SlideShare uma empresa Scribd logo
TECNOLOGIA EM
MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS
    TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA
           AULA -1



        Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino   1
Me. Henrique dos Prazeres Marcelino
Currículo Lates CNPq - http://lattes.cnpq.br/1568731614702535

(Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico)
     http://lattes.cnpq.br/

      •   Mestrado em Processos Industrias – IPT – SP
      •   Pós-Graduado em Gerenciamento de Projetos – UMC – SP
      •   Graduado em Tecnologia Mecânica (Processos de Produção) – Fatec – SP
      •   14 anos de Experiência na Indústria Automobilística - ênfase em “lean manufacturing” e
          desenvolvimento de processos);
      •   Professor Universitário  2 anos
      •   Técnico Mecânica – ETE Martin Luther King;
      •   Ferramenteiro de Corte Dobra e Repuxo – SENAI
      •   Ajustador Mecânico - SENAI


                                        Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino         2
Contato com o Professor



henriquepm@umc.br

henrypm@terra.com.br



        Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino   3
Avaliações

M1 = (P1 x 0,8) + (E1 x 0,2)  Peso 1 na MS (Média Semestral)

ND = (P2 x 0,8) + (E2 x 0,2)

M2 = (ND X 0,7) + (PI X 0,3)  Peso 2 na MS (Média Semestral)
Onde:
M1 = média 1° bimestre;
P1 = prova 1° bimestre;
E1 = Definição, Aprovação e Resumo do Artigo sobre o Tema escolhido pelo Grupo + Participação nas aulas
(exercícios, interação, etc);
ND = média 2° bimestre sem Prova Integrada (Nota da Disciplina);
M2 = média 2° bimestre com a Prova Integrada;
P2 = prova 2° bimestre;
E2 = Seminário – apresentação do Artigo escolhido + Participação nas aulas (exercícios. Interação, etc);
PI = prova integrada.

MS = [M1 + (2 x M2)]/3

Onde:                               Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino                      4
MS = Média Semestral.
Avaliações

Critérios de Aprovação e Reprovação:

Freqüência < 75% (~20 faltas)  Reprovado;

MS < 3,00  Reprovado;                                               Link para acesso a planilha
                                                                     de cálculo da MF
MS ≥ 5,00  Aprovado;

3,00 > MS > 5,00  Necessário realizar Prova de Recuperação (PR).

MF = (MS + PR)/2

Onde:

MF = Média Final.


MF ≥ 5,00  Aprovado;                  MF < 5,00  Reprovado;
                         Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino                                 5
Planejamento do Semestre 2013/3

Prova M1  entre os dias 01/04/13 a 05/04/13

Prova M2  entre os dias 20/05/13 a 25/05/13

Prova PR (Recuperação)  entre os dias 21/06/13 a 27/06/13

Datas importantes:

Definição dos Temas dos Seminários: até 09/03/13

Digitação da M1 e Faltas  05/05/13

Digitação da M2 e faltas  19/06/13

Seminários  início em 23/04/13

Digitação Exame  29/06/13
                         Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino   6
Temas para os Trabalhos


1 – Pesquisa e escolha de pelo menos 1 artigo científico sobre os assuntos descritos
no plano de ensino da disciplina

2 – Os artigos devem obrigatoriamente ser validados pelo professor da
disciplina antes do início da elaboração do trabalho.




                           Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino                   7
Sugestões de fontes para pesquisa




        Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino   8
SCIELO



A Scientific Electronic Library Online - SciELO constitui-se em um modelo para a gestão e

operação de publicação eletrônica em rede cooperativa de coleções de periódicos

científicos de qualidade crescente em acesso aberto com ênfase nos países em

desenvolvimento e emergentes. SciELO tem como objetivo específico aumentar de forma

sustentável a visibilidade, acessibilidade, qualidade, uso e impacto dos periódicos que

publica.



http://www.scielo.org/php/index.php
SIMPEP


No ano de 1994, uma comissão organizadora, constituída por docentes, funcionários e alunos do Departamento de
Engenharia de Produção da UNESP (Universidade Estadual Paulista) - Câmpus de Bauru, realizou o 1° SIMPEP -
Simpósio de Engenharia de Produção. Desde então, o Evento foi se perfeiçoando, tornando-se um dos mais
relevantes congressos de Engenharia de Produção do Brasil, pela qualidade dos seus “referees”, dos conferencistas
e pela expressão científica dos trabalhos apresentados.

A comissão científica do SIMPEP é formada, unicamente, por professores doutores pesquisadores na área de
Engenharia de Produção, pertencentes às universidades de diferentes estados do Brasil.

Apesar de não ser um evento itinerante, por ocorrer sempre na Faculdade de Engenharia da UNESP, campus de
Bauru, os trabalhos enviados e as inscrições junto ao SIMPEP, caracterizam a abrangência nacional do Simpósio.
Desde 2010, com ilustres participações de conferencistas internacionais, vindos da Suécia, da Espanha e de
Portugal, o SIMPEP passou a ser também como um evento internacional, propiciando o avanço da capacitação
científica através das conferências, das mesas redondas com propostas de discussões de temas atuais, bem como a
divulgação dos resultados de pesquisas junto às diferentes áreas temáticas do Simpósio: Gestão da Produção;
Gestão da Qualidade; Gestão Econômica; Ergonomia e Segurança do Trabalho; Gestão do Produto; Pesquisa
Operacional; Gestão Estratégica e Organizacional; Gestão do Conhecimento Organizacional; Gestão Ambiental;
Educação em Engenharia de Produção; Engenharia de Produção, Sustentabilidade e Responsabilidade Social.

http://www.simpep.feb.unesp.br/anais_simpep.php?e=5
Google Acadêmico



O Google Acadêmico fornece uma maneira simples de pesquisar literatura

acadêmica de forma abrangente. Você pode pesquisar várias disciplinas e

fontes em um só lugar: artigos revisados por especialistas (peer-rewiewed),

teses, livros, resumos e artigos de editoras acadêmicas, organizações

profissionais, bibliotecas de pré-publicações, universidades e outras entidades

acadêmicas. O Google Acadêmico ajuda a identificar as pesquisas mais

relevantes do mundo acadêmico.

http://scholar.google.com.br/schhp?hl=pt-BR
SOBRAPO/SBPO



A Sociedade Brasileira de Pesquisa Operacional (SOBRAPO) foi fundada em
1969, após a realização, em 1968, do I Simpósio de Pesquisa Operacional,
realizado no ITA, em São José dos Campos, SP.


A SOBRAPO mantém sua própria revista, que entra em seu 38º ano de
publicação sob o título Pesquisa Operacional, e que é indexada nos
International Abstracts in Operations Research da IFORS e desde 2002
ao SciELO.


A SOBRAPO organiza, ainda, Simpósios anuais, este ano já em sua 41ª edição
tendo uma média de 500 participantes por evento. As comunicações
submetidas, aceitas após criteriosa avaliação pelos pares, se apresentadas no
Simpósio são publicadas nos Anais do SBPO.

http://www.xliiisbpo.iltc.br/tc.html
A ABEPRO é a instituição representativa de docentes, discentes e
profissionais de Engenharia de Produção.
A associação atua há mais de 20 anos assumindo as funções:
de esclarecer o papel do Engenheiro de Produção na sociedade e
em seu mercado de atuação, ser interlocutor junto às instituições
governamentais relacionadas à organização e avaliação de cursos
(MEC e INEP) e de fomento (CAPES, CNPq , FINEP e órgãos de apoio
à pesquisa estaduais), assim como em organizações privadas, junto
ao CREA , CONFEA, SBPC, ABENGE e outras organizações não
governamentais que tratam a pesquisa, o ensino e a extensão da
engenharia.

                    http://www.abepro.org.br/
Ao se cadastrar no portal da
ABEPRO, consegue-se ter
acesso aos anais do ENEGEP
Periódicos CAPES




Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino   15
Periódicos CAPES




Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino   16
Estrutura dos Trabalhos


 Os artigos escolhidos devem obrigatoriamente ter pelo menos os seguintes
  tópicos:

         1.   Capa;
         2.   Resumo;
         3.   Abstract;
         4.   Palavras Chave;
         5.   Introdução;
         6.   Revisão Bibliográfica;
         7.   Exemplo (s) de Aplicação / Resultados / Discussão;
         8.   Conclusão;
         9.   Referências.


         Obs.: Trata-se apenas de uma orientação para garantir a qualidade dos
         artigos e também o uso de material com embasamento acadêmico e
         metodológico.

                           Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino             17
Estrutura dos Trabalhos


 Grupos diferentes podem abordar o mesmo tema, desde que, os artigos escolhidos
  sejam diferentes e previamente aprovados pelo professor da disciplina

 O prazo para seleção/escolha dos temas e definição dos grupos é: 09/03/13

 O Resumo do artigo deverá ser entregue pelo grupo até o dia da prova M1 e deve
  ser elaborado de acordo com o manual trabalhos acadêmicos da UMC (E1);

 Os trabalhos deverão apresentados em Power Point em seminário com datas a
  serem definidas pelo professor da disciplina. A apresentação deverá ser de no
  máximo 20 minutos seguida de 10 minutos de discussão (com perguntas
  elaboradas por um dos grupos sorteado pelo professor no momento da
  apresentação) – E2.
 Tanto a qualidade da apresentação quanto a qualidade das perguntas elaboradas
  serão avaliadas para compor a nota E2;
 Obrigatoriamente todos os membros dos grupos participantes da discussão devem
  elaborar e também responder pelo menos uma pergunta sobre o tema discutido;

                          Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino               18
Estrutura dos Trabalhos


 A não participação de qualquer dia do seminário, acarretará em perda
  proporcional na da respectiva nota de exercício referente a ND (M2).


 Não será permitido a edição de apresentações no dia do seminário, portanto fica
  restrito o uso de notebooks (dentro da sala onde as apresentações estão sendo
  realizadas) somente para os alunos que estarão apresentando os trabalhos.

 Os artigos escolhidos e aprovados deverão ser entregues tanto eletronicamente
  (no dia da validação) quanto fisicamente (no dia da respectiva apresentação) para
  o professor.

 Fica a critério do professor da disciplina, incluir mais condições ou até mesmo
  alterar as definidas até o momento com o objetivo de oferecer o melhor método
  possível para que a disciplina seja assimilada pelos alunos.



                           Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino                19
Bibliografia

LIVROS:

MOURA, R. A. Sistemas e técnicas de movimentação e armazenamento de materiais. São
Paulo: IMAM, 2010.

GASNIER, D. G. A dinâmica dos estoques: guia prático para planejamento, gestão de
materiais e logística. São Paulo: IMAM, 2011.

BERTAGLIA, P. R. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição
física. São Paulo: Saraiva, 2006.




                                Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino                20
Plano de Ensino


Ementa:
- Evolução, conceitos e princípios fundamentais da movimentação de
materiais;

- Analisar a amplitude e complexidade do mercado atual de equipamentos de
movimentação;

- Padronização, unitização e codificação de materiais bem como suas relações
com um fluxo eficiente e eficaz;

- Ergonomia e as norma regulamentadoras

- Aspectos de sustentabilidade aplicada à movimentação de materiais




                          Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino            21
Plano de Ensino


Objetivos da disciplina:
- Apresentar os conceitos e equipamentos utilizados para a movimentação de
materiais;

- Apresentar como esses equipamentos devem ser utilizados de forma
eficiente e produtiva ao longo da cadeia de suprimentos;

- Com o intuito de gerar oportunidades de melhoria na qualidade da
movimentação e redução de custos.




                           Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino         22
Plano de Ensino


Conteúdo Programático:

1) Introdução à movimentação e armazenagem de materiais;
2) A logística e a movimentação de materiais

3) Princípios básicos da movimentação de materiais;

4) A armazenagem e a movimentação de materiais;
5) A embalagem e a movimentação de materiais;

6) A carga utilizada e a movimentação de materiais;

7) Análise da movimentação e armazenagem de materiais

8) Qualidade e produtividade na movimentação e armazenagem de materiais;
                          Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino        23
Plano de Ensino


Conteúdo Programático (continuação...):

9) Segurança na movimentação e armazenagem de materiais
10) Indicadores de desempenho na movimentação de materiais;

11) Tendências da movimentação e armazenagem de materiais.




                        Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino   24

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Equipamentos de Movimentação de Materias
Equipamentos de Movimentação de MateriasEquipamentos de Movimentação de Materias
Equipamentos de Movimentação de Materias
Opengo,Espro,AllNet, Led Informática, Instituto Dom Bosco
 
Movimentação de Materiais
Movimentação de MateriaisMovimentação de Materiais
Movimentação de Materiais
André Luís Santos
 
Movimentação de Materiais
Movimentação de MateriaisMovimentação de Materiais
Movimentação de Materiais
Érica Rangel
 
Movimentacao de Materiais
Movimentacao de MateriaisMovimentacao de Materiais
Movimentacao de Materiais
azevedoac
 
4ª Aula de Logística (Máquinas e Equipamentos)
4ª Aula de Logística (Máquinas e Equipamentos)4ª Aula de Logística (Máquinas e Equipamentos)
4ª Aula de Logística (Máquinas e Equipamentos)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Movimentação de Materiais
Movimentação de MateriaisMovimentação de Materiais
Movimentação de Materiais
Cristiano S da Silva
 
Equipamentos de Movimentação de Materiais
Equipamentos de Movimentação de Materiais Equipamentos de Movimentação de Materiais
Equipamentos de Movimentação de Materiais
Opengo,Espro,AllNet, Led Informática, Instituto Dom Bosco
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
Gilberto Freitas
 
MovimentaçãO Manual
MovimentaçãO ManualMovimentaçãO Manual
MovimentaçãO Manual
fabriciosfreitas
 
Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09
zeramento contabil
 
Conceito e principios do sistema de movimentação de materiais
Conceito e principios do sistema de movimentação de materiaisConceito e principios do sistema de movimentação de materiais
Conceito e principios do sistema de movimentação de materiais
DiegoIsraelSantos
 
Armazenagem de Materiais
Armazenagem de MateriaisArmazenagem de Materiais
Armazenagem de Materiais
Robson Costa
 

Destaque (12)

Equipamentos de Movimentação de Materias
Equipamentos de Movimentação de MateriasEquipamentos de Movimentação de Materias
Equipamentos de Movimentação de Materias
 
Movimentação de Materiais
Movimentação de MateriaisMovimentação de Materiais
Movimentação de Materiais
 
Movimentação de Materiais
Movimentação de MateriaisMovimentação de Materiais
Movimentação de Materiais
 
Movimentacao de Materiais
Movimentacao de MateriaisMovimentacao de Materiais
Movimentacao de Materiais
 
4ª Aula de Logística (Máquinas e Equipamentos)
4ª Aula de Logística (Máquinas e Equipamentos)4ª Aula de Logística (Máquinas e Equipamentos)
4ª Aula de Logística (Máquinas e Equipamentos)
 
Movimentação de Materiais
Movimentação de MateriaisMovimentação de Materiais
Movimentação de Materiais
 
Equipamentos de Movimentação de Materiais
Equipamentos de Movimentação de Materiais Equipamentos de Movimentação de Materiais
Equipamentos de Movimentação de Materiais
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
 
MovimentaçãO Manual
MovimentaçãO ManualMovimentaçãO Manual
MovimentaçãO Manual
 
Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09
 
Conceito e principios do sistema de movimentação de materiais
Conceito e principios do sistema de movimentação de materiaisConceito e principios do sistema de movimentação de materiais
Conceito e principios do sistema de movimentação de materiais
 
Armazenagem de Materiais
Armazenagem de MateriaisArmazenagem de Materiais
Armazenagem de Materiais
 

Semelhante a Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)

At1
At1At1
Ementa: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de Pesquisa
Ementa: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de PesquisaEmenta: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de Pesquisa
Ementa: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de Pesquisa
Renato Souza
 
Guia tcc 2012
Guia tcc 2012Guia tcc 2012
Guia tcc 2012
Jayme Domingo Filho
 
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Rogerio P C do Nascimento
 
Apresentação felupic 2013
Apresentação   felupic 2013Apresentação   felupic 2013
Apresentação felupic 2013
Ale Garcia
 
PIM - Manual Geral
PIM - Manual GeralPIM - Manual Geral
PIM - Manual Geral
Michele Rufatto Vaz
 
Curso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptx
Curso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptxCurso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptx
Curso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptx
Ricardo William
 
Regulamento PPM Luci
Regulamento PPM  LuciRegulamento PPM  Luci
Regulamento PPM Luci
Luci Bonini
 
Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal
Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal
Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal
Curso de Administração - Faculdade Ideal
 
Tcc completo modelo (2013)
Tcc completo modelo (2013)Tcc completo modelo (2013)
Tcc completo modelo (2013)
Cristiane Pereira Sales
 
Matemática - Formação Continuada.pdf
Matemática - Formação Continuada.pdfMatemática - Formação Continuada.pdf
Matemática - Formação Continuada.pdf
HELENO FAVACHO
 
manual.pdf
manual.pdfmanual.pdf
manual.pdf
LuizFreitas91
 
O Relatório Científico como suporte e instrumento de divulgação e difusão de ...
O Relatório Científico como suporte e instrumento de divulgação e difusão de ...O Relatório Científico como suporte e instrumento de divulgação e difusão de ...
O Relatório Científico como suporte e instrumento de divulgação e difusão de ...
Anabela Mesquita
 
Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1
Dércio Luiz Reis
 
Programa referencial de comunicação e tecnologias da informação
Programa  referencial de comunicação e tecnologias da informaçãoPrograma  referencial de comunicação e tecnologias da informação
Programa referencial de comunicação e tecnologias da informação
sandra alfaiate
 
Normas para Submissão de Resumos
Normas para Submissão de Resumos Normas para Submissão de Resumos
Normas para Submissão de Resumos
Godson Souza
 
Como_escrever_relato_experiencia
Como_escrever_relato_experienciaComo_escrever_relato_experiencia
Como_escrever_relato_experiencia
Luiz Pinheiro
 
PROJ INTEG MULTIDISCIPLINAR I
PROJ INTEG MULTIDISCIPLINAR IPROJ INTEG MULTIDISCIPLINAR I
PROJ INTEG MULTIDISCIPLINAR I
paulocsm
 
1-1 Capitulo 000
1-1 Capitulo 0001-1 Capitulo 000
1-1 Capitulo 000
luisadr
 
Matemática - Formação Continuada.docx
Matemática - Formação Continuada.docxMatemática - Formação Continuada.docx
Matemática - Formação Continuada.docx
HELENO FAVACHO
 

Semelhante a Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01) (20)

At1
At1At1
At1
 
Ementa: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de Pesquisa
Ementa: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de PesquisaEmenta: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de Pesquisa
Ementa: Trabalho Final de Graduação: Desenvolvimento de Pesquisa
 
Guia tcc 2012
Guia tcc 2012Guia tcc 2012
Guia tcc 2012
 
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
 
Apresentação felupic 2013
Apresentação   felupic 2013Apresentação   felupic 2013
Apresentação felupic 2013
 
PIM - Manual Geral
PIM - Manual GeralPIM - Manual Geral
PIM - Manual Geral
 
Curso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptx
Curso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptxCurso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptx
Curso Metodologia do Ensino Superio 2016 1.pptx
 
Regulamento PPM Luci
Regulamento PPM  LuciRegulamento PPM  Luci
Regulamento PPM Luci
 
Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal
Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal
Programação da XI Semana de Administração - Faculdade Ideal
 
Tcc completo modelo (2013)
Tcc completo modelo (2013)Tcc completo modelo (2013)
Tcc completo modelo (2013)
 
Matemática - Formação Continuada.pdf
Matemática - Formação Continuada.pdfMatemática - Formação Continuada.pdf
Matemática - Formação Continuada.pdf
 
manual.pdf
manual.pdfmanual.pdf
manual.pdf
 
O Relatório Científico como suporte e instrumento de divulgação e difusão de ...
O Relatório Científico como suporte e instrumento de divulgação e difusão de ...O Relatório Científico como suporte e instrumento de divulgação e difusão de ...
O Relatório Científico como suporte e instrumento de divulgação e difusão de ...
 
Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1
 
Programa referencial de comunicação e tecnologias da informação
Programa  referencial de comunicação e tecnologias da informaçãoPrograma  referencial de comunicação e tecnologias da informação
Programa referencial de comunicação e tecnologias da informação
 
Normas para Submissão de Resumos
Normas para Submissão de Resumos Normas para Submissão de Resumos
Normas para Submissão de Resumos
 
Como_escrever_relato_experiencia
Como_escrever_relato_experienciaComo_escrever_relato_experiencia
Como_escrever_relato_experiencia
 
PROJ INTEG MULTIDISCIPLINAR I
PROJ INTEG MULTIDISCIPLINAR IPROJ INTEG MULTIDISCIPLINAR I
PROJ INTEG MULTIDISCIPLINAR I
 
1-1 Capitulo 000
1-1 Capitulo 0001-1 Capitulo 000
1-1 Capitulo 000
 
Matemática - Formação Continuada.docx
Matemática - Formação Continuada.docxMatemática - Formação Continuada.docx
Matemática - Formação Continuada.docx
 

Mais de Universidade de Mogi das Cruzes

Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tlAula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tlAula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpiAula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpiAula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Universidade de Mogi das Cruzes
 
Aula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_taiAula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_tai
Universidade de Mogi das Cruzes
 

Mais de Universidade de Mogi das Cruzes (7)

Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
Perguntas filme historia_das_maquinas_ferramentas_aula2
 
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
 
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tlAula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
Aula 03 meios_de_transportes_rev_19_05_13_tmm_tl
 
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tlAula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
Aula 02 rev_04_03_13_tmm_tl
 
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpiAula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 04a rev_27_08_12_adm_prod_tgpi
 
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpiAula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
Aula 03 rev_13_08_12_adm_prod_tgpi
 
Aula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_taiAula 02 rev_27_02_13_tai
Aula 02 rev_27_02_13_tai
 

Último

Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Rafael Santos
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
tnrlucas
 
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Annelise Gripp
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
anpproferick
 
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
anpproferick
 
REDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptx
REDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptxREDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptx
REDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptx
IranyGarcia
 

Último (6)

Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
 
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
 
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
 
REDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptx
REDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptxREDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptx
REDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptx
 

Tecnologia em Movimentação de Materiais (Aula 01)

  • 1. TECNOLOGIA EM MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA AULA -1 Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 1
  • 2. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino Currículo Lates CNPq - http://lattes.cnpq.br/1568731614702535 (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) http://lattes.cnpq.br/ • Mestrado em Processos Industrias – IPT – SP • Pós-Graduado em Gerenciamento de Projetos – UMC – SP • Graduado em Tecnologia Mecânica (Processos de Produção) – Fatec – SP • 14 anos de Experiência na Indústria Automobilística - ênfase em “lean manufacturing” e desenvolvimento de processos); • Professor Universitário  2 anos • Técnico Mecânica – ETE Martin Luther King; • Ferramenteiro de Corte Dobra e Repuxo – SENAI • Ajustador Mecânico - SENAI Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 2
  • 3. Contato com o Professor henriquepm@umc.br henrypm@terra.com.br Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 3
  • 4. Avaliações M1 = (P1 x 0,8) + (E1 x 0,2)  Peso 1 na MS (Média Semestral) ND = (P2 x 0,8) + (E2 x 0,2) M2 = (ND X 0,7) + (PI X 0,3)  Peso 2 na MS (Média Semestral) Onde: M1 = média 1° bimestre; P1 = prova 1° bimestre; E1 = Definição, Aprovação e Resumo do Artigo sobre o Tema escolhido pelo Grupo + Participação nas aulas (exercícios, interação, etc); ND = média 2° bimestre sem Prova Integrada (Nota da Disciplina); M2 = média 2° bimestre com a Prova Integrada; P2 = prova 2° bimestre; E2 = Seminário – apresentação do Artigo escolhido + Participação nas aulas (exercícios. Interação, etc); PI = prova integrada. MS = [M1 + (2 x M2)]/3 Onde: Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 4 MS = Média Semestral.
  • 5. Avaliações Critérios de Aprovação e Reprovação: Freqüência < 75% (~20 faltas)  Reprovado; MS < 3,00  Reprovado; Link para acesso a planilha de cálculo da MF MS ≥ 5,00  Aprovado; 3,00 > MS > 5,00  Necessário realizar Prova de Recuperação (PR). MF = (MS + PR)/2 Onde: MF = Média Final. MF ≥ 5,00  Aprovado; MF < 5,00  Reprovado; Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 5
  • 6. Planejamento do Semestre 2013/3 Prova M1  entre os dias 01/04/13 a 05/04/13 Prova M2  entre os dias 20/05/13 a 25/05/13 Prova PR (Recuperação)  entre os dias 21/06/13 a 27/06/13 Datas importantes: Definição dos Temas dos Seminários: até 09/03/13 Digitação da M1 e Faltas  05/05/13 Digitação da M2 e faltas  19/06/13 Seminários  início em 23/04/13 Digitação Exame  29/06/13 Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 6
  • 7. Temas para os Trabalhos 1 – Pesquisa e escolha de pelo menos 1 artigo científico sobre os assuntos descritos no plano de ensino da disciplina 2 – Os artigos devem obrigatoriamente ser validados pelo professor da disciplina antes do início da elaboração do trabalho. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 7
  • 8. Sugestões de fontes para pesquisa Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 8
  • 9. SCIELO A Scientific Electronic Library Online - SciELO constitui-se em um modelo para a gestão e operação de publicação eletrônica em rede cooperativa de coleções de periódicos científicos de qualidade crescente em acesso aberto com ênfase nos países em desenvolvimento e emergentes. SciELO tem como objetivo específico aumentar de forma sustentável a visibilidade, acessibilidade, qualidade, uso e impacto dos periódicos que publica. http://www.scielo.org/php/index.php
  • 10. SIMPEP No ano de 1994, uma comissão organizadora, constituída por docentes, funcionários e alunos do Departamento de Engenharia de Produção da UNESP (Universidade Estadual Paulista) - Câmpus de Bauru, realizou o 1° SIMPEP - Simpósio de Engenharia de Produção. Desde então, o Evento foi se perfeiçoando, tornando-se um dos mais relevantes congressos de Engenharia de Produção do Brasil, pela qualidade dos seus “referees”, dos conferencistas e pela expressão científica dos trabalhos apresentados. A comissão científica do SIMPEP é formada, unicamente, por professores doutores pesquisadores na área de Engenharia de Produção, pertencentes às universidades de diferentes estados do Brasil. Apesar de não ser um evento itinerante, por ocorrer sempre na Faculdade de Engenharia da UNESP, campus de Bauru, os trabalhos enviados e as inscrições junto ao SIMPEP, caracterizam a abrangência nacional do Simpósio. Desde 2010, com ilustres participações de conferencistas internacionais, vindos da Suécia, da Espanha e de Portugal, o SIMPEP passou a ser também como um evento internacional, propiciando o avanço da capacitação científica através das conferências, das mesas redondas com propostas de discussões de temas atuais, bem como a divulgação dos resultados de pesquisas junto às diferentes áreas temáticas do Simpósio: Gestão da Produção; Gestão da Qualidade; Gestão Econômica; Ergonomia e Segurança do Trabalho; Gestão do Produto; Pesquisa Operacional; Gestão Estratégica e Organizacional; Gestão do Conhecimento Organizacional; Gestão Ambiental; Educação em Engenharia de Produção; Engenharia de Produção, Sustentabilidade e Responsabilidade Social. http://www.simpep.feb.unesp.br/anais_simpep.php?e=5
  • 11. Google Acadêmico O Google Acadêmico fornece uma maneira simples de pesquisar literatura acadêmica de forma abrangente. Você pode pesquisar várias disciplinas e fontes em um só lugar: artigos revisados por especialistas (peer-rewiewed), teses, livros, resumos e artigos de editoras acadêmicas, organizações profissionais, bibliotecas de pré-publicações, universidades e outras entidades acadêmicas. O Google Acadêmico ajuda a identificar as pesquisas mais relevantes do mundo acadêmico. http://scholar.google.com.br/schhp?hl=pt-BR
  • 12. SOBRAPO/SBPO A Sociedade Brasileira de Pesquisa Operacional (SOBRAPO) foi fundada em 1969, após a realização, em 1968, do I Simpósio de Pesquisa Operacional, realizado no ITA, em São José dos Campos, SP. A SOBRAPO mantém sua própria revista, que entra em seu 38º ano de publicação sob o título Pesquisa Operacional, e que é indexada nos International Abstracts in Operations Research da IFORS e desde 2002 ao SciELO. A SOBRAPO organiza, ainda, Simpósios anuais, este ano já em sua 41ª edição tendo uma média de 500 participantes por evento. As comunicações submetidas, aceitas após criteriosa avaliação pelos pares, se apresentadas no Simpósio são publicadas nos Anais do SBPO. http://www.xliiisbpo.iltc.br/tc.html
  • 13. A ABEPRO é a instituição representativa de docentes, discentes e profissionais de Engenharia de Produção. A associação atua há mais de 20 anos assumindo as funções: de esclarecer o papel do Engenheiro de Produção na sociedade e em seu mercado de atuação, ser interlocutor junto às instituições governamentais relacionadas à organização e avaliação de cursos (MEC e INEP) e de fomento (CAPES, CNPq , FINEP e órgãos de apoio à pesquisa estaduais), assim como em organizações privadas, junto ao CREA , CONFEA, SBPC, ABENGE e outras organizações não governamentais que tratam a pesquisa, o ensino e a extensão da engenharia. http://www.abepro.org.br/
  • 14. Ao se cadastrar no portal da ABEPRO, consegue-se ter acesso aos anais do ENEGEP
  • 15. Periódicos CAPES Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 15
  • 16. Periódicos CAPES Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 16
  • 17. Estrutura dos Trabalhos  Os artigos escolhidos devem obrigatoriamente ter pelo menos os seguintes tópicos: 1. Capa; 2. Resumo; 3. Abstract; 4. Palavras Chave; 5. Introdução; 6. Revisão Bibliográfica; 7. Exemplo (s) de Aplicação / Resultados / Discussão; 8. Conclusão; 9. Referências. Obs.: Trata-se apenas de uma orientação para garantir a qualidade dos artigos e também o uso de material com embasamento acadêmico e metodológico. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 17
  • 18. Estrutura dos Trabalhos  Grupos diferentes podem abordar o mesmo tema, desde que, os artigos escolhidos sejam diferentes e previamente aprovados pelo professor da disciplina  O prazo para seleção/escolha dos temas e definição dos grupos é: 09/03/13  O Resumo do artigo deverá ser entregue pelo grupo até o dia da prova M1 e deve ser elaborado de acordo com o manual trabalhos acadêmicos da UMC (E1);  Os trabalhos deverão apresentados em Power Point em seminário com datas a serem definidas pelo professor da disciplina. A apresentação deverá ser de no máximo 20 minutos seguida de 10 minutos de discussão (com perguntas elaboradas por um dos grupos sorteado pelo professor no momento da apresentação) – E2.  Tanto a qualidade da apresentação quanto a qualidade das perguntas elaboradas serão avaliadas para compor a nota E2;  Obrigatoriamente todos os membros dos grupos participantes da discussão devem elaborar e também responder pelo menos uma pergunta sobre o tema discutido; Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 18
  • 19. Estrutura dos Trabalhos  A não participação de qualquer dia do seminário, acarretará em perda proporcional na da respectiva nota de exercício referente a ND (M2).  Não será permitido a edição de apresentações no dia do seminário, portanto fica restrito o uso de notebooks (dentro da sala onde as apresentações estão sendo realizadas) somente para os alunos que estarão apresentando os trabalhos.  Os artigos escolhidos e aprovados deverão ser entregues tanto eletronicamente (no dia da validação) quanto fisicamente (no dia da respectiva apresentação) para o professor.  Fica a critério do professor da disciplina, incluir mais condições ou até mesmo alterar as definidas até o momento com o objetivo de oferecer o melhor método possível para que a disciplina seja assimilada pelos alunos. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 19
  • 20. Bibliografia LIVROS: MOURA, R. A. Sistemas e técnicas de movimentação e armazenamento de materiais. São Paulo: IMAM, 2010. GASNIER, D. G. A dinâmica dos estoques: guia prático para planejamento, gestão de materiais e logística. São Paulo: IMAM, 2011. BERTAGLIA, P. R. Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Saraiva, 2006. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 20
  • 21. Plano de Ensino Ementa: - Evolução, conceitos e princípios fundamentais da movimentação de materiais; - Analisar a amplitude e complexidade do mercado atual de equipamentos de movimentação; - Padronização, unitização e codificação de materiais bem como suas relações com um fluxo eficiente e eficaz; - Ergonomia e as norma regulamentadoras - Aspectos de sustentabilidade aplicada à movimentação de materiais Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 21
  • 22. Plano de Ensino Objetivos da disciplina: - Apresentar os conceitos e equipamentos utilizados para a movimentação de materiais; - Apresentar como esses equipamentos devem ser utilizados de forma eficiente e produtiva ao longo da cadeia de suprimentos; - Com o intuito de gerar oportunidades de melhoria na qualidade da movimentação e redução de custos. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 22
  • 23. Plano de Ensino Conteúdo Programático: 1) Introdução à movimentação e armazenagem de materiais; 2) A logística e a movimentação de materiais 3) Princípios básicos da movimentação de materiais; 4) A armazenagem e a movimentação de materiais; 5) A embalagem e a movimentação de materiais; 6) A carga utilizada e a movimentação de materiais; 7) Análise da movimentação e armazenagem de materiais 8) Qualidade e produtividade na movimentação e armazenagem de materiais; Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 23
  • 24. Plano de Ensino Conteúdo Programático (continuação...): 9) Segurança na movimentação e armazenagem de materiais 10) Indicadores de desempenho na movimentação de materiais; 11) Tendências da movimentação e armazenagem de materiais. Prof. Me. Henrique dos Prazeres Marcelino 24