SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Terramoto de 1755 e a Reconstrução de Lisboa
[object Object]
Na tentativa de libertar o país da dependência económica em relação á Inglaterra, o Marquês tomou importantes medidas como:
Criação e reanimação de manufacturas;
Protecção de fábricas de lanifícios, de vidros, louças, cutelarias e sedas;
Fundação da Companhia Industrial da Agricultura das vinhas de alto Douro;
Companhias monopolistas para o comércio do oriente e do Brasil.Contextualização Histórica
Marquês de Pombal
Fez-se sentir na manhã de um de Novembro de 1755 ás 9:30 da manhã; A terra tremeu três vezes num total de dezassete minutos e durante vinte e quatro horas a terra não deixou de estremecer, acompanhado de um sismo e este veio acompanhado de um Maremoto; Só às sete horas de domingo a maré normalizou, seguido de um devastador incêndio; O terramoto
Relato de uma testemunha ocular…
Uma primeira com a duração aproximada de minutos, pouco violenta, com intervalos de um minuto, com um movimento mais intenso durante cerca de dois minutos, provocando já danos consideráveis; A segunda fase teve um intervalo de um minuto; A terceira fase deu-se por três minutos, a mais violenta de todas. O abalo decompôs-se em três fases:
[object Object]
Ao analisar as testemunhas da época entende-se que o terramoto não teve só reflexões a nível material mas também a nível psicológica e mental nas vítimas sobreviventes;
Logo nas semanas seguintes começaram a circular, tanto em Portugal como no estrangeiro, descrições do desastre;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
PAFB
 
O terramoto de 1755
O terramoto de 1755O terramoto de 1755
O terramoto de 1755
Rubema
 
O iluminismo pombalino
O iluminismo pombalinoO iluminismo pombalino
O iluminismo pombalino
cattonia
 
Acção do marquês de pombal
Acção do marquês de pombalAcção do marquês de pombal
Acção do marquês de pombal
mariainesguterres
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
BarbaraSilveira9
 

Mais procurados (20)

Urbanismo Pombalino
Urbanismo PombalinoUrbanismo Pombalino
Urbanismo Pombalino
 
O Terramoto de 1755
O Terramoto de 1755O Terramoto de 1755
O Terramoto de 1755
 
Marquês de Pombal
Marquês de PombalMarquês de Pombal
Marquês de Pombal
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
 
Terramoto de 1755 em Lisboa
Terramoto de 1755 em LisboaTerramoto de 1755 em Lisboa
Terramoto de 1755 em Lisboa
 
O terramoto de 1755
O terramoto de 1755O terramoto de 1755
O terramoto de 1755
 
O iluminismo pombalino
O iluminismo pombalinoO iluminismo pombalino
O iluminismo pombalino
 
Os Távoras
Os TávorasOs Távoras
Os Távoras
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo Pombalino
 
Marques de Pombal
Marques de Pombal Marques de Pombal
Marques de Pombal
 
Acção do marquês de pombal
Acção do marquês de pombalAcção do marquês de pombal
Acção do marquês de pombal
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
 
A governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de PombalA governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de Pombal
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
Baixa Pombalina
Baixa PombalinaBaixa Pombalina
Baixa Pombalina
 

Destaque (9)

Terramoto de lisboa, 1755 diana, tiago, maria e diogo- 8ºd
Terramoto de lisboa, 1755   diana, tiago, maria e diogo- 8ºdTerramoto de lisboa, 1755   diana, tiago, maria e diogo- 8ºd
Terramoto de lisboa, 1755 diana, tiago, maria e diogo- 8ºd
 
O terramoto de 1 de novembro de 1755 que obteve grau 9 na escala de richter
O terramoto de 1 de novembro de 1755 que obteve grau 9 na escala de richterO terramoto de 1 de novembro de 1755 que obteve grau 9 na escala de richter
O terramoto de 1 de novembro de 1755 que obteve grau 9 na escala de richter
 
Trabalhofinal
TrabalhofinalTrabalhofinal
Trabalhofinal
 
Terramoto 1755
Terramoto 1755Terramoto 1755
Terramoto 1755
 
Plano da baixa pombalina 250 anos depois (lisboa)
Plano da baixa pombalina 250 anos depois (lisboa)Plano da baixa pombalina 250 anos depois (lisboa)
Plano da baixa pombalina 250 anos depois (lisboa)
 
O Terramoto de 1755
O Terramoto de 1755O Terramoto de 1755
O Terramoto de 1755
 
Urbanismo Pombalino
Urbanismo PombalinoUrbanismo Pombalino
Urbanismo Pombalino
 
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandesClc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 

Semelhante a Apresentação1 terramoto

A Monarquia Absoluta De D José I
A Monarquia Absoluta De D José IA Monarquia Absoluta De D José I
A Monarquia Absoluta De D José I
jdlimaaear
 
O projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluministaO projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluminista
Stelian Ravas
 
Império e monarquia absoluta no século xviii
Império e monarquia absoluta no século xviiiImpério e monarquia absoluta no século xviii
Império e monarquia absoluta no século xviii
Carlos Vaz
 
hgp6_A Sociedade Portuguesa no século XVIII
hgp6_A Sociedade Portuguesa no século XVIIIhgp6_A Sociedade Portuguesa no século XVIII
hgp6_A Sociedade Portuguesa no século XVIII
MafaldaClaro1
 
Lisboa
LisboaLisboa
Lisboa
20014
 

Semelhante a Apresentação1 terramoto (20)

Lisboa Pombalina
Lisboa PombalinaLisboa Pombalina
Lisboa Pombalina
 
Reinado D.José I
Reinado D.José IReinado D.José I
Reinado D.José I
 
Resumo História Antigo Regime
Resumo História Antigo RegimeResumo História Antigo Regime
Resumo História Antigo Regime
 
Resumo de História Antigo Regime
Resumo de História Antigo RegimeResumo de História Antigo Regime
Resumo de História Antigo Regime
 
A Monarquia Absoluta De D José I
A Monarquia Absoluta De D José IA Monarquia Absoluta De D José I
A Monarquia Absoluta De D José I
 
Marquês de pombal corrigido
Marquês de pombal  corrigidoMarquês de pombal  corrigido
Marquês de pombal corrigido
 
O projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluministaO projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluminista
 
32 despotismo pombalino
32   despotismo pombalino32   despotismo pombalino
32 despotismo pombalino
 
Marques de pombal
Marques de pombalMarques de pombal
Marques de pombal
 
F3 - Marquês de Pombal
F3  -  Marquês de PombalF3  -  Marquês de Pombal
F3 - Marquês de Pombal
 
O império colonial português no século XVIII
O império colonial português no século XVIIIO império colonial português no século XVIII
O império colonial português no século XVIII
 
Império e monarquia absoluta no século xviii
Império e monarquia absoluta no século xviiiImpério e monarquia absoluta no século xviii
Império e monarquia absoluta no século xviii
 
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIIIPortugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
 
hgp6_A Sociedade Portuguesa no século XVIII
hgp6_A Sociedade Portuguesa no século XVIIIhgp6_A Sociedade Portuguesa no século XVIII
hgp6_A Sociedade Portuguesa no século XVIII
 
Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.
 
Trab hist
Trab histTrab hist
Trab hist
 
Trab hist
Trab histTrab hist
Trab hist
 
Lisboa
LisboaLisboa
Lisboa
 
Lisboa
LisboaLisboa
Lisboa
 
Lisboa
LisboaLisboa
Lisboa
 

Mais de Carla Teixeira

O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

Apresentação1 terramoto

  • 1. Terramoto de 1755 e a Reconstrução de Lisboa
  • 2.
  • 3. Na tentativa de libertar o país da dependência económica em relação á Inglaterra, o Marquês tomou importantes medidas como:
  • 4. Criação e reanimação de manufacturas;
  • 5. Protecção de fábricas de lanifícios, de vidros, louças, cutelarias e sedas;
  • 6. Fundação da Companhia Industrial da Agricultura das vinhas de alto Douro;
  • 7. Companhias monopolistas para o comércio do oriente e do Brasil.Contextualização Histórica
  • 9. Fez-se sentir na manhã de um de Novembro de 1755 ás 9:30 da manhã; A terra tremeu três vezes num total de dezassete minutos e durante vinte e quatro horas a terra não deixou de estremecer, acompanhado de um sismo e este veio acompanhado de um Maremoto; Só às sete horas de domingo a maré normalizou, seguido de um devastador incêndio; O terramoto
  • 10. Relato de uma testemunha ocular…
  • 11. Uma primeira com a duração aproximada de minutos, pouco violenta, com intervalos de um minuto, com um movimento mais intenso durante cerca de dois minutos, provocando já danos consideráveis; A segunda fase teve um intervalo de um minuto; A terceira fase deu-se por três minutos, a mais violenta de todas. O abalo decompôs-se em três fases:
  • 12.
  • 13. Ao analisar as testemunhas da época entende-se que o terramoto não teve só reflexões a nível material mas também a nível psicológica e mental nas vítimas sobreviventes;
  • 14. Logo nas semanas seguintes começaram a circular, tanto em Portugal como no estrangeiro, descrições do desastre;
  • 15. Cerca de 85% das construções de Lisboa foram destruídas;
  • 16. Na política, o terramoto foi também devastador;
  • 17.
  • 18.
  • 19. Esta “nova” cidade constituiu uma das mais audazes propostas urbanísticas da Europa da época:As ruas largas para a passagem de cavalos e de carruagens, sendo que todas elas tinham passeios para peões, sistema de esgotos, de águas pluviais e de saneamento; Todos os edifícios tinham um estilo semelhante: eram sóbrios e harmoniosos, reservando o rés-do-chão para o comércio a sobreloja para os escritórios, os dois andares e mansarda para a habitação. As medidas tomadas pelo Marquês de Pombal para reconstruir a cidade de Lisboa
  • 20. O poder absoluto e centralizador de Marquês de Pombal levou-o a mandar distribuir pelas ruas de novo plano da cidade as lojas e ofícios; Lisboa equipa-se com alguns monumentos notáveis, no entanto, houve alguns monumentos, em Lisboa, em que não se fizeram obras, para simbolizar este acontecimento tão trágico;
  • 21.
  • 23. Esta reforma abrangeu todos os graus de ensino: Instituiu centenas de escolas de “ler, escrever e contar” cujo os professores eram pagos, nascendo assim a primeira rede de escolas primárias públicas em Portugal; Fundou também escolas régias para o ensino das humanidades (gramática latina, grego, retórica e filosofia), que constituíram a base do futuro ensino secundário (os liceus criados em 1836); Fundou o Real Colégio dos Nobres, para a educação dos Nobres; Fundou a Aula do Comércio para preparar os comerciantes para um melhor desempenho das suas actividades; Reformou a universidade de Coimbra, dotando-as de novos estatutos e criando novas faculdades Reforma do ensino levada a cabo pelo Marquês de Pombal