SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Atividade Orientada
Analisar o plano de aula a partir das seguintes questões:
• Os conteúdos selecionados vão ao encontro dos objetivos
propostos?
• A metodologiaconverge com o objetivado?
• Os recursos selecionadoscontribuem para o alcance dos
objetivos?
• O que você achou da quantidade de aulas destinadas a este
trabalho?
Fazer os registros no próprio caderno.
Plano de Aula
Estudo e produção de texto combase no gênero 'causo'
Fonte: Nova Escola
Disponível em : http://www.gentequeeduca.org.br/planos-de-aula/estudo-e-producao-de-
texto-com-base-no-genero-causo
Objetivo(s)
 Estudar o gênero causo e suas características;
 Diferenciar a linguagem oral da escrita, reconhecendo o valor de ambas;
 Aprender a passar causo do oral para o escrito, conservando suas características.
Conteúdo(s)
 Retextualização.
 Gênero causo.
Ano(s)
4º
5º
Tempo estimado
20 aulas.
Material necessário
2
Cartolinas, livro Alexandre e Outros Heróis (Graciliano Ramos, 206 págs., Ed. Record, tel. 21/2585-
2000, 23,90 reais), computador com acesso à internet e gravador.
Desenvolvimento
1ª etapa
Pergunte aos alunos se eles já ouviram algum causo, conhecem pessoas que contam causos e
compartilhe a informação de que esse será o gênero estudado a partir de agora. Explique que se trata
de uma forma particular de contar histórias típicas do interior, que não são, necessariamente
verdadeiras. Se alguma criança se lembrar de algum causo, peça que conte aos colegas.
2ª etapa
Convide a turma para assistir um causo O Lenhador - contado por Rolando Boldrin. Disponível em
http://www.gentequeeduca.org.br/planos-de-aula/estudo-e-producao-de-texto-com-base-no-genero-
causo. Discuta de que se trata o causo, como é a linguagem usada pelo contador e como seria o
causo se ele fosse contado com a norma culta da língua. O sentido seria o mesmo? Despertaria risos
e gargalhadas da plateia, como as mostradas no vídeo?
3ª etapa
Apresente o livro Alexandre e Outros Heróis para a criançada. Explique que os causos ali
apresentados, parte do folclore nordestino, foram escritos por Graciliano Ramos, um importante
escritor brasileiro. Leia o primeiro capítulo do livro - Primeira Aventura de Alexandre - em voz alta
para a turma. É interessante que as crianças tenham o texto em mãos para acompanharem a leitura.
Ao término da leitura converse sobre a escrita do causo, comparando-a com o vídeo assistido.
Levante as seguintes questões:
 Podemos escrever um causo da mesma maneira que falamos?
 O que é necessário conhecer, antes de escrever um causo?
 Que características o texto lido tem que ajudam o leitor entender melhor a história?
 Quais recursos o autor usa para deixar o texto com características de um causo?
Registre as descobertas em um cartaz que possa ser consultado posteriormente.
4ª etapa
Apresente aos alunos o causo A Mulher do Boticário, contado por Rolando Boldrin. Explique às
crianças que a tarefa agora é, coletivamente, passar o causo do oral para o escrito e que esse processo
tem o nome de retextualização. Para isso, em primeiro lugar, é necessário ter o causo de Boldrin
transcrito na íntegra. Para que os alunos conheçam como é feito o processo de transcrição e as
características do material, transcreva os primeiros minutos do vídeo no quadro, destacando a
importância de ser fiel à fala do narrador e também de indicar as pausas (com reticências), os
3
marcadores de fala (como né, olha e daí) e a entonação (com pontos de exclamação e interrogação).
Peça que a turma transcreva um pequeno trecho seguinte para conhecer como se dá o processo.
Depois, distribua cópias da transcrição completa e exponha o mesmo texto no quadro.
5ª etapa
Para prosseguir com o processo de retextualização, ensine aos estudantes o que fazer com o material
transcrito. Primeiro, é necessário analisá-lo. Existem muitos termos informais e marcadores de fala?
Há vários termos repetidos? Quais? As conjugações verbais são adequadas aos sujeitos das orações?
Peça que as crianças identifiquem essas características fazendo marcações na transcrição utilizando
canetas coloridas.
6ª etapa
Agora é hora de a garotada tomar algumas decisões com base nas marcações anteriores para
retextualizar, de fato, o causo. Os termos repetidos serão eliminados ou eles são importantes para
manter as características do causo em questão? É preciso reordenar os parágrafos para que a
produção fique coerente? Quais marcas de oralidade devem ser mantidas? O causo será escrito com
o mesmo narrador utilizado pelo contador do causo?
7ª etapa
Com base na transcrição exibida no quadro, comece a reescrita do causo. Você será o escriba: peça
que os alunos orientem o que você deve fazer. Esclareça que nesse processo, é importante consultar
o texto transcrito e as marcas feitas constantemente, ler e reler o material que está sendo escrito, ir e
vir várias vezes, reescrever o que for necessário, inserir e retirar palavras para garantir qualidade ao
material. Encerrada a tarefa, leia o causo em voz alta e peça que a turma analise o resultado,
comparando-o com o causo do vídeo.
8ª etapa
Organize a classe em trios ou quartetos e selecione um causo para cada um. Explique que a tarefa é
retextualizar outros causos. Para selecionar o material a distribuir, você deve buscar outros causos na
internet, contados por Boldrin ou por outros contadores, como Almir Sater, que narra A
Lenda em https://www.youtube.com/watch?v=jNJJZXodjtU.
Antes de distribuir o material para os alunos, assista aos vídeos previamente para garantir que o
conteúdo é adequado à idade da turma. Providencie cópias da transcrição completa para que os trios
ou quartetos não percam tempo com essa etapa. Durante a retextualização, é importante circular pela
sala, fazendo algumas intervenções diretas e anotando os aspectos que deverão ser retomados.
Encerrada a análise da transcrição e iniciada a revisão, interrompa o trabalho e recolha as produções.
9ª etapa
4
Analise as produções dos trios ou quartetos e escolha uma delas que apresente os erros mais comuns
cometidos pelos alunos para apresentá-lo no quadro e promover uma discussão com toda a turma.
Converse sobre a importância dos sinais de pontuação, o tempo verbal, as marcas da oralidade, as
repetições de palavras (oriente para as substituições pronominais e lexicais) e também sobre as
marcas de oralidade mantidas.
10ª etapa
Devolva as produções dos trios ou quartetos com bilhetes, trecho a trecho, se necessário, para que os
estudantes voltem a trabalhar no material, a fim de melhorá-lo. Lembre-se de fazer anotações que
instiguem e direcionem a turma. Evite deixar marcações diretivas ou correções explícitas.
11ª etapa
A próxima etapa de revisão de cada causo não será feita por nenhum integrante do trio ou do
quarteto e sim por colegas de outros grupos. Esse distanciamento do texto (e a consequente
proximidade com o texto de outra pessoa) é valioso para que as crianças pensem sobre diferentes
formas de escrever, conheçam novos recursos, se deparem com outros problemas e tenham de
resolvê-los. Encerrada essa etapa, providencie a devolução do material para os grupos e peça que
eles finalizem a retextualização. Recolha os causos e analise o material.
Avaliação
Como tarefa de casa, peça que as crianças procurem entre os familiares e conhecidos, alguém que
conheça um bom causo para contar para a turma e que possa ir até à escola narrar a história. A tarefa
da classe será retextualizar o causo coletivamente. Oriente a turma a organizar a gravação do causo e
discuta com a sala a importância desse procedimento e os perigos de confiar a tarefa à memória.
Características importantes podem ser perdidos, tal como a variação na entonação da fala do
narrador e detalhes sobre o causo. Encerrada a apresentação do causo, oriente todo o processo de
retextualização. Para que a garotada não perca tempo com o processo de transcrição, lembre-se de
entregá-la pronta ao grupo.
Durante o processo de retextualização, observe a linguagem utilizada no texto, os aspectos
discutidos nas revisões, os avanços que os alunos tiveram na escrita, estruturação e pontuação.
Analise também como a turma se apropriou dos elementos típicos do gênero causo e se lançou mão
deles com pertinência.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Descritores de Língua Portuguesa
Descritores de Língua PortuguesaDescritores de Língua Portuguesa
Descritores de Língua Portuguesa
Edileusa Camargo
 
Plano de aula 2º ano b
Plano de aula   2º ano bPlano de aula   2º ano b
Plano de aula 2º ano b
André Moraes
 
Autobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textualAutobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textual
Maria Cecilia Silva
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textual
Luis Carlos Santos
 
Plano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência Visual
Plano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência VisualPlano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência Visual
Plano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência Visual
Carla Cristina Alves
 
Formulários de avaliação diagnóstica de 1º ao 9ª ano língua portuguesa e mate...
Formulários de avaliação diagnóstica de 1º ao 9ª ano língua portuguesa e mate...Formulários de avaliação diagnóstica de 1º ao 9ª ano língua portuguesa e mate...
Formulários de avaliação diagnóstica de 1º ao 9ª ano língua portuguesa e mate...
Adilson P Motta Motta
 
Proposta de atividade do conto terror oficia
Proposta de atividade do conto terror  oficiaProposta de atividade do conto terror  oficia
Proposta de atividade do conto terror oficia
Janete Garcia de Freitas
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
Roseanne Funchal Olivieira
 
Sequência Didática ÁGUA
Sequência Didática   ÁGUASequência Didática   ÁGUA
Sequência Didática ÁGUA
CristhianeGuimaraes
 
Sugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidadeSugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidade
Dyone Andrade
 
Resenha.
Resenha.Resenha.
Resenha.
Renally Arruda
 
Planejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docx
Planejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docxPlanejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docx
Planejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docx
Josenito Silva Santana
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Fernanda Tulio
 
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emíliaHipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
profeannecunha
 
Gênero notícia
Gênero notíciaGênero notícia
Gênero notícia
Joyce Micielle
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
bubble13
 
Plano de Aula - Língua portuguesa
Plano de Aula - Língua portuguesaPlano de Aula - Língua portuguesa
Plano de Aula - Língua portuguesa
AlineVohlbrechtSouza
 
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
jose ebner
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC (EM13LGG101)
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC  (EM13LGG101) LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC  (EM13LGG101)
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC (EM13LGG101)
GoisBemnoEnem
 
Ler e escrever coletânea de atividades 2º ano
Ler e escrever   coletânea de atividades 2º anoLer e escrever   coletânea de atividades 2º ano
Ler e escrever coletânea de atividades 2º ano
Marly Freitas
 

Mais procurados (20)

Descritores de Língua Portuguesa
Descritores de Língua PortuguesaDescritores de Língua Portuguesa
Descritores de Língua Portuguesa
 
Plano de aula 2º ano b
Plano de aula   2º ano bPlano de aula   2º ano b
Plano de aula 2º ano b
 
Autobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textualAutobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textual
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textual
 
Plano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência Visual
Plano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência VisualPlano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência Visual
Plano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência Visual
 
Formulários de avaliação diagnóstica de 1º ao 9ª ano língua portuguesa e mate...
Formulários de avaliação diagnóstica de 1º ao 9ª ano língua portuguesa e mate...Formulários de avaliação diagnóstica de 1º ao 9ª ano língua portuguesa e mate...
Formulários de avaliação diagnóstica de 1º ao 9ª ano língua portuguesa e mate...
 
Proposta de atividade do conto terror oficia
Proposta de atividade do conto terror  oficiaProposta de atividade do conto terror  oficia
Proposta de atividade do conto terror oficia
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 
Sequência Didática ÁGUA
Sequência Didática   ÁGUASequência Didática   ÁGUA
Sequência Didática ÁGUA
 
Sugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidadeSugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidade
 
Resenha.
Resenha.Resenha.
Resenha.
 
Planejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docx
Planejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docxPlanejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docx
Planejamento ii bimestre do 6º ano a e b.docx
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emíliaHipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
Hipóteses da psicogênese da língua escrita segundo emília
 
Gênero notícia
Gênero notíciaGênero notícia
Gênero notícia
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
Plano de Aula - Língua portuguesa
Plano de Aula - Língua portuguesaPlano de Aula - Língua portuguesa
Plano de Aula - Língua portuguesa
 
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC (EM13LGG101)
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC  (EM13LGG101) LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC  (EM13LGG101)
LÍNGUA PORTUGUESA | 1ª SÉRIE | HABILIDADE BNCC (EM13LGG101)
 
Ler e escrever coletânea de atividades 2º ano
Ler e escrever   coletânea de atividades 2º anoLer e escrever   coletânea de atividades 2º ano
Ler e escrever coletânea de atividades 2º ano
 

Destaque

Livros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileiraLivros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileira
Thalita Dias
 
Infância
InfânciaInfância
Infância
colegio elite
 
Cronista: Fernando Sabino 9º ano C
Cronista: Fernando Sabino  9º ano CCronista: Fernando Sabino  9º ano C
Cronista: Fernando Sabino 9º ano C
josealvesferreira
 
Biografia de Fernando Sabino
Biografia de Fernando SabinoBiografia de Fernando Sabino
Biografia de Fernando Sabino
Fernandabiiiia
 
A piscina Fernando Sabino
A piscina Fernando SabinoA piscina Fernando Sabino
A piscina Fernando Sabino
Rosemeire Silva
 
Caracterização 2 anos
Caracterização 2 anosCaracterização 2 anos
Caracterização 2 anos
catarina leal
 
Identidade e autonomia com brincantigas e histórias - Projeto maternal - 1º ...
Identidade e autonomia com brincantigas e histórias -  Projeto maternal - 1º ...Identidade e autonomia com brincantigas e histórias -  Projeto maternal - 1º ...
Identidade e autonomia com brincantigas e histórias - Projeto maternal - 1º ...
Claudinéia Barbosa
 
Atividades lúdicas com crianças de 2 a 4 anos
Atividades lúdicas com crianças de 2 a 4 anosAtividades lúdicas com crianças de 2 a 4 anos
Atividades lúdicas com crianças de 2 a 4 anos
Arlete Laenzlinger
 
Projeto Dengue
Projeto Dengue Projeto Dengue

Destaque (9)

Livros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileiraLivros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileira
 
Infância
InfânciaInfância
Infância
 
Cronista: Fernando Sabino 9º ano C
Cronista: Fernando Sabino  9º ano CCronista: Fernando Sabino  9º ano C
Cronista: Fernando Sabino 9º ano C
 
Biografia de Fernando Sabino
Biografia de Fernando SabinoBiografia de Fernando Sabino
Biografia de Fernando Sabino
 
A piscina Fernando Sabino
A piscina Fernando SabinoA piscina Fernando Sabino
A piscina Fernando Sabino
 
Caracterização 2 anos
Caracterização 2 anosCaracterização 2 anos
Caracterização 2 anos
 
Identidade e autonomia com brincantigas e histórias - Projeto maternal - 1º ...
Identidade e autonomia com brincantigas e histórias -  Projeto maternal - 1º ...Identidade e autonomia com brincantigas e histórias -  Projeto maternal - 1º ...
Identidade e autonomia com brincantigas e histórias - Projeto maternal - 1º ...
 
Atividades lúdicas com crianças de 2 a 4 anos
Atividades lúdicas com crianças de 2 a 4 anosAtividades lúdicas com crianças de 2 a 4 anos
Atividades lúdicas com crianças de 2 a 4 anos
 
Projeto Dengue
Projeto Dengue Projeto Dengue
Projeto Dengue
 

Semelhante a Plano de aula

Reescrita de fabula
Reescrita de fabulaReescrita de fabula
Reescrita de fabula
catarinalimabarreto
 
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13marOT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
Claudia Elisabete Silva
 
Reconto de histórias conhecidass
Reconto de histórias conhecidassReconto de histórias conhecidass
Reconto de histórias conhecidass
Cláudia Cacal
 
Situacao aprendizagem
Situacao aprendizagemSituacao aprendizagem
Situacao aprendizagem
atletadafe
 
Situaodeaprendizagemtexto avestruz-
Situaodeaprendizagemtexto avestruz-Situaodeaprendizagemtexto avestruz-
Situaodeaprendizagemtexto avestruz-
Maria Roseli Langoni Rodrigues
 
Atividades de leitura com parlendas e trava
Atividades de leitura com parlendas e travaAtividades de leitura com parlendas e trava
Atividades de leitura com parlendas e trava
Debora Iarossi
 
Ortografia para o 3º bimestre 2012
Ortografia para o 3º bimestre 2012Ortografia para o 3º bimestre 2012
Ortografia para o 3º bimestre 2012
Nana Alves
 
Slide1 modulo3
Slide1 modulo3Slide1 modulo3
Slide1 modulo3
folilim
 
Atividade de trava lingua
Atividade de trava linguaAtividade de trava lingua
Atividade de trava lingua
Gi Olli
 
Ensinando a ler com compreensão nas aulas de História
Ensinando a ler com compreensão nas aulas de HistóriaEnsinando a ler com compreensão nas aulas de História
Ensinando a ler com compreensão nas aulas de História
Jana Bento
 
Plano de aula pronto
Plano de aula prontoPlano de aula pronto
Plano de aula pronto
Marina Panciarelli
 
Sa curso presencial melhorada 3 valq
Sa curso presencial melhorada 3 valqSa curso presencial melhorada 3 valq
Sa curso presencial melhorada 3 valq
Murilo Lopes
 
Sa curso presencial melhorada 3 valq
Sa curso presencial melhorada 3 valqSa curso presencial melhorada 3 valq
Sa curso presencial melhorada 3 valq
Murilo Lopes
 
Situação de aprendizagem texto avestruz
Situação de aprendizagem texto   avestruzSituação de aprendizagem texto   avestruz
Situação de aprendizagem texto avestruz
SUELI_MITIE
 
Upgrade 1 curso regular
Upgrade 1 curso regularUpgrade 1 curso regular
Upgrade 1 curso regular
Editora Moderna
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
Verônica Boaventura
 
Oficina alfabetizacao
Oficina alfabetizacaoOficina alfabetizacao
Oficina alfabetizacao
pipatcleopoldina
 
A sequência didática
A sequência didáticaA sequência didática
A sequência didática
Iara Araujo
 
Plano de aula de educação fundamental
Plano de aula de educação fundamentalPlano de aula de educação fundamental
Plano de aula de educação fundamental
MargareteOliveira
 
Medoliques
MedoliquesMedoliques

Semelhante a Plano de aula (20)

Reescrita de fabula
Reescrita de fabulaReescrita de fabula
Reescrita de fabula
 
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13marOT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
 
Reconto de histórias conhecidass
Reconto de histórias conhecidassReconto de histórias conhecidass
Reconto de histórias conhecidass
 
Situacao aprendizagem
Situacao aprendizagemSituacao aprendizagem
Situacao aprendizagem
 
Situaodeaprendizagemtexto avestruz-
Situaodeaprendizagemtexto avestruz-Situaodeaprendizagemtexto avestruz-
Situaodeaprendizagemtexto avestruz-
 
Atividades de leitura com parlendas e trava
Atividades de leitura com parlendas e travaAtividades de leitura com parlendas e trava
Atividades de leitura com parlendas e trava
 
Ortografia para o 3º bimestre 2012
Ortografia para o 3º bimestre 2012Ortografia para o 3º bimestre 2012
Ortografia para o 3º bimestre 2012
 
Slide1 modulo3
Slide1 modulo3Slide1 modulo3
Slide1 modulo3
 
Atividade de trava lingua
Atividade de trava linguaAtividade de trava lingua
Atividade de trava lingua
 
Ensinando a ler com compreensão nas aulas de História
Ensinando a ler com compreensão nas aulas de HistóriaEnsinando a ler com compreensão nas aulas de História
Ensinando a ler com compreensão nas aulas de História
 
Plano de aula pronto
Plano de aula prontoPlano de aula pronto
Plano de aula pronto
 
Sa curso presencial melhorada 3 valq
Sa curso presencial melhorada 3 valqSa curso presencial melhorada 3 valq
Sa curso presencial melhorada 3 valq
 
Sa curso presencial melhorada 3 valq
Sa curso presencial melhorada 3 valqSa curso presencial melhorada 3 valq
Sa curso presencial melhorada 3 valq
 
Situação de aprendizagem texto avestruz
Situação de aprendizagem texto   avestruzSituação de aprendizagem texto   avestruz
Situação de aprendizagem texto avestruz
 
Upgrade 1 curso regular
Upgrade 1 curso regularUpgrade 1 curso regular
Upgrade 1 curso regular
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Oficina alfabetizacao
Oficina alfabetizacaoOficina alfabetizacao
Oficina alfabetizacao
 
A sequência didática
A sequência didáticaA sequência didática
A sequência didática
 
Plano de aula de educação fundamental
Plano de aula de educação fundamentalPlano de aula de educação fundamental
Plano de aula de educação fundamental
 
Medoliques
MedoliquesMedoliques
Medoliques
 

Mais de Naysa Taboada

Fc
FcFc
1º encontro apresentação
1º encontro   apresentação1º encontro   apresentação
1º encontro apresentação
Naysa Taboada
 
1º encontro apresentação 28-11-17
1º encontro   apresentação 28-11-171º encontro   apresentação 28-11-17
1º encontro apresentação 28-11-17
Naysa Taboada
 
Simulado tema específico
Simulado tema específicoSimulado tema específico
Simulado tema específico
Naysa Taboada
 
Alfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadottiAlfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadotti
Naysa Taboada
 
Alfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptgAlfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptg
Naysa Taboada
 
Alfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadottiAlfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadotti
Naysa Taboada
 
Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?
Naysa Taboada
 
Associacionismo
AssociacionismoAssociacionismo
Associacionismo
Naysa Taboada
 
Questões norteadoras
Questões norteadorasQuestões norteadoras
Questões norteadoras
Naysa Taboada
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Naysa Taboada
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Naysa Taboada
 
24 de novembro
24 de novembro24 de novembro
24 de novembro
Naysa Taboada
 
Alinhamento 1 ao 5 ano
Alinhamento   1 ao 5 anoAlinhamento   1 ao 5 ano
Alinhamento 1 ao 5 ano
Naysa Taboada
 
Conteúdos de ensino
Conteúdos de ensinoConteúdos de ensino
Conteúdos de ensino
Naysa Taboada
 
Pnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembroPnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembro
Naysa Taboada
 
Pnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubroPnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubro
Naysa Taboada
 
Pnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubroPnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubro
Naysa Taboada
 
Pnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontroPnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontro
Naysa Taboada
 
Abrindo caminho-de-ana-maria-machado
Abrindo caminho-de-ana-maria-machadoAbrindo caminho-de-ana-maria-machado
Abrindo caminho-de-ana-maria-machado
Naysa Taboada
 

Mais de Naysa Taboada (20)

Fc
FcFc
Fc
 
1º encontro apresentação
1º encontro   apresentação1º encontro   apresentação
1º encontro apresentação
 
1º encontro apresentação 28-11-17
1º encontro   apresentação 28-11-171º encontro   apresentação 28-11-17
1º encontro apresentação 28-11-17
 
Simulado tema específico
Simulado tema específicoSimulado tema específico
Simulado tema específico
 
Alfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadottiAlfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadotti
 
Alfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptgAlfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptg
 
Alfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadottiAlfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadotti
 
Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?
 
Associacionismo
AssociacionismoAssociacionismo
Associacionismo
 
Questões norteadoras
Questões norteadorasQuestões norteadoras
Questões norteadoras
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
 
24 de novembro
24 de novembro24 de novembro
24 de novembro
 
Alinhamento 1 ao 5 ano
Alinhamento   1 ao 5 anoAlinhamento   1 ao 5 ano
Alinhamento 1 ao 5 ano
 
Conteúdos de ensino
Conteúdos de ensinoConteúdos de ensino
Conteúdos de ensino
 
Pnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembroPnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembro
 
Pnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubroPnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubro
 
Pnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubroPnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubro
 
Pnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontroPnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontro
 
Abrindo caminho-de-ana-maria-machado
Abrindo caminho-de-ana-maria-machadoAbrindo caminho-de-ana-maria-machado
Abrindo caminho-de-ana-maria-machado
 

Último

O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 

Último (20)

O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 

Plano de aula

  • 1. 1 Atividade Orientada Analisar o plano de aula a partir das seguintes questões: • Os conteúdos selecionados vão ao encontro dos objetivos propostos? • A metodologiaconverge com o objetivado? • Os recursos selecionadoscontribuem para o alcance dos objetivos? • O que você achou da quantidade de aulas destinadas a este trabalho? Fazer os registros no próprio caderno. Plano de Aula Estudo e produção de texto combase no gênero 'causo' Fonte: Nova Escola Disponível em : http://www.gentequeeduca.org.br/planos-de-aula/estudo-e-producao-de- texto-com-base-no-genero-causo Objetivo(s)  Estudar o gênero causo e suas características;  Diferenciar a linguagem oral da escrita, reconhecendo o valor de ambas;  Aprender a passar causo do oral para o escrito, conservando suas características. Conteúdo(s)  Retextualização.  Gênero causo. Ano(s) 4º 5º Tempo estimado 20 aulas. Material necessário
  • 2. 2 Cartolinas, livro Alexandre e Outros Heróis (Graciliano Ramos, 206 págs., Ed. Record, tel. 21/2585- 2000, 23,90 reais), computador com acesso à internet e gravador. Desenvolvimento 1ª etapa Pergunte aos alunos se eles já ouviram algum causo, conhecem pessoas que contam causos e compartilhe a informação de que esse será o gênero estudado a partir de agora. Explique que se trata de uma forma particular de contar histórias típicas do interior, que não são, necessariamente verdadeiras. Se alguma criança se lembrar de algum causo, peça que conte aos colegas. 2ª etapa Convide a turma para assistir um causo O Lenhador - contado por Rolando Boldrin. Disponível em http://www.gentequeeduca.org.br/planos-de-aula/estudo-e-producao-de-texto-com-base-no-genero- causo. Discuta de que se trata o causo, como é a linguagem usada pelo contador e como seria o causo se ele fosse contado com a norma culta da língua. O sentido seria o mesmo? Despertaria risos e gargalhadas da plateia, como as mostradas no vídeo? 3ª etapa Apresente o livro Alexandre e Outros Heróis para a criançada. Explique que os causos ali apresentados, parte do folclore nordestino, foram escritos por Graciliano Ramos, um importante escritor brasileiro. Leia o primeiro capítulo do livro - Primeira Aventura de Alexandre - em voz alta para a turma. É interessante que as crianças tenham o texto em mãos para acompanharem a leitura. Ao término da leitura converse sobre a escrita do causo, comparando-a com o vídeo assistido. Levante as seguintes questões:  Podemos escrever um causo da mesma maneira que falamos?  O que é necessário conhecer, antes de escrever um causo?  Que características o texto lido tem que ajudam o leitor entender melhor a história?  Quais recursos o autor usa para deixar o texto com características de um causo? Registre as descobertas em um cartaz que possa ser consultado posteriormente. 4ª etapa Apresente aos alunos o causo A Mulher do Boticário, contado por Rolando Boldrin. Explique às crianças que a tarefa agora é, coletivamente, passar o causo do oral para o escrito e que esse processo tem o nome de retextualização. Para isso, em primeiro lugar, é necessário ter o causo de Boldrin transcrito na íntegra. Para que os alunos conheçam como é feito o processo de transcrição e as características do material, transcreva os primeiros minutos do vídeo no quadro, destacando a importância de ser fiel à fala do narrador e também de indicar as pausas (com reticências), os
  • 3. 3 marcadores de fala (como né, olha e daí) e a entonação (com pontos de exclamação e interrogação). Peça que a turma transcreva um pequeno trecho seguinte para conhecer como se dá o processo. Depois, distribua cópias da transcrição completa e exponha o mesmo texto no quadro. 5ª etapa Para prosseguir com o processo de retextualização, ensine aos estudantes o que fazer com o material transcrito. Primeiro, é necessário analisá-lo. Existem muitos termos informais e marcadores de fala? Há vários termos repetidos? Quais? As conjugações verbais são adequadas aos sujeitos das orações? Peça que as crianças identifiquem essas características fazendo marcações na transcrição utilizando canetas coloridas. 6ª etapa Agora é hora de a garotada tomar algumas decisões com base nas marcações anteriores para retextualizar, de fato, o causo. Os termos repetidos serão eliminados ou eles são importantes para manter as características do causo em questão? É preciso reordenar os parágrafos para que a produção fique coerente? Quais marcas de oralidade devem ser mantidas? O causo será escrito com o mesmo narrador utilizado pelo contador do causo? 7ª etapa Com base na transcrição exibida no quadro, comece a reescrita do causo. Você será o escriba: peça que os alunos orientem o que você deve fazer. Esclareça que nesse processo, é importante consultar o texto transcrito e as marcas feitas constantemente, ler e reler o material que está sendo escrito, ir e vir várias vezes, reescrever o que for necessário, inserir e retirar palavras para garantir qualidade ao material. Encerrada a tarefa, leia o causo em voz alta e peça que a turma analise o resultado, comparando-o com o causo do vídeo. 8ª etapa Organize a classe em trios ou quartetos e selecione um causo para cada um. Explique que a tarefa é retextualizar outros causos. Para selecionar o material a distribuir, você deve buscar outros causos na internet, contados por Boldrin ou por outros contadores, como Almir Sater, que narra A Lenda em https://www.youtube.com/watch?v=jNJJZXodjtU. Antes de distribuir o material para os alunos, assista aos vídeos previamente para garantir que o conteúdo é adequado à idade da turma. Providencie cópias da transcrição completa para que os trios ou quartetos não percam tempo com essa etapa. Durante a retextualização, é importante circular pela sala, fazendo algumas intervenções diretas e anotando os aspectos que deverão ser retomados. Encerrada a análise da transcrição e iniciada a revisão, interrompa o trabalho e recolha as produções. 9ª etapa
  • 4. 4 Analise as produções dos trios ou quartetos e escolha uma delas que apresente os erros mais comuns cometidos pelos alunos para apresentá-lo no quadro e promover uma discussão com toda a turma. Converse sobre a importância dos sinais de pontuação, o tempo verbal, as marcas da oralidade, as repetições de palavras (oriente para as substituições pronominais e lexicais) e também sobre as marcas de oralidade mantidas. 10ª etapa Devolva as produções dos trios ou quartetos com bilhetes, trecho a trecho, se necessário, para que os estudantes voltem a trabalhar no material, a fim de melhorá-lo. Lembre-se de fazer anotações que instiguem e direcionem a turma. Evite deixar marcações diretivas ou correções explícitas. 11ª etapa A próxima etapa de revisão de cada causo não será feita por nenhum integrante do trio ou do quarteto e sim por colegas de outros grupos. Esse distanciamento do texto (e a consequente proximidade com o texto de outra pessoa) é valioso para que as crianças pensem sobre diferentes formas de escrever, conheçam novos recursos, se deparem com outros problemas e tenham de resolvê-los. Encerrada essa etapa, providencie a devolução do material para os grupos e peça que eles finalizem a retextualização. Recolha os causos e analise o material. Avaliação Como tarefa de casa, peça que as crianças procurem entre os familiares e conhecidos, alguém que conheça um bom causo para contar para a turma e que possa ir até à escola narrar a história. A tarefa da classe será retextualizar o causo coletivamente. Oriente a turma a organizar a gravação do causo e discuta com a sala a importância desse procedimento e os perigos de confiar a tarefa à memória. Características importantes podem ser perdidos, tal como a variação na entonação da fala do narrador e detalhes sobre o causo. Encerrada a apresentação do causo, oriente todo o processo de retextualização. Para que a garotada não perca tempo com o processo de transcrição, lembre-se de entregá-la pronta ao grupo. Durante o processo de retextualização, observe a linguagem utilizada no texto, os aspectos discutidos nas revisões, os avanços que os alunos tiveram na escrita, estruturação e pontuação. Analise também como a turma se apropriou dos elementos típicos do gênero causo e se lançou mão deles com pertinência.