SlideShare uma empresa Scribd logo
TEORIA MALTHUSIANA TEORIA NEOMALTHUSIANA TEORIA REFORMISTA OU MARXISTA TEORIA DO CICLO OU TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA TEORIAS DEMOGRÁFICAS
TEORIA MALTHUSIANA DEFENDIDA EM 1798 PELO ECONOMISTA E SACERDOTE ANGLICANO THOMAS ROBERT MALTHUS A POPULAÇÃO CRESCE EM RITMO DE PROGRESSÃO GEOMÉTRICA (PG), DOBRANDO A CADA 25 ANOS A PRODUÇÃO DE ALIMENTOS CRESCE EM RITMO DE PROGRESSÃO ARITMÉTICA (PA) PREVIA QUE EM UM FUTURO PRÓXIMO, FALTARIA ALIMENTOS E QUE O PLANETA ENTRARIA EM UM CAOS SOCIAL SOLUÇÃO: CONTROLE DE NATALIDADE DE FORMA NATURAL (ABSTINÊNCIA SEXUAL)
FALHAS COMETIDAS POR MALTHUS COM A URBANIZAÇÃO A POPULAÇÃO REDUZ O NÚMERO DE FILHOS AUTOMATICAMENTE A ENTRADA DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO POR OPÇÃO OU NECESSIDADE CASAMENTOS COM IDADES MAIS AVANÇADAS REDUZINDO O TEMPO NATURAL DE FERTILIDADE DA MULHER EVOLUÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE MÉTODOS CONTRACEPTIVOS EVOLUÇÃO NA AGRICULTURA AUMENTANDO A PRODUTIVIDADE
TEORIA NEOMALTHUSIANA DEFENDIDA POR UM GRUPO DE PAÍSES DESENVOLVIDOS NO PÓS SEGUNDA GUERRA MUNDIAL A TEORIA AFIRMA QUE: O EXCESSO DE FILHOS CAUSA POBREZA  O ALTO CRESCIMENTO VEGETATIVO CANALIZA MUITOS RECURSOS PARA SAÚDE E EDUCAÇÃO DOS JOVENS, COMPROMETENDO OS INVESTIMENTOS NOS SETORES PRODUTIVOS E DIFICULTANDO O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS SOLUÇÃO: CONTROLE RÍGIDO E OFICIAIS DA NATALIDADE (PLANEJAMENTO FAMILIAR)
TEORIA REFORMISTA OU MARXISTA DEFENDIDA POR PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS, CONTRAPÕE-SE À TEORIA ANTERIOR  A TEORIA AFIRMA QUE: É A POBRESA E A MISÉRIA QUE LEVA AO EXCESSO DE FILHOS AS ELEVADAS TAXAS DE CRESCIMENTO VEGETATIVO SÃO CONSEQUÊNCIAS E NÃO CAUSA DO SUBDESENVOLVIMENTO SOLUÇÃO: REDISTRIBUIÇÃO DE RENDA E REFORMAS SOCIOECONÔMICAS A PARTIR DA MELHORA NO PADRÃO E QUALIDADE DE VIDA A REDUÇÃO E O CONTROLE DE NATALIDADE SERÁ ESPONTÂNEO PELA POPULAÇÃO
TEORIA DO CICLO OU TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA A TEORIA SUSTENTA A IDÉIA DE QUE OS PAÍSES PASSAM POR ESTÁGIOS DE CRESCIMENTO TODOS OS PAÍSES UM DIA ATINGIRÃO O ÚLTIMO ESTÁGIO (EQUILÍBRIO DEMOGRÁFICO COM BAIXO CRESCIMENTO VEGETATIVO)
ESTÁGIOS DE CRESCIMENTO 1º ESTÁGIO  – CRESCIMENTO BAIXO OU LENTO (TAXAS ALTAS DE NATALIDADE E MORTALIDADE) 2º ESTÁGIO  – CRESCIMENTO ALTO OU ELEVADO (TAXAS DE NATALIDADE ALTAS E DE MORTALIDADE BAIXAS – EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA) 3º ESTÁGIO  – CRESCIMENTO PARADO OU ESTAGNADO (BAIXAS TAXAS DE NATALIDADE E MORTALIDADE)
VARIAÇÃO DO CRESCIMENTO VEGETATIVO DO BRASIL
ESTRUTURA DA POPULAÇÃO ESTRUTURA  OCUPACIONAL ATIVOS  – QUE TRABALHAM, QUE EXERCEM UMA ATIVIDADE REMUNERADA OU ESTÃO EM CONDIÇÕES DE EXERCÊ-LA (ADULTOS) INATIVOS  – POR ALGUM MOTIVO NÃO PODEM EXERCER UMA ATIVIDADE REMUNERADA (JOVENS, IDOSOS E INVÁLIDOS) OBS: QUANTO MAIOR O PERCENTUAL DE ATIVOS, MAIS DESENVOLVIDO É O PAÍS POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA (PEA) POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE INATIVA (PEI)
OBS: QUANTO MAIOR O PERCENTUAL DE ADULTOS, MAIOR SERÁ O PERCENTUAL DE ATIVOS
SETORES DA ECONOMIA PRIMÁRIO  – ENGLOBA AS ATIVIDADES RURAIS (AGRICULTURA, PECUÁRIA E EXTRATIVISMO) SECUNDÁRIO  – ENGLOBA AS INDÚSTRIAS E A CONSTRUÇÃO CIVIL TERCIÁRIO  – ENGLOBA O COMÉRCIO, PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E SUBEMPREGOS
OBS: QUANTO MAIOR O PERCENTUAL DE ATIVOS NO SETOR PRIMÁRIO, MENOS DESENVOLVIDO SERÁ O PAÍS
ESTRUTURA POR IDADE E SEXO IDOSOS – 60 ANOS OU MAIS ADULTOS – 20 A 59 ANOS JOVENS – 0 A 19 ANOS
OBS: QUANTO MAIOR FOR O PERCENTUAL DE JOVENS, MAIS POBRE SERÁ O PAÍS
 
EVOLUÇÃO DO BRASIL NO BRASIL JÁ PREDOMINA ADULTOS, MAS AINDA É GRANDE O PERECENTUAL DE JOVENS (ELEVADOS GASTOS COM EDUCAÇÃO E SAÚDE) COM O DECORRER DO TEMPO O PROCESSO SERÁ OPOSTO  - REDUÇÃO DE JOVENS E AUMENTO DE IDOSOS (MAIORES GASTOS COM APOSENTADORIAS)
 
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
Professor
 
Capitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoCapitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evolução
Artur Lara
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
Carminha
 
Do meio natural ao meio técnico científico informacional
Do meio natural ao meio técnico científico informacionalDo meio natural ao meio técnico científico informacional
Do meio natural ao meio técnico científico informacional
Cadernizando
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Cristina Gouveia
 
Divisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalhoDivisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalho
Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais
 
A regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundialA regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundial
Uilson Pereira da Silva
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
Uilson Pereira da Silva
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Indústria e produção do espaço geográfico
Indústria e produção do espaço geográficoIndústria e produção do espaço geográfico
Indústria e produção do espaço geográfico
Silvana Cacho
 
Território
TerritórioTerritório
Território
Pedro Neves
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
Professor
 
Geografia Agrária
Geografia Agrária Geografia Agrária
Geografia Agrária
Luciano Pessanha
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
João José Ferreira Tojal
 
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimentoDesenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
Abner de Paula
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
Professor
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Abner de Paula
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
André Luiz Marques
 

Mais procurados (20)

O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2017)
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
 
Capitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoCapitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evolução
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
Do meio natural ao meio técnico científico informacional
Do meio natural ao meio técnico científico informacionalDo meio natural ao meio técnico científico informacional
Do meio natural ao meio técnico científico informacional
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Divisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalhoDivisão internacional do trabalho
Divisão internacional do trabalho
 
A regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundialA regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundial
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
 
Indústria e produção do espaço geográfico
Indústria e produção do espaço geográficoIndústria e produção do espaço geográfico
Indústria e produção do espaço geográfico
 
Território
TerritórioTerritório
Território
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
 
Geografia Agrária
Geografia Agrária Geografia Agrária
Geografia Agrária
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimentoDesenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
 

Semelhante a Teorias demográficas e estrutura da população

TEORIAS DEMOGRÁFICAS (DE MALTHUS A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA)
TEORIAS DEMOGRÁFICAS (DE MALTHUS A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA)TEORIAS DEMOGRÁFICAS (DE MALTHUS A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA)
TEORIAS DEMOGRÁFICAS (DE MALTHUS A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA)
Guilherme Lemos
 
Módulo 2 - Aula 2
Módulo 2 - Aula 2Módulo 2 - Aula 2
Módulo 2 - Aula 2
agemais
 
A população no brasil e no mundo 8º
A população no brasil e no mundo 8ºA população no brasil e no mundo 8º
A população no brasil e no mundo 8º
flaviocosac
 
Teorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográficoTeorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográfico
Pedro Neves
 
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da AtualidadeAula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
ProfMario De Mori
 
DinãMica De PopulaçãO Mundial
DinãMica De PopulaçãO MundialDinãMica De PopulaçãO Mundial
DinãMica De PopulaçãO Mundial
Ivonete Leguisaman
 
Populações humanas e ambiente
Populações humanas e ambientePopulações humanas e ambiente
Populações humanas e ambiente
unesp
 
Populacao mundial
Populacao mundialPopulacao mundial
Populacao mundial
Virgilio Nt
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
RM Sadiny
 
1179
11791179
1179
Pelo Siro
 
Populacaodaeuropanossecsxviiexviii
PopulacaodaeuropanossecsxviiexviiiPopulacaodaeuropanossecsxviiexviii
Populacaodaeuropanossecsxviiexviii
Pelo Siro
 
Aula 1 frente 2 população parte 1
Aula 1 frente 2   população parte 1Aula 1 frente 2   população parte 1
Aula 1 frente 2 população parte 1
CADUCOC2
 
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_az
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_azAula 5 População_Parte_1_cursinho_az
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_az
CADUCOC1
 
Geografia 3 ano
Geografia 3 anoGeografia 3 ano
Geografia 3 ano
Junior Oliveira
 
Geografia
GeografiaGeografia
Estudos Demográficos
Estudos DemográficosEstudos Demográficos
Estudos Demográficos
Professora Verônica Santos
 
Apresentação 2 revisão provão 2 ano
Apresentação 2 revisão provão 2 anoApresentação 2 revisão provão 2 ano
Apresentação 2 revisão provão 2 ano
Matheus Boniatti
 
2º Md Grupo 08
2º Md   Grupo 082º Md   Grupo 08
2º Md Grupo 08
ProfMario De Mori
 
Udiii 1 demografia novo
Udiii 1 demografia   novoUdiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia novo
Péricles Penuel
 
Geografia
GeografiaGeografia

Semelhante a Teorias demográficas e estrutura da população (20)

TEORIAS DEMOGRÁFICAS (DE MALTHUS A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA)
TEORIAS DEMOGRÁFICAS (DE MALTHUS A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA)TEORIAS DEMOGRÁFICAS (DE MALTHUS A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA)
TEORIAS DEMOGRÁFICAS (DE MALTHUS A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA)
 
Módulo 2 - Aula 2
Módulo 2 - Aula 2Módulo 2 - Aula 2
Módulo 2 - Aula 2
 
A população no brasil e no mundo 8º
A população no brasil e no mundo 8ºA população no brasil e no mundo 8º
A população no brasil e no mundo 8º
 
Teorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográficoTeorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográfico
 
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da AtualidadeAula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
 
DinãMica De PopulaçãO Mundial
DinãMica De PopulaçãO MundialDinãMica De PopulaçãO Mundial
DinãMica De PopulaçãO Mundial
 
Populações humanas e ambiente
Populações humanas e ambientePopulações humanas e ambiente
Populações humanas e ambiente
 
Populacao mundial
Populacao mundialPopulacao mundial
Populacao mundial
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
 
1179
11791179
1179
 
Populacaodaeuropanossecsxviiexviii
PopulacaodaeuropanossecsxviiexviiiPopulacaodaeuropanossecsxviiexviii
Populacaodaeuropanossecsxviiexviii
 
Aula 1 frente 2 população parte 1
Aula 1 frente 2   população parte 1Aula 1 frente 2   população parte 1
Aula 1 frente 2 população parte 1
 
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_az
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_azAula 5 População_Parte_1_cursinho_az
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_az
 
Geografia 3 ano
Geografia 3 anoGeografia 3 ano
Geografia 3 ano
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Estudos Demográficos
Estudos DemográficosEstudos Demográficos
Estudos Demográficos
 
Apresentação 2 revisão provão 2 ano
Apresentação 2 revisão provão 2 anoApresentação 2 revisão provão 2 ano
Apresentação 2 revisão provão 2 ano
 
2º Md Grupo 08
2º Md   Grupo 082º Md   Grupo 08
2º Md Grupo 08
 
Udiii 1 demografia novo
Udiii 1 demografia   novoUdiii 1 demografia   novo
Udiii 1 demografia novo
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 

Mais de robertobraz

Vegetação do Paraná
Vegetação do ParanáVegetação do Paraná
Vegetação do Paraná
robertobraz
 
Solos - a terra roxa
Solos - a terra roxaSolos - a terra roxa
Solos - a terra roxa
robertobraz
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
robertobraz
 
Estrutura e relevo
Estrutura e relevoEstrutura e relevo
Estrutura e relevo
robertobraz
 
Clima
ClimaClima
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
robertobraz
 
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
robertobraz
 
Geopolítica continente europeu
Geopolítica   continente europeuGeopolítica   continente europeu
Geopolítica continente europeu
robertobraz
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
robertobraz
 
A lua texto
A lua   textoA lua   texto
A lua texto
robertobraz
 
Planejamento prof. roberto
Planejamento prof. robertoPlanejamento prof. roberto
Planejamento prof. roberto
robertobraz
 
O NEOCOLONIALISMO E O IMPERIALISMO
O NEOCOLONIALISMO E O IMPERIALISMOO NEOCOLONIALISMO E O IMPERIALISMO
O NEOCOLONIALISMO E O IMPERIALISMO
robertobraz
 
Trabalhos III bimestre - ensino médio
Trabalhos   III bimestre - ensino médioTrabalhos   III bimestre - ensino médio
Trabalhos III bimestre - ensino médio
robertobraz
 
Planejamento prof. roberto
Planejamento prof. robertoPlanejamento prof. roberto
Planejamento prof. roberto
robertobraz
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
robertobraz
 
As américas apresentação
As américas   apresentaçãoAs américas   apresentação
As américas apresentação
robertobraz
 
Ecologia ppt
Ecologia   pptEcologia   ppt
Ecologia ppt
robertobraz
 
Ecologia ppt
Ecologia   pptEcologia   ppt
Ecologia ppt
robertobraz
 
Ecologia ppt
Ecologia   pptEcologia   ppt
Ecologia ppt
robertobraz
 
Ecologia ppt
Ecologia   pptEcologia   ppt
Ecologia ppt
robertobraz
 

Mais de robertobraz (20)

Vegetação do Paraná
Vegetação do ParanáVegetação do Paraná
Vegetação do Paraná
 
Solos - a terra roxa
Solos - a terra roxaSolos - a terra roxa
Solos - a terra roxa
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Estrutura e relevo
Estrutura e relevoEstrutura e relevo
Estrutura e relevo
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
 
Geopolítica continente europeu
Geopolítica   continente europeuGeopolítica   continente europeu
Geopolítica continente europeu
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
A lua texto
A lua   textoA lua   texto
A lua texto
 
Planejamento prof. roberto
Planejamento prof. robertoPlanejamento prof. roberto
Planejamento prof. roberto
 
O NEOCOLONIALISMO E O IMPERIALISMO
O NEOCOLONIALISMO E O IMPERIALISMOO NEOCOLONIALISMO E O IMPERIALISMO
O NEOCOLONIALISMO E O IMPERIALISMO
 
Trabalhos III bimestre - ensino médio
Trabalhos   III bimestre - ensino médioTrabalhos   III bimestre - ensino médio
Trabalhos III bimestre - ensino médio
 
Planejamento prof. roberto
Planejamento prof. robertoPlanejamento prof. roberto
Planejamento prof. roberto
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
As américas apresentação
As américas   apresentaçãoAs américas   apresentação
As américas apresentação
 
Ecologia ppt
Ecologia   pptEcologia   ppt
Ecologia ppt
 
Ecologia ppt
Ecologia   pptEcologia   ppt
Ecologia ppt
 
Ecologia ppt
Ecologia   pptEcologia   ppt
Ecologia ppt
 
Ecologia ppt
Ecologia   pptEcologia   ppt
Ecologia ppt
 

Teorias demográficas e estrutura da população

  • 1. TEORIA MALTHUSIANA TEORIA NEOMALTHUSIANA TEORIA REFORMISTA OU MARXISTA TEORIA DO CICLO OU TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA TEORIAS DEMOGRÁFICAS
  • 2. TEORIA MALTHUSIANA DEFENDIDA EM 1798 PELO ECONOMISTA E SACERDOTE ANGLICANO THOMAS ROBERT MALTHUS A POPULAÇÃO CRESCE EM RITMO DE PROGRESSÃO GEOMÉTRICA (PG), DOBRANDO A CADA 25 ANOS A PRODUÇÃO DE ALIMENTOS CRESCE EM RITMO DE PROGRESSÃO ARITMÉTICA (PA) PREVIA QUE EM UM FUTURO PRÓXIMO, FALTARIA ALIMENTOS E QUE O PLANETA ENTRARIA EM UM CAOS SOCIAL SOLUÇÃO: CONTROLE DE NATALIDADE DE FORMA NATURAL (ABSTINÊNCIA SEXUAL)
  • 3. FALHAS COMETIDAS POR MALTHUS COM A URBANIZAÇÃO A POPULAÇÃO REDUZ O NÚMERO DE FILHOS AUTOMATICAMENTE A ENTRADA DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO POR OPÇÃO OU NECESSIDADE CASAMENTOS COM IDADES MAIS AVANÇADAS REDUZINDO O TEMPO NATURAL DE FERTILIDADE DA MULHER EVOLUÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE MÉTODOS CONTRACEPTIVOS EVOLUÇÃO NA AGRICULTURA AUMENTANDO A PRODUTIVIDADE
  • 4. TEORIA NEOMALTHUSIANA DEFENDIDA POR UM GRUPO DE PAÍSES DESENVOLVIDOS NO PÓS SEGUNDA GUERRA MUNDIAL A TEORIA AFIRMA QUE: O EXCESSO DE FILHOS CAUSA POBREZA O ALTO CRESCIMENTO VEGETATIVO CANALIZA MUITOS RECURSOS PARA SAÚDE E EDUCAÇÃO DOS JOVENS, COMPROMETENDO OS INVESTIMENTOS NOS SETORES PRODUTIVOS E DIFICULTANDO O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS SOLUÇÃO: CONTROLE RÍGIDO E OFICIAIS DA NATALIDADE (PLANEJAMENTO FAMILIAR)
  • 5. TEORIA REFORMISTA OU MARXISTA DEFENDIDA POR PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS, CONTRAPÕE-SE À TEORIA ANTERIOR A TEORIA AFIRMA QUE: É A POBRESA E A MISÉRIA QUE LEVA AO EXCESSO DE FILHOS AS ELEVADAS TAXAS DE CRESCIMENTO VEGETATIVO SÃO CONSEQUÊNCIAS E NÃO CAUSA DO SUBDESENVOLVIMENTO SOLUÇÃO: REDISTRIBUIÇÃO DE RENDA E REFORMAS SOCIOECONÔMICAS A PARTIR DA MELHORA NO PADRÃO E QUALIDADE DE VIDA A REDUÇÃO E O CONTROLE DE NATALIDADE SERÁ ESPONTÂNEO PELA POPULAÇÃO
  • 6. TEORIA DO CICLO OU TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA A TEORIA SUSTENTA A IDÉIA DE QUE OS PAÍSES PASSAM POR ESTÁGIOS DE CRESCIMENTO TODOS OS PAÍSES UM DIA ATINGIRÃO O ÚLTIMO ESTÁGIO (EQUILÍBRIO DEMOGRÁFICO COM BAIXO CRESCIMENTO VEGETATIVO)
  • 7. ESTÁGIOS DE CRESCIMENTO 1º ESTÁGIO – CRESCIMENTO BAIXO OU LENTO (TAXAS ALTAS DE NATALIDADE E MORTALIDADE) 2º ESTÁGIO – CRESCIMENTO ALTO OU ELEVADO (TAXAS DE NATALIDADE ALTAS E DE MORTALIDADE BAIXAS – EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA) 3º ESTÁGIO – CRESCIMENTO PARADO OU ESTAGNADO (BAIXAS TAXAS DE NATALIDADE E MORTALIDADE)
  • 8. VARIAÇÃO DO CRESCIMENTO VEGETATIVO DO BRASIL
  • 9. ESTRUTURA DA POPULAÇÃO ESTRUTURA OCUPACIONAL ATIVOS – QUE TRABALHAM, QUE EXERCEM UMA ATIVIDADE REMUNERADA OU ESTÃO EM CONDIÇÕES DE EXERCÊ-LA (ADULTOS) INATIVOS – POR ALGUM MOTIVO NÃO PODEM EXERCER UMA ATIVIDADE REMUNERADA (JOVENS, IDOSOS E INVÁLIDOS) OBS: QUANTO MAIOR O PERCENTUAL DE ATIVOS, MAIS DESENVOLVIDO É O PAÍS POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA (PEA) POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE INATIVA (PEI)
  • 10. OBS: QUANTO MAIOR O PERCENTUAL DE ADULTOS, MAIOR SERÁ O PERCENTUAL DE ATIVOS
  • 11. SETORES DA ECONOMIA PRIMÁRIO – ENGLOBA AS ATIVIDADES RURAIS (AGRICULTURA, PECUÁRIA E EXTRATIVISMO) SECUNDÁRIO – ENGLOBA AS INDÚSTRIAS E A CONSTRUÇÃO CIVIL TERCIÁRIO – ENGLOBA O COMÉRCIO, PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E SUBEMPREGOS
  • 12. OBS: QUANTO MAIOR O PERCENTUAL DE ATIVOS NO SETOR PRIMÁRIO, MENOS DESENVOLVIDO SERÁ O PAÍS
  • 13. ESTRUTURA POR IDADE E SEXO IDOSOS – 60 ANOS OU MAIS ADULTOS – 20 A 59 ANOS JOVENS – 0 A 19 ANOS
  • 14. OBS: QUANTO MAIOR FOR O PERCENTUAL DE JOVENS, MAIS POBRE SERÁ O PAÍS
  • 15.  
  • 16. EVOLUÇÃO DO BRASIL NO BRASIL JÁ PREDOMINA ADULTOS, MAS AINDA É GRANDE O PERECENTUAL DE JOVENS (ELEVADOS GASTOS COM EDUCAÇÃO E SAÚDE) COM O DECORRER DO TEMPO O PROCESSO SERÁ OPOSTO - REDUÇÃO DE JOVENS E AUMENTO DE IDOSOS (MAIORES GASTOS COM APOSENTADORIAS)
  • 17.  
  • 18.