SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
O Terramoto de 1755 em Lisboa
Trabalho elaborado por:
           •    David Nº2
           •    Jorge Nº8
           •    Ricardo Nº17
           •    Renato Nº16




 __________________História 8ºB_____________________   2
Índice

•   O Terramoto de 1755___________________4
•   Características da Lisboa Pombalina_______8
•   Conclusão___________________________10
•   Bibliografia__________________________11




             __________________História 8ºB_____________________   3
O Terramoto de 1755 em Lisboa
• Eram 9 horas e 45 minutos do dia 1 de Novembro do ano de 1755
  quando se dava a maior catástrofe natural alguma vez
  testemunhada na cidade de Lisboa, era um terramoto;

• Era dia de todos os santos, e as pessoas tinham-se levantado mais
  cedo para ir à missa, deixando velas e lareiras acesas o que depois
  provocaria um grande incêndio;

• Neste terramoto, morreram cerca de 60 mil pessoas. Destas, cerca
  de 20 mil morreram em Lisboa, vivendo nesta época em Lisboa
  cerca de 250 mil pessoas;

               __________________História 8ºB_____________________   4
• Este terramoto teve nota 9 na escala de Richter e foi sem dúvida
  tão intenso que provocou estragos em quase todo o país e sendo
  sentido no sul de França e no Norte de África;

• Ninguém podia prever ou imaginar esta tragédia que se agravaria
  quando um maremoto se formara no mar criando ondas de 30 m
  que inundaram a baixa da cidade;

• Nas zonas de Alcântara, Sacavém, S. Martinho, Azeitão e Setúbal
  abriram-se grandes falhas na terra;

• Nas horas precedentes ao abalo sísmico sentiram-se imensas
  réplicas sismicas.


                  __________________História 8ºB_____________________   5
• Milhares de pessoas desceram até ao Terreiro do Paço para
  tentarem fugir dos incêndios e da queda de paredes e pedras,
  mas isto também não ajudaria muito mais pois a baixa da
  cidade estava literalmente inundada;

• Estes levaram todos os pertences que puderam e tentaram
  apanhar um dos barcos que estavam a recolher pessoas. Mas
  as ondas do rio estavam tão altas que acabaram por arrastar
  os barcos e muitas pessoas se afogaram;

• Depois de passado o horror, o rei D. José I ordenou ao seu
  ministro, o Marquês de Pombal, que reconstruísse a baixa da
  cidade. Este solicitou a ajuda do arquitecto Eugénio dos
  Santos e dos engenheiros Manuel da Maia e Carlos Mardel;


               __________________História 8ºB_____________________   6
• Nesta época construiu-se a Praça do Rossio, o Arco da Rua
  Augusta e as ruas paralelas e perpendiculares da baixa;

• A maior parte dos monumentos que ficaram destruídos,
  foram depois restaurados;

• Como sinal de simbolismo e homenagem o Convento do
  Carmo ficou em ruínas;




                __________________História 8ºB_____________________   7
Características da Lisboa Pombalina
• Ruas largas, rectilíneas e cortadas em ângulo recto;

• As casas foram construídas todas da mesma altura (4 ou 5
  pisos), com fachadas iguais e com uma estrutura que resistia
  melhor a possíveis novos sismos para tentar evitar novos
  incêndios, as casas assentavam em estacas de madeira que
  mergulhavam nas águas do subsolo e, entre os edifícios,
  fizeram-se muros (os corta-fogos) para evitar a propagação
  das chamas;

• Implementação de passeios calcetados;

                __________________História 8ºB_____________________   8
• Construiu-se uma rede geral de esgotos, tentando acabar-se
  com o velho hábito dos despejos atirados das janelas e
  acompanhados do grito de «água vai»;

• O terreiro do Paço deu lugar à actual Praça do Comércio,
  homenagem que o Marquês de Pombal quis fazer aos
  comerciantes que, com o seu dinheiro, ajudaram a reconstruir
  Lisboa.




               __________________História 8ºB_____________________   9
Conclusão
Este trabalho foi muito interessante pois com
  ele conhecemos melhor a vida antes, durante
  e depois desta catástrofe. Devemos muito ao
  Marquês de Pombal pois esta ilustre figura da
  História Nacional conseguiu reconstruir, de
  forma organizada, a nossa capital.




          __________________História 8ºB_____________________   10
Webgrafia/Bibliografia
• http://bloguehistorico6.wordpress.com

• http://www.junior.te.pt

• MAIA, Cristina e PAULOS BRANDÃO, Isabel,
  “Viva a História”, Porto, da Porto Editora, 2007



            __________________História 8ºB_____________________   11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de PombalA governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de PombalZé Mário
 
A reacção absolutista
A reacção absolutistaA reacção absolutista
A reacção absolutistaCarla Teixeira
 
Marquês de Pombal
Marquês de PombalMarquês de Pombal
Marquês de PombalInês Lucas
 
Marquês de pombal corrigido
Marquês de pombal  corrigidoMarquês de pombal  corrigido
Marquês de pombal corrigidoceufaias
 
Guerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesaGuerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesa13_ines_silva
 
O terramoto de 1755
O terramoto de 1755O terramoto de 1755
O terramoto de 1755Rubema
 
Reformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no EnsinoReformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no EnsinoRaQuel Oliveira
 
O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo PombalinoRui Neto
 
Os motivos que levaram à expansão portuguesa
Os motivos que levaram à expansão portuguesaOs motivos que levaram à expansão portuguesa
Os motivos que levaram à expansão portuguesaMaria Gomes
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVCarlos Vieira
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalSusana Simões
 

Mais procurados (20)

A governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de PombalA governação do Marquês de Pombal
A governação do Marquês de Pombal
 
Urbanismo Pombalino
Urbanismo PombalinoUrbanismo Pombalino
Urbanismo Pombalino
 
O reinado de D.João V
O reinado de D.João VO reinado de D.João V
O reinado de D.João V
 
A reacção absolutista
A reacção absolutistaA reacção absolutista
A reacção absolutista
 
Marquês de Pombal
Marquês de PombalMarquês de Pombal
Marquês de Pombal
 
Luteranismo
LuteranismoLuteranismo
Luteranismo
 
Marquês de pombal corrigido
Marquês de pombal  corrigidoMarquês de pombal  corrigido
Marquês de pombal corrigido
 
O Terramoto de 1755
O Terramoto de 1755O Terramoto de 1755
O Terramoto de 1755
 
Guerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesaGuerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesa
 
O terramoto de 1755
O terramoto de 1755O terramoto de 1755
O terramoto de 1755
 
Reformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no EnsinoReformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no Ensino
 
Os Távoras
Os TávorasOs Távoras
Os Távoras
 
O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo Pombalino
 
Os motivos que levaram à expansão portuguesa
Os motivos que levaram à expansão portuguesaOs motivos que levaram à expansão portuguesa
Os motivos que levaram à expansão portuguesa
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
Estrangeirados
EstrangeiradosEstrangeirados
Estrangeirados
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Marques de Pombal
Marques de Pombal Marques de Pombal
Marques de Pombal
 
Operariado
OperariadoOperariado
Operariado
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 

Semelhante a O Terramoto de 1755 em Lisboa

O Despotismo Pombalino MarquêS De Pombal
O Despotismo Pombalino   MarquêS De PombalO Despotismo Pombalino   MarquêS De Pombal
O Despotismo Pombalino MarquêS De PombalSílvia Mendonça
 
2 Prova Semestral - 2.6 gabarito
2 Prova Semestral - 2.6 gabarito2 Prova Semestral - 2.6 gabarito
2 Prova Semestral - 2.6 gabaritoKellyCarvalho2011
 
Baixa Pombalina
Baixa PombalinaBaixa Pombalina
Baixa Pombalinahcaslides
 
Projecto de Reconversão Urbana da Ribeira das Naus em Lisboa
Projecto de Reconversão Urbana da Ribeira das Naus em LisboaProjecto de Reconversão Urbana da Ribeira das Naus em Lisboa
Projecto de Reconversão Urbana da Ribeira das Naus em LisboaCascais - Portugal
 
Catalogo pelotas princesa do sul
Catalogo pelotas princesa do sulCatalogo pelotas princesa do sul
Catalogo pelotas princesa do sulQuetelim Andreoli
 
Cidade Do Rio De Janeiro
Cidade Do Rio De JaneiroCidade Do Rio De Janeiro
Cidade Do Rio De Janeiroecsette
 
jogo história sofia.pptx
jogo história sofia.pptxjogo história sofia.pptx
jogo história sofia.pptxCecília Gomes
 
O Terramoto de 1755
O Terramoto de 1755O Terramoto de 1755
O Terramoto de 1755gueste568b3
 
Museus, monumentos e construções históricas do rio
Museus, monumentos e construções históricas do rioMuseus, monumentos e construções históricas do rio
Museus, monumentos e construções históricas do rioEd de Souza
 
O terramoto de 1 de novembro de 1755 que obteve grau 9 na escala de richter
O terramoto de 1 de novembro de 1755 que obteve grau 9 na escala de richterO terramoto de 1 de novembro de 1755 que obteve grau 9 na escala de richter
O terramoto de 1 de novembro de 1755 que obteve grau 9 na escala de richterCardeal Costa Nunes
 
A história urbana da cidade do rio de janeiro
A história urbana da cidade do rio de janeiroA história urbana da cidade do rio de janeiro
A história urbana da cidade do rio de janeiroSalageo Cristina
 

Semelhante a O Terramoto de 1755 em Lisboa (20)

O Despotismo Pombalino MarquêS De Pombal
O Despotismo Pombalino   MarquêS De PombalO Despotismo Pombalino   MarquêS De Pombal
O Despotismo Pombalino MarquêS De Pombal
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
Grandes veleiros voltam ao Tejo
Grandes veleiros voltam ao TejoGrandes veleiros voltam ao Tejo
Grandes veleiros voltam ao Tejo
 
Roteiro de belém 1
Roteiro de belém 1Roteiro de belém 1
Roteiro de belém 1
 
Rio450 - Ontem e Hoje
Rio450 -  Ontem e HojeRio450 -  Ontem e Hoje
Rio450 - Ontem e Hoje
 
Lisboa Pombalina
Lisboa PombalinaLisboa Pombalina
Lisboa Pombalina
 
Porto maravilha
Porto maravilhaPorto maravilha
Porto maravilha
 
Carta Náutica - janeiro 2018
Carta Náutica - janeiro 2018Carta Náutica - janeiro 2018
Carta Náutica - janeiro 2018
 
Trab hist
Trab histTrab hist
Trab hist
 
Trab hist
Trab histTrab hist
Trab hist
 
2 Prova Semestral - 2.6 gabarito
2 Prova Semestral - 2.6 gabarito2 Prova Semestral - 2.6 gabarito
2 Prova Semestral - 2.6 gabarito
 
Baixa Pombalina
Baixa PombalinaBaixa Pombalina
Baixa Pombalina
 
Projecto de Reconversão Urbana da Ribeira das Naus em Lisboa
Projecto de Reconversão Urbana da Ribeira das Naus em LisboaProjecto de Reconversão Urbana da Ribeira das Naus em Lisboa
Projecto de Reconversão Urbana da Ribeira das Naus em Lisboa
 
Catalogo pelotas princesa do sul
Catalogo pelotas princesa do sulCatalogo pelotas princesa do sul
Catalogo pelotas princesa do sul
 
Cidade Do Rio De Janeiro
Cidade Do Rio De JaneiroCidade Do Rio De Janeiro
Cidade Do Rio De Janeiro
 
jogo história sofia.pptx
jogo história sofia.pptxjogo história sofia.pptx
jogo história sofia.pptx
 
O Terramoto de 1755
O Terramoto de 1755O Terramoto de 1755
O Terramoto de 1755
 
Museus, monumentos e construções históricas do rio
Museus, monumentos e construções históricas do rioMuseus, monumentos e construções históricas do rio
Museus, monumentos e construções históricas do rio
 
O terramoto de 1 de novembro de 1755 que obteve grau 9 na escala de richter
O terramoto de 1 de novembro de 1755 que obteve grau 9 na escala de richterO terramoto de 1 de novembro de 1755 que obteve grau 9 na escala de richter
O terramoto de 1 de novembro de 1755 que obteve grau 9 na escala de richter
 
A história urbana da cidade do rio de janeiro
A história urbana da cidade do rio de janeiroA história urbana da cidade do rio de janeiro
A história urbana da cidade do rio de janeiro
 

Mais de Jorge Almeida

Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Jorge Almeida
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Jorge Almeida
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novoJorge Almeida
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseuJorge Almeida
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilJorge Almeida
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilJorge Almeida
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2Jorge Almeida
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]Jorge Almeida
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaJorge Almeida
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpJorge Almeida
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3Jorge Almeida
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaJorge Almeida
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Jorge Almeida
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaJorge Almeida
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Jorge Almeida
 

Mais de Jorge Almeida (20)

Guerra fria 1
Guerra fria 1Guerra fria 1
Guerra fria 1
 
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novo
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseu
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abril
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]
 
Iª república
Iª repúblicaIª república
Iª república
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevista
 
Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)
 
A guerra colonial
A guerra colonialA guerra colonial
A guerra colonial
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgp
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pca
 
Salamanca
SalamancaSalamanca
Salamanca
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz Côa
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11
 

Último

Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 

Último (20)

Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 

O Terramoto de 1755 em Lisboa

  • 1. O Terramoto de 1755 em Lisboa
  • 2. Trabalho elaborado por: • David Nº2 • Jorge Nº8 • Ricardo Nº17 • Renato Nº16 __________________História 8ºB_____________________ 2
  • 3. Índice • O Terramoto de 1755___________________4 • Características da Lisboa Pombalina_______8 • Conclusão___________________________10 • Bibliografia__________________________11 __________________História 8ºB_____________________ 3
  • 4. O Terramoto de 1755 em Lisboa • Eram 9 horas e 45 minutos do dia 1 de Novembro do ano de 1755 quando se dava a maior catástrofe natural alguma vez testemunhada na cidade de Lisboa, era um terramoto; • Era dia de todos os santos, e as pessoas tinham-se levantado mais cedo para ir à missa, deixando velas e lareiras acesas o que depois provocaria um grande incêndio; • Neste terramoto, morreram cerca de 60 mil pessoas. Destas, cerca de 20 mil morreram em Lisboa, vivendo nesta época em Lisboa cerca de 250 mil pessoas; __________________História 8ºB_____________________ 4
  • 5. • Este terramoto teve nota 9 na escala de Richter e foi sem dúvida tão intenso que provocou estragos em quase todo o país e sendo sentido no sul de França e no Norte de África; • Ninguém podia prever ou imaginar esta tragédia que se agravaria quando um maremoto se formara no mar criando ondas de 30 m que inundaram a baixa da cidade; • Nas zonas de Alcântara, Sacavém, S. Martinho, Azeitão e Setúbal abriram-se grandes falhas na terra; • Nas horas precedentes ao abalo sísmico sentiram-se imensas réplicas sismicas. __________________História 8ºB_____________________ 5
  • 6. • Milhares de pessoas desceram até ao Terreiro do Paço para tentarem fugir dos incêndios e da queda de paredes e pedras, mas isto também não ajudaria muito mais pois a baixa da cidade estava literalmente inundada; • Estes levaram todos os pertences que puderam e tentaram apanhar um dos barcos que estavam a recolher pessoas. Mas as ondas do rio estavam tão altas que acabaram por arrastar os barcos e muitas pessoas se afogaram; • Depois de passado o horror, o rei D. José I ordenou ao seu ministro, o Marquês de Pombal, que reconstruísse a baixa da cidade. Este solicitou a ajuda do arquitecto Eugénio dos Santos e dos engenheiros Manuel da Maia e Carlos Mardel; __________________História 8ºB_____________________ 6
  • 7. • Nesta época construiu-se a Praça do Rossio, o Arco da Rua Augusta e as ruas paralelas e perpendiculares da baixa; • A maior parte dos monumentos que ficaram destruídos, foram depois restaurados; • Como sinal de simbolismo e homenagem o Convento do Carmo ficou em ruínas; __________________História 8ºB_____________________ 7
  • 8. Características da Lisboa Pombalina • Ruas largas, rectilíneas e cortadas em ângulo recto; • As casas foram construídas todas da mesma altura (4 ou 5 pisos), com fachadas iguais e com uma estrutura que resistia melhor a possíveis novos sismos para tentar evitar novos incêndios, as casas assentavam em estacas de madeira que mergulhavam nas águas do subsolo e, entre os edifícios, fizeram-se muros (os corta-fogos) para evitar a propagação das chamas; • Implementação de passeios calcetados; __________________História 8ºB_____________________ 8
  • 9. • Construiu-se uma rede geral de esgotos, tentando acabar-se com o velho hábito dos despejos atirados das janelas e acompanhados do grito de «água vai»; • O terreiro do Paço deu lugar à actual Praça do Comércio, homenagem que o Marquês de Pombal quis fazer aos comerciantes que, com o seu dinheiro, ajudaram a reconstruir Lisboa. __________________História 8ºB_____________________ 9
  • 10. Conclusão Este trabalho foi muito interessante pois com ele conhecemos melhor a vida antes, durante e depois desta catástrofe. Devemos muito ao Marquês de Pombal pois esta ilustre figura da História Nacional conseguiu reconstruir, de forma organizada, a nossa capital. __________________História 8ºB_____________________ 10
  • 11. Webgrafia/Bibliografia • http://bloguehistorico6.wordpress.com • http://www.junior.te.pt • MAIA, Cristina e PAULOS BRANDÃO, Isabel, “Viva a História”, Porto, da Porto Editora, 2007 __________________História 8ºB_____________________ 11