SlideShare uma empresa Scribd logo
ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO
TGPI - TAI
AULA -2
1Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 2
O que veremos nessa aula?
 O que é Administração da Produção e o seu papel nas organizações
 Funções Centrais e Funções de Apoio em uma Organização
 Administração da produção em Pequenas Empresas e Empresas sem Fins
Lucrativos
 Abordagem de Processos em Administração da Produção
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 3
Administração da Produção
(SLACK, 2009)
 A administração da produção trata da maneira com qual as organizações
produzem seus bens e serviços.
 A administração da produção é a atividade de gerenciar recursos
destinados à produção e disponibilização de bens e serviços.
 Toda organização tem uma função de produção, pois toda organização
produz algum tipo de produto ou serviço.
 Mas nem toda organização tem claramente ou necessariamente a função
produção denomina por esse nome. Muitas vezes a função produção e
utilizada de maneira simplificada como: operações ou simplesmente
produção.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 4
Administração da Produção
(SLACK, 2009)
 Uma figura extremamente importe no função administração é o Gerente
de Produção;
 O Gerente das Produção são funcionários das organização que tem como
responsabilidade administrar alguns ou todos os recursos envolvidos com a
função produção.
 Dependendo do tipo de organização o Gerente de Produção pode receber
as seguintes denominações:
 Gerente de Tráfego em uma empresa de distribuição;
 Gerente Administrativo em um hospital;
 Gerente de Loja em um supermercado.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 5
Administração da Produção
(SLACK, 2009)
 A função produção é central para organização pois ela produz os bens e
serviços que são a razão sua existência.
 Entretanto ela não é única a ocupar esse posição de centralidade e
também não é necessariamente a mais importante.
 Junto com a função produção temos outras duas funções que ocupam
esse papel central nas organizações:
 Função Marketing;
 Função Desenvolvimento de Produto e Serviço.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 6
Administração da Produção
(SLACK, 2009)
 Função Marketing  inclui também a questão das vendas e é o
responsável por comunicar os produtos ou serviços de uma empresa com o
seu mercado de modo a gerar pedidos de serviços e produtos por
consumidores;
 Função Desenvolvimento de produto ou serviço  responsável por criar
novos produtos ou serviços ou modificá-los de modo a gerar solicitações
futuras de consumidores por outros produtos;
 Função Produção  responsável por satisfazer as solicitações de
consumidores por meio da produção e entrega de produtos e serviços.
Funções Centrais nas Organizações:
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 7
Administração da Produção
(SLACK, 2009)
Funções de Apoio nas Organizações:
 Função contábil-financeira fornece a informação para ajudar os
processos decisórios econômicos e recursos financeiros da organização;
 Função Recursos Humanos responsável pelo recrutamento e
desenvolvimento dos funcionários da organização. Encarrega-se também pelo
bem estar de todos na organização.
FUNÇÕES CENTRAIS E DE APOIO
(SLACK, 2008)
Função de
Marketing
Função de
Desenvolvimento de
produto/serviço
Contabilidade e
função de
financias
Função de recursos
humanos (RH)
Função Sistemas
de informação
Função
Técnica
Comunicar as capacitações
e restrições de processos de
operações
Necessidades de
tecnologia de processos
Opções de
tecnologia de
processos
Funções Centrais
Função de Apoio
Comunicar as capacitações
e restrições de processos de
operações
Novas ideias de
produtos/serviços
Comunicar as
necessidades de
sistemas de
informação
Sistemas para
projeto,
planejamento ,
controle e
melhoramento
Requisitos de
Mercado
Comunicar as
necessidades de
recursos humanos
Recrutamento,
desenvolvimento e
treinamento
Provisão de dados
relevantesAnálise financeira
para medida de
desempenho e
tomada de decisões Função de
Produção
O escopo das
responsabilidades
da gestão de
operações
O PAPEL DA FUNÇÃO PRODUÇÃO
(SLACK, 2008)
 Para muitas empresas, a função produção representa o grosso dos bens
da organização;
 É o setor da empresa onde estão alocados a maior parte dos funcionários;
 É a função produção que agrega competividade à empresa;
 Fornece habilidade de resposta aos consumidores;
 Sempre procura desenvolver sua capacitação com o objetivo de estar a
frente dos concorrentes hoje e também no futuro;
O PAPEL DA FUNÇÃO PRODUÇÃO
(SLACK, 2008)
 Exemplos de positivos e negativos de administração da produção:
(notícias de jornais)
1) Qualidade ajuda a Toyota a ter o maior ranqueamento em satisfação do
consumidor na Alemanha pelo quarto ano consecutivo:
“Munique, 29 de junho de 2005. A Toyota recebeu a maior nota em
satisfação do consumidor pelo quarto ano consecutivo, de acordo
com estudo liberado hoje pela L. P. Power and Associates. Os modelos
da Toyota ganharam cinco dos sete segmentos individuais de novos
veículos, com os modelos da BMW e Mercedez-Benz capturando os
dois remanescentes. Os prêmios para cada segmento são:...”
O PAPEL DA FUNÇÃO PRODUÇÃO
(SLACK, 2008)
2) Equipamento de navegação da Korean Air falhou (Juliette Jowit,
Correspondente de Transportes)
“Equipamento vital de navegação falhou momentos antes da queda
do Boeing 747 da Korean Air, mês passado, próximo ao aeroporto
Stansted, apesar de tentativas do pessoal de manutenção de resolver
o problema antes da decolagem, conforme revelou um relatório
preliminar sobre o acidente divulgado ontem a noite.
A queda, na noite de 22 de dezembro, matou os quatro membros da
tripulação e por pouco não atingiu a redondeza.
O problema com o indicador de altitude, que informa a exata
localização do aparelho a noite e tempo nublado, havia sido
detectado no voo anterior do jato cargueiro.”
 Exemplos de positivos e negativos de administração da produção:
(notícias de jornais)
O PAPEL DA FUNÇÃO PRODUÇÃO
(SLACK, 2008)
3) França retira Coca-Cola das prateleiras
4) Rato no corredor força British Air Line a cancelar voô da África
5) Operações Posten alcançam desempenho de entrega de nível mundial
6) Custo baixo e altos lucros por eficiência operacional:
“Empresas aéreas de baixo custo, como Southwest, Ryanair e Easyjet,
estão superando as linhas aéreas da escola antiga, graças
principalmente ao comando de eficiências operacionais.
Nenhum centavo é gasto desnecessariamente, tempos de
permanência no solo são mantidos ao mínimo necessário de modo
que a aeronave voe quente e o serviço é, nitidamente, sem luxos.
Ainda assim, os consumidores não reclamam e as linhas aéreas
econômicas continuam a...”
 Exemplos de positivos e negativos de administração da produção:
(notícias de jornais)
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 13
Administração da Produção em
pequenas empresas
(SLACK, 2008)
 Independentemente do tamanho da empresa teoricamente a
administração da produção deveria funcionar da mesma forma.
 Seguem abaixo alguns fatores que diferenciam empresas grandes das
pequenas me relação a administração da produção:
Empresas Grandes Empresas Pequenas
• Recursos para garantir
profissionais para tarefas
especializadas
• Pessoas executam diferentes
trabalhos conforme a
necessidade
• Estrutura formal e muitas vezes
burocrática para solução de
problemas
• Estrutura informal que muitas vezes
permite reagir mais prontamente quando
surgem oportunidades ou problemas
• Processo decisório claro e com
atribuição bem definidas para
cada função da empresa
• Processo decisório confuso a
medida que as funções se
justapõem.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 14
Administração da Produção em
pequenas empresas
(SLACK, 2008)
 Empresas pequenas podem ter os mesmos conceitos de administração da
produção utilizados pelas grandes empresas.
Conclusão:
 No entanto, as empresas pequenas geralmente apresentam mais
dificuldades para diferenciar as questões de massa de outras questões da
organização.
 Mesmo assim, pode-se encontrar casos de empresas que conseguiram
administrar esses contratempos e conseguir vantagens significativas em
termos de administração da produção – vide exemplo da Acme Whistles.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 15
Administração da Produção em
pequenas empresas
(SLACK, 2008)
A história da Acme Whistles começa em 1870, quando Joseph Hudson percebeu que tinha a
solução para um problema da Polícia Metropolitana de Londres, que buscava algum artefato capaz
de substituir os chocalhos de madeira usados para soar como alarme de emergência.
Rapidamente a Acme cresceu a ponto de ser a principal fornecedora de apitos para as forças da
polícia ao redor do mundo. “De muitas formas”, relata Simon Topman, proprietário e diretor geral
da empresa, “a empresa é a mesma do tempo do Joseph. O maquinário é mais moderno, com
certeza, e nós temos uma variedade maior de produtos, mas muitos de nossos processos são
similares aos seus antecessores. Por exemplo, os juízes de futebol parecem preferir o apito
tradicional em forma de caracol. Portanto, embora tenhamos aprimorado drasticamente o
desempenho do produto, nossos consumidores querem que ele tenha a mesma aparência.
Também matemos a mesma tradição manufatureira dos primórdios da empresa. O proprietário
original insistia em testar cada apito pessoalmente antes que ele saísse da fábrica. Ainda fazemos
esse teste individual, mas não pessoalmente e sim por meio de uma linha de ar comprimido.
Mantendo dessa forma a mesma tradição de qualidade.
A variedade de apitos da empresa foi ampliada para incluir apitos esportivos (a empresa fornece
os apitos usados na copa do mundo de futebol), apitos para emergência, apitos para cachorros
(silenciosos), apitos de divertimento, apitos instrumentais (usados pelas melhores orquestras do
mundo) e muitos outros tipos. “Estamos sempre tentando aprimorar nossos produtos”, afirma
Simon; “temos um negócio em constante aprimoramento. Algumas vezes, chego a pensar que,
após 130 anos, certamente não há mais nada a fazer, mais sempre encontramos algo novo para
incorporar”.
Estudo de Caso: Acme Whistles
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 16
Administração da Produção em
pequenas empresas
(SLACK, 2008)
“Com certeza gerenciar as operações em uma empresa pequena é bem diferente do uma empresa
grande. Aqui cada um possui tarefas maiores, já que não podemos pagar os custos de arcar com
pessoas especializadas para desempenhar papéis específicos. Essa relativa informalidade, no
entanto possui vantagens. Significa que podemos manter nossa filosofia de qualidade entre todos
da empresa e significa que podemos reagir prontamente quando o mercado manda”.
O pequeno porte da empresa tampouco apresenta-se como barreira para sua habilidade de
inovar. “Ao contrário”, afirma Simon, “existe algo na cultura da empresa que é extremamente
favorável à inovação. Devido ao fato de sermos pequenos e nos conhecermos bem, todos na
empresa querem contribuir com algo. Não é incomum os funcionários trazerem ideias novas para
diferentes tipos de apitos. Caso a ideia pareça promissora, montamos uma pequena equipe
informal para explorá-la. É comum, muitas vezes, ter um funcionário com apenas alguns meses na
empresa e já querendo inovar. É como se alguma coisa acontecesse quando eles entram pela
porta da fábrica que os encoraja a serem naturalmente inventivos”.
Estudo de Caso: Acme Whistles (continuação)
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 17
Administração da Produção em
pequenas empresas
(SLACK, 2008)
Questões para discussão sobre o Estudo de Caso 1:
1. Qual a superposição existente entre operações de marketing e
desenvolvimento de produtos/serviço na Acme Whistles?
2. Como o pequeno porte da Acme afeta sua habilidade de inovar?
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 18
Administração da Produção em
Empresas sem fins lucrativos
(SLACK, 2008)
 Conforme conversamos no início da disciplina, a administração da
produção também pode ser utilizada para empresas cujos objetivo
principal não seja gerar lucros.
 Administra as operações de um centro de proteção de animais, um
hospital, um centro de pesquisas ou um departamento do governo é,
essencialmente, igual a administrar as operações de empresas
voltadas ao lucro.
 Ambos modelos de empresas, com ou fins lucrativos, devem
enfrentar os mesmos conjuntos de decisões sobre:
• Como produzir seus produtos ou serviços;
• Como investir em tecnologia;
• Como subcontratar algumas de suas atividades;
• Como criar medidas de desempenho;
• Como melhor o desempenho de suas atividades;
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 19
Administração da Produção em
Empresas sem fins lucrativos
(SLACK, 2008)
 Mas os objetivos de desempenho de empresas sem fins lucrativos
podem ser mais complexo por envolverem uma misturas de
objetivos políticos, econômicos, sociais e ambientais.
 Devido a isso, uma série de decisões a serem definidas nas
operações desse tipo de organização podem ter objetivos
conflitantes.
 Exemplo:
São os funcionários de operações (ou de produção) em um
departamento de garantia ao bem estar infantil que irão enfrentar os
conflitos entre o custo de prover assistentes sociais extras e o risco de
uma criança não receber uma proteção adequada.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 20
Abordagem de processo em
Administração da Produção
(SLACK, 2008)
Entradas e Saídas do Processo (“input” e “outputs”)
 Todas as operações produzem produtos e serviços por meio da
transformação de entradas em saídas, o que é chamado de Processo
de Transformação ou Modelo de Transformação.
Processo de
transformação
Recursos
de entrada
(input)
Recursos
de saída
(output)
Recursos de
entrada a serem
transformados
• Materiais;
• Informações;
• Consumidores
• Recursos de
entrada de
transformação
• Instalações;
• Pessoal
Consumidores
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 21
Abordagem de processo em
Administração da Produção
(SLACK, 2008)
Entradas para o processo de transformação:
 Recursos Transformados: são tratados, transformados ou
convertidos em algo.
• Materiais  Uma grande maioria das operações que processam
materiais podem transformar suas propriedades físicas (forma ou
composição). Outras operações processam materiais para alterar
sua localização (empresas de entrega de mercadoria –
transportadoras); Operações de varejo processam materiais
mudando a sua posse; Depósitos estocam materiais.
• Informações operações que processam informações podem
transformar suas propriedades informativas, isto é, o objetivo ou a
forma da informação (exemplos: Contadores); Empresas de pesquisa
de mercado que vendem informações alteram a posse a posse da
informação; Arquivos e Bibliotecas estocam informação;
Companhias de telecomunicação alteram a localização da
informação.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 22
• Consumidores  operações que processam consumidores podem
alterar suas propriedades físicas de forma similar aos
processamento de materiais, como por exemplo os cabelereiros e os
cirurgiões plásticos; Hotéis estocam ou acomodam consumidores;
Empresas de transporte aéreo, rodoviário ou metroviário alteram a
localização de seus consumidores; Hospitais transformam seus
estados fisiológicos; Serviços de entretenimento como música,
teatro, televisão, rádio e parques temáticos alteram o estado
psicológico de seus consumidores
Abordagem de processo em
Administração da Produção
(SLACK, 2008)
Entradas para o processo de transformação:
 Recursos Transformados (continuação):
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 23
Abordagem de processo em
Administração da Produção
(SLACK, 2008)
Predominantemente
processadores de materiais
Predominantemente
processadores de
informações
Predominantemente
processadores de
consumidores
Todas as operações de
manufatura
Contadores Cabelereiros
Empresas de mineração Bancos Hotéis
Operações de varejo Empresas de pesquisa de
mercado
Hospitais
Armazéns Analistas financeiros Transportes rápidos de massa
Serviços postais Serviços de notícias Teatros
Linha de embarque de
contêineres
Unidade de pesquisas em
universidades
Parques Temáticos
Empresas de transporte
rodoviário
Empresas de Telecomunicação Dentistas e Médicos
Tabela que relaciona os materiais transformados predominantemente em
várias operações:
Exercício:
Reúnam-se em grupos e relacionem em
cada coluna os tipos de operações em
empresas considerando os seus
principais recursos transformados!
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 24
 Recursos de transformação: agem sobre os recursos transformados.
Abordagem de processo em
Administração da Produção
(SLACK, 2008)
• instalações prédios, equipamentos, terreno e tecnologia do
processo de produção;
Entradas para o processo de transformação:
• funcionários aqueles que operam, mantêm, planejam e
administram a produção. Enfim são todas as pessoas envolvidas na
produção e em todos os níveis.
 A natureza específica das instalações e dos funcionários varia entre
operações
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 25
Abordagem de processo em
Administração da Produção
(SLACK, 2008)
Saídas do processo de transformação: todos os processos existem para
produção produtos e serviços.
 Embora os produtos e serviços sejam diferentes, a distinção entre
eles pode ser sútil.
 A diferença mais obvia entre os dois tipos de produção (produtos e
serviços) seja em relação à TANGIBILIDADE.
 Em geral, os produtos são tangíveis. Pois você consegue tocar
fisicamente um aparelho de televisão, um jornal ou um veículo.
 Os serviços são considerados intangíveis. Pois você não pode tocar
uma orientação de consultoria ou um corte de cabelo. (embora
possa, frequentemente, ver ou sentir os resultados desses serviços).
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 26
Abordagem de processo em
Administração da Produção
(SLACK, 2008)
Saídas do processo de transformação: continuação...
 Outro aspecto importante a ser considerado entre os produtos e
serviços é a questão da validade.
 Em geral, os serviços tem uma validade muito menor do que os
produtos (serviço de acomodação noturna de um quarto de hotel –
não será prestado se não for vendido antes da noite – a acomodação
do mesmo quarto na manhã seguinte é um outro serviço..
 Os produtos, geralmente são estocados por um períodos de tempo
(alimentos alguns dias; prédios milhares de anos).
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 27
Abordagem de processo em
Administração da Produção
(SLACK, 2008)
Saídas do processo de transformação: continuação...
A maioria das operações produz tanto produtos quanto serviços
 Algumas operações produzem exclusivamente apenas produtos e
são denominadas como fabricantes de produtos puros;
 Algumas operações produzem exclusivamente apenas serviços e são
denominadas como fabricantes de serviços puros;
 Algumas operações produzem produtos e podem também oferecer
alguns serviços como assistência técnica, instalação, manutenção e
treinamento. Os produtos fornecidos nessa circunstâncias são
denominados serviços facilitadores.
 Esse tipo de serviço existe apenas para facilitar a venda dos produtos
a que dão sustentação (“venda casada”).
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 28
Abordagem de processo em
Administração da Produção
(SLACK, 2008)
Saídas do processo de transformação: continuação...
Produtos e Serviços estão se fundindo
 Pois o grande desafio é além de produzir produtos é satisfazer o
cliente!
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 29
REFERÊNCIAS
SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2009

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIALORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
Juliane Aparecida Alves
 
Gestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade TotalGestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade Total
UerjFundamentosDaAdministracao2013_1
 
Produtividade e Qualidade
Produtividade e QualidadeProdutividade e Qualidade
Produtividade e Qualidade
Fernanda Paola Butarelli
 
Mapeamento processos
Mapeamento processosMapeamento processos
Mapeamento processos
Cláudio Marques
 
PDCA - Treinamento completo
PDCA - Treinamento completoPDCA - Treinamento completo
PDCA - Treinamento completo
Vinícius Toledo França de Nader
 
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicaçõesCiclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Adm. Daniel Paulino
 
Eras da qualidade
Eras da qualidadeEras da qualidade
Eras da qualidade
Renato Bottini
 
Gestão de Projetos
Gestão de ProjetosGestão de Projetos
Gestão de Projetos
HealthMinds Academy
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Adriano Pereira
 
ADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizaçõesADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizações
Gabriel Faustino
 
Aula i conceitos ADMINISTRAÇÃO
Aula i  conceitos ADMINISTRAÇÃOAula i  conceitos ADMINISTRAÇÃO
Aula i conceitos ADMINISTRAÇÃO
Lorena Carvalho
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Mayra de Souza
 
Gurus da Qualidade
Gurus da QualidadeGurus da Qualidade
Gurus da Qualidade
Rubia Soraya Rabello
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
Marco Antonio Maciel
 
Processos de Produção
Processos de ProduçãoProcessos de Produção
Processos de Produção
Mauro Enrique
 
Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I
Cristiano Ferreira Cesarino
 
Apostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestreApostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestre
vivianepga
 
Fundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da QualidadeFundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da Qualidade
Gerente Consciente
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
Virginia Gonçalves
 
Ciclo pdca
Ciclo pdcaCiclo pdca
Ciclo pdca
Carci
 

Mais procurados (20)

ORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIALORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
 
Gestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade TotalGestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade Total
 
Produtividade e Qualidade
Produtividade e QualidadeProdutividade e Qualidade
Produtividade e Qualidade
 
Mapeamento processos
Mapeamento processosMapeamento processos
Mapeamento processos
 
PDCA - Treinamento completo
PDCA - Treinamento completoPDCA - Treinamento completo
PDCA - Treinamento completo
 
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicaçõesCiclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
Ciclo PDCA: o guia definitivo das principais aplicações
 
Eras da qualidade
Eras da qualidadeEras da qualidade
Eras da qualidade
 
Gestão de Projetos
Gestão de ProjetosGestão de Projetos
Gestão de Projetos
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
ADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizaçõesADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizações
 
Aula i conceitos ADMINISTRAÇÃO
Aula i  conceitos ADMINISTRAÇÃOAula i  conceitos ADMINISTRAÇÃO
Aula i conceitos ADMINISTRAÇÃO
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Gurus da Qualidade
Gurus da QualidadeGurus da Qualidade
Gurus da Qualidade
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
 
Processos de Produção
Processos de ProduçãoProcessos de Produção
Processos de Produção
 
Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I Material Administração da Produção e Operações I
Material Administração da Produção e Operações I
 
Apostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestreApostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestre
 
Fundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da QualidadeFundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da Qualidade
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
 
Ciclo pdca
Ciclo pdcaCiclo pdca
Ciclo pdca
 

Destaque

Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Aula 1   Administração da Produção - definições básicasAula 1   Administração da Produção - definições básicas
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Correios
 
Unidade 2 conceitos, funções e objetivos do sp
Unidade 2   conceitos, funções e objetivos do spUnidade 2   conceitos, funções e objetivos do sp
Unidade 2 conceitos, funções e objetivos do sp
Daniel Moura
 
Gestão da Produção
Gestão da ProduçãoGestão da Produção
Gestão da Produção
gdomingues
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
PMY TECNOLOGIA LTDA
 
Unidade 2 - Estratégia da produção
Unidade 2   - Estratégia da produçãoUnidade 2   - Estratégia da produção
Unidade 2 - Estratégia da produção
Daniel Moura
 
Administração da Produção
Administração da ProduçãoAdministração da Produção
Administração da Produção
Guilherme Vieira de Moraes
 
Gestão da produção introdução e conceitos
Gestão da produção introdução e conceitosGestão da produção introdução e conceitos
Gestão da produção introdução e conceitos
Mirella Santos
 
Administração da produção
Administração da produçãoAdministração da produção
Administração da produção
milton junior
 
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpiAula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Apresentação guru slack hubot
Apresentação guru   slack hubotApresentação guru   slack hubot
Apresentação guru slack hubot
Vinícius Carvalho
 
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpiAula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 02 introducao adm da produção - db
Aula 02   introducao adm da produção - dbAula 02   introducao adm da produção - db
Aula 02 introducao adm da produção - db
Daniela Brauner
 
Werneckcontcustoexer
WerneckcontcustoexerWerneckcontcustoexer
Werneckcontcustoexer
Kezia Suely
 
Produtividade
ProdutividadeProdutividade
Produtividade
Elcio Ferreira
 
Função Produção
Função ProduçãoFunção Produção
Função Produção
Mauro Enrique
 
Produção cap1 aula 1
Produção cap1   aula 1Produção cap1   aula 1
Produção cap1 aula 1
Diego José
 
Gestão/Administração da produção.
Gestão/Administração da produção.Gestão/Administração da produção.
Gestão/Administração da produção.
Henrique Ferreira
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Canal de distribuição Projeto Logístico -coca-cola, Castelo Branco.
Canal de distribuição   Projeto Logístico -coca-cola, Castelo Branco.Canal de distribuição   Projeto Logístico -coca-cola, Castelo Branco.
Canal de distribuição Projeto Logístico -coca-cola, Castelo Branco.
Idene Santos
 

Destaque (20)

Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Aula 1   Administração da Produção - definições básicasAula 1   Administração da Produção - definições básicas
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
 
Unidade 2 conceitos, funções e objetivos do sp
Unidade 2   conceitos, funções e objetivos do spUnidade 2   conceitos, funções e objetivos do sp
Unidade 2 conceitos, funções e objetivos do sp
 
Gestão da Produção
Gestão da ProduçãoGestão da Produção
Gestão da Produção
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
 
Unidade 2 - Estratégia da produção
Unidade 2   - Estratégia da produçãoUnidade 2   - Estratégia da produção
Unidade 2 - Estratégia da produção
 
Administração da Produção
Administração da ProduçãoAdministração da Produção
Administração da Produção
 
Gestão da produção introdução e conceitos
Gestão da produção introdução e conceitosGestão da produção introdução e conceitos
Gestão da produção introdução e conceitos
 
Administração da produção
Administração da produçãoAdministração da produção
Administração da produção
 
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpiAula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
 
Apresentação guru slack hubot
Apresentação guru   slack hubotApresentação guru   slack hubot
Apresentação guru slack hubot
 
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
 
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpiAula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
 
Aula 02 introducao adm da produção - db
Aula 02   introducao adm da produção - dbAula 02   introducao adm da produção - db
Aula 02 introducao adm da produção - db
 
Werneckcontcustoexer
WerneckcontcustoexerWerneckcontcustoexer
Werneckcontcustoexer
 
Produtividade
ProdutividadeProdutividade
Produtividade
 
Função Produção
Função ProduçãoFunção Produção
Função Produção
 
Produção cap1 aula 1
Produção cap1   aula 1Produção cap1   aula 1
Produção cap1 aula 1
 
Gestão/Administração da produção.
Gestão/Administração da produção.Gestão/Administração da produção.
Gestão/Administração da produção.
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Administração da producao
 
Canal de distribuição Projeto Logístico -coca-cola, Castelo Branco.
Canal de distribuição   Projeto Logístico -coca-cola, Castelo Branco.Canal de distribuição   Projeto Logístico -coca-cola, Castelo Branco.
Canal de distribuição Projeto Logístico -coca-cola, Castelo Branco.
 

Semelhante a Aula 02 rev_27_02_13_tai

APO - Aula 01
APO - Aula 01APO - Aula 01
APO - Aula 01
Maxime Parisot
 
Apresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean ManufacturingApresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean Manufacturing
Jose Donizetti Moraes
 
Administração japonesa
Administração japonesaAdministração japonesa
Administração japonesa
alanaagnes
 
O modelo japonês de administração
O modelo japonês de administraçãoO modelo japonês de administração
O modelo japonês de administração
Antonio Marcos Montai Messias
 
Gerenciamento da rotina modulo 2
Gerenciamento da rotina modulo 2Gerenciamento da rotina modulo 2
Gerenciamento da rotina modulo 2
Thiago Reis
 
Aula 7 e 8 fundamentos
Aula 7 e 8   fundamentosAula 7 e 8   fundamentos
Aula 7 e 8 fundamentos
Mikele Letícia
 
Modulo administração da produção I Adriano Moitinho Pinto
Modulo administração da produção I Adriano Moitinho PintoModulo administração da produção I Adriano Moitinho Pinto
Modulo administração da produção I Adriano Moitinho Pinto
Adriano Moitinho Pinto
 
JSA_Gestão Produção
JSA_Gestão ProduçãoJSA_Gestão Produção
JSA_Gestão Produção
Salvador Abreu
 
O modelo japonês de administração
O modelo japonês de administraçãoO modelo japonês de administração
O modelo japonês de administração
Antonio Marcos Montai Messias
 
Wcm 001
Wcm 001Wcm 001
Wcm 001
fabioavela
 
O sistema de produção enxuta e sua implantação na volkswagen do brasil o ge...
O sistema de produção enxuta e sua implantação na volkswagen do brasil   o ge...O sistema de produção enxuta e sua implantação na volkswagen do brasil   o ge...
O sistema de produção enxuta e sua implantação na volkswagen do brasil o ge...
Jeuziane Duarte Lamim
 
Aula4
Aula4Aula4
Aula 1 - Lean Manufaturing.pptx
Aula 1 - Lean Manufaturing.pptxAula 1 - Lean Manufaturing.pptx
Aula 1 - Lean Manufaturing.pptx
FABRICIOPLASTER1
 
Artigo acadetec-01 maio2013
Artigo acadetec-01 maio2013Artigo acadetec-01 maio2013
Artigo acadetec-01 maio2013
Acadetec
 
1 introdução à gp.pdf
1   introdução à gp.pdf1   introdução à gp.pdf
1 introdução à gp.pdf
Vera Carlos
 
Marketing análise da concorrência
Marketing análise da concorrênciaMarketing análise da concorrência
Marketing análise da concorrência
Carlos Rocha
 
Estrat Gia Competitiva E Cen Rios
Estrat Gia Competitiva E Cen RiosEstrat Gia Competitiva E Cen Rios
Estrat Gia Competitiva E Cen Rios
guest06f340
 
Workshop de design de produto
Workshop de design de produtoWorkshop de design de produto
Workshop de design de produto
André Ramos
 
Plano de negócios
Plano de negócios Plano de negócios
Plano de negócios
Mauricio Camargo
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
INTEC CURSOS PROFISSIONALIZANTES
 

Semelhante a Aula 02 rev_27_02_13_tai (20)

APO - Aula 01
APO - Aula 01APO - Aula 01
APO - Aula 01
 
Apresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean ManufacturingApresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean Manufacturing
 
Administração japonesa
Administração japonesaAdministração japonesa
Administração japonesa
 
O modelo japonês de administração
O modelo japonês de administraçãoO modelo japonês de administração
O modelo japonês de administração
 
Gerenciamento da rotina modulo 2
Gerenciamento da rotina modulo 2Gerenciamento da rotina modulo 2
Gerenciamento da rotina modulo 2
 
Aula 7 e 8 fundamentos
Aula 7 e 8   fundamentosAula 7 e 8   fundamentos
Aula 7 e 8 fundamentos
 
Modulo administração da produção I Adriano Moitinho Pinto
Modulo administração da produção I Adriano Moitinho PintoModulo administração da produção I Adriano Moitinho Pinto
Modulo administração da produção I Adriano Moitinho Pinto
 
JSA_Gestão Produção
JSA_Gestão ProduçãoJSA_Gestão Produção
JSA_Gestão Produção
 
O modelo japonês de administração
O modelo japonês de administraçãoO modelo japonês de administração
O modelo japonês de administração
 
Wcm 001
Wcm 001Wcm 001
Wcm 001
 
O sistema de produção enxuta e sua implantação na volkswagen do brasil o ge...
O sistema de produção enxuta e sua implantação na volkswagen do brasil   o ge...O sistema de produção enxuta e sua implantação na volkswagen do brasil   o ge...
O sistema de produção enxuta e sua implantação na volkswagen do brasil o ge...
 
Aula4
Aula4Aula4
Aula4
 
Aula 1 - Lean Manufaturing.pptx
Aula 1 - Lean Manufaturing.pptxAula 1 - Lean Manufaturing.pptx
Aula 1 - Lean Manufaturing.pptx
 
Artigo acadetec-01 maio2013
Artigo acadetec-01 maio2013Artigo acadetec-01 maio2013
Artigo acadetec-01 maio2013
 
1 introdução à gp.pdf
1   introdução à gp.pdf1   introdução à gp.pdf
1 introdução à gp.pdf
 
Marketing análise da concorrência
Marketing análise da concorrênciaMarketing análise da concorrência
Marketing análise da concorrência
 
Estrat Gia Competitiva E Cen Rios
Estrat Gia Competitiva E Cen RiosEstrat Gia Competitiva E Cen Rios
Estrat Gia Competitiva E Cen Rios
 
Workshop de design de produto
Workshop de design de produtoWorkshop de design de produto
Workshop de design de produto
 
Plano de negócios
Plano de negócios Plano de negócios
Plano de negócios
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
 

Mais de Universidade de Mogi das Cruzes

Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tlAula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tlAula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tlAula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpiAula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Universidade de Mogi das Cruzes
 

Mais de Universidade de Mogi das Cruzes (6)

Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
 
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tlAula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
 
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tlAula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
 
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tlAula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
 
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpiAula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
 
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 

Aula 02 rev_27_02_13_tai

  • 1. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO TGPI - TAI AULA -2 1Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
  • 2. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 2 O que veremos nessa aula?  O que é Administração da Produção e o seu papel nas organizações  Funções Centrais e Funções de Apoio em uma Organização  Administração da produção em Pequenas Empresas e Empresas sem Fins Lucrativos  Abordagem de Processos em Administração da Produção
  • 3. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 3 Administração da Produção (SLACK, 2009)  A administração da produção trata da maneira com qual as organizações produzem seus bens e serviços.  A administração da produção é a atividade de gerenciar recursos destinados à produção e disponibilização de bens e serviços.  Toda organização tem uma função de produção, pois toda organização produz algum tipo de produto ou serviço.  Mas nem toda organização tem claramente ou necessariamente a função produção denomina por esse nome. Muitas vezes a função produção e utilizada de maneira simplificada como: operações ou simplesmente produção.
  • 4. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 4 Administração da Produção (SLACK, 2009)  Uma figura extremamente importe no função administração é o Gerente de Produção;  O Gerente das Produção são funcionários das organização que tem como responsabilidade administrar alguns ou todos os recursos envolvidos com a função produção.  Dependendo do tipo de organização o Gerente de Produção pode receber as seguintes denominações:  Gerente de Tráfego em uma empresa de distribuição;  Gerente Administrativo em um hospital;  Gerente de Loja em um supermercado.
  • 5. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 5 Administração da Produção (SLACK, 2009)  A função produção é central para organização pois ela produz os bens e serviços que são a razão sua existência.  Entretanto ela não é única a ocupar esse posição de centralidade e também não é necessariamente a mais importante.  Junto com a função produção temos outras duas funções que ocupam esse papel central nas organizações:  Função Marketing;  Função Desenvolvimento de Produto e Serviço.
  • 6. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 6 Administração da Produção (SLACK, 2009)  Função Marketing  inclui também a questão das vendas e é o responsável por comunicar os produtos ou serviços de uma empresa com o seu mercado de modo a gerar pedidos de serviços e produtos por consumidores;  Função Desenvolvimento de produto ou serviço  responsável por criar novos produtos ou serviços ou modificá-los de modo a gerar solicitações futuras de consumidores por outros produtos;  Função Produção  responsável por satisfazer as solicitações de consumidores por meio da produção e entrega de produtos e serviços. Funções Centrais nas Organizações:
  • 7. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 7 Administração da Produção (SLACK, 2009) Funções de Apoio nas Organizações:  Função contábil-financeira fornece a informação para ajudar os processos decisórios econômicos e recursos financeiros da organização;  Função Recursos Humanos responsável pelo recrutamento e desenvolvimento dos funcionários da organização. Encarrega-se também pelo bem estar de todos na organização.
  • 8. FUNÇÕES CENTRAIS E DE APOIO (SLACK, 2008) Função de Marketing Função de Desenvolvimento de produto/serviço Contabilidade e função de financias Função de recursos humanos (RH) Função Sistemas de informação Função Técnica Comunicar as capacitações e restrições de processos de operações Necessidades de tecnologia de processos Opções de tecnologia de processos Funções Centrais Função de Apoio Comunicar as capacitações e restrições de processos de operações Novas ideias de produtos/serviços Comunicar as necessidades de sistemas de informação Sistemas para projeto, planejamento , controle e melhoramento Requisitos de Mercado Comunicar as necessidades de recursos humanos Recrutamento, desenvolvimento e treinamento Provisão de dados relevantesAnálise financeira para medida de desempenho e tomada de decisões Função de Produção O escopo das responsabilidades da gestão de operações
  • 9. O PAPEL DA FUNÇÃO PRODUÇÃO (SLACK, 2008)  Para muitas empresas, a função produção representa o grosso dos bens da organização;  É o setor da empresa onde estão alocados a maior parte dos funcionários;  É a função produção que agrega competividade à empresa;  Fornece habilidade de resposta aos consumidores;  Sempre procura desenvolver sua capacitação com o objetivo de estar a frente dos concorrentes hoje e também no futuro;
  • 10. O PAPEL DA FUNÇÃO PRODUÇÃO (SLACK, 2008)  Exemplos de positivos e negativos de administração da produção: (notícias de jornais) 1) Qualidade ajuda a Toyota a ter o maior ranqueamento em satisfação do consumidor na Alemanha pelo quarto ano consecutivo: “Munique, 29 de junho de 2005. A Toyota recebeu a maior nota em satisfação do consumidor pelo quarto ano consecutivo, de acordo com estudo liberado hoje pela L. P. Power and Associates. Os modelos da Toyota ganharam cinco dos sete segmentos individuais de novos veículos, com os modelos da BMW e Mercedez-Benz capturando os dois remanescentes. Os prêmios para cada segmento são:...”
  • 11. O PAPEL DA FUNÇÃO PRODUÇÃO (SLACK, 2008) 2) Equipamento de navegação da Korean Air falhou (Juliette Jowit, Correspondente de Transportes) “Equipamento vital de navegação falhou momentos antes da queda do Boeing 747 da Korean Air, mês passado, próximo ao aeroporto Stansted, apesar de tentativas do pessoal de manutenção de resolver o problema antes da decolagem, conforme revelou um relatório preliminar sobre o acidente divulgado ontem a noite. A queda, na noite de 22 de dezembro, matou os quatro membros da tripulação e por pouco não atingiu a redondeza. O problema com o indicador de altitude, que informa a exata localização do aparelho a noite e tempo nublado, havia sido detectado no voo anterior do jato cargueiro.”  Exemplos de positivos e negativos de administração da produção: (notícias de jornais)
  • 12. O PAPEL DA FUNÇÃO PRODUÇÃO (SLACK, 2008) 3) França retira Coca-Cola das prateleiras 4) Rato no corredor força British Air Line a cancelar voô da África 5) Operações Posten alcançam desempenho de entrega de nível mundial 6) Custo baixo e altos lucros por eficiência operacional: “Empresas aéreas de baixo custo, como Southwest, Ryanair e Easyjet, estão superando as linhas aéreas da escola antiga, graças principalmente ao comando de eficiências operacionais. Nenhum centavo é gasto desnecessariamente, tempos de permanência no solo são mantidos ao mínimo necessário de modo que a aeronave voe quente e o serviço é, nitidamente, sem luxos. Ainda assim, os consumidores não reclamam e as linhas aéreas econômicas continuam a...”  Exemplos de positivos e negativos de administração da produção: (notícias de jornais)
  • 13. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 13 Administração da Produção em pequenas empresas (SLACK, 2008)  Independentemente do tamanho da empresa teoricamente a administração da produção deveria funcionar da mesma forma.  Seguem abaixo alguns fatores que diferenciam empresas grandes das pequenas me relação a administração da produção: Empresas Grandes Empresas Pequenas • Recursos para garantir profissionais para tarefas especializadas • Pessoas executam diferentes trabalhos conforme a necessidade • Estrutura formal e muitas vezes burocrática para solução de problemas • Estrutura informal que muitas vezes permite reagir mais prontamente quando surgem oportunidades ou problemas • Processo decisório claro e com atribuição bem definidas para cada função da empresa • Processo decisório confuso a medida que as funções se justapõem.
  • 14. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 14 Administração da Produção em pequenas empresas (SLACK, 2008)  Empresas pequenas podem ter os mesmos conceitos de administração da produção utilizados pelas grandes empresas. Conclusão:  No entanto, as empresas pequenas geralmente apresentam mais dificuldades para diferenciar as questões de massa de outras questões da organização.  Mesmo assim, pode-se encontrar casos de empresas que conseguiram administrar esses contratempos e conseguir vantagens significativas em termos de administração da produção – vide exemplo da Acme Whistles.
  • 15. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 15 Administração da Produção em pequenas empresas (SLACK, 2008) A história da Acme Whistles começa em 1870, quando Joseph Hudson percebeu que tinha a solução para um problema da Polícia Metropolitana de Londres, que buscava algum artefato capaz de substituir os chocalhos de madeira usados para soar como alarme de emergência. Rapidamente a Acme cresceu a ponto de ser a principal fornecedora de apitos para as forças da polícia ao redor do mundo. “De muitas formas”, relata Simon Topman, proprietário e diretor geral da empresa, “a empresa é a mesma do tempo do Joseph. O maquinário é mais moderno, com certeza, e nós temos uma variedade maior de produtos, mas muitos de nossos processos são similares aos seus antecessores. Por exemplo, os juízes de futebol parecem preferir o apito tradicional em forma de caracol. Portanto, embora tenhamos aprimorado drasticamente o desempenho do produto, nossos consumidores querem que ele tenha a mesma aparência. Também matemos a mesma tradição manufatureira dos primórdios da empresa. O proprietário original insistia em testar cada apito pessoalmente antes que ele saísse da fábrica. Ainda fazemos esse teste individual, mas não pessoalmente e sim por meio de uma linha de ar comprimido. Mantendo dessa forma a mesma tradição de qualidade. A variedade de apitos da empresa foi ampliada para incluir apitos esportivos (a empresa fornece os apitos usados na copa do mundo de futebol), apitos para emergência, apitos para cachorros (silenciosos), apitos de divertimento, apitos instrumentais (usados pelas melhores orquestras do mundo) e muitos outros tipos. “Estamos sempre tentando aprimorar nossos produtos”, afirma Simon; “temos um negócio em constante aprimoramento. Algumas vezes, chego a pensar que, após 130 anos, certamente não há mais nada a fazer, mais sempre encontramos algo novo para incorporar”. Estudo de Caso: Acme Whistles
  • 16. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 16 Administração da Produção em pequenas empresas (SLACK, 2008) “Com certeza gerenciar as operações em uma empresa pequena é bem diferente do uma empresa grande. Aqui cada um possui tarefas maiores, já que não podemos pagar os custos de arcar com pessoas especializadas para desempenhar papéis específicos. Essa relativa informalidade, no entanto possui vantagens. Significa que podemos manter nossa filosofia de qualidade entre todos da empresa e significa que podemos reagir prontamente quando o mercado manda”. O pequeno porte da empresa tampouco apresenta-se como barreira para sua habilidade de inovar. “Ao contrário”, afirma Simon, “existe algo na cultura da empresa que é extremamente favorável à inovação. Devido ao fato de sermos pequenos e nos conhecermos bem, todos na empresa querem contribuir com algo. Não é incomum os funcionários trazerem ideias novas para diferentes tipos de apitos. Caso a ideia pareça promissora, montamos uma pequena equipe informal para explorá-la. É comum, muitas vezes, ter um funcionário com apenas alguns meses na empresa e já querendo inovar. É como se alguma coisa acontecesse quando eles entram pela porta da fábrica que os encoraja a serem naturalmente inventivos”. Estudo de Caso: Acme Whistles (continuação)
  • 17. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 17 Administração da Produção em pequenas empresas (SLACK, 2008) Questões para discussão sobre o Estudo de Caso 1: 1. Qual a superposição existente entre operações de marketing e desenvolvimento de produtos/serviço na Acme Whistles? 2. Como o pequeno porte da Acme afeta sua habilidade de inovar?
  • 18. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 18 Administração da Produção em Empresas sem fins lucrativos (SLACK, 2008)  Conforme conversamos no início da disciplina, a administração da produção também pode ser utilizada para empresas cujos objetivo principal não seja gerar lucros.  Administra as operações de um centro de proteção de animais, um hospital, um centro de pesquisas ou um departamento do governo é, essencialmente, igual a administrar as operações de empresas voltadas ao lucro.  Ambos modelos de empresas, com ou fins lucrativos, devem enfrentar os mesmos conjuntos de decisões sobre: • Como produzir seus produtos ou serviços; • Como investir em tecnologia; • Como subcontratar algumas de suas atividades; • Como criar medidas de desempenho; • Como melhor o desempenho de suas atividades;
  • 19. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 19 Administração da Produção em Empresas sem fins lucrativos (SLACK, 2008)  Mas os objetivos de desempenho de empresas sem fins lucrativos podem ser mais complexo por envolverem uma misturas de objetivos políticos, econômicos, sociais e ambientais.  Devido a isso, uma série de decisões a serem definidas nas operações desse tipo de organização podem ter objetivos conflitantes.  Exemplo: São os funcionários de operações (ou de produção) em um departamento de garantia ao bem estar infantil que irão enfrentar os conflitos entre o custo de prover assistentes sociais extras e o risco de uma criança não receber uma proteção adequada.
  • 20. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 20 Abordagem de processo em Administração da Produção (SLACK, 2008) Entradas e Saídas do Processo (“input” e “outputs”)  Todas as operações produzem produtos e serviços por meio da transformação de entradas em saídas, o que é chamado de Processo de Transformação ou Modelo de Transformação. Processo de transformação Recursos de entrada (input) Recursos de saída (output) Recursos de entrada a serem transformados • Materiais; • Informações; • Consumidores • Recursos de entrada de transformação • Instalações; • Pessoal Consumidores
  • 21. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 21 Abordagem de processo em Administração da Produção (SLACK, 2008) Entradas para o processo de transformação:  Recursos Transformados: são tratados, transformados ou convertidos em algo. • Materiais  Uma grande maioria das operações que processam materiais podem transformar suas propriedades físicas (forma ou composição). Outras operações processam materiais para alterar sua localização (empresas de entrega de mercadoria – transportadoras); Operações de varejo processam materiais mudando a sua posse; Depósitos estocam materiais. • Informações operações que processam informações podem transformar suas propriedades informativas, isto é, o objetivo ou a forma da informação (exemplos: Contadores); Empresas de pesquisa de mercado que vendem informações alteram a posse a posse da informação; Arquivos e Bibliotecas estocam informação; Companhias de telecomunicação alteram a localização da informação.
  • 22. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 22 • Consumidores  operações que processam consumidores podem alterar suas propriedades físicas de forma similar aos processamento de materiais, como por exemplo os cabelereiros e os cirurgiões plásticos; Hotéis estocam ou acomodam consumidores; Empresas de transporte aéreo, rodoviário ou metroviário alteram a localização de seus consumidores; Hospitais transformam seus estados fisiológicos; Serviços de entretenimento como música, teatro, televisão, rádio e parques temáticos alteram o estado psicológico de seus consumidores Abordagem de processo em Administração da Produção (SLACK, 2008) Entradas para o processo de transformação:  Recursos Transformados (continuação):
  • 23. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 23 Abordagem de processo em Administração da Produção (SLACK, 2008) Predominantemente processadores de materiais Predominantemente processadores de informações Predominantemente processadores de consumidores Todas as operações de manufatura Contadores Cabelereiros Empresas de mineração Bancos Hotéis Operações de varejo Empresas de pesquisa de mercado Hospitais Armazéns Analistas financeiros Transportes rápidos de massa Serviços postais Serviços de notícias Teatros Linha de embarque de contêineres Unidade de pesquisas em universidades Parques Temáticos Empresas de transporte rodoviário Empresas de Telecomunicação Dentistas e Médicos Tabela que relaciona os materiais transformados predominantemente em várias operações: Exercício: Reúnam-se em grupos e relacionem em cada coluna os tipos de operações em empresas considerando os seus principais recursos transformados!
  • 24. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 24  Recursos de transformação: agem sobre os recursos transformados. Abordagem de processo em Administração da Produção (SLACK, 2008) • instalações prédios, equipamentos, terreno e tecnologia do processo de produção; Entradas para o processo de transformação: • funcionários aqueles que operam, mantêm, planejam e administram a produção. Enfim são todas as pessoas envolvidas na produção e em todos os níveis.  A natureza específica das instalações e dos funcionários varia entre operações
  • 25. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 25 Abordagem de processo em Administração da Produção (SLACK, 2008) Saídas do processo de transformação: todos os processos existem para produção produtos e serviços.  Embora os produtos e serviços sejam diferentes, a distinção entre eles pode ser sútil.  A diferença mais obvia entre os dois tipos de produção (produtos e serviços) seja em relação à TANGIBILIDADE.  Em geral, os produtos são tangíveis. Pois você consegue tocar fisicamente um aparelho de televisão, um jornal ou um veículo.  Os serviços são considerados intangíveis. Pois você não pode tocar uma orientação de consultoria ou um corte de cabelo. (embora possa, frequentemente, ver ou sentir os resultados desses serviços).
  • 26. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 26 Abordagem de processo em Administração da Produção (SLACK, 2008) Saídas do processo de transformação: continuação...  Outro aspecto importante a ser considerado entre os produtos e serviços é a questão da validade.  Em geral, os serviços tem uma validade muito menor do que os produtos (serviço de acomodação noturna de um quarto de hotel – não será prestado se não for vendido antes da noite – a acomodação do mesmo quarto na manhã seguinte é um outro serviço..  Os produtos, geralmente são estocados por um períodos de tempo (alimentos alguns dias; prédios milhares de anos).
  • 27. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 27 Abordagem de processo em Administração da Produção (SLACK, 2008) Saídas do processo de transformação: continuação... A maioria das operações produz tanto produtos quanto serviços  Algumas operações produzem exclusivamente apenas produtos e são denominadas como fabricantes de produtos puros;  Algumas operações produzem exclusivamente apenas serviços e são denominadas como fabricantes de serviços puros;  Algumas operações produzem produtos e podem também oferecer alguns serviços como assistência técnica, instalação, manutenção e treinamento. Os produtos fornecidos nessa circunstâncias são denominados serviços facilitadores.  Esse tipo de serviço existe apenas para facilitar a venda dos produtos a que dão sustentação (“venda casada”).
  • 28. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 28 Abordagem de processo em Administração da Produção (SLACK, 2008) Saídas do processo de transformação: continuação... Produtos e Serviços estão se fundindo  Pois o grande desafio é além de produzir produtos é satisfazer o cliente!
  • 29. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 29 REFERÊNCIAS SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2009