SlideShare uma empresa Scribd logo
Indústria Cultural 
ADHORNO E HORKHEIMER
 OBJETIVO DO TRABALHO 
• Este trabalho tem objetivo discutir a forma como podem ocorrer influências da Indústria 
Cultural nas produções jornalísticas (impressos e virtuais), relacionando o posicionamento 
de apocalípticos (que criticam tal fenômeno) e integrados (que o defendem 
entusiasticamente), a partir dos pressupostos enunciados pela Escola de Frankfurt, que 
define os meios de comunicação de massa como uma orquestra afinada e 
hegemonicamente voltada para o controle e a reprodução da sociedade dominante. Sendo 
o moderno jornalismo um produto da economia capitalista, visando, portanto, o lucro acima 
de tudo, o receptor da informação torna-se um consumidor como outro qualquer, ainda que 
a mídia se apresente perante ele como um simulacro de democracia, de difusão cultural, de 
oportunidades iguais etc.
 INTRODUÇÃO 
A teoria crítica da sociedade de Adorno e 
Horkheimer tem suas origens no início do século XX, 
na Alemanha – tendo sido transferida, 
posteriormente, para os Estados Unidos, por causa 
da ascensão do Estado Nazista de Hitler. 
O conceito de indústria cultural está ligado ao 
desenvolvimento industrial e tecnológico da 
sociedade no século XX e XXI.
 A TEORIA 
• A tese defendida pelos autores é a de 
que toda cultura de massa é idêntica e 
possível graças à indústria cultural 
• Mas o conceito de indústria cultural de 
Adorno e Horkheimer se opõe ao 
termo cultura de massas, uma vez que 
estes observam que tudo isso surge, de 
fato, com a indústria cultural.
 A TEORIA 
• A indústria cultural apresenta um duplo 
papel: o de alimentadora dos processos 
de interação social e o de agente ativo 
na vida da sociedade, devido à sua 
capacidade de intervenção no curso 
dos acontecimentos.
PROBLEMÁTICA
 OS APOCALIPTICOS E OS INTEGRADOS 
• Há ainda a visão dos chamados 
"apocalípticos", de um lado, e "integrados", 
de outro. Estes defendem a "indústria 
cultural", alegando que ela democratiza o 
acesso à cultura e à informação. Para os 
integrados, conforme Umberto Eco (1993), 
"a massa, superadas as diferenças de classe, 
é, agora, a protagonista da história. 
Portanto, sua cultura, a cultura produzida 
para ela, e por ela consumida, é um fato 
positivo".
“... e o jornalismo virou show business” 
Eugênio Bucci (2009: 42)
“Notícia é a informação transformada em 
mercadoria com todos os seus apelos 
estéticos, emocionais e sensacionais; para 
isso, a informação sofre um tratamento 
que a adapta às normas mercadológicas 
de generalização, padronização, 
simplificação e negação do subjetivismo. 
Além do mais, ela é um meio de 
manipulação ideológica de grupos de 
poder social e uma forma de poder 
político”. 
(Marcondes Filho)
Sociedades modernas 
Sociedades capitalistas 
A burguesia 
Diferenciação das culturas – Popular e 
Erudita 
 As artes perdem suas forças simbólicas. 
• De expressiva a repetitivas; 
• De duradouras a efêmeras 
´´É ESSENCIALMENTE ESPETACULO” 
Arte popular 
Simples 
“Folclore” 
Tradicional 
Repetivista 
Retrata o mundo como ele é 
Compreensível 
Erudita 
Sofisticada 
Público burguês e escolarizado 
Complexa 
Vanguarda 
Inovadora 
Distancia-se do mundo 
Não é imediatamente 
compreensível
• Walter Benjamin e a 
democratização da arte 
• A arte não se 
democratizou, 
massificou-se para 
consumo rápido do 
mercado.
• A qualidade do papel, o estilo das letras, o tipo de 
manchete e de matéria definem o tipo de 
consumidor. 
• A indústria cultural vende cultura 
• Cultura de Massa 
Cultura financiada por empresas que simplificam as artes eruditas 
e as produzem em grande escala com foco na massa populacional. 
• A individualização do ensino. 
Marshall MCLuhan 
A informação é empacotada.
Deixa-se de apresentar o produto propriamente 
dito para afirmar os desejos que ele realiza: O 
sucesso, a prosperidade, a segurança, a beleza.
 CONCLUSÃO 
Os jornais precisam interessar a diferentes tipos de leitores. Para isso, são criadas as mais diversas editorias 
e seções e os mais diversos cadernos e suplementos, de forma a não deixar de agradar a nenhum dos 
segmentos constitutivos do mercado consumidor: mulheres, empresários, jovens, vestibulandos, 
desportistas, crianças, etc. 
Quanto maior for a quantidade de leitores de um jornal, melhores são as condições de esse periódico “se 
vender” para o mercado publicitário, também interessado nesse público amplo e diversificado. Da mesma 
forma, como ilustrativo da sujeição da mensagem à lógica empresarial, outros jornais, outros títulos, são 
lançados como produtos periodicamente no mercado com o objetivo de absorver a demanda de 
determinado segmento social.
 Estudantes 
Andria Martins, 
Haifa Franco, 
Isabel Vitória, 
Thalia Novaes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo e Relativismo Cultural Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo e Relativismo Cultural Maira Conde
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Over Lane
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria CulturalMunis Pedro
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?guest6a86aa
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeMoacyr Anício
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociaismarifonseca
 
Surgimento sociologia
Surgimento sociologiaSurgimento sociologia
Surgimento sociologiaparamore146
 
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...Prof. Noe Assunção
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e SociedadeCarmem Rocha
 
Cultura de massa: que cultura? E que massa?
Cultura de massa: que cultura? E que massa?Cultura de massa: que cultura? E que massa?
Cultura de massa: que cultura? E que massa?Poliana Lopes
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à SociologiaAlison Nunes
 
Indústria cultural problematizando
Indústria cultural problematizandoIndústria cultural problematizando
Indústria cultural problematizandoArlindo Picoli
 

Mais procurados (20)

história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
 
Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo e Relativismo Cultural Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo e Relativismo Cultural
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Trabalho e Sociedade
Trabalho e SociedadeTrabalho e Sociedade
Trabalho e Sociedade
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
 
Surgimento sociologia
Surgimento sociologiaSurgimento sociologia
Surgimento sociologia
 
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Cultura - Sociologia
Cultura - SociologiaCultura - Sociologia
Cultura - Sociologia
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
 
Cultura - Sociologia
Cultura - SociologiaCultura - Sociologia
Cultura - Sociologia
 
Cultura de massa: que cultura? E que massa?
Cultura de massa: que cultura? E que massa?Cultura de massa: que cultura? E que massa?
Cultura de massa: que cultura? E que massa?
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Indústria cultural cultura de massa pdf
Indústria cultural cultura de massa   pdfIndústria cultural cultura de massa   pdf
Indústria cultural cultura de massa pdf
 
Indústria cultural problematizando
Indústria cultural problematizandoIndústria cultural problematizando
Indústria cultural problematizando
 

Semelhante a Industria cultural

Teoria Crítica - Escola Frankfurt
Teoria Crítica - Escola FrankfurtTeoria Crítica - Escola Frankfurt
Teoria Crítica - Escola FrankfurtLaércio Góes
 
Sociologia – Industria Cultural 2º Ano
Sociologia – Industria Cultural   2º AnoSociologia – Industria Cultural   2º Ano
Sociologia – Industria Cultural 2º Anoguest8b5b051
 
Teoria Crítica
Teoria CríticaTeoria Crítica
Teoria Críticananasimao
 
Teoria crítica - teorias da comunicação
Teoria crítica - teorias da comunicaçãoTeoria crítica - teorias da comunicação
Teoria crítica - teorias da comunicaçãoLaércio Góes
 
Mangá O FenôMeno Comunicacional No Brasil Giovana S. Carlos
Mangá O FenôMeno Comunicacional No Brasil Giovana S. CarlosMangá O FenôMeno Comunicacional No Brasil Giovana S. Carlos
Mangá O FenôMeno Comunicacional No Brasil Giovana S. CarlosGiovana S. Carlos
 
Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...
Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...
Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...Giovana S. Carlos
 
A Indústria Cultural - Trabalho da pós em Comunicação Empresarial - UFJF
A Indústria Cultural -  Trabalho da pós em Comunicação Empresarial - UFJFA Indústria Cultural -  Trabalho da pós em Comunicação Empresarial - UFJF
A Indústria Cultural - Trabalho da pós em Comunicação Empresarial - UFJFCEMP2010
 
Indústria cultural
Indústria cultural Indústria cultural
Indústria cultural orim84
 
A interface Marxista entre Comunicação e Cultura de Massas
A interface Marxista entre Comunicação e Cultura de MassasA interface Marxista entre Comunicação e Cultura de Massas
A interface Marxista entre Comunicação e Cultura de MassasMontaniniRC
 
Aula 09_Edgar Morin e a Perspectiva Culturológica
Aula 09_Edgar Morin e a Perspectiva CulturológicaAula 09_Edgar Morin e a Perspectiva Culturológica
Aula 09_Edgar Morin e a Perspectiva CulturológicaElizeu Nascimento Silva
 
A teoria culturológica - abordagem de Edgar Morin
A teoria culturológica - abordagem de Edgar MorinA teoria culturológica - abordagem de Edgar Morin
A teoria culturológica - abordagem de Edgar MorinAline Lisboa
 
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptxAula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptxAlineCALi
 

Semelhante a Industria cultural (20)

Design gráfico
Design  gráficoDesign  gráfico
Design gráfico
 
Teoria Crítica - Escola Frankfurt
Teoria Crítica - Escola FrankfurtTeoria Crítica - Escola Frankfurt
Teoria Crítica - Escola Frankfurt
 
Paradigma culturológico
Paradigma culturológicoParadigma culturológico
Paradigma culturológico
 
Sociologia – Industria Cultural 2º Ano
Sociologia – Industria Cultural   2º AnoSociologia – Industria Cultural   2º Ano
Sociologia – Industria Cultural 2º Ano
 
Teoria Crítica
Teoria CríticaTeoria Crítica
Teoria Crítica
 
Teoria crítica - teorias da comunicação
Teoria crítica - teorias da comunicaçãoTeoria crítica - teorias da comunicação
Teoria crítica - teorias da comunicação
 
Mangá O FenôMeno Comunicacional No Brasil Giovana S. Carlos
Mangá O FenôMeno Comunicacional No Brasil Giovana S. CarlosMangá O FenôMeno Comunicacional No Brasil Giovana S. Carlos
Mangá O FenôMeno Comunicacional No Brasil Giovana S. Carlos
 
Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...
Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...
Da Cultura De Massa à Cibercultura O Caso Do FenôMeno Da Cultura Pop Japonesa...
 
Indústria Cultural e Cultura de Massa-2020
Indústria Cultural e Cultura de Massa-2020Indústria Cultural e Cultura de Massa-2020
Indústria Cultural e Cultura de Massa-2020
 
A Indústria Cultural - Trabalho da pós em Comunicação Empresarial - UFJF
A Indústria Cultural -  Trabalho da pós em Comunicação Empresarial - UFJFA Indústria Cultural -  Trabalho da pós em Comunicação Empresarial - UFJF
A Indústria Cultural - Trabalho da pós em Comunicação Empresarial - UFJF
 
Aulão prova
Aulão provaAulão prova
Aulão prova
 
Teoria Crítica
Teoria CríticaTeoria Crítica
Teoria Crítica
 
Escola frankfurt
Escola frankfurtEscola frankfurt
Escola frankfurt
 
Indústria cultural
Indústria cultural Indústria cultural
Indústria cultural
 
A interface Marxista entre Comunicação e Cultura de Massas
A interface Marxista entre Comunicação e Cultura de MassasA interface Marxista entre Comunicação e Cultura de Massas
A interface Marxista entre Comunicação e Cultura de Massas
 
Artes.pptx
Artes.pptxArtes.pptx
Artes.pptx
 
Aula 09_Edgar Morin e a Perspectiva Culturológica
Aula 09_Edgar Morin e a Perspectiva CulturológicaAula 09_Edgar Morin e a Perspectiva Culturológica
Aula 09_Edgar Morin e a Perspectiva Culturológica
 
A teoria culturológica - abordagem de Edgar Morin
A teoria culturológica - abordagem de Edgar MorinA teoria culturológica - abordagem de Edgar Morin
A teoria culturológica - abordagem de Edgar Morin
 
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptxAula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
 
TC - Escola de Frankfurt
TC - Escola de FrankfurtTC - Escola de Frankfurt
TC - Escola de Frankfurt
 

Mais de Isabel Vitória

O capitalismo e a sociedade do consumo
O capitalismo e a sociedade do consumoO capitalismo e a sociedade do consumo
O capitalismo e a sociedade do consumoIsabel Vitória
 
Artigo papel da mulher na sociedade
Artigo papel da mulher na sociedadeArtigo papel da mulher na sociedade
Artigo papel da mulher na sociedadeIsabel Vitória
 
A mulher e o mercado de trabalho
A mulher e o mercado de trabalhoA mulher e o mercado de trabalho
A mulher e o mercado de trabalhoIsabel Vitória
 
Psicanálise e a interpretação dos sonhos
Psicanálise e a interpretação dos sonhosPsicanálise e a interpretação dos sonhos
Psicanálise e a interpretação dos sonhosIsabel Vitória
 
Autora Contemporânea : Carolina Maria de Jesus
Autora Contemporânea : Carolina Maria de Jesus Autora Contemporânea : Carolina Maria de Jesus
Autora Contemporânea : Carolina Maria de Jesus Isabel Vitória
 
Domínio morfoclimático [recuperado]
Domínio morfoclimático [recuperado]Domínio morfoclimático [recuperado]
Domínio morfoclimático [recuperado]Isabel Vitória
 
Interferencia, interferencia com a luz
Interferencia, interferencia com a luzInterferencia, interferencia com a luz
Interferencia, interferencia com a luzIsabel Vitória
 
Conceito de Lugar na Geografia
Conceito de Lugar na GeografiaConceito de Lugar na Geografia
Conceito de Lugar na GeografiaIsabel Vitória
 
Introdução aos Processos
Introdução aos ProcessosIntrodução aos Processos
Introdução aos ProcessosIsabel Vitória
 
Vamos dar uma espiadinha
Vamos dar uma espiadinhaVamos dar uma espiadinha
Vamos dar uma espiadinhaIsabel Vitória
 

Mais de Isabel Vitória (19)

O capitalismo e a sociedade do consumo
O capitalismo e a sociedade do consumoO capitalismo e a sociedade do consumo
O capitalismo e a sociedade do consumo
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
Revolta da vacina
Revolta da vacinaRevolta da vacina
Revolta da vacina
 
Artigo papel da mulher na sociedade
Artigo papel da mulher na sociedadeArtigo papel da mulher na sociedade
Artigo papel da mulher na sociedade
 
A mulher e o mercado de trabalho
A mulher e o mercado de trabalhoA mulher e o mercado de trabalho
A mulher e o mercado de trabalho
 
Psicanálise e a interpretação dos sonhos
Psicanálise e a interpretação dos sonhosPsicanálise e a interpretação dos sonhos
Psicanálise e a interpretação dos sonhos
 
Triggers
TriggersTriggers
Triggers
 
Autora Contemporânea : Carolina Maria de Jesus
Autora Contemporânea : Carolina Maria de Jesus Autora Contemporânea : Carolina Maria de Jesus
Autora Contemporânea : Carolina Maria de Jesus
 
O petróleo
O petróleoO petróleo
O petróleo
 
Domínio morfoclimático [recuperado]
Domínio morfoclimático [recuperado]Domínio morfoclimático [recuperado]
Domínio morfoclimático [recuperado]
 
Topologia de redes
Topologia de redesTopologia de redes
Topologia de redes
 
Interferencia, interferencia com a luz
Interferencia, interferencia com a luzInterferencia, interferencia com a luz
Interferencia, interferencia com a luz
 
Sexo e poder
Sexo e poderSexo e poder
Sexo e poder
 
Conceito de Lugar na Geografia
Conceito de Lugar na GeografiaConceito de Lugar na Geografia
Conceito de Lugar na Geografia
 
Taoismo
TaoismoTaoismo
Taoismo
 
Difusão do futebol
Difusão do futebolDifusão do futebol
Difusão do futebol
 
Introdução aos Processos
Introdução aos ProcessosIntrodução aos Processos
Introdução aos Processos
 
Aditivos Quimicos
Aditivos QuimicosAditivos Quimicos
Aditivos Quimicos
 
Vamos dar uma espiadinha
Vamos dar uma espiadinhaVamos dar uma espiadinha
Vamos dar uma espiadinha
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfPastor Robson Colaço
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 

Industria cultural

  • 2.  OBJETIVO DO TRABALHO • Este trabalho tem objetivo discutir a forma como podem ocorrer influências da Indústria Cultural nas produções jornalísticas (impressos e virtuais), relacionando o posicionamento de apocalípticos (que criticam tal fenômeno) e integrados (que o defendem entusiasticamente), a partir dos pressupostos enunciados pela Escola de Frankfurt, que define os meios de comunicação de massa como uma orquestra afinada e hegemonicamente voltada para o controle e a reprodução da sociedade dominante. Sendo o moderno jornalismo um produto da economia capitalista, visando, portanto, o lucro acima de tudo, o receptor da informação torna-se um consumidor como outro qualquer, ainda que a mídia se apresente perante ele como um simulacro de democracia, de difusão cultural, de oportunidades iguais etc.
  • 3.  INTRODUÇÃO A teoria crítica da sociedade de Adorno e Horkheimer tem suas origens no início do século XX, na Alemanha – tendo sido transferida, posteriormente, para os Estados Unidos, por causa da ascensão do Estado Nazista de Hitler. O conceito de indústria cultural está ligado ao desenvolvimento industrial e tecnológico da sociedade no século XX e XXI.
  • 4.  A TEORIA • A tese defendida pelos autores é a de que toda cultura de massa é idêntica e possível graças à indústria cultural • Mas o conceito de indústria cultural de Adorno e Horkheimer se opõe ao termo cultura de massas, uma vez que estes observam que tudo isso surge, de fato, com a indústria cultural.
  • 5.  A TEORIA • A indústria cultural apresenta um duplo papel: o de alimentadora dos processos de interação social e o de agente ativo na vida da sociedade, devido à sua capacidade de intervenção no curso dos acontecimentos.
  • 7.  OS APOCALIPTICOS E OS INTEGRADOS • Há ainda a visão dos chamados "apocalípticos", de um lado, e "integrados", de outro. Estes defendem a "indústria cultural", alegando que ela democratiza o acesso à cultura e à informação. Para os integrados, conforme Umberto Eco (1993), "a massa, superadas as diferenças de classe, é, agora, a protagonista da história. Portanto, sua cultura, a cultura produzida para ela, e por ela consumida, é um fato positivo".
  • 8. “... e o jornalismo virou show business” Eugênio Bucci (2009: 42)
  • 9. “Notícia é a informação transformada em mercadoria com todos os seus apelos estéticos, emocionais e sensacionais; para isso, a informação sofre um tratamento que a adapta às normas mercadológicas de generalização, padronização, simplificação e negação do subjetivismo. Além do mais, ela é um meio de manipulação ideológica de grupos de poder social e uma forma de poder político”. (Marcondes Filho)
  • 10. Sociedades modernas Sociedades capitalistas A burguesia Diferenciação das culturas – Popular e Erudita  As artes perdem suas forças simbólicas. • De expressiva a repetitivas; • De duradouras a efêmeras ´´É ESSENCIALMENTE ESPETACULO” Arte popular Simples “Folclore” Tradicional Repetivista Retrata o mundo como ele é Compreensível Erudita Sofisticada Público burguês e escolarizado Complexa Vanguarda Inovadora Distancia-se do mundo Não é imediatamente compreensível
  • 11. • Walter Benjamin e a democratização da arte • A arte não se democratizou, massificou-se para consumo rápido do mercado.
  • 12. • A qualidade do papel, o estilo das letras, o tipo de manchete e de matéria definem o tipo de consumidor. • A indústria cultural vende cultura • Cultura de Massa Cultura financiada por empresas que simplificam as artes eruditas e as produzem em grande escala com foco na massa populacional. • A individualização do ensino. Marshall MCLuhan A informação é empacotada.
  • 13. Deixa-se de apresentar o produto propriamente dito para afirmar os desejos que ele realiza: O sucesso, a prosperidade, a segurança, a beleza.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.  CONCLUSÃO Os jornais precisam interessar a diferentes tipos de leitores. Para isso, são criadas as mais diversas editorias e seções e os mais diversos cadernos e suplementos, de forma a não deixar de agradar a nenhum dos segmentos constitutivos do mercado consumidor: mulheres, empresários, jovens, vestibulandos, desportistas, crianças, etc. Quanto maior for a quantidade de leitores de um jornal, melhores são as condições de esse periódico “se vender” para o mercado publicitário, também interessado nesse público amplo e diversificado. Da mesma forma, como ilustrativo da sujeição da mensagem à lógica empresarial, outros jornais, outros títulos, são lançados como produtos periodicamente no mercado com o objetivo de absorver a demanda de determinado segmento social.
  • 19.
  • 20.  Estudantes Andria Martins, Haifa Franco, Isabel Vitória, Thalia Novaes