorizam-no. No entanto, o facto de o estarem sempre a elogiar poderá ter os seus senãos, como o excesso de confiança e uma maior despreocupação nas responsabilidades inerentes à função desempenhada. Embora sejam sempre bem vindas, as críticas positivas podem aumentar em demasia o ego e prejudicar a actividade profissional. Portanto, fique atento e não deixe que a vaidade tome conta de si.
  • 6. Críticas Negativas Ao elaborarem uma opinião depreciativa sobre o desempenho das suas funções, a reação mais imediata é a de criticar de volta. Está errado! A atitude mais coerente é, depois de assimilar a crítica na sua totalidade, perceber qual a natureza da mesma e se esta tem fundamento. Muitas vezes são as críticas por partes de terceiros que nos fazem perceber e corrigir os nossos erros e aperfeiçoar o que se realiza posteriormente. Assim acedemos a uma posição mais favorável pois conquistamos a oportunidade de melhorar a nossa performance e aprender com os nossos erros. As críticas negativas também podem ser encaradas como um elogio e são a melhor forma de perceber as falhas que cometemos para depois as corrigirmos. Não se deixe abater pelas opiniões ou censuras que os outros fazem de si. Aproveite ao máximo cada relato, cada afirmação, cada declaração favorável ou depreciativa para desenvolver e triunfar nas suas tarefas diárias. Já dizia Óscar Wilde "Falem de nós, nem que seja mal!"
  • 7. Dicas interessantes: Tenha empatia: é essencial se colocar no lugar da outra pessoa. Pense bem! Você gostaria de ser ofendido e ficar aborrecido com calúnias de outras pessoas? Tenha sempre uma atitude positiva e evite comentários desnecessários. Bom senso: aprenda a observar como está seu colega de trabalho, se ele está estressado ou aborrecido com algum problema, fale pouco e respeite seus sentimentos e procure evitar discussões neste momento de tensão. Aprenda a quebrar o gelo: muitos problemas pessoais, como doenças, problemas financeiros, e insatisfação profissional; são frustrações que deixam muitas pessoas de “mal com a vida”, portanto, procure se esforçar para ter uma boa autoestima e ser otimista. Quando for criticado por algum colega, ‘’quebre o gelo’’ e mostre que você não se importa com as críticas. O famoso ditado popular já diz: o silêncio vale mais que mil palavras, não é mesmo? “Existe aquele que fala irrefletidamente como que com as estocadas duma espada.” Provérbio 12: 18 As palavras podem machucar e ofender e se você perder a calma é quase certo que dirá palavras que farão você se arrepender depois.
  • 8. Independente de quem você é ou do posto que ocupa, críticas e julgamentos a seu respeito ou sobre sua conduta farão parte da sua rotina! É preciso, aprender a avaliar suas reações e adotar um comportamento civilizado para lidar com isso. 1. Não seja reativo Argumentos defensivos ou retrucar de imediato sem refletir sobre o que lhe foi dito não ajudará em nada. Pelo contrário. Reações impulsivas nos mantêm reféns de relações hostis. Refletir sobre alguns comentários a nosso respeito, por mais duros que possam parecer, nos ajuda a exercitar o autoconhecimento e melhorar nossas relações interpessoais. 2. Faça considerações Cultive o hábito de refletir sobre os comentários alheios e elabore um argumento coerente antes de responder de forma impulsiva. Lembre-se de que, no calor dos ânimos e sob pressão, as pessoas são levadas a agir sob impulso, e nem sempre têm noção do que estão dizendo ou das razões que as levaram a fazer uma crítica. Seja condescendente com elas.
  • 9. 3. Invista no autoconhecimento É muito difícil aceitar um comentário ruim, mas, temos a oportunidade de reavaliar nossas atitudes e perceber quando - e de que forma - afetamos as pessoas com estilos e percepções diferentes. De cada crítica ou julgamento retire um aprendizado, independente de ter ou não fundamento. 4. Aproveite as oportunidades para dar seu salto de qualidade Quando os comentários ou críticas não procederem, elabore um discurso racional e dê retorno de forma assertiva e gentil à pessoa envolvida. Certamente, essa atitude aumentará sua credibilidade e o tornará mais preparado para agir em situações similares. Se você refletiu e chegou à conclusão de que as críticas são pertinentes, aproveite a oportunidade para rever posições e efetuar mudanças necessárias. 5. Quando contra argumentar não for possível, registre o aprendizado Algumas vezes não temos a oportunidade de argumentar a respeito do que nos é dito ou feito. Mas tenha sempre em mente que todas as situações do nosso dia a dia nos oferecem oportunidades de aprendizado. Caso você não tenha chance de agir em defesa própria diante de uma crítica, registre a mensagem do episódio e assimile conhecimento.
  • 10. Já dizia Óscar Wilde "Falem de nós, nem que seja mal!" OBRIGADO!