SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA DE
SANTA CATARINA
(Imigração e pluralidade étnica)
Profº Viegas Fernandes da Costa
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
Caminhos de tropas
 O interesse econômico de abastecer as regiões de mineração com carne e
transporte, e a necessidade de defender a colônia do Sacramento motivou a criação
de estradas ligando Rio Grande do Sul a São Paulo.
 1730: aberto o caminho dos Conventos (ou do Gado).
 1766: o tropeiro Antônio Correa Pinto é encarregado de fundar uma povoação no
Sertão de Curitiba, para servir de paragem. Surge a Vila de Nossa Senhora dos
Prazeres das Lagens em 1777, assentada em uma elevação próximo ao rio Caveiras.
 Com a fundação de Lages, a Câmara de Laguna determina a abertura de uma
estrada ligando-a ao planalto pelo curso do rio Tubarão (estrada do Rio do Rastro).
 Surgem os pousos das tropas e novas pastagens ao longo dos caminhos, com o
desenvolvimento de novas vilas: Curitibanos, São Joaquim, Campos Novos, Mafra.
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
Vila Nova: 1752
Garopaba: 1793/1795
Imaruí: 1833
Arquipélago dos Açores
ILHA TERCEIRA
 Estrutura fundiária e social nos Açores gerou fome e pobreza.
 Interesse da coroa portuguesa em assegurar a posse do Sul brasileiro (uti possidetis).
 Aproximadamente 6 mil açorianos foram emigrados para Santa Catarina (alguns foram
transferidos para Porto Alegre).
 Casais açorianos receberam sesmarias (a metragem não correspondia ao prometido e o
solo não era fértil).
 Adaptações agrícolas (substituição do trigo pela mandioca), técnicas de pesca,
tecelagem manual (bilro), pão-por-Deus (literatura popular), folguedos do boi, festas do
Divino, arquitetura, imaginário popular, etc.
COLONIZAÇÃO GERMÂNICA (Alemã)
 Fome, concentração de terras na mão da aristocracia e o absolutismo contribuiram
para a disposição do elemento germânico migrar para o Brasil.
 1829, São Pedro de Alcântara, primeiro núcleo de imigração germânica em Santa
Catarina.
Casarão Kretzer, na Comunidade Rural de Santa Filomena, construído no ano
de 1920 é uma das construções mais belas da região. A construção foi local
de comércio, parada de tropeiros e pessoas que se deslocavam à serra.
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
 Núcleos coloniais germânicos:
 Colônia Blumenau, 1850 , fundada por Hermann Bruno Otto Blumenau)
 Colônia Dª. Francisca , Joinville. Recebeu os primeiros imigrantes em 1851. As terras pertenciam à
Princesa Dª Francisca, filha de Pedro I, que era casada com o Príncipe de Joinville, Filho do rei francês
Luiz Felipe. Com a deposição da família real francesa em 1848, Joinville precisa auferir rendas das suas
propriedades. É então que surge este empreendimento colonial privado. A ocupação do Planalto Norte
catarinense resultou da expansão desta colônia, dando origem a cidades como São Bento. A estrada que
ligava a colônia ao planalto ficou conhecida como Estrada da Serra ou Estrada Dª Francisca, por onde a
erva mate era escoada para exportação, gerando capital para a industrialização da região.
Estrada Dª Francisca, século XIX.
 Colônia Teresópolis (1860 – Águas Mornas). Devido à pequena fertilidade do solo,
os colonos, liderados pelo padre Guilherme Röer, estenderam-se para o Vale do Braço
do Norte.
Chegada dos primeiros colonos alemães no vale do Braço do Norte
A transferência dos colonos de Teresópolis para Braço do Norte ocorreu nos anos de
1873 a 1875 onde fundaram oito comunidades com aproximadamente 60 famílias.
 Outras colônias: Brusque (1860), Angelina (1860)
 Contribuições culturais: produção alimentícia (Carne defumada, linguiças e
queijos, cervejas); arquitetura (especialmente o enxaimel); produção industrial
(cortumes, cervejarias, laticínios, têxteis); templos luteranos; clubes de caça e tiro.
COLONIZAÇÃO ITALIANA
 Condicionantes da emigração italiana para Santa Catarina: dificuldades econômicas,
agravadas pela concentração fundiária na Itália. Instabilidade política decorrente do
processo de unificação da Península Itálica.
 Sua chegada ao Brasil ocorre primeiramente em substituição à mão de obra escrava
africana, principalmente na cafeicultura.
 Os núcleos de colonização italiana na década de 1870 surgem por meio de contratos
particulares. Em 1874 o governo imperial contrata Joaquim Caetano Pinto Júnior, que se
compromete a cem mil imigrantes ao Brasil. A locação destes colonos, e o
desconhecimento da realidade do novo país representaram dificuldades para o
estabelecimento destes colonos.
 No Vale do Itajaí, dedicaram-se ao cultivo do feijão, batata-doce, milho, videira e do
bicho da seda. (Piazza & Hübener, 1989).
 A preocupação com o baixo povoamento do Sul da província catarinense fez com que
o governo imperial instituísse uma comissão que demarcou as terras do Vale do Rio
Tubarão e seus afluentes (Braço do Norte e Capivari), onde foram instalados imigrantes
italianos a partir de 1877.
 Cerca de 95% dos italianos que chegaram ao estado de Santa Catarina eram do norte
da Itália, dos atuais estados do Vêneto, Lombardia, Friul-Veneza Júlia e Trentino-Alto
Ádige. Porém, os primeiros imigrantes italianos que chegaram ao estado, em 1836,
eram oriundos da Sardenha, fundando a colônia de Nova Itália (atual São João Batista).
 A partir de 1875, fundam-se Rio dos Cedros, Rodeio, Ascurra e Apiúna nos limites da
colônia Blumenau; e Porto Franco (Botuverá) e Nova Trento, em torno da colônia
Brusque.
 1877, no vale do rio Tubarão, fundados os núcleos de Azambuja, Pedras Grandes e
Treze de Maio: no vale do Urussanga, os núcleos de Urussanga, Acioli de Vasconcelos
(atual Cocal) e Criciúma. Na sequência, surge Grão Pará (atuais municípios de Orleans,
Grão Pará, São Ludgero e Braço do Norte).
 Em 1893, após a assinatura do contrato da Companhia Fiorita com o governo
Brasileiro , a colonização italiana se expande no sul do estado com a colônia Nova
Veneza (atuais Nova Veneza e Siderópolis).
 1910: fixação do elemento étnico italiano no Oeste Catarinense a partir da expansão
dos ítalo-brasileiros do Rio Grande do Sul
 Contribuições:
 nas sedes das colônias germânicas, os italianos forneciam produtos agrícolas;
 tinha por hábito alimentarem-se de pão, polenta e vinho, daí o cultivo de milho,
arroz e uva;
 cultivo da amoreira e criação do bicho-da-seda;
 arquitetura: casas de madeira, sem varanda, altas, com porões para as carretas
ou, onde se cultivavam os parreirais, serviam como adegas;
 presença do catolicismo.
(Baseado em PIAZZA e HÜBENER. Santa Catarina: história da gente. 2ª ed. Florianópolis: Lunardelli, 1989).
Museu ao ar livre Princesa Isabel
Inaugurado em 30 de agosto de 1980, é o primeiro do gênero na América Latina, instalado
numa área de 20 mil metros quadrados. As construções, de características tradicionais,
abrangem capela, engenho de farinha de mandioca, estrebaria, galpão de serviços
domésticos, cozinha de chão batido, casa do colono, cantina, meios de transporte,
engenho de cana-de-açúcar, serraria pica-pau, oficinas artesanais, marcenaria, atafona,
balsa, ferraria e monjolo, incluindo as belas rodas d’água. É mantido pela Fundação
Educacional Barriga Verde, e tem caráter tecnológico, histórico e documental que
preserva, pesquisa e divulga a cultura material de diversas etnias, destacando um acervo
proveniente da imigração em Orleans e região sul de Santa Catarina.
Fonte: http://www.fcc.sc.gov.br/patrimoniocultural/?mod=pagina&id=15009
Museu ao ar livre Princesa Isabel
Organização do espaço: Os hábitos de construção divergiram daqueles praticados
originalmente na Itália. Lá os habitantes residiam em pequenas vilas e iam aos campos
do entorno para trabalhar, e suas residências incluíam depósitos e abrigos de animais
num único bloco. No Brasil, salvo nas sedes colonizadoras, que se desenvolveram como
vilas e cidades, a vida rural se organizou em propriedades unifamiliares mais ou menos
autosuficientes e com vivendas distantes entre si, que tinham a maior parte de suas
benfeitorias nitidamente separadas no espaço. (Fonte: Wikipédia).
Casa de Pedra da
Família Bratti, em
Nova Veneza (SC),
representativa da
imigração italiana no
estado, chancelada
como Paisagem
Cultural Brasileira.
Casarão em Pedras Grandes (Foto: Ice Climber)
Família de descendentes italianos em Nova Trento
Urussanga
COLONIZAÇÃO POLONESA
 Motivos: instabilidades políticas e constantes reconfigurações de fronteiras, falta
de autonomia e soberania nacional, trabalho servil.
 1869: primeiro grupo chega a Brusque, transferidos para o Paraná.
 1882: fixação em várias regiões catarinenses, principalmente na periferia das
colônias já estabelecidas. Principais localidades: Sul (Urussanga, Tubarão,
Araranguá) e Planalto Norte (como extensão da Colônia Dª Francisca).
 Como não existia uma Polônia soberana, muitos eram computados como
alemães, por exemplo.
 Arquitetura religiosa no estilo bizantino e catolicismo ortodoxo (fé em Nossa
Senhora de Czestochowa).
 Elemento arquitetônico: lambrequim.
Casa Slonina – Itaiópolis (detalhe do Lambrequim)
Igreja de Santo Estanilau – Itaiópolis (Foto: Antonio Feliski)
Igreja Ucraniana – Itaiópolis (Foto: Antonio Feliski)
Moinho Paraguaçu (1938) – Itaiópolis, SC.
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
Igreja Sagrada Família – Itaiópolis (Foto: Josiel Prestes)
Foto: Josiel Prestes
Colonização Sírio – Libanesa (Árabes)
 Ingressam no Brasil principalmente a partir da década de 1870.
 Ligados ao comércio, instalaram-se principalmente em regiões portuárias e
ferroviárias.
 Em Santa Catarina são encontrados principalmente São Francisco do Sul,
Florianópolis, Porto Belo, Tijucas, Itajaí, Laguna, bem como em Joinville, Jaraguá do Sul,
Blumenau, Mafra, Porto União. Tubarão, Araranguá entre outras cidades.
Colonização Austríaca
 Localizaram-se principalmente em Treze Tílias, Meio Oeste Catarinense.
 A tradição austríaca da escultura em madeira está presente nos ateliês de Treze Tílias,
que executam obras de todos os portes, conhecidas internacionalmente. Treze Tílias é
considerada a “Capital Catarinense dos Escultores e Esculturas em madeira”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Astecas, maias e incas
Astecas, maias e incasAstecas, maias e incas
Astecas, maias e incas
Maria Gomes
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, AstecasSociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
Portal do Vestibulando
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
Luiz Henrique Ferreira
 
A Queda do Império Romano do Oriente.
A Queda do Império Romano do Oriente. A Queda do Império Romano do Oriente.
A Queda do Império Romano do Oriente.
Adail Silva
 
Colonização da América Espanhola
Colonização da América EspanholaColonização da América Espanhola
Colonização da América Espanhola
Edenilson Morais
 
Hebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e PersasHebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e Persas
Fabiane Santana
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
Loredana Ruffo
 
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundo
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundoIngleses, franceses e holandeses no novo mundo
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundo
Edenilson Morais
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Nívia Sales
 
A Reforma Protestante
A Reforma Protestante A Reforma Protestante
A Reforma Protestante
Isabella Neves Silva
 
A colonizacao da america do norte - 8-ano
A colonizacao da america do norte - 8-anoA colonizacao da america do norte - 8-ano
A colonizacao da america do norte - 8-ano
Lucas Degiovani
 
Língua espanhola
Língua espanholaLíngua espanhola
Língua espanhola
Heber Soares
 
14 Tratados De Limites
14 Tratados De Limites14 Tratados De Limites
14 Tratados De Limites
Renato Coutinho
 
Romanos monarquia e república
Romanos   monarquia e repúblicaRomanos   monarquia e república
Romanos monarquia e república
Fatima Freitas
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
Rogerio Alves
 
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SULPRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
ANDRADELIMA
 

Mais procurados (20)

Astecas, maias e incas
Astecas, maias e incasAstecas, maias e incas
Astecas, maias e incas
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história
Tempo e história
 
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, AstecasSociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
 
A Queda do Império Romano do Oriente.
A Queda do Império Romano do Oriente. A Queda do Império Romano do Oriente.
A Queda do Império Romano do Oriente.
 
Colonização da América Espanhola
Colonização da América EspanholaColonização da América Espanhola
Colonização da América Espanhola
 
Hebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e PersasHebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e Persas
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundo
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundoIngleses, franceses e holandeses no novo mundo
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundo
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
A Reforma Protestante
A Reforma Protestante A Reforma Protestante
A Reforma Protestante
 
A colonizacao da america do norte - 8-ano
A colonizacao da america do norte - 8-anoA colonizacao da america do norte - 8-ano
A colonizacao da america do norte - 8-ano
 
Língua espanhola
Língua espanholaLíngua espanhola
Língua espanhola
 
14 Tratados De Limites
14 Tratados De Limites14 Tratados De Limites
14 Tratados De Limites
 
Romanos monarquia e república
Romanos   monarquia e repúblicaRomanos   monarquia e república
Romanos monarquia e república
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
 
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SULPRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
 

Semelhante a História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica

Revista história 2013
Revista história 2013Revista história 2013
Revista história 2013
riickygoncalves
 
FamíLia Dallabrida
FamíLia DallabridaFamíLia Dallabrida
FamíLia Dallabrida
Adrodalla
 
FamíLia Dallabrida
FamíLia DallabridaFamíLia Dallabrida
FamíLia Dallabrida
Adrodalla
 
Familia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdf
Familia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdfFamilia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdf
Familia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdf
Adroaldo Dallabrida
 
IMIGRAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ.pptx
IMIGRAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ.pptxIMIGRAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ.pptx
IMIGRAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ.pptx
Janaina Pancieri Gottarde Sedel
 
Imigração italiana2
Imigração italiana2Imigração italiana2
Imigração italiana2
Maria Bernardi Turani
 
Imigração italiana2
Imigração italiana2Imigração italiana2
Imigração italiana2
Maria Bernardi Turani
 
gli antenati
gli antenatigli antenati
gli antenati
Delma Maiochi
 
Imigracao italiana para_o_brasil1
Imigracao italiana para_o_brasil1Imigracao italiana para_o_brasil1
Imigracao italiana para_o_brasil1
Delma Maiochi
 
gli antenati
gli antenatigli antenati
gli antenati
Delma Maiochi
 
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
Sidnea Marinho
 
Brasil colonial
Brasil colonialBrasil colonial
Brasil colonial
Sidnea Marinho
 
Retrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Retrospectiva Histórica Do Brasil ColôniaRetrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Retrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Fabio Santos
 
A Colonização Italiana em Santa Catarina ( 2017)
A Colonização  Italiana em Santa Catarina ( 2017)A Colonização  Italiana em Santa Catarina ( 2017)
A Colonização Italiana em Santa Catarina ( 2017)
Adrinic
 
Imigração italiana
Imigração italianaImigração italiana
Imigração italiana
osmarvolpato
 
Imigração italiana para o Brasil
Imigração italiana para o BrasilImigração italiana para o Brasil
Imigração italiana para o Brasil
antoniobedin
 
Matrizes culturais iv blog
Matrizes culturais iv blogMatrizes culturais iv blog
Matrizes culturais iv blog
geografiafelipe
 
Santa catarina
Santa catarinaSanta catarina
Santa catarina
Gabo Cuellar
 
Resumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa CatarinaResumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa Catarina
Elton Zanoni
 
Imigracao Italiana Para O Brasil 21 De Fevereiro
Imigracao Italiana Para O Brasil 21 De FevereiroImigracao Italiana Para O Brasil 21 De Fevereiro
Imigracao Italiana Para O Brasil 21 De Fevereiro
dibertuol
 

Semelhante a História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica (20)

Revista história 2013
Revista história 2013Revista história 2013
Revista história 2013
 
FamíLia Dallabrida
FamíLia DallabridaFamíLia Dallabrida
FamíLia Dallabrida
 
FamíLia Dallabrida
FamíLia DallabridaFamíLia Dallabrida
FamíLia Dallabrida
 
Familia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdf
Familia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdfFamilia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdf
Familia_Dallabrida, 🌳 Genealógica de Adroaldo José Dallabrida.pdf
 
IMIGRAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ.pptx
IMIGRAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ.pptxIMIGRAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ.pptx
IMIGRAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ.pptx
 
Imigração italiana2
Imigração italiana2Imigração italiana2
Imigração italiana2
 
Imigração italiana2
Imigração italiana2Imigração italiana2
Imigração italiana2
 
gli antenati
gli antenatigli antenati
gli antenati
 
Imigracao italiana para_o_brasil1
Imigracao italiana para_o_brasil1Imigracao italiana para_o_brasil1
Imigracao italiana para_o_brasil1
 
gli antenati
gli antenatigli antenati
gli antenati
 
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
 
Brasil colonial
Brasil colonialBrasil colonial
Brasil colonial
 
Retrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Retrospectiva Histórica Do Brasil ColôniaRetrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Retrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
 
A Colonização Italiana em Santa Catarina ( 2017)
A Colonização  Italiana em Santa Catarina ( 2017)A Colonização  Italiana em Santa Catarina ( 2017)
A Colonização Italiana em Santa Catarina ( 2017)
 
Imigração italiana
Imigração italianaImigração italiana
Imigração italiana
 
Imigração italiana para o Brasil
Imigração italiana para o BrasilImigração italiana para o Brasil
Imigração italiana para o Brasil
 
Matrizes culturais iv blog
Matrizes culturais iv blogMatrizes culturais iv blog
Matrizes culturais iv blog
 
Santa catarina
Santa catarinaSanta catarina
Santa catarina
 
Resumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa CatarinaResumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa Catarina
 
Imigracao Italiana Para O Brasil 21 De Fevereiro
Imigracao Italiana Para O Brasil 21 De FevereiroImigracao Italiana Para O Brasil 21 De Fevereiro
Imigracao Italiana Para O Brasil 21 De Fevereiro
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Viegas Fernandes da Costa
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
Viegas Fernandes da Costa
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
Viegas Fernandes da Costa
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Viegas Fernandes da Costa
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Viegas Fernandes da Costa
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Viegas Fernandes da Costa
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
Viegas Fernandes da Costa
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Viegas Fernandes da Costa
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Viegas Fernandes da Costa
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Viegas Fernandes da Costa
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Viegas Fernandes da Costa
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
Viegas Fernandes da Costa
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
Viegas Fernandes da Costa
 
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Viegas Fernandes da Costa
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa (20)

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
Tarde.
 
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
 
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
 

Último

Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 

História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica

  • 1. HISTÓRIA DE SANTA CATARINA (Imigração e pluralidade étnica) Profº Viegas Fernandes da Costa
  • 6. Caminhos de tropas  O interesse econômico de abastecer as regiões de mineração com carne e transporte, e a necessidade de defender a colônia do Sacramento motivou a criação de estradas ligando Rio Grande do Sul a São Paulo.  1730: aberto o caminho dos Conventos (ou do Gado).  1766: o tropeiro Antônio Correa Pinto é encarregado de fundar uma povoação no Sertão de Curitiba, para servir de paragem. Surge a Vila de Nossa Senhora dos Prazeres das Lagens em 1777, assentada em uma elevação próximo ao rio Caveiras.  Com a fundação de Lages, a Câmara de Laguna determina a abertura de uma estrada ligando-a ao planalto pelo curso do rio Tubarão (estrada do Rio do Rastro).  Surgem os pousos das tropas e novas pastagens ao longo dos caminhos, com o desenvolvimento de novas vilas: Curitibanos, São Joaquim, Campos Novos, Mafra.
  • 8. Vila Nova: 1752 Garopaba: 1793/1795 Imaruí: 1833
  • 11.  Estrutura fundiária e social nos Açores gerou fome e pobreza.  Interesse da coroa portuguesa em assegurar a posse do Sul brasileiro (uti possidetis).  Aproximadamente 6 mil açorianos foram emigrados para Santa Catarina (alguns foram transferidos para Porto Alegre).  Casais açorianos receberam sesmarias (a metragem não correspondia ao prometido e o solo não era fértil).  Adaptações agrícolas (substituição do trigo pela mandioca), técnicas de pesca, tecelagem manual (bilro), pão-por-Deus (literatura popular), folguedos do boi, festas do Divino, arquitetura, imaginário popular, etc.
  • 13.  Fome, concentração de terras na mão da aristocracia e o absolutismo contribuiram para a disposição do elemento germânico migrar para o Brasil.  1829, São Pedro de Alcântara, primeiro núcleo de imigração germânica em Santa Catarina. Casarão Kretzer, na Comunidade Rural de Santa Filomena, construído no ano de 1920 é uma das construções mais belas da região. A construção foi local de comércio, parada de tropeiros e pessoas que se deslocavam à serra.
  • 15.  Núcleos coloniais germânicos:  Colônia Blumenau, 1850 , fundada por Hermann Bruno Otto Blumenau)
  • 16.  Colônia Dª. Francisca , Joinville. Recebeu os primeiros imigrantes em 1851. As terras pertenciam à Princesa Dª Francisca, filha de Pedro I, que era casada com o Príncipe de Joinville, Filho do rei francês Luiz Felipe. Com a deposição da família real francesa em 1848, Joinville precisa auferir rendas das suas propriedades. É então que surge este empreendimento colonial privado. A ocupação do Planalto Norte catarinense resultou da expansão desta colônia, dando origem a cidades como São Bento. A estrada que ligava a colônia ao planalto ficou conhecida como Estrada da Serra ou Estrada Dª Francisca, por onde a erva mate era escoada para exportação, gerando capital para a industrialização da região.
  • 17. Estrada Dª Francisca, século XIX.
  • 18.  Colônia Teresópolis (1860 – Águas Mornas). Devido à pequena fertilidade do solo, os colonos, liderados pelo padre Guilherme Röer, estenderam-se para o Vale do Braço do Norte. Chegada dos primeiros colonos alemães no vale do Braço do Norte A transferência dos colonos de Teresópolis para Braço do Norte ocorreu nos anos de 1873 a 1875 onde fundaram oito comunidades com aproximadamente 60 famílias.
  • 19.  Outras colônias: Brusque (1860), Angelina (1860)  Contribuições culturais: produção alimentícia (Carne defumada, linguiças e queijos, cervejas); arquitetura (especialmente o enxaimel); produção industrial (cortumes, cervejarias, laticínios, têxteis); templos luteranos; clubes de caça e tiro.
  • 21.  Condicionantes da emigração italiana para Santa Catarina: dificuldades econômicas, agravadas pela concentração fundiária na Itália. Instabilidade política decorrente do processo de unificação da Península Itálica.  Sua chegada ao Brasil ocorre primeiramente em substituição à mão de obra escrava africana, principalmente na cafeicultura.  Os núcleos de colonização italiana na década de 1870 surgem por meio de contratos particulares. Em 1874 o governo imperial contrata Joaquim Caetano Pinto Júnior, que se compromete a cem mil imigrantes ao Brasil. A locação destes colonos, e o desconhecimento da realidade do novo país representaram dificuldades para o estabelecimento destes colonos.  No Vale do Itajaí, dedicaram-se ao cultivo do feijão, batata-doce, milho, videira e do bicho da seda. (Piazza & Hübener, 1989).  A preocupação com o baixo povoamento do Sul da província catarinense fez com que o governo imperial instituísse uma comissão que demarcou as terras do Vale do Rio Tubarão e seus afluentes (Braço do Norte e Capivari), onde foram instalados imigrantes italianos a partir de 1877.
  • 22.  Cerca de 95% dos italianos que chegaram ao estado de Santa Catarina eram do norte da Itália, dos atuais estados do Vêneto, Lombardia, Friul-Veneza Júlia e Trentino-Alto Ádige. Porém, os primeiros imigrantes italianos que chegaram ao estado, em 1836, eram oriundos da Sardenha, fundando a colônia de Nova Itália (atual São João Batista).  A partir de 1875, fundam-se Rio dos Cedros, Rodeio, Ascurra e Apiúna nos limites da colônia Blumenau; e Porto Franco (Botuverá) e Nova Trento, em torno da colônia Brusque.  1877, no vale do rio Tubarão, fundados os núcleos de Azambuja, Pedras Grandes e Treze de Maio: no vale do Urussanga, os núcleos de Urussanga, Acioli de Vasconcelos (atual Cocal) e Criciúma. Na sequência, surge Grão Pará (atuais municípios de Orleans, Grão Pará, São Ludgero e Braço do Norte).  Em 1893, após a assinatura do contrato da Companhia Fiorita com o governo Brasileiro , a colonização italiana se expande no sul do estado com a colônia Nova Veneza (atuais Nova Veneza e Siderópolis).  1910: fixação do elemento étnico italiano no Oeste Catarinense a partir da expansão dos ítalo-brasileiros do Rio Grande do Sul
  • 23.  Contribuições:  nas sedes das colônias germânicas, os italianos forneciam produtos agrícolas;  tinha por hábito alimentarem-se de pão, polenta e vinho, daí o cultivo de milho, arroz e uva;  cultivo da amoreira e criação do bicho-da-seda;  arquitetura: casas de madeira, sem varanda, altas, com porões para as carretas ou, onde se cultivavam os parreirais, serviam como adegas;  presença do catolicismo. (Baseado em PIAZZA e HÜBENER. Santa Catarina: história da gente. 2ª ed. Florianópolis: Lunardelli, 1989).
  • 24. Museu ao ar livre Princesa Isabel Inaugurado em 30 de agosto de 1980, é o primeiro do gênero na América Latina, instalado numa área de 20 mil metros quadrados. As construções, de características tradicionais, abrangem capela, engenho de farinha de mandioca, estrebaria, galpão de serviços domésticos, cozinha de chão batido, casa do colono, cantina, meios de transporte, engenho de cana-de-açúcar, serraria pica-pau, oficinas artesanais, marcenaria, atafona, balsa, ferraria e monjolo, incluindo as belas rodas d’água. É mantido pela Fundação Educacional Barriga Verde, e tem caráter tecnológico, histórico e documental que preserva, pesquisa e divulga a cultura material de diversas etnias, destacando um acervo proveniente da imigração em Orleans e região sul de Santa Catarina. Fonte: http://www.fcc.sc.gov.br/patrimoniocultural/?mod=pagina&id=15009
  • 25. Museu ao ar livre Princesa Isabel
  • 26. Organização do espaço: Os hábitos de construção divergiram daqueles praticados originalmente na Itália. Lá os habitantes residiam em pequenas vilas e iam aos campos do entorno para trabalhar, e suas residências incluíam depósitos e abrigos de animais num único bloco. No Brasil, salvo nas sedes colonizadoras, que se desenvolveram como vilas e cidades, a vida rural se organizou em propriedades unifamiliares mais ou menos autosuficientes e com vivendas distantes entre si, que tinham a maior parte de suas benfeitorias nitidamente separadas no espaço. (Fonte: Wikipédia). Casa de Pedra da Família Bratti, em Nova Veneza (SC), representativa da imigração italiana no estado, chancelada como Paisagem Cultural Brasileira.
  • 27. Casarão em Pedras Grandes (Foto: Ice Climber)
  • 28. Família de descendentes italianos em Nova Trento
  • 30. COLONIZAÇÃO POLONESA  Motivos: instabilidades políticas e constantes reconfigurações de fronteiras, falta de autonomia e soberania nacional, trabalho servil.  1869: primeiro grupo chega a Brusque, transferidos para o Paraná.  1882: fixação em várias regiões catarinenses, principalmente na periferia das colônias já estabelecidas. Principais localidades: Sul (Urussanga, Tubarão, Araranguá) e Planalto Norte (como extensão da Colônia Dª Francisca).  Como não existia uma Polônia soberana, muitos eram computados como alemães, por exemplo.  Arquitetura religiosa no estilo bizantino e catolicismo ortodoxo (fé em Nossa Senhora de Czestochowa).  Elemento arquitetônico: lambrequim.
  • 31. Casa Slonina – Itaiópolis (detalhe do Lambrequim)
  • 32. Igreja de Santo Estanilau – Itaiópolis (Foto: Antonio Feliski)
  • 33. Igreja Ucraniana – Itaiópolis (Foto: Antonio Feliski)
  • 34. Moinho Paraguaçu (1938) – Itaiópolis, SC.
  • 36. Igreja Sagrada Família – Itaiópolis (Foto: Josiel Prestes)
  • 38. Colonização Sírio – Libanesa (Árabes)  Ingressam no Brasil principalmente a partir da década de 1870.  Ligados ao comércio, instalaram-se principalmente em regiões portuárias e ferroviárias.  Em Santa Catarina são encontrados principalmente São Francisco do Sul, Florianópolis, Porto Belo, Tijucas, Itajaí, Laguna, bem como em Joinville, Jaraguá do Sul, Blumenau, Mafra, Porto União. Tubarão, Araranguá entre outras cidades. Colonização Austríaca  Localizaram-se principalmente em Treze Tílias, Meio Oeste Catarinense.  A tradição austríaca da escultura em madeira está presente nos ateliês de Treze Tílias, que executam obras de todos os portes, conhecidas internacionalmente. Treze Tílias é considerada a “Capital Catarinense dos Escultores e Esculturas em madeira”.