SlideShare uma empresa Scribd logo
Grupo I 
O diagrama da Figura 1 representa, de forma esquemática, estruturas e 
processos que caracterizam diferentes tipos de ciclos de vida 
1.1. Seleccione a alternativa que preenche os espaços na frase seguinte, de 
modo a obter uma afirmação correcta. 
O ciclo C representa um ciclo de vida___, porque a meiose é___ . 
(A) diplonte (...) pós-zigótica. 
(B) diplonte (...) pré-gamética. 
(C) haplonte (...) pós-zigótica. 
(D) haplonte (...) pré-gamética. 
ANO LECTIVO 2014 / 
2015 
FICHA DE AVALIAÇÃO DE BIOLOGIA/GEOLOGIA 11.º ANO 
Nome: 
___________________________________________________________________ 
Ano / Turma : ______ N.º: _____ Data: ___ / ____ / 
_______ 
Avaliação 
____________________________ 
O Professor 
__________________ 
Enc. de Educação 
___________________
1.2. Seleccione a alternativa que completa a frase seguinte, de modo a obter uma afirmação correcta. No ciclo de vida B, a entidade multicelular adulta desenvolve-se a partir de. 
(A) . uma célula haplóide. 
(B) . uma célula diplóide. 
(C) . um zigoto. 
(D) . um gâmeta. 
2. A reprodução sexuada caracteriza-se pela ocorrência de fecundação e meiose. Relacione a ocorrência desses dois processos no ciclo reprodutivo de qualquer espécie com a manutenção do número de cromossomas que caracteriza essa espécie. 
Grupo II 
Crepis sancta é uma planta herbácea espontânea que cresce frequentemente nos canteiros dos passeios, ambiente urbano com populações fragmentadas, muito distinto do ambiente campestre com populações não fragmentadas, de onde esta espécie é originária. 
Foi observado que, uma vez instaladas, as populações urbanas de Crepis sancta passam a reproduzir-se essencialmente por autofecundação, dado que existem poucos insectos no ambiente urbano. 
Esta espécie produz dois tipos de sementes: umas pequenas e plumosas, que se disseminam pelo vento, e outras maiores e pesadas, que caem junto da planta-mãe. 
Durante o processo de dispersão, todas as plantas perdem estruturas de propagação, que se disseminam para locais onde não originam descendentes (custo de dispersão). 
No sentido de compreender melhor o modo como as populações de Crepis sancta se adaptam aos ambientes alterados pela urbanização crescente, foram efectuados estudos sobre os seus processos de reprodução (Estudo I) e de dispersão (Estudo II). 
ESTUDO I 
Foram cultivados em estufa, separadamente e em condições semelhantes, grupos de plantas urbanas e de plantas campestres. 
Verificou-se que, nestas condições, nenhum dos grupos recorreu à autofecundação. 
Concluiu-se, assim, não ter havido uma evolução do processo reprodutivo ao nível da fecundação porque a predominância de autofecundação não foi conservada de uma geração para outra.
ESTUDO II 
Foi demonstrado que, nos canteiros urbanos, as sementes leves têm menos 55% de possibilidades de germinarem, uma vez que caem sobre um substrato (alcatrão, cimento) que não lhes permite a germinação. Foram cultivados em estufa, separadamente e em condições semelhantes, grupos de plantas com origem nos dois tipos de populações (urbanas e campestres) que, no período de floração, foram polinizadas por um insecto, Bombus terrestris. 
Verificou-se que as plantas dos canteiros urbanos produziram um número de sementes pesadas significativamente maior. 
Estimou-se, usando um método adequado, que as alterações verificadas nas populações urbanas se instalaram num prazo curto, de 5 a 12 gerações de selecção. 
Concluiu-se que, nas populações urbanas, o elevado custo de dispersão provocou uma adaptação no sentido da produção de um maior número de sementes pesadas, diminuindo a sua dispersão. 
1. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F), cada uma das afirmações seguintes, relativas aos estudos efectuados com Crepis sancta. 
(A) A quantificação das sementes de plantas urbanas e campestres foi feita em ambiente controlado. 
(B) Em ambiente urbano, as sementes plumosas permitem maior sucesso reprodutivo. 
(C) A produção de um maior número de sementes pesadas é resultado de um processo evolutivo. 
(D) Em ambiente urbano, as sementes pesadas permitem maior taxa de germinação. 
(E) A variabilidade genética dentro da população de cada canteiro aumenta em poucas gerações. 
(F) A polinização cruzada é a estratégia reprodutiva predominante em ambiente urbano. 
(G) Em ambiente campestre, o substrato permite a germinação dos dois tipos de sementes. 
2. A estratégia de sobrevivência em ambiente urbano resultou do elevado custo de dispersão. Seleccione a alternativa que completa a frase seguinte, de modo a obter uma afirmação correcta. 
Nos estudos efectuados, o cultivo em estufa permitiu aproximar as condições experimentais das condições do ambiente campestre, porque foi... 
(A) .. aumentado o custo de dispersão. 
(B) .. cultivada uma população fragmentada. 
(C) .. estimulada a autofecundação. 
(D) ... utilizado um insecto polinizador.
3. Seleccione a alternativa que preenche os espaços na frase seguinte, de modo a obter uma afirmação correcta. 
O estudo II permite concluir, pela quantificação das sementes produzidas, que o meio______seleccionou plantas com_____capacidade de dispersão. 
(A) urbano (...) maior 
(B) campestre (...) maior 
(C) urbano (...) menor 
(D) campestre (...) menor 
4. A tendência evolutiva para o aumento de produção de sementes pesadas tem permitido a sobrevivência das populações urbanas de Crepis sancta, mas pode conduzir ao desaparecimento destas populações. Explique esta aparente contradição. 
GRUPO III 
1. Nas últimas décadas, muitas bactérias patogênicas de transmissão alimentar têm mostrado resistência aos antibióticos atualmente disponíveis, relançando a necessidade de pesquisar novas moléculas dotadas de atividade antimicrobiana. 
Nos Açores, devido à sua natureza vulcânica, ocorrem numerosos habitats terrestres extremos - como as grutas lávicas e as fumarolas - que albergam comunidades microbianas únicas. Nas grutas lávicas, as comunidades bacterianas sésseis (ao contrário das planctónicas, que vivem dispersas no meio aquático) aderem a superfícies sólidas, produzindo redes gelatinosas que as imobilizam e protegem - os biofilmes. 
A investigação a seguir apresentada pretendeu pesquisar a atividade antimicrobiana de culturas bacterianas isoladas de biofilmes de grutas lávicas (GBO e GTM) e de amostras de solo de fumarolas (P) - isolados -, face a bactérias patogênicas transmitidas pelos alimentos - microrganismos indicadores -, por meio de dois métodos: o ensaio de inoculação cruzada de culturas em agar (ensaio 1, que permitiu o estudo da atividade antimicrobiana de trinta isolados em agar contra oito microrganismos indicadores) e o ensaio de difusão em agar de culturas do isolado GTM1B2
crescido em diferentes meios de cultura líquidos (ensaio 2, que permitiu o estudo da atividade antimicrobiana do isolado GTM1B2 em diferentes meios de cultura líquidos contra oito microrganismos indicadores). 
1. Na resposta a cada um dos itens de 1. a 5., selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta. Escreva, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção escolhida 
Relativamente à atividade antimicrobiana das amostras testadas no ensaio 1 (Gráfico 1), a análise dos resultados da investigação permite afirmar que 
(A) os isolados das fumarolas inibiram, pelo menos, sete dos indicadores. 
(B) os isolados GTM inibiram, pelo menos, um dos indicadores. 
(C) os isolados das grutas lávicas inibiram, pelo menos, cinco dos indicadores. 
(D) os isolados GBO inibiram, pelo menos, um dos indicadores
2. Como controlo do ensaio 2, colocou-se em cada um dos poços 
(A) um dos meios de cultura líquidos, inoculado com o isolado em estudo. 
(B) apenas o microrganismo indicador em estudo. 
(C) um dos meios de cultura líquidos, sem o isolado em estudo. 
(D) apenas o isolado em estudo. 
3. Relativamente à atividade antimicrobiana do isolado GTM1B2 e de acordo com os dados obtidos no ensaio 2 (Gráfico 2), é correto afirmar que 
(A) os meios de cultura líquidos utilizados limitam a atividade antimicrobiana do isolado contra microrganismos do género Listeria. 
(B) o meio ½R2B é limitante para a atividade antimicrobiana do isolado contra Proteus sp. 
(C) o meio NtB é limitante para a atividade antimicrobiana do isolado contra Escherichia coli. 
(D) os meios de cultura líquidos utilizados limitam a atividade antimicrobiana do isolado contra ambas as estirpes de Staphylococcus aureus.
4. Quanto à fonte de carbono e ao modo de obtenção de energia, as bactérias patogénicas que contaminam os alimentos classificam-se, respetivamente, como seres 
(A) autotróficos e fotossintéticos. 
(B) heterotróficos e quimiossintéticos. 
(C) fotossintéticos e autotróficos. 
(D) quimiossintéticos e heterotróficos. 
5. A comparação de sequências de genes de seres vivos pode contribuir para a reconstrução de relações filogenéticas, que se constituem como argumentos 
(A) bioquímicos, de acordo com o darwinismo. 
(B) bioquímicos, de acordo com o neodarwinismo. 
(C) citológicos, de acordo com o darwinismo. 
(D) citológicos, de acordo com o neodarwinismo. 
6. Nos ecossistemas das grandes profundidades ligados a fontes hidrotermais, a produção primária é assegurada por bactérias que obtêm a energia necessária para a síntese de matéria orgânica a partir da oxidação de sulfuretos, tais como o H2S ou o HS-, provenientes, na sua maioria, dos gases vulcânicos que emanam das fontes hidrotermais. 
6.1. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos relacionados com a obtenção de matéria orgânica pelas bactérias a partir da captação de sulfuretos. Escreva, na folha de respostas, apenas a sequência de letras. 
A. Produção de biomassa. 
B. Síntese de ATP. 
C. Redução do dióxido de carbono. 
D. Oxidação dos sulfuretos. 
E. Fixação do dióxido de carbono. 
7. Distinga a quimiossíntese da fotossíntese. 
Grupo IV 
A produção de biocombustíveis com recurso a culturas como a soja depende, em termos de produtividade, da ocupação exclusiva de grandes extensões de solo. As microalgas afiguram-se como uma alternativa para a produção de combustíveis, uma vez que têm a capacidade de duplicar a sua biomassa várias vezes por dia e de produzir, pelo menos, quinze vezes mais óleo por hectare do que as culturas alimentares concorrentes. 
Para otimizar os processos de produção e extração dos óleos, recorre-se ao aumento do teor lipídico, bloqueando as vias metabólicas responsáveis pela acumulação de compostos energéticos, como o amido, e à diminuição do catabolismo dos lípidos. O silenciamento por mutação de genes das vias metabólicas referidas ou a redução significativa da quantidade de mRNA desses mesmos genes também podem conduzir
a um aumento do teor lipídico celular. 
Após a extração dos óleos para a produção de biodiesel, os glúcidos (hidratos de carbono) existentes no bolo vegetal remanescente podem ser utilizados como substrato para a produção de etanol. O dióxido de carbono, resultante do processo de fermentação, pode, por sua vez, ser utilizado na produção de mais biomassa (microalgas), o que permite o funcionamento em sistema fechado e uma otimização de todo o processo bioenergético. 
Baseado em Tavares, J.E.B., «Cultivo de microalgas do género Botryococcus visando a produção de biodiesel», Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa, 2009 
Na resposta a cada um dos itens de 1. a 5., selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta. Escreva, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção escolhida. 
1. Os óleos de reserva existentes nas microalgas são biomoléculas constituídas por 
(A) aminoácidos. 
(B) monossacarídeos. 
(C) ácidos gordos e glicerol. 
(D) nucleótidos. 
2. Na fase não dependente directamente da luz, as moléculas necessárias para a produção de glúcidos e de óleos são 
(A) O2, NADPH, ATP. 
(B) CO2, H2O, ADP. 
(C) O2, H2O, ADP. 
(D) CO2, NADPH, ATP. 
3. A elevada taxa de reprodução das microalgas exige uma grande produção de 
(A) proteínas, o que implica o desenvolvimento do retículo endoplasmático rugoso. 
(B) glicoproteínas, o que implica o desenvolvimento da mitocôndria. 
(C) fosfolípidos, o que implica o desenvolvimento do retículo endoplasmático rugoso. 
(D) lípidos, o que implica o desenvolvimento da mitocôndria. 
4. A redução da quantidade do mRNA leva à diminuição da 
(A) transcrição da informação contida nos exões. 
(B) tradução da informação contida nos exões. 
(C) transcrição da informação contida nos intrões. 
(D) tradução da informação contida nos intrões.
GRUPO V 
Descobertas surpreendentes têm sido feitas sobre o papei cruciai da porção do material genético que não traz informação para a síntese de proteínas. Esse patinho feio' molecular, que constitui mais de 98% do genoma humano designado de D NA lixo, começa a ganhar a forma de ‘cisne, 
http://www.cienciamao.usp.br 
1. Classifica como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações relativas à molécula de DNA. 
[A] . As duas cadeias polinucleotídicas do DNA são antiparalelas. 
[B] . As duas cadeias do DNA estabelecem ligações covalentes entre bases azotadas 
complementares. 
[C] . Em cada molécula, a quantidade de nucleótidos de Adenina + nucleótidos de Citosina é idêntica 
à quantidade de nucleótidos de Timina + nucleótidos de Guanina. 
[D] . O seu grau de condensação é variável ao longo do ciclo celular. 
2. Uma porção de uma cadeia polipeptídica apresenta a seguinte sequência de aminoácidos: 
... - Serina - Lisina - Glicina - ... 
Na síntese desta porção intervieram os tRNA representados na figura . 
Indica a constituição do gene responsável pela sequência dos aminoácidos representada. Menciona todos os passos necessários e assinala o sentido da orientação das moléculas. 
3. Selecciona a única opção que permite obter uma afirmação correcta. 
Um mRNA pode ser lido sequencialmente por vários ribossomas. Este fenómeno permite... 
[A] . uma organização mais eficiente dos ribossomas no citoplasma. 
[B] . a formação de proteínas constituídas por várias cadeias polipeptídicas. 
[C] . a síntese de proteínas formadas por um elevado número de aminoácidos. 
[D] . a produção de várias proteínas iguais a partir de uma única molécula de RNA. 
4. Selecciona a alternativa que permite preencher os espaços e obter uma afirmação correcta. 
Durante o processo de replicação do DNA podem ocorrer alterações do material genético que não provocam efeito nos polipéptidos codificados. A ocorrência de mutações silenciosas pode explicar- se porque o código genético _______ uma vez que _____ . 
[A] . não é ambíguo ... vários tripletos podem codificar o mesmo aminoácido. 
[B] . não é ambíguo ... o mesmo tripleto pode codificar aminoácidos diferentes.
[C] . é redundante ... vários tripletos podem codificar o mesmo aminoácido. 
[D] . é redundante ... o mesmo tripleto pode codificar aminoácidos diferentes. 
5. As afirmações seguintes dizem respeito aos ácidos nucleicos das células eucarióticas. Selecciona a alternativa que as avalia correctamente. 
1. O DNA localiza-se unicamente no núcleo. 
2. O mRNA, o tRNA e o rRNA formam-se por complementaridade de bases a partir do DNA. 
3. O RNA é constituído por desoxirribonucleótidos organizados numa cadeia simples. 
[A] . 2 é verdadeira; 1 e 3 são falsas. 
[B] . 3 é verdadeira; 1 e 2 são falsas. 
[C] . 1 e 2 são verdadeiras; 3 é falsa 
[D] . 1 e 3 são verdadeiras; 2 é falsa 
6. A síntese de uma proteína é um processo complexo, preciso e extremamente rápido que envolve várias estruturas, como, por exemplo, a enzima RNA-polimerase. Explica por que razão a alteração do pH de uma célula pode levar à inibição da síntese proteica. 
7. Faz corresponder a cada um dos exemplos mencionados na coluna A, o respectivo conceito da reprodução sexuada nos animais referido na coluna B 
Coluna I 
[A] . Nos pinguins, o macho lança os espermatozóides na cloaca da fêmea. Os espermatozóides nadam em direcção aos óvulos, ocorrendo a fecundação próximo do ovário. 
[B] . Os machos dos pirilampos, durante o vôo, emitem sequências de clarões a que as fêmeas da mesma espécie respondem prontamente. 
[C] . No verme adulto da Fascíola hepática os seus espermatozóides fecundam os seus próprios óvulos. 
[D] . No veado, os machos apresentam um par de hastes na cabeça, o tórax mais forte e, na altura do acasalamento, o pescoço fica mais espesso devido aos pêlos muito compridos que aí se desenvolvem. 
[E] . A minhoca deposita um casulo cheio de ovos no solo do qual nascerão, mais tarde, pequeninas minhocas. 
Coluna II 
1. Hermafroditismo insuficiente 
2. Autofecundação 
3. Dimorfismo sexual 
4. Desenvolvimento directo do embrião 
5. Desenvolvimento indirecto do embrião 
6. Fecundação interna 
7. Fecundação externa 
8. Parada nupcial
Cotações 
Grupo II 
Questão 
Cotação 
II 
1 
14 
II 
2 
8 
II 
3 
8 
II 
4 
10 
Total-40 
Grupo 
Questão 
Cotação 
Grupo 
Questão 
Cotação 
Grupo 
Questão 
Cotação 
III 
1 
8 
IV 
1 
8 
V 
1 
8 
III 
2 
8 
IV 
2 
8 
V 
2 
10 
III 
3 
8 
IV 
3 
8 
V 
3 
8 
III 
4 
8 
IV 
4 
8 
V 
4 
8 
III 
5 
8 
V 
5 
8 
III 
6 
8 
V 
6 
10 
Total-40 
Total-32 
V 
7 
10 
Total-62 
Total final- 200 pontos 
FIM 
Grupo 
Questão 
Cotação 
I 
1.1 
8 
I 
1.2 
8 
I 
2 
10 
Total-26

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º anoTeste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º ano
José Luís Alves
 
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOSEXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
sandranascimento
 
ciclos de vida - exercicios
ciclos de vida - exerciciosciclos de vida - exercicios
ciclos de vida - exercicios
emanuelcarvalhal765
 
Biologia 11 preparação para exame 2
Biologia 11   preparação para exame 2Biologia 11   preparação para exame 2
Biologia 11 preparação para exame 2
Nuno Correia
 
Bg 11 ciclos de vida - gave
Bg 11   ciclos de vida - gaveBg 11   ciclos de vida - gave
Bg 11 ciclos de vida - gave
Nuno Correia
 
Preparação 1.º teste bio11
Preparação 1.º teste bio11Preparação 1.º teste bio11
Preparação 1.º teste bio11
emanuelcarvalhal765
 
Ciclos de vida - exercícios
Ciclos de vida - exercíciosCiclos de vida - exercícios
Ciclos de vida - exercícios
Ana Castro
 
Ciclos de vida - exercicios
Ciclos de vida - exerciciosCiclos de vida - exercicios
Ciclos de vida - exercicios
emanuelcarvalhal765
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)
Isaura Mourão
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Isaura Mourão
 
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Isaura Mourão
 
FT3 - REPRODUÇÃO SEXUADA
FT3 - REPRODUÇÃO SEXUADAFT3 - REPRODUÇÃO SEXUADA
FT3 - REPRODUÇÃO SEXUADA
sandranascimento
 
Prova seriado 2_ano_caderno_ii_segundo_dia
Prova seriado 2_ano_caderno_ii_segundo_diaProva seriado 2_ano_caderno_ii_segundo_dia
Prova seriado 2_ano_caderno_ii_segundo_dia
Isaquel Silva
 
Geologia e Biologia - Teste Intermédio 3
Geologia e Biologia - Teste Intermédio 3Geologia e Biologia - Teste Intermédio 3
Geologia e Biologia - Teste Intermédio 3
Isaura Mourão
 
Ciclos de vida
Ciclos de vidaCiclos de vida
Ciclos de vida
Sandra Fernandes
 
Teste diagnóstico 11_a
Teste diagnóstico 11_aTeste diagnóstico 11_a
Teste diagnóstico 11_a
Carina Rocha
 
11 BG Dez 09
11 BG Dez 0911 BG Dez 09
11 BG Dez 09
Ana Santos
 
Bg 11 ciclos de vida - aurelia aurita
Bg 11   ciclos de vida - aurelia auritaBg 11   ciclos de vida - aurelia aurita
Bg 11 ciclos de vida - aurelia aurita
Nuno Correia
 
Aula de correcção nr. 1
Aula de correcção nr. 1Aula de correcção nr. 1
Aula de correcção nr. 1
Nuno Correia
 
Lista de exercícios Tipos de reprodução
Lista de exercícios Tipos de reproduçãoLista de exercícios Tipos de reprodução
Lista de exercícios Tipos de reprodução
Andrea Barreto
 

Mais procurados (20)

Teste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º anoTeste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º ano
 
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOSEXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
 
ciclos de vida - exercicios
ciclos de vida - exerciciosciclos de vida - exercicios
ciclos de vida - exercicios
 
Biologia 11 preparação para exame 2
Biologia 11   preparação para exame 2Biologia 11   preparação para exame 2
Biologia 11 preparação para exame 2
 
Bg 11 ciclos de vida - gave
Bg 11   ciclos de vida - gaveBg 11   ciclos de vida - gave
Bg 11 ciclos de vida - gave
 
Preparação 1.º teste bio11
Preparação 1.º teste bio11Preparação 1.º teste bio11
Preparação 1.º teste bio11
 
Ciclos de vida - exercícios
Ciclos de vida - exercíciosCiclos de vida - exercícios
Ciclos de vida - exercícios
 
Ciclos de vida - exercicios
Ciclos de vida - exerciciosCiclos de vida - exercicios
Ciclos de vida - exercicios
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11 (correcção)
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
 
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
 
FT3 - REPRODUÇÃO SEXUADA
FT3 - REPRODUÇÃO SEXUADAFT3 - REPRODUÇÃO SEXUADA
FT3 - REPRODUÇÃO SEXUADA
 
Prova seriado 2_ano_caderno_ii_segundo_dia
Prova seriado 2_ano_caderno_ii_segundo_diaProva seriado 2_ano_caderno_ii_segundo_dia
Prova seriado 2_ano_caderno_ii_segundo_dia
 
Geologia e Biologia - Teste Intermédio 3
Geologia e Biologia - Teste Intermédio 3Geologia e Biologia - Teste Intermédio 3
Geologia e Biologia - Teste Intermédio 3
 
Ciclos de vida
Ciclos de vidaCiclos de vida
Ciclos de vida
 
Teste diagnóstico 11_a
Teste diagnóstico 11_aTeste diagnóstico 11_a
Teste diagnóstico 11_a
 
11 BG Dez 09
11 BG Dez 0911 BG Dez 09
11 BG Dez 09
 
Bg 11 ciclos de vida - aurelia aurita
Bg 11   ciclos de vida - aurelia auritaBg 11   ciclos de vida - aurelia aurita
Bg 11 ciclos de vida - aurelia aurita
 
Aula de correcção nr. 1
Aula de correcção nr. 1Aula de correcção nr. 1
Aula de correcção nr. 1
 
Lista de exercícios Tipos de reprodução
Lista de exercícios Tipos de reproduçãoLista de exercícios Tipos de reprodução
Lista de exercícios Tipos de reprodução
 

Destaque

B14 exercício de quimiossíntese
B14   exercício de quimiossínteseB14   exercício de quimiossíntese
B14 exercício de quimiossíntese
Nuno Correia
 
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
ecolealcamara
 
B12 exercícios
B12   exercíciosB12   exercícios
B12 exercícios
Nuno Correia
 
1 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v11 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v1
Estela Costa
 
Biologia 12º 3ºp -2013-2014 (2)
Biologia 12º  3ºp -2013-2014 (2)Biologia 12º  3ºp -2013-2014 (2)
Biologia 12º 3ºp -2013-2014 (2)
Estela Costa
 
M1 fev
M1 fevM1 fev
M1 fev
Estela Costa
 
Crucigrama 1
Crucigrama 1Crucigrama 1
Crucigrama 1
Estela Costa
 
Correção teste 1 9º ano
Correção teste 1 9º anoCorreção teste 1 9º ano
Correção teste 1 9º ano
Estela Costa
 
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 (1)
Teste 3  9 ano negrelos versão 1 (1)Teste 3  9 ano negrelos versão 1 (1)
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 (1)
Estela Costa
 
16 17 bg10_questão aula 2 ma
16 17 bg10_questão aula 2 ma16 17 bg10_questão aula 2 ma
16 17 bg10_questão aula 2 ma
Estela Costa
 
Correção teste 2 9 ano negrelos versão 2
Correção teste 2  9 ano negrelos versão 2Correção teste 2  9 ano negrelos versão 2
Correção teste 2 9 ano negrelos versão 2
Estela Costa
 
Cc bg10 teste 3 10 versão 1
Cc bg10 teste 3 10 versão 1Cc bg10 teste 3 10 versão 1
Cc bg10 teste 3 10 versão 1
Estela Costa
 
Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...
Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...
Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...
Estela Costa
 
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 cc
Teste 3  9 ano negrelos versão 1 ccTeste 3  9 ano negrelos versão 1 cc
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 cc
Estela Costa
 
Teste 2 9 ano negrelos versão 2
Teste 2  9 ano negrelos versão 2Teste 2  9 ano negrelos versão 2
Teste 2 9 ano negrelos versão 2
Estela Costa
 
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperaçãoTeste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Estela Costa
 
Teste 1 9 ano negrelos versão 2
Teste 1  9 ano negrelos versão 2Teste 1  9 ano negrelos versão 2
Teste 1 9 ano negrelos versão 2
Estela Costa
 
M 1fev
M 1fevM 1fev
M 1fev
Estela Costa
 
Teste geologia versão i
Teste geologia versão iTeste geologia versão i
Teste geologia versão i
Estela Costa
 
Teste 11 c de 15 maio versão 1
Teste 11 c de 15 maio versão 1Teste 11 c de 15 maio versão 1
Teste 11 c de 15 maio versão 1
Estela Costa
 

Destaque (20)

B14 exercício de quimiossíntese
B14   exercício de quimiossínteseB14   exercício de quimiossíntese
B14 exercício de quimiossíntese
 
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
 
B12 exercícios
B12   exercíciosB12   exercícios
B12 exercícios
 
1 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v11 q aula_10_a_v1
1 q aula_10_a_v1
 
Biologia 12º 3ºp -2013-2014 (2)
Biologia 12º  3ºp -2013-2014 (2)Biologia 12º  3ºp -2013-2014 (2)
Biologia 12º 3ºp -2013-2014 (2)
 
M1 fev
M1 fevM1 fev
M1 fev
 
Crucigrama 1
Crucigrama 1Crucigrama 1
Crucigrama 1
 
Correção teste 1 9º ano
Correção teste 1 9º anoCorreção teste 1 9º ano
Correção teste 1 9º ano
 
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 (1)
Teste 3  9 ano negrelos versão 1 (1)Teste 3  9 ano negrelos versão 1 (1)
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 (1)
 
16 17 bg10_questão aula 2 ma
16 17 bg10_questão aula 2 ma16 17 bg10_questão aula 2 ma
16 17 bg10_questão aula 2 ma
 
Correção teste 2 9 ano negrelos versão 2
Correção teste 2  9 ano negrelos versão 2Correção teste 2  9 ano negrelos versão 2
Correção teste 2 9 ano negrelos versão 2
 
Cc bg10 teste 3 10 versão 1
Cc bg10 teste 3 10 versão 1Cc bg10 teste 3 10 versão 1
Cc bg10 teste 3 10 versão 1
 
Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...
Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...
Resoluçao dos exercícios da página 40,41,42 e 43 do nono ano de ciencias natu...
 
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 cc
Teste 3  9 ano negrelos versão 1 ccTeste 3  9 ano negrelos versão 1 cc
Teste 3 9 ano negrelos versão 1 cc
 
Teste 2 9 ano negrelos versão 2
Teste 2  9 ano negrelos versão 2Teste 2  9 ano negrelos versão 2
Teste 2 9 ano negrelos versão 2
 
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperaçãoTeste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
 
Teste 1 9 ano negrelos versão 2
Teste 1  9 ano negrelos versão 2Teste 1  9 ano negrelos versão 2
Teste 1 9 ano negrelos versão 2
 
M 1fev
M 1fevM 1fev
M 1fev
 
Teste geologia versão i
Teste geologia versão iTeste geologia versão i
Teste geologia versão i
 
Teste 11 c de 15 maio versão 1
Teste 11 c de 15 maio versão 1Teste 11 c de 15 maio versão 1
Teste 11 c de 15 maio versão 1
 

Semelhante a Ficha avaliação 2 11c

Exercicios algas e briofitas
Exercicios algas e briofitasExercicios algas e briofitas
Exercicios algas e briofitas
Grupo UNIASSELVI
 
Em atual ciencias_da_natureza_e_suas_tecnologias_final
Em atual ciencias_da_natureza_e_suas_tecnologias_finalEm atual ciencias_da_natureza_e_suas_tecnologias_final
Em atual ciencias_da_natureza_e_suas_tecnologias_final
Atividades Diversas Cláudia
 
Ficha de trabalho 6
Ficha de trabalho 6Ficha de trabalho 6
Ficha de trabalho 6
joseeira
 
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdfAulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
osiasmartinsmagalhes
 
material-didatico-4a-revisao-pre-enem-livepdf.pdf
material-didatico-4a-revisao-pre-enem-livepdf.pdfmaterial-didatico-4a-revisao-pre-enem-livepdf.pdf
material-didatico-4a-revisao-pre-enem-livepdf.pdf
RobertaMartins107161
 
Enem 2015
Enem 2015 Enem 2015
Enem 2015
Magali Feldmann
 
Ficha de trabalho 5
Ficha de trabalho 5Ficha de trabalho 5
Ficha de trabalho 5
joseeira
 
Exercicios biologia pteridófitas
Exercicios biologia pteridófitasExercicios biologia pteridófitas
Exercicios biologia pteridófitas
Grupo UNIASSELVI
 
Prv respondida 3_ele_nov_2011_turma_a
Prv respondida 3_ele_nov_2011_turma_aPrv respondida 3_ele_nov_2011_turma_a
Prv respondida 3_ele_nov_2011_turma_a
Ionara Urrutia Moura
 
Botanica
BotanicaBotanica
Botanica
Fabio Dias
 
Relacoes ecologicas-exercicios
Relacoes ecologicas-exerciciosRelacoes ecologicas-exercicios
Relacoes ecologicas-exercicios
Rafaella Carvalho
 
Prova de avaliação pratica
Prova de avaliação praticaProva de avaliação pratica
Prova de avaliação pratica
emanuelcarvalhal765
 
2003
20032003
2003
naoutu
 
38347187 relacoes-ecologicas-exercicios
38347187 relacoes-ecologicas-exercicios38347187 relacoes-ecologicas-exercicios
38347187 relacoes-ecologicas-exercicios
Lina Magalhaes
 
BIO UNO 550 páginas.pdf
BIO UNO 550 páginas.pdfBIO UNO 550 páginas.pdf
BIO UNO 550 páginas.pdf
ZeineSoares
 
Questc3b5es de-biologia-em-1c2b0-ano
Questc3b5es de-biologia-em-1c2b0-anoQuestc3b5es de-biologia-em-1c2b0-ano
Questc3b5es de-biologia-em-1c2b0-ano
Rondiney Rodrigues
 
Simulado prova-goic3a1s-8c2ba-ano-cic3aancias
Simulado prova-goic3a1s-8c2ba-ano-cic3aanciasSimulado prova-goic3a1s-8c2ba-ano-cic3aancias
Simulado prova-goic3a1s-8c2ba-ano-cic3aancias
Atividades Diversas Cláudia
 
Enem - bingo.pptx
Enem - bingo.pptxEnem - bingo.pptx
Enem - bingo.pptx
MoniseGalvo1
 
AULÃO+ENEM+2021+-+Biologia+com+Samuel+Cunha (1).pdf
AULÃO+ENEM+2021+-+Biologia+com+Samuel+Cunha (1).pdfAULÃO+ENEM+2021+-+Biologia+com+Samuel+Cunha (1).pdf
AULÃO+ENEM+2021+-+Biologia+com+Samuel+Cunha (1).pdf
DouglasLima856606
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
BriefCase
 

Semelhante a Ficha avaliação 2 11c (20)

Exercicios algas e briofitas
Exercicios algas e briofitasExercicios algas e briofitas
Exercicios algas e briofitas
 
Em atual ciencias_da_natureza_e_suas_tecnologias_final
Em atual ciencias_da_natureza_e_suas_tecnologias_finalEm atual ciencias_da_natureza_e_suas_tecnologias_final
Em atual ciencias_da_natureza_e_suas_tecnologias_final
 
Ficha de trabalho 6
Ficha de trabalho 6Ficha de trabalho 6
Ficha de trabalho 6
 
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdfAulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
 
material-didatico-4a-revisao-pre-enem-livepdf.pdf
material-didatico-4a-revisao-pre-enem-livepdf.pdfmaterial-didatico-4a-revisao-pre-enem-livepdf.pdf
material-didatico-4a-revisao-pre-enem-livepdf.pdf
 
Enem 2015
Enem 2015 Enem 2015
Enem 2015
 
Ficha de trabalho 5
Ficha de trabalho 5Ficha de trabalho 5
Ficha de trabalho 5
 
Exercicios biologia pteridófitas
Exercicios biologia pteridófitasExercicios biologia pteridófitas
Exercicios biologia pteridófitas
 
Prv respondida 3_ele_nov_2011_turma_a
Prv respondida 3_ele_nov_2011_turma_aPrv respondida 3_ele_nov_2011_turma_a
Prv respondida 3_ele_nov_2011_turma_a
 
Botanica
BotanicaBotanica
Botanica
 
Relacoes ecologicas-exercicios
Relacoes ecologicas-exerciciosRelacoes ecologicas-exercicios
Relacoes ecologicas-exercicios
 
Prova de avaliação pratica
Prova de avaliação praticaProva de avaliação pratica
Prova de avaliação pratica
 
2003
20032003
2003
 
38347187 relacoes-ecologicas-exercicios
38347187 relacoes-ecologicas-exercicios38347187 relacoes-ecologicas-exercicios
38347187 relacoes-ecologicas-exercicios
 
BIO UNO 550 páginas.pdf
BIO UNO 550 páginas.pdfBIO UNO 550 páginas.pdf
BIO UNO 550 páginas.pdf
 
Questc3b5es de-biologia-em-1c2b0-ano
Questc3b5es de-biologia-em-1c2b0-anoQuestc3b5es de-biologia-em-1c2b0-ano
Questc3b5es de-biologia-em-1c2b0-ano
 
Simulado prova-goic3a1s-8c2ba-ano-cic3aancias
Simulado prova-goic3a1s-8c2ba-ano-cic3aanciasSimulado prova-goic3a1s-8c2ba-ano-cic3aancias
Simulado prova-goic3a1s-8c2ba-ano-cic3aancias
 
Enem - bingo.pptx
Enem - bingo.pptxEnem - bingo.pptx
Enem - bingo.pptx
 
AULÃO+ENEM+2021+-+Biologia+com+Samuel+Cunha (1).pdf
AULÃO+ENEM+2021+-+Biologia+com+Samuel+Cunha (1).pdfAULÃO+ENEM+2021+-+Biologia+com+Samuel+Cunha (1).pdf
AULÃO+ENEM+2021+-+Biologia+com+Samuel+Cunha (1).pdf
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
 

Mais de Estela Costa

Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Estela Costa
 
As 10 imuno
As 10 imunoAs 10 imuno
As 10 imuno
Estela Costa
 
Cc teste 3 9 23 fev
Cc teste 3 9 23 fevCc teste 3 9 23 fev
Cc teste 3 9 23 fev
Estela Costa
 
Postura corporal texto editora
Postura corporal texto editoraPostura corporal texto editora
Postura corporal texto editora
Estela Costa
 
Trabalho de grupo
Trabalho de grupoTrabalho de grupo
Trabalho de grupo
Estela Costa
 
Teste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revistoTeste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revisto
Estela Costa
 
Qa 1 bg 11 sistema neuro hormonal
Qa 1 bg 11 sistema neuro hormonalQa 1 bg 11 sistema neuro hormonal
Qa 1 bg 11 sistema neuro hormonal
Estela Costa
 
17 hered sex-exerc-sol
17 hered sex-exerc-sol17 hered sex-exerc-sol
17 hered sex-exerc-sol
Estela Costa
 
M3 fev
M3 fevM3 fev
M3 fev
Estela Costa
 
M2 fev
M2 fevM2 fev
M2 fev
Estela Costa
 
Estudar analises
Estudar analisesEstudar analises
Estudar analises
Estela Costa
 
5 t 11_abc_2014_15estela versão 1
5 t 11_abc_2014_15estela versão 15 t 11_abc_2014_15estela versão 1
5 t 11_abc_2014_15estela versão 1
Estela Costa
 
Planificação aulas presse
Planificação aulas pressePlanificação aulas presse
Planificação aulas presse
Estela Costa
 
Milimetrado dilog-monolog
Milimetrado dilog-monologMilimetrado dilog-monolog
Milimetrado dilog-monolog
Estela Costa
 

Mais de Estela Costa (14)

Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
As 10 imuno
As 10 imunoAs 10 imuno
As 10 imuno
 
Cc teste 3 9 23 fev
Cc teste 3 9 23 fevCc teste 3 9 23 fev
Cc teste 3 9 23 fev
 
Postura corporal texto editora
Postura corporal texto editoraPostura corporal texto editora
Postura corporal texto editora
 
Trabalho de grupo
Trabalho de grupoTrabalho de grupo
Trabalho de grupo
 
Teste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revistoTeste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revisto
 
Qa 1 bg 11 sistema neuro hormonal
Qa 1 bg 11 sistema neuro hormonalQa 1 bg 11 sistema neuro hormonal
Qa 1 bg 11 sistema neuro hormonal
 
17 hered sex-exerc-sol
17 hered sex-exerc-sol17 hered sex-exerc-sol
17 hered sex-exerc-sol
 
M3 fev
M3 fevM3 fev
M3 fev
 
M2 fev
M2 fevM2 fev
M2 fev
 
Estudar analises
Estudar analisesEstudar analises
Estudar analises
 
5 t 11_abc_2014_15estela versão 1
5 t 11_abc_2014_15estela versão 15 t 11_abc_2014_15estela versão 1
5 t 11_abc_2014_15estela versão 1
 
Planificação aulas presse
Planificação aulas pressePlanificação aulas presse
Planificação aulas presse
 
Milimetrado dilog-monolog
Milimetrado dilog-monologMilimetrado dilog-monolog
Milimetrado dilog-monolog
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 

Ficha avaliação 2 11c

  • 1. Grupo I O diagrama da Figura 1 representa, de forma esquemática, estruturas e processos que caracterizam diferentes tipos de ciclos de vida 1.1. Seleccione a alternativa que preenche os espaços na frase seguinte, de modo a obter uma afirmação correcta. O ciclo C representa um ciclo de vida___, porque a meiose é___ . (A) diplonte (...) pós-zigótica. (B) diplonte (...) pré-gamética. (C) haplonte (...) pós-zigótica. (D) haplonte (...) pré-gamética. ANO LECTIVO 2014 / 2015 FICHA DE AVALIAÇÃO DE BIOLOGIA/GEOLOGIA 11.º ANO Nome: ___________________________________________________________________ Ano / Turma : ______ N.º: _____ Data: ___ / ____ / _______ Avaliação ____________________________ O Professor __________________ Enc. de Educação ___________________
  • 2. 1.2. Seleccione a alternativa que completa a frase seguinte, de modo a obter uma afirmação correcta. No ciclo de vida B, a entidade multicelular adulta desenvolve-se a partir de. (A) . uma célula haplóide. (B) . uma célula diplóide. (C) . um zigoto. (D) . um gâmeta. 2. A reprodução sexuada caracteriza-se pela ocorrência de fecundação e meiose. Relacione a ocorrência desses dois processos no ciclo reprodutivo de qualquer espécie com a manutenção do número de cromossomas que caracteriza essa espécie. Grupo II Crepis sancta é uma planta herbácea espontânea que cresce frequentemente nos canteiros dos passeios, ambiente urbano com populações fragmentadas, muito distinto do ambiente campestre com populações não fragmentadas, de onde esta espécie é originária. Foi observado que, uma vez instaladas, as populações urbanas de Crepis sancta passam a reproduzir-se essencialmente por autofecundação, dado que existem poucos insectos no ambiente urbano. Esta espécie produz dois tipos de sementes: umas pequenas e plumosas, que se disseminam pelo vento, e outras maiores e pesadas, que caem junto da planta-mãe. Durante o processo de dispersão, todas as plantas perdem estruturas de propagação, que se disseminam para locais onde não originam descendentes (custo de dispersão). No sentido de compreender melhor o modo como as populações de Crepis sancta se adaptam aos ambientes alterados pela urbanização crescente, foram efectuados estudos sobre os seus processos de reprodução (Estudo I) e de dispersão (Estudo II). ESTUDO I Foram cultivados em estufa, separadamente e em condições semelhantes, grupos de plantas urbanas e de plantas campestres. Verificou-se que, nestas condições, nenhum dos grupos recorreu à autofecundação. Concluiu-se, assim, não ter havido uma evolução do processo reprodutivo ao nível da fecundação porque a predominância de autofecundação não foi conservada de uma geração para outra.
  • 3. ESTUDO II Foi demonstrado que, nos canteiros urbanos, as sementes leves têm menos 55% de possibilidades de germinarem, uma vez que caem sobre um substrato (alcatrão, cimento) que não lhes permite a germinação. Foram cultivados em estufa, separadamente e em condições semelhantes, grupos de plantas com origem nos dois tipos de populações (urbanas e campestres) que, no período de floração, foram polinizadas por um insecto, Bombus terrestris. Verificou-se que as plantas dos canteiros urbanos produziram um número de sementes pesadas significativamente maior. Estimou-se, usando um método adequado, que as alterações verificadas nas populações urbanas se instalaram num prazo curto, de 5 a 12 gerações de selecção. Concluiu-se que, nas populações urbanas, o elevado custo de dispersão provocou uma adaptação no sentido da produção de um maior número de sementes pesadas, diminuindo a sua dispersão. 1. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F), cada uma das afirmações seguintes, relativas aos estudos efectuados com Crepis sancta. (A) A quantificação das sementes de plantas urbanas e campestres foi feita em ambiente controlado. (B) Em ambiente urbano, as sementes plumosas permitem maior sucesso reprodutivo. (C) A produção de um maior número de sementes pesadas é resultado de um processo evolutivo. (D) Em ambiente urbano, as sementes pesadas permitem maior taxa de germinação. (E) A variabilidade genética dentro da população de cada canteiro aumenta em poucas gerações. (F) A polinização cruzada é a estratégia reprodutiva predominante em ambiente urbano. (G) Em ambiente campestre, o substrato permite a germinação dos dois tipos de sementes. 2. A estratégia de sobrevivência em ambiente urbano resultou do elevado custo de dispersão. Seleccione a alternativa que completa a frase seguinte, de modo a obter uma afirmação correcta. Nos estudos efectuados, o cultivo em estufa permitiu aproximar as condições experimentais das condições do ambiente campestre, porque foi... (A) .. aumentado o custo de dispersão. (B) .. cultivada uma população fragmentada. (C) .. estimulada a autofecundação. (D) ... utilizado um insecto polinizador.
  • 4. 3. Seleccione a alternativa que preenche os espaços na frase seguinte, de modo a obter uma afirmação correcta. O estudo II permite concluir, pela quantificação das sementes produzidas, que o meio______seleccionou plantas com_____capacidade de dispersão. (A) urbano (...) maior (B) campestre (...) maior (C) urbano (...) menor (D) campestre (...) menor 4. A tendência evolutiva para o aumento de produção de sementes pesadas tem permitido a sobrevivência das populações urbanas de Crepis sancta, mas pode conduzir ao desaparecimento destas populações. Explique esta aparente contradição. GRUPO III 1. Nas últimas décadas, muitas bactérias patogênicas de transmissão alimentar têm mostrado resistência aos antibióticos atualmente disponíveis, relançando a necessidade de pesquisar novas moléculas dotadas de atividade antimicrobiana. Nos Açores, devido à sua natureza vulcânica, ocorrem numerosos habitats terrestres extremos - como as grutas lávicas e as fumarolas - que albergam comunidades microbianas únicas. Nas grutas lávicas, as comunidades bacterianas sésseis (ao contrário das planctónicas, que vivem dispersas no meio aquático) aderem a superfícies sólidas, produzindo redes gelatinosas que as imobilizam e protegem - os biofilmes. A investigação a seguir apresentada pretendeu pesquisar a atividade antimicrobiana de culturas bacterianas isoladas de biofilmes de grutas lávicas (GBO e GTM) e de amostras de solo de fumarolas (P) - isolados -, face a bactérias patogênicas transmitidas pelos alimentos - microrganismos indicadores -, por meio de dois métodos: o ensaio de inoculação cruzada de culturas em agar (ensaio 1, que permitiu o estudo da atividade antimicrobiana de trinta isolados em agar contra oito microrganismos indicadores) e o ensaio de difusão em agar de culturas do isolado GTM1B2
  • 5. crescido em diferentes meios de cultura líquidos (ensaio 2, que permitiu o estudo da atividade antimicrobiana do isolado GTM1B2 em diferentes meios de cultura líquidos contra oito microrganismos indicadores). 1. Na resposta a cada um dos itens de 1. a 5., selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta. Escreva, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção escolhida Relativamente à atividade antimicrobiana das amostras testadas no ensaio 1 (Gráfico 1), a análise dos resultados da investigação permite afirmar que (A) os isolados das fumarolas inibiram, pelo menos, sete dos indicadores. (B) os isolados GTM inibiram, pelo menos, um dos indicadores. (C) os isolados das grutas lávicas inibiram, pelo menos, cinco dos indicadores. (D) os isolados GBO inibiram, pelo menos, um dos indicadores
  • 6. 2. Como controlo do ensaio 2, colocou-se em cada um dos poços (A) um dos meios de cultura líquidos, inoculado com o isolado em estudo. (B) apenas o microrganismo indicador em estudo. (C) um dos meios de cultura líquidos, sem o isolado em estudo. (D) apenas o isolado em estudo. 3. Relativamente à atividade antimicrobiana do isolado GTM1B2 e de acordo com os dados obtidos no ensaio 2 (Gráfico 2), é correto afirmar que (A) os meios de cultura líquidos utilizados limitam a atividade antimicrobiana do isolado contra microrganismos do género Listeria. (B) o meio ½R2B é limitante para a atividade antimicrobiana do isolado contra Proteus sp. (C) o meio NtB é limitante para a atividade antimicrobiana do isolado contra Escherichia coli. (D) os meios de cultura líquidos utilizados limitam a atividade antimicrobiana do isolado contra ambas as estirpes de Staphylococcus aureus.
  • 7. 4. Quanto à fonte de carbono e ao modo de obtenção de energia, as bactérias patogénicas que contaminam os alimentos classificam-se, respetivamente, como seres (A) autotróficos e fotossintéticos. (B) heterotróficos e quimiossintéticos. (C) fotossintéticos e autotróficos. (D) quimiossintéticos e heterotróficos. 5. A comparação de sequências de genes de seres vivos pode contribuir para a reconstrução de relações filogenéticas, que se constituem como argumentos (A) bioquímicos, de acordo com o darwinismo. (B) bioquímicos, de acordo com o neodarwinismo. (C) citológicos, de acordo com o darwinismo. (D) citológicos, de acordo com o neodarwinismo. 6. Nos ecossistemas das grandes profundidades ligados a fontes hidrotermais, a produção primária é assegurada por bactérias que obtêm a energia necessária para a síntese de matéria orgânica a partir da oxidação de sulfuretos, tais como o H2S ou o HS-, provenientes, na sua maioria, dos gases vulcânicos que emanam das fontes hidrotermais. 6.1. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos relacionados com a obtenção de matéria orgânica pelas bactérias a partir da captação de sulfuretos. Escreva, na folha de respostas, apenas a sequência de letras. A. Produção de biomassa. B. Síntese de ATP. C. Redução do dióxido de carbono. D. Oxidação dos sulfuretos. E. Fixação do dióxido de carbono. 7. Distinga a quimiossíntese da fotossíntese. Grupo IV A produção de biocombustíveis com recurso a culturas como a soja depende, em termos de produtividade, da ocupação exclusiva de grandes extensões de solo. As microalgas afiguram-se como uma alternativa para a produção de combustíveis, uma vez que têm a capacidade de duplicar a sua biomassa várias vezes por dia e de produzir, pelo menos, quinze vezes mais óleo por hectare do que as culturas alimentares concorrentes. Para otimizar os processos de produção e extração dos óleos, recorre-se ao aumento do teor lipídico, bloqueando as vias metabólicas responsáveis pela acumulação de compostos energéticos, como o amido, e à diminuição do catabolismo dos lípidos. O silenciamento por mutação de genes das vias metabólicas referidas ou a redução significativa da quantidade de mRNA desses mesmos genes também podem conduzir
  • 8. a um aumento do teor lipídico celular. Após a extração dos óleos para a produção de biodiesel, os glúcidos (hidratos de carbono) existentes no bolo vegetal remanescente podem ser utilizados como substrato para a produção de etanol. O dióxido de carbono, resultante do processo de fermentação, pode, por sua vez, ser utilizado na produção de mais biomassa (microalgas), o que permite o funcionamento em sistema fechado e uma otimização de todo o processo bioenergético. Baseado em Tavares, J.E.B., «Cultivo de microalgas do género Botryococcus visando a produção de biodiesel», Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa, 2009 Na resposta a cada um dos itens de 1. a 5., selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta. Escreva, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção escolhida. 1. Os óleos de reserva existentes nas microalgas são biomoléculas constituídas por (A) aminoácidos. (B) monossacarídeos. (C) ácidos gordos e glicerol. (D) nucleótidos. 2. Na fase não dependente directamente da luz, as moléculas necessárias para a produção de glúcidos e de óleos são (A) O2, NADPH, ATP. (B) CO2, H2O, ADP. (C) O2, H2O, ADP. (D) CO2, NADPH, ATP. 3. A elevada taxa de reprodução das microalgas exige uma grande produção de (A) proteínas, o que implica o desenvolvimento do retículo endoplasmático rugoso. (B) glicoproteínas, o que implica o desenvolvimento da mitocôndria. (C) fosfolípidos, o que implica o desenvolvimento do retículo endoplasmático rugoso. (D) lípidos, o que implica o desenvolvimento da mitocôndria. 4. A redução da quantidade do mRNA leva à diminuição da (A) transcrição da informação contida nos exões. (B) tradução da informação contida nos exões. (C) transcrição da informação contida nos intrões. (D) tradução da informação contida nos intrões.
  • 9. GRUPO V Descobertas surpreendentes têm sido feitas sobre o papei cruciai da porção do material genético que não traz informação para a síntese de proteínas. Esse patinho feio' molecular, que constitui mais de 98% do genoma humano designado de D NA lixo, começa a ganhar a forma de ‘cisne, http://www.cienciamao.usp.br 1. Classifica como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações relativas à molécula de DNA. [A] . As duas cadeias polinucleotídicas do DNA são antiparalelas. [B] . As duas cadeias do DNA estabelecem ligações covalentes entre bases azotadas complementares. [C] . Em cada molécula, a quantidade de nucleótidos de Adenina + nucleótidos de Citosina é idêntica à quantidade de nucleótidos de Timina + nucleótidos de Guanina. [D] . O seu grau de condensação é variável ao longo do ciclo celular. 2. Uma porção de uma cadeia polipeptídica apresenta a seguinte sequência de aminoácidos: ... - Serina - Lisina - Glicina - ... Na síntese desta porção intervieram os tRNA representados na figura . Indica a constituição do gene responsável pela sequência dos aminoácidos representada. Menciona todos os passos necessários e assinala o sentido da orientação das moléculas. 3. Selecciona a única opção que permite obter uma afirmação correcta. Um mRNA pode ser lido sequencialmente por vários ribossomas. Este fenómeno permite... [A] . uma organização mais eficiente dos ribossomas no citoplasma. [B] . a formação de proteínas constituídas por várias cadeias polipeptídicas. [C] . a síntese de proteínas formadas por um elevado número de aminoácidos. [D] . a produção de várias proteínas iguais a partir de uma única molécula de RNA. 4. Selecciona a alternativa que permite preencher os espaços e obter uma afirmação correcta. Durante o processo de replicação do DNA podem ocorrer alterações do material genético que não provocam efeito nos polipéptidos codificados. A ocorrência de mutações silenciosas pode explicar- se porque o código genético _______ uma vez que _____ . [A] . não é ambíguo ... vários tripletos podem codificar o mesmo aminoácido. [B] . não é ambíguo ... o mesmo tripleto pode codificar aminoácidos diferentes.
  • 10. [C] . é redundante ... vários tripletos podem codificar o mesmo aminoácido. [D] . é redundante ... o mesmo tripleto pode codificar aminoácidos diferentes. 5. As afirmações seguintes dizem respeito aos ácidos nucleicos das células eucarióticas. Selecciona a alternativa que as avalia correctamente. 1. O DNA localiza-se unicamente no núcleo. 2. O mRNA, o tRNA e o rRNA formam-se por complementaridade de bases a partir do DNA. 3. O RNA é constituído por desoxirribonucleótidos organizados numa cadeia simples. [A] . 2 é verdadeira; 1 e 3 são falsas. [B] . 3 é verdadeira; 1 e 2 são falsas. [C] . 1 e 2 são verdadeiras; 3 é falsa [D] . 1 e 3 são verdadeiras; 2 é falsa 6. A síntese de uma proteína é um processo complexo, preciso e extremamente rápido que envolve várias estruturas, como, por exemplo, a enzima RNA-polimerase. Explica por que razão a alteração do pH de uma célula pode levar à inibição da síntese proteica. 7. Faz corresponder a cada um dos exemplos mencionados na coluna A, o respectivo conceito da reprodução sexuada nos animais referido na coluna B Coluna I [A] . Nos pinguins, o macho lança os espermatozóides na cloaca da fêmea. Os espermatozóides nadam em direcção aos óvulos, ocorrendo a fecundação próximo do ovário. [B] . Os machos dos pirilampos, durante o vôo, emitem sequências de clarões a que as fêmeas da mesma espécie respondem prontamente. [C] . No verme adulto da Fascíola hepática os seus espermatozóides fecundam os seus próprios óvulos. [D] . No veado, os machos apresentam um par de hastes na cabeça, o tórax mais forte e, na altura do acasalamento, o pescoço fica mais espesso devido aos pêlos muito compridos que aí se desenvolvem. [E] . A minhoca deposita um casulo cheio de ovos no solo do qual nascerão, mais tarde, pequeninas minhocas. Coluna II 1. Hermafroditismo insuficiente 2. Autofecundação 3. Dimorfismo sexual 4. Desenvolvimento directo do embrião 5. Desenvolvimento indirecto do embrião 6. Fecundação interna 7. Fecundação externa 8. Parada nupcial
  • 11. Cotações Grupo II Questão Cotação II 1 14 II 2 8 II 3 8 II 4 10 Total-40 Grupo Questão Cotação Grupo Questão Cotação Grupo Questão Cotação III 1 8 IV 1 8 V 1 8 III 2 8 IV 2 8 V 2 10 III 3 8 IV 3 8 V 3 8 III 4 8 IV 4 8 V 4 8 III 5 8 V 5 8 III 6 8 V 6 10 Total-40 Total-32 V 7 10 Total-62 Total final- 200 pontos FIM Grupo Questão Cotação I 1.1 8 I 1.2 8 I 2 10 Total-26