SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 30
Desenvolvimento da pregação
HOSTILIDADES NO SINÉDRIO
• A estreita perseguição do sinédrio a Jesus.
• Estavam em todos os lados e lugares
• Para que uma represália acontecesse foi elaborado um plano, todos rabis fariseus,
saduceus, escribas e doutores da Lei, hazans, dirigente de sinagogas e outras
autoridades foram orientados a reunir o maior número de provas com urgência.
• Transgressões feitas: contra Tora, regras de conduta, costumes e praxes estabelecidas
pelo Sinédrio.
• Discípulos constantemente procurados e interrogados.
• Convite para ceia na casa de Simão, no qual não iria perder a oportunidade de reunir provas,
sabendo da fama de Jesus.
SINÉDRIO
MARIA DE MAGDALA
• Envolvida por pensamentos profundos, Maria de Magdala penetrou o umbral da humilde
residência de Simão Pedro, onde Jesus parecia esperá-la, tal a bondade com que a
recebeu num grande sorriso. A recém-chegada sentou-se com indefinível emoção a
esmagar o peito.
• Vencendo, porém, as suas mais fortes impressões, assim falou, em voz súplice, feitas as
primeiras saudações:
• Senhor, ouvi a vossa palavra consoladora e venho ao vosso encontro! .... Tendes a
clarividência do céu e podeis adivinhar como tenho vivido! Sou uma filha do pecado. Todos
me condenam. Entretanto, Mestre, observai como tenho sede do verdadeiro amor! ....
Minha existência, como todos os prazeres, tem sido estéril e amargurada...
• As primeiras lágrimas lhe borbulharam dos olhos, enquanto Jesus a contemplava, com
bondade infinita.
• O profeta nazareno havia plantado em sua alma novos pensamentos.
AULA 30.pptx
• O Profeta nazareno fitou-a, enternecido, sondando as profundezas de seu pensamento, e
respondeu, bondoso: Maria, levanta os olhos para o céu e regozija-te no caminho, porque
escutaste a Boa Nova do Reino e Deus te abençoa as alegrias! Acaso, poderias pensar que
alguém no mundo estivesse condenado ao pecado eterno? Onde, então, o amor de Nosso Pai?
Nunca viste a primavera dar flores sobre uma casa em ruínas? As ruínas são as criaturas
humanas; porém, as flores são as esperanças em Deus.
• Sobre todas as falências e desventuras próprias do homem, as bênçãos paternais de Deus
descem e chamam. Sentes hoje esse novo Sol a iluminar-te O destino!
• Caminha agora, sob a sua luz, porque o amor cobre a multidão dos pecados.
• Na tua condição de mulher, já pensaste no que seria o mundo sem as mães exterminadas no
silêncio e no sacrifício.
• E qual das mães será maior aos olhos de Deus?
• A que se devotou somente aos filhos de sua carne, ou a que se consagrou, pelo espírito, aos
filhos das outras mães?
• Nesse instante, Simão Pedro passou pelo aposento, demandando o interior, e a observou com
certa estranheza. A convertida de Magdala lhe sentiu o olhar glacial, quase denotando desprezo, e,
já receosa de um dia perder a convivência do Mestre, perguntou com interesse:
• - Senhor, quando partirdes deste mundo, como ficaremos?
• Jesus compreendeu o motivo e o alcance de sua palavra e esclareceu:
• - Certamente que partirei, mas estaremos eternamente reunidos em espírito.
• Quanto ao futuro, com o infinito de suas perspectivas, é necessário que cada um tome sua cruz,
em busca da porta estreita da redenção, colocando acima de tudo a fidelidade a Deus e, em
segundo lugar, a perfeita confiança em si mesmo.
• Observando que Maria, ainda opressa pelo olhar estranho de Simão Pedro, se preparava a
regressar, o Mestre lhe sorriu com bondade e disse:
• Vai, Maria! ... sacrifica-te e ama sempre. Longo é o caminho, difícil a jornada, estreita a porta; mas,
a fé remove os obstáculos.... Nada temas: é preciso crer somente!
Eis que a olhos vistos, mais, esse escândalo de Jesus, - porventura ignora que tal
aproximação profana é vedada pela Lei?
• Me convidaste a ceia, com proposito oculto de verificar minhas palavras e atitudes;
• Seus amigos para testemunhar;
• Não me destes água para lavar as mãos e os pés, somente aos outros;
• Obrigou-me a comer sem lavar as mãos, nada reclamei;
• Agora ela vem lava meus pés com suas lágrimas e unge-os com perfume, enxuga-os
com os cabelos. Apesar de sabê-la pecadora, aceitei.
• Ambos são devedores e a ambos perdoei.
• Qual dos dois, demonstrou mais compaixão?
• Diz: “levanta-te minha filha, teus pecados te são perdoados. Vai em paz”.
• Ele, retirou-se indo para casa do Levi.
AULA 30.pptx
A INVESTIGAÇÃO CONTINUA
• Por acaso vosso rabi, já morto, perdoava pecados de alguém?
• Sabeis de algum rabi ou sacerdotes que, que por si mesmos, hajam perdoados pecado?
• Com isso delegados do sinédrio concluíram que Jesus era, realmente, um transgressor
da Lei e dos costumes de Israel, principalmente por não respeitar o sábado, sentar-se à
mesa e repartir o pão com pessoas impuras e blasfemar contra Deus, perdoando
pecados.
• Junto aos discípulos falou sobre a parábola do Reino divino em si mesmo, mas, mesmo
assim, os discípulos se demonstraram aterrorizando se a partir daí que Judas, pelo
menos, começou a perder a fé no seu rabi.
• Devido as circunstâncias Jesus deixou a cidade.
O DESENVOLVIMENTO DA PREGAÇÃO
• Jesus escolheu CARFANAUM para o centro de suas atividades.
• “E na terra que foi angustiada não será entenebrecida; envileceu* nos primeiros tempos,
mas nos últimos se enobreceu, junto ao caminho do mar, além do Jordão, na Galileia
dos gentios. O povo que andava em trevas viu uma grande luz e sobre os que
habitavam na terra da sombra da morte resplandeceu uma luz. ” (Isaias 9:2)
• Nessa região que fez grande parte de seus “milagres” e curas.
• Local que também tomou força a campanha sobre desmerecer o que Jesus fazia, de
acordo com escribas, fariseus e agentes do clero judaico.
*Fazer ficar vil ou desprezível; perder a honra ou o primor; humilhar ou humilhar-se
• Após a conclusão pelos delegados do sinédrio que Jesus era culpado muitos o deixaram.
• Que Ele era um fanático religioso, iludido e inofensivo.
• Que Ele era um agitador perigoso e astuto, que poderia incitar a rebelião.
• Que Ele estava aliado a demônios, que poderia mesmo ser um príncipe dos demônios.
• Que Ele estava fora de si, que estava louco, mentalmente desequilibrado.
• Era acusado de cumplice de Satã, o que sujeitava Ele e seus discípulos servirem de
escarnio público em muitos lugares onde passavam.
Foi por esses dias que se deu suas falas em pregações posteriores:
“eu sou o pão vivo que desceu do céu; quem comer deste pão viverá eternamente” e
acrescentou:
“E o pão que vos darei será a minha própria carne, que sacrificarei pela salvação do
mundo”, não compreenderam que se referia ao sacrifico do Gólgota, ao qual, pouco tempo
depois, se entregou e, julgaram que tinha enlouquecido.
• Era certo que o que vinha sofrendo, as acusações e juízos não vinha de gente pobre, o
povo humilde.
• Logo chegou a Nazaré as notícias e sua mãe preocupada, acompanhava os passos de
seu filho. Sabendo dos acontecimentos infelizes.
• Sabia da repressão de movimentos religiosos, conhecia as regras do Templo tinha
diretrizes fortes e injusta contra qualquer um a quem não gostassem.
• Assim solicitou que seus filhos a acompanhasse até Carfanaum, iria com intuito de
trazer de volta para casa seu filho, nem que fosse por algum tempo, conhecia seu
delicado coração e seu trabalho junto ao povo humilde e não queria deixá-lo exposto às
represálias do Sinédrio.
• Chegaram a casa de Simão e, não podendo entrar devido a multidão, esperaram e foram
reconhecidos com isso Jesus ficou sabendo da sua presença...
• Mas Jesus não podia dentro da sua missão se ater aos sentimentos, quando foi avisado:
estão aí fora tua Mãe e teus irmão, que te procuram.
• Ele estendendo os braços para os que os escutavam, respondeu: “minha mãe e meus
irmãos são aqueles que fazem a vontade de meu Pai, que crêem em mim e seguem os
meus ensinamentos”
• Ligações verdadeiras e permanentes não estão na carne e sim nas almas.
• Tinha conhecimento que seus irmãos não o queriam nas atividades religiosas e sim em
casa, somente Maria e que lhe dava o apoio.
• Por isso, após terminar a pregação foi até Ela, prestou as honras devidas e, sossegou
coração angustiado.
BIBLIOGRAFIA
• O Redentor - Cap. 28 a 30 - Edgard Armond - Ed. Aliança
• Crônicas Evangélicas – Pág. 117 a 119 – Paulo Alves Godoy
• Caminho, Verdade e Vida – Pág. 89 e 90 – Emmanuel / Chico Xavier - FEB
• Boa Nova - Cap. 20 - Humberto de Campos / Chico Xavier - FEB
• Maria de Nazaré - Roque Jacintho - Ed. Luz no Lar
• Maria de Magdala – Roque Jacintho – Ed. Luz no Lar
• Imagens google
• Dicionário dicio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso Básico de Espiritismo 5
Curso Básico de Espiritismo 5Curso Básico de Espiritismo 5
Curso Básico de Espiritismo 5
Roseli Lemes
 
Parábola da figueira seca
Parábola da figueira secaParábola da figueira seca
Parábola da figueira seca
alice martins
 
Jugo leve
Jugo leveJugo leve
Jugo leve
Candice Gunther
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
Norberto Tomasini Jr
 
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
Daniel de Melo
 
Paulo e estevão
Paulo e estevãoPaulo e estevão
Paulo e estevão
Martha Rodrigues
 
O centro espírita
O centro espíritaO centro espírita
O centro espírita
nelmarvoc
 
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Graça Maciel
 
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV. Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
PatiSousa1
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Visão espírita da Páscoa
Visão espírita da PáscoaVisão espírita da Páscoa
Visão espírita da Páscoa
Oceander Veschi
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
Marcos Accioly
 
A033 EAE DM - O QUADRO DOS DISCÍPULOS 20170908
A033 EAE DM - O QUADRO DOS DISCÍPULOS 20170908A033 EAE DM - O QUADRO DOS DISCÍPULOS 20170908
A033 EAE DM - O QUADRO DOS DISCÍPULOS 20170908
Daniel de Melo
 
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
Daniel de Melo
 
EAE 111
EAE 111EAE 111
EAE 111
Roseli Lemes
 
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
Daniel de Melo
 
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
PatiSousa1
 
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTAA054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
Daniel de Melo
 
O CONSOLADOR PROMETIDO
O CONSOLADOR PROMETIDOO CONSOLADOR PROMETIDO
O CONSOLADOR PROMETIDO
Jorge Luiz dos Santos
 
Não vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Não vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEMNão vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Não vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Curso Básico de Espiritismo 5
Curso Básico de Espiritismo 5Curso Básico de Espiritismo 5
Curso Básico de Espiritismo 5
 
Parábola da figueira seca
Parábola da figueira secaParábola da figueira seca
Parábola da figueira seca
 
Jugo leve
Jugo leveJugo leve
Jugo leve
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
 
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
 
Paulo e estevão
Paulo e estevãoPaulo e estevão
Paulo e estevão
 
O centro espírita
O centro espíritaO centro espírita
O centro espírita
 
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
 
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV. Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
 
Visão espírita da Páscoa
Visão espírita da PáscoaVisão espírita da Páscoa
Visão espírita da Páscoa
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
A033 EAE DM - O QUADRO DOS DISCÍPULOS 20170908
A033 EAE DM - O QUADRO DOS DISCÍPULOS 20170908A033 EAE DM - O QUADRO DOS DISCÍPULOS 20170908
A033 EAE DM - O QUADRO DOS DISCÍPULOS 20170908
 
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
 
EAE 111
EAE 111EAE 111
EAE 111
 
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
 
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
 
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTAA054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
 
O CONSOLADOR PROMETIDO
O CONSOLADOR PROMETIDOO CONSOLADOR PROMETIDO
O CONSOLADOR PROMETIDO
 
Não vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Não vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEMNão vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Não vim destruir a lei-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
 

Semelhante a AULA 30.pptx

Joana de Cusa
Joana de CusaJoana de Cusa
Joana de Cusa
Fatoze
 
Joana de cuza
Joana de cuzaJoana de cuza
Boletim 545 24-06-12
Boletim 545 24-06-12Boletim 545 24-06-12
Boletim 545 24-06-12
ibrcaruaru
 
livro-ebook-conversoes-desejadas.pdf
livro-ebook-conversoes-desejadas.pdflivro-ebook-conversoes-desejadas.pdf
livro-ebook-conversoes-desejadas.pdf
ValcenildoDias
 
Boletim 548 15-07-12
Boletim 548 15-07-12Boletim 548 15-07-12
Boletim 548 15-07-12
ibrcaruaru
 
Achados e perdidos.
Achados e perdidos.Achados e perdidos.
Achados e perdidos.
Joel Silva
 
Sermão achados e perdidos.
Sermão  achados e perdidos.Sermão  achados e perdidos.
Sermão achados e perdidos.
Joel Silva
 
Pecado e punição
Pecado e puniçãoPecado e punição
Pecado e punição
Fatoze
 
Primeira vida de São Francisco de Assis
Primeira vida de São Francisco de AssisPrimeira vida de São Francisco de Assis
Primeira vida de São Francisco de Assis
Marcos Antonio da Silva
 
O Exemplo de Joana de Cusa
O Exemplo de Joana de CusaO Exemplo de Joana de Cusa
O Exemplo de Joana de Cusa
Helio Cruz
 
A figueira murcha (c .h. spurgeon)
A figueira murcha (c .h. spurgeon)A figueira murcha (c .h. spurgeon)
A figueira murcha (c .h. spurgeon)
Deusdete Soares
 
O martirio de policarpo
O martirio de policarpoO martirio de policarpo
O martirio de policarpo
Moysés Lautenschlager
 
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
PatiSousa1
 
Aula 60. Escola de Aprendizes do Evangelho. Paulo defende-se em Jerusalém
Aula 60. Escola de Aprendizes do Evangelho. Paulo defende-se em JerusalémAula 60. Escola de Aprendizes do Evangelho. Paulo defende-se em Jerusalém
Aula 60. Escola de Aprendizes do Evangelho. Paulo defende-se em Jerusalém
liliancostadias
 
Quinto relatorio de missoes o missionario bruno da motanha.
Quinto relatorio de missoes o missionario bruno da motanha.Quinto relatorio de missoes o missionario bruno da motanha.
Quinto relatorio de missoes o missionario bruno da motanha.
Kaypym Araujo
 
NAMORO, NOIVADO E CASAMENTO
NAMORO, NOIVADO E CASAMENTONAMORO, NOIVADO E CASAMENTO
NAMORO, NOIVADO E CASAMENTO
Cristiane Patricio
 
I Corintios cap 10
I Corintios cap 10I Corintios cap 10
I Corintios cap 10
Andreia Quesada
 
Boletim 559 30-09-12
Boletim 559 30-09-12Boletim 559 30-09-12
Boletim 559 30-09-12
ibrcaruaru
 
O peso da luz
O peso da luzO peso da luz
O peso da luz
Helio Cruz
 
PRÁTICAS SAGRADAS DOS CIGANOS - L.P Baçam.pdf
PRÁTICAS SAGRADAS DOS CIGANOS - L.P Baçam.pdfPRÁTICAS SAGRADAS DOS CIGANOS - L.P Baçam.pdf
PRÁTICAS SAGRADAS DOS CIGANOS - L.P Baçam.pdf
VIEIRA RESENDE
 

Semelhante a AULA 30.pptx (20)

Joana de Cusa
Joana de CusaJoana de Cusa
Joana de Cusa
 
Joana de cuza
Joana de cuzaJoana de cuza
Joana de cuza
 
Boletim 545 24-06-12
Boletim 545 24-06-12Boletim 545 24-06-12
Boletim 545 24-06-12
 
livro-ebook-conversoes-desejadas.pdf
livro-ebook-conversoes-desejadas.pdflivro-ebook-conversoes-desejadas.pdf
livro-ebook-conversoes-desejadas.pdf
 
Boletim 548 15-07-12
Boletim 548 15-07-12Boletim 548 15-07-12
Boletim 548 15-07-12
 
Achados e perdidos.
Achados e perdidos.Achados e perdidos.
Achados e perdidos.
 
Sermão achados e perdidos.
Sermão  achados e perdidos.Sermão  achados e perdidos.
Sermão achados e perdidos.
 
Pecado e punição
Pecado e puniçãoPecado e punição
Pecado e punição
 
Primeira vida de São Francisco de Assis
Primeira vida de São Francisco de AssisPrimeira vida de São Francisco de Assis
Primeira vida de São Francisco de Assis
 
O Exemplo de Joana de Cusa
O Exemplo de Joana de CusaO Exemplo de Joana de Cusa
O Exemplo de Joana de Cusa
 
A figueira murcha (c .h. spurgeon)
A figueira murcha (c .h. spurgeon)A figueira murcha (c .h. spurgeon)
A figueira murcha (c .h. spurgeon)
 
O martirio de policarpo
O martirio de policarpoO martirio de policarpo
O martirio de policarpo
 
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
 
Aula 60. Escola de Aprendizes do Evangelho. Paulo defende-se em Jerusalém
Aula 60. Escola de Aprendizes do Evangelho. Paulo defende-se em JerusalémAula 60. Escola de Aprendizes do Evangelho. Paulo defende-se em Jerusalém
Aula 60. Escola de Aprendizes do Evangelho. Paulo defende-se em Jerusalém
 
Quinto relatorio de missoes o missionario bruno da motanha.
Quinto relatorio de missoes o missionario bruno da motanha.Quinto relatorio de missoes o missionario bruno da motanha.
Quinto relatorio de missoes o missionario bruno da motanha.
 
NAMORO, NOIVADO E CASAMENTO
NAMORO, NOIVADO E CASAMENTONAMORO, NOIVADO E CASAMENTO
NAMORO, NOIVADO E CASAMENTO
 
I Corintios cap 10
I Corintios cap 10I Corintios cap 10
I Corintios cap 10
 
Boletim 559 30-09-12
Boletim 559 30-09-12Boletim 559 30-09-12
Boletim 559 30-09-12
 
O peso da luz
O peso da luzO peso da luz
O peso da luz
 
PRÁTICAS SAGRADAS DOS CIGANOS - L.P Baçam.pdf
PRÁTICAS SAGRADAS DOS CIGANOS - L.P Baçam.pdfPRÁTICAS SAGRADAS DOS CIGANOS - L.P Baçam.pdf
PRÁTICAS SAGRADAS DOS CIGANOS - L.P Baçam.pdf
 

Mais de PatiSousa1

Aula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.pptAula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.ppt
PatiSousa1
 
EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do Cristão
PatiSousa1
 
Basico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxBasico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptx
PatiSousa1
 
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
PatiSousa1
 
Aula 104
Aula 104Aula 104
Aula 104
PatiSousa1
 
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
PatiSousa1
 
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
EAE 16 -  Infância e Juventude do MessiasEAE 16 -  Infância e Juventude do Messias
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
PatiSousa1
 
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da ÉpocaEae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
PatiSousa1
 
Eae 19 Os Essênios
Eae 19  Os EssêniosEae 19  Os Essênios
Eae 19 Os Essênios
PatiSousa1
 
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
PatiSousa1
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
PatiSousa1
 
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALEae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
PatiSousa1
 
Eae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasEae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das Epístolas
PatiSousa1
 
Eae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontadeEae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontade
PatiSousa1
 
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
PatiSousa1
 
Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar
PatiSousa1
 
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosEae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
PatiSousa1
 
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e JudasEae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
PatiSousa1
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
PatiSousa1
 
Eae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das EpístolasEae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das Epístolas
PatiSousa1
 

Mais de PatiSousa1 (20)

Aula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.pptAula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.ppt
 
EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do Cristão
 
Basico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxBasico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptx
 
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
 
Aula 104
Aula 104Aula 104
Aula 104
 
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
 
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
EAE 16 -  Infância e Juventude do MessiasEAE 16 -  Infância e Juventude do Messias
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
 
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da ÉpocaEae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
 
Eae 19 Os Essênios
Eae 19  Os EssêniosEae 19  Os Essênios
Eae 19 Os Essênios
 
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
 
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALEae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
 
Eae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasEae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das Epístolas
 
Eae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontadeEae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontade
 
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
 
Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar
 
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosEae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
 
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e JudasEae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
 
Eae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das EpístolasEae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das Epístolas
 

Último

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 

Último (14)

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 

AULA 30.pptx

  • 2. HOSTILIDADES NO SINÉDRIO • A estreita perseguição do sinédrio a Jesus. • Estavam em todos os lados e lugares • Para que uma represália acontecesse foi elaborado um plano, todos rabis fariseus, saduceus, escribas e doutores da Lei, hazans, dirigente de sinagogas e outras autoridades foram orientados a reunir o maior número de provas com urgência. • Transgressões feitas: contra Tora, regras de conduta, costumes e praxes estabelecidas pelo Sinédrio. • Discípulos constantemente procurados e interrogados. • Convite para ceia na casa de Simão, no qual não iria perder a oportunidade de reunir provas, sabendo da fama de Jesus.
  • 4. MARIA DE MAGDALA • Envolvida por pensamentos profundos, Maria de Magdala penetrou o umbral da humilde residência de Simão Pedro, onde Jesus parecia esperá-la, tal a bondade com que a recebeu num grande sorriso. A recém-chegada sentou-se com indefinível emoção a esmagar o peito. • Vencendo, porém, as suas mais fortes impressões, assim falou, em voz súplice, feitas as primeiras saudações: • Senhor, ouvi a vossa palavra consoladora e venho ao vosso encontro! .... Tendes a clarividência do céu e podeis adivinhar como tenho vivido! Sou uma filha do pecado. Todos me condenam. Entretanto, Mestre, observai como tenho sede do verdadeiro amor! .... Minha existência, como todos os prazeres, tem sido estéril e amargurada... • As primeiras lágrimas lhe borbulharam dos olhos, enquanto Jesus a contemplava, com bondade infinita. • O profeta nazareno havia plantado em sua alma novos pensamentos.
  • 6. • O Profeta nazareno fitou-a, enternecido, sondando as profundezas de seu pensamento, e respondeu, bondoso: Maria, levanta os olhos para o céu e regozija-te no caminho, porque escutaste a Boa Nova do Reino e Deus te abençoa as alegrias! Acaso, poderias pensar que alguém no mundo estivesse condenado ao pecado eterno? Onde, então, o amor de Nosso Pai? Nunca viste a primavera dar flores sobre uma casa em ruínas? As ruínas são as criaturas humanas; porém, as flores são as esperanças em Deus. • Sobre todas as falências e desventuras próprias do homem, as bênçãos paternais de Deus descem e chamam. Sentes hoje esse novo Sol a iluminar-te O destino! • Caminha agora, sob a sua luz, porque o amor cobre a multidão dos pecados. • Na tua condição de mulher, já pensaste no que seria o mundo sem as mães exterminadas no silêncio e no sacrifício. • E qual das mães será maior aos olhos de Deus? • A que se devotou somente aos filhos de sua carne, ou a que se consagrou, pelo espírito, aos filhos das outras mães?
  • 7. • Nesse instante, Simão Pedro passou pelo aposento, demandando o interior, e a observou com certa estranheza. A convertida de Magdala lhe sentiu o olhar glacial, quase denotando desprezo, e, já receosa de um dia perder a convivência do Mestre, perguntou com interesse: • - Senhor, quando partirdes deste mundo, como ficaremos? • Jesus compreendeu o motivo e o alcance de sua palavra e esclareceu: • - Certamente que partirei, mas estaremos eternamente reunidos em espírito. • Quanto ao futuro, com o infinito de suas perspectivas, é necessário que cada um tome sua cruz, em busca da porta estreita da redenção, colocando acima de tudo a fidelidade a Deus e, em segundo lugar, a perfeita confiança em si mesmo. • Observando que Maria, ainda opressa pelo olhar estranho de Simão Pedro, se preparava a regressar, o Mestre lhe sorriu com bondade e disse: • Vai, Maria! ... sacrifica-te e ama sempre. Longo é o caminho, difícil a jornada, estreita a porta; mas, a fé remove os obstáculos.... Nada temas: é preciso crer somente!
  • 8. Eis que a olhos vistos, mais, esse escândalo de Jesus, - porventura ignora que tal aproximação profana é vedada pela Lei? • Me convidaste a ceia, com proposito oculto de verificar minhas palavras e atitudes; • Seus amigos para testemunhar; • Não me destes água para lavar as mãos e os pés, somente aos outros; • Obrigou-me a comer sem lavar as mãos, nada reclamei; • Agora ela vem lava meus pés com suas lágrimas e unge-os com perfume, enxuga-os com os cabelos. Apesar de sabê-la pecadora, aceitei. • Ambos são devedores e a ambos perdoei. • Qual dos dois, demonstrou mais compaixão? • Diz: “levanta-te minha filha, teus pecados te são perdoados. Vai em paz”. • Ele, retirou-se indo para casa do Levi.
  • 10. A INVESTIGAÇÃO CONTINUA • Por acaso vosso rabi, já morto, perdoava pecados de alguém? • Sabeis de algum rabi ou sacerdotes que, que por si mesmos, hajam perdoados pecado? • Com isso delegados do sinédrio concluíram que Jesus era, realmente, um transgressor da Lei e dos costumes de Israel, principalmente por não respeitar o sábado, sentar-se à mesa e repartir o pão com pessoas impuras e blasfemar contra Deus, perdoando pecados. • Junto aos discípulos falou sobre a parábola do Reino divino em si mesmo, mas, mesmo assim, os discípulos se demonstraram aterrorizando se a partir daí que Judas, pelo menos, começou a perder a fé no seu rabi. • Devido as circunstâncias Jesus deixou a cidade.
  • 11. O DESENVOLVIMENTO DA PREGAÇÃO • Jesus escolheu CARFANAUM para o centro de suas atividades. • “E na terra que foi angustiada não será entenebrecida; envileceu* nos primeiros tempos, mas nos últimos se enobreceu, junto ao caminho do mar, além do Jordão, na Galileia dos gentios. O povo que andava em trevas viu uma grande luz e sobre os que habitavam na terra da sombra da morte resplandeceu uma luz. ” (Isaias 9:2) • Nessa região que fez grande parte de seus “milagres” e curas. • Local que também tomou força a campanha sobre desmerecer o que Jesus fazia, de acordo com escribas, fariseus e agentes do clero judaico. *Fazer ficar vil ou desprezível; perder a honra ou o primor; humilhar ou humilhar-se
  • 12. • Após a conclusão pelos delegados do sinédrio que Jesus era culpado muitos o deixaram. • Que Ele era um fanático religioso, iludido e inofensivo. • Que Ele era um agitador perigoso e astuto, que poderia incitar a rebelião. • Que Ele estava aliado a demônios, que poderia mesmo ser um príncipe dos demônios. • Que Ele estava fora de si, que estava louco, mentalmente desequilibrado. • Era acusado de cumplice de Satã, o que sujeitava Ele e seus discípulos servirem de escarnio público em muitos lugares onde passavam.
  • 13. Foi por esses dias que se deu suas falas em pregações posteriores: “eu sou o pão vivo que desceu do céu; quem comer deste pão viverá eternamente” e acrescentou: “E o pão que vos darei será a minha própria carne, que sacrificarei pela salvação do mundo”, não compreenderam que se referia ao sacrifico do Gólgota, ao qual, pouco tempo depois, se entregou e, julgaram que tinha enlouquecido.
  • 14. • Era certo que o que vinha sofrendo, as acusações e juízos não vinha de gente pobre, o povo humilde. • Logo chegou a Nazaré as notícias e sua mãe preocupada, acompanhava os passos de seu filho. Sabendo dos acontecimentos infelizes. • Sabia da repressão de movimentos religiosos, conhecia as regras do Templo tinha diretrizes fortes e injusta contra qualquer um a quem não gostassem. • Assim solicitou que seus filhos a acompanhasse até Carfanaum, iria com intuito de trazer de volta para casa seu filho, nem que fosse por algum tempo, conhecia seu delicado coração e seu trabalho junto ao povo humilde e não queria deixá-lo exposto às represálias do Sinédrio.
  • 15. • Chegaram a casa de Simão e, não podendo entrar devido a multidão, esperaram e foram reconhecidos com isso Jesus ficou sabendo da sua presença... • Mas Jesus não podia dentro da sua missão se ater aos sentimentos, quando foi avisado: estão aí fora tua Mãe e teus irmão, que te procuram. • Ele estendendo os braços para os que os escutavam, respondeu: “minha mãe e meus irmãos são aqueles que fazem a vontade de meu Pai, que crêem em mim e seguem os meus ensinamentos” • Ligações verdadeiras e permanentes não estão na carne e sim nas almas. • Tinha conhecimento que seus irmãos não o queriam nas atividades religiosas e sim em casa, somente Maria e que lhe dava o apoio. • Por isso, após terminar a pregação foi até Ela, prestou as honras devidas e, sossegou coração angustiado.
  • 16. BIBLIOGRAFIA • O Redentor - Cap. 28 a 30 - Edgard Armond - Ed. Aliança • Crônicas Evangélicas – Pág. 117 a 119 – Paulo Alves Godoy • Caminho, Verdade e Vida – Pág. 89 e 90 – Emmanuel / Chico Xavier - FEB • Boa Nova - Cap. 20 - Humberto de Campos / Chico Xavier - FEB • Maria de Nazaré - Roque Jacintho - Ed. Luz no Lar • Maria de Magdala – Roque Jacintho – Ed. Luz no Lar • Imagens google • Dicionário dicio