SlideShare uma empresa Scribd logo
MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS E
EQUIPAMENTOS
CEPEP – Escola Técnica
Professores Anderson Pontes e
Allan Clemete
INTRODUÇÃO
Os últimos anos tem se caracterizado pela globalização da
economia com queda constante das barreiras econômicas e
comerciais.
Dessa forma, a busca da qualidade total de serviços e produtos,
bem como a crescente preocupação com os aspectos ambientais,
passou a ser uma constante nas empresas.
Sendo assim, a grande questão que vem tomando corpo nas
organizações é definir o papel da manutenção no contexto da
competitividade das organizações no mercado em que atuam.
INTRODUÇÃO
Qualidadetotal
Disponibilidade
de máquina
Aumento de
competitividade
Aumento da
lucratividade
Satisfação dos
clientes
Defeito zero
INTRODUÇÃO
Um bom programa de manutenção visa evitar:
Diminuição ou interrupção da produção
Atrasos na entrega
Perdas financeiras
Aumento dos custos
Elementos de máquinas com menor possibilidade de defeito de
fabricação
Insatisfação dos clientes
Perda de mercado
etc
BREVE HISTÓRICO
Desde o surgimento da roda, a manutenção existiu.
No século XVI na Europa central, surgiu o termo junto com o
surgimento dos primeiros relógios mecânicos e dos primeiros
profissionais de montagem e assistência
Teve papel importantíssimo durante a Revolução Industrial
Firmou-se como necessidade durante a Segunda Guerra Mundial.
No período pós-guerra países como Alemanha, Itália e
principalmente o Japão, alcançaram seu desempenho industrial nas
bases da engenharia e da manutenção.
DEFINIÇÃO DE MANUTENÇÃO
Conjunto de cuidados técnicos indispensáveis ao funcionamento
regular e permanente de máquinas, equipamentos, ferramentas e
instalações.
Manutenção
Conservação Adequação Restauração Substituição Prevenção
NBR – 5462: CONFIABILIDADE E
MANTENABILIDADE
Combinação de todas as ações técnicas e administrativas, incluindo
as de supervisão, destinadas a manter ou recolocar um item em um
estado no qual possa desempenhar uma função requerida.
Nota: A manutenção pode incluir uma modificação do item.
OBJETIVOS DA MANUTENÇÃO
1. Manter equipamentos e máquinas em condições de pleno
funcionamento para garantir a produção normal e qualidade
dos produtos.
2. Prevenir prováveis falhas ou quebras dos elementos das
máquinas
A manutenção ideal de uma máquina é a que permite alta
disponibilidade para a produção durante todo o tempo que ela
estiver em serviço a um custo adequado
TIPOS DE MANUTENÇÃO
MME
PREVENTIVA
PREDITIVA
CORRETIVA
TPM
TIPOSDEMANUTENÇÃO
PLANEJADA
PREVENTIVA
PREDITIVA
TPM
NÃO
PLANEJADA CORRETIVA
MANUTENÇÃO PLANEJADA
MANUTENÇÃO PREVENTIVA
Conjunto de procedimentos e ações antecipadas que visam manter
a máquina em funcionamento.
NBR – 5462
MANUTENÇÃO EFETUADA EM INTERVALOS PREDETERMINADOS, OU
DE ACORDO COM CRITÉRIOS PRESCRITOS, DESTINADA A REDUZIR A
PROBABILIDADE DE FALHA OU A DEGRADAÇÃO DO
FUNCIONAMENTO DE UM ITEM.
MANUTENÇÃO PREDITIVA
Ações preventivas baseadas no conhecimento das condições de
cada um dos componentes das máquinas e equipamentos. Esses
dados são obtidos por meio de um acompanhamento do desgaste
de peças vitais de conjunto de máquinas e equipamentos.
Testes periódicos são realizados para determinar a época
adequada para substituições ou reparo de peças.
NBR – 5462 Manutenção controlada/Manutenção preditiva
MANUTENÇÃO QUE PERMITE GARANTIR UMA QUALIDADE DE SERVIÇO DESEJADA, COM
BASE NA APLICAÇÃO SISTEMÁTICA DE TÉCNICAS DE ANÁLISE, UTILIZANDO-SE DE MEIOS
DE SUPERVISÃO CENTRALIZADOS OU DE AMOSTRAGEM, PARA REDUZIR AO MÍNIMO A
MANUTENÇÃO PREVENTIVA E DIMINUIR A MANUTENÇÃO CORRETIVA.
TPM – MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL
Com A Evolução Do Conceito...
TPM
ManutençãoAutônoma
ManutençãoPlanejada
MelhoriasEspecíficas
Educação&Treinamento
ControleInicial
TPMAdministrativo
TPM-Seg.,Hig.eMA
ManutençãodaQualidade
O PROGRAMA TPM - 8 PILARES
TPM
TPM-Seg.,Hig.eMA
SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE
O principal objetivo desse pilar é
acidente zero, além de proporcionar um
sistema que garanta a preservação da
saúde e bem estar dos funcionários e do
meio ambiente.
TPM
TPMAdministrativo
TPM ADMINISTRATIVO
O principal objetivo desse pilar é
eliminar desperdício de perdas
geradas pelo trabalho de escritório, é
necessário que todas as atividades
organizacionais sejam eficientes.
TPM
ControleInicial
CONTROLE INICIAL
Consolida toda sistemática para
levantamento das inconveniências,
imperfeições e incorporações de
melhorias, mesmo em máquinas novas
e através dos conhecimentos
adquiridos, tornando-se apto a elaborar
novos projetos onde vigorem os
conceitos PM ( Prevenção da
Manutenção), o que resultará em
máquinas com quebra zero.
TPM
ManutençãodaQualidade
MANUTENÇÃO DA QUALIDADE
Destinado a definir condições
do equipamento que excluam
defeitos de qualidade, com
base no conceito de
manutenção do equipamento
em perfeitas condições para
que possa ser mantida a
perfeita qualidade dos produtos
processados
TPM
Educação&Treinamento
EDUCAÇÃO E TREINAMENTO
Tem como objetivo
desenvolver novas habilidades
e conhecimentos para o pessoal
da manutenção e da produção.
Habilidade é o poder de
agir de forma correta e
automaticamente (sem
pensar), com base em
conhecimento
adquiridos sobre todos
os fenômenos e utiliza-
los durante um grande
período.
TPM
MelhoriasEspecíficas
MELHORIAS ESPECÍFICAS
Atividade que serve para
erradicar de forma concreta as
oito grandes perdas que
reduzem a eficiência do
equipamento. Através da
eliminação destas perdas,
melhora-se a eficiência global
do equipamento.
TPM
ManutençãoPlanejada
MANUTENÇÃO PLANEJADA
Conscientização das perdas
decorrentes das falhas de
equipamentos e as mudanças
de mentalidade das divisões de
produção e manutenção,
minimizando as falhas e
defeitos com o mínimo custo.
TPMManutençãoAutônoma
MANUTENÇÃO AUTÔNOMA
Melhoria da eficiência dos
equipamentos, desenvolvendo
a capacidade dos operadores
para a execução de pequenos
reparos e inspeções, mantendo
o processo de acordo com
padrões estabelecidos,
antecipando-se aos problemas
potenciais.
MANUTENÇÃO AUTÔNOMA
Operadores com ‘habilidade para M A :
•Capacidade para descobrir anormalidades.
•Capacidade de tratamento e recuperação.
•Capacidade para definir as condições’s do equipamento.
•Capacidade de cumprir as normas para manutenção da situação (limpeza, lubrificação e
inspeção).
“ Do meu equipamento cuido Eu “
As etapas de implementação da M A
•Etapa 0: Preparação.
•Etapa 1: Limpeza e inspeção.
•Etapa 2: Medidas contra fontes de sujeira e
locais difíceis.
•Etapa 3: Elaborar padrão de limpeza/
inspeção/ lubrificação.
•Etapa 4: Inspeção geral.
•Etapa 5: Inspeção autônoma.
•Etapa 6: Padronização.
•Etapa 7: Efetivação do controle autônomo.
Etapas de 0 a 3 - reduzir o tempo
entre quebras através de:
satisfação das condições básicas
do equipamento, cumprimento
das condições de uso, restauração
das deteriorações, melhorias de
pontos deficientes e elevação das
habilidades dos operadores.
MANUTENÇÃO NÃO PLANEJADA
MANUTENÇÃO CORRETIVA
Caracteriza-se como um tipo de manutenção que visa localizar e
reparar defeitos em equipamentos que operam em regime de
trabalho contínuo.
Há ainda a manutenção de ocasião, que consiste em fazer
consertos quando a máquina se encontra parada.
NBR – 5462
MANUTENÇÃO EFETUADA APÓS A OCORRÊNCIA DE UMA PANE
DESTINADA A RECOLOCAR UM ITEM EM CONDIÇÕES DE
EXECUTAR UMA FUNÇÃO REQUERIDA.
PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE
Nas instalações industriais, as paradas para manutenção
constituem uma preocupação constante para a programação da
produção. Se as paradas não forem previstas, ocorrem vários
problemas, tais como: atrasos no cronograma de fabricação,
indisponibilidade da máquina, elevação dos custos etc.
Para evitar esses problemas, as empresas introduziram, em termos
administrativos, o planejamento e a programação da manutenção.
No Brasil, o planejamento e a programação da manutenção foram
introduzidos durante os anos 60.
PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE
A função planejar significa
conhecer os trabalhos, os
recursos para executá-los e
tomar decisões.
A função programar significa
determinar pessoal, dia e hora
para execução dos trabalhos.
Um plano de manutenção deve
responder:
– Como?
– O quê?
– Em quanto tempo?
– Quem?
– Quando?
– Quanto?
ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO
Por organização do serviço de manutenção podemos entender a
maneira como se compõem, se ordenam e se estruturam os serviços
para o alcance dos objetivos visados.
A administração do serviço de manutenção tem o objetivo de
normatizar as atividades, ordenar os fatores de produção,
contribuir para a produção e a produtividade com eficiência, sem
desperdícios e retrabalho.
O maior risco que a manutenção pode sofrer, especialmente nas
grandes empresas, é o da perda do seu principal objetivo, por
causa, principalmente, da falta de organização e de uma
administração excessivamente burocratizada.
EXERCÍCIOS
EXERCÍCIOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Questionário manutenção 1º bimestre
Questionário manutenção 1º bimestreQuestionário manutenção 1º bimestre
Questionário manutenção 1º bimestre
Joilson Pinho
 
Planejamento da Organização na Manutenção
Planejamento da Organização na ManutençãoPlanejamento da Organização na Manutenção
Planejamento da Organização na Manutenção
Emerson Luiz Santos
 
Manutenção
ManutençãoManutenção
Manutenção
Carla Lopes
 
A introducao a_manutencao
A introducao a_manutencaoA introducao a_manutencao
A introducao a_manutencao
RENATOGONALVESFERREI
 
Aula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de ProduçãoAula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de Produção
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Tipos de manutenção
Tipos de manutençãoTipos de manutenção
Tipos de manutenção
Diego Patczyk
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
Geovana Pires Lima
 
RCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
RCM- Manutenção Centrada na ConfiabilidadeRCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)
1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)
1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)
Mikoian Rios Rios
 
Aula 02 manutenção preventiva total tpm
Aula 02   manutenção preventiva total tpmAula 02   manutenção preventiva total tpm
Aula 02 manutenção preventiva total tpm
Fernando Oliveira
 
Pcm senai
Pcm senaiPcm senai
Pcm senai
Silvio Barros
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Anderson Pontes
 
Arranjos Físico
 Arranjos Físico Arranjos Físico
Arranjos Físico
Mário Lucas
 
Planejamento de controle e manutenção
Planejamento de controle e manutençãoPlanejamento de controle e manutenção
Planejamento de controle e manutenção
Demétrio Luiz Riguete Gripp
 
Aula de desenvolvimento de produtos
Aula de desenvolvimento de produtosAula de desenvolvimento de produtos
Aula de desenvolvimento de produtos
CENNE
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
douglas
 
Manutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organizaçãoManutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organização
Jose Donizetti Moraes
 
PCP
PCPPCP
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
Virginia Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Questionário manutenção 1º bimestre
Questionário manutenção 1º bimestreQuestionário manutenção 1º bimestre
Questionário manutenção 1º bimestre
 
Planejamento da Organização na Manutenção
Planejamento da Organização na ManutençãoPlanejamento da Organização na Manutenção
Planejamento da Organização na Manutenção
 
Manutenção
ManutençãoManutenção
Manutenção
 
A introducao a_manutencao
A introducao a_manutencaoA introducao a_manutencao
A introducao a_manutencao
 
Aula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de ProduçãoAula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de Produção
 
Tipos de manutenção
Tipos de manutençãoTipos de manutenção
Tipos de manutenção
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
 
RCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
RCM- Manutenção Centrada na ConfiabilidadeRCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
RCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)
1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)
1 lista (Exercício sobre Gestão da Manutenção)
 
Aula 02 manutenção preventiva total tpm
Aula 02   manutenção preventiva total tpmAula 02   manutenção preventiva total tpm
Aula 02 manutenção preventiva total tpm
 
Pcm senai
Pcm senaiPcm senai
Pcm senai
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
 
Arranjos Físico
 Arranjos Físico Arranjos Físico
Arranjos Físico
 
Planejamento de controle e manutenção
Planejamento de controle e manutençãoPlanejamento de controle e manutenção
Planejamento de controle e manutenção
 
Aula de desenvolvimento de produtos
Aula de desenvolvimento de produtosAula de desenvolvimento de produtos
Aula de desenvolvimento de produtos
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
 
Manutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organizaçãoManutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organização
 
PCP
PCPPCP
PCP
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
 

Destaque

Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2
cristianoafranca
 
MANUAL DE EQUIPAMENTOS MEDICOS E HOSPITALARES.Manual de equipamentos méd...
MANUAL  DE  EQUIPAMENTOS  MEDICOS  E  HOSPITALARES.Manual de equipamentos méd...MANUAL  DE  EQUIPAMENTOS  MEDICOS  E  HOSPITALARES.Manual de equipamentos méd...
MANUAL DE EQUIPAMENTOS MEDICOS E HOSPITALARES.Manual de equipamentos méd...
Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo de São Paulo
 
Introdução a manutenção de máquinas e equipamentos industriais
Introdução a manutenção de máquinas e equipamentos industriaisIntrodução a manutenção de máquinas e equipamentos industriais
Introdução a manutenção de máquinas e equipamentos industriais
Cleber1965
 
Check list Retroescavadeira
Check list RetroescavadeiraCheck list Retroescavadeira
Check list Retroescavadeira
Daniel Andrade
 
Apostila operador de guindauto.
Apostila operador de guindauto.Apostila operador de guindauto.
Apostila operador de guindauto.
Marco Faria
 
Qual é a diferença entre Guincho, Guindaste e Guindauto?
Qual é a diferença entre Guincho, Guindaste e Guindauto?Qual é a diferença entre Guincho, Guindaste e Guindauto?
Qual é a diferença entre Guincho, Guindaste e Guindauto?
Rodomunk Guindastes
 
Check list de veiculos leves
Check list de veiculos levesCheck list de veiculos leves
Check list de veiculos leves
EVALDO JUNIO SILVA DA GAMA
 
Check list - veículos - máquinas - equipamentos
Check list - veículos - máquinas - equipamentosCheck list - veículos - máquinas - equipamentos
Check list - veículos - máquinas - equipamentos
Universidade Federal Fluminense
 
Inspeccion de un vehiculo
Inspeccion de un vehiculoInspeccion de un vehiculo
Inspeccion de un vehiculo
alizze_Beby
 
Treinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guinchoTreinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guincho
Andressa Macedo
 
61519728 check-list-veiculos-leves
61519728 check-list-veiculos-leves61519728 check-list-veiculos-leves
61519728 check-list-veiculos-leves
Luiz Felipe Candido Sette
 

Destaque (11)

Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2
 
MANUAL DE EQUIPAMENTOS MEDICOS E HOSPITALARES.Manual de equipamentos méd...
MANUAL  DE  EQUIPAMENTOS  MEDICOS  E  HOSPITALARES.Manual de equipamentos méd...MANUAL  DE  EQUIPAMENTOS  MEDICOS  E  HOSPITALARES.Manual de equipamentos méd...
MANUAL DE EQUIPAMENTOS MEDICOS E HOSPITALARES.Manual de equipamentos méd...
 
Introdução a manutenção de máquinas e equipamentos industriais
Introdução a manutenção de máquinas e equipamentos industriaisIntrodução a manutenção de máquinas e equipamentos industriais
Introdução a manutenção de máquinas e equipamentos industriais
 
Check list Retroescavadeira
Check list RetroescavadeiraCheck list Retroescavadeira
Check list Retroescavadeira
 
Apostila operador de guindauto.
Apostila operador de guindauto.Apostila operador de guindauto.
Apostila operador de guindauto.
 
Qual é a diferença entre Guincho, Guindaste e Guindauto?
Qual é a diferença entre Guincho, Guindaste e Guindauto?Qual é a diferença entre Guincho, Guindaste e Guindauto?
Qual é a diferença entre Guincho, Guindaste e Guindauto?
 
Check list de veiculos leves
Check list de veiculos levesCheck list de veiculos leves
Check list de veiculos leves
 
Check list - veículos - máquinas - equipamentos
Check list - veículos - máquinas - equipamentosCheck list - veículos - máquinas - equipamentos
Check list - veículos - máquinas - equipamentos
 
Inspeccion de un vehiculo
Inspeccion de un vehiculoInspeccion de un vehiculo
Inspeccion de un vehiculo
 
Treinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guinchoTreinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guincho
 
61519728 check-list-veiculos-leves
61519728 check-list-veiculos-leves61519728 check-list-veiculos-leves
61519728 check-list-veiculos-leves
 

Semelhante a Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos

A_Introducao_a_manutencao.ppt aula sobre tipos de manutenção e como e subdiv...
A_Introducao_a_manutencao.ppt aula  sobre tipos de manutenção e como e subdiv...A_Introducao_a_manutencao.ppt aula  sobre tipos de manutenção e como e subdiv...
A_Introducao_a_manutencao.ppt aula sobre tipos de manutenção e como e subdiv...
JOOPAULOTEIXEIRA15
 
1 introdução à manutenção
1  introdução à manutenção1  introdução à manutenção
1 introdução à manutenção
José Oscar Sousa
 
Manuten mnt1
Manuten mnt1Manuten mnt1
Apostila manutencao industrial_senai
Apostila manutencao industrial_senaiApostila manutencao industrial_senai
Apostila manutencao industrial_senai
Willian Ricardo dos Santos
 
Manual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senaiManual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senai
izaudaMonteiro
 
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentosManutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Renan Guerra
 
manutenção geral - INTRODUÇÃO - 1.pptx
manutenção geral - INTRODUÇÃO - 1.pptxmanutenção geral - INTRODUÇÃO - 1.pptx
manutenção geral - INTRODUÇÃO - 1.pptx
SimaoMateus2
 
01manu
01manu01manu
Manutenção introdução
Manutenção   introduçãoManutenção   introdução
Manutenção introdução
Fatima Araujo
 
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitosExcelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Rodrigo Domingues
 
MODELO DE DEFESA TCC ENGENHA BACHARELADORIA MECÂNICA
MODELO DE DEFESA TCC ENGENHA BACHARELADORIA MECÂNICAMODELO DE DEFESA TCC ENGENHA BACHARELADORIA MECÂNICA
MODELO DE DEFESA TCC ENGENHA BACHARELADORIA MECÂNICA
RaiCc
 
Tipos de Manutencao (1).ppt
Tipos de Manutencao (1).pptTipos de Manutencao (1).ppt
Tipos de Manutencao (1).ppt
JonielJamesNunesdeSo1
 
Aula_Organização_Gestão.pptx
Aula_Organização_Gestão.pptxAula_Organização_Gestão.pptx
Aula_Organização_Gestão.pptx
AndrMoreira730687
 
Analise preditiva em motores
Analise preditiva em motoresAnalise preditiva em motores
Analise preditiva em motores
Igor Marques
 
TREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptx
TREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptxTREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptx
TREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptx
DIGIPRESTSERVICE
 
Visao_Geral_Manutenção_2. na automobilistica
Visao_Geral_Manutenção_2. na automobilisticaVisao_Geral_Manutenção_2. na automobilistica
Visao_Geral_Manutenção_2. na automobilistica
GabrielValle24
 
1 introdução à manutenção
1  introdução à manutenção1  introdução à manutenção
1 introdução à manutenção
Alisson Policarpo Policarpo
 
Tpm manutenção produtiva total
Tpm   manutenção produtiva totalTpm   manutenção produtiva total
Tpm manutenção produtiva total
Weslley Henrique Santos Silva
 
1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx
1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx
1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx
GEOVANIBENEDITODASIL
 
Tipos de manutencao
Tipos de manutencaoTipos de manutencao
Tipos de manutencao
Michel Silva
 

Semelhante a Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos (20)

A_Introducao_a_manutencao.ppt aula sobre tipos de manutenção e como e subdiv...
A_Introducao_a_manutencao.ppt aula  sobre tipos de manutenção e como e subdiv...A_Introducao_a_manutencao.ppt aula  sobre tipos de manutenção e como e subdiv...
A_Introducao_a_manutencao.ppt aula sobre tipos de manutenção e como e subdiv...
 
1 introdução à manutenção
1  introdução à manutenção1  introdução à manutenção
1 introdução à manutenção
 
Manuten mnt1
Manuten mnt1Manuten mnt1
Manuten mnt1
 
Apostila manutencao industrial_senai
Apostila manutencao industrial_senaiApostila manutencao industrial_senai
Apostila manutencao industrial_senai
 
Manual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senaiManual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senai
 
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentosManutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
 
manutenção geral - INTRODUÇÃO - 1.pptx
manutenção geral - INTRODUÇÃO - 1.pptxmanutenção geral - INTRODUÇÃO - 1.pptx
manutenção geral - INTRODUÇÃO - 1.pptx
 
01manu
01manu01manu
01manu
 
Manutenção introdução
Manutenção   introduçãoManutenção   introdução
Manutenção introdução
 
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitosExcelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
 
MODELO DE DEFESA TCC ENGENHA BACHARELADORIA MECÂNICA
MODELO DE DEFESA TCC ENGENHA BACHARELADORIA MECÂNICAMODELO DE DEFESA TCC ENGENHA BACHARELADORIA MECÂNICA
MODELO DE DEFESA TCC ENGENHA BACHARELADORIA MECÂNICA
 
Tipos de Manutencao (1).ppt
Tipos de Manutencao (1).pptTipos de Manutencao (1).ppt
Tipos de Manutencao (1).ppt
 
Aula_Organização_Gestão.pptx
Aula_Organização_Gestão.pptxAula_Organização_Gestão.pptx
Aula_Organização_Gestão.pptx
 
Analise preditiva em motores
Analise preditiva em motoresAnalise preditiva em motores
Analise preditiva em motores
 
TREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptx
TREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptxTREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptx
TREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptx
 
Visao_Geral_Manutenção_2. na automobilistica
Visao_Geral_Manutenção_2. na automobilisticaVisao_Geral_Manutenção_2. na automobilistica
Visao_Geral_Manutenção_2. na automobilistica
 
1 introdução à manutenção
1  introdução à manutenção1  introdução à manutenção
1 introdução à manutenção
 
Tpm manutenção produtiva total
Tpm   manutenção produtiva totalTpm   manutenção produtiva total
Tpm manutenção produtiva total
 
1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx
1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx
1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx
 
Tipos de manutencao
Tipos de manutencaoTipos de manutencao
Tipos de manutencao
 

Mais de Anderson Pontes

Pneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosPneumática - Principios
Pneumática - Principios
Anderson Pontes
 
Manual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglêsManual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglês
Anderson Pontes
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Anderson Pontes
 
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA IFerramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Anderson Pontes
 
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAOGestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Anderson Pontes
 
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇAGestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Anderson Pontes
 
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e PronomesInglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Anderson Pontes
 
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to scienceTEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
Anderson Pontes
 
Análise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnálise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em Máquinas
Anderson Pontes
 
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásIntrodução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Anderson Pontes
 
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude OilTEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
Anderson Pontes
 
TEXTO - Hand Tools
TEXTO - Hand ToolsTEXTO - Hand Tools
TEXTO - Hand Tools
Anderson Pontes
 
Inglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of TextsInglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of Texts
Anderson Pontes
 
Inglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand ToolsInglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand Tools
Anderson Pontes
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Anderson Pontes
 
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Anderson Pontes
 
Lubrificantes III
Lubrificantes IIILubrificantes III
Lubrificantes III
Anderson Pontes
 
Lubrificantes II
Lubrificantes IILubrificantes II
Lubrificantes II
Anderson Pontes
 
Lubrificaçao I
Lubrificaçao ILubrificaçao I
Lubrificaçao I
Anderson Pontes
 
Aula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem LadderAula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem Ladder
Anderson Pontes
 

Mais de Anderson Pontes (20)

Pneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosPneumática - Principios
Pneumática - Principios
 
Manual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglêsManual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglês
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
 
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA IFerramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
 
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAOGestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
 
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇAGestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
 
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e PronomesInglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
 
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to scienceTEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
 
Análise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnálise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em Máquinas
 
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásIntrodução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
 
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude OilTEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
 
TEXTO - Hand Tools
TEXTO - Hand ToolsTEXTO - Hand Tools
TEXTO - Hand Tools
 
Inglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of TextsInglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of Texts
 
Inglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand ToolsInglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand Tools
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
 
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
 
Lubrificantes III
Lubrificantes IIILubrificantes III
Lubrificantes III
 
Lubrificantes II
Lubrificantes IILubrificantes II
Lubrificantes II
 
Lubrificaçao I
Lubrificaçao ILubrificaçao I
Lubrificaçao I
 
Aula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem LadderAula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem Ladder
 

Último

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 

Último (20)

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 

Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos

  • 1. MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS CEPEP – Escola Técnica Professores Anderson Pontes e Allan Clemete
  • 2. INTRODUÇÃO Os últimos anos tem se caracterizado pela globalização da economia com queda constante das barreiras econômicas e comerciais. Dessa forma, a busca da qualidade total de serviços e produtos, bem como a crescente preocupação com os aspectos ambientais, passou a ser uma constante nas empresas. Sendo assim, a grande questão que vem tomando corpo nas organizações é definir o papel da manutenção no contexto da competitividade das organizações no mercado em que atuam.
  • 4. INTRODUÇÃO Um bom programa de manutenção visa evitar: Diminuição ou interrupção da produção Atrasos na entrega Perdas financeiras Aumento dos custos Elementos de máquinas com menor possibilidade de defeito de fabricação Insatisfação dos clientes Perda de mercado etc
  • 5. BREVE HISTÓRICO Desde o surgimento da roda, a manutenção existiu. No século XVI na Europa central, surgiu o termo junto com o surgimento dos primeiros relógios mecânicos e dos primeiros profissionais de montagem e assistência Teve papel importantíssimo durante a Revolução Industrial Firmou-se como necessidade durante a Segunda Guerra Mundial. No período pós-guerra países como Alemanha, Itália e principalmente o Japão, alcançaram seu desempenho industrial nas bases da engenharia e da manutenção.
  • 6. DEFINIÇÃO DE MANUTENÇÃO Conjunto de cuidados técnicos indispensáveis ao funcionamento regular e permanente de máquinas, equipamentos, ferramentas e instalações. Manutenção Conservação Adequação Restauração Substituição Prevenção
  • 7. NBR – 5462: CONFIABILIDADE E MANTENABILIDADE Combinação de todas as ações técnicas e administrativas, incluindo as de supervisão, destinadas a manter ou recolocar um item em um estado no qual possa desempenhar uma função requerida. Nota: A manutenção pode incluir uma modificação do item.
  • 8. OBJETIVOS DA MANUTENÇÃO 1. Manter equipamentos e máquinas em condições de pleno funcionamento para garantir a produção normal e qualidade dos produtos. 2. Prevenir prováveis falhas ou quebras dos elementos das máquinas A manutenção ideal de uma máquina é a que permite alta disponibilidade para a produção durante todo o tempo que ela estiver em serviço a um custo adequado
  • 12. MANUTENÇÃO PREVENTIVA Conjunto de procedimentos e ações antecipadas que visam manter a máquina em funcionamento. NBR – 5462 MANUTENÇÃO EFETUADA EM INTERVALOS PREDETERMINADOS, OU DE ACORDO COM CRITÉRIOS PRESCRITOS, DESTINADA A REDUZIR A PROBABILIDADE DE FALHA OU A DEGRADAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DE UM ITEM.
  • 13. MANUTENÇÃO PREDITIVA Ações preventivas baseadas no conhecimento das condições de cada um dos componentes das máquinas e equipamentos. Esses dados são obtidos por meio de um acompanhamento do desgaste de peças vitais de conjunto de máquinas e equipamentos. Testes periódicos são realizados para determinar a época adequada para substituições ou reparo de peças. NBR – 5462 Manutenção controlada/Manutenção preditiva MANUTENÇÃO QUE PERMITE GARANTIR UMA QUALIDADE DE SERVIÇO DESEJADA, COM BASE NA APLICAÇÃO SISTEMÁTICA DE TÉCNICAS DE ANÁLISE, UTILIZANDO-SE DE MEIOS DE SUPERVISÃO CENTRALIZADOS OU DE AMOSTRAGEM, PARA REDUZIR AO MÍNIMO A MANUTENÇÃO PREVENTIVA E DIMINUIR A MANUTENÇÃO CORRETIVA.
  • 14. TPM – MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL
  • 15. Com A Evolução Do Conceito...
  • 17. TPM TPM-Seg.,Hig.eMA SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE O principal objetivo desse pilar é acidente zero, além de proporcionar um sistema que garanta a preservação da saúde e bem estar dos funcionários e do meio ambiente.
  • 18. TPM TPMAdministrativo TPM ADMINISTRATIVO O principal objetivo desse pilar é eliminar desperdício de perdas geradas pelo trabalho de escritório, é necessário que todas as atividades organizacionais sejam eficientes.
  • 19. TPM ControleInicial CONTROLE INICIAL Consolida toda sistemática para levantamento das inconveniências, imperfeições e incorporações de melhorias, mesmo em máquinas novas e através dos conhecimentos adquiridos, tornando-se apto a elaborar novos projetos onde vigorem os conceitos PM ( Prevenção da Manutenção), o que resultará em máquinas com quebra zero.
  • 20. TPM ManutençãodaQualidade MANUTENÇÃO DA QUALIDADE Destinado a definir condições do equipamento que excluam defeitos de qualidade, com base no conceito de manutenção do equipamento em perfeitas condições para que possa ser mantida a perfeita qualidade dos produtos processados
  • 21. TPM Educação&Treinamento EDUCAÇÃO E TREINAMENTO Tem como objetivo desenvolver novas habilidades e conhecimentos para o pessoal da manutenção e da produção. Habilidade é o poder de agir de forma correta e automaticamente (sem pensar), com base em conhecimento adquiridos sobre todos os fenômenos e utiliza- los durante um grande período.
  • 22. TPM MelhoriasEspecíficas MELHORIAS ESPECÍFICAS Atividade que serve para erradicar de forma concreta as oito grandes perdas que reduzem a eficiência do equipamento. Através da eliminação destas perdas, melhora-se a eficiência global do equipamento.
  • 23. TPM ManutençãoPlanejada MANUTENÇÃO PLANEJADA Conscientização das perdas decorrentes das falhas de equipamentos e as mudanças de mentalidade das divisões de produção e manutenção, minimizando as falhas e defeitos com o mínimo custo.
  • 24. TPMManutençãoAutônoma MANUTENÇÃO AUTÔNOMA Melhoria da eficiência dos equipamentos, desenvolvendo a capacidade dos operadores para a execução de pequenos reparos e inspeções, mantendo o processo de acordo com padrões estabelecidos, antecipando-se aos problemas potenciais.
  • 25. MANUTENÇÃO AUTÔNOMA Operadores com ‘habilidade para M A : •Capacidade para descobrir anormalidades. •Capacidade de tratamento e recuperação. •Capacidade para definir as condições’s do equipamento. •Capacidade de cumprir as normas para manutenção da situação (limpeza, lubrificação e inspeção). “ Do meu equipamento cuido Eu “ As etapas de implementação da M A •Etapa 0: Preparação. •Etapa 1: Limpeza e inspeção. •Etapa 2: Medidas contra fontes de sujeira e locais difíceis. •Etapa 3: Elaborar padrão de limpeza/ inspeção/ lubrificação. •Etapa 4: Inspeção geral. •Etapa 5: Inspeção autônoma. •Etapa 6: Padronização. •Etapa 7: Efetivação do controle autônomo. Etapas de 0 a 3 - reduzir o tempo entre quebras através de: satisfação das condições básicas do equipamento, cumprimento das condições de uso, restauração das deteriorações, melhorias de pontos deficientes e elevação das habilidades dos operadores.
  • 27. MANUTENÇÃO CORRETIVA Caracteriza-se como um tipo de manutenção que visa localizar e reparar defeitos em equipamentos que operam em regime de trabalho contínuo. Há ainda a manutenção de ocasião, que consiste em fazer consertos quando a máquina se encontra parada. NBR – 5462 MANUTENÇÃO EFETUADA APÓS A OCORRÊNCIA DE UMA PANE DESTINADA A RECOLOCAR UM ITEM EM CONDIÇÕES DE EXECUTAR UMA FUNÇÃO REQUERIDA.
  • 28. PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE Nas instalações industriais, as paradas para manutenção constituem uma preocupação constante para a programação da produção. Se as paradas não forem previstas, ocorrem vários problemas, tais como: atrasos no cronograma de fabricação, indisponibilidade da máquina, elevação dos custos etc. Para evitar esses problemas, as empresas introduziram, em termos administrativos, o planejamento e a programação da manutenção. No Brasil, o planejamento e a programação da manutenção foram introduzidos durante os anos 60.
  • 29. PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE A função planejar significa conhecer os trabalhos, os recursos para executá-los e tomar decisões. A função programar significa determinar pessoal, dia e hora para execução dos trabalhos. Um plano de manutenção deve responder: – Como? – O quê? – Em quanto tempo? – Quem? – Quando? – Quanto?
  • 30. ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO Por organização do serviço de manutenção podemos entender a maneira como se compõem, se ordenam e se estruturam os serviços para o alcance dos objetivos visados. A administração do serviço de manutenção tem o objetivo de normatizar as atividades, ordenar os fatores de produção, contribuir para a produção e a produtividade com eficiência, sem desperdícios e retrabalho. O maior risco que a manutenção pode sofrer, especialmente nas grandes empresas, é o da perda do seu principal objetivo, por causa, principalmente, da falta de organização e de uma administração excessivamente burocratizada.