SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA 105
Regras para a educação.
Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Nas primeiras aulas desse tema
abordamos algumas considerações
sobre a Educação, enveredando sobre a
Autoeducação no seu aspecto
essencial:
O EVANGÉLICO
O aprimoramento da criatura com o
Mestre Jesus é o caminho mais objetivo
e eficaz de aperfeiçoamento dos seres
humanos.
Vamos estudar alguns meios de
aplicação, através de práticas
individuais, nas quais podemos obter os
resultados que aspiramos no nosso
trabalho de autoeducação.
INTRODUÇÃO
Conhece a ti mesmo e o resto lhe será dado por acréscimo.
Estamos caminhando para a libertação das amarras milenares dos vício
e defeitos que estão soterrados em nosso inconsciente.
AUTOANÁLISE
Essa autoanálise nos ajuda a termos maior percepção de nós mesmos.
Temos os 03 pavimentos:
- Inferior (porão) é o subconsciente, onde está nossas experiências
vividas no passado.
- Temos o intermediário que é o consciente, o que estamos vivendo
hoje.
- O superconsciente que é o que aspiramos e desejamos no futuro.
“Casa mental”, podemos estudar no livro “No Mundo Maior”, cap. 3 - A
Casa Mental - André Luiz
• Tudo fica arquivado e vivo, embora esquecido em nossa consciência presente.
• Em nosso inconsciente mais profundo acham-se igualmente acumuladas as
vivências de outras encarnações.
• Sucessos, insucessos, aquisições, faltas, parcialmente esquecidas, refletem-se,
no entanto como reminiscências (tendência nata).
Memórias familiares, na sociedade,
os momentos de alegria,
de dor, de felicidade, de tristeza,
os desejos satisfeitos, as frustações,
os impulsos recalcados, os ódios,
as vinganças, o ciúmes,
as manifestações de carinho recebidas na infância,
à carência de afeto,
a solidão do abandono na juventude,
as incompreensões e desgostos na adolescência,
os sofrimentos,
as humilhações, as repressões.
O processo de autoanálise é explorar nosso eu.
Lembrarmos de experiências, onde desencadearam em nós os ódios,
rancores, agressividade, intolerância, etc...
Nosso esforço é observar nosso comportamento exterior e interior.
Assim percebemos os impulsos, de fortes emoções que nos envenenam e
nos deprimem.
As vezes percebemos que magoamos alguém e temos arrependimento e
entendemos que tal atitude nos levou a isso... Já estamos nos
conhecendo.
 Escolha do local
A PRÁTICA DA AUTOANÁLISE
 Análise em grupo
 Processo individual
 Serenamos a mente
1ª FASE - PREPARAÇÃO
 Relaxamos os músculos
 Nos sentiremos calmos
 Imaginamos uma luz azul
 Música baixa e suave
 Respiramos profundamente
Objetivo: Contato mais íntimo com
nosso mentor espiritual e possibilitar
uma vivência espiritual
• Manifestar o desejo de nos conhecer e nos
libertar.
• Entrar em contato com nosso mentor espiritual
nos sentiremos mais conectado, intuídos e
direcionado aos nossos propósitos.
• Depois de sintonizar com o mentor espiritual, devemos mentalmente, pedir
ajuda sincera, estamos buscando a mudança.
• O contato requer persistência, fé, perseverança e entusiasmo.
• Observar o que vai nos colocar intuitivamente, sob orientação como fonte de
reflexão de nossa vida.
• Estabeleceremos um diálogo mental.
2ª FASE – SINTONIA ESPIRITUAL
2ª FASE – SINTONIA ESPIRITUAL
Passo 1
• Escolha um local tranquilo, para não haver
incomodos.
• Recomendado que o contato seja feito no
mesmo horário e local todos os dias.
• Termos em mente a necessidade de treinar
essa conexão.
• Devemos agir de acordo com nossa intuição.
Passo 2
• Respiramos várias vezes profundamente e acalmamos nossa mente.
• Com nossos olhos fechados.
• Não criemos nenhuma expectativa, deixamos apenas sermos guiados.
Passo 3
• Mentalizemos, nosso anjo da guarda e pedimos proteção.
• Por intermédio do nosso anjo da guarda, pedimos contato aos nossos mentores.
Passo 4
• Atenção aos nossos sentimentos.
• É normal sentirmos um calor, uma paz e uma energia ao nosso lado.
• Entre outras sensações, sentiremos nosso mentor se aproximar, todos os dias de
forma específica.
• Ao longo do tempo, aprenderemos a reconhecer esses sinais.
2 ª FASE – SINTONIA ESPIRITUAL
“É preciso ter a disposição
para desenterrar e trazer à
consciência, para sublimar,
nos libertando das suas
influências sutis.”
3ª FASE – REFLEXÃO
• Vícios, defeitos, explosões de sentimentos,
violência, intolerância, angústia, entre outros.
• Ativar e buscar em nossa memória um
acontecimento por vez.
• Nos concentrar no acontecimento escolhido.
“Encobrir os acontecimentos e
lembranças desagradáveis é
uma tendência natural.”
Objetivo: Trazer lembranças de impulsos
que nos influência inconscientemente
• Remontar os acontecimentos, sem nos
deixar envolver pelos mesmos impulsos
que nos dominaram.
• Analisarmos como um expectador, observando o acontecimento.
• Devemos acolher com amor.
• Buscando a transformação para eliminarmos o que nos influência.
4 ª FASE - DETALHAMENTO
• Fatores da autoanálise:
✓Impulsos
✓Reações
✓Consequências
• Prospecção interior
1. O que deu origem ao acontecimento?
2. O que desencadeou as reações impulsivas?
3. Quais as consequências desses atos?
• Resumo dos sentimentos envolvidos:
Impulsos Grosseiros
Violência
Agressividade
Rancor
Motivos
Orgulho
Presunção
Prepotência
Raízes Prováveis
Ambição profissional
Egoísmo incontrolável
Desequilíbrio na autoridade
PARA REFLETIR
Tocados pelo nosso protetor espiritual nos dispomos ao melhoramento de
nós mesmos, aspiramos a renovação interior com exteriorização dessas
boas mudança.
5ª FASE RENOVAÇÃO
Manifesta-se em nosso espírito o arrependimento pelas reações violentas
e deslizes cometidos, que na realidade são os primeiros lampejos da
renovação que se inicia.
Vemos então quanto distantes estamos das metas que desejamos atingir.
Nessa situação vigiemos para não adquirimos, sentimentos depressivos.
Estamos numa nova fase de evolução, sempre com auxilio espiritual.
Passamos a vivência de sentimentos mais nobres, em nos despertados.
Humildade, simplicidade, conformação, altruísmo, desprendimento,
companheirismo, amor, perdão, fidelidade, moderação ao falar, tolerância,
paciência, etc...
5ª FASE RENOVAÇÃO
Devemos procurar rever desde nossa infância até a data presente, todos
os acontecimentos que nos influenciaram o comportamento, ocorrendo
nossa transformação interior.
O que certamente se
refletirá na nossa conduta
exterior, sentiremos abrir-se
em nossos corações os
sentimentos de amor,
tolerância, perdão, etc...
BIBLIOGRAFIA
Iniciação Espírita – Pág. 193 a 196 – Ed. Aliança
Emmanuel – Cap. 35 e 36 – Emmanuel / Chico Xavier – FEB
O Consolador – Parte II cap. 1 a 4 – Emmanuel / Chico Xavier – FEB
O Livro dos Espíritos – Parte III cap. 1 a 12 – Allan Kardec – FEB
O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec – FEB
No Mundo Maior - cap. 3 - A Casa Mental - André Luiz
http://www.velaepavio.com/2013/09/06/56-perguntas-de-auto-analise/
Imagens internet
Participaram da preparação e apresentação dessa aula os alunos da EAE 53º CECC
Anilvaldo - Clarice
Gilberto - Ildeu
Simone - Patricia 08/07/2021

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eae 91 normas da vida espiritual
Eae   91 normas da vida espiritualEae   91 normas da vida espiritual
Eae 91 normas da vida espiritual
Norberto Scavone Augusto
 
Eae 94 - estrutura da aliança
Eae   94 - estrutura da aliançaEae   94 - estrutura da aliança
Eae 94 - estrutura da aliança
Norberto Scavone Augusto
 
AULA 002 EAE DM - A CRIAÇÃO
AULA 002 EAE DM - A CRIAÇÃOAULA 002 EAE DM - A CRIAÇÃO
AULA 002 EAE DM - A CRIAÇÃO
Daniel de Melo
 
Curso Básico de Espiritismo 4
Curso Básico de Espiritismo 4Curso Básico de Espiritismo 4
Curso Básico de Espiritismo 4
Roseli Lemes
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritual
grupodepaisceb
 
Aula 13 - EAE - Implantação do Caderno de Temas
Aula 13 - EAE - Implantação do Caderno de TemasAula 13 - EAE - Implantação do Caderno de Temas
Aula 13 - EAE - Implantação do Caderno de Temas
Flávio Darin Buongermino
 
Eae 3 - o nosso planeta rev 03
Eae   3 - o nosso planeta rev 03Eae   3 - o nosso planeta rev 03
Eae 3 - o nosso planeta rev 03
Norberto Scavone Augusto
 
Eae 71 o apocalipse de joão - mat did
Eae   71 o apocalipse de joão - mat didEae   71 o apocalipse de joão - mat did
Eae 71 o apocalipse de joão - mat did
Norberto Scavone Augusto
 
EAE - AULA 64 - O ESTUDO DAS EPÍSTOLAS
EAE - AULA 64 - O ESTUDO DAS EPÍSTOLASEAE - AULA 64 - O ESTUDO DAS EPÍSTOLAS
EAE - AULA 64 - O ESTUDO DAS EPÍSTOLAS
Luiz Henrique Faleiros
 
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
6ª aula   manifestaçoes visuais - coem6ª aula   manifestaçoes visuais - coem
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
Wagner Quadros
 
Psicofonia
PsicofoniaPsicofonia
Psicofonia
paikachambi
 
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALEae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
PatiSousa1
 
Palestra Sexo E Espiritismo
Palestra Sexo E EspiritismoPalestra Sexo E Espiritismo
Palestra Sexo E Espiritismo
cab3032
 
Coem 2013 aula mediunidade e disciplina
Coem 2013   aula mediunidade e disciplinaCoem 2013   aula mediunidade e disciplina
Coem 2013 aula mediunidade e disciplina
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Aula a lei do amor
Aula   a  lei do amorAula   a  lei do amor
Aula a lei do amor
Ceile Bernardo
 
Desobsessao
DesobsessaoDesobsessao
Desobsessao
paikachambi
 
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
Daniel de Melo
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
paikachambi
 
AULA 088 EAE DM - LEI DO AMOR
AULA 088 EAE DM - LEI DO AMORAULA 088 EAE DM - LEI DO AMOR
AULA 088 EAE DM - LEI DO AMOR
Daniel de Melo
 

Mais procurados (20)

Eae 91 normas da vida espiritual
Eae   91 normas da vida espiritualEae   91 normas da vida espiritual
Eae 91 normas da vida espiritual
 
Eae 94 - estrutura da aliança
Eae   94 - estrutura da aliançaEae   94 - estrutura da aliança
Eae 94 - estrutura da aliança
 
AULA 002 EAE DM - A CRIAÇÃO
AULA 002 EAE DM - A CRIAÇÃOAULA 002 EAE DM - A CRIAÇÃO
AULA 002 EAE DM - A CRIAÇÃO
 
Curso Básico de Espiritismo 4
Curso Básico de Espiritismo 4Curso Básico de Espiritismo 4
Curso Básico de Espiritismo 4
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritual
 
Aula 13 - EAE - Implantação do Caderno de Temas
Aula 13 - EAE - Implantação do Caderno de TemasAula 13 - EAE - Implantação do Caderno de Temas
Aula 13 - EAE - Implantação do Caderno de Temas
 
Eae 3 - o nosso planeta rev 03
Eae   3 - o nosso planeta rev 03Eae   3 - o nosso planeta rev 03
Eae 3 - o nosso planeta rev 03
 
Eae 71 o apocalipse de joão - mat did
Eae   71 o apocalipse de joão - mat didEae   71 o apocalipse de joão - mat did
Eae 71 o apocalipse de joão - mat did
 
EAE - AULA 64 - O ESTUDO DAS EPÍSTOLAS
EAE - AULA 64 - O ESTUDO DAS EPÍSTOLASEAE - AULA 64 - O ESTUDO DAS EPÍSTOLAS
EAE - AULA 64 - O ESTUDO DAS EPÍSTOLAS
 
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
6ª aula   manifestaçoes visuais - coem6ª aula   manifestaçoes visuais - coem
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
 
Psicofonia
PsicofoniaPsicofonia
Psicofonia
 
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALEae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
 
Palestra Sexo E Espiritismo
Palestra Sexo E EspiritismoPalestra Sexo E Espiritismo
Palestra Sexo E Espiritismo
 
Coem 2013 aula mediunidade e disciplina
Coem 2013   aula mediunidade e disciplinaCoem 2013   aula mediunidade e disciplina
Coem 2013 aula mediunidade e disciplina
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
 
Aula a lei do amor
Aula   a  lei do amorAula   a  lei do amor
Aula a lei do amor
 
Desobsessao
DesobsessaoDesobsessao
Desobsessao
 
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
 
AULA 088 EAE DM - LEI DO AMOR
AULA 088 EAE DM - LEI DO AMORAULA 088 EAE DM - LEI DO AMOR
AULA 088 EAE DM - LEI DO AMOR
 

Semelhante a Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)

PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptxPPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
MatildePaulo1
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
Leonardo Pereira
 
O que sentimos sobre nos?
O que sentimos sobre nos?O que sentimos sobre nos?
O que sentimos sobre nos?
ARILMA TAVARES
 
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptxREFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
UMA JORNADA PARA DENTRO
UMA JORNADA PARA DENTROUMA JORNADA PARA DENTRO
UMA JORNADA PARA DENTRO
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
REFORMA INTERIOR
REFORMA INTERIORREFORMA INTERIOR
Reforma íntima
Reforma íntimaReforma íntima
Reforma íntima
Levi Antonio Amancio
 
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanasDores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Educacao sentimento
Educacao sentimentoEducacao sentimento
Educacao sentimento
Lisete B.
 
Escutando Sentimentos "O Seminário"
Escutando Sentimentos "O Seminário"Escutando Sentimentos "O Seminário"
Escutando Sentimentos "O Seminário"
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos! ( seminário).
Escutando sentimentos! ( seminário).Escutando sentimentos! ( seminário).
Escutando sentimentos! ( seminário).
Leonardo Pereira
 
11 de abril 2014 influenciação e obsessão diferenças
11 de abril 2014   influenciação e obsessão diferenças11 de abril 2014   influenciação e obsessão diferenças
11 de abril 2014 influenciação e obsessão diferenças
Lar Irmã Zarabatana
 
O despertar da consciência mirtzi
O despertar da consciência   mirtziO despertar da consciência   mirtzi
O despertar da consciência mirtzi
crismchmg
 
Autoconsciência
AutoconsciênciaAutoconsciência
As bases do transformar se
As bases do transformar seAs bases do transformar se
As bases do transformar se
paikachambi
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
Dalila Melo
 
28 10 2016 - Diferença entre influenciação e obsessão
28 10 2016  - Diferença entre influenciação e obsessão 28 10 2016  - Diferença entre influenciação e obsessão
28 10 2016 - Diferença entre influenciação e obsessão
Lar Irmã Zarabatana
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 23 - Autoaprimoramento
Série Evangelho no Lar - Cap. 23 - AutoaprimoramentoSérie Evangelho no Lar - Cap. 23 - Autoaprimoramento
Série Evangelho no Lar - Cap. 23 - Autoaprimoramento
Ricardo Azevedo
 
Exposicao 28 junho 2011 auto-obsessao
Exposicao 28 junho 2011   auto-obsessaoExposicao 28 junho 2011   auto-obsessao
Exposicao 28 junho 2011 auto-obsessao
caminhodaluz41
 
A arte de interrogar 1.docx
A arte de interrogar 1.docxA arte de interrogar 1.docx
A arte de interrogar 1.docx
Susan Glass
 

Semelhante a Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III) (20)

PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptxPPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
 
O que sentimos sobre nos?
O que sentimos sobre nos?O que sentimos sobre nos?
O que sentimos sobre nos?
 
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptxREFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
 
UMA JORNADA PARA DENTRO
UMA JORNADA PARA DENTROUMA JORNADA PARA DENTRO
UMA JORNADA PARA DENTRO
 
REFORMA INTERIOR
REFORMA INTERIORREFORMA INTERIOR
REFORMA INTERIOR
 
Reforma íntima
Reforma íntimaReforma íntima
Reforma íntima
 
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanasDores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
 
Educacao sentimento
Educacao sentimentoEducacao sentimento
Educacao sentimento
 
Escutando Sentimentos "O Seminário"
Escutando Sentimentos "O Seminário"Escutando Sentimentos "O Seminário"
Escutando Sentimentos "O Seminário"
 
Escutando sentimentos! ( seminário).
Escutando sentimentos! ( seminário).Escutando sentimentos! ( seminário).
Escutando sentimentos! ( seminário).
 
11 de abril 2014 influenciação e obsessão diferenças
11 de abril 2014   influenciação e obsessão diferenças11 de abril 2014   influenciação e obsessão diferenças
11 de abril 2014 influenciação e obsessão diferenças
 
O despertar da consciência mirtzi
O despertar da consciência   mirtziO despertar da consciência   mirtzi
O despertar da consciência mirtzi
 
Autoconsciência
AutoconsciênciaAutoconsciência
Autoconsciência
 
As bases do transformar se
As bases do transformar seAs bases do transformar se
As bases do transformar se
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
 
28 10 2016 - Diferença entre influenciação e obsessão
28 10 2016  - Diferença entre influenciação e obsessão 28 10 2016  - Diferença entre influenciação e obsessão
28 10 2016 - Diferença entre influenciação e obsessão
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 23 - Autoaprimoramento
Série Evangelho no Lar - Cap. 23 - AutoaprimoramentoSérie Evangelho no Lar - Cap. 23 - Autoaprimoramento
Série Evangelho no Lar - Cap. 23 - Autoaprimoramento
 
Exposicao 28 junho 2011 auto-obsessao
Exposicao 28 junho 2011   auto-obsessaoExposicao 28 junho 2011   auto-obsessao
Exposicao 28 junho 2011 auto-obsessao
 
A arte de interrogar 1.docx
A arte de interrogar 1.docxA arte de interrogar 1.docx
A arte de interrogar 1.docx
 

Mais de PatiSousa1

Aula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.pptAula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.ppt
PatiSousa1
 
EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do Cristão
PatiSousa1
 
Basico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxBasico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptx
PatiSousa1
 
AULA 30.pptx
AULA 30.pptxAULA 30.pptx
AULA 30.pptx
PatiSousa1
 
Aula 104
Aula 104Aula 104
Aula 104
PatiSousa1
 
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
EAE 16 -  Infância e Juventude do MessiasEAE 16 -  Infância e Juventude do Messias
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
PatiSousa1
 
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da ÉpocaEae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
PatiSousa1
 
Eae 19 Os Essênios
Eae 19  Os EssêniosEae 19  Os Essênios
Eae 19 Os Essênios
PatiSousa1
 
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
PatiSousa1
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
PatiSousa1
 
Eae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasEae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das Epístolas
PatiSousa1
 
Eae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontadeEae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontade
PatiSousa1
 
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
PatiSousa1
 
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV. Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
PatiSousa1
 
Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar
PatiSousa1
 
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosEae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
PatiSousa1
 
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e JudasEae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
PatiSousa1
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
PatiSousa1
 
Eae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das EpístolasEae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das Epístolas
PatiSousa1
 
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
PatiSousa1
 

Mais de PatiSousa1 (20)

Aula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.pptAula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.ppt
 
EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do Cristão
 
Basico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxBasico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptx
 
AULA 30.pptx
AULA 30.pptxAULA 30.pptx
AULA 30.pptx
 
Aula 104
Aula 104Aula 104
Aula 104
 
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
EAE 16 -  Infância e Juventude do MessiasEAE 16 -  Infância e Juventude do Messias
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
 
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da ÉpocaEae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
 
Eae 19 Os Essênios
Eae 19  Os EssêniosEae 19  Os Essênios
Eae 19 Os Essênios
 
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
 
Eae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasEae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das Epístolas
 
Eae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontadeEae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontade
 
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
 
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV. Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
 
Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar
 
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosEae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
 
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e JudasEae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
 
Eae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das EpístolasEae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das Epístolas
 
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
 

Último

Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
ElijainaVelozoGonalv
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (18)

Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 

Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)

  • 1. AULA 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
  • 2. Nas primeiras aulas desse tema abordamos algumas considerações sobre a Educação, enveredando sobre a Autoeducação no seu aspecto essencial: O EVANGÉLICO O aprimoramento da criatura com o Mestre Jesus é o caminho mais objetivo e eficaz de aperfeiçoamento dos seres humanos. Vamos estudar alguns meios de aplicação, através de práticas individuais, nas quais podemos obter os resultados que aspiramos no nosso trabalho de autoeducação. INTRODUÇÃO
  • 3. Conhece a ti mesmo e o resto lhe será dado por acréscimo. Estamos caminhando para a libertação das amarras milenares dos vício e defeitos que estão soterrados em nosso inconsciente. AUTOANÁLISE Essa autoanálise nos ajuda a termos maior percepção de nós mesmos. Temos os 03 pavimentos: - Inferior (porão) é o subconsciente, onde está nossas experiências vividas no passado. - Temos o intermediário que é o consciente, o que estamos vivendo hoje. - O superconsciente que é o que aspiramos e desejamos no futuro.
  • 4. “Casa mental”, podemos estudar no livro “No Mundo Maior”, cap. 3 - A Casa Mental - André Luiz
  • 5. • Tudo fica arquivado e vivo, embora esquecido em nossa consciência presente. • Em nosso inconsciente mais profundo acham-se igualmente acumuladas as vivências de outras encarnações. • Sucessos, insucessos, aquisições, faltas, parcialmente esquecidas, refletem-se, no entanto como reminiscências (tendência nata). Memórias familiares, na sociedade, os momentos de alegria, de dor, de felicidade, de tristeza, os desejos satisfeitos, as frustações, os impulsos recalcados, os ódios, as vinganças, o ciúmes, as manifestações de carinho recebidas na infância, à carência de afeto, a solidão do abandono na juventude, as incompreensões e desgostos na adolescência, os sofrimentos, as humilhações, as repressões.
  • 6. O processo de autoanálise é explorar nosso eu. Lembrarmos de experiências, onde desencadearam em nós os ódios, rancores, agressividade, intolerância, etc... Nosso esforço é observar nosso comportamento exterior e interior. Assim percebemos os impulsos, de fortes emoções que nos envenenam e nos deprimem. As vezes percebemos que magoamos alguém e temos arrependimento e entendemos que tal atitude nos levou a isso... Já estamos nos conhecendo.
  • 7.  Escolha do local A PRÁTICA DA AUTOANÁLISE  Análise em grupo  Processo individual
  • 8.  Serenamos a mente 1ª FASE - PREPARAÇÃO  Relaxamos os músculos  Nos sentiremos calmos  Imaginamos uma luz azul  Música baixa e suave  Respiramos profundamente
  • 9. Objetivo: Contato mais íntimo com nosso mentor espiritual e possibilitar uma vivência espiritual • Manifestar o desejo de nos conhecer e nos libertar. • Entrar em contato com nosso mentor espiritual nos sentiremos mais conectado, intuídos e direcionado aos nossos propósitos. • Depois de sintonizar com o mentor espiritual, devemos mentalmente, pedir ajuda sincera, estamos buscando a mudança. • O contato requer persistência, fé, perseverança e entusiasmo. • Observar o que vai nos colocar intuitivamente, sob orientação como fonte de reflexão de nossa vida. • Estabeleceremos um diálogo mental. 2ª FASE – SINTONIA ESPIRITUAL
  • 10. 2ª FASE – SINTONIA ESPIRITUAL Passo 1 • Escolha um local tranquilo, para não haver incomodos. • Recomendado que o contato seja feito no mesmo horário e local todos os dias. • Termos em mente a necessidade de treinar essa conexão. • Devemos agir de acordo com nossa intuição. Passo 2 • Respiramos várias vezes profundamente e acalmamos nossa mente. • Com nossos olhos fechados. • Não criemos nenhuma expectativa, deixamos apenas sermos guiados.
  • 11. Passo 3 • Mentalizemos, nosso anjo da guarda e pedimos proteção. • Por intermédio do nosso anjo da guarda, pedimos contato aos nossos mentores. Passo 4 • Atenção aos nossos sentimentos. • É normal sentirmos um calor, uma paz e uma energia ao nosso lado. • Entre outras sensações, sentiremos nosso mentor se aproximar, todos os dias de forma específica. • Ao longo do tempo, aprenderemos a reconhecer esses sinais. 2 ª FASE – SINTONIA ESPIRITUAL
  • 12. “É preciso ter a disposição para desenterrar e trazer à consciência, para sublimar, nos libertando das suas influências sutis.” 3ª FASE – REFLEXÃO • Vícios, defeitos, explosões de sentimentos, violência, intolerância, angústia, entre outros. • Ativar e buscar em nossa memória um acontecimento por vez. • Nos concentrar no acontecimento escolhido. “Encobrir os acontecimentos e lembranças desagradáveis é uma tendência natural.” Objetivo: Trazer lembranças de impulsos que nos influência inconscientemente • Remontar os acontecimentos, sem nos deixar envolver pelos mesmos impulsos que nos dominaram. • Analisarmos como um expectador, observando o acontecimento. • Devemos acolher com amor. • Buscando a transformação para eliminarmos o que nos influência.
  • 13. 4 ª FASE - DETALHAMENTO • Fatores da autoanálise: ✓Impulsos ✓Reações ✓Consequências
  • 14. • Prospecção interior 1. O que deu origem ao acontecimento? 2. O que desencadeou as reações impulsivas? 3. Quais as consequências desses atos?
  • 15. • Resumo dos sentimentos envolvidos: Impulsos Grosseiros Violência Agressividade Rancor Motivos Orgulho Presunção Prepotência Raízes Prováveis Ambição profissional Egoísmo incontrolável Desequilíbrio na autoridade
  • 17. Tocados pelo nosso protetor espiritual nos dispomos ao melhoramento de nós mesmos, aspiramos a renovação interior com exteriorização dessas boas mudança. 5ª FASE RENOVAÇÃO Manifesta-se em nosso espírito o arrependimento pelas reações violentas e deslizes cometidos, que na realidade são os primeiros lampejos da renovação que se inicia. Vemos então quanto distantes estamos das metas que desejamos atingir. Nessa situação vigiemos para não adquirimos, sentimentos depressivos.
  • 18. Estamos numa nova fase de evolução, sempre com auxilio espiritual. Passamos a vivência de sentimentos mais nobres, em nos despertados. Humildade, simplicidade, conformação, altruísmo, desprendimento, companheirismo, amor, perdão, fidelidade, moderação ao falar, tolerância, paciência, etc... 5ª FASE RENOVAÇÃO Devemos procurar rever desde nossa infância até a data presente, todos os acontecimentos que nos influenciaram o comportamento, ocorrendo nossa transformação interior. O que certamente se refletirá na nossa conduta exterior, sentiremos abrir-se em nossos corações os sentimentos de amor, tolerância, perdão, etc...
  • 19. BIBLIOGRAFIA Iniciação Espírita – Pág. 193 a 196 – Ed. Aliança Emmanuel – Cap. 35 e 36 – Emmanuel / Chico Xavier – FEB O Consolador – Parte II cap. 1 a 4 – Emmanuel / Chico Xavier – FEB O Livro dos Espíritos – Parte III cap. 1 a 12 – Allan Kardec – FEB O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec – FEB No Mundo Maior - cap. 3 - A Casa Mental - André Luiz http://www.velaepavio.com/2013/09/06/56-perguntas-de-auto-analise/ Imagens internet Participaram da preparação e apresentação dessa aula os alunos da EAE 53º CECC Anilvaldo - Clarice Gilberto - Ildeu Simone - Patricia 08/07/2021