SlideShare uma empresa Scribd logo
 A Inglaterra foi a pioneira do arranque do processo da industrialização,
que na segunda metade do século XIX se estendeu a outros países.
 Estes país, com um indústria fortemente mecanizada, manteve a sua
hegemonia industrial e comercial, abastecendo o mundo de:
o Bens de consumo, como têxteis de algodão e de lã;
o Equipamentos, como máquinas e locomotivas ;
o Tecnologia e capital para investimento em infraestruturas como vias férreas;
 Contudo os Ingleses mantiveram a sua superioridade económica e técnica
sobre as outras nações. O país possuía boas condições que justificam essa
situação:
o Maior frota mercante;
o Matérias primas abundantes provenientes do sue território e das suas colónias .
 Em 1873, os Ingleses detinham cerca de 1/3 do total de toda a produção
industrial.
 A aplicação da máquina a vapor aos transportes ferroviários e marítimos,
iniciada na Inglaterra, constitui uma verdadeira revolução:
o Nos transportes ferroviários, a partir de 1814 , com a aplicação da locomotiva a vapor de
Stephenson , o caminho-de-ferro rapidamente se estendeu por todo o país;
o Nos transportes marítimos e fluviais verificou-se a mesma revolução, sendo os grandes
veleiros-clippers-substituídos gradualmente pelos navios a vapor- steamers.
o A melhoria da rede de transportes permitiu a deslocação de pessoas e mercadorias de
forma mais rápida, a menor custo e para maiores distâncias. Tudo isto favoreceu o
desenvolvimento do comércio, permitindo não só abastecer com maior facilidade as
zonas do interior- até aí muito afastadas dos circuitos comerciais - , mas também escoar
produtos para o litoral. Alargando-se, assim, os mercados nacionais.
As ligações intercontinentais favorecem o crescimento do comércio mundial.
 No final do século XIX, surgiram duas novas fontes de energia:
o O petróleo;
o A electricidade;
 Nessa altura verificou-se, também, o desenvolvimento:
o Da indústria química, com a produção de corantes artificiais;
o Da indústria metalúrgica, com a utilização de metais como o chumbo para tatuagens e o
cobre como condutor eléctrico;
 Isto foi a terceira fase da industrialização.
 Outros países foram iniciando a sua industrialização, como:
o A Alemanha, rica em matérias primas;
o Os Estados unidos da América que em finais do século XIX( 1870 ) ultrapassavam já os
países europeus mais industrializados.
o O Japão, que se distinguiu na produção têxtil.
O liberalismo económico
 O liberalismo económico, surgido nos finais do século XVIII, foi-se
impondo na europa, à medida que se ia abandonando o mercantilismo.
Segundo esta teoria, do agrado da burguesia, devia existir inteira
liberdade de produção e de comércio. Assim, os preços das mercadorias
e os salários eram regulados pela lei da oferta e da procura.
 Com o desenvolvimento industrial e a necessidade de instalações e
maquinaria mais complexa, as empresas necessitavam de maior
investimento de capitais. A partir do último quartel do século XIX, muitas
empresas de tipo familiar, com dificuldades em realizar esses
investimentos, foram dando lugar a sociedades anónimas (Empresa
dirigida por uma administração escolhida pelos accionistas).
 A concorrência feroz pela posse dos mercados levou a que muitas
empresas se agrupassem em concentrações verticais ou horizontais. Estas
estratégias de concentração empresarial visavam o estabelecimento de
monopólios de produção e venda de produtos e tornaram muito difícil a
subsistência das médias e pequenas empresas que não estavam associadas.
 A crescente necessidade de capitais para investimento e a existência de
lucros e poupanças, disponíveis para serem aplicadas, originaram o
desenvolvimento do sector bancário. Frequentemente, a actividade
industrial ficava dependente da concessão de empréstimos, e alguns
bancos eram também accionistas de empresas. A ligação estreita entre
indústrias e bancos deu origem ao capitalismo industrial e financeiro.
 A diversificação da produção Industrial colocou à disposição dos
consumidores toda a espécie de novos aparelhos produzidos em massa e
vendidos a preços mais acessíveis, que entraram no quatidiano das
populações. As rotinas de trabalho em casa alteraram-se com o
aparecimento de novidades como a lâmpada, o fogão a gás ou a máquina
de costura.
 A vida nas cidades foi melhorada com a iluminação a gás e a electricidade
e extruturação de redes de transporte. Surgiram novos espaços de diversão
como o cinematógrafo, ou de consumo, comko os grandes armazéns, onde
se vendia um pouco de tudo.
 A partir do do fim do século XIX, as ruas foram invadidas por novos
veículos, nomeadamente a bicicleta, o carro elétrico e o automóvel.
1800 Pilha eléctrica (Volta)
1826 Primeira fotografia (Niépce)
1826 Fogão a gás (Sharp)
1834 Frigorífico (Perkins)
1839 Vulcanização da
borracha(Goodyear)
1869 Bicicleta (Guillemet)
1876 Telefone (Bell)
Maquina de1876 Máquina de escrever
(Remington)
1877 Fonógarfo (Edison)
1879 Lâmpada Elétrica (Edison)
1886 Motor de explosão (Daimler)
1888 Discos e gira-discos (Berliner)
1895 Cinematógrafo (Lumière)
 O crescimento das cidades e as preocupações urbanísticas levantaram
alguns problemas que exigiram respostas eficazes como, por exemplo, a
cobertura de grandes superfícies ou o alojamento de muitas pessoas em
pequenos espaços. Para resolver esses problemas, a Revolução Industrial,
colocou ao dispor da arquitetura materiais como o ferro e o vidro, sendo
que o vidro construía estruturas sólidas mais leves e o vidro era usado
como revestimento que permitia a entrada de luz natural.
 Surgiu, assim, uma nova arquitetura marcada pelas estruturas metálicas e
pelo seu fim utilitário.
 Impressionismo foi um movimento que surgiu na pintura francesa do
século XIX, vivia-se nesse momento a chamada Bella Epoque. O nome do
movimento é derivado da obra "Impressão: nascer do sol" (1872), de
Claude Monet.
 Utilizavam um técnica de pequenas pinceladas, fortes e sobrepostas, de
cores puras, as figuras surgiam sem contornos bem definidos, procurando,
principalmente, impressionar a visão. Estes pintores procuravam
transmitir, mais do que a realidade, a impressão causada por essa
realidade.
 Destacaram-se principalmente Édouard Manet, Claude Monet e Edgar
Degas.
 No século XIX surgiram dois movimentos artísticos e literários- o
romantismo e o realismo.
-O romantismo
 Desenvolveu-se na primeira metade do século, defendia a tradição, a
valorização dos heróis da história, o amor pela Natureza, a exaltação dos
sentimentos e as emoções fortes, como os grandes dramas humanos ou os
amores trágicos. Defendia as liberdades mas também a liberdade criativa,
recorrendo à e à fantasia. Estas foram comuns a diversas expressões
artísticas, como a pintura, a literatura ou a música.
 Em Portugal, distinguiram-se escritores como Almeida Garrett e na pintura
salientou-se Tomás de Anunciação.
-O realismo
 O realismo foi um movimento artístico e literário surgido nas últimas
décadas do século XIX na Europa, mais especificamente na França, em
reação ao romantismo.1 Entre 1850 e 1900 o movimento cultural,
chamado realismo, predominou na França e se estendeu pela Europa e
outros continentes.
 O desenvolvimento industrial e os problemas sociais por ele causados
contribuíram para que os escritores e artistas se fossem progressivamente,
afastando de uma visão mais romântica e se passassem a interessar mais
pela realidade e pelas justiças que os rodeavam, descrevendo-as e
criticando-as.
 Alguns dos principais pintores realistas foram Courbet e Millet, na
literatura destacaram-se Zola e Balzac.
 As invasões francesas, a Revolução Liberal de 1820 e a guerra civil (1832-
1834) provocaram uma grande instabilidade política, social e militar em
Portugal. Os vintistas, defensores da Constituição de 1822, e os cartistas,
defensores da Carta Constitucional de 1826, enfrentaram-se
frequentemente em disputas políticas:
o Na revolta de setembro de 1836, que restaurou a Constituição de 1822 e deu origem à
Constituição de 1838.
o No golpe de Estado de Costa Cabral, em 1842, que repôs a Carta.
o Na revolta popular da Maria da Fonte, em 1846.
o Na guerra civil de Patuleia. A guerra terminou com a vitória cartista, em junho de de
1847.
 Os regeneradores defendiam que o progresso económico do reino só era
possível com o desenvolvimento dos meios de transporte e das vias de
comunicação. Durante o governo de Fontes Pereira de Melo, foram
tomadas medidas como:
o A construção de uma extensa rede ferroviária e uma melhoria na rede viária, aumentando
o número de estradas.
o A construção de pontes metálicas.
o A introdução do selo adesivo e do bilhete postal.
 A modernização dos transportes e das comunicações facilitou quer o
transporte de pessoas e mercadorias como a circulação mais rápida de
novas ideias e informações.
 Face à situação de atraso na agricultura, os governos regeneradores foram
tomando medidas com vista à sua modernização:
o Desbravamento de muitos terrenos baldios.
o Introdução de novos instrumentos e de máquinas agrícolas.
o Desenvolvimento da criação de gado.
o Extinção dos morgadios e de alguns impostos a que estavam sujeitos os camponeses.
 A agricultura teve, assim, algum desenvolvimento. Contudo, não aconteceu
em Portugal uma verdadeira revolução agrícola.
 Portugal continuava com uma indústria pouco desenvolvida, devido:
o A uma insuficiente rede de transportes.
o À grande emigração para o brasil, que causou falta de mão-de-obra.
o À existência de uma população pouco instruída.
 Portugal, continuava atrasado comparativamente aos países mais
industrializados.
A dependência face ao estrangeiro
 A modernização do reino no período da Regeneração exigiu grandes
quantidades de dinheiro, o que levou Portugal a pedir empréstimos a outros
países.
 Para pagar os empréstimos e os respetivos juros, faziam-se novos empréstimos
-o que contribuía para aumentar, ainda mais, a dívida externa. Esta dependência
Económica verificou-se, também, a nível do comércio externo.
 A agricultura portuguesa pouco produtiva levou uma difícil sobrevivência
dos pequenos produtos.
 Outros fatores agravaram ainda mais a difícil situação dos pessoas do
campo, são:
o O fim progressivo dos baldios.
o A compra de terras aos pequenos proprietários pela burguesia capitalista.
o A concorrência de produtos estrangeiros.
o A propagação de epídemas.
 Assim, muitos agricultores viram-se forçados a fazer o êxodo rural.
 O aumento populacional, as dificuldades dos pequenos produtores
agrícolas e o lento desenvolvimento da indústria originaram um surto
de emgração principalmente para o Brasil, entrando muitas
remessas para Portugal.
Melhor alimentação, maiores cudados de higiene e melhorias na
medicina
Aumento
populacional
Novos meios de
transporte
Mecanização na
agricultura
Êxodo rural
Crescimento das
cidades
Liberalismo
económico
Contrastes e antagonismos
sociais nas cidades
Enriquecimento da alta
burguesia:
- Comercial
- Financeira
- Industrial
- Agrícola
Desenvolvimento da classe
média:
- Média burguesia
- Pequena burguesia
Aparecimento
e consolidação
do proletariado
Aparecimento
de doutrinas
socialistas
Revoltas e
protestos
Formação de
sindicados
Miséria
+ +
+
A Civilização Industrial no século XIX

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
Vítor Santos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
O Fontismo
O FontismoO Fontismo
O Fontismo
Jorge Almeida
 
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXPORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
guestbfbc7a
 
Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIXHgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Carlos Vaz
 
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
Vítor Santos
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
Rosária Zamith
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
Vítor Santos
 
Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)
Ana Beatriz Neiva
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
Carlos Vieira
 
Consequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra MundialConsequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra Mundial
Susana Simões
 
Transportes e Telecomunicações
Transportes e TelecomunicaçõesTransportes e Telecomunicações
Transportes e Telecomunicações
Geografia .
 
Geografia A- Transportes Rodoviários
Geografia A- Transportes Rodoviários Geografia A- Transportes Rodoviários
Geografia A- Transportes Rodoviários
Ana Catarina
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Teresa Maia
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
Vítor Santos
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
maria40
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
Ilda Bicacro
 
Hegemonia Inglesa
Hegemonia InglesaHegemonia Inglesa
Hegemonia Inglesa
Margarida Moreira
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
Lucilia Fonseca
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
O Fontismo
O FontismoO Fontismo
O Fontismo
 
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXPORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
 
Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIXHgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
 
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
 
Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
 
Consequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra MundialConsequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra Mundial
 
Transportes e Telecomunicações
Transportes e TelecomunicaçõesTransportes e Telecomunicações
Transportes e Telecomunicações
 
Geografia A- Transportes Rodoviários
Geografia A- Transportes Rodoviários Geografia A- Transportes Rodoviários
Geografia A- Transportes Rodoviários
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
 
Hegemonia Inglesa
Hegemonia InglesaHegemonia Inglesa
Hegemonia Inglesa
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
 

Destaque

Piping Stress analysis
Piping Stress analysisPiping Stress analysis
Piping Stress analysis
Yubeam2002
 
SUNIL SHIVAJI PHAPALE
SUNIL SHIVAJI PHAPALESUNIL SHIVAJI PHAPALE
SUNIL SHIVAJI PHAPALE
sunil phapale
 
διαγων ιστορ γεν 4
διαγων ιστορ γεν 4διαγων ιστορ γεν 4
διαγων ιστορ γεν 4fan Mel
 
AN INTEGRATED PROJECT EVALUATION TOOL FOR PFI SEAPORT PROJECTS
AN INTEGRATED PROJECT EVALUATION TOOL FOR PFI SEAPORT PROJECTSAN INTEGRATED PROJECT EVALUATION TOOL FOR PFI SEAPORT PROJECTS
AN INTEGRATED PROJECT EVALUATION TOOL FOR PFI SEAPORT PROJECTS
Fredy Kurniawan
 
CV, LT MASEMOLA
CV, LT MASEMOLACV, LT MASEMOLA
CV, LT MASEMOLA
Lindokuhle Teron
 
Converting Leads into Life Long Clients - Wendy Forsythe
Converting Leads into Life Long Clients - Wendy ForsytheConverting Leads into Life Long Clients - Wendy Forsythe
Converting Leads into Life Long Clients - Wendy Forsythe
Inman News
 
Spanish Bit Presentation 2009
Spanish Bit Presentation   2009Spanish Bit Presentation   2009
Spanish Bit Presentation 2009
guestb6fe1
 
ali afiv khasan smk N 2 slawi
ali afiv khasan smk N 2 slawiali afiv khasan smk N 2 slawi
ali afiv khasan smk N 2 slawi
ali afiv khasan
 
4 Creare E Inviare Una Newsletter Professionale
4 Creare E Inviare Una Newsletter Professionale4 Creare E Inviare Una Newsletter Professionale
4 Creare E Inviare Una Newsletter Professionale
mega-mail.net
 
Halcrow Qualifications
Halcrow  QualificationsHalcrow  Qualifications
Halcrow Qualifications
s1ark5
 
Demand analysis
Demand analysisDemand analysis
Demand analysis
Simran Kaur
 
Daftar pertanyaan pemeriksaan pemerintahan
Daftar pertanyaan pemeriksaan pemerintahanDaftar pertanyaan pemeriksaan pemerintahan
Daftar pertanyaan pemeriksaan pemerintahan
Nova Sanjaya
 
Implementing Quality on Java projects
Implementing Quality on Java projectsImplementing Quality on Java projects
Implementing Quality on Java projects
Vincent Massol
 

Destaque (14)

Piping Stress analysis
Piping Stress analysisPiping Stress analysis
Piping Stress analysis
 
SUNIL SHIVAJI PHAPALE
SUNIL SHIVAJI PHAPALESUNIL SHIVAJI PHAPALE
SUNIL SHIVAJI PHAPALE
 
διαγων ιστορ γεν 4
διαγων ιστορ γεν 4διαγων ιστορ γεν 4
διαγων ιστορ γεν 4
 
AN INTEGRATED PROJECT EVALUATION TOOL FOR PFI SEAPORT PROJECTS
AN INTEGRATED PROJECT EVALUATION TOOL FOR PFI SEAPORT PROJECTSAN INTEGRATED PROJECT EVALUATION TOOL FOR PFI SEAPORT PROJECTS
AN INTEGRATED PROJECT EVALUATION TOOL FOR PFI SEAPORT PROJECTS
 
CV, LT MASEMOLA
CV, LT MASEMOLACV, LT MASEMOLA
CV, LT MASEMOLA
 
Converting Leads into Life Long Clients - Wendy Forsythe
Converting Leads into Life Long Clients - Wendy ForsytheConverting Leads into Life Long Clients - Wendy Forsythe
Converting Leads into Life Long Clients - Wendy Forsythe
 
Spanish Bit Presentation 2009
Spanish Bit Presentation   2009Spanish Bit Presentation   2009
Spanish Bit Presentation 2009
 
ali afiv khasan smk N 2 slawi
ali afiv khasan smk N 2 slawiali afiv khasan smk N 2 slawi
ali afiv khasan smk N 2 slawi
 
4 Creare E Inviare Una Newsletter Professionale
4 Creare E Inviare Una Newsletter Professionale4 Creare E Inviare Una Newsletter Professionale
4 Creare E Inviare Una Newsletter Professionale
 
Halcrow Qualifications
Halcrow  QualificationsHalcrow  Qualifications
Halcrow Qualifications
 
Demand analysis
Demand analysisDemand analysis
Demand analysis
 
Daftar pertanyaan pemeriksaan pemerintahan
Daftar pertanyaan pemeriksaan pemerintahanDaftar pertanyaan pemeriksaan pemerintahan
Daftar pertanyaan pemeriksaan pemerintahan
 
Ambulo
AmbuloAmbulo
Ambulo
 
Implementing Quality on Java projects
Implementing Quality on Java projectsImplementing Quality on Java projects
Implementing Quality on Java projects
 

Semelhante a A Civilização Industrial no século XIX

RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
Ana Batista
 
Tema h1 1ª parte
Tema h1   1ª parteTema h1   1ª parte
Tema h1 1ª parte
Maria Flora Sousa Douteiro
 
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptxA 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
isabellagracemillard
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
Ana Batista
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
Laerciolns12
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
Ana Batista
 
Trabalho ..
Trabalho ..Trabalho ..
Trabalho ..
saramanuelaa
 
As cidades se c xix final
As cidades se c xix finalAs cidades se c xix final
As cidades se c xix final
José Palma
 
Md ind
Md indMd ind
Md ind
cattonia
 
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
Seminário de historia  2ª Revolução industrial Seminário de historia  2ª Revolução industrial
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
Wendell Junior
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
Jojo Cruz
 
O mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xixO mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xix
Elisabete Pinto
 
Revisão de história 2º ano
Revisão de história 2º anoRevisão de história 2º ano
Revisão de história 2º ano
eunamahcado
 
Revolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismoRevolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismo
Kamila Joyce
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
Aulas de História
 
R.i.
R.i.R.i.
R.i.
Edmir IFP
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Carlos Duarte Castanheira
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
Luís Ferreira
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Francisco José Almeida Sobral
 
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrializaçãoUnidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Vítor Santos
 

Semelhante a A Civilização Industrial no século XIX (20)

RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 
Tema h1 1ª parte
Tema h1   1ª parteTema h1   1ª parte
Tema h1 1ª parte
 
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptxA 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
Trabalho ..
Trabalho ..Trabalho ..
Trabalho ..
 
As cidades se c xix final
As cidades se c xix finalAs cidades se c xix final
As cidades se c xix final
 
Md ind
Md indMd ind
Md ind
 
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
Seminário de historia  2ª Revolução industrial Seminário de historia  2ª Revolução industrial
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
O mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xixO mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xix
 
Revisão de história 2º ano
Revisão de história 2º anoRevisão de história 2º ano
Revisão de história 2º ano
 
Revolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismoRevolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismo
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
 
R.i.
R.i.R.i.
R.i.
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrializaçãoUnidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
 

Último

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 

A Civilização Industrial no século XIX

  • 1.
  • 2.  A Inglaterra foi a pioneira do arranque do processo da industrialização, que na segunda metade do século XIX se estendeu a outros países.  Estes país, com um indústria fortemente mecanizada, manteve a sua hegemonia industrial e comercial, abastecendo o mundo de: o Bens de consumo, como têxteis de algodão e de lã; o Equipamentos, como máquinas e locomotivas ; o Tecnologia e capital para investimento em infraestruturas como vias férreas;  Contudo os Ingleses mantiveram a sua superioridade económica e técnica sobre as outras nações. O país possuía boas condições que justificam essa situação: o Maior frota mercante; o Matérias primas abundantes provenientes do sue território e das suas colónias .  Em 1873, os Ingleses detinham cerca de 1/3 do total de toda a produção industrial.
  • 3.  A aplicação da máquina a vapor aos transportes ferroviários e marítimos, iniciada na Inglaterra, constitui uma verdadeira revolução: o Nos transportes ferroviários, a partir de 1814 , com a aplicação da locomotiva a vapor de Stephenson , o caminho-de-ferro rapidamente se estendeu por todo o país; o Nos transportes marítimos e fluviais verificou-se a mesma revolução, sendo os grandes veleiros-clippers-substituídos gradualmente pelos navios a vapor- steamers. o A melhoria da rede de transportes permitiu a deslocação de pessoas e mercadorias de forma mais rápida, a menor custo e para maiores distâncias. Tudo isto favoreceu o desenvolvimento do comércio, permitindo não só abastecer com maior facilidade as zonas do interior- até aí muito afastadas dos circuitos comerciais - , mas também escoar produtos para o litoral. Alargando-se, assim, os mercados nacionais. As ligações intercontinentais favorecem o crescimento do comércio mundial.
  • 4.  No final do século XIX, surgiram duas novas fontes de energia: o O petróleo; o A electricidade;  Nessa altura verificou-se, também, o desenvolvimento: o Da indústria química, com a produção de corantes artificiais; o Da indústria metalúrgica, com a utilização de metais como o chumbo para tatuagens e o cobre como condutor eléctrico;  Isto foi a terceira fase da industrialização.
  • 5.  Outros países foram iniciando a sua industrialização, como: o A Alemanha, rica em matérias primas; o Os Estados unidos da América que em finais do século XIX( 1870 ) ultrapassavam já os países europeus mais industrializados. o O Japão, que se distinguiu na produção têxtil. O liberalismo económico  O liberalismo económico, surgido nos finais do século XVIII, foi-se impondo na europa, à medida que se ia abandonando o mercantilismo. Segundo esta teoria, do agrado da burguesia, devia existir inteira liberdade de produção e de comércio. Assim, os preços das mercadorias e os salários eram regulados pela lei da oferta e da procura.
  • 6.  Com o desenvolvimento industrial e a necessidade de instalações e maquinaria mais complexa, as empresas necessitavam de maior investimento de capitais. A partir do último quartel do século XIX, muitas empresas de tipo familiar, com dificuldades em realizar esses investimentos, foram dando lugar a sociedades anónimas (Empresa dirigida por uma administração escolhida pelos accionistas).  A concorrência feroz pela posse dos mercados levou a que muitas empresas se agrupassem em concentrações verticais ou horizontais. Estas estratégias de concentração empresarial visavam o estabelecimento de monopólios de produção e venda de produtos e tornaram muito difícil a subsistência das médias e pequenas empresas que não estavam associadas.  A crescente necessidade de capitais para investimento e a existência de lucros e poupanças, disponíveis para serem aplicadas, originaram o desenvolvimento do sector bancário. Frequentemente, a actividade industrial ficava dependente da concessão de empréstimos, e alguns bancos eram também accionistas de empresas. A ligação estreita entre indústrias e bancos deu origem ao capitalismo industrial e financeiro.
  • 7.  A diversificação da produção Industrial colocou à disposição dos consumidores toda a espécie de novos aparelhos produzidos em massa e vendidos a preços mais acessíveis, que entraram no quatidiano das populações. As rotinas de trabalho em casa alteraram-se com o aparecimento de novidades como a lâmpada, o fogão a gás ou a máquina de costura.  A vida nas cidades foi melhorada com a iluminação a gás e a electricidade e extruturação de redes de transporte. Surgiram novos espaços de diversão como o cinematógrafo, ou de consumo, comko os grandes armazéns, onde se vendia um pouco de tudo.  A partir do do fim do século XIX, as ruas foram invadidas por novos veículos, nomeadamente a bicicleta, o carro elétrico e o automóvel.
  • 8. 1800 Pilha eléctrica (Volta) 1826 Primeira fotografia (Niépce) 1826 Fogão a gás (Sharp) 1834 Frigorífico (Perkins) 1839 Vulcanização da borracha(Goodyear) 1869 Bicicleta (Guillemet) 1876 Telefone (Bell) Maquina de1876 Máquina de escrever (Remington) 1877 Fonógarfo (Edison) 1879 Lâmpada Elétrica (Edison) 1886 Motor de explosão (Daimler) 1888 Discos e gira-discos (Berliner) 1895 Cinematógrafo (Lumière)
  • 9.  O crescimento das cidades e as preocupações urbanísticas levantaram alguns problemas que exigiram respostas eficazes como, por exemplo, a cobertura de grandes superfícies ou o alojamento de muitas pessoas em pequenos espaços. Para resolver esses problemas, a Revolução Industrial, colocou ao dispor da arquitetura materiais como o ferro e o vidro, sendo que o vidro construía estruturas sólidas mais leves e o vidro era usado como revestimento que permitia a entrada de luz natural.  Surgiu, assim, uma nova arquitetura marcada pelas estruturas metálicas e pelo seu fim utilitário.
  • 10.  Impressionismo foi um movimento que surgiu na pintura francesa do século XIX, vivia-se nesse momento a chamada Bella Epoque. O nome do movimento é derivado da obra "Impressão: nascer do sol" (1872), de Claude Monet.  Utilizavam um técnica de pequenas pinceladas, fortes e sobrepostas, de cores puras, as figuras surgiam sem contornos bem definidos, procurando, principalmente, impressionar a visão. Estes pintores procuravam transmitir, mais do que a realidade, a impressão causada por essa realidade.  Destacaram-se principalmente Édouard Manet, Claude Monet e Edgar Degas.
  • 11.  No século XIX surgiram dois movimentos artísticos e literários- o romantismo e o realismo. -O romantismo  Desenvolveu-se na primeira metade do século, defendia a tradição, a valorização dos heróis da história, o amor pela Natureza, a exaltação dos sentimentos e as emoções fortes, como os grandes dramas humanos ou os amores trágicos. Defendia as liberdades mas também a liberdade criativa, recorrendo à e à fantasia. Estas foram comuns a diversas expressões artísticas, como a pintura, a literatura ou a música.  Em Portugal, distinguiram-se escritores como Almeida Garrett e na pintura salientou-se Tomás de Anunciação.
  • 12. -O realismo  O realismo foi um movimento artístico e literário surgido nas últimas décadas do século XIX na Europa, mais especificamente na França, em reação ao romantismo.1 Entre 1850 e 1900 o movimento cultural, chamado realismo, predominou na França e se estendeu pela Europa e outros continentes.  O desenvolvimento industrial e os problemas sociais por ele causados contribuíram para que os escritores e artistas se fossem progressivamente, afastando de uma visão mais romântica e se passassem a interessar mais pela realidade e pelas justiças que os rodeavam, descrevendo-as e criticando-as.  Alguns dos principais pintores realistas foram Courbet e Millet, na literatura destacaram-se Zola e Balzac.
  • 13.  As invasões francesas, a Revolução Liberal de 1820 e a guerra civil (1832- 1834) provocaram uma grande instabilidade política, social e militar em Portugal. Os vintistas, defensores da Constituição de 1822, e os cartistas, defensores da Carta Constitucional de 1826, enfrentaram-se frequentemente em disputas políticas: o Na revolta de setembro de 1836, que restaurou a Constituição de 1822 e deu origem à Constituição de 1838. o No golpe de Estado de Costa Cabral, em 1842, que repôs a Carta. o Na revolta popular da Maria da Fonte, em 1846. o Na guerra civil de Patuleia. A guerra terminou com a vitória cartista, em junho de de 1847.
  • 14.  Os regeneradores defendiam que o progresso económico do reino só era possível com o desenvolvimento dos meios de transporte e das vias de comunicação. Durante o governo de Fontes Pereira de Melo, foram tomadas medidas como: o A construção de uma extensa rede ferroviária e uma melhoria na rede viária, aumentando o número de estradas. o A construção de pontes metálicas. o A introdução do selo adesivo e do bilhete postal.  A modernização dos transportes e das comunicações facilitou quer o transporte de pessoas e mercadorias como a circulação mais rápida de novas ideias e informações.
  • 15.  Face à situação de atraso na agricultura, os governos regeneradores foram tomando medidas com vista à sua modernização: o Desbravamento de muitos terrenos baldios. o Introdução de novos instrumentos e de máquinas agrícolas. o Desenvolvimento da criação de gado. o Extinção dos morgadios e de alguns impostos a que estavam sujeitos os camponeses.  A agricultura teve, assim, algum desenvolvimento. Contudo, não aconteceu em Portugal uma verdadeira revolução agrícola.
  • 16.  Portugal continuava com uma indústria pouco desenvolvida, devido: o A uma insuficiente rede de transportes. o À grande emigração para o brasil, que causou falta de mão-de-obra. o À existência de uma população pouco instruída.  Portugal, continuava atrasado comparativamente aos países mais industrializados. A dependência face ao estrangeiro  A modernização do reino no período da Regeneração exigiu grandes quantidades de dinheiro, o que levou Portugal a pedir empréstimos a outros países.  Para pagar os empréstimos e os respetivos juros, faziam-se novos empréstimos -o que contribuía para aumentar, ainda mais, a dívida externa. Esta dependência Económica verificou-se, também, a nível do comércio externo.
  • 17.  A agricultura portuguesa pouco produtiva levou uma difícil sobrevivência dos pequenos produtos.  Outros fatores agravaram ainda mais a difícil situação dos pessoas do campo, são: o O fim progressivo dos baldios. o A compra de terras aos pequenos proprietários pela burguesia capitalista. o A concorrência de produtos estrangeiros. o A propagação de epídemas.  Assim, muitos agricultores viram-se forçados a fazer o êxodo rural.
  • 18.  O aumento populacional, as dificuldades dos pequenos produtores agrícolas e o lento desenvolvimento da indústria originaram um surto de emgração principalmente para o Brasil, entrando muitas remessas para Portugal.
  • 19. Melhor alimentação, maiores cudados de higiene e melhorias na medicina Aumento populacional Novos meios de transporte Mecanização na agricultura Êxodo rural Crescimento das cidades Liberalismo económico Contrastes e antagonismos sociais nas cidades Enriquecimento da alta burguesia: - Comercial - Financeira - Industrial - Agrícola Desenvolvimento da classe média: - Média burguesia - Pequena burguesia Aparecimento e consolidação do proletariado Aparecimento de doutrinas socialistas Revoltas e protestos Formação de sindicados Miséria + + +