SlideShare uma empresa Scribd logo
19
Conto inédito de Viegas Fernandes da Costa
Na mão de Deus
“Não precisa, talvez seja melhor.” “Não posso!”
“E fazer o quê? Me diga, fazer o quê?” “Levar!”
“Deixa na mão de Deus.”
A caminhonete cheia, a pouca mobília amar-
rada na carroceria.
“Vida nova, mulher!”
Aurora
A ponta de luz sobre seu corpo nu, desperta.
Este silêncio, este calor! O primeiro, novidade,
ao outro já se acostumara. Sonolento e faminto,
arrasta-se até o canto e se apoia sobre o buraco.
Não há alívio no evacuar, a dor lancinante rom-
pendo-lhe os intestinos. Fezes e sangue se mis-
turando à terra, infértil este lavrar. Árido tal qual
o solo em que se paria, todas as manhãs... todas
as manhãs saía do buraco que cavara com suas
unhas, toupeira do próprio berço, onde dormia
fetal. Todas as manhãs aquele som de metal em
pedra, fora, distante, tinindo auroras em seus pe-
sadelos. Depois a porta se abria, um braço apres-
sado rompia sua solidão, despejando-lhe algo
para comer e beber. O mistério que se repetia to-
das as manhãs... todas as manhãs. Tinir de metal
em pedra e aquele braço apressado, nunca outro,
sempre o mesmo. Hoje, entretanto, o silêncio e
a dor, o grito surdo dos intestinos e o braço que
não chegou. Pegou dos dois paus há muito es-
quecidos sobre o chão de terra batida e levantou.
Os pés horrivelmente virados sustentando-lhe o
corpo. Ato ousado o desejo de caminhar. Nunca
o aprendera. A servir de sola, o peito do pé, e de
pouca serventia os dois paus naquela sala me-
díocre. Deixaram-lhe as improvisadas bengalas
depois que se acalmara, em um tempo do qual
já não tinha mais memória. Sabia dos ferros que
lhe ulceraram os tornozelos, das correntes que o
prenderam. Cicatrizes são sempre muito difíceis
de apagar. Houve, entretanto, algum dia em que
ferros e correntes não mais estavam. Jamais sou-
be quem o libertara para explorar os diminutos
domínios daquela cela. Livre, aprendeu a apoiar-
se, ereto, sobre o peito dos pés. Que serventia po-
dia ter aquilo, se havia a opção de arrastar-se? —
a pergunta que faria, não fosse tanto calar.
Pretérito
Um grito na pedra escava silêncios. Torto, dis-
se, nasceu torto. Arrastar correntes, os arreios à
boca, qual mula, serra acima, serra abaixo. Não
vinga,rebentomaldito,hádeficar,qualquerhora,
qualquer dia, na grota, há de cair no perau ou, sei
lá, deixa morrer e enterra. Vingou, entretanto! E
não se soube o que fazer. Cobriu-se sua nudez, no
princípio, depois não mais; aprendeu palavras
que nunca disse e escondeu-se no quarto dos
fundos. – Escondeu-se? – Esconderam! Morcego
bisonho, aprendeu a aquietar, soube, não haveria
dor, assim. E na noite dos seus sonhos, vagava na
mata. Esta mata que se lhe achegava aos ouvidos
nas insônias e nas poucas sombras que rompiam
a taipa, insinuado-se pelas paredes da tapera.
Nunca houve medo em seu corpo troncho, tam-
pouco prazer.
Silêncio
O corpo em desequilíbrio achega-se à porta,
grotesca, construída às pressas, farpas e nós. O
corpo... agora todo ouvidos colado às tábuas.
Os sons? Aonde os ruídos da manhã, de uma
família que se move sem sair do lugar, o tinir
de metal sobre pedra? A pele dos ombros, do
peito parco, arranhando-se na porta, pequenos
pontos vermelhos fustigando madeira tão rude,
tamanha tentativa de compreender, atravessar
a porta, romper matéria, descortinar silêncios.
Havia o trinco, sempre o houve, mas cadê cora-
gem? Recua dois passos e cai pachorrentamen-
te sobre o chão, pernas abertas, olhos fixos no
trinco. Espera e esperança de que algo se mova,
que o milagre de todas as manhãs se repita, mas
a boca seca, a língua sorve o que resta da umi-
dade no palato, o estômago dói e reclama seu
vazio e o fio de luz, que todos os dias se esguei-
ra pelas frestas do telhado, já percorrera todo
o aposento, anunciando despedida no avançar
da penumbra. Olha ainda uma última vez para a
porta, uma sombra mais escura a se destacar na
grande sombra que são as paredes. Arrasta-se
para a cova-berço e tenta recolher sono em seu
corpo. Tentativa vã. Nauseado, uma golfada de
bílis desperta-lhe os sentidos, a consciência do
silêncio e os imperativos da sobrevivência. Com
as mãos, arranha o chão e recolhe terra entre
os dedos disformes, empurrando-a pela boca,
olhos fechados, decisão dos instintos. Ajoelha-
do, busca os limites do território que há tanto
habita. Encosta-se à parede e espera. A noite de-
volveu-lhe os ruídos da mata e a segurança do
reconhecimento. Dormiu.
Julgamento de Deus
“Trancaste a porta?” “Não, quem sabe encon-
tra um jeito.” “Mas de que adianta?” “Não sei, mas
quando Deus julgar, há de lembrar que coloquei
nas mãos dele.” “Tá certo, mulher, fizeste bem.”
A caminhonete cheia, a pouca mobília amar-
rada na carroceria.
Tarde
19
20
Manhã
Fome e sede movem universos. Os lábios
sorveram do braço o suor, salgada bebida a lhe
tornar maior o desespero. Busca socorro na
esperança que a luz do dia sempre devolve. A
porta, entretanto, fechada, e o chão vazio sob si
são provas de que o milagre de todas as manhãs
não se repetira. Debruça-se sobre o estômago,
a dor lancinante e o evacuar que já não tenta
conter. Novo arrastar e o instinto de se levantar,
as mãos segurando o trinco, apoio necessário,
e a porta cede, derrubando-o para um lado do
mundo que podia supor, porém há muito esque-
cido. Demora a entender, a acostumar os olhos
à claridade. A mesa ao centro, o fogão de pedras
que abriga o tacho de cobre e uma esteira es-
quecida a um canto do pobre salão. Para além,
nos extremos, o clarão do dia inundando pelo
vão de uma porta que bate aos caprichos do
vento. A indecisão imobiliza, cabeça e tronco no
mundo, ventre e pernas na cela, assim dividido,
estirado no chão, os olhos revirando nas órbi-
tas, procurando enxergar algo que desconhece,
mas que pressente necessário. Para onde? Por
quê? Adiante o carreiro de formigas, bicho cujo
gosto já provara. A visão das formigas desperta
vontade e membros, a gula, o desejo. Rápido, ar-
rasta seu corpo pelo pó do chão, e, sôfrego, toma
dos insetos, punhado a punhado, para empur-
rá-los à boca, maçaroca venenosa que fustiga a
língua grossa, a mucosa. Não importa! A natu-
reza ordenando “come!”, e ele assim o faz, terra,
formigas, depois segue o rastro, arrasta-se para
mais, encontra na prateleira mais baixa o pote
de açúcar, a farinha de rosca, uns poucos amen-
doins. Não há distinção em seu paladar, apenas
enche a boca, o bucho, a terra com tudo que os
seus intestinos devolvem ao chão, por onde se
arrasta qual animal maldito. Do alto da estante
despenca com estrondo a bilha. Dentre os ca-
cos de cerâmica se esvai uma água que ansio-
samente bebe antes que o chão a sorva. O chão
é sempre mais sedento, por isso a língua busca
na lama a esperança de um algo mais. Não o
há. Mudo, sentado, contempla todo aquele lu-
gar sem compreender. Não há o tinir do metal
em pedra de todos os dias, tampouco o ladrar
de cães. Há apenas o vento, o barulho do vento,
uivando no vazio lá fora, e os ruídos em suas vís-
ceras revoltas.
Vontade de Deus
“A gente tem que voltar!” “Não, esquece!” “Es-
quecer como? E a culpa?” “Vontade Dele. E de-
pois, não dá mais tempo. É tarde!”
A caminhonete cheia, a pouca mobília amar-
rada na carroceria. Atrás de si, apenas a poeira.
Presente
O dia é esta serpente lasciva que se intromete
pela porta da cozinha. Agarrado aos dois paus,
sustenta-se cambaleante, rosto voltado para a
luz. Nunca antes rompera fronteiras. Segue, en-
tretanto, deixando às costas o som do dentro de
seu peito ecoando nas paredes vazias, e a marca
dos seus pés horrivelmente virados, terra, sangue
e fezes misturados sob seus passos arrastados.
Duas décadas abandonado às sombras fazem
estrago, por isso demoram suas vistas a reconhe-
cerem formas na paisagem. Não sabe, mas é hora
do sol a pino, hora em que tudo parece mergu-
lhado no torpor, tudo parece liquefeito. De pou-
co em pouco o mundo se descortina: a cerca sem
serventia, o mocho, o cepo, o machado, a enor-
me pedra fria sob a sombra do telhado, o terrei-
ro vazio dos bichos, uma estática de abandono
suspensa no ar. Estranha a ausência dos ruídos,
das formas cujas sombras se insinuavam vez e
outra nas bordas das paredes da sua cela. Sabia
dos outros, suspeitava-os parecidos consigo. A
existência daquele braço redentor, e as vozes que
aprendera a distinguir, alimentavam esta suspei-
ta, que de tanto ruminada, transformara-se em
pensamento. Do pretérito sobrara pouco mais
que nada.
Parado assim, incerto sobre o peito dos seus
pés horrivelmente virados, o corpo curvado, es-
corando-se sobre os dois paus, investiga a paisa-
gem. Ao longe, araucárias pontilham as costas
dos morros. Vira o rosto, lento e temeroso, bus-
cando resposta à pergunta não formulada; se-
gurança em algo que pudesse reconhecer como
parte do seu mundo. Mas não há nada. Uma for-
ça no peito, quase uma dor, começa a crescer, a
se revolver, os joelhos se dobram, o corpo saco-
de, convulsiona-se, as mãos se crispam nos paus,
o sexo pulsa e dói, e sua garganta é tomada por
um corpo de som que irrompe no mais fundo de
si, incha-lhe as veias, força-lhe a boca e rebenta
no mundo como grito grave e profundo, primiti-
vo, capaz de lhe despertar os instintos para um
misto de excitação e loucura, desejo e conquis-
ta, para uma espécie de entendimento atávico.
Tudo em seu corpo lateja. Em um impulso ines-
perado, começa a se mover o mais rápido que
suas dores permitem. Atravessa o pequeno sítio
diante da tapera e alcança a rua, modorrenta, os
calhaus queimando como brasa. Com força, suas
mãos prendem-se aos paus que lhe servem como
remos na estrada, puxando seu corpo pesado e
(Viegas Fernandes da Costa
é professor de História e
escritor, Imbituba/SC)
machucado pelo Sol, que nunca lhe tocara a pele
assim, senão nos poucos momentos em que uma
fresta da cela lhe permitia senti-lo, morno, sobre
um pedaço do braço ou da coxa. Rebento maldi-
to, castigo divino, avança mais depressa na estra-
da, como um animal que pressente a tempesta-
de e busca abrigo seguro. Os calhaus lacerando
a pele dos pés, o ar lhe faltando nos pulmões, o
suor embaçando a visão. Compreende que a des-
peito do cansaço, das dores bestiais, dos apelos
das vísceras, precisa ir mais depressa, mais de-
pressa. Mesmo o enorme estrondo atrás de si não
é suficiente para fazê-lo parar, pelo contrário,
este estrondo, cada vez maior e mais próximo,
empurra-o adiante, os paus vergando, tamanha
a força dos braços que lhe puxam o corpo. Não
demora as pernas não lhe sustentam mais, e do-
bram. Em transe, arrasta-se tão depressa quanto
corria, esfolando joelhos, coxas, sexo e cotovelos.
Todo seu ventre é agora uma mistura de sangue
e pó. Já não consegue mais distinguir formas, co-
res. O mundo resumido ao brilho dos calhaus e à
pressão do coração que parece não caber no pei-
to. O estrondo de vagas rolando cada vez maior,
cada vez mais próximo, ensurdecedor, até tomá
-lo pelas costas, golpeá-lo com força e levantá-lo
do chão como se fosse uma folha seca. Em meio
ao turbilhão, é rolado e jogado para todas as di-
reções. Escancara a boca no desespero por um
hausto de ar, mas seus pulmões se preenchem
também desta massa que lhe envolve. Por fim,
um estampido estoura dentro da sua cabeça, e
este estampido é a última coisa que lhe acontece.
A casa de Deus
“Te disse, mulher, que não prestava voltar!”
A mulher, incrédula, mira o horizonte trans-
formado em imenso lago. Lá adiante, espiando
sobre a lâmina turva, as duas torres da igreja ma-
triz. A tapera ficava logo atrás.
20

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sem ao menos_um_aceno
Sem ao menos_um_acenoSem ao menos_um_aceno
Sem ao menos_um_aceno
HBMenezes
 
Amante Liberto 2
Amante Liberto 2Amante Liberto 2
Amante Liberto 2
Editora Universo dos Livros
 
As relações naturais
As relações naturaisAs relações naturais
As relações naturais
Gladis Maia
 
Suplemento Acre edição 008
Suplemento Acre edição 008Suplemento Acre edição 008
Suplemento Acre edição 008
AMEOPOEMA Editora
 
QU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4ROQU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4RO
Danilo Barcelos
 
62
6262
Daniel
DanielDaniel
Amante Vingado
Amante VingadoAmante Vingado
3 érico veríssimo - o arquipélago vol. 1
3   érico veríssimo - o arquipélago vol. 13   érico veríssimo - o arquipélago vol. 1
3 érico veríssimo - o arquipélago vol. 1
Jerônimo Ferreira
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Aluisio azevedo demônios
Aluisio azevedo   demôniosAluisio azevedo   demônios
Aluisio azevedo demônios
Tulipa Zoá
 
Augusto dos anjos
Augusto dos anjosAugusto dos anjos
Augusto dos anjos
Luis Bonfim
 
Ocinap
OcinapOcinap
Ocinap
Luan Mariz
 
Poemas de Fernando Pessoa
Poemas de Fernando PessoaPoemas de Fernando Pessoa
Poemas de Fernando Pessoa
lucilafiorini
 
Amante consagrado
Amante consagradoAmante consagrado
Amante consagrado
Editora Universo dos Livros
 
Noite estranha
Noite estranhaNoite estranha
Noite estranha
Ceres Marcon
 
Lingua portuguesa 1anoem-2010
Lingua portuguesa 1anoem-2010Lingua portuguesa 1anoem-2010
Lingua portuguesa 1anoem-2010
Vera Oliveira
 
Ultimos sonetos
Ultimos sonetosUltimos sonetos
Ultimos sonetos
LRede
 

Mais procurados (18)

Sem ao menos_um_aceno
Sem ao menos_um_acenoSem ao menos_um_aceno
Sem ao menos_um_aceno
 
Amante Liberto 2
Amante Liberto 2Amante Liberto 2
Amante Liberto 2
 
As relações naturais
As relações naturaisAs relações naturais
As relações naturais
 
Suplemento Acre edição 008
Suplemento Acre edição 008Suplemento Acre edição 008
Suplemento Acre edição 008
 
QU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4ROQU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4RO
 
62
6262
62
 
Daniel
DanielDaniel
Daniel
 
Amante Vingado
Amante VingadoAmante Vingado
Amante Vingado
 
3 érico veríssimo - o arquipélago vol. 1
3   érico veríssimo - o arquipélago vol. 13   érico veríssimo - o arquipélago vol. 1
3 érico veríssimo - o arquipélago vol. 1
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Apocalipse
 
Aluisio azevedo demônios
Aluisio azevedo   demôniosAluisio azevedo   demônios
Aluisio azevedo demônios
 
Augusto dos anjos
Augusto dos anjosAugusto dos anjos
Augusto dos anjos
 
Ocinap
OcinapOcinap
Ocinap
 
Poemas de Fernando Pessoa
Poemas de Fernando PessoaPoemas de Fernando Pessoa
Poemas de Fernando Pessoa
 
Amante consagrado
Amante consagradoAmante consagrado
Amante consagrado
 
Noite estranha
Noite estranhaNoite estranha
Noite estranha
 
Lingua portuguesa 1anoem-2010
Lingua portuguesa 1anoem-2010Lingua portuguesa 1anoem-2010
Lingua portuguesa 1anoem-2010
 
Ultimos sonetos
Ultimos sonetosUltimos sonetos
Ultimos sonetos
 

Semelhante a Tarde.

Semear, Resistir, Colher.
Semear, Resistir, Colher.Semear, Resistir, Colher.
Semear, Resistir, Colher.
Sílvio Mendes
 
O Maior Milagre Do Mundo
O Maior Milagre Do MundoO Maior Milagre Do Mundo
O Maior Milagre Do Mundo
Rodrigo Corrêa Leite
 
à Sombra do flamboyant
à Sombra do flamboyantà Sombra do flamboyant
à Sombra do flamboyant
Marinaldo Leite Batista
 
Sem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um AcenoSem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um Aceno
guesta47b474
 
Aula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdfAula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdf
EdmarCarlos7
 
Os pobres raul brandao
Os pobres   raul brandaoOs pobres   raul brandao
Os pobres raul brandao
AnaRibeiro968038
 
Poesia de bolsob2011
Poesia de bolsob2011Poesia de bolsob2011
Poesia de bolsob2011
Edeilton Santos
 
Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book
AMEOPOEMA Editora
 
Poema de mil faces
Poema de mil facesPoema de mil faces
Poema de mil faces
Rodrigo Tomé
 
Poemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidadePoemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidade
BE ESGN
 
Legendas2
Legendas2Legendas2
Legendas2
shakti5
 
Revista Literária
Revista LiteráriaRevista Literária
Revista Literária
Carla Mello
 
Revista
RevistaRevista
Revista
Carla Mello
 
Ameopoema 45
Ameopoema 45Ameopoema 45
Ameopoema 45
AMEOPOEMA Editora
 
Revista subversa 6ª ed.
Revista subversa 6ª ed.Revista subversa 6ª ed.
Revista subversa 6ª ed.
Canal Subversa
 
Este interior de serpentes alegres, de Péricles Prade
Este interior de serpentes alegres, de Péricles PradeEste interior de serpentes alegres, de Péricles Prade
Este interior de serpentes alegres, de Péricles Prade
BlogPP
 
Augusto dos anjos_eu_e_outros_poemas
Augusto dos anjos_eu_e_outros_poemasAugusto dos anjos_eu_e_outros_poemas
Augusto dos anjos_eu_e_outros_poemas
ericasilveira
 
Os muros de uberlândia
Os muros de uberlândiaOs muros de uberlândia
Os muros de uberlândia
krmazov76
 
Memorando de Deus
Memorando de DeusMemorando de Deus
Memorando de Deus
Romeu da Silveira
 
JUMP
JUMPJUMP

Semelhante a Tarde. (20)

Semear, Resistir, Colher.
Semear, Resistir, Colher.Semear, Resistir, Colher.
Semear, Resistir, Colher.
 
O Maior Milagre Do Mundo
O Maior Milagre Do MundoO Maior Milagre Do Mundo
O Maior Milagre Do Mundo
 
à Sombra do flamboyant
à Sombra do flamboyantà Sombra do flamboyant
à Sombra do flamboyant
 
Sem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um AcenoSem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um Aceno
 
Aula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdfAula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdf
 
Os pobres raul brandao
Os pobres   raul brandaoOs pobres   raul brandao
Os pobres raul brandao
 
Poesia de bolsob2011
Poesia de bolsob2011Poesia de bolsob2011
Poesia de bolsob2011
 
Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book
 
Poema de mil faces
Poema de mil facesPoema de mil faces
Poema de mil faces
 
Poemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidadePoemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidade
 
Legendas2
Legendas2Legendas2
Legendas2
 
Revista Literária
Revista LiteráriaRevista Literária
Revista Literária
 
Revista
RevistaRevista
Revista
 
Ameopoema 45
Ameopoema 45Ameopoema 45
Ameopoema 45
 
Revista subversa 6ª ed.
Revista subversa 6ª ed.Revista subversa 6ª ed.
Revista subversa 6ª ed.
 
Este interior de serpentes alegres, de Péricles Prade
Este interior de serpentes alegres, de Péricles PradeEste interior de serpentes alegres, de Péricles Prade
Este interior de serpentes alegres, de Péricles Prade
 
Augusto dos anjos_eu_e_outros_poemas
Augusto dos anjos_eu_e_outros_poemasAugusto dos anjos_eu_e_outros_poemas
Augusto dos anjos_eu_e_outros_poemas
 
Os muros de uberlândia
Os muros de uberlândiaOs muros de uberlândia
Os muros de uberlândia
 
Memorando de Deus
Memorando de DeusMemorando de Deus
Memorando de Deus
 
JUMP
JUMPJUMP
JUMP
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Viegas Fernandes da Costa
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
Viegas Fernandes da Costa
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
Viegas Fernandes da Costa
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Viegas Fernandes da Costa
 
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Viegas Fernandes da Costa
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Viegas Fernandes da Costa
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Viegas Fernandes da Costa
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
Viegas Fernandes da Costa
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Viegas Fernandes da Costa
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
Viegas Fernandes da Costa
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Viegas Fernandes da Costa
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Viegas Fernandes da Costa
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
Viegas Fernandes da Costa
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
Viegas Fernandes da Costa
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa (20)

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
 
Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
 
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
 

Tarde.

  • 1. 19 Conto inédito de Viegas Fernandes da Costa Na mão de Deus “Não precisa, talvez seja melhor.” “Não posso!” “E fazer o quê? Me diga, fazer o quê?” “Levar!” “Deixa na mão de Deus.” A caminhonete cheia, a pouca mobília amar- rada na carroceria. “Vida nova, mulher!” Aurora A ponta de luz sobre seu corpo nu, desperta. Este silêncio, este calor! O primeiro, novidade, ao outro já se acostumara. Sonolento e faminto, arrasta-se até o canto e se apoia sobre o buraco. Não há alívio no evacuar, a dor lancinante rom- pendo-lhe os intestinos. Fezes e sangue se mis- turando à terra, infértil este lavrar. Árido tal qual o solo em que se paria, todas as manhãs... todas as manhãs saía do buraco que cavara com suas unhas, toupeira do próprio berço, onde dormia fetal. Todas as manhãs aquele som de metal em pedra, fora, distante, tinindo auroras em seus pe- sadelos. Depois a porta se abria, um braço apres- sado rompia sua solidão, despejando-lhe algo para comer e beber. O mistério que se repetia to- das as manhãs... todas as manhãs. Tinir de metal em pedra e aquele braço apressado, nunca outro, sempre o mesmo. Hoje, entretanto, o silêncio e a dor, o grito surdo dos intestinos e o braço que não chegou. Pegou dos dois paus há muito es- quecidos sobre o chão de terra batida e levantou. Os pés horrivelmente virados sustentando-lhe o corpo. Ato ousado o desejo de caminhar. Nunca o aprendera. A servir de sola, o peito do pé, e de pouca serventia os dois paus naquela sala me- díocre. Deixaram-lhe as improvisadas bengalas depois que se acalmara, em um tempo do qual já não tinha mais memória. Sabia dos ferros que lhe ulceraram os tornozelos, das correntes que o prenderam. Cicatrizes são sempre muito difíceis de apagar. Houve, entretanto, algum dia em que ferros e correntes não mais estavam. Jamais sou- be quem o libertara para explorar os diminutos domínios daquela cela. Livre, aprendeu a apoiar- se, ereto, sobre o peito dos pés. Que serventia po- dia ter aquilo, se havia a opção de arrastar-se? — a pergunta que faria, não fosse tanto calar. Pretérito Um grito na pedra escava silêncios. Torto, dis- se, nasceu torto. Arrastar correntes, os arreios à boca, qual mula, serra acima, serra abaixo. Não vinga,rebentomaldito,hádeficar,qualquerhora, qualquer dia, na grota, há de cair no perau ou, sei lá, deixa morrer e enterra. Vingou, entretanto! E não se soube o que fazer. Cobriu-se sua nudez, no princípio, depois não mais; aprendeu palavras que nunca disse e escondeu-se no quarto dos fundos. – Escondeu-se? – Esconderam! Morcego bisonho, aprendeu a aquietar, soube, não haveria dor, assim. E na noite dos seus sonhos, vagava na mata. Esta mata que se lhe achegava aos ouvidos nas insônias e nas poucas sombras que rompiam a taipa, insinuado-se pelas paredes da tapera. Nunca houve medo em seu corpo troncho, tam- pouco prazer. Silêncio O corpo em desequilíbrio achega-se à porta, grotesca, construída às pressas, farpas e nós. O corpo... agora todo ouvidos colado às tábuas. Os sons? Aonde os ruídos da manhã, de uma família que se move sem sair do lugar, o tinir de metal sobre pedra? A pele dos ombros, do peito parco, arranhando-se na porta, pequenos pontos vermelhos fustigando madeira tão rude, tamanha tentativa de compreender, atravessar a porta, romper matéria, descortinar silêncios. Havia o trinco, sempre o houve, mas cadê cora- gem? Recua dois passos e cai pachorrentamen- te sobre o chão, pernas abertas, olhos fixos no trinco. Espera e esperança de que algo se mova, que o milagre de todas as manhãs se repita, mas a boca seca, a língua sorve o que resta da umi- dade no palato, o estômago dói e reclama seu vazio e o fio de luz, que todos os dias se esguei- ra pelas frestas do telhado, já percorrera todo o aposento, anunciando despedida no avançar da penumbra. Olha ainda uma última vez para a porta, uma sombra mais escura a se destacar na grande sombra que são as paredes. Arrasta-se para a cova-berço e tenta recolher sono em seu corpo. Tentativa vã. Nauseado, uma golfada de bílis desperta-lhe os sentidos, a consciência do silêncio e os imperativos da sobrevivência. Com as mãos, arranha o chão e recolhe terra entre os dedos disformes, empurrando-a pela boca, olhos fechados, decisão dos instintos. Ajoelha- do, busca os limites do território que há tanto habita. Encosta-se à parede e espera. A noite de- volveu-lhe os ruídos da mata e a segurança do reconhecimento. Dormiu. Julgamento de Deus “Trancaste a porta?” “Não, quem sabe encon- tra um jeito.” “Mas de que adianta?” “Não sei, mas quando Deus julgar, há de lembrar que coloquei nas mãos dele.” “Tá certo, mulher, fizeste bem.” A caminhonete cheia, a pouca mobília amar- rada na carroceria. Tarde 19
  • 2. 20 Manhã Fome e sede movem universos. Os lábios sorveram do braço o suor, salgada bebida a lhe tornar maior o desespero. Busca socorro na esperança que a luz do dia sempre devolve. A porta, entretanto, fechada, e o chão vazio sob si são provas de que o milagre de todas as manhãs não se repetira. Debruça-se sobre o estômago, a dor lancinante e o evacuar que já não tenta conter. Novo arrastar e o instinto de se levantar, as mãos segurando o trinco, apoio necessário, e a porta cede, derrubando-o para um lado do mundo que podia supor, porém há muito esque- cido. Demora a entender, a acostumar os olhos à claridade. A mesa ao centro, o fogão de pedras que abriga o tacho de cobre e uma esteira es- quecida a um canto do pobre salão. Para além, nos extremos, o clarão do dia inundando pelo vão de uma porta que bate aos caprichos do vento. A indecisão imobiliza, cabeça e tronco no mundo, ventre e pernas na cela, assim dividido, estirado no chão, os olhos revirando nas órbi- tas, procurando enxergar algo que desconhece, mas que pressente necessário. Para onde? Por quê? Adiante o carreiro de formigas, bicho cujo gosto já provara. A visão das formigas desperta vontade e membros, a gula, o desejo. Rápido, ar- rasta seu corpo pelo pó do chão, e, sôfrego, toma dos insetos, punhado a punhado, para empur- rá-los à boca, maçaroca venenosa que fustiga a língua grossa, a mucosa. Não importa! A natu- reza ordenando “come!”, e ele assim o faz, terra, formigas, depois segue o rastro, arrasta-se para mais, encontra na prateleira mais baixa o pote de açúcar, a farinha de rosca, uns poucos amen- doins. Não há distinção em seu paladar, apenas enche a boca, o bucho, a terra com tudo que os seus intestinos devolvem ao chão, por onde se arrasta qual animal maldito. Do alto da estante despenca com estrondo a bilha. Dentre os ca- cos de cerâmica se esvai uma água que ansio- samente bebe antes que o chão a sorva. O chão é sempre mais sedento, por isso a língua busca na lama a esperança de um algo mais. Não o há. Mudo, sentado, contempla todo aquele lu- gar sem compreender. Não há o tinir do metal em pedra de todos os dias, tampouco o ladrar de cães. Há apenas o vento, o barulho do vento, uivando no vazio lá fora, e os ruídos em suas vís- ceras revoltas. Vontade de Deus “A gente tem que voltar!” “Não, esquece!” “Es- quecer como? E a culpa?” “Vontade Dele. E de- pois, não dá mais tempo. É tarde!” A caminhonete cheia, a pouca mobília amar- rada na carroceria. Atrás de si, apenas a poeira. Presente O dia é esta serpente lasciva que se intromete pela porta da cozinha. Agarrado aos dois paus, sustenta-se cambaleante, rosto voltado para a luz. Nunca antes rompera fronteiras. Segue, en- tretanto, deixando às costas o som do dentro de seu peito ecoando nas paredes vazias, e a marca dos seus pés horrivelmente virados, terra, sangue e fezes misturados sob seus passos arrastados. Duas décadas abandonado às sombras fazem estrago, por isso demoram suas vistas a reconhe- cerem formas na paisagem. Não sabe, mas é hora do sol a pino, hora em que tudo parece mergu- lhado no torpor, tudo parece liquefeito. De pou- co em pouco o mundo se descortina: a cerca sem serventia, o mocho, o cepo, o machado, a enor- me pedra fria sob a sombra do telhado, o terrei- ro vazio dos bichos, uma estática de abandono suspensa no ar. Estranha a ausência dos ruídos, das formas cujas sombras se insinuavam vez e outra nas bordas das paredes da sua cela. Sabia dos outros, suspeitava-os parecidos consigo. A existência daquele braço redentor, e as vozes que aprendera a distinguir, alimentavam esta suspei- ta, que de tanto ruminada, transformara-se em pensamento. Do pretérito sobrara pouco mais que nada. Parado assim, incerto sobre o peito dos seus pés horrivelmente virados, o corpo curvado, es- corando-se sobre os dois paus, investiga a paisa- gem. Ao longe, araucárias pontilham as costas dos morros. Vira o rosto, lento e temeroso, bus- cando resposta à pergunta não formulada; se- gurança em algo que pudesse reconhecer como parte do seu mundo. Mas não há nada. Uma for- ça no peito, quase uma dor, começa a crescer, a se revolver, os joelhos se dobram, o corpo saco- de, convulsiona-se, as mãos se crispam nos paus, o sexo pulsa e dói, e sua garganta é tomada por um corpo de som que irrompe no mais fundo de si, incha-lhe as veias, força-lhe a boca e rebenta no mundo como grito grave e profundo, primiti- vo, capaz de lhe despertar os instintos para um misto de excitação e loucura, desejo e conquis- ta, para uma espécie de entendimento atávico. Tudo em seu corpo lateja. Em um impulso ines- perado, começa a se mover o mais rápido que suas dores permitem. Atravessa o pequeno sítio diante da tapera e alcança a rua, modorrenta, os calhaus queimando como brasa. Com força, suas mãos prendem-se aos paus que lhe servem como remos na estrada, puxando seu corpo pesado e (Viegas Fernandes da Costa é professor de História e escritor, Imbituba/SC) machucado pelo Sol, que nunca lhe tocara a pele assim, senão nos poucos momentos em que uma fresta da cela lhe permitia senti-lo, morno, sobre um pedaço do braço ou da coxa. Rebento maldi- to, castigo divino, avança mais depressa na estra- da, como um animal que pressente a tempesta- de e busca abrigo seguro. Os calhaus lacerando a pele dos pés, o ar lhe faltando nos pulmões, o suor embaçando a visão. Compreende que a des- peito do cansaço, das dores bestiais, dos apelos das vísceras, precisa ir mais depressa, mais de- pressa. Mesmo o enorme estrondo atrás de si não é suficiente para fazê-lo parar, pelo contrário, este estrondo, cada vez maior e mais próximo, empurra-o adiante, os paus vergando, tamanha a força dos braços que lhe puxam o corpo. Não demora as pernas não lhe sustentam mais, e do- bram. Em transe, arrasta-se tão depressa quanto corria, esfolando joelhos, coxas, sexo e cotovelos. Todo seu ventre é agora uma mistura de sangue e pó. Já não consegue mais distinguir formas, co- res. O mundo resumido ao brilho dos calhaus e à pressão do coração que parece não caber no pei- to. O estrondo de vagas rolando cada vez maior, cada vez mais próximo, ensurdecedor, até tomá -lo pelas costas, golpeá-lo com força e levantá-lo do chão como se fosse uma folha seca. Em meio ao turbilhão, é rolado e jogado para todas as di- reções. Escancara a boca no desespero por um hausto de ar, mas seus pulmões se preenchem também desta massa que lhe envolve. Por fim, um estampido estoura dentro da sua cabeça, e este estampido é a última coisa que lhe acontece. A casa de Deus “Te disse, mulher, que não prestava voltar!” A mulher, incrédula, mira o horizonte trans- formado em imenso lago. Lá adiante, espiando sobre a lâmina turva, as duas torres da igreja ma- triz. A tapera ficava logo atrás. 20