SlideShare uma empresa Scribd logo
A CULTURA DA GARE
CONTEXTUALIZAÇÃO
Revoluções Liberais do séc. XIX
• Rapidamente o desejo de expandir os seus ideais se transformou em
sede de conquista e domínio. Com Napoleão a França domina um vasto
império europeu, o que leva as nações europeias a se rebelarem,
contando com o apoio da Inglaterra.
• Em Waterloo, em 1815, Napoleão é derrotado pela sétima coligação,
resultante do Congresso de Viena.
1815-1905: de Waterloo aos Fauvres (tempo)
O Congresso de Viena
• Ferozmente conservador, antiliberal e antinacionalista, o Congresso de
Viena (de 1815) fabrica um novo mapa político europeu após a derrota
francesa.
• Desrespeitando as nações, submete-as a Estados estrangeiros e elimina
as heranças revolucionárias.
• As liberdades
prometidas foram
esquecidas e estados
como o polaco, o
italiano ou o alemão
foram desrespeitados.
As revoluções em cadeia
• 1ª vaga de 1820-1824: em Espanha, Portugal, Nápoles e a Grécia, bem
como nas colónias americanas.
• 2ª vaga de 1829-1839: na França (revolução de 1830), Bélgica, Itália e
Alemanha.
• 3ª vaga de 1848: implantação da Segunda
República na França, no Império Austro-Húngaro,
na Alemanha e na Itália (revoltas liberais e
nacionalistas).
A cultura da gare contexto
Novos inventos e novas fontes de energia
 A segunda revolução industrial inicia-se também na Inglaterra, mas
alarga-se a outros locais.
 Surgem novas fontes de energia: petróleo e eletricidade (que
provocam grandes alterações no quotidiano).
www.themegallery.com
Inhttp://noseahistoria.files.wordpress.com/2011/05/a-sociedade-industrial-e-urbana.gif
Igualdade de
todos
trabalho
capacidades
talento
disciplina
A sociedade de classes
Alta
Burguesia
Classe
Média
Baixa
Burguesia
Proletariado
Inhttp://noseahistoria.files.wordpress.com/2011/05/a-sociedade-industrial-e-urbana.gif
A Europa das linhas de ferro (o espaço)
• A dinamização da produção industrial assenta na melhoria dos
sistemas de comunicação e transportes:
• implementação do sistema de MacAdam: estradas
macadamizadas (pedra triturada e areia);
• implementação de novas formas de transporte como o
automóvel, o avião ou mesmo a bicicleta;
• construção de infraestruturas como pontes, terminais, vias de
acesso, estaleiros...
• desenvolvimento dos sistemas navais e de caminhos de ferro.
Revolução nos transportes: naval
• Substituição dos clippers (de madeira) pelos steamers;
• A aplicação da energia a vapor acelerou a rapidez das deslocações;
• Constituem-se grandes companhias de navegação;
• Melhoria das condições dos portos;
• Vulgarização das viagens e dos Barcos a vapor, a nível mundial
(carga, petroleiros, frigoríficos…)
Revolução nos transportes: terrestre
• Divulgação da aplicação da máquina a vapor;
• Constituição de grandes companhias (ex. O Transiberiano russo,
o Pony Express);
• Abertura de novas linhas (Liverpool – Manchester…);
• Aparecimento do motor de explosão de Daimler e
desenvolvimento do automóvel (Benz, Ford…).
Revolução nos transportes: aéreo
• Primeiras tentativas de voo – Clement Ader (1890);
• Voo de Santos Dumont e dos irmãos Wright;
• Conhece a verdadeira expansão na primeira guerra mundial.
Revolução nos transportes: consequências
• Aumentou a circulação de pessoas, bens e serviços;
• Permitiu a difusão de ideias, novidades e notícias;
• Diminuiu os custos, logo permitiu o incremento das vendas;
• Permitiu o alargamento dos mercados e a expansão do
consumo;
• Aumentou a oferta de trabalho;
• Facilitou a circulação de matérias-primas e produção;
• Incrementou o sector metalúrgico;
• Desenvolveu as atividades bancárias, pela mobilização de
capitais;
Revolução nos transportes: consequências
 Desenvolveu atividades e
indústrias relacionadas como os
transportes;
 Desenvolveu as zonas industriais;
 Melhorou a acessibilidade das
populações e consequentemente,
certas localidades;
 Permitiu a internacionalização do
capital.
O local: a Gare
• A montagem e a regularização das linhas férreas obrigaram a
construção de locais fixos de paragem onde, a horas certas, as
pessoas pudessem apanhar o comboio ou esperar quem nele
viajava, ou carregar e descarregar mercadorias.
• Esses locais são as Gares.
• As gares, passaram sobretudo nas grandes cidades, a serem
assinaladas por edifícios modernos, avançados em termos de
técnicas e materiais (ferro e vidro no interior, alvenaria nas
fachadas).
• Em vilas de passagem ou nas grandes cidades, a gare:
• Promovia o desenvolvimento urbano (abertura de novas e largas
vias de circulação que afluíam de e para a gare);
• Acelerava o crescimento populacional e o desenvolvimento
económico;
• Criava novos espaços à sua volta.
• As gares foram pontos de confluência de pessoas e
locais de cruzamento de notícias, ideias, modas,
culturas. Passa a ser um símbolo de grande
progresso,modernidadeeengenho humano.
• A primeira Exposição Mundial foi realizada no Palácio de Cristal, em
Hyde Park, Londres, Reino Unido, em 1851, sob o título "Grande
Exposição dos Trabalhos da Indústria de Todas as Nações".
• A "Grande Exposição", como muitas vezes é chamada, foi uma ideia
do Príncipe Albert, marido da Rainha Victoria, e foi a primeira
exposição internacional de produtos manufaturados. Como tal,
influenciou o desenvolvimento de vários aspetos da sociedade,
incluindo a arte e a educação de design, o comércio e relações
internacionais e relações e até o turismo.
Exposições Universais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
Ana Barreiros
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
Ana Barreiros
 
A Cultura do Salão: tempo, espaço e local
A Cultura do Salão: tempo, espaço e localA Cultura do Salão: tempo, espaço e local
A Cultura do Salão: tempo, espaço e local
Hca Faro
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
Carla Freitas
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
Catarina Barbosa
 
Módulo 7 contexto histórico
Módulo 7   contexto históricoMódulo 7   contexto histórico
Módulo 7 contexto histórico
Carla Freitas
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
Ana Barreiros
 
A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidro
Carlos Pinheiro
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
Tekas1967
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
Ana Barreiros
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Carla Freitas
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Ana Barreiros
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
Carlos Pinheiro
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
Carla Freitas
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900
Ana Barreiros
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
Ana Barreiros
 
Cultura do palco
Cultura do palcoCultura do palco
Cultura do palco
Ana Barreiros
 

Mais procurados (20)

As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
 
A Cultura do Salão: tempo, espaço e local
A Cultura do Salão: tempo, espaço e localA Cultura do Salão: tempo, espaço e local
A Cultura do Salão: tempo, espaço e local
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Módulo 7 contexto histórico
Módulo 7   contexto históricoMódulo 7   contexto histórico
Módulo 7 contexto histórico
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidro
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
 
Cultura do palco
Cultura do palcoCultura do palco
Cultura do palco
 

Semelhante a A cultura da gare contexto

R.i.
R.i.R.i.
R.i.
Edmir IFP
 
AS GRANDES INVENÇÕES NO TRANSPORTE TERRESTRE E DUTOVIÁRIO DA HISTÓRIA E SUA F...
AS GRANDES INVENÇÕES NO TRANSPORTE TERRESTRE E DUTOVIÁRIO DA HISTÓRIA E SUA F...AS GRANDES INVENÇÕES NO TRANSPORTE TERRESTRE E DUTOVIÁRIO DA HISTÓRIA E SUA F...
AS GRANDES INVENÇÕES NO TRANSPORTE TERRESTRE E DUTOVIÁRIO DA HISTÓRIA E SUA F...
Fernando Alcoforado
 
H1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializadoH1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializado
Vítor Santos
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Francisco José Almeida Sobral
 
M8
M8M8
Breve história sobre o trânsito
 Breve história sobre o trânsito Breve história sobre o trânsito
Breve história sobre o trânsito
Caroline Magalhães
 
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptxA 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
isabellagracemillard
 
A Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIXA Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIX
Nuno Eusébio
 
Revolucao
RevolucaoRevolucao
Revolucao
leonardocollyer
 
Historia da engenharia utfpr
Historia da engenharia utfprHistoria da engenharia utfpr
Historia da engenharia utfpr
Francieli Carolina Souza Ribeiro
 
Segunda revolução industrial
Segunda revolução industrialSegunda revolução industrial
Segunda revolução industrial
Maria Gomes
 
A Revolução dos Transportes
A  Revolução dos  TransportesA  Revolução dos  Transportes
A Revolução dos Transportes
amgmrodrigues
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
dropers2000
 
A história dos transportes
A história dos transportesA história dos transportes
A história dos transportes
Joaquim Andre Gomes Chitata
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Aulas de História
 
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
Isaquel Silva
 
A civilização industrial - História 11ºano
A civilização industrial - História 11ºanoA civilização industrial - História 11ºano
A civilização industrial - História 11ºano
RaQuel Oliveira
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
maria40
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Maria Gomes
 
Ailusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerra
Ailusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerraAilusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerra
Ailusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerra
Evanilde Chuva
 

Semelhante a A cultura da gare contexto (20)

R.i.
R.i.R.i.
R.i.
 
AS GRANDES INVENÇÕES NO TRANSPORTE TERRESTRE E DUTOVIÁRIO DA HISTÓRIA E SUA F...
AS GRANDES INVENÇÕES NO TRANSPORTE TERRESTRE E DUTOVIÁRIO DA HISTÓRIA E SUA F...AS GRANDES INVENÇÕES NO TRANSPORTE TERRESTRE E DUTOVIÁRIO DA HISTÓRIA E SUA F...
AS GRANDES INVENÇÕES NO TRANSPORTE TERRESTRE E DUTOVIÁRIO DA HISTÓRIA E SUA F...
 
H1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializadoH1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializado
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
M8
M8M8
M8
 
Breve história sobre o trânsito
 Breve história sobre o trânsito Breve história sobre o trânsito
Breve história sobre o trânsito
 
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptxA 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
 
A Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIXA Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIX
 
Revolucao
RevolucaoRevolucao
Revolucao
 
Historia da engenharia utfpr
Historia da engenharia utfprHistoria da engenharia utfpr
Historia da engenharia utfpr
 
Segunda revolução industrial
Segunda revolução industrialSegunda revolução industrial
Segunda revolução industrial
 
A Revolução dos Transportes
A  Revolução dos  TransportesA  Revolução dos  Transportes
A Revolução dos Transportes
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A história dos transportes
A história dos transportesA história dos transportes
A história dos transportes
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
 
A civilização industrial - História 11ºano
A civilização industrial - História 11ºanoA civilização industrial - História 11ºano
A civilização industrial - História 11ºano
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Ailusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerra
Ailusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerraAilusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerra
Ailusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerra
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 

A cultura da gare contexto

  • 1. A CULTURA DA GARE CONTEXTUALIZAÇÃO
  • 3. • Rapidamente o desejo de expandir os seus ideais se transformou em sede de conquista e domínio. Com Napoleão a França domina um vasto império europeu, o que leva as nações europeias a se rebelarem, contando com o apoio da Inglaterra. • Em Waterloo, em 1815, Napoleão é derrotado pela sétima coligação, resultante do Congresso de Viena. 1815-1905: de Waterloo aos Fauvres (tempo)
  • 4. O Congresso de Viena • Ferozmente conservador, antiliberal e antinacionalista, o Congresso de Viena (de 1815) fabrica um novo mapa político europeu após a derrota francesa. • Desrespeitando as nações, submete-as a Estados estrangeiros e elimina as heranças revolucionárias. • As liberdades prometidas foram esquecidas e estados como o polaco, o italiano ou o alemão foram desrespeitados.
  • 5. As revoluções em cadeia • 1ª vaga de 1820-1824: em Espanha, Portugal, Nápoles e a Grécia, bem como nas colónias americanas. • 2ª vaga de 1829-1839: na França (revolução de 1830), Bélgica, Itália e Alemanha. • 3ª vaga de 1848: implantação da Segunda República na França, no Império Austro-Húngaro, na Alemanha e na Itália (revoltas liberais e nacionalistas).
  • 7. Novos inventos e novas fontes de energia  A segunda revolução industrial inicia-se também na Inglaterra, mas alarga-se a outros locais.  Surgem novas fontes de energia: petróleo e eletricidade (que provocam grandes alterações no quotidiano).
  • 10. A sociedade de classes Alta Burguesia Classe Média Baixa Burguesia Proletariado
  • 12. A Europa das linhas de ferro (o espaço) • A dinamização da produção industrial assenta na melhoria dos sistemas de comunicação e transportes: • implementação do sistema de MacAdam: estradas macadamizadas (pedra triturada e areia); • implementação de novas formas de transporte como o automóvel, o avião ou mesmo a bicicleta; • construção de infraestruturas como pontes, terminais, vias de acesso, estaleiros... • desenvolvimento dos sistemas navais e de caminhos de ferro.
  • 13. Revolução nos transportes: naval • Substituição dos clippers (de madeira) pelos steamers; • A aplicação da energia a vapor acelerou a rapidez das deslocações; • Constituem-se grandes companhias de navegação; • Melhoria das condições dos portos; • Vulgarização das viagens e dos Barcos a vapor, a nível mundial (carga, petroleiros, frigoríficos…)
  • 14. Revolução nos transportes: terrestre • Divulgação da aplicação da máquina a vapor; • Constituição de grandes companhias (ex. O Transiberiano russo, o Pony Express); • Abertura de novas linhas (Liverpool – Manchester…); • Aparecimento do motor de explosão de Daimler e desenvolvimento do automóvel (Benz, Ford…).
  • 15. Revolução nos transportes: aéreo • Primeiras tentativas de voo – Clement Ader (1890); • Voo de Santos Dumont e dos irmãos Wright; • Conhece a verdadeira expansão na primeira guerra mundial.
  • 16. Revolução nos transportes: consequências • Aumentou a circulação de pessoas, bens e serviços; • Permitiu a difusão de ideias, novidades e notícias; • Diminuiu os custos, logo permitiu o incremento das vendas; • Permitiu o alargamento dos mercados e a expansão do consumo; • Aumentou a oferta de trabalho; • Facilitou a circulação de matérias-primas e produção; • Incrementou o sector metalúrgico; • Desenvolveu as atividades bancárias, pela mobilização de capitais;
  • 17. Revolução nos transportes: consequências  Desenvolveu atividades e indústrias relacionadas como os transportes;  Desenvolveu as zonas industriais;  Melhorou a acessibilidade das populações e consequentemente, certas localidades;  Permitiu a internacionalização do capital.
  • 18. O local: a Gare • A montagem e a regularização das linhas férreas obrigaram a construção de locais fixos de paragem onde, a horas certas, as pessoas pudessem apanhar o comboio ou esperar quem nele viajava, ou carregar e descarregar mercadorias. • Esses locais são as Gares. • As gares, passaram sobretudo nas grandes cidades, a serem assinaladas por edifícios modernos, avançados em termos de técnicas e materiais (ferro e vidro no interior, alvenaria nas fachadas).
  • 19. • Em vilas de passagem ou nas grandes cidades, a gare: • Promovia o desenvolvimento urbano (abertura de novas e largas vias de circulação que afluíam de e para a gare); • Acelerava o crescimento populacional e o desenvolvimento económico; • Criava novos espaços à sua volta. • As gares foram pontos de confluência de pessoas e locais de cruzamento de notícias, ideias, modas, culturas. Passa a ser um símbolo de grande progresso,modernidadeeengenho humano.
  • 20. • A primeira Exposição Mundial foi realizada no Palácio de Cristal, em Hyde Park, Londres, Reino Unido, em 1851, sob o título "Grande Exposição dos Trabalhos da Indústria de Todas as Nações". • A "Grande Exposição", como muitas vezes é chamada, foi uma ideia do Príncipe Albert, marido da Rainha Victoria, e foi a primeira exposição internacional de produtos manufaturados. Como tal, influenciou o desenvolvimento de vários aspetos da sociedade, incluindo a arte e a educação de design, o comércio e relações internacionais e relações e até o turismo. Exposições Universais