SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
1
Tratamento de Sementes
João José Dias Parisi
Priscila Fratin Medina
Instituto Agronômico - IAC, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Fitossanidade. Av. Barão de Itapura, 1481,
13020-902, Campinas, SP; e-mail: jparisi@iac.sp.gov.br e pfmedina@iac.sp.gov.br.
INTRODUÇÃO
É sabido que 90 % das culturas destinadas à produção de alimentos no
mundo estão sujeitas ao ataque de doenças, cuja maioria dos agentes causais pode
ser transmitida pelas sementes. A semente é o vetor mais eficiente de disseminação
de patógenos devido às suas características intrínsecas, uma vez que o patógeno
veiculado por ela tem maior chance de provocar doença na planta oriunda dela e se
espalhar para outras plantas sadias, iniciando assim uma epidemia. A eficiência da
semente como vetor independe da distância, sendo que os patógenos podem
permanecer viáveis por períodos de tempo mais longos, mantendo sua
patogenicidade inalterada.
O uso de sementes certificadas com boa qualidade física, fisiológica e
sanitária é uma das medidas mais eficientes de controle das doenças disseminadas
por sementes. Para tanto, é necessário que o produtor confira a qualidade das
sementes antes da semeadura, através das análises de pureza, germinação e
2
sanidade realizadas em Laboratórios credenciados pelo Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento (MAPA).
Quando não se dispõe de sementes de boa qualidade em quantidade
suficiente ou se deseja introduzir materiais de procedências duvidosas, ou ainda
para reduzir o potencial de inóculo primário, recomenda-se o tratamento das
sementes.
O tratamento, eliminando os patógenos das sementes, ou protegendo-as
contra ação de patógenos do ambiente (solo ou armazenamento), tem grande
importância no desenvolvimento de plantas vigorosas e sadias.
Tratamento de sementes é, provavelmente, a medida mais antiga, barata e,
às vezes, a mais segura e a que propicia os melhores êxitos no controle das
doenças de plantas disseminadas pelas sementes.
O mais antigo relato sobre tratamento de sementes encontrado é de 60 anos
depois de Cristo, quando Plínio o Antigo (militar, historiador, funcionário imperial e
cientista romano) recomendava a imersão de sementes de trigo em vinho ou suco
de folhas de cipreste da família das coníferas, rico em tanino, para controlar o
“Míldio”. Outro relato refere-se a um fato ocorrido em meados de 1670, quando
sementes de trigo, recolhidas de um barco oriundo da Austrália e que naufragou no
canal de Bristol, próximo à Inglaterra, foram recolhidas por agricultores e, por
estarem salgadas (impróprias para alimentação), plantaram-nas e, como resultado,
3
as culturas delas originadas apresentaram-se livres do “carvão” (Tilletia foetida) em
comparação com aquelas das sementes normais, devido à ação fungicida da água
salgada. Posteriormente em 1761, a mistura sal e cal foi usada para esta finalidade.
Em 1807 foi desenvolvido o sulfato de cobre. Em 1889, descobriu-se a eficiência da
termoterapia no tratamento de sementes.
Em 1917, foi introduzido o primeiro mercurial orgânico líquido. Em 1934
surgiu o fungicida do grupo do ditiocarbamatos (thiram) e posteriormente, o
heterocíclicos (captan). A partir de 1960 houve grande avanço no tratamento químico
de sementes, com o surgimento de diversos fungicidas dos grupos dos
benzimidazóis (carberdazim, thiabendazol, tiofanato metílico), triazóis (triadimenol,
tolyfluanid, fludioxonil).
O Tratamento de sementes, no sentido amplo, é a aplicação de processos e
substâncias que preservem ou aperfeiçoem o desempenho das sementes,
permitindo a expressão máxima do potencial genético das culturas. Inclui a
aplicação de defensivos (fungicidas, inseticidas e nematecidas), produtos biológicos
(Trichoderma), inoculantes (bactérias do gênero Rhizóbium fixadoras de nitrogênio),
estimulantes (hormônios), micronutrientes (Cu, Zn), etc. ou a submissão a
tratamentos físicos (termoterapia). No sentido mais restrito, refere-se à aplicação de
produtos químicos eficientes contra fitopatógenos.
O tratamento químico de sementes além de ser econômico e de fácil
execução, é também considerado seguro ao homem e ao ambiente. Devido à
4
pequena quantidade de produtos adicionados às sementes e estes estarem em
contato direto com o sítio alvo, é um método pouco prejudicial ao ambiente, quando
comparado aos sistemas convencionais de tratamento de doenças, via aérea.
Muitos autores consideram o tratamento químico de sementes como uma das
medidas mais eficientes no controle de micro-organismos transportados e/ou
transmitidos pelas mesmas, porque além de eliminar ou reduzir o inóculo do
patógeno na semente, pode impedir a entrada de patógenos em áreas isentas,
propiciar emergência uniforme de plantas, proteger as sementes e plântulas contra
micro-organismos presentes no solo, além de evitar a necessidade de
ressemeadura, com consequente economia de sementes. Esta prática representa
apenas 0,5 a 1,0% do custo de produção das culturas. Cerca de 90% das sementes
de soja brasileira são tratadas com fungicidas e 80% com Inseticidas. Em milho
híbrido, 100% das sementes são tratadas com fungicidas e 85% com inseticidas.
O mercado de fungicidas para tratamento de sementes mais que duplicou nos
últimos 10 anos. Em 2011 foi de US$ 85 milhões (4,0% do mercado de fungicidas);
sendo 59 % para soja, seguida pelo milho (13%), trigo, aveia, centeio e cevada
(13%), algodão (4%), feijão (2%) e arroz (2%).
O valor da comercialização de inseticidas para tratamento de sementes em
2011 foi de US$ 512 milhões (18 % do mercado de inseticidas), ou seja, superior ao
de fungicidas; nesse caso, 63 % do valor gasto com inseticidas para o tratamento de
sementes foi direcionado à cultura da soja, 23% a do milho, 3% a do trigo, aveia,
5
centeio e cevada, 4%, a do algodão 2% a do feijão e 2% a do arroz.
Esse crescente aumento de demanda no Brasil proporcionou a evolução
tecnológica das indústrias de máquinas e equipamentos utilizados no tratamento das
sementes, bem como o desenvolvimento de produtos de alta qualidade, a
qualificação de pessoas e o aperfeiçoamento de sistemas de segurança, como o
uso de equipamento de proteção individual (EPI).
O tratamento de sementes, principalmente de milho híbrido e de hortaliças, é
realizado por empresas produtoras de sementes, que as comercializam já tratadas.
No caso de sementes de soja, atualmente o tratamento convencional é realizado
pelo agricultor antes da semeadura através de máquinas pequenas. Outra
possibilidade é o TSI (tratamento de semente industrial). Dentre as vantagens do
tratamento industrial da semente vale destacar a qualidade superior devido à
precisão da dose, cobertura e aderência dos produtos aplicados, além da questão
da saúde dos operadores e da segurança na aplicação, que é muito mais
controlada. Outra vantagem é a possibilidade da aplicação de produtos de
recobrimento (film coating) a base de polímeros sintéticos que protegem as
sementes e melhoram o desempenho no campo. Entre as desvantagens vale
destacar o maior custo, pois o agricultor poderá adquirir sementes com todos os
tratamentos, ou seja, fungicidas, inseticidas e nematicidas para serem utilizadas em
áreas sem necessidade de controle de patógenos e/ou pragas, o que poderá causar
contaminação do solo e do meio ambiente. É necessário um bom gerenciamento
6
para assegurar a quantidade correta de sementes a serem tratadas, pois caso não
sejam utilizadas, essas não poderão ser aproveitadas como grão.
Primeiramente é necessário conhecer a qualidade sanitária das sementes, ou
seja, identificar os patógenos e as pragas presentes para posterior escolha de
tratamentos fungicidas, inseticidas e nematicidas mais adequados e devidamente
registrados no MAPA. No caso dos fungicidas há diferenças quanto à abrangência
de ação ou especificidade. Assim, a ação combinada de fungicidas sistêmicos com
protetores tem sido estratégia das mais eficazes no controle de fungos presentes
nas sementes e/ou no solo.
REFERÊNCIAS
HENNING, A.A. Tratamento industrial de sementes mais prático e eficiente.
Revista campo & negócio, ano x, n. 115, 2012.
MACHADO, J.C. Tratamento de sementes no controle de doenças. Lavras,
LAPS/FAEPE, 138 p., 2000.
MENTEN, J.O.M. et al. Evolução dos produtos fitossanitários para tratamento de
sementes no Brasil. In: ZAMBOLIM, L., ed. Sementes: qualidade fitossanitária.
Viçosa, UFV, p. 333-374, 2005.
MENTEN, J.O.; MORAES, M.H.D. Avanços no Tratamento e recobrimento de
7
sementes. Tratamento de sementes: Históricos, Tipos, Características e Benefício.
Informativo Abrates, v.20, n3, 2010.
NEERGAARD, P. Seed Pathology. London: MacMillan Press, v.1, 839p.,1979.
PARISI, J.J.D.; MENTEN, J.O.M.; MARTINS, M.C. Sensibilidade in vitro e in vivo
de Phomopsis sojae e Phomopsis phaseoli f. sp. meridionalis. Fitopatologia
Brasileira, v.24, n.1, p.25-30, 1999.
PARISI, J.J.D.; SANTOS, A. F.; MENTEN, J.O. Tratamentos de sementes florestais.
In: SANTOS, A.F.; PARISI, J.J.D.; MENTEN, J.O. Patologia de sementes
florestais, Colombo: Embrapa Florestas, cap. 4. 236p., 2011.
SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA DEFESA
AGRÍCOLA. SINDAG. Dados básicos. São Paulo: SINDAG, 2012.
SOAVE, J.; MORAES, S.A. Medidas de controle de doenças transmitidas por
sementes. In: SOAVE, J.; WHETZEL, M.M.V.S. Patologia de sementes. Campinas:
Fundação Cargil, cap.8. 480p.,1987.
TAYLOR, A.G.; HARMAN, G.E. Concepts and technologies of selected seed
treatments. Annual Review of Phytopathology, v.28, p. 321-339, 1990.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoKiller Max
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesGeraldo Henrique
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasAndré Fontana Weber
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoGeagra UFG
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controleGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroGeagra UFG
 
Aula 1 - Cultivo de Arroz.pptx
Aula 1 - Cultivo de Arroz.pptxAula 1 - Cultivo de Arroz.pptx
Aula 1 - Cultivo de Arroz.pptxElisAquino
 
Colheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: MilhoColheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: MilhoGeagra UFG
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Geagra UFG
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresGeagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na sojaGeagra UFG
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxGeagra UFG
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de MandiocaÍtalo Arrais
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Geagra UFG
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGeagra UFG
 

Mais procurados (20)

Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
 
Aula 1 - Cultivo de Arroz.pptx
Aula 1 - Cultivo de Arroz.pptxAula 1 - Cultivo de Arroz.pptx
Aula 1 - Cultivo de Arroz.pptx
 
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTESAULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
 
Colheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: MilhoColheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: Milho
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
 

Destaque

Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantioManejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantioAM Placas Ltda. Placas
 
Aplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Aplicações Foliares - Nutrição e FitormôniosAplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Aplicações Foliares - Nutrição e FitormôniosGeagra UFG
 
CASE AGMUSA – Lançamento de produto
CASE AGMUSA – Lançamento de produtoCASE AGMUSA – Lançamento de produto
CASE AGMUSA – Lançamento de produtoAgência e21
 
Escolha das Cultivares de Soja - 1ª Safra
Escolha das Cultivares de Soja - 1ª SafraEscolha das Cultivares de Soja - 1ª Safra
Escolha das Cultivares de Soja - 1ª SafraGeagra UFG
 
Seminario beneficiamento de sementes
Seminario beneficiamento de sementesSeminario beneficiamento de sementes
Seminario beneficiamento de sementesDjeison Oliveira
 
BASF – AgCelence Soja
BASF – AgCelence SojaBASF – AgCelence Soja
BASF – AgCelence SojaAgência e21
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoGeagra UFG
 
Apresentação Colheita de Soja
Apresentação Colheita de SojaApresentação Colheita de Soja
Apresentação Colheita de SojaGeagra UFG
 
Fitopatologia tema 1
Fitopatologia tema 1Fitopatologia tema 1
Fitopatologia tema 1David Freitez
 
Verismo per zacademy
Verismo per zacademyVerismo per zacademy
Verismo per zacademymarziafontana
 
Thomson 368
Thomson 368Thomson 368
Thomson 368skywu26
 
Curso redes sociais cidade rio 24012011
Curso redes sociais cidade rio 24012011Curso redes sociais cidade rio 24012011
Curso redes sociais cidade rio 24012011Fernando Flessati
 

Destaque (20)

Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantioManejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
 
Soja brasil
Soja brasilSoja brasil
Soja brasil
 
Aplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Aplicações Foliares - Nutrição e FitormôniosAplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
Aplicações Foliares - Nutrição e Fitormônios
 
CASE AGMUSA – Lançamento de produto
CASE AGMUSA – Lançamento de produtoCASE AGMUSA – Lançamento de produto
CASE AGMUSA – Lançamento de produto
 
Escolha das Cultivares de Soja - 1ª Safra
Escolha das Cultivares de Soja - 1ª SafraEscolha das Cultivares de Soja - 1ª Safra
Escolha das Cultivares de Soja - 1ª Safra
 
Seminario beneficiamento de sementes
Seminario beneficiamento de sementesSeminario beneficiamento de sementes
Seminario beneficiamento de sementes
 
BASF – AgCelence Soja
BASF – AgCelence SojaBASF – AgCelence Soja
BASF – AgCelence Soja
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Apresentação Colheita de Soja
Apresentação Colheita de SojaApresentação Colheita de Soja
Apresentação Colheita de Soja
 
Fitopatologia tema 1
Fitopatologia tema 1Fitopatologia tema 1
Fitopatologia tema 1
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
 
Soja
SojaSoja
Soja
 
Microorganismos patogenos
Microorganismos patogenosMicroorganismos patogenos
Microorganismos patogenos
 
Exemplos citações
Exemplos citaçõesExemplos citações
Exemplos citações
 
Como Fazer Citações E Referências
Como Fazer Citações E ReferênciasComo Fazer Citações E Referências
Como Fazer Citações E Referências
 
Verismo per zacademy
Verismo per zacademyVerismo per zacademy
Verismo per zacademy
 
Thomson 368
Thomson 368Thomson 368
Thomson 368
 
Teorias
TeoriasTeorias
Teorias
 
Curso redes sociais cidade rio 24012011
Curso redes sociais cidade rio 24012011Curso redes sociais cidade rio 24012011
Curso redes sociais cidade rio 24012011
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
 

Semelhante a Tratamento de sementes

Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdfDori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdfCyntia Silva
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle BiológicoJoão Felix
 
Tratar a planta e não à doença
Tratar a planta e não à doençaTratar a planta e não à doença
Tratar a planta e não à doençaWitalo Silva
 
Comocontrolar.pdf
Comocontrolar.pdfComocontrolar.pdf
Comocontrolar.pdfdenizereis3
 
Cartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre TrichodermaCartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre TrichodermaBMP2015
 
Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014Ligia palacio
 
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaManejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaJoão Siqueira da Mata
 
Universidade estadual do ceará – uece
Universidade estadual do ceará – ueceUniversidade estadual do ceará – uece
Universidade estadual do ceará – uecedayrla
 
Universidade estadual do ceará – uece
Universidade estadual do ceará – ueceUniversidade estadual do ceará – uece
Universidade estadual do ceará – uecedayrla
 
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenadosFungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenadosPelo Siro
 
Prova fungos respostas
Prova fungos respostasProva fungos respostas
Prova fungos respostasLis Gonçalves
 
Como controlar pragas e doenças no cultivo orgânico?
Como controlar pragas e doenças no cultivo orgânico?Como controlar pragas e doenças no cultivo orgânico?
Como controlar pragas e doenças no cultivo orgânico?Rural Pecuária
 
10. ação antimicrobiana de plantas taníferas em bactérias anaerobias
10. ação antimicrobiana de plantas taníferas em bactérias anaerobias10. ação antimicrobiana de plantas taníferas em bactérias anaerobias
10. ação antimicrobiana de plantas taníferas em bactérias anaerobiasThyele Rios
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
BiotecnologiaURCA
 

Semelhante a Tratamento de sementes (20)

Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdfDori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
 
Tratar a planta e não à doença
Tratar a planta e não à doençaTratar a planta e não à doença
Tratar a planta e não à doença
 
Original abag
Original abagOriginal abag
Original abag
 
1º série reda cem - 10.31
1º série   reda cem -  10.311º série   reda cem -  10.31
1º série reda cem - 10.31
 
Controle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragasControle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragas
 
Comocontrolar.pdf
Comocontrolar.pdfComocontrolar.pdf
Comocontrolar.pdf
 
Cartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre TrichodermaCartilha sobre Trichoderma
Cartilha sobre Trichoderma
 
Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014
 
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaManejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
 
Universidade estadual do ceará – uece
Universidade estadual do ceará – ueceUniversidade estadual do ceará – uece
Universidade estadual do ceará – uece
 
Universidade estadual do ceará – uece
Universidade estadual do ceará – ueceUniversidade estadual do ceará – uece
Universidade estadual do ceará – uece
 
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenadosFungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
 
Prova fungos respostas
Prova fungos respostasProva fungos respostas
Prova fungos respostas
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Cultivo 1
Cultivo 1Cultivo 1
Cultivo 1
 
Como controlar pragas e doenças no cultivo orgânico?
Como controlar pragas e doenças no cultivo orgânico?Como controlar pragas e doenças no cultivo orgânico?
Como controlar pragas e doenças no cultivo orgânico?
 
10. ação antimicrobiana de plantas taníferas em bactérias anaerobias
10. ação antimicrobiana de plantas taníferas em bactérias anaerobias10. ação antimicrobiana de plantas taníferas em bactérias anaerobias
10. ação antimicrobiana de plantas taníferas em bactérias anaerobias
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
 
Artigo bioterra v18_n2_08
Artigo bioterra v18_n2_08Artigo bioterra v18_n2_08
Artigo bioterra v18_n2_08
 

Mais de Rural Pecuária

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Rural Pecuária
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).Rural Pecuária
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Rural Pecuária
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Rural Pecuária
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalRural Pecuária
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...Rural Pecuária
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Rural Pecuária
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorRural Pecuária
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaRural Pecuária
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoRural Pecuária
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasRural Pecuária
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Rural Pecuária
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Rural Pecuária
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...Rural Pecuária
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Rural Pecuária
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovadoRural Pecuária
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelRural Pecuária
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesRural Pecuária
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteRural Pecuária
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 

Último

COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfInocencioHoracio3
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx2m Assessoria
 

Último (8)

COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 

Tratamento de sementes

  • 1. 1 Tratamento de Sementes João José Dias Parisi Priscila Fratin Medina Instituto Agronômico - IAC, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Fitossanidade. Av. Barão de Itapura, 1481, 13020-902, Campinas, SP; e-mail: jparisi@iac.sp.gov.br e pfmedina@iac.sp.gov.br. INTRODUÇÃO É sabido que 90 % das culturas destinadas à produção de alimentos no mundo estão sujeitas ao ataque de doenças, cuja maioria dos agentes causais pode ser transmitida pelas sementes. A semente é o vetor mais eficiente de disseminação de patógenos devido às suas características intrínsecas, uma vez que o patógeno veiculado por ela tem maior chance de provocar doença na planta oriunda dela e se espalhar para outras plantas sadias, iniciando assim uma epidemia. A eficiência da semente como vetor independe da distância, sendo que os patógenos podem permanecer viáveis por períodos de tempo mais longos, mantendo sua patogenicidade inalterada. O uso de sementes certificadas com boa qualidade física, fisiológica e sanitária é uma das medidas mais eficientes de controle das doenças disseminadas por sementes. Para tanto, é necessário que o produtor confira a qualidade das sementes antes da semeadura, através das análises de pureza, germinação e
  • 2. 2 sanidade realizadas em Laboratórios credenciados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Quando não se dispõe de sementes de boa qualidade em quantidade suficiente ou se deseja introduzir materiais de procedências duvidosas, ou ainda para reduzir o potencial de inóculo primário, recomenda-se o tratamento das sementes. O tratamento, eliminando os patógenos das sementes, ou protegendo-as contra ação de patógenos do ambiente (solo ou armazenamento), tem grande importância no desenvolvimento de plantas vigorosas e sadias. Tratamento de sementes é, provavelmente, a medida mais antiga, barata e, às vezes, a mais segura e a que propicia os melhores êxitos no controle das doenças de plantas disseminadas pelas sementes. O mais antigo relato sobre tratamento de sementes encontrado é de 60 anos depois de Cristo, quando Plínio o Antigo (militar, historiador, funcionário imperial e cientista romano) recomendava a imersão de sementes de trigo em vinho ou suco de folhas de cipreste da família das coníferas, rico em tanino, para controlar o “Míldio”. Outro relato refere-se a um fato ocorrido em meados de 1670, quando sementes de trigo, recolhidas de um barco oriundo da Austrália e que naufragou no canal de Bristol, próximo à Inglaterra, foram recolhidas por agricultores e, por estarem salgadas (impróprias para alimentação), plantaram-nas e, como resultado,
  • 3. 3 as culturas delas originadas apresentaram-se livres do “carvão” (Tilletia foetida) em comparação com aquelas das sementes normais, devido à ação fungicida da água salgada. Posteriormente em 1761, a mistura sal e cal foi usada para esta finalidade. Em 1807 foi desenvolvido o sulfato de cobre. Em 1889, descobriu-se a eficiência da termoterapia no tratamento de sementes. Em 1917, foi introduzido o primeiro mercurial orgânico líquido. Em 1934 surgiu o fungicida do grupo do ditiocarbamatos (thiram) e posteriormente, o heterocíclicos (captan). A partir de 1960 houve grande avanço no tratamento químico de sementes, com o surgimento de diversos fungicidas dos grupos dos benzimidazóis (carberdazim, thiabendazol, tiofanato metílico), triazóis (triadimenol, tolyfluanid, fludioxonil). O Tratamento de sementes, no sentido amplo, é a aplicação de processos e substâncias que preservem ou aperfeiçoem o desempenho das sementes, permitindo a expressão máxima do potencial genético das culturas. Inclui a aplicação de defensivos (fungicidas, inseticidas e nematecidas), produtos biológicos (Trichoderma), inoculantes (bactérias do gênero Rhizóbium fixadoras de nitrogênio), estimulantes (hormônios), micronutrientes (Cu, Zn), etc. ou a submissão a tratamentos físicos (termoterapia). No sentido mais restrito, refere-se à aplicação de produtos químicos eficientes contra fitopatógenos. O tratamento químico de sementes além de ser econômico e de fácil execução, é também considerado seguro ao homem e ao ambiente. Devido à
  • 4. 4 pequena quantidade de produtos adicionados às sementes e estes estarem em contato direto com o sítio alvo, é um método pouco prejudicial ao ambiente, quando comparado aos sistemas convencionais de tratamento de doenças, via aérea. Muitos autores consideram o tratamento químico de sementes como uma das medidas mais eficientes no controle de micro-organismos transportados e/ou transmitidos pelas mesmas, porque além de eliminar ou reduzir o inóculo do patógeno na semente, pode impedir a entrada de patógenos em áreas isentas, propiciar emergência uniforme de plantas, proteger as sementes e plântulas contra micro-organismos presentes no solo, além de evitar a necessidade de ressemeadura, com consequente economia de sementes. Esta prática representa apenas 0,5 a 1,0% do custo de produção das culturas. Cerca de 90% das sementes de soja brasileira são tratadas com fungicidas e 80% com Inseticidas. Em milho híbrido, 100% das sementes são tratadas com fungicidas e 85% com inseticidas. O mercado de fungicidas para tratamento de sementes mais que duplicou nos últimos 10 anos. Em 2011 foi de US$ 85 milhões (4,0% do mercado de fungicidas); sendo 59 % para soja, seguida pelo milho (13%), trigo, aveia, centeio e cevada (13%), algodão (4%), feijão (2%) e arroz (2%). O valor da comercialização de inseticidas para tratamento de sementes em 2011 foi de US$ 512 milhões (18 % do mercado de inseticidas), ou seja, superior ao de fungicidas; nesse caso, 63 % do valor gasto com inseticidas para o tratamento de sementes foi direcionado à cultura da soja, 23% a do milho, 3% a do trigo, aveia,
  • 5. 5 centeio e cevada, 4%, a do algodão 2% a do feijão e 2% a do arroz. Esse crescente aumento de demanda no Brasil proporcionou a evolução tecnológica das indústrias de máquinas e equipamentos utilizados no tratamento das sementes, bem como o desenvolvimento de produtos de alta qualidade, a qualificação de pessoas e o aperfeiçoamento de sistemas de segurança, como o uso de equipamento de proteção individual (EPI). O tratamento de sementes, principalmente de milho híbrido e de hortaliças, é realizado por empresas produtoras de sementes, que as comercializam já tratadas. No caso de sementes de soja, atualmente o tratamento convencional é realizado pelo agricultor antes da semeadura através de máquinas pequenas. Outra possibilidade é o TSI (tratamento de semente industrial). Dentre as vantagens do tratamento industrial da semente vale destacar a qualidade superior devido à precisão da dose, cobertura e aderência dos produtos aplicados, além da questão da saúde dos operadores e da segurança na aplicação, que é muito mais controlada. Outra vantagem é a possibilidade da aplicação de produtos de recobrimento (film coating) a base de polímeros sintéticos que protegem as sementes e melhoram o desempenho no campo. Entre as desvantagens vale destacar o maior custo, pois o agricultor poderá adquirir sementes com todos os tratamentos, ou seja, fungicidas, inseticidas e nematicidas para serem utilizadas em áreas sem necessidade de controle de patógenos e/ou pragas, o que poderá causar contaminação do solo e do meio ambiente. É necessário um bom gerenciamento
  • 6. 6 para assegurar a quantidade correta de sementes a serem tratadas, pois caso não sejam utilizadas, essas não poderão ser aproveitadas como grão. Primeiramente é necessário conhecer a qualidade sanitária das sementes, ou seja, identificar os patógenos e as pragas presentes para posterior escolha de tratamentos fungicidas, inseticidas e nematicidas mais adequados e devidamente registrados no MAPA. No caso dos fungicidas há diferenças quanto à abrangência de ação ou especificidade. Assim, a ação combinada de fungicidas sistêmicos com protetores tem sido estratégia das mais eficazes no controle de fungos presentes nas sementes e/ou no solo. REFERÊNCIAS HENNING, A.A. Tratamento industrial de sementes mais prático e eficiente. Revista campo & negócio, ano x, n. 115, 2012. MACHADO, J.C. Tratamento de sementes no controle de doenças. Lavras, LAPS/FAEPE, 138 p., 2000. MENTEN, J.O.M. et al. Evolução dos produtos fitossanitários para tratamento de sementes no Brasil. In: ZAMBOLIM, L., ed. Sementes: qualidade fitossanitária. Viçosa, UFV, p. 333-374, 2005. MENTEN, J.O.; MORAES, M.H.D. Avanços no Tratamento e recobrimento de
  • 7. 7 sementes. Tratamento de sementes: Históricos, Tipos, Características e Benefício. Informativo Abrates, v.20, n3, 2010. NEERGAARD, P. Seed Pathology. London: MacMillan Press, v.1, 839p.,1979. PARISI, J.J.D.; MENTEN, J.O.M.; MARTINS, M.C. Sensibilidade in vitro e in vivo de Phomopsis sojae e Phomopsis phaseoli f. sp. meridionalis. Fitopatologia Brasileira, v.24, n.1, p.25-30, 1999. PARISI, J.J.D.; SANTOS, A. F.; MENTEN, J.O. Tratamentos de sementes florestais. In: SANTOS, A.F.; PARISI, J.J.D.; MENTEN, J.O. Patologia de sementes florestais, Colombo: Embrapa Florestas, cap. 4. 236p., 2011. SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA DEFESA AGRÍCOLA. SINDAG. Dados básicos. São Paulo: SINDAG, 2012. SOAVE, J.; MORAES, S.A. Medidas de controle de doenças transmitidas por sementes. In: SOAVE, J.; WHETZEL, M.M.V.S. Patologia de sementes. Campinas: Fundação Cargil, cap.8. 480p.,1987. TAYLOR, A.G.; HARMAN, G.E. Concepts and technologies of selected seed treatments. Annual Review of Phytopathology, v.28, p. 321-339, 1990.