SlideShare uma empresa Scribd logo
Narrativas de aprendizado:
Atenção ao ED;
Aulas interativas;
Ler mais sobre os conteúdos;
Ir além da faculdade;
Problemas pessoais;
Maior dedicação;
Ser mais participativo;
Desentendimentos (aluno/aluno/professor);
Retomando a aula anterior...Retomando a aula anterior...
Ser mais participativo;
Desentendimentos (aluno/aluno/professor);
Trabalhos em grupo;
Mais atenção nas aulas;
Frequência;
 Boas lembranças;
 Satisfação em cursar o ensino superior;
 Novos aprendizados;
 Trabalhos em grupo;
 Aproximação com os colegas;
 União da turma e confraternizações.
Fala e Escrita:
Náysa Taboada
PEDAGOGIA
Princípios Gerais
Conhecimentos Prévios...
FALA
É a expressão, é natural, por meio da interação com as pessoas;
Som, Manifestação oral dos pensamentos, sentimentos e desejos;
Se caracteriza por tudo que ouvimos;
Se dá pelo meio em que vivemos;
Se aprende no dia a dia;
Meio de comunicação humana.
É formal;
Padronizado;
Ortografia;
Continuação da fala;
Caraterizada pela cultura, subjetividade e meio social;
Documenta a linguagem expressa pela fala;
Relação fala e escrita:
• Andam juntas como ler e escrever;
• Não escrevemos como falamos;
• Quanto mais se lê, melhor a fala e a escrita;
• Andam juntas, porém com características singulares;
• É como um casamento;
• Diversidade regional;
• Se fala bem, escreve bem e vice-versa;
• Primeiro veio a fala e depois a escrita;
Fala e Escrita:
Alex Caldas Simões
Náysa Taboada
PEDAGOGIA
Princípios Gerais
OBJETIVO
• Investigar os princípios gerais
da relação fala e escrita.
REFERENCIAL TEÓRICO BÁSICO
MARCUSCHI, L; DIONÍZIO, A. P.
Princípios gerais para o tratamento das
relações entre a fala e a escrita. In:
MARCUSCHI, L; DIONÍZIO, A. P. (org).
Fala e escrita. Ed. 1. 1ª Reimp. Belo
Horizonte: Autêntica, 2007. p. 13-30.
Justificativa
Por que é importante saber o que é fala
e o que é escrita?
•Esses conceitos são a base do ensino
aprendizado de leitura e escrita.
METODOLOGIA
1) Apresentação da aula;
2) As relações entre fala e escrita.
3) Vídeo
4) Estudo dirigido do texto
5) Discussões
“Mais do que um simples
instrumento, a língua é uma
prática social que produz e organiza as
formas de vida, as formas de ação e as
formas de conhecimento.”
O que é a Língua?
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 14)
Como se apresenta a língua?
Textos
Orais Escritos
“[...] com a presença de semiologias de
outras áreas, como a gestualidade e o
olhar, na fala, ou elementos pictóricos e
gráficos, na escrita.”
Modalidade Modalidade
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 14)
A língua tem como características:
• É universal
• É histórica
• É situada
“[…] todos os povos têm uma língua e com ela referem,
significam, agem, contextualizam, expressam suas ideias,
etc.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 26).
“[…] cada uma é histórica e tem surgimento no tempo”
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 26).
“[…] todo texto é produzido por alguém situado em algum
contexto, e toda produção discursiva é localizada.
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 26).
O que mais fazemos?
Falar? Escrever?
Quem tem mais prestígio?
+ olhar
+ gestos
Etc…
+ gráficos
+ imagens
Etc.
Falamos mais do que escrevemos.
“Portanto,
mesmo vivendo
numa sociedade
em que a escrita
entrou de forma
bastante
generalizada,
continuamos
falando
mais do que
escrevendo.”
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 13-14)
“Basta observar nossa vida diária
desde que acordamos até o final do
dia para constatar que falamos
com nossos familiares, amigos ou desconhecidos, contamos histórias,
piadas, telefonamos, comentamos notícias, fofocamos, cantamos e,
eventualmente, organizamos listas de compras, escrevemos
bilhetes e cartas, fazemos anotações, redigimos atas de
reuniões de condomínio, preenchemos formulários e
assim por diante.”
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 13-14)
A relação fala e escrita
“Defendemos, tal como proposto pelos Parâmetros Curriculares
Nacionais (PCN), a necessidade de estudar as questões
relacionadas à oralidade como um ponto de
partida para entender o funcionamento
da escrita.”
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 14).
Tese de Marcuschi
Como explicar esses fenômenos?
Aula   fala e escrita (cap. 1)
Aula   fala e escrita (cap. 1)
Como explicar esses fenômenos?
“[...] sobretudo no período inicial
da alfabetização, já que a fala tem
modos próprios de organizar, desenvolver e
manter as atividades discursivas.”
A fala influencia a escrita
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 15)
Resposta:
(KOCH; ELIAS, 2011, p. 24)
Influência da fala na escrita
Influência da fala na escrita
Bate-papo
“[…] os bate-papos que são
diálogos por escrito e tem
características de simutaneidade
temporal na produção.
Essa questão acarreta várias
consequencias nos processos de
textualização, que se aproximam
da fala.”
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 23)
Ou seja…
• A escrita é simultanea
como a fala. Escreve-se
logo. Revisa-se pouco.
• Há sinais de interação
(vistos, enviado, chegou),
como os gestos na fala.
• Há balões indicando
movimento.
LEMBRE-SE: O texto não está mal escrito.
Ele apenas se aproxima da fala.
Nova forma de interação
Mescla-se três sistemas: o sistema
ideográfico (pictogramas e ideogramas),
o sistema silábico e o sistema alfabético.
(COSTA, 2009, p. 62-67)
Há uma escrita oralizada ou falar-escrito.
Características (gerais): abreviada/contraída, sem separação entre as palavras
(como na escrita inicial), abreviação fonética (vc, tv, tb), entonacional (uso de
muitos sinais de pontuação, caixa alta, alongamentos), uso de recursos icônicos
(emoticons, risadas), grafismos (*__*), etc.
A escrita na internet
“Todas essas características constituem um novo
código (sistema de escrita e de escritura) discursivo
criado pelos internautas. São formas de escrita e escrituras
híbridas escripturais (desenhos, scripts), logográficas,
topogrâmicas, alfabéticas..., com uma nova sintaxe e novo
ritmo “conversacional”, com novas formatações linguístico-
rituais, com novos parâmetros espaço-tipográficos.”
(COSTA, 2009, p. 66 – verbete Chat)
O estudo sistemático da relação
oralidade e escrita é recente
Ainda assim…
(Cf. MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, [p. 24])
1980
“[…] até a década de 80 do século XX,
poucos se dedicavam aos
estudos das relações entre a fala e a
escrita” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 24)
Ou se estudava a escrita ou a fala.(Cf. MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, [p. 23-24])
1980 --------------- atual
+ Estudos da relação
fala e escrita
-- Estudos da relação
fala e escrita
“De uns tempos para cá, os linguistas resolveram
tratar do tema de modo crescente, após um longo período de
estagnação dos estudos sobre a fala.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 24)
O ensino hoje mudou…
Antes dava-se atenção aos aspectos formais
da língua, “[…] tais como regras e normas da
língua, acentuando um ensino metalinguístico da
língua.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 16)
“Hoje, há uma grande sensibilidade
para os usos da língua. O ensino volta-
se para a produção textual e para a compreensão
tendo em vista os gêneros textuais e
as modalidades de uso da língua e
seu funcionamento.”
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 16)
O que podemos
dizer sobre a
fala e a escrita?
A Fala é o som
A escrita é a grafia
Essa resposta é simplista demais…
A única dicotomia válida, quanto ao meio:
São mitos:
FALA ESCRITA
Varia É homogenea
É instável É estável
É informal É formal
(Cf. MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, [p. 25])
“Hoje ninguém mais aceita essa divisão estreita porque uma
simples análise da produção textual escrita desmente isso.”
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 25)
A FALA varia:
“[…] a variação linguística é normal,
natural e comum em todas as línguas, pois todas
as línguas variam, não devemos estranhar as
diferenças existentes entre os falantes do
português nas diversas regiões do Brasil.”
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 15)
A variação linguística na fala
Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=Vp0pMLsTSk0
A Escrita tb varia:
A escrita não varia tanto, mas também varia,
“[…] dado que a escrita tem normas e
padrões ditados pelas academias.”
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 15)
“ Mas isso não significa que não haja
variação nos modos de escrever.
Sabemos que essa variação existe […]”
(Extraídode:STATUS,Ano2,Ed.19,Nov.2012,p.32-33)
Onde está a variação?
Algumas características
do Português Brasileiro (PB)
Variedades
(BAGNO, 2011, p. 986)
Norma-padrão
Eu falo
Tu falas
Ele fala
Nós falamos
Vós falais
Eles falam
Norma culta (PB)
Eu falo /
Tu falas / tu fala / você fala
Ele fala
Nós falamos / a gente fala
Vocês falam
Eles falam
“Nossa intenção é mostrar que os
usos da língua são variados, ricos e
podem ser muito criativos. Isso não
equivale, no entanto, a defender um vale-
tudo, pois a variação tem um
limite que não pode ser ignorado.”
(MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 16).
Há regras até para a variação…
Por que existe a
variação?
Texto Mollica
ALKMIM, T. M. Sociolingüística (parte 1). In: MUSSALIM, F. BENTES, A. C.
Introdução à sociolingüística: domínios e fronteiras. Vol. 01. São Paulo:
Contexto, 2001. p. 21-47.
CAMACHO, R. G. Sociolingüística (parte 2). In: MUSSALIM, F. BENTES, A.
C. Introdução à sociolingüística: domínios e fronteiras. Vol. 01. São
Paulo: Contexto, 2001. p. 50-75.
MATZENAUER, C. L. Introdução à teoria fonológica. In: BISOL, L. (Org.).
Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. 4°Ed. Rev. e
Ampl. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005. p. 11-13.
SILVA, V. L. P. da. Relevância das variáveis lingüísticas. In: MOLLICA, M.C.;
BRAGA, M. L. (Orgs.). Introdução à sociolingüística: o tratamento da
variação. São Paulo: Contexto, 2003. p. 67-71.
MOLLICA, M. C. Relevância das variáveis não lingüísticas. In: MOLLICA,
M.C.; BRAGA, M. L. (Orgs.). Introdução à sociolingüística: o tratamento
da variação. São Paulo: Contexto, 2003. p. 23-31.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Karen Olivan
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Jose Manuel Alho
 
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática eConcepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Thiago Soares
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Francis Paula
 
Slide implicito e explicito
Slide implicito e explicitoSlide implicito e explicito
Slide implicito e explicito
Vera Moreira Matos
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Luciane Souza
 
Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
Josi Motta
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
Helia Coelho Mello
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
Elza Silveira
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
leticiararek
 
Texto Argumentativo
Texto Argumentativo Texto Argumentativo
Texto Argumentativo
Fernanda Monteiro
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
Caroline Cunha
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
Alice Silva
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Carolina Loçasso Pereira
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
colveromachado
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Níveis de linguagem
Níveis de linguagemNíveis de linguagem
Níveis de linguagem
Universidade de Sorocaba
 
Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01
murilotome
 

Mais procurados (20)

Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática eConcepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática e
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Slide implicito e explicito
Slide implicito e explicitoSlide implicito e explicito
Slide implicito e explicito
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Texto Argumentativo
Texto Argumentativo Texto Argumentativo
Texto Argumentativo
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Níveis de linguagem
Níveis de linguagemNíveis de linguagem
Níveis de linguagem
 
Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01
 

Destaque

Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaGêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Ianka Targino
 
Fala e escrita koch&elias
Fala e escrita koch&eliasFala e escrita koch&elias
Fala e escrita koch&elias
Isis Barros
 
Fala e Escrita
Fala e EscritaFala e Escrita
Fala e Escrita
ceisementinha
 
Português: Um Ensino Para o Letramento
Português: Um Ensino Para o LetramentoPortuguês: Um Ensino Para o Letramento
Português: Um Ensino Para o Letramento
Editora Moderna
 
Escrita e oralidade
Escrita e oralidadeEscrita e oralidade
Escrita e oralidade
Seduc/AM
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Ana Camila
 
Linguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e EscritaLinguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e Escrita
Anderson Cruz
 
Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
Luciane Oliveira
 
Escrita e Interação
Escrita e InteraçãoEscrita e Interação
Escrita e Interação
João Oliveira
 
Processos De Produção Textual
Processos De Produção TextualProcessos De Produção Textual
Processos De Produção Textual
Luciane Oliveira
 
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
Curso online lingua portuguesa pratica textual
Curso online lingua portuguesa pratica textualCurso online lingua portuguesa pratica textual
Curso online lingua portuguesa pratica textual
Unichristus Centro Universitário
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
Anderson Ramos
 
Crase oralidade e escrita
Crase oralidade e escritaCrase oralidade e escrita
Crase oralidade e escrita
Ayla De Sá Marques
 
Dicas de Comportamento em Mídias Sociais
Dicas de Comportamento em Mídias SociaisDicas de Comportamento em Mídias Sociais
Dicas de Comportamento em Mídias Sociais
Edvaldo Corrêa - Capacitação Empresarial
 
Caderno de atividades_rh_e_etica
Caderno de atividades_rh_e_eticaCaderno de atividades_rh_e_etica
Caderno de atividades_rh_e_etica
edsondcorrea
 
Domínio da linguagem
Domínio da linguagemDomínio da linguagem
Domínio da linguagem
Editora Moderna
 
Redação 1: Orientações para produção de texto
Redação 1: Orientações para produção de textoRedação 1: Orientações para produção de texto
Redação 1: Orientações para produção de texto
Gilberto Ulissys
 
Palestra Mídias Sociais - Curso de TTI
Palestra Mídias Sociais - Curso de TTIPalestra Mídias Sociais - Curso de TTI
Palestra Mídias Sociais - Curso de TTI
Edvaldo Corrêa - Capacitação Empresarial
 
Projeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinha
Projeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinhaProjeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinha
Projeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinha
Aline Santana
 

Destaque (20)

Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaGêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
 
Fala e escrita koch&elias
Fala e escrita koch&eliasFala e escrita koch&elias
Fala e escrita koch&elias
 
Fala e Escrita
Fala e EscritaFala e Escrita
Fala e Escrita
 
Português: Um Ensino Para o Letramento
Português: Um Ensino Para o LetramentoPortuguês: Um Ensino Para o Letramento
Português: Um Ensino Para o Letramento
 
Escrita e oralidade
Escrita e oralidadeEscrita e oralidade
Escrita e oralidade
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
Linguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e EscritaLinguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e Escrita
 
Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
 
Escrita e Interação
Escrita e InteraçãoEscrita e Interação
Escrita e Interação
 
Processos De Produção Textual
Processos De Produção TextualProcessos De Produção Textual
Processos De Produção Textual
 
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
 
Curso online lingua portuguesa pratica textual
Curso online lingua portuguesa pratica textualCurso online lingua portuguesa pratica textual
Curso online lingua portuguesa pratica textual
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Crase oralidade e escrita
Crase oralidade e escritaCrase oralidade e escrita
Crase oralidade e escrita
 
Dicas de Comportamento em Mídias Sociais
Dicas de Comportamento em Mídias SociaisDicas de Comportamento em Mídias Sociais
Dicas de Comportamento em Mídias Sociais
 
Caderno de atividades_rh_e_etica
Caderno de atividades_rh_e_eticaCaderno de atividades_rh_e_etica
Caderno de atividades_rh_e_etica
 
Domínio da linguagem
Domínio da linguagemDomínio da linguagem
Domínio da linguagem
 
Redação 1: Orientações para produção de texto
Redação 1: Orientações para produção de textoRedação 1: Orientações para produção de texto
Redação 1: Orientações para produção de texto
 
Palestra Mídias Sociais - Curso de TTI
Palestra Mídias Sociais - Curso de TTIPalestra Mídias Sociais - Curso de TTI
Palestra Mídias Sociais - Curso de TTI
 
Projeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinha
Projeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinhaProjeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinha
Projeto - Módulo II Versão final - Gênero textual - tirinha
 

Semelhante a Aula fala e escrita (cap. 1)

Estudos da linguagem
Estudos da linguagemEstudos da linguagem
Estudos da linguagem
Dllubia
 
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguas
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguasNovos letramentos e planejamento de cursos de línguas
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguas
FelipeNbrega12
 
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
VidaRevista Consultoria e Treinamento
 
Lingua em uso linguagem e lingua
Lingua em uso   linguagem e linguaLingua em uso   linguagem e lingua
Lingua em uso linguagem e lingua
Moises Ribeiro
 
Aula AD.pptx
Aula AD.pptxAula AD.pptx
Aula AD.pptx
AlexandreFerrari26
 
PORTUGUÊS EAD 1.pdf
PORTUGUÊS EAD 1.pdfPORTUGUÊS EAD 1.pdf
PORTUGUÊS EAD 1.pdf
LethiciaRampanelli
 
Lpt2 2 alunos_texto_nocoes_generotextual
Lpt2 2 alunos_texto_nocoes_generotextualLpt2 2 alunos_texto_nocoes_generotextual
Lpt2 2 alunos_texto_nocoes_generotextual
Marcus Vinicius Santos Kucharski
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Naysa Taboada
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Naysa Taboada
 
Metodologia
Metodologia Metodologia
Metodologia
DeboraCaroline16
 
Apresentação intérprete educacional
Apresentação intérprete educacionalApresentação intérprete educacional
Apresentação intérprete educacional
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEsquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Eveline Sol
 
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
Martha Lucía Salamanca Solis
 
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Jhosyrene Oliveira
 
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Biblioteca Campus VII
 
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Espaço da Criatividade Encantado
 
Novos letramentos e cosmopolitismo na formação de professores
Novos letramentos e cosmopolitismo na formação de professoresNovos letramentos e cosmopolitismo na formação de professores
Novos letramentos e cosmopolitismo na formação de professores
Lourdes Balabuch
 
O silêncio é de ouro e a palavra é de prata considerações ...
O silêncio é de ouro e a palavra é de prata   considerações ...O silêncio é de ouro e a palavra é de prata   considerações ...
O silêncio é de ouro e a palavra é de prata considerações ...
Clóvis Gualberto
 
Roteiros para o ensino e a pesquisa de gêneros textuais e hipertextuais
Roteiros para o ensino e a pesquisa de gêneros textuais e hipertextuaisRoteiros para o ensino e a pesquisa de gêneros textuais e hipertextuais
Roteiros para o ensino e a pesquisa de gêneros textuais e hipertextuais
Thiago Eugênio Loredo Betta
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagem
Kelly Moraes
 

Semelhante a Aula fala e escrita (cap. 1) (20)

Estudos da linguagem
Estudos da linguagemEstudos da linguagem
Estudos da linguagem
 
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguas
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguasNovos letramentos e planejamento de cursos de línguas
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguas
 
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
 
Lingua em uso linguagem e lingua
Lingua em uso   linguagem e linguaLingua em uso   linguagem e lingua
Lingua em uso linguagem e lingua
 
Aula AD.pptx
Aula AD.pptxAula AD.pptx
Aula AD.pptx
 
PORTUGUÊS EAD 1.pdf
PORTUGUÊS EAD 1.pdfPORTUGUÊS EAD 1.pdf
PORTUGUÊS EAD 1.pdf
 
Lpt2 2 alunos_texto_nocoes_generotextual
Lpt2 2 alunos_texto_nocoes_generotextualLpt2 2 alunos_texto_nocoes_generotextual
Lpt2 2 alunos_texto_nocoes_generotextual
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
Metodologia
Metodologia Metodologia
Metodologia
 
Apresentação intérprete educacional
Apresentação intérprete educacionalApresentação intérprete educacional
Apresentação intérprete educacional
 
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEsquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
 
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
3 circulación de saberes sobre enseñanza en propuestas curriculares
 
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
 
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
 
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
 
Novos letramentos e cosmopolitismo na formação de professores
Novos letramentos e cosmopolitismo na formação de professoresNovos letramentos e cosmopolitismo na formação de professores
Novos letramentos e cosmopolitismo na formação de professores
 
O silêncio é de ouro e a palavra é de prata considerações ...
O silêncio é de ouro e a palavra é de prata   considerações ...O silêncio é de ouro e a palavra é de prata   considerações ...
O silêncio é de ouro e a palavra é de prata considerações ...
 
Roteiros para o ensino e a pesquisa de gêneros textuais e hipertextuais
Roteiros para o ensino e a pesquisa de gêneros textuais e hipertextuaisRoteiros para o ensino e a pesquisa de gêneros textuais e hipertextuais
Roteiros para o ensino e a pesquisa de gêneros textuais e hipertextuais
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagem
 

Mais de Naysa Taboada

Fc
FcFc
1º encontro apresentação
1º encontro   apresentação1º encontro   apresentação
1º encontro apresentação
Naysa Taboada
 
1º encontro apresentação 28-11-17
1º encontro   apresentação 28-11-171º encontro   apresentação 28-11-17
1º encontro apresentação 28-11-17
Naysa Taboada
 
Simulado tema específico
Simulado tema específicoSimulado tema específico
Simulado tema específico
Naysa Taboada
 
Alfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadottiAlfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadotti
Naysa Taboada
 
Alfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptgAlfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptg
Naysa Taboada
 
Alfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadottiAlfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadotti
Naysa Taboada
 
Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?
Naysa Taboada
 
Associacionismo
AssociacionismoAssociacionismo
Associacionismo
Naysa Taboada
 
Questões norteadoras
Questões norteadorasQuestões norteadoras
Questões norteadoras
Naysa Taboada
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Naysa Taboada
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Naysa Taboada
 
24 de novembro
24 de novembro24 de novembro
24 de novembro
Naysa Taboada
 
Alinhamento 1 ao 5 ano
Alinhamento   1 ao 5 anoAlinhamento   1 ao 5 ano
Alinhamento 1 ao 5 ano
Naysa Taboada
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
Naysa Taboada
 
Conteúdos de ensino
Conteúdos de ensinoConteúdos de ensino
Conteúdos de ensino
Naysa Taboada
 
Pnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembroPnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembro
Naysa Taboada
 
Pnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubroPnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubro
Naysa Taboada
 
Pnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubroPnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubro
Naysa Taboada
 
Pnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontroPnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontro
Naysa Taboada
 

Mais de Naysa Taboada (20)

Fc
FcFc
Fc
 
1º encontro apresentação
1º encontro   apresentação1º encontro   apresentação
1º encontro apresentação
 
1º encontro apresentação 28-11-17
1º encontro   apresentação 28-11-171º encontro   apresentação 28-11-17
1º encontro apresentação 28-11-17
 
Simulado tema específico
Simulado tema específicoSimulado tema específico
Simulado tema específico
 
Alfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadottiAlfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadotti
 
Alfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptgAlfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptg
 
Alfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadottiAlfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadotti
 
Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?
 
Associacionismo
AssociacionismoAssociacionismo
Associacionismo
 
Questões norteadoras
Questões norteadorasQuestões norteadoras
Questões norteadoras
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
 
24 de novembro
24 de novembro24 de novembro
24 de novembro
 
Alinhamento 1 ao 5 ano
Alinhamento   1 ao 5 anoAlinhamento   1 ao 5 ano
Alinhamento 1 ao 5 ano
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Conteúdos de ensino
Conteúdos de ensinoConteúdos de ensino
Conteúdos de ensino
 
Pnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembroPnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembro
 
Pnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubroPnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubro
 
Pnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubroPnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubro
 
Pnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontroPnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontro
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 

Aula fala e escrita (cap. 1)

  • 1. Narrativas de aprendizado: Atenção ao ED; Aulas interativas; Ler mais sobre os conteúdos; Ir além da faculdade; Problemas pessoais; Maior dedicação; Ser mais participativo; Desentendimentos (aluno/aluno/professor); Retomando a aula anterior...Retomando a aula anterior...
  • 2. Ser mais participativo; Desentendimentos (aluno/aluno/professor); Trabalhos em grupo; Mais atenção nas aulas; Frequência;  Boas lembranças;  Satisfação em cursar o ensino superior;  Novos aprendizados;  Trabalhos em grupo;  Aproximação com os colegas;  União da turma e confraternizações.
  • 3. Fala e Escrita: Náysa Taboada PEDAGOGIA Princípios Gerais
  • 4. Conhecimentos Prévios... FALA É a expressão, é natural, por meio da interação com as pessoas; Som, Manifestação oral dos pensamentos, sentimentos e desejos; Se caracteriza por tudo que ouvimos; Se dá pelo meio em que vivemos; Se aprende no dia a dia; Meio de comunicação humana.
  • 5. É formal; Padronizado; Ortografia; Continuação da fala; Caraterizada pela cultura, subjetividade e meio social; Documenta a linguagem expressa pela fala;
  • 6. Relação fala e escrita: • Andam juntas como ler e escrever; • Não escrevemos como falamos; • Quanto mais se lê, melhor a fala e a escrita; • Andam juntas, porém com características singulares; • É como um casamento; • Diversidade regional; • Se fala bem, escreve bem e vice-versa; • Primeiro veio a fala e depois a escrita;
  • 7. Fala e Escrita: Alex Caldas Simões Náysa Taboada PEDAGOGIA Princípios Gerais
  • 8. OBJETIVO • Investigar os princípios gerais da relação fala e escrita.
  • 9. REFERENCIAL TEÓRICO BÁSICO MARCUSCHI, L; DIONÍZIO, A. P. Princípios gerais para o tratamento das relações entre a fala e a escrita. In: MARCUSCHI, L; DIONÍZIO, A. P. (org). Fala e escrita. Ed. 1. 1ª Reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 13-30.
  • 10. Justificativa Por que é importante saber o que é fala e o que é escrita? •Esses conceitos são a base do ensino aprendizado de leitura e escrita.
  • 11. METODOLOGIA 1) Apresentação da aula; 2) As relações entre fala e escrita. 3) Vídeo 4) Estudo dirigido do texto 5) Discussões
  • 12. “Mais do que um simples instrumento, a língua é uma prática social que produz e organiza as formas de vida, as formas de ação e as formas de conhecimento.” O que é a Língua? (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 14) Como se apresenta a língua?
  • 13. Textos Orais Escritos “[...] com a presença de semiologias de outras áreas, como a gestualidade e o olhar, na fala, ou elementos pictóricos e gráficos, na escrita.” Modalidade Modalidade (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 14)
  • 14. A língua tem como características: • É universal • É histórica • É situada “[…] todos os povos têm uma língua e com ela referem, significam, agem, contextualizam, expressam suas ideias, etc.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 26). “[…] cada uma é histórica e tem surgimento no tempo” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 26). “[…] todo texto é produzido por alguém situado em algum contexto, e toda produção discursiva é localizada. (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 26).
  • 15. O que mais fazemos? Falar? Escrever? Quem tem mais prestígio? + olhar + gestos Etc… + gráficos + imagens Etc.
  • 16. Falamos mais do que escrevemos. “Portanto, mesmo vivendo numa sociedade em que a escrita entrou de forma bastante generalizada, continuamos falando mais do que escrevendo.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 13-14)
  • 17. “Basta observar nossa vida diária desde que acordamos até o final do dia para constatar que falamos com nossos familiares, amigos ou desconhecidos, contamos histórias, piadas, telefonamos, comentamos notícias, fofocamos, cantamos e, eventualmente, organizamos listas de compras, escrevemos bilhetes e cartas, fazemos anotações, redigimos atas de reuniões de condomínio, preenchemos formulários e assim por diante.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 13-14)
  • 18. A relação fala e escrita “Defendemos, tal como proposto pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), a necessidade de estudar as questões relacionadas à oralidade como um ponto de partida para entender o funcionamento da escrita.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 14). Tese de Marcuschi
  • 19. Como explicar esses fenômenos?
  • 22. Como explicar esses fenômenos?
  • 23. “[...] sobretudo no período inicial da alfabetização, já que a fala tem modos próprios de organizar, desenvolver e manter as atividades discursivas.” A fala influencia a escrita (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 15) Resposta:
  • 24. (KOCH; ELIAS, 2011, p. 24) Influência da fala na escrita
  • 25. Influência da fala na escrita Bate-papo
  • 26. “[…] os bate-papos que são diálogos por escrito e tem características de simutaneidade temporal na produção. Essa questão acarreta várias consequencias nos processos de textualização, que se aproximam da fala.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 23)
  • 27. Ou seja… • A escrita é simultanea como a fala. Escreve-se logo. Revisa-se pouco. • Há sinais de interação (vistos, enviado, chegou), como os gestos na fala. • Há balões indicando movimento. LEMBRE-SE: O texto não está mal escrito. Ele apenas se aproxima da fala.
  • 28. Nova forma de interação Mescla-se três sistemas: o sistema ideográfico (pictogramas e ideogramas), o sistema silábico e o sistema alfabético. (COSTA, 2009, p. 62-67) Há uma escrita oralizada ou falar-escrito. Características (gerais): abreviada/contraída, sem separação entre as palavras (como na escrita inicial), abreviação fonética (vc, tv, tb), entonacional (uso de muitos sinais de pontuação, caixa alta, alongamentos), uso de recursos icônicos (emoticons, risadas), grafismos (*__*), etc.
  • 29. A escrita na internet
  • 30. “Todas essas características constituem um novo código (sistema de escrita e de escritura) discursivo criado pelos internautas. São formas de escrita e escrituras híbridas escripturais (desenhos, scripts), logográficas, topogrâmicas, alfabéticas..., com uma nova sintaxe e novo ritmo “conversacional”, com novas formatações linguístico- rituais, com novos parâmetros espaço-tipográficos.” (COSTA, 2009, p. 66 – verbete Chat)
  • 31. O estudo sistemático da relação oralidade e escrita é recente Ainda assim… (Cf. MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, [p. 24]) 1980 “[…] até a década de 80 do século XX, poucos se dedicavam aos estudos das relações entre a fala e a escrita” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 24) Ou se estudava a escrita ou a fala.(Cf. MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, [p. 23-24])
  • 32. 1980 --------------- atual + Estudos da relação fala e escrita -- Estudos da relação fala e escrita “De uns tempos para cá, os linguistas resolveram tratar do tema de modo crescente, após um longo período de estagnação dos estudos sobre a fala.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 24)
  • 33. O ensino hoje mudou… Antes dava-se atenção aos aspectos formais da língua, “[…] tais como regras e normas da língua, acentuando um ensino metalinguístico da língua.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 16)
  • 34. “Hoje, há uma grande sensibilidade para os usos da língua. O ensino volta- se para a produção textual e para a compreensão tendo em vista os gêneros textuais e as modalidades de uso da língua e seu funcionamento.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 16)
  • 35. O que podemos dizer sobre a fala e a escrita?
  • 36. A Fala é o som A escrita é a grafia Essa resposta é simplista demais… A única dicotomia válida, quanto ao meio:
  • 37. São mitos: FALA ESCRITA Varia É homogenea É instável É estável É informal É formal (Cf. MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, [p. 25]) “Hoje ninguém mais aceita essa divisão estreita porque uma simples análise da produção textual escrita desmente isso.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 25)
  • 38. A FALA varia: “[…] a variação linguística é normal, natural e comum em todas as línguas, pois todas as línguas variam, não devemos estranhar as diferenças existentes entre os falantes do português nas diversas regiões do Brasil.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 15)
  • 39. A variação linguística na fala Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=Vp0pMLsTSk0
  • 40. A Escrita tb varia: A escrita não varia tanto, mas também varia, “[…] dado que a escrita tem normas e padrões ditados pelas academias.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 15) “ Mas isso não significa que não haja variação nos modos de escrever. Sabemos que essa variação existe […]”
  • 42. Algumas características do Português Brasileiro (PB) Variedades (BAGNO, 2011, p. 986) Norma-padrão Eu falo Tu falas Ele fala Nós falamos Vós falais Eles falam Norma culta (PB) Eu falo / Tu falas / tu fala / você fala Ele fala Nós falamos / a gente fala Vocês falam Eles falam
  • 43. “Nossa intenção é mostrar que os usos da língua são variados, ricos e podem ser muito criativos. Isso não equivale, no entanto, a defender um vale- tudo, pois a variação tem um limite que não pode ser ignorado.” (MARCUSCHI; DIONÍSIO, 2007, p. 16). Há regras até para a variação…
  • 44. Por que existe a variação? Texto Mollica
  • 45. ALKMIM, T. M. Sociolingüística (parte 1). In: MUSSALIM, F. BENTES, A. C. Introdução à sociolingüística: domínios e fronteiras. Vol. 01. São Paulo: Contexto, 2001. p. 21-47. CAMACHO, R. G. Sociolingüística (parte 2). In: MUSSALIM, F. BENTES, A. C. Introdução à sociolingüística: domínios e fronteiras. Vol. 01. São Paulo: Contexto, 2001. p. 50-75. MATZENAUER, C. L. Introdução à teoria fonológica. In: BISOL, L. (Org.). Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. 4°Ed. Rev. e Ampl. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005. p. 11-13. SILVA, V. L. P. da. Relevância das variáveis lingüísticas. In: MOLLICA, M.C.; BRAGA, M. L. (Orgs.). Introdução à sociolingüística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2003. p. 67-71. MOLLICA, M. C. Relevância das variáveis não lingüísticas. In: MOLLICA, M.C.; BRAGA, M. L. (Orgs.). Introdução à sociolingüística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2003. p. 23-31.