SlideShare uma empresa Scribd logo
EMOÇÃO Profa. Claudia Helena
EMOÇÃO O que é emoção? Emoção significa tornar exterior o movimento.  Quando um indivíduo se emociona, expressa para o exterior, determinados indícios na linguagem do corpo, expressões faciais e de alterações vaso-motoras
EMOÇÃO Como sabemos que estamos emocionados?  Invariavelmente pelas sensações e movimentos que nosso corpo produz: dor de barriga, um “frio no estômago”, chorar, rir sem parar, taquicardia, tremer, desmaiar, perder a voz, ficar “branco que nem cera” ou “vermelho de raiva...”.
EMOÇÃO As emoções são parte central do funcionamento bio-psicológico do homem e são necessárias, assim como a razão, nas tomadas de decisão, nos processos cognitivos (na percepção da realidade) e nos processos comunicativos, de forma a definir e ajustar as respostas do indivíduo ao ambiente em que se insere.
EMOÇÃO Por que a Psicologia se preocupa com as emoções?  Estudar o comportamento humano é o  objetivo  maior da Psicologia e entender porque nos emocionamos e de que maneira a emoção influencia nosso comportamento, faz parte desse objetivo.
EMOÇÃO Desde a Grécia Antiga e até meados do século XIX, filósofos e psicólogos acreditavam que as emoções eram instintos básicos que deveriam ser controlados sob pena do homem ter sua capacidade de pensar seriamente afetada. Já no século XX, os cientistas despertaram para o fato de que se emocionar, mas compreender e estar consciente de suas emoções era uma qualidade que permitia ao ser humano desenvolver a capacidade de  melhor   se relacionar no e com o mundo
EMOÇÃO Atualmente com o auxílio dos desenvolvimentos tecnológicos, existem pesquisadores que estão descobrindo que a emoção influi diretamente no nosso sistema imunológico, na nossa saúde. O mal do século XXI, o stress é de origem fundamentalmente emocional – é o resultado da incapacidade de lidar com as emoções
EMOÇÃO  E  SENTIMENTO Existe diferença entre emoção e sentimento? Podemos dizer que a emoção é orientada para o exterior, e possui os seguintes indicadores emocionais: 1 – Fatores ambientais, por exemplo, um exame a fazer gera medo, um funeral provoca dor, o matrimônio infunde alegria. 2 – Expressões faciais, que são inatas e estão presentes em todas as culturas
EMOÇÃO  E  SENTIMENTO 3 – Resposta verbal, pois, com efeito, a emoção influi sobre o tom de voz, a velocidade do discurso, as palavras que são ditas. 4 – A postura que, se for correta, indica felicidade; se rígida, denota raiva ou medo; se afrouxada, tristeza 5 – Respostas fisiológicas, pois a emoção ativa o Sistema Nervoso Autônomo, e as glândulas supra-renais segregam a adrenalina que pode provocar: Aumento do ritmo respiratório; Aumento do ritmo cardíaco; Aumento da tensão muscular; Aumento do açúcar no sangue; Aumento da sudorese; Diminuição da saliva Dilatação da pupila; Aumento da pressão sanguínea.
EMOÇÃO  E  SENTIMENTO O sentimento é orientado para o interior, sendo que os sentimentos são gerados por emoções e sentir emoções significa ter sentimentos. O sentimento é: mais duradouro que a emoção. mais estável Compreende mais emoções, por exemplo, amor é alegria, ânsia, excitação, raiva, medo, tristeza etc.
EMOÇÃO  Relativamente ao seu significado neurobiológico, as emoções são reações químicas e neuronais complexas que “formam um padrão” (Damásio, 2000).  Elas existem como elementos que ajudam a regular o organismo, com o objetivo da manutenção da sua sobrevivência, mais concretamente da sobrevivência do corpo, e encontram-se entre os “dispositivos bio-reguladores” que o corpo possui, tal como os sentimentos.
EMOÇÃO  as emoções cumprem duas funções ao nível da biologia humana:  1 – a primeira está relacionada com as reações básicas do indivíduo, perante determinada situação, as quais poderão ser de fuga, luta, imobilização ou comportamento agradável e de aceitação;  2 - a segunda está mais diretamente envolvida com a “regulação do estado interno do organismo”, por exemplo no caso de ser necessário uma fuga, será preciso um maior afluxo de sangue à área dos membros inferiores para uma melhor oxigenação dessa área.
TEORIAS DAS EMOÇÕES  Primeiramente vamos distinguir as emoções em: Primárias:  As primárias ou universais são consideradas as emoções mais antigas inscritas nas estruturas neurobiológicas do homem, são responsáveis pela sua sobrevivência enquanto indivíduo biológico. Alegria Tristeza Medo Colera Nojo Surpresa   Raiva Aversão
TEORIAS DAS EMOÇÕES  Secundárias:  são emoções relacionadas com a vida do homem enquanto ser social, são aprendidas em sociedade e relativamente mais recentes, quando comparadas com as primárias. vergonha ciúme culpa e orgulho
TEORIAS  CLASSICAS DAS EMOÇÕES  Teoria das emoções articuladas ou Teoria Periférica  (James-Lange) De Willian James (USA) e Carl Lange(Dinamarca) preconiza que a emoção surge através do fato do sujeito tomar consciência das suas reações periféricas, suscitadas pelo estímulo que o desestabiliza. Ou seja, mediante a interpretação do cérebro, “que analisa” os efeitos fisiológicos desencadeados pelo estímulo percebido, emerge a emoção.
TEORIAS  CLASSICAS DAS EMOÇÕES  Teoria das emoções articuladas ou Teoria Periférica  (James-Lange) Ou seja, um indivíduo, após perceber um estímulo que, de alguma forma o afeta, sofre alterações fisiológicas perturbadoras, como palpitações, falta de ar, angústia, etc. E é precisamente o reconhecimento desses sintomas (pelo cérebro) que gera a emoção.
TEORIAS  CLASSICAS DAS EMOÇÕES  Teoria de Cannon (Cannon-Bard) Oposta a teoria de James—Lange, esta teoria defende a não existência de um padrão específico de alterações fisiológicas para cada emoção, mas um único, que suscita no organismo uma resposta de reação. Segundo esta teoria,  a emoção é uma resposta de emergência onde apenas variam os sentimentos que a acompanham. As variações dependem do tipo de situação que desencadeia o estímulo. Nesta teoria assume-se que a emoção é sentida antes e posteriormente a ela se dá a reação cognitiva.
TEORIAS  CLASSICAS DAS EMOÇÕES
TEORIAS  CLASSICAS DAS EMOÇÕES  Teoria Cognitivista (década de 60) surgiu a partir das pesquisas sobre a inteligência e conhecimento (cognição) e postula que a emoção dependerá da percepção que o homem tem sobre determinada situação, isto é, dependerá de como entendemos, compreendemos determinada situação.
TEORIAS  CLASSICAS DAS EMOÇÕES  Um dos teóricos mais estudados atualmente, é o psicólogo e médico francês  Henri Wallon ,(1879-1962),  ele iniciou suas pesquisas com crianças lesadas neurologicamente e elaborou uma teoria da emoção. Para ele, a emoção tem dupla origem – é tanto biológica quanto social e o que ela garante é a sobrevivência da espécie humana.
TEORIAS  CLASSICAS DAS EMOÇÕES  Ou seja, a emoção tem uma característica bastante peculiar – ela é contagiante! Que adulto consegue ficar imune ao choro de um bebê? Este caráter contagiante da emoção leva o ser humano a cuidar de sua prole e assim a garantir a sobrevivência da espécie. É ainda na convivência com o Outro e com o Grupo Social que aprendemos a identificar, nomear e lidar com nossas emoções.
DETECÇÃO DAS EMOÇÕES As emoções podem revelar-se através de:  expressão facial; entoação vocal; gestos e movimentos; postura corporal;  dilatação da pupila do olho;  freqüência respiratória;  batimento cardíaco;  sudação cutânea; actividade muscular e pressão sanguínea.
DETECÇÃO DAS EMOÇÕES O estudo dos “fenômenos comportamentais e da psicologia social relacionados e revelados por eventos e princípios fisiológicos de um indivíduo, pertence ao âmbito da investigação em Psicofisiologia Aplicada”.
DETECÇÃO DAS EMOÇÕES Uma das áreas da Psicofisiologia é o estudo de estados emocionais. Ao nível das respostas fisiológicas, a Psicofisiologia mede as respostas fisiológicas, socorrendo-se dos índices fisiológicos que no caso do estudo de estados emocionais são indicadores de sua variação fisiológica.  Há pois uma alteração ao nível do organismo, simultânea à reação comportamental, a qual justifica a relevância da detecção e análise dessas alterações conhecida como homeostase
DETECÇÃO DAS EMOÇÕES Homeostase A homeostase é o equilíbrio, total e dinâmico, do Sistema Nervoso Autonômico. O SNA estrutura-se num ciclo com dois sentidos: um deles determinado pela sua aceleração e que se denomina por Sistema Nervoso Simpático;  o outro determinado pela sua desaceleração e é apelidado de Sistema Nervoso Parassimpático.
DETECÇÃO DAS EMOÇÕES O Sistema Simpático é responsável pelas reações “ativas”, respostas de fuga ou luta  O Sistema Parassimpático é o responsável pelas reações “mais passivas”, como respostas de imobilização do organismo ou aceitação.
A EMOÇÃO E A COMUNICAÇÃO As respostas emocionais à propaganda e publicidade têm sido estudadas, pois a resposta emocional ao anúncio pode tanto potencializar a comunicação ou interferir de forma negativa com a comunicação desejada.
A EMOÇÃO E A COMUNICAÇÃO O que se deve estudar é qual dos efeitos emocionais, e portanto motivacionais, é gerado pelo anúncio. O conteúdo da comunicação é avaliado pelo receptor da mensagem, e esta evoca emoções positivas ou negativas e, no mínimo, sensações de expectativa e curiosidade.
A EMOÇÃO E A COMUNICAÇÃO As emoções podem ser consideradas um dos aspectos centrais da comunicação, pois: 1 - Podem trazer benefícios vinculados aos produtos ou marcas e se tornam uma das razões para uso e consumo dos mesmos
A EMOÇÃO E A COMUNICAÇÃO 2 – As emoções podem ajudar a comunicar e informar, gerando maior atenção, percepção e memorização 3 – As emoções podem influenciar atitudes, pois, como já visto por meio de um condicionamento clássico, produto ou marca apresentados de forma conectada com elementos emocionais passam, a partir de determinado momento, a suscitar a emoção em si.
BIBLIOGRAFIA GADE, Christiane. Psicologia do Consumidor e da Propaganda. São Paulo: EPU, 1998. STROCCHI, Maria Cristina. Psicologia da comunicação: manual para estudo da linguagem publicitária e das técnicas de venda.São Paulo: Paulus, 2007. Actas de Diseño. Facultad de Diseño y Comunicación. Universidade de Palermo. Buenos Aires. Argentina

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
Silvia Revez
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
Nilson Dias Castelano
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Micaella Gomes
 
Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?Como Manejar a Ansiedade?
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentos
Clécio Doroteu
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ Psicologia
Cassia Dias
 
Atenção e desempenho
Atenção e desempenhoAtenção e desempenho
Atenção e desempenho
Caio Maximino
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
Leticia Costa
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Matrizes abordagens da psicologia moderna
Matrizes abordagens da psicologia modernaMatrizes abordagens da psicologia moderna
Matrizes abordagens da psicologia moderna
Jonia Lacerda
 
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert BanduraTeoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Eduardo Manfré
 
Comunicação Não Violenta
Comunicação Não ViolentaComunicação Não Violenta
Comunicação Não Violenta
jorge luiz dos santos de souza
 
Sensação e Percepção
Sensação e PercepçãoSensação e Percepção
Sensação e Percepção
Nilson Dias Castelano
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
Amanda da Silveira
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
Ana Larissa Perissini
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
As emoções
As emoçõesAs emoções
As emoções
Luis De Sousa Rodrigues
 
Freud e os mecanismos de defesa
Freud e os mecanismos de defesaFreud e os mecanismos de defesa
Freud e os mecanismos de defesa
Fábio Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?
 
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentos
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ Psicologia
 
Atenção e desempenho
Atenção e desempenhoAtenção e desempenho
Atenção e desempenho
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Gestalt-Terapia
 
Matrizes abordagens da psicologia moderna
Matrizes abordagens da psicologia modernaMatrizes abordagens da psicologia moderna
Matrizes abordagens da psicologia moderna
 
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert BanduraTeoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
 
Comunicação Não Violenta
Comunicação Não ViolentaComunicação Não Violenta
Comunicação Não Violenta
 
Sensação e Percepção
Sensação e PercepçãoSensação e Percepção
Sensação e Percepção
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
As emoções
As emoçõesAs emoções
As emoções
 
Freud e os mecanismos de defesa
Freud e os mecanismos de defesaFreud e os mecanismos de defesa
Freud e os mecanismos de defesa
 

Semelhante a Emoção

NO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕESNO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
PAULO RICARDO FERREIRA
 
CETADEB Lição 2 - A Psicologia e as nossas emoções. Livro Psicologia Pastoral
CETADEB Lição 2 - A Psicologia e as nossas emoções. Livro Psicologia PastoralCETADEB Lição 2 - A Psicologia e as nossas emoções. Livro Psicologia Pastoral
CETADEB Lição 2 - A Psicologia e as nossas emoções. Livro Psicologia Pastoral
Ednilson do Valle
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
Graça Martins
 
EMOÇOES
EMOÇOES EMOÇOES
EMOÇOES
Arlan Amanajás
 
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB )
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB  ) PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB  )
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB )
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Psicologia Processos Básicos EMOCAO.pptx
Psicologia Processos Básicos EMOCAO.pptxPsicologia Processos Básicos EMOCAO.pptx
Psicologia Processos Básicos EMOCAO.pptx
BeatrizVieira226546
 
_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf
CarlaFreire34
 
Aula de cerebro
Aula de cerebroAula de cerebro
Aula de cerebro
lourivalcaburite
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdf
vilcielepazebem
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
guested634f
 
3 vida afetiva
3 vida afetiva3 vida afetiva
3 vida afetiva
Lucas Almeida Sá
 
EMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdfEMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdf
BeatrizSousa577457
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
Jorge Barbosa
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
Jorge Barbosa
 
Enoções
EnoçõesEnoções
Enoções
Rolando Almeida
 
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
fcodacruz1919
 
Emoção (1).pptx
Emoção (1).pptxEmoção (1).pptx
Emoção (1).pptx
JooVictorMarquesGued
 
Aula de sistema limbico reduzida foa
Aula de sistema limbico reduzida   foaAula de sistema limbico reduzida   foa
Aula de sistema limbico reduzida foa
Silvyo Giffoni
 
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
Ricardo Akerman
 
Inteligência emocional pronto
Inteligência emocional prontoInteligência emocional pronto
Inteligência emocional pronto
amandafonseca74
 

Semelhante a Emoção (20)

NO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕESNO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
 
CETADEB Lição 2 - A Psicologia e as nossas emoções. Livro Psicologia Pastoral
CETADEB Lição 2 - A Psicologia e as nossas emoções. Livro Psicologia PastoralCETADEB Lição 2 - A Psicologia e as nossas emoções. Livro Psicologia Pastoral
CETADEB Lição 2 - A Psicologia e as nossas emoções. Livro Psicologia Pastoral
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
 
EMOÇOES
EMOÇOES EMOÇOES
EMOÇOES
 
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB )
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB  ) PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB  )
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 02 MEDIO CETADEB )
 
Psicologia Processos Básicos EMOCAO.pptx
Psicologia Processos Básicos EMOCAO.pptxPsicologia Processos Básicos EMOCAO.pptx
Psicologia Processos Básicos EMOCAO.pptx
 
_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf
 
Aula de cerebro
Aula de cerebroAula de cerebro
Aula de cerebro
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSEMOÇÕES.pdf
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
 
3 vida afetiva
3 vida afetiva3 vida afetiva
3 vida afetiva
 
EMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdfEMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdf
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Enoções
EnoçõesEnoções
Enoções
 
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
24-201-2017-desenvolvimentoemocionaleaprendizagem-reginamigliori.ppt
 
Emoção (1).pptx
Emoção (1).pptxEmoção (1).pptx
Emoção (1).pptx
 
Aula de sistema limbico reduzida foa
Aula de sistema limbico reduzida   foaAula de sistema limbico reduzida   foa
Aula de sistema limbico reduzida foa
 
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
 
Inteligência emocional pronto
Inteligência emocional prontoInteligência emocional pronto
Inteligência emocional pronto
 

Emoção

  • 2. EMOÇÃO O que é emoção? Emoção significa tornar exterior o movimento. Quando um indivíduo se emociona, expressa para o exterior, determinados indícios na linguagem do corpo, expressões faciais e de alterações vaso-motoras
  • 3. EMOÇÃO Como sabemos que estamos emocionados? Invariavelmente pelas sensações e movimentos que nosso corpo produz: dor de barriga, um “frio no estômago”, chorar, rir sem parar, taquicardia, tremer, desmaiar, perder a voz, ficar “branco que nem cera” ou “vermelho de raiva...”.
  • 4. EMOÇÃO As emoções são parte central do funcionamento bio-psicológico do homem e são necessárias, assim como a razão, nas tomadas de decisão, nos processos cognitivos (na percepção da realidade) e nos processos comunicativos, de forma a definir e ajustar as respostas do indivíduo ao ambiente em que se insere.
  • 5. EMOÇÃO Por que a Psicologia se preocupa com as emoções? Estudar o comportamento humano é o objetivo maior da Psicologia e entender porque nos emocionamos e de que maneira a emoção influencia nosso comportamento, faz parte desse objetivo.
  • 6. EMOÇÃO Desde a Grécia Antiga e até meados do século XIX, filósofos e psicólogos acreditavam que as emoções eram instintos básicos que deveriam ser controlados sob pena do homem ter sua capacidade de pensar seriamente afetada. Já no século XX, os cientistas despertaram para o fato de que se emocionar, mas compreender e estar consciente de suas emoções era uma qualidade que permitia ao ser humano desenvolver a capacidade de melhor se relacionar no e com o mundo
  • 7. EMOÇÃO Atualmente com o auxílio dos desenvolvimentos tecnológicos, existem pesquisadores que estão descobrindo que a emoção influi diretamente no nosso sistema imunológico, na nossa saúde. O mal do século XXI, o stress é de origem fundamentalmente emocional – é o resultado da incapacidade de lidar com as emoções
  • 8. EMOÇÃO E SENTIMENTO Existe diferença entre emoção e sentimento? Podemos dizer que a emoção é orientada para o exterior, e possui os seguintes indicadores emocionais: 1 – Fatores ambientais, por exemplo, um exame a fazer gera medo, um funeral provoca dor, o matrimônio infunde alegria. 2 – Expressões faciais, que são inatas e estão presentes em todas as culturas
  • 9. EMOÇÃO E SENTIMENTO 3 – Resposta verbal, pois, com efeito, a emoção influi sobre o tom de voz, a velocidade do discurso, as palavras que são ditas. 4 – A postura que, se for correta, indica felicidade; se rígida, denota raiva ou medo; se afrouxada, tristeza 5 – Respostas fisiológicas, pois a emoção ativa o Sistema Nervoso Autônomo, e as glândulas supra-renais segregam a adrenalina que pode provocar: Aumento do ritmo respiratório; Aumento do ritmo cardíaco; Aumento da tensão muscular; Aumento do açúcar no sangue; Aumento da sudorese; Diminuição da saliva Dilatação da pupila; Aumento da pressão sanguínea.
  • 10. EMOÇÃO E SENTIMENTO O sentimento é orientado para o interior, sendo que os sentimentos são gerados por emoções e sentir emoções significa ter sentimentos. O sentimento é: mais duradouro que a emoção. mais estável Compreende mais emoções, por exemplo, amor é alegria, ânsia, excitação, raiva, medo, tristeza etc.
  • 11. EMOÇÃO Relativamente ao seu significado neurobiológico, as emoções são reações químicas e neuronais complexas que “formam um padrão” (Damásio, 2000). Elas existem como elementos que ajudam a regular o organismo, com o objetivo da manutenção da sua sobrevivência, mais concretamente da sobrevivência do corpo, e encontram-se entre os “dispositivos bio-reguladores” que o corpo possui, tal como os sentimentos.
  • 12. EMOÇÃO as emoções cumprem duas funções ao nível da biologia humana: 1 – a primeira está relacionada com as reações básicas do indivíduo, perante determinada situação, as quais poderão ser de fuga, luta, imobilização ou comportamento agradável e de aceitação; 2 - a segunda está mais diretamente envolvida com a “regulação do estado interno do organismo”, por exemplo no caso de ser necessário uma fuga, será preciso um maior afluxo de sangue à área dos membros inferiores para uma melhor oxigenação dessa área.
  • 13. TEORIAS DAS EMOÇÕES Primeiramente vamos distinguir as emoções em: Primárias: As primárias ou universais são consideradas as emoções mais antigas inscritas nas estruturas neurobiológicas do homem, são responsáveis pela sua sobrevivência enquanto indivíduo biológico. Alegria Tristeza Medo Colera Nojo Surpresa Raiva Aversão
  • 14. TEORIAS DAS EMOÇÕES Secundárias: são emoções relacionadas com a vida do homem enquanto ser social, são aprendidas em sociedade e relativamente mais recentes, quando comparadas com as primárias. vergonha ciúme culpa e orgulho
  • 15. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES Teoria das emoções articuladas ou Teoria Periférica (James-Lange) De Willian James (USA) e Carl Lange(Dinamarca) preconiza que a emoção surge através do fato do sujeito tomar consciência das suas reações periféricas, suscitadas pelo estímulo que o desestabiliza. Ou seja, mediante a interpretação do cérebro, “que analisa” os efeitos fisiológicos desencadeados pelo estímulo percebido, emerge a emoção.
  • 16. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES Teoria das emoções articuladas ou Teoria Periférica (James-Lange) Ou seja, um indivíduo, após perceber um estímulo que, de alguma forma o afeta, sofre alterações fisiológicas perturbadoras, como palpitações, falta de ar, angústia, etc. E é precisamente o reconhecimento desses sintomas (pelo cérebro) que gera a emoção.
  • 17. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES Teoria de Cannon (Cannon-Bard) Oposta a teoria de James—Lange, esta teoria defende a não existência de um padrão específico de alterações fisiológicas para cada emoção, mas um único, que suscita no organismo uma resposta de reação. Segundo esta teoria, a emoção é uma resposta de emergência onde apenas variam os sentimentos que a acompanham. As variações dependem do tipo de situação que desencadeia o estímulo. Nesta teoria assume-se que a emoção é sentida antes e posteriormente a ela se dá a reação cognitiva.
  • 18. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES
  • 19. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES Teoria Cognitivista (década de 60) surgiu a partir das pesquisas sobre a inteligência e conhecimento (cognição) e postula que a emoção dependerá da percepção que o homem tem sobre determinada situação, isto é, dependerá de como entendemos, compreendemos determinada situação.
  • 20. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES Um dos teóricos mais estudados atualmente, é o psicólogo e médico francês Henri Wallon ,(1879-1962), ele iniciou suas pesquisas com crianças lesadas neurologicamente e elaborou uma teoria da emoção. Para ele, a emoção tem dupla origem – é tanto biológica quanto social e o que ela garante é a sobrevivência da espécie humana.
  • 21. TEORIAS CLASSICAS DAS EMOÇÕES Ou seja, a emoção tem uma característica bastante peculiar – ela é contagiante! Que adulto consegue ficar imune ao choro de um bebê? Este caráter contagiante da emoção leva o ser humano a cuidar de sua prole e assim a garantir a sobrevivência da espécie. É ainda na convivência com o Outro e com o Grupo Social que aprendemos a identificar, nomear e lidar com nossas emoções.
  • 22. DETECÇÃO DAS EMOÇÕES As emoções podem revelar-se através de: expressão facial; entoação vocal; gestos e movimentos; postura corporal; dilatação da pupila do olho; freqüência respiratória; batimento cardíaco; sudação cutânea; actividade muscular e pressão sanguínea.
  • 23. DETECÇÃO DAS EMOÇÕES O estudo dos “fenômenos comportamentais e da psicologia social relacionados e revelados por eventos e princípios fisiológicos de um indivíduo, pertence ao âmbito da investigação em Psicofisiologia Aplicada”.
  • 24. DETECÇÃO DAS EMOÇÕES Uma das áreas da Psicofisiologia é o estudo de estados emocionais. Ao nível das respostas fisiológicas, a Psicofisiologia mede as respostas fisiológicas, socorrendo-se dos índices fisiológicos que no caso do estudo de estados emocionais são indicadores de sua variação fisiológica. Há pois uma alteração ao nível do organismo, simultânea à reação comportamental, a qual justifica a relevância da detecção e análise dessas alterações conhecida como homeostase
  • 25. DETECÇÃO DAS EMOÇÕES Homeostase A homeostase é o equilíbrio, total e dinâmico, do Sistema Nervoso Autonômico. O SNA estrutura-se num ciclo com dois sentidos: um deles determinado pela sua aceleração e que se denomina por Sistema Nervoso Simpático; o outro determinado pela sua desaceleração e é apelidado de Sistema Nervoso Parassimpático.
  • 26. DETECÇÃO DAS EMOÇÕES O Sistema Simpático é responsável pelas reações “ativas”, respostas de fuga ou luta O Sistema Parassimpático é o responsável pelas reações “mais passivas”, como respostas de imobilização do organismo ou aceitação.
  • 27. A EMOÇÃO E A COMUNICAÇÃO As respostas emocionais à propaganda e publicidade têm sido estudadas, pois a resposta emocional ao anúncio pode tanto potencializar a comunicação ou interferir de forma negativa com a comunicação desejada.
  • 28. A EMOÇÃO E A COMUNICAÇÃO O que se deve estudar é qual dos efeitos emocionais, e portanto motivacionais, é gerado pelo anúncio. O conteúdo da comunicação é avaliado pelo receptor da mensagem, e esta evoca emoções positivas ou negativas e, no mínimo, sensações de expectativa e curiosidade.
  • 29. A EMOÇÃO E A COMUNICAÇÃO As emoções podem ser consideradas um dos aspectos centrais da comunicação, pois: 1 - Podem trazer benefícios vinculados aos produtos ou marcas e se tornam uma das razões para uso e consumo dos mesmos
  • 30. A EMOÇÃO E A COMUNICAÇÃO 2 – As emoções podem ajudar a comunicar e informar, gerando maior atenção, percepção e memorização 3 – As emoções podem influenciar atitudes, pois, como já visto por meio de um condicionamento clássico, produto ou marca apresentados de forma conectada com elementos emocionais passam, a partir de determinado momento, a suscitar a emoção em si.
  • 31. BIBLIOGRAFIA GADE, Christiane. Psicologia do Consumidor e da Propaganda. São Paulo: EPU, 1998. STROCCHI, Maria Cristina. Psicologia da comunicação: manual para estudo da linguagem publicitária e das técnicas de venda.São Paulo: Paulus, 2007. Actas de Diseño. Facultad de Diseño y Comunicación. Universidade de Palermo. Buenos Aires. Argentina