SlideShare uma empresa Scribd logo
A REFLEXÃO
FILOSÓFICA
  O QUE É FILOSOFIA?
   Prof. Marcelo Boia
Antes de respondermos a essa pergunta, vamos partir
para outro questionamento: o que é filosofar? De maneira
geral, pode-se dizer que, por sermos pessoas racionais e
sensíveis, procuramos sempre atribuir sentido às coisas. A
esse filosofar espontâneo de todos nós poderíamos
chamar filosofia de vida.
Então as questões filosóficas fazem parte do nosso
cotidiano? Fazem sim. Quando decidimos votar no
candidato de um partido político e não de outro; quando
deixamos o emprego bem pago por outro não tão bem
remunerado, se bem mais atraente; quando altemamos a
jornada de trabalho com a prática de esporte ou com a
decisão de ficar em casa assistindo à tv, e assim por
diante. E preciso reconhecer que existem critérios bem
diferentes      fundamentando        tais      decisões.
A propósito desse assunto, o filósofo italiano Antonio
Gramsci diz: “não se pode pensar em nenhum homem que
não seja também filósofo, que não pense, precisamente
porque pensar é próprio do homem como tal”.
A filosofia de vida não se confunde com o tipo de reflexão
do filósofo, porque este conhece a história da filosofia e
sempre levanta problemas que tenta resolver por meio de
argumentos e conceitos rigorosos, que vão além do
simples bom senso, além do que chamamos filosofia de
vida. Talvez você esteja se perguntando: como então
definir o que é filosofia?
Comecemos por uma citação do filósofo alemão
contemporâneo EdmundHusserl:
 “O que pretendo sob o título de filosofia, como fim e
campo das minhas elaborações, sei-o, naturalmente. E
contudo não o sei... Qual o pensador para quem, na sua
vida de filósofo, a filosofia deixou de ser um enigma?... Só
os pensadores secundários que, na verdade, não se
podem chamar filósofos, estão contentes com as suas
definições”.
O que Husserl quer dizer? Que a pergunta “O que é a
filosofia?” desencadeia por si mesma uma questão
filosófica. Ainda assim, os pensadores arriscam dar
respostas, sabendo que são sempre provisórias, porque se
aproximam do conceito de filosofia de modo tateante para
examinar suas características.
Pitágoras (século VI a.C.), um dos mais antigos
pensadores gregos, teria usado pela primeira vez a palavra
filosofia (philo-sophia) , que significa amor a sabedoria. Por
essa razão, a filosofia não é pura racionalidade, mas a
procura amorosa da verdade.
Muitos identificam a filosofia como uma atividade racional e
teórica, mas isso não significa que ela esteja à margem do
mundo, nem que constitua uma doutrina, um saber
acabado, ou que seja um conjunto de conhecimentos
incontestáveis.
À primeira vista, entendemos a filosofia como
algo enigmático, profundamente abstrato e
distante da realidade. Essa visão da filosofia
decorre    dos     complexos     trabalhos    de
pensadores que, ao longo da história, refletiram
e   buscaram     diferentes   respostas    sobre
questões que continuamente fazemos ao longo
de nossa existência. Indagações sobre o
conhecimento, sobre os valores, sobre a
natureza, sobre a beleza, sobre o homem.
Essas inquietações decorrem da necessidade
que todo ser humano tem de compreender o
significado do mundo e de si mesmo. Na busca
dessa      compreensão      criamos     novos
significados, questionando e tecendo uma teia
de relações cada vez mais abrangentes que nos
indiquem respostas, mesmo que provisórias.
Desta forma, o primeiro passo para a
filosofia é a inquietação que conduz
ao questionamento. O objeto da
filosofia é a reflexão, o movimento do
pensamento        que    nos   permite
recuar, nos distanciarmos dos fatos
aparentemente          banais     para
buscarmos seus fundamentos.
Pelo contrário, a filosofia pressupõe constante
disponibilidade para a indagação. Por isso, segundo
Platão, a primeira virtude do filósofo é admirar-se, ser
capaz de se surpreender com o óbvio e questionar o que já
existe como verdade. Essa é a condição para
problematizar, o que marca a filosofia não como posse da
verdade, e sim como sua busca.
Kant, filósofo alemão do século XVIII, assim se refere ao
filosofar:
(...) não é possível aprender qualquer filosofia; só é
possível aprender a filosofar, ou seja, exercitar o talento da
razão, fazendo-a seguir os seus princípios universais em
certas tentativas filosóficas já existentes, mas sempre
reservando à razão o direito de investigar aqueles
princípios até mesmo em suas fontes, confirmando-os ou
rejeitando-os”.KANT, lmmanuel. Critica da razão pura. São Paulo: Abril
Podemos dizer então que filosofia é sobretudo uma
atitude, um pensar permanente. É uma experiência
diferente de um olhar sobre o mundo, no sentido de
sempre questionar o já sabido.
O filosofar
A filosofia surge quando o pensar é posto em
causa, tomando-se objeto de reflexão. Não se
trata, porém, de qualquer reflexão.
Examinemos a palavra reflexão: quando vemos nossa
imagem        refletida    no     espelho,     há    um
“desdobramento”, porque estamos aqui e estamos
lá. Refletida pela luz, ela vai até o espelho e retorna
—      reflectere,     em     latim,   significa   fazer
retroceder, voltar atrás, Portanto refletir é retomar o
próprio pensamento, pensar o já pensado, voltar
para si mesmo e questionar o já conhecido.
Características do
       pensamento filosófico
O filósofo brasileiro Dermeval Saviani (no livro Educação
brasileira: estrutura e sistema), na tentativa de se
aproximar de uma definição possível, conceitua a filosofia
como uma reflexão radical, rigorosa e de conjunto sobre os
problemas que a realidade apresenta.
Radical
Em latim, radix, radicis significa raiz e, em sentido
figurado, quer dizer fundamento, base. A filosofia
é, pois, radical, não no sentido corriqueiro de ser
inflexível
— nesse caso seria a antifilosofia!, mas porque busca
explicitar os conceitos fundamentais usados em todos
os campos do pensar e do agir. Por exemplo, a
filosofia das ciências examina os pressupostos do
saber cientifico: é ela que define o que é
ciência, como a ciência se distingue da filosofia e de
outros tipos de saber, quais são as características dos
diversos métodos científicos, qual a dimensão de
verdade das teorias científicas e assim por diante. O
mesmo se dá com a psicologia, ao abordar o
conceito de liberdade: indagar se o ser humano é
livre ou determinado já é fazer filosofia.
Rigorosa
São inúmeros os métodos filosóficos em que se apóiam os
pensadores        para     desenvolver       um  pensamento
rigoroso, justificado por argumentos, coerente em suas
diversas partes e sistemático, O filósofo usa de linguagem
rigorosa para evitar as ambigüidades das expressões
cotidianas, o que lhe permite discutir com outros filósofos a
partir de conceitos claramente definidos. Por isso sempre
cria expressões novas ou altera o sentido de palavras
usuais. Por exemplo, Platão criou o conceito eidos, que
significa     “idéia”,     para     referir-se  à     intuição
intelectual, distinta da intuição sensível.
No entanto, o conceito de idéia seria reinventado ao
longo da história da filosofia, assumindo conotações
diferentes em Descartes, Kant, Hegel e assim por
diante. Enquanto a “filosofia de vida” não leva as
conclusões até as últimas consequências e nem
sempre examina os fundamentos delas, o filósofo
especialista deve dispor de um método claramente
explicitado a fim de proceder com rigor. É assim que
se inovam os caminhos de reflexão, tal como o
fizeram Platão, Descartes, Espinosa, Kant, Hegel,
Husserl, Wittgenstein.
De conjunto
A filosofia é de conjunto, globalizante, porque examina os
problemas relacionando os diversos aspectos entre si.
Nesse sentido, a filosofia visa ao todo, à totalidade. Mais
ainda, o objeto da filosofia é tudo, porque nada escapa a
seu interesse.
Por exemplo, o filósofo se debruça sobre assuntos tão
diferentes como a moral, a política, a ciência, o mito,
a religião, o cômico, a arte, a técnica, a educação e
tantos outros. Daí seu caráter transdisciplinar, por ser
capaz de estabelecer o elo entre as diversas
expressões do saber e do agir. Por exemplo, o
avanço da biologia genética desperta a discussão
filosófica da bioética; a produção artística provoca a
reflexão estética e assim por diante.
Reflita
Você já ouviu falar em ética aplicada? É um ramo
contemporâneo da filosofia que discute problemas
de natureza prática que, por sua vez, exigem
justificação racional. É o caso da nossa
responsabilidade pera preservaçao da natureza
discutida na etica amblental.
Para que serve a filosofia?

Há quem zombe da filosofia por considerá-la um
saber inútil. Afinal, ela é ou não é útil?
Vivemos num mundo que valoriza pragmaticamente
as aplicações imediatistas do conhecimento. O senso
comum aplaude a pesquisa científica que visa à cura
do câncer ou da aids; a matemática no ensino
médio é considerada importante porque é exigida no
vestibular; a formação técnica do advogado, do
engenheiro ou das disciplinas está voltada para o
exercício de determinada atividade prática.
Resultado: não é raro que o estudante se pergunte
“Para que estudar filosofia se não vou precisar dela
na minha profissão ?”
A necessidade da filosofia
De acordo com essa linha de pensamento, a filosofia
seria realmente “inútil”, já que não serve para
nenhuma alteração imediata de ordem prática. Sob
esse aspecto, ela é semelhante à arte. Se
perguntarmos qual é a finalidade de uma obra de
arte, veremos que ela tem um fim em si mesma.
Entretanto, não ter utilidade imediata não significa ser
desnecessário. E tanto a arte como a filosofia são
necessárias.
Onde está a necessidade da filosofia? Está no fato de
que, por meio da reflexão (aquele desdobrar-
se, lembra-se?), a filosofia nos permite ter mais de
uma dimensão, além da que é dada pelo agir
imediato no qual o indivíduo prático se encontra
mergulhado. E assim se torna capaz de superar a
situação dada e de “pensar o pensamento”. A
filosofia recupera o que foi perdido no imobilismo das
coisas feitas e, portanto, mortas, porque já
ultrapassadas. A filosofia impede a estagnação.
O filosofar sempre se confronta com o poder, e sua
investigação não fica alheia à ética e à política.
o que afirma o historiador da filosofia François
Châtelet:
“Desde que há Estado — da cidade grega às
burocracias contemporâneas—, a idéia de verdade
sempre se voltou, finalmente, para o lado dos
poderes (...). Por conseguinte, a contribuição
específica da filosofia que se coloca ao serviço da
liberdade, de todas as liberdades, é a de minar, pelas
análises que ela opera e pelas ações que
desencadeia,      as    instituições     repressivas e
simplificadoras: quer se trate da ciência, do
ensino, da tradução, da pesquisa, da medicina, da
familia, da polícia, do fato carcerário, dos sistemas
burocráticos, o que importa é fazer aparecer a
máscara, deslocá-la, arrancá-la...”
(CHÂTELET, François. História da filosofia: idéias, doutrinas.Rio de Janeiro: Zahar, s. d., v. 8. p. 309.)
Atentando para a etimologia do vocábulo grego
correspondente à verdade (alétheia), encontramos o
sentido de “desnudar”, porque a verdade consiste em pôr
a nu o que está escondido. A vocação do filósofo é o
desvelamento do que está encoberto pelo costume, pelo
convencional, pelo poder.
Finalmente, a filosofia exige coragem. Filosofar não é um
exercício puramente intelectual. Descobrir a verdade é ter
a coragem de enfrentar as formas estagnadas do poder
que tentam manter o status quo, é aceitar o desafio da
mudança.
É bem verdade, alguns dirão, sempre houve e haverá
pensadores que bajulam o poder e que emprestam suas
vozes e argumentos para defender tiranos. Nesse caso,
porém, estamos diante das fraquezas do ser humano, seja
por estar sujeito a se enganar, seja por sucumbir ao temor
ou ao desejo de prestígio e glória.
Um filósofo
Lembremos a figura de Sócrates. Viveu em Atenas no
século V a.C. Dizem que era um homem feio, mas
quando falava, exercia estranho fascínio. Procurado
pelos jovens, passava horas discutindo na praça
pública. Interpelava os transeuntes, dizendo-se
ignorante, e fazia perguntas aos que julgavam
entender determinado assunto. Ao final, o interlocutor
concluía não haver saída senão reconhecer a
própria ignorância. Dessa        maneira, Sócrates
conseguiu alguns discípulos, mas também rancorosos
inimigos.
Essa primeira parte do seu método, conhecida como
ironia, consiste em destruir a ilusão do conhecimento.
A ela se segue a maiêutica, centrada na
investigação sobre os conceitos. O interessante nesse
método é que nem sempre as discussões levam de
fato a uma conclusão efetiva. Sabemos disso não
pelo próprio Sócrates, que nunca escreveu livros, mas
por seus discípulos, sobretudo Platão e Xenofonte.
O destino de Sócrates é conhecido: acusado de
corromper a mocidade e negar os deuses oficiais da
cidade, foi condenado à morte. A história de sua
defesa e condenação à morte é contada no diálogo
de Platão, Defesa de Sócrates. Em outro diálogo,
Fédon, Platão relata como, na prisão, o mestre
discutia com os discípulos questões sobre a
imortalidade da alma.
A partir desse relato, podemos fazer algumas observações:
• Sócrates não está ensimesmado como um pensador
alheio ao mundo, e sim na praça pública.
• Seu conhecimento não deriva de um saber
acabado, porque é vivo e em processo de se fazer; e tem
por conteúdo a experiência cotidiana.
• Guia-se pelo princípio de que nada sabe e, dessa
perplexidade primeira, inicia a interrogação e o
questionamento de tudo que parece óbvio.
• Ao criticar o saber dogmático, não quer com isso dizer
que ele próprio seja detentor de um saber. Desperta as
consciências adormecidas, mas não se considera um
farol que ilumina: o caminho novo deve ser construido
pela discussao, que é intersubjetiva, e pela busca criativas
das soluções,
• Sócrates é “subversivo” porque “desnorteia”, perturba a
“ordem” do conhecer e do fazer e por isso incomoda
tanto os poderosos.
Sócrates e a filosofia
Se fizermos um paralelo entre Sócrates e a
filosofia, concluiremos que o lugar da filosofia também é
a praça pública, por isso sua vocação política. Porque
alteradora da ordem, perturba, mesmo quando as
pessoas se riem do filósofo ou o consideram
simplesmente inútil. Por via das dúvidas, o
amordaçam, cortam o mal pela raiz, e até retiram a
filosofia das escolas, como costuma acontecer nas
ditaduras. Mas há outras maneiras de “matar” a
filosofia: quando a tomamos pensamento dogmático e
discurso do poder; ou, ainda, quando a consideramos
“coisa do passado” ou “fora de moda”; ou quando
cinicamente reabilitamos Sócrates morto, já que então
se tomou inofensivo.
Mais que um saber, a filosofia é urna atitude diante
da vida, tanto no dia-a-dia como nas situações-limite
que exigem decisões cruciais. Por isso, no encontro
com a tradição filosófica, é preferível não recebê-la
passivamente como um produto, como algo
acabado,         mas       compreendê-la        como
processo, reliexão crítica e autônoma a respeito da
realidade.
• Para      Karl     jaspers,     filósofo    alemão
  contemporâneo, a filosofia é a procura, mas nâo
  aposse da verdade, porque “fazer filosofia é estar
  a caminho; as perguntas em filosofia são mais
  essenciais que as respostas e cada resposta
  transforma-se numa nova pergunta”.
Fonte
Aranha, Maria Lúcia de Arruda. Introdução à
Filosofia, São Paulo: Moderna, 2008.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A origem da reflexão filosófica eo significado de filosofia.
A origem da reflexão filosófica eo significado de filosofia.A origem da reflexão filosófica eo significado de filosofia.
A origem da reflexão filosófica eo significado de filosofia.
Flávia Perroni
 
Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)
Wilton Moretto
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
Secretaria da Educação
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
Professor Sypriano
 
Felicidade 2018
Felicidade 2018Felicidade 2018
Felicidade 2018
Tavinho Koneski Westphal
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
Ricardogomes123
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Filosofia e Origem da F...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Filosofia e Origem da F...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Filosofia e Origem da F...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Filosofia e Origem da F...
Turma Olímpica
 
Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
Jorge Barbosa
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
João Paulo Rodrigues
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
Italo Colares
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
Ivanderson da Silva
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
José Antonio Ferreira da Silva
 
Filosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slideFilosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slide
Daniel Filosofo
 
O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofia
Marcelo Avila
 
UM POUCO DE FILOSOFIA DA CIENCIA (aula 1)
UM POUCO DE FILOSOFIA DA CIENCIA (aula 1)UM POUCO DE FILOSOFIA DA CIENCIA (aula 1)
UM POUCO DE FILOSOFIA DA CIENCIA (aula 1)
Sandra Lago Moraes
 
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
João Marcelo
 
Atitudes filosóficas
Atitudes filosóficasAtitudes filosóficas
Atitudes filosóficas
Mary Alvarenga
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
Silmara Vedoveli
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 

Mais procurados (20)

A origem da reflexão filosófica eo significado de filosofia.
A origem da reflexão filosófica eo significado de filosofia.A origem da reflexão filosófica eo significado de filosofia.
A origem da reflexão filosófica eo significado de filosofia.
 
Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
Felicidade 2018
Felicidade 2018Felicidade 2018
Felicidade 2018
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Filosofia e Origem da F...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Filosofia e Origem da F...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Filosofia e Origem da F...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Filosofia e Origem da F...
 
Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
 
Filosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slideFilosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slide
 
O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofia
 
UM POUCO DE FILOSOFIA DA CIENCIA (aula 1)
UM POUCO DE FILOSOFIA DA CIENCIA (aula 1)UM POUCO DE FILOSOFIA DA CIENCIA (aula 1)
UM POUCO DE FILOSOFIA DA CIENCIA (aula 1)
 
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
 
Atitudes filosóficas
Atitudes filosóficasAtitudes filosóficas
Atitudes filosóficas
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 

Destaque

Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
Origem Da Filosofia
Origem Da FilosofiaOrigem Da Filosofia
Origem Da Filosofia
Robson Santos
 
O Que é Filosofia?
O Que é Filosofia?O Que é Filosofia?
O Que é Filosofia?
Rene Lins
 
O nascimento da filosofia
O nascimento da filosofiaO nascimento da filosofia
O nascimento da filosofia
Raniery Braga
 
Slide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofiaSlide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofia
iranildespm
 
Nascimento da filosofia
Nascimento da filosofiaNascimento da filosofia
Nascimento da filosofia
Filazambuja
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
Aula revisão - Filosofia
Aula revisão - FilosofiaAula revisão - Filosofia
Aula revisão - Filosofia
erickxk
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
Luci Bonini
 
Para que serve a filosofia
Para que serve a filosofiaPara que serve a filosofia
Para que serve a filosofia
superego
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
mluisavalente
 
O nascimento da filosofia
O nascimento da filosofiaO nascimento da filosofia
O nascimento da filosofia
Portal do Vestibulando
 
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - FilosofandoA Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
Abraão Carvalho
 
Exercicio de filosofia
Exercicio de filosofiaExercicio de filosofia
Exercicio de filosofia
Marcio
 
Passagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofiaPassagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofia
Pedro Almeida
 
Principais reflexões sobre política
Principais reflexões sobre políticaPrincipais reflexões sobre política
Principais reflexões sobre política
EEEP MCVM - Secretariado 3'
 
Dermeval saviani
Dermeval savianiDermeval saviani
Dermeval saviani
DeaaSouza
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
Orlando Guedes Gouveia
 
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena ChauíPara que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Contatonalua
 
Filosofia de Vida
Filosofia de VidaFilosofia de Vida
Filosofia de Vida
PPS Fã
 

Destaque (20)

Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Origem Da Filosofia
Origem Da FilosofiaOrigem Da Filosofia
Origem Da Filosofia
 
O Que é Filosofia?
O Que é Filosofia?O Que é Filosofia?
O Que é Filosofia?
 
O nascimento da filosofia
O nascimento da filosofiaO nascimento da filosofia
O nascimento da filosofia
 
Slide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofiaSlide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofia
 
Nascimento da filosofia
Nascimento da filosofiaNascimento da filosofia
Nascimento da filosofia
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Aula revisão - Filosofia
Aula revisão - FilosofiaAula revisão - Filosofia
Aula revisão - Filosofia
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Para que serve a filosofia
Para que serve a filosofiaPara que serve a filosofia
Para que serve a filosofia
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
 
O nascimento da filosofia
O nascimento da filosofiaO nascimento da filosofia
O nascimento da filosofia
 
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - FilosofandoA Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
 
Exercicio de filosofia
Exercicio de filosofiaExercicio de filosofia
Exercicio de filosofia
 
Passagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofiaPassagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofia
 
Principais reflexões sobre política
Principais reflexões sobre políticaPrincipais reflexões sobre política
Principais reflexões sobre política
 
Dermeval saviani
Dermeval savianiDermeval saviani
Dermeval saviani
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena ChauíPara que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
 
Filosofia de Vida
Filosofia de VidaFilosofia de Vida
Filosofia de Vida
 

Semelhante a A reflexão filosófica

Para que Filosofia do Direito?
Para que Filosofia do Direito?Para que Filosofia do Direito?
Para que Filosofia do Direito?
Fábio Nogueira, PhD
 
Para que filosofia do direito
Para que filosofia do direitoPara que filosofia do direito
Para que filosofia do direito
Joao Carlos
 
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Joao Carlos
 
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.pptCAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
MarcoAntonio251662
 
filosofia e ética
filosofia e éticafilosofia e ética
filosofia e ética
israelpereira41
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Nuno Pereira
 
Introfilosofia
IntrofilosofiaIntrofilosofia
Introfilosofia
Aida Cunha
 
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docxATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
Elieidw
 
004- A Origem Da Palavra Filosofia- 1º Ano.pptx
004- A Origem Da Palavra Filosofia- 1º Ano.pptx004- A Origem Da Palavra Filosofia- 1º Ano.pptx
004- A Origem Da Palavra Filosofia- 1º Ano.pptx
Milena Leite
 
V dfilo cap01_introducao
V dfilo cap01_introducaoV dfilo cap01_introducao
V dfilo cap01_introducao
Leonardo Espíndola Espindola Moreira
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
PrDonizete Apolinario
 
1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar
MaraCoelho27
 
O que e filosofia
O que e filosofiaO que e filosofia
O que e filosofia
Joao Carlos
 
O que é a Filosofia.pptx
O que é a Filosofia.pptxO que é a Filosofia.pptx
O que é a Filosofia.pptx
TercioSantana2
 
A FILOSOFIA E SUA HISTÓRIA
A FILOSOFIA E SUA HISTÓRIAA FILOSOFIA E SUA HISTÓRIA
A FILOSOFIA E SUA HISTÓRIA
Alexandre Ramos
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Andrea Parlen
 
Sumários Desenvolvidos de Filosofia do Direito
Sumários Desenvolvidos de Filosofia do DireitoSumários Desenvolvidos de Filosofia do Direito
Sumários Desenvolvidos de Filosofia do Direito
nelson0802
 
A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)
A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)
A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)
Claudemir Barbosa
 
filosofia conceitos, o porque è preciso.docx
filosofia conceitos, o porque è preciso.docxfilosofia conceitos, o porque è preciso.docx
filosofia conceitos, o porque è preciso.docx
JosliaAlves3
 
Introdução histórica à filosofia das ciências.pdf
Introdução histórica à filosofia das ciências.pdfIntrodução histórica à filosofia das ciências.pdf
Introdução histórica à filosofia das ciências.pdf
FelipeCarlosSpitz
 

Semelhante a A reflexão filosófica (20)

Para que Filosofia do Direito?
Para que Filosofia do Direito?Para que Filosofia do Direito?
Para que Filosofia do Direito?
 
Para que filosofia do direito
Para que filosofia do direitoPara que filosofia do direito
Para que filosofia do direito
 
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
 
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.pptCAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
 
filosofia e ética
filosofia e éticafilosofia e ética
filosofia e ética
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Introfilosofia
IntrofilosofiaIntrofilosofia
Introfilosofia
 
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docxATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
 
004- A Origem Da Palavra Filosofia- 1º Ano.pptx
004- A Origem Da Palavra Filosofia- 1º Ano.pptx004- A Origem Da Palavra Filosofia- 1º Ano.pptx
004- A Origem Da Palavra Filosofia- 1º Ano.pptx
 
V dfilo cap01_introducao
V dfilo cap01_introducaoV dfilo cap01_introducao
V dfilo cap01_introducao
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar
 
O que e filosofia
O que e filosofiaO que e filosofia
O que e filosofia
 
O que é a Filosofia.pptx
O que é a Filosofia.pptxO que é a Filosofia.pptx
O que é a Filosofia.pptx
 
A FILOSOFIA E SUA HISTÓRIA
A FILOSOFIA E SUA HISTÓRIAA FILOSOFIA E SUA HISTÓRIA
A FILOSOFIA E SUA HISTÓRIA
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
 
Sumários Desenvolvidos de Filosofia do Direito
Sumários Desenvolvidos de Filosofia do DireitoSumários Desenvolvidos de Filosofia do Direito
Sumários Desenvolvidos de Filosofia do Direito
 
A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)
A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)
A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)
 
filosofia conceitos, o porque è preciso.docx
filosofia conceitos, o porque è preciso.docxfilosofia conceitos, o porque è preciso.docx
filosofia conceitos, o porque è preciso.docx
 
Introdução histórica à filosofia das ciências.pdf
Introdução histórica à filosofia das ciências.pdfIntrodução histórica à filosofia das ciências.pdf
Introdução histórica à filosofia das ciências.pdf
 

Mais de Marcelo Ferreira Boia

Hebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persasHebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persas
Marcelo Ferreira Boia
 
Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
Marcelo Ferreira Boia
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Marcelo Ferreira Boia
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Marcelo Ferreira Boia
 
Era Vargas 1
Era Vargas 1Era Vargas 1
Era Vargas 1
Marcelo Ferreira Boia
 
Era Vargas
Era Vargas Era Vargas
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
Marcelo Ferreira Boia
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
Marcelo Ferreira Boia
 
Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial
Marcelo Ferreira Boia
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
Processo de colonização do brasil
Processo de colonização do brasilProcesso de colonização do brasil
Processo de colonização do brasil
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
America espanhola
America espanhola America espanhola
America espanhola
Marcelo Ferreira Boia
 
America espanhola (1)
America espanhola (1)America espanhola (1)
America espanhola (1)
Marcelo Ferreira Boia
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
Marcelo Ferreira Boia
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Marcelo Ferreira Boia
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
Marcelo Ferreira Boia
 
Primeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundialPrimeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundial
Marcelo Ferreira Boia
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia

Mais de Marcelo Ferreira Boia (20)

Hebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persasHebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persas
 
Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Era Vargas 1
Era Vargas 1Era Vargas 1
Era Vargas 1
 
Era Vargas
Era Vargas Era Vargas
Era Vargas
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
 
Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Processo de colonização do brasil
Processo de colonização do brasilProcesso de colonização do brasil
Processo de colonização do brasil
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
America espanhola
America espanhola America espanhola
America espanhola
 
America espanhola (1)
America espanhola (1)America espanhola (1)
America espanhola (1)
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
 
Primeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundialPrimeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundial
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 

A reflexão filosófica

  • 1. A REFLEXÃO FILOSÓFICA O QUE É FILOSOFIA? Prof. Marcelo Boia
  • 2. Antes de respondermos a essa pergunta, vamos partir para outro questionamento: o que é filosofar? De maneira geral, pode-se dizer que, por sermos pessoas racionais e sensíveis, procuramos sempre atribuir sentido às coisas. A esse filosofar espontâneo de todos nós poderíamos chamar filosofia de vida.
  • 3. Então as questões filosóficas fazem parte do nosso cotidiano? Fazem sim. Quando decidimos votar no candidato de um partido político e não de outro; quando deixamos o emprego bem pago por outro não tão bem remunerado, se bem mais atraente; quando altemamos a jornada de trabalho com a prática de esporte ou com a decisão de ficar em casa assistindo à tv, e assim por diante. E preciso reconhecer que existem critérios bem diferentes fundamentando tais decisões.
  • 4. A propósito desse assunto, o filósofo italiano Antonio Gramsci diz: “não se pode pensar em nenhum homem que não seja também filósofo, que não pense, precisamente porque pensar é próprio do homem como tal”.
  • 5. A filosofia de vida não se confunde com o tipo de reflexão do filósofo, porque este conhece a história da filosofia e sempre levanta problemas que tenta resolver por meio de argumentos e conceitos rigorosos, que vão além do simples bom senso, além do que chamamos filosofia de vida. Talvez você esteja se perguntando: como então definir o que é filosofia?
  • 6. Comecemos por uma citação do filósofo alemão contemporâneo EdmundHusserl: “O que pretendo sob o título de filosofia, como fim e campo das minhas elaborações, sei-o, naturalmente. E contudo não o sei... Qual o pensador para quem, na sua vida de filósofo, a filosofia deixou de ser um enigma?... Só os pensadores secundários que, na verdade, não se podem chamar filósofos, estão contentes com as suas definições”.
  • 7. O que Husserl quer dizer? Que a pergunta “O que é a filosofia?” desencadeia por si mesma uma questão filosófica. Ainda assim, os pensadores arriscam dar respostas, sabendo que são sempre provisórias, porque se aproximam do conceito de filosofia de modo tateante para examinar suas características.
  • 8. Pitágoras (século VI a.C.), um dos mais antigos pensadores gregos, teria usado pela primeira vez a palavra filosofia (philo-sophia) , que significa amor a sabedoria. Por essa razão, a filosofia não é pura racionalidade, mas a procura amorosa da verdade.
  • 9. Muitos identificam a filosofia como uma atividade racional e teórica, mas isso não significa que ela esteja à margem do mundo, nem que constitua uma doutrina, um saber acabado, ou que seja um conjunto de conhecimentos incontestáveis.
  • 10. À primeira vista, entendemos a filosofia como algo enigmático, profundamente abstrato e distante da realidade. Essa visão da filosofia decorre dos complexos trabalhos de pensadores que, ao longo da história, refletiram e buscaram diferentes respostas sobre questões que continuamente fazemos ao longo de nossa existência. Indagações sobre o conhecimento, sobre os valores, sobre a natureza, sobre a beleza, sobre o homem.
  • 11. Essas inquietações decorrem da necessidade que todo ser humano tem de compreender o significado do mundo e de si mesmo. Na busca dessa compreensão criamos novos significados, questionando e tecendo uma teia de relações cada vez mais abrangentes que nos indiquem respostas, mesmo que provisórias.
  • 12. Desta forma, o primeiro passo para a filosofia é a inquietação que conduz ao questionamento. O objeto da filosofia é a reflexão, o movimento do pensamento que nos permite recuar, nos distanciarmos dos fatos aparentemente banais para buscarmos seus fundamentos.
  • 13. Pelo contrário, a filosofia pressupõe constante disponibilidade para a indagação. Por isso, segundo Platão, a primeira virtude do filósofo é admirar-se, ser capaz de se surpreender com o óbvio e questionar o que já existe como verdade. Essa é a condição para problematizar, o que marca a filosofia não como posse da verdade, e sim como sua busca.
  • 14. Kant, filósofo alemão do século XVIII, assim se refere ao filosofar: (...) não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar, ou seja, exercitar o talento da razão, fazendo-a seguir os seus princípios universais em certas tentativas filosóficas já existentes, mas sempre reservando à razão o direito de investigar aqueles princípios até mesmo em suas fontes, confirmando-os ou rejeitando-os”.KANT, lmmanuel. Critica da razão pura. São Paulo: Abril
  • 15. Podemos dizer então que filosofia é sobretudo uma atitude, um pensar permanente. É uma experiência diferente de um olhar sobre o mundo, no sentido de sempre questionar o já sabido.
  • 16. O filosofar A filosofia surge quando o pensar é posto em causa, tomando-se objeto de reflexão. Não se trata, porém, de qualquer reflexão. Examinemos a palavra reflexão: quando vemos nossa imagem refletida no espelho, há um “desdobramento”, porque estamos aqui e estamos lá. Refletida pela luz, ela vai até o espelho e retorna — reflectere, em latim, significa fazer retroceder, voltar atrás, Portanto refletir é retomar o próprio pensamento, pensar o já pensado, voltar para si mesmo e questionar o já conhecido.
  • 17. Características do pensamento filosófico O filósofo brasileiro Dermeval Saviani (no livro Educação brasileira: estrutura e sistema), na tentativa de se aproximar de uma definição possível, conceitua a filosofia como uma reflexão radical, rigorosa e de conjunto sobre os problemas que a realidade apresenta.
  • 18. Radical Em latim, radix, radicis significa raiz e, em sentido figurado, quer dizer fundamento, base. A filosofia é, pois, radical, não no sentido corriqueiro de ser inflexível — nesse caso seria a antifilosofia!, mas porque busca explicitar os conceitos fundamentais usados em todos os campos do pensar e do agir. Por exemplo, a filosofia das ciências examina os pressupostos do saber cientifico: é ela que define o que é ciência, como a ciência se distingue da filosofia e de outros tipos de saber, quais são as características dos diversos métodos científicos, qual a dimensão de verdade das teorias científicas e assim por diante. O mesmo se dá com a psicologia, ao abordar o conceito de liberdade: indagar se o ser humano é livre ou determinado já é fazer filosofia.
  • 19. Rigorosa São inúmeros os métodos filosóficos em que se apóiam os pensadores para desenvolver um pensamento rigoroso, justificado por argumentos, coerente em suas diversas partes e sistemático, O filósofo usa de linguagem rigorosa para evitar as ambigüidades das expressões cotidianas, o que lhe permite discutir com outros filósofos a partir de conceitos claramente definidos. Por isso sempre cria expressões novas ou altera o sentido de palavras usuais. Por exemplo, Platão criou o conceito eidos, que significa “idéia”, para referir-se à intuição intelectual, distinta da intuição sensível.
  • 20. No entanto, o conceito de idéia seria reinventado ao longo da história da filosofia, assumindo conotações diferentes em Descartes, Kant, Hegel e assim por diante. Enquanto a “filosofia de vida” não leva as conclusões até as últimas consequências e nem sempre examina os fundamentos delas, o filósofo especialista deve dispor de um método claramente explicitado a fim de proceder com rigor. É assim que se inovam os caminhos de reflexão, tal como o fizeram Platão, Descartes, Espinosa, Kant, Hegel, Husserl, Wittgenstein.
  • 21. De conjunto A filosofia é de conjunto, globalizante, porque examina os problemas relacionando os diversos aspectos entre si. Nesse sentido, a filosofia visa ao todo, à totalidade. Mais ainda, o objeto da filosofia é tudo, porque nada escapa a seu interesse.
  • 22. Por exemplo, o filósofo se debruça sobre assuntos tão diferentes como a moral, a política, a ciência, o mito, a religião, o cômico, a arte, a técnica, a educação e tantos outros. Daí seu caráter transdisciplinar, por ser capaz de estabelecer o elo entre as diversas expressões do saber e do agir. Por exemplo, o avanço da biologia genética desperta a discussão filosófica da bioética; a produção artística provoca a reflexão estética e assim por diante.
  • 23. Reflita Você já ouviu falar em ética aplicada? É um ramo contemporâneo da filosofia que discute problemas de natureza prática que, por sua vez, exigem justificação racional. É o caso da nossa responsabilidade pera preservaçao da natureza discutida na etica amblental.
  • 24. Para que serve a filosofia? Há quem zombe da filosofia por considerá-la um saber inútil. Afinal, ela é ou não é útil?
  • 25. Vivemos num mundo que valoriza pragmaticamente as aplicações imediatistas do conhecimento. O senso comum aplaude a pesquisa científica que visa à cura do câncer ou da aids; a matemática no ensino médio é considerada importante porque é exigida no vestibular; a formação técnica do advogado, do engenheiro ou das disciplinas está voltada para o exercício de determinada atividade prática. Resultado: não é raro que o estudante se pergunte “Para que estudar filosofia se não vou precisar dela na minha profissão ?”
  • 26. A necessidade da filosofia De acordo com essa linha de pensamento, a filosofia seria realmente “inútil”, já que não serve para nenhuma alteração imediata de ordem prática. Sob esse aspecto, ela é semelhante à arte. Se perguntarmos qual é a finalidade de uma obra de arte, veremos que ela tem um fim em si mesma. Entretanto, não ter utilidade imediata não significa ser desnecessário. E tanto a arte como a filosofia são necessárias.
  • 27. Onde está a necessidade da filosofia? Está no fato de que, por meio da reflexão (aquele desdobrar- se, lembra-se?), a filosofia nos permite ter mais de uma dimensão, além da que é dada pelo agir imediato no qual o indivíduo prático se encontra mergulhado. E assim se torna capaz de superar a situação dada e de “pensar o pensamento”. A filosofia recupera o que foi perdido no imobilismo das coisas feitas e, portanto, mortas, porque já ultrapassadas. A filosofia impede a estagnação. O filosofar sempre se confronta com o poder, e sua investigação não fica alheia à ética e à política.
  • 28. o que afirma o historiador da filosofia François Châtelet: “Desde que há Estado — da cidade grega às burocracias contemporâneas—, a idéia de verdade sempre se voltou, finalmente, para o lado dos poderes (...). Por conseguinte, a contribuição específica da filosofia que se coloca ao serviço da liberdade, de todas as liberdades, é a de minar, pelas análises que ela opera e pelas ações que desencadeia, as instituições repressivas e simplificadoras: quer se trate da ciência, do ensino, da tradução, da pesquisa, da medicina, da familia, da polícia, do fato carcerário, dos sistemas burocráticos, o que importa é fazer aparecer a máscara, deslocá-la, arrancá-la...” (CHÂTELET, François. História da filosofia: idéias, doutrinas.Rio de Janeiro: Zahar, s. d., v. 8. p. 309.)
  • 29. Atentando para a etimologia do vocábulo grego correspondente à verdade (alétheia), encontramos o sentido de “desnudar”, porque a verdade consiste em pôr a nu o que está escondido. A vocação do filósofo é o desvelamento do que está encoberto pelo costume, pelo convencional, pelo poder. Finalmente, a filosofia exige coragem. Filosofar não é um exercício puramente intelectual. Descobrir a verdade é ter a coragem de enfrentar as formas estagnadas do poder que tentam manter o status quo, é aceitar o desafio da mudança. É bem verdade, alguns dirão, sempre houve e haverá pensadores que bajulam o poder e que emprestam suas vozes e argumentos para defender tiranos. Nesse caso, porém, estamos diante das fraquezas do ser humano, seja por estar sujeito a se enganar, seja por sucumbir ao temor ou ao desejo de prestígio e glória.
  • 30. Um filósofo Lembremos a figura de Sócrates. Viveu em Atenas no século V a.C. Dizem que era um homem feio, mas quando falava, exercia estranho fascínio. Procurado pelos jovens, passava horas discutindo na praça pública. Interpelava os transeuntes, dizendo-se ignorante, e fazia perguntas aos que julgavam entender determinado assunto. Ao final, o interlocutor concluía não haver saída senão reconhecer a própria ignorância. Dessa maneira, Sócrates conseguiu alguns discípulos, mas também rancorosos inimigos.
  • 31. Essa primeira parte do seu método, conhecida como ironia, consiste em destruir a ilusão do conhecimento. A ela se segue a maiêutica, centrada na investigação sobre os conceitos. O interessante nesse método é que nem sempre as discussões levam de fato a uma conclusão efetiva. Sabemos disso não pelo próprio Sócrates, que nunca escreveu livros, mas por seus discípulos, sobretudo Platão e Xenofonte.
  • 32. O destino de Sócrates é conhecido: acusado de corromper a mocidade e negar os deuses oficiais da cidade, foi condenado à morte. A história de sua defesa e condenação à morte é contada no diálogo de Platão, Defesa de Sócrates. Em outro diálogo, Fédon, Platão relata como, na prisão, o mestre discutia com os discípulos questões sobre a imortalidade da alma.
  • 33. A partir desse relato, podemos fazer algumas observações: • Sócrates não está ensimesmado como um pensador alheio ao mundo, e sim na praça pública. • Seu conhecimento não deriva de um saber acabado, porque é vivo e em processo de se fazer; e tem por conteúdo a experiência cotidiana. • Guia-se pelo princípio de que nada sabe e, dessa perplexidade primeira, inicia a interrogação e o questionamento de tudo que parece óbvio. • Ao criticar o saber dogmático, não quer com isso dizer que ele próprio seja detentor de um saber. Desperta as consciências adormecidas, mas não se considera um farol que ilumina: o caminho novo deve ser construido pela discussao, que é intersubjetiva, e pela busca criativas das soluções, • Sócrates é “subversivo” porque “desnorteia”, perturba a “ordem” do conhecer e do fazer e por isso incomoda tanto os poderosos.
  • 34. Sócrates e a filosofia Se fizermos um paralelo entre Sócrates e a filosofia, concluiremos que o lugar da filosofia também é a praça pública, por isso sua vocação política. Porque alteradora da ordem, perturba, mesmo quando as pessoas se riem do filósofo ou o consideram simplesmente inútil. Por via das dúvidas, o amordaçam, cortam o mal pela raiz, e até retiram a filosofia das escolas, como costuma acontecer nas ditaduras. Mas há outras maneiras de “matar” a filosofia: quando a tomamos pensamento dogmático e discurso do poder; ou, ainda, quando a consideramos “coisa do passado” ou “fora de moda”; ou quando cinicamente reabilitamos Sócrates morto, já que então se tomou inofensivo.
  • 35. Mais que um saber, a filosofia é urna atitude diante da vida, tanto no dia-a-dia como nas situações-limite que exigem decisões cruciais. Por isso, no encontro com a tradição filosófica, é preferível não recebê-la passivamente como um produto, como algo acabado, mas compreendê-la como processo, reliexão crítica e autônoma a respeito da realidade. • Para Karl jaspers, filósofo alemão contemporâneo, a filosofia é a procura, mas nâo aposse da verdade, porque “fazer filosofia é estar a caminho; as perguntas em filosofia são mais essenciais que as respostas e cada resposta transforma-se numa nova pergunta”.
  • 36. Fonte Aranha, Maria Lúcia de Arruda. Introdução à Filosofia, São Paulo: Moderna, 2008.