SlideShare uma empresa Scribd logo
[CLC_6_CULTURAS DE URBANISMO E                        21 de Dezembro de
                         MOBILIDADE]                               2009



  Em CLC_6 – CULTURAS DE URBANISMO E MOBILIDADE, aprendi a defender
  algumas propostas governamentais para o desenvolvimento do País e compreender
  alguns dos conceitos chave do Planeamento Habitacional do nosso pais.

  Definiu-se, como URBANISMO, a necessidade de estruturar ideias e projectos dos
  espaços demográficos. A organização de um Planeamento pressupõe a utilização,
  multidisciplinar dos conhecimentos de algumas ciências: História, Ciências Sociais,
  Geografia, Geologia, Ecologia, Arquitectura, Paisagismo, Design e como não poderia
  de ser Politica. O contributo das ciências visa a correspondência do Urbanismo, na
  sua acção de projectar e ordenar as cidades onde vivemos, onde a prática e as teorias
  se encontram e se transformam num mecanismo de recursos úteis, para todos os
  envolventes: O Homem, o micro ambiente e o macro envolvente, num contexto das
  sociedades, nos seus processos de constante crescimento demográfico, nas
  mudanças e no desenvolvimento económico.

  Num PLANEAMENTO HABITACIONAL, tudo tem de ser revisto – no trabalho
  elaborado, verificámos a necessidade de compreender e organizar as ideias sobre
  como, quando, porquê e onde construir; que tipos de equipamentos são úteis para pôr
  em prática – EQUIPAMENTOS CULTURAIS   DE   SUPORTE   À   HABITAÇÃO (um bom exemplo de
  equipamento cultural é o nosso Oceanário – elemento que valorizou o antigo espaço e
  tornou-se também um valor do nosso futuro). Os Espaços Verdes Urbanos têm
  também as suas funções no urbanismo: podem ser recreativos, educativos, sanitários,
  psicossocial e cultural ou de suporte da vida animal no espaço urbano. As funções
  utilitárias dos espaços verdes seguem no regime de barreiras físicas e/ou controle dos
  factores ambientais; as funções ornamentais visam a decoração dos pequenos
  espaços e melhoria do design urbano; as funções da criação das árvores, nos espaços
  urbanos, diminuem os níveis de toxinas no ar dos habitantes que usufruem o seu meio
  ambiente; a função dos relvados visualiza a delimitação dos ornamentais e cria
  condições desportivas. As Zonas Verdes: A Implementação de Espaços verdes
  correspondem sempre ao PLANO DIRECTOR MUNICIPAL que promove quais as
Sílvia Gomes Fernandes – TOE2-DL/FM-2009                                              1
[CLC_6_CULTURAS DE URBANISMO E                        21 de Dezembro de
                         MOBILIDADE]                               2009

  zonas necessárias e/ou obrigatórias de zonas verdes, de forma a garantir a
  interligação dos habitantes e do local onde vivem; Outras medidas de Planeamento é
  a Implementação e Gestão de Espaços de Interacção Cultural: a reutilização de
  edifícios antigos transformados em galerias ou jardins.

  Existem diversas formas de compreender a necessidade de planear, o método mais
  eficaz é adquirir o conhecimento da história das evoluções: como tudo se passou, o
  que foi necessário para o desenvolvimento e quais foram os métodos utilizados. Eis
  então o tema que mais me fascinou em CLC_6: ARQUITECTURA TRADICIONAL            E   SISTEMAS
  CONSTRUTIVOS – subdivide-se em ARQUITECTURA DOS ESPAÇOS – onde e quando
  construir, qual a necessidade e a necessidade de evolução dos materiais a utilizar nas
  construções planeadas; SISTEMAS CONSTRUTIVOS – qual a forma mais eficaz, o
  desenvolvimento das técnicas de construções, assim como o desenvolvimento e
  aplicação dos materiais utilizados.

  Também os conceitos de ambientes foram abordados, identificando os ambientes
  através dos elementos característicos: Rurais e Urbanos. Os ambientes Rurais
  caracterizam-se pela a distância, número de habitantes por km2, pela vegetação, pela
  ausência de acesso ou respectiva limitação, pelas actividades profissionais rurais,
  Estes ambientes são predominantes com espaços verdes naturais e selvagens.
  Enquanto que o ambiente Urbano, define-se pelo excesso de habitantes por km2,
  desenvolvimento de vias rodoviárias, transportes, ornamento planificado, grande
  capacidade de habitação, subsistem da indústria. Estes espaços obtêm os verdes
  construídos e planificados com os espaços vagos existentes.

  O tema mais apaixonante de um planeamento Habitacional é a HISTÓRIA ORAL DAS
  COMUNIDADES E SOCIALIZAÇÃO: que se refere ao modo como de deve a origem
  e/ou desenvolvimento de uma determinada região, cidade ou localidade. A história
  oral é tão antiga como a própria historia, ela foi a primeira forma de história. A historia
  oral esta consolidada em diversos países e faz parte do currículo escolar nos
  diferentes níveis de aprendizagem. O método de pesquisa que utiliza a técnica da
  entrevista e outros procedimentos articulados entre si. Tem como principal objectivo

Sílvia Gomes Fernandes – TOE2-DL/FM-2009                                                    2
[CLC_6_CULTURAS DE URBANISMO E                       21 de Dezembro de
                         MOBILIDADE]                              2009

  finalizar e criar fontes históricas. Historia oral dividida em três géneros: Tradição oral
  pode ser definida de facto como um testemunho transmitido verbalmente de uma
  geração para outra. Inclui também depoimentos como crónicas orais, genealogias e
  literatura oral. A história de vida – A história de vida pode ser considerada um relato
  auto biográfico, reconstituição do passado efectuado pelo próprio individuo. E a
  história temática – Com a história temática a entrevista tem carácter temático, e
  como o próprio nome indica, é sobre um assunto específico. Tem características de
  depoimento e não abrange a total existência do informante, desta forma os
  depoimentos podem ser maiores, resultando em maior quantidade de informações, o
  que permite que sejam comparados apontando divergências, convergências e
  evidências de uma memória colectiva: um projecto de história oral pode ser
  desenvolvido em diferentes contextos enquanto iniciativa individual ou trabalho
  colectivo.

  Continuando o estudo do modulo A MEMORIA DOS LUGARES E A EPIFANIA DOS
  ESPAÇOS e a expressão “lugares de memória” foi criada por um historiador francês
  convencido que no tempo em que vivemos, os países e os grupos sociais sofreram
  uma profunda mudança na relação que mantinham com o passado. Este historiador
  acreditava que uma das questões da cultura contemporânea situava -se no
  cruzamento entre o respeito ao passado e o sentimento de pertencer a um grupo. O
  que são lugares de memória? São primeiramente lugares materiais onde a memoria
  social pode ser apreendida pelos sentidos; são lugares funcionais por adquirirem a
  função de aliançar memórias colectivas, e são lugares simbólicos onde a memoria
  colectiva se expressa e se revela, sendo portanto lugares carregados de uma vontade
  de memória. São uma construção histórica e despertam interesse pelo facto de o seu
  valor como documentos e momentos reveladores dos processos sociais, dos conflitos,
  paixões e interesses que conscientemente os revestem de uma função icónica. A
  EPIFANIA – A ideia das histórias, dos pensamentos, dos ideais antigos e a respectiva
  influência que têm nos dias de hoje é a filosofia dos lugares onde estamos. A ideia, o
  cheiro ou sabores nossos pensamentos quando recordamos de um determinado lugar.


Sílvia Gomes Fernandes – TOE2-DL/FM-2009                                                  3
[CLC_6_CULTURAS DE URBANISMO E                     21 de Dezembro de
                         MOBILIDADE]                            2009

   Outros itens apreendidos foram os TRAÇOS ARQUITECTÓNICOS: INTEGRAÇÃO E
   RUPTURA PAISAGISTICA – Forma tentada na procura da ‘’coabitação’’ entre a mão
   humana e que ela constrói, e a natureza que a rodeia; as Rupturas Paisagísticas são
   os desequilíbrios atingidos no máximo, em determinado local, na relação entre o
   homem e o meio natural que o envolve.

                            A POLISSEMIA DA POLIS, consiste em melhorar a
                               qualidade de vida nas cidades, através de intervenções
                               nas vertentes urbanística e ambiental, melhorando a
                               atractivamente e competitividade de pólos urbanos que
                              têm um papel relevante na estruturação do sistema
   urbano                    nacional. O PROGRAMA POLIS pretende desenvolver um
   conjunto de intervenções consideradas exemplares, com base em parcerias,
   especialmente entre Governo e Câmaras Municipais, que possam servir de referência
   para outras acções a desenvolver pelas autarquias locais.

   Assim, o PROGRAMA POLIS tem por principais objectivos específicos: Desenvolver
   grandes operações integradas de requalificação urbana com uma forte componente
   de valorização ambiental; Desenvolver acções que contribuam para a requalificação e
   revitalização de centros urbanos e que promovam a multifuncionalidade desses
   centros; Apoiar outras acções de requalificação que permitam melhorar a qualidade
   do ambiente urbano e valorizar a presença de elementos ambientais estruturantes
   tais como frentes de rio ou de costa; Apoiar iniciativas que visem aumentar as zonas
   verdes, promover áreas pedonais e condicionar o trânsito automóvel em centros
   urbanos.


   9. CONCLUSÃO


   Em CLC_6 verifiquei a necessidade de alargar os meus conhecimentos das áreas de
   base, uma vez que, sem esses conhecimentos não iria compreender as regras e leis
   correspondentes à execução de eventos em determinadas áreas geográficas do país.

Sílvia Gomes Fernandes – TOE2-DL/FM-2009                                              4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
joaokota
 
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_epptClc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
SILVIA G. FERNANDES
 
Reflexão - CP1
Reflexão - CP1Reflexão - CP1
Reflexão - CP1
Sizes & Patterns
 
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOSCLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
SILVIA G. FERNANDES
 
CLC 6
CLC 6CLC 6
STC 6
STC 6STC 6
Reflexão - STC-5
Reflexão - STC-5Reflexão - STC-5
Reflexão - STC-5
Sizes & Patterns
 
Ruralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismoRuralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismo
Marina
 
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandesClc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
SILVIA G. FERNANDES
 
Reflexão - STC-7
Reflexão - STC-7 Reflexão - STC-7
Reflexão - STC-7
Sizes & Patterns
 
Processos Identitários
Processos IdentitáriosProcessos Identitários
Processos Identitários
arturferreira007
 
Dr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CPDr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CP
mega
 
Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5
joaokota
 
CLC 6
CLC 6CLC 6
Clc 6 10_12
Clc 6 10_12Clc 6 10_12
Clc 6 10_12
SILVIA G. FERNANDES
 
CP 4
CP 4CP 4
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
SILVIA G. FERNANDES
 
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
I.Braz Slideshares
 
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 MigraçõesCLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
Fernando de Sá
 
Reflexão - CLCLEI
Reflexão - CLCLEIReflexão - CLCLEI
Reflexão - CLCLEI
Sizes & Patterns
 

Mais procurados (20)

Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
 
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_epptClc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
 
Reflexão - CP1
Reflexão - CP1Reflexão - CP1
Reflexão - CP1
 
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOSCLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
CLC_6_TRABALHOS APRESENTADOS
 
CLC 6
CLC 6CLC 6
CLC 6
 
STC 6
STC 6STC 6
STC 6
 
Reflexão - STC-5
Reflexão - STC-5Reflexão - STC-5
Reflexão - STC-5
 
Ruralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismoRuralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismo
 
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandesClc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
 
Reflexão - STC-7
Reflexão - STC-7 Reflexão - STC-7
Reflexão - STC-7
 
Processos Identitários
Processos IdentitáriosProcessos Identitários
Processos Identitários
 
Dr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CPDr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CP
 
Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5
 
CLC 6
CLC 6CLC 6
CLC 6
 
Clc 6 10_12
Clc 6 10_12Clc 6 10_12
Clc 6 10_12
 
CP 4
CP 4CP 4
CP 4
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
 
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
S.T.C. 7 - Processos e métodos científicos – doc. 2
 
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 MigraçõesCLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
CLC Urbanismo e Mobilidade DR 4 Migrações
 
Reflexão - CLCLEI
Reflexão - CLCLEIReflexão - CLCLEI
Reflexão - CLCLEI
 

Destaque

Trabalho Final Da Faith
Trabalho Final Da FaithTrabalho Final Da Faith
Trabalho Final Da Faith
Ana Oliveira
 
Ficha tic-dr4-hélio.doc--1
 Ficha tic-dr4-hélio.doc--1 Ficha tic-dr4-hélio.doc--1
Ficha tic-dr4-hélio.doc--1
heliocosta
 
Urbanismo e mobilidade
Urbanismo e mobilidadeUrbanismo e mobilidade
Urbanismo e mobilidade
efaturmag2011
 
Culturas De Urbanismo E Mobilidade Luis Costa
Culturas De Urbanismo E Mobilidade Luis CostaCulturas De Urbanismo E Mobilidade Luis Costa
Culturas De Urbanismo E Mobilidade Luis Costa
Luís Costa
 
Glossário CLC_6
Glossário CLC_6Glossário CLC_6
Glossário CLC_6
joaquimsousaferreira
 
Rotura paisagística - Edificação
Rotura paisagística - EdificaçãoRotura paisagística - Edificação
Rotura paisagística - Edificação
Cristiano Esperto Lage
 

Destaque (6)

Trabalho Final Da Faith
Trabalho Final Da FaithTrabalho Final Da Faith
Trabalho Final Da Faith
 
Ficha tic-dr4-hélio.doc--1
 Ficha tic-dr4-hélio.doc--1 Ficha tic-dr4-hélio.doc--1
Ficha tic-dr4-hélio.doc--1
 
Urbanismo e mobilidade
Urbanismo e mobilidadeUrbanismo e mobilidade
Urbanismo e mobilidade
 
Culturas De Urbanismo E Mobilidade Luis Costa
Culturas De Urbanismo E Mobilidade Luis CostaCulturas De Urbanismo E Mobilidade Luis Costa
Culturas De Urbanismo E Mobilidade Luis Costa
 
Glossário CLC_6
Glossário CLC_6Glossário CLC_6
Glossário CLC_6
 
Rotura paisagística - Edificação
Rotura paisagística - EdificaçãoRotura paisagística - Edificação
Rotura paisagística - Edificação
 

Semelhante a Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes

Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...
Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...
Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...
Diane Oliveira
 
Artigo 'iniciando pelo meio' ecomuseu de maranguape - nádia almeida
Artigo 'iniciando pelo meio'   ecomuseu de maranguape - nádia almeidaArtigo 'iniciando pelo meio'   ecomuseu de maranguape - nádia almeida
Artigo 'iniciando pelo meio' ecomuseu de maranguape - nádia almeida
Adriana Costa
 
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Pav plano tudo
Pav plano tudoPav plano tudo
Humanas Pcop Daniela
Humanas Pcop DanielaHumanas Pcop Daniela
Humanas Pcop Daniela
Humanas Pcop DanielaHumanas Pcop Daniela
Humanas Pcop Daniela
guest4f15c6
 
A filosofia e a cidade
A filosofia e a cidadeA filosofia e a cidade
A filosofia e a cidade
juzu
 
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
LeandroLetti1
 
artigotopicosquadraaberta.pdf
artigotopicosquadraaberta.pdfartigotopicosquadraaberta.pdf
artigotopicosquadraaberta.pdf
euclides66
 
Taina de assumpcao
Taina de assumpcaoTaina de assumpcao
Taina de assumpcao
Carlos Elson Cunha
 
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfCOIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
ladraoalmas11
 
Paisagem, Identidade e Memória
Paisagem, Identidade e MemóriaPaisagem, Identidade e Memória
Paisagem, Identidade e Memória
Edu Geraldes
 
Aula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptx
Aula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptxAula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptx
Aula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptx
MarcosTarlombani1
 
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
Laboratório de Memória e Patrimônio Cultural
 
Núcleo de Práticas Vila Flores
Núcleo de Práticas Vila Flores Núcleo de Práticas Vila Flores
Núcleo de Práticas Vila Flores
vilaflores
 
slides.ppe2
slides.ppe2slides.ppe2
slides.ppe2
RaulFlvio
 
A gestao urbana_em_busca_de_uma_ambiente_sustentavel
A gestao urbana_em_busca_de_uma_ambiente_sustentavelA gestao urbana_em_busca_de_uma_ambiente_sustentavel
A gestao urbana_em_busca_de_uma_ambiente_sustentavel
Guilherme Thies
 
Bahia et al - Espaços públicos urbanos: lugares de lazer, sociabilidade e mem...
Bahia et al - Espaços públicos urbanos: lugares de lazer, sociabilidade e mem...Bahia et al - Espaços públicos urbanos: lugares de lazer, sociabilidade e mem...
Bahia et al - Espaços públicos urbanos: lugares de lazer, sociabilidade e mem...
Amarildo Ferreira
 
Debora de almeida
Debora de almeidaDebora de almeida
Debora de almeida
Carlos Elson Cunha
 
Planejamento prof. roberto
Planejamento prof. robertoPlanejamento prof. roberto
Planejamento prof. roberto
robertobraz
 

Semelhante a Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes (20)

Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...
Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...
Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...
 
Artigo 'iniciando pelo meio' ecomuseu de maranguape - nádia almeida
Artigo 'iniciando pelo meio'   ecomuseu de maranguape - nádia almeidaArtigo 'iniciando pelo meio'   ecomuseu de maranguape - nádia almeida
Artigo 'iniciando pelo meio' ecomuseu de maranguape - nádia almeida
 
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
 
Pav plano tudo
Pav plano tudoPav plano tudo
Pav plano tudo
 
Humanas Pcop Daniela
Humanas Pcop DanielaHumanas Pcop Daniela
Humanas Pcop Daniela
 
Humanas Pcop Daniela
Humanas Pcop DanielaHumanas Pcop Daniela
Humanas Pcop Daniela
 
A filosofia e a cidade
A filosofia e a cidadeA filosofia e a cidade
A filosofia e a cidade
 
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
 
artigotopicosquadraaberta.pdf
artigotopicosquadraaberta.pdfartigotopicosquadraaberta.pdf
artigotopicosquadraaberta.pdf
 
Taina de assumpcao
Taina de assumpcaoTaina de assumpcao
Taina de assumpcao
 
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfCOIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
 
Paisagem, Identidade e Memória
Paisagem, Identidade e MemóriaPaisagem, Identidade e Memória
Paisagem, Identidade e Memória
 
Aula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptx
Aula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptxAula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptx
Aula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptx
 
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
 
Núcleo de Práticas Vila Flores
Núcleo de Práticas Vila Flores Núcleo de Práticas Vila Flores
Núcleo de Práticas Vila Flores
 
slides.ppe2
slides.ppe2slides.ppe2
slides.ppe2
 
A gestao urbana_em_busca_de_uma_ambiente_sustentavel
A gestao urbana_em_busca_de_uma_ambiente_sustentavelA gestao urbana_em_busca_de_uma_ambiente_sustentavel
A gestao urbana_em_busca_de_uma_ambiente_sustentavel
 
Bahia et al - Espaços públicos urbanos: lugares de lazer, sociabilidade e mem...
Bahia et al - Espaços públicos urbanos: lugares de lazer, sociabilidade e mem...Bahia et al - Espaços públicos urbanos: lugares de lazer, sociabilidade e mem...
Bahia et al - Espaços públicos urbanos: lugares de lazer, sociabilidade e mem...
 
Debora de almeida
Debora de almeidaDebora de almeida
Debora de almeida
 
Planejamento prof. roberto
Planejamento prof. robertoPlanejamento prof. roberto
Planejamento prof. roberto
 

Mais de SILVIA G. FERNANDES

Auto biografia
Auto biografiaAuto biografia
Auto biografia
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 11 pp_trabalho practico_12_março
Uc 11 pp_trabalho practico_12_marçoUc 11 pp_trabalho practico_12_março
Uc 11 pp_trabalho practico_12_março
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 31 projecto-cliente_uc_31
Uc 31 projecto-cliente_uc_31Uc 31 projecto-cliente_uc_31
Uc 31 projecto-cliente_uc_31
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 6 mecenato
Uc 6 mecenatoUc 6 mecenato
Uc 6 mecenato
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimárioUc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 4 os wodaabe_finale
Uc 4 os wodaabe_finaleUc 4 os wodaabe_finale
Uc 4 os wodaabe_finale
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 1 esquema_planeamento_fundamental
Uc 1 esquema_planeamento_fundamentalUc 1 esquema_planeamento_fundamental
Uc 1 esquema_planeamento_fundamental
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviafUc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
SILVIA G. FERNANDES
 
Stc 6 são joão das lampas
Stc 6 são joão das lampasStc 6 são joão das lampas
Stc 6 são joão das lampas
SILVIA G. FERNANDES
 
Stc 5 pp_final
Stc 5 pp_finalStc 5 pp_final
Stc 5 pp_final
SILVIA G. FERNANDES
 
Stc 5 benchmarking
Stc 5 benchmarkingStc 5 benchmarking
Stc 5 benchmarking
SILVIA G. FERNANDES
 
Cp 5 deontologia_26_5
Cp 5 deontologia_26_5Cp 5 deontologia_26_5
Cp 5 deontologia_26_5
SILVIA G. FERNANDES
 
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de condutaCp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
SILVIA G. FERNANDES
 
Clc 5 tipos de texto
Clc 5 tipos de textoClc 5 tipos de texto
Clc 5 tipos de texto
SILVIA G. FERNANDES
 
Clc 5 tecnologias de informação e comunicação
Clc 5 tecnologias de informação e comunicaçãoClc 5 tecnologias de informação e comunicação
Clc 5 tecnologias de informação e comunicação
SILVIA G. FERNANDES
 
Clc 5 ciberespaço
Clc 5 ciberespaçoClc 5 ciberespaço
Clc 5 ciberespaço
SILVIA G. FERNANDES
 

Mais de SILVIA G. FERNANDES (20)

Auto biografia
Auto biografiaAuto biografia
Auto biografia
 
Uc 11 pp_trabalho practico_12_março
Uc 11 pp_trabalho practico_12_marçoUc 11 pp_trabalho practico_12_março
Uc 11 pp_trabalho practico_12_março
 
Uc 31 projecto-cliente_uc_31
Uc 31 projecto-cliente_uc_31Uc 31 projecto-cliente_uc_31
Uc 31 projecto-cliente_uc_31
 
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
 
Uc 6 mecenato
Uc 6 mecenatoUc 6 mecenato
Uc 6 mecenato
 
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimárioUc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
 
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
 
Uc 4 wodaabe photos
Uc 4 wodaabe photosUc 4 wodaabe photos
Uc 4 wodaabe photos
 
Uc 4 os wodaabe_finale
Uc 4 os wodaabe_finaleUc 4 os wodaabe_finale
Uc 4 os wodaabe_finale
 
Uc 1 esquema_planeamento_fundamental
Uc 1 esquema_planeamento_fundamentalUc 1 esquema_planeamento_fundamental
Uc 1 esquema_planeamento_fundamental
 
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
 
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviafUc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
 
Stc 6 são joão das lampas
Stc 6 são joão das lampasStc 6 são joão das lampas
Stc 6 são joão das lampas
 
Stc 5 pp_final
Stc 5 pp_finalStc 5 pp_final
Stc 5 pp_final
 
Stc 5 benchmarking
Stc 5 benchmarkingStc 5 benchmarking
Stc 5 benchmarking
 
Cp 5 deontologia_26_5
Cp 5 deontologia_26_5Cp 5 deontologia_26_5
Cp 5 deontologia_26_5
 
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de condutaCp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
 
Clc 5 tipos de texto
Clc 5 tipos de textoClc 5 tipos de texto
Clc 5 tipos de texto
 
Clc 5 tecnologias de informação e comunicação
Clc 5 tecnologias de informação e comunicaçãoClc 5 tecnologias de informação e comunicação
Clc 5 tecnologias de informação e comunicação
 
Clc 5 ciberespaço
Clc 5 ciberespaçoClc 5 ciberespaço
Clc 5 ciberespaço
 

Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes

  • 1. [CLC_6_CULTURAS DE URBANISMO E 21 de Dezembro de MOBILIDADE] 2009 Em CLC_6 – CULTURAS DE URBANISMO E MOBILIDADE, aprendi a defender algumas propostas governamentais para o desenvolvimento do País e compreender alguns dos conceitos chave do Planeamento Habitacional do nosso pais. Definiu-se, como URBANISMO, a necessidade de estruturar ideias e projectos dos espaços demográficos. A organização de um Planeamento pressupõe a utilização, multidisciplinar dos conhecimentos de algumas ciências: História, Ciências Sociais, Geografia, Geologia, Ecologia, Arquitectura, Paisagismo, Design e como não poderia de ser Politica. O contributo das ciências visa a correspondência do Urbanismo, na sua acção de projectar e ordenar as cidades onde vivemos, onde a prática e as teorias se encontram e se transformam num mecanismo de recursos úteis, para todos os envolventes: O Homem, o micro ambiente e o macro envolvente, num contexto das sociedades, nos seus processos de constante crescimento demográfico, nas mudanças e no desenvolvimento económico. Num PLANEAMENTO HABITACIONAL, tudo tem de ser revisto – no trabalho elaborado, verificámos a necessidade de compreender e organizar as ideias sobre como, quando, porquê e onde construir; que tipos de equipamentos são úteis para pôr em prática – EQUIPAMENTOS CULTURAIS DE SUPORTE À HABITAÇÃO (um bom exemplo de equipamento cultural é o nosso Oceanário – elemento que valorizou o antigo espaço e tornou-se também um valor do nosso futuro). Os Espaços Verdes Urbanos têm também as suas funções no urbanismo: podem ser recreativos, educativos, sanitários, psicossocial e cultural ou de suporte da vida animal no espaço urbano. As funções utilitárias dos espaços verdes seguem no regime de barreiras físicas e/ou controle dos factores ambientais; as funções ornamentais visam a decoração dos pequenos espaços e melhoria do design urbano; as funções da criação das árvores, nos espaços urbanos, diminuem os níveis de toxinas no ar dos habitantes que usufruem o seu meio ambiente; a função dos relvados visualiza a delimitação dos ornamentais e cria condições desportivas. As Zonas Verdes: A Implementação de Espaços verdes correspondem sempre ao PLANO DIRECTOR MUNICIPAL que promove quais as Sílvia Gomes Fernandes – TOE2-DL/FM-2009 1
  • 2. [CLC_6_CULTURAS DE URBANISMO E 21 de Dezembro de MOBILIDADE] 2009 zonas necessárias e/ou obrigatórias de zonas verdes, de forma a garantir a interligação dos habitantes e do local onde vivem; Outras medidas de Planeamento é a Implementação e Gestão de Espaços de Interacção Cultural: a reutilização de edifícios antigos transformados em galerias ou jardins. Existem diversas formas de compreender a necessidade de planear, o método mais eficaz é adquirir o conhecimento da história das evoluções: como tudo se passou, o que foi necessário para o desenvolvimento e quais foram os métodos utilizados. Eis então o tema que mais me fascinou em CLC_6: ARQUITECTURA TRADICIONAL E SISTEMAS CONSTRUTIVOS – subdivide-se em ARQUITECTURA DOS ESPAÇOS – onde e quando construir, qual a necessidade e a necessidade de evolução dos materiais a utilizar nas construções planeadas; SISTEMAS CONSTRUTIVOS – qual a forma mais eficaz, o desenvolvimento das técnicas de construções, assim como o desenvolvimento e aplicação dos materiais utilizados. Também os conceitos de ambientes foram abordados, identificando os ambientes através dos elementos característicos: Rurais e Urbanos. Os ambientes Rurais caracterizam-se pela a distância, número de habitantes por km2, pela vegetação, pela ausência de acesso ou respectiva limitação, pelas actividades profissionais rurais, Estes ambientes são predominantes com espaços verdes naturais e selvagens. Enquanto que o ambiente Urbano, define-se pelo excesso de habitantes por km2, desenvolvimento de vias rodoviárias, transportes, ornamento planificado, grande capacidade de habitação, subsistem da indústria. Estes espaços obtêm os verdes construídos e planificados com os espaços vagos existentes. O tema mais apaixonante de um planeamento Habitacional é a HISTÓRIA ORAL DAS COMUNIDADES E SOCIALIZAÇÃO: que se refere ao modo como de deve a origem e/ou desenvolvimento de uma determinada região, cidade ou localidade. A história oral é tão antiga como a própria historia, ela foi a primeira forma de história. A historia oral esta consolidada em diversos países e faz parte do currículo escolar nos diferentes níveis de aprendizagem. O método de pesquisa que utiliza a técnica da entrevista e outros procedimentos articulados entre si. Tem como principal objectivo Sílvia Gomes Fernandes – TOE2-DL/FM-2009 2
  • 3. [CLC_6_CULTURAS DE URBANISMO E 21 de Dezembro de MOBILIDADE] 2009 finalizar e criar fontes históricas. Historia oral dividida em três géneros: Tradição oral pode ser definida de facto como um testemunho transmitido verbalmente de uma geração para outra. Inclui também depoimentos como crónicas orais, genealogias e literatura oral. A história de vida – A história de vida pode ser considerada um relato auto biográfico, reconstituição do passado efectuado pelo próprio individuo. E a história temática – Com a história temática a entrevista tem carácter temático, e como o próprio nome indica, é sobre um assunto específico. Tem características de depoimento e não abrange a total existência do informante, desta forma os depoimentos podem ser maiores, resultando em maior quantidade de informações, o que permite que sejam comparados apontando divergências, convergências e evidências de uma memória colectiva: um projecto de história oral pode ser desenvolvido em diferentes contextos enquanto iniciativa individual ou trabalho colectivo. Continuando o estudo do modulo A MEMORIA DOS LUGARES E A EPIFANIA DOS ESPAÇOS e a expressão “lugares de memória” foi criada por um historiador francês convencido que no tempo em que vivemos, os países e os grupos sociais sofreram uma profunda mudança na relação que mantinham com o passado. Este historiador acreditava que uma das questões da cultura contemporânea situava -se no cruzamento entre o respeito ao passado e o sentimento de pertencer a um grupo. O que são lugares de memória? São primeiramente lugares materiais onde a memoria social pode ser apreendida pelos sentidos; são lugares funcionais por adquirirem a função de aliançar memórias colectivas, e são lugares simbólicos onde a memoria colectiva se expressa e se revela, sendo portanto lugares carregados de uma vontade de memória. São uma construção histórica e despertam interesse pelo facto de o seu valor como documentos e momentos reveladores dos processos sociais, dos conflitos, paixões e interesses que conscientemente os revestem de uma função icónica. A EPIFANIA – A ideia das histórias, dos pensamentos, dos ideais antigos e a respectiva influência que têm nos dias de hoje é a filosofia dos lugares onde estamos. A ideia, o cheiro ou sabores nossos pensamentos quando recordamos de um determinado lugar. Sílvia Gomes Fernandes – TOE2-DL/FM-2009 3
  • 4. [CLC_6_CULTURAS DE URBANISMO E 21 de Dezembro de MOBILIDADE] 2009 Outros itens apreendidos foram os TRAÇOS ARQUITECTÓNICOS: INTEGRAÇÃO E RUPTURA PAISAGISTICA – Forma tentada na procura da ‘’coabitação’’ entre a mão humana e que ela constrói, e a natureza que a rodeia; as Rupturas Paisagísticas são os desequilíbrios atingidos no máximo, em determinado local, na relação entre o homem e o meio natural que o envolve. A POLISSEMIA DA POLIS, consiste em melhorar a qualidade de vida nas cidades, através de intervenções nas vertentes urbanística e ambiental, melhorando a atractivamente e competitividade de pólos urbanos que têm um papel relevante na estruturação do sistema urbano nacional. O PROGRAMA POLIS pretende desenvolver um conjunto de intervenções consideradas exemplares, com base em parcerias, especialmente entre Governo e Câmaras Municipais, que possam servir de referência para outras acções a desenvolver pelas autarquias locais. Assim, o PROGRAMA POLIS tem por principais objectivos específicos: Desenvolver grandes operações integradas de requalificação urbana com uma forte componente de valorização ambiental; Desenvolver acções que contribuam para a requalificação e revitalização de centros urbanos e que promovam a multifuncionalidade desses centros; Apoiar outras acções de requalificação que permitam melhorar a qualidade do ambiente urbano e valorizar a presença de elementos ambientais estruturantes tais como frentes de rio ou de costa; Apoiar iniciativas que visem aumentar as zonas verdes, promover áreas pedonais e condicionar o trânsito automóvel em centros urbanos. 9. CONCLUSÃO Em CLC_6 verifiquei a necessidade de alargar os meus conhecimentos das áreas de base, uma vez que, sem esses conhecimentos não iria compreender as regras e leis correspondentes à execução de eventos em determinadas áreas geográficas do país. Sílvia Gomes Fernandes – TOE2-DL/FM-2009 4