SlideShare uma empresa Scribd logo
Território em disputa: o reconhecimento das
Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC) como
patrimônio paisagístico municipal.
Viegas Fernandes da Costa
(Instituto Federal de Santa Catarina – IF-SC)
 População: 44.076 (IBGE, 2017).
 Integra a APA da Baleia Franca.
 Projeto de colonização europeia (açorianos) remonta há 1715.
 Economia: atividade portuária, pesca, agricultura, turismo.
 Resolução PMI/SETEC/SECULT 003, 24/09/2015: cria o Grupo de Trabalho para discutir e produzir o
relatório técnico do processo de Tombamento Paisagístico e Cultural das Dunas da Ribanceira,
acolhido pelo Conselho Municipal de Políticas Culturais
O discurso do progresso e o projeto de modernidade em Imbituba
Manifestação organizada pela ACORDI (Associação Comunitária Rural de
Imbituba) contra a instalação da Votorantim na Ribanceira. Em julho de 2010
houve a desapropriação da área, vendida a 11 centavos o m² e a expulsão de
um morador local.
Foto: http://passapalavra.info/2010/08/27188.
Cartografia Social da Comunidade Tradicional
de Agricultores e Pescadores Tradicionais dos
Areais da Ribanceira, publicada pela
Universidade Federal da Amazônia em 2011.
Aerofotograma mostrando as Dunas da Ribanceira e parte da Lagoa da Ibiraquera, 1957.
Captura realizada
do Google Earth em
26/10/2017.
Município de
Imbituba, SC. Praia
da Ribanceira à
leste, Lagoa de
Ibiraquera ao Norte
e região de dunas
na área central.
A área prevista no
processo de
tombamento é de
648 hab.
Mineração de areia nas Dunas da Ribanceira em 2013. Foto: Paulo Armando.
SOS humano durante o 'Abraço Simbólico' as dunas da Ribanceira realizado em outubro
de 2013. Foto: João Batista
Abraço simbólico nas dunas da Ribanceira, em 2013. Foto Eduardo Rosa
Equipe da TV Bandeirantes durante as gravações do quadro “Proteste Já”, do
programa CQC. Setembro de 2014.
Vestígios Arqueológicos Pré-coloniais
 Relatório IPHAN 003/2014: identificados diversos vestígios arqueológicos da cultura
guarani na área das Dunas da Ribanceira: “Trata-se de uma área de dunas móveis, sendo
que a constante movimentação destes grandes bancos arenosos demostram o dinamismo
de tal ambiente. Fato este, juntamente com os resultados positivos obtidos na vistoria,
ressaltam as características geomorfológicas da área, sendo que artefatos arqueológicos
aparecem todos os dias e todos os dias são novamente recobertos pela areia”.
Fragmento de cerâmica encontrado nas Dunas
da Ribanceira durante diligência IPHAN/IFSC,
Imbituba (09/2015) – Foto: Rossano Lopes
Bastos.
 Relatório de Vistoria IPHAN 46/2015:
Diligência IPHAN e IF-SC. Encontrados
vestígios cerâmicos e manchas escuras
nos baixios. “Em razão dos vestígios
arqueológicos encontrados no
caminhamento, pode-se afirmar que a
área vistoriada possui altíssima
probabilidade de ter sido antigamente
ocupada por grupos humanos. A
geomorfologia do terreno – áreas
elevadas, proximidades ao mar e às
lagoas, remete às características de
ocupação de grupos Guarani.”
Lei Municipal 1762 de 22 de abril de 1998
Dispõe sobre o tombamento cultural no âmbito municipal.
“Artigo1º: O Patrimônio Natural e Cultural do Município de Imbituba é constituído de bens móveis, de
natureza material ou imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, existentes em seu território e
cuja preservação seja de interesse público dado o valor histórico, artístico, ecológico, bibliográfico,
documental, religioso, folclórico, etnográfico, arqueológico, paleontológico, paisagístico, turístico e/ou
científico.”
PAISAGEM CULTURAL: Portaria IPHAN nº 127/2009
Art.1°: Paisagem Cultural Brasileira é uma porção peculiar do território nacional, representativa do
processo de interação do homem com o meio natural, à qual a vida e a ciência humana imprimiram
marcas ou atribuíram valores.
XXX
Patrimônio
Conforme CHUVA (2012), “na atualidade, a área do patrimônio engloba um conjunto significativo de
questões de ordem política, de relações de poder, de campos de força e âmbitos do social.
Anteriormente alheio a essa prática, hoje o patrimônio toma em consideração questões relativas ao
meio ambiente, aos direitos culturais, aos direitos difusos, ao direito autoral, ao impacto cultural
causados pelos grandes empreendimentos, além dos temas já tradicionais, como aqueles que envolvem
questões de urbanismo e uso do solo, expansões urbanas sobre áreas históricas decadentes, questão
habitacional em áreas históricas urbanas e, principalmente, os limites que o tombamento impõe à
propriedade privada.”
Produção de dados
 Dificuldades encontradas no território.
 Diligência com IPHAN.
 Conversas e reuniões com a comunidade.
 Pesquisa bibliográfica.
 Entrevistas.
 Aplicação de questionário eletrônico.
“Aqui era um deserto. Isso aqui era um deserto. Oito
morador...oito morador. Não existia água, não existia luz...
nada. Tudo trabalhavam na lavoura. Plantavam a batata,
plantavam o aipim, plantava o amendoim. O porco era pra
banha, vaca pro leite, o forno pra fazer o pãozinho pro café.
Não existia mercado, não existia padaria, não existia nada
disso. Nós ia fazer as compra, ---------- lá na Laguna. “ (Sr.
Adílio, 86 anos).
Foto: Bruna Fachinello
“Tinha um caminho que ia pro Arroio, mas as vezes a gente atravessava aquele areal pra
sair do outro lado que era mais perto.” (Sr. Adílio, 86 anos).
“Aham, foi veio estrada e depois... a
estrada era de areia, mas devagarzinho os
carros iam passando. Atolavam, cortavam
mato e vinham passando. Aí foram indo,
foram falando e foram conversando até
que o prefeito botou o barro.“ (Sra. Edith,
80 anos).
“Naquele tempo não existia vassoura de faxina em casa. Não existia nada... Pra fazer o
dinheirinho do verão... era palha de butiá. Nós pegava a palha de butiá e amarrava e o
caminhão levava pra fábrica. Teve um ano que eu tirei cem arrobas, não foi? Duzentas
arrobas ou cem arrobas.“ (Sr. Adílio, 86 anos).
Foto: Bruna Fachinello
“Há muitos anos vieram pra cá e se colocaram
aqui. Porque naqueles tempo o terreno era
devoluto. Não tinha dono. Vocês chegavam
colocavam sua casinha... daí ia morando,
depois de muito tempo é...” (Sra. Josina, 65
anos).
“Tinha muito engenho aqui, tudo de farinha,
nós trabalhava na roça, nós só convivia com
farinha, só.” (Sra. Josina, 65 anos).
Foto: Bruna Fachinello.
“Quando nós caminhava pra roça, no caminho que nós passava nós achava aquelas
panelinhas, a mãe chamava assim de panelinha de bugre. A falecida minha mãe dizia que era
de bugre e outros diziam que era de índio, gente que se criou no mato. E não sei se é que se
criaram né. A gente passava, porque o areal o vento dá e nós achava assim as panelas dele.”
(Sra. Josina, 65 anos).
“O que mudou mais pra mim é que tem muita casa, né, porque era só mato. Foram
desmatando e construindo. Então pra mim aqui tá uma cidade porque quando eu me criei
como eu disse pra você, a minha mãe morava aqui e o vizinho morava lá no morro. Lá
naquele morro, nós ia lá pro mato grosso, como a gente chama, corta cachopa de cacho de
butiazeiro e de coqueiro e nós se sentava lá naquele morro, duas pessoas pra nós desce no
barranco que era tudo pasto.” (Sra. Josina, 65 anos).
“O momento de festa que tinha aqui era quando a Bandeira do Divino
Espirito Santo vinha. Nós trabalhava tudo na roça. Aí a bandeira tá lá
no Arroio, que era lá da Praia Vermelha. Cantoria que a gente chorava,
a gente ficava emocionado. Eles tocavam e aquele...Meu Deus. Aí tá, a
bandeira tá lá no Arroio...a gente chegava e varria o terreiro. Nosso
terreiro era tudo de barro. Vassourinha de mato. Nós varria tudo e daí
ela vinha. Aí no (Santolino) Estevam, que era um senhor lá ---- Pediam
para dormir lá. Aí cantavam, eles cantavam, a gente chorava e a gente
ia botando moedinha. Quanto mais a gente botava moedinha, mais
eles cantavam. Chocava assim a gente. Eles tocavam assim, né, no
passado. Aí, anoitecia, eles iam dormir lá. Lá no engenho do Antônio.
Aí tinha prensa de farinha. A falecida (Santina), a vó da Maria,
Secretária da Saúde. Ela botava um lençol bem branco assim na prensa
e botava uma bandeira ali e a outra aqui. O senhor com uma mesinha
botava um travesseirinho, esteira de piri para o senhor se ajoelhar
para rezar. Aí, depois disso tudo vinha matação, galinha. Você dava
uma galinha. Aí eles faziam assim, como eu vou dizer para você,
terneirinho de pão, pão doce. Eles faziam, as padarias
encomendavam. Galinha, ovos de galinha, bolo pra fazer a
arrematação para arrecadar aquele trocadinho para aqueles folião,
como a gente chamava, pra eles levar.” (Sra. Josina, 65 anos).
APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIO ELETRÔNICO
 Formulário eletrônico aberto na plataforma do Google Drive.
 Divulgação em veículos de comunicação locais impressos, virtuais e radiofônicos
e em grupos e perfis pessoais de rede social virtual.
 Verificação de identidade e perfil.
 Período: respostas recebidas entre 21/11/2016 a 06/12/2016.
 132 respostas válidas.
 Discussão das variáveis .
(*Coordenação da pesquisa: Prof. Me. Viegas Fernandes da Costa, Historiador, Mestre em Desenvolvimento
Regional, Prof. do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia.
**Bolsista Edital APROEX/IFSC: Bruna Fachinello.)
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC) como patrimônio paisagístico municipal.
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC) como patrimônio paisagístico municipal.
Escreva o que as Dunas da Ribanceira significam para você.
“Constitui-se em um dos motivos pelos quais resido aqui, pois representa qualidade de
vida na medida em que, ao mesmo tempo que faz parte de minhas memórias afetivas,
sua grande área de natureza ainda intocada dá garantias de uma cidade mais equilibrada
ambientalmente.”
“Lembrança da infância, quadro paisagístico, ecológico, memória e emoção.”
“Lembranças de infância, com papelão descendo as dunas sob a vigilância de meu
pai....”
“Um patrimônio natural lindo que serve de hábitat para a fauna silvestre e apresenta
espécies de vegetação utilizada pela comunidade tradicional há diversas gerações e que
possivelmente será um grande reservatório de água num futuro ainda distante.”
“Parte importante da identidade ambiental da cidade. Além disso, é espaço recreativo
bastante utilizado por nativos e turistas, com a prática do sandboard e banhos nos lagos
que se formam nos períodos de chuvas.”
“Significam muito pra toda minha família, sempre foi o lugar escolhido para nossas
brincadeiras e reflexões. Gostamos de observar as Baleias Franca e também as outras
espécies que habitam as Dunas.”
“É um lugar para diversão, contemplação da natureza e do ponto de vista do turismo
que a cidade tanto necessita, uma opção para dias em que não tem como ir à praia.”
“Proporcionam uma sensação de liberdade, de amplitude e de beleza extrema. Cobrem,
como um grande lençol, muitos segredos de seres que por ali estiveram, deixando suas
impressões, que a qualquer momento podem ser "descobertas". Reporta ao correr de
crianças, escorregando no seu dorso ondulado, alvo, brilhante, alegre, feliz. Traz imensa
emoção, por qualquer direção que se olhe, notadamente o amanhecer com o sol
brilhante no Oceano Atlântico e o entardecer, com a Lagoa de Ibiraquera por cenário
complementar.”
“Um patrimônio ecológico de grande importância para a história do município.”
“Patrimônio natural do município de imbituba, importante ecossistema que possui
relação cultural e de uso de uma comunidade tradicional. Local com grande potencial
para um turismo responsável por sua beleza cênica. Compondo o berçário da Baleia
Franca.”
“Vejo as dunas como um imenso local de moradia de várias espécies animais que
merecem ser cuidadas. E ela já foi habitada por pessoas que por aqui viveram e são
parte de nosso passado. É uma importante referência histórica de Imbituba.”
“As Dunas da Ribanceira significam a preservação do meio natural, de espécies nativas,
significa a recuperação de um ambiente já degradado por tantos anos. As Dunas
representam a história geológica passando por nós e continuando ao longo de várias
gerações.”
“Um altar.”
“Significa tudo o que é mais belo e gratificante que a natureza proporciona uma das belas
paisagens de Imbituba são as dunas da riba.”
Conhece alguma história, fato ou lenda envolvendo as Dunas da Ribanceira?
“Sim, o fato de que um tal de sr. Dedé loteou parte delas.”
“O movimento pela preservação das dunas uniu a comunidade e garantiu que mais pessoas
conhecessem sua história, garantido o turismo sustentável deste patrimônio da natureza.”
“Abriga trilhas onde a população do norte do município usava como caminho para ir até o
centro de Imbituba, muitas vezes para vender a produção excedente do que plantavam e
pescavam.”
“Quando criança, construíamos pequenas pranchas de areia, que mais tarde viriam a ser
chamadas de sandboards. Eram feitas de madeira e no fundo delas, pregávamos pedaços
daquelas caixas de maçãs que eram feitas de um plástico grosso, para melhor deslizar nas
descidas. Os 'treinamentos', ou brincadeiras diárias, eram nas dunas que haviam próximo ao
centro da cidade, principalmente as que haviam ao largo da Granja Henrique Lage. Quando
nos sentíamos 'preparados' buscávamos novos desafios. E as dunas da Ribanceira eram este
desafio. Fugíamos de casa, muitas vezes sem consentimento de nossos pais, para
'desafiarmos' as imensas dunas que se localizavam na antiga 'Barranceira'. Era assustador
olhar lá de cima e tentar imaginar o que poderia acontecer nas descidas. Muitos preferiam
descer sentados ou deitados nas pequenas pranchas. De uma forma ou de outra,
voltávamos para casa cansados, mas realizados. Mas, para quem morava no centro da
cidade, o cansaço era dobrado, já que após tanto divertimento ainda restava a volta, que na
maioria das vezes era feito a pé.”
“Ouvi falar que por ela passavam os festeiros que levavam a Bandeira do Divino. Pelas
dunas passavam os agricultores que iriam plantar produtos para sua subsistência. Das
dunas, se avista o mar na busca de peixes.”
“Nos anos de 1971 a 1973 ocorreu titularização das terras que compõem o campos de
dunas, com a emissão de títulos pelo extinto Instituto de Reforma Agrária do Estado de
Santa Catarina – IRASC, onde alguns poucos moradores do lugar foram beneficiados, como
a família Domingos, no vilarejo que hoje constitui-se no bairro Barra de Ibiraquera. Mas, a
maior parte foi concedida a pessoas que não ocupavam o lugar - apenas obtiveram o
registro da propriedade. Os títulos da família Domingos (Antônio, Pedro e Thomé)
informam que o lugar chamava-se Rincão, o que bate com a denominação de uma antiga
casa de música/dança (boate) existente no local na década de 1980, com aquela
denominação.”
“Desde criança brincava naqueles areais com meus amigos, pegava butiá deslizava nas
dunas e tomava banho nas lagoas que se formavam com as chuvas.”
“Uma lenda contada pelos antigos moradores da praia da ribanceira: Boi tatá. E as histórias
da caça à baleia Franca, onde as ossadas das mesmas eram depositadas nas dunas. Quando
criança, surfando nas dunas eu e amigos encontramos alguns ossos mas não sabíamos de
que animal era. Depois de conversarmos com o Sr. Fortunado, antigo morador da
Ribanceira, ele comentou se tratar de ossada de baleia.”
“Região muito rica culturalmente, sendo usada como terras comunais pelos moradores do
areal, além de grande importância afetiva para moradores da região.”
“Meu falecido tio João Maneca (Miudero) morava no Arroio e trabalhava a noite no Porto
de imbituba. Ele atravessava os areais a pé para chegar até o Porto. Ele dizia que via o Boi
Tatá, um porco ou um boi que botava fogo pela boca, via bem de longe e falava "Boi Tatá,
Boi Tatá apaga lá e acende cá". Um dia o Boi Tatá apareceu bem perto dele e tinha dias que
o Boi Tatá o acompanhava. Ele contava também que dava um vento forte no areais e um
bocado de areia se juntava como um redemoinho e se formava uma capa de um fantasma,
ele dizia que não tinha medo de nada, baixava a cabeça e seguia o caminho, dizia que se
mexer era pior.”
“Quando visitamos um dos casais mais antigos residentes no Arroio ouvimos deles que
transitavam com frequência em direção a Ribanceira pra fazer partos e o trajeto era pelas
Dunas .Recentemente foi solicitado a APA da Baleia Franca e a comunidade a possibilidade
de fazer uma gravação de uma propaganda da C&A usando como fundo as Dunas da
Ribanceira obedecendo todas legislação de preservação ambiental .A agencia contratada
pra fazer a propaganda nos informou que poderá ser muito utilizado pra futuras gravações.”
Considerações finais
Além da notória importância natural (ambiental) das Dunas da Ribanceira, especialmente se
considerado o contexto da Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, onde se destaca o
fato de serem dunas móveis, servirem ao lençol freático, abrigarem em diversas áreas
vegetação característica e nativa, dentre estas a palmeira butiá catarinense, e espécimes da
fauna sob risco de extinção, como e o caso do Liolaemus occipitalis Boulenger, que tem nestas
seu hábitat, o que por si já demonstra sua importância para a região enquanto ecossistema e o
interesse cientifico inerente, cumpre ressaltar os valores culturais que podem conferir às
Dunas da Ribanceira notoriedade histórica, paisagística e identitária. O primeiro aspecto
vincula-se ao arqueológico. É possível inferir que as Dunas da Ribanceira abrigam sítios
arqueológicos ainda não devidamente estudados, o que representa interesse científico e
relevância histórico-identitária na conformação da paisagem local, justificando a necessidade
do estudo cultural da área dado sua importância arqueológica. Sob o aspecto do valor
histórico e paisagístico, ressalta-se que as Dunas da Ribanceira foram tradicionalmente
apropriadas pela população de toda região. Relatos de moradores locais dão conta de que
desde as primeiras décadas do século XX diversas famílias se deslocavam para as dunas da
Ribanceira a fim de colher butiás e com este fruto produzir alimentos e bebidas de uso
doméstico e com forte ligação identitária. A memória local relata casos de famílias que
provinham de localidades como a Vila do Mirim para esta atividade. Também há relatos a
respeito da cultura da mandioca e outras atividades relacionadas à economia de subsistência
na área das dunas, ao lazer, aos caminhos antigos e à religiosidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Termo de compromisso
Termo de compromissoTermo de compromisso
Termo de compromisso
Marcelo Nascimento Lisboa
 
Datas comemorativas de março
Datas comemorativas de marçoDatas comemorativas de março
Datas comemorativas de março
SimoneHelenDrumond
 
Marchinhas de carnaval
Marchinhas de carnavalMarchinhas de carnaval
Marchinhas de carnaval
Sonia Amaral
 
Plano de aula
Plano de aula Plano de aula
Plano de aula
Meli1980
 
Consumo connsciente
Consumo connscienteConsumo connsciente
Consumo connsciente
Atividades Diversas Cláudia
 
Modelo de Cumprimento de Sentença
Modelo de Cumprimento de SentençaModelo de Cumprimento de Sentença
Modelo de Cumprimento de Sentença
Consultor JRSantana
 
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
markinho2013
 
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperioTrabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Atividades Diversas Cláudia
 
Requerimento nº 00 11-reposição das lâmpadas queimadas
Requerimento nº 00 11-reposição das lâmpadas queimadasRequerimento nº 00 11-reposição das lâmpadas queimadas
Requerimento nº 00 11-reposição das lâmpadas queimadas
cairo maia
 
Problematizando com as quatro operações
Problematizando  com as quatro operações Problematizando  com as quatro operações
Problematizando com as quatro operações
Mary Alvarenga
 
Simetria
SimetriaSimetria
Simetria
Lilian Larroca
 
Estudos orientados 6º ano gabarito
Estudos orientados 6º ano gabaritoEstudos orientados 6º ano gabarito
Estudos orientados 6º ano gabarito
Atividades Diversas Cláudia
 
Requerimento administrativo Carlos Alexandre Transporte para Avaliação de saúde
Requerimento administrativo Carlos Alexandre Transporte para Avaliação de saúdeRequerimento administrativo Carlos Alexandre Transporte para Avaliação de saúde
Requerimento administrativo Carlos Alexandre Transporte para Avaliação de saúde
Direito dos Policiais Militares do Brasil
 
Modelo ata constituiç o assoc.
Modelo ata constituiç o assoc.Modelo ata constituiç o assoc.
Modelo ata constituiç o assoc.
Lorena Correia
 
Coletânea de atividades 4º ano
Coletânea de atividades 4º anoColetânea de atividades 4º ano
Coletânea de atividades 4º ano
orientacoesdidaticas
 
Meios de comunicação antigos
Meios de comunicação antigosMeios de comunicação antigos
Meios de comunicação antigos
Simone Gonçalves
 
Arte_6ano_Aula N1_Elementos básicos da linguagem do som.pptx
Arte_6ano_Aula N1_Elementos básicos da linguagem do som.pptxArte_6ano_Aula N1_Elementos básicos da linguagem do som.pptx
Arte_6ano_Aula N1_Elementos básicos da linguagem do som.pptx
SoniaAparecidadeMede
 
Termo de doação cd
Termo de doação cdTermo de doação cd
Termo de doação cd
levi jr
 
Modelo de carta de renuncia
Modelo de carta de renunciaModelo de carta de renuncia
Modelo de carta de renuncia
Tedinho Lima
 

Mais procurados (20)

Termo de compromisso
Termo de compromissoTermo de compromisso
Termo de compromisso
 
Datas comemorativas de março
Datas comemorativas de marçoDatas comemorativas de março
Datas comemorativas de março
 
Marchinhas de carnaval
Marchinhas de carnavalMarchinhas de carnaval
Marchinhas de carnaval
 
Plano de aula
Plano de aula Plano de aula
Plano de aula
 
Consumo connsciente
Consumo connscienteConsumo connsciente
Consumo connsciente
 
Modelo de Cumprimento de Sentença
Modelo de Cumprimento de SentençaModelo de Cumprimento de Sentença
Modelo de Cumprimento de Sentença
 
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
 
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperioTrabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
 
Requerimento nº 00 11-reposição das lâmpadas queimadas
Requerimento nº 00 11-reposição das lâmpadas queimadasRequerimento nº 00 11-reposição das lâmpadas queimadas
Requerimento nº 00 11-reposição das lâmpadas queimadas
 
Problematizando com as quatro operações
Problematizando  com as quatro operações Problematizando  com as quatro operações
Problematizando com as quatro operações
 
Atividade4ºano2
Atividade4ºano2Atividade4ºano2
Atividade4ºano2
 
Simetria
SimetriaSimetria
Simetria
 
Estudos orientados 6º ano gabarito
Estudos orientados 6º ano gabaritoEstudos orientados 6º ano gabarito
Estudos orientados 6º ano gabarito
 
Requerimento administrativo Carlos Alexandre Transporte para Avaliação de saúde
Requerimento administrativo Carlos Alexandre Transporte para Avaliação de saúdeRequerimento administrativo Carlos Alexandre Transporte para Avaliação de saúde
Requerimento administrativo Carlos Alexandre Transporte para Avaliação de saúde
 
Modelo ata constituiç o assoc.
Modelo ata constituiç o assoc.Modelo ata constituiç o assoc.
Modelo ata constituiç o assoc.
 
Coletânea de atividades 4º ano
Coletânea de atividades 4º anoColetânea de atividades 4º ano
Coletânea de atividades 4º ano
 
Meios de comunicação antigos
Meios de comunicação antigosMeios de comunicação antigos
Meios de comunicação antigos
 
Arte_6ano_Aula N1_Elementos básicos da linguagem do som.pptx
Arte_6ano_Aula N1_Elementos básicos da linguagem do som.pptxArte_6ano_Aula N1_Elementos básicos da linguagem do som.pptx
Arte_6ano_Aula N1_Elementos básicos da linguagem do som.pptx
 
Termo de doação cd
Termo de doação cdTermo de doação cd
Termo de doação cd
 
Modelo de carta de renuncia
Modelo de carta de renunciaModelo de carta de renuncia
Modelo de carta de renuncia
 

Semelhante a Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC) como patrimônio paisagístico municipal.

História pré-colonial de Santa Catarina (com foco no patrimônio arqueológico ...
História pré-colonial de Santa Catarina (com foco no patrimônio arqueológico ...História pré-colonial de Santa Catarina (com foco no patrimônio arqueológico ...
História pré-colonial de Santa Catarina (com foco no patrimônio arqueológico ...
Viegas Fernandes da Costa
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Viegas Fernandes da Costa
 
Relatório mais cultura I momento
Relatório mais cultura I momentoRelatório mais cultura I momento
Relatório mais cultura I momento
André Moraes
 
Áreas verdes urbanas memorias e usos sociais e biodiversidade
Áreas verdes urbanas memorias e usos sociais e biodiversidade Áreas verdes urbanas memorias e usos sociais e biodiversidade
Áreas verdes urbanas memorias e usos sociais e biodiversidade
Kelly Freitas
 
Ribulicoapres
RibulicoapresRibulicoapres
Trabalho vale dos dinossauros
Trabalho vale dos dinossaurosTrabalho vale dos dinossauros
Trabalho vale dos dinossauros
teresangel
 
Jornal de Corguinho
Jornal de CorguinhoJornal de Corguinho
Jornal de Corguinho
osney
 
Caderno Pedagógico Cabo Frio
Caderno Pedagógico Cabo FrioCaderno Pedagógico Cabo Frio
Caderno Pedagógico Cabo Frio
jaquecgsouza
 
Nações indígenas no brasil
Nações indígenas no brasilNações indígenas no brasil
Nações indígenas no brasil
Acrópole - História & Educação
 
Roteiro-Recuperacao-4-Ano-EF-Historia-2-etapa-2018.pdf
Roteiro-Recuperacao-4-Ano-EF-Historia-2-etapa-2018.pdfRoteiro-Recuperacao-4-Ano-EF-Historia-2-etapa-2018.pdf
Roteiro-Recuperacao-4-Ano-EF-Historia-2-etapa-2018.pdf
IedaGoethe
 
Entre Lendas, Rezas e Garrafadas: Educação Ambiental de Base Comunitária e os...
Entre Lendas, Rezas e Garrafadas: Educação Ambiental de Base Comunitária e os...Entre Lendas, Rezas e Garrafadas: Educação Ambiental de Base Comunitária e os...
Entre Lendas, Rezas e Garrafadas: Educação Ambiental de Base Comunitária e os...
Daniel Renaud Camargo
 
Dossie conj paisag_morro_cruzeiro
Dossie conj paisag_morro_cruzeiroDossie conj paisag_morro_cruzeiro
Dossie conj paisag_morro_cruzeiro
Kelvin Oliveira
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 3 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 3 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 3 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 3 - Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
PatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia Da
PatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia DaPatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia Da
PatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia Da
Sousa1973
 
Patrimônio Histórico e Cultural
Patrimônio Histórico e CulturalPatrimônio Histórico e Cultural
Patrimônio Histórico e Cultural
Viegas Fernandes da Costa
 
Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010
Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010
Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010
Davi Almeida
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 3 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo-  Aula 3 - Versão ProfessorBacia do Rio Pardo-  Aula 3 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo- Aula 3 - Versão Professor
Erika Marion Robrahn-González
 
Descobrindo revista
Descobrindo revistaDescobrindo revista
Descobrindo revista
António Pereira
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
hbilinha
 
A pré história no brasil
A pré história no brasilA pré história no brasil
A pré história no brasil
historiando
 

Semelhante a Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC) como patrimônio paisagístico municipal. (20)

História pré-colonial de Santa Catarina (com foco no patrimônio arqueológico ...
História pré-colonial de Santa Catarina (com foco no patrimônio arqueológico ...História pré-colonial de Santa Catarina (com foco no patrimônio arqueológico ...
História pré-colonial de Santa Catarina (com foco no patrimônio arqueológico ...
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
 
Relatório mais cultura I momento
Relatório mais cultura I momentoRelatório mais cultura I momento
Relatório mais cultura I momento
 
Áreas verdes urbanas memorias e usos sociais e biodiversidade
Áreas verdes urbanas memorias e usos sociais e biodiversidade Áreas verdes urbanas memorias e usos sociais e biodiversidade
Áreas verdes urbanas memorias e usos sociais e biodiversidade
 
Ribulicoapres
RibulicoapresRibulicoapres
Ribulicoapres
 
Trabalho vale dos dinossauros
Trabalho vale dos dinossaurosTrabalho vale dos dinossauros
Trabalho vale dos dinossauros
 
Jornal de Corguinho
Jornal de CorguinhoJornal de Corguinho
Jornal de Corguinho
 
Caderno Pedagógico Cabo Frio
Caderno Pedagógico Cabo FrioCaderno Pedagógico Cabo Frio
Caderno Pedagógico Cabo Frio
 
Nações indígenas no brasil
Nações indígenas no brasilNações indígenas no brasil
Nações indígenas no brasil
 
Roteiro-Recuperacao-4-Ano-EF-Historia-2-etapa-2018.pdf
Roteiro-Recuperacao-4-Ano-EF-Historia-2-etapa-2018.pdfRoteiro-Recuperacao-4-Ano-EF-Historia-2-etapa-2018.pdf
Roteiro-Recuperacao-4-Ano-EF-Historia-2-etapa-2018.pdf
 
Entre Lendas, Rezas e Garrafadas: Educação Ambiental de Base Comunitária e os...
Entre Lendas, Rezas e Garrafadas: Educação Ambiental de Base Comunitária e os...Entre Lendas, Rezas e Garrafadas: Educação Ambiental de Base Comunitária e os...
Entre Lendas, Rezas e Garrafadas: Educação Ambiental de Base Comunitária e os...
 
Dossie conj paisag_morro_cruzeiro
Dossie conj paisag_morro_cruzeiroDossie conj paisag_morro_cruzeiro
Dossie conj paisag_morro_cruzeiro
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 3 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 3 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 3 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 3 - Versão Professor
 
PatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia Da
PatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia DaPatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia Da
PatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia Da
 
Patrimônio Histórico e Cultural
Patrimônio Histórico e CulturalPatrimônio Histórico e Cultural
Patrimônio Histórico e Cultural
 
Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010
Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010
Rosário do Catete - Sociedade, cultura e meio ambiente - 2010
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 3 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo-  Aula 3 - Versão ProfessorBacia do Rio Pardo-  Aula 3 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo- Aula 3 - Versão Professor
 
Descobrindo revista
Descobrindo revistaDescobrindo revista
Descobrindo revista
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 
A pré história no brasil
A pré história no brasilA pré história no brasil
A pré história no brasil
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Viegas Fernandes da Costa
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
Viegas Fernandes da Costa
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
Viegas Fernandes da Costa
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Viegas Fernandes da Costa
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Viegas Fernandes da Costa
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Viegas Fernandes da Costa
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
Viegas Fernandes da Costa
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
Viegas Fernandes da Costa
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Viegas Fernandes da Costa
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Viegas Fernandes da Costa
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
Viegas Fernandes da Costa
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
Viegas Fernandes da Costa
 
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Viegas Fernandes da Costa
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa (20)

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
Tarde.
 
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
 
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
 

Último

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 

Último (20)

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 

Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC) como patrimônio paisagístico municipal.

  • 1. Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC) como patrimônio paisagístico municipal. Viegas Fernandes da Costa (Instituto Federal de Santa Catarina – IF-SC)
  • 2.  População: 44.076 (IBGE, 2017).  Integra a APA da Baleia Franca.  Projeto de colonização europeia (açorianos) remonta há 1715.  Economia: atividade portuária, pesca, agricultura, turismo.  Resolução PMI/SETEC/SECULT 003, 24/09/2015: cria o Grupo de Trabalho para discutir e produzir o relatório técnico do processo de Tombamento Paisagístico e Cultural das Dunas da Ribanceira, acolhido pelo Conselho Municipal de Políticas Culturais
  • 3. O discurso do progresso e o projeto de modernidade em Imbituba
  • 4. Manifestação organizada pela ACORDI (Associação Comunitária Rural de Imbituba) contra a instalação da Votorantim na Ribanceira. Em julho de 2010 houve a desapropriação da área, vendida a 11 centavos o m² e a expulsão de um morador local. Foto: http://passapalavra.info/2010/08/27188.
  • 5. Cartografia Social da Comunidade Tradicional de Agricultores e Pescadores Tradicionais dos Areais da Ribanceira, publicada pela Universidade Federal da Amazônia em 2011.
  • 6. Aerofotograma mostrando as Dunas da Ribanceira e parte da Lagoa da Ibiraquera, 1957.
  • 7. Captura realizada do Google Earth em 26/10/2017. Município de Imbituba, SC. Praia da Ribanceira à leste, Lagoa de Ibiraquera ao Norte e região de dunas na área central. A área prevista no processo de tombamento é de 648 hab.
  • 8. Mineração de areia nas Dunas da Ribanceira em 2013. Foto: Paulo Armando.
  • 9. SOS humano durante o 'Abraço Simbólico' as dunas da Ribanceira realizado em outubro de 2013. Foto: João Batista
  • 10. Abraço simbólico nas dunas da Ribanceira, em 2013. Foto Eduardo Rosa
  • 11. Equipe da TV Bandeirantes durante as gravações do quadro “Proteste Já”, do programa CQC. Setembro de 2014.
  • 12. Vestígios Arqueológicos Pré-coloniais  Relatório IPHAN 003/2014: identificados diversos vestígios arqueológicos da cultura guarani na área das Dunas da Ribanceira: “Trata-se de uma área de dunas móveis, sendo que a constante movimentação destes grandes bancos arenosos demostram o dinamismo de tal ambiente. Fato este, juntamente com os resultados positivos obtidos na vistoria, ressaltam as características geomorfológicas da área, sendo que artefatos arqueológicos aparecem todos os dias e todos os dias são novamente recobertos pela areia”. Fragmento de cerâmica encontrado nas Dunas da Ribanceira durante diligência IPHAN/IFSC, Imbituba (09/2015) – Foto: Rossano Lopes Bastos.  Relatório de Vistoria IPHAN 46/2015: Diligência IPHAN e IF-SC. Encontrados vestígios cerâmicos e manchas escuras nos baixios. “Em razão dos vestígios arqueológicos encontrados no caminhamento, pode-se afirmar que a área vistoriada possui altíssima probabilidade de ter sido antigamente ocupada por grupos humanos. A geomorfologia do terreno – áreas elevadas, proximidades ao mar e às lagoas, remete às características de ocupação de grupos Guarani.”
  • 13. Lei Municipal 1762 de 22 de abril de 1998 Dispõe sobre o tombamento cultural no âmbito municipal. “Artigo1º: O Patrimônio Natural e Cultural do Município de Imbituba é constituído de bens móveis, de natureza material ou imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, existentes em seu território e cuja preservação seja de interesse público dado o valor histórico, artístico, ecológico, bibliográfico, documental, religioso, folclórico, etnográfico, arqueológico, paleontológico, paisagístico, turístico e/ou científico.” PAISAGEM CULTURAL: Portaria IPHAN nº 127/2009 Art.1°: Paisagem Cultural Brasileira é uma porção peculiar do território nacional, representativa do processo de interação do homem com o meio natural, à qual a vida e a ciência humana imprimiram marcas ou atribuíram valores. XXX Patrimônio Conforme CHUVA (2012), “na atualidade, a área do patrimônio engloba um conjunto significativo de questões de ordem política, de relações de poder, de campos de força e âmbitos do social. Anteriormente alheio a essa prática, hoje o patrimônio toma em consideração questões relativas ao meio ambiente, aos direitos culturais, aos direitos difusos, ao direito autoral, ao impacto cultural causados pelos grandes empreendimentos, além dos temas já tradicionais, como aqueles que envolvem questões de urbanismo e uso do solo, expansões urbanas sobre áreas históricas decadentes, questão habitacional em áreas históricas urbanas e, principalmente, os limites que o tombamento impõe à propriedade privada.”
  • 14. Produção de dados  Dificuldades encontradas no território.  Diligência com IPHAN.  Conversas e reuniões com a comunidade.  Pesquisa bibliográfica.  Entrevistas.  Aplicação de questionário eletrônico.
  • 15. “Aqui era um deserto. Isso aqui era um deserto. Oito morador...oito morador. Não existia água, não existia luz... nada. Tudo trabalhavam na lavoura. Plantavam a batata, plantavam o aipim, plantava o amendoim. O porco era pra banha, vaca pro leite, o forno pra fazer o pãozinho pro café. Não existia mercado, não existia padaria, não existia nada disso. Nós ia fazer as compra, ---------- lá na Laguna. “ (Sr. Adílio, 86 anos). Foto: Bruna Fachinello
  • 16. “Tinha um caminho que ia pro Arroio, mas as vezes a gente atravessava aquele areal pra sair do outro lado que era mais perto.” (Sr. Adílio, 86 anos). “Aham, foi veio estrada e depois... a estrada era de areia, mas devagarzinho os carros iam passando. Atolavam, cortavam mato e vinham passando. Aí foram indo, foram falando e foram conversando até que o prefeito botou o barro.“ (Sra. Edith, 80 anos). “Naquele tempo não existia vassoura de faxina em casa. Não existia nada... Pra fazer o dinheirinho do verão... era palha de butiá. Nós pegava a palha de butiá e amarrava e o caminhão levava pra fábrica. Teve um ano que eu tirei cem arrobas, não foi? Duzentas arrobas ou cem arrobas.“ (Sr. Adílio, 86 anos). Foto: Bruna Fachinello
  • 17. “Há muitos anos vieram pra cá e se colocaram aqui. Porque naqueles tempo o terreno era devoluto. Não tinha dono. Vocês chegavam colocavam sua casinha... daí ia morando, depois de muito tempo é...” (Sra. Josina, 65 anos). “Tinha muito engenho aqui, tudo de farinha, nós trabalhava na roça, nós só convivia com farinha, só.” (Sra. Josina, 65 anos). Foto: Bruna Fachinello. “Quando nós caminhava pra roça, no caminho que nós passava nós achava aquelas panelinhas, a mãe chamava assim de panelinha de bugre. A falecida minha mãe dizia que era de bugre e outros diziam que era de índio, gente que se criou no mato. E não sei se é que se criaram né. A gente passava, porque o areal o vento dá e nós achava assim as panelas dele.” (Sra. Josina, 65 anos). “O que mudou mais pra mim é que tem muita casa, né, porque era só mato. Foram desmatando e construindo. Então pra mim aqui tá uma cidade porque quando eu me criei como eu disse pra você, a minha mãe morava aqui e o vizinho morava lá no morro. Lá naquele morro, nós ia lá pro mato grosso, como a gente chama, corta cachopa de cacho de butiazeiro e de coqueiro e nós se sentava lá naquele morro, duas pessoas pra nós desce no barranco que era tudo pasto.” (Sra. Josina, 65 anos).
  • 18. “O momento de festa que tinha aqui era quando a Bandeira do Divino Espirito Santo vinha. Nós trabalhava tudo na roça. Aí a bandeira tá lá no Arroio, que era lá da Praia Vermelha. Cantoria que a gente chorava, a gente ficava emocionado. Eles tocavam e aquele...Meu Deus. Aí tá, a bandeira tá lá no Arroio...a gente chegava e varria o terreiro. Nosso terreiro era tudo de barro. Vassourinha de mato. Nós varria tudo e daí ela vinha. Aí no (Santolino) Estevam, que era um senhor lá ---- Pediam para dormir lá. Aí cantavam, eles cantavam, a gente chorava e a gente ia botando moedinha. Quanto mais a gente botava moedinha, mais eles cantavam. Chocava assim a gente. Eles tocavam assim, né, no passado. Aí, anoitecia, eles iam dormir lá. Lá no engenho do Antônio. Aí tinha prensa de farinha. A falecida (Santina), a vó da Maria, Secretária da Saúde. Ela botava um lençol bem branco assim na prensa e botava uma bandeira ali e a outra aqui. O senhor com uma mesinha botava um travesseirinho, esteira de piri para o senhor se ajoelhar para rezar. Aí, depois disso tudo vinha matação, galinha. Você dava uma galinha. Aí eles faziam assim, como eu vou dizer para você, terneirinho de pão, pão doce. Eles faziam, as padarias encomendavam. Galinha, ovos de galinha, bolo pra fazer a arrematação para arrecadar aquele trocadinho para aqueles folião, como a gente chamava, pra eles levar.” (Sra. Josina, 65 anos).
  • 19. APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIO ELETRÔNICO  Formulário eletrônico aberto na plataforma do Google Drive.  Divulgação em veículos de comunicação locais impressos, virtuais e radiofônicos e em grupos e perfis pessoais de rede social virtual.  Verificação de identidade e perfil.  Período: respostas recebidas entre 21/11/2016 a 06/12/2016.  132 respostas válidas.  Discussão das variáveis . (*Coordenação da pesquisa: Prof. Me. Viegas Fernandes da Costa, Historiador, Mestre em Desenvolvimento Regional, Prof. do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. **Bolsista Edital APROEX/IFSC: Bruna Fachinello.)
  • 22. Escreva o que as Dunas da Ribanceira significam para você. “Constitui-se em um dos motivos pelos quais resido aqui, pois representa qualidade de vida na medida em que, ao mesmo tempo que faz parte de minhas memórias afetivas, sua grande área de natureza ainda intocada dá garantias de uma cidade mais equilibrada ambientalmente.” “Lembrança da infância, quadro paisagístico, ecológico, memória e emoção.” “Lembranças de infância, com papelão descendo as dunas sob a vigilância de meu pai....” “Um patrimônio natural lindo que serve de hábitat para a fauna silvestre e apresenta espécies de vegetação utilizada pela comunidade tradicional há diversas gerações e que possivelmente será um grande reservatório de água num futuro ainda distante.” “Parte importante da identidade ambiental da cidade. Além disso, é espaço recreativo bastante utilizado por nativos e turistas, com a prática do sandboard e banhos nos lagos que se formam nos períodos de chuvas.” “Significam muito pra toda minha família, sempre foi o lugar escolhido para nossas brincadeiras e reflexões. Gostamos de observar as Baleias Franca e também as outras espécies que habitam as Dunas.”
  • 23. “É um lugar para diversão, contemplação da natureza e do ponto de vista do turismo que a cidade tanto necessita, uma opção para dias em que não tem como ir à praia.” “Proporcionam uma sensação de liberdade, de amplitude e de beleza extrema. Cobrem, como um grande lençol, muitos segredos de seres que por ali estiveram, deixando suas impressões, que a qualquer momento podem ser "descobertas". Reporta ao correr de crianças, escorregando no seu dorso ondulado, alvo, brilhante, alegre, feliz. Traz imensa emoção, por qualquer direção que se olhe, notadamente o amanhecer com o sol brilhante no Oceano Atlântico e o entardecer, com a Lagoa de Ibiraquera por cenário complementar.” “Um patrimônio ecológico de grande importância para a história do município.” “Patrimônio natural do município de imbituba, importante ecossistema que possui relação cultural e de uso de uma comunidade tradicional. Local com grande potencial para um turismo responsável por sua beleza cênica. Compondo o berçário da Baleia Franca.” “Vejo as dunas como um imenso local de moradia de várias espécies animais que merecem ser cuidadas. E ela já foi habitada por pessoas que por aqui viveram e são parte de nosso passado. É uma importante referência histórica de Imbituba.”
  • 24. “As Dunas da Ribanceira significam a preservação do meio natural, de espécies nativas, significa a recuperação de um ambiente já degradado por tantos anos. As Dunas representam a história geológica passando por nós e continuando ao longo de várias gerações.” “Um altar.” “Significa tudo o que é mais belo e gratificante que a natureza proporciona uma das belas paisagens de Imbituba são as dunas da riba.”
  • 25. Conhece alguma história, fato ou lenda envolvendo as Dunas da Ribanceira? “Sim, o fato de que um tal de sr. Dedé loteou parte delas.” “O movimento pela preservação das dunas uniu a comunidade e garantiu que mais pessoas conhecessem sua história, garantido o turismo sustentável deste patrimônio da natureza.” “Abriga trilhas onde a população do norte do município usava como caminho para ir até o centro de Imbituba, muitas vezes para vender a produção excedente do que plantavam e pescavam.” “Quando criança, construíamos pequenas pranchas de areia, que mais tarde viriam a ser chamadas de sandboards. Eram feitas de madeira e no fundo delas, pregávamos pedaços daquelas caixas de maçãs que eram feitas de um plástico grosso, para melhor deslizar nas descidas. Os 'treinamentos', ou brincadeiras diárias, eram nas dunas que haviam próximo ao centro da cidade, principalmente as que haviam ao largo da Granja Henrique Lage. Quando nos sentíamos 'preparados' buscávamos novos desafios. E as dunas da Ribanceira eram este desafio. Fugíamos de casa, muitas vezes sem consentimento de nossos pais, para 'desafiarmos' as imensas dunas que se localizavam na antiga 'Barranceira'. Era assustador olhar lá de cima e tentar imaginar o que poderia acontecer nas descidas. Muitos preferiam descer sentados ou deitados nas pequenas pranchas. De uma forma ou de outra, voltávamos para casa cansados, mas realizados. Mas, para quem morava no centro da cidade, o cansaço era dobrado, já que após tanto divertimento ainda restava a volta, que na maioria das vezes era feito a pé.”
  • 26. “Ouvi falar que por ela passavam os festeiros que levavam a Bandeira do Divino. Pelas dunas passavam os agricultores que iriam plantar produtos para sua subsistência. Das dunas, se avista o mar na busca de peixes.” “Nos anos de 1971 a 1973 ocorreu titularização das terras que compõem o campos de dunas, com a emissão de títulos pelo extinto Instituto de Reforma Agrária do Estado de Santa Catarina – IRASC, onde alguns poucos moradores do lugar foram beneficiados, como a família Domingos, no vilarejo que hoje constitui-se no bairro Barra de Ibiraquera. Mas, a maior parte foi concedida a pessoas que não ocupavam o lugar - apenas obtiveram o registro da propriedade. Os títulos da família Domingos (Antônio, Pedro e Thomé) informam que o lugar chamava-se Rincão, o que bate com a denominação de uma antiga casa de música/dança (boate) existente no local na década de 1980, com aquela denominação.” “Desde criança brincava naqueles areais com meus amigos, pegava butiá deslizava nas dunas e tomava banho nas lagoas que se formavam com as chuvas.” “Uma lenda contada pelos antigos moradores da praia da ribanceira: Boi tatá. E as histórias da caça à baleia Franca, onde as ossadas das mesmas eram depositadas nas dunas. Quando criança, surfando nas dunas eu e amigos encontramos alguns ossos mas não sabíamos de que animal era. Depois de conversarmos com o Sr. Fortunado, antigo morador da Ribanceira, ele comentou se tratar de ossada de baleia.”
  • 27. “Região muito rica culturalmente, sendo usada como terras comunais pelos moradores do areal, além de grande importância afetiva para moradores da região.” “Meu falecido tio João Maneca (Miudero) morava no Arroio e trabalhava a noite no Porto de imbituba. Ele atravessava os areais a pé para chegar até o Porto. Ele dizia que via o Boi Tatá, um porco ou um boi que botava fogo pela boca, via bem de longe e falava "Boi Tatá, Boi Tatá apaga lá e acende cá". Um dia o Boi Tatá apareceu bem perto dele e tinha dias que o Boi Tatá o acompanhava. Ele contava também que dava um vento forte no areais e um bocado de areia se juntava como um redemoinho e se formava uma capa de um fantasma, ele dizia que não tinha medo de nada, baixava a cabeça e seguia o caminho, dizia que se mexer era pior.” “Quando visitamos um dos casais mais antigos residentes no Arroio ouvimos deles que transitavam com frequência em direção a Ribanceira pra fazer partos e o trajeto era pelas Dunas .Recentemente foi solicitado a APA da Baleia Franca e a comunidade a possibilidade de fazer uma gravação de uma propaganda da C&A usando como fundo as Dunas da Ribanceira obedecendo todas legislação de preservação ambiental .A agencia contratada pra fazer a propaganda nos informou que poderá ser muito utilizado pra futuras gravações.”
  • 28. Considerações finais Além da notória importância natural (ambiental) das Dunas da Ribanceira, especialmente se considerado o contexto da Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, onde se destaca o fato de serem dunas móveis, servirem ao lençol freático, abrigarem em diversas áreas vegetação característica e nativa, dentre estas a palmeira butiá catarinense, e espécimes da fauna sob risco de extinção, como e o caso do Liolaemus occipitalis Boulenger, que tem nestas seu hábitat, o que por si já demonstra sua importância para a região enquanto ecossistema e o interesse cientifico inerente, cumpre ressaltar os valores culturais que podem conferir às Dunas da Ribanceira notoriedade histórica, paisagística e identitária. O primeiro aspecto vincula-se ao arqueológico. É possível inferir que as Dunas da Ribanceira abrigam sítios arqueológicos ainda não devidamente estudados, o que representa interesse científico e relevância histórico-identitária na conformação da paisagem local, justificando a necessidade do estudo cultural da área dado sua importância arqueológica. Sob o aspecto do valor histórico e paisagístico, ressalta-se que as Dunas da Ribanceira foram tradicionalmente apropriadas pela população de toda região. Relatos de moradores locais dão conta de que desde as primeiras décadas do século XX diversas famílias se deslocavam para as dunas da Ribanceira a fim de colher butiás e com este fruto produzir alimentos e bebidas de uso doméstico e com forte ligação identitária. A memória local relata casos de famílias que provinham de localidades como a Vila do Mirim para esta atividade. Também há relatos a respeito da cultura da mandioca e outras atividades relacionadas à economia de subsistência na área das dunas, ao lazer, aos caminhos antigos e à religiosidade.