SlideShare uma empresa Scribd logo
Professora Andréa Dressler
• As histórias acerca da Antiga
Civilização Egípcia são repletas de
mistérios e teorias. Basicamente são
mais de 3 mil anos de história.
• Essa civilização desenvolveu-
se desde aproximadamente o ano
3000 a.C. até o século IV d.C. ás
margens do Rio Nilo, como se vê na
imagem ao lado.
• A história do Egito divide-se em três grandes
impérios (Antigo, Médio e Novo). Cada império
possui várias dinastias (governos) de diferentes
faraós (reis), portanto com características
artísticas distintas entre si.
• Mas, no geral, a arte servia a objetivos políticos
e religiosos:
• Exaltavam e homenageavam constantemente o
Faraó. Por isso muitas obras de arte giram em torno
dele.
• O aspecto cultural mais significativo do Egito Antigo
era a religião, que tudo orientava, inclusive a arte.
• Acreditava-se em vários deuses e na vida após a
morte, mais importante que a vida terrena.
A CRENÇA NA IMORTALIDADE DA ALMA
No julgamento dos mortos, no tribunal subterrâneo (muitas vezes
chamado Salão das Duas Verdades) o coração do morto era pesado com
uma pena como padrão (representando simbolicamente Maat). O coração
que pesasse mais do que a pena era considerado indigno, seria devorado
pela deusa Ammit e seu dono condenado a passar a eternidade no
submundo. Os indivíduos de coração bom e puro eram enviados para o
paraíso. Anúbis era quem guiava as almas dos mortos no Além.
Em outras palavras, para os egípcios antigos a morte era só o começo.
Imagem do Livro dos Mortos, escrita em
papiro, mostrando a “Pesagem do
coração” por Anúbis, que para isso, usa a
pena de Maat como contra-peso na
balança, uma pena de avestruz. A pena
era guardada na cabeça da deusa Maat
Temos informações detalhadas sobre essa cultura, graças a sua
escrita bem estruturada. A escrita hieroglífica desenvolveu-se através
de códigos e símbolos.
• No Império Antigo encontramos os primeiros hieróglifos: escrita em forma
de símbolos. Evidenciava o controle do reino. Presente principalmente em
folhas de papiros , mas também em paredes ou blocos de pedras, onde os
pictogramas eram pintados ou escavados. A pessoa responsável pela
produção da escrita era o escriba.
DECIFRANDO CÓDIGOS
• Hieróglifo é um termo originário de duas palavras gregas: ἱερός (hierós) "sagrado",
e γλύφειν (glýphein) "escrita".
• São sinais que, em sua maioria, parecem ser desenhos de animais, pessoas, plantas
e objetos.
• Existem três tipos de símbolos:
• Pictogramas (sinais pictográficos): são os mais simples pois simbolizam
aquilo que mostram – o desenho de um pato significa “um pato”.
• Ideogramas (sinais de sentido): representam ideias associadas a
uma imagem – o desenho de um sol pode simbolizar o sol mas também
pode significar “período diurno”.
• Fonogramas (sinais fonéticos): representam um som em particular –
havia 24 deles, cada um representando uma consoante, semelhante
a um alfabeto, e outros que representavam duas ou três consoantes.
A escrita hieroglífica era uma combinação destes três tipos de sinais.
• Essas diferenças dificultaram a tarefa de decifrar os “códigos” egípcios. Além disso,
alguns textos eram escrito da esquerda para a direita, da direita para esquerda ou
• A pintura era muito padronizada, ou
seja, o artista não tinha liberdade de
criação e deveria seguir ordens de
representação:
• Lei da Frontalidade - cabeça e
membros de perfil, tronco e um dos
olhos de frente.
Fragmento do livro dos mortos de Tebas - Egipto, C/ 1000 AC
• A mesma regra está presente nas
esculturas em baixo e alto relevos
esculpidos ou escavados nas rochas:
• Até as cores usadas eram
ditadas: as figuras masculinas
normalmente em vermelho
(tons de terra) e as figuras
femininas em tons ocres
(amarelo, dourado).
Escultura encontrada dentro de
um pequeno bloco em calcário
pintado representando a família do
anão Seneb, responsável pelo
guarda-roupa do faraó. Possui
apenas 34 cm de altura.
• Muitas pinturas representavam cenas diárias.
• O mesmo também podemos encontrar gravado nas
paredes dos templos.
• Existia também uma questão
hierárquica: o faraó, por exemplo, por
ser mais importante, quase sempre
era representado em tamanho maior
que os seus servos ou do mesmo
tamanho que sua esposa.
Um bom exemplo é o Trono
de Tutankamon que mostra
o rei Tut e sua esposa,
Ankesenamon, em um
momento íntimo.
A escultura do Novo Império se caracterizava pela
tendência ao realismo e fugiu um pouco dessas regras de
representação.
• MASTABAS
• PIRÂMIDES
• TEMPLOS
• HIPOGEUS
• A palavra vem
do árabe maabba = "banco de
pedra" por que eram
construídas com tijolo
produzido a base de argila
seca=cerâmica. Assim como as
pirâmides, serviam como
túmulos e tinha até uma capela
funerária. O interior era decorado
com cenas da vida do defunto.
• Na verdade as mastabas
originaram as pirâmides. A
pirâmide de Djoser, por exemplo,
• No Império Antigo
iniciou-se a
construção das
pirâmides (do grego
"pyra" que quer
dizer fogo e
"midos" que
significa medidas)
• Existem muitas
pirâmides no Egito,
mas apenas 4 estão
abertas a visitação.
São elas:
PIRÂMIDE DE DJOSER
Acredita-se que a mais antiga delas é a
Sakkara - a nordeste da Cidade de Mênfis -
erguida para o Faraó Djoser (por isso também
recebe o nome de Pirâmide de Djoser). Possui
62 metros de altura.
A PIRÂMIDE DE QUÉOPS
Também conhecida como a Grande Pirâmide, é a
maior e mais antiga das três pirâmides de Gizé.
Acredita-se ter sido construída para ser a tumba do
Faraó Quéops da quarta dinastia, cujo reinado se
estendeu de 2551 a 2528 a.C. A Pirâmide de
Quéops originalmente tinha 146 metros de
altura. Atualmente tem 139 metros.
É o monumento mais pesado já construído pelo
homem. Aproximadamente 2,3 milhões de blocos
de rocha, cada um com 2,5 toneladas.
A PIRÂMIDE DE QUÉFREN
Mede, nos dias de hoje, 136 metros de
altura. Construída para o faraó Quéfren,
filho do faraó Quéops e quarto rei da IV
dinastia, ele reinou entre 2520 e 2494 a.C.
Acredita-se que a Grande Esfinge (criatura
mitológica composta do corpo de um leão e uma
cabeça humana) pertença à essa pirâmide, porque o
rosto esculpido se parece com ele. Ela tem 57
metros de longitude, 6 metros de largura e 20
metros de altura, tornando-a a maior estátua
esculpida em apenas um bloco de pedra. Era usada
para demonstração de poder: A intenção de proteger
as pirâmides colocando essa imagem como guardiã
foi alcançada.
PIRÂMIDE DE MIQUERINOS
Quinto faraó da IV Dinastia, filho de Quéfren. Ela media
66 metros e agora está em 62. Está se desmoronando
por que foi construída com material inferior e às pressas.
As pirâmides de Gizé – ou Guiza -
(como são conhecidas Quéops,
Quefrén e Miquerinos) estão
sendo invadidas a cada dia pela
Cidade do Cairo, como se vê na
foto. Essa tem sido uma
preocupação mundial: como
preservá-las?
Vale lembrar que ao lado do
complexo das grandes pirâmides,
existem outras 3, bem menores e
que ficam meio escondidinhas,
perto da Pirâmide de Miquerinos e
que serviriam de tumba para
familirares dos faraós
Não se sabe ao certo. Mas uma equipe da Universidade de Amsterdã acredita que a
resposta está na física, mais especificamente ao atrito causado entre as enormes
placas rochosas e a areia. Tudo indica que a areia foi molhada para empurrar as
tais plataformas com o material até o local da construção. Por conta da umidade,
microgotas d’água se formam, fazendo com que os grãos de areia de juntem,
dobrando a rigidez relativa do material, o que acaba por excluir as chances de
acúmulo de areia na frente da plataforma e ainda reduz pela metade a força
aplicada pelos trabalhadores.
A prova está em uma pintura encontrada
no túmulo de Djehutihotep que mostra um
homem à frente do trenó, derramando
água sobre a areia – que também era
escaldante.
(Reconstituição)
Pintura original
• Os obreiros que trabalharam na sua
construção, foram vistos ao longo da história
como escravos, que trabalhavam horas a
base de torturas para erguer os monumentais
edifícios.
• Porém, os egiptologistas dizem que esses
obreiros eram trabalhadores reconhecidos
como tal e que recebiam um salário pela
prestação dos seus serviços.
• Inclusive dizem que os responsáveis por fazer
as inscrições e hieróglifos eram pessoas
estudadas e muito bem vistas pelo governo.
• Descobriram uma cidade soterrada bem
próxima às pirâmides que, acredita-se
pertencer aos construtores.
• Sim. Existe uma possibilidade de visitação
por dentro da pirâmide de Quefrén.
• Você entra aproximadamente uns 40
metros, através de um corredor estreito e
baixo, para chegar a um quarto fechado e
voltar para trás. Muitos que não possuem
claustrofobia conseguem realizar este
passeio e acha-lo extremamente
emocionante.
• Acreditavam que o interior das pirâmides
não eram decorados mas em
2011 hieróglifos foram encontrados atrás de
uma porta secreta na Grande
Pirâmide. Além disso, as pirâmides não
eram todas de pedra calcária de cor de 4000
anos atrás: alguns setores, tais como
pilares interiores, foram pintados de
No Império Médio quase todos os faraós deste período
preocuparam-se em ampliar o conjunto de templos de Karnak,
centro de culto a Amon (Rei dos deuses, ele é o senhor dos
templos de Luxor e Karnac) que se converteu, assim, num dos
mais impressionantes complexos religiosos da história. Fica
na Necrópole de Tebas, região da margem ocidental do rio Nilo,
no lado oposto à cidade de Tebas (atualmente chamada Luxor).
(Necrópole - "cidade dos mortos"- é o conjunto de sepultamentos,
também denominado cemitério)
O Templo de Luxor é o monumento mais
relevante da cidade e foi construído
basicamente pelos faraós Amenhotep III e
Ramsés II. Para evidenciar tal autoria, na
entrada do templo existem 2 colossos de
Ramsés II. Existiam também 2 obeliscos, mas
atualmente só há um pois o outro foi dado a
França em 1836 e se encontra até hoje na
Place de la Concorde, em Paris.
O templo de Karnak é o maior do mundo dedicado
a um só Deus (Amón) e inclui inúmeros recintos,
capelas e áreas.
Os templos de Luxor e Karnak estavam unidos
antigamente através de uma longa avenida
guardada por 2 filas de esfinges, uma a cada lado.
Hoje em dia ainda existe parte das esfinges, mas
já não cobrem todo o caminho entre os 2 templos.
OUTROS TEMPLOS IMPORTANTES
SAÕ:
O templo de Ísis, um complexo de templos, foi construído
na ilha de Philae na época de Nectanebo I, sendo
sobretudo uma obra da era Ptolomaica (305 a 30 a.C.).
Com a construção da barragem de Aswan (1958 a 1970),
a ilha de Philae com seu complexo de templos, ficava
submersa a maior parte do ano.
Por este motivo, o templo foi desmontado e reconstruído
na ilha vizinha - Agilka (cerca de 300 metros próximo).
O Templo de Hatshepsut, também
conhecido como Templo de El Der El Bahari
é um dos mais belos do antigo Egito. Foi
construído por ordem da rainha-faraó
Hatshepsut para ser seu templo funerário.
Hatshepsut foi uma das mulheres mais
poderosas da antiguidade, mais poderosa
do que Cleópatra e Nefertiti.
O templo, construído parte ao ar
livre, e parte incrustado na pedra, é
muito bonito, e apesar de que a
maioria das referências da faraó
mulher tenham sido apagadas, ainda
há um mural na parte norte onde se
podem ver inscrições que ilustram o
nacimento e educação da rainha.
Curiosidade:
Acredita-se que Hatshepsut foi
mãe adotiva de Moisés. Conta a
Bíblia que Hatshepsut, então filha do
faraó, foi se banhar no rio Nilo.
Hatshepsut viu um cesto no meio
dos juncos e mandou uma de suas
criadas ir ver o que era aquilo. No
cesto havia um menino chorando,
Moisés, que viria a ser o libertador
do povo hebraico do cativo no Egito.
Abu Simbel é considerado por muitos a
jóia do Egito.
A sua fachada tem 33 metros de altura
e 38 metros de largura. A fachada é
constituída por quatro estátuas com
vinte metros de altura que representam
o faraó Ramsés II sentado ostentando
a coroa dupla da unificação entre o alto
e o baixo Egito, a barba postiça, um
colar e um peitoral com o nome de
coroação. A segunda dessas estátuas
foi parcialmente destruída por um
terremoto em 27 a.C. (a cabeça e o
tronco de Ramsés encontram-se
O templo foi construído durante o reinado de Ramsés II e esteve
totalmente soterrado até 1813, quando J.L. Burckhardt
encontrou o busto de um dos colossos e começaram então as
obras para desenterrar o monumento. Outra curiosidade sobre o
templo é que, devido às obras da represa de Asuán, entre 1964
e 1968 ele foi trasladado 210 metros acima do local onde estava
originalmente, em um admirável trabalho de engenharia.
No interior existe uma câmara principal chamada "A grande sala dos
pilares" ou "Grande sala hipóstila" que tem 18 metros de
comprimento, 16 metros de largura e nove metros de altura cujo
teto é sustentado por oito pilares representando o deus Osíris com
algumas características de Ramsés II; as estátuas da esquerda
ostentam a coroa do alto Egito (sul) enquanto as da direita ostentam
a coroa Pschent (a coroa dupla que simboliza a unificação das duas
terras - norte e sul).
• Outro tipo de
arquitetura
monumental é
chamada de Hipogeus,
construções
escavadas em rochas. O Hipogeu de Tutankhamon, descoberto em 1922,foi encontrado
praticamente intacto. No seu interior encontravam-se jóias valiosas,
material de escrita, instrumentos musicais e roupas. Foi encontrado
no Vale dos Reis pelo historiador Howard Carter . Tutankhamon,
apesar de não ter sido o faraó mais importante do Egito e de ter
morrido jovem (dizem que tinha apenas 18 anos quando faleceu), se
tornou um dos mais famosos devido ao descobrimento do seu
grande tesouro, que estava intacto quando o historiador o encontrou.
De alguma maneira (pode ser porque estava mais encoberta por
pedras, por exemplo), os saqueadores não encontraram a tumba de
Tutankhamon, o que fez com que sua riqueza não tivesse sido
tocada por cerca de 3300 anos!
A múmia estava escondida dentro de vários sarcófagos,
um dentro do outro (4). O último era de ouro maciço,
pesando 110 quilos. Uma antessala guardava os
tesouros do faraó(2). Acreditava-se que esses tesouros
deveriam ser levados para a vida além da morte.
(Atualmente em exposição no Museu do Cairo - Egito)
A MÁSCARA MORTUÁRIA DE TUTANKHAMON
O rosto de Tutankhamon estava coberto com uma lindíssima máscara de ouro, pasta de vidro e lápis-lazúli.
Feita em uma mistura de ouro e pedras semipreciosas, este objeto tinha como uma das suas funções além de
proteger a cabeça do rei garantir a ele uma jornada tranquila para o além-mundo através das fórmulas
sagradas cunhadas em seus ombros. Na testa da máscara estão as deusas Nekhbet e Wadjyt.
• Em meio ao deserto, sob um calor
escaldante, o Vale dos Reis é a principal
necrópole (cemitério) do Império Novo
do Antigo Egito. Possui 62 túmulos dos
faraós desse período. Entre eles: Tut-
Ankh-Amon, Ramsés II, Seth I,
Horemheb...
• As tumbas são chamadas KV (King
Valley) e possuem uma numeração a
medida que vão sendo descobertas. A
tumba KV-7 por exemplo é a de
Ramsés II. A de Tut-Ankh-Amon é KV-
62.
• Cada tumba varia de
profundidade,algumas chegam a ter
mais de 100 metros adentro - por
diversos corredores e câmaras – salas
que guardavam os tesouros do rei.
• E, pra fechar, tem a questão
da música no Egito Antigo. A
música estava interligada com a
dança e era usada em cerimônias
sociais, políticas e religiosas.
• O interessante é que os
instrumentos egípcios foram
mais tarde usados pelos gregos e
romanos (como a cítara) e,
depois, aperfeiçoados na Idade
Média.
• Muitos dos instrumentos que
conhecemos hoje tiveram suas
origens no Egito Antigo, como a
harpa - há desenhos de harpa
na tumba do Faraó Ramsés III
(1198-1166 a.C).
Apesar dos egípcios deixarem muitos registros de como era seu
cotidiano, até hoje existem muitas perguntas sem
respostas. Descobertas fascinantes ainda estão sendo feitas
diariamente sobre o Egito Antigo, lançando nova luz sobre sua
civilização.
Todas as noites, Ra veleja
seu barco solar em
combate com Apep e ao
amanhecer emerge
triunfante por todo o céu.
Por exemplo, um "barco solar" foi
extraído da Grande
Pirâmide. Presume-se que este barco
solar permitiria os faraós mortos
ajudarem o deus-sol Ra (deus do sol)
em sua batalha eterna com Apep,
demônio da escuridão.
• http://www.khanelkhalili.com.br/mapasEgito9.htm
• http://www.profissaoviajante.com/2010/09/20/luxor-e-karnak/
• https://www.epochtimes.com.br/templo-de-hatshepsut-mae-adotiva-de-
moises/#.VXNqEdJViko
• http://www.hypeness.com.br/2014/09/cientistas-holandeses-descobrem-
como-os-egipcios-moveram-as-pedras-das-piramides/
• http://arqueologiaegipcia.com.br/2013/02/19/imagem-mascara-mortuaria-de-
tutankhamon/
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Hier%C3%B3glifo
• http://hieroglifos.com.sapo.pt/nocoes.htm
• http://www.barrosmelo.edu.br/aluno/professores/escaninho/uploads/7746.pdf
Arte Egípcia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte na Pré História
Arte na Pré HistóriaArte na Pré História
Arte na Pré História
Arnaldo Szlachta
 
Arte Grega - 6º Ano E.F.
Arte Grega - 6º Ano E.F. Arte Grega - 6º Ano E.F.
Arte Grega - 6º Ano E.F.
Antonio Pinto Pereira
 
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e AntiguidadeHistória da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
Marcio Duarte
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Ana Paula Silva
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
Andrea Dressler
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Anna Caroline
 
Arte indígena
Arte indígenaArte indígena
Arte indígena
Sandro Bottene
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Michele Pó
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
Daniella Cincoetti
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
Rainha Maga
 
Arte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e EgitoArte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e Egito
Silmara Nogueira
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
Andrea Dressler
 
Arte na pré história - Pinturas Rupestres
Arte na pré história - Pinturas Rupestres Arte na pré história - Pinturas Rupestres
Arte na pré história - Pinturas Rupestres
TaiFilosofa
 
Arte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraArte Indígena Brasileira
Arte Indígena Brasileira
Andrea Dressler
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
Jaiza Nobre
 
História da arte no Brasil
História da arte no BrasilHistória da arte no Brasil
História da arte no Brasil
Centro Educacional Cuca Fresca
 
Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)
Andrea Dressler
 
A ARTE NO EGITO - AULA 3
A ARTE NO EGITO - AULA 3A ARTE NO EGITO - AULA 3
A ARTE NO EGITO - AULA 3
VIVIAN TROMBINI
 
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte NeoclássicaNeoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
Andrea Dressler
 

Mais procurados (20)

Arte na Pré História
Arte na Pré HistóriaArte na Pré História
Arte na Pré História
 
Arte Grega - 6º Ano E.F.
Arte Grega - 6º Ano E.F. Arte Grega - 6º Ano E.F.
Arte Grega - 6º Ano E.F.
 
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e AntiguidadeHistória da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
Arte indígena
Arte indígenaArte indígena
Arte indígena
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
 
Arte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e EgitoArte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e Egito
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Arte na pré história - Pinturas Rupestres
Arte na pré história - Pinturas Rupestres Arte na pré história - Pinturas Rupestres
Arte na pré história - Pinturas Rupestres
 
Arte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraArte Indígena Brasileira
Arte Indígena Brasileira
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
 
História da arte no Brasil
História da arte no BrasilHistória da arte no Brasil
História da arte no Brasil
 
Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)
 
A ARTE NO EGITO - AULA 3
A ARTE NO EGITO - AULA 3A ARTE NO EGITO - AULA 3
A ARTE NO EGITO - AULA 3
 
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte NeoclássicaNeoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
 

Semelhante a Arte Egípcia

Arte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° anoArte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° ano
Aline Raposo
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
Viviane Marques
 
Egito
EgitoEgito
Egito
EgitoEgito
Egipto
EgiptoEgipto
Egito
EgitoEgito
Aula 03 o egito
Aula 03   o egitoAula 03   o egito
Aula 03 o egito
Lila Donato
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
Tiago Toledo Jr.
 
3º ano historia da arte- pdf
3º ano  historia da arte- pdf3º ano  historia da arte- pdf
3º ano historia da arte- pdf
Mariam Jenani
 
3º ano
3º ano3º ano
3º ano
Pedro Gomes
 
ARTE EGÍPCIA
ARTE EGÍPCIAARTE EGÍPCIA
ARTE EGÍPCIA
Cristiane Seibt
 
Arte egípcia,1
Arte egípcia,1Arte egípcia,1
Arte egípcia,1
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Atividades com pintura artes1o ano 2009
Atividades  com pintura artes1o ano 2009Atividades  com pintura artes1o ano 2009
Atividades com pintura artes1o ano 2009
beljinaldo
 
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
ArtesElisa
 
Arte no egito.thaiana
Arte no egito.thaianaArte no egito.thaiana
Arte no egito.thaiana
Islana Dantas
 
Arte Egípcia; História da Arte
Arte Egípcia; História da ArteArte Egípcia; História da Arte
Arte Egípcia; História da Arte
Robson Ferraz
 
48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte48787715 apostila-de-arte
Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)
Carlos Benjoino Bidu
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
Maria Gomes
 
2 arte egito 2020
2 arte egito 20202 arte egito 2020
2 arte egito 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 

Semelhante a Arte Egípcia (20)

Arte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° anoArte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° ano
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
Egipto
EgiptoEgipto
Egipto
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
Aula 03 o egito
Aula 03   o egitoAula 03   o egito
Aula 03 o egito
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
 
3º ano historia da arte- pdf
3º ano  historia da arte- pdf3º ano  historia da arte- pdf
3º ano historia da arte- pdf
 
3º ano
3º ano3º ano
3º ano
 
ARTE EGÍPCIA
ARTE EGÍPCIAARTE EGÍPCIA
ARTE EGÍPCIA
 
Arte egípcia,1
Arte egípcia,1Arte egípcia,1
Arte egípcia,1
 
Atividades com pintura artes1o ano 2009
Atividades  com pintura artes1o ano 2009Atividades  com pintura artes1o ano 2009
Atividades com pintura artes1o ano 2009
 
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
 
Arte no egito.thaiana
Arte no egito.thaianaArte no egito.thaiana
Arte no egito.thaiana
 
Arte Egípcia; História da Arte
Arte Egípcia; História da ArteArte Egípcia; História da Arte
Arte Egípcia; História da Arte
 
48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte
 
Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
 
2 arte egito 2020
2 arte egito 20202 arte egito 2020
2 arte egito 2020
 

Mais de Andrea Dressler

Pós - Impressionismo
Pós - ImpressionismoPós - Impressionismo
Pós - Impressionismo
Andrea Dressler
 
Impressionismo no Brasil
Impressionismo no BrasilImpressionismo no Brasil
Impressionismo no Brasil
Andrea Dressler
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Andrea Dressler
 
Academicismo no Brasil: Romantismo e Realismo
Academicismo no Brasil: Romantismo e RealismoAcademicismo no Brasil: Romantismo e Realismo
Academicismo no Brasil: Romantismo e Realismo
Andrea Dressler
 
Op Art
Op ArtOp Art
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Andrea Dressler
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Andrea Dressler
 
Expressionismo Abstrato
Expressionismo AbstratoExpressionismo Abstrato
Expressionismo Abstrato
Andrea Dressler
 
Missão Langsdorff no Brasil
Missão Langsdorff no BrasilMissão Langsdorff no Brasil
Missão Langsdorff no Brasil
Andrea Dressler
 
NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro
Andrea Dressler
 
Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa
Andrea Dressler
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Andrea Dressler
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
Andrea Dressler
 
Arte Rococó
Arte RococóArte Rococó
Arte Rococó
Andrea Dressler
 
Movimentos Dadaísmo e Surrealismo
Movimentos Dadaísmo e SurrealismoMovimentos Dadaísmo e Surrealismo
Movimentos Dadaísmo e Surrealismo
Andrea Dressler
 
Arte Barroca no Brasil
Arte Barroca no BrasilArte Barroca no Brasil
Arte Barroca no Brasil
Andrea Dressler
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Andrea Dressler
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
Andrea Dressler
 
Movimento Cubismo
Movimento CubismoMovimento Cubismo
Movimento Cubismo
Andrea Dressler
 

Mais de Andrea Dressler (20)

Pós - Impressionismo
Pós - ImpressionismoPós - Impressionismo
Pós - Impressionismo
 
Impressionismo no Brasil
Impressionismo no BrasilImpressionismo no Brasil
Impressionismo no Brasil
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Academicismo no Brasil: Romantismo e Realismo
Academicismo no Brasil: Romantismo e RealismoAcademicismo no Brasil: Romantismo e Realismo
Academicismo no Brasil: Romantismo e Realismo
 
Op Art
Op ArtOp Art
Op Art
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Expressionismo Abstrato
Expressionismo AbstratoExpressionismo Abstrato
Expressionismo Abstrato
 
Missão Langsdorff no Brasil
Missão Langsdorff no BrasilMissão Langsdorff no Brasil
Missão Langsdorff no Brasil
 
NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro
 
Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 
Arte Rococó
Arte RococóArte Rococó
Arte Rococó
 
Movimentos Dadaísmo e Surrealismo
Movimentos Dadaísmo e SurrealismoMovimentos Dadaísmo e Surrealismo
Movimentos Dadaísmo e Surrealismo
 
Arte Barroca no Brasil
Arte Barroca no BrasilArte Barroca no Brasil
Arte Barroca no Brasil
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
 
Movimento Cubismo
Movimento CubismoMovimento Cubismo
Movimento Cubismo
 

Último

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 

Último (20)

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 

Arte Egípcia

  • 2. • As histórias acerca da Antiga Civilização Egípcia são repletas de mistérios e teorias. Basicamente são mais de 3 mil anos de história. • Essa civilização desenvolveu- se desde aproximadamente o ano 3000 a.C. até o século IV d.C. ás margens do Rio Nilo, como se vê na imagem ao lado.
  • 3. • A história do Egito divide-se em três grandes impérios (Antigo, Médio e Novo). Cada império possui várias dinastias (governos) de diferentes faraós (reis), portanto com características artísticas distintas entre si. • Mas, no geral, a arte servia a objetivos políticos e religiosos: • Exaltavam e homenageavam constantemente o Faraó. Por isso muitas obras de arte giram em torno dele. • O aspecto cultural mais significativo do Egito Antigo era a religião, que tudo orientava, inclusive a arte. • Acreditava-se em vários deuses e na vida após a morte, mais importante que a vida terrena.
  • 4. A CRENÇA NA IMORTALIDADE DA ALMA No julgamento dos mortos, no tribunal subterrâneo (muitas vezes chamado Salão das Duas Verdades) o coração do morto era pesado com uma pena como padrão (representando simbolicamente Maat). O coração que pesasse mais do que a pena era considerado indigno, seria devorado pela deusa Ammit e seu dono condenado a passar a eternidade no submundo. Os indivíduos de coração bom e puro eram enviados para o paraíso. Anúbis era quem guiava as almas dos mortos no Além. Em outras palavras, para os egípcios antigos a morte era só o começo. Imagem do Livro dos Mortos, escrita em papiro, mostrando a “Pesagem do coração” por Anúbis, que para isso, usa a pena de Maat como contra-peso na balança, uma pena de avestruz. A pena era guardada na cabeça da deusa Maat
  • 5. Temos informações detalhadas sobre essa cultura, graças a sua escrita bem estruturada. A escrita hieroglífica desenvolveu-se através de códigos e símbolos.
  • 6. • No Império Antigo encontramos os primeiros hieróglifos: escrita em forma de símbolos. Evidenciava o controle do reino. Presente principalmente em folhas de papiros , mas também em paredes ou blocos de pedras, onde os pictogramas eram pintados ou escavados. A pessoa responsável pela produção da escrita era o escriba.
  • 7. DECIFRANDO CÓDIGOS • Hieróglifo é um termo originário de duas palavras gregas: ἱερός (hierós) "sagrado", e γλύφειν (glýphein) "escrita". • São sinais que, em sua maioria, parecem ser desenhos de animais, pessoas, plantas e objetos. • Existem três tipos de símbolos: • Pictogramas (sinais pictográficos): são os mais simples pois simbolizam aquilo que mostram – o desenho de um pato significa “um pato”. • Ideogramas (sinais de sentido): representam ideias associadas a uma imagem – o desenho de um sol pode simbolizar o sol mas também pode significar “período diurno”. • Fonogramas (sinais fonéticos): representam um som em particular – havia 24 deles, cada um representando uma consoante, semelhante a um alfabeto, e outros que representavam duas ou três consoantes. A escrita hieroglífica era uma combinação destes três tipos de sinais. • Essas diferenças dificultaram a tarefa de decifrar os “códigos” egípcios. Além disso, alguns textos eram escrito da esquerda para a direita, da direita para esquerda ou
  • 8.
  • 9. • A pintura era muito padronizada, ou seja, o artista não tinha liberdade de criação e deveria seguir ordens de representação: • Lei da Frontalidade - cabeça e membros de perfil, tronco e um dos olhos de frente. Fragmento do livro dos mortos de Tebas - Egipto, C/ 1000 AC
  • 10. • A mesma regra está presente nas esculturas em baixo e alto relevos esculpidos ou escavados nas rochas:
  • 11. • Até as cores usadas eram ditadas: as figuras masculinas normalmente em vermelho (tons de terra) e as figuras femininas em tons ocres (amarelo, dourado). Escultura encontrada dentro de um pequeno bloco em calcário pintado representando a família do anão Seneb, responsável pelo guarda-roupa do faraó. Possui apenas 34 cm de altura.
  • 12. • Muitas pinturas representavam cenas diárias.
  • 13. • O mesmo também podemos encontrar gravado nas paredes dos templos.
  • 14. • Existia também uma questão hierárquica: o faraó, por exemplo, por ser mais importante, quase sempre era representado em tamanho maior que os seus servos ou do mesmo tamanho que sua esposa.
  • 15. Um bom exemplo é o Trono de Tutankamon que mostra o rei Tut e sua esposa, Ankesenamon, em um momento íntimo. A escultura do Novo Império se caracterizava pela tendência ao realismo e fugiu um pouco dessas regras de representação.
  • 16. • MASTABAS • PIRÂMIDES • TEMPLOS • HIPOGEUS
  • 17. • A palavra vem do árabe maabba = "banco de pedra" por que eram construídas com tijolo produzido a base de argila seca=cerâmica. Assim como as pirâmides, serviam como túmulos e tinha até uma capela funerária. O interior era decorado com cenas da vida do defunto. • Na verdade as mastabas originaram as pirâmides. A pirâmide de Djoser, por exemplo,
  • 18. • No Império Antigo iniciou-se a construção das pirâmides (do grego "pyra" que quer dizer fogo e "midos" que significa medidas) • Existem muitas pirâmides no Egito, mas apenas 4 estão abertas a visitação. São elas: PIRÂMIDE DE DJOSER Acredita-se que a mais antiga delas é a Sakkara - a nordeste da Cidade de Mênfis - erguida para o Faraó Djoser (por isso também recebe o nome de Pirâmide de Djoser). Possui 62 metros de altura.
  • 19. A PIRÂMIDE DE QUÉOPS Também conhecida como a Grande Pirâmide, é a maior e mais antiga das três pirâmides de Gizé. Acredita-se ter sido construída para ser a tumba do Faraó Quéops da quarta dinastia, cujo reinado se estendeu de 2551 a 2528 a.C. A Pirâmide de Quéops originalmente tinha 146 metros de altura. Atualmente tem 139 metros. É o monumento mais pesado já construído pelo homem. Aproximadamente 2,3 milhões de blocos de rocha, cada um com 2,5 toneladas.
  • 20. A PIRÂMIDE DE QUÉFREN Mede, nos dias de hoje, 136 metros de altura. Construída para o faraó Quéfren, filho do faraó Quéops e quarto rei da IV dinastia, ele reinou entre 2520 e 2494 a.C. Acredita-se que a Grande Esfinge (criatura mitológica composta do corpo de um leão e uma cabeça humana) pertença à essa pirâmide, porque o rosto esculpido se parece com ele. Ela tem 57 metros de longitude, 6 metros de largura e 20 metros de altura, tornando-a a maior estátua esculpida em apenas um bloco de pedra. Era usada para demonstração de poder: A intenção de proteger as pirâmides colocando essa imagem como guardiã foi alcançada.
  • 21. PIRÂMIDE DE MIQUERINOS Quinto faraó da IV Dinastia, filho de Quéfren. Ela media 66 metros e agora está em 62. Está se desmoronando por que foi construída com material inferior e às pressas.
  • 22. As pirâmides de Gizé – ou Guiza - (como são conhecidas Quéops, Quefrén e Miquerinos) estão sendo invadidas a cada dia pela Cidade do Cairo, como se vê na foto. Essa tem sido uma preocupação mundial: como preservá-las? Vale lembrar que ao lado do complexo das grandes pirâmides, existem outras 3, bem menores e que ficam meio escondidinhas, perto da Pirâmide de Miquerinos e que serviriam de tumba para familirares dos faraós
  • 23. Não se sabe ao certo. Mas uma equipe da Universidade de Amsterdã acredita que a resposta está na física, mais especificamente ao atrito causado entre as enormes placas rochosas e a areia. Tudo indica que a areia foi molhada para empurrar as tais plataformas com o material até o local da construção. Por conta da umidade, microgotas d’água se formam, fazendo com que os grãos de areia de juntem, dobrando a rigidez relativa do material, o que acaba por excluir as chances de acúmulo de areia na frente da plataforma e ainda reduz pela metade a força aplicada pelos trabalhadores. A prova está em uma pintura encontrada no túmulo de Djehutihotep que mostra um homem à frente do trenó, derramando água sobre a areia – que também era escaldante. (Reconstituição)
  • 25. • Os obreiros que trabalharam na sua construção, foram vistos ao longo da história como escravos, que trabalhavam horas a base de torturas para erguer os monumentais edifícios. • Porém, os egiptologistas dizem que esses obreiros eram trabalhadores reconhecidos como tal e que recebiam um salário pela prestação dos seus serviços. • Inclusive dizem que os responsáveis por fazer as inscrições e hieróglifos eram pessoas estudadas e muito bem vistas pelo governo. • Descobriram uma cidade soterrada bem próxima às pirâmides que, acredita-se pertencer aos construtores.
  • 26. • Sim. Existe uma possibilidade de visitação por dentro da pirâmide de Quefrén. • Você entra aproximadamente uns 40 metros, através de um corredor estreito e baixo, para chegar a um quarto fechado e voltar para trás. Muitos que não possuem claustrofobia conseguem realizar este passeio e acha-lo extremamente emocionante. • Acreditavam que o interior das pirâmides não eram decorados mas em 2011 hieróglifos foram encontrados atrás de uma porta secreta na Grande Pirâmide. Além disso, as pirâmides não eram todas de pedra calcária de cor de 4000 anos atrás: alguns setores, tais como pilares interiores, foram pintados de
  • 27. No Império Médio quase todos os faraós deste período preocuparam-se em ampliar o conjunto de templos de Karnak, centro de culto a Amon (Rei dos deuses, ele é o senhor dos templos de Luxor e Karnac) que se converteu, assim, num dos mais impressionantes complexos religiosos da história. Fica na Necrópole de Tebas, região da margem ocidental do rio Nilo, no lado oposto à cidade de Tebas (atualmente chamada Luxor). (Necrópole - "cidade dos mortos"- é o conjunto de sepultamentos, também denominado cemitério)
  • 28. O Templo de Luxor é o monumento mais relevante da cidade e foi construído basicamente pelos faraós Amenhotep III e Ramsés II. Para evidenciar tal autoria, na entrada do templo existem 2 colossos de Ramsés II. Existiam também 2 obeliscos, mas atualmente só há um pois o outro foi dado a França em 1836 e se encontra até hoje na Place de la Concorde, em Paris.
  • 29. O templo de Karnak é o maior do mundo dedicado a um só Deus (Amón) e inclui inúmeros recintos, capelas e áreas. Os templos de Luxor e Karnak estavam unidos antigamente através de uma longa avenida guardada por 2 filas de esfinges, uma a cada lado. Hoje em dia ainda existe parte das esfinges, mas já não cobrem todo o caminho entre os 2 templos. OUTROS TEMPLOS IMPORTANTES SAÕ:
  • 30. O templo de Ísis, um complexo de templos, foi construído na ilha de Philae na época de Nectanebo I, sendo sobretudo uma obra da era Ptolomaica (305 a 30 a.C.). Com a construção da barragem de Aswan (1958 a 1970), a ilha de Philae com seu complexo de templos, ficava submersa a maior parte do ano. Por este motivo, o templo foi desmontado e reconstruído na ilha vizinha - Agilka (cerca de 300 metros próximo).
  • 31. O Templo de Hatshepsut, também conhecido como Templo de El Der El Bahari é um dos mais belos do antigo Egito. Foi construído por ordem da rainha-faraó Hatshepsut para ser seu templo funerário. Hatshepsut foi uma das mulheres mais poderosas da antiguidade, mais poderosa do que Cleópatra e Nefertiti.
  • 32. O templo, construído parte ao ar livre, e parte incrustado na pedra, é muito bonito, e apesar de que a maioria das referências da faraó mulher tenham sido apagadas, ainda há um mural na parte norte onde se podem ver inscrições que ilustram o nacimento e educação da rainha. Curiosidade: Acredita-se que Hatshepsut foi mãe adotiva de Moisés. Conta a Bíblia que Hatshepsut, então filha do faraó, foi se banhar no rio Nilo. Hatshepsut viu um cesto no meio dos juncos e mandou uma de suas criadas ir ver o que era aquilo. No cesto havia um menino chorando, Moisés, que viria a ser o libertador do povo hebraico do cativo no Egito.
  • 33. Abu Simbel é considerado por muitos a jóia do Egito. A sua fachada tem 33 metros de altura e 38 metros de largura. A fachada é constituída por quatro estátuas com vinte metros de altura que representam o faraó Ramsés II sentado ostentando a coroa dupla da unificação entre o alto e o baixo Egito, a barba postiça, um colar e um peitoral com o nome de coroação. A segunda dessas estátuas foi parcialmente destruída por um terremoto em 27 a.C. (a cabeça e o tronco de Ramsés encontram-se O templo foi construído durante o reinado de Ramsés II e esteve totalmente soterrado até 1813, quando J.L. Burckhardt encontrou o busto de um dos colossos e começaram então as obras para desenterrar o monumento. Outra curiosidade sobre o templo é que, devido às obras da represa de Asuán, entre 1964 e 1968 ele foi trasladado 210 metros acima do local onde estava originalmente, em um admirável trabalho de engenharia.
  • 34. No interior existe uma câmara principal chamada "A grande sala dos pilares" ou "Grande sala hipóstila" que tem 18 metros de comprimento, 16 metros de largura e nove metros de altura cujo teto é sustentado por oito pilares representando o deus Osíris com algumas características de Ramsés II; as estátuas da esquerda ostentam a coroa do alto Egito (sul) enquanto as da direita ostentam a coroa Pschent (a coroa dupla que simboliza a unificação das duas terras - norte e sul).
  • 35. • Outro tipo de arquitetura monumental é chamada de Hipogeus, construções escavadas em rochas. O Hipogeu de Tutankhamon, descoberto em 1922,foi encontrado praticamente intacto. No seu interior encontravam-se jóias valiosas, material de escrita, instrumentos musicais e roupas. Foi encontrado no Vale dos Reis pelo historiador Howard Carter . Tutankhamon, apesar de não ter sido o faraó mais importante do Egito e de ter morrido jovem (dizem que tinha apenas 18 anos quando faleceu), se tornou um dos mais famosos devido ao descobrimento do seu grande tesouro, que estava intacto quando o historiador o encontrou. De alguma maneira (pode ser porque estava mais encoberta por pedras, por exemplo), os saqueadores não encontraram a tumba de Tutankhamon, o que fez com que sua riqueza não tivesse sido tocada por cerca de 3300 anos!
  • 36. A múmia estava escondida dentro de vários sarcófagos, um dentro do outro (4). O último era de ouro maciço, pesando 110 quilos. Uma antessala guardava os tesouros do faraó(2). Acreditava-se que esses tesouros deveriam ser levados para a vida além da morte. (Atualmente em exposição no Museu do Cairo - Egito)
  • 37. A MÁSCARA MORTUÁRIA DE TUTANKHAMON O rosto de Tutankhamon estava coberto com uma lindíssima máscara de ouro, pasta de vidro e lápis-lazúli. Feita em uma mistura de ouro e pedras semipreciosas, este objeto tinha como uma das suas funções além de proteger a cabeça do rei garantir a ele uma jornada tranquila para o além-mundo através das fórmulas sagradas cunhadas em seus ombros. Na testa da máscara estão as deusas Nekhbet e Wadjyt.
  • 38. • Em meio ao deserto, sob um calor escaldante, o Vale dos Reis é a principal necrópole (cemitério) do Império Novo do Antigo Egito. Possui 62 túmulos dos faraós desse período. Entre eles: Tut- Ankh-Amon, Ramsés II, Seth I, Horemheb... • As tumbas são chamadas KV (King Valley) e possuem uma numeração a medida que vão sendo descobertas. A tumba KV-7 por exemplo é a de Ramsés II. A de Tut-Ankh-Amon é KV- 62. • Cada tumba varia de profundidade,algumas chegam a ter mais de 100 metros adentro - por diversos corredores e câmaras – salas que guardavam os tesouros do rei.
  • 39.
  • 40. • E, pra fechar, tem a questão da música no Egito Antigo. A música estava interligada com a dança e era usada em cerimônias sociais, políticas e religiosas. • O interessante é que os instrumentos egípcios foram mais tarde usados pelos gregos e romanos (como a cítara) e, depois, aperfeiçoados na Idade Média. • Muitos dos instrumentos que conhecemos hoje tiveram suas origens no Egito Antigo, como a harpa - há desenhos de harpa na tumba do Faraó Ramsés III (1198-1166 a.C).
  • 41. Apesar dos egípcios deixarem muitos registros de como era seu cotidiano, até hoje existem muitas perguntas sem respostas. Descobertas fascinantes ainda estão sendo feitas diariamente sobre o Egito Antigo, lançando nova luz sobre sua civilização.
  • 42. Todas as noites, Ra veleja seu barco solar em combate com Apep e ao amanhecer emerge triunfante por todo o céu. Por exemplo, um "barco solar" foi extraído da Grande Pirâmide. Presume-se que este barco solar permitiria os faraós mortos ajudarem o deus-sol Ra (deus do sol) em sua batalha eterna com Apep, demônio da escuridão.
  • 43. • http://www.khanelkhalili.com.br/mapasEgito9.htm • http://www.profissaoviajante.com/2010/09/20/luxor-e-karnak/ • https://www.epochtimes.com.br/templo-de-hatshepsut-mae-adotiva-de- moises/#.VXNqEdJViko • http://www.hypeness.com.br/2014/09/cientistas-holandeses-descobrem- como-os-egipcios-moveram-as-pedras-das-piramides/ • http://arqueologiaegipcia.com.br/2013/02/19/imagem-mascara-mortuaria-de- tutankhamon/ • http://pt.wikipedia.org/wiki/Hier%C3%B3glifo • http://hieroglifos.com.sapo.pt/nocoes.htm • http://www.barrosmelo.edu.br/aluno/professores/escaninho/uploads/7746.pdf