SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA 1
(Curso Técnico em Guia de Turismo)
Profº Viegas Fernandes da Costa
Professor de História – IF-SC Campus Garopaba
Historia da arte 1
Campbell's Soup Can (1964) - Andy
Warhol (1930-1987)
“A fonte” (1917) – Marcel Duchamp
(1887-1968)
“Os ready-mades questionavam o que
poderia ser considerado arte – arte, a
partir de agora, seria o que o artista
assim desejasse - além de confrontar o
valor do material na sociedade que
presenciava a Primeira Guerra Mundial.
(...) Um objeto retirado de sua função
não é mais um utensílio, torna-se um
objeto enquanto relação com um
indivíduo. Deixa de ser utensílio, cumprir
com a função de ser somente útil, para
elevar-se à abstração de ser privado de
sua função para vir a ser um objeto de
contemplação, forma pura.” (Larissa
Couto)
Robert Rauschenberg
White Painting
1951
Diascóbolo (V a.C.) – Mirón
La Gioconda (1503-1506) – Leonardo da
Vinci (1452-1519).
A Primeira Missa (1861) - Victor Meirelles de Lima (1832 – 1903)
ARTE RUPESTRE - BRASIL
Serra da Capivara - Piauí
Historia da arte 1
Historia da arte 1
Fonte: Comerlato, 2015.
 André Prous (1992) aponta que a “tradição litorânea catarinense” (de
petroglifos) “não pode ser comparada com nenhum outro conjunto
rupestre conhecido atualmente; trata-se certamente de uma tradição
local.” (p. 513).
Segundo Aguiar (2002), “a Ilha de Santa Catarina foi ocupada por três
culturas distintas, em diferentes períodos. Qualquer uma destas culturas
(ou até mesmo as três) poderia ter gravado aquelas mensagens.” (p.30).
Os três grupos aos quais refere-se Aguiar são: caçadores e coletores,
itararés, guaranis.
Keller Lucas (1996) defende o princípio da universalidade para o
simbolismo geográfico visto nas inscrições rupestres em Santa Catarina.
Argumenta que existem três símbolos básicos, dos quais derivam os
demais: círculos (representações celestes e das forças primordiais),
quadrados (materialização das energias, criação da vida), triângulos
(ligação dos dois símbolos anteriores).
Historia da arte 1
Inscrições Rupestres no Morro do Avencal, Urubici (SC)
Historia da arte 1
Historia da arte 1
Formas predominantes nas
pinturas rupestres do litoral
catarinense.
Desenho: Leide Patrícia do
Nascimento
INSCRIÇÕES RUPESTRES EM GAROPABA (Silveira). Fonte: Lucas, Keler. 1996, p. 76.
Praia da Silveira (Garopaba) –
Inscrições na Pedra do Galeão:
Lugar respeitado pelos antigos
pescadores, por estar ligado a
mitos e tabus. A maioria das
sinalizações encontra-se nas
paredes de uma rachadura no
paredão de diabásio, lugar úmido
e de difícil acesso. As inscrições
estão bastante danificadas.
Fonte (imagem e informações):
Lucas, Keler. 1996. p. 75.
Inscrições rupestres na Pedra do Galeão (Garopaba/SC). À esquerda grafismo pré-
colonial e, à direita, a inscrição de um touro, ato de vandalismo recente neste
importante sítio arqueológico. (Crédito da foto: João Henrique Quoos/IFSC, 2014).
Ilha do Coral. Fonte: Lucas, Keler. 1996, p. 78.
Desenho em baixo relevo - Sítio Arqueológico Ilha da Aranha – SC. Fonte:
André Gustavo Ferreira.
Historia da arte 1
Historia da arte 1
ARTE COLONIAL NO BRASIL
ARQUITETURA COLONIAL
Taipa de pilão: técnica construtiva
de origem árabe utilizada na fatura
de paredes e muros e que consiste
no forte apiloamento de terra
úmida entre dois pranchões de
madeira removíveis que, no taipal,
se mantém de pé e afastadas entre
si graças a travessas ou escoras.
A taipa de pilão caracterizou todas
as construções paulistas dos
séculos XVI, XVII, XVIII e primeira
metade do XIX, numa persistência
cultural decorrente, sobretudo, do
isolamento causado pela
dificuldade de transposição da
Serra do Mar.
Esta técnica construtiva foi utilizada
nas paredes estruturais dessa
antiga residência rural.
Fonte:
http://www.museudacidade.sp.gov.br
Fonte: <https://coisasdaarquitetura.files.wordpress.com/2010/06/taipa-1a.jpg>
Taipal: Armação de madeira usada na
feitura da taipa de pilão.Há quem dê,
no linguajar comum, o nome de taipal
à forma de concreto armado. Nome
das folhas das janelas, quando não são
de venezianas e sim de tábuas,
também chamadas "escuros". Folha de
porta.
(Fonte: Corona & Lemos, Dicionário da
Arquitetura Brasileira, Edart, SP, 1972)
Pau-a-pique: Técnica construtiva
tradicional da arquitetura brasileira,
o pau-a-pique é utilizado ainda hoje.
O pau-a-pique também conhecido
como taipa de mão, é empregado em
divisórias internas e recebe o nome
porque é feito com estrutura de
madeira roliça, disposta vertical e
horizontalmente, amarrada com cipó
ou cravo e depois preenchida com
barro socado.
Fonte: http://www.museudacidade.sp.gov.br
Esquadrias de janelas: As folhas
das portas e janelas eram sempre
de madeira e não diferiam muito
conceitualmente de nossas
práticas atuais. As diferenças ficam
por conta das disponibilidades
técnicas e características
acessórias. As folhas podiam ser de
réguas, de almofadas, de treliças
(urupemas) ou rendas de madeira
– estas últimas no caso de folhas
de janelas. Mais recentemente, a
partir do século XVIII, quando o
uso do vidro se torna mais comum,
aparecem as folhas com vidros.
Fonte: https://coisasdaarquitetura.wordpress.com
Janela com conversadeira. Janela com postigo.
Porta com folha de pinázios.
O muxarabi é um dos elementos mais
característicos da nossa arquitetura colonial, uma
das mais persistentes influências da arquitetura
árabe. Segundo Estêvão
Pinto , muxarabi significa local fresco . Para nós
designa um balcão fechado por treliças, chamadas
também de urupemas, geralmente com janelas de
rótula. As frasquias que formavam as urupemas
tinham dimensões bem pequenas, em torno de 15
mm, e eram sobrepostas, formando uma malha
bem delicada.
Hoje em dia existem muito poucos exemplares de
muxarabis. A vinda da Corte portuguesa foi um
golpe de morte para eles. Oficialmente alegava-se
que o país devia perder os ares de colônia, e
assimilar as novas tendências europeias, isto é, o
Neoclassicismo, que não admitia a influência
“espúria” da arquitetura árabe, mas somente a
tradição greco-romana. Conta-se, entretanto, que
o Príncipe Regente tinha medo de possíveis
ataques contra ele e os membros da corte,
ataques este que seriam camuflados pelas treliças.
Fonte: https://coisasdaarquitetura.wordpress.com
Fonte: https://coisasdaarquitetura.wordpress.com
Fonte: Uma visão da arquitetura colonial no Brasil, p. 128/129.
As seteiras são pequenas aberturas verticais,
utilizadas na arquitetura militar como vão de
observação, vigia e tiro. mas são também
usadas na arquitetura civil e religiosa. Os
óculos têm forma circular, quadrifólio ou
outras. Na arquitetura militar as seteira têm
também o nome de balestreiro. Os óculos são
muito comuns nas igrejas, para luminação
adicional das tribunas, consistórios ou outros
compartimentos. Neste caso têm moldura de
pedra e são esculpidas em perfís diversos.
Fonte: https://coisasdaarquitetura.wordpress.com
Beira
São Francisco do Sul, SC
- BARROCO -
Características gerais do Barroco
 Etimologia: pérola irregular ou imperfeita (origem indetermnada). Pode ter surgido da
filosofia escolástica, onde designa um raciocínio tortuoso, que confunde o falso com o
verdadeiro . Os artistas clássicos criticavam o barroco por seus excessos e distorções.
Surge na Itália no século XVI, expandindo-se para outros países da Europa e para a
América.
 Assim como no Renascimento, o Barroco também busca suas referências na
Antiguidade Clássica, porém apresentou características distintas, como dinamismo,
contrastes fortes, dramaticidade, exuberância e realismo e uma tendência ao decorativo,
além de manifestar uma tensão entre o gosto pela materialidade opulenta e as demandas
de uma vida espiritual.
Rompimento do equilíbrio entre razão e sentimento, arte e ciência.
 Surge no contexto do absolutismo (palaciano, cortês) e da contrarreforma (a
necessidade de atrair fiéis, de apresentá-los a um universo mais sensacionalista e
dramático).
 No Brasil:
* associado exclusivamente ao catolicismo;
* principal manifestação artística do período colonial;
* Duas linhas caracterizam o estilo do barroco brasileiro:
- Regiões enriquecidas pelo comércio de ouro e açúcar: igrejas
com trabalhos em madeira recobertas por finas camadas de ouro, com janelas,
cornijas e portadas decoradas com trabalhos detalhados de escultura;
- Outras regiões: igrejas com talhas modestas e trabalhos
realizados por artistas menos experientes.
Igreja de São Francisco de Assis –
Estilo Barroco (elementos decorativos
em Rococó), final do século 18.
Projeto de Aleijadinho (Antonio
Francisco Lisboa): Projeto da Fachada e
decoração em relevos.
Arte de Mestre Ataíde (Manuel da
Costa Ataíde).
Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar – Ouro Preto (MG) – 1733.
(Infográfico: Eneida Verri Bucco Oliveira, 2010.)
Nossa Senhora Cercada de Anjos
Músicos – Mestre Ataíde, Século
18.
"É certo que elas [as igrejas de Aleijadinho] não possuem majestade, como bem
denunciou Saint-Hilaire. Mas a majestade não faz parte do Brasileiro, embora faça
parte comum da nossa paisagem. Carece, no entanto, compreender que
o sublime não implica exatamente majestade. Não é preciso ser ingente para ser
sublime. As igrejas do Aleijadinho não se acomodam com o apelativo 'belo',
próprio à São Pedro de Roma, à catedral de Reims, à Batalha ou à horrível São
Marcos de Veneza. Mas são muito lindas, são bonitas como o quê. São dum
sublime pequenino, dum equilíbrio, duma pureza tão bem arranjadinha e
sossegada, que são feitas pra querer bem ou pra acarinhar, que nem na cantiga
nordestina. São barrocas, não tem dúvida, mas a sua lógica e equilíbrio de
solução é tão perfeito, que o jesuitismo desaparece, o enfeite se aplica com uma
naturalidade tamanha, que si o estilo é barroco, o sentimento é renascente
[renascentista]. O Aleijadinho soube ser arquiteto de engenharia. Escapou
genialmente da luxuosidade, da superfectação, do movimento inquietador, do
dramático, conservando uma clareza, uma claridade é melhor, puramente
da Renascença.”
(Mário de Andrade)
Os Doze Profetas de Aleijadinho, famoso conjunto de esculturas em pedra sabão
feitas entre 1795 a 1805. Santuário de Bom Jesus de Matosinhos, Congonhas de
Campo Bom (MG).
Historia da arte 1
Igreja de São Francisco de Assis – Salvador (BA)- Escultor Pedro Ferreira
(Início da construção da igreja: 1708)
Pintura do século 18 de José Joaquim da Rocha com 173 m² redescoberta no forro da
nave da Igreja da Venerável Ordem Terceira de São Domingos Gusmão, no Centro
Histórico de Salvador. Foto:
José Joaquim da Rocha
(início do século 19).
Alegoria do ingresso de
São Domingos no céu
acolhido por São
Francisco de Assis (forro
da nave).
A Catedral de Florianópolis foi inaugurada em 1773 (?). Com o tempo alteraram-lhe o estilo
original. Em 1897 foi instalado na torre um relógio, vindo da Alemanha. Em 1922, nas
comemorações do centenário da Independência do Brasil, ocorreu uma grande reforma na
catedral, quando teve suas paredes laterais aumentadas, alteradas as torres e acrescido um
alpendre neoclássico em sua portadas.
Capela Nossa Senhora do Desterro, 1905.
Catedral de Florianópolis após revitalização
externa de 2008. Foto: Ornato Arquitetura.
Restauro da Capela do Santíssimo, na Catedral de Florianópolis, realizado em 2011.
Recuperação das paredes com ilustrações barrocas em vermelho e azul datadas em
aproximadamente 230 anos. As cores fazem referência ao Santíssimo Sacramento. Em
diversas igrejas do Sul os padres determinaram que as pinturas fossem cobertas por
tinta branca a fim de que não se dispersasse a atenção dos fiéis. (Foto: Fernando
Mendes/Notícias do Dia).
Catedral de Florianópolis, arte barroca
com detalhes em ouro. (Foto: Fernando
Mendes/Notícias do Dia).
Igreja Matriz Santo Antônio dos Anjos de Laguna
Construída em 1696 por ordem do bandeirante e fundador de Laguna, Domingos de Brito
Peixoto, a atual Igreja Matriz no início era apenas uma capelinha de pau a pique. O corpo
da igreja foi edificado em 1735, em estilo barroco, com quatro altares laterais folheados a
ouro. Na construção há a Capela do Santíssimo, considerada o mais belo altar da
arquitetura de Santa Catarina. Santo Antônio “ocupa” o altar mor da Igreja, que foi
entalhado em 1803. As torres são um pouco mais novas: foram edificadas em 1894. O
relógio é de 1935.
Interior da Igreja Matriz Santo Antonio dos Anjos, em Laguna. Foto: Waldemar Anacleto.
Foto: Liliane Sastre Nunes.
Historia da arte 1
Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito em Florianópolis.
Fundada por volta de 1750 pela
Irmandade Beneficente N. S. do
Rosário e São Benedito dos Homens
Pretos, formada por escravos e
negros livres. Esse templo barroco
foi construído de 1787 a 1830. É a
segunda igreja mais antiga da
capital catarinense. Em meados do
século 19, essa Irmandade
mantinha um curso de
alfabetização para escravos.
Fonte: <http://www.santa-catarina.co/cultura-negra.htm>
O culto a Nossa Senhora do Rosário
por parte de escravos de origem
africana era comum por todo Império
português. Local de culto e de
encontro da comunidade escrava e
liberta de Desterro, a Igreja de Nossa
Senhora do Rosário e São Benedito
tinha também um cemitério anexo,
desativado quando foi inaugurado o
Cemitério Municipal.
Apesar de singela, a Igreja de Nossa
Senhora do Rosário e São Benedito se
destaca no Centro Histórico de
Florianópolis. Um fato interessante é
que foi do alto de sua escadaria que o
célebre artista ilhéu Victor Meirelles
pintou, no século XIX, a tela “Vista do
Desterro” onde retratou em uma visão
panorâmica a cidade daquele tempo,
tendo como fundo a Baía Sul.
Fonte:
<http://www.guiafloripa.com.br/>
Foto: Silvano Mainchein.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação artes visuais – arte brasileira
Apresentação   artes visuais – arte brasileiraApresentação   artes visuais – arte brasileira
Apresentação artes visuais – arte brasileira
Eduardo Becker Jr.
 
Avaliação de Artes
Avaliação de ArtesAvaliação de Artes
Avaliação de Artes
Professora Hesione
 
arte_2serie_Slide aula 10.pptx
arte_2serie_Slide aula 10.pptxarte_2serie_Slide aula 10.pptx
arte_2serie_Slide aula 10.pptx
PauloRocha922779
 
Trabalho de artes ana angélica castro
Trabalho de artes ana angélica castroTrabalho de artes ana angélica castro
Trabalho de artes ana angélica castro
170298
 
Revista forma barroco x renascimento
Revista forma   barroco x renascimentoRevista forma   barroco x renascimento
Revista forma barroco x renascimento
Aline Soares e Silva
 
Trabalho de artes eepc
Trabalho de artes eepcTrabalho de artes eepc
Trabalho de artes eepc
Matheus Melo
 
Aleijadinho – Trabalho de Artes
Aleijadinho – Trabalho de ArtesAleijadinho – Trabalho de Artes
Aleijadinho – Trabalho de Artes
Joaocorazza
 
A gravura brasileira apresentacão
A gravura brasileira apresentacãoA gravura brasileira apresentacão
A gravura brasileira apresentacão
gegearte
 
Textos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino MedioTextos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino Medio
Dulcinea Lisboa Passos
 
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reisA escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
António Silva
 
Ruskin
RuskinRuskin
Nuno ramos
Nuno ramosNuno ramos
Nuno ramos
Rafaella Uvini
 
Barroco em Minas Gerais
Barroco em Minas GeraisBarroco em Minas Gerais
Barroco em Minas Gerais
José Emílio
 
8o ano 2015 - Arte barroca Brasil X Europa
8o ano 2015 - Arte barroca Brasil X Europa8o ano 2015 - Arte barroca Brasil X Europa
8o ano 2015 - Arte barroca Brasil X Europa
Colégio Pedro II - Campus Centro
 
Prova de arte II bimestre
Prova de arte II bimestreProva de arte II bimestre
Prova de arte II bimestre
Mary Alvarenga
 
Renascimento 2020
Renascimento 2020Renascimento 2020
Renascimento 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Trabalho de história da arte
Trabalho de história da arteTrabalho de história da arte
Trabalho de história da arte
Marcos Pires
 
A arte barroca no Brasil
A arte barroca no BrasilA arte barroca no Brasil
A arte barroca no Brasil
Mary Alvarenga
 
Livro geometria na arte
Livro geometria na arteLivro geometria na arte
Livro geometria na arte
Elias Brito
 
Prova de arte.2 ano.barrocoe renasciemnto
Prova de arte.2 ano.barrocoe renasciemntoProva de arte.2 ano.barrocoe renasciemnto
Prova de arte.2 ano.barrocoe renasciemnto
julia beatriz dos santos araujo
 

Mais procurados (20)

Apresentação artes visuais – arte brasileira
Apresentação   artes visuais – arte brasileiraApresentação   artes visuais – arte brasileira
Apresentação artes visuais – arte brasileira
 
Avaliação de Artes
Avaliação de ArtesAvaliação de Artes
Avaliação de Artes
 
arte_2serie_Slide aula 10.pptx
arte_2serie_Slide aula 10.pptxarte_2serie_Slide aula 10.pptx
arte_2serie_Slide aula 10.pptx
 
Trabalho de artes ana angélica castro
Trabalho de artes ana angélica castroTrabalho de artes ana angélica castro
Trabalho de artes ana angélica castro
 
Revista forma barroco x renascimento
Revista forma   barroco x renascimentoRevista forma   barroco x renascimento
Revista forma barroco x renascimento
 
Trabalho de artes eepc
Trabalho de artes eepcTrabalho de artes eepc
Trabalho de artes eepc
 
Aleijadinho – Trabalho de Artes
Aleijadinho – Trabalho de ArtesAleijadinho – Trabalho de Artes
Aleijadinho – Trabalho de Artes
 
A gravura brasileira apresentacão
A gravura brasileira apresentacãoA gravura brasileira apresentacão
A gravura brasileira apresentacão
 
Textos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino MedioTextos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino Medio
 
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reisA escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
 
Ruskin
RuskinRuskin
Ruskin
 
Nuno ramos
Nuno ramosNuno ramos
Nuno ramos
 
Barroco em Minas Gerais
Barroco em Minas GeraisBarroco em Minas Gerais
Barroco em Minas Gerais
 
8o ano 2015 - Arte barroca Brasil X Europa
8o ano 2015 - Arte barroca Brasil X Europa8o ano 2015 - Arte barroca Brasil X Europa
8o ano 2015 - Arte barroca Brasil X Europa
 
Prova de arte II bimestre
Prova de arte II bimestreProva de arte II bimestre
Prova de arte II bimestre
 
Renascimento 2020
Renascimento 2020Renascimento 2020
Renascimento 2020
 
Trabalho de história da arte
Trabalho de história da arteTrabalho de história da arte
Trabalho de história da arte
 
A arte barroca no Brasil
A arte barroca no BrasilA arte barroca no Brasil
A arte barroca no Brasil
 
Livro geometria na arte
Livro geometria na arteLivro geometria na arte
Livro geometria na arte
 
Prova de arte.2 ano.barrocoe renasciemnto
Prova de arte.2 ano.barrocoe renasciemntoProva de arte.2 ano.barrocoe renasciemnto
Prova de arte.2 ano.barrocoe renasciemnto
 

Destaque

Arte em conta a gota: grafismo e Lavoisier
Arte em conta a gota: grafismo e LavoisierArte em conta a gota: grafismo e Lavoisier
Arte em conta a gota: grafismo e Lavoisier
deasilvia
 
A arte e o tempo pdf
A arte e o tempo pdfA arte e o tempo pdf
A arte e o tempo pdf
Rose Silva
 
Movimentos artísticos
Movimentos artísticosMovimentos artísticos
Movimentos artísticos
Bruno Costa
 
Projeto feciarte
Projeto feciarteProjeto feciarte
Projeto feciarte
arteluanna
 
PROJETO DESENVOLVIDO PELOS PROFESSORES VENÍCIO E VÂNIA JARA
PROJETO DESENVOLVIDO PELOS PROFESSORES VENÍCIO E VÂNIA JARAPROJETO DESENVOLVIDO PELOS PROFESSORES VENÍCIO E VÂNIA JARA
PROJETO DESENVOLVIDO PELOS PROFESSORES VENÍCIO E VÂNIA JARA
Janicélia Feijó Garcia
 
Mosteiro da luz
Mosteiro da luzMosteiro da luz
Mosteiro da luz
André Banderas
 
Casas de taipa de pilão e pau a pique
Casas de taipa de pilão e pau a piqueCasas de taipa de pilão e pau a pique
Casas de taipa de pilão e pau a pique
Patrícia Ventura
 
Questões simulado
Questões simuladoQuestões simulado
Questões simulado
Marcelo Malafaia
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
Marcioveras
 
PROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENAPROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENA
Francisco Antonio Machado Araujo
 
Dadaismo
DadaismoDadaismo
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
Arte Rupestre
Mariinazorzi
 
A Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaA Arte na Pré-História
A Arte na Pré-História
Giorgia Marrone
 
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
Daniella Cincoetti
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
Edenilson Morais
 

Destaque (16)

Arte em conta a gota: grafismo e Lavoisier
Arte em conta a gota: grafismo e LavoisierArte em conta a gota: grafismo e Lavoisier
Arte em conta a gota: grafismo e Lavoisier
 
A arte e o tempo pdf
A arte e o tempo pdfA arte e o tempo pdf
A arte e o tempo pdf
 
Movimentos artísticos
Movimentos artísticosMovimentos artísticos
Movimentos artísticos
 
Projeto feciarte
Projeto feciarteProjeto feciarte
Projeto feciarte
 
PROJETO DESENVOLVIDO PELOS PROFESSORES VENÍCIO E VÂNIA JARA
PROJETO DESENVOLVIDO PELOS PROFESSORES VENÍCIO E VÂNIA JARAPROJETO DESENVOLVIDO PELOS PROFESSORES VENÍCIO E VÂNIA JARA
PROJETO DESENVOLVIDO PELOS PROFESSORES VENÍCIO E VÂNIA JARA
 
Mosteiro da luz
Mosteiro da luzMosteiro da luz
Mosteiro da luz
 
Casas de taipa de pilão e pau a pique
Casas de taipa de pilão e pau a piqueCasas de taipa de pilão e pau a pique
Casas de taipa de pilão e pau a pique
 
Questões simulado
Questões simuladoQuestões simulado
Questões simulado
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
PROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENAPROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENA
 
Dadaismo
DadaismoDadaismo
Dadaismo
 
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
Arte Rupestre
 
A Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaA Arte na Pré-História
A Arte na Pré-História
 
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
Arte Rupestre
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
 

Semelhante a Historia da arte 1

8o. Ano arte barroca no brasil
8o. Ano  arte barroca no brasil  8o. Ano  arte barroca no brasil
8o. Ano arte barroca no brasil
ArtesElisa
 
O Barroco no Brasil, Parte 1
O Barroco no Brasil,  Parte 1O Barroco no Brasil,  Parte 1
O Barroco no Brasil, Parte 1
Professor Gilson Nunes
 
A ARQUITETURA JESUITICA NO BRASIL.ppt
A ARQUITETURA JESUITICA NO BRASIL.pptA ARQUITETURA JESUITICA NO BRASIL.ppt
A ARQUITETURA JESUITICA NO BRASIL.ppt
ssuserdf2b55
 
Revista forma especial arquitetura
Revista forma   especial arquiteturaRevista forma   especial arquitetura
Revista forma especial arquitetura
Aline Soares e Silva
 
Resenha: A ARQUITETURA DOS JESUÍTAS NO BRASIL (Lucio Costa)
Resenha: A ARQUITETURA DOS JESUÍTAS NO BRASIL (Lucio Costa)Resenha: A ARQUITETURA DOS JESUÍTAS NO BRASIL (Lucio Costa)
Resenha: A ARQUITETURA DOS JESUÍTAS NO BRASIL (Lucio Costa)
IZIS PAIXÃO
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
www.historiadasartes.com
 
Celacanto provoca maremoto 2jul2019 cachoeira
Celacanto provoca maremoto 2jul2019 cachoeiraCelacanto provoca maremoto 2jul2019 cachoeira
Celacanto provoca maremoto 2jul2019 cachoeira
Numeric Contadores
 
O Barroco no Brasil
O Barroco no BrasilO Barroco no Brasil
O Barroco no Brasil
CLEBER LUIS DAMACENO
 
7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare
Dulcinea Lisboa Passos
 
11 arte brasileira 2020
11 arte brasileira 202011 arte brasileira 2020
11 arte brasileira 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte colonial cinthia, maria fernanda, leandro e thais
Arte colonial   cinthia, maria fernanda, leandro e thaisArte colonial   cinthia, maria fernanda, leandro e thais
Arte colonial cinthia, maria fernanda, leandro e thais
Carol Mendoza
 
Arquitetura Brasileira
Arquitetura BrasileiraArquitetura Brasileira
Arquitetura Brasileira
CEF16
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
Arcelino Barbosa
 
Convento de São Francisco de Cairu
Convento de São Francisco de Cairu Convento de São Francisco de Cairu
Convento de São Francisco de Cairu
Urano Andrade
 
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1a
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1aSlide a arte barroca by edenilson c santos 1a
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1a
Edenilson Conceição
 
Dokumen.tips barroco brasil
Dokumen.tips barroco brasilDokumen.tips barroco brasil
Dokumen.tips barroco brasil
YvesLunn
 
Artes Hildalene
Artes HildaleneArtes Hildalene
Artes Hildalene
Pré-Enem Seduc
 
Arte f8-1 bi-prof
Arte f8-1 bi-profArte f8-1 bi-prof
Arte f8-1 bi-prof
NeideArts
 
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e EgitoRoteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
alinewar
 
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...
Paula Poiet
 

Semelhante a Historia da arte 1 (20)

8o. Ano arte barroca no brasil
8o. Ano  arte barroca no brasil  8o. Ano  arte barroca no brasil
8o. Ano arte barroca no brasil
 
O Barroco no Brasil, Parte 1
O Barroco no Brasil,  Parte 1O Barroco no Brasil,  Parte 1
O Barroco no Brasil, Parte 1
 
A ARQUITETURA JESUITICA NO BRASIL.ppt
A ARQUITETURA JESUITICA NO BRASIL.pptA ARQUITETURA JESUITICA NO BRASIL.ppt
A ARQUITETURA JESUITICA NO BRASIL.ppt
 
Revista forma especial arquitetura
Revista forma   especial arquiteturaRevista forma   especial arquitetura
Revista forma especial arquitetura
 
Resenha: A ARQUITETURA DOS JESUÍTAS NO BRASIL (Lucio Costa)
Resenha: A ARQUITETURA DOS JESUÍTAS NO BRASIL (Lucio Costa)Resenha: A ARQUITETURA DOS JESUÍTAS NO BRASIL (Lucio Costa)
Resenha: A ARQUITETURA DOS JESUÍTAS NO BRASIL (Lucio Costa)
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
 
Celacanto provoca maremoto 2jul2019 cachoeira
Celacanto provoca maremoto 2jul2019 cachoeiraCelacanto provoca maremoto 2jul2019 cachoeira
Celacanto provoca maremoto 2jul2019 cachoeira
 
O Barroco no Brasil
O Barroco no BrasilO Barroco no Brasil
O Barroco no Brasil
 
7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare
 
11 arte brasileira 2020
11 arte brasileira 202011 arte brasileira 2020
11 arte brasileira 2020
 
Arte colonial cinthia, maria fernanda, leandro e thais
Arte colonial   cinthia, maria fernanda, leandro e thaisArte colonial   cinthia, maria fernanda, leandro e thais
Arte colonial cinthia, maria fernanda, leandro e thais
 
Arquitetura Brasileira
Arquitetura BrasileiraArquitetura Brasileira
Arquitetura Brasileira
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Convento de São Francisco de Cairu
Convento de São Francisco de Cairu Convento de São Francisco de Cairu
Convento de São Francisco de Cairu
 
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1a
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1aSlide a arte barroca by edenilson c santos 1a
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1a
 
Dokumen.tips barroco brasil
Dokumen.tips barroco brasilDokumen.tips barroco brasil
Dokumen.tips barroco brasil
 
Artes Hildalene
Artes HildaleneArtes Hildalene
Artes Hildalene
 
Arte f8-1 bi-prof
Arte f8-1 bi-profArte f8-1 bi-prof
Arte f8-1 bi-prof
 
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e EgitoRoteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
 
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Viegas Fernandes da Costa
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
Viegas Fernandes da Costa
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
Viegas Fernandes da Costa
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Viegas Fernandes da Costa
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Viegas Fernandes da Costa
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
Viegas Fernandes da Costa
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Viegas Fernandes da Costa
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
Viegas Fernandes da Costa
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Viegas Fernandes da Costa
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Viegas Fernandes da Costa
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
Viegas Fernandes da Costa
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
Viegas Fernandes da Costa
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa (20)

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
Tarde.
 
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
 

Último

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 

Historia da arte 1

  • 1. HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA 1 (Curso Técnico em Guia de Turismo) Profº Viegas Fernandes da Costa Professor de História – IF-SC Campus Garopaba
  • 3. Campbell's Soup Can (1964) - Andy Warhol (1930-1987)
  • 4. “A fonte” (1917) – Marcel Duchamp (1887-1968) “Os ready-mades questionavam o que poderia ser considerado arte – arte, a partir de agora, seria o que o artista assim desejasse - além de confrontar o valor do material na sociedade que presenciava a Primeira Guerra Mundial. (...) Um objeto retirado de sua função não é mais um utensílio, torna-se um objeto enquanto relação com um indivíduo. Deixa de ser utensílio, cumprir com a função de ser somente útil, para elevar-se à abstração de ser privado de sua função para vir a ser um objeto de contemplação, forma pura.” (Larissa Couto)
  • 6. Diascóbolo (V a.C.) – Mirón
  • 7. La Gioconda (1503-1506) – Leonardo da Vinci (1452-1519).
  • 8. A Primeira Missa (1861) - Victor Meirelles de Lima (1832 – 1903)
  • 9. ARTE RUPESTRE - BRASIL Serra da Capivara - Piauí
  • 13.  André Prous (1992) aponta que a “tradição litorânea catarinense” (de petroglifos) “não pode ser comparada com nenhum outro conjunto rupestre conhecido atualmente; trata-se certamente de uma tradição local.” (p. 513). Segundo Aguiar (2002), “a Ilha de Santa Catarina foi ocupada por três culturas distintas, em diferentes períodos. Qualquer uma destas culturas (ou até mesmo as três) poderia ter gravado aquelas mensagens.” (p.30). Os três grupos aos quais refere-se Aguiar são: caçadores e coletores, itararés, guaranis. Keller Lucas (1996) defende o princípio da universalidade para o simbolismo geográfico visto nas inscrições rupestres em Santa Catarina. Argumenta que existem três símbolos básicos, dos quais derivam os demais: círculos (representações celestes e das forças primordiais), quadrados (materialização das energias, criação da vida), triângulos (ligação dos dois símbolos anteriores).
  • 15. Inscrições Rupestres no Morro do Avencal, Urubici (SC)
  • 18. Formas predominantes nas pinturas rupestres do litoral catarinense. Desenho: Leide Patrícia do Nascimento
  • 19. INSCRIÇÕES RUPESTRES EM GAROPABA (Silveira). Fonte: Lucas, Keler. 1996, p. 76.
  • 20. Praia da Silveira (Garopaba) – Inscrições na Pedra do Galeão: Lugar respeitado pelos antigos pescadores, por estar ligado a mitos e tabus. A maioria das sinalizações encontra-se nas paredes de uma rachadura no paredão de diabásio, lugar úmido e de difícil acesso. As inscrições estão bastante danificadas. Fonte (imagem e informações): Lucas, Keler. 1996. p. 75.
  • 21. Inscrições rupestres na Pedra do Galeão (Garopaba/SC). À esquerda grafismo pré- colonial e, à direita, a inscrição de um touro, ato de vandalismo recente neste importante sítio arqueológico. (Crédito da foto: João Henrique Quoos/IFSC, 2014).
  • 22. Ilha do Coral. Fonte: Lucas, Keler. 1996, p. 78.
  • 23. Desenho em baixo relevo - Sítio Arqueológico Ilha da Aranha – SC. Fonte: André Gustavo Ferreira.
  • 27. ARQUITETURA COLONIAL Taipa de pilão: técnica construtiva de origem árabe utilizada na fatura de paredes e muros e que consiste no forte apiloamento de terra úmida entre dois pranchões de madeira removíveis que, no taipal, se mantém de pé e afastadas entre si graças a travessas ou escoras. A taipa de pilão caracterizou todas as construções paulistas dos séculos XVI, XVII, XVIII e primeira metade do XIX, numa persistência cultural decorrente, sobretudo, do isolamento causado pela dificuldade de transposição da Serra do Mar. Esta técnica construtiva foi utilizada nas paredes estruturais dessa antiga residência rural. Fonte: http://www.museudacidade.sp.gov.br
  • 29. Taipal: Armação de madeira usada na feitura da taipa de pilão.Há quem dê, no linguajar comum, o nome de taipal à forma de concreto armado. Nome das folhas das janelas, quando não são de venezianas e sim de tábuas, também chamadas "escuros". Folha de porta. (Fonte: Corona & Lemos, Dicionário da Arquitetura Brasileira, Edart, SP, 1972)
  • 30. Pau-a-pique: Técnica construtiva tradicional da arquitetura brasileira, o pau-a-pique é utilizado ainda hoje. O pau-a-pique também conhecido como taipa de mão, é empregado em divisórias internas e recebe o nome porque é feito com estrutura de madeira roliça, disposta vertical e horizontalmente, amarrada com cipó ou cravo e depois preenchida com barro socado. Fonte: http://www.museudacidade.sp.gov.br
  • 31. Esquadrias de janelas: As folhas das portas e janelas eram sempre de madeira e não diferiam muito conceitualmente de nossas práticas atuais. As diferenças ficam por conta das disponibilidades técnicas e características acessórias. As folhas podiam ser de réguas, de almofadas, de treliças (urupemas) ou rendas de madeira – estas últimas no caso de folhas de janelas. Mais recentemente, a partir do século XVIII, quando o uso do vidro se torna mais comum, aparecem as folhas com vidros. Fonte: https://coisasdaarquitetura.wordpress.com
  • 32. Janela com conversadeira. Janela com postigo.
  • 33. Porta com folha de pinázios.
  • 34. O muxarabi é um dos elementos mais característicos da nossa arquitetura colonial, uma das mais persistentes influências da arquitetura árabe. Segundo Estêvão Pinto , muxarabi significa local fresco . Para nós designa um balcão fechado por treliças, chamadas também de urupemas, geralmente com janelas de rótula. As frasquias que formavam as urupemas tinham dimensões bem pequenas, em torno de 15 mm, e eram sobrepostas, formando uma malha bem delicada. Hoje em dia existem muito poucos exemplares de muxarabis. A vinda da Corte portuguesa foi um golpe de morte para eles. Oficialmente alegava-se que o país devia perder os ares de colônia, e assimilar as novas tendências europeias, isto é, o Neoclassicismo, que não admitia a influência “espúria” da arquitetura árabe, mas somente a tradição greco-romana. Conta-se, entretanto, que o Príncipe Regente tinha medo de possíveis ataques contra ele e os membros da corte, ataques este que seriam camuflados pelas treliças. Fonte: https://coisasdaarquitetura.wordpress.com
  • 36. Fonte: Uma visão da arquitetura colonial no Brasil, p. 128/129.
  • 37. As seteiras são pequenas aberturas verticais, utilizadas na arquitetura militar como vão de observação, vigia e tiro. mas são também usadas na arquitetura civil e religiosa. Os óculos têm forma circular, quadrifólio ou outras. Na arquitetura militar as seteira têm também o nome de balestreiro. Os óculos são muito comuns nas igrejas, para luminação adicional das tribunas, consistórios ou outros compartimentos. Neste caso têm moldura de pedra e são esculpidas em perfís diversos. Fonte: https://coisasdaarquitetura.wordpress.com
  • 38. Beira
  • 39. São Francisco do Sul, SC
  • 41. Características gerais do Barroco  Etimologia: pérola irregular ou imperfeita (origem indetermnada). Pode ter surgido da filosofia escolástica, onde designa um raciocínio tortuoso, que confunde o falso com o verdadeiro . Os artistas clássicos criticavam o barroco por seus excessos e distorções. Surge na Itália no século XVI, expandindo-se para outros países da Europa e para a América.  Assim como no Renascimento, o Barroco também busca suas referências na Antiguidade Clássica, porém apresentou características distintas, como dinamismo, contrastes fortes, dramaticidade, exuberância e realismo e uma tendência ao decorativo, além de manifestar uma tensão entre o gosto pela materialidade opulenta e as demandas de uma vida espiritual. Rompimento do equilíbrio entre razão e sentimento, arte e ciência.  Surge no contexto do absolutismo (palaciano, cortês) e da contrarreforma (a necessidade de atrair fiéis, de apresentá-los a um universo mais sensacionalista e dramático).
  • 42.  No Brasil: * associado exclusivamente ao catolicismo; * principal manifestação artística do período colonial; * Duas linhas caracterizam o estilo do barroco brasileiro: - Regiões enriquecidas pelo comércio de ouro e açúcar: igrejas com trabalhos em madeira recobertas por finas camadas de ouro, com janelas, cornijas e portadas decoradas com trabalhos detalhados de escultura; - Outras regiões: igrejas com talhas modestas e trabalhos realizados por artistas menos experientes.
  • 43. Igreja de São Francisco de Assis – Estilo Barroco (elementos decorativos em Rococó), final do século 18. Projeto de Aleijadinho (Antonio Francisco Lisboa): Projeto da Fachada e decoração em relevos. Arte de Mestre Ataíde (Manuel da Costa Ataíde).
  • 44. Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar – Ouro Preto (MG) – 1733. (Infográfico: Eneida Verri Bucco Oliveira, 2010.)
  • 45. Nossa Senhora Cercada de Anjos Músicos – Mestre Ataíde, Século 18.
  • 46. "É certo que elas [as igrejas de Aleijadinho] não possuem majestade, como bem denunciou Saint-Hilaire. Mas a majestade não faz parte do Brasileiro, embora faça parte comum da nossa paisagem. Carece, no entanto, compreender que o sublime não implica exatamente majestade. Não é preciso ser ingente para ser sublime. As igrejas do Aleijadinho não se acomodam com o apelativo 'belo', próprio à São Pedro de Roma, à catedral de Reims, à Batalha ou à horrível São Marcos de Veneza. Mas são muito lindas, são bonitas como o quê. São dum sublime pequenino, dum equilíbrio, duma pureza tão bem arranjadinha e sossegada, que são feitas pra querer bem ou pra acarinhar, que nem na cantiga nordestina. São barrocas, não tem dúvida, mas a sua lógica e equilíbrio de solução é tão perfeito, que o jesuitismo desaparece, o enfeite se aplica com uma naturalidade tamanha, que si o estilo é barroco, o sentimento é renascente [renascentista]. O Aleijadinho soube ser arquiteto de engenharia. Escapou genialmente da luxuosidade, da superfectação, do movimento inquietador, do dramático, conservando uma clareza, uma claridade é melhor, puramente da Renascença.” (Mário de Andrade)
  • 47. Os Doze Profetas de Aleijadinho, famoso conjunto de esculturas em pedra sabão feitas entre 1795 a 1805. Santuário de Bom Jesus de Matosinhos, Congonhas de Campo Bom (MG).
  • 49. Igreja de São Francisco de Assis – Salvador (BA)- Escultor Pedro Ferreira (Início da construção da igreja: 1708)
  • 50. Pintura do século 18 de José Joaquim da Rocha com 173 m² redescoberta no forro da nave da Igreja da Venerável Ordem Terceira de São Domingos Gusmão, no Centro Histórico de Salvador. Foto:
  • 51. José Joaquim da Rocha (início do século 19). Alegoria do ingresso de São Domingos no céu acolhido por São Francisco de Assis (forro da nave).
  • 52. A Catedral de Florianópolis foi inaugurada em 1773 (?). Com o tempo alteraram-lhe o estilo original. Em 1897 foi instalado na torre um relógio, vindo da Alemanha. Em 1922, nas comemorações do centenário da Independência do Brasil, ocorreu uma grande reforma na catedral, quando teve suas paredes laterais aumentadas, alteradas as torres e acrescido um alpendre neoclássico em sua portadas. Capela Nossa Senhora do Desterro, 1905. Catedral de Florianópolis após revitalização externa de 2008. Foto: Ornato Arquitetura.
  • 53. Restauro da Capela do Santíssimo, na Catedral de Florianópolis, realizado em 2011. Recuperação das paredes com ilustrações barrocas em vermelho e azul datadas em aproximadamente 230 anos. As cores fazem referência ao Santíssimo Sacramento. Em diversas igrejas do Sul os padres determinaram que as pinturas fossem cobertas por tinta branca a fim de que não se dispersasse a atenção dos fiéis. (Foto: Fernando Mendes/Notícias do Dia).
  • 54. Catedral de Florianópolis, arte barroca com detalhes em ouro. (Foto: Fernando Mendes/Notícias do Dia).
  • 55. Igreja Matriz Santo Antônio dos Anjos de Laguna Construída em 1696 por ordem do bandeirante e fundador de Laguna, Domingos de Brito Peixoto, a atual Igreja Matriz no início era apenas uma capelinha de pau a pique. O corpo da igreja foi edificado em 1735, em estilo barroco, com quatro altares laterais folheados a ouro. Na construção há a Capela do Santíssimo, considerada o mais belo altar da arquitetura de Santa Catarina. Santo Antônio “ocupa” o altar mor da Igreja, que foi entalhado em 1803. As torres são um pouco mais novas: foram edificadas em 1894. O relógio é de 1935.
  • 56. Interior da Igreja Matriz Santo Antonio dos Anjos, em Laguna. Foto: Waldemar Anacleto.
  • 59. Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito em Florianópolis. Fundada por volta de 1750 pela Irmandade Beneficente N. S. do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, formada por escravos e negros livres. Esse templo barroco foi construído de 1787 a 1830. É a segunda igreja mais antiga da capital catarinense. Em meados do século 19, essa Irmandade mantinha um curso de alfabetização para escravos. Fonte: <http://www.santa-catarina.co/cultura-negra.htm>
  • 60. O culto a Nossa Senhora do Rosário por parte de escravos de origem africana era comum por todo Império português. Local de culto e de encontro da comunidade escrava e liberta de Desterro, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito tinha também um cemitério anexo, desativado quando foi inaugurado o Cemitério Municipal. Apesar de singela, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito se destaca no Centro Histórico de Florianópolis. Um fato interessante é que foi do alto de sua escadaria que o célebre artista ilhéu Victor Meirelles pintou, no século XIX, a tela “Vista do Desterro” onde retratou em uma visão panorâmica a cidade daquele tempo, tendo como fundo a Baía Sul. Fonte: <http://www.guiafloripa.com.br/> Foto: Silvano Mainchein.