SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Professor Rômulo Viana
Compreensão e
Interpretação de Textos
Compreensão (Está no texto)
• Segundo o texto...
• Segundo o autor...
• O texto informa que...
• Explícito
Interpretação (Está além do texto)
• Depreende-se/inferese-se/conclui-se do texto
que...
• O texto permite deduzir que...
• É possível afirmar a partir do texto que...
• Implícito
As palavras podem assumir dois
sentidos
conotativo
• Sentido
figurado
• Metafórico
• Texto
literário
denotativo
• Significado
real
• Sentido de
dicionário
• Texto
científico
 a) Pré-compreensão: toda leitura supõe que o
leitor entre no texto já com conhecimentos prévios
sobre o assunto ou área específica.
 b) Compreensão: já com a pré-compreensão ao
entrar no texto, o leitor vai se deparar com
informações novas ou reconhecer as que já sabia. Por
meio da pré-compreensão o leitor “prende” a
informação nova com a dele e “agarra” (compreende)
a intencionalidade do texto. É costume dizer: “Eu
entendi, mas não compreendi”. Isso significa dizer
que quem leu entendeu o significado das palavras, a
explicação, mas não as justificativas ou o alcance
social do texto.
Como interpretar um texto?
 c) Interpretação: agora sim. A
interpretação é a resposta que você dará
ao texto, depois de compreendê-lo (sim, é
preciso “conversar” com o texto para
haver a interpretação de fato). É formada
então o que se chama “fusão de
horizontes”: o do texto e o do leitor. A
interpretação supõe um novo texto.
Significa abertura, o crescimento e a
ampliação para novos sentidos.
As várias possibilidades de leitura de um texto
• A recorrência de traços semânticos estabelece a leitura que deve
ser feita do texto. Essa leitura não provém de delírios
interpretativos do leitor, mas está inscrita como possibilidade no
texto.
• Há várias possibilidades de interpretar um texto, mas há limites.
• A coerência é garantida, entre outros fatores, pela reiteração, a
redundância, a repetição, a recorrência de traços semânticos ao
longo do discurso.
• Mas que deve fazer o leitor para perceber essa reiteração? Deve
tentar agrupar os elementos significativos que se somam ou se
confirmam num mesmo plano do significado. Deve percorrer o
texto inteiro, tentando localizar todas as recorrências, isto é,
todas as figuras e temas que conduzem a um mesmo bloco de
significação. Essa recorrência determina o plano de leitura do
texto
Linguagem Não-verbal
Linguagem Verbal
•Toda comunicação escrita
Linguagem Mista
O Eu-lírico
•O eu-poético
•A voz que fala
•O eu-lírico é diferente do
autor do texto poético
 Foi assim!
 Quando a flôr ao luar se deu
 Quando o mundo era quase meu
 Tu te foste de mim...
 Volta meu bem
 Murmurei!
 Volta meu bem
 Repeti!
 Não há canção
 Nos teus olhos
 Nem há manhã
 Nesse adeus...
 Horas, dias, meses
 Se passando
 E nesse passar
 Uma ilusão guardei
 Ver-te novamente
 Na varanda
 A voz sumida
 Em quase em pranto
 A me dizer, meu bem
 Voltei!...
 Hoje esta ilusão se fez em nada
 E a te beijar outra mulher eu vi
 Vi no seu olhar envenenado
 O mesmo olhar do meu passado
 E soube então que te perdi...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slideJaciara Mota
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacaobubble13
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguisticaMarcia Simone
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosLeisiane Jesus
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalRebeca Kaus
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaismarlospg
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguísticaDenise
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoClaudiaAdrianaSouzaS
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoSinara Lustosa
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literárioFábio Guimarães
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 

Mais procurados (20)

Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 

Semelhante a Compreensão e interpretação de textos

Apostila completa português
Apostila completa portuguêsApostila completa português
Apostila completa portuguêsGesiel Oliveira
 
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2Thomas Willams
 
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdfELIVELSON MAIA
 
O texto modalidades e funções da LP .pdf
O texto modalidades e funções da LP .pdfO texto modalidades e funções da LP .pdf
O texto modalidades e funções da LP .pdfpaulorps1
 
O texto e suas tessituras
O texto e suas tessiturasO texto e suas tessituras
O texto e suas tessiturasSérgio Assis
 
Interpretação de Textos - slides final.pptx
Interpretação de Textos - slides final.pptxInterpretação de Textos - slides final.pptx
Interpretação de Textos - slides final.pptxElkeTicianeVieiraSak
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textuallittlevic4
 
Apostila basico concurso parauapebas
Apostila basico concurso parauapebasApostila basico concurso parauapebas
Apostila basico concurso parauapebasWilton Moreira
 
APOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdf
APOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdfAPOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdf
APOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdfSuzaneNascimento6
 
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativaAngélica Manenti
 
funções DE LINGUAGEM.pdf
funções DE LINGUAGEM.pdffunções DE LINGUAGEM.pdf
funções DE LINGUAGEM.pdfaldyvip
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagemborges15
 

Semelhante a Compreensão e interpretação de textos (20)

Apostila completa português
Apostila completa portuguêsApostila completa português
Apostila completa português
 
Leitura e-mundo
Leitura e-mundoLeitura e-mundo
Leitura e-mundo
 
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
Apostila CBTU - Língua portuguesa - Part #2
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Oficina de leitura lêpravê
Oficina de leitura lêpravêOficina de leitura lêpravê
Oficina de leitura lêpravê
 
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
 
O texto modalidades e funções da LP .pdf
O texto modalidades e funções da LP .pdfO texto modalidades e funções da LP .pdf
O texto modalidades e funções da LP .pdf
 
O texto e suas tessituras
O texto e suas tessiturasO texto e suas tessituras
O texto e suas tessituras
 
Lectoescrita
LectoescritaLectoescrita
Lectoescrita
 
Interpretação de Textos - slides final.pptx
Interpretação de Textos - slides final.pptxInterpretação de Textos - slides final.pptx
Interpretação de Textos - slides final.pptx
 
1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
 
Dicas
DicasDicas
Dicas
 
Apostila basico concurso parauapebas
Apostila basico concurso parauapebasApostila basico concurso parauapebas
Apostila basico concurso parauapebas
 
APOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdf
APOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdfAPOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdf
APOSTILA+LINGUA+PORTUGUESA+PROF+ARNALDO+FILHO.pdf
 
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
 
Fatores da textualidade pibid 2017.2
Fatores da textualidade   pibid 2017.2Fatores da textualidade   pibid 2017.2
Fatores da textualidade pibid 2017.2
 
funções DE LINGUAGEM.pdf
funções DE LINGUAGEM.pdffunções DE LINGUAGEM.pdf
funções DE LINGUAGEM.pdf
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
 
Interpretacao de textos(1)97
Interpretacao de textos(1)97Interpretacao de textos(1)97
Interpretacao de textos(1)97
 

Mais de Professor Rômulo Viana

Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...
Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...
Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...Professor Rômulo Viana
 
Fotografia e representação da realidade do sujeito
Fotografia e representação da realidade do sujeitoFotografia e representação da realidade do sujeito
Fotografia e representação da realidade do sujeitoProfessor Rômulo Viana
 
I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...
I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...
I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...Professor Rômulo Viana
 
A fotografia enquanto representação artística da realidade
A fotografia enquanto representação artística da realidadeA fotografia enquanto representação artística da realidade
A fotografia enquanto representação artística da realidadeProfessor Rômulo Viana
 
Análise do livro A Viagem do Elefante de José Saramago
Análise do livro A Viagem do Elefante de José SaramagoAnálise do livro A Viagem do Elefante de José Saramago
Análise do livro A Viagem do Elefante de José SaramagoProfessor Rômulo Viana
 
Mitos indígenas em macunaíma, de mário de
Mitos indígenas em macunaíma, de mário deMitos indígenas em macunaíma, de mário de
Mitos indígenas em macunaíma, de mário deProfessor Rômulo Viana
 
Programacao do VI Salão do Livro do Baixo Amazonas
Programacao do VI Salão do Livro do Baixo AmazonasProgramacao do VI Salão do Livro do Baixo Amazonas
Programacao do VI Salão do Livro do Baixo AmazonasProfessor Rômulo Viana
 

Mais de Professor Rômulo Viana (10)

Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...
Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...
Formando pedagogos leitores: a leitura literária na formação inicial do pedag...
 
Fotografia e representação da realidade do sujeito
Fotografia e representação da realidade do sujeitoFotografia e representação da realidade do sujeito
Fotografia e representação da realidade do sujeito
 
I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...
I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...
I SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL, CIENTÍFICO E SOCIAL DA UFOPA/CAMPUS ÓB...
 
Artigo fael Especialização
Artigo fael EspecializaçãoArtigo fael Especialização
Artigo fael Especialização
 
MEU TCC
MEU TCCMEU TCC
MEU TCC
 
A fotografia enquanto representação artística da realidade
A fotografia enquanto representação artística da realidadeA fotografia enquanto representação artística da realidade
A fotografia enquanto representação artística da realidade
 
Análise do livro A Viagem do Elefante de José Saramago
Análise do livro A Viagem do Elefante de José SaramagoAnálise do livro A Viagem do Elefante de José Saramago
Análise do livro A Viagem do Elefante de José Saramago
 
Mitos indígenas em macunaíma, de mário de
Mitos indígenas em macunaíma, de mário deMitos indígenas em macunaíma, de mário de
Mitos indígenas em macunaíma, de mário de
 
Programacao do VI Salão do Livro do Baixo Amazonas
Programacao do VI Salão do Livro do Baixo AmazonasProgramacao do VI Salão do Livro do Baixo Amazonas
Programacao do VI Salão do Livro do Baixo Amazonas
 
Cultura: Laurimar Leal
Cultura: Laurimar LealCultura: Laurimar Leal
Cultura: Laurimar Leal
 

Último

Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 

Último (20)

Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 

Compreensão e interpretação de textos

  • 1. Professor Rômulo Viana Compreensão e Interpretação de Textos
  • 2. Compreensão (Está no texto) • Segundo o texto... • Segundo o autor... • O texto informa que... • Explícito Interpretação (Está além do texto) • Depreende-se/inferese-se/conclui-se do texto que... • O texto permite deduzir que... • É possível afirmar a partir do texto que... • Implícito
  • 3. As palavras podem assumir dois sentidos conotativo • Sentido figurado • Metafórico • Texto literário denotativo • Significado real • Sentido de dicionário • Texto científico
  • 4.
  • 5.  a) Pré-compreensão: toda leitura supõe que o leitor entre no texto já com conhecimentos prévios sobre o assunto ou área específica.  b) Compreensão: já com a pré-compreensão ao entrar no texto, o leitor vai se deparar com informações novas ou reconhecer as que já sabia. Por meio da pré-compreensão o leitor “prende” a informação nova com a dele e “agarra” (compreende) a intencionalidade do texto. É costume dizer: “Eu entendi, mas não compreendi”. Isso significa dizer que quem leu entendeu o significado das palavras, a explicação, mas não as justificativas ou o alcance social do texto. Como interpretar um texto?
  • 6.  c) Interpretação: agora sim. A interpretação é a resposta que você dará ao texto, depois de compreendê-lo (sim, é preciso “conversar” com o texto para haver a interpretação de fato). É formada então o que se chama “fusão de horizontes”: o do texto e o do leitor. A interpretação supõe um novo texto. Significa abertura, o crescimento e a ampliação para novos sentidos.
  • 7. As várias possibilidades de leitura de um texto • A recorrência de traços semânticos estabelece a leitura que deve ser feita do texto. Essa leitura não provém de delírios interpretativos do leitor, mas está inscrita como possibilidade no texto. • Há várias possibilidades de interpretar um texto, mas há limites. • A coerência é garantida, entre outros fatores, pela reiteração, a redundância, a repetição, a recorrência de traços semânticos ao longo do discurso. • Mas que deve fazer o leitor para perceber essa reiteração? Deve tentar agrupar os elementos significativos que se somam ou se confirmam num mesmo plano do significado. Deve percorrer o texto inteiro, tentando localizar todas as recorrências, isto é, todas as figuras e temas que conduzem a um mesmo bloco de significação. Essa recorrência determina o plano de leitura do texto
  • 11. O Eu-lírico •O eu-poético •A voz que fala •O eu-lírico é diferente do autor do texto poético
  • 12.  Foi assim!  Quando a flôr ao luar se deu  Quando o mundo era quase meu  Tu te foste de mim...  Volta meu bem  Murmurei!  Volta meu bem  Repeti!  Não há canção  Nos teus olhos  Nem há manhã  Nesse adeus...  Horas, dias, meses  Se passando  E nesse passar  Uma ilusão guardei  Ver-te novamente  Na varanda  A voz sumida  Em quase em pranto  A me dizer, meu bem  Voltei!...  Hoje esta ilusão se fez em nada  E a te beijar outra mulher eu vi  Vi no seu olhar envenenado  O mesmo olhar do meu passado  E soube então que te perdi...