SlideShare uma empresa Scribd logo
Sumário da Discussão
 A Atitude Científica
 As Concepções de Ciência
 A Ciência na História
 Classificações de Ciência
 Cenas dos Próximos Capítulos
Introdução
 Vimos que existem diversos tipos de
conhecimento, e discutimos suas diferenças e
semelhanças.
 Estudamos o que faz o Conhecimento Científico
diferente...
 Agora vamos olhar para a Ciência
 O que é Ciência?
 Que tipos de Ciência temos? O que as fazem
semelhantes, apesar de tão diferentes?
A Atitude Científica
 A ciência desconfia da veracidade das nossas
certezas!
 Vê o mundo através de problemas e obstáculos.
 Relembrando... O Conhecimento Científico...
 É Objetivo – busca estruturas universais
 É Quantitativo – busca medidas e padrões.
 É Homogêneo – busca leis gerais de funcionamento.
 É Generalizador – reúne coisas percebidas como
diferentes sob leis semelhantes.
A Atitude Científica... II
 Ainda sobre o conhecimento Científico...
 É diferenciador – pois pode separar coisas
aparentemente semelhantes.
 Só estabelece relações causais depois de estudar a
natureza dos fatos e estabelecer relações com outros.
 Procura apresentar explicações racionais, simples e
claras para os fatos “incríveis” que encontramos.
 É diferente da magia.
 Afirma que o conhecimento liberta.
 Procura renovar-se e modificar-se continuamente.
Os Fatos Científicos
 São construídos pela investigação científica.
 Investigação é baseada em métodos que
possibilitam:

Separar o objetivo do subjetivo;

Construir o fenômeno de maneira controlável e
verificável.

Demonstrar e provar os resultados obtidos.

Relacionar um fato com outros

Formular uma teoria geral sobre o conjunto de
fenômenos e fatos investigados.
Ciência x Senso Comum
 Baseada em
Pesquisas;
 Exige que teorias
sejam coerentes
 Teorias
Verdadeiras.
 Baseado na tradição
e nos hábitos.
 Não é
necessariamente
coerente...
 Utilitário e
imediatista.
A Teoria Científica
 É um sistema ordenado de proposições
baseados em um pequeno número de princípios.
 Serve para descrever, explicar e prever do modo
mais completo possível um conjunto de
fenômenos, oferecendo suas leis.
 Permite compreender porque fatos são
semelhantes e devem ser submetidos às
mesmas leis, e vice-versa.
As três principais concepções
de Ciência
 Racionalista
 Modelo de Objetividade: Matemática!
 Empirista
 Medicina Grega e História Natural
 Construtivista
 Razão como conhecimento aproximativo.
A Concepção Racionalista
 Dos Gregos até o fim do século XVII.
 Representação Intelectual Universal –
necessária e verdadeira, correspondendo à
própria realidade.
 Experiências são realizadas para confirmar
as demonstrações teóricas.
 “O grande livro da Natureza está escrito em
caracteres matemáticos” Galileu
A Concepção Empirista
 De Aristóteles até o final do século XIX.
 Ciência baseia-se em observações e
experimentos, que permitem estabelecer
induções.
 Experiência como produtora de
conhecimentos.
 Métodos experimentais rigorosos.
Racionalismo x Empirismo
 Mesmo pressuposto – Ciência era uma
explicação verdadeira da realidade.
 Racionalismo: Hipotético-Dedutivo.
 Empirismo: Hipotético-Indutivo.
(Mais sobre indução e dedução nas próximas
aulas...)
A Concepção Construtivista
 Começou no século XX.
 Ciência como uma construção de modelos
explicativos da realidade.
 A idéia é da verdade aproximada, que
pode ser estendida e corrigida.
 Combina aspectos do Empirismo e do
Racionalismo.
A Concepção Construtivista II
 O seu ideal de cientificidade exige...
 Coerência entre os princípios da teoria;
 Modelos construídos com base na observação
e na experimentação,
 Resultados que possam alterar os princípios da
teoria, corrigindo-a quando for necessário.
Alguns Conceitos de Ciência
 Acumulação de Conceitos Sistemáticos.
 Atividade que demonstra a verdade dos fatos
experimentais e suas aplicações práticas.
 Conhecimento Certo do Real pelas suas causas.
 Conjunto de Enunciados Lógica e Dedutivamente
justificados por outros enunciados.
 Corpo de conhecimentos consistindo em
percepções, experiências, fatos certos e
seguros.
Alguns Conceitos de Ciência
II
 De Ander- Egg
 Conjunto de Conhecimentos racionais, certos ou
prováveis, obtidos metodicamente sistematizados e
verificáveis que se referem a objetos de uma mesma
natureza.
 De Trujillo
 A Ciência é todo um conjunto de atitudes e atividades
racionais, dirigidas ao sistemático conhecimento com
objeto limitado, capaz de ser submetido à verificação.
Visão Geral dos Conceitos
 Ciência como pensamento racional, objetivo,
lógico, confiável e falível!
 Metodologia que determina a possibilidade de
experimentação.
 Assim... Uma ciência é reconhecida por 3
critérios:
 Confiabilidade em seu corpo de conhecimentos.
 Sua organização.
 Seu método.
Natureza da Ciência
 Duas acepções:
 Latu Sensu – conhecimento;
 Stricto Sensu – conhecimento demonstrável.
 A limitação de nossa mente exige a fragmentação
do conhecimento ⇒ pluralidade das ciências!
 Duas dimensões: compreensiva (contexto) e
metodológica (operacional – abrangendo
aspectos lógicos e técnicos).
Componentes da Ciência
 Todas as ciências possuem:
 Objetivo ou finalidade – distinguir as leis que
regem determinados fenômenos.
 Função
 Objetos, que se subdividem em:

Material – o que se pretende estudar;

Formal – o enfoque especial, necessário em face das
várias ciências que possam possuir o mesmo objeto
material.
Ciência Antiga x Ciência
Moderna
 A Ciência Antiga:
 É baseada nas qualidades percebidas dos corpos;
 É baseada em distinções qualitativas do espaço;
 É baseada na metafísica da identidade e da
mudança;
 Natureza como uma hierarquia em que os seres
possuem um lugar de acordo com sua perfeição.
Ciência Antiga x Ciência
Moderna
 Já na ciência moderna...
 O espaço é homogêneo;
 Os objetos físicos sob investigação são isentos de
suas qualidades sensoriais;
 Movimento deixa de ser uma alteração dos corpos
para ser um deslocamento;
 Natureza é um complexo de corpos e suas
relações.
E mais diferenças...
 A Ciência Antiga era contemplativa.
 Técnica como forma menor de
conhecimento;
 Já na ciência moderna...
 “Saber é Poder” – Bacon
 “A Ciência deve tornar-nos senhores da
natureza” – René Descartes.
 Emprego da Técnica para realizar Tecnologia.
As Mudanças Científicas
 Duas grandes mudanças
 Passagem do racionalismo/empirismo para o
construtivismo;
 Passagem da ciência teorética, qualitativa para
uma ciência tecnológica, quantitativa.
 A idéia era que as mudanças indicavam a
evolução (e progresso) do conhecimento
humano.
Mas...
 Elaborações científicas e ideais de
cientificidade são diferentes... E descontínuos!
 Ex. Geometria Clássica x Geometria Euclideana
 Física de Newton e de Einstein
 Genética de Mendel e da Bioquímica.
 A questão está nas várias maneiras de
construir os objetos científicos!
Revoluções Científicas
 Idéia da Ruptura Epistemológica ⇒ novas
teorias, métodos e tecnologias.
 Revolução Científica definida por Kuhn.
 Ciência caminha por saltos!
 Aplicação da Tecnologia nos dá esta
impressão de progresso!
Falsificação e Revolução
 Verdade como coerência interna entre os
conceitos.
 Falso – perda de coerência da teoria.
 De acordo com Popper, uma teoria é boa,
quanto mais estiver aberta a novos fatos.
Então uma teoria é medida por sua
falseabilidade.
 Ciência guiada pelo Verdadeiro.
Classificação e Divisão da
Ciência
 A complexidade do universo levou ao
surgimento de diversos ramos da Ciência.
 É necessário classificá-las, quer seja por sua
complexidade, por seu conteúdo, por objeto,
diferenças ou metodologias.
 Algumas classificações:
 Comte,
 Carnap
 Bunge
Uma outra classificação
 Primeira classificação foi a de Aristóteles:
 Ausência ou presença de ação humana nos seres
investigados.
 Imutabilidade ou Movimento.
 Modalidade Prática – ciências que estudam a Práxis.
 Mantida até o século XVII, quando os
conhecimentos se separaram em filosóficos,
científicos e técnicos.
Classificação de Comte
 De acordo com a complexidade.
 Variações...

Matemáticas Teóricas: Aritmética, Geometria, Álgebra
Aplicadas: Mecânica, Astronomia

Físico- Químicas Física, Química, Mineralogia, Geologia,
Geografia Física

Morais Psicológicas Psicologica, lògica, Estética, Moral
Históricas História Geografia Humana,
Arqueologia
Sociais e Políticas Sociologia, Direito, Economia,
Política

Meta-Físicas Cosmologia, Teologia
Ciências
Classificação de Carnap
 Duas Categorias de Ciência:
 Ciências Formais: a verdade depende somente
de sua estrutura lógica
 Ciências Factuais: contém enunciados que
dependem não somente de seus termos, mas
também dos fatos a que se referem.
Classificação de Bunge
Ciência
Formal
Factual
Lógica
Matemática
Cultural
Natural
Física
Química
Biologia
Psicologia Individual
Psicologia Social
Sociologia
Economia
Política
Cenas dos Próximos
Capítulos
 Vimos...
 Que a atitude científica procura identificar
problemas onde o senso comum vê.
 As principais concepções de Ciência.
 E suas classificações
 Veremos
 Os Tipos de Ciências
 O Lugar da Computação neste
Panorama...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
professorleo1989
 
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
cattonia
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
Introdução à Filosofia - Os Pré-socráticos, Os Sofistas e Sócrates
Introdução à Filosofia - Os Pré-socráticos, Os Sofistas e SócratesIntrodução à Filosofia - Os Pré-socráticos, Os Sofistas e Sócrates
Introdução à Filosofia - Os Pré-socráticos, Os Sofistas e Sócrates
Diego Sampaio
 
Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
José Ferreira Júnior
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Mariana Couto
 
Auguste comte
Auguste comteAuguste comte
Auguste comte
sociofilo2012
 
Tipos de-pesquisa
Tipos de-pesquisaTipos de-pesquisa
Tipos de-pesquisa
David Daniel Abacar
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
j_sdias
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
rafaforte
 
Michel foucault
Michel foucaultMichel foucault
Michel foucault
Manoelito Filho Soares
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
João Paulo Rodrigues
 
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
Mary Alvarenga
 
Ciência e senso comum: concepções e abordagens
Ciência e senso comum: concepções e abordagensCiência e senso comum: concepções e abordagens
Ciência e senso comum: concepções e abordagens
10ª Coordenadoria Regional de Educação -10ª CRE
 
Foucault Noções gerais e sistematização de seu pensamento
Foucault   Noções gerais e sistematização de seu pensamentoFoucault   Noções gerais e sistematização de seu pensamento
Foucault Noções gerais e sistematização de seu pensamento
Ivan Furmann
 
Mapa conceitual - Filosofia da ciência
Mapa conceitual - Filosofia da ciênciaMapa conceitual - Filosofia da ciência
Mapa conceitual - Filosofia da ciência
Gilberto Cotrim
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
mundissa
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
Italo Colares
 

Mais procurados (20)

Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Introdução à Filosofia - Os Pré-socráticos, Os Sofistas e Sócrates
Introdução à Filosofia - Os Pré-socráticos, Os Sofistas e SócratesIntrodução à Filosofia - Os Pré-socráticos, Os Sofistas e Sócrates
Introdução à Filosofia - Os Pré-socráticos, Os Sofistas e Sócrates
 
Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
 
Auguste comte
Auguste comteAuguste comte
Auguste comte
 
Tipos de-pesquisa
Tipos de-pesquisaTipos de-pesquisa
Tipos de-pesquisa
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
 
Michel foucault
Michel foucaultMichel foucault
Michel foucault
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
 
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
 
Ciência e senso comum: concepções e abordagens
Ciência e senso comum: concepções e abordagensCiência e senso comum: concepções e abordagens
Ciência e senso comum: concepções e abordagens
 
Foucault Noções gerais e sistematização de seu pensamento
Foucault   Noções gerais e sistematização de seu pensamentoFoucault   Noções gerais e sistematização de seu pensamento
Foucault Noções gerais e sistematização de seu pensamento
 
Mapa conceitual - Filosofia da ciência
Mapa conceitual - Filosofia da ciênciaMapa conceitual - Filosofia da ciência
Mapa conceitual - Filosofia da ciência
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 

Destaque

Atitude Cientifica / Scientific Atitude
Atitude Cientifica / Scientific AtitudeAtitude Cientifica / Scientific Atitude
Atitude Cientifica / Scientific Atitude
Diego Salcedo
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
Maria Diovani
 
Senso comum Marilena Chauí
Senso comum Marilena ChauíSenso comum Marilena Chauí
Senso comum Marilena Chauí
Faço livros por encomenda
 
Aula 1 __atitude_cient_fica
Aula 1 __atitude_cient_ficaAula 1 __atitude_cient_fica
Aula 1 __atitude_cient_fica
Cristiano Soares Vieira
 
Documento do Eixo Comunicacao Digital
Documento do Eixo Comunicacao DigitalDocumento do Eixo Comunicacao Digital
Documento do Eixo Comunicacao Digital
Gabriela Agustini
 
Esquema FilosofíA Definitivo
Esquema FilosofíA DefinitivoEsquema FilosofíA Definitivo
Esquema FilosofíA Definitivo
Susana Gomez
 
epistemología contemporánea
epistemología contemporáneaepistemología contemporánea
epistemología contemporánea
Alex Solano
 
Resumo o que é ciencia
Resumo o que é cienciaResumo o que é ciencia
Resumo o que é ciencia
Everton Conceição Rosa
 
A atitude filosófica
A atitude filosóficaA atitude filosófica
A atitude filosófica
Raquel Reino
 
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistas
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistasIntrodução ao estudo do espiritismo - cientistas
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistas
Denise Aguiar
 
A sociologia e o senso comum.émile durkheim.
A sociologia e o senso comum.émile durkheim.A sociologia e o senso comum.émile durkheim.
A sociologia e o senso comum.émile durkheim.
José Amaral
 
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
AMLDRP
 
Conhecimento científico
Conhecimento científicoConhecimento científico
Conhecimento científico
mmartinatti
 
Slides diário de campo
Slides diário de campoSlides diário de campo
Slides diário de campo
anaguedes44
 
Mapa mental corrientes filosoficas
Mapa mental corrientes filosoficasMapa mental corrientes filosoficas
Mapa mental corrientes filosoficas
Orlys Inojosa
 
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientificoConhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
anabelamatosanjos
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Turma Olímpica
 
METODOLOGIA CIENTÍFICA - Guia Simplificado para a Classificação de Pesquisas ...
METODOLOGIA CIENTÍFICA - Guia Simplificado para a Classificação de Pesquisas ...METODOLOGIA CIENTÍFICA - Guia Simplificado para a Classificação de Pesquisas ...
METODOLOGIA CIENTÍFICA - Guia Simplificado para a Classificação de Pesquisas ...
IFSC
 
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICOCONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
Net Viva
 

Destaque (20)

Atitude Cientifica / Scientific Atitude
Atitude Cientifica / Scientific AtitudeAtitude Cientifica / Scientific Atitude
Atitude Cientifica / Scientific Atitude
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
Senso comum Marilena Chauí
Senso comum Marilena ChauíSenso comum Marilena Chauí
Senso comum Marilena Chauí
 
Aula 1 __atitude_cient_fica
Aula 1 __atitude_cient_ficaAula 1 __atitude_cient_fica
Aula 1 __atitude_cient_fica
 
Documento do Eixo Comunicacao Digital
Documento do Eixo Comunicacao DigitalDocumento do Eixo Comunicacao Digital
Documento do Eixo Comunicacao Digital
 
Esquema FilosofíA Definitivo
Esquema FilosofíA DefinitivoEsquema FilosofíA Definitivo
Esquema FilosofíA Definitivo
 
epistemología contemporánea
epistemología contemporáneaepistemología contemporánea
epistemología contemporánea
 
Resumo o que é ciencia
Resumo o que é cienciaResumo o que é ciencia
Resumo o que é ciencia
 
A atitude filosófica
A atitude filosóficaA atitude filosófica
A atitude filosófica
 
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistas
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistasIntrodução ao estudo do espiritismo - cientistas
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistas
 
A sociologia e o senso comum.émile durkheim.
A sociologia e o senso comum.émile durkheim.A sociologia e o senso comum.émile durkheim.
A sociologia e o senso comum.émile durkheim.
 
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
 
Conhecimento científico
Conhecimento científicoConhecimento científico
Conhecimento científico
 
Slides diário de campo
Slides diário de campoSlides diário de campo
Slides diário de campo
 
Mapa mental corrientes filosoficas
Mapa mental corrientes filosoficasMapa mental corrientes filosoficas
Mapa mental corrientes filosoficas
 
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientificoConhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
 
METODOLOGIA CIENTÍFICA - Guia Simplificado para a Classificação de Pesquisas ...
METODOLOGIA CIENTÍFICA - Guia Simplificado para a Classificação de Pesquisas ...METODOLOGIA CIENTÍFICA - Guia Simplificado para a Classificação de Pesquisas ...
METODOLOGIA CIENTÍFICA - Guia Simplificado para a Classificação de Pesquisas ...
 
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICOCONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 

Semelhante a A atitude científica

( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Chaui metodologia
Chaui metodologiaChaui metodologia
Chaui metodologia
Magila01
 
Metodologias do trabalho científico
Metodologias do trabalho científicoMetodologias do trabalho científico
Metodologias do trabalho científico
Josemara-Moraes
 
Metodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científicoMetodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científico
Elis Gabriela
 
Teoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicosTeoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicos
Mauricio Serafim
 
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICATEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
jlpaesjr
 
Trabalho metodologia Ciencias da Natureza, humana e historia
Trabalho metodologia Ciencias da Natureza, humana e historiaTrabalho metodologia Ciencias da Natureza, humana e historia
Trabalho metodologia Ciencias da Natureza, humana e historia
Thaina Rodrigues
 
A Pesquisa Em CiêNcias Sociais
A Pesquisa Em CiêNcias SociaisA Pesquisa Em CiêNcias Sociais
A Pesquisa Em CiêNcias Sociais
leojusto
 
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
Francione Brito
 
Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)
Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)
Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)
Anna Keyla Polle
 
Verificab..
Verificab..Verificab..
Verificab..
pyteroliva
 
Aula 01 e 02
Aula 01 e 02Aula 01 e 02
MTC_ProfLuciana
MTC_ProfLucianaMTC_ProfLuciana
MTC_ProfLuciana
Paulo Silva
 
Curso de Epidtrmologia 1/6
Curso de Epidtrmologia 1/6Curso de Epidtrmologia 1/6
Curso de Epidtrmologia 1/6
Luiz Miranda-Sá
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Filosofia da Ciência 2023.pptx
Filosofia da Ciência 2023.pptxFilosofia da Ciência 2023.pptx
Filosofia da Ciência 2023.pptx
SolangeValdemarHnyda1
 
Teoria e prática científica
Teoria e prática científicaTeoria e prática científica
Teoria e prática científica
afcarvalho
 
teoria e pratica cientifica
teoria e pratica cientificateoria e pratica cientifica
teoria e pratica cientifica
Ana Tereza Padua Oliveira
 
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio SeverinoCap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Nayara Gaban
 

Semelhante a A atitude científica (20)

( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
 
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...( Espiritismo)   # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
( Espiritismo) # - andre henrique - a revolucao do espirito # perspectivas ...
 
Chaui metodologia
Chaui metodologiaChaui metodologia
Chaui metodologia
 
Metodologias do trabalho científico
Metodologias do trabalho científicoMetodologias do trabalho científico
Metodologias do trabalho científico
 
Metodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científicoMetodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científico
 
Teoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicosTeoria - alguns tópicos
Teoria - alguns tópicos
 
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICATEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
TEORIA E PRÁTICA CIENTÍFICA
 
Trabalho metodologia Ciencias da Natureza, humana e historia
Trabalho metodologia Ciencias da Natureza, humana e historiaTrabalho metodologia Ciencias da Natureza, humana e historia
Trabalho metodologia Ciencias da Natureza, humana e historia
 
A Pesquisa Em CiêNcias Sociais
A Pesquisa Em CiêNcias SociaisA Pesquisa Em CiêNcias Sociais
A Pesquisa Em CiêNcias Sociais
 
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
O conhecimento do conhecimento científico(Morin)
 
Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)
Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)
Teoria e Prática Científica SEVERINO (2007)
 
Verificab..
Verificab..Verificab..
Verificab..
 
Aula 01 e 02
Aula 01 e 02Aula 01 e 02
Aula 01 e 02
 
MTC_ProfLuciana
MTC_ProfLucianaMTC_ProfLuciana
MTC_ProfLuciana
 
Curso de Epidtrmologia 1/6
Curso de Epidtrmologia 1/6Curso de Epidtrmologia 1/6
Curso de Epidtrmologia 1/6
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
 
Filosofia da Ciência 2023.pptx
Filosofia da Ciência 2023.pptxFilosofia da Ciência 2023.pptx
Filosofia da Ciência 2023.pptx
 
Teoria e prática científica
Teoria e prática científicaTeoria e prática científica
Teoria e prática científica
 
teoria e pratica cientifica
teoria e pratica cientificateoria e pratica cientifica
teoria e pratica cientifica
 
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio SeverinoCap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
 

Mais de MARISE VON FRUHAUF HUBLARD

Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Portal do professor eleições de um municipio
Portal do professor   eleições de um municipioPortal do professor   eleições de um municipio
Portal do professor eleições de um municipio
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável  epicuro e_a_felicidadeFelicidade sustentável  epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Animação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundialAnimação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundial
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Bioética
BioéticaBioética
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A filosofia de platão
A filosofia de platãoA filosofia de platão
A filosofia de platão
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A filosofia na educação básica
A filosofia na educação básicaA filosofia na educação básica
A filosofia na educação básica
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A arte da guerra
A arte da guerraA arte da guerra
A arte da guerra
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aulaA tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Sociologia em Movimento
Sociologia em MovimentoSociologia em Movimento
Sociologia em Movimento
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Consumo vs consumismo
Consumo vs consumismoConsumo vs consumismo
Consumo vs consumismo
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
Livro de sociologia 2015   sec. xxiLivro de sociologia 2015   sec. xxi
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarinaCaderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
O leviatã de thomas hobbes
O leviatã de thomas hobbesO leviatã de thomas hobbes
O leviatã de thomas hobbes
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 

Mais de MARISE VON FRUHAUF HUBLARD (20)

Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
 
Portal do professor eleições de um municipio
Portal do professor   eleições de um municipioPortal do professor   eleições de um municipio
Portal do professor eleições de um municipio
 
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável  epicuro e_a_felicidadeFelicidade sustentável  epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
 
Animação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundialAnimação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundial
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
 
A filosofia de platão
A filosofia de platãoA filosofia de platão
A filosofia de platão
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
 
A filosofia na educação básica
A filosofia na educação básicaA filosofia na educação básica
A filosofia na educação básica
 
A arte da guerra
A arte da guerraA arte da guerra
A arte da guerra
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
 
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aulaA tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
 
Sociologia em Movimento
Sociologia em MovimentoSociologia em Movimento
Sociologia em Movimento
 
Consumo vs consumismo
Consumo vs consumismoConsumo vs consumismo
Consumo vs consumismo
 
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
Livro de sociologia 2015   sec. xxiLivro de sociologia 2015   sec. xxi
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
 
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarinaCaderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
 
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 
O leviatã de thomas hobbes
O leviatã de thomas hobbesO leviatã de thomas hobbes
O leviatã de thomas hobbes
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 

A atitude científica

  • 1. Sumário da Discussão  A Atitude Científica  As Concepções de Ciência  A Ciência na História  Classificações de Ciência  Cenas dos Próximos Capítulos
  • 2. Introdução  Vimos que existem diversos tipos de conhecimento, e discutimos suas diferenças e semelhanças.  Estudamos o que faz o Conhecimento Científico diferente...  Agora vamos olhar para a Ciência  O que é Ciência?  Que tipos de Ciência temos? O que as fazem semelhantes, apesar de tão diferentes?
  • 3. A Atitude Científica  A ciência desconfia da veracidade das nossas certezas!  Vê o mundo através de problemas e obstáculos.  Relembrando... O Conhecimento Científico...  É Objetivo – busca estruturas universais  É Quantitativo – busca medidas e padrões.  É Homogêneo – busca leis gerais de funcionamento.  É Generalizador – reúne coisas percebidas como diferentes sob leis semelhantes.
  • 4. A Atitude Científica... II  Ainda sobre o conhecimento Científico...  É diferenciador – pois pode separar coisas aparentemente semelhantes.  Só estabelece relações causais depois de estudar a natureza dos fatos e estabelecer relações com outros.  Procura apresentar explicações racionais, simples e claras para os fatos “incríveis” que encontramos.  É diferente da magia.  Afirma que o conhecimento liberta.  Procura renovar-se e modificar-se continuamente.
  • 5. Os Fatos Científicos  São construídos pela investigação científica.  Investigação é baseada em métodos que possibilitam:  Separar o objetivo do subjetivo;  Construir o fenômeno de maneira controlável e verificável.  Demonstrar e provar os resultados obtidos.  Relacionar um fato com outros  Formular uma teoria geral sobre o conjunto de fenômenos e fatos investigados.
  • 6. Ciência x Senso Comum  Baseada em Pesquisas;  Exige que teorias sejam coerentes  Teorias Verdadeiras.  Baseado na tradição e nos hábitos.  Não é necessariamente coerente...  Utilitário e imediatista.
  • 7. A Teoria Científica  É um sistema ordenado de proposições baseados em um pequeno número de princípios.  Serve para descrever, explicar e prever do modo mais completo possível um conjunto de fenômenos, oferecendo suas leis.  Permite compreender porque fatos são semelhantes e devem ser submetidos às mesmas leis, e vice-versa.
  • 8. As três principais concepções de Ciência  Racionalista  Modelo de Objetividade: Matemática!  Empirista  Medicina Grega e História Natural  Construtivista  Razão como conhecimento aproximativo.
  • 9. A Concepção Racionalista  Dos Gregos até o fim do século XVII.  Representação Intelectual Universal – necessária e verdadeira, correspondendo à própria realidade.  Experiências são realizadas para confirmar as demonstrações teóricas.  “O grande livro da Natureza está escrito em caracteres matemáticos” Galileu
  • 10. A Concepção Empirista  De Aristóteles até o final do século XIX.  Ciência baseia-se em observações e experimentos, que permitem estabelecer induções.  Experiência como produtora de conhecimentos.  Métodos experimentais rigorosos.
  • 11. Racionalismo x Empirismo  Mesmo pressuposto – Ciência era uma explicação verdadeira da realidade.  Racionalismo: Hipotético-Dedutivo.  Empirismo: Hipotético-Indutivo. (Mais sobre indução e dedução nas próximas aulas...)
  • 12. A Concepção Construtivista  Começou no século XX.  Ciência como uma construção de modelos explicativos da realidade.  A idéia é da verdade aproximada, que pode ser estendida e corrigida.  Combina aspectos do Empirismo e do Racionalismo.
  • 13. A Concepção Construtivista II  O seu ideal de cientificidade exige...  Coerência entre os princípios da teoria;  Modelos construídos com base na observação e na experimentação,  Resultados que possam alterar os princípios da teoria, corrigindo-a quando for necessário.
  • 14. Alguns Conceitos de Ciência  Acumulação de Conceitos Sistemáticos.  Atividade que demonstra a verdade dos fatos experimentais e suas aplicações práticas.  Conhecimento Certo do Real pelas suas causas.  Conjunto de Enunciados Lógica e Dedutivamente justificados por outros enunciados.  Corpo de conhecimentos consistindo em percepções, experiências, fatos certos e seguros.
  • 15. Alguns Conceitos de Ciência II  De Ander- Egg  Conjunto de Conhecimentos racionais, certos ou prováveis, obtidos metodicamente sistematizados e verificáveis que se referem a objetos de uma mesma natureza.  De Trujillo  A Ciência é todo um conjunto de atitudes e atividades racionais, dirigidas ao sistemático conhecimento com objeto limitado, capaz de ser submetido à verificação.
  • 16. Visão Geral dos Conceitos  Ciência como pensamento racional, objetivo, lógico, confiável e falível!  Metodologia que determina a possibilidade de experimentação.  Assim... Uma ciência é reconhecida por 3 critérios:  Confiabilidade em seu corpo de conhecimentos.  Sua organização.  Seu método.
  • 17. Natureza da Ciência  Duas acepções:  Latu Sensu – conhecimento;  Stricto Sensu – conhecimento demonstrável.  A limitação de nossa mente exige a fragmentação do conhecimento ⇒ pluralidade das ciências!  Duas dimensões: compreensiva (contexto) e metodológica (operacional – abrangendo aspectos lógicos e técnicos).
  • 18. Componentes da Ciência  Todas as ciências possuem:  Objetivo ou finalidade – distinguir as leis que regem determinados fenômenos.  Função  Objetos, que se subdividem em:  Material – o que se pretende estudar;  Formal – o enfoque especial, necessário em face das várias ciências que possam possuir o mesmo objeto material.
  • 19. Ciência Antiga x Ciência Moderna  A Ciência Antiga:  É baseada nas qualidades percebidas dos corpos;  É baseada em distinções qualitativas do espaço;  É baseada na metafísica da identidade e da mudança;  Natureza como uma hierarquia em que os seres possuem um lugar de acordo com sua perfeição.
  • 20. Ciência Antiga x Ciência Moderna  Já na ciência moderna...  O espaço é homogêneo;  Os objetos físicos sob investigação são isentos de suas qualidades sensoriais;  Movimento deixa de ser uma alteração dos corpos para ser um deslocamento;  Natureza é um complexo de corpos e suas relações.
  • 21. E mais diferenças...  A Ciência Antiga era contemplativa.  Técnica como forma menor de conhecimento;  Já na ciência moderna...  “Saber é Poder” – Bacon  “A Ciência deve tornar-nos senhores da natureza” – René Descartes.  Emprego da Técnica para realizar Tecnologia.
  • 22. As Mudanças Científicas  Duas grandes mudanças  Passagem do racionalismo/empirismo para o construtivismo;  Passagem da ciência teorética, qualitativa para uma ciência tecnológica, quantitativa.  A idéia era que as mudanças indicavam a evolução (e progresso) do conhecimento humano.
  • 23. Mas...  Elaborações científicas e ideais de cientificidade são diferentes... E descontínuos!  Ex. Geometria Clássica x Geometria Euclideana  Física de Newton e de Einstein  Genética de Mendel e da Bioquímica.  A questão está nas várias maneiras de construir os objetos científicos!
  • 24. Revoluções Científicas  Idéia da Ruptura Epistemológica ⇒ novas teorias, métodos e tecnologias.  Revolução Científica definida por Kuhn.  Ciência caminha por saltos!  Aplicação da Tecnologia nos dá esta impressão de progresso!
  • 25. Falsificação e Revolução  Verdade como coerência interna entre os conceitos.  Falso – perda de coerência da teoria.  De acordo com Popper, uma teoria é boa, quanto mais estiver aberta a novos fatos. Então uma teoria é medida por sua falseabilidade.  Ciência guiada pelo Verdadeiro.
  • 26. Classificação e Divisão da Ciência  A complexidade do universo levou ao surgimento de diversos ramos da Ciência.  É necessário classificá-las, quer seja por sua complexidade, por seu conteúdo, por objeto, diferenças ou metodologias.  Algumas classificações:  Comte,  Carnap  Bunge
  • 27. Uma outra classificação  Primeira classificação foi a de Aristóteles:  Ausência ou presença de ação humana nos seres investigados.  Imutabilidade ou Movimento.  Modalidade Prática – ciências que estudam a Práxis.  Mantida até o século XVII, quando os conhecimentos se separaram em filosóficos, científicos e técnicos.
  • 28. Classificação de Comte  De acordo com a complexidade.  Variações...  Matemáticas Teóricas: Aritmética, Geometria, Álgebra Aplicadas: Mecânica, Astronomia  Físico- Químicas Física, Química, Mineralogia, Geologia, Geografia Física  Morais Psicológicas Psicologica, lògica, Estética, Moral Históricas História Geografia Humana, Arqueologia Sociais e Políticas Sociologia, Direito, Economia, Política  Meta-Físicas Cosmologia, Teologia Ciências
  • 29. Classificação de Carnap  Duas Categorias de Ciência:  Ciências Formais: a verdade depende somente de sua estrutura lógica  Ciências Factuais: contém enunciados que dependem não somente de seus termos, mas também dos fatos a que se referem.
  • 31. Cenas dos Próximos Capítulos  Vimos...  Que a atitude científica procura identificar problemas onde o senso comum vê.  As principais concepções de Ciência.  E suas classificações  Veremos  Os Tipos de Ciências  O Lugar da Computação neste Panorama...