SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
O Cortiço
Aluízio Azevedo
Biografia do autor
Aluízio Azevedo foi um importante romancista brasileiro.
Considerado o grande pioneiro do naturalismo no Brasil, o
romancista nasceu em São Luís, Maranhão em 14 de abril
de 1857. quando jovem ele fazia caricaturas e poesias,
como colaborador, para jornais e revistas no Rio de
Janeiro. Seu primeiro romance publicado foi: Uma lágrima
de mulher, em 1880.
Fundador da cadeira número quadro da Academia Brasileira
de Letras e crítico social, este escritor naturalista foi
autor de diversos livros, entre eles estão: O Mulato, Casa
de Pensão - que o consagrou e O Cortiço, conhecido como
sua obra mais importante.
Aluízio Azevedo faleceu aos 55 anos em 21 de janeiro de
1913, em Buenos Aires, Argentina.
Aluízio Azevedo
O título
O título “O Cortiço” se deriva do
Personagem protagonista da Obra: um
local pobre, de condições precárias, onde
moram algumas pessoas que pagam por
esta estadia, numa forma de pensionato ou
albergue.
A Obra
A Obra de Aluízio Azevedo se enquadra no
Naturalismo. Algumas características que se
encaixam no livro:
. Determinismo;
. Descrição detalhada;
. Valorização de bens materiais;
. Anarquismo;
. Abordagem aberta a respeito de sexo;
. Uso de falas;
. Dentre outros.
Linguagem
Encontramos ainda na obra, características de
linguagem, tais como:
. Uso de Arcaísmo (além da gramática
normativa, encontra-se o uso do português
arcaico);
. Capacidade Descritiva (isso mostra a precisa
descrição do narrado à cena);
. Zoomorfismo (consiste em comparar
personagens a animais quando elas se deixam
guiar pelos instintos).
Personagens
João Romão: Taverneiro português, dono da pedraria e do
cortiço. Representa o capitalismo explorador.
Bertoleza: Quitandeira, escrava cafusa que mora com João
Romão, para quem ela trabalha como uma máquina.
Miranda: Comerciante português. Principal opositor de João
Romão, Mora num sobrado aburguesado, do lado do cortiço.
Jerônimo: Português “cavouqueiro”, trabalhador de pedreira de
João Romão, representa a disciplina do trabalho.
Rita Baiana: Mulata sensual e provocante que promove os pagodes
no cortiço. Representa a mulher brasileira.
Piedade: Portuguesa, casada com Jerônimo. Representa a mulher
européia.
Capoeira Firmo: Mulato e companheiro que se envolve com Rita
Baiana.
Narrador
A obra é narrada em terceira pessoa,
com narrador onisciente (que tem
conhecimento de tudo), como propunha o
movimento naturalista. O narrador tem
poder total na estrutura do romance:
entra no pensamento dos personagens,
faz julgamentos e tenta provocar, como
se fosse um cientista, as influências do
meio, da raça e do movimento histórico.
Tempo
Em O Cortiço, o tempo é trabalhado de maneira linear, como
princípio, meio e desfecho da narrativa. A história se desenrola
no Brasil do século XIX, sem precisão de datas.

Espaço
São dois os espaços explorados na obra. O primeiro é o cortiço,
amontoado de casebres mal-arranjados, onde os pobres vivem.
Esse espaço representa a mistura de raças e a promiscuidade
das classes baixas. Junto ao cortiço estão a pedreira e a taverna
do português João Romão.
O segundo espaço, que fica ao lado do cortiço, é o sobrado
aristocratizante do comerciante Miranda e de sua família. O
sobrado representa a burguesia ascendente do século XIX.
Esses espaços fictícios são enquadrados no cenário do bairro
Botafogo.
Enredo
João Romão foi, dos treze aos vinte e cinco
anos, empregado de um vendeiro que
enriqueceu entre as quatro paredes de uma
suja e obscura taverna nos refolhos do bairro
do Botafogo;...
Alunos – 2º ano F
.
.
.
.
.
.

Luana Kamimura Lima
Joice Marques Melo
Maira Taciara
Giovanna Mendes
Kenedy Augusto
César Gonçalves

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

1890 O Cortiço
 1890 O Cortiço 1890 O Cortiço
1890 O Cortiço
 
O cortiço
O cortiço O cortiço
O cortiço
 
O cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio Cerrado
O cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio CerradoO cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio Cerrado
O cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio Cerrado
 
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de AzevedoPORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
 
O cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio AzevedoO cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio Azevedo
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
 
O Cortiço - leitura obrigatória da FUVEST 2018
O Cortiço - leitura obrigatória da FUVEST 2018O Cortiço - leitura obrigatória da FUVEST 2018
O Cortiço - leitura obrigatória da FUVEST 2018
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Língua portuguesa ficha literaria o cortiço
Língua portuguesa ficha literaria o cortiçoLíngua portuguesa ficha literaria o cortiço
Língua portuguesa ficha literaria o cortiço
 
Seminário - Capitães da Areia
Seminário - Capitães da AreiaSeminário - Capitães da Areia
Seminário - Capitães da Areia
 
O cortiço - Naturalismo
O cortiço - NaturalismoO cortiço - Naturalismo
O cortiço - Naturalismo
 
Slide lima barreto
Slide lima barretoSlide lima barreto
Slide lima barreto
 
Vidas secas de graciliano ramos
Vidas secas de graciliano ramosVidas secas de graciliano ramos
Vidas secas de graciliano ramos
 
Iracema slide pronto
Iracema   slide prontoIracema   slide pronto
Iracema slide pronto
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas
Memórias Póstumas de Brás  Cubas Memórias Póstumas de Brás  Cubas
Memórias Póstumas de Brás Cubas
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
Gregório de Matos Guerra
Gregório de Matos GuerraGregório de Matos Guerra
Gregório de Matos Guerra
 
Álvares de Azevedo
Álvares de AzevedoÁlvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
 

Semelhante a O cortiço trabalho de português

Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasilJonatas Carlos
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completolucasmota251
 
O cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio AzevedoO cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio AzevedoMarcus Vinicius
 
2º tarefa do facegrupo
2º tarefa do facegrupo2º tarefa do facegrupo
2º tarefa do facegrupoGabriel Mendes
 
Trabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesaTrabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesaRonaldo Mesquita
 
Lucas manoel e ian o cortiço
Lucas manoel e ian  o cortiçoLucas manoel e ian  o cortiço
Lucas manoel e ian o cortiçoteresakashino
 
10 livros para se ler
10 livros para se ler10 livros para se ler
10 livros para se lerDavid Souza
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasilJonatas Carlos
 
A Morte do Palhaço
A Morte do PalhaçoA Morte do Palhaço
A Morte do PalhaçoJosé Alves
 
Jorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De AreiaJorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De AreiaFlaviacristina74
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª faseJonatas Carlos
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismonagelaviana
 

Semelhante a O cortiço trabalho de português (20)

Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Revisão-Pro-Campus-2018.pptx
Revisão-Pro-Campus-2018.pptxRevisão-Pro-Campus-2018.pptx
Revisão-Pro-Campus-2018.pptx
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
 
O cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio AzevedoO cortiço - Aluísio Azevedo
O cortiço - Aluísio Azevedo
 
2º tarefa do facegrupo
2º tarefa do facegrupo2º tarefa do facegrupo
2º tarefa do facegrupo
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Trabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesaTrabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesa
 
O cortiço 3ª b - 2011
O cortiço   3ª b - 2011O cortiço   3ª b - 2011
O cortiço 3ª b - 2011
 
Realismo no brasil
Realismo no brasil  Realismo no brasil
Realismo no brasil
 
Obra para estudar
Obra para estudarObra para estudar
Obra para estudar
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Lucas manoel e ian o cortiço
Lucas manoel e ian  o cortiçoLucas manoel e ian  o cortiço
Lucas manoel e ian o cortiço
 
10 livros para se ler
10 livros para se ler10 livros para se ler
10 livros para se ler
 
Uel05 Literatura
Uel05 LiteraturaUel05 Literatura
Uel05 Literatura
 
10 livros
10 livros10 livros
10 livros
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
A Morte do Palhaço
A Morte do PalhaçoA Morte do Palhaço
A Morte do Palhaço
 
Jorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De AreiaJorge Amado Capitaes De Areia
Jorge Amado Capitaes De Areia
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 

O cortiço trabalho de português

  • 2.
  • 3. Biografia do autor Aluízio Azevedo foi um importante romancista brasileiro. Considerado o grande pioneiro do naturalismo no Brasil, o romancista nasceu em São Luís, Maranhão em 14 de abril de 1857. quando jovem ele fazia caricaturas e poesias, como colaborador, para jornais e revistas no Rio de Janeiro. Seu primeiro romance publicado foi: Uma lágrima de mulher, em 1880. Fundador da cadeira número quadro da Academia Brasileira de Letras e crítico social, este escritor naturalista foi autor de diversos livros, entre eles estão: O Mulato, Casa de Pensão - que o consagrou e O Cortiço, conhecido como sua obra mais importante. Aluízio Azevedo faleceu aos 55 anos em 21 de janeiro de 1913, em Buenos Aires, Argentina.
  • 5. O título O título “O Cortiço” se deriva do Personagem protagonista da Obra: um local pobre, de condições precárias, onde moram algumas pessoas que pagam por esta estadia, numa forma de pensionato ou albergue.
  • 6. A Obra A Obra de Aluízio Azevedo se enquadra no Naturalismo. Algumas características que se encaixam no livro: . Determinismo; . Descrição detalhada; . Valorização de bens materiais; . Anarquismo; . Abordagem aberta a respeito de sexo; . Uso de falas; . Dentre outros.
  • 7. Linguagem Encontramos ainda na obra, características de linguagem, tais como: . Uso de Arcaísmo (além da gramática normativa, encontra-se o uso do português arcaico); . Capacidade Descritiva (isso mostra a precisa descrição do narrado à cena); . Zoomorfismo (consiste em comparar personagens a animais quando elas se deixam guiar pelos instintos).
  • 8. Personagens João Romão: Taverneiro português, dono da pedraria e do cortiço. Representa o capitalismo explorador. Bertoleza: Quitandeira, escrava cafusa que mora com João Romão, para quem ela trabalha como uma máquina. Miranda: Comerciante português. Principal opositor de João Romão, Mora num sobrado aburguesado, do lado do cortiço. Jerônimo: Português “cavouqueiro”, trabalhador de pedreira de João Romão, representa a disciplina do trabalho. Rita Baiana: Mulata sensual e provocante que promove os pagodes no cortiço. Representa a mulher brasileira. Piedade: Portuguesa, casada com Jerônimo. Representa a mulher européia. Capoeira Firmo: Mulato e companheiro que se envolve com Rita Baiana.
  • 9. Narrador A obra é narrada em terceira pessoa, com narrador onisciente (que tem conhecimento de tudo), como propunha o movimento naturalista. O narrador tem poder total na estrutura do romance: entra no pensamento dos personagens, faz julgamentos e tenta provocar, como se fosse um cientista, as influências do meio, da raça e do movimento histórico.
  • 10. Tempo Em O Cortiço, o tempo é trabalhado de maneira linear, como princípio, meio e desfecho da narrativa. A história se desenrola no Brasil do século XIX, sem precisão de datas. Espaço São dois os espaços explorados na obra. O primeiro é o cortiço, amontoado de casebres mal-arranjados, onde os pobres vivem. Esse espaço representa a mistura de raças e a promiscuidade das classes baixas. Junto ao cortiço estão a pedreira e a taverna do português João Romão. O segundo espaço, que fica ao lado do cortiço, é o sobrado aristocratizante do comerciante Miranda e de sua família. O sobrado representa a burguesia ascendente do século XIX. Esses espaços fictícios são enquadrados no cenário do bairro Botafogo.
  • 11. Enredo João Romão foi, dos treze aos vinte e cinco anos, empregado de um vendeiro que enriqueceu entre as quatro paredes de uma suja e obscura taverna nos refolhos do bairro do Botafogo;...
  • 12. Alunos – 2º ano F . . . . . . Luana Kamimura Lima Joice Marques Melo Maira Taciara Giovanna Mendes Kenedy Augusto César Gonçalves