SlideShare uma empresa Scribd logo
AS SEITAS NACIONAIS - COSTUMES DA
ÉPOCA
Aula 018
A MANJEDOURA
 A manjedoura assinalava o ponto inicial da lição salvadora do Cristo,
como a dizer que a humildade representa a chave de todas as virtudes.
Começava a era definitiva da maioridade espiritual da Humanidade
terrestre, de vez que Jesus, com a sua exemplificação divina, entregaria
o código da fraternidade e do amor a todos os corações.
 Ao tempo do nascimento de Jesus, existiam diferentes seitas influindo
na vida da Nação, a saber: os Fariseus, os Saduceus, os Zelotes e os
Essênios.
OS FARISEUS
 Nos tempos de Jesus, os mais apreciados pela maioria do povo eram os fariseus. Seu
nome, em hebreu perischins, significa "os separados". Dedicavam sua maior atenção às
questões relativas à observância das leis da pureza do ritual, inclusive fora do templo.
 A mais influente, que teve por chefe Hillel, doutor judeu nascido na Babilônia, fundador de
uma escola célebre, onde se ensinava que só se devia depositar fé nas Escrituras sua
origem remonta a 180 ou 200 anos antes de Jesus Cristo.
 As normas de pureza sacerdotal, estabelecidas para o culto, passaram a marcar para eles
um ideal de vida em todas as ações cotidiana, que ficava assim ritualizada e sacralizada.
 Junto à Lei escrita (Torah ou Pentateuco), foram recopilando uma série de tradições e
modos de cumprir as prescrições da Lei, às quais se concedia cada vez um maior apreço
até que chegaram a ser recebidas como Torah oral, atribuída também a Deus. Segundo
suas convicções, essa Torah oral foi entregue junto com a Torah escrita a Moisés no Sinai
e, dessa forma, ambas tinham idêntica força vinculante.
 Foi contra eles que Jesus dirigiu grande parte de suas apóstrofes e advertências.
 Também acreditavam que as almas dos virtuosos voltavam a animar novos povos,
enquanto as dos malfeitores e dos heréticos eram submetidas a castigos eternos após a
morte.
OS SADUCEUS
 Seita judia, que se formou por volta do ano 248 antes de Jesus Cristo e cujo
nome lhe veio do de Sadoc, seu fundador.
 Não criam na imortalidade, nem na ressurreição, nem nos anjos bons e maus.
Entretanto, criam em Deus; nada, porém, esperando após a morte, só o serviam
tendo em vista recompensas temporais, ao que, segundo eles, se limitava a
Providência divina. Assim pensando, tinham a satisfação dos sentidos físicos por
objetivo essencial da vida. Quanto às Escrituras, atinham-se ao texto da lei
antiga.
 Não admitiam a tradição, nem interpretações quaisquer. Colocavam as boas
obras e a observância pura e simples da Lei acima das práticas exteriores do
culto.
 Eram, como se vê, os materialistas, os deístas
e os sensualistas da época. Seita pouco numerosa,
mas que contava em seu seio importantes personagens
e se tornou um partido político oposto constantemente
aos fariseus.
Cabelos arredondados com tonsura
OS ZELOTES OU ZELADORES
 Nome de zelotes, que possivelmente foi dado por eles próprios, aludindo ao
seu zelo por Deus e pelo cumprimento da Lei. Também pensavam que a
salvação é concedida por Deus e estavam convencidos de que o Senhor
contava com a colaboração humana para obter essa salvação.
 Essa colaboração se movia primeiro num âmbito puramente religioso, no zelo
pelo cumprimento estrito da Lei.
 Sua influência era sempre ocasional, não permanente como a dos dois
anteriores. Eram remanescentes da seita nacionalistas linha direta dos
Macabeus, os mais nacionalistas de todos os chefes da antiguidade.
 Mais tarde se tornou muito importante a vida politica devido as revoltas de 70 e
117 d.C. contra os romanos invasores e tiveram como resultado o cerco a
Jerusalém e do Templo e, mais tarde, o epílogo desastroso da eliminação da
população e a expatriação dos que sobreviveram às represálias romanas.
OS COSTUMES DA ÉPOCA
 Todos os pátios do grande Templo sempre regurgitavam de gente e, no meio da
turba, circulavam os sacerdotes menores, vestidos de branco, os levitas e demais
auxiliares do Templo, descalços, silenciosos e atentos à rigorosa disciplina a que
estavam sujeitos.
 As horas da noite eram cantadas por sacerdotes especiais que, para cada uma,
entoavam melodia diferente e a guarda se revezava rigorosamente nos períodos
determinados.
 Havia três categorias de sacerdotes:
O SUMO-SACERDOTE: De acordo com a Lei de Moisés, os sacerdotes trabalhavam
no tabernáculo e depois no templo, oferecendo sacrifícios e louvores a Deus e ensinando
as Escrituras ao povo.
O sumo sacerdote tinha algumas funções especiais:
Chefiar os sacerdotes, oferecer sacrifícios especiais como representante da nação toda.
Consultar a Deus em favor da nação;
Uma vez por ano, no Dia da Expiação, o sumo sacerdote entrava na área restrita do
templo, chamada de lugar Santíssimo, para oferecer um sacrifício especial a Deus.
Diante da Arca da Aliança, o símbolo da presença de Deus, o sumo sacerdote oferecia o
sangue de um sacrifício por seus pecados e os pecados de todo o povo durante esse
ano. Assim, todos os pecados seriam perdoados (Levítico 16:32-34). Somente o sumo
sacerdote podia entrar no lugar Santíssimo.
- SACERDOTES DE GRAUS MAIORES E MENORES: encarregados, mais
especialmente, dos serviços internos.
- Todos subordinados aos SGAN (diretor do Templo).
Havia ainda:
 trombeteiros;
 os supervisores do serviço interno;
 os acendedores de lâmpadas;
 as tecedeiras;
 os sacrificadores;
 os fiscais dos sacrifícios;
 os inúmeros acólitos; (servidores do altar)
 auxiliares do complicado cerimonial;
 exercito de servidores que viviam no Templo e do Templo.
O HOLOCAUSTO
 Um ritual que dependia do ato que celebrava.
 Purificação da mulheres: Por parto: 30 dias após, sendo menino e 60 dias sendo
menina.
 Abriam-se pombos, cabritos segundo o recurso da família.
 Aspergia sangue no altar, na brasa para que a fumaça subisse ao Deus, na
oferta queimada, consagração e dedicação do ofertante a Deus. Tal consagração
não pode ter lugar sem um reconhecimento que o adorador é imperfeito para tal
dedicação.
 Mas se fosse de ação de graça, jogava-se as aves vivas ao braseiro.
 Sendo uma variante da oferta pacífica, essa oferta manifestava gratidão a Deus
por livrar das aflições, por curar as doenças, por responder à oração ou por
alguma outra benção recebida (Lv 7.12)
http://mapasbiblicos.blogspot.com/2012/07/templo-de-herodes.html
http://mapasbiblicos.blogspot.com/2012/07/templo.html
 Os sacerdotes mercadejavam: Animais (bois, pombos, carneiros) para o holocausto.
 Perfumes, óleos, arômatas, utilizados nas cerimônias de purificação;
 Moedas estrangeiras;
 Cobravam-se os dízimos dos israelitas em dinheiro como também eram obrigados a
entregar parte da primeira colheita e cabeças de gados.
 Negociavam ainda com as carnes dos animais sacrificados e o seu sangue que escorria
para o fundo do templo...
 Tudo que o sacerdote utilizava era considerado sagrado e por isso só era fornecido pelos
sumo-sacerdotes, para que o templo mantivesse a fabricação própria.
 A farinha para o pão do ritual, suas ervas, incensos, o linho para a vestes, óleo etc...
 Dentre o comércio estava Maria de Magdalena, que no próprio Templo tinha um
alambique para fabricação dos perfumes que era muito usado na época.
 Os sacerdotes declaram imundos os produtos que não dos mercadores e camponeses
que não pagavam impostos...
 Nos dias das Páscoa e
outras festas nacionais, a
quantidade de pessoas
aumentava muito,
mercadores, peregrinos,
onde ocorriam negócios
variados transformando a
cidade em volta do Templo
um mercado.
 Animais entravam e saiam
para serem vendidos ou
eram transportados ao
Altar dos Sacrifícios, no
pátio dos Levitas.
 Ao redor do Templo tinham
muitos cambistas e os
escribas, com penas de
gansos, sentados a suas
mesinhas vendendo
escritas e pequenos rolos
de papiros com capítulos
da Torah.
 Escribas – Nome dado, a princípio, aos secretários dos reis de Judá e a certos
intendentes dos exércitos judeus. Mais tarde, foi aplicado especialmente aos
doutores que ensinavam a lei de Moisés e a interpretavam para o povo. Faziam
causa comum com os fariseus, de cujos princípios partilhavam, bem como da
antipatia que aqueles votavam aos inovadores. Daí o envolvê-los Jesus na
reprovação que lançava aos fariseus.
 Havia mesas, guichês, repartições na forma de balcões, para recebimento de
donativos.
 Em repartição própria era recebida dádivas em dinheiro para o custeio de
órfãos, alvarás para sacrifícios e para caridade silenciosa e cega, que eram
jogados donativos para dentro do balcão não tinha funcionários pois era para
classe que o Templo recusava, impróprios ou insuficientes.
 Abatiam um após outro animal para o holocausto os sacerdotes hábeis para
esse tipo situação.
 No Templo acontecia o verdadeiro tumulto, vozes, lamentações, mugidos de
animais, campainhas, disputa de negócios, interpretações religiosas, coro e
recitações de salmo, materiais religiosos no Pátio dos Gentios.
 Cobiça, ambição, prepotência, mistificação religiosa, tudo estava ali
representado em larga escala, oferecendo, do clero judeu, uma impressionante,
porém desoladora impressão.
BIBLIOGRAFIA
 O Redentor - Cap. 12 e 14 - Edgard Armond - Ed. Aliança
 O Evangelho Segundo o Espiritismo - Introdução item III - Allan Kardec – FEB
 A Caminho da Luz - Cap. 12 e 13 - Emmanuel / Chico Xavier – FEB
 Histórias do Mundo Bíblico - Nelson B. Keyes - Seleções Reader´s Digest
 A Vida Mística de Jesus - H.E. Lewis
 A Bíblia - Marcos 7
 E a Bíblia Tinha Razão - Cap. 1, 3 e 5 - Werner Keller - Círculo do Livro
 https://opusdei.org/pt-br/article/quem-eram-os-fariseus-os-saduceus-os-essenios-e-os-
zelotes/
 http://mapasbiblicos.blogspot.com/2012/07/templo-de-herodes.html
 Imagens do google.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e JudasEae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
PatiSousa1
 
A Parábola dos Talentos
A Parábola dos TalentosA Parábola dos Talentos
A Parábola dos Talentos
Isnande Mota Barros
 
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV. Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
PatiSousa1
 
Eae 1 aula inaugural rev01
Eae 1   aula inaugural rev01Eae 1   aula inaugural rev01
Eae 1 aula inaugural rev01
Norberto Scavone Augusto
 
Nascer de novo: A Benção da Reencarnação
Nascer de novo: A Benção da ReencarnaçãoNascer de novo: A Benção da Reencarnação
Nascer de novo: A Benção da Reencarnação
Darlan Araújo
 
CERIMÔNIA DE PASSAGEM GRAU DE SERVIDOR
CERIMÔNIA DE PASSAGEM GRAU DE SERVIDORCERIMÔNIA DE PASSAGEM GRAU DE SERVIDOR
CERIMÔNIA DE PASSAGEM GRAU DE SERVIDOR
Alex Silva
 
Reuniões Mediúnicas
Reuniões MediúnicasReuniões Mediúnicas
Reuniões Mediúnicas
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Eae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das EpístolasEae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das Epístolas
PatiSousa1
 
A034 EAE DM - CONSAGRAÇÃO E EXCURSÕES AO ESTRANGEIRO 20190628v4
A034 EAE DM - CONSAGRAÇÃO E EXCURSÕES AO ESTRANGEIRO 20190628v4A034 EAE DM - CONSAGRAÇÃO E EXCURSÕES AO ESTRANGEIRO 20190628v4
A034 EAE DM - CONSAGRAÇÃO E EXCURSÕES AO ESTRANGEIRO 20190628v4
Daniel de Melo
 
Eae 35 As Parábolas III - Vida Rural
Eae 35 As Parábolas III - Vida RuralEae 35 As Parábolas III - Vida Rural
Eae 35 As Parábolas III - Vida Rural
PatiSousa1
 
AULA 058 EAE DM - A CONVERSÃO DE PAULO
AULA 058 EAE DM - A CONVERSÃO DE PAULOAULA 058 EAE DM - A CONVERSÃO DE PAULO
AULA 058 EAE DM - A CONVERSÃO DE PAULO
Daniel de Melo
 
O que é escola de Aprendizes do Evangelho
O que é escola de Aprendizes do EvangelhoO que é escola de Aprendizes do Evangelho
O que é escola de Aprendizes do Evangelho
E.A.E
 
A113 EAE DM - REGRAS PARA A EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES I
A113 EAE DM - REGRAS PARA A EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES IA113 EAE DM - REGRAS PARA A EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES I
A113 EAE DM - REGRAS PARA A EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES I
Daniel de Melo
 
A026 EAE DM - OS TRABALHOS NA GALILÉIA
A026 EAE DM - OS TRABALHOS NA GALILÉIAA026 EAE DM - OS TRABALHOS NA GALILÉIA
A026 EAE DM - OS TRABALHOS NA GALILÉIA
Daniel de Melo
 
Aula 36. O Sermão do Monte. Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 36. O Sermão  do Monte. Escola de Aprendizes do EvangelhoAula 36. O Sermão  do Monte. Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 36. O Sermão do Monte. Escola de Aprendizes do Evangelho
liliancostadias
 
As três Revelações
As três RevelaçõesAs três Revelações
As três Revelações
Graça Maciel
 
Aula 1a - inaugural - 18ª Turma - EAE
Aula 1a - inaugural - 18ª Turma - EAEAula 1a - inaugural - 18ª Turma - EAE
Aula 1a - inaugural - 18ª Turma - EAE
Flávio Darin Buongermino
 
Porta estreita
Porta estreitaPorta estreita
Porta estreita
Maxuel Alves
 
Parábola do festim de núpcias
Parábola do festim de núpciasParábola do festim de núpcias
Parábola do festim de núpcias
Leonardo Pereira
 
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
PatiSousa1
 

Mais procurados (20)

Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e JudasEae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
 
A Parábola dos Talentos
A Parábola dos TalentosA Parábola dos Talentos
A Parábola dos Talentos
 
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV. Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
 
Eae 1 aula inaugural rev01
Eae 1   aula inaugural rev01Eae 1   aula inaugural rev01
Eae 1 aula inaugural rev01
 
Nascer de novo: A Benção da Reencarnação
Nascer de novo: A Benção da ReencarnaçãoNascer de novo: A Benção da Reencarnação
Nascer de novo: A Benção da Reencarnação
 
CERIMÔNIA DE PASSAGEM GRAU DE SERVIDOR
CERIMÔNIA DE PASSAGEM GRAU DE SERVIDORCERIMÔNIA DE PASSAGEM GRAU DE SERVIDOR
CERIMÔNIA DE PASSAGEM GRAU DE SERVIDOR
 
Reuniões Mediúnicas
Reuniões MediúnicasReuniões Mediúnicas
Reuniões Mediúnicas
 
Eae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das EpístolasEae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das Epístolas
 
A034 EAE DM - CONSAGRAÇÃO E EXCURSÕES AO ESTRANGEIRO 20190628v4
A034 EAE DM - CONSAGRAÇÃO E EXCURSÕES AO ESTRANGEIRO 20190628v4A034 EAE DM - CONSAGRAÇÃO E EXCURSÕES AO ESTRANGEIRO 20190628v4
A034 EAE DM - CONSAGRAÇÃO E EXCURSÕES AO ESTRANGEIRO 20190628v4
 
Eae 35 As Parábolas III - Vida Rural
Eae 35 As Parábolas III - Vida RuralEae 35 As Parábolas III - Vida Rural
Eae 35 As Parábolas III - Vida Rural
 
AULA 058 EAE DM - A CONVERSÃO DE PAULO
AULA 058 EAE DM - A CONVERSÃO DE PAULOAULA 058 EAE DM - A CONVERSÃO DE PAULO
AULA 058 EAE DM - A CONVERSÃO DE PAULO
 
O que é escola de Aprendizes do Evangelho
O que é escola de Aprendizes do EvangelhoO que é escola de Aprendizes do Evangelho
O que é escola de Aprendizes do Evangelho
 
A113 EAE DM - REGRAS PARA A EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES I
A113 EAE DM - REGRAS PARA A EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES IA113 EAE DM - REGRAS PARA A EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES I
A113 EAE DM - REGRAS PARA A EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES I
 
A026 EAE DM - OS TRABALHOS NA GALILÉIA
A026 EAE DM - OS TRABALHOS NA GALILÉIAA026 EAE DM - OS TRABALHOS NA GALILÉIA
A026 EAE DM - OS TRABALHOS NA GALILÉIA
 
Aula 36. O Sermão do Monte. Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 36. O Sermão  do Monte. Escola de Aprendizes do EvangelhoAula 36. O Sermão  do Monte. Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 36. O Sermão do Monte. Escola de Aprendizes do Evangelho
 
As três Revelações
As três RevelaçõesAs três Revelações
As três Revelações
 
Aula 1a - inaugural - 18ª Turma - EAE
Aula 1a - inaugural - 18ª Turma - EAEAula 1a - inaugural - 18ª Turma - EAE
Aula 1a - inaugural - 18ª Turma - EAE
 
Porta estreita
Porta estreitaPorta estreita
Porta estreita
 
Parábola do festim de núpcias
Parábola do festim de núpciasParábola do festim de núpcias
Parábola do festim de núpcias
 
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
 

Semelhante a Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época

II – Autoridade da Doutrina Espírita
II – Autoridade da Doutrina Espírita II – Autoridade da Doutrina Espírita
II – Autoridade da Doutrina Espírita
Patricia Farias
 
Eae 19 Os Essênios
Eae 19  Os EssêniosEae 19  Os Essênios
Eae 19 Os Essênios
PatiSousa1
 
Vida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesus
Vida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesusVida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesus
Vida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesus
jeconiaseandreia
 
Aula 42. O Tribunal Judaico
Aula 42. O  Tribunal JudaicoAula 42. O  Tribunal Judaico
Aula 42. O Tribunal Judaico
liliancostadias
 
Os essênios e o cristianismo
Os essênios e o cristianismoOs essênios e o cristianismo
Os essênios e o cristianismo
V.X. Carmo
 
BEATO EUDISTA CARLOS NICOLÁS ANCEL
BEATO EUDISTA CARLOS NICOLÁS ANCELBEATO EUDISTA CARLOS NICOLÁS ANCEL
BEATO EUDISTA CARLOS NICOLÁS ANCEL
Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Farisaismo
FarisaismoFarisaismo
Farisaismo
Marquinhos Souza
 
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_IIILivro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Patricia Farias
 
Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_
Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_
Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_
INOVAR CLUB
 
Andre luiz mecanismos da mediunidade - chico xavier
Andre luiz   mecanismos da mediunidade - chico xavierAndre luiz   mecanismos da mediunidade - chico xavier
Andre luiz mecanismos da mediunidade - chico xavier
havatar
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Uma história da magia
Uma história da magiaUma história da magia
Uma história da magia
HogwartsSchoolHouseCup
 
Vida politica e_religiosa_em_israel_nos_dias_de_je
Vida politica e_religiosa_em_israel_nos_dias_de_jeVida politica e_religiosa_em_israel_nos_dias_de_je
Vida politica e_religiosa_em_israel_nos_dias_de_je
Rodrigo Soares
 
Os essenios e o vegetarianismo
Os essenios e o vegetarianismoOs essenios e o vegetarianismo
Os essenios e o vegetarianismo
Luiz Carlos Dias
 
Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)
Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)
Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)
Sylvio Bazote
 
As Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptx
As Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptxAs Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptx
As Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptx
bpclaudio11
 
História Básica da Magia
História Básica da MagiaHistória Básica da Magia
História Básica da Magia
Pedro Henrique
 
DBQ- Os milagres de Jesus .pdf
DBQ- Os milagres de Jesus .pdfDBQ- Os milagres de Jesus .pdf
DBQ- Os milagres de Jesus .pdf
KelyAlmeidaKely
 
ESE 1 AS REVELAÇÕES.pptx
ESE 1 AS REVELAÇÕES.pptxESE 1 AS REVELAÇÕES.pptx
ESE 1 AS REVELAÇÕES.pptx
Joel Antonio Silva Guardiano
 
Os essênios
Os essêniosOs essênios
Os essênios
Luiz Carlos Dias
 

Semelhante a Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época (20)

II – Autoridade da Doutrina Espírita
II – Autoridade da Doutrina Espírita II – Autoridade da Doutrina Espírita
II – Autoridade da Doutrina Espírita
 
Eae 19 Os Essênios
Eae 19  Os EssêniosEae 19  Os Essênios
Eae 19 Os Essênios
 
Vida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesus
Vida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesusVida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesus
Vida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesus
 
Aula 42. O Tribunal Judaico
Aula 42. O  Tribunal JudaicoAula 42. O  Tribunal Judaico
Aula 42. O Tribunal Judaico
 
Os essênios e o cristianismo
Os essênios e o cristianismoOs essênios e o cristianismo
Os essênios e o cristianismo
 
BEATO EUDISTA CARLOS NICOLÁS ANCEL
BEATO EUDISTA CARLOS NICOLÁS ANCELBEATO EUDISTA CARLOS NICOLÁS ANCEL
BEATO EUDISTA CARLOS NICOLÁS ANCEL
 
Farisaismo
FarisaismoFarisaismo
Farisaismo
 
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_IIILivro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
 
Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_
Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_
Alexandre z. bacich_-_manual_de_teologia_
 
Andre luiz mecanismos da mediunidade - chico xavier
Andre luiz   mecanismos da mediunidade - chico xavierAndre luiz   mecanismos da mediunidade - chico xavier
Andre luiz mecanismos da mediunidade - chico xavier
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
 
Uma história da magia
Uma história da magiaUma história da magia
Uma história da magia
 
Vida politica e_religiosa_em_israel_nos_dias_de_je
Vida politica e_religiosa_em_israel_nos_dias_de_jeVida politica e_religiosa_em_israel_nos_dias_de_je
Vida politica e_religiosa_em_israel_nos_dias_de_je
 
Os essenios e o vegetarianismo
Os essenios e o vegetarianismoOs essenios e o vegetarianismo
Os essenios e o vegetarianismo
 
Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)
Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)
Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)
 
As Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptx
As Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptxAs Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptx
As Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptx
 
História Básica da Magia
História Básica da MagiaHistória Básica da Magia
História Básica da Magia
 
DBQ- Os milagres de Jesus .pdf
DBQ- Os milagres de Jesus .pdfDBQ- Os milagres de Jesus .pdf
DBQ- Os milagres de Jesus .pdf
 
ESE 1 AS REVELAÇÕES.pptx
ESE 1 AS REVELAÇÕES.pptxESE 1 AS REVELAÇÕES.pptx
ESE 1 AS REVELAÇÕES.pptx
 
Os essênios
Os essêniosOs essênios
Os essênios
 

Mais de PatiSousa1

Aula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.pptAula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.ppt
PatiSousa1
 
EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do Cristão
PatiSousa1
 
Basico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxBasico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptx
PatiSousa1
 
AULA 30.pptx
AULA 30.pptxAULA 30.pptx
AULA 30.pptx
PatiSousa1
 
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
PatiSousa1
 
Aula 104
Aula 104Aula 104
Aula 104
PatiSousa1
 
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
PatiSousa1
 
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
PatiSousa1
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
PatiSousa1
 
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALEae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
PatiSousa1
 
Eae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasEae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das Epístolas
PatiSousa1
 
Eae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontadeEae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontade
PatiSousa1
 
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
PatiSousa1
 
Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar
PatiSousa1
 
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosEae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
PatiSousa1
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
PatiSousa1
 
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
PatiSousa1
 
Eae 28 Pregações e curas
Eae 28 Pregações e curasEae 28 Pregações e curas
Eae 28 Pregações e curas
PatiSousa1
 
Eae 55 Ascensão
Eae 55 AscensãoEae 55 Ascensão
Eae 55 Ascensão
PatiSousa1
 

Mais de PatiSousa1 (19)

Aula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.pptAula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.ppt
 
EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do Cristão
 
Basico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxBasico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptx
 
AULA 30.pptx
AULA 30.pptxAULA 30.pptx
AULA 30.pptx
 
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
 
Aula 104
Aula 104Aula 104
Aula 104
 
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
 
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
 
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALEae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
 
Eae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasEae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das Epístolas
 
Eae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontadeEae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontade
 
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
 
Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar
 
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosEae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
 
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
 
Eae 28 Pregações e curas
Eae 28 Pregações e curasEae 28 Pregações e curas
Eae 28 Pregações e curas
 
Eae 55 Ascensão
Eae 55 AscensãoEae 55 Ascensão
Eae 55 Ascensão
 

Último

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
LEILANEGOUVEIA1
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Apostila Caracteristica Seres-Estelares.pdf
Apostila Caracteristica Seres-Estelares.pdfApostila Caracteristica Seres-Estelares.pdf
Apostila Caracteristica Seres-Estelares.pdf
PatriciaTanureNutril
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
GuilhermeCerqueira17
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
PIB Penha
 
INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICAINTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
AlineGoulartSchneide
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
Sammis Reachers
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .
Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .
Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .
adamasatoshi
 
Oração Da Família
Oração Da FamíliaOração Da Família
Oração Da Família
Nilson Almeida
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
PIB Penha
 

Último (17)

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Apostila Caracteristica Seres-Estelares.pdf
Apostila Caracteristica Seres-Estelares.pdfApostila Caracteristica Seres-Estelares.pdf
Apostila Caracteristica Seres-Estelares.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
 
INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICAINTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .
Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .
Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .
 
Oração Da Família
Oração Da FamíliaOração Da Família
Oração Da Família
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
 

Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época

  • 1. AS SEITAS NACIONAIS - COSTUMES DA ÉPOCA Aula 018
  • 2. A MANJEDOURA  A manjedoura assinalava o ponto inicial da lição salvadora do Cristo, como a dizer que a humildade representa a chave de todas as virtudes. Começava a era definitiva da maioridade espiritual da Humanidade terrestre, de vez que Jesus, com a sua exemplificação divina, entregaria o código da fraternidade e do amor a todos os corações.  Ao tempo do nascimento de Jesus, existiam diferentes seitas influindo na vida da Nação, a saber: os Fariseus, os Saduceus, os Zelotes e os Essênios.
  • 3. OS FARISEUS  Nos tempos de Jesus, os mais apreciados pela maioria do povo eram os fariseus. Seu nome, em hebreu perischins, significa "os separados". Dedicavam sua maior atenção às questões relativas à observância das leis da pureza do ritual, inclusive fora do templo.  A mais influente, que teve por chefe Hillel, doutor judeu nascido na Babilônia, fundador de uma escola célebre, onde se ensinava que só se devia depositar fé nas Escrituras sua origem remonta a 180 ou 200 anos antes de Jesus Cristo.  As normas de pureza sacerdotal, estabelecidas para o culto, passaram a marcar para eles um ideal de vida em todas as ações cotidiana, que ficava assim ritualizada e sacralizada.  Junto à Lei escrita (Torah ou Pentateuco), foram recopilando uma série de tradições e modos de cumprir as prescrições da Lei, às quais se concedia cada vez um maior apreço até que chegaram a ser recebidas como Torah oral, atribuída também a Deus. Segundo suas convicções, essa Torah oral foi entregue junto com a Torah escrita a Moisés no Sinai e, dessa forma, ambas tinham idêntica força vinculante.  Foi contra eles que Jesus dirigiu grande parte de suas apóstrofes e advertências.  Também acreditavam que as almas dos virtuosos voltavam a animar novos povos, enquanto as dos malfeitores e dos heréticos eram submetidas a castigos eternos após a morte.
  • 4. OS SADUCEUS  Seita judia, que se formou por volta do ano 248 antes de Jesus Cristo e cujo nome lhe veio do de Sadoc, seu fundador.  Não criam na imortalidade, nem na ressurreição, nem nos anjos bons e maus. Entretanto, criam em Deus; nada, porém, esperando após a morte, só o serviam tendo em vista recompensas temporais, ao que, segundo eles, se limitava a Providência divina. Assim pensando, tinham a satisfação dos sentidos físicos por objetivo essencial da vida. Quanto às Escrituras, atinham-se ao texto da lei antiga.  Não admitiam a tradição, nem interpretações quaisquer. Colocavam as boas obras e a observância pura e simples da Lei acima das práticas exteriores do culto.  Eram, como se vê, os materialistas, os deístas e os sensualistas da época. Seita pouco numerosa, mas que contava em seu seio importantes personagens e se tornou um partido político oposto constantemente aos fariseus. Cabelos arredondados com tonsura
  • 5. OS ZELOTES OU ZELADORES  Nome de zelotes, que possivelmente foi dado por eles próprios, aludindo ao seu zelo por Deus e pelo cumprimento da Lei. Também pensavam que a salvação é concedida por Deus e estavam convencidos de que o Senhor contava com a colaboração humana para obter essa salvação.  Essa colaboração se movia primeiro num âmbito puramente religioso, no zelo pelo cumprimento estrito da Lei.  Sua influência era sempre ocasional, não permanente como a dos dois anteriores. Eram remanescentes da seita nacionalistas linha direta dos Macabeus, os mais nacionalistas de todos os chefes da antiguidade.  Mais tarde se tornou muito importante a vida politica devido as revoltas de 70 e 117 d.C. contra os romanos invasores e tiveram como resultado o cerco a Jerusalém e do Templo e, mais tarde, o epílogo desastroso da eliminação da população e a expatriação dos que sobreviveram às represálias romanas.
  • 6. OS COSTUMES DA ÉPOCA  Todos os pátios do grande Templo sempre regurgitavam de gente e, no meio da turba, circulavam os sacerdotes menores, vestidos de branco, os levitas e demais auxiliares do Templo, descalços, silenciosos e atentos à rigorosa disciplina a que estavam sujeitos.  As horas da noite eram cantadas por sacerdotes especiais que, para cada uma, entoavam melodia diferente e a guarda se revezava rigorosamente nos períodos determinados.  Havia três categorias de sacerdotes: O SUMO-SACERDOTE: De acordo com a Lei de Moisés, os sacerdotes trabalhavam no tabernáculo e depois no templo, oferecendo sacrifícios e louvores a Deus e ensinando as Escrituras ao povo. O sumo sacerdote tinha algumas funções especiais: Chefiar os sacerdotes, oferecer sacrifícios especiais como representante da nação toda. Consultar a Deus em favor da nação; Uma vez por ano, no Dia da Expiação, o sumo sacerdote entrava na área restrita do templo, chamada de lugar Santíssimo, para oferecer um sacrifício especial a Deus. Diante da Arca da Aliança, o símbolo da presença de Deus, o sumo sacerdote oferecia o sangue de um sacrifício por seus pecados e os pecados de todo o povo durante esse ano. Assim, todos os pecados seriam perdoados (Levítico 16:32-34). Somente o sumo sacerdote podia entrar no lugar Santíssimo.
  • 7. - SACERDOTES DE GRAUS MAIORES E MENORES: encarregados, mais especialmente, dos serviços internos. - Todos subordinados aos SGAN (diretor do Templo). Havia ainda:  trombeteiros;  os supervisores do serviço interno;  os acendedores de lâmpadas;  as tecedeiras;  os sacrificadores;  os fiscais dos sacrifícios;  os inúmeros acólitos; (servidores do altar)  auxiliares do complicado cerimonial;  exercito de servidores que viviam no Templo e do Templo.
  • 8. O HOLOCAUSTO  Um ritual que dependia do ato que celebrava.  Purificação da mulheres: Por parto: 30 dias após, sendo menino e 60 dias sendo menina.  Abriam-se pombos, cabritos segundo o recurso da família.  Aspergia sangue no altar, na brasa para que a fumaça subisse ao Deus, na oferta queimada, consagração e dedicação do ofertante a Deus. Tal consagração não pode ter lugar sem um reconhecimento que o adorador é imperfeito para tal dedicação.  Mas se fosse de ação de graça, jogava-se as aves vivas ao braseiro.  Sendo uma variante da oferta pacífica, essa oferta manifestava gratidão a Deus por livrar das aflições, por curar as doenças, por responder à oração ou por alguma outra benção recebida (Lv 7.12)
  • 11.  Os sacerdotes mercadejavam: Animais (bois, pombos, carneiros) para o holocausto.  Perfumes, óleos, arômatas, utilizados nas cerimônias de purificação;  Moedas estrangeiras;  Cobravam-se os dízimos dos israelitas em dinheiro como também eram obrigados a entregar parte da primeira colheita e cabeças de gados.  Negociavam ainda com as carnes dos animais sacrificados e o seu sangue que escorria para o fundo do templo...  Tudo que o sacerdote utilizava era considerado sagrado e por isso só era fornecido pelos sumo-sacerdotes, para que o templo mantivesse a fabricação própria.  A farinha para o pão do ritual, suas ervas, incensos, o linho para a vestes, óleo etc...  Dentre o comércio estava Maria de Magdalena, que no próprio Templo tinha um alambique para fabricação dos perfumes que era muito usado na época.  Os sacerdotes declaram imundos os produtos que não dos mercadores e camponeses que não pagavam impostos...
  • 12.  Nos dias das Páscoa e outras festas nacionais, a quantidade de pessoas aumentava muito, mercadores, peregrinos, onde ocorriam negócios variados transformando a cidade em volta do Templo um mercado.  Animais entravam e saiam para serem vendidos ou eram transportados ao Altar dos Sacrifícios, no pátio dos Levitas.  Ao redor do Templo tinham muitos cambistas e os escribas, com penas de gansos, sentados a suas mesinhas vendendo escritas e pequenos rolos de papiros com capítulos da Torah.
  • 13.  Escribas – Nome dado, a princípio, aos secretários dos reis de Judá e a certos intendentes dos exércitos judeus. Mais tarde, foi aplicado especialmente aos doutores que ensinavam a lei de Moisés e a interpretavam para o povo. Faziam causa comum com os fariseus, de cujos princípios partilhavam, bem como da antipatia que aqueles votavam aos inovadores. Daí o envolvê-los Jesus na reprovação que lançava aos fariseus.  Havia mesas, guichês, repartições na forma de balcões, para recebimento de donativos.  Em repartição própria era recebida dádivas em dinheiro para o custeio de órfãos, alvarás para sacrifícios e para caridade silenciosa e cega, que eram jogados donativos para dentro do balcão não tinha funcionários pois era para classe que o Templo recusava, impróprios ou insuficientes.  Abatiam um após outro animal para o holocausto os sacerdotes hábeis para esse tipo situação.
  • 14.  No Templo acontecia o verdadeiro tumulto, vozes, lamentações, mugidos de animais, campainhas, disputa de negócios, interpretações religiosas, coro e recitações de salmo, materiais religiosos no Pátio dos Gentios.  Cobiça, ambição, prepotência, mistificação religiosa, tudo estava ali representado em larga escala, oferecendo, do clero judeu, uma impressionante, porém desoladora impressão.
  • 15. BIBLIOGRAFIA  O Redentor - Cap. 12 e 14 - Edgard Armond - Ed. Aliança  O Evangelho Segundo o Espiritismo - Introdução item III - Allan Kardec – FEB  A Caminho da Luz - Cap. 12 e 13 - Emmanuel / Chico Xavier – FEB  Histórias do Mundo Bíblico - Nelson B. Keyes - Seleções Reader´s Digest  A Vida Mística de Jesus - H.E. Lewis  A Bíblia - Marcos 7  E a Bíblia Tinha Razão - Cap. 1, 3 e 5 - Werner Keller - Círculo do Livro  https://opusdei.org/pt-br/article/quem-eram-os-fariseus-os-saduceus-os-essenios-e-os- zelotes/  http://mapasbiblicos.blogspot.com/2012/07/templo-de-herodes.html  Imagens do google.