SlideShare uma empresa Scribd logo
Ficha de Avaliação Sumativa
Biologia e Geologia – 11º ano
Dezembro de 2019
Prof. José Luís Alves
1
Nome: _____________________________________________________________ Nº:_____ Turma:____
Avaliação:_____________________ Enc. Ed._______________________ O Professor: ___________
Versão A
GRUPO I
Em 1995, dois paleontólogos chineses descobriram em rochas do sudoeste da China, da sequência
estratigráfica superior da Formação de Doushantuo, minúsculos fósseis de forma esférica, impecavelmente
conservados que, após exame ao microscópio eletrónico, foram identificados como fósseis de seres
coloniais do género Volvox – colónia de algas verdes unicelulares cujas células são haploides.
Estudos posteriores do mesmo estrato da sequência de Doushantuo permitiram identificar um segundo
tipo de microfósseis esferoides como sendo semelhantes a fósseis de embriões de animais, uma vez que
indiciam a existência de um padrão de divisão idêntico ao das primeiras fases de desenvolvimento dos
embriões animais da atualidade. Estes fósseis, não sendo ainda de seres multicelulares, apresentam
evidências para a diferenciação celular, com uma separação entre células reprodutoras (germinais) e soma
(todo o organismo, exceto as células que desempenham função reprodutora).
A multicelularidade terá evoluído independentemente, a partir de ancestrais distintos, em diferentes
grupos de seres, como algas verdes multicelulares, alguns fungos e animais. Para estabelecer uma
filogenia exata, contudo, é necessária a recolha de mais dados.
1. Se fossem observadas, ao microscópio ótico, células dos dois tipos de organismos fossilizados encontrados,
o que permitiria distingui-las seria a existência de
(A) núcleo nas células do primeiro tipo de organismos.
(B) vacúolos nas células do segundo tipo de organismos.
(C) parede celular nas células do primeiro tipo de organismos.
(D) cloroplastos nas células do segundo tipo de organismos.
2. Admitindo que as células germinais dos seres fossilizados descritos no texto se formariam pelo mesmo
processo de divisão celular que origina os gâmetas dos animais, classifique as afirmações seguintes.
I. As células filhas teriam a mesma ploidia que a célula-mãe.
II. Ocorreriam fenómenos de recombinação génica.
III. Verificar-se-ia uma única divisão celular.
(A) II é verdadeira; I e III são falsas.
(B) I e III são verdadeiras; II é falsa.
(C) I e II são verdadeiras; III é falsa.
(D) III é verdadeira; I e II são falsas.
3. Volvox é uma colónia de seres que apresentam um ciclo de vida _______, com meiose _______.
(A) haplonte … pré-espórica
(B) haplonte … pós-zigótica
(C) haplodiplonte … pós-zigótica
(D) haplodiplonte … pré-espórica
4. Para o modelo autogénico, os seres
(A) procariontes são o resultado de uma evolução gradual dos seres eucariontes.
(B) eucariontes são o resultado de uma evolução gradual dos seres procariontes.
(C) eucariontes apresentam mitocôndrias como resultado de situações de endossimbiose.
(D) procariontes apresentam mitocôndrias como resultado de invaginações da membrana plasmática.
2
5. As mutações que ocorrem numa sequência de nucleótidos que codifica uma proteína
(A) podem causar modificações na estrutura dos aminoácidos.
(B) causam alterações nos mecanismos de tradução.
(C) causam alterações nos mecanismos de transcrição.
(D) podem levar à formação de diferentes proteínas.
6. Num ciclo celular mitótico, assumindo em G1 uma quantidade inicial de DNA de 2Q, as quantidades de DNA
no núcleo da célula no período G2 e num núcleo após a telófase são, respetivamente,
(A) de Q e de 2Q.
(B) de 2Q e de 4Q.
(C) de 4Q e de 2Q.
(D) de 2Q e de Q.
7. Faça corresponder cada uma das descrições relativas ao processo de produção de gâmetas pelos animais,
expressas na coluna A, à respetiva etapa da divisão nuclear, que consta na coluna B.
Coluna A Coluna B
(a) Os pontos de quiasma localizam-se no plano equatorial do fuso
acromático.___
(b) Os cromatídeos de cromossomas homólogos trocam segmentos
entre si.___
(c) Os centrómeros dividem-se e os cromatídeos separam-se.___
(1) Anáfase I
(2) Anáfase II
(3) Metáfase I
(4) Metáfase II
(5) Prófase I
(a) – (3); (b) – (1); (c) – (2)
8. Refira três vantagens da multicelularidade.
Tópicos de resposta:
• aumento da dimensão do ser;
• redução da taxa metabólica (ou maior eficácia na utilização de energia);
• especialização (ou diferenciação) celular (ou aparecimento de tecidos ou órgãos especializados);
• maior independência em relação ao ambiente.
3
GRUPO II
PE218
Desde 1960 que o protista Naegleria gruberi é usado em estudos de diferenciação celular. Este ser vivo
unicelular com forma ameboide habita a água doce e alimenta-se de bactérias. Contudo, quando a forma
ameboide é transferida para um meio sem bactérias, quase todas as células formam flagelos, de forma a
aumentarem a sua mobilidade e a procurarem alimento.
O movimento da forma ameboide depende da polimerização de actina, um dos constituintes do
citoesqueleto, mas a formação do flagelo depende de tubulina. Esta transição implica a síntese dos
centríolos, que depois permitem a formação dos flagelos.
Foi realizada uma experiência para acompanhar a transição do estado ameboide para o flagelado,
mediante a transferência das células para um meio sem alimento, e cujos resultados estão representados
na Figura 2.
Os investigadores determinaram a percentagem de células dos dois estados referidos e quantificaram o
teor de mRNA que codificava duas subunidades de tubulina (α e ẞ). Adicionalmente, os investigadores
também determinaram a posição e movimentação de mRNA que codificava a tubulina ao longo da
experiência.
Figura 2
1. Mencione um possível controlo para a experiência indicada.
Colocar o protista num meio com alimento (bactérias) e realizar o restante procedimento experimental de
forma igual.
2. A percentagem de células com flagelo constitui uma variável _____ e a taxa de síntese de tubulina
corresponde a uma variável ____
(A) dependente … independente
(B) independente … dependente
(C) dependente … dependente
(D) independente … independente
3. O principal objetivo do estudo foi
(A) caracterizar o processo de diferenciação celular em Naegleria gruberi.
(B) associar a síntese de tubulina à expressão do mRNA para a tubulina.
(C) identificar genes essenciais à diferenciação de Naegleria gruberi.
(D) estudar os processos reprodutivos de Naegleria gruberi.
4
4. Os resultados demonstram que
(A) após a formação dos flagelos, o mRNA para a tubulina é armazenado no citoplasma.
(B) o mRNA que codifica a tubulina se desloca para a região onde se vão formar os flagelos.
(C) a síntese de tubulina antecede a síntese do correspondente mRNA.
(D) o mRNA que codifica a tubulina é muito estável e resistente à degradação.
5. Considere as seguintes afirmações referentes aos dados.
I. A conversão da forma ameboide em flagelada pode demorar 60 a 100 minutos.
II. A tubulina está acumulada num estado inativo, na forma ameboide.
III. O mRNA que codifica a tubulina é degradado na fase final de diferenciação.
(A) II é verdadeira; I e III são falsas.
(B) II e III são verdadeiras; I é falsa.
(C) I e III são verdadeiras; II é falsa.
(D) I é verdadeira; II e III são falsas.
6. A redução da quantidade do mRNA leva à diminuição da
(A) transcrição da informação contida nos exões.
(B) transcrição da informação contida nos intrões.
(C) tradução da informação contida nos intrões.
(D) tradução da informação contida nos exões.
7. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos relacionados
com a síntese de tubulina em Naegleria gruberi, representada na figura 2.
A. Transporte do mRNA para uma zona específica da célula.
B. Formação completa de dois flagelos.
C. Degradação do mRNA para a tubulina. ___-___-___-___-___
D. Síntese da α e da ẞ-tubulina. E – A – D – C – B
E. A RNA polimerase sintetiza uma cadeia polinucleotídica.
8. Considere que um investigador aplicava a uma cultura de células do protista N. gruberi um inibidor específico
para a polimerização da tubulina, sem afetar a actina.
Explique os resultados previstos ao nível da forma e diferenciação do protista N. gruberi.
Tópicos de resposta:
 O movimento da forma ameboide depende da polimerização de actina, logo, como o inibidor não
afeta a polimerização da actina, a célula manteria a sua forma ameboide.
 Porém, como foi adicionado um inibidor para a polimerização da tubulina, não haveria formação de
flagelos.
 O inibidor de tubulina bloqueia a diferenciação do protista, não ocorrendo a mudança para o estado
flagelado.
5
GRUPO III
Em 1915, o austríaco Von Wettstein classificou o organismo Geosiphon pyriforme como uma alga
multinucleada, apesar de nele ter constatado a presença de quitina. Posteriormente, foi reconhecida ao
organismo uma natureza fúngica, tendo sido descrito como um líquen com cianobactérias. Atualmente, este
organismo é o único exemplo conhecido entre a interação de um fungo com cianobactérias no seu interior.
Possui hifas especializadas dilatadas, com 0,5 a 2 mm de altura, que se elevam do solo húmido após a
captação dos parceiros clorofilinos.
As cianobactérias filamentosas, do género Nostoc, são positivamente fototáticas em luz fraca e
negativamente em luz forte e ocupa a parte superior das hifas, enquanto o terço inferior está repleto de
gotículas lipídicas. Entre cada 9 a 15 células fotossintéticas, surge uma célula morfologicamente diferente,
denominada heterocisto, que tem a capacidade de fixar o azoto atmosférico e produzir compostos azotados.
Esta ação nitrificante desenrola-se graças à ação da nitrogenase, uma enzima que é inativada pelo
oxigénio.
As hifas dilatadas apresentam uma região ativa fotossintética na parte apical da célula e uma região de
armazenamento esbranquiçada na parte basal embutida na superfície do solo, que acumula muitas
gotículas lipídicas. Integram também bactérias com função ainda desconhecida.
Na realidade, o Geosiphon pyriforme é um consórcio simbiótico de três organismos: o fungo, que fornece
nutrientes inorgânicos como fosfato, oligoelementos e água; as cianobactérias, que contribuem com
carboidratos e compostos azotados e, finalmente, as bactérias.
Adaptado de http://www.geosiphon.de/geosiphon_home.html
Figura 3 – Representação esquemática da estrutura de uma hifa dilatada de Geosiphon pyriforme (A) e de
um pormenor do seu interior (B).
1. Von Wettstein, considerou o Geosiphon pyriforme uma alga multinucleada, por
(A) o organismo ser eucarionte.
(B) o organismo ser simbionte.
(C) o organismo, no seu conjunto, ser fotossintético.
(D) existirem cianobactérias no interior das células do fungo.
2. Relativamente à hipótese endossimbiótica, pode-se afirmar que
(A) a simbiose ocorreu com os ancestrais dos cloroplastos e depois com os ancestrais das mitocôndrias.
(B) atualmente já não existem exemplos de endossimbiose.
(C) a presença de material genético nas mitocôndrias resultou da partilha genes do núcleo.
(D) a dupla membrana das mitocôndrias apoia a referida hipótese.
3. O aparecimento da multicelularidade terá sido uma resposta evolutiva vantajosa ao crescimento dos
organismos que permitiu _____ com o simples aumento de tamanho celular.
(A) manter a mesma relação área/volume que se obteria
(B) aumentar a relação área/volume comparativamente à que se obteria
(C) diminuir a relação área/volume comparativamente à que se obteria
(D) manter a mesma taxa metabólica que se obteria
6
4. A existência de ______ nas cianobactérias pode ser utilizada como argumento favorável ao modelo evolutivo
______.
(A) lamelas fotossintéticas … endossimbiótica
(B) lamelas fotossintéticas … autogenético
(C) cloroplastos … autogenético
(D) cloroplastos … endossimbiótica
5. Nos filamentos de células existentes no interior das hifas dilatadas de G. pyriforme
(A) não ocorre alternância de fases nucleares.
(B) apenas algumas células têm capacidade reprodutora.
(C) existem células que resultam de processos de divisão diferentes.
(D) Podem ocorrer processos de digestão intracelular.
6. Admite-se, atualmente, que os ancestrais dos organismos multicelulares seriam colónias de seres
unicelulares ______ cuja interdependência estrutural e funcional foi ______ no decurso da evolução.
(A) procariontes ... diminuindo
(B) procariontes ... aumentando
(C) eucariontes ... diminuindo
(D) eucariontes ... aumentando
7. Ordene as expressões identificadas pelas letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica de
etapas da relação simbiótica do Geosiphon pyriforme.
A. Captação de glicose das cianobactérias pelas mitocôndrias das hifas.
B. Ocorrência de mitoses sucessivas a partir de um esporo fúngico.
C. Dilatação subaérea de uma hifa.
D. Formação de um micélio no subsolo. ___-___-___-___-___
E. Anexação, pelas hifas, de cianobactérias existentes no solo. B-D-E-A-C
8. Explique a vantagem adaptativa resultante do posicionamento das cianobactérias Nostoc no interior das
hifas dilatadas do fungo.
Tópicos de resposta:
 As hifas dilatadas erguem-se a partir do solo, onde existe ausência de luz.
 As cianobactérias são organismos fotossintéticos que se posicionam na parte superior das hifas
dilatadas.
 O posicionamento periférico das cianobactérias Nostoc permite-lhes uma captação de luz fraca e,
portanto, uma taxa de fotossíntese superior à que teriam se ocupassem uma posição mais interna.
7
GRUPO IV
Os mixomicetes são organismos semelhantes a fungos, incluídos no reino Protista. A sequenciação de
DNA permitiu concluir que a aparente semelhança entre os mixomicetes e os fungos constitui um caso de
evolução convergente.
Quando as condições são favoráveis, muitos mixomicetes vivem sob a forma de plasmódio - uma massa
gelatinosa multinucleada, destituída de parede celular, apenas rodeada por uma só membrana plasmática.
O plasmódio desloca-se por movimentos ameboides, resultantes da emissão de pseudópodes. À medida
que se desloca, o plasmódio obtém o seu alimento, fagocitando e digerindo bactérias, leveduras, esporos
de fungos, assim como fragmentos de origem animal e vegetal, continuando assim o seu crescimento.
Quando as condições se tornam desfavoráveis, o plasmódio transforma-se numa estrutura frutificante –
o esporângio – no interior dos quais se formam esporos. Após a sua libertação, se as condições forem
favoráveis, os esporos germinam, originando células que podem dividir-se, formando mais células
haploides, algumas das quais irão funcionar como gâmetas. As formas ameboides e as flageladas são
interconvertíveis.
Figura 3 – Ciclo de vida típico de Mixomicetes.
1. A germinação dos esporos resulta diretamente de ______ originado imediatamente células ______
cromossomas homólogos.
(A) mitose ... com
(B) mitose ... sem
(C) meiose ... com
(D) meiose ... sem
2. Relativamente aos mixomicetes é correto afirmar que
(A) são fungos que produzem esporos por meiose no interior do esporófito.
(B) o zigoto não se forma pela fusão de gâmetas masculinos e femininos.
(C) o gametófito origina gâmetas por mitose.
(D) o plasmódio é uma estrutura pluricelular, com células diferenciadas.
3. O plasmódio forma-se na sequência de
(A) meioses sucedidas por citocineses.
(B) mitoses sucedidas por citocineses.
(C) meioses não sucedidas por citocineses.
(D) mitoses não sucedidas por citocineses.
8
4. O ciclo de vida representado na figura não pode ser classificado como haplodiplonte, dado que
(A) a meiose não é pré-espórica.
(B) não há estruturas multicelulares haploides.
(C) os gâmetas formam-se por meiose.
(D) as células ameboides e as células flageladas se podem interconverter.
5. Os mixomicetes não podem ser incluídos no reino dos fungos por
(A) formarem esporos por meiose e desenvolverem esporângios.
(B) possuírem quitina na parede celular e serem multinucleados.
(C) não possuírem parede celular e serem macroconsumidores.
(D) possuírem membrana celular e serem heterotróficos.
6. Face a alterações do meio, a ocorrência de meiose e fecundação terá como consequência
(A) o aumento da variabilidade genética e o aumento do potencial adaptativo.
(B) a redução da variabilidade genética e o aumento do potencial adaptativo.
(C) o aumento da variabilidade genética e a diminuição do potencial adaptativo.
(D) a redução da variabilidade genética e a redução do potencial adaptativo.
7. Ordene as expressões identificadas pelas letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência dos processos
relativos à divisão celular que culmina na formação de esporos.
A. Divisão dos centrómeros de cada cromossoma.
B. Individualização de duas células.
C. Formação de tétradas cromatídicas. ___-___-___-___-___
D. Redução do número de cromossomas. C-E-D-B-A
E. Disposição dos homólogos na placa equatorial.
8. A reprodução sexuada caracteriza-se pela ocorrência de meiose e de fecundação.
Explique de que modo a ocorrência destes dois processos contribuem para o sucesso adaptativo dos
mixomicetes perante um ambiente em mudança.
Tópicos de resposta:
• Na meiose a ocorrência de crossing-over na prófase I e a disposição aleatória dos bivalentes na
metáfase I, contribui para o aumento da variabilidade genética.
• Na fecundação a união aleatória de gâmetas aumenta a variabilidade genética.
• A recombinação genética, que propicia um aumento da variabilidade genética, conduz a uma maior
capacidade adaptativa dos mixomicetes em ambientes em mudança.
Grupo I Grupo II Grupo III Grupo IV
Questão 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8
Total
Cotação 5 5 5 5 5 5 5 15 5 5 5 5 5 5 5 15 5 5 5 5 5 5 5 15 5 5 5 5 5 5 5 15
50 50 50 50 200

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpraticoModelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpratico
Joana Margarida
 
Teste 2 versão ii
Teste 2 versão iiTeste 2 versão ii
Teste 2 versão ii
joseeira
 
Bg 11 síntese proteica (exercícios)
Bg 11   síntese proteica (exercícios)Bg 11   síntese proteica (exercícios)
Bg 11 síntese proteica (exercícios)
Nuno Correia
 
Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºano
sandranascimento
 
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Nuno Correia
 
Exercícios dna e síntese proteínas
Exercícios dna e síntese proteínasExercícios dna e síntese proteínas
Exercícios dna e síntese proteínas
Isabel Lopes
 
Experiência de griffith e avery
Experiência de griffith e averyExperiência de griffith e avery
Experiência de griffith e avery
Cecilferreira
 
BG11_T1a_2021_CC.pdf
BG11_T1a_2021_CC.pdfBG11_T1a_2021_CC.pdf
BG11_T1a_2021_CC.pdf
José Luís Alves
 
BG11_T2a_21_CC.pdf
BG11_T2a_21_CC.pdfBG11_T2a_21_CC.pdf
BG11_T2a_21_CC.pdf
José Luís Alves
 
Exercicios de exame bio11
Exercicios de exame bio11Exercicios de exame bio11
Exercicios de exame bio11
emanuelcarvalhal765
 
Resumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º AnoResumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º Ano
Vitor Perfeito
 
Bg 11 mitose (exercícios)
Bg 11   mitose (exercícios)Bg 11   mitose (exercícios)
Bg 11 mitose (exercícios)
Nuno Correia
 
Biologia 11 exercícios
Biologia 11   exercíciosBiologia 11   exercícios
Biologia 11 exercícios
Nuno Correia
 
Biologia 11 preparação para exame 1
Biologia 11   preparação para exame 1Biologia 11   preparação para exame 1
Biologia 11 preparação para exame 1
Nuno Correia
 
FT 4 - CICLOS DE VIDA
FT 4 - CICLOS DE VIDAFT 4 - CICLOS DE VIDA
FT 4 - CICLOS DE VIDA
sandranascimento
 
Relatório extração dna
Relatório extração dnaRelatório extração dna
Relatório extração dna
margaridabt
 
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11ºExtração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Francisco Palaio
 
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRelatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Ricardo Dias
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Isaura Mourão
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
margaridabt
 

Mais procurados (20)

Modelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpraticoModelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpratico
 
Teste 2 versão ii
Teste 2 versão iiTeste 2 versão ii
Teste 2 versão ii
 
Bg 11 síntese proteica (exercícios)
Bg 11   síntese proteica (exercícios)Bg 11   síntese proteica (exercícios)
Bg 11 síntese proteica (exercícios)
 
Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºano
 
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
 
Exercícios dna e síntese proteínas
Exercícios dna e síntese proteínasExercícios dna e síntese proteínas
Exercícios dna e síntese proteínas
 
Experiência de griffith e avery
Experiência de griffith e averyExperiência de griffith e avery
Experiência de griffith e avery
 
BG11_T1a_2021_CC.pdf
BG11_T1a_2021_CC.pdfBG11_T1a_2021_CC.pdf
BG11_T1a_2021_CC.pdf
 
BG11_T2a_21_CC.pdf
BG11_T2a_21_CC.pdfBG11_T2a_21_CC.pdf
BG11_T2a_21_CC.pdf
 
Exercicios de exame bio11
Exercicios de exame bio11Exercicios de exame bio11
Exercicios de exame bio11
 
Resumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º AnoResumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia Geologia (BIOLOGIA) 11º Ano
 
Bg 11 mitose (exercícios)
Bg 11   mitose (exercícios)Bg 11   mitose (exercícios)
Bg 11 mitose (exercícios)
 
Biologia 11 exercícios
Biologia 11   exercíciosBiologia 11   exercícios
Biologia 11 exercícios
 
Biologia 11 preparação para exame 1
Biologia 11   preparação para exame 1Biologia 11   preparação para exame 1
Biologia 11 preparação para exame 1
 
FT 4 - CICLOS DE VIDA
FT 4 - CICLOS DE VIDAFT 4 - CICLOS DE VIDA
FT 4 - CICLOS DE VIDA
 
Relatório extração dna
Relatório extração dnaRelatório extração dna
Relatório extração dna
 
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11ºExtração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
Extração do ADN / DNA do kiwi - Relatório biologia 11º
 
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRelatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
 

Semelhante a Teste Biologia e Geologia 11º ano

Prova seriado 1º ano caderno ii segundo d
Prova seriado 1º ano caderno ii segundo dProva seriado 1º ano caderno ii segundo d
Prova seriado 1º ano caderno ii segundo d
pepontocom
 
Prova seriado 1º ano caderno ii segundo dia
Prova seriado 1º ano caderno ii segundo diaProva seriado 1º ano caderno ii segundo dia
Prova seriado 1º ano caderno ii segundo dia
Portal NE10
 
Cobertura total - Seriado 1ª fase (segundo dia)
Cobertura total - Seriado 1ª fase (segundo dia)Cobertura total - Seriado 1ª fase (segundo dia)
Cobertura total - Seriado 1ª fase (segundo dia)
Isaquel Silva
 
Prova seriado 1_ano_caderno_ii_segundo_dia
Prova seriado 1_ano_caderno_ii_segundo_diaProva seriado 1_ano_caderno_ii_segundo_dia
Prova seriado 1_ano_caderno_ii_segundo_dia
Isaquel Silva
 
Treinamento cariologia
Treinamento cariologiaTreinamento cariologia
Treinamento cariologia
emanuel
 
Uespi 2008 ( biologia quimica )
Uespi 2008 ( biologia   quimica )Uespi 2008 ( biologia   quimica )
Uespi 2008 ( biologia quimica )
tamandarealfamanha
 
Provas do segundo dia do SSA1 da UPE
Provas do segundo dia do SSA1 da UPEProvas do segundo dia do SSA1 da UPE
Provas do segundo dia do SSA1 da UPE
Luiza Freitas
 
Prova SSA 1 2º dia
Prova SSA 1   2º diaProva SSA 1   2º dia
Prova SSA 1 2º dia
Carol Monteiro
 
Prova FUVEST 2014 1 fase
Prova FUVEST 2014 1 faseProva FUVEST 2014 1 fase
Prova FUVEST 2014 1 fase
Rafael Freitas
 
Lista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamento
Lista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamentoLista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamento
Lista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamento
Biahhsilva1
 
reino.monera.exercicio.pdf
reino.monera.exercicio.pdfreino.monera.exercicio.pdf
reino.monera.exercicio.pdf
PATRICIAPAZ46
 
Biologia reino monera_exercicios
Biologia reino monera_exerciciosBiologia reino monera_exercicios
Biologia reino monera_exercicios
Miguel Aquino
 
Aula de correcção nr. 1
Aula de correcção nr. 1Aula de correcção nr. 1
Aula de correcção nr. 1
Nuno Correia
 
Ficha de trabalho codigo genetico2
Ficha de trabalho codigo genetico2Ficha de trabalho codigo genetico2
Ficha de trabalho codigo genetico2
gracindabento
 
reino.monera.exercicio (1).docx
reino.monera.exercicio (1).docxreino.monera.exercicio (1).docx
reino.monera.exercicio (1).docx
PATRICIAPAZ46
 
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Isaura Mourão
 
1 avaliação do 1 ano cetep
1 avaliação do 1 ano  cetep1 avaliação do 1 ano  cetep
1 avaliação do 1 ano cetep
CCMbiologia
 
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
CristianaLealSabel
 
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
CristianaLealSabel
 
C1 curso b_prof_biologia
C1 curso b_prof_biologiaC1 curso b_prof_biologia
C1 curso b_prof_biologia
Evandro Pereira
 

Semelhante a Teste Biologia e Geologia 11º ano (20)

Prova seriado 1º ano caderno ii segundo d
Prova seriado 1º ano caderno ii segundo dProva seriado 1º ano caderno ii segundo d
Prova seriado 1º ano caderno ii segundo d
 
Prova seriado 1º ano caderno ii segundo dia
Prova seriado 1º ano caderno ii segundo diaProva seriado 1º ano caderno ii segundo dia
Prova seriado 1º ano caderno ii segundo dia
 
Cobertura total - Seriado 1ª fase (segundo dia)
Cobertura total - Seriado 1ª fase (segundo dia)Cobertura total - Seriado 1ª fase (segundo dia)
Cobertura total - Seriado 1ª fase (segundo dia)
 
Prova seriado 1_ano_caderno_ii_segundo_dia
Prova seriado 1_ano_caderno_ii_segundo_diaProva seriado 1_ano_caderno_ii_segundo_dia
Prova seriado 1_ano_caderno_ii_segundo_dia
 
Treinamento cariologia
Treinamento cariologiaTreinamento cariologia
Treinamento cariologia
 
Uespi 2008 ( biologia quimica )
Uespi 2008 ( biologia   quimica )Uespi 2008 ( biologia   quimica )
Uespi 2008 ( biologia quimica )
 
Provas do segundo dia do SSA1 da UPE
Provas do segundo dia do SSA1 da UPEProvas do segundo dia do SSA1 da UPE
Provas do segundo dia do SSA1 da UPE
 
Prova SSA 1 2º dia
Prova SSA 1   2º diaProva SSA 1   2º dia
Prova SSA 1 2º dia
 
Prova FUVEST 2014 1 fase
Prova FUVEST 2014 1 faseProva FUVEST 2014 1 fase
Prova FUVEST 2014 1 fase
 
Lista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamento
Lista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamentoLista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamento
Lista-1-1000-questões-de-biologia.pdf bom aproveitamento
 
reino.monera.exercicio.pdf
reino.monera.exercicio.pdfreino.monera.exercicio.pdf
reino.monera.exercicio.pdf
 
Biologia reino monera_exercicios
Biologia reino monera_exerciciosBiologia reino monera_exercicios
Biologia reino monera_exercicios
 
Aula de correcção nr. 1
Aula de correcção nr. 1Aula de correcção nr. 1
Aula de correcção nr. 1
 
Ficha de trabalho codigo genetico2
Ficha de trabalho codigo genetico2Ficha de trabalho codigo genetico2
Ficha de trabalho codigo genetico2
 
reino.monera.exercicio (1).docx
reino.monera.exercicio (1).docxreino.monera.exercicio (1).docx
reino.monera.exercicio (1).docx
 
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
 
1 avaliação do 1 ano cetep
1 avaliação do 1 ano  cetep1 avaliação do 1 ano  cetep
1 avaliação do 1 ano cetep
 
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
 
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
Avaliação_ Introd. a citologia e visão geral de todos os componentes celulare...
 
C1 curso b_prof_biologia
C1 curso b_prof_biologiaC1 curso b_prof_biologia
C1 curso b_prof_biologia
 

Mais de José Luís Alves

BG11_T4a_2022.pdf
BG11_T4a_2022.pdfBG11_T4a_2022.pdf
BG11_T4a_2022.pdf
José Luís Alves
 
BG11_T4a_CC.pdf
BG11_T4a_CC.pdfBG11_T4a_CC.pdf
BG11_T4a_CC.pdf
José Luís Alves
 
Ficha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - RochasFicha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - Rochas
José Luís Alves
 
Ciclo celular
Ciclo celularCiclo celular
Ciclo celular
José Luís Alves
 
Ácidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNAÁcidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNA
José Luís Alves
 
Bg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_ccBg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_cc
José Luís Alves
 
A Célula
A CélulaA Célula
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
José Luís Alves
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
José Luís Alves
 

Mais de José Luís Alves (9)

BG11_T4a_2022.pdf
BG11_T4a_2022.pdfBG11_T4a_2022.pdf
BG11_T4a_2022.pdf
 
BG11_T4a_CC.pdf
BG11_T4a_CC.pdfBG11_T4a_CC.pdf
BG11_T4a_CC.pdf
 
Ficha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - RochasFicha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - Rochas
 
Ciclo celular
Ciclo celularCiclo celular
Ciclo celular
 
Ácidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNAÁcidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNA
 
Bg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_ccBg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_cc
 
A Célula
A CélulaA Célula
A Célula
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 

Último

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 

Último (20)

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 

Teste Biologia e Geologia 11º ano

  • 1. Ficha de Avaliação Sumativa Biologia e Geologia – 11º ano Dezembro de 2019 Prof. José Luís Alves 1 Nome: _____________________________________________________________ Nº:_____ Turma:____ Avaliação:_____________________ Enc. Ed._______________________ O Professor: ___________ Versão A GRUPO I Em 1995, dois paleontólogos chineses descobriram em rochas do sudoeste da China, da sequência estratigráfica superior da Formação de Doushantuo, minúsculos fósseis de forma esférica, impecavelmente conservados que, após exame ao microscópio eletrónico, foram identificados como fósseis de seres coloniais do género Volvox – colónia de algas verdes unicelulares cujas células são haploides. Estudos posteriores do mesmo estrato da sequência de Doushantuo permitiram identificar um segundo tipo de microfósseis esferoides como sendo semelhantes a fósseis de embriões de animais, uma vez que indiciam a existência de um padrão de divisão idêntico ao das primeiras fases de desenvolvimento dos embriões animais da atualidade. Estes fósseis, não sendo ainda de seres multicelulares, apresentam evidências para a diferenciação celular, com uma separação entre células reprodutoras (germinais) e soma (todo o organismo, exceto as células que desempenham função reprodutora). A multicelularidade terá evoluído independentemente, a partir de ancestrais distintos, em diferentes grupos de seres, como algas verdes multicelulares, alguns fungos e animais. Para estabelecer uma filogenia exata, contudo, é necessária a recolha de mais dados. 1. Se fossem observadas, ao microscópio ótico, células dos dois tipos de organismos fossilizados encontrados, o que permitiria distingui-las seria a existência de (A) núcleo nas células do primeiro tipo de organismos. (B) vacúolos nas células do segundo tipo de organismos. (C) parede celular nas células do primeiro tipo de organismos. (D) cloroplastos nas células do segundo tipo de organismos. 2. Admitindo que as células germinais dos seres fossilizados descritos no texto se formariam pelo mesmo processo de divisão celular que origina os gâmetas dos animais, classifique as afirmações seguintes. I. As células filhas teriam a mesma ploidia que a célula-mãe. II. Ocorreriam fenómenos de recombinação génica. III. Verificar-se-ia uma única divisão celular. (A) II é verdadeira; I e III são falsas. (B) I e III são verdadeiras; II é falsa. (C) I e II são verdadeiras; III é falsa. (D) III é verdadeira; I e II são falsas. 3. Volvox é uma colónia de seres que apresentam um ciclo de vida _______, com meiose _______. (A) haplonte … pré-espórica (B) haplonte … pós-zigótica (C) haplodiplonte … pós-zigótica (D) haplodiplonte … pré-espórica 4. Para o modelo autogénico, os seres (A) procariontes são o resultado de uma evolução gradual dos seres eucariontes. (B) eucariontes são o resultado de uma evolução gradual dos seres procariontes. (C) eucariontes apresentam mitocôndrias como resultado de situações de endossimbiose. (D) procariontes apresentam mitocôndrias como resultado de invaginações da membrana plasmática.
  • 2. 2 5. As mutações que ocorrem numa sequência de nucleótidos que codifica uma proteína (A) podem causar modificações na estrutura dos aminoácidos. (B) causam alterações nos mecanismos de tradução. (C) causam alterações nos mecanismos de transcrição. (D) podem levar à formação de diferentes proteínas. 6. Num ciclo celular mitótico, assumindo em G1 uma quantidade inicial de DNA de 2Q, as quantidades de DNA no núcleo da célula no período G2 e num núcleo após a telófase são, respetivamente, (A) de Q e de 2Q. (B) de 2Q e de 4Q. (C) de 4Q e de 2Q. (D) de 2Q e de Q. 7. Faça corresponder cada uma das descrições relativas ao processo de produção de gâmetas pelos animais, expressas na coluna A, à respetiva etapa da divisão nuclear, que consta na coluna B. Coluna A Coluna B (a) Os pontos de quiasma localizam-se no plano equatorial do fuso acromático.___ (b) Os cromatídeos de cromossomas homólogos trocam segmentos entre si.___ (c) Os centrómeros dividem-se e os cromatídeos separam-se.___ (1) Anáfase I (2) Anáfase II (3) Metáfase I (4) Metáfase II (5) Prófase I (a) – (3); (b) – (1); (c) – (2) 8. Refira três vantagens da multicelularidade. Tópicos de resposta: • aumento da dimensão do ser; • redução da taxa metabólica (ou maior eficácia na utilização de energia); • especialização (ou diferenciação) celular (ou aparecimento de tecidos ou órgãos especializados); • maior independência em relação ao ambiente.
  • 3. 3 GRUPO II PE218 Desde 1960 que o protista Naegleria gruberi é usado em estudos de diferenciação celular. Este ser vivo unicelular com forma ameboide habita a água doce e alimenta-se de bactérias. Contudo, quando a forma ameboide é transferida para um meio sem bactérias, quase todas as células formam flagelos, de forma a aumentarem a sua mobilidade e a procurarem alimento. O movimento da forma ameboide depende da polimerização de actina, um dos constituintes do citoesqueleto, mas a formação do flagelo depende de tubulina. Esta transição implica a síntese dos centríolos, que depois permitem a formação dos flagelos. Foi realizada uma experiência para acompanhar a transição do estado ameboide para o flagelado, mediante a transferência das células para um meio sem alimento, e cujos resultados estão representados na Figura 2. Os investigadores determinaram a percentagem de células dos dois estados referidos e quantificaram o teor de mRNA que codificava duas subunidades de tubulina (α e ẞ). Adicionalmente, os investigadores também determinaram a posição e movimentação de mRNA que codificava a tubulina ao longo da experiência. Figura 2 1. Mencione um possível controlo para a experiência indicada. Colocar o protista num meio com alimento (bactérias) e realizar o restante procedimento experimental de forma igual. 2. A percentagem de células com flagelo constitui uma variável _____ e a taxa de síntese de tubulina corresponde a uma variável ____ (A) dependente … independente (B) independente … dependente (C) dependente … dependente (D) independente … independente 3. O principal objetivo do estudo foi (A) caracterizar o processo de diferenciação celular em Naegleria gruberi. (B) associar a síntese de tubulina à expressão do mRNA para a tubulina. (C) identificar genes essenciais à diferenciação de Naegleria gruberi. (D) estudar os processos reprodutivos de Naegleria gruberi.
  • 4. 4 4. Os resultados demonstram que (A) após a formação dos flagelos, o mRNA para a tubulina é armazenado no citoplasma. (B) o mRNA que codifica a tubulina se desloca para a região onde se vão formar os flagelos. (C) a síntese de tubulina antecede a síntese do correspondente mRNA. (D) o mRNA que codifica a tubulina é muito estável e resistente à degradação. 5. Considere as seguintes afirmações referentes aos dados. I. A conversão da forma ameboide em flagelada pode demorar 60 a 100 minutos. II. A tubulina está acumulada num estado inativo, na forma ameboide. III. O mRNA que codifica a tubulina é degradado na fase final de diferenciação. (A) II é verdadeira; I e III são falsas. (B) II e III são verdadeiras; I é falsa. (C) I e III são verdadeiras; II é falsa. (D) I é verdadeira; II e III são falsas. 6. A redução da quantidade do mRNA leva à diminuição da (A) transcrição da informação contida nos exões. (B) transcrição da informação contida nos intrões. (C) tradução da informação contida nos intrões. (D) tradução da informação contida nos exões. 7. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos relacionados com a síntese de tubulina em Naegleria gruberi, representada na figura 2. A. Transporte do mRNA para uma zona específica da célula. B. Formação completa de dois flagelos. C. Degradação do mRNA para a tubulina. ___-___-___-___-___ D. Síntese da α e da ẞ-tubulina. E – A – D – C – B E. A RNA polimerase sintetiza uma cadeia polinucleotídica. 8. Considere que um investigador aplicava a uma cultura de células do protista N. gruberi um inibidor específico para a polimerização da tubulina, sem afetar a actina. Explique os resultados previstos ao nível da forma e diferenciação do protista N. gruberi. Tópicos de resposta:  O movimento da forma ameboide depende da polimerização de actina, logo, como o inibidor não afeta a polimerização da actina, a célula manteria a sua forma ameboide.  Porém, como foi adicionado um inibidor para a polimerização da tubulina, não haveria formação de flagelos.  O inibidor de tubulina bloqueia a diferenciação do protista, não ocorrendo a mudança para o estado flagelado.
  • 5. 5 GRUPO III Em 1915, o austríaco Von Wettstein classificou o organismo Geosiphon pyriforme como uma alga multinucleada, apesar de nele ter constatado a presença de quitina. Posteriormente, foi reconhecida ao organismo uma natureza fúngica, tendo sido descrito como um líquen com cianobactérias. Atualmente, este organismo é o único exemplo conhecido entre a interação de um fungo com cianobactérias no seu interior. Possui hifas especializadas dilatadas, com 0,5 a 2 mm de altura, que se elevam do solo húmido após a captação dos parceiros clorofilinos. As cianobactérias filamentosas, do género Nostoc, são positivamente fototáticas em luz fraca e negativamente em luz forte e ocupa a parte superior das hifas, enquanto o terço inferior está repleto de gotículas lipídicas. Entre cada 9 a 15 células fotossintéticas, surge uma célula morfologicamente diferente, denominada heterocisto, que tem a capacidade de fixar o azoto atmosférico e produzir compostos azotados. Esta ação nitrificante desenrola-se graças à ação da nitrogenase, uma enzima que é inativada pelo oxigénio. As hifas dilatadas apresentam uma região ativa fotossintética na parte apical da célula e uma região de armazenamento esbranquiçada na parte basal embutida na superfície do solo, que acumula muitas gotículas lipídicas. Integram também bactérias com função ainda desconhecida. Na realidade, o Geosiphon pyriforme é um consórcio simbiótico de três organismos: o fungo, que fornece nutrientes inorgânicos como fosfato, oligoelementos e água; as cianobactérias, que contribuem com carboidratos e compostos azotados e, finalmente, as bactérias. Adaptado de http://www.geosiphon.de/geosiphon_home.html Figura 3 – Representação esquemática da estrutura de uma hifa dilatada de Geosiphon pyriforme (A) e de um pormenor do seu interior (B). 1. Von Wettstein, considerou o Geosiphon pyriforme uma alga multinucleada, por (A) o organismo ser eucarionte. (B) o organismo ser simbionte. (C) o organismo, no seu conjunto, ser fotossintético. (D) existirem cianobactérias no interior das células do fungo. 2. Relativamente à hipótese endossimbiótica, pode-se afirmar que (A) a simbiose ocorreu com os ancestrais dos cloroplastos e depois com os ancestrais das mitocôndrias. (B) atualmente já não existem exemplos de endossimbiose. (C) a presença de material genético nas mitocôndrias resultou da partilha genes do núcleo. (D) a dupla membrana das mitocôndrias apoia a referida hipótese. 3. O aparecimento da multicelularidade terá sido uma resposta evolutiva vantajosa ao crescimento dos organismos que permitiu _____ com o simples aumento de tamanho celular. (A) manter a mesma relação área/volume que se obteria (B) aumentar a relação área/volume comparativamente à que se obteria (C) diminuir a relação área/volume comparativamente à que se obteria (D) manter a mesma taxa metabólica que se obteria
  • 6. 6 4. A existência de ______ nas cianobactérias pode ser utilizada como argumento favorável ao modelo evolutivo ______. (A) lamelas fotossintéticas … endossimbiótica (B) lamelas fotossintéticas … autogenético (C) cloroplastos … autogenético (D) cloroplastos … endossimbiótica 5. Nos filamentos de células existentes no interior das hifas dilatadas de G. pyriforme (A) não ocorre alternância de fases nucleares. (B) apenas algumas células têm capacidade reprodutora. (C) existem células que resultam de processos de divisão diferentes. (D) Podem ocorrer processos de digestão intracelular. 6. Admite-se, atualmente, que os ancestrais dos organismos multicelulares seriam colónias de seres unicelulares ______ cuja interdependência estrutural e funcional foi ______ no decurso da evolução. (A) procariontes ... diminuindo (B) procariontes ... aumentando (C) eucariontes ... diminuindo (D) eucariontes ... aumentando 7. Ordene as expressões identificadas pelas letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica de etapas da relação simbiótica do Geosiphon pyriforme. A. Captação de glicose das cianobactérias pelas mitocôndrias das hifas. B. Ocorrência de mitoses sucessivas a partir de um esporo fúngico. C. Dilatação subaérea de uma hifa. D. Formação de um micélio no subsolo. ___-___-___-___-___ E. Anexação, pelas hifas, de cianobactérias existentes no solo. B-D-E-A-C 8. Explique a vantagem adaptativa resultante do posicionamento das cianobactérias Nostoc no interior das hifas dilatadas do fungo. Tópicos de resposta:  As hifas dilatadas erguem-se a partir do solo, onde existe ausência de luz.  As cianobactérias são organismos fotossintéticos que se posicionam na parte superior das hifas dilatadas.  O posicionamento periférico das cianobactérias Nostoc permite-lhes uma captação de luz fraca e, portanto, uma taxa de fotossíntese superior à que teriam se ocupassem uma posição mais interna.
  • 7. 7 GRUPO IV Os mixomicetes são organismos semelhantes a fungos, incluídos no reino Protista. A sequenciação de DNA permitiu concluir que a aparente semelhança entre os mixomicetes e os fungos constitui um caso de evolução convergente. Quando as condições são favoráveis, muitos mixomicetes vivem sob a forma de plasmódio - uma massa gelatinosa multinucleada, destituída de parede celular, apenas rodeada por uma só membrana plasmática. O plasmódio desloca-se por movimentos ameboides, resultantes da emissão de pseudópodes. À medida que se desloca, o plasmódio obtém o seu alimento, fagocitando e digerindo bactérias, leveduras, esporos de fungos, assim como fragmentos de origem animal e vegetal, continuando assim o seu crescimento. Quando as condições se tornam desfavoráveis, o plasmódio transforma-se numa estrutura frutificante – o esporângio – no interior dos quais se formam esporos. Após a sua libertação, se as condições forem favoráveis, os esporos germinam, originando células que podem dividir-se, formando mais células haploides, algumas das quais irão funcionar como gâmetas. As formas ameboides e as flageladas são interconvertíveis. Figura 3 – Ciclo de vida típico de Mixomicetes. 1. A germinação dos esporos resulta diretamente de ______ originado imediatamente células ______ cromossomas homólogos. (A) mitose ... com (B) mitose ... sem (C) meiose ... com (D) meiose ... sem 2. Relativamente aos mixomicetes é correto afirmar que (A) são fungos que produzem esporos por meiose no interior do esporófito. (B) o zigoto não se forma pela fusão de gâmetas masculinos e femininos. (C) o gametófito origina gâmetas por mitose. (D) o plasmódio é uma estrutura pluricelular, com células diferenciadas. 3. O plasmódio forma-se na sequência de (A) meioses sucedidas por citocineses. (B) mitoses sucedidas por citocineses. (C) meioses não sucedidas por citocineses. (D) mitoses não sucedidas por citocineses.
  • 8. 8 4. O ciclo de vida representado na figura não pode ser classificado como haplodiplonte, dado que (A) a meiose não é pré-espórica. (B) não há estruturas multicelulares haploides. (C) os gâmetas formam-se por meiose. (D) as células ameboides e as células flageladas se podem interconverter. 5. Os mixomicetes não podem ser incluídos no reino dos fungos por (A) formarem esporos por meiose e desenvolverem esporângios. (B) possuírem quitina na parede celular e serem multinucleados. (C) não possuírem parede celular e serem macroconsumidores. (D) possuírem membrana celular e serem heterotróficos. 6. Face a alterações do meio, a ocorrência de meiose e fecundação terá como consequência (A) o aumento da variabilidade genética e o aumento do potencial adaptativo. (B) a redução da variabilidade genética e o aumento do potencial adaptativo. (C) o aumento da variabilidade genética e a diminuição do potencial adaptativo. (D) a redução da variabilidade genética e a redução do potencial adaptativo. 7. Ordene as expressões identificadas pelas letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência dos processos relativos à divisão celular que culmina na formação de esporos. A. Divisão dos centrómeros de cada cromossoma. B. Individualização de duas células. C. Formação de tétradas cromatídicas. ___-___-___-___-___ D. Redução do número de cromossomas. C-E-D-B-A E. Disposição dos homólogos na placa equatorial. 8. A reprodução sexuada caracteriza-se pela ocorrência de meiose e de fecundação. Explique de que modo a ocorrência destes dois processos contribuem para o sucesso adaptativo dos mixomicetes perante um ambiente em mudança. Tópicos de resposta: • Na meiose a ocorrência de crossing-over na prófase I e a disposição aleatória dos bivalentes na metáfase I, contribui para o aumento da variabilidade genética. • Na fecundação a união aleatória de gâmetas aumenta a variabilidade genética. • A recombinação genética, que propicia um aumento da variabilidade genética, conduz a uma maior capacidade adaptativa dos mixomicetes em ambientes em mudança. Grupo I Grupo II Grupo III Grupo IV Questão 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8 Total Cotação 5 5 5 5 5 5 5 15 5 5 5 5 5 5 5 15 5 5 5 5 5 5 5 15 5 5 5 5 5 5 5 15 50 50 50 50 200