SlideShare uma empresa Scribd logo
A Filosofia e seu Ensino:A Filosofia e seu Ensino:
conceito e transversalidadeconceito e transversalidade
Será possívelSerá possível
ensinar filosofia?ensinar filosofia?
1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da
filosofiafilosofia
Sim, é possível. Mas devemos ter
clareza de que filosofia falamos.
E precisamos estar atentos a
alguns alertas...
1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da
filosofiafilosofia
Três alertas ao professor:
Atenção ao filosofar como
ato/processo;
Atenção à história da filosofia;
Atenção à criatividade: recusa da
tradição para emergência do novo
1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da
filosofiafilosofia
O filósofo espanhol Fernando Savater,
em As Perguntas da Vida, apresenta
quatro premissas sobre o ensino de
filosofia, às quais todo professor
precisa estar atento:
1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da
filosofiafilosofia
“primeira, que não existe ‘a’ filosofia,
mas ‘as’ filosofias e, sobretudo, o
filosofar (...) Há uma perspectiva
filosófica (em face da perspectiva
científica ou artística), mas felizmente
ela é multifacetada (...)”
Savater, As Perguntas da Vida
1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da
filosofiafilosofia
“segunda, que o estudo da filosofia não
é interessante porque a ela se
dedicaram talentos extraordinários
como Aristóteles ou Kant, mas esses
talentos nos interessam porque se
ocuparam dessas questões de amplo
alcance que são tão importantes
para nossa própria vida humana,
racional e civilizada (...)”
Savater, As Perguntas da Vida
1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da
filosofiafilosofia
“terceira, que até os melhores filósofos
disseram absurdos notórios e
cometeram erros graves. Quem mais
se arrisca a pensar fora dos caminhos
intelectualmente trilhados corre mais
riscos de se equivocar, e digo isso
como elogio e não como censura
(...)”
Savater, As Perguntas da Vida
1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da
filosofiafilosofia
“quarta, que em determinadas
questões extremamente gerais
aprender a perguntar bem também é
aprender a desconfiar das respostas
demasiado taxativas (...)”
Savater, As Perguntas da Vida
É possível aprender filosofia?É possível aprender filosofia?
Se nos pomos de acordo sobre
a possibilidade de ensinar
filosofia, então precisamos
perguntar: alguém aprende,
quando ensinamos?
2. da “aprendizibilidade” da2. da “aprendizibilidade” da
filosofiafilosofia
Pode até haver métodos para
ensinar, mas não há métodos
para aprender.
O método é uma máquina de
controle, mas a aprendizagem
está para além de qualquer
controle.
2. da “aprendizibilidade” da2. da “aprendizibilidade” da
filosofiafilosofia
“Nunca se sabe de antemão como alguém vai aprender –
que amores tornam alguém bom em Latim, por meio de
que encontros se é filósofo, em que dicionários se
aprende a pensar. Os limites das faculdades se
encaixam uns nos outros sob a forma quebrada daquilo
que traz e transmite a diferença. Não há método para
encontrar tesouros nem para aprender, mas um violento
adestramento, uma cultura ou paideia que percorre
inteiramente todo o indivíduo (um albino em que nasce
o ato de sentir na sensibilidade, um afásico em que
nasce a fala na linguagem, um acéfalo em que nasce o
pensar no pensamento).”
Gilles Deleuze, Diferença e Repetição
2. da “aprendizibilidade” da2. da “aprendizibilidade” da
filosofiafilosofia
o filósofo é sempre um aprendiz. Está mais
para o rato no labirinto, que precisa
aprender a saída; está mais para o sujeito
de dentro da caverna, que descobre sua
condição e procura a saída, do que para o
sujeito já fora da caverna, que contempla o
verdadeiro saber (a Idéia).
4. da “aprendizibilidade” da4. da “aprendizibilidade” da
filosofiafilosofia
“Aprender vem a ser tão-somente o intermediário entre
não-saber e saber, a passagem viva de um ao outro.
Pode-se dizer que aprender, afinal de contas, é uma
tarefa infinita, mas esta não deixa de ser rejeitada
para o lado das circunstâncias e da aquisição, posta
para fora da essência supostamente simples do
saber como inatismo, elemento a priori ou mesmo
Idéia reguladora. E, finalmente, a aprendizagem está,
antes de mais nada, do lado do rato no labirinto, ao
passo que o filósofo fora da caverna considera
somente o resultado – o saber – para dele extrair os
princípios transcendentais.”
Gilles Deleuze, Diferença e Repetição
2. da “aprendizibilidade” da2. da “aprendizibilidade” da
filosofiafilosofia
o filósofo é um buscador;
busca tão intensamente que
às vezes chega a pensar que encontrou
aquilo que buscará sempre
(com a licença poética de Fernando Pessoa...)
Por que Filosofia noPor que Filosofia no
Ensino Médio?Ensino Médio?
3. por que filosofia?3. por que filosofia?
podemos falar em 3 grandes
áreas do conhecimento
humano, fundamentais em
todo processo educativo:
 as ciências;
 as artes;
 as filosofias
3. por que filosofia?3. por que filosofia?
as ciências e as artes estão
garantidas nos currículos, mas
as filosofias nem sempre o
estão...
há uma especificidade da
filosofia que apenas ela pode
garantir na formação de
alguém
A especificidade daA especificidade da
FilosofiaFilosofia
4. a especificidade da4. a especificidade da
filosofiafilosofia
características da filosofia:
 pensamento conceitual
 caráter dialógico
 crítica radical
4. a especificidade da4. a especificidade da
filosofiafilosofia
o específico da filosofia é o
trabalho com o conceito;
podemos defini-la como a
atividade de criação de
conceitos
4. a especificidade da4. a especificidade da
filosofiafilosofia
o conceito é uma forma
racional de equacionar um
problema ou problemas,
exprimindo uma visão
coerente do vivido
4. a especificidade da4. a especificidade da
filosofiafilosofia
o conceito não é abstrato nem
transcendente, mas
imanente, uma vez que parte
necessariamente de
problemas experimentados
A aula de filosofia e oA aula de filosofia e o
trabalho com otrabalho com o
conceitoconceito
5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de
conceitosconceitos
pensando a filosofia como
atividade de criação de
conceitos, a aula de filosofia
deve ser como que uma
oficina de conceitos, onde
eles são experimentados,
criados, testados...
5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de
conceitosconceitos
Oficina de conceitos é experimentação:
“pensar é experimentar, mas a
experimentação é sempre o que se
está fazendo – o novo, o notável, o
interessante, que substituem a
aparência de verdade e que são
mais exigentes que ela.”
G. Deleuze & F. Guattari, O que é a filosofia?
5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de
conceitosconceitos
Etapas de trabalho numa
“oficina de conceitos”:
1.Sensibilização
2.Problematização
3.Investigação
4.Conceituação
5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de
conceitosconceitos
Sensibilização:
Trata-se de chamar a atenção
para o tema de trabalho,
criar uma empatia com ele,
isto é, fazer com que o
tema “afete” aos estudantes
5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de
conceitosconceitos
Problematização:
Trata-se de transformar o
tema em problema, isto é,
fazer com que ele suscite
em cada um o desejo de
buscar soluções
5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de
conceitosconceitos
Investigação:
Trata-se de buscar elementos
que permitam a solução do
problema. Uma investigação
filosófica busca os conceitos na
história da filosofia que podem
servir como ferramentas
5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de
conceitosconceitos
Conceituação:
Trata-se de recriar os
conceitos encontrados de
modo a equacionarem
nosso problema, ou mesmo
de criar novos conceitos
ciências
filosofias
artes
A transversalidade daA transversalidade da
FilosofiaFilosofia
6. a transversalidade da6. a transversalidade da
filosofiafilosofia
uma característica intrínseca da
filosofia é a transversalidade
a filosofia não se fecha em si
mesma, ensimesmada, mas
abre-se sempre a outrem, busca
a relação
ciências
filosofias
artes
6. a transversalidade da6. a transversalidade da
filosofiafilosofia
não se cria conceito hoje, não se
produz filosofia, sem o recurso
da conexão com as artes e as
ciências. Embora sejam distintas
e independentes, elas se
retroalimentam e se fecundam
ciências
filosofias
artes
6. a transversalidade da6. a transversalidade da
filosofiafilosofia
“O conceito não é paradigmático, mas
sintagmático; não é projetivo, mas conectivo;
não é hierárquico, mas vicinal; não é referente,
mas consistente. É forçoso, daí, que a filosofia, a
ciência e a arte não se organizem mais como os
níveis de uma mesma projeção e, mesmo, que
não se diferenciem a partir de uma matriz
comum, mas se coloquem ou se reconstituam
imediatamente numa independência respectiva,
uma divisão do trabalho que suscita entre elas
relações de conexão.”
G. Deleuze & F. Guattari, O que é a filosofia?
ciências
filosofias
artes
6. a transversalidade da6. a transversalidade da
filosofiafilosofia
no entanto, no contexto de um
currículo disciplinar, a filosofia
não pode aparecer apenas
“transversalizada”;
sem a demarcação daquilo que
lhe é específico, não há
transversalidade possível...
ciências
filosofias
artes
6. a transversalidade da6. a transversalidade da
filosofiafilosofia
Portanto, num currículo disciplinar
é importante que haja uma
disciplina de Filosofia, para
que ela possa contribuir de fato
com os Temas Transversais
ciências
filosofias
artes
A periculosidade daA periculosidade da
FilosofiaFilosofia
“Sabendo portá-la, toda
ferramenta é uma arma.”
Ani DiFranco
7. a7. a periculosidadepericulosidade dada
filosofiafilosofia
“pensar suscita a indiferença geral. E
todavia não é falso dizer que é um
exercício perigoso. É somente
quando os perigos se tornam
evidentes que a indiferença cessa,
mas eles permanecem
freqüentemente escondidos, pouco
perceptíveis, inerentes à empresa.”
Deleuze e Guattari, O que é a Filosofia?
7. a periculosidade da7. a periculosidade da
filosofiafilosofia
Não se ensina filosofia impunemente;
não se aprende filosofia
impunemente. A “oficina de
conceitos” é um local perigoso, de
onde podem brotar conceitos que
sejam ferramentas para mudar o
mundo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

perspectivas epidemiologicas tradicionais
perspectivas epidemiologicas tradicionaisperspectivas epidemiologicas tradicionais
perspectivas epidemiologicas tradicionais
themis dovera
 
Cap01.1 Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofar
Cap01.1 Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofarCap01.1 Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofar
Cap01.1 Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofar
António Padrão
 
Ciência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidade
Ciência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidadeCiência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidade
Ciência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidade
Aislan Fernandes
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Nuno Pereira
 
Ppt 11º c
Ppt 11º cPpt 11º c
Ppt 11º c
j_sdias
 
Prep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10ºPrep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10º
lolaesa
 
Filosofia e problemas filosóficos 2
Filosofia e problemas filosóficos 2Filosofia e problemas filosóficos 2
Filosofia e problemas filosóficos 2
António Padrão
 
Filosofia da educacao
Filosofia da educacaoFilosofia da educacao
Filosofia da educacao
Marco Alcântara
 
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
António Padrão
 
A nocao classica de episteme
A nocao classica de epistemeA nocao classica de episteme
A nocao classica de episteme
Victor Hugo de Oliveira Marques
 
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
António Padrão
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Conh. cientifico
Conh. cientificoConh. cientifico
Conh. cientifico
pyteroliva
 
A filosofia na educação básica
A filosofia na educação básicaA filosofia na educação básica
A filosofia na educação básica
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Filosofia para crianças: O que podemos aprender com Paulo Freire?
Filosofia para crianças: O que podemos aprender com Paulo Freire?Filosofia para crianças: O que podemos aprender com Paulo Freire?
Filosofia para crianças: O que podemos aprender com Paulo Freire?
Joaquim Melro
 
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - EpistemologiaMétodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
Cassio Meira Jr.
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoFilosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Jorge Barbosa
 

Mais procurados (18)

perspectivas epidemiologicas tradicionais
perspectivas epidemiologicas tradicionaisperspectivas epidemiologicas tradicionais
perspectivas epidemiologicas tradicionais
 
Cap01.1 Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofar
Cap01.1 Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofarCap01.1 Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofar
Cap01.1 Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofar
 
Ciência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidade
Ciência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidadeCiência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidade
Ciência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidade
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Ppt 11º c
Ppt 11º cPpt 11º c
Ppt 11º c
 
Prep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10ºPrep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10º
 
Filosofia e problemas filosóficos 2
Filosofia e problemas filosóficos 2Filosofia e problemas filosóficos 2
Filosofia e problemas filosóficos 2
 
Filosofia da educacao
Filosofia da educacaoFilosofia da educacao
Filosofia da educacao
 
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
 
A nocao classica de episteme
A nocao classica de epistemeA nocao classica de episteme
A nocao classica de episteme
 
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Conh. cientifico
Conh. cientificoConh. cientifico
Conh. cientifico
 
A filosofia na educação básica
A filosofia na educação básicaA filosofia na educação básica
A filosofia na educação básica
 
Filosofia para crianças: O que podemos aprender com Paulo Freire?
Filosofia para crianças: O que podemos aprender com Paulo Freire?Filosofia para crianças: O que podemos aprender com Paulo Freire?
Filosofia para crianças: O que podemos aprender com Paulo Freire?
 
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - EpistemologiaMétodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoFilosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
 

Destaque

A filosofia de platão
A filosofia de platãoA filosofia de platão
A filosofia de platão
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Prometheus Final Presentation
Prometheus Final PresentationPrometheus Final Presentation
Prometheus Final Presentation
University of Wisconsin Madison
 
Karla.pdf
Karla.pdfKarla.pdf
Karla.pdf
karenclaris
 
Somos Reskate
Somos ReskateSomos Reskate
Engaged2Perform-EngagementDriversInfographic
Engaged2Perform-EngagementDriversInfographicEngaged2Perform-EngagementDriversInfographic
Engaged2Perform-EngagementDriversInfographicDoug990466
 
Itinerarios de fundamentacion
Itinerarios de fundamentacionItinerarios de fundamentacion
Itinerarios de fundamentacion
katmdb
 
Ergonomía en el uso de computadores
Ergonomía en el uso de computadoresErgonomía en el uso de computadores
Ergonomía en el uso de computadores
Andrea Mendoza
 
Insights Into Modern Day Threat Protection
Insights Into Modern Day Threat ProtectionInsights Into Modern Day Threat Protection
Insights Into Modern Day Threat Protection
Abhinav Biswas
 
Interrnship Report #Jobair Bin Habib #110084
Interrnship Report #Jobair Bin Habib #110084Interrnship Report #Jobair Bin Habib #110084
Interrnship Report #Jobair Bin Habib #110084
Jobair Bin Habib Shuvo
 
4 Keys to Growing an Audience
4 Keys to Growing an Audience4 Keys to Growing an Audience
4 Keys to Growing an Audience
Sean McCabe
 
Carmela y valentin
Carmela y valentinCarmela y valentin
Carmela y valentin
Andrea Vallejos
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
Douglas Barraqui
 
Sarah Rodrigo e Raphael Turma 401
Sarah Rodrigo e Raphael Turma 401Sarah Rodrigo e Raphael Turma 401
Sarah Rodrigo e Raphael Turma 401
Haiashi
 
Monatsreport Bsp Mobilfunk
Monatsreport Bsp MobilfunkMonatsreport Bsp Mobilfunk
Monatsreport Bsp Mobilfunk
Interactive Marketing Group GmbH
 
Premium medical piedāvājums 2013. gada februārī
Premium medical piedāvājums 2013. gada februārīPremium medical piedāvājums 2013. gada februārī
Premium medical piedāvājums 2013. gada februārīPremiumMedical
 
Tecnologias Que Podem Ajudar Pensar
Tecnologias Que Podem Ajudar PensarTecnologias Que Podem Ajudar Pensar
Tecnologias Que Podem Ajudar Pensar
Elisabete Cruz
 
Maria josé 1º bach ccss
Maria josé 1º bach ccssMaria josé 1º bach ccss
Maria josé 1º bach ccss
Carmen Ortiz
 
SkyBuddy_Produkt_Infos
SkyBuddy_Produkt_InfosSkyBuddy_Produkt_Infos
SkyBuddy_Produkt_Infos
Klaus Fehling
 
Narayaneeyam english canto 004
Narayaneeyam english canto 004Narayaneeyam english canto 004
Narayaneeyam english canto 004
Ravi Ramakrishnan
 

Destaque (19)

A filosofia de platão
A filosofia de platãoA filosofia de platão
A filosofia de platão
 
Prometheus Final Presentation
Prometheus Final PresentationPrometheus Final Presentation
Prometheus Final Presentation
 
Karla.pdf
Karla.pdfKarla.pdf
Karla.pdf
 
Somos Reskate
Somos ReskateSomos Reskate
Somos Reskate
 
Engaged2Perform-EngagementDriversInfographic
Engaged2Perform-EngagementDriversInfographicEngaged2Perform-EngagementDriversInfographic
Engaged2Perform-EngagementDriversInfographic
 
Itinerarios de fundamentacion
Itinerarios de fundamentacionItinerarios de fundamentacion
Itinerarios de fundamentacion
 
Ergonomía en el uso de computadores
Ergonomía en el uso de computadoresErgonomía en el uso de computadores
Ergonomía en el uso de computadores
 
Insights Into Modern Day Threat Protection
Insights Into Modern Day Threat ProtectionInsights Into Modern Day Threat Protection
Insights Into Modern Day Threat Protection
 
Interrnship Report #Jobair Bin Habib #110084
Interrnship Report #Jobair Bin Habib #110084Interrnship Report #Jobair Bin Habib #110084
Interrnship Report #Jobair Bin Habib #110084
 
4 Keys to Growing an Audience
4 Keys to Growing an Audience4 Keys to Growing an Audience
4 Keys to Growing an Audience
 
Carmela y valentin
Carmela y valentinCarmela y valentin
Carmela y valentin
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Sarah Rodrigo e Raphael Turma 401
Sarah Rodrigo e Raphael Turma 401Sarah Rodrigo e Raphael Turma 401
Sarah Rodrigo e Raphael Turma 401
 
Monatsreport Bsp Mobilfunk
Monatsreport Bsp MobilfunkMonatsreport Bsp Mobilfunk
Monatsreport Bsp Mobilfunk
 
Premium medical piedāvājums 2013. gada februārī
Premium medical piedāvājums 2013. gada februārīPremium medical piedāvājums 2013. gada februārī
Premium medical piedāvājums 2013. gada februārī
 
Tecnologias Que Podem Ajudar Pensar
Tecnologias Que Podem Ajudar PensarTecnologias Que Podem Ajudar Pensar
Tecnologias Que Podem Ajudar Pensar
 
Maria josé 1º bach ccss
Maria josé 1º bach ccssMaria josé 1º bach ccss
Maria josé 1º bach ccss
 
SkyBuddy_Produkt_Infos
SkyBuddy_Produkt_InfosSkyBuddy_Produkt_Infos
SkyBuddy_Produkt_Infos
 
Narayaneeyam english canto 004
Narayaneeyam english canto 004Narayaneeyam english canto 004
Narayaneeyam english canto 004
 

Semelhante a A filosofia e seu ensino

A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)
A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)
A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)
Claudemir Barbosa
 
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Josivaldo Corrêa Silva
 
A reflexão filosófica
A reflexão filosóficaA reflexão filosófica
A reflexão filosófica
Marcelo Ferreira Boia
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
PrDonizete Apolinario
 
Introfilosofia
IntrofilosofiaIntrofilosofia
Introfilosofia
Aida Cunha
 
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.pptCAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
MarcoAntonio251662
 
Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)
Wilton Moretto
 
Prep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10ºPrep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10º
lolaesa
 
filosofia e ética
filosofia e éticafilosofia e ética
filosofia e ética
israelpereira41
 
2 o que é filosofia
2 o que é filosofia2 o que é filosofia
2 o que é filosofia
Erica Frau
 
O que é a fil resposta inicial
O que é a fil   resposta inicialO que é a fil   resposta inicial
O que é a fil resposta inicial
Julia Martins
 
O que é a filosofia
O que é a filosofiaO que é a filosofia
O que é a filosofia
Mariana1112
 
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docxATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
Elieidw
 
filosofia conceitos, o porque è preciso.docx
filosofia conceitos, o porque è preciso.docxfilosofia conceitos, o porque è preciso.docx
filosofia conceitos, o porque è preciso.docx
JosliaAlves3
 
1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar
MaraCoelho27
 
Ficha trab. 1 10º
Ficha trab. 1 10ºFicha trab. 1 10º
Ficha trab. 1 10º
lolaesa
 
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Joao Carlos
 
V dfilo cap01_introducao
V dfilo cap01_introducaoV dfilo cap01_introducao
V dfilo cap01_introducao
Leonardo Espíndola Espindola Moreira
 
Temas de filosofia Temas de filosofiaTemas de filosofia
Temas de filosofia Temas de filosofiaTemas de filosofiaTemas de filosofia Temas de filosofiaTemas de filosofia
Temas de filosofia Temas de filosofiaTemas de filosofia
MrcioDouglas6
 
Caio padro jr o que e filosofia
Caio padro jr   o que e filosofiaCaio padro jr   o que e filosofia
Caio padro jr o que e filosofia
Felipe Augusto
 

Semelhante a A filosofia e seu ensino (20)

A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)
A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)
A filosofia como atividade de criação de conceitos (salvo automaticamente)
 
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
 
A reflexão filosófica
A reflexão filosóficaA reflexão filosófica
A reflexão filosófica
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
Introfilosofia
IntrofilosofiaIntrofilosofia
Introfilosofia
 
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.pptCAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
 
Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)
 
Prep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10ºPrep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10º
 
filosofia e ética
filosofia e éticafilosofia e ética
filosofia e ética
 
2 o que é filosofia
2 o que é filosofia2 o que é filosofia
2 o que é filosofia
 
O que é a fil resposta inicial
O que é a fil   resposta inicialO que é a fil   resposta inicial
O que é a fil resposta inicial
 
O que é a filosofia
O que é a filosofiaO que é a filosofia
O que é a filosofia
 
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docxATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
 
filosofia conceitos, o porque è preciso.docx
filosofia conceitos, o porque è preciso.docxfilosofia conceitos, o porque è preciso.docx
filosofia conceitos, o porque è preciso.docx
 
1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar
 
Ficha trab. 1 10º
Ficha trab. 1 10ºFicha trab. 1 10º
Ficha trab. 1 10º
 
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
 
V dfilo cap01_introducao
V dfilo cap01_introducaoV dfilo cap01_introducao
V dfilo cap01_introducao
 
Temas de filosofia Temas de filosofiaTemas de filosofia
Temas de filosofia Temas de filosofiaTemas de filosofiaTemas de filosofia Temas de filosofiaTemas de filosofia
Temas de filosofia Temas de filosofiaTemas de filosofia
 
Caio padro jr o que e filosofia
Caio padro jr   o que e filosofiaCaio padro jr   o que e filosofia
Caio padro jr o que e filosofia
 

Mais de MARISE VON FRUHAUF HUBLARD

Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Portal do professor eleições de um municipio
Portal do professor   eleições de um municipioPortal do professor   eleições de um municipio
Portal do professor eleições de um municipio
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável  epicuro e_a_felicidadeFelicidade sustentável  epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Animação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundialAnimação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundial
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Bioética
BioéticaBioética
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A arte da guerra
A arte da guerraA arte da guerra
A arte da guerra
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aulaA tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Sociologia em Movimento
Sociologia em MovimentoSociologia em Movimento
Sociologia em Movimento
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Consumo vs consumismo
Consumo vs consumismoConsumo vs consumismo
Consumo vs consumismo
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
Livro de sociologia 2015   sec. xxiLivro de sociologia 2015   sec. xxi
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarinaCaderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
O leviatã de thomas hobbes
O leviatã de thomas hobbesO leviatã de thomas hobbes
O leviatã de thomas hobbes
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
As teorias liberais e socialistas na idade moderna
As teorias liberais e socialistas na idade modernaAs teorias liberais e socialistas na idade moderna
As teorias liberais e socialistas na idade moderna
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Aulas de sociologia ensino médio para o 3 ano
Aulas de sociologia ensino médio para o 3 anoAulas de sociologia ensino médio para o 3 ano
Aulas de sociologia ensino médio para o 3 ano
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Aulas de sociologia ensino médio para 1 anos
Aulas de sociologia ensino médio para 1 anosAulas de sociologia ensino médio para 1 anos
Aulas de sociologia ensino médio para 1 anos
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 

Mais de MARISE VON FRUHAUF HUBLARD (20)

Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
 
Portal do professor eleições de um municipio
Portal do professor   eleições de um municipioPortal do professor   eleições de um municipio
Portal do professor eleições de um municipio
 
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável  epicuro e_a_felicidadeFelicidade sustentável  epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
 
Animação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundialAnimação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundial
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
A arte da guerra
A arte da guerraA arte da guerra
A arte da guerra
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
 
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aulaA tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
 
Sociologia em Movimento
Sociologia em MovimentoSociologia em Movimento
Sociologia em Movimento
 
Consumo vs consumismo
Consumo vs consumismoConsumo vs consumismo
Consumo vs consumismo
 
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
Livro de sociologia 2015   sec. xxiLivro de sociologia 2015   sec. xxi
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
 
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarinaCaderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
 
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 
O leviatã de thomas hobbes
O leviatã de thomas hobbesO leviatã de thomas hobbes
O leviatã de thomas hobbes
 
As teorias liberais e socialistas na idade moderna
As teorias liberais e socialistas na idade modernaAs teorias liberais e socialistas na idade moderna
As teorias liberais e socialistas na idade moderna
 
Aulas de sociologia ensino médio para o 3 ano
Aulas de sociologia ensino médio para o 3 anoAulas de sociologia ensino médio para o 3 ano
Aulas de sociologia ensino médio para o 3 ano
 
Aulas de sociologia ensino médio para 1 anos
Aulas de sociologia ensino médio para 1 anosAulas de sociologia ensino médio para 1 anos
Aulas de sociologia ensino médio para 1 anos
 

Último

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 

A filosofia e seu ensino

  • 1. A Filosofia e seu Ensino:A Filosofia e seu Ensino: conceito e transversalidadeconceito e transversalidade
  • 2. Será possívelSerá possível ensinar filosofia?ensinar filosofia?
  • 3. 1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da filosofiafilosofia Sim, é possível. Mas devemos ter clareza de que filosofia falamos. E precisamos estar atentos a alguns alertas...
  • 4. 1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da filosofiafilosofia Três alertas ao professor: Atenção ao filosofar como ato/processo; Atenção à história da filosofia; Atenção à criatividade: recusa da tradição para emergência do novo
  • 5. 1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da filosofiafilosofia O filósofo espanhol Fernando Savater, em As Perguntas da Vida, apresenta quatro premissas sobre o ensino de filosofia, às quais todo professor precisa estar atento:
  • 6. 1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da filosofiafilosofia “primeira, que não existe ‘a’ filosofia, mas ‘as’ filosofias e, sobretudo, o filosofar (...) Há uma perspectiva filosófica (em face da perspectiva científica ou artística), mas felizmente ela é multifacetada (...)” Savater, As Perguntas da Vida
  • 7. 1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da filosofiafilosofia “segunda, que o estudo da filosofia não é interessante porque a ela se dedicaram talentos extraordinários como Aristóteles ou Kant, mas esses talentos nos interessam porque se ocuparam dessas questões de amplo alcance que são tão importantes para nossa própria vida humana, racional e civilizada (...)” Savater, As Perguntas da Vida
  • 8. 1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da filosofiafilosofia “terceira, que até os melhores filósofos disseram absurdos notórios e cometeram erros graves. Quem mais se arrisca a pensar fora dos caminhos intelectualmente trilhados corre mais riscos de se equivocar, e digo isso como elogio e não como censura (...)” Savater, As Perguntas da Vida
  • 9. 1. da “ensinabilidade” da1. da “ensinabilidade” da filosofiafilosofia “quarta, que em determinadas questões extremamente gerais aprender a perguntar bem também é aprender a desconfiar das respostas demasiado taxativas (...)” Savater, As Perguntas da Vida
  • 10. É possível aprender filosofia?É possível aprender filosofia? Se nos pomos de acordo sobre a possibilidade de ensinar filosofia, então precisamos perguntar: alguém aprende, quando ensinamos?
  • 11. 2. da “aprendizibilidade” da2. da “aprendizibilidade” da filosofiafilosofia Pode até haver métodos para ensinar, mas não há métodos para aprender. O método é uma máquina de controle, mas a aprendizagem está para além de qualquer controle.
  • 12. 2. da “aprendizibilidade” da2. da “aprendizibilidade” da filosofiafilosofia “Nunca se sabe de antemão como alguém vai aprender – que amores tornam alguém bom em Latim, por meio de que encontros se é filósofo, em que dicionários se aprende a pensar. Os limites das faculdades se encaixam uns nos outros sob a forma quebrada daquilo que traz e transmite a diferença. Não há método para encontrar tesouros nem para aprender, mas um violento adestramento, uma cultura ou paideia que percorre inteiramente todo o indivíduo (um albino em que nasce o ato de sentir na sensibilidade, um afásico em que nasce a fala na linguagem, um acéfalo em que nasce o pensar no pensamento).” Gilles Deleuze, Diferença e Repetição
  • 13. 2. da “aprendizibilidade” da2. da “aprendizibilidade” da filosofiafilosofia o filósofo é sempre um aprendiz. Está mais para o rato no labirinto, que precisa aprender a saída; está mais para o sujeito de dentro da caverna, que descobre sua condição e procura a saída, do que para o sujeito já fora da caverna, que contempla o verdadeiro saber (a Idéia).
  • 14. 4. da “aprendizibilidade” da4. da “aprendizibilidade” da filosofiafilosofia “Aprender vem a ser tão-somente o intermediário entre não-saber e saber, a passagem viva de um ao outro. Pode-se dizer que aprender, afinal de contas, é uma tarefa infinita, mas esta não deixa de ser rejeitada para o lado das circunstâncias e da aquisição, posta para fora da essência supostamente simples do saber como inatismo, elemento a priori ou mesmo Idéia reguladora. E, finalmente, a aprendizagem está, antes de mais nada, do lado do rato no labirinto, ao passo que o filósofo fora da caverna considera somente o resultado – o saber – para dele extrair os princípios transcendentais.” Gilles Deleuze, Diferença e Repetição
  • 15. 2. da “aprendizibilidade” da2. da “aprendizibilidade” da filosofiafilosofia o filósofo é um buscador; busca tão intensamente que às vezes chega a pensar que encontrou aquilo que buscará sempre (com a licença poética de Fernando Pessoa...)
  • 16. Por que Filosofia noPor que Filosofia no Ensino Médio?Ensino Médio?
  • 17. 3. por que filosofia?3. por que filosofia? podemos falar em 3 grandes áreas do conhecimento humano, fundamentais em todo processo educativo:  as ciências;  as artes;  as filosofias
  • 18. 3. por que filosofia?3. por que filosofia? as ciências e as artes estão garantidas nos currículos, mas as filosofias nem sempre o estão... há uma especificidade da filosofia que apenas ela pode garantir na formação de alguém
  • 19. A especificidade daA especificidade da FilosofiaFilosofia
  • 20. 4. a especificidade da4. a especificidade da filosofiafilosofia características da filosofia:  pensamento conceitual  caráter dialógico  crítica radical
  • 21. 4. a especificidade da4. a especificidade da filosofiafilosofia o específico da filosofia é o trabalho com o conceito; podemos defini-la como a atividade de criação de conceitos
  • 22. 4. a especificidade da4. a especificidade da filosofiafilosofia o conceito é uma forma racional de equacionar um problema ou problemas, exprimindo uma visão coerente do vivido
  • 23. 4. a especificidade da4. a especificidade da filosofiafilosofia o conceito não é abstrato nem transcendente, mas imanente, uma vez que parte necessariamente de problemas experimentados
  • 24. A aula de filosofia e oA aula de filosofia e o trabalho com otrabalho com o conceitoconceito
  • 25. 5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de conceitosconceitos pensando a filosofia como atividade de criação de conceitos, a aula de filosofia deve ser como que uma oficina de conceitos, onde eles são experimentados, criados, testados...
  • 26. 5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de conceitosconceitos Oficina de conceitos é experimentação: “pensar é experimentar, mas a experimentação é sempre o que se está fazendo – o novo, o notável, o interessante, que substituem a aparência de verdade e que são mais exigentes que ela.” G. Deleuze & F. Guattari, O que é a filosofia?
  • 27. 5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de conceitosconceitos Etapas de trabalho numa “oficina de conceitos”: 1.Sensibilização 2.Problematização 3.Investigação 4.Conceituação
  • 28. 5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de conceitosconceitos Sensibilização: Trata-se de chamar a atenção para o tema de trabalho, criar uma empatia com ele, isto é, fazer com que o tema “afete” aos estudantes
  • 29. 5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de conceitosconceitos Problematização: Trata-se de transformar o tema em problema, isto é, fazer com que ele suscite em cada um o desejo de buscar soluções
  • 30. 5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de conceitosconceitos Investigação: Trata-se de buscar elementos que permitam a solução do problema. Uma investigação filosófica busca os conceitos na história da filosofia que podem servir como ferramentas
  • 31. 5. Aula como oficina de5. Aula como oficina de conceitosconceitos Conceituação: Trata-se de recriar os conceitos encontrados de modo a equacionarem nosso problema, ou mesmo de criar novos conceitos
  • 32. ciências filosofias artes A transversalidade daA transversalidade da FilosofiaFilosofia
  • 33. 6. a transversalidade da6. a transversalidade da filosofiafilosofia uma característica intrínseca da filosofia é a transversalidade a filosofia não se fecha em si mesma, ensimesmada, mas abre-se sempre a outrem, busca a relação ciências filosofias artes
  • 34. 6. a transversalidade da6. a transversalidade da filosofiafilosofia não se cria conceito hoje, não se produz filosofia, sem o recurso da conexão com as artes e as ciências. Embora sejam distintas e independentes, elas se retroalimentam e se fecundam ciências filosofias artes
  • 35. 6. a transversalidade da6. a transversalidade da filosofiafilosofia “O conceito não é paradigmático, mas sintagmático; não é projetivo, mas conectivo; não é hierárquico, mas vicinal; não é referente, mas consistente. É forçoso, daí, que a filosofia, a ciência e a arte não se organizem mais como os níveis de uma mesma projeção e, mesmo, que não se diferenciem a partir de uma matriz comum, mas se coloquem ou se reconstituam imediatamente numa independência respectiva, uma divisão do trabalho que suscita entre elas relações de conexão.” G. Deleuze & F. Guattari, O que é a filosofia? ciências filosofias artes
  • 36. 6. a transversalidade da6. a transversalidade da filosofiafilosofia no entanto, no contexto de um currículo disciplinar, a filosofia não pode aparecer apenas “transversalizada”; sem a demarcação daquilo que lhe é específico, não há transversalidade possível... ciências filosofias artes
  • 37. 6. a transversalidade da6. a transversalidade da filosofiafilosofia Portanto, num currículo disciplinar é importante que haja uma disciplina de Filosofia, para que ela possa contribuir de fato com os Temas Transversais ciências filosofias artes
  • 38. A periculosidade daA periculosidade da FilosofiaFilosofia “Sabendo portá-la, toda ferramenta é uma arma.” Ani DiFranco
  • 39. 7. a7. a periculosidadepericulosidade dada filosofiafilosofia “pensar suscita a indiferença geral. E todavia não é falso dizer que é um exercício perigoso. É somente quando os perigos se tornam evidentes que a indiferença cessa, mas eles permanecem freqüentemente escondidos, pouco perceptíveis, inerentes à empresa.” Deleuze e Guattari, O que é a Filosofia?
  • 40. 7. a periculosidade da7. a periculosidade da filosofiafilosofia Não se ensina filosofia impunemente; não se aprende filosofia impunemente. A “oficina de conceitos” é um local perigoso, de onde podem brotar conceitos que sejam ferramentas para mudar o mundo