SlideShare uma empresa Scribd logo
A REDUÇÃO SOCIOLÓGICA DE GUERREIRO RAMOS
Viegas Fernandes da Costa
Professor de História do IFSC
Objetivo:
Nesta obra, originalmente publicada em 1958, Guerreiro Ramos
pretende discutir um conjunto de regras metodológicas para a
Sociologia, que chama de Redução Sociológica, bem como inserir o
debate sobre a sociologia brasileira em um contexto “universal”. A
pretensão é, de modo geral, propor um método sociológico nacional.
Metodologia:
O autor reúne pressupostos teóricos que desenvolveu em aulas e
conferências, para discutir um método sociológico nacional. O
autor reconhece tratar-se de um esboço. Na realidade, trata-se
de um exercício teórico que parte da própria Redução
Sociológica, para pensar a reflexão sociológica brasileira como
condição das estruturas de desenvolvimento nas quais o Brasil
se encontrava no tempo da redação do livro.
Principais conceitos:
Redução sociológica, um método de análise de concepções e
fatos sociais. Segundo Ramos, “a redução sociológica é um método
destinado a habilitar o estudioso a praticar a transposição do
conhecimento e de experiências de uma perspectiva para outra.” (p.
54).
Por Redução, o autor compreende a ideia de eliminar tudo aquilo
que lhe é desnecessário, uma depuração.
Por desenvolvimento Ramos compreende “a promoção mediante
a qual as regiões e nações passam de uma estrutura a outra
superior” (p. 149). Estruturas elevadas são aquelas capazes de
liberar a mão de obra do setor primário e transferi-la para o
secundário.
PRESSUPOSTOS
Ramos parte do pressuposto de que existe uma perspectiva
brasileira para a sociologia, e reconhece a emergência de uma
consciência crítica da realidade nacional, verificada a partir das
primeiras décadas do século XX. O Brasil deixou de ser mero
reflexo colonial, e assumiu consciência própria, motivada pelo
surgimento de uma infraestrutura e dos “imperativos de
desenvolvimento”, promovendo uma autoconsciência coletiva.
Abandonou, assim, sua condição vegetativa, larvar. Ao afirmar isto,
Ramos retoma a controvertida tese dos povos naturais X povos
históricos, e defende que, ao assumir a compreensão da sua própria
situação, eleva-se à condição histórica, à “consciência da
liberdade”. Liberdade no sentido de uma dependência menor em
relação às tradições, de uma “personalização”, ou “personalidade
histórica”, que é aquela que possui consciência autônoma.
A consciência crítica constitui-se na capacidade de um povo refletir
sobre seus determinantes (p. 61), que é o que distingue a pessoa da
coisa. Ramos cita o exemplo das nações asiáticas e africanas que
lutavam contra o nacionalismo enquanto sistema, e não apenas de
forma reativa, pela sobrevivência. A consciência crítica “é a luta pela
posse de um destino próprio” (p. 62), que implica em uma
autodeterminação que não exclui o diálogo com aquilo que o autor
chama de consciência universal. Ou seja, a consciência crítica coloca
o autor coletivo em uma posição que não se confunde com o
nacionalismo que exclui o universal.
Fatores que permitiram o surgimento de uma consciência crítica
no Brasil
Industrialização.
Urbanização.
mudanças nos hábitos de consumo.
“Quanto mais uma população assimila hábitos de consumo não
vegetativos, tanto mais cresce uma consciência política, e maior se
torna a sua pressão no sentido de obter recursos que lhe asseguram
níveis superiores de existência” (p. 78).
A Redução Sociológica é uma atitude metódica que obedece
regras e depura objetos. Parte do pressuposto de que a realidade
social é dotada de sentido. Postula uma noção de mundo, ou seja,
estabelece que consciência e objetos estão relacionados. É
perspectivista, porque entende que o sentido dado a um objeto só é
possível dentro do seu contexto. Seus suportes são coletivos, na
medida em que um ponto de vista é limitado pela sua situação.
Estabelece um procedimento crítico-assimilativo da experiência
estrangeira e é uma atitude que mostra os pressupostos histórico-
sociais dos objetos.
Antecedente filosófico
A fenomenologia, principalmente de Husserl e Heidegger, com a
ideia do sujeito enquanto ser-no-mundo, sem transcedentalidade.
Para Ramos, “um objeto cultural é constituído não só pelos seus
elementos objetivos, mas também pela função que exerce no
sistema de objetos de que faz parte” (p. 98). Daí o entendimento de
Ramos de que produtos culturais não produzem os mesmos efeitos
em contextos diferentes daqueles para os quais foram criados. Uma
sociedade que substitui suas estruturas, precisa substituir também
seus conceitos teóricos, até então importados por sua condição
colonial.
Antecedentes sociológicos
Sociologia do conhecimento, o materialismo de Marx e a
sociologia compreensiva de Monnerot, que apresenta a tese de
que a condição humana está sempre situada e datada.
A redução sociológica busca “descobrir as implicações
referenciais, de natureza histórico-social, de toda sorte de
produção intelectual e em referir sistematicamente essa produção
ao contexto em que se verifica, para apreender exaustivamente o
seu significado” (p. 105).
Outros antecedentes sociológicos provêm de Mannheim, Marx,
Luckács, etc, principalmente dos estudos que consideram o papel
da ideologia na ciência.
Leis da Redução Sociológica
Lei do comprometimento: a redução sociológica só pode ocorrer
a um sociólogo de um país periférico se este estiver conscientemente
engajado com seu contexto, ou seja, não há ciência imune à
condicionamentos, porque “vivemos necessariamente a visão de
mundo da nossa época e da nossa nação” (p. 115).
Lei do caráter subsidiário da produção científica estrangeira:
uma teoria, um conceito e uma técnica são criados para atender a
uma intencionalidade. “Ao utilizarmos um objeto ou produto, sem
reduzi-lo, somos envolvidos pela intencionalidade de que é portador”
(p. 122). É, portanto, a própria sociedade que deve impor ao
sociólogo seus objetos, e a produção teórica estrangeira deve ser
condicionada aos fatos particulares desta sociedade.
Lei da universalidade dos enunciados gerais da ciência: reconhece que
só há universalidade no domínio dos enunciados gerais. Os cientistas
integram uma rede de trocas, que é universal, e ocupam um mesmo campo
semântico com um repertório de enunciados amplamente aceito e
compartilhado. Fora isto, a sociologia é nacional, na medida em que seus
sociólogos são motivados por uma nova condição social, não colonial, à qual
são convocados a responder. Esta sociologia nacional, entretanto, não se
reduz a uma sociologia aplicada.
Lei das fases: a fase em que se encontra uma sociedade interfere nas
possibilidades da redução sociológica. Ramos parte de Marx, quando este
escreve que filósofos não brotam da terra como cogumelos, mas são frutos
do seu tempo. Ou seja, a noção de razão histórica. É forte a influência do
marxismo nesta lei, bem como de Mauss e sua ideia de “fenômeno social
total”: “o pensamento em termos de fase fundamenta-se na categoria de
totalidade. A fase é uma totalidade histórico-social, cujas partes estão
dialeticamente relacionadas” (p. 142).
Critérios de avaliação do desenvolvimento
Estão relacionados aos aspectos econômicos, principalmente do
aumento de produtividade e sua relação com as melhorias nos níveis de
vida.
Ramos divide as condições para o desenvolvimento em termos primários
e secundários, e defende que, para se analisar as condições de
desenvolvimento dos países periféricos, é fundamental que se
reconheçam seus termos primários, e que estes sejam diferenciados dos
secundários. Por termos primários compreende-se: distribuição de mão
de obra pelos ramos da atividade econômica, renda nacional per capita,
consumo per capita de energia, urbanização e produção industrial (p.
155).
Considerações finais
A proposta de Ramos apresentou um exercício de reflexão sociológica
nacional. Seus méritos estão na defesa de uma assimilação crítica dos
instrumentos teóricos da sociologia, desenvolvidos nos EUA e Europa. Algo
que no campo artístico ficou conhecido como “movimento antropofágico”. O
que Ramos propõe para a sociologia foi o que Mário e Oswald de Andrade
propuseram para a produção intelectual e artística brasileira após 1922.
Também o entendimento fenomenológico e culturalista do campo semântico
das ciências sociais contribuiu para problematizar a assimilação literal de
postulados, atitude própria do colonialismo. Por outro lado, a proposta
encontra-se desatualizada, principalmente naquilo que diz respeito ao
entendimento que faz do conceito de desenvolvimento, submetendo-o às
perspectivas econômicas e atrelando-o a uma perspectiva teleológica. Sua
proposta, no contexto em que foi apresentada, encontrou dificuldades de lidar
com a realidade do socialismo de Estado, à época uma realidade. Por outro
lado, há de se considerar sob a perspectiva da Redução Sociológica a
proposta de redução sociológica de Ramos. Neste sentido, conclui-se este
como o resultado de sua visão de mundo motivada por sua época e sua
nação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
Portal do Vestibulando
 
Felix guattari
Felix guattariFelix guattari
Felix guattari
Lucas Xavier
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Revolução industrial 3
Revolução industrial 3Revolução industrial 3
Revolução industrial 3
Tamara Silva
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
Fábio Nogueira, PhD
 
Mudanças sociais
Mudanças sociaisMudanças sociais
Mudanças sociais
Colegio GGE
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 
Origem da Psicologia
Origem da Psicologia Origem da Psicologia
Origem da Psicologia
ritateixeira17
 
A cultura do cancelamento
A cultura do cancelamentoA cultura do cancelamento
A cultura do cancelamento
DaianaCorreia8
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Roney Gusmão
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Beatriz Schnaider Tontini
 
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Rodrigo Pavesi
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Bruna Talita
 
senso comum e senso critico
senso comum e senso criticosenso comum e senso critico
senso comum e senso critico
JordeniSoaresGuimare
 
Pos verdade: e a informação?
Pos verdade: e a informação?Pos verdade: e a informação?
Pos verdade: e a informação?
Charlley Luz
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
José Antonio Ferreira da Silva
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
Péricles Penuel
 
Palestra dos desprazeres aos prazeres no trabalho
Palestra dos desprazeres aos prazeres no trabalhoPalestra dos desprazeres aos prazeres no trabalho
Palestra dos desprazeres aos prazeres no trabalho
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais
2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais
2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais
Karoline Rodrigues de Melo
 

Mais procurados (20)

Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
Felix guattari
Felix guattariFelix guattari
Felix guattari
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Revolução industrial 3
Revolução industrial 3Revolução industrial 3
Revolução industrial 3
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
 
Mudanças sociais
Mudanças sociaisMudanças sociais
Mudanças sociais
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Origem da Psicologia
Origem da Psicologia Origem da Psicologia
Origem da Psicologia
 
A cultura do cancelamento
A cultura do cancelamentoA cultura do cancelamento
A cultura do cancelamento
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
 
senso comum e senso critico
senso comum e senso criticosenso comum e senso critico
senso comum e senso critico
 
Pos verdade: e a informação?
Pos verdade: e a informação?Pos verdade: e a informação?
Pos verdade: e a informação?
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Palestra dos desprazeres aos prazeres no trabalho
Palestra dos desprazeres aos prazeres no trabalhoPalestra dos desprazeres aos prazeres no trabalho
Palestra dos desprazeres aos prazeres no trabalho
 
2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais
2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais
2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais
 

Semelhante a A redução sociológica de Guerreiro Ramos

1620 3248-1-sm
1620 3248-1-sm1620 3248-1-sm
1620 3248-1-sm
Marcos Aurélio
 
Correntes teórico metodológicas do Serviço Social
Correntes teórico metodológicas do Serviço SocialCorrentes teórico metodológicas do Serviço Social
Correntes teórico metodológicas do Serviço Social
Carol Alves
 
Thinking about civilizations
Thinking about civilizationsThinking about civilizations
Thinking about civilizations
Rafael Pinto
 
Epistemologia da Razão Substantiva de Alberto Guerreiro Ramos
Epistemologia da Razão Substantiva de Alberto Guerreiro RamosEpistemologia da Razão Substantiva de Alberto Guerreiro Ramos
Epistemologia da Razão Substantiva de Alberto Guerreiro Ramos
Gabriel Siqueira
 
COLÉGIO OLAVO BILAC - 3ª série IV nota de filosofia
COLÉGIO OLAVO BILAC - 3ª série   IV  nota de filosofiaCOLÉGIO OLAVO BILAC - 3ª série   IV  nota de filosofia
COLÉGIO OLAVO BILAC - 3ª série IV nota de filosofia
Jorge Marcos Oliveira
 
O diálogo entre anthony giddens
O diálogo entre anthony giddensO diálogo entre anthony giddens
O diálogo entre anthony giddens
Jailma Gomez
 
O diálogo entre anthony giddens
O diálogo entre anthony giddensO diálogo entre anthony giddens
O diálogo entre anthony giddens
Jailma Gomez
 
O poder da ideologia
O poder da ideologiaO poder da ideologia
O poder da ideologia
Kelly Ane
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Elsa Mattos
 
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
DouglasElaine Moraes
 
O momento gramsciano
O momento gramscianoO momento gramsciano
O momento gramsciano
Juliana Sarieddine
 
Revista sociologia
Revista sociologiaRevista sociologia
Revista sociologia
Armazém Do Educador
 
Decolonial o outro e seu olhar
Decolonial  o outro e seu olharDecolonial  o outro e seu olhar
Decolonial o outro e seu olhar
Nana Fonseca
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Jessica Amaral
 
Etnometodologia parte II - COULON
Etnometodologia parte II - COULONEtnometodologia parte II - COULON
Etnometodologia parte II - COULON
Raquel Salcedo Gomes
 
Ideologia e adorno
Ideologia e adornoIdeologia e adorno
Ideologia e adorno
Patricia Á Carvalho
 
Res1 rev6
Res1 rev6Res1 rev6
Res1 rev6
Mauro Oliveira
 
Met rp, minayo
Met rp, minayoMet rp, minayo
Met rp, minayo
Lidiane Sommer
 
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos HumanosConcepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Karla Amaral
 
Matriz de objeto_de_avaliação_do_pas_primeira_etapa_subprograma_2013-2015
Matriz de objeto_de_avaliação_do_pas_primeira_etapa_subprograma_2013-2015Matriz de objeto_de_avaliação_do_pas_primeira_etapa_subprograma_2013-2015
Matriz de objeto_de_avaliação_do_pas_primeira_etapa_subprograma_2013-2015
tiago200202
 

Semelhante a A redução sociológica de Guerreiro Ramos (20)

1620 3248-1-sm
1620 3248-1-sm1620 3248-1-sm
1620 3248-1-sm
 
Correntes teórico metodológicas do Serviço Social
Correntes teórico metodológicas do Serviço SocialCorrentes teórico metodológicas do Serviço Social
Correntes teórico metodológicas do Serviço Social
 
Thinking about civilizations
Thinking about civilizationsThinking about civilizations
Thinking about civilizations
 
Epistemologia da Razão Substantiva de Alberto Guerreiro Ramos
Epistemologia da Razão Substantiva de Alberto Guerreiro RamosEpistemologia da Razão Substantiva de Alberto Guerreiro Ramos
Epistemologia da Razão Substantiva de Alberto Guerreiro Ramos
 
COLÉGIO OLAVO BILAC - 3ª série IV nota de filosofia
COLÉGIO OLAVO BILAC - 3ª série   IV  nota de filosofiaCOLÉGIO OLAVO BILAC - 3ª série   IV  nota de filosofia
COLÉGIO OLAVO BILAC - 3ª série IV nota de filosofia
 
O diálogo entre anthony giddens
O diálogo entre anthony giddensO diálogo entre anthony giddens
O diálogo entre anthony giddens
 
O diálogo entre anthony giddens
O diálogo entre anthony giddensO diálogo entre anthony giddens
O diálogo entre anthony giddens
 
O poder da ideologia
O poder da ideologiaO poder da ideologia
O poder da ideologia
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
 
O momento gramsciano
O momento gramscianoO momento gramsciano
O momento gramsciano
 
Revista sociologia
Revista sociologiaRevista sociologia
Revista sociologia
 
Decolonial o outro e seu olhar
Decolonial  o outro e seu olharDecolonial  o outro e seu olhar
Decolonial o outro e seu olhar
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
 
Etnometodologia parte II - COULON
Etnometodologia parte II - COULONEtnometodologia parte II - COULON
Etnometodologia parte II - COULON
 
Ideologia e adorno
Ideologia e adornoIdeologia e adorno
Ideologia e adorno
 
Res1 rev6
Res1 rev6Res1 rev6
Res1 rev6
 
Met rp, minayo
Met rp, minayoMet rp, minayo
Met rp, minayo
 
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos HumanosConcepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
Concepções e reflexões sobre o Multiculturalismo e Direitos Humanos
 
Matriz de objeto_de_avaliação_do_pas_primeira_etapa_subprograma_2013-2015
Matriz de objeto_de_avaliação_do_pas_primeira_etapa_subprograma_2013-2015Matriz de objeto_de_avaliação_do_pas_primeira_etapa_subprograma_2013-2015
Matriz de objeto_de_avaliação_do_pas_primeira_etapa_subprograma_2013-2015
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Viegas Fernandes da Costa
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
Viegas Fernandes da Costa
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
Viegas Fernandes da Costa
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Viegas Fernandes da Costa
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Viegas Fernandes da Costa
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Viegas Fernandes da Costa
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
Viegas Fernandes da Costa
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Viegas Fernandes da Costa
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
Viegas Fernandes da Costa
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Viegas Fernandes da Costa
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Viegas Fernandes da Costa
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
Viegas Fernandes da Costa
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa (20)

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
Tarde.
 
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
 

Último

Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 

A redução sociológica de Guerreiro Ramos

  • 1. A REDUÇÃO SOCIOLÓGICA DE GUERREIRO RAMOS Viegas Fernandes da Costa Professor de História do IFSC
  • 2. Objetivo: Nesta obra, originalmente publicada em 1958, Guerreiro Ramos pretende discutir um conjunto de regras metodológicas para a Sociologia, que chama de Redução Sociológica, bem como inserir o debate sobre a sociologia brasileira em um contexto “universal”. A pretensão é, de modo geral, propor um método sociológico nacional.
  • 3. Metodologia: O autor reúne pressupostos teóricos que desenvolveu em aulas e conferências, para discutir um método sociológico nacional. O autor reconhece tratar-se de um esboço. Na realidade, trata-se de um exercício teórico que parte da própria Redução Sociológica, para pensar a reflexão sociológica brasileira como condição das estruturas de desenvolvimento nas quais o Brasil se encontrava no tempo da redação do livro.
  • 4. Principais conceitos: Redução sociológica, um método de análise de concepções e fatos sociais. Segundo Ramos, “a redução sociológica é um método destinado a habilitar o estudioso a praticar a transposição do conhecimento e de experiências de uma perspectiva para outra.” (p. 54). Por Redução, o autor compreende a ideia de eliminar tudo aquilo que lhe é desnecessário, uma depuração. Por desenvolvimento Ramos compreende “a promoção mediante a qual as regiões e nações passam de uma estrutura a outra superior” (p. 149). Estruturas elevadas são aquelas capazes de liberar a mão de obra do setor primário e transferi-la para o secundário.
  • 5. PRESSUPOSTOS Ramos parte do pressuposto de que existe uma perspectiva brasileira para a sociologia, e reconhece a emergência de uma consciência crítica da realidade nacional, verificada a partir das primeiras décadas do século XX. O Brasil deixou de ser mero reflexo colonial, e assumiu consciência própria, motivada pelo surgimento de uma infraestrutura e dos “imperativos de desenvolvimento”, promovendo uma autoconsciência coletiva. Abandonou, assim, sua condição vegetativa, larvar. Ao afirmar isto, Ramos retoma a controvertida tese dos povos naturais X povos históricos, e defende que, ao assumir a compreensão da sua própria situação, eleva-se à condição histórica, à “consciência da liberdade”. Liberdade no sentido de uma dependência menor em relação às tradições, de uma “personalização”, ou “personalidade histórica”, que é aquela que possui consciência autônoma.
  • 6. A consciência crítica constitui-se na capacidade de um povo refletir sobre seus determinantes (p. 61), que é o que distingue a pessoa da coisa. Ramos cita o exemplo das nações asiáticas e africanas que lutavam contra o nacionalismo enquanto sistema, e não apenas de forma reativa, pela sobrevivência. A consciência crítica “é a luta pela posse de um destino próprio” (p. 62), que implica em uma autodeterminação que não exclui o diálogo com aquilo que o autor chama de consciência universal. Ou seja, a consciência crítica coloca o autor coletivo em uma posição que não se confunde com o nacionalismo que exclui o universal.
  • 7. Fatores que permitiram o surgimento de uma consciência crítica no Brasil Industrialização. Urbanização. mudanças nos hábitos de consumo. “Quanto mais uma população assimila hábitos de consumo não vegetativos, tanto mais cresce uma consciência política, e maior se torna a sua pressão no sentido de obter recursos que lhe asseguram níveis superiores de existência” (p. 78).
  • 8. A Redução Sociológica é uma atitude metódica que obedece regras e depura objetos. Parte do pressuposto de que a realidade social é dotada de sentido. Postula uma noção de mundo, ou seja, estabelece que consciência e objetos estão relacionados. É perspectivista, porque entende que o sentido dado a um objeto só é possível dentro do seu contexto. Seus suportes são coletivos, na medida em que um ponto de vista é limitado pela sua situação. Estabelece um procedimento crítico-assimilativo da experiência estrangeira e é uma atitude que mostra os pressupostos histórico- sociais dos objetos.
  • 9. Antecedente filosófico A fenomenologia, principalmente de Husserl e Heidegger, com a ideia do sujeito enquanto ser-no-mundo, sem transcedentalidade. Para Ramos, “um objeto cultural é constituído não só pelos seus elementos objetivos, mas também pela função que exerce no sistema de objetos de que faz parte” (p. 98). Daí o entendimento de Ramos de que produtos culturais não produzem os mesmos efeitos em contextos diferentes daqueles para os quais foram criados. Uma sociedade que substitui suas estruturas, precisa substituir também seus conceitos teóricos, até então importados por sua condição colonial.
  • 10. Antecedentes sociológicos Sociologia do conhecimento, o materialismo de Marx e a sociologia compreensiva de Monnerot, que apresenta a tese de que a condição humana está sempre situada e datada. A redução sociológica busca “descobrir as implicações referenciais, de natureza histórico-social, de toda sorte de produção intelectual e em referir sistematicamente essa produção ao contexto em que se verifica, para apreender exaustivamente o seu significado” (p. 105). Outros antecedentes sociológicos provêm de Mannheim, Marx, Luckács, etc, principalmente dos estudos que consideram o papel da ideologia na ciência.
  • 11. Leis da Redução Sociológica Lei do comprometimento: a redução sociológica só pode ocorrer a um sociólogo de um país periférico se este estiver conscientemente engajado com seu contexto, ou seja, não há ciência imune à condicionamentos, porque “vivemos necessariamente a visão de mundo da nossa época e da nossa nação” (p. 115). Lei do caráter subsidiário da produção científica estrangeira: uma teoria, um conceito e uma técnica são criados para atender a uma intencionalidade. “Ao utilizarmos um objeto ou produto, sem reduzi-lo, somos envolvidos pela intencionalidade de que é portador” (p. 122). É, portanto, a própria sociedade que deve impor ao sociólogo seus objetos, e a produção teórica estrangeira deve ser condicionada aos fatos particulares desta sociedade.
  • 12. Lei da universalidade dos enunciados gerais da ciência: reconhece que só há universalidade no domínio dos enunciados gerais. Os cientistas integram uma rede de trocas, que é universal, e ocupam um mesmo campo semântico com um repertório de enunciados amplamente aceito e compartilhado. Fora isto, a sociologia é nacional, na medida em que seus sociólogos são motivados por uma nova condição social, não colonial, à qual são convocados a responder. Esta sociologia nacional, entretanto, não se reduz a uma sociologia aplicada. Lei das fases: a fase em que se encontra uma sociedade interfere nas possibilidades da redução sociológica. Ramos parte de Marx, quando este escreve que filósofos não brotam da terra como cogumelos, mas são frutos do seu tempo. Ou seja, a noção de razão histórica. É forte a influência do marxismo nesta lei, bem como de Mauss e sua ideia de “fenômeno social total”: “o pensamento em termos de fase fundamenta-se na categoria de totalidade. A fase é uma totalidade histórico-social, cujas partes estão dialeticamente relacionadas” (p. 142).
  • 13. Critérios de avaliação do desenvolvimento Estão relacionados aos aspectos econômicos, principalmente do aumento de produtividade e sua relação com as melhorias nos níveis de vida. Ramos divide as condições para o desenvolvimento em termos primários e secundários, e defende que, para se analisar as condições de desenvolvimento dos países periféricos, é fundamental que se reconheçam seus termos primários, e que estes sejam diferenciados dos secundários. Por termos primários compreende-se: distribuição de mão de obra pelos ramos da atividade econômica, renda nacional per capita, consumo per capita de energia, urbanização e produção industrial (p. 155).
  • 14. Considerações finais A proposta de Ramos apresentou um exercício de reflexão sociológica nacional. Seus méritos estão na defesa de uma assimilação crítica dos instrumentos teóricos da sociologia, desenvolvidos nos EUA e Europa. Algo que no campo artístico ficou conhecido como “movimento antropofágico”. O que Ramos propõe para a sociologia foi o que Mário e Oswald de Andrade propuseram para a produção intelectual e artística brasileira após 1922. Também o entendimento fenomenológico e culturalista do campo semântico das ciências sociais contribuiu para problematizar a assimilação literal de postulados, atitude própria do colonialismo. Por outro lado, a proposta encontra-se desatualizada, principalmente naquilo que diz respeito ao entendimento que faz do conceito de desenvolvimento, submetendo-o às perspectivas econômicas e atrelando-o a uma perspectiva teleológica. Sua proposta, no contexto em que foi apresentada, encontrou dificuldades de lidar com a realidade do socialismo de Estado, à época uma realidade. Por outro lado, há de se considerar sob a perspectiva da Redução Sociológica a proposta de redução sociológica de Ramos. Neste sentido, conclui-se este como o resultado de sua visão de mundo motivada por sua época e sua nação.