SlideShare uma empresa Scribd logo
MRP –

Planejamento de
Necessidades de
Materiais

(Material Requirements Planning)

Professor Ruy Alexandre Generoso
MRP – História
Foi desenvolvido na década de 60 para
exercer as funções de programação da
produção com objetivo de aproveitar a
capacidade
de
armazenamento
e
processamento de dados (demanda,
produção, estoques, estrutura de produtos,
etc.), decorrente da aplicação da
informática nas empresas.
MRP – Lógica
Programar atividades (compra / produção)
para o momento mais tarde possível, de
modo a minimizar os estoques carregados.
Parte da visão de futuro de necessidade de
produtos
acabados
e
depois
vem
“explodindo” nível a nível para trás no tempo.
A lógica do MRP é chamada de lógica de
“programação para trás”.
(backward scheduling)
MRP – Parâmetros Fundamentais

1) Políticas e tamanho do lote:
política de lotes mínimos
política de lotes máximos
política de períodos fixos

2) Estoques de Segurança
3) Lead times
Políticas e dos tamanhos de lotes
Vantagens da redução dos custos fixos
de produzir um lote ( set up )
Determinação do tamanho dos lotes de
compra
Vantagens da redução de custos fixos
de aquisição e lotes mínimos dos
fornecedores
Políticas e dos tamanhos de lotes
Políticas de lotes mínimos:
Indica a quantidade mínima de abertura de
uma ordem, permitindo desse nível mínimo
para cima qualquer quantidade.
Políticas e dos tamanhos de lotes
Políticas de lotes máximos:
Indica uma quantidade de lote máxima a ser
aberta, usada nos casos em que há uma
restrição física de volume no processo.
Políticas e dos tamanhos de lotes
Políticas de lotes fixos:
O sistema calcula todas as necessidades
ao longo de períodos futuros, de duração
definida, período a período, e concentra no
início desses períodos, os recebimentos
planejados do total das necessidades
calculadas.
Análise evolutiva dos estoques de segurança
Nível dos
estoques
curva de variação
histórica real dos
níveis de estoques

Estoque de
segurança (ES)
estimado

uso máximo no período do ES
estoque de segurança “sem uso”
no período: oportunidade de redução?
tempo
MRP – Lead Times
Componentes do lead times de produção:
tempo de emissão física da ordem
tempo de transmissão da ordem
tempo de formação do kit de componentes do
almoxarifado
tempos de transporte de materiais
tempos de fila, aguardando o processamento
tempos de preparação dos equipamentos
tempos de processamento
tempos gastos com possíveis inspeções

Estimar e monitorar os componentes do lead time
Reduzir os lead times de produção e compras
Considerações sobre lead-times
Emissão da
ordem

Espera em
Fila

Emissão do
pedido

Ordem

Setup Processamento

Tempo de entrega
do fornecedor

Necessidade
LT estimado

Inspeção

Recebimento Ordem Necessidade
Recebimento
tardio
tardio
LT estimado
FALTA
FALTA

LT real

Recebimento

Movimentação

LT real

Recebimento
Recebimento
antecipado
antecipado
ESTOQUE
ESTOQUE

Recebimento
MRP – Funcionamento

O modelo de controle de estoques do MRP
considera a dependência da demanda no
tempo, entre itens componentes de produtos
acabados.
Sabendo-se os tempos de obtenção de cada
item, pode-se calcular os momentos e as
quantidades que devem ser obtidos.
MRP – Funcionamento
Partindo da demanda no período por
produtos acabados, determinada no planomestre, o sistema calcula as necessidades
brutas dos demais itens dependentes, de
acordo com a estrutura do produto e o
roteiro de fabricação e de compras.
Inicia pelos componentes de nível superior e
desce até chegar às matérias-primas.
MRP – Estrutura
Os componentes diretos de outros itens são
chamados de “filhos”, os quais, por sua vez,
filhos
são chamados de “pais”.
pais
Podem
ser
organizados
em
um
organograma chamado de “estrutura do
produto” ou “árvore do produto” que
produto
produto
contém todas as relações “pai-filho”.
MRP – Estrutura
Cada nível e composto de retângulos que
representam
os
itens
componentes
devidamente identificados.
Acima
dos
retângulos
coloca-se
a
quantidade do item filho necessário por
unidade do item pai.
pai
Caso não exista tal quantidade, a relação é
de um para um.
MRP – Estrutura
Lapiseira
P207

Corpo
externo 207
10g
Plástico
ABS

Presilha
de bolso

Miolo
207

Corpo da
ponteira

Guia da
ponteira

Tampa
2g

.01g
Corante
azul

Tira
.1 mm
4x

Borracha
2 cm
Fio de
borracha

Capa da
borracha

Miolo
interno 207

Grafite
0.7 mm

2g
Tira
.1 mm

3x
Corpo do
miolo

Mola
7g

Plástico
ABS

Suporte
da garra
.05g

Corante
preto

Capa
da garra

Garras
Lista de Materiais “Indentada”
(Indented Bill of Materials)

Usada quando não
for possível gerar
uma representação
gráfica
do
tipo
“árvore do produto”

0 Lapiseira P 207
1 Corpo externo 207
2 Plástico ABS
2 Corante Azul
1 Presilha de bolso
1 Miolo
2 Borracha
3 Fio de borracha
2 Capa de borracha
3 Tira 0,1 mm
2 Miolo interno 207
3 Mola
3 Corpo de miolo
4 Plástico ABS
4 Corante preto
3 Suporte da garra

[...]
Explosão de
Necessidades
Brutas de
Materiais

Quantidade

Comp/Prod

Lapiseira P207

1.000

produzido

Corpo externo

1.000

produzido

Presilha bolso

1.000

comprado

Miolo

1.000

produzido

Corpo ponteira

1.000

comprado

Guia ponteira

Visa auxiliar na
identificação do
“que” e “quanto”
que
quanto
é necessário.

Item

1.000

comprado

Tampa

1.000

produzido

Plástico ABS

10 kg

comprado

Corante Azul

10 g

comprado

Tira 0,1 mm

2 kg

comprado

Borracha

1.000

produzido

Capa borracha

1.000

produzido

Miolo interno

1.000

produzido

Grafite

4.000

comprado

Fio da borracha

20 m

comprado
Explosão de
Necessidades
Brutas de
Materiais

t obtenção

Comp/Prod

Lapiseira P207

1 semana

produzido

Corpo externo

2 semanas

produzido

Presilha bolso

1 semana

comprado

Miolo

1 semana

produzido

Corpo ponteira

2 semanas

comprado

Guia ponteira

Representação
com os tempos
de obtenção de
cada um dos
itens.

Item

1 semana

comprado

Tampa

1 semana

produzido

Plástico ABS

1 semana

comprado

Corante Azul

2 semanas

comprado

Tira 0,1 mm

1 semana

comprado

Borracha

1 semana

produzido

Capa borracha

1 semana

produzido

Miolo interno

3 semanas

produzido

Grafite

2 semanas

comprado

Fio da borracha

1 semana

comprado
Explosão de Necessidades
Brutas de Materiais
Para melhor visualizar os Lead Times podese representar cada item como um
segmento de reta em vez de um retângulo.
A extremidade direita
finalização da produção.

representa

a

Tal representação permite ver com clareza
quais os momentos em que as atitudes
gerencias logísticas deverão ser tomadas ao
longo do tempo.
Explosão de
Necessidades
Brutas de
Materiais

C o rp o p o n te ir a
P lá s tic o
A B S (1 0 g )
LT = 1

LT = 2
P re s ilh a
LT = 1

C o ra n te a z u l
(.0 1 g )

T ir a
.1 m m (2 g )

LT = 2
F io d e
b o r ra c h a
(2 c m )
LT = 1

C a p a d a g a r ra
LT = 3
P lá s tic o
A B S (7 g )

LT = 2
G u ia p o n t
LT = 1
C o rp o e x te rn o

M o la

Tam pa

LT = 1

L a p is e ira

LT = 1

LT = 1

B o rra c h a
LT = 1

LT = 1
M io lo in te rn o

LT = 1

LT = 3

C o rp o d o m io lo

Capa da
T ir a
.1 m m (2 g ) b o r ra c h a

LT = 2

C o ra n te p re to
(.0 5 g )

G a rra (3 )

LT = 2

LT = 1

LT = 1

LT = 1

LT = 1

M io lo

G ra fite (4 )
S u p o rte d a g a rr a

LT = 2

LT = 2

12

13
OC

OC

c o ra n te
0 ,0 5 k g

14

c a p a d a g a rra
1000

15
O C m o la

OC

ABS
7 kg

OC

fio
20 m

OP
OC

g a rr a
3000

s u p o rte
1000

17
OC

1000

OP

c o rp o
1000

16

OC

m io lo in t.
1000

c o ra n te
0 ,0 1 k g

OC

18
OP

tira
2 kg
O C g ra fite
4000

b o rra c h a
1000

OP

19
OP

m io lo
1000

OP

20
OP

g u ia
1000
m
O C c o rp oO C 0ta0 p a
1 0
1000
O C A B S O C tira
O C p re s ilh a
10 kg
1000
2 kg
capa
1000

la p is e ira
1000

2 1 semana
P e d id o
la p is e ira
1000
Explosão de Necessidades
Líquidas de Materiais
São as quantidades a serem obtidas com
base na liberação, com as antecedências
dadas pelos tempos de obtenção de cada
um, de ordens de compra / produção, dos
itens em questão.
Calcula-se deduzindo das necessidades
brutas
as
quantidades
projetadas
disponíveis em estoque na semana
correspondente.
Necessidades brutas e líquidas
Fio de
borracha
(2cm) Borracha

estoque projetado Capa da garra
estoque projetado
para aa semana 16
para semana 16
LT = 3
garra = 1100
garra = 1100
Mola
Plástico
suporte = 150
suporte = 150
ABS (7g)

LT = 1

LT = 1

Miolo interno

LT = 1

estoque projetado
estoque projetado
para aa semana19:
para semana 19:
miolo int. = 250
Corante preto
miolo int. = 250
grafite = 1500
(.05g)
grafite = 1500

13

Tira
.1 mm
(2g)

LT = 2
Garra (3)

LT = 1

estoque projetado
estoque projetado
para aa semana20:
para semana 20:
miolo = 400
miolo = 400

12

LT = 3

Corpo do miolo

LT = 2

LT = 1

LT = 1

Capa da
borracha

Miolo

LT = 1

LT = 1

Grafite (4)

Suporte da garra

LT = 2

LT = 2

14

15
OC garra

OC suporte
200

0

16

OP miolo int.
350

17
OC grafite
900

18

19

20
OP lapiseira

OP miolo
600

1000
Registro Básico do MRP
As colunas representam os períodos de planejamento.
O momento presente é sempre o início do período 1.
O horizonte de planejamento é dividido em um número finito de
períodos.
A cada período eliminado pelo passar do tempo, um período é
incluído ao final do horizonte.

HOJE
Miolo
interno

Períodos
Necessidades brutas

1

=
LT 3 3

ES 200

4

5

230

6

400

7

8

380

600

100
280

380

380

200 200
0
50

Recebimento ordens plan
liberação ordens planej
Liberaçãoordens planej

3

100

Lote=1
Lote 1

Recebimentos program
Recebimento programado
(mínimo)
380
Estoque projetado

2

50

400
250

400
250

380

600

200
0

200 200
0
0
380
380

600
Registro Básico do MRP
As linhas representam o seguinte:
Necessidades Brutas: Traz exatamente as
necessidades de disponibilidade do item
representado em cada período futuro.
Representa, em termos físicos, saídas
esperadas de material do estoque, durante o
período em que as quantidades aparecem
no registro.
Registro Básico do MRP
As linhas representam o seguinte:
Recebimentos Programados: Representa,
em termos físicos, chegadas esperadas de
material ao estoque, durante o período em
que as quantidades aparecem no registro.
Registro Básico do MRP
As linhas representam o seguinte:
Estoque Disponível Projetado: Representa
as quantidades do item que se espera estar
disponível em estoque ao final do período.
Razão entre estoque ao final do período
anterior, mais as entradas em estoque
esperadas no período, menos as saídas de
estoque esperadas no período.
Registro Básico do MRP
As linhas representam o seguinte:
Recebimento de Ordens Planejadas:
Referem-se a quantidades de material que
deverão estar disponíveis no início do
período correspondente, para atender a
necessidades brutas que não possam ser
supridas pela quantidade disponível em
estoque ao final do período anterior.
Registro Básico do MRP
As linhas representam o seguinte:
Liberação
de
Ordens
Planejadas:
Referem-se às aberturas das ordens
planejadas a serem recebidas conforme
consta da linha de recebimento de ordem
planejadas.
Registro Básico do MRP – Convenções
O MRP não discrimina em qual momento do
período os recebimentos e as liberações ocorrerão,
portanto, por razões de segurança:
Recebimentos programados, recebimentos de
ordens planejadas e liberação de ordens
planejadas é de ocorrência no início do período.
Estoque disponível projetado é para a ocorrência
ao final do período.
Registro Básico do MRP – Convenções
Recebimento programado tem status de ordem
liberada, ou seja, alguma ação física já foi tomada
e não pode ser alterada pelo sistema de forma
autônoma.
Recebimentos de ordens planejadas nenhuma
ação física foi tomada, é apenas uma intenção. Se
a razão de sua existência desaparece, o sistema
elimina a ordem planejada.
Relações Pai-Filho no MRP
As demandas dos itens filhos são dependentes
da das demandas dos itens pais.
Os cálculos são feitos baseados nas
necessidades brutas dos itens registro a
registro.
Quando é definida a linha de “liberação de
ordens planejadas” de um item, essa
informação é usada para gerar a linha de
“necessidades brutas" de seus itens filhos.
Relações Pai-Filho no MRP
LAPISEIRA
Liber. de Ordens

LOTE
MÍNIMO 300
LT = 1
ES = 0

Lapiseira
P207

Grafite

3x
Suporte
da garra

1

350

Garras

MIOLO INTERNO
Nec. Brutas
LOTE
Rec. Progr.
LOTE A LOTE Estoque Disp.
300
LT = 3
Ordens Planejadas
ES = 300
Liber. de Ordens

LOTE
MÍNIMO 500
LT = 2
ES = 100

SUPORTE GARRA
Nec. Brutas
Rec. Progr.
Estoque Disp.
120
Ordens Planejadas
Liber. de Ordens

GARRA
Nec. Brutas
LOTE
Rec. Progr.
MÍNIMO 1500 Estoque Disp.
450
LT = 1
Ordens Planejadas
ES = 150
Liber. de Ordens

2
300
50

200
3

50

500

500

4
200

5

6

7
500

8
500

150
300

150

150

0
350
500

350

2

3
1200

4

5

250

550
1500

550

550

1

2

300

300

1000

0
500

300

GRAFITE
1
Nec. Brutas
LOTE
Rec. Progr.
MÚLTIPLO 500 Estoque Disp.
250 250
LT = 2
Ordens Planejadas
4x
ES = 250
Liber. de Ordens
1500

Miolo
Miolo
interno

MIOLO
Nec. Brutas
Rec. Progr.
Estoque Disp.
350
Ordens Planejadas
Liber. de Ordens

300

6
7
1400 2000

650 650
1500 2000
1500 2000
4000

3
300
300
300

4

5

300

350

500

10
1000
0

0
1000

1000
8

9
4000

10

650

650
4000

650

6
350

7
500

8

9
1000

10

300

300
350
1000

300
500

300

300
1000

300

6
1000

7

8

9

10

100

100

100

100

7

8

9

10

150

150

150

150

1

2

3
350

4
500

5

120

120

270
500

270

500

500

270
500
830

1

2

450

450

3
4
1050 1500

9

5

100
830
6
3000

900 900 900 150
1500 1500
2250
1500 1500
2250

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
Gilberto Freitas
 
Calculo giro de estoque
Calculo giro de estoqueCalculo giro de estoque
Calculo giro de estoque
Marcelo Lieuthier
 
Aula 1.4 GestãO De Estoques
Aula 1.4 GestãO De EstoquesAula 1.4 GestãO De Estoques
Aula 1.4 GestãO De Estoques
Vinícius Luiz
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
Moises Ribeiro
 
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Armazenagem
ArmazenagemArmazenagem
Armazenagem
UEMA
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de compras
HealthMinds Academy
 
MRP e JIT
MRP e JITMRP e JIT
MRP e JIT
Mauro Enrique
 
Curso Gestão de Centro de Distribuição
Curso Gestão de Centro de DistribuiçãoCurso Gestão de Centro de Distribuição
Curso Gestão de Centro de Distribuição
PSC Log
 
Cadeia de Suprimentos
Cadeia de SuprimentosCadeia de Suprimentos
Cadeia de Suprimentos
Adeildo Caboclo
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
Homero Alves de Lima
 
Aula de mrp
Aula de mrpAula de mrp
Aula de mrp
Moises Ribeiro
 
Gestão de estoques aula 02
Gestão de estoques  aula 02Gestão de estoques  aula 02
Gestão de estoques aula 02
Sirlei Vieira
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
Adilson Paradella
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
Crisleon Valadares
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
Charles Rebouças
 
Aula 01 gestao de materiais
Aula 01 gestao de materiaisAula 01 gestao de materiais
Aula 01 gestao de materiais
Larissa da Costa Melo
 
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
DougPabiton
 
Planejamento de Compras
Planejamento de ComprasPlanejamento de Compras
Planejamento de Compras
Nyedson Barbosa
 
Logística e cadeia de suprimento
Logística e cadeia de suprimentoLogística e cadeia de suprimento
Logística e cadeia de suprimento
Jader Windson
 

Mais procurados (20)

Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
 
Calculo giro de estoque
Calculo giro de estoqueCalculo giro de estoque
Calculo giro de estoque
 
Aula 1.4 GestãO De Estoques
Aula 1.4 GestãO De EstoquesAula 1.4 GestãO De Estoques
Aula 1.4 GestãO De Estoques
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
 
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Armazenagem
ArmazenagemArmazenagem
Armazenagem
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de compras
 
MRP e JIT
MRP e JITMRP e JIT
MRP e JIT
 
Curso Gestão de Centro de Distribuição
Curso Gestão de Centro de DistribuiçãoCurso Gestão de Centro de Distribuição
Curso Gestão de Centro de Distribuição
 
Cadeia de Suprimentos
Cadeia de SuprimentosCadeia de Suprimentos
Cadeia de Suprimentos
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
 
Aula de mrp
Aula de mrpAula de mrp
Aula de mrp
 
Gestão de estoques aula 02
Gestão de estoques  aula 02Gestão de estoques  aula 02
Gestão de estoques aula 02
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
 
Aula 01 gestao de materiais
Aula 01 gestao de materiaisAula 01 gestao de materiais
Aula 01 gestao de materiais
 
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
4853 planejamento programacaocontroleproducao_rsp
 
Planejamento de Compras
Planejamento de ComprasPlanejamento de Compras
Planejamento de Compras
 
Logística e cadeia de suprimento
Logística e cadeia de suprimentoLogística e cadeia de suprimento
Logística e cadeia de suprimento
 

Destaque

Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoesGerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Jucioliver
 
MRP - Estudo de Caso
MRP - Estudo de CasoMRP - Estudo de Caso
MRP - Estudo de Caso
Richardson Sales
 
gestão de estoques
gestão de estoquesgestão de estoques
gestão de estoques
Walter Moraes
 
Mrp
MrpMrp
Apostila da disciplina de Gestão de Operações
Apostila da disciplina de Gestão de OperaçõesApostila da disciplina de Gestão de Operações
Apostila da disciplina de Gestão de Operações
Sustentare Escola de Negócios
 
Aula mrp
Aula  mrpAula  mrp
Aula mrp
Lucas Souza
 

Destaque (6)

Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoesGerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
Gerenciamento de-projetos-exercicios-resolvidos-estudo-de-casos-e-simulacoes
 
MRP - Estudo de Caso
MRP - Estudo de CasoMRP - Estudo de Caso
MRP - Estudo de Caso
 
gestão de estoques
gestão de estoquesgestão de estoques
gestão de estoques
 
Mrp
MrpMrp
Mrp
 
Apostila da disciplina de Gestão de Operações
Apostila da disciplina de Gestão de OperaçõesApostila da disciplina de Gestão de Operações
Apostila da disciplina de Gestão de Operações
 
Aula mrp
Aula  mrpAula  mrp
Aula mrp
 

Material para cálculo de mrp

  • 1. MRP – Planejamento de Necessidades de Materiais (Material Requirements Planning) Professor Ruy Alexandre Generoso
  • 2. MRP – História Foi desenvolvido na década de 60 para exercer as funções de programação da produção com objetivo de aproveitar a capacidade de armazenamento e processamento de dados (demanda, produção, estoques, estrutura de produtos, etc.), decorrente da aplicação da informática nas empresas.
  • 3. MRP – Lógica Programar atividades (compra / produção) para o momento mais tarde possível, de modo a minimizar os estoques carregados. Parte da visão de futuro de necessidade de produtos acabados e depois vem “explodindo” nível a nível para trás no tempo. A lógica do MRP é chamada de lógica de “programação para trás”. (backward scheduling)
  • 4. MRP – Parâmetros Fundamentais 1) Políticas e tamanho do lote: política de lotes mínimos política de lotes máximos política de períodos fixos 2) Estoques de Segurança 3) Lead times
  • 5. Políticas e dos tamanhos de lotes Vantagens da redução dos custos fixos de produzir um lote ( set up ) Determinação do tamanho dos lotes de compra Vantagens da redução de custos fixos de aquisição e lotes mínimos dos fornecedores
  • 6. Políticas e dos tamanhos de lotes Políticas de lotes mínimos: Indica a quantidade mínima de abertura de uma ordem, permitindo desse nível mínimo para cima qualquer quantidade.
  • 7. Políticas e dos tamanhos de lotes Políticas de lotes máximos: Indica uma quantidade de lote máxima a ser aberta, usada nos casos em que há uma restrição física de volume no processo.
  • 8. Políticas e dos tamanhos de lotes Políticas de lotes fixos: O sistema calcula todas as necessidades ao longo de períodos futuros, de duração definida, período a período, e concentra no início desses períodos, os recebimentos planejados do total das necessidades calculadas.
  • 9. Análise evolutiva dos estoques de segurança Nível dos estoques curva de variação histórica real dos níveis de estoques Estoque de segurança (ES) estimado uso máximo no período do ES estoque de segurança “sem uso” no período: oportunidade de redução? tempo
  • 10. MRP – Lead Times Componentes do lead times de produção: tempo de emissão física da ordem tempo de transmissão da ordem tempo de formação do kit de componentes do almoxarifado tempos de transporte de materiais tempos de fila, aguardando o processamento tempos de preparação dos equipamentos tempos de processamento tempos gastos com possíveis inspeções Estimar e monitorar os componentes do lead time Reduzir os lead times de produção e compras
  • 11. Considerações sobre lead-times Emissão da ordem Espera em Fila Emissão do pedido Ordem Setup Processamento Tempo de entrega do fornecedor Necessidade LT estimado Inspeção Recebimento Ordem Necessidade Recebimento tardio tardio LT estimado FALTA FALTA LT real Recebimento Movimentação LT real Recebimento Recebimento antecipado antecipado ESTOQUE ESTOQUE Recebimento
  • 12. MRP – Funcionamento O modelo de controle de estoques do MRP considera a dependência da demanda no tempo, entre itens componentes de produtos acabados. Sabendo-se os tempos de obtenção de cada item, pode-se calcular os momentos e as quantidades que devem ser obtidos.
  • 13. MRP – Funcionamento Partindo da demanda no período por produtos acabados, determinada no planomestre, o sistema calcula as necessidades brutas dos demais itens dependentes, de acordo com a estrutura do produto e o roteiro de fabricação e de compras. Inicia pelos componentes de nível superior e desce até chegar às matérias-primas.
  • 14. MRP – Estrutura Os componentes diretos de outros itens são chamados de “filhos”, os quais, por sua vez, filhos são chamados de “pais”. pais Podem ser organizados em um organograma chamado de “estrutura do produto” ou “árvore do produto” que produto produto contém todas as relações “pai-filho”.
  • 15. MRP – Estrutura Cada nível e composto de retângulos que representam os itens componentes devidamente identificados. Acima dos retângulos coloca-se a quantidade do item filho necessário por unidade do item pai. pai Caso não exista tal quantidade, a relação é de um para um.
  • 16. MRP – Estrutura Lapiseira P207 Corpo externo 207 10g Plástico ABS Presilha de bolso Miolo 207 Corpo da ponteira Guia da ponteira Tampa 2g .01g Corante azul Tira .1 mm 4x Borracha 2 cm Fio de borracha Capa da borracha Miolo interno 207 Grafite 0.7 mm 2g Tira .1 mm 3x Corpo do miolo Mola 7g Plástico ABS Suporte da garra .05g Corante preto Capa da garra Garras
  • 17. Lista de Materiais “Indentada” (Indented Bill of Materials) Usada quando não for possível gerar uma representação gráfica do tipo “árvore do produto” 0 Lapiseira P 207 1 Corpo externo 207 2 Plástico ABS 2 Corante Azul 1 Presilha de bolso 1 Miolo 2 Borracha 3 Fio de borracha 2 Capa de borracha 3 Tira 0,1 mm 2 Miolo interno 207 3 Mola 3 Corpo de miolo 4 Plástico ABS 4 Corante preto 3 Suporte da garra [...]
  • 18. Explosão de Necessidades Brutas de Materiais Quantidade Comp/Prod Lapiseira P207 1.000 produzido Corpo externo 1.000 produzido Presilha bolso 1.000 comprado Miolo 1.000 produzido Corpo ponteira 1.000 comprado Guia ponteira Visa auxiliar na identificação do “que” e “quanto” que quanto é necessário. Item 1.000 comprado Tampa 1.000 produzido Plástico ABS 10 kg comprado Corante Azul 10 g comprado Tira 0,1 mm 2 kg comprado Borracha 1.000 produzido Capa borracha 1.000 produzido Miolo interno 1.000 produzido Grafite 4.000 comprado Fio da borracha 20 m comprado
  • 19. Explosão de Necessidades Brutas de Materiais t obtenção Comp/Prod Lapiseira P207 1 semana produzido Corpo externo 2 semanas produzido Presilha bolso 1 semana comprado Miolo 1 semana produzido Corpo ponteira 2 semanas comprado Guia ponteira Representação com os tempos de obtenção de cada um dos itens. Item 1 semana comprado Tampa 1 semana produzido Plástico ABS 1 semana comprado Corante Azul 2 semanas comprado Tira 0,1 mm 1 semana comprado Borracha 1 semana produzido Capa borracha 1 semana produzido Miolo interno 3 semanas produzido Grafite 2 semanas comprado Fio da borracha 1 semana comprado
  • 20. Explosão de Necessidades Brutas de Materiais Para melhor visualizar os Lead Times podese representar cada item como um segmento de reta em vez de um retângulo. A extremidade direita finalização da produção. representa a Tal representação permite ver com clareza quais os momentos em que as atitudes gerencias logísticas deverão ser tomadas ao longo do tempo.
  • 21. Explosão de Necessidades Brutas de Materiais C o rp o p o n te ir a P lá s tic o A B S (1 0 g ) LT = 1 LT = 2 P re s ilh a LT = 1 C o ra n te a z u l (.0 1 g ) T ir a .1 m m (2 g ) LT = 2 F io d e b o r ra c h a (2 c m ) LT = 1 C a p a d a g a r ra LT = 3 P lá s tic o A B S (7 g ) LT = 2 G u ia p o n t LT = 1 C o rp o e x te rn o M o la Tam pa LT = 1 L a p is e ira LT = 1 LT = 1 B o rra c h a LT = 1 LT = 1 M io lo in te rn o LT = 1 LT = 3 C o rp o d o m io lo Capa da T ir a .1 m m (2 g ) b o r ra c h a LT = 2 C o ra n te p re to (.0 5 g ) G a rra (3 ) LT = 2 LT = 1 LT = 1 LT = 1 LT = 1 M io lo G ra fite (4 ) S u p o rte d a g a rr a LT = 2 LT = 2 12 13 OC OC c o ra n te 0 ,0 5 k g 14 c a p a d a g a rra 1000 15 O C m o la OC ABS 7 kg OC fio 20 m OP OC g a rr a 3000 s u p o rte 1000 17 OC 1000 OP c o rp o 1000 16 OC m io lo in t. 1000 c o ra n te 0 ,0 1 k g OC 18 OP tira 2 kg O C g ra fite 4000 b o rra c h a 1000 OP 19 OP m io lo 1000 OP 20 OP g u ia 1000 m O C c o rp oO C 0ta0 p a 1 0 1000 O C A B S O C tira O C p re s ilh a 10 kg 1000 2 kg capa 1000 la p is e ira 1000 2 1 semana P e d id o la p is e ira 1000
  • 22. Explosão de Necessidades Líquidas de Materiais São as quantidades a serem obtidas com base na liberação, com as antecedências dadas pelos tempos de obtenção de cada um, de ordens de compra / produção, dos itens em questão. Calcula-se deduzindo das necessidades brutas as quantidades projetadas disponíveis em estoque na semana correspondente.
  • 23. Necessidades brutas e líquidas Fio de borracha (2cm) Borracha estoque projetado Capa da garra estoque projetado para aa semana 16 para semana 16 LT = 3 garra = 1100 garra = 1100 Mola Plástico suporte = 150 suporte = 150 ABS (7g) LT = 1 LT = 1 Miolo interno LT = 1 estoque projetado estoque projetado para aa semana19: para semana 19: miolo int. = 250 Corante preto miolo int. = 250 grafite = 1500 (.05g) grafite = 1500 13 Tira .1 mm (2g) LT = 2 Garra (3) LT = 1 estoque projetado estoque projetado para aa semana20: para semana 20: miolo = 400 miolo = 400 12 LT = 3 Corpo do miolo LT = 2 LT = 1 LT = 1 Capa da borracha Miolo LT = 1 LT = 1 Grafite (4) Suporte da garra LT = 2 LT = 2 14 15 OC garra OC suporte 200 0 16 OP miolo int. 350 17 OC grafite 900 18 19 20 OP lapiseira OP miolo 600 1000
  • 24. Registro Básico do MRP As colunas representam os períodos de planejamento. O momento presente é sempre o início do período 1. O horizonte de planejamento é dividido em um número finito de períodos. A cada período eliminado pelo passar do tempo, um período é incluído ao final do horizonte. HOJE Miolo interno Períodos Necessidades brutas 1 = LT 3 3 ES 200 4 5 230 6 400 7 8 380 600 100 280 380 380 200 200 0 50 Recebimento ordens plan liberação ordens planej Liberaçãoordens planej 3 100 Lote=1 Lote 1 Recebimentos program Recebimento programado (mínimo) 380 Estoque projetado 2 50 400 250 400 250 380 600 200 0 200 200 0 0 380 380 600
  • 25. Registro Básico do MRP As linhas representam o seguinte: Necessidades Brutas: Traz exatamente as necessidades de disponibilidade do item representado em cada período futuro. Representa, em termos físicos, saídas esperadas de material do estoque, durante o período em que as quantidades aparecem no registro.
  • 26. Registro Básico do MRP As linhas representam o seguinte: Recebimentos Programados: Representa, em termos físicos, chegadas esperadas de material ao estoque, durante o período em que as quantidades aparecem no registro.
  • 27. Registro Básico do MRP As linhas representam o seguinte: Estoque Disponível Projetado: Representa as quantidades do item que se espera estar disponível em estoque ao final do período. Razão entre estoque ao final do período anterior, mais as entradas em estoque esperadas no período, menos as saídas de estoque esperadas no período.
  • 28. Registro Básico do MRP As linhas representam o seguinte: Recebimento de Ordens Planejadas: Referem-se a quantidades de material que deverão estar disponíveis no início do período correspondente, para atender a necessidades brutas que não possam ser supridas pela quantidade disponível em estoque ao final do período anterior.
  • 29. Registro Básico do MRP As linhas representam o seguinte: Liberação de Ordens Planejadas: Referem-se às aberturas das ordens planejadas a serem recebidas conforme consta da linha de recebimento de ordem planejadas.
  • 30. Registro Básico do MRP – Convenções O MRP não discrimina em qual momento do período os recebimentos e as liberações ocorrerão, portanto, por razões de segurança: Recebimentos programados, recebimentos de ordens planejadas e liberação de ordens planejadas é de ocorrência no início do período. Estoque disponível projetado é para a ocorrência ao final do período.
  • 31. Registro Básico do MRP – Convenções Recebimento programado tem status de ordem liberada, ou seja, alguma ação física já foi tomada e não pode ser alterada pelo sistema de forma autônoma. Recebimentos de ordens planejadas nenhuma ação física foi tomada, é apenas uma intenção. Se a razão de sua existência desaparece, o sistema elimina a ordem planejada.
  • 32. Relações Pai-Filho no MRP As demandas dos itens filhos são dependentes da das demandas dos itens pais. Os cálculos são feitos baseados nas necessidades brutas dos itens registro a registro. Quando é definida a linha de “liberação de ordens planejadas” de um item, essa informação é usada para gerar a linha de “necessidades brutas" de seus itens filhos.
  • 33. Relações Pai-Filho no MRP LAPISEIRA Liber. de Ordens LOTE MÍNIMO 300 LT = 1 ES = 0 Lapiseira P207 Grafite 3x Suporte da garra 1 350 Garras MIOLO INTERNO Nec. Brutas LOTE Rec. Progr. LOTE A LOTE Estoque Disp. 300 LT = 3 Ordens Planejadas ES = 300 Liber. de Ordens LOTE MÍNIMO 500 LT = 2 ES = 100 SUPORTE GARRA Nec. Brutas Rec. Progr. Estoque Disp. 120 Ordens Planejadas Liber. de Ordens GARRA Nec. Brutas LOTE Rec. Progr. MÍNIMO 1500 Estoque Disp. 450 LT = 1 Ordens Planejadas ES = 150 Liber. de Ordens 2 300 50 200 3 50 500 500 4 200 5 6 7 500 8 500 150 300 150 150 0 350 500 350 2 3 1200 4 5 250 550 1500 550 550 1 2 300 300 1000 0 500 300 GRAFITE 1 Nec. Brutas LOTE Rec. Progr. MÚLTIPLO 500 Estoque Disp. 250 250 LT = 2 Ordens Planejadas 4x ES = 250 Liber. de Ordens 1500 Miolo Miolo interno MIOLO Nec. Brutas Rec. Progr. Estoque Disp. 350 Ordens Planejadas Liber. de Ordens 300 6 7 1400 2000 650 650 1500 2000 1500 2000 4000 3 300 300 300 4 5 300 350 500 10 1000 0 0 1000 1000 8 9 4000 10 650 650 4000 650 6 350 7 500 8 9 1000 10 300 300 350 1000 300 500 300 300 1000 300 6 1000 7 8 9 10 100 100 100 100 7 8 9 10 150 150 150 150 1 2 3 350 4 500 5 120 120 270 500 270 500 500 270 500 830 1 2 450 450 3 4 1050 1500 9 5 100 830 6 3000 900 900 900 150 1500 1500 2250 1500 1500 2250