SlideShare uma empresa Scribd logo
Arte Grega
“O homem é a medida de todas as
coisas”.
(Protágoras de Abdera, 480-410 a.C.)
Introdução
• “Os gregos foram os primeiros artistas
realistas da história, ou seja, os primeiros a
se preocupar em representar a natureza tal
qual ela é”.
• Para isso foi importante o estudo das
proporções. Homem = medida de todas as
coisas.
• Distingue-se quatro grandes períodos da
arte grega:
– Geométrico: séculos IX e VIII a.C.
– Arcaico: séculos VII e VI a.C.
– Clássico: séculos V e IV a.C.
– Helenístico: século III ao I a.C.
Arte Grega.ppt
Características gerais
• “No período geométrico a arte se restringiu à decoração de
variados utensílios e ânforas. Esses objetos eram pintados com
motivos circulares e semicirculares, dispostos simetricamente”.
• Essa técnica foi herdada das culturas cretense e micênica.
• A partir do século VII a.C. (período arcaico), a arquitetura e a
escultura experimentam um notável desenvolvimento também
com influência dessas e outras culturas mediterrânicas. Ex:
estudo e medição do antigo megaron (sala central dos palácios de
Micenas). A partir dele tem-se os estilos arquitetônicos do
tradicional templo grego.
• Entre os séculos V e VI a.C. a arte grega consolida suas formas
definitivas. Escultura: naturalismo (proporção das figuras +
conceito de dinamismo). Ex: Discóbolo de Miron. Arquitetura:
aperfeiçoamento da óptica (perspectiva) + fusão do estilo jônico e
dórico. Ex: Partenon de Atenas.
Características gerais
• No século III (período helenístico), a cultura grega se difunde
graças às conquistas e expansão de Alexandre Magno, por toda a
bacia do Mediterrâneo e Ásia Menor.
• “Enquanto a arte egípcia é uma arte ligada ao espírito, a arte
grega liga-se à inteligência (razão)”.
• Os reis gregos, não eram considerados filhos de deuses, mas
homens sábios e justos. Através da observação da natureza o
artista procura exprimir na arte suas manifestações. Na
constante busca da perfeição (belo filosófico), o artista grego cria
uma rede de elaboração intelectual em que predominam ritmo,
equilíbrio e harmonia ideal. Eles tem como características: amor
pela beleza, interesse pelo homem e sua vida, também expressa
no cotidiano da pólis (cidade-estado) e os ideais da democracia.
Pintura
• Principalmente na cerâmica. Foi na decoração de ânforas, pratos e
utensílios, (comercialização) que a arte da pintura pode se desenvolver. No
começo os desenhos eram formas geométricas elementares (período
geométrico – séculos IX e VIII a.C.) que mal se destacavam na superfície.
• Foi com o tempo se enriquecendo, ganhando volume. Surgiram os
primeiros desenhos de plantas e animais com adornos chamados meandros.
No período arcaico (séculos VII e VI a.C.) aparecem nos desenhos a figura
humana, que apresentava um grafismo muito estilizado. Com o
aparecimento de novas tendências naturalistas, a pintura começa a ser
utilizada nas representações mitológicas. As cenas eram apresentadas em
faixas horizontais paralelas que podiam ser visualizadas ao se girar a peça
de cerâmica. Substitui-se o cinzel pelo pincel assim os traçados se
tornaram mais precisos e ricos em detalhes.
• Cerâmica entra em decadência durante o classicismo (séculos IV e V a.C.)
• Ressurgem no período helenístico (século III) renovadas, cheias de cor e
ricamente decoradas.
PINTURA
Pintura
• Os vasos além de servir para rituais religiosos, também
eram usados para armazenar água, vinho, azeite e
mantimentos. A forma correspondia à função.
– Ânfora: vasilha em forma de coração, com o gargalo largo
orando com duas asas.
– Hidra: ydor = água, tinha três asas, uma vertical para
segurar enquanto corria a água e duas para levantar.
– Cratera: tinha a boca muito larga, com o corpo em forma
de um sino invertido, servia para misturar água com o
vinho; os gregos não bebiam vinho puro.
A pintura grega em vasos se divide em três grupos:
1. Figuras negras sobre o fundo vermelho
2. Figuras vermelhas sobre o fundo negro
3. Figuras vermelhas sobre o fundo branco
Aquiles e Ajax jogando damas, c.540 a.C. Vaso no estilo
figuras pretas, assinado por Exekias; altura 61 cm; Museu
Etrusco, Vaticano.
Ânfora de gargalo proto-ática, c.
670 a.C. Altura 142 cm, Eleusis
Museu. Cegamento de Polifeno no
gargalo e a perseguição de Perseu
pelas Górgonas no corpo.
Vaso de Dipilon, séc. VIII a. C. Altura 108 cm.
Nova York, Metropotitan Museum (Rogers Fund)
Arte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
Cópia romana, encontrada em Pompéia, de um mural do período
helenístico, representando a batalha de Isso entre Alexandre e Dario da
Pérsia.
Retratos
Escultura
• As primeiras esculturas gregas (século IX a.C.) eram pequenas figuras
humanas feitas com materiais fáceis de manipular como argila, marfim ou
cera. No período arcaico (séculos VII e VI a.C.) começaram a trabalhar a
pedra. Os motivos eram simples estátuas de rapazes (kouros) e moças
(kourés). As figuras esculpidas apresentavam formas lisas e arredondadas
– beleza ideal (semelhantes às esculturas egípcias que lhe serviram de
modelo).
• Com o advento do classicismo (séculos V e IV a.C.) a estatuária grega foi
assumindo um caráter próprio e abandonou os padrões orientais. O
estudo das proporções veio a oferecer a possibilidade de se copiar
fielmente a anatomia humana, e com isso os rostos obtiveram um ganho
considerável em expressividade e realismo.
• Mais tarde introduziu-se o conceito de contraposto – posição na qual a
escultura se apoiava totalmente numa perna, deixando a outra livre e o
princípio de dinamismo tomou forma nas representações de atletas em
plena ação. Entre os grandes artistas do período estão Lisipo (criou os
primeiros retratos). Policleto, Miron, Praxíteles e Fídias.
Kouros. Ática, c. 600 a.C.
Mármore, altura 193 cm,
Nova York, Metropolitan
Museu of Art.
Koré. Acrópolis de Atenas, c.
525 a.C.
Kroisos. Ática, c.525 a.C. Mármore, altura 194
cm, Atenas, Museu Nacional.
A base da estátua traz a inscrição: “Pare e
lamente junto ao sepulcro do falecido Kroisos,
arrebatado pelo impetuoso Ares dentre os
guerreiros na vanguarda”.
Guerreiro agonizando. Do frontão leste do Templo de Afaia em Egina,
c. 490 a.C. Mármore, comprimento 183 cm. Munique, Staatl.
Antikensammlungen
Arte Grega.ppt
Discóbulo, c. 450 a.C. Cópia romana
em mármore do original em bronze de
Myron, altura 155 cm; Museu
Nazionale Romano, Roma
Hermes com Dionísio, c. 320-310 a.C. Mármore,
altura 215 cm; Olím´pia, Museu Arqueológico.
Auriga. Do santuário de Apolo em Delfos, c. 470
a.C. Bronze, altura 180 cm. Museu de Delfos
Vênus de Milo, c. 200 a.C., mármore, altura 202 cm; Louvre, Paris e Apolo
de Belvedere, c. 350 a.C. Cópia romana em mármore segundo uma estátua
grega original, altura 224 cm; Museo Pio Clementino, Vaticano.
Atena e Alcione. Do lado leste do grande friso no altor de Zeus
em Pérgamo, c. 180 a.C. Mármore, altura 230 cm. Berlim,
Staatliche Museen.
Laocoonte e seus filhos, c. 175-50 a.C.
De Hagesandro, Atenodoro e Polidoro.
Mármore, altura 242 cm, Museu Pio
Clementino, Vaticano.
Atena Parthenos, c. 447-432 a.C. Cópia
romana em mármore do original em madeira,
ouro e marfim feita por Fídeas, altura 104 cm;
Museu Arqueológico Nacional em Atenas.
Máscara de Agamenon (1550 a.C. anônimo, ouro, 26,5 x 26 cm, Museu Nacional de
Atenas) e Cabeça de Alexandre, O Grande (c. 325-300 a.C. Cópia de
mármore segundo original de Lisipo, altura 41 cm; Museu
Arqueológico, Istambul).
Jovem, Sólon e Péricles
Arquitetura
• Um dos legados mais importantes da arte grega. Origem no
megaron micênico – aposento retangular simples, se tinha
acesso através de um pequeno pórtico (pronaos), e quatro
colunas que sustentavam um teto parecido com o telhado de
duas águas. Marcos ou cânones da edificação grega.
• A partir do aperfeiçoamento dessa forma básica que se
configurou o templo grego. Primeiros materiais eram o adobe
para as paredes e a madeira para as colunas, a partir do período
arcaico eles foram caindo em desuso, sendo substituídos pela
pedra. Essa inovação permitiu que fosse acrescentada uma nova
fileira de colunas na parte externa (peristilo) da edificação,
fazendo com que o templo obtivesse um ganho no que toca à
monumentalidade.
Estilos arquitetônicos
• As edificações que despertaram maior interesse são os templos.
Característica: simetria entre o pórtico de entrada e os dois fundos. Era
construído sobre uma base de três degraus. O degrau mais elevado
chamava-se estilóbata e sobre ele eram erguidas as colunas. As colunas
sustentavam um entablamento horizontal formado de três partes: a
arquitrave, o friso e a cornija. As colunas e entablamento eram construídos
segundo os modelos da ordem dórica, jônica e coríntia.
• ORDEM DÓRICA = era simples e maciça. O fuste d coluna era
monolítico e grosso. O capitel era uma almofada de pedra. “Nascida do
sentir do povo grego, nela se expressa o pensamento. Sendo a mais antiga
das ordens arquitetônicas gregas, por sua simplicidade e severidade,
empresta uma idéia de solidez e imponência”.
• ORDEM JÔNICA = Representava a graça e o feminino. A coluna
apresentava fuste mais delgado e não se firmava diretamente sobre o
estilóbata, mas sobre uma base decorada. O capitel era formado por duas
espirais unidas por duas curvas. A ordem dórica traduz a forma do
homem e a ordem jônica traduz a forma da mulher.
• ORDEM CORÍNTIA = o capitel era formado com folhas de acanto e
quatro espirais simétricas, muito usado no lugar do capitel jônico, de um
modo a variar e a enriquecer aquela ordem. Sugere luxo e ostentação.
• Principais monumentos:
– Templos: Partenon de Atenas. Na Acrópole também se encontram as
Cariátides que homenageavam as mulheres de Cária.
– Teatros: eram construídos em lugares abertos (encosta), compunham-
se de três partes: a skene ou cena, para os atores; a konistra ou
orquestra, para o coro; o koilon ou arquibancada, para os espectadores.
Ex: Teatro de Epidauro, construído no século IV a.C., ao ar livre,
composto por 55 degraus divididos em duas ordens e calculados de
acordo com uma inclinação perfeita. Chegava a acomodar cerca de 14
mil espectadores e tornou-se famoso por sua acústica perfeita.
– Ginásios: edifícios destinados à cultura física.
– Praça: ágora onde os gregos se reuniam para discutir os mais variados
assuntos, entre eles, filosofia.
Arte Grega.ppt
Capitéis
Acrópolis
Arte Grega.ppt
Templo de Castor e Polux e pedaço do
palácio de Knossos
Templo de Zeus e Poseidom
Teatro de Epidauro

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Arte Grega.ppt

Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Kauan Brito
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Marcio Duarte
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Arte Educadora
 
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romana
Ricardo Staiger
 
Arte grega 1
Arte grega 1Arte grega 1
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
guestf7402f6
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
Camila
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Claudio Soares
 
ARTE GREGA
ARTE  GREGAARTE  GREGA
ARTE GREGA
Cristiane Seibt
 
As artes gregas
As artes gregasAs artes gregas
As artes gregas
Bruno Machado
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
guestdef4b6
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
Ellen_Assad
 
48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte48787715 apostila-de-arte
Escola secundária de malhampsene arte greco romana
Escola secundária de malhampsene arte greco romanaEscola secundária de malhampsene arte greco romana
Escola secundária de malhampsene arte greco romana
Vicentana
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
chicovalmir
 
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
ArtesElisa
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
Silmara Nogueira
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
Mírian Carlos
 
Apostila 2°bimestre do 1°ano
Apostila 2°bimestre do 1°anoApostila 2°bimestre do 1°ano
Apostila 2°bimestre do 1°ano
profalced04
 

Semelhante a Arte Grega.ppt (20)

Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romana
 
Arte grega 1
Arte grega 1Arte grega 1
Arte grega 1
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
ARTE GREGA
ARTE  GREGAARTE  GREGA
ARTE GREGA
 
As artes gregas
As artes gregasAs artes gregas
As artes gregas
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 
48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte
 
Escola secundária de malhampsene arte greco romana
Escola secundária de malhampsene arte greco romanaEscola secundária de malhampsene arte greco romana
Escola secundária de malhampsene arte greco romana
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Apostila 2°bimestre do 1°ano
Apostila 2°bimestre do 1°anoApostila 2°bimestre do 1°ano
Apostila 2°bimestre do 1°ano
 

Arte Grega.ppt

  • 1. Arte Grega “O homem é a medida de todas as coisas”. (Protágoras de Abdera, 480-410 a.C.)
  • 2. Introdução • “Os gregos foram os primeiros artistas realistas da história, ou seja, os primeiros a se preocupar em representar a natureza tal qual ela é”. • Para isso foi importante o estudo das proporções. Homem = medida de todas as coisas. • Distingue-se quatro grandes períodos da arte grega: – Geométrico: séculos IX e VIII a.C. – Arcaico: séculos VII e VI a.C. – Clássico: séculos V e IV a.C. – Helenístico: século III ao I a.C.
  • 4. Características gerais • “No período geométrico a arte se restringiu à decoração de variados utensílios e ânforas. Esses objetos eram pintados com motivos circulares e semicirculares, dispostos simetricamente”. • Essa técnica foi herdada das culturas cretense e micênica. • A partir do século VII a.C. (período arcaico), a arquitetura e a escultura experimentam um notável desenvolvimento também com influência dessas e outras culturas mediterrânicas. Ex: estudo e medição do antigo megaron (sala central dos palácios de Micenas). A partir dele tem-se os estilos arquitetônicos do tradicional templo grego. • Entre os séculos V e VI a.C. a arte grega consolida suas formas definitivas. Escultura: naturalismo (proporção das figuras + conceito de dinamismo). Ex: Discóbolo de Miron. Arquitetura: aperfeiçoamento da óptica (perspectiva) + fusão do estilo jônico e dórico. Ex: Partenon de Atenas.
  • 5. Características gerais • No século III (período helenístico), a cultura grega se difunde graças às conquistas e expansão de Alexandre Magno, por toda a bacia do Mediterrâneo e Ásia Menor. • “Enquanto a arte egípcia é uma arte ligada ao espírito, a arte grega liga-se à inteligência (razão)”. • Os reis gregos, não eram considerados filhos de deuses, mas homens sábios e justos. Através da observação da natureza o artista procura exprimir na arte suas manifestações. Na constante busca da perfeição (belo filosófico), o artista grego cria uma rede de elaboração intelectual em que predominam ritmo, equilíbrio e harmonia ideal. Eles tem como características: amor pela beleza, interesse pelo homem e sua vida, também expressa no cotidiano da pólis (cidade-estado) e os ideais da democracia.
  • 6. Pintura • Principalmente na cerâmica. Foi na decoração de ânforas, pratos e utensílios, (comercialização) que a arte da pintura pode se desenvolver. No começo os desenhos eram formas geométricas elementares (período geométrico – séculos IX e VIII a.C.) que mal se destacavam na superfície. • Foi com o tempo se enriquecendo, ganhando volume. Surgiram os primeiros desenhos de plantas e animais com adornos chamados meandros. No período arcaico (séculos VII e VI a.C.) aparecem nos desenhos a figura humana, que apresentava um grafismo muito estilizado. Com o aparecimento de novas tendências naturalistas, a pintura começa a ser utilizada nas representações mitológicas. As cenas eram apresentadas em faixas horizontais paralelas que podiam ser visualizadas ao se girar a peça de cerâmica. Substitui-se o cinzel pelo pincel assim os traçados se tornaram mais precisos e ricos em detalhes. • Cerâmica entra em decadência durante o classicismo (séculos IV e V a.C.) • Ressurgem no período helenístico (século III) renovadas, cheias de cor e ricamente decoradas.
  • 8. Pintura • Os vasos além de servir para rituais religiosos, também eram usados para armazenar água, vinho, azeite e mantimentos. A forma correspondia à função. – Ânfora: vasilha em forma de coração, com o gargalo largo orando com duas asas. – Hidra: ydor = água, tinha três asas, uma vertical para segurar enquanto corria a água e duas para levantar. – Cratera: tinha a boca muito larga, com o corpo em forma de um sino invertido, servia para misturar água com o vinho; os gregos não bebiam vinho puro. A pintura grega em vasos se divide em três grupos: 1. Figuras negras sobre o fundo vermelho 2. Figuras vermelhas sobre o fundo negro 3. Figuras vermelhas sobre o fundo branco
  • 9. Aquiles e Ajax jogando damas, c.540 a.C. Vaso no estilo figuras pretas, assinado por Exekias; altura 61 cm; Museu Etrusco, Vaticano. Ânfora de gargalo proto-ática, c. 670 a.C. Altura 142 cm, Eleusis Museu. Cegamento de Polifeno no gargalo e a perseguição de Perseu pelas Górgonas no corpo.
  • 10. Vaso de Dipilon, séc. VIII a. C. Altura 108 cm. Nova York, Metropotitan Museum (Rogers Fund)
  • 13. Cópia romana, encontrada em Pompéia, de um mural do período helenístico, representando a batalha de Isso entre Alexandre e Dario da Pérsia.
  • 15. Escultura • As primeiras esculturas gregas (século IX a.C.) eram pequenas figuras humanas feitas com materiais fáceis de manipular como argila, marfim ou cera. No período arcaico (séculos VII e VI a.C.) começaram a trabalhar a pedra. Os motivos eram simples estátuas de rapazes (kouros) e moças (kourés). As figuras esculpidas apresentavam formas lisas e arredondadas – beleza ideal (semelhantes às esculturas egípcias que lhe serviram de modelo). • Com o advento do classicismo (séculos V e IV a.C.) a estatuária grega foi assumindo um caráter próprio e abandonou os padrões orientais. O estudo das proporções veio a oferecer a possibilidade de se copiar fielmente a anatomia humana, e com isso os rostos obtiveram um ganho considerável em expressividade e realismo. • Mais tarde introduziu-se o conceito de contraposto – posição na qual a escultura se apoiava totalmente numa perna, deixando a outra livre e o princípio de dinamismo tomou forma nas representações de atletas em plena ação. Entre os grandes artistas do período estão Lisipo (criou os primeiros retratos). Policleto, Miron, Praxíteles e Fídias.
  • 16. Kouros. Ática, c. 600 a.C. Mármore, altura 193 cm, Nova York, Metropolitan Museu of Art. Koré. Acrópolis de Atenas, c. 525 a.C.
  • 17. Kroisos. Ática, c.525 a.C. Mármore, altura 194 cm, Atenas, Museu Nacional. A base da estátua traz a inscrição: “Pare e lamente junto ao sepulcro do falecido Kroisos, arrebatado pelo impetuoso Ares dentre os guerreiros na vanguarda”.
  • 18. Guerreiro agonizando. Do frontão leste do Templo de Afaia em Egina, c. 490 a.C. Mármore, comprimento 183 cm. Munique, Staatl. Antikensammlungen
  • 20. Discóbulo, c. 450 a.C. Cópia romana em mármore do original em bronze de Myron, altura 155 cm; Museu Nazionale Romano, Roma Hermes com Dionísio, c. 320-310 a.C. Mármore, altura 215 cm; Olím´pia, Museu Arqueológico.
  • 21. Auriga. Do santuário de Apolo em Delfos, c. 470 a.C. Bronze, altura 180 cm. Museu de Delfos
  • 22. Vênus de Milo, c. 200 a.C., mármore, altura 202 cm; Louvre, Paris e Apolo de Belvedere, c. 350 a.C. Cópia romana em mármore segundo uma estátua grega original, altura 224 cm; Museo Pio Clementino, Vaticano.
  • 23. Atena e Alcione. Do lado leste do grande friso no altor de Zeus em Pérgamo, c. 180 a.C. Mármore, altura 230 cm. Berlim, Staatliche Museen.
  • 24. Laocoonte e seus filhos, c. 175-50 a.C. De Hagesandro, Atenodoro e Polidoro. Mármore, altura 242 cm, Museu Pio Clementino, Vaticano. Atena Parthenos, c. 447-432 a.C. Cópia romana em mármore do original em madeira, ouro e marfim feita por Fídeas, altura 104 cm; Museu Arqueológico Nacional em Atenas.
  • 25. Máscara de Agamenon (1550 a.C. anônimo, ouro, 26,5 x 26 cm, Museu Nacional de Atenas) e Cabeça de Alexandre, O Grande (c. 325-300 a.C. Cópia de mármore segundo original de Lisipo, altura 41 cm; Museu Arqueológico, Istambul).
  • 26. Jovem, Sólon e Péricles
  • 27. Arquitetura • Um dos legados mais importantes da arte grega. Origem no megaron micênico – aposento retangular simples, se tinha acesso através de um pequeno pórtico (pronaos), e quatro colunas que sustentavam um teto parecido com o telhado de duas águas. Marcos ou cânones da edificação grega. • A partir do aperfeiçoamento dessa forma básica que se configurou o templo grego. Primeiros materiais eram o adobe para as paredes e a madeira para as colunas, a partir do período arcaico eles foram caindo em desuso, sendo substituídos pela pedra. Essa inovação permitiu que fosse acrescentada uma nova fileira de colunas na parte externa (peristilo) da edificação, fazendo com que o templo obtivesse um ganho no que toca à monumentalidade.
  • 28. Estilos arquitetônicos • As edificações que despertaram maior interesse são os templos. Característica: simetria entre o pórtico de entrada e os dois fundos. Era construído sobre uma base de três degraus. O degrau mais elevado chamava-se estilóbata e sobre ele eram erguidas as colunas. As colunas sustentavam um entablamento horizontal formado de três partes: a arquitrave, o friso e a cornija. As colunas e entablamento eram construídos segundo os modelos da ordem dórica, jônica e coríntia. • ORDEM DÓRICA = era simples e maciça. O fuste d coluna era monolítico e grosso. O capitel era uma almofada de pedra. “Nascida do sentir do povo grego, nela se expressa o pensamento. Sendo a mais antiga das ordens arquitetônicas gregas, por sua simplicidade e severidade, empresta uma idéia de solidez e imponência”. • ORDEM JÔNICA = Representava a graça e o feminino. A coluna apresentava fuste mais delgado e não se firmava diretamente sobre o estilóbata, mas sobre uma base decorada. O capitel era formado por duas espirais unidas por duas curvas. A ordem dórica traduz a forma do homem e a ordem jônica traduz a forma da mulher.
  • 29. • ORDEM CORÍNTIA = o capitel era formado com folhas de acanto e quatro espirais simétricas, muito usado no lugar do capitel jônico, de um modo a variar e a enriquecer aquela ordem. Sugere luxo e ostentação. • Principais monumentos: – Templos: Partenon de Atenas. Na Acrópole também se encontram as Cariátides que homenageavam as mulheres de Cária. – Teatros: eram construídos em lugares abertos (encosta), compunham- se de três partes: a skene ou cena, para os atores; a konistra ou orquestra, para o coro; o koilon ou arquibancada, para os espectadores. Ex: Teatro de Epidauro, construído no século IV a.C., ao ar livre, composto por 55 degraus divididos em duas ordens e calculados de acordo com uma inclinação perfeita. Chegava a acomodar cerca de 14 mil espectadores e tornou-se famoso por sua acústica perfeita. – Ginásios: edifícios destinados à cultura física. – Praça: ágora onde os gregos se reuniam para discutir os mais variados assuntos, entre eles, filosofia.
  • 34. Templo de Castor e Polux e pedaço do palácio de Knossos
  • 35. Templo de Zeus e Poseidom