SlideShare uma empresa Scribd logo
MÁRIO NASCIMENTO – MARIOAMARAL@GMAIL.COM
WWW.REACTIONCONSULTORIA.COM.BR
RESUMO ARTIGO: As Orientações Estratégicas da Inovação em Produtos Populares
Artigo
As Orientações Estratégicas da
Inovação em Produtos Populares
(RAC, 2008)
OBJETIVO
I. Conceituar produtos populares
II. Dimensionar e caracterizar os seus mercados
no Brasil
III. Identificar as orientações estratégicas da
inovação nestes mercados.
AUTORES
Paulo Tromboni de Souza Nascimento
Abraham Sin Oih Yu
Maria Cecília Sobral
marioamaral@gmail.com
INTRODUÇÃO
Contextualização Histórica - As multinacionais instalavam-se primeiro
para vender produtos importados, depois instalavam fábricas. Por fim, as
filiais mais ousadas criaram capacitação tecnológica local para adaptar
produtos (Ronstadt, 1984)
“Consumidor Pobre” - É preciso haver produtos concebidos para o
consumidor pobre (Prahalad e Lieberthal,1998)
Inovação - A inovação industrial decorre do encontro entre possibilidades
técnicas e oportunidades de mercado. (Freeman, 1974)
Gestão da Inovação - Um aspecto central da gestão da inovação: a
dificuldade de coordenar a divisão intelectual do trabalho (Krishnan &
Ulrich, 2001).
Extratos Teóricos em Destaque
marioamaral@gmail.com
METODOLOGIA
ANÁLISE CONCEITUAL DE DADOS SECUNDÁRIOS + ESTUDO DE CASO
A temática exigiu um trabalho de conceituação. Ex: O que se entende por produto e mercado populares?
 Para dimensionar e caracterizar o mercado popular no Brasil recorreu-se à Pesquisa Nacional de
Domicílios [PNAD] do IBGE (2001) e aos dados do O Brasil em números (2002).
 Para identificar os segmentos de produtos populares utilizou a Pesquisa de Orçamento Familiar; (Fundação
Instituto de Pesquisas Econômicas da USP (1999)
 Para uma primeira aproximação do tema das estratégias empresariais de inovação voltadas ao mercado
popular, optou-se por coletar artigos na imprensa geral que tratassem de empresas fabricantes de produtos
populares.
 Esgotada a etapa anterior, procedeu-se a estudos de caso.
 Os casos foram escolhidos a partir da entrevista com um diretor de compras de uma rede de supermercados.
marioamaral@gmail.com
PRODUTO POPULAR
I. PRODUTO POPULAR
Relacionado prioritariamente a atender aos consumidores das classes de menor
renda;
Preço baixo e qualidade são requisitos fundamentais para este mercado;
Não precisa ser necessariamente o mais barato de sua categoria, deve oferecer
condições (crédito, pontos de venda, atendimento às necessidades do
consumidor) que facilitem e viabilizem a sua aquisição.
Podem-se identificar situações em que consumidores mais abastados venham a
se interessar em adquirir esse produto.
Sobral, Assis e Farias (2005).
Carnês,
Consignado..
Tradeoff
marioamaral@gmail.com
II. MERCADO BRASILEIRO
DE PRODUTOS POPULARES
Classe C e D: ganham de 2 a 10 salários
mínimos e são 85 milhões de pessoas
Potencial de consumo de ~US$ 124
bilhões
• Não se abordou a classe E, do ponto de vista
da inovação, as classes C e D oferecem maior
variedade
• 60% dos gastos são itens básicos
(alimentação, gás, energia…). Todo o seu
dinheiro vai para o consumo. Praticamente
não há poupança.
• Ou seja, produtos populares têm de ser
baratos.
*124 bilhões inclui a Emarioamaral@gmail.com
III. ESTRATÉGIAS PARA MERCADOS DE PRODUTO POPULAR NA MÍDIA
Com base nos artigos de mídia impressa, foram definidos 9
fatores chaves de sucesso:
1 - os setores de atuação; massas, biscoitos, bebidas,
supermercados; carro popular e motocicleta 125 cc, higiene e
limpeza (sabão, fralda, xampu etc.).
2 - o preço baixo; preços significativamente menores e
condições de compra (pequenas prestações, sem garantias)
3 - a concepção do produto; modificação dos próprios
produtos. Ex: Gol, oferecendo preços baixos, utilizando só um
modelo de aeronave e eliminando serviços a bordo;
4 - a promoção; não abrem mão da qualidade. Um erro
cometido pelo Barateiro foi de introduzir 1000 artigos com
marca própria, com preços baixos mais qualidade sofrível.
5 - a praça; Os pontos de distribuição preferidos são as
pequenas lojas de varejo, fogem dos grandes pelo poder
de barganha fora dos grandes centros urbanos
marioamaral@gmail.com
III. ESTRATÉGIAS PARA MERCADOS DE PRODUTO POPULAR NA MÍDIA
6 - a distribuição física; deve ser de baixo custo e ter agilidade
na entrega.
7 - o processo produtivo; tendo em vista a enorme importância
do preço, é preciso tirar o máximo proveito das escalas e
eficiências de produção para reduzir custos unitários.
8 - a agilidade no desenvolvimento de produtos; a
capacidade de captar as alterações de preferências
populares e conseguir desenvolver e lançar rapidamente
produtos que atendam à demanda é essencial para o seu
crescimento.
9 - a tecnologia; não são setores de tecnologia de ponta nem
de inovações radicais. Utilizam, tecnologias disponíveis
para atender a necessidades específicas, buscando
maximizar as possibilidades de redução desse custo.
Tradeoff com
Segurança e
Qualidade
Menor, menos
burocracia e
hierarquia
marioamaral@gmail.com
ESTUDO DE CASO
Entrevistaram os gestores para saber a estratégia de inovação de pequenas empresas
tradicionais fundadas nos anos 50 e 60.
 O primeiro elemento confirmado foi a extrema preocupação com custos
 Convenção, a empresa verticalizou a produção de garrafas PET e reduziu o seu peso,
economizando matéria-prima e terceirizou a produção na baixa temporada
 Alaska produz sorvetes com sua tecnologia para serem comercializados sob a marca de
terceiros, reduz custo aumentando a escala de produção
 A Scala embala as pontas de macarrão que sobram no processo. Gera assim um produto
de baixo valor que seria descartado
 Scala e Convenção, fogem dos grandes varejistas para evitar o poder de barganha
deles
 As empresas não são dedicadas exclusivamente ao segmento popular.
Asseguram escala de produção, mas mantêm produtos para outros segmentos.
CASOS Na estratégia geral de
inovação, constata-se que
todas são empresas
seguidoras dos líderes
setoriais.
A Convenção e a Scala imitam
produtos importados.
Já a Mastra, dada a definição
pelo mercado de reposição,
persegue as montadoras de
automóveis e seus
fornecedores.
A atuação da Alaska é um
pouco mais original,
mas incorpora um elemento de
atendimento da demanda
expressa pelos seus
clientes, que pedem produtos
com características próprias.
O processo de inovação apesar de
“existir”, não são formalizados. As
empresas pequenas são informais e isso
favorece a integração e inovação mas
maneira desestrurada.
marioamaral@gmail.com
CONCLUSÃO - Custo o Elemento Central
As limitações de renda dos compradores de produtos
populares gera uma resposta das empresas de garantir
o preço mais baixo possível com uma qualidade
aceitável
Isso põe desafios próprios para a gestão da inovação. Por outro
lado, existe grande oportunidade nesse mercado dado o volume de
pessoas e financeiro envolvido e a concorrência baixa e local.
Cabe as empresas adotarem estratégias de inovação consistentes
para aproveitarem essa situação.
CUSTO!
marioamaral@gmail.com
MÁRIO NASCIMENTO – MARIOAMARAL@GMAIL.COM
WWW.REACTIONCONSULTORIA.COM.BR
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Função Marketing - Martketing Mix- 4Ps : O Produto
Função Marketing - Martketing Mix- 4Ps : O ProdutoFunção Marketing - Martketing Mix- 4Ps : O Produto
Função Marketing - Martketing Mix- 4Ps : O Produto
Catarina Simões
 
1 Gestao Design Oficial
1  Gestao  Design  Oficial1  Gestao  Design  Oficial
1 Gestao Design Oficial
Red Latinoamericana de Diseño
 
Aulas Produtos
Aulas ProdutosAulas Produtos
Aulas Produtos
Lais Carvalho
 
2. implicações da concorrência perfeita
2. implicações da concorrência perfeita2. implicações da concorrência perfeita
2. implicações da concorrência perfeita
Carlos da Cruz
 
O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...
O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...
O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...
Hytalo Rafael
 
Parte VII Planejamento de Mkt Janaira Franca
Parte VII Planejamento de Mkt Janaira FrancaParte VII Planejamento de Mkt Janaira Franca
Parte VII Planejamento de Mkt Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Organização do ponto de venda6º
Organização do ponto de venda6ºOrganização do ponto de venda6º
Organização do ponto de venda6º
Edgar Varela Gonçalves
 
Técnicas de reposição
Técnicas de reposiçãoTécnicas de reposição
Técnicas de reposição
soraiafilipa17
 
Embalagem jp
Embalagem   jpEmbalagem   jp
Embalagem jp
Joao Silva
 
Gestão de Produtos
Gestão de ProdutosGestão de Produtos
Gestão de Produtos
Mario Borges Neto
 
Promocaoe merchandising
Promocaoe merchandisingPromocaoe merchandising
Promocaoe merchandising
MkrH Uniesp
 
Análise da oferta
Análise da ofertaAnálise da oferta
TCC - Rafael Kirsneris - ECA
TCC - Rafael Kirsneris - ECATCC - Rafael Kirsneris - ECA
TCC - Rafael Kirsneris - ECA
Rafael Kirsneris
 
Novas atribuições da embalagem
Novas atribuições da embalagemNovas atribuições da embalagem
Novas atribuições da embalagem
Odair Cavichioli
 
Estratégias de Produtos e Serviços
Estratégias de Produtos e Serviços Estratégias de Produtos e Serviços
Estratégias de Produtos e Serviços
Juliane Vallada
 
Produto 1 P
Produto   1 PProduto   1 P
Produto 1 P
Dawison Calheiros
 
Design e Inovação de Embalagem - Prof. Fábio Mestriner
Design e Inovação de Embalagem - Prof. Fábio MestrinerDesign e Inovação de Embalagem - Prof. Fábio Mestriner
Design e Inovação de Embalagem - Prof. Fábio Mestriner
Sustentare Escola de Negócios
 
Curso Mkt 2 2005 Novo Lp Churchil
Curso Mkt 2 2005 Novo Lp ChurchilCurso Mkt 2 2005 Novo Lp Churchil
Curso Mkt 2 2005 Novo Lp Churchil
guest4f7155a6
 
Mk internacional2
Mk internacional2Mk internacional2
Mk internacional2
Nuno Granada
 

Mais procurados (19)

Função Marketing - Martketing Mix- 4Ps : O Produto
Função Marketing - Martketing Mix- 4Ps : O ProdutoFunção Marketing - Martketing Mix- 4Ps : O Produto
Função Marketing - Martketing Mix- 4Ps : O Produto
 
1 Gestao Design Oficial
1  Gestao  Design  Oficial1  Gestao  Design  Oficial
1 Gestao Design Oficial
 
Aulas Produtos
Aulas ProdutosAulas Produtos
Aulas Produtos
 
2. implicações da concorrência perfeita
2. implicações da concorrência perfeita2. implicações da concorrência perfeita
2. implicações da concorrência perfeita
 
O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...
O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...
O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...
 
Parte VII Planejamento de Mkt Janaira Franca
Parte VII Planejamento de Mkt Janaira FrancaParte VII Planejamento de Mkt Janaira Franca
Parte VII Planejamento de Mkt Janaira Franca
 
Organização do ponto de venda6º
Organização do ponto de venda6ºOrganização do ponto de venda6º
Organização do ponto de venda6º
 
Técnicas de reposição
Técnicas de reposiçãoTécnicas de reposição
Técnicas de reposição
 
Embalagem jp
Embalagem   jpEmbalagem   jp
Embalagem jp
 
Gestão de Produtos
Gestão de ProdutosGestão de Produtos
Gestão de Produtos
 
Promocaoe merchandising
Promocaoe merchandisingPromocaoe merchandising
Promocaoe merchandising
 
Análise da oferta
Análise da ofertaAnálise da oferta
Análise da oferta
 
TCC - Rafael Kirsneris - ECA
TCC - Rafael Kirsneris - ECATCC - Rafael Kirsneris - ECA
TCC - Rafael Kirsneris - ECA
 
Novas atribuições da embalagem
Novas atribuições da embalagemNovas atribuições da embalagem
Novas atribuições da embalagem
 
Estratégias de Produtos e Serviços
Estratégias de Produtos e Serviços Estratégias de Produtos e Serviços
Estratégias de Produtos e Serviços
 
Produto 1 P
Produto   1 PProduto   1 P
Produto 1 P
 
Design e Inovação de Embalagem - Prof. Fábio Mestriner
Design e Inovação de Embalagem - Prof. Fábio MestrinerDesign e Inovação de Embalagem - Prof. Fábio Mestriner
Design e Inovação de Embalagem - Prof. Fábio Mestriner
 
Curso Mkt 2 2005 Novo Lp Churchil
Curso Mkt 2 2005 Novo Lp ChurchilCurso Mkt 2 2005 Novo Lp Churchil
Curso Mkt 2 2005 Novo Lp Churchil
 
Mk internacional2
Mk internacional2Mk internacional2
Mk internacional2
 

Semelhante a As Orientações Estratégicas da Inovação em Produtos Populares

Estrat Gia Competitiva E Cen Rios
Estrat Gia Competitiva E Cen RiosEstrat Gia Competitiva E Cen Rios
Estrat Gia Competitiva E Cen Rios
guest06f340
 
As estrategias imitativas e dependentes
As estrategias imitativas e dependentesAs estrategias imitativas e dependentes
As estrategias imitativas e dependentes
Bruno Pestana
 
Tendências de marketing
Tendências de marketing Tendências de marketing
Tendências de marketing
Patricia Frota Machado
 
Pesquisa Descobrindo a Classe C
Pesquisa Descobrindo a Classe CPesquisa Descobrindo a Classe C
Pesquisa Descobrindo a Classe C
Professor Sérgio Duarte
 
Mercado e Concorrência
Mercado e ConcorrênciaMercado e Concorrência
Mercado e Concorrência
Doisnovemeia Publicidade
 
13_02_2012
13_02_201213_02_2012
13_02_2012
Ricardo Pastore
 
Administração em Marketing - Aula 10 - Gerenciando Produtos e Marcas
Administração em Marketing - Aula 10 - Gerenciando Produtos e MarcasAdministração em Marketing - Aula 10 - Gerenciando Produtos e Marcas
Administração em Marketing - Aula 10 - Gerenciando Produtos e Marcas
Ueliton da Costa Leonidio
 
Projeto e desenvolvimento de produtos
Projeto e desenvolvimento de produtosProjeto e desenvolvimento de produtos
Projeto e desenvolvimento de produtos
Paulo Tavares
 
Planejamento Estratégico - Nokia
Planejamento Estratégico - NokiaPlanejamento Estratégico - Nokia
Planejamento Estratégico - Nokia
Carlos Azevedo
 
Pesquisa e Conceito de Produto - Consul
Pesquisa e Conceito de Produto - ConsulPesquisa e Conceito de Produto - Consul
Pesquisa e Conceito de Produto - Consul
Vicente Carvalho
 
O que você quer para a sua empresa? Como inovar pelo design.
O que você quer para a sua empresa? Como inovar pelo design.O que você quer para a sua empresa? Como inovar pelo design.
O que você quer para a sua empresa? Como inovar pelo design.
DUCO
 
Gestão de Projeto - Fast Shop Mega Store
Gestão de Projeto  -  Fast Shop Mega StoreGestão de Projeto  -  Fast Shop Mega Store
Gestão de Projeto - Fast Shop Mega Store
Sabrina Mariana
 
Analise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadas
Analise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadasAnalise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadas
Analise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadas
Thiago Yajima
 
Estratégias de Mercado Globais
Estratégias de Mercado GlobaisEstratégias de Mercado Globais
Estratégias de Mercado Globais
BRINKS SEGURANÇA E TRANSPORTE DE VALORES
 
Artigo: Marketing Estratégico do Google e o Oceano Azul
Artigo: Marketing Estratégico do Google e o Oceano AzulArtigo: Marketing Estratégico do Google e o Oceano Azul
Artigo: Marketing Estratégico do Google e o Oceano Azul
Unimed Planalto Médio
 
Administração Mercadológica II - Parte - 3
Administração Mercadológica II - Parte - 3Administração Mercadológica II - Parte - 3
Administração Mercadológica II - Parte - 3
Patrícia Monteiro Gorni
 
1. oceano azul
1.  oceano azul1.  oceano azul
1. oceano azul
EdMasNaaS
 
RECALL DA TOYOTA
RECALL DA TOYOTARECALL DA TOYOTA
RECALL DA TOYOTA
Wallace Barreto Pinheiro
 
Ciclo de Vida do Produto
Ciclo de Vida do ProdutoCiclo de Vida do Produto
Ciclo de Vida do Produto
Sergio Manjate
 
A base da_piramide_-_s_akuramoto1
A base da_piramide_-_s_akuramoto1A base da_piramide_-_s_akuramoto1
A base da_piramide_-_s_akuramoto1
guest12d885
 

Semelhante a As Orientações Estratégicas da Inovação em Produtos Populares (20)

Estrat Gia Competitiva E Cen Rios
Estrat Gia Competitiva E Cen RiosEstrat Gia Competitiva E Cen Rios
Estrat Gia Competitiva E Cen Rios
 
As estrategias imitativas e dependentes
As estrategias imitativas e dependentesAs estrategias imitativas e dependentes
As estrategias imitativas e dependentes
 
Tendências de marketing
Tendências de marketing Tendências de marketing
Tendências de marketing
 
Pesquisa Descobrindo a Classe C
Pesquisa Descobrindo a Classe CPesquisa Descobrindo a Classe C
Pesquisa Descobrindo a Classe C
 
Mercado e Concorrência
Mercado e ConcorrênciaMercado e Concorrência
Mercado e Concorrência
 
13_02_2012
13_02_201213_02_2012
13_02_2012
 
Administração em Marketing - Aula 10 - Gerenciando Produtos e Marcas
Administração em Marketing - Aula 10 - Gerenciando Produtos e MarcasAdministração em Marketing - Aula 10 - Gerenciando Produtos e Marcas
Administração em Marketing - Aula 10 - Gerenciando Produtos e Marcas
 
Projeto e desenvolvimento de produtos
Projeto e desenvolvimento de produtosProjeto e desenvolvimento de produtos
Projeto e desenvolvimento de produtos
 
Planejamento Estratégico - Nokia
Planejamento Estratégico - NokiaPlanejamento Estratégico - Nokia
Planejamento Estratégico - Nokia
 
Pesquisa e Conceito de Produto - Consul
Pesquisa e Conceito de Produto - ConsulPesquisa e Conceito de Produto - Consul
Pesquisa e Conceito de Produto - Consul
 
O que você quer para a sua empresa? Como inovar pelo design.
O que você quer para a sua empresa? Como inovar pelo design.O que você quer para a sua empresa? Como inovar pelo design.
O que você quer para a sua empresa? Como inovar pelo design.
 
Gestão de Projeto - Fast Shop Mega Store
Gestão de Projeto  -  Fast Shop Mega StoreGestão de Projeto  -  Fast Shop Mega Store
Gestão de Projeto - Fast Shop Mega Store
 
Analise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadas
Analise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadasAnalise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadas
Analise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadas
 
Estratégias de Mercado Globais
Estratégias de Mercado GlobaisEstratégias de Mercado Globais
Estratégias de Mercado Globais
 
Artigo: Marketing Estratégico do Google e o Oceano Azul
Artigo: Marketing Estratégico do Google e o Oceano AzulArtigo: Marketing Estratégico do Google e o Oceano Azul
Artigo: Marketing Estratégico do Google e o Oceano Azul
 
Administração Mercadológica II - Parte - 3
Administração Mercadológica II - Parte - 3Administração Mercadológica II - Parte - 3
Administração Mercadológica II - Parte - 3
 
1. oceano azul
1.  oceano azul1.  oceano azul
1. oceano azul
 
RECALL DA TOYOTA
RECALL DA TOYOTARECALL DA TOYOTA
RECALL DA TOYOTA
 
Ciclo de Vida do Produto
Ciclo de Vida do ProdutoCiclo de Vida do Produto
Ciclo de Vida do Produto
 
A base da_piramide_-_s_akuramoto1
A base da_piramide_-_s_akuramoto1A base da_piramide_-_s_akuramoto1
A base da_piramide_-_s_akuramoto1
 

Mais de Mario Nascimento

EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...
EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...
EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...
Mario Nascimento
 
EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...
EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...
EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...
Mario Nascimento
 
Gestão do conhecimento, Fatores críticos e modelo seci
Gestão do conhecimento, Fatores críticos e modelo seciGestão do conhecimento, Fatores críticos e modelo seci
Gestão do conhecimento, Fatores críticos e modelo seci
Mario Nascimento
 
Sensemaking. Princípios e Funcionamentos nas Organizações e Lideranças
 Sensemaking. Princípios e Funcionamentos nas Organizações e Lideranças Sensemaking. Princípios e Funcionamentos nas Organizações e Lideranças
Sensemaking. Princípios e Funcionamentos nas Organizações e Lideranças
Mario Nascimento
 
Análise das Estratégias de Entrada e Competitividade de uma Organização Priva...
Análise das Estratégias de Entrada e Competitividade de uma Organização Priva...Análise das Estratégias de Entrada e Competitividade de uma Organização Priva...
Análise das Estratégias de Entrada e Competitividade de uma Organização Priva...
Mario Nascimento
 
Estratégia Emergente em Organizações
Estratégia Emergente em OrganizaçõesEstratégia Emergente em Organizações
Estratégia Emergente em Organizações
Mario Nascimento
 
Estratégias de marketing digital, análises on-line e desempenho de hotéis
Estratégias de marketing digital, análises on-line e desempenho de hotéisEstratégias de marketing digital, análises on-line e desempenho de hotéis
Estratégias de marketing digital, análises on-line e desempenho de hotéis
Mario Nascimento
 
Análise das preferências de usuários das 7ª e 8ª gerações de videogames.
Análise das preferências de usuários das 7ª e 8ª gerações de videogames.Análise das preferências de usuários das 7ª e 8ª gerações de videogames.
Análise das preferências de usuários das 7ª e 8ª gerações de videogames.
Mario Nascimento
 
COVID E O IMPACTO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS
COVID E O IMPACTO NA CADEIA DE SUPRIMENTOSCOVID E O IMPACTO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS
COVID E O IMPACTO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS
Mario Nascimento
 
Aula sobre Planejamento de Marketing
Aula sobre Planejamento de MarketingAula sobre Planejamento de Marketing
Aula sobre Planejamento de Marketing
Mario Nascimento
 

Mais de Mario Nascimento (10)

EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...
EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...
EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...
 
EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...
EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...
EFEITOS DA INOVAÇÃO NO DESEMPENHO DE FIRMAS BRASILEIRAS: RENTABILIDADE, LUCRO...
 
Gestão do conhecimento, Fatores críticos e modelo seci
Gestão do conhecimento, Fatores críticos e modelo seciGestão do conhecimento, Fatores críticos e modelo seci
Gestão do conhecimento, Fatores críticos e modelo seci
 
Sensemaking. Princípios e Funcionamentos nas Organizações e Lideranças
 Sensemaking. Princípios e Funcionamentos nas Organizações e Lideranças Sensemaking. Princípios e Funcionamentos nas Organizações e Lideranças
Sensemaking. Princípios e Funcionamentos nas Organizações e Lideranças
 
Análise das Estratégias de Entrada e Competitividade de uma Organização Priva...
Análise das Estratégias de Entrada e Competitividade de uma Organização Priva...Análise das Estratégias de Entrada e Competitividade de uma Organização Priva...
Análise das Estratégias de Entrada e Competitividade de uma Organização Priva...
 
Estratégia Emergente em Organizações
Estratégia Emergente em OrganizaçõesEstratégia Emergente em Organizações
Estratégia Emergente em Organizações
 
Estratégias de marketing digital, análises on-line e desempenho de hotéis
Estratégias de marketing digital, análises on-line e desempenho de hotéisEstratégias de marketing digital, análises on-line e desempenho de hotéis
Estratégias de marketing digital, análises on-line e desempenho de hotéis
 
Análise das preferências de usuários das 7ª e 8ª gerações de videogames.
Análise das preferências de usuários das 7ª e 8ª gerações de videogames.Análise das preferências de usuários das 7ª e 8ª gerações de videogames.
Análise das preferências de usuários das 7ª e 8ª gerações de videogames.
 
COVID E O IMPACTO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS
COVID E O IMPACTO NA CADEIA DE SUPRIMENTOSCOVID E O IMPACTO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS
COVID E O IMPACTO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS
 
Aula sobre Planejamento de Marketing
Aula sobre Planejamento de MarketingAula sobre Planejamento de Marketing
Aula sobre Planejamento de Marketing
 

Último

RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdfInformativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
edsonfrancojunior99
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Carlos Eduardo Coan Junior
 
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
Paulo Dalla Nora Macedo
 

Último (6)

RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdfInformativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
 
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
 

As Orientações Estratégicas da Inovação em Produtos Populares

  • 1. MÁRIO NASCIMENTO – MARIOAMARAL@GMAIL.COM WWW.REACTIONCONSULTORIA.COM.BR RESUMO ARTIGO: As Orientações Estratégicas da Inovação em Produtos Populares
  • 2. Artigo As Orientações Estratégicas da Inovação em Produtos Populares (RAC, 2008) OBJETIVO I. Conceituar produtos populares II. Dimensionar e caracterizar os seus mercados no Brasil III. Identificar as orientações estratégicas da inovação nestes mercados. AUTORES Paulo Tromboni de Souza Nascimento Abraham Sin Oih Yu Maria Cecília Sobral marioamaral@gmail.com
  • 3. INTRODUÇÃO Contextualização Histórica - As multinacionais instalavam-se primeiro para vender produtos importados, depois instalavam fábricas. Por fim, as filiais mais ousadas criaram capacitação tecnológica local para adaptar produtos (Ronstadt, 1984) “Consumidor Pobre” - É preciso haver produtos concebidos para o consumidor pobre (Prahalad e Lieberthal,1998) Inovação - A inovação industrial decorre do encontro entre possibilidades técnicas e oportunidades de mercado. (Freeman, 1974) Gestão da Inovação - Um aspecto central da gestão da inovação: a dificuldade de coordenar a divisão intelectual do trabalho (Krishnan & Ulrich, 2001). Extratos Teóricos em Destaque marioamaral@gmail.com
  • 4. METODOLOGIA ANÁLISE CONCEITUAL DE DADOS SECUNDÁRIOS + ESTUDO DE CASO A temática exigiu um trabalho de conceituação. Ex: O que se entende por produto e mercado populares?  Para dimensionar e caracterizar o mercado popular no Brasil recorreu-se à Pesquisa Nacional de Domicílios [PNAD] do IBGE (2001) e aos dados do O Brasil em números (2002).  Para identificar os segmentos de produtos populares utilizou a Pesquisa de Orçamento Familiar; (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da USP (1999)  Para uma primeira aproximação do tema das estratégias empresariais de inovação voltadas ao mercado popular, optou-se por coletar artigos na imprensa geral que tratassem de empresas fabricantes de produtos populares.  Esgotada a etapa anterior, procedeu-se a estudos de caso.  Os casos foram escolhidos a partir da entrevista com um diretor de compras de uma rede de supermercados. marioamaral@gmail.com
  • 5. PRODUTO POPULAR I. PRODUTO POPULAR Relacionado prioritariamente a atender aos consumidores das classes de menor renda; Preço baixo e qualidade são requisitos fundamentais para este mercado; Não precisa ser necessariamente o mais barato de sua categoria, deve oferecer condições (crédito, pontos de venda, atendimento às necessidades do consumidor) que facilitem e viabilizem a sua aquisição. Podem-se identificar situações em que consumidores mais abastados venham a se interessar em adquirir esse produto. Sobral, Assis e Farias (2005). Carnês, Consignado.. Tradeoff marioamaral@gmail.com
  • 6. II. MERCADO BRASILEIRO DE PRODUTOS POPULARES Classe C e D: ganham de 2 a 10 salários mínimos e são 85 milhões de pessoas Potencial de consumo de ~US$ 124 bilhões • Não se abordou a classe E, do ponto de vista da inovação, as classes C e D oferecem maior variedade • 60% dos gastos são itens básicos (alimentação, gás, energia…). Todo o seu dinheiro vai para o consumo. Praticamente não há poupança. • Ou seja, produtos populares têm de ser baratos. *124 bilhões inclui a Emarioamaral@gmail.com
  • 7. III. ESTRATÉGIAS PARA MERCADOS DE PRODUTO POPULAR NA MÍDIA Com base nos artigos de mídia impressa, foram definidos 9 fatores chaves de sucesso: 1 - os setores de atuação; massas, biscoitos, bebidas, supermercados; carro popular e motocicleta 125 cc, higiene e limpeza (sabão, fralda, xampu etc.). 2 - o preço baixo; preços significativamente menores e condições de compra (pequenas prestações, sem garantias) 3 - a concepção do produto; modificação dos próprios produtos. Ex: Gol, oferecendo preços baixos, utilizando só um modelo de aeronave e eliminando serviços a bordo; 4 - a promoção; não abrem mão da qualidade. Um erro cometido pelo Barateiro foi de introduzir 1000 artigos com marca própria, com preços baixos mais qualidade sofrível. 5 - a praça; Os pontos de distribuição preferidos são as pequenas lojas de varejo, fogem dos grandes pelo poder de barganha fora dos grandes centros urbanos marioamaral@gmail.com
  • 8. III. ESTRATÉGIAS PARA MERCADOS DE PRODUTO POPULAR NA MÍDIA 6 - a distribuição física; deve ser de baixo custo e ter agilidade na entrega. 7 - o processo produtivo; tendo em vista a enorme importância do preço, é preciso tirar o máximo proveito das escalas e eficiências de produção para reduzir custos unitários. 8 - a agilidade no desenvolvimento de produtos; a capacidade de captar as alterações de preferências populares e conseguir desenvolver e lançar rapidamente produtos que atendam à demanda é essencial para o seu crescimento. 9 - a tecnologia; não são setores de tecnologia de ponta nem de inovações radicais. Utilizam, tecnologias disponíveis para atender a necessidades específicas, buscando maximizar as possibilidades de redução desse custo. Tradeoff com Segurança e Qualidade Menor, menos burocracia e hierarquia marioamaral@gmail.com
  • 9. ESTUDO DE CASO Entrevistaram os gestores para saber a estratégia de inovação de pequenas empresas tradicionais fundadas nos anos 50 e 60.  O primeiro elemento confirmado foi a extrema preocupação com custos  Convenção, a empresa verticalizou a produção de garrafas PET e reduziu o seu peso, economizando matéria-prima e terceirizou a produção na baixa temporada  Alaska produz sorvetes com sua tecnologia para serem comercializados sob a marca de terceiros, reduz custo aumentando a escala de produção  A Scala embala as pontas de macarrão que sobram no processo. Gera assim um produto de baixo valor que seria descartado  Scala e Convenção, fogem dos grandes varejistas para evitar o poder de barganha deles  As empresas não são dedicadas exclusivamente ao segmento popular. Asseguram escala de produção, mas mantêm produtos para outros segmentos.
  • 10. CASOS Na estratégia geral de inovação, constata-se que todas são empresas seguidoras dos líderes setoriais. A Convenção e a Scala imitam produtos importados. Já a Mastra, dada a definição pelo mercado de reposição, persegue as montadoras de automóveis e seus fornecedores. A atuação da Alaska é um pouco mais original, mas incorpora um elemento de atendimento da demanda expressa pelos seus clientes, que pedem produtos com características próprias. O processo de inovação apesar de “existir”, não são formalizados. As empresas pequenas são informais e isso favorece a integração e inovação mas maneira desestrurada. marioamaral@gmail.com
  • 11. CONCLUSÃO - Custo o Elemento Central As limitações de renda dos compradores de produtos populares gera uma resposta das empresas de garantir o preço mais baixo possível com uma qualidade aceitável Isso põe desafios próprios para a gestão da inovação. Por outro lado, existe grande oportunidade nesse mercado dado o volume de pessoas e financeiro envolvido e a concorrência baixa e local. Cabe as empresas adotarem estratégias de inovação consistentes para aproveitarem essa situação. CUSTO! marioamaral@gmail.com
  • 12. MÁRIO NASCIMENTO – MARIOAMARAL@GMAIL.COM WWW.REACTIONCONSULTORIA.COM.BR OBRIGADO!