SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 97
Aula: 06 e 08 A Alta Idade Média: 20/02
A Pax Romana: fim da expansão militar



                           Crise do Império Romano do Ocidente
                    
Lento declínio no
abastecimento de
escravos;           -   Falta de mão de obra; declínio da produção;
                    -   Queda na arrecadação de impostos;
                    -   Crise no comércio;
                    -   Falta de moedas; comércio se restringe a trocas;
                    -   Contestações políticas: imperadores fracos;
                    -   Empobrecimento do Estado;
                    -   Falta de pagamento dos legionários: saída das fronteiras;+
                    -   Invasões bárbaras: saques, destruição: êxodo urbano;
                    -   Colonato: camponês dependente, vinculado à terra do senhor;
                        cultivava em regime de parcerias;
                    -   Fortalecimento do Cristianismo: Religião confortadora diante da
                        Crise; amor incondicional de Jesus, humanidade sofredora...
                    -   Igreja: sentimento de pertencimento a uma comunidade: irmãos
Em 476, o chefe bárbaro Odoacro depõe o último dos imperadores. É a
queda do império romano do ocidente. Inicia-se uma nova era na
história da Europa. A Alta Idade Média.
ALTA (séc.V a X)                    BAIXA (séc.X a XV)

• Invasões bárbaras                 • Cruzadas
• Descentralização política         • Renascimento comercial
• Ruralização da economia           • Renascimento urbano
• Formação do feudalismo            • Crise do feudalismo
• Consolidação da Igreja            • Surgimento da burguesia
                                    e do capitalismo



  ANTIGA
                 IDADE MÉDIA                                 MODERNA

        476                                             1453
Queda de Roma                              Queda de Constantinopla
                      ORIENTE
            CIVILIZAÇÃO ÁRABE (séc.VII: Império Islâmico)

           IMPÉRIO BIZANTINO –Império Romano do Oriente
Síntese de instituições romanas e bárbaras

  ROMANAS:                                    GERMÂNICAS:


                           +
    •villa: feudo
                                             • comitatus: lealdade
• colonato: servidão
                                        • beneficium: recompensa
   • cristianismo
                                         • direito consuetudinário
O mesmo aconteceu aos Alanos, Suevos e Vândalos. Ao
longo do séc. V, outros povos bárbaros (Francos,
Ostrogodos, Anglos, Saxões, Burgúndios…) vão
criando os seus reinos sobre os escombros do império.
A agricultura apenas produzia alimentos para
                consumo próprio



    = RURALIZAÇÃO da
        economia
     ECONOMIA DE
     SUBSISTÊNCIA
Total abandono das cidades: muitas
desaparecem
Novo       modelo social: tradições
germânicas e cristãs: COMITATUS:
fidelidade mútua entre senhores e
guerreiros




 AUMENTO DO PODER E
PRESTÍGIO DOS GRANDES
      SENHORES
ORIGENS

Crise Romana – séc III – VILLAE

 grandes propriedades rurais
unidades básicas da produção
    mão-de-obra = colono
 Colonato              servidã
Vilas, uma tradição romana: Colonato
Primeira dinastia dos Francos
   MEROVÍNGIOS


Segunda dinastia dos Francos
   CAROLÍNGIOS
Reino Franco
   A falta de organização política, diferenças de língua, costumes e a crise econômica foram fatores que
    fizeram sucumbir a maioria dos reinos bárbaros.



   Porém, o Reino Franco teve longa duração, em parte porque um dos reis, Clóvis, tinha forte ligação
    com a Igreja Católica, tendo se tornado cristão por volta de 496.



   Podemos dividir o Reino Franco em duas dinastias: Merovíngia e Carolíngia. A primeira deve seu
    nome a Meroveu, avô de Clóvis, que havia lutado ao lado dos romanos contra os hunos.



   Um dos últimos reis da dinastia Merovíngia, Carlos Martel, venceu os árabes na Batalha de Poitiers,
    em 732, impedindo assim que toda a Europa fosse invadida pelos muçulmanos.



   O filho de Carlos Martel, Pepino, o Breve, iniciou a dinastia Carolíngia. O principal representante
    desta dinastia foi seu filho Carlos Magno, o mais famoso dos reis francos.
Império Carolíngio
      Carlos Magno subiu ao trono em 768. Afoito a
       guerras, conquistou um império que abrangia territórios na
       Europa Ocidental e Oriental.




      Apesar de quase analfabeto, Carlos Magno valorizava o ensino e
       fundou escolas gratuitas para o povo.




      No ano 800, foi coroado imperador pelo papa Leão III. Assim, a
       Igreja Católica pretendia unificar a Europa sob o comando de
       um monarca cristão, restaurando a glória do Império Romano.




      No entanto, esta unificação não foi possível. Após a morte de
       Carlos Magno, em 814, seu filho, Luís, o Piedoso, governou até
       840. A partir de então, o império foi dividido em três reinos
       distintos, através do Tratado de Verdun.




      Vale ressaltar que as invasões e a constituição dos reinos
       bárbaros provocou a ruralização da Europa e a concentração do
       poder nas mãos dos senhores de terra. Posteriormente, isto foi
       determinante para o surgimento do Feudalismo.
Roma, Natal do ano 800

     Excepcionalmente, o rei franco Carlos Magno passava o inverno fora de casa.
Mas era uma emergência. Ele e seus homens foram à cidade para reconduzir Leão III
ao trono de Papa. Meses antes, Leão III havia sofrido um sério atentado a mando da
nobreza local. No ataque perdeu a língua e ficou parcialmente cego devido a cortes
feitos em suas pálpebras. Por isso, procurou abrigo na corte de Carlos, um fiel cristão
que chegava a frequentar a Igreja três vezes por dia. O monarca chegou a Roma com
suas tropas, puniu os inimigos do papa e botou ordem na cidade. Em agradecimento,
Leão III organizou uma celebração natalina especial. Tinha de presentear seu protetor
e, de quebra, garantir a segurança e a posição da Santa Sé por mais tempo. Naquele
25 de dezembro, o papa coroou Carlos como novo Imperador do Sacro Império
Romano Germânico, algo que a Europa não via desde a queda do Império Romano,
em 476. A cerimônia inaugurou um novo tempo. A coroação de Carlos Magno como
imperador foi realmente importante. Pela primeira vez desde o ano 476 havia um
governo centralizado que alcançava a maior parte da Europa Ocidental.
                               Adaptado de Aventuras na História, Edição nº6, fev.
2004.
Com a morte de Carlos Magno


      Luis, o Piedoso


       Divisão do reino

TRATADO DE VERDUN - 843
 (descentralização política)
Castelania: unidade essencial política e econômica: Poder Local
BANALIDADES = pagamento
pela utilização dos instrumentos
do feudo: moinho, fornos, celeiro...
em mercadorias
AS OBRIGAÇÕES SERVIS


CORVÉIA         =
obrigação      de
trabalhar alguns
dias por semana
nos campos do
senhor feudal.
TALHA = uma parte
da produção dos
servos obtida na
reserva servil era
entregue          aos
senhores feudais.
A IGREJA MEDIEVAL
.


 Nessa figura, um monge
  copista em seu ofício.


   Somente o clero tinha
acesso à educação na Idade
  Média e os membros da
  Igreja Católica foram os
responsáveis pela tradução
   da Bíblia para o latim.
Islamismo

                        Aquele   que   se
                        submete à vontade
                        de Deus


Península Arábica: beduínos nômades: oásis/comércio: longas
distâncias


 Contato com outras culturas/ religiões: cristianismo/ judaismo


  Meca: Próspero centro comercial
Maomé
                     Revelação: visita do
                     anjo Gabriel – Alá é
                     o único Deus


  Choque com os interesses dos comerciantes locais

622: Hégira - Fuga para Yatreb: Medina (a cidade do profeta)
Projeto Político: unificação – jihad (esforço no qual a guerra é
ferramenta)


628: Unificação: Religião possibilitou a unificação dos
árabes;
Dever do fiel:

                        Respeitar o Corão e
                        a sunna



   Orar cinco vezes ao dia; com a cabeça voltada em
   direção a Meca, praticar a caridade, jejuar no
   Ramadã, visitar Meca ao menos 1 vez na vida


Califas: chefes políticos e religiosos: levam a religião a outros
territórios: expansão da fé e busca por terras férteis;
EXPANSÃO:

                  Península Ibérica




Carlos Martel: Batalha de Portiers: contidos e não
adentram o continente.


   Domínio praticamente total do Mediterrâneo


    Isolamento da Europa: Feudalismo Pleno
As Cruzadas – Entre a Fé e a Espada
“(…) Lutar para libertar o Santo Sepulcro é
merecer a glória eterna.”
Consequências das Cruzadas


 Criação de entrepostos comerciais entre a Europa e o
  Oriente.

 Gênova e Veneza tornam-se os principais centros
  comerciais da Europa.

 Rotas marítimas e terrestres de comércio europeu.

 As especiarias do Oriente.
O Renascimento Comercial e
             Urbano
 As rotas marítimas
    Marcelha, Lisboa, Flandres.
    Liga Hanseática
 As rotas terrestres
    Os burgos
    A rota de Champagne
    As feiras medievais
Transformações sociais
 O surgimento da burguesia
 O retorno da vida urbana
 As organizações burguesas
    Guildas
    Corporações de Ofício
    Hansas
    Bancos
    As cartas de franquia e as comunas
As transformações
            culturais
 Alta Idade Média (séc.V-X)
       Românico
       Patrística
 Baixa Idade média (séc. X – XV)
       Gótico
       Escolástica
Falar do Mal era
uma maneira de
reforçar a imagem
de Deus
Santo Agostinho: A Cidade de Deus:
Sociedade dos homens eleitos: boas
ações. Felicidade eterna de Deus

Cidade dos Homens: atormentada por
Satanás.
O expansionismo cristão ocidental

 Cruzadas

 Reconquista

 Reabertura do mediterrâneo
Mª Victoria Landa
•Juan Gil Hontañón
Mª Victoria Landa
Mª Victoria Landa
3˚ano 6 a 8 a alta idade média

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Janayna Lira
 
Ideologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xixIdeologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xix
Privada
 

Mais procurados (20)

Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
1° ano - Idade Média Ocidental
1° ano  - Idade Média Ocidental1° ano  - Idade Média Ocidental
1° ano - Idade Média Ocidental
 
Resumo alta idade média
Resumo   alta idade médiaResumo   alta idade média
Resumo alta idade média
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
Conquista e colonização da América
Conquista e colonização da AméricaConquista e colonização da América
Conquista e colonização da América
 
Ideologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xixIdeologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xix
 
África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Idade média: Alta Idade Média (séc. v- x)
Idade média:   Alta Idade Média (séc. v- x)Idade média:   Alta Idade Média (séc. v- x)
Idade média: Alta Idade Média (séc. v- x)
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
 
Colonização do Brasil
Colonização do BrasilColonização do Brasil
Colonização do Brasil
 
1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe 1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
 
Slide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 anoSlide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 ano
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 

Destaque (20)

1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras
 
3˚ano 9 a 10 a baixa idade média
3˚ano 9 a 10  a baixa idade média3˚ano 9 a 10  a baixa idade média
3˚ano 9 a 10 a baixa idade média
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Grecia em
Grecia emGrecia em
Grecia em
 
3˚ano roma blog
3˚ano roma blog3˚ano roma blog
3˚ano roma blog
 
3˚ano 9 a 10 a baixa idade média
3˚ano 9 a 10  a baixa idade média3˚ano 9 a 10  a baixa idade média
3˚ano 9 a 10 a baixa idade média
 
Pré história (completo)
Pré história (completo)Pré história (completo)
Pré história (completo)
 
Em egito
Em egitoEm egito
Em egito
 
Povos barbaros
Povos barbarosPovos barbaros
Povos barbaros
 
A formação do império feudal 7º anos
A formação do império feudal   7º anosA formação do império feudal   7º anos
A formação do império feudal 7º anos
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
 
Roteiro de estudos grécia
Roteiro de estudos gréciaRoteiro de estudos grécia
Roteiro de estudos grécia
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
 
2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog
 
Pré história
Pré históriaPré história
Pré história
 
Comércio e navegações
Comércio e navegaçõesComércio e navegações
Comércio e navegações
 
1 hebreusfenciosepersas
1 hebreusfenciosepersas1 hebreusfenciosepersas
1 hebreusfenciosepersas
 
Palácio de versalhes
Palácio de versalhesPalácio de versalhes
Palácio de versalhes
 
Linha do tempo das grandes religiões
Linha do tempo das grandes religiõesLinha do tempo das grandes religiões
Linha do tempo das grandes religiões
 
Cidadania - Pensar Crítico
Cidadania - Pensar CríticoCidadania - Pensar Crítico
Cidadania - Pensar Crítico
 

Semelhante a 3˚ano 6 a 8 a alta idade média

Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
Over Lane
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
Over Lane
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
Carla Teixeira
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
andrecarlosocosta
 
Feudalismo e crise
Feudalismo e criseFeudalismo e crise
Feudalismo e crise
cattonia
 
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Fatima Freitas
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Apostila alta-idade-media
Apostila alta-idade-mediaApostila alta-idade-media
Apostila alta-idade-media
Willian Thiago
 

Semelhante a 3˚ano 6 a 8 a alta idade média (20)

02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino FrancoIdade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
 
Feudalismo e crise
Feudalismo e criseFeudalismo e crise
Feudalismo e crise
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
 
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
 
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa modernaInvasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
Idade Media
 
A alta idade média
A alta idade médiaA alta idade média
A alta idade média
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Apostila alta-idade-media
Apostila alta-idade-mediaApostila alta-idade-media
Apostila alta-idade-media
 
Idade.media.resumo
Idade.media.resumoIdade.media.resumo
Idade.media.resumo
 
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
 
Aula o feudalismo
Aula o feudalismoAula o feudalismo
Aula o feudalismo
 
Aula 03 alta idade média
Aula 03   alta idade médiaAula 03   alta idade média
Aula 03 alta idade média
 
A queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidenteA queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidente
 

Mais de Kerol Brombal

9 ano ficha de observação de um edifício histórico
9 ano ficha de observação de um edifício histórico9 ano ficha de observação de um edifício histórico
9 ano ficha de observação de um edifício histórico
Kerol Brombal
 
1 hebreusfenciosepersas
1 hebreusfenciosepersas1 hebreusfenciosepersas
1 hebreusfenciosepersas
Kerol Brombal
 
1 ano lista 1: Pré-História
1 ano  lista 1: Pré-História1 ano  lista 1: Pré-História
1 ano lista 1: Pré-História
Kerol Brombal
 
2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial
Kerol Brombal
 
Apogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismoApogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismo
Kerol Brombal
 
Unificação italiana
Unificação italianaUnificação italiana
Unificação italiana
Kerol Brombal
 

Mais de Kerol Brombal (20)

Livro Ser ou Crescer: Afinal, o que passa na cabeça desses jovens?
Livro Ser ou Crescer: Afinal, o que passa na cabeça desses jovens? Livro Ser ou Crescer: Afinal, o que passa na cabeça desses jovens?
Livro Ser ou Crescer: Afinal, o que passa na cabeça desses jovens?
 
Bomba Hiroshima Gabi
Bomba Hiroshima GabiBomba Hiroshima Gabi
Bomba Hiroshima Gabi
 
Heranças culturais latinas giovanna
Heranças culturais latinas giovannaHeranças culturais latinas giovanna
Heranças culturais latinas giovanna
 
O Muro de Berlim
O Muro de BerlimO Muro de Berlim
O Muro de Berlim
 
Pracinhas marcos
Pracinhas marcosPracinhas marcos
Pracinhas marcos
 
Pão e circo Projeto Individual
Pão e circo Projeto IndividualPão e circo Projeto Individual
Pão e circo Projeto Individual
 
9 ano ficha de observação de um edifício histórico
9 ano ficha de observação de um edifício histórico9 ano ficha de observação de um edifício histórico
9 ano ficha de observação de um edifício histórico
 
1 hebreusfenciosepersas
1 hebreusfenciosepersas1 hebreusfenciosepersas
1 hebreusfenciosepersas
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Pré história
Pré históriaPré história
Pré história
 
1 ano lista 1: Pré-História
1 ano  lista 1: Pré-História1 ano  lista 1: Pré-História
1 ano lista 1: Pré-História
 
2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial
 
I gm
I gm I gm
I gm
 
Apogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismoApogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismo
 
Unificação italiana
Unificação italianaUnificação italiana
Unificação italiana
 
Romantismo..
Romantismo..Romantismo..
Romantismo..
 
Primavera dos povos
Primavera dos povosPrimavera dos povos
Primavera dos povos
 
Jornadas gloriosas
Jornadas gloriosasJornadas gloriosas
Jornadas gloriosas
 
Unificação alemã
Unificação alemãUnificação alemã
Unificação alemã
 
Guerra secessao (1)
Guerra secessao (1)Guerra secessao (1)
Guerra secessao (1)
 

3˚ano 6 a 8 a alta idade média

  • 1. Aula: 06 e 08 A Alta Idade Média: 20/02
  • 2. A Pax Romana: fim da expansão militar Crise do Império Romano do Ocidente  Lento declínio no abastecimento de escravos; - Falta de mão de obra; declínio da produção; - Queda na arrecadação de impostos; - Crise no comércio; - Falta de moedas; comércio se restringe a trocas; - Contestações políticas: imperadores fracos; - Empobrecimento do Estado; - Falta de pagamento dos legionários: saída das fronteiras;+ - Invasões bárbaras: saques, destruição: êxodo urbano; - Colonato: camponês dependente, vinculado à terra do senhor; cultivava em regime de parcerias; - Fortalecimento do Cristianismo: Religião confortadora diante da Crise; amor incondicional de Jesus, humanidade sofredora... - Igreja: sentimento de pertencimento a uma comunidade: irmãos
  • 3. Em 476, o chefe bárbaro Odoacro depõe o último dos imperadores. É a queda do império romano do ocidente. Inicia-se uma nova era na história da Europa. A Alta Idade Média.
  • 4.
  • 5. ALTA (séc.V a X) BAIXA (séc.X a XV) • Invasões bárbaras • Cruzadas • Descentralização política • Renascimento comercial • Ruralização da economia • Renascimento urbano • Formação do feudalismo • Crise do feudalismo • Consolidação da Igreja • Surgimento da burguesia e do capitalismo ANTIGA IDADE MÉDIA MODERNA 476 1453 Queda de Roma Queda de Constantinopla ORIENTE CIVILIZAÇÃO ÁRABE (séc.VII: Império Islâmico) IMPÉRIO BIZANTINO –Império Romano do Oriente
  • 6. Síntese de instituições romanas e bárbaras ROMANAS: GERMÂNICAS: + •villa: feudo • comitatus: lealdade • colonato: servidão • beneficium: recompensa • cristianismo • direito consuetudinário
  • 7. O mesmo aconteceu aos Alanos, Suevos e Vândalos. Ao longo do séc. V, outros povos bárbaros (Francos, Ostrogodos, Anglos, Saxões, Burgúndios…) vão criando os seus reinos sobre os escombros do império.
  • 8. A agricultura apenas produzia alimentos para consumo próprio = RURALIZAÇÃO da economia ECONOMIA DE SUBSISTÊNCIA Total abandono das cidades: muitas desaparecem
  • 9. Novo modelo social: tradições germânicas e cristãs: COMITATUS: fidelidade mútua entre senhores e guerreiros AUMENTO DO PODER E PRESTÍGIO DOS GRANDES SENHORES
  • 10.
  • 11. ORIGENS Crise Romana – séc III – VILLAE grandes propriedades rurais unidades básicas da produção mão-de-obra = colono Colonato servidã
  • 12. Vilas, uma tradição romana: Colonato
  • 13.
  • 14. Primeira dinastia dos Francos MEROVÍNGIOS Segunda dinastia dos Francos CAROLÍNGIOS
  • 15. Reino Franco  A falta de organização política, diferenças de língua, costumes e a crise econômica foram fatores que fizeram sucumbir a maioria dos reinos bárbaros.  Porém, o Reino Franco teve longa duração, em parte porque um dos reis, Clóvis, tinha forte ligação com a Igreja Católica, tendo se tornado cristão por volta de 496.  Podemos dividir o Reino Franco em duas dinastias: Merovíngia e Carolíngia. A primeira deve seu nome a Meroveu, avô de Clóvis, que havia lutado ao lado dos romanos contra os hunos.  Um dos últimos reis da dinastia Merovíngia, Carlos Martel, venceu os árabes na Batalha de Poitiers, em 732, impedindo assim que toda a Europa fosse invadida pelos muçulmanos.  O filho de Carlos Martel, Pepino, o Breve, iniciou a dinastia Carolíngia. O principal representante desta dinastia foi seu filho Carlos Magno, o mais famoso dos reis francos.
  • 16.
  • 17. Império Carolíngio  Carlos Magno subiu ao trono em 768. Afoito a guerras, conquistou um império que abrangia territórios na Europa Ocidental e Oriental.  Apesar de quase analfabeto, Carlos Magno valorizava o ensino e fundou escolas gratuitas para o povo.  No ano 800, foi coroado imperador pelo papa Leão III. Assim, a Igreja Católica pretendia unificar a Europa sob o comando de um monarca cristão, restaurando a glória do Império Romano.  No entanto, esta unificação não foi possível. Após a morte de Carlos Magno, em 814, seu filho, Luís, o Piedoso, governou até 840. A partir de então, o império foi dividido em três reinos distintos, através do Tratado de Verdun.  Vale ressaltar que as invasões e a constituição dos reinos bárbaros provocou a ruralização da Europa e a concentração do poder nas mãos dos senhores de terra. Posteriormente, isto foi determinante para o surgimento do Feudalismo.
  • 18. Roma, Natal do ano 800 Excepcionalmente, o rei franco Carlos Magno passava o inverno fora de casa. Mas era uma emergência. Ele e seus homens foram à cidade para reconduzir Leão III ao trono de Papa. Meses antes, Leão III havia sofrido um sério atentado a mando da nobreza local. No ataque perdeu a língua e ficou parcialmente cego devido a cortes feitos em suas pálpebras. Por isso, procurou abrigo na corte de Carlos, um fiel cristão que chegava a frequentar a Igreja três vezes por dia. O monarca chegou a Roma com suas tropas, puniu os inimigos do papa e botou ordem na cidade. Em agradecimento, Leão III organizou uma celebração natalina especial. Tinha de presentear seu protetor e, de quebra, garantir a segurança e a posição da Santa Sé por mais tempo. Naquele 25 de dezembro, o papa coroou Carlos como novo Imperador do Sacro Império Romano Germânico, algo que a Europa não via desde a queda do Império Romano, em 476. A cerimônia inaugurou um novo tempo. A coroação de Carlos Magno como imperador foi realmente importante. Pela primeira vez desde o ano 476 havia um governo centralizado que alcançava a maior parte da Europa Ocidental. Adaptado de Aventuras na História, Edição nº6, fev. 2004.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22. Com a morte de Carlos Magno Luis, o Piedoso Divisão do reino TRATADO DE VERDUN - 843 (descentralização política)
  • 23.
  • 24. Castelania: unidade essencial política e econômica: Poder Local
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. BANALIDADES = pagamento pela utilização dos instrumentos do feudo: moinho, fornos, celeiro... em mercadorias
  • 35. AS OBRIGAÇÕES SERVIS CORVÉIA = obrigação de trabalhar alguns dias por semana nos campos do senhor feudal.
  • 36. TALHA = uma parte da produção dos servos obtida na reserva servil era entregue aos senhores feudais.
  • 38.
  • 39. . Nessa figura, um monge copista em seu ofício. Somente o clero tinha acesso à educação na Idade Média e os membros da Igreja Católica foram os responsáveis pela tradução da Bíblia para o latim.
  • 40.
  • 41.
  • 42. Islamismo Aquele que se submete à vontade de Deus Península Arábica: beduínos nômades: oásis/comércio: longas distâncias Contato com outras culturas/ religiões: cristianismo/ judaismo Meca: Próspero centro comercial
  • 43.
  • 44. Maomé Revelação: visita do anjo Gabriel – Alá é o único Deus Choque com os interesses dos comerciantes locais 622: Hégira - Fuga para Yatreb: Medina (a cidade do profeta) Projeto Político: unificação – jihad (esforço no qual a guerra é ferramenta) 628: Unificação: Religião possibilitou a unificação dos árabes;
  • 45.
  • 46. Dever do fiel: Respeitar o Corão e a sunna Orar cinco vezes ao dia; com a cabeça voltada em direção a Meca, praticar a caridade, jejuar no Ramadã, visitar Meca ao menos 1 vez na vida Califas: chefes políticos e religiosos: levam a religião a outros territórios: expansão da fé e busca por terras férteis;
  • 47.
  • 48. EXPANSÃO: Península Ibérica Carlos Martel: Batalha de Portiers: contidos e não adentram o continente. Domínio praticamente total do Mediterrâneo Isolamento da Europa: Feudalismo Pleno
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64. As Cruzadas – Entre a Fé e a Espada
  • 65. “(…) Lutar para libertar o Santo Sepulcro é merecer a glória eterna.”
  • 66.
  • 67.
  • 68.
  • 69.
  • 70.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76.
  • 77.
  • 78. Consequências das Cruzadas  Criação de entrepostos comerciais entre a Europa e o Oriente.  Gênova e Veneza tornam-se os principais centros comerciais da Europa.  Rotas marítimas e terrestres de comércio europeu.  As especiarias do Oriente.
  • 79. O Renascimento Comercial e Urbano  As rotas marítimas  Marcelha, Lisboa, Flandres.  Liga Hanseática  As rotas terrestres  Os burgos  A rota de Champagne  As feiras medievais
  • 80.
  • 81.
  • 82. Transformações sociais  O surgimento da burguesia  O retorno da vida urbana  As organizações burguesas  Guildas  Corporações de Ofício  Hansas  Bancos  As cartas de franquia e as comunas
  • 83.
  • 84. As transformações culturais  Alta Idade Média (séc.V-X)  Românico  Patrística  Baixa Idade média (séc. X – XV)  Gótico  Escolástica
  • 85.
  • 86.
  • 87.
  • 88. Falar do Mal era uma maneira de reforçar a imagem de Deus
  • 89. Santo Agostinho: A Cidade de Deus: Sociedade dos homens eleitos: boas ações. Felicidade eterna de Deus Cidade dos Homens: atormentada por Satanás.
  • 90.
  • 91. O expansionismo cristão ocidental  Cruzadas  Reconquista  Reabertura do mediterrâneo
  • 92.
  • 93. Mª Victoria Landa •Juan Gil Hontañón
  • 94.