SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Anhanguera – UNIDERP - Centro de Educação a Distância
Curso – Administração
Turma 2ª série
Disciplina – Teorias da Administração
Professora: Mônica Satolani
Participantes:
Adélio da Silva Castro – RA 419832
Claudemir Pedro Ambrósio – RA 415041
Silvio Aluísio – RA 421700
Wagner Vicentini - RA 7625691760
Gustavo César Cortezi – RA 418914
Nilton Aparecido Rocha – RA 7986728214
ATPS – Teorias da Administração
São José do Rio Preto - S.P, 17 de setembro de 2013.
SUMÁRIO
1.0. Introdução PAG.3
2.0. Desenvolvimento PAG.3
2.1. Premissas da Teoria da Administração PAG.3
2.2. Organizações Mecanicistas x Organizações Flexíveis PAG.4
2.3. Estudo e Características das Teorias PAG.5
2.3.1. Teoria Clássica da Administração PAG.5
2.3.2. Teoria da Burocracia PAG.6
2.3.3. Teoria Estruturalista PAG.6
2.3.4. Teoria das Relações Humanas PAG.7
2.3.5. Teoria Comportamental PAG.8
2.3.6. Teoria de Sistemas PAG.8
2.3.7. Teoria Matemática PAG.9
2.3.8. Teoria da Tecnologia da Informação PAG.9
2.3.9. Teoria Contingencial PAG.10
3.0. Considerações Finais PAG.11
4.0. Referências Bibliográficas PAG.12
1.0 - INTRODUÇÃO
Com este trabalho veremos como as teorias evoluíram e quais as suas contribuições
para as organizações, diante das pesquisas realizadas e das conclusões que nos levaram a
confecção desta Atps.
Descobriremos a sua importância na solução de problemas, sua evolução e como
continuam a evoluir diante dos cenários organizacionais, passando por todas as etapas
propostas neste trabalho.
Desenvolveremos de certa forma, de como exercer o trabalho em equipe, respeitando o
colega, sabendo aceitar opiniões, estudando a melhor forma para finalizar um trabalho.
2.0 – DESENVOLVIMENTO
2.1 - Premissas da Administração
Desde as primeiras teorias a respeito da administração, os filósofos influenciaram as
primeiras ‘definições’ sobre administração. A partir dos pensamentos de filósofos como
Sócrates, Platão e Aristóteles como o homem sensorial e investigativo, a argumentação, a
análise racional, a ética e a moral, pode-se definir conceitos da divisão do trabalho, da ordem
e do controle. A administração não era o desdobramento de uma ciência na antiguidade, e se
vista do ponto de vista comercial, segundo Platão, era um mal necessário à sociedade, mas
que não era digno de considerações filosóficas.
Tomam-se destaques desde a idade média, com o desenvolvimento militar e seus
métodos de defesa, estratégia e tecnologias permitindo desenvolvimento de cidades, comércio
e estruturação de economia.
No século XVIII e XIX, inicia um processo de êxodo, visto que crescia a produção
agrícola e o desenvolvimento de maquinários, fazendo com que pequenos artesãos
contratassem mão de obra vinda do campo, que era pouco qualificada. Alguns fatores
culminantes para o surgimento do Taylorismo inicia-se ai, sendo que era necessário melhora
nas estruturas e recursos, bem como sinergia entre as pessoas. Outro fator de influência foi à
estrutura militar.
Frederick Winslow Taylor, considerado o pai da administração científica é um dos
primeiros sistematizadores da disciplina científica da Administração de empresas adotando
modelos cartesianos. O método cartesiano derivou do Ceticismo Metodológico, originário da
filosofia de Platão, onde se questionava cada ideia que não fosse clara e distinta seguindo
quatro regras básicas: Evidências Reais; Análise do todo em partes; síntese e reagrupamento;
enumeração das conclusões.
Com isso o taylorismo caracterizou-se pela ênfase nas tarefas, sendo especializadas,
com objetivo de eficiência, além de trabalho ético, eliminações de desperdícios, transferência
de experiências, em massa e melhores práticas (Best practices) e gerou muita insatisfação,
demissões e estresses para os operários e sindicalistas. O professor PhD em Administração
Henry Mintzberg afirma que Taylor foi conduzido por obsessão de seu método que o permitiu
um considerável sucesso, mas que ofuscaram completamente os benefícios sociais e o ser
humano envolvido nesse processo.
A administração científica teve seus co-fundadores que na mesma época colaboraram
com Taylor para a transformação da administração apenas como um modelo organizacional
para uma ciência, apesar do empirismo ainda estar muito presente. Destacam-se o casal Frank
e Lillian Gilbreth no estudo dos movimentos, onde se propunha uma sistematização e
padronização nos movimentos necessários para se realizar uma determinada tarefa, e uma
atenção especial à fadiga; Henry Gantt nos estudos sobre resistência à mudança e normas
grupais, mutualismo e o controle gráfico diário da produção acompanhar os fluxos
produtivos; Hugo Münsterberg que defendia o uso da psicologia como ferramenta da
administração através de testes de seleção de pessoal para empresas, definir condições
psicológicas mais favoráveis ao aumento da produção e produzir as influências desejadas, na
mente humana, do interesse da administração; por analogia cita-se ainda Henry Ford que
aplicou com sucesso o taylorismo em sua fábrica de automóveis.
2.2 - Organizações mecanicistas x Organizações Flexíveis: Existiria um meio termo?
Chegamos à conclusão de que se trata de um embate (choque entre ideias)
comparativo entre as teorias clássicas e humanísticas, que visavam uma revolução na forma
de administrar cada uma em sua época respectivamente.
As teorias clássicas, destacando o taylorismo, propuseram seus métodos numa época
em que o mundo estava despertando para a industrialização. O cenário eram fábricas
primitivas com mão-de-obra desqualificada e apenas uma urgência: os burgos estavam
abarrotados de trabalhadores recém-chegados dos campos, a escassez de comida tornou-se um
fator preocupante, tinha-se que aumentar a eficiência da produção, pois as terras cultiváveis
eram limitadas.
As teorias humanísticas vieram logo em seguida quando esse cenário socioeconômico
se transformou. Outras ciências se desenvolveram e permitiram que a forma de administrar
também se desenvolvesse como ciência, pois até então, a teoria clássica era empirista. Com a
aplicação das ciências sociais à forma de administrar, teorias como a Munsterberg, mais
voltadas à psicologia, e as conclusões da experiência de Hawthorne por Elton Mayo, as
teorias clássica puderam ser revisadas.
Surgia então a teoria humanística que seria completar, mas que mudaria o foco de
produção mecânica para o foco nos aspectos práticos da forma de administrar, no
pragmatismo dos resultados concretos e nas relações humanas. Passa a existir uma
preocupação maior com elementos psicossociais, uma abordagem mais completa do conceito
de organização e preocupação em seguir o método científico.
2.3 – Estudo e Características das Teorias
2.3.1 - Teoria Clássica da Administração
Com surgimento na França o pilar da Escola Clássica, comandado por Henry Fayol,
engenheiro nascido na Grécia e educado no França, onde trabalhou e desenvolveu seus
estudos. Na Teoria Clássica de Fayol e seus seguidores a ênfase é posta na estrutura da
organização. O objetivo é buscar a maior produtividade do trabalho, maior eficiência do
trabalhador e da empresa.
A Teoria Clássica da Administração partiu de uma abordagem sintética, global e
universal da empresa, com uma visão anatômica e estrutural, enquanto na Administração
Científica a abordagem era fundamentalmente operacional (homem/máquina). Fayol sempre
procurou demonstrar que, com previsão científica e métodos adequados de gerência, os
resultados desejados podem ser alcançados.
Dentre suas funções estipuladas temos as Funções técnicas, relacionadas com a
produção de bens e serviços da empresa; funções comerciais, funções financeiras, funções de
segurança, funções contábeis, funções administrativas, relacionadas com a integração de
cúpula das outras cinco funções.
Para deixar claro essa função coordenadora, Fayol assim define o ato de administrar.
Prever: visualizar o futuro e traçar o programa de ação.
Organizar: constituir o duplo organismo da empresa, material e social.
Comandar: dirigir e orientar o pessoal
Coordenar: ligar, unir, harmonizar todos os atos e todos os esforços coletivos.
Controlar: verificar que tudo ocorra de acordo com as regras estabelecidas e as ordens
dadas.
Segundo Fayol, a Administração não se refere apenas ao topo da organização: existe
uma proporcionalidade da função administrativa, que não é privativa da alta cúpula, mas, ao
contrário, se distribui por todos os níveis hierárquicos. Segundo ele, tudo em Administração é
questão de medida, de ponderação e de bom senso. Os princípios que regulam a empresa
devem ser flexíveis e maleáveis, e não rígidos.
São princípios fundamentais de Fayol:
Divisão de trabalho; autoridade e responsabilidade; disciplina; unidade de comando;
unidade de direção; subordinação dos interesses individuais ao interesse geral; remuneração
justa ao pessoal; centralização; linha de autoridade; ordem; equidade; estabilidade do pessoal;
iniciativa e espírito de equipe.
A Teoria Clássica de Fayol concebe a organização em termos de estrutura, forma e
disposição das partes que a constituem. Assim, a estrutura e a forma de organização marca a
essência da Teoria Clássica, como concebida por Fayol.
2.3.2 - Teoria da Burocracia
Max Weber (1864-1920), sociólogo alemão, foi o criador da Sociologia da Burocracia,
foi professor das Universidades de Friburgo e de Heidelberg e ficou famoso pela teoria das
estruturas de autoridade. Com a tradução de alguns de seus livros para a língua inglesa, tomou
corpo nos Estados Unidos a Teoria da Burocracia em Administração.
Segundo o conceito popular, a burocracia é visualizada geralmente como uma empresa
ou organização onde o papelório se multiplica e se avoluma, impedindo as soluções rápidas
ou eficientes. O termo também é empregado com o sentido de apego dos funcionários aos
regulamentos e rotinas, causando ineficiência à organização. O leigo passou a dar o nome de
burocracia aos defeitos do sistema (disfunções) e não ao sistema em si mesmo. O conceito de
burocracia para Max Weber é exatamente o contrário. A burocracia é a organização eficiente
por excelência.
Características
• Caráter legal das normas e regulamentos
• Caráter formal das comunicações
• Caráter racional e divisão do trabalho
• Impessoalidade nas relações
• Hierarquia da autoridade
• Rotinas e procedimentos estandardizados
• Competência técnica e meritocracia
• Especialização da administração
• Profissionalização dos participantes
• Completa previsibilidade do funcionamento
2.3.3 - Teoria Estruturalista
Teoria das Relações Humanas foi uma tentativa de introdução das ciências do
comportamento na teoria administrativa através de uma filosofia humanística a respeito da
participação do homem na organização. Contudo a partir da década de 1950 a Teoria das
Relações Humanas entrou em declínio, pois se de um lado combateu a Teoria Clássica, por
outro não proporcionou as bases adequadas de uma nova teoria que a pudesse substituir.
A oposição entre a Teoria Clássica e a Teoria das Relações Humanas criou um impasse dentro
da administração que mesmo a Teoria da Burocracia não teve condições de ultrapassar. A
Teoria Estruturalista representa um desdobramento da Teoria da Burocracia e uma leve
aproximação a Teoria das Relações Humanas. Representa também uma visão bastante crítica
da organização formal.
A Teoria Estruturalista pretende ser uma síntese da Teoria Clássica (formal) e da
Teoria das Relações Humanas (informal), inspirando-se na abordagem de Max Weber, e até
certo ponto nos trabalhos de Karl Marx.
A Teoria Estruturalista concentra-se no estudo das organizações, na sua estrutura
interna e na interação com outras organizações. As organizações são concebidas como
unidades sociais (ou agrupamentos humanos) intencionalmente construídas e reconstruídas, a
fim de atingir objetivos específicos. (exército, escolas, hospitais, igrejas, prisões). As
organizações são caracterizadas por um conjunto de relações sociais estáveis e
deliberadamente criadas com a explícita intenção de alcançar objetivos ou propósitos. Assim,
a organização e uma unidade social dentro da qual as pessoas alcançam relações estáveis entre
si, no sentido de facilitar o alcance de um conjunto de objetivos ou metas.
2.3.4 - Teoria das Relações Humanas
A teoria das relações humanas tem suas origens nos Estados Unidos, com resultado
das experiências de Elton Mayo, denominadas Experiências de Hawthorne.
Originaram-se quando Mayo percebeu a necessidade de tornar a administração mais humana e
democrática e quando as ciências humanas influenciaram as organizações.
A teoria das relações humanas teve sua principal experiência feita por Mayo que deu o
nome ao estudo é a experiência de Hawthorne.
Em 1927, Elton Mayo coordenou uma experiência numa empresa de equipamentos e
componentes telefônicos, chamada Western Eletric Company, onde percebeu que os
trabalhadores eram conduzidos pela fadiga, excesso de trabalho, acidentes no trabalho,
rotatividade do pessoal, causas da má condição do local de trabalho.
A experiência foi dividida em fases, sendo a primeira fase, onde os pesquisadores
observavam dois grupos de trabalhadores que executavam o mesmo serviço, porém em
iluminações diferentes. Um grupo trabalhava sob iluminação constante, enquanto outro
trabalhava sob iluminação variável. Perceberam que o fator psicológico influenciava na
produção, quando a iluminação aumentava produziam mais e quando a iluminação diminuía
produziam menos.
Na segunda fase, os pesquisadores mudaram o local de trabalho, a forma de
pagamento, estabeleceram pequenos intervalos de descanso e distribuíam lanches leves nesses
intervalos. Perceberam então que, os trabalhadores apresentaram maior rendimento na
produção, pois trabalhavam satisfeitos.
Na terceira fase, os pesquisadores se preocuparam com as relações entre funcionários
e os entrevistaram para conhecer suas opiniões, pensamentos e atitudes acerca de punições
aplicadas pelos superiores e pagamentos, descobriram uma espécie de organização informal
dentro da organização que se manifestava por padrões formados pelos próprios trabalhadores.
Na quarta fase, os pesquisadores analisaram a organização informal, fizeram pagamentos de
acordo com a produção do grupo e não mais individualmente. Perceberam que os
trabalhadores tornaram-se mais solidários.
Concluíram que:
O nível de produção é determinado pela expectativa do grupo, pelos benefícios
cedidos pela organização, como intervalos de descanso e refeições durante esses e sábado
livre.
Os trabalhadores esperavam ser reconhecidos, compreendidos e aceitos e produziam
mais quando estavam entre seu grupo informal.
2.3.5 - Teoria Comportamental
A teoria comportamental da administração surge no final da década de 1940 com uma
redefinição total de conceitos administrativos: Ao criticar as teorias anteriores o behaviorismo
na administração não somente reescalona as abordagens, mais amplia seu conteúdo e
diversifica sua natureza.
Um dos temas fundamentais da teoria comportamental é a motivação humana, campo
no qual a teoria administrativa recebeu volumosa contribuição. Os autores behavioristas
verificam que os administradores precisam reconhecer as necessidades humanas para melhor
e compreender o comportamento humano e utilizar a motivação humana como poderoso meio
para melhorar a qualidade de vida dentro das organizações.
2.3.6 - Teoria de Sistemas
A palavra sistema denota um conjunto de elementos interdependentes e inter agentes
ou um grupo de unidades combinadas que formam um todo organizado. Sistema é um
conjunto ou combinações de coisas ou partes formando um todo unitário. Os sistemas
apresentam características próprias. O aspecto mais importante do conceito de sistema é a
ideia de um conjunto de elementos interligados para formar um todo. O todo apresenta
propriedades e características próprias que não são encontradas em nenhum dos elementos
isolados. É o que chamamos emergente sistêmico: uma propriedade ou característica que
existe no sistema como um todo e não existe em seus elementos em particular. As
características da água são totalmente diferentes do hidrogênio e do oxigênio que a formam.
A Teoria Geral de Sistemas (TGS) surgiu com os trabalhos do biólogo alemão Ludwig
Von Bertalanffy. A TGS não busca solucionar problemas ou tentar soluções práticas, mas
produzir teorias e formulações conceituais para aplicações na realidade empírica. Os
pressupostos básicos da TGS são:
a) Existe uma tendência para a integração das ciências naturais e sociais.
b) Essa integração parece orientar-se rumo a uma teoria dos sistemas.
c) A teoria dos sistemas constitui o modo mais abrangente de estudar os campos não
físicos do conhecimento científico, como as ciências Sociais.
d) A teoria dos sistemas desenvolve princípios unificadores que atravessam
verticalmente os universos particulares das diversas ciências envolvidas, visando ao objetivo
da unidade da ciência.
2.3.7 - Teoria Matemática:
A Teoria Matemática da Administração (TMA) recebeu muitas contribuições da
Matemática sob a forma de modelos matemáticos para proporcionar soluções de problemas
empresariais. Muitas decisões administrativas são tomadas com base em soluções
matemáticas.
A maior aplicação da Teoria Matemática reside na chamada Administração das
Operações. Os temas mais tratados pela Administração das Operações são:
1. Operações: focaliza os processos produtivos e produtividade;
2. Serviços: focaliza os processos que envolvem o sistema de operações de serviços;
3. Qualidade: envolve o tratamento estatístico da qualidade, melhoria contínua,
programas de qualidade etc.;
4. Estratégia de Operações: define o alinhamento estratégico e a natureza estratégica
da administração das operações;
5. Tecnologia: utiliza o computador para o desenvolvimento das operações.
2.3.8 - Teoria da tecnologia da Informação:
A Teoria da Informação é um ramo da matemática aplicada que utiliza o cálculo da
probabilidade. Originou-se em 1920, com os trabalhos de Szilar e Nyquist, desenvolvendo-se,
posteriormente, com as contribuições de Hartley, Shannon, Kolmogorov, Wierner entre
outros. Consolida-se com os estudos de Shannon e Weaver, no campo da telegrafia e
telefonia, em 1949. Formularam uma teoria para medir e calcular a quantidade de informação,
com base em resultados da física e estatística.
O sistema de comunicação tratado na Teoria da Informação consiste em seis
componentes: fonte, transmissor, canal, receptor, destino e ruído.
Os sistemas de informação gerenciais (SIG) são sistemas computacionais capazes de
proporcionar informação como matéria-prima para o processo de tomada de decisão.
2.3.9 - Teoria Contingencial:
A teoria da contingência procura analisar as relações entre a organização (como um
sistema) e seu ambiente.
A teoria da contingência enfatiza a natureza multivariada das organizações e procura
verificar como elas operam sob condições variáveis e em circunstâncias específicas.
Existe uma relação funcional entre as condições do ambiente e as técnicas
administrativas necessárias para o alcance eficaz dos objetivos da organização;
As relações funcionais entre as condições ambientais e a prática administrativa
precisam ser constantemente identificadas e ajustadas;
O reconhecimento, diagnóstico e adaptação à situação são fundamentais na abordagem
contingencial.
QUADRO COMPARATIVO: QUAIS AS PRINCIPAIS PROPOSTAS DAS TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO E COMO SÃO UTILIZADAS NOS
DIAS ATUAIS
TEORIA
PRINCIPAIS
ESTUDIOSOS
PRINCIPAIS IDEIAS
COMO O HOMEM
(TRABALHADOR) ERA
CONSIDERADO
EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO NOS DIAS
ATUAIS
Administração
Cientifica
FrederickTaylor
Frank e Gilbreth,
Ford
Racionalização do
trabalho
Acreditava que cada
operário produzia um
terço do que poderia
produzir
Seleção e treinamento dos trabalhadores;
Supervisão e planejamento; Pagamento
por produção.
Teoria Clássica Henry Fayol Ênfase na
ESTRUTURA
Atribuição de Funções. Relacionadas com inventários, registros,
balanços, custos e estatísticas.
Teoria das Relações
Humanas
George Helton
Mayo
Lew in
Ênfase nas PESSOAS Verifica-se que o
comportamento do
indivíduo apoia-se
totalmente no grupo
As regras de comportamento, as formas
de recompensa ou sanções sociais,
punições, objetivos, escala de valores
sociais.
Teoria Neoclássica Alvin Brow n Ênfase na GERENCIA “O administrador
prático” - coordenador
de grupos/ indivíduos
Organograma, Fluxograma, Cronograma.
Modelo Burocrático Max Weber Ênfase na
ESTRUTURA
Profissionalização dos
funcionários
Divisão do trabalho, Hierarquia,
Impessoalidade.
Teoria Estruturalista Max Weber
Robert K Merton
Alvin Gouldner
Peter M. Blau
Ênfase no AMBIENTE Homem Organizacional Organizações especializadas/ não
especializadas, Organizações de
serviços.
Teoria
Comportamental
Herbert Alexander
Simon
Renis Likert
Abraham Maslow
Hierarquia das
necessidades de
Maslow. Teoria dos
dois Fatores de
Não somente o
administrador toma
todas as decisões
como toda a cadeia
O tomador de decisão; Objetivos
pretendidos com as ações; Preferências;
Estratégias que é o caminho a ser
escolhido; Resultado que é a
Frederick
Herzberg
Herzberg. Teoria X e
Teoria Y de McGregor.
hierárquica consequência de uma estratégia.
Teoria do
Desenvolvimento
Organizacional
Warren Bennis
Kurt Lew in
Sistema concreto
(linha de produção) ou
sistema de valores
(cultura de uma
organização).
Os objetivos individuais
e os objetivos
organizacionais
A ênfase é exclusivamente individual e
nos cargos. Relacionamento do tipo
autoridade e obediência. Rígida adesão à
delegação e à responsabilidade dividida.
Divisão do trabalho e supervisão
hierárquica rígida. Tomada de decisões
centralizada.
Tecnologia da
Informação
Colin Cherry
BASKERVILLE,
EPSTEIN, Isaac
Szilar e Nyquist
Automação, coleta e
armazenamento de
dados.
Tecnológico, inovador Inserido no mercado globalizado
Teoria Matemática CHIAVENATO
KIYAN
Shannon
Kolmogorov
Visão sistêmica,
Métodos científicos,
técnicas de estatística.
O Homem nesta teoria
é visto como o
TOMADOR de
DECISÕES.
Indicadores e avaliadores de
desempenho
Teoria de Sistemas METHERBE, J.C.
LAW AM, KELTON
WD McGraw -Hill
METHERBE
Ênfase no
PROCESSO
“ser de ação”, o
homem trabalha.
Entidades, Interveniências, Controle,
Padrão, Hierarquia.
Teoria da
Contingência
Chiavenato
Law rence e
Lorsch Joan
Woodw ard
Ênfase na
TECNOLOGIA
O enfoque principal era
o imperativo
tecnológico.
Estrutura organizacional e previsibilidade
de técnicas de produção, sistema Alguma
função na empresa seja vendas,
produção.
Estratégia
Organizacional
Mintzberg
Quinn
Michael Porter
Andrew
Miles e Snow
Kaplan e Norton
Day
A estratégia se
relaciona com o todo
Nível institucional
Nível intermediário
Nível operacional
Monitoramento de desempenho trabalha
em equipe, insights, trajetórias.
Nova Proposta: Teoria
do Desenvolvimento
Organizacional
Warren Bennis e
Kurt Lew in
A opção pelo
desenvolvimento
humano,
comportamental na
empresa.
Todos os objetivos,
metas,
desenvolvimento se
migram entre
corporação e
funcionário.
Nos mais diversos modelos de gestão,
sendo que se toma a motivação e a
ligação do funcionário a empresa.
Impactos da Ética:
Pode se entender como Ética da responsabilidade social, a capacidade de avaliar as
consequências, para a sociedade, de atos e decisões que tomamos visando a objetivos e metas
próprios de nossas organizações, não se pode fazer unicamente uma analise estratégica dessa
responsabilidade, quer dizer, não se quer garantir somente a sobrevivência das organizações.
É necessária uma analise da responsabilidade, fundamentada no sentido da justiça e definida
como a capacidade de deliberar e decidir não só com base nos interesses individuais, mas
também do grupo.
3.0 – CONSIDERAÇÕES FINAIS
Pensamento Sistêmico e Liderança
Com o advento da nova economia, onde o conhecimento é o novo capital, as
demandas por competências que ultrapassem as questões puramente técnicas são notáveis e
essenciais. Além do saber fazer, o saber ser é essencial para enfrentar o mundo globalizado e
informacional. Estudos mostram que o perfil do gerente, suas habilidades e competências
influenciam o sucesso de projetos. A aplicação do pensamento sistêmico ao gerenciamento de
projetos permite entender como diversas variáveis se relacionam na estrutura complexa que
envolve processos e práticas gerenciais.
De acordo com Vasconcellos (2002), na “ciência dos sistemas”, existem duas
tendências básicas: a tendência organicista, destacada por Bertalanffy que está associada à sua
Teoria Geral dos Sistemas; e a tendência mecanicista que está associada à Teoria Cibernética
do matemático Norbert Wiener. A cibernética propõe a construção de sistemas que
reproduzem os mecanismos de funcionamento de seres vivos através de autômatos
simuladores de vida ou máquinas cibernéticas, assim mostra-se mecanicista por causa dessa
associação com sistemas artificiais. Já a associação com os organismos ou sistemas naturais
sociais e biológicos faz trata a Teoria Geral dos Sistemas como organicista.
Entendemos também os aspectos relacionados à Administração por Objetivos
(APO) como uma técnica de direção de esforços através do planejamento e controle
administrativo.
Para a organização atingir resultados é preciso definir em que negócio está atuando e
aonde pretende chegar. Figura também como um sistema dinâmico que integra a necessidade
da companhia de alcançar os seus objetivos de lucro e crescimento, além de se mostrar um
estilo exigente e compensador de administração de empresas.
É um método no qual as metas são definidas em conjunto entre administrador e seu
superior, as responsabilidades são especificadas para cada posição em função dos resultados
esperados, que passam a integrar os padrões de desempenho sob os quais os gerentes são
avaliados.
4.0 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CHIAVENATO, Idalberto. Teoria Geral da Administração. 8ª edição. Editora Campus, 2011
MAXIMIANO, Antônio Cesar A. Teoria Geral da Administração - Edição Compacta. Editora
Atlas, 2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula6
Aula6Aula6
Aula3
Aula3Aula3
Administrao
AdministraoAdministrao
Administrao
Daniel Nery
 
Tipos e modelos de organização
Tipos e modelos de organizaçãoTipos e modelos de organização
Tipos e modelos de organização
Leonel Mendes
 
Principios de administração
Principios de administraçãoPrincipios de administração
Principios de administração
Taize Lima
 
85615563 teorias-organizacionais-resumo
85615563 teorias-organizacionais-resumo85615563 teorias-organizacionais-resumo
85615563 teorias-organizacionais-resumo
Eduardo Moreira
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
Rafael Lima
 
Atps teorias da administração
Atps teorias da administraçãoAtps teorias da administração
Atps teorias da administração
SIMONE GOUVEA
 
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e WeberModelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Tonigerley Silveira
 
Aula1
Aula1Aula1
Administraodeenfermagemparte1 091017140019-phpapp02
Administraodeenfermagemparte1 091017140019-phpapp02Administraodeenfermagemparte1 091017140019-phpapp02
Administraodeenfermagemparte1 091017140019-phpapp02
Georgina Lomanto
 
Visão Histórica Da Administração
Visão Histórica Da AdministraçãoVisão Histórica Da Administração
Visão Histórica Da Administração
Diego Lopes
 
Teoria da Administração
Teoria da AdministraçãoTeoria da Administração
Teoria da Administração
Siebra Neto
 
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagemAplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
suerlilton
 
Primordios da administração apresentação
Primordios da administração apresentaçãoPrimordios da administração apresentação
Primordios da administração apresentação
calinesa
 
Teorias gerais da administração
Teorias gerais da administraçãoTeorias gerais da administração
Teorias gerais da administração
Silvia Raquel Freitas Vieira
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Administração(1) livro
Administração(1) livroAdministração(1) livro
Administração(1) livro
Ale Oriente
 

Mais procurados (18)

Aula6
Aula6Aula6
Aula6
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
Administrao
AdministraoAdministrao
Administrao
 
Tipos e modelos de organização
Tipos e modelos de organizaçãoTipos e modelos de organização
Tipos e modelos de organização
 
Principios de administração
Principios de administraçãoPrincipios de administração
Principios de administração
 
85615563 teorias-organizacionais-resumo
85615563 teorias-organizacionais-resumo85615563 teorias-organizacionais-resumo
85615563 teorias-organizacionais-resumo
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
 
Atps teorias da administração
Atps teorias da administraçãoAtps teorias da administração
Atps teorias da administração
 
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e WeberModelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
Administraodeenfermagemparte1 091017140019-phpapp02
Administraodeenfermagemparte1 091017140019-phpapp02Administraodeenfermagemparte1 091017140019-phpapp02
Administraodeenfermagemparte1 091017140019-phpapp02
 
Visão Histórica Da Administração
Visão Histórica Da AdministraçãoVisão Histórica Da Administração
Visão Histórica Da Administração
 
Teoria da Administração
Teoria da AdministraçãoTeoria da Administração
Teoria da Administração
 
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagemAplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
 
Primordios da administração apresentação
Primordios da administração apresentaçãoPrimordios da administração apresentação
Primordios da administração apresentação
 
Teorias gerais da administração
Teorias gerais da administraçãoTeorias gerais da administração
Teorias gerais da administração
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
Administração(1) livro
Administração(1) livroAdministração(1) livro
Administração(1) livro
 

Destaque

Aula3 fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012
Aula3  fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012Aula3  fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012
10 Questões Comentadas de Direito Empresarial p/ Concurso
10 Questões Comentadas de Direito Empresarial p/ Concurso10 Questões Comentadas de Direito Empresarial p/ Concurso
10 Questões Comentadas de Direito Empresarial p/ Concurso
Estratégia Concursos
 
Aula 1 – teoria geral do direito empresarial
Aula 1 – teoria geral do direito empresarialAula 1 – teoria geral do direito empresarial
Aula 1 – teoria geral do direito empresarial
Sidney Rego
 
Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...
Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...
Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...
A. Rui Teixeira Santos
 
Direito empresarial resumo
Direito empresarial   resumoDireito empresarial   resumo
Direito empresarial resumo
cabra14
 
1. teoria geral do direito comercial aula 1
1. teoria geral do direito comercial   aula 11. teoria geral do direito comercial   aula 1
1. teoria geral do direito comercial aula 1
Cristiano Carrilho Medeiros
 
Aula 01 direito empresarial
Aula 01 direito empresarialAula 01 direito empresarial
Aula 01 direito empresarial
patricianoleto
 

Destaque (7)

Aula3 fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012
Aula3  fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012Aula3  fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012
Aula3 fatos, atos e negócios jurídicos 06.08.2012
 
10 Questões Comentadas de Direito Empresarial p/ Concurso
10 Questões Comentadas de Direito Empresarial p/ Concurso10 Questões Comentadas de Direito Empresarial p/ Concurso
10 Questões Comentadas de Direito Empresarial p/ Concurso
 
Aula 1 – teoria geral do direito empresarial
Aula 1 – teoria geral do direito empresarialAula 1 – teoria geral do direito empresarial
Aula 1 – teoria geral do direito empresarial
 
Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...
Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...
Resumo das aulas de Direito Comercial do Prof. Rui Teixeira Santos (Claudia G...
 
Direito empresarial resumo
Direito empresarial   resumoDireito empresarial   resumo
Direito empresarial resumo
 
1. teoria geral do direito comercial aula 1
1. teoria geral do direito comercial   aula 11. teoria geral do direito comercial   aula 1
1. teoria geral do direito comercial aula 1
 
Aula 01 direito empresarial
Aula 01 direito empresarialAula 01 direito empresarial
Aula 01 direito empresarial
 

Semelhante a Atps Teorias da Administração

Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
henrysamara
 
aula de administracao marco 2010
aula de administracao   marco 2010aula de administracao   marco 2010
aula de administracao marco 2010
themis dovera
 
Conceitos fundamentais-da-administracao
Conceitos fundamentais-da-administracaoConceitos fundamentais-da-administracao
Conceitos fundamentais-da-administracao
JanaGraal
 
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdfABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
Paulus
 
As teorias administrativas surgem como forma de permear as relações de trabalho
As teorias administrativas surgem como forma de permear as relações de trabalhoAs teorias administrativas surgem como forma de permear as relações de trabalho
As teorias administrativas surgem como forma de permear as relações de trabalho
vanderlei k
 
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Niloar Bissani
 
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS
 
administracao.ppt
administracao.pptadministracao.ppt
administracao.ppt
RAFAEL COSTA
 
administracao.ppt
administracao.pptadministracao.ppt
administracao.ppt
ClaudiaGuginskiPiva
 
Adm04 abord clássica e adm científica
Adm04 abord clássica e adm científicaAdm04 abord clássica e adm científica
Adm04 abord clássica e adm científica
Fabi Toniazzo
 
Adm ms 2012
Adm ms 2012Adm ms 2012
Adm ms 2012
Ismael Costa
 
TEORIA CIENTIFICA 02.pptx
TEORIA CIENTIFICA 02.pptxTEORIA CIENTIFICA 02.pptx
TEORIA CIENTIFICA 02.pptx
PatrickAnjos1
 
Aula10
Aula10Aula10
Material rh
Material rhMaterial rh
Material rh
criscarrelli
 
segunda aula gestao
 segunda aula gestao  segunda aula gestao
segunda aula gestao
guest680ed0
 
Aula 1 (2)
Aula 1 (2)Aula 1 (2)
Aula 1 (2)
Felipe Pereira
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Aula 1Aula 1
SLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLAR
SLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLARSLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLAR
SLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLAR
ProfRibamar Campos
 

Semelhante a Atps Teorias da Administração (20)

Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
aula de administracao marco 2010
aula de administracao   marco 2010aula de administracao   marco 2010
aula de administracao marco 2010
 
Conceitos fundamentais-da-administracao
Conceitos fundamentais-da-administracaoConceitos fundamentais-da-administracao
Conceitos fundamentais-da-administracao
 
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdfABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
 
As teorias administrativas surgem como forma de permear as relações de trabalho
As teorias administrativas surgem como forma de permear as relações de trabalhoAs teorias administrativas surgem como forma de permear as relações de trabalho
As teorias administrativas surgem como forma de permear as relações de trabalho
 
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
 
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
 
administracao.ppt
administracao.pptadministracao.ppt
administracao.ppt
 
administracao.ppt
administracao.pptadministracao.ppt
administracao.ppt
 
Adm04 abord clássica e adm científica
Adm04 abord clássica e adm científicaAdm04 abord clássica e adm científica
Adm04 abord clássica e adm científica
 
Adm ms 2012
Adm ms 2012Adm ms 2012
Adm ms 2012
 
TEORIA CIENTIFICA 02.pptx
TEORIA CIENTIFICA 02.pptxTEORIA CIENTIFICA 02.pptx
TEORIA CIENTIFICA 02.pptx
 
Aula10
Aula10Aula10
Aula10
 
Material rh
Material rhMaterial rh
Material rh
 
segunda aula gestao
 segunda aula gestao  segunda aula gestao
segunda aula gestao
 
Aula 1 (2)
Aula 1 (2)Aula 1 (2)
Aula 1 (2)
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
SLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLAR
SLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLARSLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLAR
SLIDE DE TEORIAS ADMINISTRATIVAS E GESTÃO ESCOLAR
 

Último

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 

Atps Teorias da Administração

  • 1. Universidade Anhanguera – UNIDERP - Centro de Educação a Distância Curso – Administração Turma 2ª série Disciplina – Teorias da Administração Professora: Mônica Satolani Participantes: Adélio da Silva Castro – RA 419832 Claudemir Pedro Ambrósio – RA 415041 Silvio Aluísio – RA 421700 Wagner Vicentini - RA 7625691760 Gustavo César Cortezi – RA 418914 Nilton Aparecido Rocha – RA 7986728214 ATPS – Teorias da Administração São José do Rio Preto - S.P, 17 de setembro de 2013.
  • 2. SUMÁRIO 1.0. Introdução PAG.3 2.0. Desenvolvimento PAG.3 2.1. Premissas da Teoria da Administração PAG.3 2.2. Organizações Mecanicistas x Organizações Flexíveis PAG.4 2.3. Estudo e Características das Teorias PAG.5 2.3.1. Teoria Clássica da Administração PAG.5 2.3.2. Teoria da Burocracia PAG.6 2.3.3. Teoria Estruturalista PAG.6 2.3.4. Teoria das Relações Humanas PAG.7 2.3.5. Teoria Comportamental PAG.8 2.3.6. Teoria de Sistemas PAG.8 2.3.7. Teoria Matemática PAG.9 2.3.8. Teoria da Tecnologia da Informação PAG.9 2.3.9. Teoria Contingencial PAG.10 3.0. Considerações Finais PAG.11 4.0. Referências Bibliográficas PAG.12
  • 3. 1.0 - INTRODUÇÃO Com este trabalho veremos como as teorias evoluíram e quais as suas contribuições para as organizações, diante das pesquisas realizadas e das conclusões que nos levaram a confecção desta Atps. Descobriremos a sua importância na solução de problemas, sua evolução e como continuam a evoluir diante dos cenários organizacionais, passando por todas as etapas propostas neste trabalho. Desenvolveremos de certa forma, de como exercer o trabalho em equipe, respeitando o colega, sabendo aceitar opiniões, estudando a melhor forma para finalizar um trabalho. 2.0 – DESENVOLVIMENTO 2.1 - Premissas da Administração Desde as primeiras teorias a respeito da administração, os filósofos influenciaram as primeiras ‘definições’ sobre administração. A partir dos pensamentos de filósofos como Sócrates, Platão e Aristóteles como o homem sensorial e investigativo, a argumentação, a análise racional, a ética e a moral, pode-se definir conceitos da divisão do trabalho, da ordem e do controle. A administração não era o desdobramento de uma ciência na antiguidade, e se vista do ponto de vista comercial, segundo Platão, era um mal necessário à sociedade, mas que não era digno de considerações filosóficas. Tomam-se destaques desde a idade média, com o desenvolvimento militar e seus métodos de defesa, estratégia e tecnologias permitindo desenvolvimento de cidades, comércio e estruturação de economia. No século XVIII e XIX, inicia um processo de êxodo, visto que crescia a produção agrícola e o desenvolvimento de maquinários, fazendo com que pequenos artesãos contratassem mão de obra vinda do campo, que era pouco qualificada. Alguns fatores culminantes para o surgimento do Taylorismo inicia-se ai, sendo que era necessário melhora nas estruturas e recursos, bem como sinergia entre as pessoas. Outro fator de influência foi à estrutura militar. Frederick Winslow Taylor, considerado o pai da administração científica é um dos primeiros sistematizadores da disciplina científica da Administração de empresas adotando modelos cartesianos. O método cartesiano derivou do Ceticismo Metodológico, originário da filosofia de Platão, onde se questionava cada ideia que não fosse clara e distinta seguindo quatro regras básicas: Evidências Reais; Análise do todo em partes; síntese e reagrupamento; enumeração das conclusões.
  • 4. Com isso o taylorismo caracterizou-se pela ênfase nas tarefas, sendo especializadas, com objetivo de eficiência, além de trabalho ético, eliminações de desperdícios, transferência de experiências, em massa e melhores práticas (Best practices) e gerou muita insatisfação, demissões e estresses para os operários e sindicalistas. O professor PhD em Administração Henry Mintzberg afirma que Taylor foi conduzido por obsessão de seu método que o permitiu um considerável sucesso, mas que ofuscaram completamente os benefícios sociais e o ser humano envolvido nesse processo. A administração científica teve seus co-fundadores que na mesma época colaboraram com Taylor para a transformação da administração apenas como um modelo organizacional para uma ciência, apesar do empirismo ainda estar muito presente. Destacam-se o casal Frank e Lillian Gilbreth no estudo dos movimentos, onde se propunha uma sistematização e padronização nos movimentos necessários para se realizar uma determinada tarefa, e uma atenção especial à fadiga; Henry Gantt nos estudos sobre resistência à mudança e normas grupais, mutualismo e o controle gráfico diário da produção acompanhar os fluxos produtivos; Hugo Münsterberg que defendia o uso da psicologia como ferramenta da administração através de testes de seleção de pessoal para empresas, definir condições psicológicas mais favoráveis ao aumento da produção e produzir as influências desejadas, na mente humana, do interesse da administração; por analogia cita-se ainda Henry Ford que aplicou com sucesso o taylorismo em sua fábrica de automóveis. 2.2 - Organizações mecanicistas x Organizações Flexíveis: Existiria um meio termo? Chegamos à conclusão de que se trata de um embate (choque entre ideias) comparativo entre as teorias clássicas e humanísticas, que visavam uma revolução na forma de administrar cada uma em sua época respectivamente. As teorias clássicas, destacando o taylorismo, propuseram seus métodos numa época em que o mundo estava despertando para a industrialização. O cenário eram fábricas primitivas com mão-de-obra desqualificada e apenas uma urgência: os burgos estavam abarrotados de trabalhadores recém-chegados dos campos, a escassez de comida tornou-se um fator preocupante, tinha-se que aumentar a eficiência da produção, pois as terras cultiváveis eram limitadas. As teorias humanísticas vieram logo em seguida quando esse cenário socioeconômico se transformou. Outras ciências se desenvolveram e permitiram que a forma de administrar também se desenvolvesse como ciência, pois até então, a teoria clássica era empirista. Com a aplicação das ciências sociais à forma de administrar, teorias como a Munsterberg, mais voltadas à psicologia, e as conclusões da experiência de Hawthorne por Elton Mayo, as
  • 5. teorias clássica puderam ser revisadas. Surgia então a teoria humanística que seria completar, mas que mudaria o foco de produção mecânica para o foco nos aspectos práticos da forma de administrar, no pragmatismo dos resultados concretos e nas relações humanas. Passa a existir uma preocupação maior com elementos psicossociais, uma abordagem mais completa do conceito de organização e preocupação em seguir o método científico. 2.3 – Estudo e Características das Teorias 2.3.1 - Teoria Clássica da Administração Com surgimento na França o pilar da Escola Clássica, comandado por Henry Fayol, engenheiro nascido na Grécia e educado no França, onde trabalhou e desenvolveu seus estudos. Na Teoria Clássica de Fayol e seus seguidores a ênfase é posta na estrutura da organização. O objetivo é buscar a maior produtividade do trabalho, maior eficiência do trabalhador e da empresa. A Teoria Clássica da Administração partiu de uma abordagem sintética, global e universal da empresa, com uma visão anatômica e estrutural, enquanto na Administração Científica a abordagem era fundamentalmente operacional (homem/máquina). Fayol sempre procurou demonstrar que, com previsão científica e métodos adequados de gerência, os resultados desejados podem ser alcançados. Dentre suas funções estipuladas temos as Funções técnicas, relacionadas com a produção de bens e serviços da empresa; funções comerciais, funções financeiras, funções de segurança, funções contábeis, funções administrativas, relacionadas com a integração de cúpula das outras cinco funções. Para deixar claro essa função coordenadora, Fayol assim define o ato de administrar. Prever: visualizar o futuro e traçar o programa de ação. Organizar: constituir o duplo organismo da empresa, material e social. Comandar: dirigir e orientar o pessoal Coordenar: ligar, unir, harmonizar todos os atos e todos os esforços coletivos. Controlar: verificar que tudo ocorra de acordo com as regras estabelecidas e as ordens dadas. Segundo Fayol, a Administração não se refere apenas ao topo da organização: existe uma proporcionalidade da função administrativa, que não é privativa da alta cúpula, mas, ao contrário, se distribui por todos os níveis hierárquicos. Segundo ele, tudo em Administração é questão de medida, de ponderação e de bom senso. Os princípios que regulam a empresa devem ser flexíveis e maleáveis, e não rígidos.
  • 6. São princípios fundamentais de Fayol: Divisão de trabalho; autoridade e responsabilidade; disciplina; unidade de comando; unidade de direção; subordinação dos interesses individuais ao interesse geral; remuneração justa ao pessoal; centralização; linha de autoridade; ordem; equidade; estabilidade do pessoal; iniciativa e espírito de equipe. A Teoria Clássica de Fayol concebe a organização em termos de estrutura, forma e disposição das partes que a constituem. Assim, a estrutura e a forma de organização marca a essência da Teoria Clássica, como concebida por Fayol. 2.3.2 - Teoria da Burocracia Max Weber (1864-1920), sociólogo alemão, foi o criador da Sociologia da Burocracia, foi professor das Universidades de Friburgo e de Heidelberg e ficou famoso pela teoria das estruturas de autoridade. Com a tradução de alguns de seus livros para a língua inglesa, tomou corpo nos Estados Unidos a Teoria da Burocracia em Administração. Segundo o conceito popular, a burocracia é visualizada geralmente como uma empresa ou organização onde o papelório se multiplica e se avoluma, impedindo as soluções rápidas ou eficientes. O termo também é empregado com o sentido de apego dos funcionários aos regulamentos e rotinas, causando ineficiência à organização. O leigo passou a dar o nome de burocracia aos defeitos do sistema (disfunções) e não ao sistema em si mesmo. O conceito de burocracia para Max Weber é exatamente o contrário. A burocracia é a organização eficiente por excelência. Características • Caráter legal das normas e regulamentos • Caráter formal das comunicações • Caráter racional e divisão do trabalho • Impessoalidade nas relações • Hierarquia da autoridade • Rotinas e procedimentos estandardizados • Competência técnica e meritocracia • Especialização da administração • Profissionalização dos participantes • Completa previsibilidade do funcionamento 2.3.3 - Teoria Estruturalista Teoria das Relações Humanas foi uma tentativa de introdução das ciências do comportamento na teoria administrativa através de uma filosofia humanística a respeito da
  • 7. participação do homem na organização. Contudo a partir da década de 1950 a Teoria das Relações Humanas entrou em declínio, pois se de um lado combateu a Teoria Clássica, por outro não proporcionou as bases adequadas de uma nova teoria que a pudesse substituir. A oposição entre a Teoria Clássica e a Teoria das Relações Humanas criou um impasse dentro da administração que mesmo a Teoria da Burocracia não teve condições de ultrapassar. A Teoria Estruturalista representa um desdobramento da Teoria da Burocracia e uma leve aproximação a Teoria das Relações Humanas. Representa também uma visão bastante crítica da organização formal. A Teoria Estruturalista pretende ser uma síntese da Teoria Clássica (formal) e da Teoria das Relações Humanas (informal), inspirando-se na abordagem de Max Weber, e até certo ponto nos trabalhos de Karl Marx. A Teoria Estruturalista concentra-se no estudo das organizações, na sua estrutura interna e na interação com outras organizações. As organizações são concebidas como unidades sociais (ou agrupamentos humanos) intencionalmente construídas e reconstruídas, a fim de atingir objetivos específicos. (exército, escolas, hospitais, igrejas, prisões). As organizações são caracterizadas por um conjunto de relações sociais estáveis e deliberadamente criadas com a explícita intenção de alcançar objetivos ou propósitos. Assim, a organização e uma unidade social dentro da qual as pessoas alcançam relações estáveis entre si, no sentido de facilitar o alcance de um conjunto de objetivos ou metas. 2.3.4 - Teoria das Relações Humanas A teoria das relações humanas tem suas origens nos Estados Unidos, com resultado das experiências de Elton Mayo, denominadas Experiências de Hawthorne. Originaram-se quando Mayo percebeu a necessidade de tornar a administração mais humana e democrática e quando as ciências humanas influenciaram as organizações. A teoria das relações humanas teve sua principal experiência feita por Mayo que deu o nome ao estudo é a experiência de Hawthorne. Em 1927, Elton Mayo coordenou uma experiência numa empresa de equipamentos e componentes telefônicos, chamada Western Eletric Company, onde percebeu que os trabalhadores eram conduzidos pela fadiga, excesso de trabalho, acidentes no trabalho, rotatividade do pessoal, causas da má condição do local de trabalho. A experiência foi dividida em fases, sendo a primeira fase, onde os pesquisadores observavam dois grupos de trabalhadores que executavam o mesmo serviço, porém em iluminações diferentes. Um grupo trabalhava sob iluminação constante, enquanto outro trabalhava sob iluminação variável. Perceberam que o fator psicológico influenciava na
  • 8. produção, quando a iluminação aumentava produziam mais e quando a iluminação diminuía produziam menos. Na segunda fase, os pesquisadores mudaram o local de trabalho, a forma de pagamento, estabeleceram pequenos intervalos de descanso e distribuíam lanches leves nesses intervalos. Perceberam então que, os trabalhadores apresentaram maior rendimento na produção, pois trabalhavam satisfeitos. Na terceira fase, os pesquisadores se preocuparam com as relações entre funcionários e os entrevistaram para conhecer suas opiniões, pensamentos e atitudes acerca de punições aplicadas pelos superiores e pagamentos, descobriram uma espécie de organização informal dentro da organização que se manifestava por padrões formados pelos próprios trabalhadores. Na quarta fase, os pesquisadores analisaram a organização informal, fizeram pagamentos de acordo com a produção do grupo e não mais individualmente. Perceberam que os trabalhadores tornaram-se mais solidários. Concluíram que: O nível de produção é determinado pela expectativa do grupo, pelos benefícios cedidos pela organização, como intervalos de descanso e refeições durante esses e sábado livre. Os trabalhadores esperavam ser reconhecidos, compreendidos e aceitos e produziam mais quando estavam entre seu grupo informal. 2.3.5 - Teoria Comportamental A teoria comportamental da administração surge no final da década de 1940 com uma redefinição total de conceitos administrativos: Ao criticar as teorias anteriores o behaviorismo na administração não somente reescalona as abordagens, mais amplia seu conteúdo e diversifica sua natureza. Um dos temas fundamentais da teoria comportamental é a motivação humana, campo no qual a teoria administrativa recebeu volumosa contribuição. Os autores behavioristas verificam que os administradores precisam reconhecer as necessidades humanas para melhor e compreender o comportamento humano e utilizar a motivação humana como poderoso meio para melhorar a qualidade de vida dentro das organizações. 2.3.6 - Teoria de Sistemas A palavra sistema denota um conjunto de elementos interdependentes e inter agentes ou um grupo de unidades combinadas que formam um todo organizado. Sistema é um conjunto ou combinações de coisas ou partes formando um todo unitário. Os sistemas apresentam características próprias. O aspecto mais importante do conceito de sistema é a
  • 9. ideia de um conjunto de elementos interligados para formar um todo. O todo apresenta propriedades e características próprias que não são encontradas em nenhum dos elementos isolados. É o que chamamos emergente sistêmico: uma propriedade ou característica que existe no sistema como um todo e não existe em seus elementos em particular. As características da água são totalmente diferentes do hidrogênio e do oxigênio que a formam. A Teoria Geral de Sistemas (TGS) surgiu com os trabalhos do biólogo alemão Ludwig Von Bertalanffy. A TGS não busca solucionar problemas ou tentar soluções práticas, mas produzir teorias e formulações conceituais para aplicações na realidade empírica. Os pressupostos básicos da TGS são: a) Existe uma tendência para a integração das ciências naturais e sociais. b) Essa integração parece orientar-se rumo a uma teoria dos sistemas. c) A teoria dos sistemas constitui o modo mais abrangente de estudar os campos não físicos do conhecimento científico, como as ciências Sociais. d) A teoria dos sistemas desenvolve princípios unificadores que atravessam verticalmente os universos particulares das diversas ciências envolvidas, visando ao objetivo da unidade da ciência. 2.3.7 - Teoria Matemática: A Teoria Matemática da Administração (TMA) recebeu muitas contribuições da Matemática sob a forma de modelos matemáticos para proporcionar soluções de problemas empresariais. Muitas decisões administrativas são tomadas com base em soluções matemáticas. A maior aplicação da Teoria Matemática reside na chamada Administração das Operações. Os temas mais tratados pela Administração das Operações são: 1. Operações: focaliza os processos produtivos e produtividade; 2. Serviços: focaliza os processos que envolvem o sistema de operações de serviços; 3. Qualidade: envolve o tratamento estatístico da qualidade, melhoria contínua, programas de qualidade etc.; 4. Estratégia de Operações: define o alinhamento estratégico e a natureza estratégica da administração das operações; 5. Tecnologia: utiliza o computador para o desenvolvimento das operações. 2.3.8 - Teoria da tecnologia da Informação: A Teoria da Informação é um ramo da matemática aplicada que utiliza o cálculo da probabilidade. Originou-se em 1920, com os trabalhos de Szilar e Nyquist, desenvolvendo-se, posteriormente, com as contribuições de Hartley, Shannon, Kolmogorov, Wierner entre
  • 10. outros. Consolida-se com os estudos de Shannon e Weaver, no campo da telegrafia e telefonia, em 1949. Formularam uma teoria para medir e calcular a quantidade de informação, com base em resultados da física e estatística. O sistema de comunicação tratado na Teoria da Informação consiste em seis componentes: fonte, transmissor, canal, receptor, destino e ruído. Os sistemas de informação gerenciais (SIG) são sistemas computacionais capazes de proporcionar informação como matéria-prima para o processo de tomada de decisão. 2.3.9 - Teoria Contingencial: A teoria da contingência procura analisar as relações entre a organização (como um sistema) e seu ambiente. A teoria da contingência enfatiza a natureza multivariada das organizações e procura verificar como elas operam sob condições variáveis e em circunstâncias específicas. Existe uma relação funcional entre as condições do ambiente e as técnicas administrativas necessárias para o alcance eficaz dos objetivos da organização; As relações funcionais entre as condições ambientais e a prática administrativa precisam ser constantemente identificadas e ajustadas; O reconhecimento, diagnóstico e adaptação à situação são fundamentais na abordagem contingencial. QUADRO COMPARATIVO: QUAIS AS PRINCIPAIS PROPOSTAS DAS TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO E COMO SÃO UTILIZADAS NOS DIAS ATUAIS TEORIA PRINCIPAIS ESTUDIOSOS PRINCIPAIS IDEIAS COMO O HOMEM (TRABALHADOR) ERA CONSIDERADO EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO NOS DIAS ATUAIS Administração Cientifica FrederickTaylor Frank e Gilbreth, Ford Racionalização do trabalho Acreditava que cada operário produzia um terço do que poderia produzir Seleção e treinamento dos trabalhadores; Supervisão e planejamento; Pagamento por produção. Teoria Clássica Henry Fayol Ênfase na ESTRUTURA Atribuição de Funções. Relacionadas com inventários, registros, balanços, custos e estatísticas. Teoria das Relações Humanas George Helton Mayo Lew in Ênfase nas PESSOAS Verifica-se que o comportamento do indivíduo apoia-se totalmente no grupo As regras de comportamento, as formas de recompensa ou sanções sociais, punições, objetivos, escala de valores sociais. Teoria Neoclássica Alvin Brow n Ênfase na GERENCIA “O administrador prático” - coordenador de grupos/ indivíduos Organograma, Fluxograma, Cronograma. Modelo Burocrático Max Weber Ênfase na ESTRUTURA Profissionalização dos funcionários Divisão do trabalho, Hierarquia, Impessoalidade. Teoria Estruturalista Max Weber Robert K Merton Alvin Gouldner Peter M. Blau Ênfase no AMBIENTE Homem Organizacional Organizações especializadas/ não especializadas, Organizações de serviços. Teoria Comportamental Herbert Alexander Simon Renis Likert Abraham Maslow Hierarquia das necessidades de Maslow. Teoria dos dois Fatores de Não somente o administrador toma todas as decisões como toda a cadeia O tomador de decisão; Objetivos pretendidos com as ações; Preferências; Estratégias que é o caminho a ser escolhido; Resultado que é a
  • 11. Frederick Herzberg Herzberg. Teoria X e Teoria Y de McGregor. hierárquica consequência de uma estratégia. Teoria do Desenvolvimento Organizacional Warren Bennis Kurt Lew in Sistema concreto (linha de produção) ou sistema de valores (cultura de uma organização). Os objetivos individuais e os objetivos organizacionais A ênfase é exclusivamente individual e nos cargos. Relacionamento do tipo autoridade e obediência. Rígida adesão à delegação e à responsabilidade dividida. Divisão do trabalho e supervisão hierárquica rígida. Tomada de decisões centralizada. Tecnologia da Informação Colin Cherry BASKERVILLE, EPSTEIN, Isaac Szilar e Nyquist Automação, coleta e armazenamento de dados. Tecnológico, inovador Inserido no mercado globalizado Teoria Matemática CHIAVENATO KIYAN Shannon Kolmogorov Visão sistêmica, Métodos científicos, técnicas de estatística. O Homem nesta teoria é visto como o TOMADOR de DECISÕES. Indicadores e avaliadores de desempenho Teoria de Sistemas METHERBE, J.C. LAW AM, KELTON WD McGraw -Hill METHERBE Ênfase no PROCESSO “ser de ação”, o homem trabalha. Entidades, Interveniências, Controle, Padrão, Hierarquia. Teoria da Contingência Chiavenato Law rence e Lorsch Joan Woodw ard Ênfase na TECNOLOGIA O enfoque principal era o imperativo tecnológico. Estrutura organizacional e previsibilidade de técnicas de produção, sistema Alguma função na empresa seja vendas, produção. Estratégia Organizacional Mintzberg Quinn Michael Porter Andrew Miles e Snow Kaplan e Norton Day A estratégia se relaciona com o todo Nível institucional Nível intermediário Nível operacional Monitoramento de desempenho trabalha em equipe, insights, trajetórias. Nova Proposta: Teoria do Desenvolvimento Organizacional Warren Bennis e Kurt Lew in A opção pelo desenvolvimento humano, comportamental na empresa. Todos os objetivos, metas, desenvolvimento se migram entre corporação e funcionário. Nos mais diversos modelos de gestão, sendo que se toma a motivação e a ligação do funcionário a empresa. Impactos da Ética: Pode se entender como Ética da responsabilidade social, a capacidade de avaliar as consequências, para a sociedade, de atos e decisões que tomamos visando a objetivos e metas próprios de nossas organizações, não se pode fazer unicamente uma analise estratégica dessa responsabilidade, quer dizer, não se quer garantir somente a sobrevivência das organizações. É necessária uma analise da responsabilidade, fundamentada no sentido da justiça e definida como a capacidade de deliberar e decidir não só com base nos interesses individuais, mas também do grupo. 3.0 – CONSIDERAÇÕES FINAIS Pensamento Sistêmico e Liderança Com o advento da nova economia, onde o conhecimento é o novo capital, as demandas por competências que ultrapassem as questões puramente técnicas são notáveis e essenciais. Além do saber fazer, o saber ser é essencial para enfrentar o mundo globalizado e informacional. Estudos mostram que o perfil do gerente, suas habilidades e competências influenciam o sucesso de projetos. A aplicação do pensamento sistêmico ao gerenciamento de
  • 12. projetos permite entender como diversas variáveis se relacionam na estrutura complexa que envolve processos e práticas gerenciais. De acordo com Vasconcellos (2002), na “ciência dos sistemas”, existem duas tendências básicas: a tendência organicista, destacada por Bertalanffy que está associada à sua Teoria Geral dos Sistemas; e a tendência mecanicista que está associada à Teoria Cibernética do matemático Norbert Wiener. A cibernética propõe a construção de sistemas que reproduzem os mecanismos de funcionamento de seres vivos através de autômatos simuladores de vida ou máquinas cibernéticas, assim mostra-se mecanicista por causa dessa associação com sistemas artificiais. Já a associação com os organismos ou sistemas naturais sociais e biológicos faz trata a Teoria Geral dos Sistemas como organicista. Entendemos também os aspectos relacionados à Administração por Objetivos (APO) como uma técnica de direção de esforços através do planejamento e controle administrativo. Para a organização atingir resultados é preciso definir em que negócio está atuando e aonde pretende chegar. Figura também como um sistema dinâmico que integra a necessidade da companhia de alcançar os seus objetivos de lucro e crescimento, além de se mostrar um estilo exigente e compensador de administração de empresas. É um método no qual as metas são definidas em conjunto entre administrador e seu superior, as responsabilidades são especificadas para cada posição em função dos resultados esperados, que passam a integrar os padrões de desempenho sob os quais os gerentes são avaliados. 4.0 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CHIAVENATO, Idalberto. Teoria Geral da Administração. 8ª edição. Editora Campus, 2011 MAXIMIANO, Antônio Cesar A. Teoria Geral da Administração - Edição Compacta. Editora Atlas, 2012.