SlideShare uma empresa Scribd logo
ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO
TGPI - TAI
AULA -3
1Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 2
O que veremos nessa aula?
 Como Implementar, Apoiar e Impulsionar a função produção?
 Estratégia em Administração da Produção
 Continuação da aula 02...
IMPLEMENTAÇÃO, APOIO E
IMPULSIONAMENTO
(SLACK, 2008)
 Tratando-se de administração da produção, espera-se que ao longo do
tempo tanto as operações quanto os gerentes de produção de uma empresa
melhorem.
 Ao passar pelo estágio de aprimoramento, no qual ele adquirem
conhecimentos, eles deveriam evoluir da seguinte maneira:
Estado em que
contribuem muito
pouco para o sucesso
competitivo da
empresa
Ponto onde são
responsáveis
diretamente pelo
sucesso competitivo.
Dominar as habilidades
de implementar e
apoiar as estratégias de
operações
SUCESSO
COMPETITIVO
Habilidade para
impulsionar a
estratégia de
operações
ESTRATÉGIA
(SLACK, 2008)
 O QUE É ESTRATÉGIA?
 O QUE É ESTRATÉGIA EM OPERAÇÕES?
 Decisões estratégicas geralmente são decisões que:
 Tem efeito abrangente na organização à qual a estratégia se refere;
 Definem a posição da organização relativamente ao seu ambiente;
 Aproximam a organização de seus objetivos de longo prazo;
 A estratégia em suma é mais do que uma só decisão;
 Estratégia é o padrão global de decisões e ações que influenciam a
direção de longo prazo de uma organização.;
ESTRATÉGIA
(SLACK, 2008)
 Definir Estratégia como um padrão de decisões, nos ajuda a discutir uma
estratégia de produção mesmo quando ela não está expressa.
 E a observação do padrão geral das decisões nos dá uma indicação do
comportamento estratégico real.
 A estratégia da produção está relacionada ao padrão de decisões e ações
estratégicas que definem o papel, os objetivos e as atividades da produção;
 O termo estratégia da produção por muitos pode, a primeira vista, soar
como uma contradição!
 Como podemos considerar estratégico, um assunto ligado a criação e
entrega diária de bens e serviço?
ESTRATÉGIA
(SLACK, 2008)
 Pois a Estratégia é vista geralmente como oposta a atividades de rotinas
diárias!
 Entretanto, é preciso ter a consciência de que os termos “produção” ou
“operação” não são sinônimos de “operacional”.
 “Produção” ou “Operação” dizem respeito aos recursos que criam
produtos e serviços.
 “Operacional” é o oposto de “Estratégico”, e denota as atividades diárias e
detalhadas.
 Dessa forma pode-se, em administração da produção, examinar tanto os
aspectos operacionais quanto os estratégicos das operações.
ESTRATÉGIA
(SLACK, 2008)
 É de extrema importância deixarmos claro também as diferenças entre os
termos “conteúdo” e “processo” no contexto de estratégia da produção:
 O conteúdo: envolve ações e decisões específicas, que estabelecem o
papel, os objetivos e as atividades da produção.
 O processo: é o método utilizado para produzir as decisões específicas de
conteúdo.
 Não há uma regra estabelecida para universalmente descrever a forma
com a qual a estratégia da produção deve ser descrita.
 Diferentes autores demonstram visões discretamente diferentes sobre o
assunto.
ESTRATÉGIA
(SLACK, 2008)
 Segue abaixo quatro perspectivas sobre estratégia de produção:
 A estratégia da produção é um reflexo “de cima para baixo” (top-
down) do que o grupo ou negócio todo deseja fazer;
 A estratégia da produção é uma atividade “de baixo para cima”
(bottom-up), em que as melhorias da produção cumulativamente
constroem a estratégia;
 A estratégia da produção envolve a tradução dos requisitos do
mercado em decisões da produção;
 A estratégia da produção envolve a exploração das capacidades dos
recursos da produção em mercados eleitos;
ESTRATÉGIA
(SLACK, 2008)
 Nenhuma das perspectivas apresentadas apresenta uma visão geral do
que seja estratégia da produção.
 Mas analisando-as juntamente, conseguimos ter uma ideia das pressões
que circundam o conteúdo da estratégia da produção.
Perspectiva top-down
O que a empresa deseja que
as operações façam
O que a experiência diária
sugere que as operações
deveriam fazer.
Perspectiva bottom-up
Perspectiva dos
recursos de operações
O que os recursos de
operações podem
fazer
Perspectiva das
exigências do mercado
O que o posicionamento
de mercado requer que as
operações façam.
Estratégia de
operações
IMPLEMENTAÇÃO, APOIO
E IMPULSIONAMENTO
(SLACK, 2008)
 Após a definição do conceito de estratégia relacionada a produção,
voltamos a questão implementação, apoio e impulsionamento dessa
estratégia nas organizações em busca do sucesso competitivo.
Estado em que
contribuem muito
pouco para o sucesso
competitivo da
empresa
Ponto onde são
responsáveis
diretamente pelo
sucesso competitivo.
Dominar as habilidades
de implementar e
apoiar as estratégias de
operações
SUCESSO
COMPETITIVO
Habilidade para
impulsionar a
estratégia de
operações
IMPLEMENTAÇÃO
(SLACK, 2008)
 O papel básico da produção é implementar a estratégia;
 Grande parte das empresas possuem algum tipo de estratégia, e é a
produção que a coloca em prática;
 A estratégia não pode ser tocada;
 A estratégia não pode vista;
 O que pode ser visto é como a produção se comporta na prática.
IMPLEMENTAÇÃO
(SLACK, 2008)
 Exemplo:
 Uma empresa de seguros tem como estratégia migra para um serviço “on-
line” inteiramente novo;
 A operação de marketing da empresa, necessita organizar as atividades
promocionais adequadas;
 A operação de tecnologia da informação da empresa, deve suprir todo o
processo com sistemas apropriados;
 A operação de produção da empresa, com ação mais significativa, terá
que Supervisionar o projeto de todos os processos que permitam aos
consumidores acesso à informação “on-line”:
o Elaboração de cotações;
o Pedidos de informações adicionais;
o Detalhes de checagem de crédito;
o Envio de documentações;
o etc;.
IMPLEMENTAÇÃO
(SLACK, 2008)
Sem a efetiva implementação,
mesmo a estratégia mais original e
brilhante pode se tornar totalmente
ineficaz.
APOIO
(SLACK, 2008)
 Apoiar a estratégia da produção vai além da sua implementação
 A questão do APOIO da estratégia da produção significa:
 Desenvolver as capacitações da produção;
 Permitir o aprimoramento e refino dos objetivos definidos pela
estratégia;
APOIO
(SLACK, 2008)
 Exemplo
 Uma empresa fabricante de telefones celulares definiu como estratégia
para sua operação ser o primeiro no mercado com produtos inovadores.
 Com isso, sua operação, precisa obrigatoriamente ser capaz de enfrentar
a inovação constante.
 Para isso, ela deve desenvolver processos que sejam flexíveis o suficientes
para:
 Quanto melhor for o desempenho da produção na realização dessas
atividades, maior será o apoio em relação a estratégia da empresa.
• Fabricar novos componentes;
• Organizar seus funcionários no sentido de entender as novas
tecnologias;
• Desenvolver relacionamento com os fornecedores (para
suprir a necessidade de resposta a fabricação de novos
componentes).
IMPULSIONAMENTO
(SLACK, 2008)
 A parte mais difícil desse processo é o impulsionamento da estratégia.
 Pois esse processo gera resultados a organização somente se aplicado a
longo prazo.
Exemplo:
 Uma empresa de serviços de alimentação fornece peixes, congelados e
produtos do mar a restaurantes.
 Ao longo dos anos, essa empresa desenvolveu um relacionamento
próximo com seus clientes ( os chefs), assim como com os seus fornecedores
ao redor do mundo (empresas de pesca e fazendas de criação de peixes).
 Além disso, a empresa possui um pequena fábrica onde produz um
contínuo fluxo de produtos novos e excitantes aos seus consumidores.
IMPULSIONAMENTO
(SLACK, 2008)
Exemplo (continuação):
 Essa empresa possui uma posição única no mercado devido a:
 Relacionamento entre clientes e fornecedores;
 Aliado a constante busca no desenvolvimento de novos produtos.
 Esse fatores são extremamente difíceis de serem copiados pelos seus
concorrentes e por isso baseiam o sucesso da empresa.
 Com isso, podemos concluir que a excelência na capacitação das
operações em uma organização, impulsionam a estratégia da empresa em
busca do sucesso competitivo.
Quatro estágios da
contribuição da produção
(SLACK, 2008)
Conceito desenvolvido pelos Profs. Hayes e
Wheelwright da Harvard University.
 Modelo para avaliar o papel e a contribuição da função produção dentro
de uma organização.
 Esse modelo traça a progressão da função produção desde o papel
negativo que ela exerce no Estagio 1 de produção até tornar-se como
elemento central na estratégia competitiva no Estágio 4.
Quatro estágios da
contribuição da produção
(SLACK, 2008)
Conceito desenvolvido pelos Profs. Hayes e
Wheelwright da Harvard University.
AumentodeImpactoestratégico
Aumento de capacitações em operações
Estágio 1
Corrigir os piores
problemas
Internamente
neutro
Impedindo o
desenvolvimento
da organização
Quatro estágios da
contribuição da produção
(SLACK, 2008)
 Estágio 1 – Neutralidade Interna
 É o nível mais fraco de contribuição da função produção
 A função produção segura a empresa quanto a sua eficácia produtiva
 A função produção mantém-se voltada para dentro e reage somente às
mudanças dos ambientes internos e externos (reclamações), contribuindo
pouco para o sucesso competitivo.
 Paradoxalmente o objetivo da função produção, nesse estágio, é passar
desapercebida (internamente neutra).
 O restante da organização não vê a produção como originalidade, talento
ou impulso competitivo
 As ações de melhoria são limitadas a evitar erros.
Quatro estágios da
contribuição da produção
(SLACK, 2008)
AumentodeImpactoestratégico
Aumento de capacitações em operações
Estágio 1
Corrigir os piores
problemas
Estágio 2
Adotar a melhor
prática
Internamente
neutro
Externamente
neutro
Impedindo o
desenvolvimento
da organização
Tão boa
quanto os
concorrentes
Quatro estágios da
contribuição da produção
(SLACK, 2008)
 Estágio 2 – Neutralidade Externa
 Início do rompimento do Estágio 1, implementação da estratégia.
 Comparação da função produção com empresas similares mas fora do seu
mercado de atuação (neutralidade externa).
 Com o intuito de comparar seu desempenho ao do concorrente e tentar
adotar as melhores práticas
Quatro estágios da
contribuição da produção
(SLACK, 2008)
AumentodeImpactoestratégico
Aumento de capacitações em operações
Estágio 1
Corrigir os piores
problemas
Estágio 2
Adotar a melhor
prática
Estágio 3
Ligar a estratégia
com operações
Internamente
neutro
Externamente
neutro
Internamente
apoiado
Impedindo o
desenvolvimento
da organização
Tão boa
quanto os
concorrentes
Claramente
melhor no
setor
Quatro estágios da
contribuição da produção
(SLACK, 2008)
 Estágio 3 – Apoio Interno
 Nesse estágio, a empresa está entre as melhores de seu mercado
 Mas aspira ser a melhor
 Para isso é necessário manter uma visão clara da concorrência.
 Entender os objetivos estratégicos da empresa
 Desenvolver os recursos de produção de maneira apropriada
 O apoio interno é conseguido por meio de uma estratégia de operações
respeitável praticada pela função produção.
Quatro estágios da
contribuição da produção
(SLACK, 2008)
AumentodeImpactoestratégico
Aumento de capacitações em operações
Estágio 1
Corrigir os piores
problemas
Estágio 2
Adotar a melhor
prática
Estágio 3
Ligar a estratégia
com operações
Estágio 4
Dar vantagem
para a operação
Internamente
neutro
Externamente
neutro
Internamente
apoiado
Externamente
apoiado
Impedindo o
desenvolvimento
da organização
Tão boa
quanto os
concorrentes
Claramente
melhor no
setor
Redefinir as
expectativas
da Indústria
Quatro estágios da
contribuição da produção
(SLACK, 2008)
 Estágio 4 – Apoio Externo
 A diferença entre o estágio 3 e o 4 é sútil, embora muito importante.
 No estágio 4 a função produção é vista pela empresa como provedora
para o sucesso competitivo
 A produção tem visão de longo prazo.
 A produção é inovadora, proativa e está impulsionando a estratégia da
empresa ao manter-se sempre a frente dos concorrentes.
 A produção prevê prováveis mudanças nos mercados e ou na oferta de
insumos e se desenvolve para suprir as novas exigências e continuar
competindo com as novas exigências do mercado
 O apoio interno é conseguido por meio de uma estratégia de operações
respeitável praticada pela função produção.
Quatro estágios da
contribuição da produção
(SLACK, 2008)
AumentodeImpactoestratégico
Aumento de capacitações em operações
Estágio 1
Corrigir os piores
problemas
Estágio 2
Adotar a melhor
prática
Estágio 3
Ligar a estratégia
com operações
Estágio 4
Dar vantagem
para a operação
Internamente
neutro
Externamente
neutro
Internamente
apoiado
Externamente
apoiado
Impedindo o
desenvolvimento
da organização
Tão boa
quanto os
concorrentes
Claramente
melhor no
setor
Redefinir as
expectativas
da Indústria
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 28
REFERÊNCIAS
SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2009

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Logística Empresarial
Logística EmpresarialLogística Empresarial
Logística Empresarial
Adeildo Caboclo
 
Gestão do conhecimento: teoria e prática
Gestão do conhecimento: teoria e práticaGestão do conhecimento: teoria e prática
Gestão do conhecimento: teoria e prática
Roberto C. S. Pacheco
 
Aula Qualidade - Fluxograma
Aula Qualidade - FluxogramaAula Qualidade - Fluxograma
Aula Qualidade - Fluxograma
Caio Roberto de Souza Filho
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
douglas
 
Apresentação logistica final
Apresentação logistica finalApresentação logistica final
Apresentação logistica final
aribeiro2013
 
Aula introdução a administração ea d processos gerenciais
Aula introdução a administração ea d processos gerenciaisAula introdução a administração ea d processos gerenciais
Aula introdução a administração ea d processos gerenciais
Niloar Bissani
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
UFMT Universidade Federal de Mato Grosso
 
Logística Reversa
Logística ReversaLogística Reversa
Logística Reversa
Wilian Gatti Jr
 
Aula 01 O que é estratégia
Aula 01   O que é estratégiaAula 01   O que é estratégia
Aula 01 O que é estratégia
alemartins10
 
Administração de materiais
Administração de materiaisAdministração de materiais
Administração de materiais
Denis Carlos Sodré
 
Logística reversa
Logística reversaLogística reversa
Logística reversa
Mirieli Zanetti
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
Luiz Carlos Oliveira
 
Gestão da Qualidade - Logística
Gestão da Qualidade - LogísticaGestão da Qualidade - Logística
Gestão da Qualidade - Logística
Adeildo Caboclo
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística EmpresarialGestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Francisco Simas
 
Caderno - Gestão de Operações
Caderno - Gestão de OperaçõesCaderno - Gestão de Operações
Caderno - Gestão de Operações
Cadernos PPT
 
01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística
Homero Alves de Lima
 
O papel do administrador
O papel do administradorO papel do administrador
O papel do administrador
Jesrayne Nascimento
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
douglas
 
Logística - princípios básicos
Logística - princípios básicosLogística - princípios básicos
Logística - princípios básicos
Nara Oliveira
 
Planejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacionalPlanejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacional
PMY TECNOLOGIA LTDA
 

Mais procurados (20)

Logística Empresarial
Logística EmpresarialLogística Empresarial
Logística Empresarial
 
Gestão do conhecimento: teoria e prática
Gestão do conhecimento: teoria e práticaGestão do conhecimento: teoria e prática
Gestão do conhecimento: teoria e prática
 
Aula Qualidade - Fluxograma
Aula Qualidade - FluxogramaAula Qualidade - Fluxograma
Aula Qualidade - Fluxograma
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
 
Apresentação logistica final
Apresentação logistica finalApresentação logistica final
Apresentação logistica final
 
Aula introdução a administração ea d processos gerenciais
Aula introdução a administração ea d processos gerenciaisAula introdução a administração ea d processos gerenciais
Aula introdução a administração ea d processos gerenciais
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
 
Logística Reversa
Logística ReversaLogística Reversa
Logística Reversa
 
Aula 01 O que é estratégia
Aula 01   O que é estratégiaAula 01   O que é estratégia
Aula 01 O que é estratégia
 
Administração de materiais
Administração de materiaisAdministração de materiais
Administração de materiais
 
Logística reversa
Logística reversaLogística reversa
Logística reversa
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
 
Gestão da Qualidade - Logística
Gestão da Qualidade - LogísticaGestão da Qualidade - Logística
Gestão da Qualidade - Logística
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística EmpresarialGestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
 
Caderno - Gestão de Operações
Caderno - Gestão de OperaçõesCaderno - Gestão de Operações
Caderno - Gestão de Operações
 
01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística
 
O papel do administrador
O papel do administradorO papel do administrador
O papel do administrador
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
 
Logística - princípios básicos
Logística - princípios básicosLogística - princípios básicos
Logística - princípios básicos
 
Planejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacionalPlanejamento estrategico, tático e operacional
Planejamento estrategico, tático e operacional
 

Destaque

Unidade 2 papel estratégico e objetivos da produção
Unidade 2   papel estratégico e objetivos da produçãoUnidade 2   papel estratégico e objetivos da produção
Unidade 2 papel estratégico e objetivos da produção
Daniel Moura
 
Unidade 2 - Estratégia da produção
Unidade 2   - Estratégia da produçãoUnidade 2   - Estratégia da produção
Unidade 2 - Estratégia da produção
Daniel Moura
 
Papel Estratégico e Objetivos da Produção
Papel Estratégico e Objetivos da ProduçãoPapel Estratégico e Objetivos da Produção
Papel Estratégico e Objetivos da Produção
Francisco Junior Adm.Franciscojunior
 
Aula2 producao i
Aula2 producao iAula2 producao i
Unidade 2 conceitos, funções e objetivos do sp
Unidade 2   conceitos, funções e objetivos do spUnidade 2   conceitos, funções e objetivos do sp
Unidade 2 conceitos, funções e objetivos do sp
Daniel Moura
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
BWS Contabilidade, Consultoria e Perícias
 
Administração de Operações - Estrategias De ProduçãO Rev02a
Administração de Operações - Estrategias De ProduçãO Rev02aAdministração de Operações - Estrategias De ProduçãO Rev02a
Administração de Operações - Estrategias De ProduçãO Rev02a
WeNova Consulting
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
PMY TECNOLOGIA LTDA
 
Apresentação guru slack hubot
Apresentação guru   slack hubotApresentação guru   slack hubot
Apresentação guru slack hubot
Vinícius Carvalho
 
Aula 2 papel estratégico e objetivos da produção
Aula 2   papel estratégico e objetivos da produçãoAula 2   papel estratégico e objetivos da produção
Aula 2 papel estratégico e objetivos da produção
Correios
 
Processos Produtivos I
Processos Produtivos IProcessos Produtivos I
Processos Produtivos I
Paulo Santos
 
Aula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_taiAula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_tai
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 02 introducao adm da produção - db
Aula 02   introducao adm da produção - dbAula 02   introducao adm da produção - db
Aula 02 introducao adm da produção - db
Daniela Brauner
 
Objetivos de desempenho prova
Objetivos de desempenho provaObjetivos de desempenho prova
Objetivos de desempenho prova
nigr0 s
 
.Bob's
.Bob's.Bob's
Estratégia de Produção
Estratégia de ProduçãoEstratégia de Produção
Estratégia de Produção
Andre Silva
 
Trabalho conclusão curso ECA-USP: Bob's
Trabalho conclusão curso ECA-USP: Bob'sTrabalho conclusão curso ECA-USP: Bob's
Trabalho conclusão curso ECA-USP: Bob's
Rafael Prieto
 
Finalizado
FinalizadoFinalizado
Finalizado
fastfood71a
 
Unidade 4 - Projeto em gestão da produção
Unidade 4 - Projeto em gestão da produçãoUnidade 4 - Projeto em gestão da produção
Unidade 4 - Projeto em gestão da produção
Daniel Moura
 
Unidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 -  Gestão de OperaçõesUnidade 5 -  Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de Operações
Daniel Moura
 

Destaque (20)

Unidade 2 papel estratégico e objetivos da produção
Unidade 2   papel estratégico e objetivos da produçãoUnidade 2   papel estratégico e objetivos da produção
Unidade 2 papel estratégico e objetivos da produção
 
Unidade 2 - Estratégia da produção
Unidade 2   - Estratégia da produçãoUnidade 2   - Estratégia da produção
Unidade 2 - Estratégia da produção
 
Papel Estratégico e Objetivos da Produção
Papel Estratégico e Objetivos da ProduçãoPapel Estratégico e Objetivos da Produção
Papel Estratégico e Objetivos da Produção
 
Aula2 producao i
Aula2 producao iAula2 producao i
Aula2 producao i
 
Unidade 2 conceitos, funções e objetivos do sp
Unidade 2   conceitos, funções e objetivos do spUnidade 2   conceitos, funções e objetivos do sp
Unidade 2 conceitos, funções e objetivos do sp
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
 
Administração de Operações - Estrategias De ProduçãO Rev02a
Administração de Operações - Estrategias De ProduçãO Rev02aAdministração de Operações - Estrategias De ProduçãO Rev02a
Administração de Operações - Estrategias De ProduçãO Rev02a
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
 
Apresentação guru slack hubot
Apresentação guru   slack hubotApresentação guru   slack hubot
Apresentação guru slack hubot
 
Aula 2 papel estratégico e objetivos da produção
Aula 2   papel estratégico e objetivos da produçãoAula 2   papel estratégico e objetivos da produção
Aula 2 papel estratégico e objetivos da produção
 
Processos Produtivos I
Processos Produtivos IProcessos Produtivos I
Processos Produtivos I
 
Aula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_taiAula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_tai
 
Aula 02 introducao adm da produção - db
Aula 02   introducao adm da produção - dbAula 02   introducao adm da produção - db
Aula 02 introducao adm da produção - db
 
Objetivos de desempenho prova
Objetivos de desempenho provaObjetivos de desempenho prova
Objetivos de desempenho prova
 
.Bob's
.Bob's.Bob's
.Bob's
 
Estratégia de Produção
Estratégia de ProduçãoEstratégia de Produção
Estratégia de Produção
 
Trabalho conclusão curso ECA-USP: Bob's
Trabalho conclusão curso ECA-USP: Bob'sTrabalho conclusão curso ECA-USP: Bob's
Trabalho conclusão curso ECA-USP: Bob's
 
Finalizado
FinalizadoFinalizado
Finalizado
 
Unidade 4 - Projeto em gestão da produção
Unidade 4 - Projeto em gestão da produçãoUnidade 4 - Projeto em gestão da produção
Unidade 4 - Projeto em gestão da produção
 
Unidade 5 - Gestão de Operações
Unidade 5 -  Gestão de OperaçõesUnidade 5 -  Gestão de Operações
Unidade 5 - Gestão de Operações
 

Semelhante a Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi

Plano de transição 4 m´s
Plano de transição 4 m´sPlano de transição 4 m´s
Plano de transição 4 m´s
Manuel Teixeira
 
Conceitos E Estruturas Sub Cap 1.Rascunh Odoc
Conceitos E Estruturas Sub Cap 1.Rascunh OdocConceitos E Estruturas Sub Cap 1.Rascunh Odoc
Conceitos E Estruturas Sub Cap 1.Rascunh Odoc
Jaqueline Strassburger
 
Conceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odoc
Conceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odocConceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odoc
Conceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odoc
Jaqueline Strassburger
 
Revista Dom - Como desenhar uma estratégia de inovação
Revista Dom - Como desenhar uma estratégia de inovaçãoRevista Dom - Como desenhar uma estratégia de inovação
Revista Dom - Como desenhar uma estratégia de inovação
Ricardo Puga
 
Treinamento Estratégia - Esag Jr.
Treinamento Estratégia - Esag Jr.Treinamento Estratégia - Esag Jr.
Treinamento Estratégia - Esag Jr.
Lucas da Rocha
 
Aula 2 ucam jpa 2013.1 avaliaçao de empresas
Aula 2 ucam jpa 2013.1   avaliaçao de empresasAula 2 ucam jpa 2013.1   avaliaçao de empresas
Aula 2 ucam jpa 2013.1 avaliaçao de empresas
Angelo Peres
 
Aula 7 8 - adm estr 2014va
Aula 7 8 - adm estr 2014vaAula 7 8 - adm estr 2014va
Aula 7 8 - adm estr 2014va
Katia Gomide
 
Planejamento estratégico - CAPEDE
Planejamento estratégico - CAPEDEPlanejamento estratégico - CAPEDE
Planejamento estratégico - CAPEDE
Salomar Tagliapietra
 
Metodologia apresentação PE.ppt
Metodologia apresentação PE.pptMetodologia apresentação PE.ppt
Metodologia apresentação PE.ppt
FlviaParente1
 
Aula estratégia inovação
Aula estratégia inovaçãoAula estratégia inovação
Aula estratégia inovação
Eliseo Portela
 
Aula estratégia inovação
Aula estratégia inovaçãoAula estratégia inovação
Aula estratégia inovação
Eliseo Portela
 
Estratégia e competitividade.
Estratégia e competitividade.Estratégia e competitividade.
Estratégia e competitividade.
Universidade Pedagogica
 
fep_1-2_estratc3a9gia-de-produc3a7c3a3o.ppt
fep_1-2_estratc3a9gia-de-produc3a7c3a3o.pptfep_1-2_estratc3a9gia-de-produc3a7c3a3o.ppt
fep_1-2_estratc3a9gia-de-produc3a7c3a3o.ppt
paulojunior282065
 
SLIDE_AULA_1_PLANEJAMENTO_ESTRATÉGICO_E_ANÁLISE_DO_CONTEXTO.pptx
SLIDE_AULA_1_PLANEJAMENTO_ESTRATÉGICO_E_ANÁLISE_DO_CONTEXTO.pptxSLIDE_AULA_1_PLANEJAMENTO_ESTRATÉGICO_E_ANÁLISE_DO_CONTEXTO.pptx
SLIDE_AULA_1_PLANEJAMENTO_ESTRATÉGICO_E_ANÁLISE_DO_CONTEXTO.pptx
CtiaBombardelli
 
JSA_Estratégias Empresariais
JSA_Estratégias EmpresariaisJSA_Estratégias Empresariais
JSA_Estratégias Empresariais
Salvador Abreu
 
67175.ppt
67175.ppt67175.ppt
67175.ppt
Dimas Francisco
 
67175.ppt
67175.ppt67175.ppt
67175.ppt
Dimas Francisco
 
Planejamento Estratégico - Opinion Box
Planejamento Estratégico - Opinion BoxPlanejamento Estratégico - Opinion Box
Planejamento Estratégico - Opinion Box
Opinion Box
 
INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE CONTINUIDADE DO NEGÓCIO
INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE CONTINUIDADE DO NEGÓCIOINOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE CONTINUIDADE DO NEGÓCIO
INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE CONTINUIDADE DO NEGÓCIO
Jairo Bernardes da Silva Júnior
 
Ig Capitulo8
Ig Capitulo8Ig Capitulo8
Ig Capitulo8
jmcosta
 

Semelhante a Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi (20)

Plano de transição 4 m´s
Plano de transição 4 m´sPlano de transição 4 m´s
Plano de transição 4 m´s
 
Conceitos E Estruturas Sub Cap 1.Rascunh Odoc
Conceitos E Estruturas Sub Cap 1.Rascunh OdocConceitos E Estruturas Sub Cap 1.Rascunh Odoc
Conceitos E Estruturas Sub Cap 1.Rascunh Odoc
 
Conceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odoc
Conceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odocConceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odoc
Conceitos e estruturas sub cap-1.rascunh-odoc
 
Revista Dom - Como desenhar uma estratégia de inovação
Revista Dom - Como desenhar uma estratégia de inovaçãoRevista Dom - Como desenhar uma estratégia de inovação
Revista Dom - Como desenhar uma estratégia de inovação
 
Treinamento Estratégia - Esag Jr.
Treinamento Estratégia - Esag Jr.Treinamento Estratégia - Esag Jr.
Treinamento Estratégia - Esag Jr.
 
Aula 2 ucam jpa 2013.1 avaliaçao de empresas
Aula 2 ucam jpa 2013.1   avaliaçao de empresasAula 2 ucam jpa 2013.1   avaliaçao de empresas
Aula 2 ucam jpa 2013.1 avaliaçao de empresas
 
Aula 7 8 - adm estr 2014va
Aula 7 8 - adm estr 2014vaAula 7 8 - adm estr 2014va
Aula 7 8 - adm estr 2014va
 
Planejamento estratégico - CAPEDE
Planejamento estratégico - CAPEDEPlanejamento estratégico - CAPEDE
Planejamento estratégico - CAPEDE
 
Metodologia apresentação PE.ppt
Metodologia apresentação PE.pptMetodologia apresentação PE.ppt
Metodologia apresentação PE.ppt
 
Aula estratégia inovação
Aula estratégia inovaçãoAula estratégia inovação
Aula estratégia inovação
 
Aula estratégia inovação
Aula estratégia inovaçãoAula estratégia inovação
Aula estratégia inovação
 
Estratégia e competitividade.
Estratégia e competitividade.Estratégia e competitividade.
Estratégia e competitividade.
 
fep_1-2_estratc3a9gia-de-produc3a7c3a3o.ppt
fep_1-2_estratc3a9gia-de-produc3a7c3a3o.pptfep_1-2_estratc3a9gia-de-produc3a7c3a3o.ppt
fep_1-2_estratc3a9gia-de-produc3a7c3a3o.ppt
 
SLIDE_AULA_1_PLANEJAMENTO_ESTRATÉGICO_E_ANÁLISE_DO_CONTEXTO.pptx
SLIDE_AULA_1_PLANEJAMENTO_ESTRATÉGICO_E_ANÁLISE_DO_CONTEXTO.pptxSLIDE_AULA_1_PLANEJAMENTO_ESTRATÉGICO_E_ANÁLISE_DO_CONTEXTO.pptx
SLIDE_AULA_1_PLANEJAMENTO_ESTRATÉGICO_E_ANÁLISE_DO_CONTEXTO.pptx
 
JSA_Estratégias Empresariais
JSA_Estratégias EmpresariaisJSA_Estratégias Empresariais
JSA_Estratégias Empresariais
 
67175.ppt
67175.ppt67175.ppt
67175.ppt
 
67175.ppt
67175.ppt67175.ppt
67175.ppt
 
Planejamento Estratégico - Opinion Box
Planejamento Estratégico - Opinion BoxPlanejamento Estratégico - Opinion Box
Planejamento Estratégico - Opinion Box
 
INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE CONTINUIDADE DO NEGÓCIO
INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE CONTINUIDADE DO NEGÓCIOINOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE CONTINUIDADE DO NEGÓCIO
INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE CONTINUIDADE DO NEGÓCIO
 
Ig Capitulo8
Ig Capitulo8Ig Capitulo8
Ig Capitulo8
 

Mais de Universidade de Mogi das Cruzes

Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tlAula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tlAula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tlAula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpiAula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpiAula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Universidade de Mogi das Cruzes
 

Mais de Universidade de Mogi das Cruzes (8)

Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
 
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
 
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tlAula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
 
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tlAula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
 
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tlAula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl
 
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpiAula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
 
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpiAula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
Aula 01 rev_11_08_13_adm_prod_tgpi
 
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)
 

Último

Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 

Último (20)

Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 

Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi

  • 1. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO TGPI - TAI AULA -3 1Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
  • 2. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 2 O que veremos nessa aula?  Como Implementar, Apoiar e Impulsionar a função produção?  Estratégia em Administração da Produção  Continuação da aula 02...
  • 3. IMPLEMENTAÇÃO, APOIO E IMPULSIONAMENTO (SLACK, 2008)  Tratando-se de administração da produção, espera-se que ao longo do tempo tanto as operações quanto os gerentes de produção de uma empresa melhorem.  Ao passar pelo estágio de aprimoramento, no qual ele adquirem conhecimentos, eles deveriam evoluir da seguinte maneira: Estado em que contribuem muito pouco para o sucesso competitivo da empresa Ponto onde são responsáveis diretamente pelo sucesso competitivo. Dominar as habilidades de implementar e apoiar as estratégias de operações SUCESSO COMPETITIVO Habilidade para impulsionar a estratégia de operações
  • 4. ESTRATÉGIA (SLACK, 2008)  O QUE É ESTRATÉGIA?  O QUE É ESTRATÉGIA EM OPERAÇÕES?  Decisões estratégicas geralmente são decisões que:  Tem efeito abrangente na organização à qual a estratégia se refere;  Definem a posição da organização relativamente ao seu ambiente;  Aproximam a organização de seus objetivos de longo prazo;  A estratégia em suma é mais do que uma só decisão;  Estratégia é o padrão global de decisões e ações que influenciam a direção de longo prazo de uma organização.;
  • 5. ESTRATÉGIA (SLACK, 2008)  Definir Estratégia como um padrão de decisões, nos ajuda a discutir uma estratégia de produção mesmo quando ela não está expressa.  E a observação do padrão geral das decisões nos dá uma indicação do comportamento estratégico real.  A estratégia da produção está relacionada ao padrão de decisões e ações estratégicas que definem o papel, os objetivos e as atividades da produção;  O termo estratégia da produção por muitos pode, a primeira vista, soar como uma contradição!  Como podemos considerar estratégico, um assunto ligado a criação e entrega diária de bens e serviço?
  • 6. ESTRATÉGIA (SLACK, 2008)  Pois a Estratégia é vista geralmente como oposta a atividades de rotinas diárias!  Entretanto, é preciso ter a consciência de que os termos “produção” ou “operação” não são sinônimos de “operacional”.  “Produção” ou “Operação” dizem respeito aos recursos que criam produtos e serviços.  “Operacional” é o oposto de “Estratégico”, e denota as atividades diárias e detalhadas.  Dessa forma pode-se, em administração da produção, examinar tanto os aspectos operacionais quanto os estratégicos das operações.
  • 7. ESTRATÉGIA (SLACK, 2008)  É de extrema importância deixarmos claro também as diferenças entre os termos “conteúdo” e “processo” no contexto de estratégia da produção:  O conteúdo: envolve ações e decisões específicas, que estabelecem o papel, os objetivos e as atividades da produção.  O processo: é o método utilizado para produzir as decisões específicas de conteúdo.  Não há uma regra estabelecida para universalmente descrever a forma com a qual a estratégia da produção deve ser descrita.  Diferentes autores demonstram visões discretamente diferentes sobre o assunto.
  • 8. ESTRATÉGIA (SLACK, 2008)  Segue abaixo quatro perspectivas sobre estratégia de produção:  A estratégia da produção é um reflexo “de cima para baixo” (top- down) do que o grupo ou negócio todo deseja fazer;  A estratégia da produção é uma atividade “de baixo para cima” (bottom-up), em que as melhorias da produção cumulativamente constroem a estratégia;  A estratégia da produção envolve a tradução dos requisitos do mercado em decisões da produção;  A estratégia da produção envolve a exploração das capacidades dos recursos da produção em mercados eleitos;
  • 9. ESTRATÉGIA (SLACK, 2008)  Nenhuma das perspectivas apresentadas apresenta uma visão geral do que seja estratégia da produção.  Mas analisando-as juntamente, conseguimos ter uma ideia das pressões que circundam o conteúdo da estratégia da produção. Perspectiva top-down O que a empresa deseja que as operações façam O que a experiência diária sugere que as operações deveriam fazer. Perspectiva bottom-up Perspectiva dos recursos de operações O que os recursos de operações podem fazer Perspectiva das exigências do mercado O que o posicionamento de mercado requer que as operações façam. Estratégia de operações
  • 10. IMPLEMENTAÇÃO, APOIO E IMPULSIONAMENTO (SLACK, 2008)  Após a definição do conceito de estratégia relacionada a produção, voltamos a questão implementação, apoio e impulsionamento dessa estratégia nas organizações em busca do sucesso competitivo. Estado em que contribuem muito pouco para o sucesso competitivo da empresa Ponto onde são responsáveis diretamente pelo sucesso competitivo. Dominar as habilidades de implementar e apoiar as estratégias de operações SUCESSO COMPETITIVO Habilidade para impulsionar a estratégia de operações
  • 11. IMPLEMENTAÇÃO (SLACK, 2008)  O papel básico da produção é implementar a estratégia;  Grande parte das empresas possuem algum tipo de estratégia, e é a produção que a coloca em prática;  A estratégia não pode ser tocada;  A estratégia não pode vista;  O que pode ser visto é como a produção se comporta na prática.
  • 12. IMPLEMENTAÇÃO (SLACK, 2008)  Exemplo:  Uma empresa de seguros tem como estratégia migra para um serviço “on- line” inteiramente novo;  A operação de marketing da empresa, necessita organizar as atividades promocionais adequadas;  A operação de tecnologia da informação da empresa, deve suprir todo o processo com sistemas apropriados;  A operação de produção da empresa, com ação mais significativa, terá que Supervisionar o projeto de todos os processos que permitam aos consumidores acesso à informação “on-line”: o Elaboração de cotações; o Pedidos de informações adicionais; o Detalhes de checagem de crédito; o Envio de documentações; o etc;.
  • 13. IMPLEMENTAÇÃO (SLACK, 2008) Sem a efetiva implementação, mesmo a estratégia mais original e brilhante pode se tornar totalmente ineficaz.
  • 14. APOIO (SLACK, 2008)  Apoiar a estratégia da produção vai além da sua implementação  A questão do APOIO da estratégia da produção significa:  Desenvolver as capacitações da produção;  Permitir o aprimoramento e refino dos objetivos definidos pela estratégia;
  • 15. APOIO (SLACK, 2008)  Exemplo  Uma empresa fabricante de telefones celulares definiu como estratégia para sua operação ser o primeiro no mercado com produtos inovadores.  Com isso, sua operação, precisa obrigatoriamente ser capaz de enfrentar a inovação constante.  Para isso, ela deve desenvolver processos que sejam flexíveis o suficientes para:  Quanto melhor for o desempenho da produção na realização dessas atividades, maior será o apoio em relação a estratégia da empresa. • Fabricar novos componentes; • Organizar seus funcionários no sentido de entender as novas tecnologias; • Desenvolver relacionamento com os fornecedores (para suprir a necessidade de resposta a fabricação de novos componentes).
  • 16. IMPULSIONAMENTO (SLACK, 2008)  A parte mais difícil desse processo é o impulsionamento da estratégia.  Pois esse processo gera resultados a organização somente se aplicado a longo prazo. Exemplo:  Uma empresa de serviços de alimentação fornece peixes, congelados e produtos do mar a restaurantes.  Ao longo dos anos, essa empresa desenvolveu um relacionamento próximo com seus clientes ( os chefs), assim como com os seus fornecedores ao redor do mundo (empresas de pesca e fazendas de criação de peixes).  Além disso, a empresa possui um pequena fábrica onde produz um contínuo fluxo de produtos novos e excitantes aos seus consumidores.
  • 17. IMPULSIONAMENTO (SLACK, 2008) Exemplo (continuação):  Essa empresa possui uma posição única no mercado devido a:  Relacionamento entre clientes e fornecedores;  Aliado a constante busca no desenvolvimento de novos produtos.  Esse fatores são extremamente difíceis de serem copiados pelos seus concorrentes e por isso baseiam o sucesso da empresa.  Com isso, podemos concluir que a excelência na capacitação das operações em uma organização, impulsionam a estratégia da empresa em busca do sucesso competitivo.
  • 18. Quatro estágios da contribuição da produção (SLACK, 2008) Conceito desenvolvido pelos Profs. Hayes e Wheelwright da Harvard University.  Modelo para avaliar o papel e a contribuição da função produção dentro de uma organização.  Esse modelo traça a progressão da função produção desde o papel negativo que ela exerce no Estagio 1 de produção até tornar-se como elemento central na estratégia competitiva no Estágio 4.
  • 19. Quatro estágios da contribuição da produção (SLACK, 2008) Conceito desenvolvido pelos Profs. Hayes e Wheelwright da Harvard University. AumentodeImpactoestratégico Aumento de capacitações em operações Estágio 1 Corrigir os piores problemas Internamente neutro Impedindo o desenvolvimento da organização
  • 20. Quatro estágios da contribuição da produção (SLACK, 2008)  Estágio 1 – Neutralidade Interna  É o nível mais fraco de contribuição da função produção  A função produção segura a empresa quanto a sua eficácia produtiva  A função produção mantém-se voltada para dentro e reage somente às mudanças dos ambientes internos e externos (reclamações), contribuindo pouco para o sucesso competitivo.  Paradoxalmente o objetivo da função produção, nesse estágio, é passar desapercebida (internamente neutra).  O restante da organização não vê a produção como originalidade, talento ou impulso competitivo  As ações de melhoria são limitadas a evitar erros.
  • 21. Quatro estágios da contribuição da produção (SLACK, 2008) AumentodeImpactoestratégico Aumento de capacitações em operações Estágio 1 Corrigir os piores problemas Estágio 2 Adotar a melhor prática Internamente neutro Externamente neutro Impedindo o desenvolvimento da organização Tão boa quanto os concorrentes
  • 22. Quatro estágios da contribuição da produção (SLACK, 2008)  Estágio 2 – Neutralidade Externa  Início do rompimento do Estágio 1, implementação da estratégia.  Comparação da função produção com empresas similares mas fora do seu mercado de atuação (neutralidade externa).  Com o intuito de comparar seu desempenho ao do concorrente e tentar adotar as melhores práticas
  • 23. Quatro estágios da contribuição da produção (SLACK, 2008) AumentodeImpactoestratégico Aumento de capacitações em operações Estágio 1 Corrigir os piores problemas Estágio 2 Adotar a melhor prática Estágio 3 Ligar a estratégia com operações Internamente neutro Externamente neutro Internamente apoiado Impedindo o desenvolvimento da organização Tão boa quanto os concorrentes Claramente melhor no setor
  • 24. Quatro estágios da contribuição da produção (SLACK, 2008)  Estágio 3 – Apoio Interno  Nesse estágio, a empresa está entre as melhores de seu mercado  Mas aspira ser a melhor  Para isso é necessário manter uma visão clara da concorrência.  Entender os objetivos estratégicos da empresa  Desenvolver os recursos de produção de maneira apropriada  O apoio interno é conseguido por meio de uma estratégia de operações respeitável praticada pela função produção.
  • 25. Quatro estágios da contribuição da produção (SLACK, 2008) AumentodeImpactoestratégico Aumento de capacitações em operações Estágio 1 Corrigir os piores problemas Estágio 2 Adotar a melhor prática Estágio 3 Ligar a estratégia com operações Estágio 4 Dar vantagem para a operação Internamente neutro Externamente neutro Internamente apoiado Externamente apoiado Impedindo o desenvolvimento da organização Tão boa quanto os concorrentes Claramente melhor no setor Redefinir as expectativas da Indústria
  • 26. Quatro estágios da contribuição da produção (SLACK, 2008)  Estágio 4 – Apoio Externo  A diferença entre o estágio 3 e o 4 é sútil, embora muito importante.  No estágio 4 a função produção é vista pela empresa como provedora para o sucesso competitivo  A produção tem visão de longo prazo.  A produção é inovadora, proativa e está impulsionando a estratégia da empresa ao manter-se sempre a frente dos concorrentes.  A produção prevê prováveis mudanças nos mercados e ou na oferta de insumos e se desenvolve para suprir as novas exigências e continuar competindo com as novas exigências do mercado  O apoio interno é conseguido por meio de uma estratégia de operações respeitável praticada pela função produção.
  • 27. Quatro estágios da contribuição da produção (SLACK, 2008) AumentodeImpactoestratégico Aumento de capacitações em operações Estágio 1 Corrigir os piores problemas Estágio 2 Adotar a melhor prática Estágio 3 Ligar a estratégia com operações Estágio 4 Dar vantagem para a operação Internamente neutro Externamente neutro Internamente apoiado Externamente apoiado Impedindo o desenvolvimento da organização Tão boa quanto os concorrentes Claramente melhor no setor Redefinir as expectativas da Indústria
  • 28. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 28 REFERÊNCIAS SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2009