SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 75
Baixar para ler offline
Preparação para o teste de
avaliação
Exercício 1




              Nuno Correia 2011/12   2
Nuno Correia 2011/12   3
Nuno Correia 2011/12   4
Nuno Correia 2011/12   5
Nuno Correia 2011/12   6
A Rocha da Pena localiza-se no Algarve, próximo de Salir, no
concelho de Loulé, e está referenciada como Sítio Classificado, ao
abrigo do Decreto-Lei n.º 392/91, de 10 de outubro. Trata-se de
um património geológico que importa valorizar e divulgar como um
georrecurso cultural, não renovável, e que deve ser preservado e
legado como herança às gerações futuras. Apresenta diversas
unidades litostratigráficas, entre elas a formação de Mira,
constituída por xistos argilosos, o complexo vulcanossedimentar,
constituído por piroclastos, tufos vulcânicos, brechas vulcânicas,
escoadas de basaltos e intrusões magmáticas, e a formação de
Picavessa, constituída por calcários e brechas com fósseis de corais e
de gastrópodes.




                            Nuno Correia 2011/12                   7
Nuno Correia 2011/12   8
Nuno Correia 2011/12   9
Nuno Correia 2011/12   10
Nuno Correia 2011/12   11
A formação de Picavessa, que constitui as escarpas da
Rocha da Pena, apresenta litologias indicadoras de
que aqueles materiais tiveram origem em plataformas
marinhas carbonatadas de águas quentes, límpidas e
pouco profundas.

Explique, utilizando o príncípio das causas atuais, de
que modo a presença de fósseis de corais permite
deduzir o paleoambiente em que foi originada a
formação de Picavessa.



                    Nuno Correia 2011/12            12
Naquele que é hoje o Alentejo metalogenético integrado na Faixa
Piritosa Ibérica (FPI), uma importante atividade vulcânica submarina
deu origem a jazigos de sulfuretos maciços, devido à libertação de
enxofre, que depois se viria a combinar com ferro. A circulação de
fluidos hidrotermais entre as rochas vulcânicas e sedimentares deu
lugar a processos físico-químicos que conduziram à deposição, em
ambiente marinho, de massas de sulfuretos ricas em ferro, cobre,
zinco, chumbo, prata e ouro. Estes jazigos vulcanogénicos, notáveis
quer pelas suas dimensões quer pelos metais neles existentes, são,
assim, constituídos por massas de sulfuretos polimetálicos em que
predomina a pirite.




                           Nuno Correia 2011/12                  13
Selecione a alternativa que permite obter uma afirmação
   correta. A aplicação de princípios estratigráficos à unidade
   geológica que constitui o Maciço Ibérico possibilitou a...


a) determinação da sua idade relativa através da aplicação de
   radioisótopos.
b) identificação dos tipos de rochas existentes nesta formação.
c) reconstituição da sequência dos acontecimentos geológicos que
   o originaram.
d) determinação da sua idade absoluta através do estudo dos
   fósseis encontrados.




                           Nuno Correia 2011/12                   14
Nuno Correia 2011/12   15
Nuno Correia 2011/12   16
Nuno Correia 2011/12   17
Nuno Correia 2011/12   18
Nuno Correia 2011/12   19
Os veículos motorizados interagem com o ambiente através de todo
o seu “ciclo de vida” – desde o fabrico até ao seu uso em estrada e
ao seu eventual desmantelamento, quando atingem o “fim de vida”.
Os seres autotróficos fixam CO2, contribuindo, assim, para uma
tendencial estabilização da concentração deste gás na atmosfera.
Após a morte destes organismos, o enterramento geológico permite
a incorporação da matéria orgânica na crosta terrestre
(sedimentos), podendo originar combustíveis fósseis. A Figura (A e
B) representa esquematicamente a circulação do CO2 entre
diferentes sistemas.




                           Nuno Correia 2011/12                 20
Nuno Correia 2011/12   21
Nuno Correia 2011/12   22
Nuno Correia 2011/12   23
Nuno Correia 2011/12   24
A cadeia montanhosa dos Himalaias resulta da colisão
entre a placa Indiana e a placa Euro-Asiática. Atualmente,
a placa Indiana continua a deslocar-se para norte à
velocidade aproximada de 2 cm por ano, o que faz com
que a altitude dos Himalaias continue a aumentar à razão
aproximada de 5 mm por ano. A geóloga Yani Najman,
recorrendo à análise de isótopos de árgon presentes em
minerais constituintes de rochas da região, reavaliou a
idade da cordilheira dos Himalaias e considerou que esta
formação seria 15 milhões de anos mais jovem do que
inicialmente se pensava. A análise de isótopos incidiu sobre
pequenos grãos de mica branca (moscovite), recolhidos na
mais antiga bacia sedimentar continental encontrada na
área.
                        Nuno Correia 2011/12             25
Nuno Correia 2011/12   26
Nuno Correia 2011/12   27
Na cordilheira dos Himalaias, encontram-se mármores com cristais de rubi, tendo o
movimento das placas litosféricas contribuído para a sua formação. Há cerca de
50 milhões de anos, entre a placa indiana e a placa euroasiática existia um mar, o
Mar de Tétis. À medida que a placa indiana se movimentou em direção à placa
euroasiática, o Mar de Tétis foi-se fechando e devido a intrusões magmáticas,
ocorreu metamorfismo das rochas carbonatadas do fundo marinho. A presença de
numerosos fósseis de animais marinhos nos estratos superiores dos Himalaias
constitui uma prova da existência do Mar de Tétis. Não se encontram cristais de
rubi em todos os mármores da crosta terrestre. Os geólogos têm investigado os
mecanismos envolvidos na sua formação e propuseram o seguinte modelo: na
evolução orogénica, grande parte do fundo do Mar de Tétis continha os elementos
necessários à formação daquelas pedras preciosas e o mar era tão superficial. em
determinados locais, que secou e se formaram camadas de sais, os evaporitos.




                                  Nuno Correia 2011/12                        28
Nuno Correia 2011/12   29
Nuno Correia 2011/12   30
Nuno Correia 2011/12   31
Nuno Correia 2011/12   32
As séries evaporíticas apresentam, às vezes, grandes espessuras de
sedimentos que, por natureza, são próprios de pequenas
profundidades. As rochas evaporíticas, em especial o sal-gema, são
pouco densas e muito plásticas. Esta características contribuem para
que grandes massas de sal ascendam da profundidade, através de
zonas de fraqueza, sob a ação da pressão das rochas
sobrejacentes. Tais massas ascendentes deformam as camadas
superiores em corpos abobadados, constituindo os anticlinais de sal,
diapiros ou domos salinos.
Explique como é possível realizar prospecção de sal-gema e de hidrocarbonetos com
                    base nas características descritas no texto.




                                 Nuno Correia 2011/12                          33
De entre os granitos portugueses, o da Castanheira é o único que apresenta discos
circulares biotíticos. Os nódulos achatados, biconvexos, de 1 a 12 cm de diâmetro, possuem
um núcleo de quartzo e feldspato, revestido por camadas concêntricas de biotite. As fortes
amplitudes térmicas que se fazem sentir na região, as cunhas de gelo que vão crescendo
junto aos nódulos e a erosão do granito nodular da Castanheira contribuem para a
separação e posterior expulsão dos nódulos de biotite. Ao soltarem-se, deixam à superfície
da rocha-mãe cavidades revestidas de biotite. Na região, chamam a esta rocha «a pedra
que pare pedra» e, daí, a famosa designação popular de «Pedras Parideiras» para esta
invulgar formação geológica.
Um caso particular de meteorização física é o que ocorre no Norte de Portugal, com as
conhecidas «Pedras Parideiras». Explique em que medida as fortes amplitudes térmicas
da serra da Freita contribuem para a expulsão dos nódulos biotíticos das «Pedras
Parideiras».




                                    Nuno Correia 2011/12                             34
Nuno Correia 2011/12   35
A serra de Sintra, classificada pela UNESCO como Património da Humanidade, na categoria
de Paisagem Cultural, é também um local de grande relevância do ponto de vista
geológico. Deve a sua origem a um fenómeno de intrusão magmática. A atividade
magmática da região está relacionada com a abertura do oceano Atlântico, de sul para
norte, e com a abertura do golfo da Biscaia. Uma vez que as Placas Euro-Asiática e Norte-
Americana se encontravam unidas e que o Atlântico não se encontrava totalmente aberto,
um braço de mar insinuava-se, de sul para norte, constituindo a Bacia Lusitânica, onde as
formações sedimentares se foram depositando. A história geológica desta região começa
com a deposição de sedimentos em meio marinho profundo. Devido ao preenchimento da
bacia por sedimentos e a variações do nível do mar, o ambiente de deposição evoluiu
sucessivamente, no decurso do Mesozoico, para marinho menos profundo, recifal, laguno-
marinho, fluvial e lacustre. As rochas magmáticas geradas a grandes profundidades, há
cerca de 80 milhões de anos, metamorfizaram as formações sedimentares do Mesozoico.
Posteriormente, estas foram erodidas, ficando a descoberto o núcleo ígneo, que se encontra
atualmente acima das plataformas sedimentares que o rodeiam. Este núcleo apresenta uma
estrutura em domo, de forma aproximadamente elíptica, alongada na direção E-W, com 10
km de comprimento e 5 km de largura. Algumas das rochas que o constituem são granitos,
dioritos e gabros, que resultaram de um mesmo magma parental. A figura representa, sem
relações de escala, um corte geológico da região.


                                     Nuno Correia 2011/12                             36
Nuno Correia 2011/12   37
Nuno Correia 2011/12   38
Selecione a única alternativa que contém os termos que preenchem, sequencialmente,
os espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
De entre as rochas sedimentares, a deposição mais _____ da unidade de conglomerados
permite inferir que houve ________da energia do agente transportador.
(A) antiga … aumento                   (B) recente … aumento
(C) antiga … diminuição                (D) recente … diminuição

                                   Nuno Correia 2011/12                          39
Nuno Correia 2011/12   40
Selecione a única alternativa que permite obter uma afirmação
correta. Foi possível reconstituir o paleoambiente do Mesozoico na
serra de Sintra, devido à...
A) ocorrência de rochas magmáticas.
B) existência de fósseis de idade na região.
C) ocorrência de fenómenos de metamorfismo.
D) existência de fósseis de fácies na região.

                           Nuno Correia 2011/12                 41
No final do Mesozoico, extinguiram-se os dinossauros e formou-se a serra de Sintra. O
registo fóssil que comprova a presença desses animais na região encontra-se em estratos
com posição vertical. Explique a posição atual dos estratos em que se observa o registo
fóssil de dinossauros, tendo em conta a posição original dos estratos onde esse registo
terá ocorrido.

                                    Nuno Correia 2011/12                             42
O Grand Canyon, nos EUA, para além das suas paisagens
assombrosas, apresenta expostos cerca de 2000 milhões de anos
da história geológica desta região da Terra. É um vale largo e
profundo, que foi escavado pelo rio Colorado e pelos seus
afluentes. Ao longo do curso do rio Colorado, foram construídas
barragens que controlaram o seu caudal e alteraram o regime de
cheias. O bloco diagrama da Figura representa, de forma muito
simplificada, as formações geológicas existentes num local do
Grand Canyon.




                          Nuno Correia 2011/12               43
Nuno Correia 2011/12   44
Nuno Correia 2011/12   45
Há cerca de 10 milhões de anos, devido a fenómenos tectónicos, ocorreu uma
elevação da crosta na zona onde viria a formar-se o Grand Canyon. Antes desse
fenómeno, o rio fluía numa zona plana pouco acima do nível do mar. Após essa
elevação, a ação do rio foi decisiva para a formação do vale do Grand Canyon.
Explique de que forma essa elevação da crosta contribuiu tão decisivamente para
a formação do Grand Canyon.




                             Nuno Correia 2011/12                           46
Nuno Correia 2011/12   47
Selecione a única alternativa que permite obter uma
    afirmação correta. As rochas que se encontram na base do
    Grand Canyon pertencem, possivelmente, a um escudo
    continental, porque este tipo de formação…
A) é constituído, essencialmente, por rochas sedimentares.
B) corresponde a zonas mais recentes do continente americano.
C) é constituído por rochas intensamente metamorfizadas.
D) corresponde a zonas de orogenia recente.




                          Nuno Correia 2011/12                  48
Há cerca de 480 M.a., no período Ordovícico, ocorreu um recuo da linha de costa. Nessa
altura, a região de Arouca, situada no bordo norte de um supercontinente, sofreu intensa
sedimentação detrítica. A contínua subida do nível médio da água do mar levou à
deposição de materiais cada vez mais finos, o que favoreceu a fossilização de muitos seres
vivos, tais como as Trilobites e os Graptólitos. Estes seres viviam em ambientes marinhos, não
se conhecendo, nessa altura, nem plantas nem animais em ambientes terrestres. Durante o
Devónico, ocorreram uma progressiva descida do nível médio da água do mar – regressão
marinha – e a consequente deposição de materiais mais grosseiros. Esta regressão marinha
deveu-se, em parte, ao movimento das placas tectónicas, que provocou deformações nos
materiais, originando uma importante cadeia montanhosa da qual o anticlinal de Valongo é,
hoje, uma reminiscência. No final do Carbónico, há 300 M.a., a meteorização e a erosão
das vertentes da bacia carbonífera originaram a deposição de materiais que conduziram,
posteriormente, à formação de xistos com fósseis de plantas, intercalados com arenitos, e de
um espesso conglomerado. O dobramento sofrido por estas rochas terá resultado da
reunião dos vários continentes então existentes, que terá dado origem ao supercontinente
Pangea, há cerca de 250 M.a. Este processo terá sido responsável pela instalação dos
granitos desta região e pela extinção das Trilobites à escala global.



                                       Nuno Correia 2011/12                              49
Nuno Correia 2011/12   50
Nuno Correia 2011/12   51
Nuno Correia 2011/12   52
Nuno Correia 2011/12   53
Nuno Correia 2011/12   54
Nuno Correia 2011/12   55
Nuno Correia 2011/12   56
Nuno Correia 2011/12   57
Nuno Correia 2011/12   58
Nuno Correia 2011/12   59
Nuno Correia 2011/12   60
Nuno Correia 2011/12   61
Nuno Correia 2011/12   62
Nuno Correia 2011/12   63
Nuno Correia 2011/12   64
Nuno Correia 2011/12   65
Nuno Correia 2011/12   66
Nuno Correia 2011/12   67
O granito de Lamares apresenta uma densa rede de fissuras interligadas, o que permite a
circulação de água com sais dissolvidos. Explique de que modo as duas condições
anteriores permitem explicar o elevado grau de alteração física do granito de Lamares,
nas condições climáticas atuais.




                                    Nuno Correia 2011/12                            68
Nuno Correia 2011/12   69
Explique de que modo a deriva continental pode
ter contribuído para a diversificação das formas
                de vida na Terra.




                   Nuno Correia 2011/12       70
Há cerca de 2 milhões de anos, no início de uma época
chamada Pleistocénico (no Cenozoico), ocorreu uma
diminuição acentuada da temperatura média à
superfície da Terra, desencadeando uma era glaciar.
Mesmo antes de ter sido reconhecida a sua extensão a
todo o Globo, já se defendia a ideia da ocorrência
alternada de avanços e de recuos do gelo sobre os
continentes. Em épocas anteriores, o clima manteve-se,
uniformemente, mais ameno. No entanto, há registos de
glaciações generalizadas a todo o Globo, durante a era
Paleozoica. De acordo com o registo geológico, a
ocorrência de eras glaciares é um fenómeno raro na
história do planeta.
                      Nuno Correia 2011/12          71
Nuno Correia 2011/12   72
Nuno Correia 2011/12   73
. Faça corresponder a cada uma das letras (de A a E), que identificam afirmações relativas à
estratigrafia, o número (de I a VIII) da chave que assinala o princípio ou conceito geológico
em que elas se baseiam.
Afirmações
Numa sequência não deformada de estratos, aqueles que se encontram no topo são os mais
recentes.
Permite identificar o período durante o qual se formou um único estrato, independentemente
da comparação com outras sequências fossilíferas da região.
A ocorrência de balastros graníticos no seio de sedimentos marinhos mostra que estes são
posteriores à formação do granito.
Torna possível a identificação das idades relativas entre um filão e as rochas que este
atravessa.
Permite caracterizar as condições físicas e/ou químicas do ambiente em que ocorreu a
deposição.

Chave

I – Princípio da inclusão                           V – Princípio da continuidade lateral
II – Princípio da sobreposição                      VI – Fóssil de fácies
III - Princípio da horizontalidade inicial          VII– Fóssil indicador de idade
IV – Princípio da identidade paleontológica         VIII – Princípio da interseção

                                      Nuno Correia 2011/12                                  74
Nuno Correia 2011/12   75

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terracatiacsantos
 
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10ºEXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10ºsandranascimento
 
Exercícios de geologia
Exercícios de geologiaExercícios de geologia
Exercícios de geologiaNuno Correia
 
Geo 7 FormaçãO De Rochas Sedimentares (MeteorizaçãO QuíMica)
Geo 7   FormaçãO De Rochas Sedimentares (MeteorizaçãO QuíMica)Geo 7   FormaçãO De Rochas Sedimentares (MeteorizaçãO QuíMica)
Geo 7 FormaçãO De Rochas Sedimentares (MeteorizaçãO QuíMica)Nuno Correia
 
A medida do tempo geológico e a idade da terra
A medida do tempo geológico e a idade da terraA medida do tempo geológico e a idade da terra
A medida do tempo geológico e a idade da terraIsabel Lopes
 
FT os minerais e as suas características 2
FT os minerais e as suas características 2FT os minerais e as suas características 2
FT os minerais e as suas características 2Américo Sousa
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosGabriela Bruno
 
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absolutaO tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absolutaAna Castro
 
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Resumo   10º ano - ciclo das rochasResumo   10º ano - ciclo das rochas
Resumo 10º ano - ciclo das rochasHugo Martins
 
Geo 6 formação das rochas sedimentares (meteorização)
Geo 6   formação das rochas sedimentares (meteorização)Geo 6   formação das rochas sedimentares (meteorização)
Geo 6 formação das rochas sedimentares (meteorização)Nuno Correia
 
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)Isaura Mourão
 
Ciclos de gelo e degelo varvitos
Ciclos de gelo e degelo   varvitosCiclos de gelo e degelo   varvitos
Ciclos de gelo e degelo varvitosNuno Correia
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticasTânia Reis
 
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOTESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOsandranascimento
 

Mais procurados (20)

Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
 
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10ºEXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
 
Exercícios de geologia
Exercícios de geologiaExercícios de geologia
Exercícios de geologia
 
Ficha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - RochasFicha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - Rochas
 
Geo 7 FormaçãO De Rochas Sedimentares (MeteorizaçãO QuíMica)
Geo 7   FormaçãO De Rochas Sedimentares (MeteorizaçãO QuíMica)Geo 7   FormaçãO De Rochas Sedimentares (MeteorizaçãO QuíMica)
Geo 7 FormaçãO De Rochas Sedimentares (MeteorizaçãO QuíMica)
 
Fósseis de Fácies
Fósseis de FáciesFósseis de Fácies
Fósseis de Fácies
 
A medida do tempo geológico e a idade da terra
A medida do tempo geológico e a idade da terraA medida do tempo geológico e a idade da terra
A medida do tempo geológico e a idade da terra
 
EXERCÍCIOS DE EXAMES
EXERCÍCIOS DE EXAMESEXERCÍCIOS DE EXAMES
EXERCÍCIOS DE EXAMES
 
FT os minerais e as suas características 2
FT os minerais e as suas características 2FT os minerais e as suas características 2
FT os minerais e as suas características 2
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
 
Teste 4
Teste 4Teste 4
Teste 4
 
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICASXI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
 
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absolutaO tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
 
Bg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_ccBg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_cc
 
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Resumo   10º ano - ciclo das rochasResumo   10º ano - ciclo das rochas
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
 
Geo 6 formação das rochas sedimentares (meteorização)
Geo 6   formação das rochas sedimentares (meteorização)Geo 6   formação das rochas sedimentares (meteorização)
Geo 6 formação das rochas sedimentares (meteorização)
 
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
 
Ciclos de gelo e degelo varvitos
Ciclos de gelo e degelo   varvitosCiclos de gelo e degelo   varvitos
Ciclos de gelo e degelo varvitos
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
 
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOTESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
 

Destaque

Periodo pré-Wegeneriano
Periodo pré-WegenerianoPeriodo pré-Wegeneriano
Periodo pré-Wegenerianogeologia 12
 
Evolução histórica do vulcanismo
Evolução histórica do vulcanismoEvolução histórica do vulcanismo
Evolução histórica do vulcanismogeologia 12
 
Teste geologia versão i
Teste geologia versão iTeste geologia versão i
Teste geologia versão iEstela Costa
 
16 17 bg10_questão aula 2 ma
16 17 bg10_questão aula 2 ma16 17 bg10_questão aula 2 ma
16 17 bg10_questão aula 2 maEstela Costa
 
Geo 12 correção do teste de avaliação
Geo 12   correção do teste de avaliaçãoGeo 12   correção do teste de avaliação
Geo 12 correção do teste de avaliaçãoNuno Correia
 
Teste 11 c de 15 maio versão 1
Teste 11 c de 15 maio versão 1Teste 11 c de 15 maio versão 1
Teste 11 c de 15 maio versão 1Estela Costa
 
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperaçãoTeste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperaçãoEstela Costa
 

Destaque (7)

Periodo pré-Wegeneriano
Periodo pré-WegenerianoPeriodo pré-Wegeneriano
Periodo pré-Wegeneriano
 
Evolução histórica do vulcanismo
Evolução histórica do vulcanismoEvolução histórica do vulcanismo
Evolução histórica do vulcanismo
 
Teste geologia versão i
Teste geologia versão iTeste geologia versão i
Teste geologia versão i
 
16 17 bg10_questão aula 2 ma
16 17 bg10_questão aula 2 ma16 17 bg10_questão aula 2 ma
16 17 bg10_questão aula 2 ma
 
Geo 12 correção do teste de avaliação
Geo 12   correção do teste de avaliaçãoGeo 12   correção do teste de avaliação
Geo 12 correção do teste de avaliação
 
Teste 11 c de 15 maio versão 1
Teste 11 c de 15 maio versão 1Teste 11 c de 15 maio versão 1
Teste 11 c de 15 maio versão 1
 
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperaçãoTeste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
 

Semelhante a Geo 12 preparação para o teste de avaliação

G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M B 2010
G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M B 2010G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M B 2010
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M B 2010ProfMario De Mori
 
Teste 5 versão ii
Teste 5 versão iiTeste 5 versão ii
Teste 5 versão iijoseeira
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20Joao Paulo
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20Joao Paulo
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20Joao Paulo
 
Relatório visita de estudo lourinhã
Relatório visita de estudo lourinhãRelatório visita de estudo lourinhã
Relatório visita de estudo lourinhãJoão Duarte
 
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M A 2010
G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M A 2010G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M A 2010
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M A 2010ProfMario De Mori
 
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010ProfMario De Mori
 
Percurso praia doamadov1
Percurso praia doamadov1Percurso praia doamadov1
Percurso praia doamadov1conceicao1
 
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.Fernando Bueno
 
bg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docxbg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docxIsaura Mourão
 
Geologia da nossa região
Geologia da nossa regiãoGeologia da nossa região
Geologia da nossa regiãolittledoll6
 
Estrutura geológica 2010
Estrutura geológica 2010Estrutura geológica 2010
Estrutura geológica 2010landipaula
 
7.Rochas MetamóRficas
7.Rochas MetamóRficas7.Rochas MetamóRficas
7.Rochas MetamóRficasguestfa5e9
 
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e MineraisProf Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e MineraisDeto - Geografia
 

Semelhante a Geo 12 preparação para o teste de avaliação (20)

Bg11 teste 5
Bg11 teste 5Bg11 teste 5
Bg11 teste 5
 
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M B 2010
G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M B 2010G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M B 2010
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M B 2010
 
Teste 5 versão ii
Teste 5 versão iiTeste 5 versão ii
Teste 5 versão ii
 
Teste 5
Teste 5Teste 5
Teste 5
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20
 
Relatório visita de estudo lourinhã
Relatório visita de estudo lourinhãRelatório visita de estudo lourinhã
Relatório visita de estudo lourinhã
 
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M A 2010
G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M A 2010G E O L O G I A  E  A  AÇÃ O  H U M A N A 2º  M A 2010
G E O L O G I A E A AÇÃ O H U M A N A 2º M A 2010
 
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
 
Ficha_formativa_Nº2.pdf
Ficha_formativa_Nº2.pdfFicha_formativa_Nº2.pdf
Ficha_formativa_Nº2.pdf
 
Percurso praia doamadov1
Percurso praia doamadov1Percurso praia doamadov1
Percurso praia doamadov1
 
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
 
bg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docxbg10 - outubro com principios e correção.docx
bg10 - outubro com principios e correção.docx
 
Geologia da nossa região
Geologia da nossa regiãoGeologia da nossa região
Geologia da nossa região
 
Estrutura geológica 2010
Estrutura geológica 2010Estrutura geológica 2010
Estrutura geológica 2010
 
Geografia 1 ano
Geografia 1 anoGeografia 1 ano
Geografia 1 ano
 
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
 
7.Rochas MetamóRficas
7.Rochas MetamóRficas7.Rochas MetamóRficas
7.Rochas MetamóRficas
 
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e MineraisProf Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
 

Mais de Nuno Correia

Sismologia parte 1
Sismologia   parte 1Sismologia   parte 1
Sismologia parte 1Nuno Correia
 
Geologia - Variações Climáticas
Geologia   - Variações ClimáticasGeologia   - Variações Climáticas
Geologia - Variações ClimáticasNuno Correia
 
Biologia 12 imunidade celular
Biologia 12   imunidade celularBiologia 12   imunidade celular
Biologia 12 imunidade celularNuno Correia
 
Biologia 12 imunidade humoral
Biologia 12   imunidade humoralBiologia 12   imunidade humoral
Biologia 12 imunidade humoralNuno Correia
 
Geologia 12 estratotipo
Geologia 12   estratotipoGeologia 12   estratotipo
Geologia 12 estratotipoNuno Correia
 
Geologia 12 biozonas
Geologia 12   biozonasGeologia 12   biozonas
Geologia 12 biozonasNuno Correia
 
Geologia 12 movimentos horizontais
Geologia 12   movimentos horizontaisGeologia 12   movimentos horizontais
Geologia 12 movimentos horizontaisNuno Correia
 
Geologia 12 isostasia
Geologia 12   isostasiaGeologia 12   isostasia
Geologia 12 isostasiaNuno Correia
 
Geologia 12 paleomagnetismo
Geologia 12   paleomagnetismoGeologia 12   paleomagnetismo
Geologia 12 paleomagnetismoNuno Correia
 
Geologia 12 deriva dos continentes
Geologia 12   deriva dos continentesGeologia 12   deriva dos continentes
Geologia 12 deriva dos continentesNuno Correia
 
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12   biologia e os desafios da atualidadeBiologia 12   biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidadeNuno Correia
 
Geologia 12 paleoclimas
Geologia 12   paleoclimasGeologia 12   paleoclimas
Geologia 12 paleoclimasNuno Correia
 
Geologia 12 arcos insulares
Geologia 12   arcos insularesGeologia 12   arcos insulares
Geologia 12 arcos insularesNuno Correia
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentesNuno Correia
 
Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)Nuno Correia
 
Genética (monobridismo exercícios)
Genética (monobridismo   exercícios)Genética (monobridismo   exercícios)
Genética (monobridismo exercícios)Nuno Correia
 
Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)Nuno Correia
 
Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)Nuno Correia
 

Mais de Nuno Correia (20)

Sismologia parte 1
Sismologia   parte 1Sismologia   parte 1
Sismologia parte 1
 
Geologia - Variações Climáticas
Geologia   - Variações ClimáticasGeologia   - Variações Climáticas
Geologia - Variações Climáticas
 
Biologia 12 imunidade celular
Biologia 12   imunidade celularBiologia 12   imunidade celular
Biologia 12 imunidade celular
 
Biologia 12 imunidade humoral
Biologia 12   imunidade humoralBiologia 12   imunidade humoral
Biologia 12 imunidade humoral
 
Geologia 12 estratotipo
Geologia 12   estratotipoGeologia 12   estratotipo
Geologia 12 estratotipo
 
Geologia 12 biozonas
Geologia 12   biozonasGeologia 12   biozonas
Geologia 12 biozonas
 
Geologia 12 movimentos horizontais
Geologia 12   movimentos horizontaisGeologia 12   movimentos horizontais
Geologia 12 movimentos horizontais
 
Geologia 12 isostasia
Geologia 12   isostasiaGeologia 12   isostasia
Geologia 12 isostasia
 
Geologia 12 paleomagnetismo
Geologia 12   paleomagnetismoGeologia 12   paleomagnetismo
Geologia 12 paleomagnetismo
 
Geologia 12 deriva dos continentes
Geologia 12   deriva dos continentesGeologia 12   deriva dos continentes
Geologia 12 deriva dos continentes
 
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12   biologia e os desafios da atualidadeBiologia 12   biologia e os desafios da atualidade
Biologia 12 biologia e os desafios da atualidade
 
Geologia 12 paleoclimas
Geologia 12   paleoclimasGeologia 12   paleoclimas
Geologia 12 paleoclimas
 
Geologia 12 arcos insulares
Geologia 12   arcos insularesGeologia 12   arcos insulares
Geologia 12 arcos insulares
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentes
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)Genética (monobridismo)
Genética (monobridismo)
 
Genética (monobridismo exercícios)
Genética (monobridismo   exercícios)Genética (monobridismo   exercícios)
Genética (monobridismo exercícios)
 
Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)Genética (dominância incompleta)
Genética (dominância incompleta)
 
Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)Genética (diibridismo)
Genética (diibridismo)
 

Geo 12 preparação para o teste de avaliação

  • 1. Preparação para o teste de avaliação
  • 2. Exercício 1 Nuno Correia 2011/12 2
  • 7. A Rocha da Pena localiza-se no Algarve, próximo de Salir, no concelho de Loulé, e está referenciada como Sítio Classificado, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 392/91, de 10 de outubro. Trata-se de um património geológico que importa valorizar e divulgar como um georrecurso cultural, não renovável, e que deve ser preservado e legado como herança às gerações futuras. Apresenta diversas unidades litostratigráficas, entre elas a formação de Mira, constituída por xistos argilosos, o complexo vulcanossedimentar, constituído por piroclastos, tufos vulcânicos, brechas vulcânicas, escoadas de basaltos e intrusões magmáticas, e a formação de Picavessa, constituída por calcários e brechas com fósseis de corais e de gastrópodes. Nuno Correia 2011/12 7
  • 12. A formação de Picavessa, que constitui as escarpas da Rocha da Pena, apresenta litologias indicadoras de que aqueles materiais tiveram origem em plataformas marinhas carbonatadas de águas quentes, límpidas e pouco profundas. Explique, utilizando o príncípio das causas atuais, de que modo a presença de fósseis de corais permite deduzir o paleoambiente em que foi originada a formação de Picavessa. Nuno Correia 2011/12 12
  • 13. Naquele que é hoje o Alentejo metalogenético integrado na Faixa Piritosa Ibérica (FPI), uma importante atividade vulcânica submarina deu origem a jazigos de sulfuretos maciços, devido à libertação de enxofre, que depois se viria a combinar com ferro. A circulação de fluidos hidrotermais entre as rochas vulcânicas e sedimentares deu lugar a processos físico-químicos que conduziram à deposição, em ambiente marinho, de massas de sulfuretos ricas em ferro, cobre, zinco, chumbo, prata e ouro. Estes jazigos vulcanogénicos, notáveis quer pelas suas dimensões quer pelos metais neles existentes, são, assim, constituídos por massas de sulfuretos polimetálicos em que predomina a pirite. Nuno Correia 2011/12 13
  • 14. Selecione a alternativa que permite obter uma afirmação correta. A aplicação de princípios estratigráficos à unidade geológica que constitui o Maciço Ibérico possibilitou a... a) determinação da sua idade relativa através da aplicação de radioisótopos. b) identificação dos tipos de rochas existentes nesta formação. c) reconstituição da sequência dos acontecimentos geológicos que o originaram. d) determinação da sua idade absoluta através do estudo dos fósseis encontrados. Nuno Correia 2011/12 14
  • 20. Os veículos motorizados interagem com o ambiente através de todo o seu “ciclo de vida” – desde o fabrico até ao seu uso em estrada e ao seu eventual desmantelamento, quando atingem o “fim de vida”. Os seres autotróficos fixam CO2, contribuindo, assim, para uma tendencial estabilização da concentração deste gás na atmosfera. Após a morte destes organismos, o enterramento geológico permite a incorporação da matéria orgânica na crosta terrestre (sedimentos), podendo originar combustíveis fósseis. A Figura (A e B) representa esquematicamente a circulação do CO2 entre diferentes sistemas. Nuno Correia 2011/12 20
  • 25. A cadeia montanhosa dos Himalaias resulta da colisão entre a placa Indiana e a placa Euro-Asiática. Atualmente, a placa Indiana continua a deslocar-se para norte à velocidade aproximada de 2 cm por ano, o que faz com que a altitude dos Himalaias continue a aumentar à razão aproximada de 5 mm por ano. A geóloga Yani Najman, recorrendo à análise de isótopos de árgon presentes em minerais constituintes de rochas da região, reavaliou a idade da cordilheira dos Himalaias e considerou que esta formação seria 15 milhões de anos mais jovem do que inicialmente se pensava. A análise de isótopos incidiu sobre pequenos grãos de mica branca (moscovite), recolhidos na mais antiga bacia sedimentar continental encontrada na área. Nuno Correia 2011/12 25
  • 28. Na cordilheira dos Himalaias, encontram-se mármores com cristais de rubi, tendo o movimento das placas litosféricas contribuído para a sua formação. Há cerca de 50 milhões de anos, entre a placa indiana e a placa euroasiática existia um mar, o Mar de Tétis. À medida que a placa indiana se movimentou em direção à placa euroasiática, o Mar de Tétis foi-se fechando e devido a intrusões magmáticas, ocorreu metamorfismo das rochas carbonatadas do fundo marinho. A presença de numerosos fósseis de animais marinhos nos estratos superiores dos Himalaias constitui uma prova da existência do Mar de Tétis. Não se encontram cristais de rubi em todos os mármores da crosta terrestre. Os geólogos têm investigado os mecanismos envolvidos na sua formação e propuseram o seguinte modelo: na evolução orogénica, grande parte do fundo do Mar de Tétis continha os elementos necessários à formação daquelas pedras preciosas e o mar era tão superficial. em determinados locais, que secou e se formaram camadas de sais, os evaporitos. Nuno Correia 2011/12 28
  • 33. As séries evaporíticas apresentam, às vezes, grandes espessuras de sedimentos que, por natureza, são próprios de pequenas profundidades. As rochas evaporíticas, em especial o sal-gema, são pouco densas e muito plásticas. Esta características contribuem para que grandes massas de sal ascendam da profundidade, através de zonas de fraqueza, sob a ação da pressão das rochas sobrejacentes. Tais massas ascendentes deformam as camadas superiores em corpos abobadados, constituindo os anticlinais de sal, diapiros ou domos salinos. Explique como é possível realizar prospecção de sal-gema e de hidrocarbonetos com base nas características descritas no texto. Nuno Correia 2011/12 33
  • 34. De entre os granitos portugueses, o da Castanheira é o único que apresenta discos circulares biotíticos. Os nódulos achatados, biconvexos, de 1 a 12 cm de diâmetro, possuem um núcleo de quartzo e feldspato, revestido por camadas concêntricas de biotite. As fortes amplitudes térmicas que se fazem sentir na região, as cunhas de gelo que vão crescendo junto aos nódulos e a erosão do granito nodular da Castanheira contribuem para a separação e posterior expulsão dos nódulos de biotite. Ao soltarem-se, deixam à superfície da rocha-mãe cavidades revestidas de biotite. Na região, chamam a esta rocha «a pedra que pare pedra» e, daí, a famosa designação popular de «Pedras Parideiras» para esta invulgar formação geológica. Um caso particular de meteorização física é o que ocorre no Norte de Portugal, com as conhecidas «Pedras Parideiras». Explique em que medida as fortes amplitudes térmicas da serra da Freita contribuem para a expulsão dos nódulos biotíticos das «Pedras Parideiras». Nuno Correia 2011/12 34
  • 36. A serra de Sintra, classificada pela UNESCO como Património da Humanidade, na categoria de Paisagem Cultural, é também um local de grande relevância do ponto de vista geológico. Deve a sua origem a um fenómeno de intrusão magmática. A atividade magmática da região está relacionada com a abertura do oceano Atlântico, de sul para norte, e com a abertura do golfo da Biscaia. Uma vez que as Placas Euro-Asiática e Norte- Americana se encontravam unidas e que o Atlântico não se encontrava totalmente aberto, um braço de mar insinuava-se, de sul para norte, constituindo a Bacia Lusitânica, onde as formações sedimentares se foram depositando. A história geológica desta região começa com a deposição de sedimentos em meio marinho profundo. Devido ao preenchimento da bacia por sedimentos e a variações do nível do mar, o ambiente de deposição evoluiu sucessivamente, no decurso do Mesozoico, para marinho menos profundo, recifal, laguno- marinho, fluvial e lacustre. As rochas magmáticas geradas a grandes profundidades, há cerca de 80 milhões de anos, metamorfizaram as formações sedimentares do Mesozoico. Posteriormente, estas foram erodidas, ficando a descoberto o núcleo ígneo, que se encontra atualmente acima das plataformas sedimentares que o rodeiam. Este núcleo apresenta uma estrutura em domo, de forma aproximadamente elíptica, alongada na direção E-W, com 10 km de comprimento e 5 km de largura. Algumas das rochas que o constituem são granitos, dioritos e gabros, que resultaram de um mesmo magma parental. A figura representa, sem relações de escala, um corte geológico da região. Nuno Correia 2011/12 36
  • 39. Selecione a única alternativa que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta. De entre as rochas sedimentares, a deposição mais _____ da unidade de conglomerados permite inferir que houve ________da energia do agente transportador. (A) antiga … aumento (B) recente … aumento (C) antiga … diminuição (D) recente … diminuição Nuno Correia 2011/12 39
  • 41. Selecione a única alternativa que permite obter uma afirmação correta. Foi possível reconstituir o paleoambiente do Mesozoico na serra de Sintra, devido à... A) ocorrência de rochas magmáticas. B) existência de fósseis de idade na região. C) ocorrência de fenómenos de metamorfismo. D) existência de fósseis de fácies na região. Nuno Correia 2011/12 41
  • 42. No final do Mesozoico, extinguiram-se os dinossauros e formou-se a serra de Sintra. O registo fóssil que comprova a presença desses animais na região encontra-se em estratos com posição vertical. Explique a posição atual dos estratos em que se observa o registo fóssil de dinossauros, tendo em conta a posição original dos estratos onde esse registo terá ocorrido. Nuno Correia 2011/12 42
  • 43. O Grand Canyon, nos EUA, para além das suas paisagens assombrosas, apresenta expostos cerca de 2000 milhões de anos da história geológica desta região da Terra. É um vale largo e profundo, que foi escavado pelo rio Colorado e pelos seus afluentes. Ao longo do curso do rio Colorado, foram construídas barragens que controlaram o seu caudal e alteraram o regime de cheias. O bloco diagrama da Figura representa, de forma muito simplificada, as formações geológicas existentes num local do Grand Canyon. Nuno Correia 2011/12 43
  • 46. Há cerca de 10 milhões de anos, devido a fenómenos tectónicos, ocorreu uma elevação da crosta na zona onde viria a formar-se o Grand Canyon. Antes desse fenómeno, o rio fluía numa zona plana pouco acima do nível do mar. Após essa elevação, a ação do rio foi decisiva para a formação do vale do Grand Canyon. Explique de que forma essa elevação da crosta contribuiu tão decisivamente para a formação do Grand Canyon. Nuno Correia 2011/12 46
  • 48. Selecione a única alternativa que permite obter uma afirmação correta. As rochas que se encontram na base do Grand Canyon pertencem, possivelmente, a um escudo continental, porque este tipo de formação… A) é constituído, essencialmente, por rochas sedimentares. B) corresponde a zonas mais recentes do continente americano. C) é constituído por rochas intensamente metamorfizadas. D) corresponde a zonas de orogenia recente. Nuno Correia 2011/12 48
  • 49. Há cerca de 480 M.a., no período Ordovícico, ocorreu um recuo da linha de costa. Nessa altura, a região de Arouca, situada no bordo norte de um supercontinente, sofreu intensa sedimentação detrítica. A contínua subida do nível médio da água do mar levou à deposição de materiais cada vez mais finos, o que favoreceu a fossilização de muitos seres vivos, tais como as Trilobites e os Graptólitos. Estes seres viviam em ambientes marinhos, não se conhecendo, nessa altura, nem plantas nem animais em ambientes terrestres. Durante o Devónico, ocorreram uma progressiva descida do nível médio da água do mar – regressão marinha – e a consequente deposição de materiais mais grosseiros. Esta regressão marinha deveu-se, em parte, ao movimento das placas tectónicas, que provocou deformações nos materiais, originando uma importante cadeia montanhosa da qual o anticlinal de Valongo é, hoje, uma reminiscência. No final do Carbónico, há 300 M.a., a meteorização e a erosão das vertentes da bacia carbonífera originaram a deposição de materiais que conduziram, posteriormente, à formação de xistos com fósseis de plantas, intercalados com arenitos, e de um espesso conglomerado. O dobramento sofrido por estas rochas terá resultado da reunião dos vários continentes então existentes, que terá dado origem ao supercontinente Pangea, há cerca de 250 M.a. Este processo terá sido responsável pela instalação dos granitos desta região e pela extinção das Trilobites à escala global. Nuno Correia 2011/12 49
  • 68. O granito de Lamares apresenta uma densa rede de fissuras interligadas, o que permite a circulação de água com sais dissolvidos. Explique de que modo as duas condições anteriores permitem explicar o elevado grau de alteração física do granito de Lamares, nas condições climáticas atuais. Nuno Correia 2011/12 68
  • 70. Explique de que modo a deriva continental pode ter contribuído para a diversificação das formas de vida na Terra. Nuno Correia 2011/12 70
  • 71. Há cerca de 2 milhões de anos, no início de uma época chamada Pleistocénico (no Cenozoico), ocorreu uma diminuição acentuada da temperatura média à superfície da Terra, desencadeando uma era glaciar. Mesmo antes de ter sido reconhecida a sua extensão a todo o Globo, já se defendia a ideia da ocorrência alternada de avanços e de recuos do gelo sobre os continentes. Em épocas anteriores, o clima manteve-se, uniformemente, mais ameno. No entanto, há registos de glaciações generalizadas a todo o Globo, durante a era Paleozoica. De acordo com o registo geológico, a ocorrência de eras glaciares é um fenómeno raro na história do planeta. Nuno Correia 2011/12 71
  • 74. . Faça corresponder a cada uma das letras (de A a E), que identificam afirmações relativas à estratigrafia, o número (de I a VIII) da chave que assinala o princípio ou conceito geológico em que elas se baseiam. Afirmações Numa sequência não deformada de estratos, aqueles que se encontram no topo são os mais recentes. Permite identificar o período durante o qual se formou um único estrato, independentemente da comparação com outras sequências fossilíferas da região. A ocorrência de balastros graníticos no seio de sedimentos marinhos mostra que estes são posteriores à formação do granito. Torna possível a identificação das idades relativas entre um filão e as rochas que este atravessa. Permite caracterizar as condições físicas e/ou químicas do ambiente em que ocorreu a deposição. Chave I – Princípio da inclusão V – Princípio da continuidade lateral II – Princípio da sobreposição VI – Fóssil de fácies III - Princípio da horizontalidade inicial VII– Fóssil indicador de idade IV – Princípio da identidade paleontológica VIII – Princípio da interseção Nuno Correia 2011/12 74