SlideShare uma empresa Scribd logo
Arte grega
ARTE GREGA
HISTÓRIA DA ARTE
Profª. Angela Soeiro
 O racionalismo;
 O amor pela beleza;
 O interesse pelo homem, essa pequena criatura que é
“a medida de todas as coisas”;
 A democracia.
 O Antropocentrismo
 A arte grega liga-se à inteligência.
 A arte grega volta-se para o gozo da vida presente.
Contemplando a natureza,
 Empolga pela vida e tenta, através da arte, exprimir
suas manifestações.
Cria uma arte de laboração intelectual
em que predominam:
•O ritmo,
•O equilíbrio,
•A harmonia ideal
•A perfeição
• Templos;
• Teatros;
• Ginásios;
• Ágoras (praças).
A base da arquitetura grega
são:
Os principais monumentos da arquitetura grega:
• Templos, dos quais o mais importante é o Partenon de Atenas. Na Acrópole,
também, se encontram as Cariátides que homenageavam as mulheres de Cária.;
• Teatros, que eram construídos em lugares abertos (encosta) e que compunham
de três partes: a skene ou cena, para os atores; a konistra ou orquestra, para o coro;
o koilon ou arquibancada, para os espectadores. Um exemplo típico é o Teatro de
Epidauro, construído, no séc. IV a.C., ao ar livre, composto por 55 degraus
divididos em duas ordens e calculados de acordo com uma inclinação perfeita.
Chegava a acomodar cerca de 14.000 espectadores e tornou-se famoso por sua
acústica perfeita.;
• Ginásios, edifícios destinados à cultura física.;
• Praça - Ágora onde os gregos se reuniam para discutir os mais variados assuntos,
entre eles; filosofia.
Paternon
TEMPLO
As edificações que despertaram maior interesse são os templos. A
característica mais evidente dos templos gregos é a simetria entre o pórtico
de entrada e o dos fundos. O templo era construído sobre uma base de três
degraus. O degrau mais elevado chamava-se estilóbata e sobre ele eram
erguidas as colunas. As colunas sustentavam um entablamento horizontal
formado por três partes: a arquitrave, o friso e a cornija. As colunas e
entablamento eram construídos segundo os modelos da ordem dórica,
jônica e coríntia.
FRONTÃO
COLUNAS
BASE
Arte grega
Arte grega
TEATRO GREGO
Arte grega
RUÍNAS DA ÁGORA DE
TIRO - LÍBANO
Arte grega
Arte grega
 Coríntio, que é pouco utilizado pelos arquitetos gregos, reconhecido
pelo excesso de detalhes geralmente, decorados com folhas.
Ordem Coríntia - o capitel era
formado com folhas de acanto e
quatro espirais simétricas, muito
usado no lugar do capitel jônico, de
um modo a variar e enriquecer
aquela ordem. Sugere luxo e
ostentação.
Ordem Dórica - era simples
e maciça. O fuste da coluna
era monolítico e grosso. O
capitel era uma almofada de
pedra. Nascida do sentir do
povo grego, nela se expressa
o pensamento. Sendo a
mais antiga das ordens
arquitetônicas gregas, a
ordem dórica, por sua
simplicidade e severidade,
empresta uma idéia de
solidez e imponência
Ordem Jônica -
representava a graça e o
feminino. A coluna
apresentava fuste mais
delgado e não se firmava
diretamente sobre o
estilóbata, mas sobre uma
base decorada.
O capitel era formado por
duas espirais unidas por
duas curvas. A ordem
dórica traduz a forma do
homem e a ordem jônica
traduz a forma da mulher.
Escultura da Grécia
Antiga é uma expressão
que usualmente se
refere às obra
escultóricas criadas na
Grecia entre o
périodo 650-600 a.C.,
quando a arte grega
começou a formar um
estilo próprio original, e
a época do seu último
florescimento
importante, na chamada
era Helnistica, que durou
até cerca de 100 a.C.,
quando o país já estava
sob domínio romano.
Rei Menkauré,
de As tríades.
Kouros, final do séc. VII
a.C. altura: 184 cm
Egípcia
Convincente
mente
realista.
Grega
Mais
“genérica”,
incorporando
a simetria, e
uso das
formas em
diferentes
escalas
(tamanhos).
 Formas rígidas frontalidade;
 Modelo achatado do corpo;
 Desenho simplificado da anatomia, que é antes uma
idealização do que uma observação da natureza;
 Rosto é esquemático em forma triangular, com testa
baixa, olhos e nariz grandes, e boca inexpressiva;
 Cabelo cai em grossas madeixas;
 Pernas são usualmente longas e a cintura é alta e
estreita.6
Figura feminina ( koré)-
c.650 a.C – Calcário – alt.
0,62 m, Louvre, Paris
No caso das estátuas femininas (koré)
plural korai), elas aparecem com longas
túnicas, mas nas masculinas (kouros),
plural kouroi) a nudez é a regra.
 Principais características do estilo
arcaico:
 Detalhamento progressivo da
musculatura, volume maciço.
 Sugestão de movimento. Pé
esquerdo para frente. Lembrando
as esculturas egípcias.
 Sorriso no rosto.
 Olhos grandes e rosto frontal.
 Também é perceptível uma túnica,
que mais parece outra pele.
(panejamento)
 Barba sinal de idade avançada.
 Esculturas ornamentais para
edifícios e frontões dos tempos.
Moscóforo. 570 a.C. (O homem com o vitelo).
Mármore. Museu daAcrópole, Atena
Os gregos dos
períodos arcaico e
clássico preferiam
esculpir as mulheres
vestidas.
O vestuário
efetivamente usado
pelas mulheres
gregas era bem solto
e livre, podendo ser
artisticamente
disposto de várias
maneiras, de acordo
com a predileção de
quem o usava.
Uso do bronze e a revolução do estilo.
Principais características:
Os braços ganham liberdade, o torso
se flexibiliza em formato de S
invertido, maior detalhe da
anatomia. A cabeça se harmoniza
com o corpo. O peso do corpo
repousa sob a perna esquerda e a
direita mantém o equilíbrio.
Substituição do sorriso por
expressão séria , distante e pensativa,
com lábios entreabertos e olhos
incrustados.
Representação da velhice. Nariz
grego – a linha retilínea do nariz com
a testa.
.
Kritios: Efebo (adolescente de 18-20 anos ou
macho). 480 a. C. Museu da Acrópole.Atenas,
Grécia
Valorização da anatomia.
Kritios: Efebo (adolescente de 18-20 anos ou macho). 480 a. C.
Museu daAcrópole. Atenas, Grécia.
Substituição do sorriso por
expressão séria , distante e
pensativo, com lábios entreabertos
e olhos incrustados.
Representação da velhice.
Nariz grego – a linha retilínea do
nariz com a testa.
Kritios: Efebo (adolescente de 18-20 anos
ou macho). 480 a. C. Museu da Acrópole.
Atenas, Grécia. (detalhe)
Panejamento em pregas suaves e
flexíveis que o estilo arcaico.
Auriga, do Santuário deApolo, em Delfos. 470. (bronze) a.C.
Museu de Delfos, Grécia.
Leocarés: Apolo Belvedere, c. 350-325
a.C. Museus Vaticanos
Do mármore para o Bronze
O Bronze de Artemísion, possivelmente Poseidon Ou Zeus. 460 a.C.
(bronze – alt. 2,09). MuseuArqueológico Nacional deAtenas. Grécia.
O movimento foi uma suprema
realização do estilo severo.
O arremesso da arma é um
atributo divino e não uma
ameaça ao adversário.
Afrodite Braschi, uma das várias
cópias conhecidas Afrodite de
Cnido, de Praxiteles, c. 345 a.C.,
que criou um cânone de beleza.
Gliptoteca de Munique
O Dórif oro de Policleto, um paradigma do
cânone clássico masculino. Cópia
no Museu Arqueológico Nacional
de Nápoles
Uma rápida evolução na técnica e no estilo leva ao classicismo grego (c. 450-323 a.C.), período
em que se realizam as mais importantes e seminais conquistas no terreno do naturalismo, ao
mesmo tempo em que perduram uma série de convenções estritas a respeito de proporções e
ordem, dando origem a uma síntese sem paralelos no mundo antigo e que até hoje permanece
uma referência vital para a arte e cultura de grande parte do mundo.
O deus é retratado
em plena e vigorosa ação.
Pose livre e aberta.
Caracterização dos homens
e deuses –
diferenciação de
idade e personalidade
ESCULTURA EM BRONZE: Para que o artista pudesse ter
mais facilidade na construção de novas poses o bronze era
uma técnica que facilitaria esse trabalho.
Características do estilo clássico:
Representação anatômica verossimilhança.
A figura abandona a frontalidade e pode ser
admirada por todos os ângulos.
Movimento congelado no tempo. Impressão
sedosa do corpo.
Panejamentos e mantos complementos
formais da composição.
Balanceamento e simetria das proporções
corporais.
Período Clássico: 450 a 323 a.C.
Policleto. Dorífero. Cópia de um original grego 450-
440 a.C. Mármore, alt. 1,98. Museu Nacional de
Nápoles. Itália.
Corporificação do ideal da beleza masculina.
Tem a cabeça como medida modelar para altura
do corpo.
Busca na arte a perfeição da alma e do bom
caráter, valor ético.
A estátua não era valor de um indivíduo, mas
um símbolo de valores coletivos, o papel
pedagógico.
Inovações dramáticas e naturais. Evocação
sensual da carne.
Sorriso imperceptível. Atitude descontraída.
Policleto. Dorífero. Cópia de um original grego 450-
440 a.C. Mármore, alt. 1,98. Museu Nacional de
Nápoles. Itália.
Policleto. Dorífero. Cópia de um original grego 450-
440 a.C. Mármore, alt. 1,98. Museu Nacional de
Nápoles. Itália.
Michelangelo. Davi. 1501-4, Mármore, alt.
4,089 . Museu da Academia, Florença.
Michelangelo. Davi. 1501-4, Mármore,
alt. 4,089 . Museu da Academia,
Florença.
O Davi de Michelangelo tem tudo a ver
com a escultura grega do Período Clássico.
O Renascimento tem como princípio o
ideal da arte grega. Resgatando um
conceito de 1900 anos.
Leocarés. Apolo, 450-323 a. c.
Apartamento Belvedere do Papa,
Vaticano.
Proporção áurea. Simetria matemática
da beleza.
Seção áurea, secção áurea, razão áurea, razão de
ouro, divina proporção, proporção em extrema
razão, divisão de extrema razão ou áurea
excelência.
Arte grega
Policleto: “O pai da teoria da Arte” – seu
tratado “cânone” exerceu profunda
influencia as futuras gerações de
escultores.
Míron. Discóbolo. (o lançador de disco) Mármore.
Cópia romana de um original em bronze. 450 a. C.
Museu delle Terme, Roma.
Assimetria na forma.
movimento curvilíneo – fechado.
ziguezague irregular – aberto.
Torso de frente, pernas de lado – traços
característicos são apresentados
simultaneamente
Período helenístico: 323 a 27 a.C.
Helenístico (do grego, hellenizein – "falar grego", "viver como os gregos").
compreendido entre a morte de Alexandre III , (O Grande) Macedonia em 323
Ca.C. e a anexação da península grega e ilhas por Roma em 147 a.C.
Caracterizou-se pela difusão da civilização grega numa vasta área que se
estendia do mar Mediterrâneo oriental à Ásia Central.
O helenismo foi a concretização de um ideal de Alexandre: levar e difundir a
cultura grega aos territórios que conquistava.
Multiplicidade de influências em virtude dos
intercâmbios internacionais.
Obras modeladas por todos os ângulos.
Transparência no vestuário, aspecto de molhado.
Aproveitamento do jogo de luz e movimento
dramático.
Valorização de posturas e expressões de sentimentos
como: sofrimento, sono, morte e velhice.
Introdução de animais, crianças e pessoas comuns.
Produção de bustos.
Gaulês Moribundo. Cópia romana de um original de bronze de 230-220 a.C. do
escultor Pérgamo. Mármore, Museu Capitólio. Roma. Itália.
Apolo com cítara e serpente. Século II a.
C. Museu Britânico, Londres.
Busto-retrato de Alexandre, O Grande.
Busto-retrato de Alexandre, O Grande.
A confecção de Bustos era uma
prática da arte egípcia.Acima busto
da faraó Nefertiti.
Escopas.O Ares Ludovisi. Cópia
Romana II a I a.C. Museu Nacional
de Roma.
Introdução de animais, crianças e
pessoas comuns.
Fachada do altar de Zeus, em Pérgamo, Museus do
Estado, Berlim.
Valorização de posturas e
expressões de sentimentos como:
sofrimento, sono, morte e velhice.
Velha bêbada. 190 a.C. Museus
Capitolinos. Roma.
Laocoonte e seus filhos. Século I d. C. Museu do
Vaticano, Roma, Itália.
Aproveitamento do
jogo de luz e
movimento
dramático.
A Vitória
de
Samotrácia
Afresco O Rapto de Pérsefone,
de autor anônimo, na Pequena
Tumba Real em Vergina, século
IV a.C.
A pintura da Grécia Antiga, embora no
seu tempo uma das mais populares e
prestigiadas formas de arte da Grécia
antiga, é menos conhecidas nos dias de
hoje, graças à inexistência quase total de
exemplos sobreviventes em mural ou
painel portátil, e a maior parte do que se
sabe deriva de fontes literárias e de cópias
romanas.
 Placa de madeira pintada, encontrada em Corinto. século VI a.C. Museu
Arqueológico Nacional de Atenas.
 A maior parte das reliquias pictóricas que sobrevivem da Grécia Antiga se encontra na
vasta produção de vasos para uso decorativo ou utilitário.
 Mas é importante lembrar que a partir do período clássico a pintura sobre cerâmica
passou a constituir uma esfera especial, com técnicas e estética diferenciadas,
basicamente de caráter gráfico e não propriamente pictórico, muito diversa da pintura
mural ou de painéis cênicos.
 Mesmo assim é uma arte que merece atenção pela riqueza de soluções plásticas,
pela sua beleza e grande efeito decorativo, e pela enorme quantidade de peças que
sobreviveram até os dias de hoje, possibilitando pelo menos sobre esta modalidade
de pintura formarmos um panorama bastante detalhado sobre suas origens, evolução
e influência sobre outras culturas.
CERÂMICA
 A história da pintura dos vasos
gregos pode ser dividida por seus
estilos em:
 Estilo Protogeométrico – de
aproximadamente 1 050 a.C.;
 Estilo Geométrico – de
aproximadamente 900 a.C.;
 Estilo Arcaico – de
aproximadamente 750 a.C.;
 Pinturas negras – do
aproximadamente entre (700–600
a.C.);
 Pinturas vermelhas – de
aproximadamente 530 a.C..
Anfora de Dipylon. 760-750. A. c. Alt. 1,55m. Museu
Arqueológico de Atenas. Grécia.
As ânforas (vasos) com boca larga,
simbolizavam as mulheres que
pegavam água.
As ânforas (Jarros) com gargalo
alongado, simbolizavam os homens
que derramam vinhos.
Por volta de 800 a. C. os
ceramistas gregos começaram a
decorar a cerâmica com figuras
humanas e animais, inseridas
entre o esquema geométrico da
parte periférica do vaso.
Dypilon: fragmento de vaso do período tardo
geométrico, c. (725–720 a.C.) Louvre
 Em períodos posteriores, com a
mudança estética os temas mudaram,
passando a ser figuras humanas.
 A batalha e cenas de caçada também
eram populares. Em períodos posteriores,
temas eróticos, tanto homossexual quanto
heterossexual, tornaram-se comum.
 As pinturas representavam o cotidiano
das pessoas e cenas mitológicas,
como deuses e semideuses. A pintura
grega de vasos basicamente conta
histórias. Muitos vasos trazem episódios
das aventuras contadas
por Homero na Ilíada e na Odisseia.
 Exéquias: Dionísio em seu barco, c. 530 a.C., figura negra, Coleções
Estatais de Antiguidades, Munique
Exéquias foi considerado o maior
pintor de pinturas negras.
Neste tipo de cerâmica, os
personagens da ânfora são pintados
de preto, permanecendo o fundo
com a cor natural da argila.
Essas são as chamadas figuras
negras. Após a pintura o contorno e
o interior do desenho eram riscados
com uma ferramenta pontiaguda, de
forma que a tinta preta fosse
retirada.
Observe a riqueza de
detalhes e de
acabamento.
Pintor Leagros Group. Aquiles
arrastando o corpo de Heitor
Round das muralhas de Tróia.
Hydria ática com figuras negras.
510 a. C. Hermitagemuseum.
Ele foi capaz de inverter o esquema de cores,
deixando as figuras na cor natural do barro
cozido, além de pintar o fundo de negro
também – isso fez com que desse início a
uma série de figuras vermelhas. A inversão
cromática foi o efeito conseguido com essa
inversão, sobretudo por dar maior
vivacidade às figuras.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Marcio Duarte
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdf
josepinho
 
Arte românica
Arte românicaArte românica
Arte românica
Carla Camuso
 
Módulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura GóticaMódulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura Gótica
Carla Freitas
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
Carla Freitas
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
Flávia Marques
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
cattonia
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
Atividades Diversas Cláudia
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
José Alemão
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
Ana Barreiros
 
Módulo 2 pintura romana
Módulo 2   pintura romanaMódulo 2   pintura romana
Módulo 2 pintura romana
Carla Freitas
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
Carla Freitas
 
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e AntiguidadeHistória da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
Marcio Duarte
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
Ana Barreiros
 
A arte barroca na europa
A arte barroca na europaA arte barroca na europa
A arte barroca na europa
CEF16
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
Ana Barreiros
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
Ana Barreiros
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
Sandro Bottene
 
Palácio da Pena
Palácio da PenaPalácio da Pena
Palácio da Pena
hcaslides
 
Comunicação visual
Comunicação visualComunicação visual
Comunicação visual
Paula Caldeira
 

Mais procurados (20)

Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdf
 
Arte românica
Arte românicaArte românica
Arte românica
 
Módulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura GóticaMódulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura Gótica
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
 
Módulo 2 pintura romana
Módulo 2   pintura romanaMódulo 2   pintura romana
Módulo 2 pintura romana
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
 
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e AntiguidadeHistória da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
A arte barroca na europa
A arte barroca na europaA arte barroca na europa
A arte barroca na europa
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Palácio da Pena
Palácio da PenaPalácio da Pena
Palácio da Pena
 
Comunicação visual
Comunicação visualComunicação visual
Comunicação visual
 

Destaque

Monavie 2013 - Apresentação de Negócio
Monavie 2013 - Apresentação de NegócioMonavie 2013 - Apresentação de Negócio
Monavie 2013 - Apresentação de Negócio
MonaVie 2013
 
Apresentação web services
Apresentação web servicesApresentação web services
Apresentação web services
Vitor Fonseca
 
ApresentaçãO N°6 (09 07 10)
ApresentaçãO N°6  (09 07 10)ApresentaçãO N°6  (09 07 10)
ApresentaçãO N°6 (09 07 10)
tiagolupesilva @hotmail.com
 
Cantos gregorianos
Cantos gregorianosCantos gregorianos
Cantos gregorianos
Roman Zamarripa
 
The Effectiveness of an Intervention Designed to Increase the Pos
The Effectiveness of an Intervention Designed to Increase the PosThe Effectiveness of an Intervention Designed to Increase the Pos
The Effectiveness of an Intervention Designed to Increase the Pos
Rikki Wheatley
 
New LIfe Academy Annual Report 15-16
New LIfe Academy Annual Report 15-16New LIfe Academy Annual Report 15-16
New LIfe Academy Annual Report 15-16
Craig Schmalz, CFRE
 
Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...
Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...
Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...
Waender Soares
 
Projeto santander sustentabilidade - 24.10.2010
Projeto santander   sustentabilidade - 24.10.2010Projeto santander   sustentabilidade - 24.10.2010
Projeto santander sustentabilidade - 24.10.2010
Cássio Yamada
 
Agenda de la UIMP, Viernes 7 de Agosto de 2009
Agenda de la UIMP, Viernes 7 de Agosto de 2009Agenda de la UIMP, Viernes 7 de Agosto de 2009
Agenda de la UIMP, Viernes 7 de Agosto de 2009
guesteb997e
 
3Com 16980100503
3Com 169801005033Com 16980100503
3Com 16980100503
savomir
 
ASP.NET Web API no Windows Azure
ASP.NET Web API no Windows AzureASP.NET Web API no Windows Azure
ASP.NET Web API no Windows Azure
Waldyr Felix
 

Destaque (12)

2442 designação
2442  designação2442  designação
2442 designação
 
Monavie 2013 - Apresentação de Negócio
Monavie 2013 - Apresentação de NegócioMonavie 2013 - Apresentação de Negócio
Monavie 2013 - Apresentação de Negócio
 
Apresentação web services
Apresentação web servicesApresentação web services
Apresentação web services
 
ApresentaçãO N°6 (09 07 10)
ApresentaçãO N°6  (09 07 10)ApresentaçãO N°6  (09 07 10)
ApresentaçãO N°6 (09 07 10)
 
Cantos gregorianos
Cantos gregorianosCantos gregorianos
Cantos gregorianos
 
The Effectiveness of an Intervention Designed to Increase the Pos
The Effectiveness of an Intervention Designed to Increase the PosThe Effectiveness of an Intervention Designed to Increase the Pos
The Effectiveness of an Intervention Designed to Increase the Pos
 
New LIfe Academy Annual Report 15-16
New LIfe Academy Annual Report 15-16New LIfe Academy Annual Report 15-16
New LIfe Academy Annual Report 15-16
 
Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...
Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...
Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...
 
Projeto santander sustentabilidade - 24.10.2010
Projeto santander   sustentabilidade - 24.10.2010Projeto santander   sustentabilidade - 24.10.2010
Projeto santander sustentabilidade - 24.10.2010
 
Agenda de la UIMP, Viernes 7 de Agosto de 2009
Agenda de la UIMP, Viernes 7 de Agosto de 2009Agenda de la UIMP, Viernes 7 de Agosto de 2009
Agenda de la UIMP, Viernes 7 de Agosto de 2009
 
3Com 16980100503
3Com 169801005033Com 16980100503
3Com 16980100503
 
ASP.NET Web API no Windows Azure
ASP.NET Web API no Windows AzureASP.NET Web API no Windows Azure
ASP.NET Web API no Windows Azure
 

Semelhante a Arte grega

Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
Endelion
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Claudio Soares
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Kauan Brito
 
A arte na Grécia
A arte na GréciaA arte na Grécia
A arte na Grécia
Edenilson Morais
 
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Adriana Guimarães Manaro
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
Cinthya Nascimento
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Aline Raposo
 
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
Anita Rink
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
Silmara Nogueira
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
chicovalmir
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
guestf7402f6
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
Camila
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
guestdef4b6
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
Ellen_Assad
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
VIVIAN TROMBINI
 
Grécia escultura 2
Grécia escultura 2Grécia escultura 2
Grécia escultura 2
António Silva
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Susana Simões
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
Andrea Dressler
 
Arte grega 1
Arte grega 1Arte grega 1
A arte grega
A arte gregaA arte grega
A arte grega
cattonia
 

Semelhante a Arte grega (20)

Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
A arte na Grécia
A arte na GréciaA arte na Grécia
A arte na Grécia
 
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
 
Grécia escultura 2
Grécia escultura 2Grécia escultura 2
Grécia escultura 2
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Arte grega 1
Arte grega 1Arte grega 1
Arte grega 1
 
A arte grega
A arte gregaA arte grega
A arte grega
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 

Arte grega

  • 2. ARTE GREGA HISTÓRIA DA ARTE Profª. Angela Soeiro
  • 3.  O racionalismo;  O amor pela beleza;  O interesse pelo homem, essa pequena criatura que é “a medida de todas as coisas”;  A democracia.  O Antropocentrismo
  • 4.  A arte grega liga-se à inteligência.  A arte grega volta-se para o gozo da vida presente. Contemplando a natureza,  Empolga pela vida e tenta, através da arte, exprimir suas manifestações.
  • 5. Cria uma arte de laboração intelectual em que predominam: •O ritmo, •O equilíbrio, •A harmonia ideal •A perfeição
  • 6. • Templos; • Teatros; • Ginásios; • Ágoras (praças). A base da arquitetura grega são:
  • 7. Os principais monumentos da arquitetura grega: • Templos, dos quais o mais importante é o Partenon de Atenas. Na Acrópole, também, se encontram as Cariátides que homenageavam as mulheres de Cária.; • Teatros, que eram construídos em lugares abertos (encosta) e que compunham de três partes: a skene ou cena, para os atores; a konistra ou orquestra, para o coro; o koilon ou arquibancada, para os espectadores. Um exemplo típico é o Teatro de Epidauro, construído, no séc. IV a.C., ao ar livre, composto por 55 degraus divididos em duas ordens e calculados de acordo com uma inclinação perfeita. Chegava a acomodar cerca de 14.000 espectadores e tornou-se famoso por sua acústica perfeita.; • Ginásios, edifícios destinados à cultura física.; • Praça - Ágora onde os gregos se reuniam para discutir os mais variados assuntos, entre eles; filosofia.
  • 9. As edificações que despertaram maior interesse são os templos. A característica mais evidente dos templos gregos é a simetria entre o pórtico de entrada e o dos fundos. O templo era construído sobre uma base de três degraus. O degrau mais elevado chamava-se estilóbata e sobre ele eram erguidas as colunas. As colunas sustentavam um entablamento horizontal formado por três partes: a arquitrave, o friso e a cornija. As colunas e entablamento eram construídos segundo os modelos da ordem dórica, jônica e coríntia. FRONTÃO COLUNAS BASE
  • 14. RUÍNAS DA ÁGORA DE TIRO - LÍBANO
  • 17.  Coríntio, que é pouco utilizado pelos arquitetos gregos, reconhecido pelo excesso de detalhes geralmente, decorados com folhas. Ordem Coríntia - o capitel era formado com folhas de acanto e quatro espirais simétricas, muito usado no lugar do capitel jônico, de um modo a variar e enriquecer aquela ordem. Sugere luxo e ostentação.
  • 18. Ordem Dórica - era simples e maciça. O fuste da coluna era monolítico e grosso. O capitel era uma almofada de pedra. Nascida do sentir do povo grego, nela se expressa o pensamento. Sendo a mais antiga das ordens arquitetônicas gregas, a ordem dórica, por sua simplicidade e severidade, empresta uma idéia de solidez e imponência
  • 19. Ordem Jônica - representava a graça e o feminino. A coluna apresentava fuste mais delgado e não se firmava diretamente sobre o estilóbata, mas sobre uma base decorada. O capitel era formado por duas espirais unidas por duas curvas. A ordem dórica traduz a forma do homem e a ordem jônica traduz a forma da mulher.
  • 20. Escultura da Grécia Antiga é uma expressão que usualmente se refere às obra escultóricas criadas na Grecia entre o périodo 650-600 a.C., quando a arte grega começou a formar um estilo próprio original, e a época do seu último florescimento importante, na chamada era Helnistica, que durou até cerca de 100 a.C., quando o país já estava sob domínio romano. Rei Menkauré, de As tríades. Kouros, final do séc. VII a.C. altura: 184 cm Egípcia Convincente mente realista. Grega Mais “genérica”, incorporando a simetria, e uso das formas em diferentes escalas (tamanhos).
  • 21.  Formas rígidas frontalidade;  Modelo achatado do corpo;  Desenho simplificado da anatomia, que é antes uma idealização do que uma observação da natureza;  Rosto é esquemático em forma triangular, com testa baixa, olhos e nariz grandes, e boca inexpressiva;  Cabelo cai em grossas madeixas;  Pernas são usualmente longas e a cintura é alta e estreita.6
  • 22. Figura feminina ( koré)- c.650 a.C – Calcário – alt. 0,62 m, Louvre, Paris No caso das estátuas femininas (koré) plural korai), elas aparecem com longas túnicas, mas nas masculinas (kouros), plural kouroi) a nudez é a regra.
  • 23.  Principais características do estilo arcaico:  Detalhamento progressivo da musculatura, volume maciço.  Sugestão de movimento. Pé esquerdo para frente. Lembrando as esculturas egípcias.  Sorriso no rosto.  Olhos grandes e rosto frontal.  Também é perceptível uma túnica, que mais parece outra pele. (panejamento)  Barba sinal de idade avançada.  Esculturas ornamentais para edifícios e frontões dos tempos. Moscóforo. 570 a.C. (O homem com o vitelo). Mármore. Museu daAcrópole, Atena
  • 24. Os gregos dos períodos arcaico e clássico preferiam esculpir as mulheres vestidas. O vestuário efetivamente usado pelas mulheres gregas era bem solto e livre, podendo ser artisticamente disposto de várias maneiras, de acordo com a predileção de quem o usava.
  • 25. Uso do bronze e a revolução do estilo. Principais características: Os braços ganham liberdade, o torso se flexibiliza em formato de S invertido, maior detalhe da anatomia. A cabeça se harmoniza com o corpo. O peso do corpo repousa sob a perna esquerda e a direita mantém o equilíbrio. Substituição do sorriso por expressão séria , distante e pensativa, com lábios entreabertos e olhos incrustados. Representação da velhice. Nariz grego – a linha retilínea do nariz com a testa. . Kritios: Efebo (adolescente de 18-20 anos ou macho). 480 a. C. Museu da Acrópole.Atenas, Grécia
  • 26. Valorização da anatomia. Kritios: Efebo (adolescente de 18-20 anos ou macho). 480 a. C. Museu daAcrópole. Atenas, Grécia.
  • 27. Substituição do sorriso por expressão séria , distante e pensativo, com lábios entreabertos e olhos incrustados. Representação da velhice. Nariz grego – a linha retilínea do nariz com a testa. Kritios: Efebo (adolescente de 18-20 anos ou macho). 480 a. C. Museu da Acrópole. Atenas, Grécia. (detalhe)
  • 28. Panejamento em pregas suaves e flexíveis que o estilo arcaico. Auriga, do Santuário deApolo, em Delfos. 470. (bronze) a.C. Museu de Delfos, Grécia.
  • 29. Leocarés: Apolo Belvedere, c. 350-325 a.C. Museus Vaticanos Do mármore para o Bronze
  • 30. O Bronze de Artemísion, possivelmente Poseidon Ou Zeus. 460 a.C. (bronze – alt. 2,09). MuseuArqueológico Nacional deAtenas. Grécia. O movimento foi uma suprema realização do estilo severo. O arremesso da arma é um atributo divino e não uma ameaça ao adversário.
  • 31. Afrodite Braschi, uma das várias cópias conhecidas Afrodite de Cnido, de Praxiteles, c. 345 a.C., que criou um cânone de beleza. Gliptoteca de Munique O Dórif oro de Policleto, um paradigma do cânone clássico masculino. Cópia no Museu Arqueológico Nacional de Nápoles Uma rápida evolução na técnica e no estilo leva ao classicismo grego (c. 450-323 a.C.), período em que se realizam as mais importantes e seminais conquistas no terreno do naturalismo, ao mesmo tempo em que perduram uma série de convenções estritas a respeito de proporções e ordem, dando origem a uma síntese sem paralelos no mundo antigo e que até hoje permanece uma referência vital para a arte e cultura de grande parte do mundo.
  • 32. O deus é retratado em plena e vigorosa ação. Pose livre e aberta. Caracterização dos homens e deuses – diferenciação de idade e personalidade ESCULTURA EM BRONZE: Para que o artista pudesse ter mais facilidade na construção de novas poses o bronze era uma técnica que facilitaria esse trabalho.
  • 33. Características do estilo clássico: Representação anatômica verossimilhança. A figura abandona a frontalidade e pode ser admirada por todos os ângulos. Movimento congelado no tempo. Impressão sedosa do corpo. Panejamentos e mantos complementos formais da composição. Balanceamento e simetria das proporções corporais. Período Clássico: 450 a 323 a.C. Policleto. Dorífero. Cópia de um original grego 450- 440 a.C. Mármore, alt. 1,98. Museu Nacional de Nápoles. Itália.
  • 34. Corporificação do ideal da beleza masculina. Tem a cabeça como medida modelar para altura do corpo. Busca na arte a perfeição da alma e do bom caráter, valor ético. A estátua não era valor de um indivíduo, mas um símbolo de valores coletivos, o papel pedagógico. Inovações dramáticas e naturais. Evocação sensual da carne. Sorriso imperceptível. Atitude descontraída. Policleto. Dorífero. Cópia de um original grego 450- 440 a.C. Mármore, alt. 1,98. Museu Nacional de Nápoles. Itália.
  • 35. Policleto. Dorífero. Cópia de um original grego 450- 440 a.C. Mármore, alt. 1,98. Museu Nacional de Nápoles. Itália. Michelangelo. Davi. 1501-4, Mármore, alt. 4,089 . Museu da Academia, Florença.
  • 36. Michelangelo. Davi. 1501-4, Mármore, alt. 4,089 . Museu da Academia, Florença. O Davi de Michelangelo tem tudo a ver com a escultura grega do Período Clássico. O Renascimento tem como princípio o ideal da arte grega. Resgatando um conceito de 1900 anos.
  • 37. Leocarés. Apolo, 450-323 a. c. Apartamento Belvedere do Papa, Vaticano. Proporção áurea. Simetria matemática da beleza. Seção áurea, secção áurea, razão áurea, razão de ouro, divina proporção, proporção em extrema razão, divisão de extrema razão ou áurea excelência.
  • 39. Policleto: “O pai da teoria da Arte” – seu tratado “cânone” exerceu profunda influencia as futuras gerações de escultores. Míron. Discóbolo. (o lançador de disco) Mármore. Cópia romana de um original em bronze. 450 a. C. Museu delle Terme, Roma.
  • 40. Assimetria na forma. movimento curvilíneo – fechado. ziguezague irregular – aberto. Torso de frente, pernas de lado – traços característicos são apresentados simultaneamente
  • 41. Período helenístico: 323 a 27 a.C. Helenístico (do grego, hellenizein – "falar grego", "viver como os gregos"). compreendido entre a morte de Alexandre III , (O Grande) Macedonia em 323 Ca.C. e a anexação da península grega e ilhas por Roma em 147 a.C. Caracterizou-se pela difusão da civilização grega numa vasta área que se estendia do mar Mediterrâneo oriental à Ásia Central. O helenismo foi a concretização de um ideal de Alexandre: levar e difundir a cultura grega aos territórios que conquistava.
  • 42. Multiplicidade de influências em virtude dos intercâmbios internacionais. Obras modeladas por todos os ângulos. Transparência no vestuário, aspecto de molhado. Aproveitamento do jogo de luz e movimento dramático. Valorização de posturas e expressões de sentimentos como: sofrimento, sono, morte e velhice. Introdução de animais, crianças e pessoas comuns. Produção de bustos.
  • 43. Gaulês Moribundo. Cópia romana de um original de bronze de 230-220 a.C. do escultor Pérgamo. Mármore, Museu Capitólio. Roma. Itália.
  • 44. Apolo com cítara e serpente. Século II a. C. Museu Britânico, Londres. Busto-retrato de Alexandre, O Grande.
  • 45. Busto-retrato de Alexandre, O Grande. A confecção de Bustos era uma prática da arte egípcia.Acima busto da faraó Nefertiti.
  • 46. Escopas.O Ares Ludovisi. Cópia Romana II a I a.C. Museu Nacional de Roma. Introdução de animais, crianças e pessoas comuns.
  • 47. Fachada do altar de Zeus, em Pérgamo, Museus do Estado, Berlim.
  • 48. Valorização de posturas e expressões de sentimentos como: sofrimento, sono, morte e velhice. Velha bêbada. 190 a.C. Museus Capitolinos. Roma.
  • 49. Laocoonte e seus filhos. Século I d. C. Museu do Vaticano, Roma, Itália. Aproveitamento do jogo de luz e movimento dramático.
  • 51. Afresco O Rapto de Pérsefone, de autor anônimo, na Pequena Tumba Real em Vergina, século IV a.C. A pintura da Grécia Antiga, embora no seu tempo uma das mais populares e prestigiadas formas de arte da Grécia antiga, é menos conhecidas nos dias de hoje, graças à inexistência quase total de exemplos sobreviventes em mural ou painel portátil, e a maior parte do que se sabe deriva de fontes literárias e de cópias romanas.
  • 52.  Placa de madeira pintada, encontrada em Corinto. século VI a.C. Museu Arqueológico Nacional de Atenas.
  • 53.  A maior parte das reliquias pictóricas que sobrevivem da Grécia Antiga se encontra na vasta produção de vasos para uso decorativo ou utilitário.  Mas é importante lembrar que a partir do período clássico a pintura sobre cerâmica passou a constituir uma esfera especial, com técnicas e estética diferenciadas, basicamente de caráter gráfico e não propriamente pictórico, muito diversa da pintura mural ou de painéis cênicos.  Mesmo assim é uma arte que merece atenção pela riqueza de soluções plásticas, pela sua beleza e grande efeito decorativo, e pela enorme quantidade de peças que sobreviveram até os dias de hoje, possibilitando pelo menos sobre esta modalidade de pintura formarmos um panorama bastante detalhado sobre suas origens, evolução e influência sobre outras culturas. CERÂMICA
  • 54.  A história da pintura dos vasos gregos pode ser dividida por seus estilos em:  Estilo Protogeométrico – de aproximadamente 1 050 a.C.;  Estilo Geométrico – de aproximadamente 900 a.C.;  Estilo Arcaico – de aproximadamente 750 a.C.;  Pinturas negras – do aproximadamente entre (700–600 a.C.);  Pinturas vermelhas – de aproximadamente 530 a.C..
  • 55. Anfora de Dipylon. 760-750. A. c. Alt. 1,55m. Museu Arqueológico de Atenas. Grécia. As ânforas (vasos) com boca larga, simbolizavam as mulheres que pegavam água. As ânforas (Jarros) com gargalo alongado, simbolizavam os homens que derramam vinhos. Por volta de 800 a. C. os ceramistas gregos começaram a decorar a cerâmica com figuras humanas e animais, inseridas entre o esquema geométrico da parte periférica do vaso.
  • 56. Dypilon: fragmento de vaso do período tardo geométrico, c. (725–720 a.C.) Louvre
  • 57.  Em períodos posteriores, com a mudança estética os temas mudaram, passando a ser figuras humanas.  A batalha e cenas de caçada também eram populares. Em períodos posteriores, temas eróticos, tanto homossexual quanto heterossexual, tornaram-se comum.  As pinturas representavam o cotidiano das pessoas e cenas mitológicas, como deuses e semideuses. A pintura grega de vasos basicamente conta histórias. Muitos vasos trazem episódios das aventuras contadas por Homero na Ilíada e na Odisseia.
  • 58.  Exéquias: Dionísio em seu barco, c. 530 a.C., figura negra, Coleções Estatais de Antiguidades, Munique Exéquias foi considerado o maior pintor de pinturas negras. Neste tipo de cerâmica, os personagens da ânfora são pintados de preto, permanecendo o fundo com a cor natural da argila. Essas são as chamadas figuras negras. Após a pintura o contorno e o interior do desenho eram riscados com uma ferramenta pontiaguda, de forma que a tinta preta fosse retirada.
  • 59. Observe a riqueza de detalhes e de acabamento. Pintor Leagros Group. Aquiles arrastando o corpo de Heitor Round das muralhas de Tróia. Hydria ática com figuras negras. 510 a. C. Hermitagemuseum.
  • 60. Ele foi capaz de inverter o esquema de cores, deixando as figuras na cor natural do barro cozido, além de pintar o fundo de negro também – isso fez com que desse início a uma série de figuras vermelhas. A inversão cromática foi o efeito conseguido com essa inversão, sobretudo por dar maior vivacidade às figuras.