SlideShare uma empresa Scribd logo
PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL
(Curso de Formação Continuada em Educação Patrimonial)
Profº Viegas Fernandes da Costa
O QUE VOCÊ VÊ?
O CONTEXTO DO CURSO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL DO IFSC – Campus Garopaba
 Portaria interna de nº 19/2013 instituiu a Comissão de Levantamento e Diagnóstico do
Patrimônio Histórico e Cultural da região de abrangência do Campus Garopaba. A comissão
vigorou até o final de 2014. Integraram esta Comissão os professores Viegas Fernandes da
Costa (História), Juliani Walotek (Guiamento de Turismo) e João Henrique Quoos (Geografia).
 Realização de pesquisa censitária com os professores da Rede Municipal de Garopaba, com
o objetivo de compreender a representação que estes profissionais fazem a respeito do
patrimônio cultural do município e suas demandas relacionadas à educação patrimonial.
 Resultados da pesquisa apresentados no II Seminário Internacional História do Tempo
Presente, realizado na UDESC, em Florianópolis (2014), com publicação nos Anais do Evento.
 2014/2015: Desenvolvimento de projetos de extensão em Educação Patrimonial com
estudantes da rede pública da região (editais de Fluxo contínuo) e com a comunidade do
Capão, em Garopaba (Edital Aproex 02/2015)
 Elaboração do PPC do Curso de Educação Patrimonial, aprovado pela Resolução CEPE/IFSC
29/2015 de 25/06/2015.
 13/08/2015: Início do curso.
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Principais pontos históricos de Garopaba
Principais exemplos de patrimônio cultural em Garopaba
Principais exemplos de Patrimônio Paisagístico
Fonte dos gráficos e tabelas: - COSTA, V. F. da. O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede
pública municipal de ensino. Anais do II Seminário Internacional História do Tempo Presente. Florianópolis, UDESC, p. 1-16,
2014.
HISTÓRIA
O que diferencia o ser humano dos demais animais é sua capacidade de
transformar a natureza, de produzir cultura, ou seja, de
FAZER HISTÓRIA
Historiem em grego antigo é “procurar saber”, informar-se”.
Enquanto campo de saber, a História tem por objetivo interpretar a ação
humana em suas diferentes temporalidades.
MEMÓRIA
A memória se modifica e se rearticula conforme a posição que ocupo e as
relações que estabeleço nos diferentes grupos de que participo. Também está
submetida a questões inconscientes, como o afeto, a censura, entre outros. As
memórias individuais alimentam-se da memória coletiva e histórica e incluem
elementos mais amplos do que a memória construída pelo indivíduo e seu
grupo. Um dos elementos mais importantes, que afirmam o caráter social da
memória, é a linguagem. As trocas entre os membros de um grupo se fazem
por meio de linguagem. Lembrar e narrar se constituem da linguagem. Como
afirma Ecléa Bosi a linguagem é o instrumento socializador da memória pois
reduz, unifica e aproxima no mesmo espaço histórico e cultural vivências tão
diversas como o sonho as lembranças e as experiências recentes.
(Zilda Kessel)
 A memória é também um objeto de luta pelo poder travada entre classes,
grupos e indivíduos. Decidir sobre o que deve ser lembrando e também
sobre o que deve ser esquecido integra os mecanismos de controle de um
grupo sobre o outro.
Outro aspecto importante acerca da memória é a sua relação com os
lugares. As memórias individual e coletiva têm nos lugares uma referência
importante para a sua construção. As memórias dos grupos se referenciam,
nos espaços em que habitam e nas relações que constroem com estes
espaços. Os lugares são importante referência na memória dos indivíduos,
donde se segue que as mudanças empreendidas nesses lugares provocam
mudanças importantes na vida e na memória dos grupos.
(Zilda Kessel)
A Importância da História Oral
“A história oral é uma metodologia de
pesquisa que consiste em realizar
entrevistas gravadas com pessoas que
podem testemunhar sobre
acontecimentos, conjunturas, instituições,
modos de vida ou outros aspectos da
história contemporânea. Começou a ser
utilizada nos anos 1950, após a invenção
do gravador, nos Estados Unidos, na
Europa e no México, e desde então
difundiu-se bastante. Ganhou também
cada vez mais adeptos, ampliando-se o
intercâmbio entre os que a praticam:
historiadores, antropólogos, cientistas
políticos, sociólogos, pedagogos, teóricos
da literatura, psicólogos e outros.”
(Centro de Pesquisa e Documentação de
História Contemporânea do Brasil –
CPDOC/FGV)
Se a memória relaciona-se com os lugares, seria possível construir memórias a
partir das cidades, das ruas, dos espaços, dos objetos?
Em sendo possível, de que forma?
PATRIMÔNIO
 O termo alemão para patrimônio (Denkmalplage) remete a um sentido diferente
do inglês (Heritage - aquilo que se herda) ou do latim (Pattrimonium – aquilo que se
herda do pai). Denkmalplage remete àquilo que deve ser cuidado, àquilo que faz
pensar. (FUNARI & PERREIRA, 2015).
 No renascimento os humanistas buscavam valorizar a antiguidade, e por isso
passam a colecionar os objetos e vestígios desse período – surge o Antiquariado.
O surgimento do Estado Nacional modifica o conceito de patrimônio. O
compartilhamento de valores e costumes, de uma língua, de uma origem
supostamente comum constitui também uma ideia de patrimônio nacional a
configurar identidades.
 O surgimento da ONU contribui para a compreensão de patrimônio como algo que
supera as fronteiras nacionais.
Em 1972 acontece a 1ª Convenção referente ao patrimônio mundial cultural e
natural. Desenvolve-se a ideia de Patrimônio da Humanidade.
Segundo a UNESCO, patrimônio constitui-se como nosso legado do passado, no qual
vivemos e que vamos passar para as futuras gerações”, sendo “fontes insubstituíveis de
vida e inspiração”.
A maior concentração de monumentos do patrimônio da humanidade está na Europa,
principalmente na Espanha, Itália, Alemanha e França.
O patrimônio é importante para preservar identidades, porém as políticas que
reconhecem patrimônios e dão-lhes significados não são neutras, “mas refletem a
ideologia dos responsáveis e muitas vezes adotam critérios ambíguos em função de
interesses conjunturais, que mudam quando muda a administração pública” ( Margarita
Barretto).
A quem deve pertencer a autoridade de reconhecer o que é patrimônio?
 Segundo Margarita Barretto, “se há um patrimônio reconhecido pelos vencedores, é
porque há um patrimônio dos vencidos.” E ainda, “quais são os símbolos que devem
permanecer para retratar determinada sociedade em determinado momento?”
Na Ucrânia, manifestantes
nacionalistas derrubam estátua
de Lênin em 2013.
Em 2003, tropas estadunidenses
derrubam a estátua de Saddam
Hussein
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Art. 53 do Protocolo
Adicional à Convenção de
Genebra de 12 agosto de
1949: é proibido “(a)
cometer qualquer ato de
hostilidade dirigido contra
monumentos históricos,
trabalhos artísticos ou locais
de oração que constituam a
herança cultural ou
espiritual de pessoas; (b)
usar tais objetos para
suportar esforços militares;
[e] (c) fazer de tais objetos
objetos de represália”.
DW
A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO
CULTURAL ENQUANTO DIMENSÃO DO
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
TOMBAMENTO
“O tombamento é um ato administrativo realizado pelo Poder
Público, nos níveis federal, estadual ou municipal. Os tombamentos
federais são responsabilidade do IPHAN e começam pelo pedido de
abertura do processo, por iniciativa de qualquer cidadão ou
instituição pública. O objetivo é preservar bens de valor histórico,
cultural, arquitetônico, ambiental e também de valor afetivo para a
população, impedindo a destruição e/ou descaracterização de tais
bens.
Pode ser aplicado aos bens móveis e imóveis, de interesse cultural ou
ambiental. É o caso de fotografias, livros, mobiliários, utensílios, obras
de arte, edifícios, ruas, praças, cidades, regiões, florestas, cascatas
etc. Somente é aplicado aos bens materiais de interesse para a
preservação da memória coletiva.”
(FONTE: IPHAN. www.iphan.gov.br )
REGISTRO
O Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial, instituído
pelo Decreto nº 3551/2000, é um instrumento legal de preservação,
reconhecimento e valorização do patrimônio cultural imaterial
brasileiro, composto por aqueles bens que contribuíram para a formação
da sociedade brasileira. Consiste na produção de conhecimento sobre o
bem cultural imaterial em todos os seus aspectos culturalmente
relevantes.
Esse instrumento é aplicado àqueles bens que obedecem às categorias
estabelecidas pelo Decreto nº 3551/2000: Celebrações, Lugares, Formas
de Expressão e Saberes, ou seja, as práticas, representações, expressões,
lugares, conhecimentos e técnicas, que os grupos sociais reconhecem
como parte integrante do seu patrimônio cultural. Com o Registro, os
bens recebem o título de Patrimônio Cultural do Brasil e são inscritos em
um dos quatro Livros de Registro, de acordo com a categoria
correspondente.
(FONTE: IPHAN. www.iphan.gov.br )
PAISAGEM CULTURAL
1992: Unesco adota o conceito de paisagem cultural como tipologia de reconhecimento
dos bens culturais.
2012: Rio de Janeiro é a primeira área urbana do mundo a receber a chancela de
paisagem cultural.
O Iphan regulamenta a paisagem cultural como instrumento de preservação do
patrimônio cultural brasileiro em 2009, por meio da Portaria nº 127.
Definição: porção peculiar do território nacional, representativa do processo de interação
do homem com o meio natural, à qual a vida e a ciência humana imprimiram marcas ou
atribuíram valores.
Compõem a paisagem cultural no Brasil o sertanejo e a caatinga, o candango e o cerrado,
o pantanal e o boiadeiro, o gaúcho e os pampas, o pescador e os barcos tradicionais, as
tradições da mata e as tribos indígenas. (...) Dessa relação surge outra característica
fundamental da paisagem cultural: a ocorrência, em determinada fração territorial, do
convívio entre a natureza, os espaços construídos e ocupados, os modos de produção e as
atividades culturais e sociais, numa relação complementar capaz de estabelecer uma
identidade que não possa ser conferida por qual quer um desses elementos
isoladamente. Chancelada uma paisagem cultural, é necessário um pacto entre o poder
público, a sociedade civil e a iniciativa privada com um objetivo de estabelecer uma
gestão compartilhada garantindo suas características . Havendo sua degradação iuy
destruição, a chancela é cancelada.
Fonte: Site do IPHAN, com modificações.
Classificação do patrimônio cultural e natural segundo a UNESCO
MONUMENTOS: obras arquitetônicas, esculturas, pinturas, vestígios arqueológicos,
inscrições etc.
CONJUNTOS: grupos de construções.
SÍTIOS: obras humanas ou naturais de valor estético, histórico, etnológico ou
científico.
MONUMENTOS NATURAIS: formações físicas ou biológicas.
FORMAÇÕES GEOLÓGICAS OU FISIOGRÁFICAS: hábitat de espécies animais e
vegetais ameaçadas de extinção.
SÍTIOS NATURAIS: áreas de valor científico ou de beleza natural.
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE NO BRASIL
(UNESCO)
Centro histórico de Ouro Preto (MG) (XVIII)
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Parque Nacional Serra da Capivara
São Raimundo Nonato (PI)
Foto: José Israel Abrantes
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Missões Jesuíticas junto aos Guaranis (Brasil – Argentina) (XVII – XVIII)
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Brasília (DF) (XX)
Centro Histórico de Goiás (XVIII – XIX)
Parque Nacional do Iguaçú (PR)
Rio de Janeiro (RJ)
Floresta da Tijuca Forte de Copacabana
Passeio público Vista do Rio de Janeiro (mar e montanhas)
PATRIMÔNIOS TOMBADOS OU REGISTRADOS PELO IPHAN
Terreiro da Casa Branca (Salvador/BA): primeiro centro religioso não-católico a ser reconhecido como
patrimônio nacional pelo Ministério da Cultura. Segundo Gilberto Velho, seu tombamento representa
um marco porque rompeu a tradição luso-brasileira. Tombado em 1984.
O Presépio do Pipiripau foi criado e armado por Raimundo Machado de Azevedo no período
compreendido entre 1906-1976. Instalado no Museu de História Natural da Universidade Federal de
Minas Gerais, desde 1983, o Pipiripau é composto por 45 cenas distintas, entre religiosas (cenas da vida
de Cristo) e profanas, dispostas sem a preocupação de sequência cronológica, em cinco planos, onde as
pinturas das paredes laterais e do fundo dão continuidade e unidade às cenas. As 580 figuras estão
dispostas em um cenário de 4 metros de largura, 3,20 metros de altura e 4 metros de profundidade.
(Fonte: IPHAN)
PRESÉPIO DO PIPIRIPAU (MG)
FORTALEZA DE SANTA CRUZ (Niterói, RJ)
Em 1555, Villegaignon improvisou uma fortificação para a defesa da entrada da Baía de Guanabara.
Tomada por Mem de Sá dois anos mais tarde, foi ampliada, recebendo o nome de N. Sra. Da Guia ,
origem da fortaleza de Santa Cruz. Com uma área construída de 7.153 m2 , passou por reformas e teve
seu poder de fogo ampliado para proteger o embarque de ouro de Minas Gerais, feito no Porto do Rio
de Janeiro
PATRIMÔNIO IMATERIAL
Não se trata, portanto, de pretender imobilizar, em um tempo presente,
um bem, um legado, uma tradição de nossa cultura, cujo suposto valor
seja justamente a sua condição de ser anacrônico com o que se cria e o
que se pensa e viva agora, ali onde aquilo está ou existe. Trata-se de
buscar, na qualidade de uma sempre presente e diversa releitura daquilo
que é tradicional, o feixe de relações que ele estabelece com a vida social
e simbólica das pessoas de agora. O feixe de significados que a sua
presença significante provoca e desafia.
(Carlos Rodrigues Brandão)
BENS (imateriais) REGISTRADOS PELO IPHAN
Estão sob a proteção do IPHAN 26 bens registrados como Patrimônio Cultural
do Brasil, sendo seis celebrações, dez formas de expressão, oito saberes
e dois lugares.
Arte Kusiwa (pintura corporal): sistema de representação gráfico
próprio dos povos indígenas Wajãpi, do Amapá, que sintetiza seu
modo particular de conhecer, conceber e agir sobre o universo.
Ofício das paneleiras de Goiabeiras
O saber envolvido na fabricação artesanal de panelas de barro foi o primeiro bem
cultural registrado, pelo IPHAN, como Patrimônio Imaterial no Livro de Registro dos
Saberes, em 2002. O processo de produção no bairro de Goiabeiras Velha, em
Vitória, no Espírito Santo, emprega técnicas tradicionais e matérias-primas
provenientes do meio natural. A atividade, eminentemente feminina, é
tradicionalmente repassada pelas artesãs paneleiras, às suas filhas, netas,
sobrinhas e vizinhas, no convívio doméstico e comunitário.
Círio de Nossa Senhora do Nazaré
O Círio de Nossa Senhora de Nazaré é uma celebração religiosa que ocorre em Belém
(PA), inscrita no Livro das Celebrações, em 2004. Os festejos envolvem vários rituais
de devoção religiosa e expressões culturais, e reúnem devotos, turistas e curiosos de
todas as partes do Brasil e de países estrangeiros. Acontecem em vários municípios
do Pará - Acará, Curuçá, Parauapebas, São João, entre outros - onde se cultua a
festividade de Nossa Senhora de Nazaré.
Modo de fazer viola de cocho
A viola de cocho é um instrumento
musical singular quanto à forma e
sonoridade, produzido
exclusivamente de forma
artesanal, com a utilização de
matérias-primas existentes na
Região Centro-Oeste do Brasil. Sua
produção é realizada por mestres
cururueiros, tanto para uso
próprio como para atender à
demanda do mercado local,
constituída por cururueiros e
mestres da dança do siriri.
Oficio de Sineiro
O Ofício de Sineiro tem importância fundamental na produção e reprodução dos toques
que caracterizam e diferenciam territórios e comunidades, contribuindo para a
permanência da prática de tocar sino nas cidades mineiras como uma forma de
comunicação e identidade. O Ofício de Sineiro foi inscrito no Livro de Registro dos
Saberes, em 2009.
Tendo como referência as cidades de São João del Rei, Ouro Preto, Mariana, Catas Altas,
Congonhas do Campo, Diamantina, Sabará, Serro e Tiradentes, em Minas Gerais, é uma
prática tradicional, vinculada ao ato de tocar os sinos das igrejas católicas para anunciar
rituais e celebrações religiosas, atos fúnebres e marcação das horas, entre outras
comunicações de interesse coletivo.
A tradição do toque dos sinos, eminentemente masculina, se mantém viva nessas
cidades como referência de identidade cultural da população local, e como atividade
afetiva, lúdica e devocional de sineiros voluntários e profissionais. A estrutura,
composição e o saber tocar sinos estão na memória e na habilidade dos sineiros, que
conhecem de cor um repertório não escrito de toques, constituído de pancadas,
badaladas e repiques (executados com o sino paralisado) e de dobres (executados com o
sino em movimento), adequados às ocasiões festivas ou fúnebres.
Modo artesanal de fazer queijo de Minas nas regiões do Serro e das serras da
Canastra e do Salitre
A produção artesanal do queijo de leite cru nas regiões do Serro e das serras da
Canastra e do Salitre em Minas Gerais representa até hoje uma alternativa bem
sucedida de conservação e aproveitamento da produção leiteira regional, em áreas
cuja geografia limita o escoamento dessa produção. O modo artesanal de fazer queijo
constitui um conhecimento tradicional e um traço marcante da identidade cultural
dessas regiões. Foi inscrito no Livro dos Saberes em 2008.
Roda de capoeira
A Roda de Capoeira - inscrita no Livro de Registro das Formas de Expressão, em de
2008 - é um elemento estruturante desta manifestação, espaço e tempo onde se
expressam simultaneamente o canto, o toque dos instrumentos, a dança, os golpes, o
jogo, a brincadeira, os símbolos e rituais de herança africana - notadamente banto -
recriados no Brasil. Profundamente ritualizada, a roda de capoeira congrega cantigas
e movimentos que expressam uma visão de mundo, uma hierarquia e um código de
ética que são compartilhados pelo grupo. Na roda de capoeira se batizam os
iniciantes, se formam e se consagram os grandes mestres, se transmitem e se
reiteram práticas e valores afro-brasileiros.
PATRIMÔNIO TOMBADO PELO IPHAN EM
SANTA CATARINA
Biguaçu: conjunto arquitetônico e paisagístico da Vila de São Miguel
Florianópolis: Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição de Araçatuba (1742)
Florianópolis
Ponte Hercílio Luz
(Década de 1920)
Florianópolis
Antiga Alfândega
1875
(Maior exemplo da arquitetura
neoclássica em Florianópolis)
Florianópolis: Sítio arqueológico e paisagístico da Ilha do Campeche
Joinville: Cemitério protestante
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Laguna: “Museu Anita Garibaldi” (1747)
BENS TOMBADOS PELA FUNDAÇÃO
CATARINENSE DE CULTURA
LISTA COMPLETA EM: www.fcc.sc.gov.br
BENS TOMBADOS PELO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO ESTADUAL
IMBITUBA: Igreja de Santa Ana (Vila Nova)
GAROPABA: Igreja de São Joaquim
GOVERNADOR CELSO RAMOS: Igreja de Nossa Senhora da
Piedade e ruínas adjacentes - Armação da Piedade.
BLUMENAU: Igreja do Espírito Santo (Protestante).
BLUMENAU: Conjunto arquitetônico que integra o complexo fabril das
Indústrias Hering, formado por cinco edificações.
INDAIAL: Residência enxaimel.
JOINVILLE: Estação ferroviária.
ITAJAÍ: Igreja Matriz do Santíssimo Sacramento
LAGES: Fazenda Cajurú.
LAGES: Colégio Santa Rosa de Lima (Arquitetura em Art Déco, estilo decorativo onde
predominam as linhas retas ou circulares estilizadas.)
PESCARIA BRAVA: Igreja do Bom Jesus do Socorro.
NOVA VENEZA: Conjunto de Pedra.
RIO NEGRINHO: Casa Zipperer.
URUSSANGA: Igreja de São Gervásio e São Protásio (Arquitetura religiosa ítalo-
brasileira .)
BENS IMATERIAIS EM SANTA CATARINA
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
PATRIMÔNIO GENÉTICO
Medida Provisória nº. 2.186 -16/2001: “o conhecimento
tradicional associado ao patrimônio genético integra o
patrimônio cultural brasileiro e poderá ser objeto de
cadastro, conforme dispuser o Conselho de Gestão ou
legislação específica".
Conhecimento Tradicional Associado (CTA) é a informação
ou prática, individual ou coletiva, de povo indígena, povo
ou comunidade tradicional, com valor real ou potencial,
associada ao patrimônio genético. O acesso ao patrimônio
genético e aos conhecimentos tradicionais associados é
objeto de autorização estatal, para fins de pesquisa
científica, bioprospecção ou desenvolvimento tecnológico,
com vistas a sua aplicação industrial ou de outra natureza.
Fonte: IPHAN.
PATRIMÔNIO LINGUÍSTICO
 Decreto Nº 7.387/2010 – Criou o Inventário Nacional da Diversidade Linguística
 250 línguas no Brasil (estimativa) além do português e suas variedades: indígenas,
de imigração, de sinais, crioulas e afro-brasileiras
 Criação de uma política específica para a salvaguarda da diversidade linguística
brasileira, de modo a garantir sua sobrevivência em seus contextos sociais.
 Já inventariadas:
• Talian: uma das autodenominações para a língua de imigração falada no Brasil
onde houve ocupação italiana, desde o século XIX, nos estados do Rio Grande do
Sul, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso e Espírito Santo.
• Asuriní do Trocará:, que pertence ao tronco Tupi, da família linguística Tupi-
Guarani. Os Asurini do Trocará habitam a Terra Indígena Trocará, localizada às
margens do rio Tocantins, em Tucuruí (PA).
•Guarani Mbya, identificada como uma das três variedades modernas da língua
Guarani, da família Tupi-Guarani, tronco linguístico Tupi - as outras são o
Nhandeva, o Ava Guarani e o Kaiowa.
INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA
Campus Garopaba
PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL
Professor Viegas Fernandes da Costa
Referências:
Site da UNESCO.
Site do IPHAN.
Site da Fundação Catarinense de Cultura.
 Site do LABPAC/UDESC
BARRETO, Margarita. Patrimônio, gentrificação e turismo.
(mimeo).
- COSTA, Viegas Fernandes da. O Patrimônio Cultural de Garopaba
(SC) na percepção dos professores da rede pública municipal de
ensino. Anais do II Seminário Internacional História do Tempo
Presente. Florianópolis, UDESC, p. 1-16, 2014.
FUNARI, Pedro Paulo & PELEGRINI, Sandra C. A. Patrimônio
histórico e cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.
FUNARI, Pedro Paulo & PERREIRA, Lúcio Menezes. Desafios
parava preservação do patrimônio arqueológico no Brasil. In.
CAMPOS, Youssef Daibert Salomão de. (org.) Patrimônio cultural
plural. Belo Horizonte: Arraes, 2015, p. 135-143.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Organizador_Curricular_FBG_Historia ..pdf
Organizador_Curricular_FBG_Historia ..pdfOrganizador_Curricular_FBG_Historia ..pdf
Organizador_Curricular_FBG_Historia ..pdf
Renecassio Vasconcelos
 
A cultura brasileira
A cultura brasileiraA cultura brasileira
A cultura brasileira
Edvilson Itb
 
História e cultura afro brasileira e indígena
História e cultura afro brasileira e indígenaHistória e cultura afro brasileira e indígena
História e cultura afro brasileira e indígena
Valeria Santos
 
Conhecendo o patrimônio cultural brasileiro
Conhecendo o patrimônio cultural brasileiroConhecendo o patrimônio cultural brasileiro
Conhecendo o patrimônio cultural brasileiro
Marcos Luis Christo
 
03.02 atividade sociologia_3_b_douglas
03.02 atividade sociologia_3_b_douglas03.02 atividade sociologia_3_b_douglas
03.02 atividade sociologia_3_b_douglas
DouglasElaine Moraes
 
Patrimônio Cultural: conceituando e definindo
Patrimônio Cultural: conceituando e definindoPatrimônio Cultural: conceituando e definindo
Patrimônio Cultural: conceituando e definindo
Eliana Rezende
 
Dancas Folclóricas
Dancas FolclóricasDancas Folclóricas
Dancas Folclóricas
silsiane
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro   BrasileiraCultura Afro   Brasileira
Cultura Afro Brasileira
martinsramon
 
ARTE E CULTURA AFRICANA E AFRO-BRASILEIRA NAS ESCOLAS: INFLUÊNCIA AFRICANA ...
  ARTE E CULTURA AFRICANA E AFRO-BRASILEIRA NAS ESCOLAS: INFLUÊNCIA AFRICANA ...  ARTE E CULTURA AFRICANA E AFRO-BRASILEIRA NAS ESCOLAS: INFLUÊNCIA AFRICANA ...
ARTE E CULTURA AFRICANA E AFRO-BRASILEIRA NAS ESCOLAS: INFLUÊNCIA AFRICANA ...
Alexia Oliveira
 
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
Projeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cestProjeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cest
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
SimoneHelenDrumond
 
Cultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no BrasilCultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no Brasil
Bruna Medeiros
 
Culinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileiraCulinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileira
Mary Alvarenga
 
Projeto lixo
Projeto lixoProjeto lixo
Projeto lixo
jussaramuraoka
 
Cultura erudita e cultura popular reformulado
Cultura erudita e cultura popular reformuladoCultura erudita e cultura popular reformulado
Cultura erudita e cultura popular reformulado
Celso Firmino Sociologia/Filosofia
 
Patrimônio cultural
Patrimônio culturalPatrimônio cultural
Patrimônio cultural
Paulo Gomes
 
Projeto Cultura Afro Brasileira e africana
Projeto Cultura Afro Brasileira e africanaProjeto Cultura Afro Brasileira e africana
Projeto Cultura Afro Brasileira e africana
lucianazanetti
 
Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)
Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)
Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)
Elizandra Raquel Azeveo Velho
 
Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
Paula Raphaela
 
Projeto arte e africanidades
Projeto arte e africanidadesProjeto arte e africanidades
Projeto arte e africanidades
campacheco
 
Museu
MuseuMuseu

Mais procurados (20)

Organizador_Curricular_FBG_Historia ..pdf
Organizador_Curricular_FBG_Historia ..pdfOrganizador_Curricular_FBG_Historia ..pdf
Organizador_Curricular_FBG_Historia ..pdf
 
A cultura brasileira
A cultura brasileiraA cultura brasileira
A cultura brasileira
 
História e cultura afro brasileira e indígena
História e cultura afro brasileira e indígenaHistória e cultura afro brasileira e indígena
História e cultura afro brasileira e indígena
 
Conhecendo o patrimônio cultural brasileiro
Conhecendo o patrimônio cultural brasileiroConhecendo o patrimônio cultural brasileiro
Conhecendo o patrimônio cultural brasileiro
 
03.02 atividade sociologia_3_b_douglas
03.02 atividade sociologia_3_b_douglas03.02 atividade sociologia_3_b_douglas
03.02 atividade sociologia_3_b_douglas
 
Patrimônio Cultural: conceituando e definindo
Patrimônio Cultural: conceituando e definindoPatrimônio Cultural: conceituando e definindo
Patrimônio Cultural: conceituando e definindo
 
Dancas Folclóricas
Dancas FolclóricasDancas Folclóricas
Dancas Folclóricas
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro   BrasileiraCultura Afro   Brasileira
Cultura Afro Brasileira
 
ARTE E CULTURA AFRICANA E AFRO-BRASILEIRA NAS ESCOLAS: INFLUÊNCIA AFRICANA ...
  ARTE E CULTURA AFRICANA E AFRO-BRASILEIRA NAS ESCOLAS: INFLUÊNCIA AFRICANA ...  ARTE E CULTURA AFRICANA E AFRO-BRASILEIRA NAS ESCOLAS: INFLUÊNCIA AFRICANA ...
ARTE E CULTURA AFRICANA E AFRO-BRASILEIRA NAS ESCOLAS: INFLUÊNCIA AFRICANA ...
 
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
Projeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cestProjeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cest
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
 
Cultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no BrasilCultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no Brasil
 
Culinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileiraCulinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileira
 
Projeto lixo
Projeto lixoProjeto lixo
Projeto lixo
 
Cultura erudita e cultura popular reformulado
Cultura erudita e cultura popular reformuladoCultura erudita e cultura popular reformulado
Cultura erudita e cultura popular reformulado
 
Patrimônio cultural
Patrimônio culturalPatrimônio cultural
Patrimônio cultural
 
Projeto Cultura Afro Brasileira e africana
Projeto Cultura Afro Brasileira e africanaProjeto Cultura Afro Brasileira e africana
Projeto Cultura Afro Brasileira e africana
 
Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)
Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)
Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)
 
Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
 
Projeto arte e africanidades
Projeto arte e africanidadesProjeto arte e africanidades
Projeto arte e africanidades
 
Museu
MuseuMuseu
Museu
 

Destaque

Attitudes and local ecological knowledge of experts fishermen in relation to ...
Attitudes and local ecological knowledge of experts fishermen in relation to ...Attitudes and local ecological knowledge of experts fishermen in relation to ...
Attitudes and local ecological knowledge of experts fishermen in relation to ...
Heitor de Oliveira Braga
 
2007 pires territorio_e_desenvolvimento-interacoes_2
2007 pires territorio_e_desenvolvimento-interacoes_22007 pires territorio_e_desenvolvimento-interacoes_2
2007 pires territorio_e_desenvolvimento-interacoes_2
Nemésio Carlos Silva
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Viegas Fernandes da Costa
 
O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede ...
O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede  ...O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede  ...
O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede ...
Viegas Fernandes da Costa
 
O DEBATE IDENTITÁRIO NA LITERATURA PÓS-COLONIAL: John Maxwell Coetzee e Mia C...
O DEBATE IDENTITÁRIO NA LITERATURA PÓS-COLONIAL: John Maxwell Coetzee e Mia C...O DEBATE IDENTITÁRIO NA LITERATURA PÓS-COLONIAL: John Maxwell Coetzee e Mia C...
O DEBATE IDENTITÁRIO NA LITERATURA PÓS-COLONIAL: John Maxwell Coetzee e Mia C...
Viegas Fernandes da Costa
 
Educação Ambiental - CARVALHO
Educação Ambiental - CARVALHOEducação Ambiental - CARVALHO
Educação Ambiental - CARVALHO
Fabíola Moreira
 
COLONIALISMO, TERRITÓRIO E TERRITORIALIDADE: a luta pela terra dos Guarani e ...
COLONIALISMO, TERRITÓRIO E TERRITORIALIDADE: a luta pela terra dos Guarani e ...COLONIALISMO, TERRITÓRIO E TERRITORIALIDADE: a luta pela terra dos Guarani e ...
COLONIALISMO, TERRITÓRIO E TERRITORIALIDADE: a luta pela terra dos Guarani e ...
MarinaMarcos
 
Case de Sustentabilidade da Natura
Case de Sustentabilidade da NaturaCase de Sustentabilidade da Natura
Case de Sustentabilidade da Natura
Editora Fórum
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Viegas Fernandes da Costa
 
Projeto história e memória
Projeto história e memóriaProjeto história e memória
Projeto história e memória
usuariobairro2012
 
Aula educação ambiental 2- formal e informal
Aula educação ambiental 2- formal e informalAula educação ambiental 2- formal e informal
Aula educação ambiental 2- formal e informal
henrique-182
 
Topico1 territorio e territorialidade 2013
Topico1 territorio e territorialidade 2013Topico1 territorio e territorialidade 2013
Topico1 territorio e territorialidade 2013
Atividades Diversas Cláudia
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Viegas Fernandes da Costa
 
Concepção de Território
Concepção de TerritórioConcepção de Território
Concepção de Território
Maria Moreninha
 
Território e poder
Território e poderTerritório e poder
Território e poder
Pedro Neves
 
Território
TerritórioTerritório
Território
Pedro Neves
 
Nicho Ecológico
Nicho EcológicoNicho Ecológico
Nicho Ecológico
unesp
 
O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25
O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25
O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25
Paes Viana
 
Estado nação, território e poder
Estado nação, território e poderEstado nação, território e poder
Estado nação, território e poder
Vinicius Coelho
 
Aula 2: Patrimônio e tombamento
Aula 2: Patrimônio e tombamentoAula 2: Patrimônio e tombamento
Aula 2: Patrimônio e tombamento
Viegas Fernandes da Costa
 

Destaque (20)

Attitudes and local ecological knowledge of experts fishermen in relation to ...
Attitudes and local ecological knowledge of experts fishermen in relation to ...Attitudes and local ecological knowledge of experts fishermen in relation to ...
Attitudes and local ecological knowledge of experts fishermen in relation to ...
 
2007 pires territorio_e_desenvolvimento-interacoes_2
2007 pires territorio_e_desenvolvimento-interacoes_22007 pires territorio_e_desenvolvimento-interacoes_2
2007 pires territorio_e_desenvolvimento-interacoes_2
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
 
O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede ...
O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede  ...O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede  ...
O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede ...
 
O DEBATE IDENTITÁRIO NA LITERATURA PÓS-COLONIAL: John Maxwell Coetzee e Mia C...
O DEBATE IDENTITÁRIO NA LITERATURA PÓS-COLONIAL: John Maxwell Coetzee e Mia C...O DEBATE IDENTITÁRIO NA LITERATURA PÓS-COLONIAL: John Maxwell Coetzee e Mia C...
O DEBATE IDENTITÁRIO NA LITERATURA PÓS-COLONIAL: John Maxwell Coetzee e Mia C...
 
Educação Ambiental - CARVALHO
Educação Ambiental - CARVALHOEducação Ambiental - CARVALHO
Educação Ambiental - CARVALHO
 
COLONIALISMO, TERRITÓRIO E TERRITORIALIDADE: a luta pela terra dos Guarani e ...
COLONIALISMO, TERRITÓRIO E TERRITORIALIDADE: a luta pela terra dos Guarani e ...COLONIALISMO, TERRITÓRIO E TERRITORIALIDADE: a luta pela terra dos Guarani e ...
COLONIALISMO, TERRITÓRIO E TERRITORIALIDADE: a luta pela terra dos Guarani e ...
 
Case de Sustentabilidade da Natura
Case de Sustentabilidade da NaturaCase de Sustentabilidade da Natura
Case de Sustentabilidade da Natura
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
 
Projeto história e memória
Projeto história e memóriaProjeto história e memória
Projeto história e memória
 
Aula educação ambiental 2- formal e informal
Aula educação ambiental 2- formal e informalAula educação ambiental 2- formal e informal
Aula educação ambiental 2- formal e informal
 
Topico1 territorio e territorialidade 2013
Topico1 territorio e territorialidade 2013Topico1 territorio e territorialidade 2013
Topico1 territorio e territorialidade 2013
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
 
Concepção de Território
Concepção de TerritórioConcepção de Território
Concepção de Território
 
Território e poder
Território e poderTerritório e poder
Território e poder
 
Território
TerritórioTerritório
Território
 
Nicho Ecológico
Nicho EcológicoNicho Ecológico
Nicho Ecológico
 
O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25
O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25
O estado nação, territorio e territorialidade - cap. 03 - pag. 25
 
Estado nação, território e poder
Estado nação, território e poderEstado nação, território e poder
Estado nação, território e poder
 
Aula 2: Patrimônio e tombamento
Aula 2: Patrimônio e tombamentoAula 2: Patrimônio e tombamento
Aula 2: Patrimônio e tombamento
 

Semelhante a Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2

Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012
Alice Fonseca
 
Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii
Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_iiApresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii
Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii
Dirce Cristiane Camilotti
 
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
1sested
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão ProfessorBacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Projetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais IIProjetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais II
Uesliane Mara Santos
 
PPE 2.pptx
PPE 2.pptxPPE 2.pptx
PPE 2.pptx
ssuser41d73d
 
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Prefeitura de Olinda
 
Patrimônio Histórico/Cultural Trabalho
Patrimônio Histórico/Cultural Trabalho Patrimônio Histórico/Cultural Trabalho
Patrimônio Histórico/Cultural Trabalho
Emerson Mathias
 
Tradicoes traducoes na_cultura_popular para ssa 2
Tradicoes traducoes na_cultura_popular  para ssa 2Tradicoes traducoes na_cultura_popular  para ssa 2
Tradicoes traducoes na_cultura_popular para ssa 2
Fabio Salvari
 
7 ano atividades complementares 4 semana
7 ano atividades complementares 4 semana7 ano atividades complementares 4 semana
7 ano atividades complementares 4 semana
Washington Rocha
 
Palestra patrimonio natural
Palestra patrimonio naturalPalestra patrimonio natural
Palestra patrimonio natural
Elizete Ignacio
 
MEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA
MEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVAMEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA
MEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA
Pedagogiapibid
 
Educação patrimonial
Educação patrimonialEducação patrimonial
Educação patrimonial
EducacaoIntegralPTC
 
2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf
2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf
2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf
PEDRO CABRAL DA COSTA
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Aluno
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão AlunoBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Aluno
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Aluno
Erika Marion Robrahn-González
 
Apresentação do mestrado
Apresentação do mestradoApresentação do mestrado
Apresentação do mestrado
Glauco Ricciele
 
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Aluno
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão AlunoBacia do Rio Grande Aula 2 Versão Aluno
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Aluno
Erika Marion Robrahn-González
 
Educação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade CulturalEducação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade Cultural
Carminha
 

Semelhante a Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2 (20)

Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012
 
Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii
Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_iiApresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii
Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii
 
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
 
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão ProfessorBacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
 
Projetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais IIProjetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais II
 
PPE 2.pptx
PPE 2.pptxPPE 2.pptx
PPE 2.pptx
 
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
 
Patrimônio Histórico/Cultural Trabalho
Patrimônio Histórico/Cultural Trabalho Patrimônio Histórico/Cultural Trabalho
Patrimônio Histórico/Cultural Trabalho
 
Tradicoes traducoes na_cultura_popular para ssa 2
Tradicoes traducoes na_cultura_popular  para ssa 2Tradicoes traducoes na_cultura_popular  para ssa 2
Tradicoes traducoes na_cultura_popular para ssa 2
 
7 ano atividades complementares 4 semana
7 ano atividades complementares 4 semana7 ano atividades complementares 4 semana
7 ano atividades complementares 4 semana
 
Palestra patrimonio natural
Palestra patrimonio naturalPalestra patrimonio natural
Palestra patrimonio natural
 
MEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA
MEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVAMEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA
MEMÓRIA E PATRIMÔNIO HISTÓRICO: ALAVANCAS PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA
 
Educação patrimonial
Educação patrimonialEducação patrimonial
Educação patrimonial
 
2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf
2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf
2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Aluno
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão AlunoBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Aluno
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Aluno
 
Apresentação do mestrado
Apresentação do mestradoApresentação do mestrado
Apresentação do mestrado
 
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Aluno
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão AlunoBacia do Rio Grande Aula 2 Versão Aluno
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Aluno
 
Educação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade CulturalEducação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade Cultural
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Viegas Fernandes da Costa
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
Viegas Fernandes da Costa
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
Viegas Fernandes da Costa
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Viegas Fernandes da Costa
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Viegas Fernandes da Costa
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
Viegas Fernandes da Costa
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
Viegas Fernandes da Costa
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
Viegas Fernandes da Costa
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
Viegas Fernandes da Costa
 
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Viegas Fernandes da Costa
 
O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede p...
O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede p...O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede p...
O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede p...
Viegas Fernandes da Costa
 
Patrimônio arqueológico e turismo: Proposições a respeito dos municípios de G...
Patrimônio arqueológico e turismo:Proposições a respeito dos municípios deG...Patrimônio arqueológico e turismo:Proposições a respeito dos municípios deG...
Patrimônio arqueológico e turismo: Proposições a respeito dos municípios de G...
Viegas Fernandes da Costa
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa (20)

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
Tarde.
 
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
 
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
 
O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede p...
O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede p...O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede p...
O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede p...
 
Patrimônio arqueológico e turismo: Proposições a respeito dos municípios de G...
Patrimônio arqueológico e turismo:Proposições a respeito dos municípios deG...Patrimônio arqueológico e turismo:Proposições a respeito dos municípios deG...
Patrimônio arqueológico e turismo: Proposições a respeito dos municípios de G...
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 

Último (20)

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 

Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2

  • 1. PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL (Curso de Formação Continuada em Educação Patrimonial) Profº Viegas Fernandes da Costa
  • 2. O QUE VOCÊ VÊ?
  • 3. O CONTEXTO DO CURSO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL DO IFSC – Campus Garopaba  Portaria interna de nº 19/2013 instituiu a Comissão de Levantamento e Diagnóstico do Patrimônio Histórico e Cultural da região de abrangência do Campus Garopaba. A comissão vigorou até o final de 2014. Integraram esta Comissão os professores Viegas Fernandes da Costa (História), Juliani Walotek (Guiamento de Turismo) e João Henrique Quoos (Geografia).  Realização de pesquisa censitária com os professores da Rede Municipal de Garopaba, com o objetivo de compreender a representação que estes profissionais fazem a respeito do patrimônio cultural do município e suas demandas relacionadas à educação patrimonial.  Resultados da pesquisa apresentados no II Seminário Internacional História do Tempo Presente, realizado na UDESC, em Florianópolis (2014), com publicação nos Anais do Evento.  2014/2015: Desenvolvimento de projetos de extensão em Educação Patrimonial com estudantes da rede pública da região (editais de Fluxo contínuo) e com a comunidade do Capão, em Garopaba (Edital Aproex 02/2015)  Elaboração do PPC do Curso de Educação Patrimonial, aprovado pela Resolução CEPE/IFSC 29/2015 de 25/06/2015.  13/08/2015: Início do curso.
  • 9. Principais exemplos de patrimônio cultural em Garopaba
  • 10. Principais exemplos de Patrimônio Paisagístico Fonte dos gráficos e tabelas: - COSTA, V. F. da. O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede pública municipal de ensino. Anais do II Seminário Internacional História do Tempo Presente. Florianópolis, UDESC, p. 1-16, 2014.
  • 11. HISTÓRIA O que diferencia o ser humano dos demais animais é sua capacidade de transformar a natureza, de produzir cultura, ou seja, de FAZER HISTÓRIA Historiem em grego antigo é “procurar saber”, informar-se”. Enquanto campo de saber, a História tem por objetivo interpretar a ação humana em suas diferentes temporalidades.
  • 12. MEMÓRIA A memória se modifica e se rearticula conforme a posição que ocupo e as relações que estabeleço nos diferentes grupos de que participo. Também está submetida a questões inconscientes, como o afeto, a censura, entre outros. As memórias individuais alimentam-se da memória coletiva e histórica e incluem elementos mais amplos do que a memória construída pelo indivíduo e seu grupo. Um dos elementos mais importantes, que afirmam o caráter social da memória, é a linguagem. As trocas entre os membros de um grupo se fazem por meio de linguagem. Lembrar e narrar se constituem da linguagem. Como afirma Ecléa Bosi a linguagem é o instrumento socializador da memória pois reduz, unifica e aproxima no mesmo espaço histórico e cultural vivências tão diversas como o sonho as lembranças e as experiências recentes. (Zilda Kessel)
  • 13.  A memória é também um objeto de luta pelo poder travada entre classes, grupos e indivíduos. Decidir sobre o que deve ser lembrando e também sobre o que deve ser esquecido integra os mecanismos de controle de um grupo sobre o outro. Outro aspecto importante acerca da memória é a sua relação com os lugares. As memórias individual e coletiva têm nos lugares uma referência importante para a sua construção. As memórias dos grupos se referenciam, nos espaços em que habitam e nas relações que constroem com estes espaços. Os lugares são importante referência na memória dos indivíduos, donde se segue que as mudanças empreendidas nesses lugares provocam mudanças importantes na vida e na memória dos grupos. (Zilda Kessel)
  • 14. A Importância da História Oral
  • 15. “A história oral é uma metodologia de pesquisa que consiste em realizar entrevistas gravadas com pessoas que podem testemunhar sobre acontecimentos, conjunturas, instituições, modos de vida ou outros aspectos da história contemporânea. Começou a ser utilizada nos anos 1950, após a invenção do gravador, nos Estados Unidos, na Europa e no México, e desde então difundiu-se bastante. Ganhou também cada vez mais adeptos, ampliando-se o intercâmbio entre os que a praticam: historiadores, antropólogos, cientistas políticos, sociólogos, pedagogos, teóricos da literatura, psicólogos e outros.” (Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil – CPDOC/FGV)
  • 16. Se a memória relaciona-se com os lugares, seria possível construir memórias a partir das cidades, das ruas, dos espaços, dos objetos? Em sendo possível, de que forma?
  • 17. PATRIMÔNIO  O termo alemão para patrimônio (Denkmalplage) remete a um sentido diferente do inglês (Heritage - aquilo que se herda) ou do latim (Pattrimonium – aquilo que se herda do pai). Denkmalplage remete àquilo que deve ser cuidado, àquilo que faz pensar. (FUNARI & PERREIRA, 2015).  No renascimento os humanistas buscavam valorizar a antiguidade, e por isso passam a colecionar os objetos e vestígios desse período – surge o Antiquariado. O surgimento do Estado Nacional modifica o conceito de patrimônio. O compartilhamento de valores e costumes, de uma língua, de uma origem supostamente comum constitui também uma ideia de patrimônio nacional a configurar identidades.  O surgimento da ONU contribui para a compreensão de patrimônio como algo que supera as fronteiras nacionais. Em 1972 acontece a 1ª Convenção referente ao patrimônio mundial cultural e natural. Desenvolve-se a ideia de Patrimônio da Humanidade.
  • 18. Segundo a UNESCO, patrimônio constitui-se como nosso legado do passado, no qual vivemos e que vamos passar para as futuras gerações”, sendo “fontes insubstituíveis de vida e inspiração”. A maior concentração de monumentos do patrimônio da humanidade está na Europa, principalmente na Espanha, Itália, Alemanha e França. O patrimônio é importante para preservar identidades, porém as políticas que reconhecem patrimônios e dão-lhes significados não são neutras, “mas refletem a ideologia dos responsáveis e muitas vezes adotam critérios ambíguos em função de interesses conjunturais, que mudam quando muda a administração pública” ( Margarita Barretto). A quem deve pertencer a autoridade de reconhecer o que é patrimônio?  Segundo Margarita Barretto, “se há um patrimônio reconhecido pelos vencedores, é porque há um patrimônio dos vencidos.” E ainda, “quais são os símbolos que devem permanecer para retratar determinada sociedade em determinado momento?”
  • 19. Na Ucrânia, manifestantes nacionalistas derrubam estátua de Lênin em 2013. Em 2003, tropas estadunidenses derrubam a estátua de Saddam Hussein
  • 21. Art. 53 do Protocolo Adicional à Convenção de Genebra de 12 agosto de 1949: é proibido “(a) cometer qualquer ato de hostilidade dirigido contra monumentos históricos, trabalhos artísticos ou locais de oração que constituam a herança cultural ou espiritual de pessoas; (b) usar tais objetos para suportar esforços militares; [e] (c) fazer de tais objetos objetos de represália”. DW
  • 22. A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL ENQUANTO DIMENSÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
  • 23. TOMBAMENTO “O tombamento é um ato administrativo realizado pelo Poder Público, nos níveis federal, estadual ou municipal. Os tombamentos federais são responsabilidade do IPHAN e começam pelo pedido de abertura do processo, por iniciativa de qualquer cidadão ou instituição pública. O objetivo é preservar bens de valor histórico, cultural, arquitetônico, ambiental e também de valor afetivo para a população, impedindo a destruição e/ou descaracterização de tais bens. Pode ser aplicado aos bens móveis e imóveis, de interesse cultural ou ambiental. É o caso de fotografias, livros, mobiliários, utensílios, obras de arte, edifícios, ruas, praças, cidades, regiões, florestas, cascatas etc. Somente é aplicado aos bens materiais de interesse para a preservação da memória coletiva.” (FONTE: IPHAN. www.iphan.gov.br )
  • 24. REGISTRO O Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial, instituído pelo Decreto nº 3551/2000, é um instrumento legal de preservação, reconhecimento e valorização do patrimônio cultural imaterial brasileiro, composto por aqueles bens que contribuíram para a formação da sociedade brasileira. Consiste na produção de conhecimento sobre o bem cultural imaterial em todos os seus aspectos culturalmente relevantes. Esse instrumento é aplicado àqueles bens que obedecem às categorias estabelecidas pelo Decreto nº 3551/2000: Celebrações, Lugares, Formas de Expressão e Saberes, ou seja, as práticas, representações, expressões, lugares, conhecimentos e técnicas, que os grupos sociais reconhecem como parte integrante do seu patrimônio cultural. Com o Registro, os bens recebem o título de Patrimônio Cultural do Brasil e são inscritos em um dos quatro Livros de Registro, de acordo com a categoria correspondente. (FONTE: IPHAN. www.iphan.gov.br )
  • 25. PAISAGEM CULTURAL 1992: Unesco adota o conceito de paisagem cultural como tipologia de reconhecimento dos bens culturais. 2012: Rio de Janeiro é a primeira área urbana do mundo a receber a chancela de paisagem cultural. O Iphan regulamenta a paisagem cultural como instrumento de preservação do patrimônio cultural brasileiro em 2009, por meio da Portaria nº 127. Definição: porção peculiar do território nacional, representativa do processo de interação do homem com o meio natural, à qual a vida e a ciência humana imprimiram marcas ou atribuíram valores. Compõem a paisagem cultural no Brasil o sertanejo e a caatinga, o candango e o cerrado, o pantanal e o boiadeiro, o gaúcho e os pampas, o pescador e os barcos tradicionais, as tradições da mata e as tribos indígenas. (...) Dessa relação surge outra característica fundamental da paisagem cultural: a ocorrência, em determinada fração territorial, do convívio entre a natureza, os espaços construídos e ocupados, os modos de produção e as atividades culturais e sociais, numa relação complementar capaz de estabelecer uma identidade que não possa ser conferida por qual quer um desses elementos isoladamente. Chancelada uma paisagem cultural, é necessário um pacto entre o poder público, a sociedade civil e a iniciativa privada com um objetivo de estabelecer uma gestão compartilhada garantindo suas características . Havendo sua degradação iuy destruição, a chancela é cancelada. Fonte: Site do IPHAN, com modificações.
  • 26. Classificação do patrimônio cultural e natural segundo a UNESCO MONUMENTOS: obras arquitetônicas, esculturas, pinturas, vestígios arqueológicos, inscrições etc. CONJUNTOS: grupos de construções. SÍTIOS: obras humanas ou naturais de valor estético, histórico, etnológico ou científico. MONUMENTOS NATURAIS: formações físicas ou biológicas. FORMAÇÕES GEOLÓGICAS OU FISIOGRÁFICAS: hábitat de espécies animais e vegetais ameaçadas de extinção. SÍTIOS NATURAIS: áreas de valor científico ou de beleza natural.
  • 28. PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE NO BRASIL (UNESCO) Centro histórico de Ouro Preto (MG) (XVIII)
  • 30. Parque Nacional Serra da Capivara São Raimundo Nonato (PI) Foto: José Israel Abrantes
  • 32. Missões Jesuíticas junto aos Guaranis (Brasil – Argentina) (XVII – XVIII)
  • 35. Centro Histórico de Goiás (XVIII – XIX)
  • 36. Parque Nacional do Iguaçú (PR)
  • 38. Floresta da Tijuca Forte de Copacabana Passeio público Vista do Rio de Janeiro (mar e montanhas)
  • 39. PATRIMÔNIOS TOMBADOS OU REGISTRADOS PELO IPHAN Terreiro da Casa Branca (Salvador/BA): primeiro centro religioso não-católico a ser reconhecido como patrimônio nacional pelo Ministério da Cultura. Segundo Gilberto Velho, seu tombamento representa um marco porque rompeu a tradição luso-brasileira. Tombado em 1984.
  • 40. O Presépio do Pipiripau foi criado e armado por Raimundo Machado de Azevedo no período compreendido entre 1906-1976. Instalado no Museu de História Natural da Universidade Federal de Minas Gerais, desde 1983, o Pipiripau é composto por 45 cenas distintas, entre religiosas (cenas da vida de Cristo) e profanas, dispostas sem a preocupação de sequência cronológica, em cinco planos, onde as pinturas das paredes laterais e do fundo dão continuidade e unidade às cenas. As 580 figuras estão dispostas em um cenário de 4 metros de largura, 3,20 metros de altura e 4 metros de profundidade. (Fonte: IPHAN) PRESÉPIO DO PIPIRIPAU (MG)
  • 41. FORTALEZA DE SANTA CRUZ (Niterói, RJ) Em 1555, Villegaignon improvisou uma fortificação para a defesa da entrada da Baía de Guanabara. Tomada por Mem de Sá dois anos mais tarde, foi ampliada, recebendo o nome de N. Sra. Da Guia , origem da fortaleza de Santa Cruz. Com uma área construída de 7.153 m2 , passou por reformas e teve seu poder de fogo ampliado para proteger o embarque de ouro de Minas Gerais, feito no Porto do Rio de Janeiro
  • 42. PATRIMÔNIO IMATERIAL Não se trata, portanto, de pretender imobilizar, em um tempo presente, um bem, um legado, uma tradição de nossa cultura, cujo suposto valor seja justamente a sua condição de ser anacrônico com o que se cria e o que se pensa e viva agora, ali onde aquilo está ou existe. Trata-se de buscar, na qualidade de uma sempre presente e diversa releitura daquilo que é tradicional, o feixe de relações que ele estabelece com a vida social e simbólica das pessoas de agora. O feixe de significados que a sua presença significante provoca e desafia. (Carlos Rodrigues Brandão)
  • 43. BENS (imateriais) REGISTRADOS PELO IPHAN Estão sob a proteção do IPHAN 26 bens registrados como Patrimônio Cultural do Brasil, sendo seis celebrações, dez formas de expressão, oito saberes e dois lugares. Arte Kusiwa (pintura corporal): sistema de representação gráfico próprio dos povos indígenas Wajãpi, do Amapá, que sintetiza seu modo particular de conhecer, conceber e agir sobre o universo.
  • 44. Ofício das paneleiras de Goiabeiras O saber envolvido na fabricação artesanal de panelas de barro foi o primeiro bem cultural registrado, pelo IPHAN, como Patrimônio Imaterial no Livro de Registro dos Saberes, em 2002. O processo de produção no bairro de Goiabeiras Velha, em Vitória, no Espírito Santo, emprega técnicas tradicionais e matérias-primas provenientes do meio natural. A atividade, eminentemente feminina, é tradicionalmente repassada pelas artesãs paneleiras, às suas filhas, netas, sobrinhas e vizinhas, no convívio doméstico e comunitário.
  • 45. Círio de Nossa Senhora do Nazaré O Círio de Nossa Senhora de Nazaré é uma celebração religiosa que ocorre em Belém (PA), inscrita no Livro das Celebrações, em 2004. Os festejos envolvem vários rituais de devoção religiosa e expressões culturais, e reúnem devotos, turistas e curiosos de todas as partes do Brasil e de países estrangeiros. Acontecem em vários municípios do Pará - Acará, Curuçá, Parauapebas, São João, entre outros - onde se cultua a festividade de Nossa Senhora de Nazaré.
  • 46. Modo de fazer viola de cocho A viola de cocho é um instrumento musical singular quanto à forma e sonoridade, produzido exclusivamente de forma artesanal, com a utilização de matérias-primas existentes na Região Centro-Oeste do Brasil. Sua produção é realizada por mestres cururueiros, tanto para uso próprio como para atender à demanda do mercado local, constituída por cururueiros e mestres da dança do siriri.
  • 47. Oficio de Sineiro O Ofício de Sineiro tem importância fundamental na produção e reprodução dos toques que caracterizam e diferenciam territórios e comunidades, contribuindo para a permanência da prática de tocar sino nas cidades mineiras como uma forma de comunicação e identidade. O Ofício de Sineiro foi inscrito no Livro de Registro dos Saberes, em 2009. Tendo como referência as cidades de São João del Rei, Ouro Preto, Mariana, Catas Altas, Congonhas do Campo, Diamantina, Sabará, Serro e Tiradentes, em Minas Gerais, é uma prática tradicional, vinculada ao ato de tocar os sinos das igrejas católicas para anunciar rituais e celebrações religiosas, atos fúnebres e marcação das horas, entre outras comunicações de interesse coletivo. A tradição do toque dos sinos, eminentemente masculina, se mantém viva nessas cidades como referência de identidade cultural da população local, e como atividade afetiva, lúdica e devocional de sineiros voluntários e profissionais. A estrutura, composição e o saber tocar sinos estão na memória e na habilidade dos sineiros, que conhecem de cor um repertório não escrito de toques, constituído de pancadas, badaladas e repiques (executados com o sino paralisado) e de dobres (executados com o sino em movimento), adequados às ocasiões festivas ou fúnebres.
  • 48. Modo artesanal de fazer queijo de Minas nas regiões do Serro e das serras da Canastra e do Salitre A produção artesanal do queijo de leite cru nas regiões do Serro e das serras da Canastra e do Salitre em Minas Gerais representa até hoje uma alternativa bem sucedida de conservação e aproveitamento da produção leiteira regional, em áreas cuja geografia limita o escoamento dessa produção. O modo artesanal de fazer queijo constitui um conhecimento tradicional e um traço marcante da identidade cultural dessas regiões. Foi inscrito no Livro dos Saberes em 2008.
  • 49. Roda de capoeira A Roda de Capoeira - inscrita no Livro de Registro das Formas de Expressão, em de 2008 - é um elemento estruturante desta manifestação, espaço e tempo onde se expressam simultaneamente o canto, o toque dos instrumentos, a dança, os golpes, o jogo, a brincadeira, os símbolos e rituais de herança africana - notadamente banto - recriados no Brasil. Profundamente ritualizada, a roda de capoeira congrega cantigas e movimentos que expressam uma visão de mundo, uma hierarquia e um código de ética que são compartilhados pelo grupo. Na roda de capoeira se batizam os iniciantes, se formam e se consagram os grandes mestres, se transmitem e se reiteram práticas e valores afro-brasileiros.
  • 50. PATRIMÔNIO TOMBADO PELO IPHAN EM SANTA CATARINA
  • 51. Biguaçu: conjunto arquitetônico e paisagístico da Vila de São Miguel
  • 52. Florianópolis: Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição de Araçatuba (1742)
  • 54. Florianópolis Antiga Alfândega 1875 (Maior exemplo da arquitetura neoclássica em Florianópolis)
  • 55. Florianópolis: Sítio arqueológico e paisagístico da Ilha do Campeche
  • 58. Laguna: “Museu Anita Garibaldi” (1747)
  • 59. BENS TOMBADOS PELA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA LISTA COMPLETA EM: www.fcc.sc.gov.br
  • 60. BENS TOMBADOS PELO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO ESTADUAL IMBITUBA: Igreja de Santa Ana (Vila Nova)
  • 61. GAROPABA: Igreja de São Joaquim
  • 62. GOVERNADOR CELSO RAMOS: Igreja de Nossa Senhora da Piedade e ruínas adjacentes - Armação da Piedade.
  • 63. BLUMENAU: Igreja do Espírito Santo (Protestante).
  • 64. BLUMENAU: Conjunto arquitetônico que integra o complexo fabril das Indústrias Hering, formado por cinco edificações.
  • 67. ITAJAÍ: Igreja Matriz do Santíssimo Sacramento
  • 69. LAGES: Colégio Santa Rosa de Lima (Arquitetura em Art Déco, estilo decorativo onde predominam as linhas retas ou circulares estilizadas.)
  • 70. PESCARIA BRAVA: Igreja do Bom Jesus do Socorro.
  • 72. RIO NEGRINHO: Casa Zipperer.
  • 73. URUSSANGA: Igreja de São Gervásio e São Protásio (Arquitetura religiosa ítalo- brasileira .)
  • 74. BENS IMATERIAIS EM SANTA CATARINA
  • 76. PATRIMÔNIO GENÉTICO Medida Provisória nº. 2.186 -16/2001: “o conhecimento tradicional associado ao patrimônio genético integra o patrimônio cultural brasileiro e poderá ser objeto de cadastro, conforme dispuser o Conselho de Gestão ou legislação específica". Conhecimento Tradicional Associado (CTA) é a informação ou prática, individual ou coletiva, de povo indígena, povo ou comunidade tradicional, com valor real ou potencial, associada ao patrimônio genético. O acesso ao patrimônio genético e aos conhecimentos tradicionais associados é objeto de autorização estatal, para fins de pesquisa científica, bioprospecção ou desenvolvimento tecnológico, com vistas a sua aplicação industrial ou de outra natureza. Fonte: IPHAN.
  • 77. PATRIMÔNIO LINGUÍSTICO  Decreto Nº 7.387/2010 – Criou o Inventário Nacional da Diversidade Linguística  250 línguas no Brasil (estimativa) além do português e suas variedades: indígenas, de imigração, de sinais, crioulas e afro-brasileiras  Criação de uma política específica para a salvaguarda da diversidade linguística brasileira, de modo a garantir sua sobrevivência em seus contextos sociais.  Já inventariadas: • Talian: uma das autodenominações para a língua de imigração falada no Brasil onde houve ocupação italiana, desde o século XIX, nos estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso e Espírito Santo. • Asuriní do Trocará:, que pertence ao tronco Tupi, da família linguística Tupi- Guarani. Os Asurini do Trocará habitam a Terra Indígena Trocará, localizada às margens do rio Tocantins, em Tucuruí (PA). •Guarani Mbya, identificada como uma das três variedades modernas da língua Guarani, da família Tupi-Guarani, tronco linguístico Tupi - as outras são o Nhandeva, o Ava Guarani e o Kaiowa.
  • 78. INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Garopaba PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL Professor Viegas Fernandes da Costa Referências: Site da UNESCO. Site do IPHAN. Site da Fundação Catarinense de Cultura.  Site do LABPAC/UDESC BARRETO, Margarita. Patrimônio, gentrificação e turismo. (mimeo). - COSTA, Viegas Fernandes da. O Patrimônio Cultural de Garopaba (SC) na percepção dos professores da rede pública municipal de ensino. Anais do II Seminário Internacional História do Tempo Presente. Florianópolis, UDESC, p. 1-16, 2014. FUNARI, Pedro Paulo & PELEGRINI, Sandra C. A. Patrimônio histórico e cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006. FUNARI, Pedro Paulo & PERREIRA, Lúcio Menezes. Desafios parava preservação do patrimônio arqueológico no Brasil. In. CAMPOS, Youssef Daibert Salomão de. (org.) Patrimônio cultural plural. Belo Horizonte: Arraes, 2015, p. 135-143.