SlideShare uma empresa Scribd logo
PROCESSOS DE FABRICAÇÃO I
ENGENHARIA MECÂNICA
AULA - 2
1Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 2
O que veremos Hoje?
1 – Filme sobre a História das Máquinas Operatrizes;
2 – Tecnologia de Processamento de Materiais:
a) Máquinas-ferramentas CNC;
b) Robôs;
c) Veículos guiados automaticamente (AGV –
automatically guided vehicles);
d) Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible
manufacturing systems);
e) Manufatura Integrada por Computador (CIM –
computer-integrated manufacturing).
PróximaAula
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 3
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 4
Tecnologia de Processamento de
Materiais
Avanços na tecnologia fez com que
naturalmente os processos de fabricação
industriais melhorassem ao longo do
tempo;
Nesse contexto iremos abordar alguns
conceitos importantes para entendermos
a estrutura que envolve sistemas de
processamentos modernos de materiais
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 5
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
São máquinas-ferramentas (Tornos,
Fresadoras, Retificas, etc.) que utilizam o
computador para controlar suas ações ao
invés de controle manual pelo homem.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 6
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
Essa substituição dá as máquinas:
- Mais acurácia;
- Mais precisão;
- Mais repetitividade no processo.
O uso de máquinas CNC pode também
apresentar mais produtividade ao
processo devido:
- Eliminação de possíveis erros por parte
do operador;
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 7
O uso de máquinas CNC pode também
apresentar mais produtividade ao
processo devido (continuação):
- Melhor controle dos parâmetros de
Corte por parte do computador;
- Por causa da substituição da mão de
obra cara e habilidosa para operação das
máquinas-ferramentas;
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 8
ALGUMAS DESVANTAGENS DE MÁQUINAS CNC
• Preferivelmente devem-se utilizar ferramentas com
pastilhas intercambiáveis;
• Custo elevado da máquina;
• Alto custo de manutenção preventiva e corretiva;
• Manutenção capacitada em eletromecânica (mão de
obra e equipamentos);
• Necessita de fundações especiais;
• Necessita de instalações especiais com alimentação
elétrica isenta de ruídos, alimentação pneumática, etc.
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 9
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
Algumas máquinas-ferramentas CNC
também possuem habilidade para
armazenar ferramentas de corte dentro da
sua própria estrutura.
Dessa forma, quando um programa solicita
uma mudança de ferramenta, a antiga é
substituída no estoque e a nova ferramenta
é instalada no cabeçote da máquina de
maneira automática.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 10
Dispositivo para posicionamento dos suportes
de ferramentas em linha, oferecendo
flexibilidade de montagem de ferramentas
para múltiplas aplicações.
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
DISPOSITIVOS DE TROCA DE FERRAMENTAS
GANG TOOLS
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 11
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
Neste sistema a troca automática de
ferramentas é realizada através do giro da
mesma que é comandado pelo programa
CNC, deixando a ferramenta na posição de
trabalho.
DISPOSITIVOS DE TROCA DE FERRAMENTAS
TORRE ELÉTRICA
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 12
No sistema de revólver a troca é realizada com o
giro do dispositivo, que também é comandado
pelo programa CNC, até que a ferramenta
desejada fique na posição de trabalho.
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
DISPOSITIVOS DE TROCA DE FERRAMENTAS
REVÓLVER
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 13
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
DISPOSITIVOS DE CALIBRAÇÃO DE DESGASTE E QUEBRA DE FERRAMENTAS
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 14
No sistema magazine as ferramentas são
armazenadas em locais numerados. Um braço
com duas garras tira: de um lado a nova
ferramenta do magazine e do outro lado a
ferramenta que estava operando na árvore
principal da máquina.
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
DISPOSITIVOS DE TROCA DE FERRAMENTAS
MAGAZINE / CARROSSEL
15
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO
• Algumas máquinas apresentam sistemas onde o fluído refrigerante é
conduzido através de canais no interior do suporte porta-ferramentas ou
da própria ferramenta.
• Outras utilizam mangueiras flexíveis.
• Em alguns casos utiliza-se ar comprimido, evitando a contaminação pelos
fluidos refrigerantes.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 16
1000
.. nD
Vc


D
Vc
n
.
1000.


D=44mm
n=868rpm
Vc = 120m/min
n=3472rpm
D=11mm
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
17
A maioria das máquinas CNC pode ser equipada com transportador
automático de cavacos. O transportador pode ser de esteira mecânica,
magnética ou rosca.
Máquinas-ferramentas de Controle
Numérico Computadorizado (CNC)
Robôs (Manipuladores Industriais)
“São manipuladores automáticos multifunção
reprogramáveis, tendo diversos graus de
liberdade, capazes de manusear materiais, peças,
ferramentas ou dispositivos especializados.”
(SALCK, 2009)
Os robôs industriais são máquinas que
apresentam características semelhantes as
humanas. A mais obvia semelhança está nos
braços mecânicos utilizados para desempenhar
diversas atividades industriais. (GOOVER, 2011)
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 19
Robôs (Manipuladores Industriais)
Os robôs industriais apresentam também a
capacidade de reagir a estímulos sensoriais, de
comunicar-se com outras máquinas e também de
tomar decisões.
(GOOVER, 2011).
O desenvolvimento tecnológico dos robôs seguiu-
se paralelamente ao desenvolvimento do controle
numérico, e as duas tecnologias são bastante
similares.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 20
Robôs (Manipuladores Industriais)
Tanto os robôs quanto as máquinas com comando
número apresentam um controle coordenado de
múltiplo eixos (no caso dos robôs chamados de
articulações ou juntas em robótica).
(GOOVER, 2011).
Ambos utilizam computadores digitais dedicados
como controladores.
Enquanto máquinas CNC são projetadas para
desempenhar processos específicos (usinagem,
estampagem, corte térmico, etc) os robôs...
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 21
Robôs (Manipuladores Industriais)
(GOOVER, 2011).
... Os robôs são projetados para uma gama mais
ampla de tarefas, entre elas:
- Solda Ponto;
- Transferência de materiais;
- Carga e descarga de máquinas;
- Pintura pulverizada;
- Montagem;
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 22
Robôs (Manipuladores Industriais)
(GOOVER, 2011).
Alguns aspectos que tornam os robôs industriais
comercialmente e tecnologicamente importantes
são:
- Poder substituir pessoas em ambientes de
trabalho perigosos e desconfortáveis;
- Desempenhar o ciclo de trabalho com
consistência e repetitividade que não podem ser
alcançadas por pessoas;
- São controlados por computadores e dessa maneira
podem ser conectados a outros sistemas de
computadores para chegar a manufatura integrada por
computadores.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 23
ROBÔS MANIPULADORES INDUSTRIAIS
Robôs (Manipuladores Industriais)
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 24
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 25
Veículos guiados automaticamente
(AGV – automatically guided vehicles)
“São veículos pequenos e autônomos, que
movem materiais de e para operações
agregadoras de valor.”
(SALCK, 2009)
No contexto da manufatura, embora o transporte
e materiais seja inevitável, essa atividade não
agrega nenhum valor ao produto.
Por esse motivo, muito gerentes de produção
estão buscando a automatização dessa atividade.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 26
Veículos guiados automaticamente
(AGV – automatically guided vehicles)
(SALCK, 2009)
Os veículos guiados automaticamente (AGV) são
um tipo de tecnologia com esse pretexto. Eles são
geralmente guiados por cabos instalados sob o
piso da fábrica e recebem instruções de um
computador central.
http://vercelsteel.com.br/agv.html
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 27
Veículos guiados automaticamente
(AGV – automatically guided vehicles)
Os AGV’s pode ser utilizados para:
(SALCK, 2009)
• Promover entregas de componentes e
materiais no exato momento em que eles são
necessários entre as etapas produtivas de uma
fábrica;
• Servir como estações de trabalho móveis como
por exemplo em uma linha de montagem de
motores de caminhão;
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 28
Veículos guiados automaticamente
(AGV – automatically guided vehicles)
Os AGV’s pode ser utilizados para (continuação):
(SALCK, 2009)
• Movimentação de materiais a serem
estocados;
• Mover correspondências em escritórios;
• Transportar livros em bibliotecas;
• Transportar amostras em laboratórios de
hospitais.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 29
Veículos guiados automaticamente
(AGV – automatically guided vehicles)
(GROOVER, 2011)
AGV de Palete
Carregador de Unidade de Carga
Trem guiado automaticamente sem condutor
TIPOS DE
VEÍCULOS
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 30
Sistemas Flexíveis de Manufatura
(FMS – flexible manufacturing systems)
“São configurações controladas por computador
de estações de trabalho semi-independentes,
conectadas por manuseio de materiais e
carregamento de máquinas automatizados.”
(SALCK, 2009)
Trata-se de um conjunto de tecnologias integradas
como:
- Estações de Trabalho CNC;
- Instalações de carga/descarga;
- Instalações de transporte e
manuseio;
- Sistema central de controle
por computador.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 31
Sistemas Flexíveis de Manufatura
(FMS – flexible manufacturing systems)
A principal particularidade do FMS está
relacionada ao aspecto de que todo o sistema,
trabalhando em conjunto, tem potencial para ser
melhor que a soma das suas partes.
(SALCK, 2009)
O FMS é capaz de manufaturar um componente
completo do inicio ao fim do seu processo
produtivo.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 32
Sistemas Flexíveis de Manufatura
(FMS – flexible manufacturing systems)
A flexibilidade das tecnologias individuais de um
FMS combinam-se para esse sistema possa ser
muito versátil.
(SALCK, 2009)
Dessa maneira uma sequência de produtos, todos
diferentes mas dentro de um “pacote” de
capacitações do sistema, pode ser processada no
FMS em qualquer ordem e sem trocas
demoradas.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 33
Sistemas Flexíveis de Manufatura
(FMS – flexible manufacturing systems)
O conceito de “pacote” de capacitações é
extremamente importante para o FMS.
(SALCK, 2009)
Tendo em vista que um conjunto de máquinas
dentro de um FMS tem limitações de tamanho e
forma dos materiais que pode processar.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 34
Sistemas Flexíveis de Manufatura
(FMS – flexible manufacturing systems)
(AZEVEDO, 2013)
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 35
http://dainf.ct.utfpr.edu.br/~maziero/doku.php/so:celula_flexivel_de_manufatura
Compostos por Máquinas
Ferramentas comandas por
Comando Número
Comutadorizados e Robôs
trabalhando em conjunto para
matérias-primas em peças
manufaturadas (MAZIERO, 2013)
Sistemas Flexíveis de Manufatura
(FMS – flexible manufacturing systems)
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 36
http://rishivadher.blogspot.com.br/2011/03/importancia-das-automacao-das-coisas.html
Sistemas Flexíveis de Manufatura
(FMS – flexible manufacturing systems)
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 37
Manufatura Integrada por Computador
(CIM – computer integrated manufacturing)
É a integração do monitoramento baseado em
computador e controle de todos os aspectos dos
processo de manufatura.
(SALCK, 2009)
Disponibilizando os dados em um banco de dados
comum que se comunica entre todos os
equipamentos (máquinas e computadores) por
meio de uma rede.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 38
Manufatura Integrada por Computador
(CIM – computer integrated manufacturing)
Enquanto o FMS integra aquelas atividades que
dizem respeito diretamente ao processo de
transformação mas não inclui atividade como:
- projeto;
- Programação.
(SALCK, 2009)
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 39
Manufatura Integrada por Computador
(CIM – computer integrated manufacturing)
(SALCK, 2009)
O CIM tem como objetivo atender um aspecto
mais amplo de integração, envolvendo uma
combinação de tecnologias:
- CAD/CAM;
- FMS;
- AGV’s;
- Robótica;
- Softwares de programação
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 40
Manufatura Integrada por Computador
(CIM – computer integrated manufacturing)
(SALCK, 2009)
Nos casos em que as atividades CIM da
organização são integradas com outras funções, e
muitas vezes até mesmo com fornecedores e
clientes, elas são chamadas de “Empreendimento
Integrado por Computador” (CIE – computer
integrated enterprise);
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 41
Resumo das tecnologias de
processamento de materiais
(SALCK, 2009)
Maquinas Ferramentas CNC:
O que faz?  Desempenha os mesmos tipos de corte de metal e
operações de forma que realizava antes, mas com controle por
computador;
Como Faz?  Instruções reprogramadas são lidas pelo computador que
ativa o sistema de controle físico na máquina-ferramenta;
Que vantagens oferece?  Precisão, acurácia, uso otimizado das
ferramentas que maximizam sua vida útil e o aumento da produtividade
do trabalho;
Que restrições impõe?  Custo de capital maior que o de tecnologia
manual. Requer funcionários capacitados para reprogramar as instruções
de controle por computador.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 42
Resumo das tecnologias de
processamento de materiais
(SALCK, 2009)
Robô:
O que faz?  Move e manipula, produtos, peças e ferramentas;
Como Faz?  Opera por meio de um braço programável e controlado
por computador (muitas vezes com múltiplas junções/articulações);
Que vantagens oferece?  Pode ser usado em situações perigosas ou
desconfortáveis para humanos, ou em tarefas extremamente repetitivas.
Desempenha tarefas repetitivas a um custo menor que os humanos e
oferece maior precisão e capacidade de repetição;
Que restrições impõe?  Não pode executar funções que necessitem de
resposta sensorial delicada ou julgamento sofisticado.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 43
Resumo das tecnologias de
processamento de materiais
(SALCK, 2009)
Veículo guiado automaticamente (AGV):
O que faz?  Move material entre operações;
Como Faz?  Veículos com energia independente guiados por cabos
alternados e controlados por computador;
Que vantagens oferece?  Movimento independente, flexibilidade de
rota e flexibilidade de uso no longo prazo;
Que restrições impõe?  Custo de capital consideravelmente maior que
os sistemas alternativos (esteiras transportadoras).
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 44
Resumo das tecnologias de
processamento de materiais
(SALCK, 2009)
Sistema flexível de manufatura (FMS):
O que faz?  Produz completamente uma gama de componentes sem
intervenção humana significativa no processo;
Como Faz?  Integra tecnologias programáveis como máquinas-
ferramentas, dispositivos de manuseio de materiais, AGV’s e robôs por
meio de controle centralizado de computador ;
Que vantagens oferece?  Tempos de atravessamento mais rápidos,
maior utilização dos equipamentos, menores estoques em processo,
maior consistência de qualidade, maior flexibilidade de produtos;
Que restrições impõe?  Custo de capital muito elevados com retornos
incertos; Requer habilidade de programação e pode ser vulnerável a
quebras (o que pode fazer parar todo o sistema);
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 45
Resumo das tecnologias de
processamento de materiais
(SALCK, 2009)
Manufatura Integrada por Computador (FMS):
O que faz?  Coordena o processo de manufatura de uma peça,
componente ou produto;
Como Faz? Conecta e integra a tecnologia de informação que forma a
fundação da tecnologia do projeto (CAD), tecnologia de manufatura
(FMS), manuseio de materiais (AGV’s ou Robôs) e gestão imediata dessas
atividades (programação, carregamento e monitoramento);
Que vantagens oferece?  Tempos de atravessamento mais rápidos,
flexibilidade quando comparados com outras tecnologias e potencial
para uma produção não supervisionada pelo homem;
Que restrições impõe?  Custo de capital extremamente altos, grandes
problemas técnicos de comunicação entre as diferentes partes do
sistema, além de alguma vulnerabilidade a falhas e quebras.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 46
AZEVEDO, D. F. O. CIM, FMS e CAM (Apresentação para Aula de Processos de Fabricação I).
Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), 2013
GROOVER, M. Automação Industrial e Sistemas de Manufatura. São Paulo: Pearson Prentice
Hall, 2011
MAZIERO, C. A. Sistemas Operacionais: Células de Manufatura (Anotações de aula pela
Internet: http://dainf.ct.utfpr.edu.br/~maziero/doku.php/so:celula_flexivel_de_manufatura
(acesso em 19/08/13);
SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2009
Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Circuitos pneumaticos e hidraulicos
Circuitos pneumaticos e hidraulicosCircuitos pneumaticos e hidraulicos
Circuitos pneumaticos e hidraulicos
Jeffersonfrassi
 
Introdução a CNC
Introdução a CNCIntrodução a CNC
Introdução a CNC
Luciano Santos
 
Dcs vs scada
Dcs vs scadaDcs vs scada
Dcs vs scada
Sayed Qaisar Shah
 
Turbinas Hidráulicas.pdf
Turbinas Hidráulicas.pdfTurbinas Hidráulicas.pdf
Turbinas Hidráulicas.pdf
MissSoryu
 
Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4
IBEST ESCOLA
 
indrodução automação industrial
indrodução automação industrialindrodução automação industrial
indrodução automação industrial
elliando dias
 
Simbologia pneumatica
Simbologia pneumaticaSimbologia pneumatica
Simbologia pneumatica
Gleiton Kunde
 
Apostila valvulas-industriais-visao-geral
Apostila valvulas-industriais-visao-geralApostila valvulas-industriais-visao-geral
Apostila valvulas-industriais-visao-geral
Rosivaldo Bandeira
 
57768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r1
57768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r157768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r1
57768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r1
Tuane Paixão
 
Automação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforoAutomação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforo
antonio sena
 
Aula 02 controle malha aberta e fechada
Aula 02   controle malha aberta e fechadaAula 02   controle malha aberta e fechada
Aula 02 controle malha aberta e fechada
Gabriel Romão Zan Taquetti
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Anderson Pontes
 
Apostilas petrobras instrumentacao básica
Apostilas petrobras   instrumentacao básicaApostilas petrobras   instrumentacao básica
Apostilas petrobras instrumentacao básica
João Claudio Pinho Rodrigues
 
MALHA ABERTA E MALHA FECHADA
MALHA ABERTA E MALHA FECHADAMALHA ABERTA E MALHA FECHADA
MALHA ABERTA E MALHA FECHADA
Rafael Costa
 
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladderApostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
marv2
 
12 ciclos de refrigeração 2015
12   ciclos de refrigeração 201512   ciclos de refrigeração 2015
12 ciclos de refrigeração 2015
Marcos Cuzzuol
 
Tolerâncias e Ajustes.pdf
Tolerâncias e Ajustes.pdfTolerâncias e Ajustes.pdf
Tolerâncias e Ajustes.pdf
guizucka
 
Festo
FestoFesto
Apostila de Compressores
Apostila de CompressoresApostila de Compressores
Apostila de Compressores
Daniel Garcia
 
Técnicas de comando na automação
Técnicas de comando na automaçãoTécnicas de comando na automação
Técnicas de comando na automação
Claudio Arkan
 

Mais procurados (20)

Circuitos pneumaticos e hidraulicos
Circuitos pneumaticos e hidraulicosCircuitos pneumaticos e hidraulicos
Circuitos pneumaticos e hidraulicos
 
Introdução a CNC
Introdução a CNCIntrodução a CNC
Introdução a CNC
 
Dcs vs scada
Dcs vs scadaDcs vs scada
Dcs vs scada
 
Turbinas Hidráulicas.pdf
Turbinas Hidráulicas.pdfTurbinas Hidráulicas.pdf
Turbinas Hidráulicas.pdf
 
Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4
 
indrodução automação industrial
indrodução automação industrialindrodução automação industrial
indrodução automação industrial
 
Simbologia pneumatica
Simbologia pneumaticaSimbologia pneumatica
Simbologia pneumatica
 
Apostila valvulas-industriais-visao-geral
Apostila valvulas-industriais-visao-geralApostila valvulas-industriais-visao-geral
Apostila valvulas-industriais-visao-geral
 
57768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r1
57768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r157768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r1
57768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r1
 
Automação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforoAutomação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforo
 
Aula 02 controle malha aberta e fechada
Aula 02   controle malha aberta e fechadaAula 02   controle malha aberta e fechada
Aula 02 controle malha aberta e fechada
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
 
Apostilas petrobras instrumentacao básica
Apostilas petrobras   instrumentacao básicaApostilas petrobras   instrumentacao básica
Apostilas petrobras instrumentacao básica
 
MALHA ABERTA E MALHA FECHADA
MALHA ABERTA E MALHA FECHADAMALHA ABERTA E MALHA FECHADA
MALHA ABERTA E MALHA FECHADA
 
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladderApostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
 
12 ciclos de refrigeração 2015
12   ciclos de refrigeração 201512   ciclos de refrigeração 2015
12 ciclos de refrigeração 2015
 
Tolerâncias e Ajustes.pdf
Tolerâncias e Ajustes.pdfTolerâncias e Ajustes.pdf
Tolerâncias e Ajustes.pdf
 
Festo
FestoFesto
Festo
 
Apostila de Compressores
Apostila de CompressoresApostila de Compressores
Apostila de Compressores
 
Técnicas de comando na automação
Técnicas de comando na automaçãoTécnicas de comando na automação
Técnicas de comando na automação
 

Destaque

Processos de fabricação
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Processos de fabricação
Luciano Santos
 
Apresentação Processos de Fabricação Mecânica
Apresentação Processos de Fabricação Mecânica Apresentação Processos de Fabricação Mecânica
Apresentação Processos de Fabricação Mecânica
Victor Dias
 
Trabalho processos de fabricação
Trabalho processos de fabricaçãoTrabalho processos de fabricação
Trabalho processos de fabricação
Paulo Seabra
 
Sistemas flexíveis de produção
Sistemas flexíveis de produçãoSistemas flexíveis de produção
Sistemas flexíveis de produção
Joemille Leal
 
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpiAula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Universidade de Mogi das Cruzes
 
APLICAÇÃO DA MANUFATURA AUXILIADA POR COMPUTADOR EM PROCESSO DE USINAGEM
APLICAÇÃO DA MANUFATURA AUXILIADA POR COMPUTADOR EM PROCESSO DE USINAGEMAPLICAÇÃO DA MANUFATURA AUXILIADA POR COMPUTADOR EM PROCESSO DE USINAGEM
APLICAÇÃO DA MANUFATURA AUXILIADA POR COMPUTADOR EM PROCESSO DE USINAGEM
Bruno Lopes
 
Mecanica de usinagem
Mecanica de usinagemMecanica de usinagem
Mecanica de usinagem
Halida Ferreira
 
Revista da usinagem 86
Revista da usinagem 86Revista da usinagem 86
Revista da usinagem 86
Fernando Silva
 
Apostila senai - mec nica - processos de fabrica-_o
Apostila   senai - mec nica - processos de fabrica-_oApostila   senai - mec nica - processos de fabrica-_o
Apostila senai - mec nica - processos de fabrica-_o
weltoOn
 
Introdução processos de fabricação - metais
Introdução   processos de fabricação - metaisIntrodução   processos de fabricação - metais
Introdução processos de fabricação - metais
fmssimoes
 
Regulagem das moendas
Regulagem das moendasRegulagem das moendas
Regulagem das moendas
consultor tecnico
 
Spr3001 -1._visao_geral_da_producao
Spr3001  -1._visao_geral_da_producaoSpr3001  -1._visao_geral_da_producao
Spr3001 -1._visao_geral_da_producao
Grp Di Bobera
 
2-Treinamento Moenda
2-Treinamento Moenda2-Treinamento Moenda
2-Treinamento Moenda
Leandro Cândido
 
Aula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_taiAula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_tai
Universidade de Mogi das Cruzes
 
02 -introducao_a_metrologia
02  -introducao_a_metrologia02  -introducao_a_metrologia
02 -introducao_a_metrologia
Maria Adrina Silva
 
Fabricação por usinagem
Fabricação por usinagemFabricação por usinagem
Fabricação por usinagem
Sérgio Maêda
 
1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts
Leandro Cândido
 
Vicente chiaverini tecnologia mecânica v2 - processos de fabricação e trata...
Vicente chiaverini   tecnologia mecânica v2 - processos de fabricação e trata...Vicente chiaverini   tecnologia mecânica v2 - processos de fabricação e trata...
Vicente chiaverini tecnologia mecânica v2 - processos de fabricação e trata...
Tatiana Mattos Ferreira
 
Exemplos de programas em cnc (1)
Exemplos de programas em cnc (1)Exemplos de programas em cnc (1)
Exemplos de programas em cnc (1)
Dorival Leandro
 

Destaque (20)

Processos de fabricação
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Processos de fabricação
 
Apresentação Processos de Fabricação Mecânica
Apresentação Processos de Fabricação Mecânica Apresentação Processos de Fabricação Mecânica
Apresentação Processos de Fabricação Mecânica
 
Trabalho processos de fabricação
Trabalho processos de fabricaçãoTrabalho processos de fabricação
Trabalho processos de fabricação
 
Sistemas flexíveis de produção
Sistemas flexíveis de produçãoSistemas flexíveis de produção
Sistemas flexíveis de produção
 
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpiAula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
 
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
 
APLICAÇÃO DA MANUFATURA AUXILIADA POR COMPUTADOR EM PROCESSO DE USINAGEM
APLICAÇÃO DA MANUFATURA AUXILIADA POR COMPUTADOR EM PROCESSO DE USINAGEMAPLICAÇÃO DA MANUFATURA AUXILIADA POR COMPUTADOR EM PROCESSO DE USINAGEM
APLICAÇÃO DA MANUFATURA AUXILIADA POR COMPUTADOR EM PROCESSO DE USINAGEM
 
Mecanica de usinagem
Mecanica de usinagemMecanica de usinagem
Mecanica de usinagem
 
Revista da usinagem 86
Revista da usinagem 86Revista da usinagem 86
Revista da usinagem 86
 
Apostila senai - mec nica - processos de fabrica-_o
Apostila   senai - mec nica - processos de fabrica-_oApostila   senai - mec nica - processos de fabrica-_o
Apostila senai - mec nica - processos de fabrica-_o
 
Introdução processos de fabricação - metais
Introdução   processos de fabricação - metaisIntrodução   processos de fabricação - metais
Introdução processos de fabricação - metais
 
Regulagem das moendas
Regulagem das moendasRegulagem das moendas
Regulagem das moendas
 
Spr3001 -1._visao_geral_da_producao
Spr3001  -1._visao_geral_da_producaoSpr3001  -1._visao_geral_da_producao
Spr3001 -1._visao_geral_da_producao
 
2-Treinamento Moenda
2-Treinamento Moenda2-Treinamento Moenda
2-Treinamento Moenda
 
Aula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_taiAula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_tai
 
02 -introducao_a_metrologia
02  -introducao_a_metrologia02  -introducao_a_metrologia
02 -introducao_a_metrologia
 
Fabricação por usinagem
Fabricação por usinagemFabricação por usinagem
Fabricação por usinagem
 
1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts
 
Vicente chiaverini tecnologia mecânica v2 - processos de fabricação e trata...
Vicente chiaverini   tecnologia mecânica v2 - processos de fabricação e trata...Vicente chiaverini   tecnologia mecânica v2 - processos de fabricação e trata...
Vicente chiaverini tecnologia mecânica v2 - processos de fabricação e trata...
 
Exemplos de programas em cnc (1)
Exemplos de programas em cnc (1)Exemplos de programas em cnc (1)
Exemplos de programas em cnc (1)
 

Semelhante a Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13

Mastercam
MastercamMastercam
Mastercam
Rogerio Fernando
 
17 fresando com cnc
17  fresando com cnc17  fresando com cnc
17 fresando com cnc
Ana Maria Lucas Machado
 
Automação Industrial com ênfase em CLP.pptx
Automação Industrial com ênfase em  CLP.pptxAutomação Industrial com ênfase em  CLP.pptx
Automação Industrial com ênfase em CLP.pptx
AnisioFilho8
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
douglas
 
torno cnc
 torno cnc torno cnc
torno cnc
jackson lima
 
CAP.1 - Histórico dos PLCs.pdf
CAP.1 - Histórico dos PLCs.pdfCAP.1 - Histórico dos PLCs.pdf
CAP.1 - Histórico dos PLCs.pdf
MariaCarolinaTonelli1
 
Apostila cnc 2012
Apostila cnc 2012Apostila cnc 2012
Apostila cnc 2012
IFPR
 
1- Introdução.ppt
1- Introdução.ppt1- Introdução.ppt
1- Introdução.ppt
Allas Jony da Silva Oliveira
 
1- Introdução a automação industrial na pratica
1- Introdução a automação industrial na pratica1- Introdução a automação industrial na pratica
1- Introdução a automação industrial na pratica
Luandiego8
 
Manual cnc
Manual cncManual cnc
AUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdf
AUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdfAUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdf
AUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdf
MussageVirgilioSaide
 
Instalações ited domótica - projeto integrado de comunicações
Instalações ited   domótica - projeto integrado de comunicaçõesInstalações ited   domótica - projeto integrado de comunicações
Instalações ited domótica - projeto integrado de comunicações
Francisco Costa
 
Cn control numerico fundamentos
   Cn  control numerico fundamentos   Cn  control numerico fundamentos
Cn control numerico fundamentos
Jupira Silva
 
TUDO SOBRE PLC
TUDO SOBRE PLCTUDO SOBRE PLC
TUDO SOBRE PLC
Jessica Ferreira
 
Aula 01 automação e controle
Aula 01   automação e controleAula 01   automação e controle
Aula 01 automação e controle
Jorge Alves
 
02- Introdução a programação em CNC 2017.ppt
02- Introdução a programação em CNC 2017.ppt02- Introdução a programação em CNC 2017.ppt
02- Introdução a programação em CNC 2017.ppt
emersongasparetto1
 
Apostila do curso de cam ska
Apostila do curso de cam   skaApostila do curso de cam   ska
Apostila do curso de cam ska
Valber Souza
 
aula9_tecnologia_processos.pdf
aula9_tecnologia_processos.pdfaula9_tecnologia_processos.pdf
aula9_tecnologia_processos.pdf
ElizabeteNunes9
 
Automação ind 1_2014
Automação ind 1_2014Automação ind 1_2014
Automação ind 1_2014
Marcio Oliani
 
CNC
CNCCNC

Semelhante a Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13 (20)

Mastercam
MastercamMastercam
Mastercam
 
17 fresando com cnc
17  fresando com cnc17  fresando com cnc
17 fresando com cnc
 
Automação Industrial com ênfase em CLP.pptx
Automação Industrial com ênfase em  CLP.pptxAutomação Industrial com ênfase em  CLP.pptx
Automação Industrial com ênfase em CLP.pptx
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
 
torno cnc
 torno cnc torno cnc
torno cnc
 
CAP.1 - Histórico dos PLCs.pdf
CAP.1 - Histórico dos PLCs.pdfCAP.1 - Histórico dos PLCs.pdf
CAP.1 - Histórico dos PLCs.pdf
 
Apostila cnc 2012
Apostila cnc 2012Apostila cnc 2012
Apostila cnc 2012
 
1- Introdução.ppt
1- Introdução.ppt1- Introdução.ppt
1- Introdução.ppt
 
1- Introdução a automação industrial na pratica
1- Introdução a automação industrial na pratica1- Introdução a automação industrial na pratica
1- Introdução a automação industrial na pratica
 
Manual cnc
Manual cncManual cnc
Manual cnc
 
AUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdf
AUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdfAUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdf
AUTOMACAO-INDUSTRIAL-PARTE1.pdf
 
Instalações ited domótica - projeto integrado de comunicações
Instalações ited   domótica - projeto integrado de comunicaçõesInstalações ited   domótica - projeto integrado de comunicações
Instalações ited domótica - projeto integrado de comunicações
 
Cn control numerico fundamentos
   Cn  control numerico fundamentos   Cn  control numerico fundamentos
Cn control numerico fundamentos
 
TUDO SOBRE PLC
TUDO SOBRE PLCTUDO SOBRE PLC
TUDO SOBRE PLC
 
Aula 01 automação e controle
Aula 01   automação e controleAula 01   automação e controle
Aula 01 automação e controle
 
02- Introdução a programação em CNC 2017.ppt
02- Introdução a programação em CNC 2017.ppt02- Introdução a programação em CNC 2017.ppt
02- Introdução a programação em CNC 2017.ppt
 
Apostila do curso de cam ska
Apostila do curso de cam   skaApostila do curso de cam   ska
Apostila do curso de cam ska
 
aula9_tecnologia_processos.pdf
aula9_tecnologia_processos.pdfaula9_tecnologia_processos.pdf
aula9_tecnologia_processos.pdf
 
Automação ind 1_2014
Automação ind 1_2014Automação ind 1_2014
Automação ind 1_2014
 
CNC
CNCCNC
CNC
 

Mais de Universidade de Mogi das Cruzes

Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tlAula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tlAula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tlAula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpiAula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpiAula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Universidade de Mogi das Cruzes
 

Mais de Universidade de Mogi das Cruzes (6)

Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tlAula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
 
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tlAula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
 
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tlAula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
 
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpiAula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
 
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpiAula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
 
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 

Último (20)

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 

Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13

  • 1. PROCESSOS DE FABRICAÇÃO I ENGENHARIA MECÂNICA AULA - 2 1Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
  • 2. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 2 O que veremos Hoje? 1 – Filme sobre a História das Máquinas Operatrizes; 2 – Tecnologia de Processamento de Materiais: a) Máquinas-ferramentas CNC; b) Robôs; c) Veículos guiados automaticamente (AGV – automatically guided vehicles); d) Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems); e) Manufatura Integrada por Computador (CIM – computer-integrated manufacturing). PróximaAula
  • 3. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 3
  • 4. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 4 Tecnologia de Processamento de Materiais Avanços na tecnologia fez com que naturalmente os processos de fabricação industriais melhorassem ao longo do tempo; Nesse contexto iremos abordar alguns conceitos importantes para entendermos a estrutura que envolve sistemas de processamentos modernos de materiais
  • 5. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 5 Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) São máquinas-ferramentas (Tornos, Fresadoras, Retificas, etc.) que utilizam o computador para controlar suas ações ao invés de controle manual pelo homem.
  • 6. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 6 Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) Essa substituição dá as máquinas: - Mais acurácia; - Mais precisão; - Mais repetitividade no processo. O uso de máquinas CNC pode também apresentar mais produtividade ao processo devido: - Eliminação de possíveis erros por parte do operador;
  • 7. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 7 O uso de máquinas CNC pode também apresentar mais produtividade ao processo devido (continuação): - Melhor controle dos parâmetros de Corte por parte do computador; - Por causa da substituição da mão de obra cara e habilidosa para operação das máquinas-ferramentas; Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC)
  • 8. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 8 ALGUMAS DESVANTAGENS DE MÁQUINAS CNC • Preferivelmente devem-se utilizar ferramentas com pastilhas intercambiáveis; • Custo elevado da máquina; • Alto custo de manutenção preventiva e corretiva; • Manutenção capacitada em eletromecânica (mão de obra e equipamentos); • Necessita de fundações especiais; • Necessita de instalações especiais com alimentação elétrica isenta de ruídos, alimentação pneumática, etc. Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC)
  • 9. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 9 Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) Algumas máquinas-ferramentas CNC também possuem habilidade para armazenar ferramentas de corte dentro da sua própria estrutura. Dessa forma, quando um programa solicita uma mudança de ferramenta, a antiga é substituída no estoque e a nova ferramenta é instalada no cabeçote da máquina de maneira automática.
  • 10. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 10 Dispositivo para posicionamento dos suportes de ferramentas em linha, oferecendo flexibilidade de montagem de ferramentas para múltiplas aplicações. Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) DISPOSITIVOS DE TROCA DE FERRAMENTAS GANG TOOLS
  • 11. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 11 Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) Neste sistema a troca automática de ferramentas é realizada através do giro da mesma que é comandado pelo programa CNC, deixando a ferramenta na posição de trabalho. DISPOSITIVOS DE TROCA DE FERRAMENTAS TORRE ELÉTRICA
  • 12. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 12 No sistema de revólver a troca é realizada com o giro do dispositivo, que também é comandado pelo programa CNC, até que a ferramenta desejada fique na posição de trabalho. Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) DISPOSITIVOS DE TROCA DE FERRAMENTAS REVÓLVER
  • 13. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 13 Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) DISPOSITIVOS DE CALIBRAÇÃO DE DESGASTE E QUEBRA DE FERRAMENTAS
  • 14. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 14 No sistema magazine as ferramentas são armazenadas em locais numerados. Um braço com duas garras tira: de um lado a nova ferramenta do magazine e do outro lado a ferramenta que estava operando na árvore principal da máquina. Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) DISPOSITIVOS DE TROCA DE FERRAMENTAS MAGAZINE / CARROSSEL
  • 15. 15 Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC) SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO • Algumas máquinas apresentam sistemas onde o fluído refrigerante é conduzido através de canais no interior do suporte porta-ferramentas ou da própria ferramenta. • Outras utilizam mangueiras flexíveis. • Em alguns casos utiliza-se ar comprimido, evitando a contaminação pelos fluidos refrigerantes.
  • 16. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 16 1000 .. nD Vc   D Vc n . 1000.   D=44mm n=868rpm Vc = 120m/min n=3472rpm D=11mm Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC)
  • 17. 17 A maioria das máquinas CNC pode ser equipada com transportador automático de cavacos. O transportador pode ser de esteira mecânica, magnética ou rosca. Máquinas-ferramentas de Controle Numérico Computadorizado (CNC)
  • 18. Robôs (Manipuladores Industriais) “São manipuladores automáticos multifunção reprogramáveis, tendo diversos graus de liberdade, capazes de manusear materiais, peças, ferramentas ou dispositivos especializados.” (SALCK, 2009) Os robôs industriais são máquinas que apresentam características semelhantes as humanas. A mais obvia semelhança está nos braços mecânicos utilizados para desempenhar diversas atividades industriais. (GOOVER, 2011)
  • 19. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 19 Robôs (Manipuladores Industriais) Os robôs industriais apresentam também a capacidade de reagir a estímulos sensoriais, de comunicar-se com outras máquinas e também de tomar decisões. (GOOVER, 2011). O desenvolvimento tecnológico dos robôs seguiu- se paralelamente ao desenvolvimento do controle numérico, e as duas tecnologias são bastante similares.
  • 20. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 20 Robôs (Manipuladores Industriais) Tanto os robôs quanto as máquinas com comando número apresentam um controle coordenado de múltiplo eixos (no caso dos robôs chamados de articulações ou juntas em robótica). (GOOVER, 2011). Ambos utilizam computadores digitais dedicados como controladores. Enquanto máquinas CNC são projetadas para desempenhar processos específicos (usinagem, estampagem, corte térmico, etc) os robôs...
  • 21. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 21 Robôs (Manipuladores Industriais) (GOOVER, 2011). ... Os robôs são projetados para uma gama mais ampla de tarefas, entre elas: - Solda Ponto; - Transferência de materiais; - Carga e descarga de máquinas; - Pintura pulverizada; - Montagem;
  • 22. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 22 Robôs (Manipuladores Industriais) (GOOVER, 2011). Alguns aspectos que tornam os robôs industriais comercialmente e tecnologicamente importantes são: - Poder substituir pessoas em ambientes de trabalho perigosos e desconfortáveis; - Desempenhar o ciclo de trabalho com consistência e repetitividade que não podem ser alcançadas por pessoas; - São controlados por computadores e dessa maneira podem ser conectados a outros sistemas de computadores para chegar a manufatura integrada por computadores.
  • 23. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 23 ROBÔS MANIPULADORES INDUSTRIAIS Robôs (Manipuladores Industriais)
  • 24. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 24
  • 25. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 25 Veículos guiados automaticamente (AGV – automatically guided vehicles) “São veículos pequenos e autônomos, que movem materiais de e para operações agregadoras de valor.” (SALCK, 2009) No contexto da manufatura, embora o transporte e materiais seja inevitável, essa atividade não agrega nenhum valor ao produto. Por esse motivo, muito gerentes de produção estão buscando a automatização dessa atividade.
  • 26. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 26 Veículos guiados automaticamente (AGV – automatically guided vehicles) (SALCK, 2009) Os veículos guiados automaticamente (AGV) são um tipo de tecnologia com esse pretexto. Eles são geralmente guiados por cabos instalados sob o piso da fábrica e recebem instruções de um computador central. http://vercelsteel.com.br/agv.html
  • 27. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 27 Veículos guiados automaticamente (AGV – automatically guided vehicles) Os AGV’s pode ser utilizados para: (SALCK, 2009) • Promover entregas de componentes e materiais no exato momento em que eles são necessários entre as etapas produtivas de uma fábrica; • Servir como estações de trabalho móveis como por exemplo em uma linha de montagem de motores de caminhão;
  • 28. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 28 Veículos guiados automaticamente (AGV – automatically guided vehicles) Os AGV’s pode ser utilizados para (continuação): (SALCK, 2009) • Movimentação de materiais a serem estocados; • Mover correspondências em escritórios; • Transportar livros em bibliotecas; • Transportar amostras em laboratórios de hospitais.
  • 29. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 29 Veículos guiados automaticamente (AGV – automatically guided vehicles) (GROOVER, 2011) AGV de Palete Carregador de Unidade de Carga Trem guiado automaticamente sem condutor TIPOS DE VEÍCULOS
  • 30. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 30 Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems) “São configurações controladas por computador de estações de trabalho semi-independentes, conectadas por manuseio de materiais e carregamento de máquinas automatizados.” (SALCK, 2009) Trata-se de um conjunto de tecnologias integradas como: - Estações de Trabalho CNC; - Instalações de carga/descarga; - Instalações de transporte e manuseio; - Sistema central de controle por computador.
  • 31. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 31 Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems) A principal particularidade do FMS está relacionada ao aspecto de que todo o sistema, trabalhando em conjunto, tem potencial para ser melhor que a soma das suas partes. (SALCK, 2009) O FMS é capaz de manufaturar um componente completo do inicio ao fim do seu processo produtivo.
  • 32. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 32 Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems) A flexibilidade das tecnologias individuais de um FMS combinam-se para esse sistema possa ser muito versátil. (SALCK, 2009) Dessa maneira uma sequência de produtos, todos diferentes mas dentro de um “pacote” de capacitações do sistema, pode ser processada no FMS em qualquer ordem e sem trocas demoradas.
  • 33. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 33 Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems) O conceito de “pacote” de capacitações é extremamente importante para o FMS. (SALCK, 2009) Tendo em vista que um conjunto de máquinas dentro de um FMS tem limitações de tamanho e forma dos materiais que pode processar.
  • 34. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 34 Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems) (AZEVEDO, 2013)
  • 35. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 35 http://dainf.ct.utfpr.edu.br/~maziero/doku.php/so:celula_flexivel_de_manufatura Compostos por Máquinas Ferramentas comandas por Comando Número Comutadorizados e Robôs trabalhando em conjunto para matérias-primas em peças manufaturadas (MAZIERO, 2013) Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems)
  • 36. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 36 http://rishivadher.blogspot.com.br/2011/03/importancia-das-automacao-das-coisas.html Sistemas Flexíveis de Manufatura (FMS – flexible manufacturing systems)
  • 37. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 37 Manufatura Integrada por Computador (CIM – computer integrated manufacturing) É a integração do monitoramento baseado em computador e controle de todos os aspectos dos processo de manufatura. (SALCK, 2009) Disponibilizando os dados em um banco de dados comum que se comunica entre todos os equipamentos (máquinas e computadores) por meio de uma rede.
  • 38. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 38 Manufatura Integrada por Computador (CIM – computer integrated manufacturing) Enquanto o FMS integra aquelas atividades que dizem respeito diretamente ao processo de transformação mas não inclui atividade como: - projeto; - Programação. (SALCK, 2009)
  • 39. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 39 Manufatura Integrada por Computador (CIM – computer integrated manufacturing) (SALCK, 2009) O CIM tem como objetivo atender um aspecto mais amplo de integração, envolvendo uma combinação de tecnologias: - CAD/CAM; - FMS; - AGV’s; - Robótica; - Softwares de programação
  • 40. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 40 Manufatura Integrada por Computador (CIM – computer integrated manufacturing) (SALCK, 2009) Nos casos em que as atividades CIM da organização são integradas com outras funções, e muitas vezes até mesmo com fornecedores e clientes, elas são chamadas de “Empreendimento Integrado por Computador” (CIE – computer integrated enterprise);
  • 41. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 41 Resumo das tecnologias de processamento de materiais (SALCK, 2009) Maquinas Ferramentas CNC: O que faz?  Desempenha os mesmos tipos de corte de metal e operações de forma que realizava antes, mas com controle por computador; Como Faz?  Instruções reprogramadas são lidas pelo computador que ativa o sistema de controle físico na máquina-ferramenta; Que vantagens oferece?  Precisão, acurácia, uso otimizado das ferramentas que maximizam sua vida útil e o aumento da produtividade do trabalho; Que restrições impõe?  Custo de capital maior que o de tecnologia manual. Requer funcionários capacitados para reprogramar as instruções de controle por computador.
  • 42. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 42 Resumo das tecnologias de processamento de materiais (SALCK, 2009) Robô: O que faz?  Move e manipula, produtos, peças e ferramentas; Como Faz?  Opera por meio de um braço programável e controlado por computador (muitas vezes com múltiplas junções/articulações); Que vantagens oferece?  Pode ser usado em situações perigosas ou desconfortáveis para humanos, ou em tarefas extremamente repetitivas. Desempenha tarefas repetitivas a um custo menor que os humanos e oferece maior precisão e capacidade de repetição; Que restrições impõe?  Não pode executar funções que necessitem de resposta sensorial delicada ou julgamento sofisticado.
  • 43. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 43 Resumo das tecnologias de processamento de materiais (SALCK, 2009) Veículo guiado automaticamente (AGV): O que faz?  Move material entre operações; Como Faz?  Veículos com energia independente guiados por cabos alternados e controlados por computador; Que vantagens oferece?  Movimento independente, flexibilidade de rota e flexibilidade de uso no longo prazo; Que restrições impõe?  Custo de capital consideravelmente maior que os sistemas alternativos (esteiras transportadoras).
  • 44. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 44 Resumo das tecnologias de processamento de materiais (SALCK, 2009) Sistema flexível de manufatura (FMS): O que faz?  Produz completamente uma gama de componentes sem intervenção humana significativa no processo; Como Faz?  Integra tecnologias programáveis como máquinas- ferramentas, dispositivos de manuseio de materiais, AGV’s e robôs por meio de controle centralizado de computador ; Que vantagens oferece?  Tempos de atravessamento mais rápidos, maior utilização dos equipamentos, menores estoques em processo, maior consistência de qualidade, maior flexibilidade de produtos; Que restrições impõe?  Custo de capital muito elevados com retornos incertos; Requer habilidade de programação e pode ser vulnerável a quebras (o que pode fazer parar todo o sistema);
  • 45. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 45 Resumo das tecnologias de processamento de materiais (SALCK, 2009) Manufatura Integrada por Computador (FMS): O que faz?  Coordena o processo de manufatura de uma peça, componente ou produto; Como Faz? Conecta e integra a tecnologia de informação que forma a fundação da tecnologia do projeto (CAD), tecnologia de manufatura (FMS), manuseio de materiais (AGV’s ou Robôs) e gestão imediata dessas atividades (programação, carregamento e monitoramento); Que vantagens oferece?  Tempos de atravessamento mais rápidos, flexibilidade quando comparados com outras tecnologias e potencial para uma produção não supervisionada pelo homem; Que restrições impõe?  Custo de capital extremamente altos, grandes problemas técnicos de comunicação entre as diferentes partes do sistema, além de alguma vulnerabilidade a falhas e quebras.
  • 46. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 46 AZEVEDO, D. F. O. CIM, FMS e CAM (Apresentação para Aula de Processos de Fabricação I). Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), 2013 GROOVER, M. Automação Industrial e Sistemas de Manufatura. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011 MAZIERO, C. A. Sistemas Operacionais: Células de Manufatura (Anotações de aula pela Internet: http://dainf.ct.utfpr.edu.br/~maziero/doku.php/so:celula_flexivel_de_manufatura (acesso em 19/08/13); SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2009 Referências