SlideShare uma empresa Scribd logo
Página 1 de 11
Estela Costa V_1
Versão 1
Grupo I
Critérios de correção
O vulcão Okmok situa-se na ilha de Umnak, no arquipélago das Aleutas (Norte do oceano Pacífico), um arco
insular formado por ilhas de origem vulcânica. Este vulcão de grandes dimensões, com uma caldeira de
aproximadamente 10 km de diâmetro, ocupa quase toda a ilha e possui na base depósitos de piroclastos e
abundantes escoadas de lava. A datação radiométrica das lavas mais antigas indica que a atividade eruptiva
começou há cerca de 1,7 a 2 M.a. Seguem-se vestígios de duas erupções muito violentas, há alguns milhares
de anos, que formaram a caldeira atual. Foi nesta caldeira que ocorreram as últimas erupções, formando
pequenos cones secundários com caldeiras.
Em 2008, o vulcão Okmok entrou em erupção, com um estilo muito explosivo e distinto das erupções
anteriores. Foram libertadas nuvens ardentes e plumas (coluna eruptiva) com mais de 11 km de altitude.
Foram também registados lahars (escoadas de lama e detritos) que destruíram pontes e estradas. A erupção
durou pouco mais de 5 dias e foi considerada muito forte. Não foi registada a emissão de lava nesta erupção.
A figura 1 apresenta um modelo representativo da erupção de 2008, em que é dado destaque à presença de
água e ao facto de esta, ao interagir com o magma, aumentar o caráter explosivo da erupção. A erupção
ocorreu num cone secundário, dentro da caldeira de grandes dimensões do vulcão Okmok.
ANO LECTIVO 2016/
2017
FICHA DE AVALIAÇÃO DE BIOLOGIA/GEOLOGIA 10.º ANO
Nome: __________________________________________________________________
Ano / Turma: ______ N.º: _____ Data: ___ / ____ / _______
Avaliação
____________________________
O Professor
__________________
Enc. de Educação
___________________
Página 2 de 11
Estela Costa V_1
Figura 1
Uma equipa de investigadores usou o registo de ondas sísmicas para obter uma imagem do interior do vulcão
Okmok. Para tal, usaram uma rede de sismógrafos instalados na ilha, em 2002, e sismogramas obtidos a
partir de sismógrafos instalados noutras ilhas do arquipélago das Aleutas. Para além destes dados, também
se basearam no registo ténue de ondas sísmicas causadas pelas correntes oceânicas e por tempestades. Os
dados revelaram a existência de duas zonas de baixa velocidade das ondas sísmicas por baixo do vulcão, que
poderão corresponder a uma:
 zona saturada com fluidos circulantes, que se prolonga da caldeira até 2 km de profundidade;
 zona mais profunda, a cerca de 4 km de profundidade, que deverá corresponder à câmara
magmática, contendo magma que se acumula entre as erupções.
As análises geoquímicas às rochas vulcânicas indicam que resultaram de magmas profundos, que
permanecem pouco tempo na câmara magmática antes de ocorrer a erupção.
1. A ilha de Umnak está sobre uma secção oceânica da placa norte-americana.
Selecione a opção que avalia corretamente as afirmações seguintes.
I. A placa norte-americana pode ser classificada como mista.
II. A crusta oceânica que sofre subducção na região é mais densa que a crusta continental.
III. A ilha de Umnak resulta de vulcanismo ao longo de um limite divergente.
(A) A afirmação II é verdadeira, I e III são falsas.
(B) A afirmação II é falsa, I e III são verdadeiras.
(C) A afirmação I é verdadeira, II e III são falsas.
(D) A afirmação III é falsa, I e II são verdadeiras.
2. Relativamente à atividade do vulcão Okmok, é possível afirmar que…
(A) … o estilo eruptivo mais abundante é do tipo explosivo.
(B) … o estilo eruptivo pode ser incluído no misto.
(C) … o magma resulta da fusão total da crusta continental.
(D) … é predominantemente do tipo efusivo.
3. Ao atravessarem a câmara magmática do vulcão Okmok contendo magma, a velocidade das ondas
sísmicas P deverá…
(A) … aumentar, em resultado da diminuição da rigidez.
(B) … manter-se constante, pois continuam a propagar-se em meio mais fluidos.
(C) … diminuir, em resultado da diminuição da rigidez.
(D) … diminuir, uma vez que a velocidade das ondas P diminui com a profundidade.
4. A datação de amostras de basaltos com o sistema K-Ar permitiu determinar que as rochas mais
antigas na base do vulcão teriam entre 1,7 a 2,1 M.a. Este método de datação…
(A) … é baseado no decaimento do isótopo instável de potássio (K) no árgon (Ar), o isótopo-filho
estável.
(B) … baseia-se no Princípio da Sobreposição dos Estratos.
(C) … é baseado no decaimento do isótopo instável de árgon (Ar) no potássio (K), o isótopo-filho
estável.
(D) … só pode ser aplicado às rochas magmáticas, nomeadamente as basálticas.
5. Existem diversas fontes termais e mofetas na caldeira do Okmok. Estas manifestações secundárias
de vulcanismo podem ser distinguidas pelo facto de as primeiras libertarem ____ e as fumarolas
emitirem ____.
(A) água quente (…) vapor de água e dióxido de carbono
(B) vapor de água e dióxido de carbono (…) água quente
(C) água quente (…) periodicamente jatos de água quente
(D) vapor de água e dióxido de enxofre (…) água quente
6. Refira a idade relativa da camada B comparativamente à camada A.
B + antigo
Página 3 de 11
Estela Costa V_1
7. Ordene as letras de A a E de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos
relacionados com a erupção do vulcão Okmok em 2008.
A. As rochas vulcânicas depositadas em 2008 sofrem meteorização até à atualidade.
B. A água mistura-se com o magma e origina violentas explosões, formando espessas colunas de
gases e piroclastos.
C. Deposição de uma espessa camada de piroclastos e formação de um cone secundário dentro
da caldeira do vulcão Okmok.
D. Ao chegar perto da superfície, o magma contacta com camadas rochosas ricas em água e com
água de um lago presente na caldeira.
E. O magma ascende da câmara magmática ao longo da chaminé.
(EDBCA)
8. Em 2008, foram registados poucos sismos antes de ocorrer a erupção do Okmok e os dados de GPS
indicavam uma subida do cone vulcânico de 1997 a 2005 e paragem entre 2005 e 2007. Por outro
lado, embora o vulcão Okmok se localize numa região remota, encontra-se por baixo de um
importante corredor aéreo no Pacífico, usado por voos entre a América e a Ásia.
Relacione estes factos e os dados relativos ao movimento do magma em profundidade com a
importância de estudar o vulcão Okmok com base no registo de ondas sísmicas ténues geradas pelas
correntes oceânicas e pelas tempestades.
Grupo II
Vulcanismo submarino
Os vulcões não ocorrem apenas à superfície (vulcanismo aéreo), mas também debaixo de água (vulcanismo
submarino). Quando os vulcões “nascem” nos fundos marinhos e o seu topo atinge a superfície ficando fora
de água, formam-se as ilhas vulcânicas.
O Monte da Guia é um cone vulcânico, com duas crateras semicirculares parcialmente instersectantes
ligadas através de um istmo arenoso à cidade da Horta, ilha do Faial, no arquipélago dos Açores.
Esta estrutura geológica, mesmo às portas da cidade da Horta, com origem vulcânica que dá forma ao espaço
da Paisagem Protegida do Monte da Guia, é na prática um cone vulcânico com 145 metros de altura e com
origem submarina Geologicamente é formado por várias camadas de tufo que é uma rocha vulcânica
piroclástica de granulometria fina (cinzas ou lapilli) que se apresenta consolidada. O tufo surtseiano (ou tufo
hialoclastítico) resulta de erupções hidromagmáticas explosivas e apresenta geralmente uma cor amarelada
ou acastanhada, estratificação nítida e fragmentos rochosos intercalados provenientes das rochas
encaixantes igualmente projetadas durante a erupção.
1.1 – O vulcanismo presente no vulcão do Monte da Guia é considerado ____, uma vez que expeliu
_______.
A – explosivo … materiais sólidos em grandes quantidades.
B – efusivo …lava e gases a partir do fundo oceânico.
C – intermédio … lava pouco fluida.
D – misto … gases, piroclastos e lava.
1.2 O vulcanismo foi acompanhado por sismos fortes. Estes sismos designam-se ____ pois _____.
A – tectónicos … resultam da energia derivada de pressões litostáticas.
B – secundárias …resultam de acontecimentos geológicos globais.
C – vulcânicos … estão associados a atividade vulcânica.
D – primários … estão associados a colisão de placas, a nível global.
1.3 A _______ destes sismos pode ser quantificada através da análise dos dados fornecidos pelos
sismógrafos, obtendo-se um valor na escala de _______.
A – intensidade… Richter.
B – magnitude … Richter.
C – intensidade… Mercalli.
D – magnitude … Mercalli.
Página 4 de 11
Estela Costa V_1
1.4 Uma série de fenómenos secundários que podem ser associados a vulcões designa-se vulcanismo
______. São exemplos as emissões fumarólicas chamadas _____ quando os gases que emitem são
ricos em dióxido de carbono.
A – primário … fumarolas.
B – primário … sulfataras.
C – secundário … sulfataras.
D – residual … mofetas.
2 – Hoje em dia, nos Açores, à semelhança do que já acontece com a atividade de observação de cetáceos
em alto mar (whale Watching), existem empresas de “volcano watching”, que dão a descobrir aos
visitantes, facetas do arquipélago ligadas à geologia e ao vulcanismo. Explique de que forma os vulcões
podem ser benéficos e, simultaneamente, prejudiciais para as populações.
Grupo III
A subducção da placa oceânica é o principal mecanismo de reciclagem de material da crusta para o manto
inferior. Os dados de tomografia sísmica indicam que a placa litosférica pode mergulhar até ao manto
inferior, próximo do contacto com o núcleo externo.
Figura 2
Estudos recentes detetaram que em algumas regiões da Terra, como por exemplo na Indonésia e na costa
oeste do continente sul-americano, a placa subductada não mergulha até ao manto inferior, ficando apenas
pelos 1500 km de profundidade.
Os investigadores Marquardt e Miyagi colocaram ferropericlasa, um mineral muito abundante no manto,
num aparelho capaz de gerar elevadíssimas pressões. Os dados demonstram que a viscosidade da
ferropericlasa triplica quando se passa de pressões existentes aos 660 km (fronteira entre o manto superior
e o inferior) para os 1500 km de profundidade.
Quando os investigadores adicionaram bridgmanita (outro mineral muito abundante no manto inferior) à
ferropericlasa, a viscosidade aos 1500 km era 300 vezes superior à registada aos 660 km. Este aumento
significativo de viscosidade foi uma surpresa para os investigadores, pois era aceite que a viscosidade não
sofria variações significativas no manto terrestre. O aumento da viscosidade faz com que a placa subductada
pare de mergulhar e permaneça nos 1500 km de profundidade.
Os dados apresentados sugerem que podem mesmo formar uma camada distinta do manto aos 1500 km de
profundidade. Esta hipotética camada pode afetar o vulcanismo, uma vez que as diferenças na mistura entre
Página 5 de 11
Estela Costa V_1
os materiais da placa subductada e os do manto podem ter implicações na formação de magma e, portanto,
influenciar a ocorrência de vulcanismo à superfície. Os investigadores também consideram que os dados
podem explicar alguns sismos muito profundos registados e sugerem que a temperatura do manto inferior e
do núcleo deverá ser superior ao aceite atualmente.
Marquardt, H. e Miyagi, L. (2015). Slab stagnation in the shallow lower mantle linked to an increase in
mantle viscosity – Nature Geoscience, 8, pp. 311—314
1. Faça corresponder a cada uma das afirmações identificadas pelas letras de A a H, um dos números
romanos da chave que as permite avaliar.
Afirmações
A. Os dados de Marquardt e Miyagi permitiram descobrir uma nova camada uniforme no manto
terrestre. II
B. O estudo de Marquardt e Miyagi enquadra-se nos métodos diretos de estudo do interior da
Terra. Ii
C. A olivina é um dos minerais mais abundantes do manto terrestre. III
D. A nova camada descoberta não é definida pela existência de novas associações minerais, mas
pela sua viscosidade. I
E. O manto é formado por várias camadas com composições distintas. II
F. Os dados de Marquardt e Miyagi contrariam a existência de correntes de convecção. II
G. Aos 1500 km de profundidade existe uma zona de elevada viscosidade em algumas regiões do
manto. I
H. Os dados de tomografia sísmica da figura 2 não permitem validar os resultados de Marquardt e
Miyagi, pois são respeitantes à mesma região da Terra. I
Chave
I. Afirmação apoiada pelos dados
II. Afirmação contrariada pelos dados
III. Afirmação sem relação com os dados
2. As plumas mantélicas resultam da ascensão de magma com origem no limite ____, e são detetadas
pelas ondas sísmicas P e S, cuja velocidade ____ ao atravessarem este material mais quente e
menos denso.
(A) manto-núcleo (…) diminui
(B) manto inferior-manto superior (…) diminui
(C) manto-núcleo (…) aumenta
(D) manto inferior-manto superior (…) aumenta
3. Relativamente à tectónica de placas, é possível afirmar que…
(A) … o deslocamento de uma placa tectónica é na ordem dos quilómetros por ano.
(B) … não tem relação com as correntes de convecção no manto.
(C) … é responsável pelas inversões de polaridade do campo geomagnético.
(D) … pode ser comprovada estudando o registo paleomagnético dos fundos oceânicos ao longo
de milhões de anos.
4. A ocorrência de expansão dos fundos oceânicos foi comprovada com…
(A) … a datação das rochas dos fundos oceânicos.
(B) … o estudo dos campos hidrotermais submarinos.
(C) … a descoberta das inversões do campo magnético terrestre.
(D) … a descoberta de determinados minerais que registam o paleomagnetismo.
5. Os riftes estão essencialmente localizados nas dorsais oceânicas, correspondendo a zonas de limites
tectónicos do tipo ____, em que é possível estudar as rochas mais ____ dos fundos oceânicos.
(A) convergente (…) frias e densas
(B) convergente (…) quentes e menos densas
(C) divergente (…) frias e densas
(D) divergente (…) quentes e menos densas
Página 6 de 11
Estela Costa V_1
6. Estabeleça a correspondência entre as afirmações e os termos referentes a tipos de ondas sísmicas
ou a camadas da Terra a que correspondem. Utilize cada letra apenas uma vez.
Afirmações
A. Camada onde não há registo de ondas S e diminui a velocidade de propagação das ondas P.3
B. Propagam-se apenas em meios sólidos.2
C. Não são detetadas a partir dos 103º de distância ao epicentro. 2
D. Camada conhecida como zona de baixas velocidades.6
E. Apenas se propagam em meios líquidos.5
F. A sua velocidade de propagação é tanto menor quando menor for a rigidez dos materiais.
G. Podem ser detetadas nos sismógrafos.5
H. Apresentam uma elevada amplitude e uma reduzida velocidade de propagação.3
I. São as ondas sísmicas que se propagam a maior velocidade.1
Termos
1. Ondas P
2. Ondas S
3. Ondas superficiais (L e R)
4. Todas as ondas sísmicas
5. Nenhum tipo de onda sísmica
6. Astenosfera
7. Núcleo interno
8. Núcleo externo
Grupo IV
O sismo do Japão, em março de 2011, foi um dos mais fortes alguma vez registados na Terra, com 9 graus de
magnitude, e o tsunami que se desencadeou de seguida foi devastador. Surpreendidos com a dimensão do
fenómeno, 27 cientistas de dez países foram à procura de respostas no fundo do mar, fazendo furos na zona
do epicentro do sismo, e pensam tê-las encontrado. Um sismo é provocado quando há uma rutura brusca da
crosta terrestre, numa falha geológica que já existe ou numa que é criada de novo durante o próprio abalo
sísmico. O sismo de março de 2011, com epicentro a 200 quilómetros ao largo da cidade japonesa de Sendai,
teve origem numa falha já existente chamada "Tohoku-Oki", localizada na fronteira entre as placas do
Pacífico e Norte-Americana, e rompeu ainda a crosta ao longo de 200 quilómetros na fossa do Japão (figura
3). Uma das questões colocadas pelos cientistas está relacionada com a dimensão do deslocamento vertical
(elevação ou ressalto) na falha. No sismo do Japão, a rutura da crosta, que começou a cerca de 20 a 30
quilómetros de profundidade, rapidamente se propagou em todas as direções, ao longo da fronteira de
placas. E, quando essa rutura subterrânea chegou até à superfície da crosta, deformou o fundo do mar e
provocou uma grande elevação vertical do solo marinho, desencadeando o catastrófico tsunami. Para estudar
a zona de rutura do sismo, foram efetuados três furos no solo marinho, na área da fossa do Japão – entrando
mais de 800 metros pela crosta terrestre –, numa zona onde o mar atinge profundidades que rondam os
6900 metros. O resultado da análise às amostras recolhidas permitiu apontar duas razões principais para
um deslocamento vertical tão grande entre os blocos de uma falha, e, em última análise, porque teve o
tsunami aquela violência. Primeira razão: o intervalo entre os dois blocos da falha geológica é muito pequeno,
ou seja, o espaçamento entre os dois lados da falha é pouco espesso, tem menos de cinco metros. Segunda
razão: os materiais que preenchem a estreita falha são constituídos por sedimentos argilosos extremamente
finos.
Adaptado de Público, 16-12-2013
Página 7 de 11
Estela Costa V_1
Fig. 3. Viagem ao coração do sismo do Japão em 2011
Nas respostas aos itens de escolha múltipla, selecione a opção correta. Escreva, na folha de respostas, o
número do item e a letra que identifica a opção escolhida.
1. O sismo de 2011 teve origem numa falha ______ na fronteira entre as placas do Pacífico e Norte-
-Americana e teve como consequência a ______ de crosta.
(A) que se formou (…) formação
(B) que se formou (…) destruição
(C) localizada (…) destruição
(D) localizada (…) formação
2. No sismo do Japão, a placa que subductou foi a placa ______ relativamente à placa ______.
(A) continental Norte-Americana (…) oceânica do Pacífico
(B) continental do Pacífico (…) continental Norte-Americana
(C) oceânica do Pacífico (…) oceânica Norte-Americana
(D) oceânica do Pacífico (…) continental Norte-Americana
3. A magnitude de um sismo corresponde à energia dissipada durante a ocorrência do mesmo. A
estreiteza da falha onde ocorreu o sismo do Japão levou a…
(A) mais espaço para dissipar a energia e a um ressalto pequeno.
(B) mais espaço para dissipar a energia e a um ressalto elevado.
(C) menos espaço para dissipar a energia e a um ressalto pequeno.
(D) menos espaço para dissipar a energia e a um ressalto elevado.
4. As primeiras ondas sísmicas registadas num sismograma são ______, provocando a vibração das
partículas ______.
(A) transversais (…) paralelamente à direção da propagação da onda
(B) transversais (…) numa direção perpendicular ao raio sísmico
(C) longitudinais (…) paralelamente à direção da propagação da onda
(D) longitudinais (…) numa direção perpendicular ao raio sísmico
Página 8 de 11
Estela Costa V_1
5. No sismo do Japão, o epicentro localizou-se a…
(A) 300 km a norte da cidade de Sendai.
(B) 100 km a sul da cidade de Sendai.
(C) 100 km a norte da cidade de Sendai.
(D) 200 km ao largo da cidade de Sendai.
6. Numa estação sismográfica distanciada do epicentro, a melhor explicação para o registo de ondas
P e para ausência de registo ondas S será por estas deixarem de se propagar, ao atravessarem o
limite
(A) crosta continental – manto.
(B) núcleo externo – núcleo interno.
(C) manto – núcleo externo.
(D) crosta continental – crosta oceânica.
7- Observa a figura referente à estrutura da Terra e ao percurso das ondas sísmicas no seu interior.
7.1- Seleciona a alternativa que permite preencher os espaços, de modo a obter uma afirmação correta.
A descontinuidade de Gutenberg corresponde a uma profundidade aproximada de______, e a de
Lehmann a uma profundidade_______
(A) 400 Km [...] 670 Km
(B) 670 m [...] 3000 Km
(C) 3000 Km [.] 5200 Km
(D) 400 Km [.] 5200 Km
7.2 – Só no início do séc. XX e graças à sismologia foi possível determinar a estrutura interna da Terra. As
ondas sísmicas propagam-se em todas as direções e chegam à superfície depois de terem atravessado meios
com propriedades físico-químicas variadas.
7.2.1.O estudo da velocidade de propagação das ondas P na litosfera oceânica permite concluir que a
variação brusca entre as camadas imediatamente_____ assinala a descontinuidade de______.
(A) subjacentes (...) Gutenberg
(B) subjacentes (...) Mohorovicic
(C) suprajacentes (...) Gutenberg
(D) suprajacentes (...) Mohorovicic
7.2.2.A velocidade das ondas sísmicas P_______ quando estas chegam à astenosfera, porque a_____
desta zona é inferior à da litosfera.
(A) diminui (...) plasticidade
(B) aumenta (...) rigidez
(C) aumenta (...) plasticidade
(D) diminui (...) rigidez
Página 9 de 11
Estela Costa V_1
7.2.3. Admita que numa determinada estação sismográfica, se registaram, primeiro, ondas P refratadas e,
posteriormente, ondas P diretas. O atraso das ondas P diretas relativamente às ondas P refratadas deveu-se,
provavelmente, ao facto de as ondas P ...
(A) diretas terem percorrido um trajeto mais longo
(B) diretas terem percorrido um trajeto mais curto.
(C) refratadas terem percorrido meios de maior rigidez.
(D) refratadas terem percorrido meios de menor rigidez.
7.2.4 Em 1909, Mohorovicic, ao analisar os registos de um sismo, constatou que as estações mais
próximas do epicentro registavam a chegada de dois conjuntos de ondas P e S. Explicou este facto como
sendo a consequência da ____ das ondas numa descontinuidade, correspondendo o primeiro grupo de
ondas P e S a ondas _____.
A – refração […] refratadas
B – refração […] diretas
C – reflexão […] refratadas
D – reflexão […] diretas
7.3. Se, como defendem os investigadores, a rotação do núcleo interno interferir com as movimentações
dos fluidos metálicos do ___, é previsível que tal fenómeno possa influenciar diretamente o _____
terrestre.
(A) núcleo externo […] campo magnético
(B) manto […] campo magnético
(C) núcleo externo […] campo gravítico
(D) manto […]campo gravítico
7.4- Explica, com base nos dados da figura 5, de que modo o estudo da variação da velocidade das
ondas S contribui para construção do modelo físico do interior da Geosfera.
COTAÇÕES
GRUPO I
1. ........................................................................................................................................ 5 pontos
2. ........................................................................................................................................ 5 pontos
3. ........................................................................................................................................ 5 pontos
4. ........................................................................................................................................ 5 pontos
5. ........................................................................................................................................ 5 pontos
6. ........................................................................................................................................ 5 pontos
7. ........................................................................................................................................ 5 pontos
8. ………………………………………………………………………………………………………………………. 10 pontos
45 pontos
GRUPO II
1.1 ........................................................................................................................................ 5 pontos
1.2. ........................................................................................................................................5 pontos
1.3. ........................................................................................................................................5 pontos
1.4. ........................................................................................................................................5 pontos
2. ........................................................................................................................................ 12 pontos
32 pontos
GRUPO III
1. ........................................................................................................................................ 16 pontos
Página 10 de 11
Estela Costa V_1
2. ........................................................................................................................................ 5 pontos
3. ........................................................................................................................................ 5 pontos
4. ........................................................................................................................................ 5 pontos
5. ........................................................................................................................................ 5 pontos
6. ........................................................................................................................................ 12pontos
48 pontos
GRUPO IV
1. ........................................................................................................................................ 5 pontos
2. ........................................................................................................................................ 5 pontos
3. ........................................................................................................................................ 5 pontos
4. ........................................................................................................................................ 5 pontos
5. ........................................................................................................................................ 5 pontos
6. ........................................................................................................................................ 5 pontos
7. ........................................................................................................................................ 5 pontos
7.1. ...................................................................................................................................... 5 pontos
7.2.1 ......................................................................................................................................5 pontos
7.2.2…………………………………………………………………………………………………………………… 5 pontos
7.2.3 ................................................................................................................................... 5 pontos
7.2.4 .................................................................................................................................. 5 pontos
7.3. …………………………………………………………………………………………………………………… 5 pontos
7.4. ..................................................................................................................................... 10 pontos
75 pontos
TOTAL .............................. 200 pontos
FIM
Grupo I
8 –
A resposta deve contemplar os seguintes tópicos
 O estudo da topografia e da atividade sísmica permite prever a ocorrência
de erupções vulcânicas, pois a elevação do cone e o aumento da frequência
dos sismos são indicadores da ascensão de magma.
 Contudo, o vulcão Okmok não apresenta este padrão antes das erupções,
pois quase não ocorrem sismos e mesmo antes da erupção de 2008 não
ocorreram variações significativas na topografia. Para além disso, o
magma tende a ascender rapidamente na crusta (permanece pouco tempo
na câmara magmática). Assim, é essencial estudar o movimento de
magma dentro do vulcão Okmok recorrendo a outras técnicas,
nomeadamente o registo sísmico de ondas geradas por tempestades e
ondas.
 Este estudo é fundamental para minimizar os riscos do vulcão Okmok,
pois embora se localize numa região muito isolada geograficamente, está
por baixo de um importante corredor aéreo no Pacífico, usado por voos
entre a América e a Ásia, suscetíveis às cinzas e nuvens lançadas pelo
vulcão durante as erupções.
Página 11 de 11
Estela Costa V_1
Grupo II
2-
A resposta deve contemplar os seguintes tópicos
 Os vulcões também trazem grandes benefícios como a formação de montanhas,
solo fértil e energia renovável para a contribuição do desenvolvimento
sustentável. O calor produzido por eles é considerado uma das fontes mais
limpas de energia. Os rios próximos a área vulcânica possuem águas de
temperaturas quentes e algumas cidades próximas são pontos turísticos.
 A desvantagem é que os vulcões podem provocar grandes impactos climáticos e
as cinzas trazem grandes consequências de doenças para a população, bem
como para os aviões.
Grupo IV
7.4.
A resposta deve contemplar os seguintes tópicos:
• A velocidade das ondas S diminui em materiais menos rígidos/mais plásticos e as
mesmas não se propagam nos líquidos
• Como a velocidade das ondas S diminui no manto superior e elas não se propagam no
núcleo externo, depreende-se a existência de uma zona de baixa velocidade
(astenosfera) menos rígida/parcialmente fundida no manto superior e um núcleo
externo líquido

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico
Bárbara Castanheira
 
Geologia 10 estrutura interna da terra
Geologia 10   estrutura interna da terraGeologia 10   estrutura interna da terra
Geologia 10 estrutura interna da terra
Nuno Correia
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
margaridabt
 
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Gijasilvelitz 2
 
Geologia movimentos verticais da litosfera.
Geologia   movimentos verticais da litosfera.Geologia   movimentos verticais da litosfera.
Geologia movimentos verticais da litosfera.
Nuno Correia
 
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
Hugo Martins
 
IAVE Biologia Geologia 2017
IAVE Biologia Geologia 2017IAVE Biologia Geologia 2017
IAVE Biologia Geologia 2017
Vitor Perfeito
 
Exercícios tipo exame sismologia metodos estrutura
Exercícios tipo exame sismologia metodos estruturaExercícios tipo exame sismologia metodos estrutura
Exercícios tipo exame sismologia metodos estrutura
Andreia Carvalho
 
Descontinuidades Internas
Descontinuidades InternasDescontinuidades Internas
Descontinuidades Internas
Tânia Reis
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
Helena Coutinho
 
3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placas
margaridabt
 
Teste 2 versão ii
Teste 2 versão iiTeste 2 versão ii
Teste 2 versão ii
joseeira
 
Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºano
sandranascimento
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
Fernanda Pantoja
 
Exercícios de Exames de Geologia de 10º ano
Exercícios de Exames de Geologia de 10º anoExercícios de Exames de Geologia de 10º ano
Exercícios de Exames de Geologia de 10º ano
Catir
 
Terra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudançaTerra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudança
Isabel Lopes
 
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Resumo   10º ano - ciclo das rochasResumo   10º ano - ciclo das rochas
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Hugo Martins
 
Ficha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - RochasFicha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - Rochas
José Luís Alves
 
1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestres
margaridabt
 
BG11_T1a_2021_CC.pdf
BG11_T1a_2021_CC.pdfBG11_T1a_2021_CC.pdf
BG11_T1a_2021_CC.pdf
José Luís Alves
 

Mais procurados (20)

Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico
 
Geologia 10 estrutura interna da terra
Geologia 10   estrutura interna da terraGeologia 10   estrutura interna da terra
Geologia 10 estrutura interna da terra
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
 
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
Exercicíos do Iave - Biologia e Geologia actualização 2015
 
Geologia movimentos verticais da litosfera.
Geologia   movimentos verticais da litosfera.Geologia   movimentos verticais da litosfera.
Geologia movimentos verticais da litosfera.
 
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
 
IAVE Biologia Geologia 2017
IAVE Biologia Geologia 2017IAVE Biologia Geologia 2017
IAVE Biologia Geologia 2017
 
Exercícios tipo exame sismologia metodos estrutura
Exercícios tipo exame sismologia metodos estruturaExercícios tipo exame sismologia metodos estrutura
Exercícios tipo exame sismologia metodos estrutura
 
Descontinuidades Internas
Descontinuidades InternasDescontinuidades Internas
Descontinuidades Internas
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placas
 
Teste 2 versão ii
Teste 2 versão iiTeste 2 versão ii
Teste 2 versão ii
 
Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºano
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Exercícios de Exames de Geologia de 10º ano
Exercícios de Exames de Geologia de 10º anoExercícios de Exames de Geologia de 10º ano
Exercícios de Exames de Geologia de 10º ano
 
Terra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudançaTerra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudança
 
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Resumo   10º ano - ciclo das rochasResumo   10º ano - ciclo das rochas
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
 
Ficha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - RochasFicha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - Rochas
 
1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestres
 
BG11_T1a_2021_CC.pdf
BG11_T1a_2021_CC.pdfBG11_T1a_2021_CC.pdf
BG11_T1a_2021_CC.pdf
 

Destaque

16 17 bg10_questão aula 2 ma
16 17 bg10_questão aula 2 ma16 17 bg10_questão aula 2 ma
16 17 bg10_questão aula 2 ma
Estela Costa
 
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperaçãoTeste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Estela Costa
 
Teste geologia versão i
Teste geologia versão iTeste geologia versão i
Teste geologia versão i
Estela Costa
 
Teste 11 c de 15 maio versão 1
Teste 11 c de 15 maio versão 1Teste 11 c de 15 maio versão 1
Teste 11 c de 15 maio versão 1
Estela Costa
 
5 t 11_abc_2014_15estela versão 1
5 t 11_abc_2014_15estela versão 15 t 11_abc_2014_15estela versão 1
5 t 11_abc_2014_15estela versão 1
Estela Costa
 
M1 fev
M1 fevM1 fev
M1 fev
Estela Costa
 
Crucigrama 1
Crucigrama 1Crucigrama 1
Crucigrama 1
Estela Costa
 
1 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v11 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v1
Estela Costa
 
Biologia 12º 3ºp -2013-2014 (2)
Biologia 12º  3ºp -2013-2014 (2)Biologia 12º  3ºp -2013-2014 (2)
Biologia 12º 3ºp -2013-2014 (2)
Estela Costa
 
Correção teste 1 9º ano
Correção teste 1 9º anoCorreção teste 1 9º ano
Correção teste 1 9º ano
Estela Costa
 
Ficha avaliação 2 11c
Ficha avaliação  2  11cFicha avaliação  2  11c
Ficha avaliação 2 11c
Estela Costa
 
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 (1)
Teste 3  9 ano negrelos versão 1 (1)Teste 3  9 ano negrelos versão 1 (1)
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 (1)
Estela Costa
 
Teste 25 fev v1
Teste 25 fev v1Teste 25 fev v1
Teste 25 fev v1
Estela Costa
 
Correção teste 2 9 ano negrelos versão 2
Correção teste 2  9 ano negrelos versão 2Correção teste 2  9 ano negrelos versão 2
Correção teste 2 9 ano negrelos versão 2
Estela Costa
 
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 cc
Teste 3  9 ano negrelos versão 1 ccTeste 3  9 ano negrelos versão 1 cc
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 cc
Estela Costa
 
Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...
Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...
Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...
Estela Costa
 
Teste 2 9 ano negrelos versão 2
Teste 2  9 ano negrelos versão 2Teste 2  9 ano negrelos versão 2
Teste 2 9 ano negrelos versão 2
Estela Costa
 
Geo 12 preparação para o teste de avaliação
Geo 12   preparação para o teste de avaliaçãoGeo 12   preparação para o teste de avaliação
Geo 12 preparação para o teste de avaliação
Nuno Correia
 
M 1fev
M 1fevM 1fev
M 1fev
Estela Costa
 
Teste 1 9 ano negrelos versão 2
Teste 1  9 ano negrelos versão 2Teste 1  9 ano negrelos versão 2
Teste 1 9 ano negrelos versão 2
Estela Costa
 

Destaque (20)

16 17 bg10_questão aula 2 ma
16 17 bg10_questão aula 2 ma16 17 bg10_questão aula 2 ma
16 17 bg10_questão aula 2 ma
 
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperaçãoTeste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
 
Teste geologia versão i
Teste geologia versão iTeste geologia versão i
Teste geologia versão i
 
Teste 11 c de 15 maio versão 1
Teste 11 c de 15 maio versão 1Teste 11 c de 15 maio versão 1
Teste 11 c de 15 maio versão 1
 
5 t 11_abc_2014_15estela versão 1
5 t 11_abc_2014_15estela versão 15 t 11_abc_2014_15estela versão 1
5 t 11_abc_2014_15estela versão 1
 
M1 fev
M1 fevM1 fev
M1 fev
 
Crucigrama 1
Crucigrama 1Crucigrama 1
Crucigrama 1
 
1 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v11 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v1
 
Biologia 12º 3ºp -2013-2014 (2)
Biologia 12º  3ºp -2013-2014 (2)Biologia 12º  3ºp -2013-2014 (2)
Biologia 12º 3ºp -2013-2014 (2)
 
Correção teste 1 9º ano
Correção teste 1 9º anoCorreção teste 1 9º ano
Correção teste 1 9º ano
 
Ficha avaliação 2 11c
Ficha avaliação  2  11cFicha avaliação  2  11c
Ficha avaliação 2 11c
 
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 (1)
Teste 3  9 ano negrelos versão 1 (1)Teste 3  9 ano negrelos versão 1 (1)
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 (1)
 
Teste 25 fev v1
Teste 25 fev v1Teste 25 fev v1
Teste 25 fev v1
 
Correção teste 2 9 ano negrelos versão 2
Correção teste 2  9 ano negrelos versão 2Correção teste 2  9 ano negrelos versão 2
Correção teste 2 9 ano negrelos versão 2
 
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 cc
Teste 3  9 ano negrelos versão 1 ccTeste 3  9 ano negrelos versão 1 cc
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 cc
 
Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...
Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...
Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...
 
Teste 2 9 ano negrelos versão 2
Teste 2  9 ano negrelos versão 2Teste 2  9 ano negrelos versão 2
Teste 2 9 ano negrelos versão 2
 
Geo 12 preparação para o teste de avaliação
Geo 12   preparação para o teste de avaliaçãoGeo 12   preparação para o teste de avaliação
Geo 12 preparação para o teste de avaliação
 
M 1fev
M 1fevM 1fev
M 1fev
 
Teste 1 9 ano negrelos versão 2
Teste 1  9 ano negrelos versão 2Teste 1  9 ano negrelos versão 2
Teste 1 9 ano negrelos versão 2
 

Semelhante a Cc bg10 teste 3 10 versão 1

Geologia 10 preparação para o segundo teste de avaliação
Geologia 10   preparação para o segundo teste de avaliaçãoGeologia 10   preparação para o segundo teste de avaliação
Geologia 10 preparação para o segundo teste de avaliação
Nuno Correia
 
Complexo Vulcânico Povoação-Nordeste
Complexo Vulcânico Povoação-NordesteComplexo Vulcânico Povoação-Nordeste
Complexo Vulcânico Povoação-Nordeste
RuteAmaralRaposo
 
Vulcanismo 6
Vulcanismo 6Vulcanismo 6
Vulcanismo 6
YagoVerling
 
vulcanismo
 vulcanismo vulcanismo
vulcanismo
Terceiro Calhau
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo 7º
Vulcanismo 7ºVulcanismo 7º
Vulcanismo 7º
guest76d5b3
 
Resumo vulcões
Resumo vulcõesResumo vulcões
Resumo vulcões
MINEDU
 
Trabalho de geologia
Trabalho de geologiaTrabalho de geologia
Trabalho de geologia
Lucas Jordann Alvarenga Drumond
 
Unidade 3 temas 3 e 4
Unidade 3 temas 3 e 4Unidade 3 temas 3 e 4
Unidade 3 temas 3 e 4
Christie Freitas
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20
Joao Paulo
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20
Joao Paulo
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20
Joao Paulo
 
Vulcanismo1
Vulcanismo1Vulcanismo1
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
Gabriela Bruno
 
Fichatrabalho n3 10ano
Fichatrabalho n3 10anoFichatrabalho n3 10ano
Fichatrabalho n3 10ano
Magda Charrua
 
o super vulcão de santorini.pdf
o super vulcão de santorini.pdfo super vulcão de santorini.pdf
o super vulcão de santorini.pdf
LeonorEstevesFarinha
 
Ppt 22 Caracteristicas Do Vulcanismo AçOriano
Ppt 22   Caracteristicas Do Vulcanismo AçOrianoPpt 22   Caracteristicas Do Vulcanismo AçOriano
Ppt 22 Caracteristicas Do Vulcanismo AçOriano
Nuno Correia
 
Ppt 22 Caracteristicas Do Vulcanismo AçOriano
Ppt 22   Caracteristicas Do Vulcanismo AçOrianoPpt 22   Caracteristicas Do Vulcanismo AçOriano
Ppt 22 Caracteristicas Do Vulcanismo AçOriano
Nuno Correia
 
Margens oceanicass
Margens oceanicassMargens oceanicass
Margens oceanicass
Guachaarmando Paulo
 
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcçãoTeste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Isaura Mourão
 

Semelhante a Cc bg10 teste 3 10 versão 1 (20)

Geologia 10 preparação para o segundo teste de avaliação
Geologia 10   preparação para o segundo teste de avaliaçãoGeologia 10   preparação para o segundo teste de avaliação
Geologia 10 preparação para o segundo teste de avaliação
 
Complexo Vulcânico Povoação-Nordeste
Complexo Vulcânico Povoação-NordesteComplexo Vulcânico Povoação-Nordeste
Complexo Vulcânico Povoação-Nordeste
 
Vulcanismo 6
Vulcanismo 6Vulcanismo 6
Vulcanismo 6
 
vulcanismo
 vulcanismo vulcanismo
vulcanismo
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Vulcanismo 7º
Vulcanismo 7ºVulcanismo 7º
Vulcanismo 7º
 
Resumo vulcões
Resumo vulcõesResumo vulcões
Resumo vulcões
 
Trabalho de geologia
Trabalho de geologiaTrabalho de geologia
Trabalho de geologia
 
Unidade 3 temas 3 e 4
Unidade 3 temas 3 e 4Unidade 3 temas 3 e 4
Unidade 3 temas 3 e 4
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20
 
Vulcanismo1
Vulcanismo1Vulcanismo1
Vulcanismo1
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
Fichatrabalho n3 10ano
Fichatrabalho n3 10anoFichatrabalho n3 10ano
Fichatrabalho n3 10ano
 
o super vulcão de santorini.pdf
o super vulcão de santorini.pdfo super vulcão de santorini.pdf
o super vulcão de santorini.pdf
 
Ppt 22 Caracteristicas Do Vulcanismo AçOriano
Ppt 22   Caracteristicas Do Vulcanismo AçOrianoPpt 22   Caracteristicas Do Vulcanismo AçOriano
Ppt 22 Caracteristicas Do Vulcanismo AçOriano
 
Ppt 22 Caracteristicas Do Vulcanismo AçOriano
Ppt 22   Caracteristicas Do Vulcanismo AçOrianoPpt 22   Caracteristicas Do Vulcanismo AçOriano
Ppt 22 Caracteristicas Do Vulcanismo AçOriano
 
Margens oceanicass
Margens oceanicassMargens oceanicass
Margens oceanicass
 
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcçãoTeste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
Teste de Biologia e Geologia 10º (1º Teste 2º Período) correcção
 

Mais de Estela Costa

Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Estela Costa
 
As 10 imuno
As 10 imunoAs 10 imuno
As 10 imuno
Estela Costa
 
Cc teste 3 9 23 fev
Cc teste 3 9 23 fevCc teste 3 9 23 fev
Cc teste 3 9 23 fev
Estela Costa
 
Postura corporal texto editora
Postura corporal texto editoraPostura corporal texto editora
Postura corporal texto editora
Estela Costa
 
Trabalho de grupo
Trabalho de grupoTrabalho de grupo
Trabalho de grupo
Estela Costa
 
Teste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revistoTeste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revisto
Estela Costa
 
Qa 1 bg 11 sistema neuro hormonal
Qa 1 bg 11 sistema neuro hormonalQa 1 bg 11 sistema neuro hormonal
Qa 1 bg 11 sistema neuro hormonal
Estela Costa
 
17 hered sex-exerc-sol
17 hered sex-exerc-sol17 hered sex-exerc-sol
17 hered sex-exerc-sol
Estela Costa
 
M3 fev
M3 fevM3 fev
M3 fev
Estela Costa
 
M2 fev
M2 fevM2 fev
M2 fev
Estela Costa
 
Estudar analises
Estudar analisesEstudar analises
Estudar analises
Estela Costa
 
Planificação aulas presse
Planificação aulas pressePlanificação aulas presse
Planificação aulas presse
Estela Costa
 
Milimetrado dilog-monolog
Milimetrado dilog-monologMilimetrado dilog-monolog
Milimetrado dilog-monolog
Estela Costa
 

Mais de Estela Costa (13)

Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
As 10 imuno
As 10 imunoAs 10 imuno
As 10 imuno
 
Cc teste 3 9 23 fev
Cc teste 3 9 23 fevCc teste 3 9 23 fev
Cc teste 3 9 23 fev
 
Postura corporal texto editora
Postura corporal texto editoraPostura corporal texto editora
Postura corporal texto editora
 
Trabalho de grupo
Trabalho de grupoTrabalho de grupo
Trabalho de grupo
 
Teste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revistoTeste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revisto
 
Qa 1 bg 11 sistema neuro hormonal
Qa 1 bg 11 sistema neuro hormonalQa 1 bg 11 sistema neuro hormonal
Qa 1 bg 11 sistema neuro hormonal
 
17 hered sex-exerc-sol
17 hered sex-exerc-sol17 hered sex-exerc-sol
17 hered sex-exerc-sol
 
M3 fev
M3 fevM3 fev
M3 fev
 
M2 fev
M2 fevM2 fev
M2 fev
 
Estudar analises
Estudar analisesEstudar analises
Estudar analises
 
Planificação aulas presse
Planificação aulas pressePlanificação aulas presse
Planificação aulas presse
 
Milimetrado dilog-monolog
Milimetrado dilog-monologMilimetrado dilog-monolog
Milimetrado dilog-monolog
 

Último

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 

Último (20)

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 

Cc bg10 teste 3 10 versão 1

  • 1. Página 1 de 11 Estela Costa V_1 Versão 1 Grupo I Critérios de correção O vulcão Okmok situa-se na ilha de Umnak, no arquipélago das Aleutas (Norte do oceano Pacífico), um arco insular formado por ilhas de origem vulcânica. Este vulcão de grandes dimensões, com uma caldeira de aproximadamente 10 km de diâmetro, ocupa quase toda a ilha e possui na base depósitos de piroclastos e abundantes escoadas de lava. A datação radiométrica das lavas mais antigas indica que a atividade eruptiva começou há cerca de 1,7 a 2 M.a. Seguem-se vestígios de duas erupções muito violentas, há alguns milhares de anos, que formaram a caldeira atual. Foi nesta caldeira que ocorreram as últimas erupções, formando pequenos cones secundários com caldeiras. Em 2008, o vulcão Okmok entrou em erupção, com um estilo muito explosivo e distinto das erupções anteriores. Foram libertadas nuvens ardentes e plumas (coluna eruptiva) com mais de 11 km de altitude. Foram também registados lahars (escoadas de lama e detritos) que destruíram pontes e estradas. A erupção durou pouco mais de 5 dias e foi considerada muito forte. Não foi registada a emissão de lava nesta erupção. A figura 1 apresenta um modelo representativo da erupção de 2008, em que é dado destaque à presença de água e ao facto de esta, ao interagir com o magma, aumentar o caráter explosivo da erupção. A erupção ocorreu num cone secundário, dentro da caldeira de grandes dimensões do vulcão Okmok. ANO LECTIVO 2016/ 2017 FICHA DE AVALIAÇÃO DE BIOLOGIA/GEOLOGIA 10.º ANO Nome: __________________________________________________________________ Ano / Turma: ______ N.º: _____ Data: ___ / ____ / _______ Avaliação ____________________________ O Professor __________________ Enc. de Educação ___________________
  • 2. Página 2 de 11 Estela Costa V_1 Figura 1 Uma equipa de investigadores usou o registo de ondas sísmicas para obter uma imagem do interior do vulcão Okmok. Para tal, usaram uma rede de sismógrafos instalados na ilha, em 2002, e sismogramas obtidos a partir de sismógrafos instalados noutras ilhas do arquipélago das Aleutas. Para além destes dados, também se basearam no registo ténue de ondas sísmicas causadas pelas correntes oceânicas e por tempestades. Os dados revelaram a existência de duas zonas de baixa velocidade das ondas sísmicas por baixo do vulcão, que poderão corresponder a uma:  zona saturada com fluidos circulantes, que se prolonga da caldeira até 2 km de profundidade;  zona mais profunda, a cerca de 4 km de profundidade, que deverá corresponder à câmara magmática, contendo magma que se acumula entre as erupções. As análises geoquímicas às rochas vulcânicas indicam que resultaram de magmas profundos, que permanecem pouco tempo na câmara magmática antes de ocorrer a erupção. 1. A ilha de Umnak está sobre uma secção oceânica da placa norte-americana. Selecione a opção que avalia corretamente as afirmações seguintes. I. A placa norte-americana pode ser classificada como mista. II. A crusta oceânica que sofre subducção na região é mais densa que a crusta continental. III. A ilha de Umnak resulta de vulcanismo ao longo de um limite divergente. (A) A afirmação II é verdadeira, I e III são falsas. (B) A afirmação II é falsa, I e III são verdadeiras. (C) A afirmação I é verdadeira, II e III são falsas. (D) A afirmação III é falsa, I e II são verdadeiras. 2. Relativamente à atividade do vulcão Okmok, é possível afirmar que… (A) … o estilo eruptivo mais abundante é do tipo explosivo. (B) … o estilo eruptivo pode ser incluído no misto. (C) … o magma resulta da fusão total da crusta continental. (D) … é predominantemente do tipo efusivo. 3. Ao atravessarem a câmara magmática do vulcão Okmok contendo magma, a velocidade das ondas sísmicas P deverá… (A) … aumentar, em resultado da diminuição da rigidez. (B) … manter-se constante, pois continuam a propagar-se em meio mais fluidos. (C) … diminuir, em resultado da diminuição da rigidez. (D) … diminuir, uma vez que a velocidade das ondas P diminui com a profundidade. 4. A datação de amostras de basaltos com o sistema K-Ar permitiu determinar que as rochas mais antigas na base do vulcão teriam entre 1,7 a 2,1 M.a. Este método de datação… (A) … é baseado no decaimento do isótopo instável de potássio (K) no árgon (Ar), o isótopo-filho estável. (B) … baseia-se no Princípio da Sobreposição dos Estratos. (C) … é baseado no decaimento do isótopo instável de árgon (Ar) no potássio (K), o isótopo-filho estável. (D) … só pode ser aplicado às rochas magmáticas, nomeadamente as basálticas. 5. Existem diversas fontes termais e mofetas na caldeira do Okmok. Estas manifestações secundárias de vulcanismo podem ser distinguidas pelo facto de as primeiras libertarem ____ e as fumarolas emitirem ____. (A) água quente (…) vapor de água e dióxido de carbono (B) vapor de água e dióxido de carbono (…) água quente (C) água quente (…) periodicamente jatos de água quente (D) vapor de água e dióxido de enxofre (…) água quente 6. Refira a idade relativa da camada B comparativamente à camada A. B + antigo
  • 3. Página 3 de 11 Estela Costa V_1 7. Ordene as letras de A a E de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos relacionados com a erupção do vulcão Okmok em 2008. A. As rochas vulcânicas depositadas em 2008 sofrem meteorização até à atualidade. B. A água mistura-se com o magma e origina violentas explosões, formando espessas colunas de gases e piroclastos. C. Deposição de uma espessa camada de piroclastos e formação de um cone secundário dentro da caldeira do vulcão Okmok. D. Ao chegar perto da superfície, o magma contacta com camadas rochosas ricas em água e com água de um lago presente na caldeira. E. O magma ascende da câmara magmática ao longo da chaminé. (EDBCA) 8. Em 2008, foram registados poucos sismos antes de ocorrer a erupção do Okmok e os dados de GPS indicavam uma subida do cone vulcânico de 1997 a 2005 e paragem entre 2005 e 2007. Por outro lado, embora o vulcão Okmok se localize numa região remota, encontra-se por baixo de um importante corredor aéreo no Pacífico, usado por voos entre a América e a Ásia. Relacione estes factos e os dados relativos ao movimento do magma em profundidade com a importância de estudar o vulcão Okmok com base no registo de ondas sísmicas ténues geradas pelas correntes oceânicas e pelas tempestades. Grupo II Vulcanismo submarino Os vulcões não ocorrem apenas à superfície (vulcanismo aéreo), mas também debaixo de água (vulcanismo submarino). Quando os vulcões “nascem” nos fundos marinhos e o seu topo atinge a superfície ficando fora de água, formam-se as ilhas vulcânicas. O Monte da Guia é um cone vulcânico, com duas crateras semicirculares parcialmente instersectantes ligadas através de um istmo arenoso à cidade da Horta, ilha do Faial, no arquipélago dos Açores. Esta estrutura geológica, mesmo às portas da cidade da Horta, com origem vulcânica que dá forma ao espaço da Paisagem Protegida do Monte da Guia, é na prática um cone vulcânico com 145 metros de altura e com origem submarina Geologicamente é formado por várias camadas de tufo que é uma rocha vulcânica piroclástica de granulometria fina (cinzas ou lapilli) que se apresenta consolidada. O tufo surtseiano (ou tufo hialoclastítico) resulta de erupções hidromagmáticas explosivas e apresenta geralmente uma cor amarelada ou acastanhada, estratificação nítida e fragmentos rochosos intercalados provenientes das rochas encaixantes igualmente projetadas durante a erupção. 1.1 – O vulcanismo presente no vulcão do Monte da Guia é considerado ____, uma vez que expeliu _______. A – explosivo … materiais sólidos em grandes quantidades. B – efusivo …lava e gases a partir do fundo oceânico. C – intermédio … lava pouco fluida. D – misto … gases, piroclastos e lava. 1.2 O vulcanismo foi acompanhado por sismos fortes. Estes sismos designam-se ____ pois _____. A – tectónicos … resultam da energia derivada de pressões litostáticas. B – secundárias …resultam de acontecimentos geológicos globais. C – vulcânicos … estão associados a atividade vulcânica. D – primários … estão associados a colisão de placas, a nível global. 1.3 A _______ destes sismos pode ser quantificada através da análise dos dados fornecidos pelos sismógrafos, obtendo-se um valor na escala de _______. A – intensidade… Richter. B – magnitude … Richter. C – intensidade… Mercalli. D – magnitude … Mercalli.
  • 4. Página 4 de 11 Estela Costa V_1 1.4 Uma série de fenómenos secundários que podem ser associados a vulcões designa-se vulcanismo ______. São exemplos as emissões fumarólicas chamadas _____ quando os gases que emitem são ricos em dióxido de carbono. A – primário … fumarolas. B – primário … sulfataras. C – secundário … sulfataras. D – residual … mofetas. 2 – Hoje em dia, nos Açores, à semelhança do que já acontece com a atividade de observação de cetáceos em alto mar (whale Watching), existem empresas de “volcano watching”, que dão a descobrir aos visitantes, facetas do arquipélago ligadas à geologia e ao vulcanismo. Explique de que forma os vulcões podem ser benéficos e, simultaneamente, prejudiciais para as populações. Grupo III A subducção da placa oceânica é o principal mecanismo de reciclagem de material da crusta para o manto inferior. Os dados de tomografia sísmica indicam que a placa litosférica pode mergulhar até ao manto inferior, próximo do contacto com o núcleo externo. Figura 2 Estudos recentes detetaram que em algumas regiões da Terra, como por exemplo na Indonésia e na costa oeste do continente sul-americano, a placa subductada não mergulha até ao manto inferior, ficando apenas pelos 1500 km de profundidade. Os investigadores Marquardt e Miyagi colocaram ferropericlasa, um mineral muito abundante no manto, num aparelho capaz de gerar elevadíssimas pressões. Os dados demonstram que a viscosidade da ferropericlasa triplica quando se passa de pressões existentes aos 660 km (fronteira entre o manto superior e o inferior) para os 1500 km de profundidade. Quando os investigadores adicionaram bridgmanita (outro mineral muito abundante no manto inferior) à ferropericlasa, a viscosidade aos 1500 km era 300 vezes superior à registada aos 660 km. Este aumento significativo de viscosidade foi uma surpresa para os investigadores, pois era aceite que a viscosidade não sofria variações significativas no manto terrestre. O aumento da viscosidade faz com que a placa subductada pare de mergulhar e permaneça nos 1500 km de profundidade. Os dados apresentados sugerem que podem mesmo formar uma camada distinta do manto aos 1500 km de profundidade. Esta hipotética camada pode afetar o vulcanismo, uma vez que as diferenças na mistura entre
  • 5. Página 5 de 11 Estela Costa V_1 os materiais da placa subductada e os do manto podem ter implicações na formação de magma e, portanto, influenciar a ocorrência de vulcanismo à superfície. Os investigadores também consideram que os dados podem explicar alguns sismos muito profundos registados e sugerem que a temperatura do manto inferior e do núcleo deverá ser superior ao aceite atualmente. Marquardt, H. e Miyagi, L. (2015). Slab stagnation in the shallow lower mantle linked to an increase in mantle viscosity – Nature Geoscience, 8, pp. 311—314 1. Faça corresponder a cada uma das afirmações identificadas pelas letras de A a H, um dos números romanos da chave que as permite avaliar. Afirmações A. Os dados de Marquardt e Miyagi permitiram descobrir uma nova camada uniforme no manto terrestre. II B. O estudo de Marquardt e Miyagi enquadra-se nos métodos diretos de estudo do interior da Terra. Ii C. A olivina é um dos minerais mais abundantes do manto terrestre. III D. A nova camada descoberta não é definida pela existência de novas associações minerais, mas pela sua viscosidade. I E. O manto é formado por várias camadas com composições distintas. II F. Os dados de Marquardt e Miyagi contrariam a existência de correntes de convecção. II G. Aos 1500 km de profundidade existe uma zona de elevada viscosidade em algumas regiões do manto. I H. Os dados de tomografia sísmica da figura 2 não permitem validar os resultados de Marquardt e Miyagi, pois são respeitantes à mesma região da Terra. I Chave I. Afirmação apoiada pelos dados II. Afirmação contrariada pelos dados III. Afirmação sem relação com os dados 2. As plumas mantélicas resultam da ascensão de magma com origem no limite ____, e são detetadas pelas ondas sísmicas P e S, cuja velocidade ____ ao atravessarem este material mais quente e menos denso. (A) manto-núcleo (…) diminui (B) manto inferior-manto superior (…) diminui (C) manto-núcleo (…) aumenta (D) manto inferior-manto superior (…) aumenta 3. Relativamente à tectónica de placas, é possível afirmar que… (A) … o deslocamento de uma placa tectónica é na ordem dos quilómetros por ano. (B) … não tem relação com as correntes de convecção no manto. (C) … é responsável pelas inversões de polaridade do campo geomagnético. (D) … pode ser comprovada estudando o registo paleomagnético dos fundos oceânicos ao longo de milhões de anos. 4. A ocorrência de expansão dos fundos oceânicos foi comprovada com… (A) … a datação das rochas dos fundos oceânicos. (B) … o estudo dos campos hidrotermais submarinos. (C) … a descoberta das inversões do campo magnético terrestre. (D) … a descoberta de determinados minerais que registam o paleomagnetismo. 5. Os riftes estão essencialmente localizados nas dorsais oceânicas, correspondendo a zonas de limites tectónicos do tipo ____, em que é possível estudar as rochas mais ____ dos fundos oceânicos. (A) convergente (…) frias e densas (B) convergente (…) quentes e menos densas (C) divergente (…) frias e densas (D) divergente (…) quentes e menos densas
  • 6. Página 6 de 11 Estela Costa V_1 6. Estabeleça a correspondência entre as afirmações e os termos referentes a tipos de ondas sísmicas ou a camadas da Terra a que correspondem. Utilize cada letra apenas uma vez. Afirmações A. Camada onde não há registo de ondas S e diminui a velocidade de propagação das ondas P.3 B. Propagam-se apenas em meios sólidos.2 C. Não são detetadas a partir dos 103º de distância ao epicentro. 2 D. Camada conhecida como zona de baixas velocidades.6 E. Apenas se propagam em meios líquidos.5 F. A sua velocidade de propagação é tanto menor quando menor for a rigidez dos materiais. G. Podem ser detetadas nos sismógrafos.5 H. Apresentam uma elevada amplitude e uma reduzida velocidade de propagação.3 I. São as ondas sísmicas que se propagam a maior velocidade.1 Termos 1. Ondas P 2. Ondas S 3. Ondas superficiais (L e R) 4. Todas as ondas sísmicas 5. Nenhum tipo de onda sísmica 6. Astenosfera 7. Núcleo interno 8. Núcleo externo Grupo IV O sismo do Japão, em março de 2011, foi um dos mais fortes alguma vez registados na Terra, com 9 graus de magnitude, e o tsunami que se desencadeou de seguida foi devastador. Surpreendidos com a dimensão do fenómeno, 27 cientistas de dez países foram à procura de respostas no fundo do mar, fazendo furos na zona do epicentro do sismo, e pensam tê-las encontrado. Um sismo é provocado quando há uma rutura brusca da crosta terrestre, numa falha geológica que já existe ou numa que é criada de novo durante o próprio abalo sísmico. O sismo de março de 2011, com epicentro a 200 quilómetros ao largo da cidade japonesa de Sendai, teve origem numa falha já existente chamada "Tohoku-Oki", localizada na fronteira entre as placas do Pacífico e Norte-Americana, e rompeu ainda a crosta ao longo de 200 quilómetros na fossa do Japão (figura 3). Uma das questões colocadas pelos cientistas está relacionada com a dimensão do deslocamento vertical (elevação ou ressalto) na falha. No sismo do Japão, a rutura da crosta, que começou a cerca de 20 a 30 quilómetros de profundidade, rapidamente se propagou em todas as direções, ao longo da fronteira de placas. E, quando essa rutura subterrânea chegou até à superfície da crosta, deformou o fundo do mar e provocou uma grande elevação vertical do solo marinho, desencadeando o catastrófico tsunami. Para estudar a zona de rutura do sismo, foram efetuados três furos no solo marinho, na área da fossa do Japão – entrando mais de 800 metros pela crosta terrestre –, numa zona onde o mar atinge profundidades que rondam os 6900 metros. O resultado da análise às amostras recolhidas permitiu apontar duas razões principais para um deslocamento vertical tão grande entre os blocos de uma falha, e, em última análise, porque teve o tsunami aquela violência. Primeira razão: o intervalo entre os dois blocos da falha geológica é muito pequeno, ou seja, o espaçamento entre os dois lados da falha é pouco espesso, tem menos de cinco metros. Segunda razão: os materiais que preenchem a estreita falha são constituídos por sedimentos argilosos extremamente finos. Adaptado de Público, 16-12-2013
  • 7. Página 7 de 11 Estela Costa V_1 Fig. 3. Viagem ao coração do sismo do Japão em 2011 Nas respostas aos itens de escolha múltipla, selecione a opção correta. Escreva, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção escolhida. 1. O sismo de 2011 teve origem numa falha ______ na fronteira entre as placas do Pacífico e Norte- -Americana e teve como consequência a ______ de crosta. (A) que se formou (…) formação (B) que se formou (…) destruição (C) localizada (…) destruição (D) localizada (…) formação 2. No sismo do Japão, a placa que subductou foi a placa ______ relativamente à placa ______. (A) continental Norte-Americana (…) oceânica do Pacífico (B) continental do Pacífico (…) continental Norte-Americana (C) oceânica do Pacífico (…) oceânica Norte-Americana (D) oceânica do Pacífico (…) continental Norte-Americana 3. A magnitude de um sismo corresponde à energia dissipada durante a ocorrência do mesmo. A estreiteza da falha onde ocorreu o sismo do Japão levou a… (A) mais espaço para dissipar a energia e a um ressalto pequeno. (B) mais espaço para dissipar a energia e a um ressalto elevado. (C) menos espaço para dissipar a energia e a um ressalto pequeno. (D) menos espaço para dissipar a energia e a um ressalto elevado. 4. As primeiras ondas sísmicas registadas num sismograma são ______, provocando a vibração das partículas ______. (A) transversais (…) paralelamente à direção da propagação da onda (B) transversais (…) numa direção perpendicular ao raio sísmico (C) longitudinais (…) paralelamente à direção da propagação da onda (D) longitudinais (…) numa direção perpendicular ao raio sísmico
  • 8. Página 8 de 11 Estela Costa V_1 5. No sismo do Japão, o epicentro localizou-se a… (A) 300 km a norte da cidade de Sendai. (B) 100 km a sul da cidade de Sendai. (C) 100 km a norte da cidade de Sendai. (D) 200 km ao largo da cidade de Sendai. 6. Numa estação sismográfica distanciada do epicentro, a melhor explicação para o registo de ondas P e para ausência de registo ondas S será por estas deixarem de se propagar, ao atravessarem o limite (A) crosta continental – manto. (B) núcleo externo – núcleo interno. (C) manto – núcleo externo. (D) crosta continental – crosta oceânica. 7- Observa a figura referente à estrutura da Terra e ao percurso das ondas sísmicas no seu interior. 7.1- Seleciona a alternativa que permite preencher os espaços, de modo a obter uma afirmação correta. A descontinuidade de Gutenberg corresponde a uma profundidade aproximada de______, e a de Lehmann a uma profundidade_______ (A) 400 Km [...] 670 Km (B) 670 m [...] 3000 Km (C) 3000 Km [.] 5200 Km (D) 400 Km [.] 5200 Km 7.2 – Só no início do séc. XX e graças à sismologia foi possível determinar a estrutura interna da Terra. As ondas sísmicas propagam-se em todas as direções e chegam à superfície depois de terem atravessado meios com propriedades físico-químicas variadas. 7.2.1.O estudo da velocidade de propagação das ondas P na litosfera oceânica permite concluir que a variação brusca entre as camadas imediatamente_____ assinala a descontinuidade de______. (A) subjacentes (...) Gutenberg (B) subjacentes (...) Mohorovicic (C) suprajacentes (...) Gutenberg (D) suprajacentes (...) Mohorovicic 7.2.2.A velocidade das ondas sísmicas P_______ quando estas chegam à astenosfera, porque a_____ desta zona é inferior à da litosfera. (A) diminui (...) plasticidade (B) aumenta (...) rigidez (C) aumenta (...) plasticidade (D) diminui (...) rigidez
  • 9. Página 9 de 11 Estela Costa V_1 7.2.3. Admita que numa determinada estação sismográfica, se registaram, primeiro, ondas P refratadas e, posteriormente, ondas P diretas. O atraso das ondas P diretas relativamente às ondas P refratadas deveu-se, provavelmente, ao facto de as ondas P ... (A) diretas terem percorrido um trajeto mais longo (B) diretas terem percorrido um trajeto mais curto. (C) refratadas terem percorrido meios de maior rigidez. (D) refratadas terem percorrido meios de menor rigidez. 7.2.4 Em 1909, Mohorovicic, ao analisar os registos de um sismo, constatou que as estações mais próximas do epicentro registavam a chegada de dois conjuntos de ondas P e S. Explicou este facto como sendo a consequência da ____ das ondas numa descontinuidade, correspondendo o primeiro grupo de ondas P e S a ondas _____. A – refração […] refratadas B – refração […] diretas C – reflexão […] refratadas D – reflexão […] diretas 7.3. Se, como defendem os investigadores, a rotação do núcleo interno interferir com as movimentações dos fluidos metálicos do ___, é previsível que tal fenómeno possa influenciar diretamente o _____ terrestre. (A) núcleo externo […] campo magnético (B) manto […] campo magnético (C) núcleo externo […] campo gravítico (D) manto […]campo gravítico 7.4- Explica, com base nos dados da figura 5, de que modo o estudo da variação da velocidade das ondas S contribui para construção do modelo físico do interior da Geosfera. COTAÇÕES GRUPO I 1. ........................................................................................................................................ 5 pontos 2. ........................................................................................................................................ 5 pontos 3. ........................................................................................................................................ 5 pontos 4. ........................................................................................................................................ 5 pontos 5. ........................................................................................................................................ 5 pontos 6. ........................................................................................................................................ 5 pontos 7. ........................................................................................................................................ 5 pontos 8. ………………………………………………………………………………………………………………………. 10 pontos 45 pontos GRUPO II 1.1 ........................................................................................................................................ 5 pontos 1.2. ........................................................................................................................................5 pontos 1.3. ........................................................................................................................................5 pontos 1.4. ........................................................................................................................................5 pontos 2. ........................................................................................................................................ 12 pontos 32 pontos GRUPO III 1. ........................................................................................................................................ 16 pontos
  • 10. Página 10 de 11 Estela Costa V_1 2. ........................................................................................................................................ 5 pontos 3. ........................................................................................................................................ 5 pontos 4. ........................................................................................................................................ 5 pontos 5. ........................................................................................................................................ 5 pontos 6. ........................................................................................................................................ 12pontos 48 pontos GRUPO IV 1. ........................................................................................................................................ 5 pontos 2. ........................................................................................................................................ 5 pontos 3. ........................................................................................................................................ 5 pontos 4. ........................................................................................................................................ 5 pontos 5. ........................................................................................................................................ 5 pontos 6. ........................................................................................................................................ 5 pontos 7. ........................................................................................................................................ 5 pontos 7.1. ...................................................................................................................................... 5 pontos 7.2.1 ......................................................................................................................................5 pontos 7.2.2…………………………………………………………………………………………………………………… 5 pontos 7.2.3 ................................................................................................................................... 5 pontos 7.2.4 .................................................................................................................................. 5 pontos 7.3. …………………………………………………………………………………………………………………… 5 pontos 7.4. ..................................................................................................................................... 10 pontos 75 pontos TOTAL .............................. 200 pontos FIM Grupo I 8 – A resposta deve contemplar os seguintes tópicos  O estudo da topografia e da atividade sísmica permite prever a ocorrência de erupções vulcânicas, pois a elevação do cone e o aumento da frequência dos sismos são indicadores da ascensão de magma.  Contudo, o vulcão Okmok não apresenta este padrão antes das erupções, pois quase não ocorrem sismos e mesmo antes da erupção de 2008 não ocorreram variações significativas na topografia. Para além disso, o magma tende a ascender rapidamente na crusta (permanece pouco tempo na câmara magmática). Assim, é essencial estudar o movimento de magma dentro do vulcão Okmok recorrendo a outras técnicas, nomeadamente o registo sísmico de ondas geradas por tempestades e ondas.  Este estudo é fundamental para minimizar os riscos do vulcão Okmok, pois embora se localize numa região muito isolada geograficamente, está por baixo de um importante corredor aéreo no Pacífico, usado por voos entre a América e a Ásia, suscetíveis às cinzas e nuvens lançadas pelo vulcão durante as erupções.
  • 11. Página 11 de 11 Estela Costa V_1 Grupo II 2- A resposta deve contemplar os seguintes tópicos  Os vulcões também trazem grandes benefícios como a formação de montanhas, solo fértil e energia renovável para a contribuição do desenvolvimento sustentável. O calor produzido por eles é considerado uma das fontes mais limpas de energia. Os rios próximos a área vulcânica possuem águas de temperaturas quentes e algumas cidades próximas são pontos turísticos.  A desvantagem é que os vulcões podem provocar grandes impactos climáticos e as cinzas trazem grandes consequências de doenças para a população, bem como para os aviões. Grupo IV 7.4. A resposta deve contemplar os seguintes tópicos: • A velocidade das ondas S diminui em materiais menos rígidos/mais plásticos e as mesmas não se propagam nos líquidos • Como a velocidade das ondas S diminui no manto superior e elas não se propagam no núcleo externo, depreende-se a existência de uma zona de baixa velocidade (astenosfera) menos rígida/parcialmente fundida no manto superior e um núcleo externo líquido