SlideShare uma empresa Scribd logo
O Redentor – Capítulo 05 e 06
O ANÚNCIO
 O anúncio, dado pelos sábios entendidos em astrologia, devido a conjunção de
Júpiter, Saturno e Marte, era sinal de acontecimentos graves e imprevisíveis;
 Isso deixaria o povo, ansioso e atemorizado, com noites seguidas esperando
as desgraças anunciadas;
 Porém os sacerdotes sabiam do que se tratava, era chegada a época do
nascimento do Messias de Israel.
 Mas Herodes se remoía em inquietações devido a suposta ideia de que o
acontecimento iria lhe roubar o trono e o poder.
 Sabia, que o povo esperava um Messias nacional que iria assumir o poder de
Israel, proclamando-se rei e expulsasse os romanos invasores.
 Há muito já havia se profetizado o nascimento do Messias em terras pagãs, o
que gerou muita expectativa, que abalaria a vida de todos e mudaria o mundo.
A CONJUNÇÃO
 E numa noite fria e estrelada, completava-se a conjunção insólita nos
espaços siderais, vibrações celestiais chegavam ao local humilde onde
o Menino Luz estava nascendo.
 Via-se clarões de luminosos que desciam do céu e ouviram o coro
inaudível dos Espíritos clamando Glória a Deus nas alturas e Paz na
Terra aos homens de boa vontade.
 E assim as forças das trevas foram vencidas....
 Fato esse que foi percebido pelos sensitivos, sobretudo pelos Essênios,
que já estavam vigilantes e em preces.
 Aos que estavam mais longe permaneciam investigando e aguardando
confirmações, não sabia o local exato do acontecimento.
 Mesmo com a reposta no céu, devido a conjunção dos astros,
verificava-se que a profecia de Miqueias muito remota, já informava a
respeito: “E tu, Bethellem Efrata, conquanto pequena entre muitas de
Judá, de ti sairá aquele que será o senhor de Israel”.
 Também a de Zoroastro feita em 3.200 anos atrás: “Oh, vós, meus
filhos, que já estais avisados do Seu nascimento, antes que qualquer
outro povo, assim que virdes a estrela, tomai-a por guia e ela vos
conduzirá ao lugar onde Ele – o Redentor – nasceu. Adorai-O e ofertai-
Lhe presentes porque Ele é a palavra, o Verbo, que formou os céus. ”
 Míseros pastores “viram e ouviram” o tal acontecimento através da
mediunidade. Essas comunidades de solitários realizavam-se práticas
espirituais, como fazemos hoje e muitos tinham faculdades mediúnicas que
iriam passar as revelações para quem merecessem conhecê-los inclusive os
chamados Reis Magos.
 Messias nascera na Palestina e, esses detentores de sabedoria espiritual de
maior responsabilidades partiram nessa direção para conhecerem e adorarem o
alto espírito missionário.
 Podia-se usar como referência uma “estrela guia”, sendo estrela mesmo devido
a representação da conjunção dos astros, também poderia ser um Espírito visto
pela vidência que serviu de guia as caravanas até o Menino-Luz.
 Não é comum Espíritos tomarem qualquer forma, mas sabemos que podem
sim, bastando que imaginem...
 Muitos iniciados viajaram durante muito tempo vindo de lugares distantes onde
juntaram-se com diversas caravanas e seguiram juntos a Jerusalém.
 Os “Reis Magos” estudaram e se preparavam para sua custosa viagem.
 O Menino Luz se desenvolvia: Aos 8 dias foi levado à Sinagoga local
para ser apresentado e registrado, como era de praxe.
 Foi circuncidado, costumes da época em vários povos, sírios, fenícios e
cananeus.
 Para os Judeus: entrava-se em pacto com Jeová, passando a ser
herdeiro das promessas divinas e por medida de higiene corporal.
 Aos 40 dias foi levado por sua mãe para os ritos de purificação, um
holocausto vivo;
 Como Maria tinha poucos recursos foi feito com uma pomba, que
entregue ao Altar do Holocaustos ao sacerdote em serviço, cortava o
pescoço da ave e torcia-o por trás de forma que o sangue, ao afluir,
caísse sobre as brasas do Altar, a vítima era atirada de lado em
recipiente próprio. Em seguida a ofertante passava pelo Templo – O
Santo – para que a criança fosse consagrada ao Senhor, quando a
criança fosse primogênita.
 Foi preparado em sigilo uma cerimônia para o menino ser consagrado,
havia alguns sacerdotes ligados secretamente aos Essênios e
planejaram a cerimônia.
 Maria e José foram recebidos pelos sacerdotes Simeão de Bethel e
Elezar, rodeados de seus acólitos. As virgens de Sião cantaram hinos e
preces se elevaram aos céus e, Simeão com meninos nos braços o
consagra exclamando: “Agora, Senhor, despede em paz teu servo,
segundo a tua palavra, porque os meus olhos já viram a tua salvação”
(Lc 2:28-30)
 Nesse momento o véu do Templo caiu e uma paralitica que estava
perto, levantou-se e saiu andando.
 Criando estranhezas e comentários entres os que estavam no Templo.
 Com isso já se afastaram do local para preservar o menino, segundos
boatos e devido aos comentários da chegada dos Reis Magos
despertava a atenção de Herodes.
 Herodes espalhou espiões por toda parte logo após seus
conhecimentos sobre a conjunção planetária.
 Procuravam um nascimento sobrenatural e o espião viu entrarem na
cidade 3 viajantes orientais perguntando - “Onde está o Messias
Salvador do Mundo, cuja estrela vimos no Oriente? ” E os seguiram
no Templo, porém os sacerdotes essênios perceberam e os retiraram
por passagens secretas.
 Foram advertidos em sonho que não voltassem mais a Jerusalém.
 Foram conduzidos ao Menino que já contava 10 meses e meio, em
Belém.
 E aconteceu o encontro comovente dos altos iniciados Reis Magos e
o Senhor do Mundo, o Governador Planetário.
 Consultaram pergaminhos, anotações, verificaram o Menino, tanto
no corpo físico como no espiritual e, por fim se convenceram de que
realmente era encarnado o Messias Planetário.
 Glorificaram e lhe ofertaram, de recursos próprios e uteis a vida
material.
 Assim se retiraram guiados sempre pelos essênios terapeutas.
 A mensagem do Messias prometido seria de extensão universal,
tendo em vista que foi pressentido pelos pastores humildes,
sacerdotes de religiões diferentes, sua redenção seria para todos os
homens.
 Herodes que assumira o governo 39 anos antes, era muito temido
junto aos seus filhos.
 Herodes o Grande, chefe da estirpe.
 Herodes Antipas, seu filho, que mandou matar João Batista.
 Herodes Agripa, aventureiro, vivia nas cortes dos césares romanos e
mandou matar Tiago em Jerusalém e prender Pedro.
 Herodes Felipe, governador de Itureia.
 Herodes o grande, teve várias mulheres que viviam exiladas ou as
mandava matar, assim como fez com seus próprios filhos. Tamanho era
seu ego no poder e o medo de ser retirado do trono.
 Era Judeu, conhecia as escrituras, temia os profetas, mas o que mais
temia era segurança do seu trono.
 Era natural que eles tivessem predições para o medo relacionado a
perder o poder, utilizavam muito de oráculos, adivinhos, espiões, a
presença de um simples corvo atordoava a todos no momento em que
era avistado.
 Estava Herodes assistindo um espetáculo e um corvo empoleirou-se
em uma trave do camarote onde se encontrava, o mesmo saiu
imediatamente do circo e regressou ao palácio;
 Foi acometido de terrível doença, o câncer, morreu pouco tempo
depois abandonado por todos da família e serviçais.
 Tinha duplicado os espiões durante dois anos na região de Belém que
devido as profecias era por lá o nascimento do Messias.
 Pouco antes da sua morte e que deu-se o episódio onde Mateus se
refere ter havido uma matança de crianças por ordem de Herodes, na
esperança que o Messias fosse morto.
 Devido a segurança do Menino Luz, espíritos protetores, em sonho,
passaram a José que seguissem os amigos Essênios para o Egito...
 José utilizou da sua profissão carpinteiro para o sustento da família.
 Mediunicamente: Os Irmãos terapeutas “Essênios” levaram o menino
para Fenícia, onde Herodes não tinha autoridade, foram recebidos no
Monte Hermon onde permaneceram 5 anos.
 Assim passou tempo da morte de Herodes, as disputas de cargos e
riquezas, desaparecendo todo perigo.
Aula 15 Reis Magos.ppt
 Assim passou tempo da morte
de Herodes, as disputas de
cargos e riquezas,
desaparecendo todo perigo.
 Voltaram a Nazaré, na Galiléia.
BIBLIOGRAFIA
 O Redentor - Prólogo, cap. 2 a 6 - Edgard Armond - Ed. Aliança
 A Bíblia - João 1, Lucas 1 e 2, Matheus 1 e 2, Novo Testamento
 A Gênese - Cap. 15 item 1 a 4, pág. 66 - Allan Kardec - FEB
 O Evangelho dos Humildes – Cap. I a II - Eliseu Rigonatti - Ed. Pensamento
 Jesus Nazareno - Cap. 1, 8 a 13, Pág. 31-52 - Huberto Rohden - Ed. Alvorada
 O Sublime Peregrino - Cap. 8 a 10 - Ramatis / Hercílio Maes - Ed. Freitas
Bastos
 Boa Nova - Cap. 1 - Humberto de Campos / Chico Xavier - FEB
 Os Exilados de Capela - Cap. 20 e 21 - Edgard Armond - Ed. Aliança
 A Caminho da Luz – Cap. XII - Francisco Cândido Xavier – FEB
 Imagens do google.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cb 10 descrição do mundo espiritual e mediunidade
Cb 10   descrição do mundo espiritual e mediunidadeCb 10   descrição do mundo espiritual e mediunidade
Cb 10 descrição do mundo espiritual e mediunidade
Norberto Scavone Augusto
 
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
PatiSousa1
 
Eae 82 - estudo seres e formas - evolução reinos & a genese da alma
Eae   82 - estudo seres e formas - evolução reinos & a genese da almaEae   82 - estudo seres e formas - evolução reinos & a genese da alma
Eae 82 - estudo seres e formas - evolução reinos & a genese da alma
Norberto Scavone Augusto
 
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV. Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
PatiSousa1
 
Eae 3 - o nosso planeta rev 03
Eae   3 - o nosso planeta rev 03Eae   3 - o nosso planeta rev 03
Eae 3 - o nosso planeta rev 03
Norberto Scavone Augusto
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
Levi Antonio Amancio
 
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
PatiSousa1
 
A caminho da luz cap 3
A caminho da luz   cap 3A caminho da luz   cap 3
A caminho da luz cap 3
Gustavo Soares
 
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
Daniel de Melo
 
Diversidade dos Carismas -Estudo e Pratica da Mediunidade
Diversidade dos Carismas -Estudo e Pratica da MediunidadeDiversidade dos Carismas -Estudo e Pratica da Mediunidade
Diversidade dos Carismas -Estudo e Pratica da Mediunidade
Patricia Farias
 
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Graça Maciel
 
EAE - AULA 106 - O PAPEL DO DISCÍPULO
EAE - AULA 106 - O PAPEL DO DISCÍPULOEAE - AULA 106 - O PAPEL DO DISCÍPULO
EAE - AULA 106 - O PAPEL DO DISCÍPULO
Luiz Henrique Faleiros
 
Eade i-ii-7-o-cristianismo-fenômenos-psíquicos-no-evangelho (1)
Eade i-ii-7-o-cristianismo-fenômenos-psíquicos-no-evangelho (1)Eade i-ii-7-o-cristianismo-fenômenos-psíquicos-no-evangelho (1)
Eade i-ii-7-o-cristianismo-fenômenos-psíquicos-no-evangelho (1)
JoyAlbanez
 
A044 EAE DM - PARA O CALVÁRIO 20170628
A044 EAE DM - PARA O CALVÁRIO 20170628A044 EAE DM - PARA O CALVÁRIO 20170628
A044 EAE DM - PARA O CALVÁRIO 20170628
Daniel de Melo
 
Eae 87 - lei do trabalho e de justiça
Eae   87 - lei do trabalho e de justiçaEae   87 - lei do trabalho e de justiça
Eae 87 - lei do trabalho e de justiça
Norberto Scavone Augusto
 
AULA 008 EAE DM - INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE REFORMA ÍNTIMA
AULA 008 EAE DM - INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE REFORMA ÍNTIMAAULA 008 EAE DM - INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE REFORMA ÍNTIMA
AULA 008 EAE DM - INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE REFORMA ÍNTIMA
Daniel de Melo
 
Aula reinos da natureza - eae - 83
Aula   reinos da natureza - eae - 83Aula   reinos da natureza - eae - 83
Aula reinos da natureza - eae - 83
OCIMARMC
 
Eae 94 - estrutura da aliança
Eae   94 - estrutura da aliançaEae   94 - estrutura da aliança
Eae 94 - estrutura da aliança
Norberto Scavone Augusto
 
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de EspiritismoAula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
liliancostadias
 
O que é Deus?
O que é Deus?O que é Deus?
O que é Deus?
grupodepaisceb
 

Mais procurados (20)

Cb 10 descrição do mundo espiritual e mediunidade
Cb 10   descrição do mundo espiritual e mediunidadeCb 10   descrição do mundo espiritual e mediunidade
Cb 10 descrição do mundo espiritual e mediunidade
 
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
 
Eae 82 - estudo seres e formas - evolução reinos & a genese da alma
Eae   82 - estudo seres e formas - evolução reinos & a genese da almaEae   82 - estudo seres e formas - evolução reinos & a genese da alma
Eae 82 - estudo seres e formas - evolução reinos & a genese da alma
 
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV. Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
 
Eae 3 - o nosso planeta rev 03
Eae   3 - o nosso planeta rev 03Eae   3 - o nosso planeta rev 03
Eae 3 - o nosso planeta rev 03
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
 
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
 
A caminho da luz cap 3
A caminho da luz   cap 3A caminho da luz   cap 3
A caminho da luz cap 3
 
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
 
Diversidade dos Carismas -Estudo e Pratica da Mediunidade
Diversidade dos Carismas -Estudo e Pratica da MediunidadeDiversidade dos Carismas -Estudo e Pratica da Mediunidade
Diversidade dos Carismas -Estudo e Pratica da Mediunidade
 
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
 
EAE - AULA 106 - O PAPEL DO DISCÍPULO
EAE - AULA 106 - O PAPEL DO DISCÍPULOEAE - AULA 106 - O PAPEL DO DISCÍPULO
EAE - AULA 106 - O PAPEL DO DISCÍPULO
 
Eade i-ii-7-o-cristianismo-fenômenos-psíquicos-no-evangelho (1)
Eade i-ii-7-o-cristianismo-fenômenos-psíquicos-no-evangelho (1)Eade i-ii-7-o-cristianismo-fenômenos-psíquicos-no-evangelho (1)
Eade i-ii-7-o-cristianismo-fenômenos-psíquicos-no-evangelho (1)
 
A044 EAE DM - PARA O CALVÁRIO 20170628
A044 EAE DM - PARA O CALVÁRIO 20170628A044 EAE DM - PARA O CALVÁRIO 20170628
A044 EAE DM - PARA O CALVÁRIO 20170628
 
Eae 87 - lei do trabalho e de justiça
Eae   87 - lei do trabalho e de justiçaEae   87 - lei do trabalho e de justiça
Eae 87 - lei do trabalho e de justiça
 
AULA 008 EAE DM - INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE REFORMA ÍNTIMA
AULA 008 EAE DM - INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE REFORMA ÍNTIMAAULA 008 EAE DM - INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE REFORMA ÍNTIMA
AULA 008 EAE DM - INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE REFORMA ÍNTIMA
 
Aula reinos da natureza - eae - 83
Aula   reinos da natureza - eae - 83Aula   reinos da natureza - eae - 83
Aula reinos da natureza - eae - 83
 
Eae 94 - estrutura da aliança
Eae   94 - estrutura da aliançaEae   94 - estrutura da aliança
Eae 94 - estrutura da aliança
 
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de EspiritismoAula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
 
O que é Deus?
O que é Deus?O que é Deus?
O que é Deus?
 

Semelhante a Aula 15 Reis Magos.ppt

A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
Daniel de Melo
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
jcevadro
 
AULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
AULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdfAULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
AULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
GarantiaCorujonda
 
As origens da religiao egipcia
As origens da religiao egipciaAs origens da religiao egipcia
As origens da religiao egipcia
luciana branca silveira lopes
 
Trajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptx
Trajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptxTrajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptx
Trajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptx
Norberto Tomasini Jr
 
trajetória mediunidade atraves dos tempos
trajetória mediunidade atraves dos tempostrajetória mediunidade atraves dos tempos
trajetória mediunidade atraves dos tempos
AricenyHuguenin
 
ESE 1 AS REVELAÇÕES.pptx
ESE 1 AS REVELAÇÕES.pptxESE 1 AS REVELAÇÕES.pptx
ESE 1 AS REVELAÇÕES.pptx
Joel Antonio Silva Guardiano
 
[Ebook] devocionais sobre o nascimento de cristo
[Ebook] devocionais sobre o nascimento de cristo[Ebook] devocionais sobre o nascimento de cristo
[Ebook] devocionais sobre o nascimento de cristo
André Filipe Aefe
 
Tabor
TaborTabor
Tabor
Ana Xavier
 
Rastros de luz 01
Rastros de luz 01Rastros de luz 01
Rastros de luz 01
MRS
 
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Helio Cruz
 
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Helio Cruz
 
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPciaAs Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
JNR
 
Fenomesp
FenomespFenomesp
Fenomesp
cab3032
 
O Egito - by Léon Denis - 1889
O Egito - by Léon Denis - 1889O Egito - by Léon Denis - 1889
O Egito - by Léon Denis - 1889
Romeu da Silveira
 
O livro perdido de nostradamus
O livro perdido de nostradamusO livro perdido de nostradamus
O livro perdido de nostradamus
ecunha12
 
Rastros de luz 02
Rastros de luz 02Rastros de luz 02
Rastros de luz 02
MRS
 
Uma história da magia
Uma história da magiaUma história da magia
Uma história da magia
HogwartsSchoolHouseCup
 
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
EAE 16 -  Infância e Juventude do MessiasEAE 16 -  Infância e Juventude do Messias
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
PatiSousa1
 
3 a mesopotamia e a primeira civilizacao - 3 aula
3   a mesopotamia e a primeira civilizacao - 3 aula3   a mesopotamia e a primeira civilizacao - 3 aula
3 a mesopotamia e a primeira civilizacao - 3 aula
PIB Penha
 

Semelhante a Aula 15 Reis Magos.ppt (20)

A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
 
AULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
AULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdfAULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
AULA 8_ Material complementar_ Escola de Mistérios .pdf
 
As origens da religiao egipcia
As origens da religiao egipciaAs origens da religiao egipcia
As origens da religiao egipcia
 
Trajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptx
Trajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptxTrajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptx
Trajetória Mediunidade atraves dos tempos.pptx
 
trajetória mediunidade atraves dos tempos
trajetória mediunidade atraves dos tempostrajetória mediunidade atraves dos tempos
trajetória mediunidade atraves dos tempos
 
ESE 1 AS REVELAÇÕES.pptx
ESE 1 AS REVELAÇÕES.pptxESE 1 AS REVELAÇÕES.pptx
ESE 1 AS REVELAÇÕES.pptx
 
[Ebook] devocionais sobre o nascimento de cristo
[Ebook] devocionais sobre o nascimento de cristo[Ebook] devocionais sobre o nascimento de cristo
[Ebook] devocionais sobre o nascimento de cristo
 
Tabor
TaborTabor
Tabor
 
Rastros de luz 01
Rastros de luz 01Rastros de luz 01
Rastros de luz 01
 
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
 
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
Livro curso de aprendizes do evangelho (1)
 
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPciaAs Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
 
Fenomesp
FenomespFenomesp
Fenomesp
 
O Egito - by Léon Denis - 1889
O Egito - by Léon Denis - 1889O Egito - by Léon Denis - 1889
O Egito - by Léon Denis - 1889
 
O livro perdido de nostradamus
O livro perdido de nostradamusO livro perdido de nostradamus
O livro perdido de nostradamus
 
Rastros de luz 02
Rastros de luz 02Rastros de luz 02
Rastros de luz 02
 
Uma história da magia
Uma história da magiaUma história da magia
Uma história da magia
 
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
EAE 16 -  Infância e Juventude do MessiasEAE 16 -  Infância e Juventude do Messias
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
 
3 a mesopotamia e a primeira civilizacao - 3 aula
3   a mesopotamia e a primeira civilizacao - 3 aula3   a mesopotamia e a primeira civilizacao - 3 aula
3 a mesopotamia e a primeira civilizacao - 3 aula
 

Mais de PatiSousa1

EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do Cristão
PatiSousa1
 
Basico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxBasico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptx
PatiSousa1
 
AULA 30.pptx
AULA 30.pptxAULA 30.pptx
AULA 30.pptx
PatiSousa1
 
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
PatiSousa1
 
Aula 104
Aula 104Aula 104
Aula 104
PatiSousa1
 
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
PatiSousa1
 
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da ÉpocaEae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
PatiSousa1
 
Eae 19 Os Essênios
Eae 19  Os EssêniosEae 19  Os Essênios
Eae 19 Os Essênios
PatiSousa1
 
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
PatiSousa1
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
PatiSousa1
 
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALEae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
PatiSousa1
 
Eae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasEae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das Epístolas
PatiSousa1
 
Eae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontadeEae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontade
PatiSousa1
 
Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar
PatiSousa1
 
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosEae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
PatiSousa1
 
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e JudasEae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
PatiSousa1
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
PatiSousa1
 
Eae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das EpístolasEae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das Epístolas
PatiSousa1
 
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
PatiSousa1
 
Eae 35 As Parábolas III - Vida Rural
Eae 35 As Parábolas III - Vida RuralEae 35 As Parábolas III - Vida Rural
Eae 35 As Parábolas III - Vida Rural
PatiSousa1
 

Mais de PatiSousa1 (20)

EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do Cristão
 
Basico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxBasico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptx
 
AULA 30.pptx
AULA 30.pptxAULA 30.pptx
AULA 30.pptx
 
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
 
Aula 104
Aula 104Aula 104
Aula 104
 
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
 
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da ÉpocaEae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
 
Eae 19 Os Essênios
Eae 19  Os EssêniosEae 19  Os Essênios
Eae 19 Os Essênios
 
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
 
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALEae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
 
Eae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasEae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das Epístolas
 
Eae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontadeEae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontade
 
Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar
 
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosEae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
 
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e JudasEae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
 
Eae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das EpístolasEae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das Epístolas
 
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
 
Eae 35 As Parábolas III - Vida Rural
Eae 35 As Parábolas III - Vida RuralEae 35 As Parábolas III - Vida Rural
Eae 35 As Parábolas III - Vida Rural
 

Último

1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
luartfelt
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
OBrasilParaCristoRad
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdfCAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
tintcha62
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
OBrasilParaCristoRad
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 

Último (20)

1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdfCAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 

Aula 15 Reis Magos.ppt

  • 1. O Redentor – Capítulo 05 e 06
  • 2. O ANÚNCIO  O anúncio, dado pelos sábios entendidos em astrologia, devido a conjunção de Júpiter, Saturno e Marte, era sinal de acontecimentos graves e imprevisíveis;  Isso deixaria o povo, ansioso e atemorizado, com noites seguidas esperando as desgraças anunciadas;  Porém os sacerdotes sabiam do que se tratava, era chegada a época do nascimento do Messias de Israel.  Mas Herodes se remoía em inquietações devido a suposta ideia de que o acontecimento iria lhe roubar o trono e o poder.  Sabia, que o povo esperava um Messias nacional que iria assumir o poder de Israel, proclamando-se rei e expulsasse os romanos invasores.  Há muito já havia se profetizado o nascimento do Messias em terras pagãs, o que gerou muita expectativa, que abalaria a vida de todos e mudaria o mundo.
  • 3. A CONJUNÇÃO  E numa noite fria e estrelada, completava-se a conjunção insólita nos espaços siderais, vibrações celestiais chegavam ao local humilde onde o Menino Luz estava nascendo.  Via-se clarões de luminosos que desciam do céu e ouviram o coro inaudível dos Espíritos clamando Glória a Deus nas alturas e Paz na Terra aos homens de boa vontade.  E assim as forças das trevas foram vencidas....
  • 4.  Fato esse que foi percebido pelos sensitivos, sobretudo pelos Essênios, que já estavam vigilantes e em preces.  Aos que estavam mais longe permaneciam investigando e aguardando confirmações, não sabia o local exato do acontecimento.  Mesmo com a reposta no céu, devido a conjunção dos astros, verificava-se que a profecia de Miqueias muito remota, já informava a respeito: “E tu, Bethellem Efrata, conquanto pequena entre muitas de Judá, de ti sairá aquele que será o senhor de Israel”.  Também a de Zoroastro feita em 3.200 anos atrás: “Oh, vós, meus filhos, que já estais avisados do Seu nascimento, antes que qualquer outro povo, assim que virdes a estrela, tomai-a por guia e ela vos conduzirá ao lugar onde Ele – o Redentor – nasceu. Adorai-O e ofertai- Lhe presentes porque Ele é a palavra, o Verbo, que formou os céus. ”
  • 5.  Míseros pastores “viram e ouviram” o tal acontecimento através da mediunidade. Essas comunidades de solitários realizavam-se práticas espirituais, como fazemos hoje e muitos tinham faculdades mediúnicas que iriam passar as revelações para quem merecessem conhecê-los inclusive os chamados Reis Magos.  Messias nascera na Palestina e, esses detentores de sabedoria espiritual de maior responsabilidades partiram nessa direção para conhecerem e adorarem o alto espírito missionário.  Podia-se usar como referência uma “estrela guia”, sendo estrela mesmo devido a representação da conjunção dos astros, também poderia ser um Espírito visto pela vidência que serviu de guia as caravanas até o Menino-Luz.  Não é comum Espíritos tomarem qualquer forma, mas sabemos que podem sim, bastando que imaginem...  Muitos iniciados viajaram durante muito tempo vindo de lugares distantes onde juntaram-se com diversas caravanas e seguiram juntos a Jerusalém.
  • 6.  Os “Reis Magos” estudaram e se preparavam para sua custosa viagem.  O Menino Luz se desenvolvia: Aos 8 dias foi levado à Sinagoga local para ser apresentado e registrado, como era de praxe.  Foi circuncidado, costumes da época em vários povos, sírios, fenícios e cananeus.  Para os Judeus: entrava-se em pacto com Jeová, passando a ser herdeiro das promessas divinas e por medida de higiene corporal.  Aos 40 dias foi levado por sua mãe para os ritos de purificação, um holocausto vivo;
  • 7.  Como Maria tinha poucos recursos foi feito com uma pomba, que entregue ao Altar do Holocaustos ao sacerdote em serviço, cortava o pescoço da ave e torcia-o por trás de forma que o sangue, ao afluir, caísse sobre as brasas do Altar, a vítima era atirada de lado em recipiente próprio. Em seguida a ofertante passava pelo Templo – O Santo – para que a criança fosse consagrada ao Senhor, quando a criança fosse primogênita.  Foi preparado em sigilo uma cerimônia para o menino ser consagrado, havia alguns sacerdotes ligados secretamente aos Essênios e planejaram a cerimônia.  Maria e José foram recebidos pelos sacerdotes Simeão de Bethel e Elezar, rodeados de seus acólitos. As virgens de Sião cantaram hinos e preces se elevaram aos céus e, Simeão com meninos nos braços o consagra exclamando: “Agora, Senhor, despede em paz teu servo, segundo a tua palavra, porque os meus olhos já viram a tua salvação” (Lc 2:28-30)
  • 8.  Nesse momento o véu do Templo caiu e uma paralitica que estava perto, levantou-se e saiu andando.  Criando estranhezas e comentários entres os que estavam no Templo.  Com isso já se afastaram do local para preservar o menino, segundos boatos e devido aos comentários da chegada dos Reis Magos despertava a atenção de Herodes.
  • 9.  Herodes espalhou espiões por toda parte logo após seus conhecimentos sobre a conjunção planetária.  Procuravam um nascimento sobrenatural e o espião viu entrarem na cidade 3 viajantes orientais perguntando - “Onde está o Messias Salvador do Mundo, cuja estrela vimos no Oriente? ” E os seguiram no Templo, porém os sacerdotes essênios perceberam e os retiraram por passagens secretas.  Foram advertidos em sonho que não voltassem mais a Jerusalém.  Foram conduzidos ao Menino que já contava 10 meses e meio, em Belém.  E aconteceu o encontro comovente dos altos iniciados Reis Magos e o Senhor do Mundo, o Governador Planetário.
  • 10.  Consultaram pergaminhos, anotações, verificaram o Menino, tanto no corpo físico como no espiritual e, por fim se convenceram de que realmente era encarnado o Messias Planetário.  Glorificaram e lhe ofertaram, de recursos próprios e uteis a vida material.  Assim se retiraram guiados sempre pelos essênios terapeutas.  A mensagem do Messias prometido seria de extensão universal, tendo em vista que foi pressentido pelos pastores humildes, sacerdotes de religiões diferentes, sua redenção seria para todos os homens.
  • 11.  Herodes que assumira o governo 39 anos antes, era muito temido junto aos seus filhos.  Herodes o Grande, chefe da estirpe.  Herodes Antipas, seu filho, que mandou matar João Batista.  Herodes Agripa, aventureiro, vivia nas cortes dos césares romanos e mandou matar Tiago em Jerusalém e prender Pedro.  Herodes Felipe, governador de Itureia.
  • 12.  Herodes o grande, teve várias mulheres que viviam exiladas ou as mandava matar, assim como fez com seus próprios filhos. Tamanho era seu ego no poder e o medo de ser retirado do trono.  Era Judeu, conhecia as escrituras, temia os profetas, mas o que mais temia era segurança do seu trono.  Era natural que eles tivessem predições para o medo relacionado a perder o poder, utilizavam muito de oráculos, adivinhos, espiões, a presença de um simples corvo atordoava a todos no momento em que era avistado.  Estava Herodes assistindo um espetáculo e um corvo empoleirou-se em uma trave do camarote onde se encontrava, o mesmo saiu imediatamente do circo e regressou ao palácio;  Foi acometido de terrível doença, o câncer, morreu pouco tempo depois abandonado por todos da família e serviçais.
  • 13.  Tinha duplicado os espiões durante dois anos na região de Belém que devido as profecias era por lá o nascimento do Messias.  Pouco antes da sua morte e que deu-se o episódio onde Mateus se refere ter havido uma matança de crianças por ordem de Herodes, na esperança que o Messias fosse morto.
  • 14.  Devido a segurança do Menino Luz, espíritos protetores, em sonho, passaram a José que seguissem os amigos Essênios para o Egito...  José utilizou da sua profissão carpinteiro para o sustento da família.  Mediunicamente: Os Irmãos terapeutas “Essênios” levaram o menino para Fenícia, onde Herodes não tinha autoridade, foram recebidos no Monte Hermon onde permaneceram 5 anos.  Assim passou tempo da morte de Herodes, as disputas de cargos e riquezas, desaparecendo todo perigo.
  • 16.  Assim passou tempo da morte de Herodes, as disputas de cargos e riquezas, desaparecendo todo perigo.  Voltaram a Nazaré, na Galiléia.
  • 17. BIBLIOGRAFIA  O Redentor - Prólogo, cap. 2 a 6 - Edgard Armond - Ed. Aliança  A Bíblia - João 1, Lucas 1 e 2, Matheus 1 e 2, Novo Testamento  A Gênese - Cap. 15 item 1 a 4, pág. 66 - Allan Kardec - FEB  O Evangelho dos Humildes – Cap. I a II - Eliseu Rigonatti - Ed. Pensamento  Jesus Nazareno - Cap. 1, 8 a 13, Pág. 31-52 - Huberto Rohden - Ed. Alvorada  O Sublime Peregrino - Cap. 8 a 10 - Ramatis / Hercílio Maes - Ed. Freitas Bastos  Boa Nova - Cap. 1 - Humberto de Campos / Chico Xavier - FEB  Os Exilados de Capela - Cap. 20 e 21 - Edgard Armond - Ed. Aliança  A Caminho da Luz – Cap. XII - Francisco Cândido Xavier – FEB  Imagens do google.