SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Abertura e fecho dos estomas
As plantas perdem grandes quantidades de água através da transpiração, libertando essa água
através de estomas que, são estruturas predominantemente localizadas na epiderme das folhas.
Um estoma, é constituído por duas células-guarda., que limitam uma abertura chamada de
ostíolo, que está em contato com uma câmara estomática, estando o conjunto rodeado pelas
células-companhia.
Os estomas, abrindo ou fechando, podem controlar a quantidade de água perdida diariamente. O
fecho e abertura dos estomas está relacionado com o estado de turgescência ou de plasmólise
das células-guarda. Se as células-guarda estão túrgidas o estoma abre, se as células-guarda
estão plasmolisada, o estoma fecha.
As células-guarda do estoma são estruturalmente diferentes das restantes células epidérmicas
onde se localizam. Possuem cloroplastos e a sua parede celular não apresenta sempre a mesma
espessura, pois são mais espessas junto do ostíolo e menos espessas junto das células-
companhia. As zonas mais finas da parede celular das células-guarda são mais elásticas o que
2
lhes permite reagir de forma diferente à pressão de turgescência e assim abrir ou fechar o
estoma.
Se a pressão de turgescência é levada, significa que entrou água para as células-guarda, o que
vai provocar o aumento do seu volume, mas como a parede celular destas células é menos
espessa junto das células-companhia, logo mais elástica, distende-se mais do que a parede
junto do ostíolo, pelo que o estoma abre.
Se as células-guarda, perdem água, diminui a sua pressão de turgescência, ficam plasmolisada,
pelo que as células-guardas regressam à sua forma original, aproximando-se, e o estoma fecha.
A causa da turgescência das células-guarda pode ser atribuída à concentração de iões K+
e à fotossíntese (luz, CO2, pH).
As células-companhia transportam ativamente iões, principalmente de potássio para o interior
das células-guarda, aumentando-lhes a sua concentração (hipertónicas), aumentando a sua
pressão osmótica e diminuindo o potencial hídrico. Por este motivo entra água, por osmose, das
células contíguas para as células-guarda, o que lhes aumenta a pressão de turgescência,
ficando as células túrgidas e abrindo o estoma.
Enquanto existir transporte ativo de potássio (K+) mantém-se a turgidez das células-guarda
e por isso o estoma mantém-se aberto. Quando termina o transporte ativo de potássio (K+) para
as células-guarda este movimenta-se, por difusão simples, para as células-companhia, o que
torna estas células hipertónicas e as células-guarda hipotónicas. Ocorre seguidamente a saída
de água das células-guarda para as células companhia, o que provoca a diminuição da pressão
de turgescência, a plasmólise das células-guarda e, consequentemente, o fecho dos estomas.
A fotossíntese é outro fator que pode afetar a abertura dos estomas, relacionando-se esta com o
teor de CO2 e uma enzima – a fosforilase.
Na obscuridade uma planta não realiza a fotossíntese, pelo que o teor de CO2 nos espaços
intercelulares do mesófilo aumenta, acrescentando-lhe ainda o teor de CO2 libertado pela
respiração aeróbia. Este aumento de dióxido de carbono vai refletir-se nas células-guarda, cujo
teor de dióxido de carbono também aumenta. O dióxido de carbono ao reagir com a água forma
3
ácido carbónico (H2CO3) que provoca uma diminuição de PH, tornando-o ácido. O pH ácido do
meio vai inativar a enzima fosforilase, que tem como função hidrolisar ao amido em glicose.
Como a fosforilase está inativa, não ocorre hidrólise do amido em glicose, acumulando-se o
amido, o que vai baixar a concentração das células-guarda, tornando-as hipotónicas. A água,
osmoticamente, sai para as células-companhia, o que provoca a plasmólise das células-guarda
e, deste modo, o fecho dos estomas. De dia, com luz passa-se o inverso.
Factores Intrínsecos (dizem respeito à própria planta):
Espécie – uma espécie de baixo porte terá menos estomas, logo menor transpiração, do que
uma célula de grande porte, pois o número e a área total das folhas será inferior na planta de
baixo porte.
Idade – Uma planta jovem, quando comparada com outra da sua espécie, mas mais velha, terá
uma menor taxa de transpiração, pois geralmente as suas dimensões são menores, logo, terá
menor número de estomas.
Altura das plantas – Quanto mais alta for a planta, em princípio, maior número de folhas possui,
pelo que tem maior número de estomas e logo maior transpiração.
Forma das folhas – A forma das folhas afeta a transpiração, na medida em que altera a área da
folha, logo o número dos estomas. Uma folha de limbo reduzido, como o do pinheiro, terá menor
transpiração do que uma folha grande, como a do jarro.
Estomas – Quanto maior for o número dos estomas, maior a transpiração da planta.
Espessura da cutícula – a cutícula ao impermabilizar a epiderme está a impedir a saída de água,
logo, a diminuir a transpiração. Quanto mais espessa menor será a transpiração.
Taxa de fotossíntese – Quanto maior for a taxa fotossintética, menor o valor de dióxido de
carbono nas células-guarda, pelo que mais básico é o seu valor de PH, o que permite a
acumulação de glicose nestas células e assim a hipertonia. A água entra para as células-guarda,
4
que ficam túrgidas, provocando a abertura do estoma e aumentando assim a taxa de
transpiração.
Fatores extrínsecos (dizem respeito a fatores abióticos)
Temperatura do ar – Quanto maior a temperatura do ar, mais rápida é a evaporação da água nas
células-guarda, pelo que mais rápida é a entrada de água novamente para estas células, o que
provoca a sua turgescência e, consequentemente, a abertura dos estomas, aumentando a sua
taxa de transpiração.
Quantidade de água disponível no solo – Quanto maior o valor de água existente no solo,
maior será a sua absorção, logo mais rápido o seu transporte ao longo do xilema, e por isso
maior será a transpiração. Se a quantidade de água no solo for reduzida, a sua absorção
também será reduzida, pelo que não será transportada água até às folhas, o que provocará o
fecho dos estomas, pois as células-guarda ficarão hipertónicas. Caso a planta transpire mais do
que absorve, a planta murcha.
Humidade do ar – Quanto menor for a humidade do ar, maior será a transpiração, pois mantém-
se um gradiente de concentração entre o ar atmosférico e a folha. A água passa continuamente
para as células-guarda, que ficam túrgidas, provocando a abertura do estoma.
Vento – O vento, fraco e moderado, arrasta as partículas de água resultantes da transpiração,
baixando a humidade junto das células-guarda, mantendo deste modo um gradiente de
concentração entre as folhas e a atmosfera. A água sai novamente das células, é novamente
arrastada pelo vento, aumentando a transpiração da planta. Se o vento é muito forte, pelo
contrário, a transpiração diminui, pois ocorre o fecho dos estomas devido a uma excessiva perda
de água.
Concentração de dióxido de carbono – quanto maior o teor de dióxido de carbono menos a
planta transpira, pois ocorre a formação de ácido carbónico que vai inativar a fosforilase através
do seu pH ácido. Acumula-se amido que faz as células-guarda entrar em hipotonia, o que lhe
provoca a saída de água e assim a sua plasmólise, fechando o estoma.
Luz – Se existir luz ocorre fotossíntese, que vai consumir dióxido de carbono, pelo que a sua
concentração nas células-guarda baixa, não se formando ácido carbónico, o que permite a
ativação da enzima fosforilase, que ao transformar o amido em glicose vai aumentar a
5
concentração do meio. Entra água para estas células provocando-lhes a turgescência, abrindo o
estoma e, deste modo, aumentando a taxa de transpiração.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRelatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Ricardo Dias
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
margaridabt
 
Modelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpraticoModelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpratico
Joana Margarida
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
António Fernandes
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
margaridabt
 
Digestão
DigestãoDigestão
Digestão
margaridabt
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
Gabriela Bruno
 
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º AnoResumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Vitor Perfeito
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOTESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
sandranascimento
 
Teste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º anoTeste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º ano
José Luís Alves
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
gracacruz
 
Relatório experimental modelo
Relatório experimental modeloRelatório experimental modelo
Relatório experimental modelo
Angela Boucinha
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
CatarinaNeivas
 
Biologia 11 preparação para exame 1
Biologia 11   preparação para exame 1Biologia 11   preparação para exame 1
Biologia 11 preparação para exame 1
Nuno Correia
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
Helena Coutinho
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
margaridabt
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
EXERCÍCIOS DE EXAMES
EXERCÍCIOS DE EXAMESEXERCÍCIOS DE EXAMES
EXERCÍCIOS DE EXAMES
sandranascimento
 

Mais procurados (20)

Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRelatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
 
Modelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpraticoModelo mitose trabpratico
Modelo mitose trabpratico
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Digestão
DigestãoDigestão
Digestão
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
 
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º AnoResumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOTESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
 
Teste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º anoTeste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º ano
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Relatório experimental modelo
Relatório experimental modeloRelatório experimental modelo
Relatório experimental modelo
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Biologia 11 preparação para exame 1
Biologia 11   preparação para exame 1Biologia 11   preparação para exame 1
Biologia 11 preparação para exame 1
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
EXERCÍCIOS DE EXAMES
EXERCÍCIOS DE EXAMESEXERCÍCIOS DE EXAMES
EXERCÍCIOS DE EXAMES
 

Semelhante a Abertura e fecho dos estomas

Fisiologia dos estômatos
Fisiologia dos estômatosFisiologia dos estômatos
Fisiologia dos estômatos
Caetana Coevas
 
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
Colégio Batista de Mantena
 
Frente 3 módulo 10 Transpiração nos Vegetais
Frente 3 módulo 10 Transpiração nos VegetaisFrente 3 módulo 10 Transpiração nos Vegetais
Frente 3 módulo 10 Transpiração nos Vegetais
Colégio Batista de Mantena
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
margaridabt
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
margaridabt
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
margaridabt
 
9 transporte nas plantas
9   transporte nas plantas9   transporte nas plantas
9 transporte nas plantas
margaridabt
 
Trocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptxTrocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptx
Isaura Mourão
 
Módulo a3.1 transporte nas plantas
Módulo a3.1   transporte nas plantasMódulo a3.1   transporte nas plantas
Módulo a3.1 transporte nas plantas
Leonor Vaz Pereira
 
Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2
Claudia Braz
 
Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM
Alice MLK
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
Robervania Nadja
 
odis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pdf
odis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pdfodis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pdf
odis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pdf
FilipeRaivel
 
odis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pptx
odis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pptxodis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pptx
odis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pptx
Miguel766590
 
Nutrição Orgânica (Trabalho escolar apresentado à disciplina de Biologia)
Nutrição Orgânica (Trabalho escolar apresentado à disciplina de Biologia)Nutrição Orgânica (Trabalho escolar apresentado à disciplina de Biologia)
Nutrição Orgânica (Trabalho escolar apresentado à disciplina de Biologia)
Erick Chiavelli
 
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantasMod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Leonor Vaz Pereira
 
Botanica
Botanica Botanica
Botanica
Matheus Felipe
 
Aula 15 transpiração nos vegetais
Aula 15   transpiração nos vegetaisAula 15   transpiração nos vegetais
Aula 15 transpiração nos vegetais
Jonatas Carlos
 
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdfTransporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Luis736092
 
Trocas gasosa aula 5
Trocas gasosa aula 5Trocas gasosa aula 5
Trocas gasosa aula 5
Leugildo Luis Sugar
 

Semelhante a Abertura e fecho dos estomas (20)

Fisiologia dos estômatos
Fisiologia dos estômatosFisiologia dos estômatos
Fisiologia dos estômatos
 
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
 
Frente 3 módulo 10 Transpiração nos Vegetais
Frente 3 módulo 10 Transpiração nos VegetaisFrente 3 módulo 10 Transpiração nos Vegetais
Frente 3 módulo 10 Transpiração nos Vegetais
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
9 transporte nas plantas
9   transporte nas plantas9   transporte nas plantas
9 transporte nas plantas
 
Trocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptxTrocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptx
 
Módulo a3.1 transporte nas plantas
Módulo a3.1   transporte nas plantasMódulo a3.1   transporte nas plantas
Módulo a3.1 transporte nas plantas
 
Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2
 
Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
odis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pdf
odis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pdfodis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pdf
odis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pdf
 
odis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pptx
odis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pptxodis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pptx
odis10_ppt_trocas_gasosas_seres_multicelulares.pptx
 
Nutrição Orgânica (Trabalho escolar apresentado à disciplina de Biologia)
Nutrição Orgânica (Trabalho escolar apresentado à disciplina de Biologia)Nutrição Orgânica (Trabalho escolar apresentado à disciplina de Biologia)
Nutrição Orgânica (Trabalho escolar apresentado à disciplina de Biologia)
 
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantasMod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantas
 
Botanica
Botanica Botanica
Botanica
 
Aula 15 transpiração nos vegetais
Aula 15   transpiração nos vegetaisAula 15   transpiração nos vegetais
Aula 15 transpiração nos vegetais
 
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdfTransporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
 
Trocas gasosa aula 5
Trocas gasosa aula 5Trocas gasosa aula 5
Trocas gasosa aula 5
 

Mais de Dina do Céu Lopes Araújo

Tecido ósseo-1
Tecido ósseo-1Tecido ósseo-1
11 tegumen pdf estudo
11 tegumen   pdf estudo11 tegumen   pdf estudo
11 tegumen pdf estudo
Dina do Céu Lopes Araújo
 
Ficha avaliacao 3 (1)
Ficha avaliacao 3 (1)Ficha avaliacao 3 (1)
Ficha avaliacao 3 (1)
Dina do Céu Lopes Araújo
 
Ficha informativa nº 4 biomas terrestres envio
Ficha informativa nº 4   biomas terrestres envioFicha informativa nº 4   biomas terrestres envio
Ficha informativa nº 4 biomas terrestres envio
Dina do Céu Lopes Araújo
 
Ficha informativa nº 1 organização e formação do universo
Ficha informativa nº 1   organização e formação do universoFicha informativa nº 1   organização e formação do universo
Ficha informativa nº 1 organização e formação do universo
Dina do Céu Lopes Araújo
 
Ficha+8º+ano +perturbações+no+equilíbrio+dos+ecossistemas
Ficha+8º+ano +perturbações+no+equilíbrio+dos+ecossistemasFicha+8º+ano +perturbações+no+equilíbrio+dos+ecossistemas
Ficha+8º+ano +perturbações+no+equilíbrio+dos+ecossistemas
Dina do Céu Lopes Araújo
 

Mais de Dina do Céu Lopes Araújo (6)

Tecido ósseo-1
Tecido ósseo-1Tecido ósseo-1
Tecido ósseo-1
 
11 tegumen pdf estudo
11 tegumen   pdf estudo11 tegumen   pdf estudo
11 tegumen pdf estudo
 
Ficha avaliacao 3 (1)
Ficha avaliacao 3 (1)Ficha avaliacao 3 (1)
Ficha avaliacao 3 (1)
 
Ficha informativa nº 4 biomas terrestres envio
Ficha informativa nº 4   biomas terrestres envioFicha informativa nº 4   biomas terrestres envio
Ficha informativa nº 4 biomas terrestres envio
 
Ficha informativa nº 1 organização e formação do universo
Ficha informativa nº 1   organização e formação do universoFicha informativa nº 1   organização e formação do universo
Ficha informativa nº 1 organização e formação do universo
 
Ficha+8º+ano +perturbações+no+equilíbrio+dos+ecossistemas
Ficha+8º+ano +perturbações+no+equilíbrio+dos+ecossistemasFicha+8º+ano +perturbações+no+equilíbrio+dos+ecossistemas
Ficha+8º+ano +perturbações+no+equilíbrio+dos+ecossistemas
 

Abertura e fecho dos estomas

  • 1. 1 Abertura e fecho dos estomas As plantas perdem grandes quantidades de água através da transpiração, libertando essa água através de estomas que, são estruturas predominantemente localizadas na epiderme das folhas. Um estoma, é constituído por duas células-guarda., que limitam uma abertura chamada de ostíolo, que está em contato com uma câmara estomática, estando o conjunto rodeado pelas células-companhia. Os estomas, abrindo ou fechando, podem controlar a quantidade de água perdida diariamente. O fecho e abertura dos estomas está relacionado com o estado de turgescência ou de plasmólise das células-guarda. Se as células-guarda estão túrgidas o estoma abre, se as células-guarda estão plasmolisada, o estoma fecha. As células-guarda do estoma são estruturalmente diferentes das restantes células epidérmicas onde se localizam. Possuem cloroplastos e a sua parede celular não apresenta sempre a mesma espessura, pois são mais espessas junto do ostíolo e menos espessas junto das células- companhia. As zonas mais finas da parede celular das células-guarda são mais elásticas o que
  • 2. 2 lhes permite reagir de forma diferente à pressão de turgescência e assim abrir ou fechar o estoma. Se a pressão de turgescência é levada, significa que entrou água para as células-guarda, o que vai provocar o aumento do seu volume, mas como a parede celular destas células é menos espessa junto das células-companhia, logo mais elástica, distende-se mais do que a parede junto do ostíolo, pelo que o estoma abre. Se as células-guarda, perdem água, diminui a sua pressão de turgescência, ficam plasmolisada, pelo que as células-guardas regressam à sua forma original, aproximando-se, e o estoma fecha. A causa da turgescência das células-guarda pode ser atribuída à concentração de iões K+ e à fotossíntese (luz, CO2, pH). As células-companhia transportam ativamente iões, principalmente de potássio para o interior das células-guarda, aumentando-lhes a sua concentração (hipertónicas), aumentando a sua pressão osmótica e diminuindo o potencial hídrico. Por este motivo entra água, por osmose, das células contíguas para as células-guarda, o que lhes aumenta a pressão de turgescência, ficando as células túrgidas e abrindo o estoma. Enquanto existir transporte ativo de potássio (K+) mantém-se a turgidez das células-guarda e por isso o estoma mantém-se aberto. Quando termina o transporte ativo de potássio (K+) para as células-guarda este movimenta-se, por difusão simples, para as células-companhia, o que torna estas células hipertónicas e as células-guarda hipotónicas. Ocorre seguidamente a saída de água das células-guarda para as células companhia, o que provoca a diminuição da pressão de turgescência, a plasmólise das células-guarda e, consequentemente, o fecho dos estomas. A fotossíntese é outro fator que pode afetar a abertura dos estomas, relacionando-se esta com o teor de CO2 e uma enzima – a fosforilase. Na obscuridade uma planta não realiza a fotossíntese, pelo que o teor de CO2 nos espaços intercelulares do mesófilo aumenta, acrescentando-lhe ainda o teor de CO2 libertado pela respiração aeróbia. Este aumento de dióxido de carbono vai refletir-se nas células-guarda, cujo teor de dióxido de carbono também aumenta. O dióxido de carbono ao reagir com a água forma
  • 3. 3 ácido carbónico (H2CO3) que provoca uma diminuição de PH, tornando-o ácido. O pH ácido do meio vai inativar a enzima fosforilase, que tem como função hidrolisar ao amido em glicose. Como a fosforilase está inativa, não ocorre hidrólise do amido em glicose, acumulando-se o amido, o que vai baixar a concentração das células-guarda, tornando-as hipotónicas. A água, osmoticamente, sai para as células-companhia, o que provoca a plasmólise das células-guarda e, deste modo, o fecho dos estomas. De dia, com luz passa-se o inverso. Factores Intrínsecos (dizem respeito à própria planta): Espécie – uma espécie de baixo porte terá menos estomas, logo menor transpiração, do que uma célula de grande porte, pois o número e a área total das folhas será inferior na planta de baixo porte. Idade – Uma planta jovem, quando comparada com outra da sua espécie, mas mais velha, terá uma menor taxa de transpiração, pois geralmente as suas dimensões são menores, logo, terá menor número de estomas. Altura das plantas – Quanto mais alta for a planta, em princípio, maior número de folhas possui, pelo que tem maior número de estomas e logo maior transpiração. Forma das folhas – A forma das folhas afeta a transpiração, na medida em que altera a área da folha, logo o número dos estomas. Uma folha de limbo reduzido, como o do pinheiro, terá menor transpiração do que uma folha grande, como a do jarro. Estomas – Quanto maior for o número dos estomas, maior a transpiração da planta. Espessura da cutícula – a cutícula ao impermabilizar a epiderme está a impedir a saída de água, logo, a diminuir a transpiração. Quanto mais espessa menor será a transpiração. Taxa de fotossíntese – Quanto maior for a taxa fotossintética, menor o valor de dióxido de carbono nas células-guarda, pelo que mais básico é o seu valor de PH, o que permite a acumulação de glicose nestas células e assim a hipertonia. A água entra para as células-guarda,
  • 4. 4 que ficam túrgidas, provocando a abertura do estoma e aumentando assim a taxa de transpiração. Fatores extrínsecos (dizem respeito a fatores abióticos) Temperatura do ar – Quanto maior a temperatura do ar, mais rápida é a evaporação da água nas células-guarda, pelo que mais rápida é a entrada de água novamente para estas células, o que provoca a sua turgescência e, consequentemente, a abertura dos estomas, aumentando a sua taxa de transpiração. Quantidade de água disponível no solo – Quanto maior o valor de água existente no solo, maior será a sua absorção, logo mais rápido o seu transporte ao longo do xilema, e por isso maior será a transpiração. Se a quantidade de água no solo for reduzida, a sua absorção também será reduzida, pelo que não será transportada água até às folhas, o que provocará o fecho dos estomas, pois as células-guarda ficarão hipertónicas. Caso a planta transpire mais do que absorve, a planta murcha. Humidade do ar – Quanto menor for a humidade do ar, maior será a transpiração, pois mantém- se um gradiente de concentração entre o ar atmosférico e a folha. A água passa continuamente para as células-guarda, que ficam túrgidas, provocando a abertura do estoma. Vento – O vento, fraco e moderado, arrasta as partículas de água resultantes da transpiração, baixando a humidade junto das células-guarda, mantendo deste modo um gradiente de concentração entre as folhas e a atmosfera. A água sai novamente das células, é novamente arrastada pelo vento, aumentando a transpiração da planta. Se o vento é muito forte, pelo contrário, a transpiração diminui, pois ocorre o fecho dos estomas devido a uma excessiva perda de água. Concentração de dióxido de carbono – quanto maior o teor de dióxido de carbono menos a planta transpira, pois ocorre a formação de ácido carbónico que vai inativar a fosforilase através do seu pH ácido. Acumula-se amido que faz as células-guarda entrar em hipotonia, o que lhe provoca a saída de água e assim a sua plasmólise, fechando o estoma. Luz – Se existir luz ocorre fotossíntese, que vai consumir dióxido de carbono, pelo que a sua concentração nas células-guarda baixa, não se formando ácido carbónico, o que permite a ativação da enzima fosforilase, que ao transformar o amido em glicose vai aumentar a
  • 5. 5 concentração do meio. Entra água para estas células provocando-lhes a turgescência, abrindo o estoma e, deste modo, aumentando a taxa de transpiração.