SlideShare uma empresa Scribd logo
TECNOLOGIA EM
MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS
TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA
AULA -1
1Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
Currículo Lates CNPq - http://lattes.cnpq.br/1568731614702535
(Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico)
http://lattes.cnpq.br/
• Mestrado em Processos Industrias – IPT – SP
• Pós-Graduado em Gerenciamento de Projetos – UMC – SP
• Graduado em Tecnologia Mecânica (Processos de Produção) – Fatec – SP
• 14 anos de Experiência na Indústria Automobilística - ênfase em “lean manufacturing” e
desenvolvimento de processos);
• Professor Universitário  2 anos
• Técnico Mecânica – ETE Martin Luther King;
• Ferramenteiro de Corte Dobra e Repuxo – SENAI
• Ajustador Mecânico - SENAI
2Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 3
Contato com o Professor
henriquepm@umc.br
henrypm@terra.com.br
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 4
Avaliações
M1 = (P1 x 0,8) + (E1 x 0,2)  Peso 1 na MS (Média Semestral)
ND = (P2 x 0,8) + (E2 x 0,2)
M2 = (ND X 0,7) + (PI X 0,3)  Peso 2 na MS (Média Semestral)
Onde:
M1 = média 1° bimestre;
P1 = prova 1° bimestre;
E1 = Definição, Aprovação e Resumo do Artigo sobre o Tema escolhido pelo Grupo;
ND = média 2° bimestre sem Prova Integrada (Nota da Disciplina);
M2 = média 2° bimestre com a Prova Integrada;
P2 = prova 2° bimestre;
E2 = Seminário – apresentação do Artigo escolhido + Participação nas aulas (exercícios. Interação, etc);
PI = prova integrada.
MS = [M1 + (2 x M2)]/3
Onde:
MS = Média Semestral.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 5
Critérios de Aprovação e Reprovação:
Freqüência < 75% (~20 faltas)  Reprovado;
MS < 3,00  Reprovado;
MS ≥ 5,00  Aprovado;
3,00 > MS > 5,00  Necessário realizar Prova de Recuperação (PR).
MF = (MS + PR)/2
Onde:
MF = Média Final.
MF ≥ 5,00  Aprovado; MF < 5,00  Reprovado;
Avaliações
Link para acesso a planilha
de cálculo da MF
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 6
Temas para os Trabalhos
1 – Pesquisa e escolha de pelo menos 1 artigo científico sobre os assuntos descritos
no plano de ensino da disciplina
2 – Os artigos devem obrigatoriamente ser validados pelo professor da
disciplina antes do início da elaboração do trabalho.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 7
Sugestões de fontes para pesquisa
A Scientific Electronic Library Online - SciELO constitui-se em um modelo para a gestão e
operação de publicação eletrônica em rede cooperativa de coleções de periódicos
científicos de qualidade crescente em acesso aberto com ênfase nos países em
desenvolvimento e emergentes. SciELO tem como objetivo específico aumentar de forma
sustentável a visibilidade, acessibilidade, qualidade, uso e impacto dos periódicos que
publica.
http://www.scielo.org/php/index.php
SCIELO
No ano de 1994, uma comissão organizadora, constituída por docentes, funcionários e alunos do Departamento de
Engenharia de Produção da UNESP (Universidade Estadual Paulista) - Câmpus de Bauru, realizou o 1° SIMPEP -
Simpósio de Engenharia de Produção. Desde então, o Evento foi se perfeiçoando, tornando-se um dos mais
relevantes congressos de Engenharia de Produção do Brasil, pela qualidade dos seus “referees”, dos conferencistas
e pela expressão científica dos trabalhos apresentados.
A comissão científica do SIMPEP é formada, unicamente, por professores doutores pesquisadores na área de
Engenharia de Produção, pertencentes às universidades de diferentes estados do Brasil.
Apesar de não ser um evento itinerante, por ocorrer sempre na Faculdade de Engenharia da UNESP, campus de
Bauru, os trabalhos enviados e as inscrições junto ao SIMPEP, caracterizam a abrangência nacional do Simpósio.
Desde 2010, com ilustres participações de conferencistas internacionais, vindos da Suécia, da Espanha e de
Portugal, o SIMPEP passou a ser também como um evento internacional, propiciando o avanço da capacitação
científica através das conferências, das mesas redondas com propostas de discussões de temas atuais, bem como a
divulgação dos resultados de pesquisas junto às diferentes áreas temáticas do Simpósio: Gestão da Produção;
Gestão da Qualidade; Gestão Econômica; Ergonomia e Segurança do Trabalho; Gestão do Produto; Pesquisa
Operacional; Gestão Estratégica e Organizacional; Gestão do Conhecimento Organizacional; Gestão Ambiental;
Educação em Engenharia de Produção; Engenharia de Produção, Sustentabilidade e Responsabilidade Social.
http://www.simpep.feb.unesp.br/anais_simpep.php?e=5
SIMPEP
O Google Acadêmico fornece uma maneira simples de pesquisar literatura
acadêmica de forma abrangente. Você pode pesquisar várias disciplinas e
fontes em um só lugar: artigos revisados por especialistas (peer-rewiewed),
teses, livros, resumos e artigos de editoras acadêmicas, organizações
profissionais, bibliotecas de pré-publicações, universidades e outras entidades
acadêmicas. O Google Acadêmico ajuda a identificar as pesquisas mais
relevantes do mundo acadêmico.
http://scholar.google.com.br/schhp?hl=pt-BR
Google Acadêmico
A Sociedade Brasileira de Pesquisa Operacional (SOBRAPO) foi fundada em
1969, após a realização, em 1968, do I Simpósio de Pesquisa Operacional,
realizado no ITA, em São José dos Campos, SP.
A SOBRAPO mantém sua própria revista, que entra em seu 38º ano de
publicação sob o título Pesquisa Operacional, e que é indexada nos
International Abstracts in Operations Research da IFORS e desde 2002
ao SciELO.
A SOBRAPO organiza, ainda, Simpósios anuais, este ano já em sua 41ª edição
tendo uma média de 500 participantes por evento. As comunicações
submetidas, aceitas após criteriosa avaliação pelos pares, se apresentadas no
Simpósio são publicadas nos Anais do SBPO.
http://www.xliiisbpo.iltc.br/tc.html
SOBRAPO/SBPO
http://www.abepro.org.br/
A ABEPRO é a instituição representativa de docentes, discentes e
profissionais de Engenharia de Produção.
A associação atua há mais de 20 anos assumindo as funções:
de esclarecer o papel do Engenheiro de Produção na sociedade e
em seu mercado de atuação, ser interlocutor junto às instituições
governamentais relacionadas à organização e avaliação de cursos
(MEC e INEP) e de fomento (CAPES, CNPq , FINEP e órgãos de apoio
à pesquisa estaduais), assim como em organizações privadas, junto
ao CREA , CONFEA, SBPC, ABENGE e outras organizações não
governamentais que tratam a pesquisa, o ensino e a extensão da
engenharia.
Ao se cadastrar no portal da
ABEPRO, consegue-se ter
acesso aos anais do ENEGEP
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 14
Periódicos CAPES
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 15
Periódicos CAPES
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 16
http://www.doaj.org/doaj?uiLanguage=pt
DOAJ
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 17
http://www.simpoi.fgvsp.br/
DOAJ
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 18
Estrutura dos Trabalhos
 Os artigos escolhidos devem obrigatoriamente ter pelo menos os seguintes
tópicos:
1. Resumo;
2. Abstract;
3. Palavras Chave;
4. Introdução;
5. Revisão Bibliográfica;
6. Metodologia
7. Exemplo (s) de Aplicação / Resultados / Discussão;
8. Conclusão;
9. Referências.
Obs.: Trata-se apenas de uma orientação para garantir a qualidade dos
artigos e também o uso de material com embasamento acadêmico e
metodológico.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 19
Estrutura dos Trabalhos
 O prazo para seleção/escolha dos temas e definição dos grupos é: 22/08/13
 Os trabalhos deverão apresentados em Power Point em seminário com datas a
serem definidas pelo professor da disciplina. A apresentação deverá ser de no
máximo 20 minutos seguidos de 10 minutos de discussão (com perguntas
elaboradas por um dos grupos sorteado pelo professor no momento da
apresentação) – E2.
 Tanto a qualidade da apresentação quanto a qualidade das perguntas elaboradas
serão avaliadas para compor a nota E2;
 Obrigatoriamente todos os membros dos grupos participantes da discussão devem
elaborar e também responder pelo menos uma pergunta sobre o tema discutido;
 Grupos diferentes não podem abordar o mesmo tema, desde que, os artigos
escolhidos sejam diferentes e previamente aprovados pelo professor da disciplina
 O Resumo do artigo deverá ser entregue pelo grupo até o dia da prova M1 e deve
ser elaborado de acordo com o manual trabalhos acadêmicos da UMC (E1);
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 20
Estrutura dos Trabalhos
 A não participação de qualquer dia do seminário, acarretará em perda
proporcional na da respectiva nota de exercício referente a ND (M2).
 Fica a critério do professor da disciplina, incluir mais condições ou até mesmo
alterar as definidas até o momento com o objetivo de oferecer o melhor método
possível para que a disciplina seja assimilada pelos alunos.
 Não será permitido a edição de apresentações no dia do seminário, portanto fica
restrito o uso de notebooks (dentro da sala onde as apresentações estão sendo
realizadas) somente para os alunos que estarão apresentando os trabalhos.
 Os artigos escolhidos e aprovados deverão ser entregues tanto eletronicamente
(no dia da validação) quanto fisicamente (no dia da respectiva apresentação) para
o professor.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 21
LIVROS:
MOURA, R. A. Sistemas e técnicas de movimentação e armazenamento de materiais. São
Paulo: IMAM, 2010.
GASNIER, D. G. A dinâmica dos estoques: guia prático para planejamento, gestão de
materiais e logística. São Paulo: IMAM, 2011.
BERTAGLIA, P. R. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição
física. São Paulo: Saraiva, 2006.
Bibliografia
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 22
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 23
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 24
Plano de Ensino
Ementa:
- Evolução, conceitos e princípios fundamentais da movimentação de
materiais;
- Analisar a amplitude e complexidade do mercado atual de equipamentos de
movimentação;
- Padronização, unitização e codificação de materiais bem como suas relações
com um fluxo eficiente e eficaz;
- Ergonomia e as norma regulamentadoras
- Aspectos de sustentabilidade aplicada à movimentação de materiais
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 25
Plano de Ensino
Objetivos da disciplina:
- Apresentar os conceitos e equipamentos utilizados para a movimentação de
materiais;
- Apresentar como esses equipamentos devem ser utilizados de forma
eficiente e produtiva ao longo da cadeia de suprimentos;
- Com o intuito de gerar oportunidades de melhoria na qualidade da
movimentação e redução de custos.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 26
Plano de Ensino
Conteúdo Programático:
1) Introdução à movimentação e armazenagem de materiais;
2) A logística e a movimentação de materiais
3) Princípios básicos da movimentação de materiais;
4) A armazenagem e a movimentação de materiais;
5) A embalagem e a movimentação de materiais;
6) A carga utilizada e a movimentação de materiais;
7) Análise da movimentação e armazenagem de materiais
8) Qualidade e produtividade na movimentação e armazenagem de materiais;
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 27
Plano de Ensino
Conteúdo Programático (continuação...):
9) Segurança na movimentação e armazenagem de materiais
10) Indicadores de desempenho na movimentação de materiais;
11) Tendências da movimentação e armazenagem de materiais.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 28
Logística - Escopo
(FONTES, 2012)
Fonte: http://www.youtube.com/watch?NR=1&feature=endscreen&v=efX429kLcPA (aula do Professor Rogério Fontes acesso em 17/12/13)
apud Robson e Copacino 1994
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 29
Moderna definição de logística
(GASNIER, 2002)
Logística é o processo de planejar, executar e controlar o
fluxo e a armazenagem, de forma eficaz e eficiente em
termos de tempo, qualidade e custos, de matérias-
primas, materiais em elaboração, produtos acabados e
serviços, bem como das informações correlatas, desde o
ponto de origem até o ponto de consumo (cadeia de
abastecimento), como o propósito de assegurar o
atendimento das exigências de todos os envolvidos, isto
é, clientes, fornecedores, acionistas, governo, sociedade
e meio ambiente.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 30
Introdução à Movimentação e
Armazenagem de Materiais
(MOURA, 2010)
A transformação de matéria-prima em produtos
acabado só é possível caso obrigatoriamente pelo
menos um dos três elementos básicos de produção se
movimentarem:
• Homem;
• Máquina;
• Material.
Sem movimentação não existe produção
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 31
Introdução à Movimentação e
Armazenagem de Materiais
(MOURA, 2010)
Na maioria dos processos industriais, o material é o
elemento que mais se movimenta.
http://www.mercedes-
benz.com.br/Interna.aspx?categoria=10&conteudo=11640
http://www.intelog.net/site/default.asp?TroncoID=907492&SecaoI
D=508074&SubsecaoID=818291&Template=../artigosnoticias/user_
exibir.asp&ID=077474
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 32
Introdução à Movimentação e
Armazenagem de Materiais
(MOURA, 2010)
Salvo em produção de aviões, navios ou equipamentos
pesados em que o homem e máquina convergem para
o material que permanece parado durantes as etapas
de fabricação
http://www.iplay.com.br/Imagens/Divertidas/04gE/Fabrica_De
_Boeing_Veja_Passo_A_Passo_Como_E_Feita_As_Aeronaves
http://jardimgrandearora.blogspot.com.br/2011/01/est
aleiro-eisa-e-construcao-do-segundo.html
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 33
Introdução à Movimentação e
Armazenagem de Materiais
(MOURA, 2010)
Os grandes atuais desafios das organizações são:
• Produzir produtos com qualidade
• Reduzir os Custos Operacionais
Com o objetivo de gerar LUCRO
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 34
Introdução à Movimentação e
Armazenagem de Materiais
(MOURA, 2010)
As tecnologias atuais relacionadas a Movimentação de
Materiais estão alinhadas em busca de atender a esse
desafios.
Em uma fábrica tradicional, a movimentação de
materiais corresponde:
• 25% de todos os empregados;
• 55% de todo o espaço da fábrica;
• 87% de tempo de produção.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 35
• Na aula passada vimos a definição de logística
segundo Gasnier.
• Quais definições de logística vocês encontraram?
Aula passada
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 36
Introdução à Movimentação e
Armazenagem de Materiais
(MOURA, 2010)
Em relação aos custos, estima-se que a movimentação
de materiais representa entre 15% a 20% do custos
totais para fabricação.
Devido a essa condição, a movimentação de materiais
sempre é um dos principais focos dos programas de
redução de custo (Melhoria Contínua).
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 37
Introdução à Movimentação e
Armazenagem de Materiais
(MOURA, 2010)
Tratando-se de melhoria em termos de qualidade, a
movimentação de materiais também uma grande
importância.
Estudos indicam que entre 3% a 5% dos materiais
movimentados são danificados
Uma grande evidência disso são os arranhões e riscos
nas paredes e pisos das instalações de manufatura
ocasionadas pela movimentação descuidada dos
materiais.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 38
Introdução à Movimentação e
Armazenagem de Materiais
(MOURA, 2010)
Esse cenário leva a crer que a solução para esse
problema competitivo seria:
• A minimização ou até a eliminação da
Movimentação de Materiais
Consequentemente a economia gerada nos custos de
mão de obra, equipamentos e também de qualidade
seriam enormes, pois quanto menos os produtos forem
movimentados, menores seriam:
• Custos relacionados a movimentação;
• Riscos ou probabilidade de danificá-los.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 39
Introdução à Movimentação e
Armazenagem de Materiais
(MOURA, 2010)
Mas simplesmente eliminar os movimentos de
materiais não é uma resposta satisfatória e possível em
todos os casos.
Dessa forma a Logística é o método pelo qual os custos
totais de manufatura são reduzidos, por meio de:
• Inventários reduzidos;
• Segurança melhorada;
• Furtos reduzidos;
• Controles melhorados
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 40
Introdução à Movimentação e
Armazenagem de Materiais
(MOURA, 2010)
A simples operação de dobrar uma chapa é geralmente
realizada em segundos.
“Entretanto, a movimentação do material e da peça
pode tornar essa operação complexa, demandando a
permanência excessiva de materiais no piso da fábrica.”
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 41
Introdução à Movimentação e
Armazenagem de Materiais
(MOURA, 2010)
Análise do Tempo Total na Manufatura Convencional
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 42
Evolução da Movimentação de
Materiais
(MOURA, 2010)
Historicamente podemos observar que o homem
sempre procurou desenvolver maneiras para
transportar os materiais que serviam para sua
existência.
Ao longo dos anos o homem aprendeu a aplicar os
seguintes princípios para facilitar o seu trabalho durante
a movimentação de materiais (fácil seguro e rápido):
• Alavanca;
• Roda;
• Polias;
• Planos inclinados.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 43
Evolução da Movimentação de
Materiais
(MOURA, 2010)
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 44
Evolução da Movimentação de
Materiais
(MOURA, 2010)
Os primeiros registros das atividades de Movimentação
de Materiais são baseados no murais do Antigo Egito
ilustrando os movimentos de pesados blocos de pedra e
estátuas.
Mas infelizmente, as representações primitivas, não
confirmam exatamente como os egípcios ergueram
aqueles obeliscos ou estátuas gigantes
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 45
Evolução da Movimentação de
Materiais
Fonte: http://www.pucrs.br/edipucrs/oegitoantigo.pdf
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_do_Egito
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 46
Evolução da Movimentação de
Materiais
(MOURA, 2010)
“O museu do Cairo exibe o carrinho mais antigo que se
conhece, construído 3.500 a.C., encontrado em uma
tumba de Tutankamon.”
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 47
Evolução da Movimentação de
Materiais
(MOURA, 2010)
“Na Roma antiga, a arte contemporânea e as escrituras
contêm várias ilustrações, das quais a maior parte é
sobre a Movimentação dos Materiais.”
“A construção de pirâmides e edifícios, a mineração, o
movimento de pedras para estátuas, o transporte de
água para obras, a construção de navios e o embarque
de cagas forçaram o desenvolvimento de guindastes,
roldanas, carrinhos de mão e mecanismos similares.”
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 48
Evolução da Movimentação de
Materiais
(MOURA, 2010)
• 1436 – venezianos estabeleceram a primeira linha
progressiva de montagem para construção de
navios;
• 1445 a 1516 – Registros de São Gallo mostram como
as colunas eram erguidas e as cargas içadas;
• 1500 – a movimentação é aplicada para fabricação
de armas e roupas;
• 1600 – a indústria de produção em série surgi na
Inglaterra com o desenvolvimento das fundições de
ferro e das máquinas que transformavam algodão
em tecidos;
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 49
Evolução da Movimentação de
Materiais
(MOURA, 2010)
• 1780 – Oliver Evans instala um sistema de correias
transportadoras para o transporte contínuo em suas
industrias (Philadelphia – EUA);
• A partir dos desenvolvimento dos processos de
manufatura, as atividades relacionadas a
movimentação também desenvolveram-se;
Apesar do desenvolvimento ao longo dos tempos, a
Movimentação de Materiais foi reconhecida como uma
parte vital e estratégica ao processo industrial somente
nas ultimas duas ou três décadas.
Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 50
Evolução da Movimentação de
Materiais
(MOURA, 2010)
Resumo da evolução da Movimentação de Materiais:
• No passado – homens e animais transportavam os
materiais com o seu próprio esforço.
• No presente – homens movem os materiais
utilizando-se de equipamentos para reduzir seus
esforços.
• Concepção moderna – materiais em movimento
automático entre processos automáticos de
fabricação.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl

Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal
Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal
Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal
Curso de Administração - Faculdade Ideal
 
At1
At1At1
Ementa: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de Pesquisa
Ementa: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de PesquisaEmenta: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de Pesquisa
Ementa: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de Pesquisa
Renato Souza
 
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisaApostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
Cassiano Scott Puhl
 
Metodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicaoMetodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicao
Thaís .
 
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicaoMetodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
Ferreira José
 
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Rogerio P C do Nascimento
 
Apresentação felupic 2013
Apresentação   felupic 2013Apresentação   felupic 2013
Apresentação felupic 2013
Ale Garcia
 
Curso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptx
Curso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptxCurso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptx
Curso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptx
Ricardo William
 
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSCMetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
IFRR
 
Cronograma programas projetos 14 com novo logo
Cronograma programas projetos 14 com novo logoCronograma programas projetos 14 com novo logo
Cronograma programas projetos 14 com novo logo
edemar2014
 
Farmácia - Desenvolvimento de um novo medicamento para tratamento da tubercul...
Farmácia - Desenvolvimento de um novo medicamento para tratamento da tubercul...Farmácia - Desenvolvimento de um novo medicamento para tratamento da tubercul...
Farmácia - Desenvolvimento de um novo medicamento para tratamento da tubercul...
HELENO FAVACHO
 
Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1
Dércio Luiz Reis
 
Apresentação Sandra SNBU
Apresentação Sandra SNBUApresentação Sandra SNBU
Apresentação Sandra SNBU
Lílian Melo
 
Cadernotematico Desenvolvimento e Sustentabilidade
Cadernotematico Desenvolvimento e SustentabilidadeCadernotematico Desenvolvimento e Sustentabilidade
Cadernotematico Desenvolvimento e Sustentabilidade
Pesquisa-Unificada
 
ApresentaçãO Da FormaçãO
ApresentaçãO Da FormaçãOApresentaçãO Da FormaçãO
ApresentaçãO Da FormaçãO
Renilda Miranda Cebalho Barbosa
 
Manual pim iii
Manual pim iiiManual pim iii
Manual pim iii
Suellen Furtado
 
Como_escrever_relato_experiencia
Como_escrever_relato_experienciaComo_escrever_relato_experiencia
Como_escrever_relato_experiencia
Luiz Pinheiro
 
Minicurso - Pré-projeto Descomplicado
Minicurso - Pré-projeto DescomplicadoMinicurso - Pré-projeto Descomplicado
Minicurso - Pré-projeto Descomplicado
Diogo Pereira
 
Divulgacao emrc a_distancia
Divulgacao emrc a_distanciaDivulgacao emrc a_distancia
Divulgacao emrc a_distancia
António Alves
 

Semelhante a Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl (20)

Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal
Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal
Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal
 
At1
At1At1
At1
 
Ementa: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de Pesquisa
Ementa: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de PesquisaEmenta: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de Pesquisa
Ementa: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de Pesquisa
 
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisaApostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
 
Metodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicaoMetodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicao
 
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicaoMetodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
 
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
 
Apresentação felupic 2013
Apresentação   felupic 2013Apresentação   felupic 2013
Apresentação felupic 2013
 
Curso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptx
Curso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptxCurso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptx
Curso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptx
 
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSCMetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
 
Cronograma programas projetos 14 com novo logo
Cronograma programas projetos 14 com novo logoCronograma programas projetos 14 com novo logo
Cronograma programas projetos 14 com novo logo
 
Farmácia - Desenvolvimento de um novo medicamento para tratamento da tubercul...
Farmácia - Desenvolvimento de um novo medicamento para tratamento da tubercul...Farmácia - Desenvolvimento de um novo medicamento para tratamento da tubercul...
Farmácia - Desenvolvimento de um novo medicamento para tratamento da tubercul...
 
Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1
 
Apresentação Sandra SNBU
Apresentação Sandra SNBUApresentação Sandra SNBU
Apresentação Sandra SNBU
 
Cadernotematico Desenvolvimento e Sustentabilidade
Cadernotematico Desenvolvimento e SustentabilidadeCadernotematico Desenvolvimento e Sustentabilidade
Cadernotematico Desenvolvimento e Sustentabilidade
 
ApresentaçãO Da FormaçãO
ApresentaçãO Da FormaçãOApresentaçãO Da FormaçãO
ApresentaçãO Da FormaçãO
 
Manual pim iii
Manual pim iiiManual pim iii
Manual pim iii
 
Como_escrever_relato_experiencia
Como_escrever_relato_experienciaComo_escrever_relato_experiencia
Como_escrever_relato_experiencia
 
Minicurso - Pré-projeto Descomplicado
Minicurso - Pré-projeto DescomplicadoMinicurso - Pré-projeto Descomplicado
Minicurso - Pré-projeto Descomplicado
 
Divulgacao emrc a_distancia
Divulgacao emrc a_distanciaDivulgacao emrc a_distancia
Divulgacao emrc a_distancia
 

Mais de Universidade de Mogi das Cruzes

Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tlAula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tlAula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpiAula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpiAula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_taiAula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_tai
Universidade de Mogi das Cruzes
 

Mais de Universidade de Mogi das Cruzes (7)

Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
 
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
 
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tlAula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
 
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tlAula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
 
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpiAula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
 
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpiAula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
 
Aula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_taiAula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_tai
 

Último

UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 

Último (20)

UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 

Aula 01 rev_11_08_13_tmm_tl

  • 1. TECNOLOGIA EM MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA AULA -1 1Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
  • 2. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino Currículo Lates CNPq - http://lattes.cnpq.br/1568731614702535 (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) http://lattes.cnpq.br/ • Mestrado em Processos Industrias – IPT – SP • Pós-Graduado em Gerenciamento de Projetos – UMC – SP • Graduado em Tecnologia Mecânica (Processos de Produção) – Fatec – SP • 14 anos de Experiência na Indústria Automobilística - ênfase em “lean manufacturing” e desenvolvimento de processos); • Professor Universitário  2 anos • Técnico Mecânica – ETE Martin Luther King; • Ferramenteiro de Corte Dobra e Repuxo – SENAI • Ajustador Mecânico - SENAI 2Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
  • 3. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 3 Contato com o Professor henriquepm@umc.br henrypm@terra.com.br
  • 4. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 4 Avaliações M1 = (P1 x 0,8) + (E1 x 0,2)  Peso 1 na MS (Média Semestral) ND = (P2 x 0,8) + (E2 x 0,2) M2 = (ND X 0,7) + (PI X 0,3)  Peso 2 na MS (Média Semestral) Onde: M1 = média 1° bimestre; P1 = prova 1° bimestre; E1 = Definição, Aprovação e Resumo do Artigo sobre o Tema escolhido pelo Grupo; ND = média 2° bimestre sem Prova Integrada (Nota da Disciplina); M2 = média 2° bimestre com a Prova Integrada; P2 = prova 2° bimestre; E2 = Seminário – apresentação do Artigo escolhido + Participação nas aulas (exercícios. Interação, etc); PI = prova integrada. MS = [M1 + (2 x M2)]/3 Onde: MS = Média Semestral.
  • 5. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 5 Critérios de Aprovação e Reprovação: Freqüência < 75% (~20 faltas)  Reprovado; MS < 3,00  Reprovado; MS ≥ 5,00  Aprovado; 3,00 > MS > 5,00  Necessário realizar Prova de Recuperação (PR). MF = (MS + PR)/2 Onde: MF = Média Final. MF ≥ 5,00  Aprovado; MF < 5,00  Reprovado; Avaliações Link para acesso a planilha de cálculo da MF
  • 6. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 6 Temas para os Trabalhos 1 – Pesquisa e escolha de pelo menos 1 artigo científico sobre os assuntos descritos no plano de ensino da disciplina 2 – Os artigos devem obrigatoriamente ser validados pelo professor da disciplina antes do início da elaboração do trabalho.
  • 7. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 7 Sugestões de fontes para pesquisa
  • 8. A Scientific Electronic Library Online - SciELO constitui-se em um modelo para a gestão e operação de publicação eletrônica em rede cooperativa de coleções de periódicos científicos de qualidade crescente em acesso aberto com ênfase nos países em desenvolvimento e emergentes. SciELO tem como objetivo específico aumentar de forma sustentável a visibilidade, acessibilidade, qualidade, uso e impacto dos periódicos que publica. http://www.scielo.org/php/index.php SCIELO
  • 9. No ano de 1994, uma comissão organizadora, constituída por docentes, funcionários e alunos do Departamento de Engenharia de Produção da UNESP (Universidade Estadual Paulista) - Câmpus de Bauru, realizou o 1° SIMPEP - Simpósio de Engenharia de Produção. Desde então, o Evento foi se perfeiçoando, tornando-se um dos mais relevantes congressos de Engenharia de Produção do Brasil, pela qualidade dos seus “referees”, dos conferencistas e pela expressão científica dos trabalhos apresentados. A comissão científica do SIMPEP é formada, unicamente, por professores doutores pesquisadores na área de Engenharia de Produção, pertencentes às universidades de diferentes estados do Brasil. Apesar de não ser um evento itinerante, por ocorrer sempre na Faculdade de Engenharia da UNESP, campus de Bauru, os trabalhos enviados e as inscrições junto ao SIMPEP, caracterizam a abrangência nacional do Simpósio. Desde 2010, com ilustres participações de conferencistas internacionais, vindos da Suécia, da Espanha e de Portugal, o SIMPEP passou a ser também como um evento internacional, propiciando o avanço da capacitação científica através das conferências, das mesas redondas com propostas de discussões de temas atuais, bem como a divulgação dos resultados de pesquisas junto às diferentes áreas temáticas do Simpósio: Gestão da Produção; Gestão da Qualidade; Gestão Econômica; Ergonomia e Segurança do Trabalho; Gestão do Produto; Pesquisa Operacional; Gestão Estratégica e Organizacional; Gestão do Conhecimento Organizacional; Gestão Ambiental; Educação em Engenharia de Produção; Engenharia de Produção, Sustentabilidade e Responsabilidade Social. http://www.simpep.feb.unesp.br/anais_simpep.php?e=5 SIMPEP
  • 10. O Google Acadêmico fornece uma maneira simples de pesquisar literatura acadêmica de forma abrangente. Você pode pesquisar várias disciplinas e fontes em um só lugar: artigos revisados por especialistas (peer-rewiewed), teses, livros, resumos e artigos de editoras acadêmicas, organizações profissionais, bibliotecas de pré-publicações, universidades e outras entidades acadêmicas. O Google Acadêmico ajuda a identificar as pesquisas mais relevantes do mundo acadêmico. http://scholar.google.com.br/schhp?hl=pt-BR Google Acadêmico
  • 11. A Sociedade Brasileira de Pesquisa Operacional (SOBRAPO) foi fundada em 1969, após a realização, em 1968, do I Simpósio de Pesquisa Operacional, realizado no ITA, em São José dos Campos, SP. A SOBRAPO mantém sua própria revista, que entra em seu 38º ano de publicação sob o título Pesquisa Operacional, e que é indexada nos International Abstracts in Operations Research da IFORS e desde 2002 ao SciELO. A SOBRAPO organiza, ainda, Simpósios anuais, este ano já em sua 41ª edição tendo uma média de 500 participantes por evento. As comunicações submetidas, aceitas após criteriosa avaliação pelos pares, se apresentadas no Simpósio são publicadas nos Anais do SBPO. http://www.xliiisbpo.iltc.br/tc.html SOBRAPO/SBPO
  • 12. http://www.abepro.org.br/ A ABEPRO é a instituição representativa de docentes, discentes e profissionais de Engenharia de Produção. A associação atua há mais de 20 anos assumindo as funções: de esclarecer o papel do Engenheiro de Produção na sociedade e em seu mercado de atuação, ser interlocutor junto às instituições governamentais relacionadas à organização e avaliação de cursos (MEC e INEP) e de fomento (CAPES, CNPq , FINEP e órgãos de apoio à pesquisa estaduais), assim como em organizações privadas, junto ao CREA , CONFEA, SBPC, ABENGE e outras organizações não governamentais que tratam a pesquisa, o ensino e a extensão da engenharia.
  • 13. Ao se cadastrar no portal da ABEPRO, consegue-se ter acesso aos anais do ENEGEP
  • 14. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 14 Periódicos CAPES
  • 15. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 15 Periódicos CAPES
  • 16. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 16 http://www.doaj.org/doaj?uiLanguage=pt DOAJ
  • 17. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 17 http://www.simpoi.fgvsp.br/ DOAJ
  • 18. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 18 Estrutura dos Trabalhos  Os artigos escolhidos devem obrigatoriamente ter pelo menos os seguintes tópicos: 1. Resumo; 2. Abstract; 3. Palavras Chave; 4. Introdução; 5. Revisão Bibliográfica; 6. Metodologia 7. Exemplo (s) de Aplicação / Resultados / Discussão; 8. Conclusão; 9. Referências. Obs.: Trata-se apenas de uma orientação para garantir a qualidade dos artigos e também o uso de material com embasamento acadêmico e metodológico.
  • 19. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 19 Estrutura dos Trabalhos  O prazo para seleção/escolha dos temas e definição dos grupos é: 22/08/13  Os trabalhos deverão apresentados em Power Point em seminário com datas a serem definidas pelo professor da disciplina. A apresentação deverá ser de no máximo 20 minutos seguidos de 10 minutos de discussão (com perguntas elaboradas por um dos grupos sorteado pelo professor no momento da apresentação) – E2.  Tanto a qualidade da apresentação quanto a qualidade das perguntas elaboradas serão avaliadas para compor a nota E2;  Obrigatoriamente todos os membros dos grupos participantes da discussão devem elaborar e também responder pelo menos uma pergunta sobre o tema discutido;  Grupos diferentes não podem abordar o mesmo tema, desde que, os artigos escolhidos sejam diferentes e previamente aprovados pelo professor da disciplina  O Resumo do artigo deverá ser entregue pelo grupo até o dia da prova M1 e deve ser elaborado de acordo com o manual trabalhos acadêmicos da UMC (E1);
  • 20. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 20 Estrutura dos Trabalhos  A não participação de qualquer dia do seminário, acarretará em perda proporcional na da respectiva nota de exercício referente a ND (M2).  Fica a critério do professor da disciplina, incluir mais condições ou até mesmo alterar as definidas até o momento com o objetivo de oferecer o melhor método possível para que a disciplina seja assimilada pelos alunos.  Não será permitido a edição de apresentações no dia do seminário, portanto fica restrito o uso de notebooks (dentro da sala onde as apresentações estão sendo realizadas) somente para os alunos que estarão apresentando os trabalhos.  Os artigos escolhidos e aprovados deverão ser entregues tanto eletronicamente (no dia da validação) quanto fisicamente (no dia da respectiva apresentação) para o professor.
  • 21. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 21 LIVROS: MOURA, R. A. Sistemas e técnicas de movimentação e armazenamento de materiais. São Paulo: IMAM, 2010. GASNIER, D. G. A dinâmica dos estoques: guia prático para planejamento, gestão de materiais e logística. São Paulo: IMAM, 2011. BERTAGLIA, P. R. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Saraiva, 2006. Bibliografia
  • 22. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 22
  • 23. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 23
  • 24. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 24 Plano de Ensino Ementa: - Evolução, conceitos e princípios fundamentais da movimentação de materiais; - Analisar a amplitude e complexidade do mercado atual de equipamentos de movimentação; - Padronização, unitização e codificação de materiais bem como suas relações com um fluxo eficiente e eficaz; - Ergonomia e as norma regulamentadoras - Aspectos de sustentabilidade aplicada à movimentação de materiais
  • 25. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 25 Plano de Ensino Objetivos da disciplina: - Apresentar os conceitos e equipamentos utilizados para a movimentação de materiais; - Apresentar como esses equipamentos devem ser utilizados de forma eficiente e produtiva ao longo da cadeia de suprimentos; - Com o intuito de gerar oportunidades de melhoria na qualidade da movimentação e redução de custos.
  • 26. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 26 Plano de Ensino Conteúdo Programático: 1) Introdução à movimentação e armazenagem de materiais; 2) A logística e a movimentação de materiais 3) Princípios básicos da movimentação de materiais; 4) A armazenagem e a movimentação de materiais; 5) A embalagem e a movimentação de materiais; 6) A carga utilizada e a movimentação de materiais; 7) Análise da movimentação e armazenagem de materiais 8) Qualidade e produtividade na movimentação e armazenagem de materiais;
  • 27. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 27 Plano de Ensino Conteúdo Programático (continuação...): 9) Segurança na movimentação e armazenagem de materiais 10) Indicadores de desempenho na movimentação de materiais; 11) Tendências da movimentação e armazenagem de materiais.
  • 28. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 28 Logística - Escopo (FONTES, 2012) Fonte: http://www.youtube.com/watch?NR=1&feature=endscreen&v=efX429kLcPA (aula do Professor Rogério Fontes acesso em 17/12/13) apud Robson e Copacino 1994
  • 29. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 29 Moderna definição de logística (GASNIER, 2002) Logística é o processo de planejar, executar e controlar o fluxo e a armazenagem, de forma eficaz e eficiente em termos de tempo, qualidade e custos, de matérias- primas, materiais em elaboração, produtos acabados e serviços, bem como das informações correlatas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo (cadeia de abastecimento), como o propósito de assegurar o atendimento das exigências de todos os envolvidos, isto é, clientes, fornecedores, acionistas, governo, sociedade e meio ambiente.
  • 30. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 30 Introdução à Movimentação e Armazenagem de Materiais (MOURA, 2010) A transformação de matéria-prima em produtos acabado só é possível caso obrigatoriamente pelo menos um dos três elementos básicos de produção se movimentarem: • Homem; • Máquina; • Material. Sem movimentação não existe produção
  • 31. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 31 Introdução à Movimentação e Armazenagem de Materiais (MOURA, 2010) Na maioria dos processos industriais, o material é o elemento que mais se movimenta. http://www.mercedes- benz.com.br/Interna.aspx?categoria=10&conteudo=11640 http://www.intelog.net/site/default.asp?TroncoID=907492&SecaoI D=508074&SubsecaoID=818291&Template=../artigosnoticias/user_ exibir.asp&ID=077474
  • 32. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 32 Introdução à Movimentação e Armazenagem de Materiais (MOURA, 2010) Salvo em produção de aviões, navios ou equipamentos pesados em que o homem e máquina convergem para o material que permanece parado durantes as etapas de fabricação http://www.iplay.com.br/Imagens/Divertidas/04gE/Fabrica_De _Boeing_Veja_Passo_A_Passo_Como_E_Feita_As_Aeronaves http://jardimgrandearora.blogspot.com.br/2011/01/est aleiro-eisa-e-construcao-do-segundo.html
  • 33. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 33 Introdução à Movimentação e Armazenagem de Materiais (MOURA, 2010) Os grandes atuais desafios das organizações são: • Produzir produtos com qualidade • Reduzir os Custos Operacionais Com o objetivo de gerar LUCRO
  • 34. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 34 Introdução à Movimentação e Armazenagem de Materiais (MOURA, 2010) As tecnologias atuais relacionadas a Movimentação de Materiais estão alinhadas em busca de atender a esse desafios. Em uma fábrica tradicional, a movimentação de materiais corresponde: • 25% de todos os empregados; • 55% de todo o espaço da fábrica; • 87% de tempo de produção.
  • 35. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 35 • Na aula passada vimos a definição de logística segundo Gasnier. • Quais definições de logística vocês encontraram? Aula passada
  • 36. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 36 Introdução à Movimentação e Armazenagem de Materiais (MOURA, 2010) Em relação aos custos, estima-se que a movimentação de materiais representa entre 15% a 20% do custos totais para fabricação. Devido a essa condição, a movimentação de materiais sempre é um dos principais focos dos programas de redução de custo (Melhoria Contínua).
  • 37. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 37 Introdução à Movimentação e Armazenagem de Materiais (MOURA, 2010) Tratando-se de melhoria em termos de qualidade, a movimentação de materiais também uma grande importância. Estudos indicam que entre 3% a 5% dos materiais movimentados são danificados Uma grande evidência disso são os arranhões e riscos nas paredes e pisos das instalações de manufatura ocasionadas pela movimentação descuidada dos materiais.
  • 38. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 38 Introdução à Movimentação e Armazenagem de Materiais (MOURA, 2010) Esse cenário leva a crer que a solução para esse problema competitivo seria: • A minimização ou até a eliminação da Movimentação de Materiais Consequentemente a economia gerada nos custos de mão de obra, equipamentos e também de qualidade seriam enormes, pois quanto menos os produtos forem movimentados, menores seriam: • Custos relacionados a movimentação; • Riscos ou probabilidade de danificá-los.
  • 39. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 39 Introdução à Movimentação e Armazenagem de Materiais (MOURA, 2010) Mas simplesmente eliminar os movimentos de materiais não é uma resposta satisfatória e possível em todos os casos. Dessa forma a Logística é o método pelo qual os custos totais de manufatura são reduzidos, por meio de: • Inventários reduzidos; • Segurança melhorada; • Furtos reduzidos; • Controles melhorados
  • 40. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 40 Introdução à Movimentação e Armazenagem de Materiais (MOURA, 2010) A simples operação de dobrar uma chapa é geralmente realizada em segundos. “Entretanto, a movimentação do material e da peça pode tornar essa operação complexa, demandando a permanência excessiva de materiais no piso da fábrica.”
  • 41. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 41 Introdução à Movimentação e Armazenagem de Materiais (MOURA, 2010) Análise do Tempo Total na Manufatura Convencional
  • 42. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 42 Evolução da Movimentação de Materiais (MOURA, 2010) Historicamente podemos observar que o homem sempre procurou desenvolver maneiras para transportar os materiais que serviam para sua existência. Ao longo dos anos o homem aprendeu a aplicar os seguintes princípios para facilitar o seu trabalho durante a movimentação de materiais (fácil seguro e rápido): • Alavanca; • Roda; • Polias; • Planos inclinados.
  • 43. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 43 Evolução da Movimentação de Materiais (MOURA, 2010)
  • 44. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 44 Evolução da Movimentação de Materiais (MOURA, 2010) Os primeiros registros das atividades de Movimentação de Materiais são baseados no murais do Antigo Egito ilustrando os movimentos de pesados blocos de pedra e estátuas. Mas infelizmente, as representações primitivas, não confirmam exatamente como os egípcios ergueram aqueles obeliscos ou estátuas gigantes
  • 45. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 45 Evolução da Movimentação de Materiais Fonte: http://www.pucrs.br/edipucrs/oegitoantigo.pdf Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_do_Egito
  • 46. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 46 Evolução da Movimentação de Materiais (MOURA, 2010) “O museu do Cairo exibe o carrinho mais antigo que se conhece, construído 3.500 a.C., encontrado em uma tumba de Tutankamon.”
  • 47. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 47 Evolução da Movimentação de Materiais (MOURA, 2010) “Na Roma antiga, a arte contemporânea e as escrituras contêm várias ilustrações, das quais a maior parte é sobre a Movimentação dos Materiais.” “A construção de pirâmides e edifícios, a mineração, o movimento de pedras para estátuas, o transporte de água para obras, a construção de navios e o embarque de cagas forçaram o desenvolvimento de guindastes, roldanas, carrinhos de mão e mecanismos similares.”
  • 48. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 48 Evolução da Movimentação de Materiais (MOURA, 2010) • 1436 – venezianos estabeleceram a primeira linha progressiva de montagem para construção de navios; • 1445 a 1516 – Registros de São Gallo mostram como as colunas eram erguidas e as cargas içadas; • 1500 – a movimentação é aplicada para fabricação de armas e roupas; • 1600 – a indústria de produção em série surgi na Inglaterra com o desenvolvimento das fundições de ferro e das máquinas que transformavam algodão em tecidos;
  • 49. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 49 Evolução da Movimentação de Materiais (MOURA, 2010) • 1780 – Oliver Evans instala um sistema de correias transportadoras para o transporte contínuo em suas industrias (Philadelphia – EUA); • A partir dos desenvolvimento dos processos de manufatura, as atividades relacionadas a movimentação também desenvolveram-se; Apesar do desenvolvimento ao longo dos tempos, a Movimentação de Materiais foi reconhecida como uma parte vital e estratégica ao processo industrial somente nas ultimas duas ou três décadas.
  • 50. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 50 Evolução da Movimentação de Materiais (MOURA, 2010) Resumo da evolução da Movimentação de Materiais: • No passado – homens e animais transportavam os materiais com o seu próprio esforço. • No presente – homens movem os materiais utilizando-se de equipamentos para reduzir seus esforços. • Concepção moderna – materiais em movimento automático entre processos automáticos de fabricação.